Despacho Hidrotérmico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Despacho Hidrotérmico"

Transcrição

1 Aspectos Gerais

2 Agenda 1) Despacho Econômico 2) Despacho Hidrotérmico 3) Exemplo Numérico: - Como é obtido o custo marginal de operação? - Como se atribui valor à água? - Como é construída a Função de Custo Futuro? - O que são cortes de Benders? - Como o problema converge? - O que é Zinf e Zsup?

3 DESPACHO ECONÔMICO (Sistema Termelétrico)

4 Despacho Econômico P = 15 MW CVU = 5 R$/MWh UTE_1 P = 30 MW CVU = 10 R$/MWh UTE_2 P = 10 MW CVU = 15 R$/MWh UTE_3 CARGA 1) Qual é o despacho ótimo? 2) Qual é o custo total de operação? 3) Qual é o Custo Marginal de Operação (CMO)? 4) Como o problema pode ser matematicamente modelado? 50 MWh

5 Despacho Econômico DESPACHO EM ORDEM DE MÉRITO ECONÔMICO P = 15 MW CVU = 5 R$/MWh P = 30 MW CVU = 10 R$/MWh UTE_1 UTE_2 GT1 = 15 MWh GT2 = 30 MWh P = 10 MW CVU = 15 R$/MWh Intuitivamente: UTE_3 GT3 = 5 MWh Custo total de operação: custo_total = 15 x x x 15 = R$ 450 E se a carga fosse de 51 MWh, qual seria o custo? custo_total = 15 x x x 15 = R$ 465 CARGA 50 MWh CMO = 15 R$/MWh Como o problema pode ser matematicamente modelado?

6 Despacho Econômico 1) Modelagem do problema: FUNÇÃO OBJETIVO RESTRIÇÕES 2) Resultado: CUSTO TOTAL DE OPERAÇÃO VARIÁVEIS DE DECISÃO MULTIPLICADOR DE LAGRANGE, MULTIPLICADOR SIMPLEX, VARIÁVEL DUAL (o solver utilizado mostra o sinal trocado) 3) E se a carga fosse de 51 MWh? Como o modelo responderia?

7 Despacho Econômico 1) E se a carga fosse de 51 MWh? 2) Resultado: CUSTO TOTAL DE OPERAÇÃO Há um incremento de R$ 15,00 no custo total de operação, assim como indicava o multiplicador de lagrange associado à restrição de atendimento a demanda(slide anterior). 3) E se no problema original (com carga de 50 MWh) a térmica 1 tivesse 16 MW de potência instalada?

8 Despacho Econômico 1) Térmica 1 com 16 MW de potência instalada: 2) Resultado: CUSTO TOTAL DE OPERAÇÃO Há uma redução de R$ 10,00 no custo total de operação (em relação ao problema original com carga de50mwh).

9 Despacho Econômico Características do despacho termelétrico: 1) Problema desacoplado no tempo: - Uma decisão operativa tomada hoje, não afeta o custo operativo do futuro; 2) Custo imediato é conhecido E como funciona o despacho hidrotérmico?

10 DESPACHO HIDROTÉRMICO (Exemplo Determinístico 2 estágios)

11 P = 15 MW Custo de Operação = 0 R$/MWh P = 30 MW CVU = 10 R$/MWh P = 10 MW CVU = 15 R$/MWh P = 15 MW CVU = 80 R$/MWh UHE_1 UTE_1 UTE_2 UTE_3 CARGA 1º Estágio 2º Estágio 50 MWh Afluência 1 = 11 Afluência 2 = 0 V 0 = 10 V 1 =? V 2 =? 1) Para simplificar é considerada produtividade unitária. 2) Como seria a operação do sistema?

12 Exemplo de operação míope gerar toda a água que chega: 1º Estágio 2º Estágio GH = 15 MWh GT1 = 30 MWh GT2 = 5 MWh GT3 = 0 MWh GH = 6 MWh GT1 = 30 MWh GT2 = 10 MWh GT3 = 4 MWh Custo total de operação: 1º Estágio 2º Estágio c_total = 30 x x x x x 80 = R$ Essa operação é ótima? E se as possíveis políticas operativas fossem enumeradas?

13 Impacto da decisão do primeiro estágio no custo do segundo estágio: O objetivo é a minimização do custo total de operação. Graficamente:

14 Minimização do custo total de operação: [R$] Armazenamento (ao final do primeiro estágio) A hidro tem potência instalada de 15 MW. O armazenamento superior a 15 esbarra no limite de turbinamento do segundo estágio. Reservatório vazio ao final do primeiro estágio: custo imediato baixo e custo futuro alto Reservatório cheio ao final do primeiro estágio: custo imediato alto e custo futuro baixo A FCF mostra que para um armazenamento inferior a 10 é preciso acionar a térmica mais cara no segundo estágio.

15 Minimização do custo total de operação: Esse problema pode ser decomposto?

16 DECOMPOSIÇÃO DO PROBLEMA (Exemplo Determinístico 2 estágios)

17 Primeiro estágio (1ª forward): Ainda não há informação a respeito da conseqüência da utilização da água. Segundo estágio (1ª forward) a informação do armazenamento ao final do primeiro estágio é repassada ao segundo estágio:

18 Segundo estágio (1ª forward): Final da primeira forward: 1º Estágio 2º Estágio Afluência 1 = 11 Afluência 2 = 0 V 0 = 10 V 1 = 6 V 2 = 0 GH = 15 MWh GT1 = 30 MWh GT2 = 5 MWh GT3 = 0 MWh GH = 6 MWh GT1 = 30 MWh GT2 = 10 MWh GT3 = 4 MWh

19 Zinf e Zsup 1ª Iteração A distância entre Zinf e Zsup dá uma ideia da qualidade da informação apresentada pela função de custo futuro Custo de Operação [R$] Zsup Zinf 0 1ª Iteração

20 Montagem do corte de benders (1ª backward): - O corte de benders é uma equação de reta que relaciona o estado de armazenamento ao final de um estágio, com o custo de operação do estágio seguinte. V1 custo [R$] Armazenamento

