Centro de Informações sobre Medicamentos do Rio Grande do Sul 10 anos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Centro de Informações sobre Medicamentos do Rio Grande do Sul 10 anos"

Transcrição

1 Centro de Informações sobre Medicamentos do Rio Grande do Sul 10 anos Mesa-redonda redonda: Fármacos e Medicamentos: a informação ao seu alcance Prof. José Gilberto Pereira Associação Brasileira de Informação sobre Medicamentos Porto Alegre, 03/12/2009

2 2 Provisão de informação parcial, bem referenciada e criticamente avaliada sobre qualquer aspecto da prática farmacêutica (Malone, et al., 1996)

3 3 Origem: Indústria Farmacêutica Bulas e divulgação promocional Fontes Independentes Compêndios, formulários, mementos, revistas científicas, CIM

4 4 Manual / Origem Proporção (%) de informação ausente PDR (Physician s Desk Reference)* 10,8 DEF (Dicionário de Espec. Farmac.)* 65,2 USP DI (Drug Information for the Health Care Professional)** 8,0 *Informação da indústria; ** Informação independente Fonte: Barros, 2000

5 5 O caso das bulas dos medicamentos: Lei 6.360/76 e o Decreto /77 controle sanitário de medicamentos Portaria SVS/MS n.º 110, de 10/03/1997 roteiro de elaboração Resolução Anvisa - RDC nº 137, de 29/05/2003 advertências Resolução Anvisa - RDC nº 140, de 29/05/ nova forma e conteúdo das bulas (profissional paciente) Bulário Eletrônico - Compêndio de Bulas de Medicamentos Resolução Anvisa - RDC nº 47, DE 08/09/2009 novas regras para elaboração, harmonização, atualização, publicação e disponibilização das bulas

6 6 A divulgação promocional Aos consumidores: Ao persistirem os sintomas o médico deverá ser consultado. Isto é regulação? (Nascimento, 2005) Aos profissionais de saúde: Apenas 1% dos médicos utiliza exclusivamente informações independentes para embasar sua prática clínica. (Heath, 2006).

7 7 O paradigma das evidências na medicina: Oh Deus, onde está o conhecimento que perdi entre tantas informações? (T. S. Eliot) Quais os níveis de evidência e os graus de recomendação da pesquisa clínica? Qual a natureza dos desfechos avaliados? Qual o valor da evidência na prática? Quais os benefícios para a saúde individual e coletiva?

8 8 A medicina baseada em evidências: Mais do que a semântica do nome importam o método, o compromisso da busca das melhores evidências científicas existentes, sua rigorosa avaliação crítica, sua adaptação ao contexto de cada caso específico, a experiência do médico (ou profissional da saúde) e a tomada de decisão conjunta, após o paciente ter sido informado dos riscos e benefícios prováveis daquela decisão. Nada mais coerente, nada mais ético. Importa também saber o quanto das decisões em saúde têm apoio na melhor ciência. (Atalla, 2002)

9 9 Por que é importante avaliar as fontes informação? - A informação médica duplica cada anos; revistas científicas; - 2 milhões de artigos/ano; - 1% consideram-se confiáveis.

10 10 1. Definição: Local onde se realiza a seleção, análise e avaliação das fontes de informação sobre medicamentos, permitindo a elaboração e comunicação da informação desejada. (Garcia e Alberola, 1984) 2. Princípio: Fornecer informação farmacológica, terapêutica e toxicológica atualizada, confiável, objetiva, oportuna, imparcial e imune a pressões políticas, econômicas e comerciais, com base na literatura científica internacionalmente reconhecida, visando o uso racional de medicamentos. (Ascione, et al., 1994)

11 11 3. Funções - Atividades: Informação passiva ou reativa, veiculada a partir de solicitações de informações demandadas por profissionais de saúde, usuários de medicamento e outros interessados. Informação ativa ou pró-ativa referente à: a) revisão do uso de medicamentos; b) produção científica; c) formação, capacitação de recursos humanos; d) participação e suporte a Comissão de Farmácia e Terapêutica; e) desenvolvimento,participação e cooperação com atividades de pesquisa; f) estudos de utilização de medicamentos e programas de notificação em farmacovigilância; g) informação toxicológica sobre medicamentos. (Malone, et al., 2001)

12 12 Avaliação da Qualidade do Serviço (modelo donabediano) ESTRUTURA PROCESSO RESULTADOS Área física Material e equipamentos Recursos tecnológicos Fontes de informação Acesso a bases de dados Recursos humanos Sistema de arquivos Normas e Padrões a)ficha de Solicitação de Informação b) Fluxos de recebimento e processamento da solicitação. c) Fluxos de elaboração, envio e acompanhamento da resposta. Capacitação de recursos humanos. Atualização sistemática das fontes de informação Organização administrativa e do sistema de arquivo informatizado N o solicitações/período Via de solicitação e resposta Tempo de resposta N o fontes utilizadas N o respostas acompanhadas Auditoria interna das solicitações N o publicações/período Satisfação do usuário

13 13 Critérios de Avaliação Acurácia Integridade Documentação e referências Pertinência Clareza Objetividade Impacto no cuidado (Rosenberg, et al.,2004)

14 14 Consolidação e difusão dos serviços SISMED (Sistema Brasileiro de Informação sobre Medicamentos) ABIME (Associação Brasileira de Informação sobre Medicamentos) REBRACIM (Rede Brasileira de Centros e Serviços de Informação sobre Medicamentos)

15 Obrigado! Prof. MSc. Jose Gilberto Pereira Centro Universitário de Maringá Curso de Farmácia Bloco 06 - Sala T40 Av. Guerdner, Jd. Aclimação CEP: Maringá - PR Fones: (44) ramal

