ACERVOS DE MÚSICA E COMUNIDADES URBANAS: NOVAS PERSPECTIVAS DE INTER-RELAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACERVOS DE MÚSICA E COMUNIDADES URBANAS: NOVAS PERSPECTIVAS DE INTER-RELAÇÃO"

Transcrição

1 NOVAS PERSPECTIVAS DE INTER-RELAÇÃO Pedro de Moura Aragão Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Escola de Música (mestrando) Resumo: Esta comunicação pretende discutir o papel de arquivos de música popular na cidade do Rio de Janeiro, através de uma pequena análise do modelos corrente, e da discussão de questões a respeito de identidade e novas formas de constituição de acervos em comunidades urbanas. São apontados alguns dos problemas das constituições de acervos tradicionais e outras questões relacionadas tais como acessibilidade, propriedade intelectual, patrimônio imaterial, relação com a comunidade acadêmica, entre outros. Palavras-Chave: Etnomusicologia; acervos; identidade Abstract: The aim of this article is to discuss the role of popular music sound archives in Rio de Janeiro, through the analyses of some current models and the discussion of identities and new forms of archives constitutions in urban communities. Questions related, as accessibility, intellectual properties, immaterial patrimony, interaction with academic institutions are also discussed. Key Words: Ethnomusicology, sound archives, identities

2 Existe ainda escassa literatura no Brasil a respeito do papel dos arquivos musicais (tanto de partituras quanto de gravações), principalmente no que concerne à música popular. Apesar disso, notam-se cada vez mais projetos de resgate e de restauração de acervos por parte de agências de fomento, órgãos governamentais, ONGs ligadas à comunidades específicas etc. Esta comunicação pretende discutir o papel de arquivos de música popular na cidade do Rio de Janeiro, através de uma pequena análise dos modelos correntes, e da discussão de questões a respeito de identidade e novas formas de constituição de acervos em comunidades urbanas. Para tanto, começo fazendo uma pequena revisão da literatura etnomusicológica a respeito do assunto; em seguida me proponho a discutir algumas premissas comumente adotadas na constituição e na finalidade de acervos públicos, apontando algumas questões pertinentes à esta discussão, tais como acessibilidade, recursos humanos adequados, questão dos direitos autorais, interação com o meio acadêmico, entre outros tópicos. Na parte final desta comunicação pretendo discutir a validade e a viabilidade destes modelos tradicionais na constituição de novos acervos dentro da perspectiva da pesquisa participativa. Pequena revisão de uma literatura etnomusicológica De um modo geral, a literatura etnomusicológica ainda é limitada no que diz respeito ao papel dos acervos na música popular urbana. Grande parte dos escritos (Nettl, 1983: ; Seeger, 1984: ) a respeito deste tema tem como foco os arquivos resultantes da pesquisa de campo, gravações de práticas musicais variadas feitas por acadêmicos. Neste sentido, Seeger aponta para uma mudança no papel dos arquivos sonoros através do tempo: a principal delas seria o contexto pós-colonial dos estudos etnomusicológicos a partir da segunda metade do século XX. Segundo o autor, prevaleceu na tradição etnomusicológica uma postura colonialista em que países da periferia forneciam a matéria prima (práticas musicais) para que estudiosos europeus e americanos formulassem teorias e idéias que eram devolvidas como forma de produtos acabados (através de revistas e periódicos) aos países de periferia. Seeger sugere uma reversão deste processo colonizador através do repatriamento de gravações e do treinamento em pesquisa das próprias comunidades musicais destes países, para que elas possam construir seus próprios meios de análise de suas práticas musicais (Seeger, 1986: ) Diretamente ligadas à reversão deste processo colonizador estão as questões relativas à propriedade intelectual e ao patrimônio imaterial. De um modo geral, as leis de direito autoral foram, no mundo inteiro, criadas dentro da perspectiva iluminista de um sujeito individual, em oposição a outros modos de criação coletiva. Desta forma, uma partitura musical escrita por um compositor pode recolher direitos autorais, mas uma canção oriunda de tradição oral de uma certa comunidade é imediatamente taxada de domínio público e não rende dividendos para esta comunidade. Freqüentemente, canções ditas folclóricas ou rituais são depositadas em arquivos públicos e utilizadas para determinados fins sem qualquer tipo de autorização ou de ressarcimento para a comunidade em que foram recolhidas (Seeger, 2004) 2

