BNDES exim COMO FINANCIAR AS EXPORTAÇÕES. Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BNDES exim COMO FINANCIAR AS EXPORTAÇÕES. Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar"

Transcrição

1 BNDES exim COMO FINANCIAR AS EXPORTAÇÕES Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BRASÍLIA, 2016

2

3 bndes exim como financiar as exportações Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BRASÍLIA, 2016

4 2016. CNI Confederação Nacional da Indústria. Qualquer parte desta obra poderá ser reproduzida, desde que citada a fonte. CNI Unidade de Política Industrial GEPI FICHA CATALOGRÁFICA C748c CDU: CNI Confederação Nacional da Indústria Setor Bancário Norte Quadra 1 - Bloco C Edifício Roberto Simonsen Brasília - DF Tel.: (61) Fax.: (61) Serviço de Atendimento ao Cliente - SAC Tel.: (61) /

5 sumário O que é BNDES EXIM? Quem pode ter acesso ao BNDES EXIM? Quais são as modalidades de linhas de financiamento BNDES EXIM? Quais são as formas de perar o BNDES EXIM? O que pode ser financiado pelo BNDES EXIM - Pré-embarque? Quais são os custos do financiamento BNDES EXIM Pré-Embarque? Quais documentos devo apresentar ao banco para o BNDES EXIM - Pré-Embarque? Quais garantias devo apresentar no BNDES EXIM - Pré-Embarque? Quais são os prazos de embarque, de amortização e de financiamento do BNDES EXIM - Pré-Embarque? Quais são os limites de financiamento para o BNDES EXIM - Pré-Embarque? Quais são as particularidades do BNDES EXIM Pré- Embarque, Empresa-Âncora? O que é financiamento BNDES EXIM Pré-Embarque Empresa Inovadora? Como é o financiamento no BNDES EXIM Pós-Embarque Supplier s Credit e no Pós-Embarque Buye s Credit? Que garantias devo apresentar para a operação BNDES EXIM Pós-Embarque, operação Supplier s Credit? Quais são os encargos devidos na modalidade Supplier s Credit? Quais são as condições para liberação dos recursos do financiamento BNDES EXIM Pós-Embarque, operação Supplier s Credit? Qual é o prazo e o limite do financiamento BNDES EXIM Pós-Embarque, modalidade Supplier s Credit? Como é o financiamento no BNDES EXIM Pós- Embarque, modalidade Buyer s Credit? Existe algum benefício para as micro, pequenas e médias empresas?

6 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Desenvolvimento Industrial Carlos Eduardo Abijaodi Diretor Diretoria de Comunicação Carlos Alberto Barreiros Diretor Diretoria de Educação e Tecnologia Rafael Esmeraldo Lucchesi Ramacciotti Diretor Diretoria de Políticas e Estratégia José Augusto Coelho Fernandes Diretor Diretoria de Relações Institucionais Mônica Messenberg Guimarães Diretora Diretoria de Serviços Corporativos Fernando Augusto Trivellato Diretor Diretoria Jurídica Hélio José Ferreira Rocha Diretor Diretoria CNI/SP Carlos Alberto Pires Diretor Conselho Temático da Micro e Pequena Empresa (COMPEM) Amaro Sales De Araújo Presidente

7 APRESENTAÇÃO Os financiamentos na exportação têm por objetivo oferecer ao exportador apoio financeiro para atender às várias fases de produção e comercialização externa de bens e serviços. Existem linhas de crédito para exportação que envolvem a rede bancária pública e privada. Esta cartilha faz parte de uma série para desmitificar o acesso ao crédito, trazendo informações básicas e linguagem simplificada para as empresas. Esta edição explicará o financiamento BNDES EXIM, nas linhas Pré-Embarque e Pós-Embarque destinadas à exportação, por meio dos bancos credenciados no BNDES.

8 1 O que é o bndes exim? É o financiamento à produção de bens e de serviços brasileiros, destinados à exportação e à comercialização no exterior para empresas exportadoras. O BNDES EXIM atende as empresas por meio de dois produtos: BNDES EXIM Pré-Embarque e o BNDES EXIM Pós-Embarque. Se o crédito for concedido na fase de produção da mercadoria, chamase de crédito Pré-Embarque (ou financiamento à produção exportável). Quando o crédito se dá na fase de comercialização da mercadoria, fala-se em financiamento no Pós-Embarque. 8

9 Quem pode ter acesso ao BNDES EXIM? 2 Podem ter acesso empresas exportadoras de bens e/ou serviços, de qualquer porte, constituídas sob as leis brasileiras e que tenham sede e administração no país, incluindo trading company, empresa comercial exportadora e cooperativa. 9

10 3 quais são as modalidade de linhas de financiamento bndes exim? O BNDES EXIM possui as seguintes modalidades: Na fase de embarque: BNDES EXIM Pré-Embarque: financia a produção nacional de bens a serem exportados. Prazo: financia à exportação de bens e serviços de tecnologia da informação desenvolvidos no Brasil. BNDES EXIM Pré-Embarque Empresa-Âncora: financia a exportação indireta de bens e serviços efetuada por intermédio de Empresa Âncora. Na fase de embarque: BNDES EXIM Pós-Embarque: apoio à comercialização de bens e serviços nacionais no exterior, por meio da modalidade Supplier s Credit ou da modalidade Buyer s Credit: 10

11 Supplier s Credit: é o refinanciamento ao exportador, que ocorre por meio do desconto de títulos do financiamento concedido pelo exportador ao importador; Buyer s Credit: operações efetuadas diretamente entre o BNDES e a empresa importadora, com interveniência do exportador. As operações são analisadas caso a caso. Possuem custo mais elevado e prazo mais longo de análise. Veja no link a seguir os Bens e Serviços financiáveis: 11

12 4 quais são as formas de operar o bndes exim? São duas as formas: Operação direta, ou seja, diretamente no BNDES; e Operação indireta, por meio dos bancos credenciados. Para operar o BNDES EXIM é necessária a Consulta Prévia nas operações direta e indireta. A Consulta Prévia é o documento utilizado para solicitação de financiamento ao BNDES. Deve conter as características da empresa e as especificações necessárias à análise do enquadramento da operação. O modelo de consulta prévia está disponível no Anexo 2, na página do BNDES: Saiba quais são os bancos que operam com essas linhas de financiamento, no endereço: 12

13 o que pode serer financiado pelo bndes exim - pré-embarque? 5 Os bens financiáveis são divididos em três grupos, além dos serviços: Grupo I bens de capital, bem como máquinas, motores, equipamentos pesados, embarcações, veículos terrestres. Grupo II bens de consumo, bem como alimentos e bebidas, produtos de origem animal, vegetal e mineral, químicos, fármacos, têxtil, vestuário, calçados, móveis. Grupo III bens específicos, bem como veículos, motocicletas, materiais inflamáveis. Consulte a relação completa de produtos financiáveis no link: Bens do grupo I devem ser credenciados pelo BNDES, caso aplicável, ou apresentar índice de nacionalização que atenda os critérios definidos pelo BNDES, ou estar enquadrados no Processo Produtivo Básico PPB; 13