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Bulas de Medicamentos no Brasil Resolução RDC N. 3 ENIFarMed Encontro Nacional de Inovação em Fármacos e Medicamentos 14 e15 de Setembro de 2009 Bulas de Medicamento

Leia mais

Formulário para envio de contribuições para Consulta Pública*

Formulário para envio de contribuições para Consulta Pública* Formulário para envio de contribuições para Consulta Pública* FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES PARA CONSULTA PÚBLICA Este formulário tem a finalidade de identificar e orientar as contribuições para

Leia mais

uso racional de medicamentos

uso racional de medicamentos CIM-RS 10 anos - Seminário: Centros de Informação sobre Medicamentos desafio de qualificar a informação Centros de Informação como estratégia para promoção do uso racional de medicamentos Carlos Vidotti

Leia mais

Formulário para envio de contribuições para Consulta Pública*

Formulário para envio de contribuições para Consulta Pública* Formulário para envio de contribuições para Consulta Pública* FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES PARA CONSULTA PÚBLICA Este formulário tem a finalidade de identificar e orientar as contribuições para

Leia mais

PDI UNIVASF Notas sobre questões legais-normativas e sobre o processo de elaboração

PDI UNIVASF Notas sobre questões legais-normativas e sobre o processo de elaboração UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO Pró-Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Propladi Av. José de Sá Maniçoba, s/n, Centro Petrolina-PE - CEP.: 56.304-917 Fone: (87) 2101-6804

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES CIM-RS

RELATÓRIO DE ATIVIDADES CIM-RS RELATÓRIO DE ATIVIDADES CIM-RS - 2013- Boletim Informativo: http://www.ufrgs.br/boletimcimrs/ 1 de 8 Introdução O Centro de Informações sobre Medicamentos do Rio Grande do Sul (CIM-RS) funciona desde 1999

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2009

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2009 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2009 I Introdução No ano de 2009, o CIM-RS atendeu a 613 consultas formuladas por profissionais da saúde, realizou atividades de ensino e extensão, apresentou trabalhos em congressos

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 31 de dezembro de 2012 [Página ]

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 31 de dezembro de 2012 [Página ] *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 31 de dezembro de 2012 [Página 249-250] INSTRUÇÃO NORMATIVA N 5, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2012 Dispõe sobre

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC Nº 47, DE 8 DE SETEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO-RDC Nº 47, DE 8 DE SETEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO-RDC Nº 47, DE 8 DE SETEMBRO DE 2009 Estabelece regras para elaboração, harmonização, atualização, publicação e disponibilização de bulas de medicamentos para pacientes e para profissionais de

Leia mais

Kelly Braga. Farmácia Hospitalar

Kelly Braga. Farmácia Hospitalar Curso de Atualização em Boas Práticas de Farmácia Hospitalar Aula Inaugural Introdução as Boas Práticas da Farmácia Hospitalar Kelly Braga Farmácia Hospitalar Unidade clínica, administrativa a e econômica,

Leia mais

Ciência Regulatória: a regulação como instrumento de fomento às pesquisas de novas tecnologias em saúde. Brasília, 22/06/2016

Ciência Regulatória: a regulação como instrumento de fomento às pesquisas de novas tecnologias em saúde. Brasília, 22/06/2016 Ciência Regulatória: a regulação como instrumento de fomento às pesquisas de novas tecnologias em saúde. JARBAS BARBOSA Diretor-Presidente ANVISA Brasília, 22/06/2016 A ANVISA Primeira Agência da área

Leia mais

Data Versão/Revisões Descrição Autor 16/11/ Proposta inicial CESC, FA, LAS, RFC. 14/01/ Atualização CESC, LAS, MBJ, CAMS, LR

Data Versão/Revisões Descrição Autor 16/11/ Proposta inicial CESC, FA, LAS, RFC. 14/01/ Atualização CESC, LAS, MBJ, CAMS, LR 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 16/11/2012 1.00 Proposta inicial CESC, FA, LAS, RFC. 2.00 Atualização CESC, LAS, MBJ, CAMS, LR 1 Objetivo Promover assistência

Leia mais

Estrutura da GGMED e Perspectivas Regulatórias para Registro e Pós-registro de Medicamentos

Estrutura da GGMED e Perspectivas Regulatórias para Registro e Pós-registro de Medicamentos Estrutura da GGMED e Perspectivas Regulatórias para Registro e Pós-registro de Medicamentos Patrícia Ferrari Andreotti Gerência Geral de Medicamentos e Produtos Biológicos GGMED/DIARE/ANVISA Brasília,

Leia mais

Nova Regra para Bulas de Medicamentos

Nova Regra para Bulas de Medicamentos XV ENCONTRO TÉCNICO E XI ENCONTRO EMPRESARIAL - ABRASP Nova Regra para Bulas de Medicamentos RESOLUÇÃO-RDC Nº 47/2009 Carolina K. Rodrigues 21/09/2010 RESOLUÇÃO-RDC Nº 47/2009 DOU de 19/01/2010 (republicação)

Leia mais

Regulamento sanitário para a realização de ensaios clínicos com medicamentos no Brasil

Regulamento sanitário para a realização de ensaios clínicos com medicamentos no Brasil Regulamento sanitário para a realização de ensaios clínicos com medicamentos no Brasil Patrícia Ferrari Andreotti Coordenação de Pesquisa Clínica em Medicamentos e Produtos Biológicos - COPEC Superintendência