3 Existem ainda outras questões importantes citadas por Seeger a respeito de usos, propriedade intelectual e acessibilidade de arquivos sonoros, que poderiam ser aplicáveis ao domínio da música popular. Em primeiro lugar, este autor propõe uma divisão básica entre dois tipos de acervo: o primeiro seria representado por coleções de gravações comerciais ou qualquer tipo de material publicado; o segundo seria representado por gravações nãocomerciais, manuscritos, cadernos de campo etc. No primeiro caso estariam coleções formadas por depósito compulsório de material publicado (como é o caso da Biblioteca do Congresso americano), coleções decorrentes de finalidades comerciais (ex. coleções de rádios, gravadoras, editoras, etc) e por fim coleções particulares formadas por pesquisadores que se dedicam a um ou mais gêneros específicos (ex. coleções de 78 rpm, discos de jazz etc). De um modo geral, todas estas coleções tem um aspecto em comum: são governadas por leis específicas de copyright, e, portanto tem condições de reprodução e de audição pública restritas. Alguns problemas práticos surgem deste fato: 1) a dificuldade de identificação dos detentores de copyright de editoras e gravadoras que cessaram de existir com seu nome original; 2) a falta de compromisso dos detentores de copyrights, que faz com que estes na maioria das vezes não respondam a solicitações de utilização do material que eles detém, a não ser por uma grande soma de dinheiro.(seeger, 2004) No caso de material não comercial a questão da acessibilidade e da utilização tende a ficar ainda mais confusa, por dois motivos básicos: 1) por não estar sob domínio específico de uma lei de copyright e 2) por não haver, na maioria das vezes, instruções claras por parte do artista responsável pela gravação não comercial ou pelo manuscrito, para as condições de utilização do material em uma instituição pública ou privada (Seeger, 2004). Nestes casos as instituições detentoras de acervos tendem a criar suas próprias regras que por vezes não são formuladas de forma clara e, pior, são freqüentemente alteradas de acordo com o mandato de cada dirigente ou com a conjuntura política. Como se vê, são questões bastante comuns, perfeitamente aplicáveis à realidade brasileira, e de vivência comum tanto aos que tem necessidade de consulta a acervos musicais no seu dia-a-dia (aqui incluídos não apenas acadêmicos, mas instrumentistas, regentes, produtores, antropólogos, folcloristas, etc), como às comunidades que freqüentemente tem seu patrimônio imaterial lesado de alguma forma pela não inclusão em leis de direitos autorais. Discutirei no próximo item alguns modelos de constituição de acervos na cidade do Rio de Janeiro à luz das questões mencionadas anteriormente. Modelos de Acervo Pretendo abordar inicialmente a questão da constituição de arquivos musicais. De um modo geral os modelos de constituição de acervos, tanto públicos como privados seguem algumas premissas básicas em sua conformação, que passo a enumerar a seguir: 1) há sempre implícita a idéia de preservação e resgate de determinadas práticas musicais, partindo-se de um pressuposto de música como algo estático; 2) há uma clara segmentação das práticas musicais em rótulos bem definidos, tais como música folclórica, música erudita, 3 Anais do V Congresso Latinoamericano da Associação Internacional para o Estudo da Música Popular

4 música popular etc, onde cada uma destas subdivisões recebe um tratamento arquivístico e tem condições de acesso diferenciadas; 3) a decisão do que constituirá o material a ser arquivado é fortemente ideológica, cabendo geralmente ao público e às comunidades a quem os acervos se destinam um papel meramente passivo; 4) em geral, há pouca interação entre os acervos musicais públicos e privados e a comunidade acadêmica: na maioria dos casos, os acervos musicais brasileiros empregam pessoas com formação em museologia ou em biblioteconomia, sendo ainda rara a admissão de musicólogos ou etnomusicólogos; 5) como conseqüência do item anterior, há freqüentemente uma sobrevalorização do suporte de determinado material em detrimento da análise do conteúdo do mesmo; 6) conforme já assinalado na primeira parte deste trabalho, há uma enorme indefinição a respeito das condições de acesso e reprodução de material não-comercial (p. Ex. manuscritos, gravações caseiras, etc), que em geral prejudicam o usuário e o pesquisador, fazendo com que a questão muitas vezes caia no âmbito puramente burocrático das assessorias jurídicas destas instituições, que na maioria das vezes não tem qualquer consultor musical que possa abalizar pendências específicas. Para citar apenas um exemplo significativo deste modelo de constituição de acervos na cidade do Rio de Janeiro, citarei o Museu da Imagem e do Som criado em 1965 pelo então governador Carlos Lacerda. Segundo informa o sítio virtual da instituição: O MIS lançou um gênero pioneiro de museu audiovisual que seria seguido por outras capitais e cidades brasileiras, além de ter se constituído num centro cultural de vanguarda nas décadas de 60 e 70 do século XX, lugar de encontros e lançamentos de idéias e novos comportamentos (MIS- RJ, sítio virtual) Este modelo de constituição de acervo foi realmente copiado em todo o país, e, embora seja salientado o caráter inovador da questão audiovisual, bem como a identificação com uma estética de vanguarda, questões tradicionais como preservação e coleta são freqüentemente mencionadas. O Museu da Imagem e do Som de São Paulo, por exemplo, salienta a preocupação com o desaparecimento de experiências culturais e artísticas significativas da vida rural e urbana e por isso embrenhou-se de forma sistemática na edificação de um acervo de imagens e sons que contemplasse estes conhecimentos diversos. (MIS-SP, sítio virtual). Pelos mesmos motivos, o MIS- RJ inaugurou na década de 90 o seu Núcleo de História Oral onde, segundo informa de modo não muito claro o sítio virtual da instituição: a história oral é utilizada para fins arquivísticos, como um método preocupado com a qualidade da produção de acervo de depoimentos orais, coletados a partir de uma técnica própria de trabalho, visando preservar para o futuro as informações obtidas no presente. (MIS- Rio de Janeiro, sítio virtual). As ilustrações que acompanham este texto no sítio virtual da instituição remetem ao universo do folclore, com conjuntos e instrumentos típicos, o que 4