14 Bens do Grupo II, III e serviços devem possuir índice de nacionalização em valor calculado de acordo com os critérios definidos pelo BNDES. O Processo Produtivo Básico PPB é o conjunto mínimo de operações no estabelecimento fabril, que caracteriza a efetiva industrialização de determinado produto, incidindo nas operações de industrialização, transformação, beneficiamento, montagem e recondicionamento. As empresas que se enquadram no PPB dominam todas as etapas básicas do processo com tecnologia nacional. 14

15 quais são os custos do financiamento bndes exim pré-embarque? 6 A taxa de juros é composta pelo custo financeiro + remuneração básica do BNDES + taxa de intermediação financeira + remuneração do banco credenciado. 1 Custo Financeiro: é composto por parte da TJLP, TJPE ou Taxa SELIC. 2 Remuneração básica do BNDES. 3 Taxa de intermediação financeira. 4 Remuneração do banco credenciado: negociada com o cliente. A remuneração básica do BNDES e a taxa de intermediação financeira geralmente possuem custo para as micro, pequenas e médias empresas diferenciado do custo das médias-grandes e grandes empresas. 15

16 7 quais documentos devo apresentar ao banco para o bndes-exim pré-embarque? Os documentos exigidos para análise de crédito variam de banco para banco, da área de atuação da empresa e da linha de financiamento solicitada. Pergunte ao gerente quais os documentos necessários para a análise do seu financiamento. Para facilitar, disponibilizamos, ao final da cartilha, check list básico dos documentos que podem ser exigidos. 16

17 quais garantias devo apresentar no bndes-exim pré-embarque? 8 As garantias exigidas ao financiamento dependem dos bens financiados, do valor disponibilizado, da avaliação da empresa e do próprio banco. Solicite ao seu banco mais informações sobre as garantias exigidas. A empresa poderá complementar a garantia com a utilização do FGI, mas para isso o banco deve estar habilitado no Fundo. Para mais informações, consulte a cartilha sobre o FGI. 17

18 9 quais são os prazos de embarque, de amortização e de financiamento do bndes exim pré-embarque? Os prazos de embarque, de amortização e de financiamento variam de acordo com os bens e serviços a serem exportados. Veja na tabela abaixo: Tipos de Prazo Para bens do Grupo I, Subgrupo IA Para demais bens e Serviços (Exceto automóveis de passeio NCM 8703) Prazo do financiamento Até 2,5 Até 2 anos Prazo de embarque Igual ao prazo de financiamento Prazo de amortização Até 1,5 Até 1 ano A amortização será paga em parcela única ou dividida em parcelas mensais. * No financiamento à exportação de automóveis de passeio, o prazo será de 3 anos e a amortização será em parcela única. A exportação de automóveis de passeio é associada a financiamentos do BNDES a projetos de investimentos em novas plantas automotivas tecnologicamente atualizadas ou na fabricação de novos modelos de veículos. 18

19 quais são os limites de financiamento para o bndes exim - pré embarque? 10 O limite para micro, pequena e média empresa será de até 90% do valor da exportação. Para as demais empresas, os percentuais de limites de financiamento para o BNDES EXIM Pré-Embarque variam de acordo com o bem ou serviço a ser exportado. Para fins de cálculo do limite a ser financiado, o valor da exportação equivale ao valor do compromisso de exportação no Incoterm FOB (sem frete e seguro interna cionais), expresso em dólares dos EUA ou em euros, excluídos a comissão do agente comercial e eventuais adiantamentos de recursos financeiros, ocorridos antes da data do contrato de financiamento. Incoterm ou International Commercial Terms são termos de vendas internacionais utilizados para dividir os custos e a responsabilidade no transporte entre o comprador e o vendedor. FOF ( Free On Board ) quer dizer que a responsabilidade do exportador vai até a mercadoria completa estar embarcada no navio que fará o transporte. 19

20 11 quais são as particularidades do bndes exim pré-embarque, empresa-âncora? Esta modalidade aplica-se ao financiamento de empresas enquadradas como empresas-âncoras, a critério do BNDES, trading companies, comerciais exportadoras ou demais empresas exportadoras que participem da cadeia produtiva e que adquiram a produção de outras empresas visando a sua exportação. Veja abaixo as condições de apoio: O prazo de financiamento é de até 2 anos, para os bens do Grupo I, Subgrupo Máquinas e de 1 ano e 6 meses para os demais bens, sendo que o prazo de embarque é igual ao prazo de financiamento; O limite de financiamento varia de acordo com a finalidade da exportação: Para exportação dos bens dos grupos II e III: até 90% do valor de exportação. A taxa de juros é composta pelo Custo Financeiro + Remuneração do BNDES + Taxa de Intermediação Financeira + Remuneração do Banco. O custo financeiro é composto por parte da TJLP, TJFPE ou Taxa SELIC. 20

21 A remuneração básica do BNDES e a taxa de intermediação financeira geralmente possuem custo para as micro, pequenas e médias empresas diferenciado do custo das médias-grandes e grandes empresas. Já a remuneração do banco é negociada com o cliente. Atenção: Para exportação dos bens do Grupo I e clientes que não sejam MPMEs: até 30% do valor da exportação. 21

22 12 o que é financiamento bndes exim pré-embarque empresa inovadora? É o financiamento à exportação para empresas inovadoras, de serviços de Tecnologia da Informação desenvolvidos no Brasil e bens de capital e de consumo nacionais. Podem se beneficiar as micro, pequenas, médias ou médiasgrandes empresas produtoras e exportadoras, qualificadas como inovadoras, constituídas sob as leis brasileiras e que tenham sede e administração no País, qualificadas como inovadora. Conheça os critérios para empesa ser qualificada como inovadora acessando o link: Veja abaixo as condições de apoio: Podem ser financiados os bens dos Grupos I e II e serviços de tecnologia da informação, desde que atendam aos critérios definidos pelo BNDES. O limite de financiamento é de até 80% do valor do compromisso de exportação. A taxa de juros é composta pelo Custo Financeiro + Remuneração do BNDES + Taxa de Intermediação Financeira+ Remuneração do Banco. 22

23 O custo financeiro é composto por parte da TJLP. A remuneração básica do BNDES e a taxa de intermediação financeira geralmente possuem custo para as micro, pequenas e médias empresas diferenciado do custo das médias-grandes. Já a remuneração do banco é negociada com o cliente. 23

24 13 Como é o financiamento no BNDES EXIM Pós-Embarque Supplier s Credit e no Pós-Embarque Buye s Credit? A operação na modalidade Pós-Embarque Supplier s Credit ocorre por meio do desconto de títulos de crédito (notas promissórias ou letras de câmbio) ou de cartas de crédito representativas das parcelas de principal e juros do financiamento. O resultado do desconto é liberado ao exportador, enquanto o importador se beneficia do prazo estabelecido no financiamento para realizar os pagamentos devidos. Nas operações do Pós-Embarque Buyer s Credit, o financiamento ao devedor ocorre mediante a celebração de contrato de financiamento entre o BNDES e o Devedor, com desembolso de recursos ao Exportador, em reais, no Brasil. 24