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES

RELATÓRIO DE ATIVIDADES CIM-RS Centro de Informações Sobre Medicamentos Faculdade de Farmácia/UFRGS Conselho Regional de Farmácia do Rio Grande do Sul 10 anos RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2010 I Introdução Em 2010, o CIM-RS atendeu

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Farmácia e Terapêutica

Regimento Interno da Comissão de Farmácia e Terapêutica Regimento Interno da Comissão de Farmácia e Terapêutica Da natureza e finalidade Art. 1º - A Comissão de Farmácia e Terapêutica (CFT) é instância de caráter consultivo e deliberativo da Direção Médica

Leia mais

Boas Práticas de Fabricação (BPFs) PARA INSUMOS FARMACÊUTICOS

Boas Práticas de Fabricação (BPFs) PARA INSUMOS FARMACÊUTICOS Boas Práticas de Fabricação (BPFs) PARA INSUMOS FARMACÊUTICOS Juliana Dalla Pria Tendências regulatórias para Insumos... 2010 Todos os direitos reservados 1 Registro de RDC 57/2009 Insumo Farmacêutico

Leia mais

Boas Práticas de Fabricação de Produtos para a Saúde. Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD Alba Pismel

Boas Práticas de Fabricação de Produtos para a Saúde. Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD Alba Pismel Boas Práticas de Fabricação de Produtos para a Saúde Coordenação de Inspeção de Produtos CPROD Alba Pismel Coordenação de Inspeção de Produtos Nova estrutura administrativa Principais atribuições Legislação

Leia mais

FICHA DE VERIFICAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL EM FARMÁCIA DE MANIPULAÇÃO ALOPÁTICA OU HOMEOPÁTICA Lei 3.820/60 Artigo 10 Item C

FICHA DE VERIFICAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL EM FARMÁCIA DE MANIPULAÇÃO ALOPÁTICA OU HOMEOPÁTICA Lei 3.820/60 Artigo 10 Item C 1 FICHA DE VERIFICAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL EM FARMÁCIA DE MANIPULAÇÃO ALOPÁTICA OU HOMEOPÁTICA Lei 3.820/60 Artigo 10 Item C N º de Processos FICHA Nº / 20 Profissional : T. I. n º / 20 Estabelecimento

Leia mais

ASPECTOS JURÍDICOS DA FARMÁCIA CLÍNICA E DA PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA S Ã O P A U L O, 2 8 D E J U L H O D E

ASPECTOS JURÍDICOS DA FARMÁCIA CLÍNICA E DA PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA S Ã O P A U L O, 2 8 D E J U L H O D E ASPECTOS JURÍDICOS DA FARMÁCIA CLÍNICA E DA PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA S Ã O P A U L O, 2 8 D E J U L H O D E 2 0 1 6 FARMÁCIA CLÍNICA Definição da Sociedade Europeia de Farmácia Clínica: "uma especialidade

Leia mais

Área Física e infraestrutura; Estrutura Organizacional; Farmácia Satélite; Padronização de Medicamentos:

Área Física e infraestrutura; Estrutura Organizacional; Farmácia Satélite; Padronização de Medicamentos: Área Física e infraestrutura; Estrutura Organizacional; Farmácia Satélite; Padronização de Medicamentos: DEFINIÇÃO De acordo com o Conselho Federal de Farmácia (CFF), Farmácia Hospitalar e outros serviços

Leia mais

SUBEMENDA AGLUTINATIVA DE PLENÁRIO. Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

SUBEMENDA AGLUTINATIVA DE PLENÁRIO. Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES SUBEMENDA AGLUTINATIVA DE PLENÁRIO Dispõe sobre o exercício e a fiscalização das atividades farmacêuticas e dá outras providências. Autor: Senado Federal O Congresso Nacional decreta: Capítulo I DISPOSIÇÕES

Leia mais

O planejamento estratégico configura-se em ações que foram construídas com base nos objetivos consolidados na Lei nº

O planejamento estratégico configura-se em ações que foram construídas com base nos objetivos consolidados na Lei nº PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: 2016-2020 O planejamento estratégico configura-se em ações que foram construídas com base nos objetivos consolidados na Lei nº 8.246. As ações estratégicas serão monitoradas e

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO GERÊNCIA DE INFORMÁTICA Projetos de TI executados em 2015 Resultados esperados e valores dispendidos TI 2015 Jan.2016 Projetos de TI executados em 2015 Resultados esperados e

Leia mais

Solicitação de registro dos novos medicamentos

Solicitação de registro dos novos medicamentos Terceiro Congresso das Hepatites Virais Solicitação de registro dos novos medicamentos Ricardo Borges Gerente Geral de Medicamentos Agência Nacional de Vigilância Sanitária -ANVISA João Pessoa, 18 de novembro

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO:

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: 2016-2020 O planejamento estratégico configura-se em ações que foram construídas com base nos objetivos consolidados na Lei nº 8.246. As ações estratégicas serão monitoradas e

Leia mais

2º EDITAL SANTANDER/USP/FUSP DE Direitos Fundamentais e Políticas Públicas

2º EDITAL SANTANDER/USP/FUSP DE Direitos Fundamentais e Políticas Públicas 2º EDITAL SANTANDER/USP/FUSP DE Direitos Fundamentais e Políticas Públicas PRÓ-REITORIA DE CULTURA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA 1. OBJETIVO 1.1. O objetivo do presente edital é apoiar financeiramente projetos

Leia mais

Implementação do Núcleo de Segurança do Paciente e elaboração do Plano de Segurança do Paciente. Helaine Carneiro Capucho, DSc.