5 salienta de alguma forma a idéia de pureza e de anonimato comuns ao termo. A segmentação das práticas musicais em rótulos definidos a priori também pode ser verificada no sítio virtual da instituição. Há uma fronteira bem definida entre a seção dedicada à História Oral e a seção dedicada aos acervos de música popular, embora na prática estas fronteiras sejam bastante tênues. O arquivo do radialista Henrique Foréis Domingues, (por alcunha o Almirante ), por exemplo, é um exemplo claro de acervo que contém elementos que poderiam ser classificados tanto na categoria música popular quanto na categoria música folclórica, o que comprova a relatividade destas definições. As condições de acesso a este material variaram muito ao longo da história do Museu, por vários motivos, como por exemplo o já citado fato de persistem dúvidas sobre qual o grau de acesso deve ser dado ao material manuscrito ou a gravações não comerciais. Estas incertezas são maiores quando o artista ou colecionador não deixa instruções precisas a respeito do destino que quer dar a este material. É o caso do acervo Jacob do Bandolim (do bandolinista Jacob Pick Bittencourt), que foi vendido ao Museu após a morte desta artista. Diversos itens do acervo, como a coleção de fitas de rolo contendo gravações não comerciais, já foram disponibilizados para a cópia em sucessivas gestões das diferentes diretorias do Museu, para depois serem interditadas em outros períodos, de acordo com a interpretação pessoal de cada diretor. Por outro lado, a falta de pessoal especializado na área musical impedia que se fizesse um catálogo preciso do conteúdo das fitas, o que dificultava ainda mais o acesso do usuário comum 1. Constata-se desta forma uma grande falta de articulação entre os acervos públicos e o meio acadêmico, que sem dúvida poderia render frutos para ambas as partes. De uma maneira geral, percebe-se uma grande carência de apoio musicológico e etnomusicológico tanto ao que se refere à catalogação e organização de acervos musicais quanto ao que se refere às novas demandas éticas e morais de utilização de patrimônio imaterial e de repatriamento de documentos musicais às suas comunidades de origem. Conclusões Procurei apontar superficialmente neste artigo algumas premissas e alguns dos problemas por que passam os acervos públicos tradicionalmente constituídos no Rio de Janeiro. A questão que finalmente se impõe é em que medida estas concepções de acervos tradicionais, vistos como lugares meramente voltados para consulta e pesquisa podem se constituir em modelo fixo para diferentes comunidades urbanas portadoras de múltiplas identidades culturais e que lições a etnomusicologia participativa pode tirar destes modelos para a constituição de acervos comprometidos com formação destas novas identidades culturais e sociais. 1 Todas estas informações são resultado da observação direta do autor deste artigo como usuário do Museu da Imagem e do Som. Foi somente no ano de 2003, segundo informação da diretoria do MIS- RJ a este autor, que foi contratado o primeiro musicólogo para compor o quadro de funcionários da instituição. 5 Anais do V Congresso Latinoamericano da Associação Internacional para o Estudo da Música Popular

6 REFERÊNCIAS CITADAS ACERVOS DE MÚSICA E COMUNIDADES URBANAS: NETTL, Bruno, The Study of Ethnomusicology; Twenty-nine Issues and Concepts. Urbana: University of Illinois Press SEEGER, Anthony (2004). Intelectual Property and Audiovisual Archives and Collections. American Folklife Center /Library of Congress. www. loc.gov/foklife/fhcc/propertykey.html (consulta em 15/5/2004) SEEGER, Anthony. The Role of Sound Archives in Ethnomusicology Today EN Journal of the society for ethnomusicology, Volume 30, número 2, 1986 MUSEU DA IMAGEM E DO SOM DO RIO DE JANEIRO. Sítio Virtual: (consulta em 15/5/2004) MUSEU DA IMAGEM E DO SOM DE SÃO PAULO; Sítio Virtual: (consulta em 15/5/2004) 6

EDITAL PRÊMIO GUNGA IDENTIDADE E CULTURA

EDITAL PRÊMIO GUNGA IDENTIDADE E CULTURA EDITAL PRÊMIO GUNGA IDENTIDADE E CULTURA 1. APRESENTAÇÃO Com base nos valores da economia solidária e da cultura livre, o Estúdio Gunga empresa de comunicação focada na criação de sites, editoração gráfica,

Leia mais

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES Esta política trata do acesso aos dados, metadados e informações das coleções

Leia mais

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo I CICLO DE PALESTRAS SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICAS DE DOCUMENTOS NO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade

Leia mais

OS ARQUIVOS AUDIOVISUAIS EM PORTUGAL: UM DIAGNÓSTICO

OS ARQUIVOS AUDIOVISUAIS EM PORTUGAL: UM DIAGNÓSTICO OS ARQUIVOS AUDIOVISUAIS EM PORTUGAL: UM DIAGNÓSTICO Faro, 4 de Outubro 2013 OBJECTIVO Conhecer a situação real do património audiovisual nacional, nas suas mais variadas vertentes, desde o seu estado

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador MOZARILDO CAVALCANTI I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador MOZARILDO CAVALCANTI I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTES, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 65, de 2012 (Projeto de Lei nº 1.263, de 2003, na origem), de autoria do Deputado Leonardo Monteiro,

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO PROGRAMA/PROJETO DE EXTENSÃO

1. IDENTIFICAÇÃO DO PROGRAMA/PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO - UFMA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO - PROEX DEPARTAMENTO DE EXTENSÃO - DE Programa / Projeto de Extensão - Roteiro de proposta 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROGRAMA/PROJETO DE EXTENSÃO

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

II. Atividades de Extensão

II. Atividades de Extensão REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO I. Objetivos A extensão tem por objetivo geral tornar acessível, à sociedade, o conhecimento de domínio da Faculdade Gama e Souza, seja por sua própria produção, seja

Leia mais

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas PENSAR O LIVRO 6 Fórum Ibero-americano sobre o livro, a leitura e as bibliotecas na sociedade do conhecimento Junho 2009 Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo

Leia mais

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 1. Patrocínios 1.1 Patrocínio a Eventos e Publicações Data limite: 60 dias de antecedência da data de início do evento

Leia mais

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE A INSTITUIÇÃO A Universidade Livre do Meio Ambiente - Unilivre, instalada em Curitiba, Paraná, é uma organização não governamental sem fins lucrativos, recentemente

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução MUS-12/1.EM/3 Rio de Janeiro, 13 Jul 2012 Original: Inglês ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA REUNIÃO DE ESPECIALISTAS NA PROTEÇÃO E PROMOÇÃO DE MUSEUS E COLEÇÕES Rio

Leia mais

FESTIVAL DA DIVERSIDADE CULTURAL

FESTIVAL DA DIVERSIDADE CULTURAL FESTIVAL DA DIVERSIDADE CULTURAL Conexão Fortaleza - Bogotá 2012 Edital - XV Edição do festival Tangolomango Mil e Uma Imagens Comunicação e Produção Ltda Rua Conde Lages, 44, Sala 307 - Glória Cep: 20241-040

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e Tecnologias para a Educação Básica Coordenação Geral de Materiais Didáticos PARA NÃO ESQUECER:

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2003 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara Superior de UF: DF Educação ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de: Filosofia, História,

Leia mais

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 10/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: SKY BRASIL SERVIÇOS LTDA.

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 10/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: SKY BRASIL SERVIÇOS LTDA. ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 10/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: SKY BRASIL SERVIÇOS LTDA. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: (Resolução nº, de de de 2009

Leia mais

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria

Código de Ética. PARTE I Relação com o cliente de Consultoria Código de Ética PARTE I Relação com o cliente de Consultoria 1. É essencial que o Consultor estabeleça de inicio com o cliente, de forma clara, os objetivos do trabalho previsto, dos meios a serem utilizados,

Leia mais

Elaboração do Projeto de Pesquisa

Elaboração do Projeto de Pesquisa Elaboração do Projeto de Pesquisa Pesquisa Pesquisa é um conjunto de atividades, que tem como finalidade solucionar e esclarecer dúvidas e problemas; comprovar hipóteses; Utiliza procedimentos próprios,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ Art. 1 - O Arquivo Público Municipal de Bagé, criado pela lei nº 3.399/97, de julho/97 alterado e complementado pelas leis 3.817/2001 e 3.935/2002,

Leia mais

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO

FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO FORMULÁRIO DAS AÇÕES DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO DO PROJETO: Programa História e Memória Regional 1.2. CURSO: Interdisciplinar 1.3. IDENTIFICAÇÃO DO(A) PROFESSOR(A) /PROPONENTE 1.3.1.

Leia mais

Código de Ética do IBCO

Código de Ética do IBCO Código de Ética do IBCO Qua, 14 de Novembro de 2007 21:00 O papel do consultor de organização, no desempenho de suas atividades, é o de assistir aos clientes na melhoria do seu desempenho, tanto nos aspectos

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Práticas musicais no contexto urbano de João Pessoa

Práticas musicais no contexto urbano de João Pessoa Práticas musicais no contexto urbano de João Pessoa Luis Ricardo Silva Queiroz Universidade Federal da Paraíba e-mail: luisrsq@uol.com.br Anne Raelly Pereira de Figueirêdo Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU - UNIGUAÇU POLÍTICA DE DESENVILVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH A implantação

Leia mais

Código de Ética da Sociedade Brasileira de Sociologia

Código de Ética da Sociedade Brasileira de Sociologia Código de Ética da Sociedade Brasileira de Sociologia O Código de Ética da Sociedade Brasileira de Sociologia (SBS) baseia-se no Código de Ética da International Sociological Association, da qual a SBS

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 70 A ONG brasileira está em crise? 06 de fevereiro de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