25 que garantias devo apresentar para a operação bndes exim pós-embarque, operação supllier s credit? 14 1) Os títulos de crédito deverão ser garantidos por: Seguro de Crédito à Exportação com cobertura do Fundo de Garantia a Exportação (FGE), ou apólices securitárias emitidas por seguradoras autorizadas a operar com o BNDES; Bancos no Brasil ou no exterior que possuam limite de crédito para operar com o Sistema BNDES, incluindo fiança e aval ou endosso com direito de regresso em notas promissórias ou letras de câmbio; Instituições autorizadas operar no âmbito do Convênio de Pagamentos e Créditos Recíprocos (CCR), da Associação Latino- Americana de Integração ALADI; Outras garantias e mitigadores de risco admitidos pelo Sistema BNDES. 2) Cartas de crédito, emitidas por: Instituição financeira domiciliada no exterior com limite de crédito aprovado pelo BNDES, podendo, alternativamente, ser confirmada 25

26 por instituição financeira domiciliada no Brasil ou no exterior, com limite de crédito para operar com o BNDES 3) Para garantia de parcela eventualmente não coberta pelo Seguro de Crédito à Exportação, será aceita fiança bancária de instituição financeira domiciliada no Brasil com limite de crédito aprovado pelo BNDES, podendo ser admitida outra garantia em razão das características da operação. Poderá ser aceita carta de crédito aberta por instituição financeira sediada no exterior que não apresente limite de crédito junto ao BNDES, desde que confirmada por instituição financeira credenciada pelo BNDES no Brasil. 26

27 quais são os encargos devidos na modalidade supplier s credit? 15 Taxas de desconto - composta por custo financeiro (LIBOR correspondente ao prazo do financiamento concedido pelo importador, com origem na taxa divulgada pelo BACEN ou Taxa de juros dos Títulos do Tesouro dos Estados Unidos ou Taxa da remuneração média de títulos do governo de países da zona econômica do euro), conforme aprovado pelo BNDES + remuneração básica do BNDES + taxa de risco de crédito (definida na estrutura da operação); Comissão de administração cobrado sobre o valor liberado; Encargo por compromisso comissão cobrada sobre o total do crédito aprovado, ou saldo não utilizado do total do crédito contratado; Outros encargos encargos específicos, de acordo com as características das operações, como comissões de estudos e de estruturação. 27

28 16 quais são as condições para liberação dos recursos do financiamento BNDES EXIM Pós-Embarque, operação Supplier s Credit? Para a liberação dos recursos, as instituições garantidoras, o exportador e o importador deverão estar adimplentes com o BNDES e a instituição financeira deverá enviar os seguintes documentos ao BNDES: Uma via do Pedido de Liberação (PL); e Títulos de crédito referentes à exportação ou carta de crédito. Os títulos de crédito deverão ser aceitos ou emitidos pelo importador, devidamente avalizados, e estar endossados pela beneficiária em favor do BNDES. No caso de operação garantida por agente financeiro, os títulos de crédito deverão estar endossados em favor do agente, o qual deverá endossá-los ao BNDES. Cópia da fatura comercial; Cópias do conhecimento de transporte internacional; Cópia do Registro de Exportação (RE) apresentando a expressão averbado; 28

29 Cópia do contrato de câmbio referente ao pagamento do sinal o/ ou pagamento antecipado da exportação refinanciada; Certidões; Outros documentos julgados necessários. 29

30 17 qual é o prazo e o limite do financiamento BNDES EXIM Pós-Embarque, modalidade Supplier s Credit? O prazo de financiamento dependerá da classificação do bem exportado e do valor da operação, e não poderá ultrapassar 15 (quinze) anos. 30

31 como é o financiamento no BNDES EXIM Pós- Embarque, modalidade Buyer s Credit? 18 No Financiamento BNDES EXIM - Pós-Embarque Buyer Credit, os contratos de financiamento são estabelecidos diretamente entre o BNDES e a empresa importadora. As operações são analisadas caso a caso, podendo atender estruturas específicas de garantia, desembolso e liberação. A modalidade Buyer Credit possui custo mais elevado que a modalidade Supplier Credit e possui prazo superior de análise, por ter condição diferenciada e envolver diretamente o importador. 31

32 19 existe algum benefício para as micro, pequenas e médias empresas? A remuneração básica do BNDES e a taxa de intermediação financeira geralmente possuem custo diferenciado para as micro, pequenas e médias empresas. No BNDES Pré-Embarque o limite de financiamento é maior. Porte de empresa adotado pelo BNDES Classificação Receita operacional brutal anual Microempresa Menor, ou igual, a R$ 2,4 milhões. Pequena empresa Média empresa Média-grande empresa Maior que R$ 2,4 milhões e menor, ou igual, a R$ 16 milhões. Maior que R$ 16 milhões e menor, ou igual, a R$ 90 milhões. Maior que R$ 90 milhões e menor, ou igual, a R$ 300 milhões. Grande empresa Maior que R$ 300 milhões. 32

33 check-list de documentos Comprovante de inscrição do CNPJ; Estatuto social, acompanhado da última alteração. Atas de eleição da diretoria em exercício ou conselho de administração; Declaração simplificada para empresas optantes do Simples ou DIPJ; Balanço patrimonial dos dois últimos exercícios. Imposto de Renda de Pessoa Física (IRPF) ou declaração dos sócios; Documento de identidade e CPF dos sócios; Certidão Conjunta de Débitos relativos aos tributos federais e à dívida ativa da União (www.receita. fazenda.gov.br); Certidão de regularidade do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço FGTS (www.caixa.gov.br); Certidão relativa a contribuições previdenciárias (www. receita.fazenda.gov.br); Comprovante de regularidade da Relação Anual de Informações Sociais (Rais); Documento de Arrecadação de Receitas Federais (Darf) relativo ao parcelamento Paes; Licença prévia dos órgãos do Meio Ambiente; Certidões negativas do estado e do município onde está localizada a empresa/projeto; e Projeto e/ou carta-consulta do investimento pleitado. 33

34 SUA OPINIÃO É IMPORTANTE! Envie sugestões para o aperfeiçoamento da Cartilha de Exportação BNDES EXIM ao Núcleo de Acesso ao Crédito NAC 34

35 CNI Diretoria de Desenvolvimento Industrial DDI Carlos Eduardo Abijaodi Diretor de Desenvolvimento Industrial Gerência Executiva de Política Industrial GEPI João Emílio Padovani Gonçalves Gerente-Executivo de Política Industrial Caroline Letícia Lompa Cristiano Antonio da Silva Suzana Squeff Peixoto Silveira Valentine Carpes Braga Equipe Técnica Diretoria de Serviços Corporativos DSC Fernando Augusto Trivellato Diretor de Serviços Corporativos Área de Administração, Documentação e Informação ADINF Maurício Vasconcelos de Carvalho Gerente-Executivo de Administração, Documentação e Informação Alberto Nemoto Yamaguti Normalização Maria Aparecida Rosa Vital Brasil Bogado Consultoria Elemento Design Projeto Gráfico e Diagramação 35