21 Primeiro estágio o corte é inserido no PL: Agora já existe informação a respeito da conseqüência da utilização da água. Segundo estágio (2ª forward) a informação do armazenamento ao final do primeiro estágio é repassada ao segundo estágio:

22 Segundo estágio (2ª forward): Final da segunda forward (comparação entre 1ª e 2ª iteração): 1º Estágio 2º Estágio Afluência 1 = 11 Afluência 2 = 0 1º Estágio 2º Estágio Afluência 1 = 11 Afluência 2 = 0 V 0 = 10 GH = 15 MWh GT1 = 30 MWh GT2 = 5 MWh GT3 = 0 MWh V 1 = 6 V 2 = 0 GH = 6 MWh GT1 = 30 MWh GT2 = 10 MWh GT3 = 4 MWh V 0 = 10 V 1 = 15,7 V 2 = 0,6 GH = 5,4 MWh GT1 = 30,0 MWh GT2 = 10,0 MWh GT3 = 4,6 MWh GH = 15,0 MWh GT1 = 30,0 MWh GT2 = 5,0 MWh GT3 = 0,0 MWh

23 Zinf e Zsup Custo de Operação [R$] Zsup Zinf 0 1ª Iteração 2ª Iteração

24 Montagem do 2º corte de benders (2ª backward): [R$] Armazenamento 1º Corte 2º corte

25 Primeiro estágio o corte é inserido no PL: Agora já existe informação a respeito da conseqüência da utilização da água. Segundo estágio (3ª forward) a informação do armazenamento ao final do primeiro estágio é repassada ao segundo estágio:

26 Segundo estágio (3ª forward): Final da terceira forward (comparação entre 2ª e 3ª iteração): 1º Estágio 2º Estágio Afluência 1 = 11 Afluência 2 = 0 V 0 = 10 V 1 = 15,7 V 2 = 0,6 GH = 5,4 MWh GT1 = 30,0 MWh GT2 = 10,0 MWh GT3 = 4,6 MWh GH = 15,0 MWh GT1 = 30,0 MWh GT2 = 5,0 MWh GT3 = 0,0 MWh 1º Estágio 2º Estágio Afluência 1 = 11 Afluência 2 = 0 V 0 = 10 V 1 = 10,9 V 2 = 0 GH = 10,1 MWh GT1 = 30,0 MWh GT2 = 9,9 MWh GT3 = 0,0 MWh GH = 10,9 MWh GT1 = 30,0 MWh GT2 = 9,1 MWh GT3 = 0,0 MWh

27 Zinf e Zsup Custo de Operação [R$] Zsup Zinf 0 1ª Iteração 2ª Iteração 3ª Iteração

28 Montagem do 3º corte de benders (3ª backward): 1º Corte 2º Corte 3º Corte V1 custo2 V1 custo2 V1 custo [R$] Armazenamento 1º Corte 2º corte 3º corte FCF

29 Primeiro estágio o corte é inserido no PL: Agora já existe informação a respeito da conseqüência da utilização da água. Segundo estágio (4ª forward) a informação do armazenamento ao final do primeiro estágio é repassada ao segundo estágio:

30 Segundo estágio (4ª forward): Final da quarta forward (comparação entre 3ª e 4ª iteração): 1º Estágio 2º Estágio Afluência 1 = 11 Afluência 2 = 0 1º Estágio 2º Estágio Afluência 1 = 11 Afluência 2 = 0 V 0 = 10 GH = 5,4 MWh GT1 = 30,0 MWh GT2 = 9,9 MWh GT3 = 0,0 MWh V 1 = 10,9 V 2 = 0 GH = 11,0 MWh GT1 = 30,0 MWh GT2 = 9,0 MWh GT3 = 0,0 MWh V 0 = 10 V 1 = 11 V 2 = 0 GH = 10,0 MWh GT1 = 30,0 MWh GT2 = 10,0 MWh GT3 = 0,0 MWh GH = 11,0 MWh GT1 = 30,0 MWh GT2 = 9,0 MWh GT3 = 0,0 MWh

31 Zinf e Zsup Convergiu! Custo de Operação [R$] Zsup Zinf 0 1ª Iteração 2ª Iteração 3ª Iteração 4ª Iteração

32 Características do despacho hidrotérmico: 1) Problema acoplado no tempo: - Uma decisão operativa tomada hoje, afeta diretamente o custo operativo do futuro; 2) A solução ótima deve comparar o custo imediato das térmicas com o custo de oportunidade das hidráulicas Mas a afluência não é conhecida. Essa incerteza é modelada por meio de cenários! Única diferença no processo de solução é que são utilizados valores médios para montar os cortes de benders!

33 FIM

Metodologias e Critérios para o planejamento de Sistemas de Energia Elétrica Dr. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila

Metodologias e Critérios para o planejamento de Sistemas de Energia Elétrica Dr. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila Universidade Federal de Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Metodologias e Critérios para o planejamento de Sistemas de Energia Elétrica Dr. Eng. Clodomiro Unsihuay Vila Curitiba-Brasil,

Leia mais

3 Operação das Térmicas e Sistemas Hidrotérmicos

3 Operação das Térmicas e Sistemas Hidrotérmicos 3 Operação das Térmicas e Sistemas Hidrotérmicos 3.1 Sistemas Hidrotérmicos 3.1.1 Custos de oportunidade À primeira vista, as usinas hidrelétricas seriam sempre acionadas primeiro no despacho econômico,

Leia mais

2 FORMAÇÃO DE PREÇOS NO MERCADO DE CURTO PRAZO

2 FORMAÇÃO DE PREÇOS NO MERCADO DE CURTO PRAZO FORMAÇÃO DE PREÇOS NO MERCADO DE CURTO PRAZO 19 2 FORMAÇÃO DE PREÇOS NO MERCADO DE CURTO PRAZO Este capítulo discute o cálculo da produção de energia de cada gerador, hidrelétrico e térmico, ao longo do