POLÍTICA DE DADOS DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS BIOLÓGICOS DO MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG

POLÍTICA DE DADOS DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS BIOLÓGICOS DO MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG POLÍTICA DE DADOS DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS BIOLÓGICOS DO MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG Esta política diz respeito aos dados e metadados das coleções biológicas do Museu Paraense Emílio Goeldi,

Leia mais

III Seminário de Turismo Rural do Distrito Federal

III Seminário de Turismo Rural do Distrito Federal IDESTUR Instituto de Desenvolvimento do Turismo Rural III Seminário de Turismo Rural do Distrito Federal O Turismo Rural não tem leis e regulamentos específicos que normatizem a sua diversidade, até por

Leia mais

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE LIVROS Avaliação dos Programas de Pós graduação Aprovada na 111ª Reunião do CTC de 24 de agosto de 2009 Considerações preliminares O propósito deste roteiro é estabelecer

Leia mais

www.portaledumusicalcp2.mus.br

www.portaledumusicalcp2.mus.br Apostila de Educação Musical 1ª Série Ensino Médio www.portaledumusicalcp2.mus.br O QUE É MÚSICA? A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) constituise basicamente de uma sucessão

Leia mais

Edital de apoio à participação no Seminário Ibero-Americano da Diversidade Linguística.

Edital de apoio à participação no Seminário Ibero-Americano da Diversidade Linguística. Edital de apoio à participação no Seminário Ibero-Americano da Diversidade Linguística. 1. Introdução O Seminário Ibero-americano da Diversidade Linguística pretende ser um marco na discussão de políticas

Leia mais

Direitos Autorais e Patrimônio Cultural

Direitos Autorais e Patrimônio Cultural Direitos Autorais e Patrimônio Cultural Diretoria de Direito Intelectual Secretaria de Políticas Culturais Ministério da Cultura Constituição Federal - Art. 216 - Constituem patrimônio cultural brasileiro

Leia mais

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS

CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS CÓDIGO BRASILEIRO DE ÉTICA PARA ARQUIVISTAS Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Código de Ética dos Arquivistas Objetivo: Fornecer à profissão arquivística

Leia mais

PARECER Nº 13/2009 1- APRESENTAÇÃO

PARECER Nº 13/2009 1- APRESENTAÇÃO PARECER Nº 13/2009 Manifesta-se sobre a declaração de interesse público e social do acervo de Abdias Nascimento, sob a guarda do Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros - IPEAFRO 1- APRESENTAÇÃO

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

Formulário de inscrição para Unidades Escolares:

Formulário de inscrição para Unidades Escolares: Presidência da República Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial Secretaria de Políticas de Ações Afirmativas 1. Contextualização: Formulário de inscrição para Unidades Escolares: a) Descreva

Leia mais

EDITAL PARA A MOSTRA DE FOTOGRAFIA HISTÓRIA E MEMÓRIA EM SAÚDE DOS TERRITÓRIOS DE VIDA

EDITAL PARA A MOSTRA DE FOTOGRAFIA HISTÓRIA E MEMÓRIA EM SAÚDE DOS TERRITÓRIOS DE VIDA EDITAL PARA A MOSTRA DE FOTOGRAFIA HISTÓRIA E MEMÓRIA EM SAÚDE DOS TERRITÓRIOS DE VIDA A Rede Unida Norte vem por meio deste, tornar público o presente Edital da Mostra de Fotografia História e Memória

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ

Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ 1. O que é o Mapa Musical da Bahia? O Mapa Musical da Bahia é uma ação da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB) para mapear, reconhecer e promover a difusão da música

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE CULTURA EDITAL. CONCURSO MUNICIPAL DE RADIONOVELAS Paulo Melo EDIÇÃO 2013

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE CULTURA EDITAL. CONCURSO MUNICIPAL DE RADIONOVELAS Paulo Melo EDIÇÃO 2013 FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE CULTURA EDITAL CONCURSO MUNICIPAL DE RADIONOVELAS Paulo Melo EDIÇÃO 2013 A Prefeitura de Ponta Grossa, através da Fundação Municipal de Cultura e do Conselho Municipal de Política

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

MENSAGEM PREGÃO ELETRÔNICO N. 89/2009 ESCLARECIMENTO 1

MENSAGEM PREGÃO ELETRÔNICO N. 89/2009 ESCLARECIMENTO 1 MENSAGEM Assunto: Esclarecimento Referência: Pregão Eletrônico n. 89/2009 Data: 17/12/2009 Objeto: Contratação de organização física e lógica de processos e documentos, correção da instrução de processos,

Leia mais

Formação, Exercício e Compromisso Social

Formação, Exercício e Compromisso Social Formação, Exercício e Compromisso Social Antonio Francisco de Oliveira 1 Vice-Presidente do CAU/BR Coordenador da CEP-CAU/BR A Arquitetura e Urbanismo é, sem sombra de dúvida, uma das profissões cujo exercício