36

BNDES exim COMO FINANCIAR AS EXPORTAÇÕES. Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar

BNDES exim COMO FINANCIAR AS EXPORTAÇÕES. Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BNDES exim COMO FINANCIAR AS EXPORTAÇÕES Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BRASÍLIA, 2016 bndes exim como financiar as exportações Como as micro, pequenas e médias empresas

Leia mais

FCO, FNE e FNO. fundos constitucionais de financiamento. Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar

FCO, FNE e FNO. fundos constitucionais de financiamento. Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar FCO, FNE e FNO fundos constitucionais de financiamento Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BRASÍLIA, 2016 FCO, FNE e FNO fundos constitucionais de financiamento Como as micro,

Leia mais

acc e ace Adiantamento sobre Contrato de Câmbio e Cambiais Entregues Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar

acc e ace Adiantamento sobre Contrato de Câmbio e Cambiais Entregues Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar acc e ace Adiantamento sobre Contrato de Câmbio e Cambiais Entregues Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BRASÍLIA, 2016 ACC E ACE Adiantamento sobre Contrato de Câmbio e Cambiais

Leia mais

CAPITAL DE GIRO. Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar

CAPITAL DE GIRO. Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar CAPITAL DE GIRO Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BRASÍLIA, 2016 CAPITAL DE GIRO Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BRASÍLIA, 2016 2016. CNI Confederação

Leia mais

proex Programa de Financiamento às Exportações Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar

proex Programa de Financiamento às Exportações Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar proex Programa de Financiamento às Exportações Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BRASÍLIA, 2016 PROEX PROGRAMA DE financiamento ÀS EXPORTAÇÕES Como as micro, pequenas e médias

Leia mais

compras governamentais Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar

compras governamentais Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar compras governamentais Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BRASÍLIA, 2016 compras governamentais Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BRASÍLIA, 2016

Leia mais

FCO, FNE e FNO. Fundos Constitucionais de Financiamento COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR

FCO, FNE e FNO. Fundos Constitucionais de Financiamento COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR FCO, FNE e FNO Fundos Constitucionais de Financiamento COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR Brasília, 2013 BRASÍLIA, 2013 FCO, FNE e FNO Fundos Constitucionais de Financiamento

Leia mais

FGO E FGI fundos garantidores de risco de crédito. Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar

FGO E FGI fundos garantidores de risco de crédito. Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar FGO E FGI fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BRASÍLIA, 2016 FGO E FGI fundos garantidores de risco de crédito Como as micro, pequenas

Leia mais

Workshop ABDE - BNDES Operações indiretas e instrumentos BNDES para Economia Criativa

Workshop ABDE - BNDES Operações indiretas e instrumentos BNDES para Economia Criativa Workshop ABDE - BNDES Operações indiretas e instrumentos BNDES para Economia Criativa Rio de Janeiro, 13.05.2015 Política de Privacidade: Documento Reservado Empresas do Sistema BNDES - Unidade Gestora

Leia mais

Instrumentos de Apoio do BNDES à BID

Instrumentos de Apoio do BNDES à BID Instrumentos de Apoio do BNDES à BID Brasília, 28 de Setembro de 2016 Apoio do BNDES: Aspectos Básicos OPERAÇÕES DIRETAS OPERAÇÕES INDIRETAS Empresa financiada diretamente pelo BNDES Empresas financiadas

Leia mais

Apoio do BNDES às Exportações

Apoio do BNDES às Exportações Apoio do BNDES às Exportações ABINEE São Paulo outubro/2015 Classificação: Documento Ostensivo - Unidade Gestora AEX Objetivos Objetivos Apoiar a exportação de bens e serviços de alto valor agregado; Aumentar

Leia mais

COMO FINANCIAR AS EXPORTAÇÕES PELO BNDES EXIM COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR

COMO FINANCIAR AS EXPORTAÇÕES PELO BNDES EXIM COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR BRASÍLIA, 2014 COMO FINANCIAR AS EXPORTAÇÕES PELO BNDES EXIM COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria

Leia mais

enfrentarem os desafios 2016

enfrentarem os desafios 2016 Contribuição do BNDES para as empresas Economia enfrentarem os desafios 2016 Fevereiro de 2016 1 A racionalidade da contribuição do BNDES aos desafios de 2016 Apoiar necessidades das empresas; atender

Leia mais

inovacred Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar

inovacred Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar inovacred Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BRASÍLIA, 2016 INOVACRED Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BRASÍLIA, 2016 2016. CNI Confederação Nacional

Leia mais

BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro

BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro BNDES Automático Prosoft Comercialização MPME Informações básicas sobre o apoio financeiro A seguir as informações sobre as condições financeiras, o objetivo do financiamento, a orientação sobre como solicitar

Leia mais

PROSOFT. Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação. Prosoft Exportação

PROSOFT. Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação. Prosoft Exportação PROSOFT Programa para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Prosoft Exportação Florianópolis, 16 de novembro de 2009 1 Apresentação do BNDES Fundado

Leia mais

Cartão BNDES. Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar

Cartão BNDES. Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar Cartão BNDES Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar BRASÍLIA, 2017 Cartão BNDES Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA

Leia mais

INTERAGRO - SEMINÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR

INTERAGRO - SEMINÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR INTERAGRO - SEMINÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR Painel VIII: Como financiar suas exportações Campo Grande, 19 de julho Matheus Andrade Consultor, Barral M Jorge Matheus.andrade@barralmjorge.com.br A Barral

Leia mais

INTERAGRO - SEMINÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR

INTERAGRO - SEMINÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR INTERAGRO - SEMINÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR Painel IX: Como financiar suas exportações Fortaleza, 07 de julho Wagner Parente CEO, Barral M Jorge Wagner.parente@barralmjorge.com.br Matheus Andrade Consultor,

Leia mais

06/10/2016. PROEX Programa de Financiamento às Exportações

06/10/2016. PROEX Programa de Financiamento às Exportações 1 PROEX Programa de Financiamento às Exportações 2 Banco do Brasil e o Exportador Garantias Crédito Serviços Mecanismos de Apoio às Exportações 3 ACC/ACE Banco do Brasil e o Exportador Linhas de Crédito

Leia mais

APOIO DO BNDES ÀS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS. Seminário PROMINP-Exportação. Rio Oil & Gas /09/2006

APOIO DO BNDES ÀS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS. Seminário PROMINP-Exportação. Rio Oil & Gas /09/2006 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social APOIO DO BNDES ÀS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS Seminário PROMINP-Exportação Rio Oil & Gas 2006 12/09/2006 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Leia mais

Seminário de Crédito das Linhas do BNDES para Micro, Pequenas e Médias Empresas. Belo Horizonte - MG 01 de setembro de 2009