Leia mais

Estrutura de um Sistema Elétrico

Estrutura de um Sistema Elétrico Estrutura de um Sistema Elétrico Fernando Umbria LPS Consultoria Energética Agenda Características gerais e conceitos importantes A importância do planejamento setorial As principais fontes de energia

Leia mais

Representação de Aversão a Risco no Planejamento da Operação e Formação do PLD. São Paulo Junho de 2016

Representação de Aversão a Risco no Planejamento da Operação e Formação do PLD. São Paulo Junho de 2016 Representação de Aversão a Risco no Planejamento da Operação e Formação do PLD São Paulo Junho de 2016 Agenda 1) Contextualização 2) Teoria e Conceitos Técnicas de Representação da Aversão a Risco (Mercado

Leia mais

Rio de Janeiro, 13 de agosto de 2014 Rev.1

Rio de Janeiro, 13 de agosto de 2014 Rev.1 Rio de Janeiro, 13 de agosto de 2014 Rev.1 O conteúdo deste material foi produzido pelo Ins5tuto Acende Brasil. Não é permi5da sua reprodução total ou parcial. OBJETIVOS Debater o papel da geração termelétrica

Leia mais

3 Programação Dinâmica Estocástica e Algoritmo de Fechos Convexos

3 Programação Dinâmica Estocástica e Algoritmo de Fechos Convexos 3 Programação Dinâmica Estocástica e Algoritmo de Fechos Convexos 3.1. Introdução No problema de planejamento energético visa-se a utilização de forma otimizada dos recursos energéticos, proporcionando

Leia mais

Planejamento da Operação de Sistemas Hidrotérmicos. Parte I

Planejamento da Operação de Sistemas Hidrotérmicos. Parte I Universidade Federal de Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Planejamento da Operação de Sistemas Hidrotérmicos Parte I Prof. Dr. Clodomiro Unsihuay-Vila FORMULAÇÃO DO PROBLEMA

Leia mais

3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica

3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica 24 3 Mercado Brasileiro de Energia Elétrica Algumas características e mecanismos do mercado de energia elétrica brasileiro precisam ser compreendidos para realizar a análise proposta neste estudo. Especialmente,

Leia mais

4 Características do Mercado Brasileiro de Energia Elétrica

4 Características do Mercado Brasileiro de Energia Elétrica 4 Características do Mercado Brasileiro de Energia Elétrica Para que a modelagem matemática utilizada neste trabalho seja bem compreendida, nesta seção serão abordadas algumas características importantes

Leia mais

PMO de Setembro Semana Operativa de 09/09/2017 a 15/09/2017

PMO de Setembro Semana Operativa de 09/09/2017 a 15/09/2017 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 02 a 08/09/2017 ocorreu chuva fraca na bacia do rio Jacuí. Para a semana de 09 a 15/09/2017 há previsão de chuva fraca nas bacias dos rios Jacuí, Uruguai, Iguaçu e Paranapanema.

Leia mais

Análise PLD 5ª semana operativa de janeiro

Análise PLD 5ª semana operativa de janeiro 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,7 287,2 24,8 145,9 227,4 212,32 22,87 116,8 5,59 46,2 35,76 3,25 3,25 395,73 387,24 369,39 688,88 www.ccee.org.br Nº 226 5ª

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro Semana Operativa de 21/01/2017 a 27/01/2017 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS Na semana de 14 a 20/01/2017 ocorreu precipitação nas bacias dos

Leia mais

Oferta e Demanda de Energia Elétrica: Cenários. Juliana Chade

Oferta e Demanda de Energia Elétrica: Cenários. Juliana Chade Oferta e Demanda de Energia Elétrica: Cenários Juliana Chade Agenda Cenário atual Preços Afluências Reservatórios Consumo de energia elétrica Meteorologia/Clima Expansão da Oferta Projeções de PLD 2 Agenda

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro Semana Operativa de 17/12/2016 a 23/12/2016 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS Na semana de 10 a 16/12/2016 ocorreu chuva fraca nas bacias dos

Leia mais

PMO de Setembro Semana Operativa de 16/09/2017 a 22/09/2017

PMO de Setembro Semana Operativa de 16/09/2017 a 22/09/2017 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 09 a 15/09/2017 a atuação de duas frentes frias na região Sul, uma no início da semana e a outra no final, ocasionou apenas chuva fraca isolada nas bacias dos rios Jacuí e

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro Semana Operativa de 17/12/2016 a 23/12/2016 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS Na semana de 10 a 16/12/2016 ocorreu chuva fraca nas bacias dos

Leia mais

PMO de Setembro Semana Operativa de 02/09/2017 a 08/09/2017

PMO de Setembro Semana Operativa de 02/09/2017 a 08/09/2017 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 26/08 a 01/09/2017 ocorreu precipitação de fraca intensidade na bacia do rio Jacuí e chuvisco em pontos isolados da bacia do rio Uruguai. Para a semana de 02 a 08/09/2017 prevê-se,

Leia mais

Operação do SIN. PEA3496 Prof. Marco Saidel

Operação do SIN. PEA3496 Prof. Marco Saidel Operação do SIN PEA3496 Prof. Marco Saidel SIN: Sistema Interligado Nacional Sistema hidrotérmico de grande porte Predominância de usinas hidrelétricas Regiões (subsistemas): Sul, Sudeste/Centro-Oeste,

Leia mais

Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng.

Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng. Workshop: Smart Grids e Redes em Desenvolvimento Intermédio: Problemas Técnicos e Questões Regulatórias Vitor L. de Matos, D. Eng. VII Conferência Anual da RELOP Praia, Cabo Verde 04 e 05/09/2014 Workshop:

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Energia

Perspectivas do Mercado de Energia Perspectivas do Mercado de Energia Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados Março de 2014 1 Conjuntura do Sistema 2 Recordes de demanda mensal de energia elétrica... Fev/14 68.500 61.106

Leia mais

HÁ ESPAÇO PARA GERAÇÃO TÉRMICA NO BRASIL?