Implementação do Núcleo de Segurança do Paciente e elaboração do Plano de Segurança do Paciente. Helaine Carneiro Capucho, DSc. Implementação do Núcleo de Segurança do Paciente e elaboração do Plano de Segurança do Paciente Helaine Carneiro Capucho, DSc. 21 de março de 2016 2007 Implantação do Comitê de Segurança do Paciente

Leia mais

Sumário RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 23 DE 4 DE ABRIL DE CAPÍTULO I... 1 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS... 1 CAPÍTULO III...

Sumário RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 23 DE 4 DE ABRIL DE CAPÍTULO I... 1 DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS... 1 CAPÍTULO III... RDC Nº 23 /2012 Dispõe sobre a obrigatoriedade de execução e notificação de ações de campo por detentores de registro de produtos para a saúde no Brasil. Sumário RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº

Leia mais

2 MATERIAIS E MÉTODOS

2 MATERIAIS E MÉTODOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 OCORRÊNCIA DE INTOXICAÇÕES MEDICAMENTOSAS NO ANO DE 2009 EM MARINGÁ PR Patrícia Fernanda Premero 1 ; Tanimaria da Silva Lira Ballani 2 ; Silvana Lorenzi

Leia mais

Centros de Informação sobre Medicamentos (CIM)

Centros de Informação sobre Medicamentos (CIM) Universidade de São Paulo Faculdade de Ciências Farmacêuticas Disciplina FBF-0436 Centros de Informação sobre Medicamentos (CIM) Profa. Dra. Patricia Melo Aguiar Pós-doutoranda na Universidade de São Paulo

Leia mais

Evolução da Pesquisa Clínica no Brasil

Evolução da Pesquisa Clínica no Brasil Evolução da Pesquisa Clínica no Brasil Flávia Regina Souza Sobral Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária GGMED/ANVISA EVOLUÇÃO DO DESCOBRIMENTO DE MEDICAMENTOS Início do Século: Observação na

Leia mais

Prof. Márcio Batista

Prof. Márcio Batista Prof. Márcio Batista OBJETIVOS DA AULA Conhecer os principais conceitos em farmácia hospitalar. Conhecer os aspectos técnicos e legais de localização, construção e instalação e estruturação da farmácia

Leia mais

FICHA DE VERIFICAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL EM FARMÁCIAS. Lei 3.820/60 Artigo 10 Item-C - Resolução 357/2001 do CFF. T. I. n º: / 20 Profissional:

FICHA DE VERIFICAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL EM FARMÁCIAS. Lei 3.820/60 Artigo 10 Item-C - Resolução 357/2001 do CFF. T. I. n º: / 20 Profissional: FICHA DE VERIFICAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL EM FARMÁCIAS Lei 3.820/60 Artigo 10 Item-C - Resolução 357/2001 do CFF Ficha n º: / 20 N º de Processos: T. I. n º: / 20 Profissional: Estabelecimento: Nome

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - FIOCRUZ INSTITUTO DE TECNOLOGIA EM FÁRMACOS FARMANGUINHOS. Edital de Chamada Pública 01/2016

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - FIOCRUZ INSTITUTO DE TECNOLOGIA EM FÁRMACOS FARMANGUINHOS. Edital de Chamada Pública 01/2016 EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ - FIOCRUZ INSTITUTO DE TECNOLOGIA EM FÁRMACOS FARMANGUINHOS Edital de Chamada Pública 01/2016 CHAMAMENTO PÚBLICO PARA SELEÇÃO DE INSUMO FARMACÊUTICO ATIVO

Leia mais

12 de abril de Proposta que Altera Resolução RDC Nº 44, de 17 de Agosto de 2009 e

12 de abril de Proposta que Altera Resolução RDC Nº 44, de 17 de Agosto de 2009 e Consulta Pública nº 27 12 de abril de 2012 Proposta que Altera Resolução RDC Nº 44, de 17 de Agosto de 2009 e revoga a Instrução Normativa IN nº 10, de 17 de Agosto de 2009. Art. 1º. O parágrafo 2º do

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO-RDC No- 59, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a implantação do Sistema Nacional de Controle de Medicamentos e definição dos mecanismos para rastreamento de medicamentos, por meio de tecnologia

Leia mais

RDC 39/2008 ANVISA. Patrícia Ferrari Andreotti. Coordenação de Pesquisas e Ensaios Clínicos

RDC 39/2008 ANVISA. Patrícia Ferrari Andreotti. Coordenação de Pesquisas e Ensaios Clínicos RDC 39/2008 Nova Regulamentação em Pesquisa Clínica ANVISA Patrícia Ferrari Andreotti Coordenação de Pesquisas e Ensaios Clínicos - CEPEC Gerência de Pesquisas, Ensaios Clínicos, Medicamentos Biológicos

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO IFG 2016

PLANO DE TRABALHO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO IFG 2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS COMISSÃO DE ÉTICA PLANO DE TRABALHO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO IFG 2016

Leia mais

Avaliação de Alegações Propriedades Funcionais e ou de Saúde e Registro de Produtos com Alegações

Avaliação de Alegações Propriedades Funcionais e ou de Saúde e Registro de Produtos com Alegações WORKSHOP SOBRE ANTIOXIDANTES ILSI BRASIL Avaliação de Alegações Propriedades Funcionais e ou de Saúde e Registro de Produtos com Alegações Ana Paula de R. Peretti Giometti GPESP / GGALI / ANVISA São Paulo,

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 98, DE 1 DE AGOSTO DE 2016 Dispõe sobre os critérios e procedimentos para o enquadramento de medicamentos como isentos de prescrição e o reenquadramento como medicamentos

Leia mais

Termo de Verificação de Atividades em Estabelecimento Público

Termo de Verificação de Atividades em Estabelecimento Público Termo de Verificação de Atividades em Estabelecimento Público Denominação do local: Ente responsável pela administração: C.N.P.J.: Endereço: Tel/Fax: Município: Horário de Funcionamento: Farmacêutico:

Leia mais

Comissão Intergestores Tripartite - CTI. Relação Nacional de Ações e Serviços de Saúde - RENASES- Brasília 15 de dezembro 2011

Comissão Intergestores Tripartite - CTI. Relação Nacional de Ações e Serviços de Saúde - RENASES- Brasília 15 de dezembro 2011 Comissão Intergestores Tripartite - CTI Relação Nacional de Ações e Serviços de Saúde - RENASES- Brasília 15 de dezembro 2011 Seção I Decreto Nº 7508 DE 28/06/2011 CAPÍTULO IV - DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE

Leia mais

MUDANÇAS NA SAÚDE SUPLEMENTAR. Cícero Andrade Departamento de Saúde Suplementar FENAESS

MUDANÇAS NA SAÚDE SUPLEMENTAR. Cícero Andrade Departamento de Saúde Suplementar FENAESS MUDANÇAS NA SAÚDE SUPLEMENTAR Cícero Andrade Departamento de Saúde Suplementar FENAESS MATERIAIS E MEDICAMENTOS MEDICAMENTOS E MATERIAIS Alteração da Regras Atual: Retirada das margens pelas operadoras:

Leia mais

Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde"

Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde Ações da Anvisa na segurança dos serviços de saúde" QUALIHOSP São Paulo 18/04/2011 Maria Angela da Paz Gerência Geral de Tecnologia em Serviço de Saúde - GGTES - ANVISA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências da Saúde

Universidade Estadual de Maringá Centro de Ciências da Saúde Centro de Ciências da Saúde R E S O L U Ç Ã O Nº 131/2013-CI/CCS CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, neste Centro, no dia 11/12/13. Aprova a estrutura curricular

Leia mais

PLANO ANUAL DE TRABALHO DA OUVIDORIA

PLANO ANUAL DE TRABALHO DA OUVIDORIA 2017 PLANO ANUAL DE TRABALHO DA OUVIDORIA Instituto Federal Farroupilha 10/03/2017 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. A OUVIDORIA DO... 3 2.1. Relacionamento com a Sociedade... 3 3. OBJETIVO DO PLANO DE TRABALHO...

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM FARMACIA

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM FARMACIA Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 027 Município: Tupã Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: TECNICO EM FARMACIA Qualificação:

Leia mais

Ajuste Anual de Preço de Medicamentos

Ajuste Anual de Preço de Medicamentos Ajuste Anual de Preço de Medicamentos Março 2017 1. Modelo de ajuste de preços Lei nº 10.742, de 6 de outubro de 2003 Define normas de regulação para o setor farmacêutico, cria a Câmara de Regulação do

Leia mais

Estudos de avaliação de tecnologias em saúde e a incorporação de novas tecnologias no sistema de saúde

Estudos de avaliação de tecnologias em saúde e a incorporação de novas tecnologias no sistema de saúde ABRES 2014 - XI Encontro Nacional de Economia da Saúde & VI Encontro Latino Americano de Economia da Saúde Estudos de avaliação de tecnologias em saúde e a incorporação de novas tecnologias no sistema

Leia mais

3º EDITAL SANTANDER/USP/FUSP DE Direitos Fundamentais e Políticas Públicas PRÓ-REITORIA DE CULTURA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

3º EDITAL SANTANDER/USP/FUSP DE Direitos Fundamentais e Políticas Públicas PRÓ-REITORIA DE CULTURA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA 3º EDITAL SANTANDER/USP/FUSP DE Direitos Fundamentais e Políticas Públicas PRÓ-REITORIA DE CULTURA E EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA 1. OBJETIVO 1.1. O objetivo do presente edital é apoiar financeiramente projetos

Leia mais

Elaboração de DDCM: A experiência das CROs. Comissão Regulatória

Elaboração de DDCM: A experiência das CROs. Comissão Regulatória Elaboração de DDCM: A experiência das CROs Comissão Regulatória Objetivos Dividir experiências das CROs participantes da ABRACRO Compartilhar dicas práticas para a montagem do DDCM/Dossiê de Ensaio Clínico

Leia mais

CRITÉRIOS DE INDICAÇÃO DE MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA Diário Oficial da União Nº 18, Seção 1, quarta-feira, 2 de janeiro de 2012

CRITÉRIOS DE INDICAÇÃO DE MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA Diário Oficial da União Nº 18, Seção 1, quarta-feira, 2 de janeiro de 2012 Circular 050/2012 São Paulo, 27 de Janeiro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) CRITÉRIOS DE INDICAÇÃO DE MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA Diário Oficial da União Nº 18, Seção 1, quarta-feira, 2 de janeiro de

Leia mais

MEDICAMENTOS PERGUNTAS E RESPOSTAS EQUIVALÊNCIA SAL/BASE

MEDICAMENTOS PERGUNTAS E RESPOSTAS EQUIVALÊNCIA SAL/BASE MEDICAMENTOS PERGUNTAS E RESPOSTAS EQUIVALÊNCIA SAL/BASE Agência Nacional de Vigilância Sanitária Perguntas e respostas frequentes sobre descrição da equivalência sal/base na bula na rotulagem de medicamentos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 036/2012, DE 31 DE OUTUBRO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 036/2012, DE 31 DE OUTUBRO DE 2012 Conselho Superior Rua Ciomara Amaral de Paula, 167 Bairro Medicina 37550-000 - Pouso Alegre/MG Fone: (35) 3449-6150/E-mail: reitoria@ifsuldeminas.edu.br RESOLUÇÃO Nº 036/2012, DE 31 DE OUTUBRO DE 2012