Seminário de Crédito das Linhas do BNDES para Micro, Pequenas e Médias Empresas. Belo Horizonte - MG 01 de setembro de 2009 Seminário de Crédito das Linhas do BNDES para Micro, Pequenas e Médias Empresas Belo Horizonte - MG 01 de setembro de 2009 Missão Banco do DESENVOLVIMENTO Competitividade e sustentabilidade Redução das

Leia mais

FCO, FNE e FNO Fundos Constitucionais de Financiamento

FCO, FNE e FNO Fundos Constitucionais de Financiamento FCO, FNE e FNO Fundos Constitucionais de Financiamento Como as micro, pequenas e médias empresas podem se beneficiar Brasília 2011 2011. CNI Confederação Nacional da Indústria. Qualquer parte desta obra

Leia mais

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet São José do Rio Preto - SP 29.setembro.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas

Leia mais

O BNDES Mais Perto de Você. Campinas - São Paulo 23 de Novembro de 2010

O BNDES Mais Perto de Você. Campinas - São Paulo 23 de Novembro de 2010 O BNDES Mais Perto de Você Campinas - São Paulo 23 de Novembro de 2010 Material de apoio Formulário de Perguntas Formulário de Avaliação 3 1 7 5 Informações Institucionais Informações gerais Quem somos

Leia mais

FGO E FGI. Fundos Garantidores de Risco de Crédito COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR

FGO E FGI. Fundos Garantidores de Risco de Crédito COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR FGO E FGI Fundos Garantidores de Risco de Crédito COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR Brasília, 2013 BRASÍLIA, 2013 FGO E FGI Fundos Garantidores de Risco de Crédito COMO AS MICRO,

Leia mais

CIRCULAR N 12/2009. Rio de Janeiro, 09 de fevereiro de Ref.: Produto BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa Especial de Crédito PEC - BNDES

CIRCULAR N 12/2009. Rio de Janeiro, 09 de fevereiro de Ref.: Produto BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Programa Especial de Crédito PEC - BNDES CIRCULAR N 12/2009 Rio de Janeiro, 09 de fevereiro de 2009 Ref.: Produto BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Programa Especial de Crédito PEC - BNDES O Superintendente da Área de Operações Indiretas, consoante Resolução

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR Nº 18/2009, de 6 de março de 2009

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR Nº 18/2009, de 6 de março de 2009 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR Nº 18/2009, de 6 de março de 2009 Ref.: Linhas de Financiamento BNDES-exim Pré-embarque, Pré-embarque Ágil, Préembarque Empresa Âncora

Leia mais

Feira da Mecânica 2012

Feira da Mecânica 2012 Feira da Mecânica 2012 Reunião de expositores São Paulo - SP 15 de Maio de 2012 Agenda Informações Institucionais Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Aquisição de Máquinas e Equipamentos

Leia mais

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Londrina - PR 26.janeiro.2015 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Como apoiamos? Operações Indiretas N o de operações

Leia mais

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização

Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft - Comercialização Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 49/2016-BNDES Rio de Janeiro, 15 de dezembro de 2016. Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria

Leia mais

COMPRAS GOVERNAMENTAIS COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR

COMPRAS GOVERNAMENTAIS COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR COMPRAS GOVERNAMENTAIS COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR Brasília, 2013 BRASÍLIA, 2013 COMPRAS GOVERNAMENTAIS COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR CONFEDERAÇÃO

Leia mais

BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR

BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR BRASÍLIA, 2013 CAPITAL DE GIRO COMO AS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS PODEM SE BENEFICIAR CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria de Comunicação Carlos Alberto

Leia mais

O BNDES COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO ÀS EXPORTAÇÕES DE EMPRESAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1990 A 2012

O BNDES COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO ÀS EXPORTAÇÕES DE EMPRESAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1990 A 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA MONOGRAFIA DE BACHARELADO O BNDES COMO INSTRUMENTO DE FOMENTO ÀS EXPORTAÇÕES DE EMPRESAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 1990 A 2012 ALESSANDRA VILAS

Leia mais

PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde

PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Banco Nacional de Desenvolvimento Econômco e Social - BNDES PROFARMA Programa de Apoio ao Desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde Belo Horizonte dezembro/2007 1 Aprovado em maio / 2004 MACRO-OBJETIVO

Leia mais

BNDES - Apoio às MPMEs

BNDES - Apoio às MPMEs BNDES - Apoio às MPMEs ABIGRAF - SP 14 de maio de 2009 Quem somos Fundado em 20 de junho de 1952; Empresa pública de propriedade integral da União Federal; Principal fonte de crédito de longo prazo; Apoio

Leia mais

PROGRAMA BNDES-exim PRÉ-EMBARQUE REGULAMENTO

PROGRAMA BNDES-exim PRÉ-EMBARQUE REGULAMENTO PROGRAMA BNDES-exim PRÉ-EMBARQUE REGULAMENTO 1. OBJETIVO Financiar na fase pré-embarque a produção, para exportação, dos bens indicados na Relação de Produtos Financiáveis aprovada pelo BNDES. 2. BENEFICIÁRIA

Leia mais

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MUTUO

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MUTUO COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MUTUO UO DOS EMPREGADOS DO SISTEMA FIERGS- CRESUL Travessa Francisco de Leonardo Truda, 40 sala 143 14 andar Porto Alegre-RS CEP 90010-050 Fone (0**51) 3224-3280 Fax:

Leia mais

CIRCULAR Nº Art. 7º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação.

CIRCULAR Nº Art. 7º Esta Circular entra em vigor na data de sua publicação. CIRCULAR Nº 2825 Documento normativo revogado pela Circular 3280, de 09/03/2005. Estabelece, altera e sistematiza os procedimentos cambiais relativos às exportações financiadas. A Diretoria Colegiada do

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Apoio à Aquisição de Bens de Capital Usados BNDES BK Usados

Ass.: Programa BNDES de Apoio à Aquisição de Bens de Capital Usados BNDES BK Usados Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR Nº 60/2012-BNDES Rio de Janeiro, 28 de setembro de 2012. Ref.: BNDES Finame e BNDES Finame Leasing Ass.: Programa BNDES de Apoio à Aquisição

Leia mais

Gerência Regional de Araraquara. Financiamentos às Exportações

Gerência Regional de Araraquara. Financiamentos às Exportações Gerência Regional de Araraquara Financiamentos às Exportações BB no mundo Experiência: Há mais de 70 anos em comércio exterior, inclusive com embaixadas e consulados; Cobertura internacional: mais de 30

Leia mais

O apoio do BNDES à exportação de material de defesa e segurança

O apoio do BNDES à exportação de material de defesa e segurança O apoio do BNDES à exportação de material de defesa e segurança Sergio B. Varella Gomes Departamento de Apoio às Exportações do Setor Aeronaútico São Paulo, 16 de maio de 2017 Sumário 1. O BNDES nas Exportações