HÁ ESPAÇO PARA GERAÇÃO TÉRMICA NO BRASIL? HÁ ESPAÇO PARA GERAÇÃO TÉRMICA NO BRASIL? Mario Veiga mario@psr-inc.com Institute of the Americas Mesa Redonda sobre Energia no Brasil Rio de Janeiro, 1 de abril de 2011 A pergunta que não quer calar Dado

Leia mais

PMO de Novembro Semana Operativa de 28/10/2017 a 03/11/2017

PMO de Novembro Semana Operativa de 28/10/2017 a 03/11/2017 1. APRESENTAÇÃO Na primeira quinzena de outubro ocorreu chuva fraca a moderada nas bacias dos subsistemas Sul e Sudeste/Centro-Oeste. Na quarta semana do mês ocorreram totais elevados de precipitação nas

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Março Semana Operativa de 05/03/2016 11/03/2016 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 27/02 a 04/03 ocorreu chuva fraca a moderada nas bacias da região Sul

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de fevereiro

Análise PLD 2ª semana operativa de fevereiro 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,6 94,28 35,66 3,42 37,73 49,42 75,93 61,32 83,43 115,58 149,2 2,21 166,5 122,19 121,44 1,64 111,91 287,2 395,73 689,25 www.ccee.org.br

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Março 2017 Semana Operativa de 04/03/2017 a 10/03/2017

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Março 2017 Semana Operativa de 04/03/2017 a 10/03/2017 Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Março 2017 Semana Operativa de 04/03/2017 a 10/03/2017 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 25/02 a 03/03/2017,

Leia mais

DECOMP. Exercícios Práticos

DECOMP. Exercícios Práticos Treinamento nos Modelos Newave/Decomp DECOMP Exercícios Práticos Maio de 2016 Contextualização Planejamento da Operação Energética MÉDIO PRAZO horizonte: 5 anos discretização: mensal NEWAVE CURTO PRAZO

Leia mais

Análise PLD 1ª semana operativa de agosto

Análise PLD 1ª semana operativa de agosto a 125,16 395,73 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,6 689,25 287,2 35,66 3,42 37,73,42 75,93 61,32 83,43 117,58 www.ccee.org.br Nº 253 1ª semana de agosto/216 8 1 8 O

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de novembro

Análise PLD 2ª semana operativa de novembro www.ccee.org.br Nº 215 2ª semana de novembro/15 8 1 8 O InfoPLD é uma publicação semanal que traz uma análise dos fatores que influenciam na formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD, calculado

Leia mais

2 Planejamento da Operação Energética 2.1. Considerações Iniciais

2 Planejamento da Operação Energética 2.1. Considerações Iniciais 2 Planejamento da Operação Energética 2.1. Considerações Iniciais O planejamento da operação energética tem por objetivo determinar uma política de operação para o sistema de geração de energia elétrica,

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de dezembro

Análise PLD 2ª semana operativa de dezembro www.ccee.org.br Nº 219 2ª semana de dezembro/15 8 1 8 O InfoPLD é uma publicação semanal que traz uma análise dos fatores que influenciam na formação do Preço de Liquidação das Diferenças - PLD, calculado

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro Semana Operativa de 03/12/2016 a 09/12/2016 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 26/11 a 02/12/2016 ocorreu precipitação nas bacias hidrográficas

Leia mais

Ambiente Institucional

Ambiente Institucional Ministério de Minas e Energia Ministério de Minas e Energia Encontro Técnico GT São Marcos Setor Elétrico Suprimento e Armazenamento de Energia: O Desafio Goiânia, Agosto de 2016. 1 Ambiente Institucional

Leia mais

JULHO RV0 1ª Semana

JULHO RV0 1ª Semana JULHO 2015 RV0 1ª Semana Sumário INTRODUÇÃO... 3 CONDIÇÕES INICIAIS... 3 1 - Nível dos reservatórios... 3 2 - Expansão da oferta hidrotérmica (MW)... 4 ANÁLISE DAS CONDIÇÕES HIDROMETEREOLÓGICAS... 5 1

Leia mais

JANEIRO RV0 1º Semana

JANEIRO RV0 1º Semana JANEIRO 2015 RV0 1º Semana JANEIRO RV0 Sumário INTRODUÇÃO... 3 INFORMAÇÕES ESTRUTURAIS PARA CONSTRUÇÃO DA FUNÇÃO DE CUSTO FUTURO... 4 1 - Armazenamento inicial dos reservatórios equivalentes... 4 2 - Tendência

Leia mais

AGOSTO ANEEL, através da Resolução Normativa 461/11 de 11/Nov/2011.

AGOSTO ANEEL, através da Resolução Normativa 461/11 de 11/Nov/2011. AGOSTO 2017 Este boletim contém a geração mensal verificada, por estado, em MWmédio. Foram consideradas as usinas nas modalidades de operação tipo I, tipo II-A e os conjuntos de usinas individualizadas

Leia mais

Análise PLD 1ª semana operativa de fevereiro

Análise PLD 1ª semana operativa de fevereiro A 125,16 395,73 37,61 13,25 19,03 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 70,28 29,42,69 263,06 689,25 287,20 94,28 35,66 30,42 37,73 49,42 75,93 61,32 83,43 115,58 149,02,21,05,19 121,44,64 www.ccee.org.br Nº

Leia mais

CUSTO MARGINAL DE DÉFICIT DE ENERGIA ELÉTRICA

CUSTO MARGINAL DE DÉFICIT DE ENERGIA ELÉTRICA CUSTO MARGINAL DE DÉFICIT DE ENERGIA ELÉTRICA Daiane Mara Barbosa Baseado em: Déficit de Energia Elétrica: histórico, avaliação e proposta de uma nova metodologia por Paulo Gerson Cayres Loureiro. CUSTO

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA ESTOCÁSTICA PRIMAL E DUAL NO PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA

COMPARAÇÃO ENTRE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA ESTOCÁSTICA PRIMAL E DUAL NO PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA COMPARAÇÃO ENTRE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA ESTOCÁSTICA PRIMAL E DUAL NO PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA Thaís Gama de Siqueira Secundino Soares Filho Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação Departamento