Leia mais

SUMÁRIO ATENÇÃO E ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICAS CAPÍTULO 1 CÓDIGO DE ÉTICA DA PROFISSÃO FARMACÊUTICA E ATUAÇÃO NA FARMÁCIA COMERCIAL CAPÍTULO 2

SUMÁRIO ATENÇÃO E ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICAS CAPÍTULO 1 CÓDIGO DE ÉTICA DA PROFISSÃO FARMACÊUTICA E ATUAÇÃO NA FARMÁCIA COMERCIAL CAPÍTULO 2 SUMÁRIO ATENÇÃO E ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICAS CAPÍTULO 1 1. Introdução...12 2. Leis, Portarias e Resoluções que Abordam a Atenção e Assistência Farmacêutica 12 1. Política Nacional de Medicamentos - Portaria

Leia mais

MESA REDONDA. RDC Teoria e Prática

MESA REDONDA. RDC Teoria e Prática 41 Congresso Brasileiro ili de Ptl Patologia Clíi Clínica e Medicina Mdii Lb Laboratorial il MESA REDONDA Estratégia de Implantação da RDC 302 - Teoria e Prática Flávia Freitas de Paula Lopes Gerente-Geral

Leia mais

Prática farmacêutica: saúde baseada em evidências

Prática farmacêutica: saúde baseada em evidências Prática farmacêutica: saúde baseada em evidências Comissão de Farmácia Comunitária do CRF-PR Nos últimos anos, os farmacêuticos que atuam em farmácias comunitárias ganharam novas ferramentas de trabalho,

Leia mais

Critérios para Envio de Trabalho Científico

Critérios para Envio de Trabalho Científico Critérios para Envio de Trabalho Científico A Comissão Científica da IV Jornada de Fisioterapia HCPA/UFRGS apresenta os critérios para envio e aceite dos trabalhos científicos a serem selecionados para

Leia mais

AS PLANTAS MEDICINAIS E A FITOTERAPIA NO SISTEMA OFICIAL DE SAÚDE 1º Seminário Internacional de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde

AS PLANTAS MEDICINAIS E A FITOTERAPIA NO SISTEMA OFICIAL DE SAÚDE 1º Seminário Internacional de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INSUMOS ESTRATÉGICOS DEPARTAMENTO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA E INSUMOS ESTRATÉGICOS AS PLANTAS MEDICINAIS E A FITOTERAPIA NO SISTEMA OFICIAL DE

Leia mais

Fases da pe squi qu s i a c a lín í i n c i a na i a i dú dú tr t ia far f mac êut u i t c i a

Fases da pe squi qu s i a c a lín í i n c i a na i a i dú dú tr t ia far f mac êut u i t c i a Fases da pesquisa clínica na indústria farmacêutica Eduardo Motti Sumário Por que das Fases de pesquisa clínica Fase 1 a 4 Outros conceitos: Fase 0, Fase 5 Para onde vamos Objetivos da Pesquisa Clínica

Leia mais

Ofício nº 494/2011 Curitiba, 29 de julho de 2011

Ofício nº 494/2011 Curitiba, 29 de julho de 2011 Ofício nº 494/2011 Curitiba, 29 de julho de 2011 Ao Farmacêutico Responsável pelo Município Ao Secretário Municipal de Saúde Assunto: exclusão dos medicamentos claritromicina 500 mg, eritromicina (estolato)

Leia mais

Anvisa e o setor regulado: prioridades e compromissos para Dirceu Raposo de Mello

Anvisa e o setor regulado: prioridades e compromissos para Dirceu Raposo de Mello Anvisa e o setor regulado: prioridades e compromissos para 2007 Dirceu Raposo de Mello Gerência de Pesquisa, Ensaios Clínicos, Produtos Biológicos e Medicamentos Novos Pesquisa Clínica Biológicos Sintéticos

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 CFT COMISSÃO DE FARMÁCIA E TERAPÊUTICA

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 CFT COMISSÃO DE FARMÁCIA E TERAPÊUTICA RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 CFT COMISSÃO DE FARMÁCIA E TERAPÊUTICA 1. APRESENTAÇÃO O objetivo principal da Comissão de Farmácia e Terapêutica é elaborar a cada dois anos a padronização de medicamentos disponível

Leia mais

Curitiba Outubro/2017

Curitiba Outubro/2017 Curitiba Outubro/2017 Contexto Acesso a medicamentos do Componente Especializado e Elenco Complementar da SESA-PR 22 Farmácias Regionais + Farmácia do CPM 195.063 usuários cadastrados Patologias crônicas

Leia mais

água para injetáveis Solução injetável

água para injetáveis Solução injetável água para injetáveis Solução injetável 1 água para injetáveis 2 I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Água para injetáveis APRESENTAÇÕES Cada ampola plástica de polietileno contém 10 ml de água para injetáveis,

Leia mais

Comparação NBR ISO X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998

Comparação NBR ISO X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998 Comparação NBR ISO 13485 X RDC s ANVISA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE: NBR ISO 13485:2004 RCD 59:2000 PORTARIA 686:1998 Agenda Objetivo do estudo Visão Geral da NBR 13485:2004 Tendências mundiais Resultados

Leia mais

Cartilha de mudanças Rede Credenciada

Cartilha de mudanças Rede Credenciada Assistência Multidisciplinar de Saúde Foto: Istock/ Banco de Imagens Petrobras Cartilha de mudanças Rede Credenciada PAD e FISIOTERAPIA DOMICILIAR ORIENTAÇÕES PARA REDE MÉDICA Sumário 1. Orientações sobre