Leia mais

Linhas de Crédito para Micro, Pequenas e Médias Empresas

Linhas de Crédito para Micro, Pequenas e Médias Empresas Linhas de Crédito para Micro, Pequenas e Médias Empresas APEOP São Paulo SP 20 de setembro de 2017 2 Quem pode solicitar financiamento? Pessoas Jurídicas Empresas com CNPJ Microempreendedor individual

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Incentivo à Armazenagem para Empresas e Cooperativas Cerealistas Nacionais BNDES Cerealistas

Ass.: Programa BNDES de Incentivo à Armazenagem para Empresas e Cooperativas Cerealistas Nacionais BNDES Cerealistas Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 46/2016-BNDES Rio de Janeiro, 15 de dezembro de 2016 Ref.: Produtos BNDES Automático e BNDES Finame Agrícola Ass.: Programa BNDES de Incentivo

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda BNDES Progeren

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda BNDES Progeren Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 21/2016-BNDES Rio de Janeiro, 15 de abril de 2016. Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade

Leia mais

Programa BNDES Finame de Aquisição de Peças, Partes e Componentes de Fabricação Nacional, por Fabricantes de Bens de Capital BNDES Finame Componentes

Programa BNDES Finame de Aquisição de Peças, Partes e Componentes de Fabricação Nacional, por Fabricantes de Bens de Capital BNDES Finame Componentes CIRCULAR Nº 49/2011 Rio de Janeiro, 22 de novembro de 2011 Ref.: Ass.: Produto BNDES Finame Programa BNDES Finame de Aquisição de Peças, Partes e Componentes de Fabricação Nacional, por Fabricantes de

Leia mais

A seguir são definidos os critérios, condições e procedimentos operacionais a serem observados na presente Linha.

A seguir são definidos os critérios, condições e procedimentos operacionais a serem observados na presente Linha. á~bndes Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AO! CIRCULAR SUP/AOI W 03/2017-BNDES Rio de Janeiro, 24 de janeiro de 2017 Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Linha BNDES para Composição de Dívidas-

Leia mais

1.4. Não será permitida a renegociação de operações com menos de 6 (seis) parcelas restantes.

1.4. Não será permitida a renegociação de operações com menos de 6 (seis) parcelas restantes. Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 07/2016-BNDES Rio de Janeiro, 26 de fevereiro de 2016 Ref.: Ass.: Produtos BNDES Finame e BNDES Finame Leasing Refinanciamento de operações

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda BNDES Progeren

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda BNDES Progeren Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 02/2016-BNDES Rio de Janeiro, 07 de janeiro de 2016. Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. Garibaldi - RS 29 de março de 2017

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. Garibaldi - RS 29 de março de 2017 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Garibaldi - RS 29 de março de 2017 Agenda 1. 2. Quem pode solicitar financiamento? O que podemos financiar? Principais produtos do BNDES para apoio às

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE AEROPORTOS FIESP CIESP Ricardo Cunha da Costa Assessor da Área de Infraestrutura BNDES Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social 24 de Abril de 2009 1 Missão e Visão

Leia mais

FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO

FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO FLUXOGRAMA DE EXPORTAÇÃO 1. PLANEJAMENTO Novos mercados; Mais lucros; Mais empregos Separar uma parte da produção para o mercado interno e outra para o mercado externo, pois a exportação é um processo

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR AEX Nº 003/2017, de 06 de janeiro de 2017.

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES. CIRCULAR AEX Nº 003/2017, de 06 de janeiro de 2017. BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES CIRCULAR AEX Nº 003/2017, de 06 de janeiro de 2017. Altera e consolida as Normas Operacionais da Linha de Financiamento BNDES Exim Préembarque

Leia mais

Apresentação BNDES. FIESP Reunião do Conselho Superior da Indústria da Construção (CONSIC) São Paulo SP 10 de outubro de 2017

Apresentação BNDES. FIESP Reunião do Conselho Superior da Indústria da Construção (CONSIC) São Paulo SP 10 de outubro de 2017 Apresentação BNDES FIESP Reunião do Conselho Superior da Indústria da Construção (CONSIC) São Paulo SP 10 de outubro de 2017 Desembolsos // Construção Civil 2 4000 3000 2000 1000 0 4000 3000 2000 1000

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. Sorocaba SP 27/03/2014

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. Sorocaba SP 27/03/2014 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Sorocaba SP 27/03/2014 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Empresário Como apoiamos? Operações Indiretas Instituições

Leia mais

Unidade III SISTEMÁTICA DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade III SISTEMÁTICA DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade III SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Profa. Lérida Malagueta Pontos de vista da exportação Exportação: é o ato de vender os produtos e serviços de sua empresa em um mercado fora do território

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda BNDES Progeren

Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade de Geração de Emprego e Renda BNDES Progeren Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 07/2017-BNDES Rio de Janeiro, 08 de março de 2017. Ref.: Produto BNDES Automático Ass.: Programa BNDES de Apoio ao Fortalecimento da Capacidade

Leia mais

Sicredi Cheque Especial. Periodicidade de pagamento. Juros mensalmente e principal a qualquer momento ou no vencimento do limite.

Sicredi Cheque Especial. Periodicidade de pagamento. Juros mensalmente e principal a qualquer momento ou no vencimento do limite. Sicredi Cheque Especial Definição Limite de crédito Forma de Limite de crédito disponibilizado em conta corrente para utilização imediata pelo associado, quando e como desejar. do tomador e respectivo

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. Campinas SP 14 de junho de 2017

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. Campinas SP 14 de junho de 2017 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Campinas SP 14 de junho de 2017 2 Quem pode solicitar financiamento? O que podemos financiar? Principais produtos do BNDES para apoio às MPMES: Cartão

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. Sorocaba SP 04/06/2014

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. Sorocaba SP 04/06/2014 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Sorocaba SP 04/06/2014 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Empresário Como apoiamos? Operações Indiretas Instituições

Leia mais

DEMPI Micro, pequena e média

DEMPI Micro, pequena e média LINHAS DE FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO ACESSO AO CRÉDITO MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS FIESP - 15/8/14 COMPESCA LINHAS DE FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO AGÊNCIAS DE FOMENTO As agências de fomento são

Leia mais

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Aracaju-SE 14.março.2016 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituição Financeira Credenciada

Leia mais

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital Programa BNDES ProBK

Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital Programa BNDES ProBK Apresentação Institucional BNDES Departamento de Bens de Capital Programa BNDES ProBK Fevereiro de 2016 Bruno Plattek bruno.plattek@bndes.gov.br Como apoiamos Tx. de Interm. Fin. Organização Interna Área

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 As concessões de empréstimo, financiamento e renegociações devem obedecer as regras estipuladas nesta política. 8.1 - Crédito Pessoal a) Finalidade Empréstimo sem justificativa específica. b) de pagamento

Leia mais

Apoio à Inovação. Santa Maria - RS 12.novembro.2015

Apoio à Inovação. Santa Maria - RS 12.novembro.2015 Apoio à Inovação Santa Maria - RS 12.novembro.2015 Quem somos Fundado em 20 de Junho de 1952 Empresa pública de propriedade integral da União Principal fonte de crédito de longo prazo para investimento

Leia mais

2 - Quando receberei o carnê para pagamento das parcelas? 3 - Como faço para solicitar uma 2ª via do carnê?