Leia mais

FÓRUM DO AUDIOVISUAL PARANAENSE Curitiba/PR 13 e 14 de junho de 2015

FÓRUM DO AUDIOVISUAL PARANAENSE Curitiba/PR 13 e 14 de junho de 2015 FÓRUM DO AUDIOVISUAL PARANAENSE Curitiba/PR 13 e 14 de junho de 2015 ÁREA: PRESERVAÇÃO AUDIOVISUAL Os representantes de preservação audiovisual, presentes ao Fórum do Audiovisual Paranaense, reconhecendo

Leia mais

OS SABERES DOS PROFESSORES

OS SABERES DOS PROFESSORES OS SABERES DOS PROFESSORES Marcos históricos e sociais: Antes mesmo de serem um objeto científico, os saberes dos professores representam um fenômeno social. Em que contexto social nos interessamos por

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 031/2013 (PARECER Nº 031/2013 CONSUN)

RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 031/2013 (PARECER Nº 031/2013 CONSUN) RESOLUÇÃO UnC-CONSUN 031/2013 (PARECER Nº 031/2013 CONSUN) Dispõe sobre a criação do Programa Arte na Escola. O Presidente do Conselho Universitário CONSUN da Universidade do Contestado - UnC, no uso de

Leia mais

célia collet mariana paladino kelly russo

célia collet mariana paladino kelly russo Apresentação Este livro é produto de uma inquietação resultante de nossas pesquisas e de práticas docentes e de extensão universitária, ao apreender o modo como as culturas e as histórias indígenas são

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

Breves Notas Introdutórias sobre a Psicologia Social no Brasil

Breves Notas Introdutórias sobre a Psicologia Social no Brasil Breves Notas Introdutórias sobre a Psicologia Social no Brasil Marcus Vinicius Câmara Psicoterapeuta Reichiano, Doutor em Psicologia Social e da Personalidade (UFRJ), Professor e Pesquisador do CEUCEL

Leia mais

COMITÊ BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES

COMITÊ BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES CARTA ABERTA AO PRESIDENTE DA ANPUH E AOS COLEGAS HISTORIADORES História Prezado Prof. Benito Bisso Schmidt Presidente da Associação Nacional dos Professores Universitários de Tendo tomado conhecimento

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

O Museu Dom Bosco como patrimônio cultural e atrativo turístico. The Dom Bosco Museum as cultural heritage and tourist attraction

O Museu Dom Bosco como patrimônio cultural e atrativo turístico. The Dom Bosco Museum as cultural heritage and tourist attraction O Museu Dom Bosco como patrimônio cultural e atrativo turístico The Dom Bosco Museum as cultural heritage and tourist attraction MILTON AUGUSTO PASQUOTTO MARIANI Doutor em Geografia pela USP. Coordenador

Leia mais

Gestão e preservação de documentos digitais

Gestão e preservação de documentos digitais Gestão e preservação de documentos digitais I Congresso Nacional de Arquivologia Brasília novembro 2004 Contexto Internacional Na década de 90, a comunidade arquivística internacional dá início aos primeiros

Leia mais

Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Professora Nair Fortes Abu-Merhy ALÉM PARAÍBA

Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras Professora Nair Fortes Abu-Merhy ALÉM PARAÍBA ALÉM PARAÍBA Regulamento de Atividades Acadêmicas-Científico-Culturais Art.1º - O presente regulamento visa normatizar as Atividades Complementares ou Atividades Acadêmico-Científico-Culturais (AACC) dos

Leia mais

Mais Cultura nas Escolas

Mais Cultura nas Escolas Mais Cultura nas Escolas O que é o Programa Mais Cultura nas Escolas? Projeto Andarilha das Letras, Circulação Literária/ FUNARTE É o encontro de projetos pedagógicos de escolas da rede pública com experiências

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 79 Memória Institucional - Documentação 17 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

MAIS HUMANAS! Quanto eu devo pagar - Para utilizar nossa estrutura, o instrutor além de não pagar, ainda recebe 60% pelos cursos vendidos

MAIS HUMANAS! Quanto eu devo pagar - Para utilizar nossa estrutura, o instrutor além de não pagar, ainda recebe 60% pelos cursos vendidos Cursos humanizados - A Educar e Transformar se dedica ao sonho de gerar cursos para lideranças profissionais de recursos humanos, com mentalidade de humanização na administração, cursos para líderes, motivação,

Leia mais

Gestão Pública. Ética e cidadania. Tema: Ética e Cidadania

Gestão Pública. Ética e cidadania. Tema: Ética e Cidadania Gestão Pública Profa. Márcia Velasques Ética e cidadania Seminário de políticas locais/regionais: as dimensões da ética, da cultura e dos serviços prestados ao público Tema: Ética e Cidadania Núcleo de

Leia mais

BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO

BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO Belo Horizonte 2009 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 Geral... 3 2.2 Específicos... 3 3 FORMAÇÃO DO ACERVO...