Leia mais

Componente Especializado da Assistência Farmacêutica. Revisão da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais Pepe

Componente Especializado da Assistência Farmacêutica. Revisão da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais Pepe Componente Especializado da Assistência Farmacêutica Autora: Tatiana Aragão Figueiredo Revisão da 2ª Edição: Carolina Rodrigues Gomes e Vera Lúcia Edais Pepe Revisoras da 1ª Edição: Ana Márcia Messeder

Leia mais

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE MEDICINA HIPERBÁRICA

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE MEDICINA HIPERBÁRICA MANUAL DE AVALIAÇÃO DE MEDICINA HIPERBÁRICA Versão 2014 Entidades Associadas Sumário Seção 1 Estrutura Organizacional 1.1. Liderança 1.2. Equipe Médica 1.3. Equipe de Enfermagem 1.4. Gestão de Pessoas

Leia mais

SUMED/ANVISA. Processo de Reestruturação. Superintendência de Medicamentos e Produtos Biológicos

SUMED/ANVISA. Processo de Reestruturação. Superintendência de Medicamentos e Produtos Biológicos SUMED/ANVISA Processo de Reestruturação Superintendência de Medicamentos e Produtos Biológicos Objetivos da reestruturação Uniformizar e aprimorar os procedimentos administrativos e técnicos; Promover

Leia mais

Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos

Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos Portaria MS 2.616 / 98 regulamenta as ações de controle de infecção hospitalar no país Estabelece o serviço de farmácia como membro consultor da Comissão

Leia mais

Consenso Brasileiro em Doença de Chagas e Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas - PCDT

Consenso Brasileiro em Doença de Chagas e Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas - PCDT REUNIÃO ANUAL DA PLATAFORMA DE PESQUISA CLÍNICA PARA A DOENÇA DE CHAGAS DNDi 2016 Consenso Brasileiro em Doença de Chagas e Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas - PCDT Renato Vieira Alves Ministério

Leia mais

Chamada Pública 2015

Chamada Pública 2015 Chamada Pública 2015 VIII Oficina VideoSaúde: da ideia ao argumento Categoria: Atualização Periodicidade: Bianual Coordenação: M.Sc. Homero Teixeira de Carvalho Apoio Administrativo: Cláudia Lima de Oliveira

Leia mais

APLICAÇÃO DE INSTRUMENTO AVALIATIVO PARA A GESTÃO DA ASSISTÊNCIA

APLICAÇÃO DE INSTRUMENTO AVALIATIVO PARA A GESTÃO DA ASSISTÊNCIA APLICAÇÃO DE INSTRUMENTO AVALIATIVO PARA A GESTÃO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Vanessa A. Paiva de Carvalho 1, Sonia R. Riado 2, Regina M. B. Chain 3, Maria L. B. Ribeiro 1,

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente determino a sua publicação: Resolução - RDC nº 26, de 17 de dezembro de 1999 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do Regulamento da ANVS aprovado

Leia mais

Texto transcrito pela Invitare Pesquisa Clínica

Texto transcrito pela Invitare Pesquisa Clínica Resolução - RDC nº 26, de 17 de dezembro de 1999 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária no uso da atribuição que lhe confere o art. 11 inciso IV do Regulamento da ANVS aprovado

Leia mais

Indicação do uso de Fitoterápicos na Atenção Básica. Francilene Amaral da Silva Universidade Federal de Sergipe

Indicação do uso de Fitoterápicos na Atenção Básica. Francilene Amaral da Silva Universidade Federal de Sergipe Indicação do uso de Fitoterápicos na Atenção Básica Francilene Amaral da Silva Universidade Federal de Sergipe FITOTERAPIA NA ATENÇÃO PRIMÁRIA Medicina Tradicional e Complementar Alternativa no Mundo A

Leia mais

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) Comissão de Estudo Especial de Informática em Saúde () GT3 Conteúdo Semântico 11ª Plenária CEE78IS 15/12/2015 APRESENTAÇÃO DO PROJETO DE NORMA Nº: 078:000.000-085

Leia mais

Auditoria Farmacêutica. Unimed Federação Minas

Auditoria Farmacêutica. Unimed Federação Minas Auditoria Farmacêutica Unimed Federação Minas Unimed Federação Minas REPRESENTATIVIDADE POLÍTICO-INSTITUCIONAL 3 Milhões de clientes 56% de participação de mercado 16.530 cooperados NÚMEROS 61 Cooperativas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 72, DE 08 DE MAIO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 72, DE 08 DE MAIO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 72, DE 08 DE MAIO DE 2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 52ª Reunião Ordinária, realizada no dia 08 de maio de 2014, em uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

10º Encontro Nacional de Inovação em Fármacos e Medicamentos (ENIFarMed)

10º Encontro Nacional de Inovação em Fármacos e Medicamentos (ENIFarMed) 10º Encontro Nacional de Inovação em Fármacos e Medicamentos (ENIFarMed) DIAGNÓSTICO MEDICAMENTO TRATAMENTO ACOMPANHAMENTO MULTIDISCIPLINAR ESTUDOS NO MUNDO SOBRE MEDICAMENTOS PARA DOENÇAS RARAS 1155

Leia mais

Avaliação de Tecnologia em Saúde na Qualificação dos Gastos

Avaliação de Tecnologia em Saúde na Qualificação dos Gastos IV Jornada de Economia da Saúde Agosto 2008 Avaliação de Tecnologia em Saúde na Qualificação dos Gastos Rosimary Almeida Gerência de Avaliação de Tecnologia - GEATS Diretoria de Desenvolvimento Setorial

Leia mais

Acesso aos medicamentos e globalização: questões éticas e sociais.

Acesso aos medicamentos e globalização: questões éticas e sociais. Acesso aos medicamentos e globalização: questões éticas e sociais. Atelier 1 As Políticas Públicas de acesso aos medicamentos. O contexto e os principais determinantes da política brasileira de. Montreal

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO PROPEGI/UPE

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO PROPEGI/UPE UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO PROPEGI/UPE PROGRAMA DE APOIO À PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU DA UPE EDITAL AMD e AQD 2017 Finalidade Este documento estabelece

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA -UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de EDITAL Nº 191/2015

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA -UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de EDITAL Nº 191/2015 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA -UESB Recredenciada pelo Decreto Estadual N 9.996, de02.05.2006 EDITAL Nº 191/2015 MOBILIDADE ACADÊMICA UESB/ABRUEM 2016-1 O Reitor da UNIVERSIDADE ESTADUAL DO

Leia mais

A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR

A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR A RELEVÂNCIA DA AUDITORIA INTERNA PARA O GESTOR Rodrigo Stigger Dutra CGE TOP A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR Todo dia é dia de gestão de crise! A DIFÍCIL VIDA DE UM GESTOR Não

Leia mais

tudo sobre Entendendo a bula MEDICAMENTOS Campanha de valorização dos medicamentos genéricos Volume 4

tudo sobre Entendendo a bula MEDICAMENTOS Campanha de valorização dos medicamentos genéricos Volume 4 tudo sobre MEDICAMENTOS Campanha de valorização dos medicamentos genéricos Volume 4 Entendendo a bula 1. Você sabe qual a importância da bula? Quando tomamos um medicamento, normalmente não damos muita

Leia mais

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Nossa história Cenário Cenário Nossa história Setores Previsão segundo o Plano de Trabalho Quando

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.647, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.647, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 2.647, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2013 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO DOU de 05/11/2013 (nº 215, Seção 1, pág. 41) Institui a Rede Brasileira de

Leia mais

QUALIHOSP São Paulo, 03 de abril de 2012

QUALIHOSP São Paulo, 03 de abril de 2012 Regulação e Qualidade QUALIHOSP São Paulo, 03 de abril de 2012 Ações para melhoria da Qualidade Remuneração Qualificação Informação Qualidade Resolução Normativa n o 267 QUALIFICAÇÃO Programa de Divulgação

Leia mais

ÁGUA PARA INJETÁVEIS BEKER Água para injeção

ÁGUA PARA INJETÁVEIS BEKER Água para injeção BULA PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE 1 ÁGUA PARA INJETÁVEIS BEKER Água para injeção Solução Injetável ÁGUA PARA INJETÁVEIS BEKER Água para injeção FORMA FARMACÊUTICA Solução injetável, límpida, hipotônica,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE AÇÃO SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE AÇÃO SOCIAL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE AÇÃO SOCIAL E D I T A L / P R O P E P G N º 1 2 d e 0 4 d e a g o s t o d e 2 0 1 7 A Pró-Reitoria de Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação PROPEPG, visando aperfeiçoar as ações

Leia mais

Instruções para o preenchimento do Formulário 11. O Formulário 11 tem como finalidade a solicitação de selos, destinados aos estabelecimentos.

Instruções para o preenchimento do Formulário 11. O Formulário 11 tem como finalidade a solicitação de selos, destinados aos estabelecimentos. Instruções para o preenchimento do Formulário 11 O Formulário 11 tem como finalidade a solicitação de selos, destinados aos estabelecimentos. Na parte superior do formulário há instruções em relação ao

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 914/2017

DELIBERAÇÃO Nº 914/2017 DELIBERAÇÃO Nº 914/2017 Dispõe sobre a Assistência Técnica Farmacêutica nos Estabelecimentos Farmacêuticos Públicos O CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO PARANÁ CRF- PR, diante das atribuições legais

Leia mais

ANEXO II PLANO ANUAL 2016

ANEXO II PLANO ANUAL 2016 ANEXO II PLANO ANUAL Atualmente, a Rede SARAH conta com nove Unidades consolidadas no período de 24 anos de Contrato de Gestão: Brasília (2 Unidades), São Luís, Salvador, Belo Horizonte, Fortaleza, Macapá,

Leia mais

ATENÇÃO FARMACÊUTICA E USO RACIONAL DO MEDICAMENTO

ATENÇÃO FARMACÊUTICA E USO RACIONAL DO MEDICAMENTO ATENÇÃO FARMACÊUTICA E USO RACIONAL DO MEDICAMENTO Gabriela B. G. Mosegui Departamento de Saúde e Sociedade/ISC/UFF Adaptado de Fernanda d Athayde Rodrigues, James Fitzgerald (OPAS, Brasil) INTRODUÇÃO

Leia mais

Vigilância Sanitária Digital 1

Vigilância Sanitária Digital 1 SECRETARIA DE SAÚDE CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA PORTARIA CVS Nº 5, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2010 DOE/SP de 06/02/2010 [Página 45] Atualização do fluxo de notificações em farmacovigilância para os Detentores

Leia mais

Guia de Boas Práticas da Regulamentação. proposta de temas e processo de desenvolvimento. José Augusto A. K. Pinto de Abreu

Guia de Boas Práticas da Regulamentação. proposta de temas e processo de desenvolvimento. José Augusto A. K. Pinto de Abreu Guia de Boas Práticas da Regulamentação proposta de temas e processo de desenvolvimento José Augusto A. K. Pinto de Abreu Objetivo Discutir o conteúdo do Guia de Boas Práticas para a Regulamentação Técnica

Leia mais