2 - Quando receberei o carnê para pagamento das parcelas? 3 - Como faço para solicitar uma 2ª via do carnê? 1 - Quero quitar o contrato, como faço para saber o saldo devedor? Para saber o saldo devedor do contrato de financiamento, acesse o Portal Cliente e selecione, no menu principal, a opção Quitação do Contrato

Leia mais

Estrutura de Apoio Rede de Atendimento Interna

Estrutura de Apoio Rede de Atendimento Interna Estrutura de Apoio Rede de Atendimento Interna Recife Salvador Brasília Ribeirão Preto Campinas São Paulo (3) 105 Gerentes de Negócios Internacionais Belo Horizonte 80 Consultores Rio de Janeiro Curitiba

Leia mais

DELPHOS INFORMA INTEIRO TEOR DA RESOLUÇÃO. Resolução nº 217, de 14 de maio de 1996

DELPHOS INFORMA INTEIRO TEOR DA RESOLUÇÃO. Resolução nº 217, de 14 de maio de 1996 DELPHOS INFORMA ANO 2 - Nº 11 - MAIO / 96 DIVULGAÇÃO DA RESOLUÇÃO Nº 217/96 DO MINISTÉRIO DO TRABALHO CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO EM 14

Leia mais

Paradiplomacia regional de empresas na América do Sul

Paradiplomacia regional de empresas na América do Sul Federal University of Roraima, Brazil From the SelectedWorks of Elói Martins Senhoras Winter January 1, 2011 Paradiplomacia regional de empresas na América do Sul Prof. Dr. Eloi Martins Senhoras Available

Leia mais

Ref.: Produtos BNDES Finame, BNDES Finame Agrícola e BNDES Finame Leasing.

Ref.: Produtos BNDES Finame, BNDES Finame Agrícola e BNDES Finame Leasing. Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 02/2017-BNDES Rio de Janeiro, 23 de janeiro de 2017. Ref.: Produtos BNDES Finame, BNDES Finame Agrícola e BNDES Finame Leasing. Ass.:

Leia mais

CARTÃO BNDES. Cartão BNDES

CARTÃO BNDES. Cartão BNDES Cartão BNDES Objetivos do Cartão BNDES Estabelecer maior proximidade com as Micro, Pequenas e Médias Empresas (MPME) Agilizar o acesso aos recursos financeiros do BNDES Disponibilizar financiamento automático

Leia mais

1 - Quero quitar o contrato, como faço para saber o saldo devedor?

1 - Quero quitar o contrato, como faço para saber o saldo devedor? 1 - Quero quitar o contrato, como faço para saber o saldo devedor? Para saber o saldo devedor do contrato de financiamento, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. 2 - Quando receberei o carnê

Leia mais

BRITCHAM - CORPORATE DAY

BRITCHAM - CORPORATE DAY BRITCHAM - CORPORATE DAY PAINEL 4 - FINANCIAMENTO Antonio Giglio Neto 23 de março de 2016 SUMÁRIO DA APRESENTAÇÃO I O Papel do Mercado Financeiro e de Capitais na Atividade Econômica II Legislação Relevante

Leia mais

Apoio à Inovação e à Indústria de Defesa. 1º Seminário de Inovação Outubro 2016

Apoio à Inovação e à Indústria de Defesa. 1º Seminário de Inovação Outubro 2016 Apoio à Inovação e à Indústria de Defesa 1º Seminário de Inovação Outubro 2016 Objetivos Estratégicos do BNDES Infraestrutur a Equacionar os gargalos estruturais (energia, logística, transporte e telecom)

Leia mais

7 - Efetuei o pagamento de uma parcela em duplicidade. Como devo proceder?

7 - Efetuei o pagamento de uma parcela em duplicidade. Como devo proceder? 1 - Quero quitar o contrato, como faço para saber o saldo devedor? Para saber o saldo devedor do contrato de financiamento, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. Regiões Metropolitanas:

Leia mais

Instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo, que promove o desenvolvimento sustentável por meio de operações de crédito consciente e de

Instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo, que promove o desenvolvimento sustentável por meio de operações de crédito consciente e de Março / 2015 Instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo, que promove o desenvolvimento sustentável por meio de operações de crédito consciente e de longo prazo para as pequenas e médias empresas

Leia mais

Indicadores CNI ISSN Ano 7 Número 2 Julho Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Julho/2017

Indicadores CNI ISSN Ano 7 Número 2 Julho Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Julho/2017 Indicadores CNI ISSN 2317-712 Ano 7 Número 2 Julho 17 Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Julho/17 Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Julho / 17 17. CNI Confederação Nacional da Indústria. Qualquer

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 As concessões de empréstimo e renegociações devem obedecer as regras estipuladas nesta política. 8.1 Nomes das linhas Nome Finalidade Liberação de Código no sistema valor Renegociação (exassociado) Renegociação

Leia mais

Programa de Financiamento às Exportações PROEX FIESC - Junho de 2016

Programa de Financiamento às Exportações PROEX FIESC - Junho de 2016 Programa de Financiamento às Exportações PROEX FIESC - Junho de 2016 Programa de Financiamento às Exportações - PROEX O PROEX foi instituído pelo Governo Federal para proporcionar às exportações brasileiras

Leia mais

AGENDA TRIBUTÁRIA: DE 16 A 22 DE JUNHO DE 2016

AGENDA TRIBUTÁRIA: DE 16 A 22 DE JUNHO DE 2016 AGENDA TRIBUTÁRIA: DE 16 A 22 DE JUNHO DE 2016 Até: Quinta-feira, dia 16 ICMS - GIA Histórico: GIA Eletrônica A GIA Eletrônica relativa ao mês anterior deverá ser apresentada por meio da Internet (www.pfe.fazenda.sp.gov.br),

Leia mais

Programa BNDES Finame de Aquisição de Peças, Partes e Componentes de Fabricação Nacional BNDES Finame Componentes

Programa BNDES Finame de Aquisição de Peças, Partes e Componentes de Fabricação Nacional BNDES Finame Componentes Classificação: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 08/2015-BNDES Rio de Janeiro, 06 de março de 2015 Ref.: Ass.: Produto BNDES Finame Programa BNDES Finame de Aquisição de Peças,

Leia mais

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Goiânia - GO 24.fevereiro.2016 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituição Financeira

Leia mais

POLÍTICA DE FINANCIAMENTO DE AUTOMÓVEIS

POLÍTICA DE FINANCIAMENTO DE AUTOMÓVEIS POLÍTICA DE FINANCIAMENTO DE AUTOMÓVEIS Esta Política reúne os critérios e procedimentos referentes ao Financiamento de Automóveis. OBJETIVO Definir os critérios e regulamentar os procedimentos a serem

Leia mais

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático

Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais. Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Produto BNDES Exim Pós-embarque Normas Operacionais Linha de Financiamento BNDES Exim Automático Classificação: Ostensivo Capítulo II - PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DAS OPERAÇÕES FORMALIZADAS POR MEIO DE

Leia mais

Soluções BNDES para pequenos negócios. Belo Horizonte - MG 20/06/2017

Soluções BNDES para pequenos negócios. Belo Horizonte - MG 20/06/2017 Soluções BNDES para pequenos negócios Belo Horizonte - MG 20/06/2017 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituição Financeira Credenciada Informação

Leia mais

Guia do Empresário. Farinha de Trigo. Cartão BNDES: Sua empresa merece!!!

Guia do Empresário. Farinha de Trigo. Cartão BNDES: Sua empresa merece!!! Guia do Empresário Farinha de Trigo Cartão BNDES: Sua empresa merece!!! Cartão BNDES Sumário Parte 01 - Sobre o Produto Parte 02 - Itens financiáveis Parte 03 - Simulações Parte 04 - Portal do Cartão BNDES

Leia mais

CARTÃO BNDES. Nome do Banco Emissor. Departamento de Operações de Internet - BNDES. 22 de agosto de 2007

CARTÃO BNDES. Nome do Banco Emissor. Departamento de Operações de Internet - BNDES. 22 de agosto de 2007 CARTÃO BNDES Departamento de Operações de Internet - BNDES Nome do Banco Emissor 22 de agosto de 2007 Agenda Um novo produto no mercado Conceito O Portal de Operações do Cartão BNDES Rede de Compradores

Leia mais

Indicadores CNI ISSN Ano 5 Número 3 Setembro de Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Setembro / 2015

Indicadores CNI ISSN Ano 5 Número 3 Setembro de Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Setembro / 2015 Indicadores CNI ISSN 237-702 Ano 5 Número 3 Setembro de 205 Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Setembro / 205 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Presidente: Robson Braga de Andrade DIRETORIA

Leia mais

Ref.: Produto BNDES Finame Agrícola (Circular nº 197/2006, de ). Alterações no âmbito do Produto BNDES Finame Agrícola.

Ref.: Produto BNDES Finame Agrícola (Circular nº 197/2006, de ). Alterações no âmbito do Produto BNDES Finame Agrícola. Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 43/2015-BNDES Rio de Janeiro, 21 de dezembro de 2015 Ref.: Produto BNDES Finame Agrícola (Circular nº 197/2006, de 18.08.2006). Ass.:

Leia mais

Apoio à Inovação. São Paulo, 03 de Outubro de 2017

Apoio à Inovação. São Paulo, 03 de Outubro de 2017 Apoio à Inovação São Paulo, 03 de Outubro de 2017 Classificação de porte Porte da Empresa MPMEs Micro Pequena Média Grande Receita Operacional Bruta Até R$ 2,4 milhões Até R$ 16 milhões Até R$ 300 milhões

Leia mais

Indicadores CNI ISSN Ano 7 Número 1 março de Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Março/2017

Indicadores CNI ISSN Ano 7 Número 1 março de Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO. Março/2017 Indicadores CNI ISSN 2317-712 Ano 7 Número 1 ço de 17 Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Março/17 Pesquisa CNI-Ibope AVALIAÇÃO DO GOVERNO Março / 17 17. CNI Confederação Nacional da Indústria. Qualquer

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. São Paulo SP 22.jul.2016

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. São Paulo SP 22.jul.2016 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas São Paulo SP 22.jul.2016 Agenda 1. 2. Quem pode solicitar financiamento? O que podemos financiar? Principais produtos do BNDES para apoio às MPMEs Cartão

Leia mais

Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos Linha BNDES PMAT e Programa BNDES PMAT Automático

Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos Linha BNDES PMAT e Programa BNDES PMAT Automático Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos Linha BNDES PMAT e Programa BNDES PMAT Automático REGRAS GERAIS APLICÁVEL AO FINEM E AO AUTOMÁTICO Excluído o limite de

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Prioridades BNDES Infraestrutura logística e energética Infraestrutura urbana de saneamento e mobilidade. Modernização da

Leia mais

Programa de Financiamento às Exportações PROEX FIESP - Outubro de 2016

Programa de Financiamento às Exportações PROEX FIESP - Outubro de 2016 Programa de Financiamento às Exportações PROEX FIESP - Outubro de 2016 Programa de Financiamento às Exportações - PROEX O PROEX foi instituído pelo Governo Federal para proporcionar às exportações brasileiras

Leia mais

Documentos necessários para LIBERAÇÃO DO CRÉDITO ao CONSORCIADO CONTEMPLADO e para TRANSFERÊNCIA DE COTA a partir do Grupo 70.

Documentos necessários para LIBERAÇÃO DO CRÉDITO ao CONSORCIADO CONTEMPLADO e para TRANSFERÊNCIA DE COTA a partir do Grupo 70. Documentos necessários para LIBERAÇÃO DO CRÉDITO ao CONSORCIADO CONTEMPLADO e para TRANSFERÊNCIA DE COTA a partir do Grupo 70. 1. PESSOA FÍSICA ASSALARIADO CONSORCIADO / DOCUMENTAÇÃO Ficha Cadastral atualizada*;

Leia mais

Documentos necessários para LIBERAÇÃO DO CRÉDITO ao CONSORCIADO CONTEMPLADO e para TRANSFERÊNCIA DE COTA até o Grupo 69.

Documentos necessários para LIBERAÇÃO DO CRÉDITO ao CONSORCIADO CONTEMPLADO e para TRANSFERÊNCIA DE COTA até o Grupo 69. Documentos necessários para LIBERAÇÃO DO CRÉDITO ao CONSORCIADO CONTEMPLADO e para TRANSFERÊNCIA DE COTA até o Grupo 69. 1. PESSOA FÍSICA ASSALARIADO CONSORCIADO / DOCUMENTAÇÃO Ficha Cadastral atualizada*;

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES. ABIMAQ fevereiro de 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES. ABIMAQ fevereiro de 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ fevereiro de 2014 Prioridades BNDES Infraestrutura logística e energética Infraestrutura urbana de saneamento e mobilidade. Modernização

Leia mais

Fatores para o cálculo do preço de exportação

Fatores para o cálculo do preço de exportação Fatores para o cálculo do preço de exportação No cálculo do preço de exportação devem ser levados em conta, entre outros fatores: IPI - IMUNIDADE do Imposto sobre Produtos Industrializados, na saída de

Leia mais

Valor Aduaneiro. O valor aduaneiro deve ser entendido como o montante que servirá como base de cálculo do Imposto de importação.

Valor Aduaneiro. O valor aduaneiro deve ser entendido como o montante que servirá como base de cálculo do Imposto de importação. Valor Aduaneiro O valor aduaneiro deve ser entendido como o montante que servirá como base de cálculo do Imposto de importação. Daí a importância de se estabelecer, com o devido rigor técnico,a base de

Leia mais