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS ACERVO - Documentos de uma entidade produtora ou de uma entidade que possui sua guarda. ACESSIBILIDADE - Condição ou possibilidade de acesso a serviços de referência,

Leia mais

DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 pontos NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 1ª TURMA:

DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 pontos NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 1ª TURMA: DISCIPLINA: SOCIOLOGIA PROFESSORA: Ana Carolina Maciel NOME COMPLETO: I N S T R U Ç Õ E S DATA: 17/12/2015 VALOR: 20,0 pontos NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 1ª TURMA: 1. Este trabalho

Leia mais

ACESSIBILIDADE EM BIBLIOTECAS

ACESSIBILIDADE EM BIBLIOTECAS ACESSIBILIDADE EM BIBLIOTECAS São Paulo, 13 de novembro de 2009 LEGISLAÇÃO E BIBLIOTECAS: DIREITOS DO USUÁRIO As bibliotecas têm a responsabilidade de garantir e de facilitar o acesso às manifestações

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

Repositórios Digitais Confiáveis

Repositórios Digitais Confiáveis Rápida introdução aos Repositórios Digitais Confiáveis Luis Fernando Sayão Comissão Nacional de Energia Nuclear Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos CTDE/CONARQ lsayao@cnen.gov.br REPOSITÓRIOS DIGITAIS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º MU096- CANTO 1A OBRIG 0 60 60 2.0 Fórmula: MU055 MU055- PERCEPCAO RITMICA MU271- CANTO CORAL 1 OBRIG 0 30 30 1.0 Fórmula: MU096 MU096- CANTO 1A PRÁTICA DA POLIFONIA VOCAL A DUAS E TRÊS VOZES.

Leia mais

COMO ENVIAR AS CONTRIBUIÇÕES?

COMO ENVIAR AS CONTRIBUIÇÕES? FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÃO AO APERFEIÇOAMENTO DO TEXTO DA PROPOSTA DE PROJETO DE LEI QUE ALTERA, REVOGA E ACRESCE DISPOSITIVOS DÀ LEI Nº 8.159, DE 1991, QUE DISPÕE SOBRE A POLÍTICA NACIONAL

Leia mais

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA

USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA USO DA INTERNET E PARTICIPAÇÃO CIDADÃ NA GESTÃO LOCAL: ORÇAMENTO PARTICIPATIVO INTERATIVO DE IPATINGA An Innovations in Technology and Governance Case Study Desde o final dos anos 1980, diversos governos

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

FUNDAÇÃO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA ENERGIA E SANEAMENTO MUSEU DA ENERGIA DE ITU EDITAL DE CAPTAÇÃO DE PROJETOS PARA VISITAÇÃO AO MUSEU DA ENERGIA DE ITU

FUNDAÇÃO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA ENERGIA E SANEAMENTO MUSEU DA ENERGIA DE ITU EDITAL DE CAPTAÇÃO DE PROJETOS PARA VISITAÇÃO AO MUSEU DA ENERGIA DE ITU FUNDAÇÃO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA ENERGIA E SANEAMENTO MUSEU DA ENERGIA DE ITU EDITAL DE CAPTAÇÃO DE PROJETOS PARA VISITAÇÃO AO MUSEU DA ENERGIA DE ITU Ano: 2015 Edital nº 01/2015 Temas: energia elétrica;

Leia mais

CRIDI / UFBa - Audiovisual Institucional - 2014

CRIDI / UFBa - Audiovisual Institucional - 2014 #2 COMPLETAS Coletor: Website Collector 1 (Questionário do site) Iniciado em: segunda-feira 30 de março de 2015 19:24:58 Última modificação: domingo 7 de junho de 2015 15:08:05 Tempo gasto: Mais de um

Leia mais

Mandato do Comité de Auditoria

Mandato do Comité de Auditoria BCE-PÚBLICO Mandato do Comité de Auditoria O Comité de Auditoria de alto nível, estabelecido pelo Conselho do Banco Central Europeu (BCE) nos termos do artigo 9.º-A do Regulamento Interno do BCE, reforça

Leia mais

O QUE É UMA EXPOSIÇÃO?

O QUE É UMA EXPOSIÇÃO? O QUE É UMA EXPOSIÇÃO? O que torna as exposições diferentes entre si? O que torna as exposições diferentes entre si? Local da exposição? Num parque Sob céu aberto... Num Museu... No corredor de um Shopping...

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE INDAIATUBA - IESI INDAIATUBA/SP 2 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES...

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS / COPYRIGHTS

DIREITOS AUTORAIS / COPYRIGHTS DIREITOS AUTORAIS / COPYRIGHTS PLÁGIO Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Política de Acesso Aberto e de Direitos Autorais do Repositório do Conhecimento do Ipea (RCIpea): Licença Padrão

Leia mais

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery

12 Razões Para Usar. Lightroom. André Nery 12 Razões Para Usar Lightroom André Nery André Nery é fotógrafo em Porto Alegre. Arquitetura e fotografia outdoor, como natureza, esportes e viagens, são sua área de atuação. Há dez anos começou a ministrar

Leia mais

a festa dos montes Julieta Silva atrasdosbarrocos.com

a festa dos montes Julieta Silva atrasdosbarrocos.com a festa dos montes Julieta Silva atrasdosbarrocos.com Prefácio A Festa dos Montes é uma singular etnografia de uma prática tradicional que anualmente se realiza no primeiro domingo do mês de Fevereiro

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Página 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes básicas pertinentes ao tratamento e manutenção de acervos arquivísticos ou bibliográficos, sejam administrativos, técnicos ou especializados nas instalações

Leia mais

O ciclo de premiação Jovem Empreendedor foi lançado em 2009 com o objetivo de incentivar os jovens líderes da próxima geração.