Leia mais

Análise PLD 3ª semana operativa de maio

Análise PLD 3ª semana operativa de maio 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,7 287,2 24,8 145,9 227,4 212,32 22,87 116,8 35,66 3,42 37,73 49,42 86,45 8,39 74,51 395,73 387,24 369,39 688,88 www.ccee.org.br

Leia mais

O SIN E OS MODELOS NEWAVE E DECOMP UTILIZADOS NO PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA E NO CÁLCULO DO PLD. Maio de 2015

O SIN E OS MODELOS NEWAVE E DECOMP UTILIZADOS NO PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA E NO CÁLCULO DO PLD. Maio de 2015 O SIN E OS MODELOS NEWAVE E DECOMP UTILIZADOS NO PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA E NO CÁLCULO DO PLD Maio de 2015 Agenda Introdução Fundamentos Teóricos Características Gerais do NEWAVE Características

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de abril

Análise PLD 4ª semana operativa de abril 1,16 37,61 13, 19,3 8,9 67,31 97,36 13,43 38,73 7,8 9,4 166,69 63,6 94,1 3,66 3,4 37,73 49,4 7,93 61,3 83,43 11,8 149,,1 166, 1,19 11,44 18,43 16,4 87, 39,73 46,1 36,68 3,66 331,1 689, www.ccee.org.br

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO 2. NOTÍCIAS No início da semana de ocorreu chuva fraca isolada nas bacias dos rios Grande e São Francisco. No final da semana ocorreu chuva

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de maio

Análise PLD 4ª semana operativa de maio 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 38,73 125,16 97,36 7,28 29,42 35,66 3,42 37,73 49,42 135,43 86,45 8,39 74,51 73,31 166,69 263,6 287,2 395,73 689,25 www.ccee.org.br Nº 243 4ª semana de o/216 8 1 8 O InfoPLD

Leia mais

Submódulo Diretrizes e critérios para estudos energéticos

Submódulo Diretrizes e critérios para estudos energéticos Submódulo 23.4 Diretrizes e critérios para estudos energéticos Rev. Nº. 0.0 0.1 0.2 0.3 1.0 1.1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Adequação

Leia mais

Treinamento Metodologias de Projeção do PLD. São Paulo junho de 2016

Treinamento Metodologias de Projeção do PLD. São Paulo junho de 2016 Treinamento Metodologias de Projeção do PLD São Paulo junho de 6 Agenda Processo de Cálculo do CMO/PLD Metodologias de Projeção de CMO/PLD Principais Premissas para um Estudo de Projeção Projeção de PLD

Leia mais

Pedro A. M-S. David Thiago C. César Amaro Olímpio Jr. Simone Q. Brandão

Pedro A. M-S. David Thiago C. César Amaro Olímpio Jr. Simone Q. Brandão Contribuição da Energia Eólica para a Regularização do Suprimento de Energia Elétrica no Brasil 1 Pedro A. M-S. David Thiago C. César Amaro Olímpio Jr. Simone Q. Brandão Empresa de Pesquisa Energética

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro 2016 Semana Operativa de 03/12/2016 a 09/12/2016

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro 2016 Semana Operativa de 03/12/2016 a 09/12/2016 Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Dezembro 2016 Semana Operativa de 03/12/2016 a 09/12/2016 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 26/11 a 02/12/2016 ocorreu precipitação nas bacias hidrográficas

Leia mais

Análise PLD 4ª semana operativa de dezembro

Análise PLD 4ª semana operativa de dezembro 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 38,73 125,16 97,36 7,28 29,42 135,43 166,69 145,9 263,7 24,8 227,4 212,32 22,87 149,49 134,33 11,1 14,15 395,73 387,24 369,39 688,88 www.ccee.org.br Nº 221 4ª semana de embro/15

Leia mais

MARÇO Tabela 01 - Geração média mensal por estado variação % relativo ao mês anterior.

MARÇO Tabela 01 - Geração média mensal por estado variação % relativo ao mês anterior. MARÇO 2016 Este boletim contém a geração mensal verificada, por estado, em MWmédio. Foram consideradas as usinas nas modalidades de operação tipo I, tipo II-A e os conjuntos de usinas individualizadas

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2017 Semana Operativa de 07 a 13/01/2017

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2017 Semana Operativa de 07 a 13/01/2017 Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2017 Semana Operativa de 07 a 13/01/2017 1. APRESENTAÇÃO No início da semana de 31/12/2016

Leia mais

Análise PLD 3ª semana operativa de março

Análise PLD 3ª semana operativa de março 12,16 37,61 13,2 19,3 28,9 67,31 97,36 13,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,6 287,2 94,1 3,66 3,42 37,73 49,42 7,93 61,32 83,43 11,8 149,2 2,21 166, 122,19 121,44 128,43 184,49 18,6 238, 39,73 689,2 www.ccee.org.br

Leia mais

Análise PLD 2ª semana operativa de janeiro

Análise PLD 2ª semana operativa de janeiro 125,16 37,61 13,25 19,3 28,95 67,31 97,36 135,43 38,73 7,28 29,42 166,69 263,7 287,2 24,8,9,4 212,32 22,87 116,8 5,59 46,2 395,73,48,48,48,48 387,24,39 688,88 www.ccee.org.br Nº 223 2ª semana de janeiro/16

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 258, DE 28 DE JULHO DE 2008. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 02/01/2016 a 08/01/2016

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 02/01/2016 a 08/01/2016 Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 02/01/2016 a 08/01/2016 1. APRESENTAÇÃO Findo o primeiro bimestre do período chuvoso nas regiões Norte, Nordeste

Leia mais

O PLANEJAMENTO E A PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN PELO OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO - ONS. Mário Daher

O PLANEJAMENTO E A PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN PELO OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO - ONS. Mário Daher O PLANEJAMENTO E A PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN PELO OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO - ONS Mário Daher 1 O PLANEJAMENTO E A PROGRAMAÇÃO DA OPERAÇÃO DO SIN PELO OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO

Leia mais

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 09/01/2016 a 15/01/2016

Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 09/01/2016 a 15/01/2016 Relatório Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Janeiro 2016 Semana Operativa de 09/01/2016 a 15/01/2016 1. APRESENTAÇÃO No início da semana de 02 a 08/01/2015, ocorreu chuva fraca nas bacias

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação PMO de Novembro Semana Operativa de 29/10/2016 a 04/11/2016 1. APRESENTAÇÃO Nas segunda, terceira e quarta semanas do mês de outubro ocorreram totais elevados

Leia mais

O SIN E OS MODELOS NEWAVE E DECOMP UTILIZADOS NO PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA E NO CÁLCULO DO PLD. Junho de 2016

O SIN E OS MODELOS NEWAVE E DECOMP UTILIZADOS NO PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA E NO CÁLCULO DO PLD. Junho de 2016 O SIN E OS MODELOS NEWAVE E DECOMP UTILIZADOS NO PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO ENERGÉTICA E NO CÁLCULO DO PLD Junho de 2016 Agenda Introdução O Preço de Liquidação das Diferenças Fundamentos Teóricos Características

Leia mais

Programação Hidrotérmica de Curto Prazo

Programação Hidrotérmica de Curto Prazo Programação Hidrotérmica de Curto Prazo Antonio Simões Costa Grupo de Sistemas de Potência - UFSC A. Simões Costa (Institute) Programação H-T de Curto Prazo 1 / 29 Programação H-T de Curto Prazo Neste

Leia mais

GRUPO TÉCNICO OPERACIONAL DA REGIÃO NORTE GTON

GRUPO TÉCNICO OPERACIONAL DA REGIÃO NORTE GTON GRUPO TÉCNICO OPERACIONAL DA REGIÃO NORTE GTON PROGRAMA MENSAL DE OPERAÇÃO DOS SISTEMAS ISOLADOS JULHO / 2015 GTON / CTP 07/2015 SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Objetivo... 2 3. Premissas Básicas... 3 4.

Leia mais

ENERGIA ASSEGURADA. GTAE - Grupo de Trabalho de Acompanhamento do Planejamento Eletroenergético

ENERGIA ASSEGURADA. GTAE - Grupo de Trabalho de Acompanhamento do Planejamento Eletroenergético ENERGIA ASSEGURADA GTAE - Grupo de Trabalho de Acompanhamento do Planejamento Eletroenergético PARA QUE SERVE Garantia Física Lastro Placa Energia passível de comercialização Principal fonte de rendimento

Leia mais

Submódulo 7.7. Metodologia de cálculo da energia e da potência asseguradas de usinas despachadas centralizadamente

Submódulo 7.7. Metodologia de cálculo da energia e da potência asseguradas de usinas despachadas centralizadamente Submódulo Metodologia de cálculo da energia e da potência asseguradas de usinas despachadas centralizadamente Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela

Leia mais

ENERGIA:Fator de Competitividade para o Brasil

ENERGIA:Fator de Competitividade para o Brasil ENERGIA:Fator de Competitividade para o Brasil Diversificação da Matriz Termelétrica Outubro de 2009 A Importância da Diversificação das Fontes no Sistema Elétrico Brasileiro Diversificação das Fontes

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 5 04 5 PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) Fonte: PLD: CCEE / PLD médio: PONDERAÇÃO COMERC. PLD médio é a média ponderada dos valores já divulgados do PLD, pelas horas das semanas publicadas. 2. PLD

Leia mais

EER Economia das Energias Renováveis -1-

EER Economia das Energias Renováveis -1- EER Economia das Energias Renováveis Mestrado em Energias Renováveis (MERCEUS) Resolução da Coordenação Hidro-térmica com Bombagem usando o GAMS Jorge Alberto Mendes de Sousa Professor Coordenador Webpage:

Leia mais

MODELAGEM DA OPERAÇÃO ÓTIMA DA INDÚSTRIA DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL. Amaro Olimpio Pereira Junior

MODELAGEM DA OPERAÇÃO ÓTIMA DA INDÚSTRIA DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL. Amaro Olimpio Pereira Junior MODELAGEM DA OPERAÇÃO ÓTIMA DA INDÚSTRIA DE ENERGIA ELÉTRIA NO BRASIL Amaro Olimpio Pereira Junior TESE SUBMETIDA AO ORPO DOENTE DA OORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

TREINAMENTO NEWAVE DECOMP. O SIN e os modelos para o Planejamento da Operação Energética

TREINAMENTO NEWAVE DECOMP. O SIN e os modelos para o Planejamento da Operação Energética TREINAMENTO NEWAVE DECOMP O SIN e os modelos para o Planejamento da Operação Energética SUMÁRIO Capítulo 1 Visão Geral do Problema... 1.1. O Sistema Interligado Nacional... 1.2. Desagregação do planejamento

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO REFERENTE À OPERAÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS. Autores:

A EVOLUÇÃO DA REGULAÇÃO REFERENTE À OPERAÇÃO DE USINAS TERMELÉTRICAS. Autores: USINAS TERMELÉTRICAS Autores: Hermínio Fonseca Almeida ONS Joel Mendes Pereira ONS José Renato Dantas ONS Marcelo Prais ONS Ney Fukui da Silveira ONS Paulo César P. da Cunha ONS Túlio Mascarenhas Horta

Leia mais

EER Economia das Energias Renováveis Mestrado em Energias Renováveis (MERCEUS)

EER Economia das Energias Renováveis Mestrado em Energias Renováveis (MERCEUS) EER Economia das Energias Renováveis Mestrado em Energias Renováveis (MERCEUS) O papel da bombagem na integração da energia eólica no sistema electroprodutor usando o GAMS Jorge Alberto Mendes de Sousa

Leia mais

O Papel do Carvão Mineral Nacional na Matriz Energética: Contribuição e Desafios

O Papel do Carvão Mineral Nacional na Matriz Energética: Contribuição e Desafios Fórum Matriz Hidrotérmica e a Segurança do Sistema Elétrico Nacional O Papel do Carvão Mineral Nacional na Matriz Energética: Contribuição e Desafios Fernando Luiz Zancan Presidente da ABCM Rio de Janeiro,

Leia mais

Mercado de Energia Elétrica e Formação de Preços

Mercado de Energia Elétrica e Formação de Preços Mercado de Energia Elétrica e Formação de Preços Gustavo Arfux Agenda Principais aspectos da comercialização de energia no mercado livre A cadeia de modelos matemáticos de planejamento e operação Formação

Leia mais

Perspectivas para Aprimoramento da Formação de Preços no Brasil SINREM IV Simpósio Nacional de Regulação, Economia e Mercados de Energia Elétrica

Perspectivas para Aprimoramento da Formação de Preços no Brasil SINREM IV Simpósio Nacional de Regulação, Economia e Mercados de Energia Elétrica Perspectivas para Aprimoramento da Formação de Preços no Brasil SINREM IV Simpósio Nacional de Regulação, Economia e Mercados de Energia Elétrica Roberto Castro Conselheiro de Administração 24/08/2017

Leia mais

2 Mercado de energia elétrica no Brasil

2 Mercado de energia elétrica no Brasil 16 2 Mercado de energia elétrica no Brasil 2.1. Descrição do sistema elétrico Brasileiro O sistema elétrico brasileiro é um sistema hidrotérmico de grande porte, com predominância de usinas hidroelétricas

Leia mais

Perspectivas do Mercado de Energia

Perspectivas do Mercado de Energia Perspectivas do Mercado de Energia Por Dentro da Tractebel Florianópolis, 1º de agosto de 2013 Manoel Zaroni Torres - CEO Tractebel Energia GDF SUEZ - todos os direitos reservados 1 Expansão da Matriz

Leia mais

Pesquisa Operacional aplicada ao Planejamento e Controle da Produção e de Materiais Programação Linear

Pesquisa Operacional aplicada ao Planejamento e Controle da Produção e de Materiais Programação Linear Pesquisa Operacional aplicada ao Planejamento e Controle da Produção e de Materiais Programação Linear Introdução à Pesquisa Operacional Origens militares Segunda guerra mundial Aplicada na alocação de

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO Somente no final da semana de 17 a 23 de agosto, uma frente fria conseguiu atingir a região Sul do país, ocasionando chuva fraca/moderada

Leia mais

Planejamento da Operação de Sistemas Hidrotérmicos. Parte II

Planejamento da Operação de Sistemas Hidrotérmicos. Parte II Universidade Federal de Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Planejamento da Operação de Sistemas Hidrotérmicos Parte II Prof.: Clodomiro Unsihuay-Vila A Função de Custo Futuro

Leia mais

Comparação de Regras de Operação de Reservatórios rios para a Operação

Comparação de Regras de Operação de Reservatórios rios para a Operação Comparação de Regras de Operação de Reservatórios rios para a Operação Energética de Médio M Prazo Autores: Secundino Soares Filho UNICAMP Marcos Rodolfo Cavalheiro CTEEP 2 INTRODUÇÃO SIN Predominância

Leia mais

Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para Hermes Chipp Diretor Geral

Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para Hermes Chipp Diretor Geral Avaliação das Condições do Atendimento Eletroenergético do SIN em 2014 e Visão para 2015 Hermes Chipp Diretor Geral FGV Rio de Janeiro, 02/06/2014 1 Visão de Curto Prazo Avaliação das Condições Meteorológicas

Leia mais

2 Avaliação de Portfolios na Área de Comercialização de Energia Elétrica

2 Avaliação de Portfolios na Área de Comercialização de Energia Elétrica 2 Avaliação de Portfolios na Área de Comercialização de Energia Elétrica Até 1997 o Setor Elétrico Brasileiro era basicamente um monopólio estatal administrado por empresas federais e estaduais. A partir

Leia mais

RELATÓRIO SEMANAL SEMANA DE 21 a 27 outubro 2017

RELATÓRIO SEMANAL SEMANA DE 21 a 27 outubro 2017 RELATÓRIO SEMANAL SEMANA DE 21 a 27 outubro 217 Custo Marginal da Operação CMO X PREÇO TÉRMICA R$1.2 R$1. R$8 R$ 86,45 R$6 R$4 R$2 R$ * O CMO (Custo Marginal da Operação), o seu valor nada mais é que a

Leia mais

MODELO DE OPERAÇÃO ÓTIMA PARA A CASCATA DO RIO PARDO. Rosana Paiva Mota PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE

MODELO DE OPERAÇÃO ÓTIMA PARA A CASCATA DO RIO PARDO. Rosana Paiva Mota PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE MODELO DE OPERAÇÃO ÓTIMA PARA A CASCATA DO RIO PARDO Rosana Paiva Mota PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE

Leia mais

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública

XLVI Pesquisa Operacional na Gestão da Segurança Pública REDUÇÃO DA VARIABILIDADE DA SOLUÇÃO DA PROGRAMAÇÃO DINÂMICA DUAL ESTOCÁSTICA APLICADA AO PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO DE SISTEMAS HIDROTÉRMICOS Murilo Pereira Soares Pontifícia Universidade Católica do Rio

Leia mais

Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas

Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas 5ª Reunião da CT Energia Rio de Janeiro, 27 de julho de 2017 Título da Palestra Título do Evento Resultado Esperado em 2017 Resultado Esperado em 2017 O FBMC entregará

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO Na semana de 10 a 16 de agosto, conforme a previsão, a atuação de duas frentes frias e de áreas de instabilidade voltou a ocasionar precipitação

Leia mais

Preço spot de eletricidade: teoria e evidências do Brasil

Preço spot de eletricidade: teoria e evidências do Brasil Seminário de Pesquisa IE/UFRJ Preço spot de eletricidade: teoria e evidências do Brasil Nivalde J. de Castro Roberto Brandão André Leite Sumário Mercados de energia elétrica Modelos de mercado Formação

Leia mais

CÁPÍTULO 4 ESTÁGIO ATUAL DE DESENVOLVIMENTO DOS MODELOS DE SOFTWARE PARA A OPERAÇÃO ENERGÉTICA

CÁPÍTULO 4 ESTÁGIO ATUAL DE DESENVOLVIMENTO DOS MODELOS DE SOFTWARE PARA A OPERAÇÃO ENERGÉTICA 36 CÁPÍTULO 4 ESTÁGIO ATUAL DE DESENVOLVIMENTO DOS MODELOS DE SOFTWARE PARA A OPERAÇÃO ENERGÉTICA 4.1 INTRODUÇÃO Neste Capítulo 4 desta Tese é realizada uma descrição, conforme AZEVEDO FILHO (2000), do

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP Uma Metodologia

Leia mais

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivo Fluxo das Regras de Comercialização...4

ÍNDICE. 1 Definições Gerais Objetivo Fluxo das Regras de Comercialização...4 a REGRAS DE COMERCIALIZAÇÃO DETERMINAÇÃO DO PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DAS DIFERENÇAS (PL) Versão 2008 Resolução Normativa ANEEL n 293/2007 Resolução Normativa CNPE n 8/2007 Resolução Normativa ANEEL n 306/2008

Leia mais

Florestas Dedicadas: Maior Termelétrica a partir de Biomassa da LATAM

Florestas Dedicadas: Maior Termelétrica a partir de Biomassa da LATAM Florestas Dedicadas: Maior Termelétrica a partir de Biomassa da LATAM Marco Tuoto mtuoto@treeflorestal.com.br Preparado para: Simpósio Internacional BIO.COMBRASIL Biomassa Sólida, Tecnologias e Negócios

Leia mais

ANALISE DE FORMAS ALTERNATIVAS PARA REPRESENTAÇÃO DA REDE ELÉTRICA NO MODELO DC. Diego Macedo Pedreira Lameirão

ANALISE DE FORMAS ALTERNATIVAS PARA REPRESENTAÇÃO DA REDE ELÉTRICA NO MODELO DC. Diego Macedo Pedreira Lameirão ANALISE DE FORMAS ALTERNATIVAS PARA REPRESENTAÇÃO DA REDE ELÉTRICA NO MODELO DC Diego Macedo Pedreira Lameirão Projeto de Graduação apresentado ao Curso de Engenharia Elétrica da Escola Politécnica, Universidade

Leia mais

Usinas Hidrelétricas e Integração Regional. Usina Hidrelétrica Jirau

Usinas Hidrelétricas e Integração Regional. Usina Hidrelétrica Jirau Usinas Hidrelétricas e Integração Regional Usina Hidrelétrica Jirau Santa Cruz de La Sierra 04/11/2016 Integração Energética Grande potencial de integração energética devido à abundância de recursos naturais

Leia mais

Otimização de Sistemas Hidrotérmicos por Enxame de Partículas: Uma Abordagem Orientada a Objetos

Otimização de Sistemas Hidrotérmicos por Enxame de Partículas: Uma Abordagem Orientada a Objetos Otimização de Sistemas Hidrotérmicos por Enxame de Partículas: Uma Abordagem Orientada a Objetos Gelson da Cruz JUNIOR 2, Cassio Dener Noronha VINHAL 3 Lauro Ramon GOMIDES 1, Gelson da Cruz JUNIOR 2, Cassio

Leia mais

AS OPORTUNIDADES E OS PRODUTOS DO MERCADO LIVRE. Felipe Barroso

AS OPORTUNIDADES E OS PRODUTOS DO MERCADO LIVRE. Felipe Barroso AS OPORTUNIDADES E OS PRODUTOS DO MERCADO LIVRE Felipe Barroso AGENDA CARACTERÍSTICAS DO MERCADO LIVRE ESPECIAL MONITORAMENTO DAS VARIÁVEIS DE FORMAÇÃO DOS PREÇOS APETITE AO RISCO EXPECTATIVA DE PREÇOS

Leia mais

PESQUISA OPERACIONAL APLICADA A LOGÍSTICA

PESQUISA OPERACIONAL APLICADA A LOGÍSTICA PESQUISA OPERACIONAL APLICADA A LOGÍSTICA Pós-Graduação em Logística e Supply Chain Valdick Sales 1 APRESENTAÇÃO Valdick sales Graduado em Ciência da Computação pela UFPE. Pós-Graduado em Redes e Banco

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO A recente crise hídrica que tem afetado as principais bacias hidrográficas das regiões SE/CO e NE no que concerne à operação de seus aproveitamentos

Leia mais

07/04/2010. Abril/2008. Apresentação 5 e 6

07/04/2010. Abril/2008. Apresentação 5 e 6 Abril/2008 Apresentação 5 e 6 1 Bibliografia Mercado PDEE 2008-2017 Hipóteses: UM único cenário com créscimento médio do PIB de 4,9% a.a. e crescimento médio do consumo de energia elétrica de 5,4% a.a.

Leia mais

Arquivos Seqüenciais: Intercalação

Arquivos Seqüenciais: Intercalação Arquivos Seqüenciais: Intercalação Vanessa Braganholo Baseado no Material de: Inhaúma Neves Ferraz (IC/UFF) Cenário Diversos arquivos sequenciais ordenados Problema: gerar um único arquivo ordenado a partir

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE DIFERENTES MÉTODOS DE OTIMIZAÇÃO ESTOCÁSTICA NA SOLUÇÃO DO PROBLEMA DO PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO DE CURTO PRAZO

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE DIFERENTES MÉTODOS DE OTIMIZAÇÃO ESTOCÁSTICA NA SOLUÇÃO DO PROBLEMA DO PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO DE CURTO PRAZO RAPHAEL EDUARDO CHAGAS GONÇALVES ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE DIFERENTES MÉTODOS DE OTIMIZAÇÃO ESTOCÁSTICA NA SOLUÇÃO DO PROBLEMA DO PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO DE CURTO PRAZO FLORIANÓPOLIS 2007 UNIVERSIDADE

Leia mais