O ciclo de premiação Jovem Empreendedor foi lançado em 2009 com o objetivo de incentivar os jovens líderes da próxima geração. Prêmios Rolex de Empreendedorismo 2014 Apresentação do Programa Apresentação do Programa Os Prêmios Rolex de Empreendedorismo foram criados com o intuito de promover o espírito de empreendimento e ampliar

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Local PRODEL. Programa de Extensão Institucional

Programa de Desenvolvimento Local PRODEL. Programa de Extensão Institucional Programa de Desenvolvimento Local PRODEL Programa de Extensão Institucional Programa de Extensão Institucional Um programa de extensão universitária é o conjunto de projetos de extensão desenvolvido por

Leia mais

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS. Revista Interdisciplinaridade

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS. Revista Interdisciplinaridade NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS Revista Interdisciplinaridade INTERDISCIPLINARIDADE é uma revista de periodicidade anual, cujo volume de cada ano será publicado em outubro e poderão ser realizadas

Leia mais

EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA

EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA III CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA APRESENTAÇÃO DOS 04 (QUATRO) EIXOS A SEREM DISCUTIDOS NA CONFERÊNCIA EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Foco Nacional: Impactos da Emenda Constitucional

Leia mais

Área de Conhecimento. Laboratórios de informática Descrição e equipamentos. Informática, Pesquisas

Área de Conhecimento. Laboratórios de informática Descrição e equipamentos. Informática, Pesquisas Descrição da infraestrutura física destinada aos cursos, incluindo laboratórios, equipamentos instalados, infraestrutura de informática e redes de informação. Relação de laboratórios, oficinas e espaços

Leia mais

ARQUIVOLOGIA PADRÃO DE RESPOSTA. O candidato deverá apresentar os seguintes elementos na construção das idéias:

ARQUIVOLOGIA PADRÃO DE RESPOSTA. O candidato deverá apresentar os seguintes elementos na construção das idéias: QUESTÃO n o 1 O candidato deverá apresentar os seguintes elementos na construção das idéias: Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se a inviolabilidade

Leia mais

MEMÓRIA DO MUNDO UM PROGRAMA PELA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL

MEMÓRIA DO MUNDO UM PROGRAMA PELA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL MEMÓRIA DO MUNDO UM PROGRAMA PELA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL XI Encontro Nacional de Acervo Raro Fundação Biblioteca Nacional 30 out. 2014 Vitor Fonseca Presidente MOW Brasil Vice-presidente

Leia mais

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior.

Cotas Pra Quê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Documentário; Educação; Sistema de Cotas; Ensino Superior. Cotas Pra Quê? 1 Sarah Rocha MARTINS 2 Luan Barbosa OLIVEIRA 3 Camilla Alves Ribeiro PAES LEME 4 Instituto de Ensino Superior de Rio Verde, Rio Verde, Goiás RESUMO Este documentário foi planejado e desenvolvido

Leia mais

ELABORAÇÃO E CONTROLE DE DOCUMENTOS E REGISTROS

ELABORAÇÃO E CONTROLE DE DOCUMENTOS E REGISTROS SUMÁRIO 1. Objetivo... 2 2. Abrangência... 2 3. Documentos Complementares... 2 4. Definições/Siglas... 2 5. Descrição dos Procedimentos... 3 5.1 Identificação da Necessidade... 3 5.1.1 Estrutura da Documentação

Leia mais

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA

Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Experiência: MUDANÇA ORGANIZACIONAL EM BUSCA DA EXCELÊNCIA Comissão Nacional de Energia Nuclear Instituto de Engenharia Nuclear Ministério da Ciência e Tecnologia Responsável: Isaac José Obadia - Coordenador-Geral

Leia mais

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento.

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento. PROGRAMA DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS FUNDEP REGULAMENTO PARA CADASTRAMENTO DE PROJETOS UFMG A Fundep//Gerência de Articulação de Parcerias convida a comunidade acadêmica da UFMG a cadastrar propostas de acordo

Leia mais

Seminário Sobre Reunir Registros

Seminário Sobre Reunir Registros Seminário Sobre Reunir Registros Esta lição e seus recursos de aprendizado podem ser usados para preparar um seminário de três a quatro horas sobre preparar, reunir, processar e entregar os registros a

Leia mais

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1 POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1 25 de outubro de 2006. 1 Segundo Vergueiro (1989), a política de desenvolvimento de coleções é um instrumento

Leia mais

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Colégio Cenecista Dr. José Ferreira MATEMÁTICA E MÚSICA ESTRUTURA MUSICAL EM ESCALA MATEMÁTICA Área de Concentração: Matemática, Ciências Naturais e Teoria Musical Disciplina de Concentração: Matemática

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais