ACERVOS DE MÚSICA E COMUNIDADES URBANAS: NOVAS PERSPECTIVAS DE INTER-RELAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACERVOS DE MÚSICA E COMUNIDADES URBANAS: NOVAS PERSPECTIVAS DE INTER-RELAÇÃO"

Transcrição

1 NOVAS PERSPECTIVAS DE INTER-RELAÇÃO Pedro de Moura Aragão Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Escola de Música (mestrando) Resumo: Esta comunicação pretende discutir o papel de arquivos de música popular na cidade do Rio de Janeiro, através de uma pequena análise do modelos corrente, e da discussão de questões a respeito de identidade e novas formas de constituição de acervos em comunidades urbanas. São apontados alguns dos problemas das constituições de acervos tradicionais e outras questões relacionadas tais como acessibilidade, propriedade intelectual, patrimônio imaterial, relação com a comunidade acadêmica, entre outros. Palavras-Chave: Etnomusicologia; acervos; identidade Abstract: The aim of this article is to discuss the role of popular music sound archives in Rio de Janeiro, through the analyses of some current models and the discussion of identities and new forms of archives constitutions in urban communities. Questions related, as accessibility, intellectual properties, immaterial patrimony, interaction with academic institutions are also discussed. Key Words: Ethnomusicology, sound archives, identities

2 Existe ainda escassa literatura no Brasil a respeito do papel dos arquivos musicais (tanto de partituras quanto de gravações), principalmente no que concerne à música popular. Apesar disso, notam-se cada vez mais projetos de resgate e de restauração de acervos por parte de agências de fomento, órgãos governamentais, ONGs ligadas à comunidades específicas etc. Esta comunicação pretende discutir o papel de arquivos de música popular na cidade do Rio de Janeiro, através de uma pequena análise dos modelos correntes, e da discussão de questões a respeito de identidade e novas formas de constituição de acervos em comunidades urbanas. Para tanto, começo fazendo uma pequena revisão da literatura etnomusicológica a respeito do assunto; em seguida me proponho a discutir algumas premissas comumente adotadas na constituição e na finalidade de acervos públicos, apontando algumas questões pertinentes à esta discussão, tais como acessibilidade, recursos humanos adequados, questão dos direitos autorais, interação com o meio acadêmico, entre outros tópicos. Na parte final desta comunicação pretendo discutir a validade e a viabilidade destes modelos tradicionais na constituição de novos acervos dentro da perspectiva da pesquisa participativa. Pequena revisão de uma literatura etnomusicológica De um modo geral, a literatura etnomusicológica ainda é limitada no que diz respeito ao papel dos acervos na música popular urbana. Grande parte dos escritos (Nettl, 1983: ; Seeger, 1984: ) a respeito deste tema tem como foco os arquivos resultantes da pesquisa de campo, gravações de práticas musicais variadas feitas por acadêmicos. Neste sentido, Seeger aponta para uma mudança no papel dos arquivos sonoros através do tempo: a principal delas seria o contexto pós-colonial dos estudos etnomusicológicos a partir da segunda metade do século XX. Segundo o autor, prevaleceu na tradição etnomusicológica uma postura colonialista em que países da periferia forneciam a matéria prima (práticas musicais) para que estudiosos europeus e americanos formulassem teorias e idéias que eram devolvidas como forma de produtos acabados (através de revistas e periódicos) aos países de periferia. Seeger sugere uma reversão deste processo colonizador através do repatriamento de gravações e do treinamento em pesquisa das próprias comunidades musicais destes países, para que elas possam construir seus próprios meios de análise de suas práticas musicais (Seeger, 1986: ) Diretamente ligadas à reversão deste processo colonizador estão as questões relativas à propriedade intelectual e ao patrimônio imaterial. De um modo geral, as leis de direito autoral foram, no mundo inteiro, criadas dentro da perspectiva iluminista de um sujeito individual, em oposição a outros modos de criação coletiva. Desta forma, uma partitura musical escrita por um compositor pode recolher direitos autorais, mas uma canção oriunda de tradição oral de uma certa comunidade é imediatamente taxada de domínio público e não rende dividendos para esta comunidade. Freqüentemente, canções ditas folclóricas ou rituais são depositadas em arquivos públicos e utilizadas para determinados fins sem qualquer tipo de autorização ou de ressarcimento para a comunidade em que foram recolhidas (Seeger, 2004) 2

3 Existem ainda outras questões importantes citadas por Seeger a respeito de usos, propriedade intelectual e acessibilidade de arquivos sonoros, que poderiam ser aplicáveis ao domínio da música popular. Em primeiro lugar, este autor propõe uma divisão básica entre dois tipos de acervo: o primeiro seria representado por coleções de gravações comerciais ou qualquer tipo de material publicado; o segundo seria representado por gravações nãocomerciais, manuscritos, cadernos de campo etc. No primeiro caso estariam coleções formadas por depósito compulsório de material publicado (como é o caso da Biblioteca do Congresso americano), coleções decorrentes de finalidades comerciais (ex. coleções de rádios, gravadoras, editoras, etc) e por fim coleções particulares formadas por pesquisadores que se dedicam a um ou mais gêneros específicos (ex. coleções de 78 rpm, discos de jazz etc). De um modo geral, todas estas coleções tem um aspecto em comum: são governadas por leis específicas de copyright, e, portanto tem condições de reprodução e de audição pública restritas. Alguns problemas práticos surgem deste fato: 1) a dificuldade de identificação dos detentores de copyright de editoras e gravadoras que cessaram de existir com seu nome original; 2) a falta de compromisso dos detentores de copyrights, que faz com que estes na maioria das vezes não respondam a solicitações de utilização do material que eles detém, a não ser por uma grande soma de dinheiro.(seeger, 2004) No caso de material não comercial a questão da acessibilidade e da utilização tende a ficar ainda mais confusa, por dois motivos básicos: 1) por não estar sob domínio específico de uma lei de copyright e 2) por não haver, na maioria das vezes, instruções claras por parte do artista responsável pela gravação não comercial ou pelo manuscrito, para as condições de utilização do material em uma instituição pública ou privada (Seeger, 2004). Nestes casos as instituições detentoras de acervos tendem a criar suas próprias regras que por vezes não são formuladas de forma clara e, pior, são freqüentemente alteradas de acordo com o mandato de cada dirigente ou com a conjuntura política. Como se vê, são questões bastante comuns, perfeitamente aplicáveis à realidade brasileira, e de vivência comum tanto aos que tem necessidade de consulta a acervos musicais no seu dia-a-dia (aqui incluídos não apenas acadêmicos, mas instrumentistas, regentes, produtores, antropólogos, folcloristas, etc), como às comunidades que freqüentemente tem seu patrimônio imaterial lesado de alguma forma pela não inclusão em leis de direitos autorais. Discutirei no próximo item alguns modelos de constituição de acervos na cidade do Rio de Janeiro à luz das questões mencionadas anteriormente. Modelos de Acervo Pretendo abordar inicialmente a questão da constituição de arquivos musicais. De um modo geral os modelos de constituição de acervos, tanto públicos como privados seguem algumas premissas básicas em sua conformação, que passo a enumerar a seguir: 1) há sempre implícita a idéia de preservação e resgate de determinadas práticas musicais, partindo-se de um pressuposto de música como algo estático; 2) há uma clara segmentação das práticas musicais em rótulos bem definidos, tais como música folclórica, música erudita, 3 Anais do V Congresso Latinoamericano da Associação Internacional para o Estudo da Música Popular

4 música popular etc, onde cada uma destas subdivisões recebe um tratamento arquivístico e tem condições de acesso diferenciadas; 3) a decisão do que constituirá o material a ser arquivado é fortemente ideológica, cabendo geralmente ao público e às comunidades a quem os acervos se destinam um papel meramente passivo; 4) em geral, há pouca interação entre os acervos musicais públicos e privados e a comunidade acadêmica: na maioria dos casos, os acervos musicais brasileiros empregam pessoas com formação em museologia ou em biblioteconomia, sendo ainda rara a admissão de musicólogos ou etnomusicólogos; 5) como conseqüência do item anterior, há freqüentemente uma sobrevalorização do suporte de determinado material em detrimento da análise do conteúdo do mesmo; 6) conforme já assinalado na primeira parte deste trabalho, há uma enorme indefinição a respeito das condições de acesso e reprodução de material não-comercial (p. Ex. manuscritos, gravações caseiras, etc), que em geral prejudicam o usuário e o pesquisador, fazendo com que a questão muitas vezes caia no âmbito puramente burocrático das assessorias jurídicas destas instituições, que na maioria das vezes não tem qualquer consultor musical que possa abalizar pendências específicas. Para citar apenas um exemplo significativo deste modelo de constituição de acervos na cidade do Rio de Janeiro, citarei o Museu da Imagem e do Som criado em 1965 pelo então governador Carlos Lacerda. Segundo informa o sítio virtual da instituição: O MIS lançou um gênero pioneiro de museu audiovisual que seria seguido por outras capitais e cidades brasileiras, além de ter se constituído num centro cultural de vanguarda nas décadas de 60 e 70 do século XX, lugar de encontros e lançamentos de idéias e novos comportamentos (MIS- RJ, sítio virtual) Este modelo de constituição de acervo foi realmente copiado em todo o país, e, embora seja salientado o caráter inovador da questão audiovisual, bem como a identificação com uma estética de vanguarda, questões tradicionais como preservação e coleta são freqüentemente mencionadas. O Museu da Imagem e do Som de São Paulo, por exemplo, salienta a preocupação com o desaparecimento de experiências culturais e artísticas significativas da vida rural e urbana e por isso embrenhou-se de forma sistemática na edificação de um acervo de imagens e sons que contemplasse estes conhecimentos diversos. (MIS-SP, sítio virtual). Pelos mesmos motivos, o MIS- RJ inaugurou na década de 90 o seu Núcleo de História Oral onde, segundo informa de modo não muito claro o sítio virtual da instituição: a história oral é utilizada para fins arquivísticos, como um método preocupado com a qualidade da produção de acervo de depoimentos orais, coletados a partir de uma técnica própria de trabalho, visando preservar para o futuro as informações obtidas no presente. (MIS- Rio de Janeiro, sítio virtual). As ilustrações que acompanham este texto no sítio virtual da instituição remetem ao universo do folclore, com conjuntos e instrumentos típicos, o que 4

5 salienta de alguma forma a idéia de pureza e de anonimato comuns ao termo. A segmentação das práticas musicais em rótulos definidos a priori também pode ser verificada no sítio virtual da instituição. Há uma fronteira bem definida entre a seção dedicada à História Oral e a seção dedicada aos acervos de música popular, embora na prática estas fronteiras sejam bastante tênues. O arquivo do radialista Henrique Foréis Domingues, (por alcunha o Almirante ), por exemplo, é um exemplo claro de acervo que contém elementos que poderiam ser classificados tanto na categoria música popular quanto na categoria música folclórica, o que comprova a relatividade destas definições. As condições de acesso a este material variaram muito ao longo da história do Museu, por vários motivos, como por exemplo o já citado fato de persistem dúvidas sobre qual o grau de acesso deve ser dado ao material manuscrito ou a gravações não comerciais. Estas incertezas são maiores quando o artista ou colecionador não deixa instruções precisas a respeito do destino que quer dar a este material. É o caso do acervo Jacob do Bandolim (do bandolinista Jacob Pick Bittencourt), que foi vendido ao Museu após a morte desta artista. Diversos itens do acervo, como a coleção de fitas de rolo contendo gravações não comerciais, já foram disponibilizados para a cópia em sucessivas gestões das diferentes diretorias do Museu, para depois serem interditadas em outros períodos, de acordo com a interpretação pessoal de cada diretor. Por outro lado, a falta de pessoal especializado na área musical impedia que se fizesse um catálogo preciso do conteúdo das fitas, o que dificultava ainda mais o acesso do usuário comum 1. Constata-se desta forma uma grande falta de articulação entre os acervos públicos e o meio acadêmico, que sem dúvida poderia render frutos para ambas as partes. De uma maneira geral, percebe-se uma grande carência de apoio musicológico e etnomusicológico tanto ao que se refere à catalogação e organização de acervos musicais quanto ao que se refere às novas demandas éticas e morais de utilização de patrimônio imaterial e de repatriamento de documentos musicais às suas comunidades de origem. Conclusões Procurei apontar superficialmente neste artigo algumas premissas e alguns dos problemas por que passam os acervos públicos tradicionalmente constituídos no Rio de Janeiro. A questão que finalmente se impõe é em que medida estas concepções de acervos tradicionais, vistos como lugares meramente voltados para consulta e pesquisa podem se constituir em modelo fixo para diferentes comunidades urbanas portadoras de múltiplas identidades culturais e que lições a etnomusicologia participativa pode tirar destes modelos para a constituição de acervos comprometidos com formação destas novas identidades culturais e sociais. 1 Todas estas informações são resultado da observação direta do autor deste artigo como usuário do Museu da Imagem e do Som. Foi somente no ano de 2003, segundo informação da diretoria do MIS- RJ a este autor, que foi contratado o primeiro musicólogo para compor o quadro de funcionários da instituição. 5 Anais do V Congresso Latinoamericano da Associação Internacional para o Estudo da Música Popular

6 REFERÊNCIAS CITADAS ACERVOS DE MÚSICA E COMUNIDADES URBANAS: NETTL, Bruno, The Study of Ethnomusicology; Twenty-nine Issues and Concepts. Urbana: University of Illinois Press SEEGER, Anthony (2004). Intelectual Property and Audiovisual Archives and Collections. American Folklife Center /Library of Congress. www. loc.gov/foklife/fhcc/propertykey.html (consulta em 15/5/2004) SEEGER, Anthony. The Role of Sound Archives in Ethnomusicology Today EN Journal of the society for ethnomusicology, Volume 30, número 2, 1986 MUSEU DA IMAGEM E DO SOM DO RIO DE JANEIRO. Sítio Virtual: (consulta em 15/5/2004) MUSEU DA IMAGEM E DO SOM DE SÃO PAULO; Sítio Virtual: (consulta em 15/5/2004) 6

BRASILIANA - CATÁLOGO DIGITAL RADAMÉS GNATTALI: A EXPERIÊNCIA DE CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL

BRASILIANA - CATÁLOGO DIGITAL RADAMÉS GNATTALI: A EXPERIÊNCIA DE CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL 1 BRASILIANA - CATÁLOGO DIGITAL RADAMÉS GNATTALI: A EXPERIÊNCIA DE CONSTRUÇÃO DE UMA BIBLIOTECA DIGITAL BALLESTÉ, Adriana Olinto * GNATTALI, Roberto ** RESUMO Radamés Gnattali é um dos mais importantes

Leia mais

CULTURA. Museu da Imagem e do Som, uma bela viagem pela história de Goiás MEMÓRIA PRESERVADA

CULTURA. Museu da Imagem e do Som, uma bela viagem pela história de Goiás MEMÓRIA PRESERVADA CULTURA MEMÓRIA PRESERVADA Museu da Imagem e do Som, uma bela viagem pela história de Goiás Uma viagem rumo ao passado de Goiás. Assim pode ser definido o acervo do Museu da Imagem e do Som (MIS) da Agência

Leia mais

POLÍTICA DE DADOS DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS BIOLÓGICOS DO MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG

POLÍTICA DE DADOS DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS BIOLÓGICOS DO MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG POLÍTICA DE DADOS DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS BIOLÓGICOS DO MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG Esta política diz respeito aos dados e metadados das coleções biológicas do Museu Paraense Emílio Goeldi,

Leia mais

OS ARQUIVOS AUDIOVISUAIS EM PORTUGAL: UM DIAGNÓSTICO

OS ARQUIVOS AUDIOVISUAIS EM PORTUGAL: UM DIAGNÓSTICO OS ARQUIVOS AUDIOVISUAIS EM PORTUGAL: UM DIAGNÓSTICO Faro, 4 de Outubro 2013 OBJECTIVO Conhecer a situação real do património audiovisual nacional, nas suas mais variadas vertentes, desde o seu estado

Leia mais

Biblioteca digital: novo paradigma da informação

Biblioteca digital: novo paradigma da informação Biblioteca digital: novo paradigma da informação Murilo Bastos da Cunha Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Brasília, DF E-mail: murilobc@unb.br Introdução A Internet está revolucionando

Leia mais

Etnomusicologia participativa: alguns pontos sobre conceitos e possibilidades

Etnomusicologia participativa: alguns pontos sobre conceitos e possibilidades Etnomusicologia participativa: alguns pontos sobre conceitos e possibilidades Júlia Zanlorenzi Tygel & Lenita W. M. Nogueira UNICAMP jutygel@yahoo.com Sumário: A etnomusicologia participativa pressupõe

Leia mais

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES Esta política trata do acesso aos dados, metadados e informações das coleções

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador MOZARILDO CAVALCANTI I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2012. RELATOR: Senador MOZARILDO CAVALCANTI I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTES, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 65, de 2012 (Projeto de Lei nº 1.263, de 2003, na origem), de autoria do Deputado Leonardo Monteiro,

Leia mais

MEMÓRIA DO MUNDO UM PROGRAMA PELA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL

MEMÓRIA DO MUNDO UM PROGRAMA PELA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL MEMÓRIA DO MUNDO UM PROGRAMA PELA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO DOCUMENTAL XI Encontro Nacional de Acervo Raro Fundação Biblioteca Nacional 30 out. 2014 Vitor Fonseca Presidente MOW Brasil Vice-presidente

Leia mais

Estruturas institucionais esfera federal

Estruturas institucionais esfera federal Estruturas institucionais esfera federal Departamento do Patrimônio Imaterial Princípio de atuação: respeito à diversidade cultural e valorização da diferença são os princípios organizadores da atuação

Leia mais

MÚSICA INDEPENDENTE: ORGANIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO DE ENTIDADES MUSICAIS NO CENÁRIO CULTURAL DA CIDADE DE BELO HORIZONTE

MÚSICA INDEPENDENTE: ORGANIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO DE ENTIDADES MUSICAIS NO CENÁRIO CULTURAL DA CIDADE DE BELO HORIZONTE MÚSICA INDEPENDENTE: ORGANIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO DE ENTIDADES MUSICAIS NO CENÁRIO CULTURAL DA CIDADE DE BELO HORIZONTE Débora Gonçalves Borburema RESUMO: No Brasil, o setor musical que se encontra fora do

Leia mais

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas

PENSAR O LIVRO 6. Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo e acesso a material digital em bibliotecas PENSAR O LIVRO 6 Fórum Ibero-americano sobre o livro, a leitura e as bibliotecas na sociedade do conhecimento Junho 2009 Legal modelos desenvolvidos na Europa para a digitalização, armazenamento, o registo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º MU096- CANTO 1A OBRIG 0 60 60 2.0 Fórmula: MU055 MU055- PERCEPCAO RITMICA MU271- CANTO CORAL 1 OBRIG 0 30 30 1.0 Fórmula: MU096 MU096- CANTO 1A PRÁTICA DA POLIFONIA VOCAL A DUAS E TRÊS VOZES.

Leia mais

COMENTÁRIOS ANATEL 2014 COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO. www.grancursos.com.br

COMENTÁRIOS ANATEL 2014 COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO. www.grancursos.com.br COMENTÁTIRIOS DA PROVA DE ARQUIVOLOGIA DA ANATEL CARGO: TÉCNICO ADMINISTRATIVO 91. Os mapas e as plantas encontrados nos arquivos da ANATEL pertencem ao gênero documental iconográfico, sendo classificado

Leia mais

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail. ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.com Parte I - Fotografia e valor documentário Parte II - A fotografia nos arquivos:

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO INCENTIVO: P.A.I ( Lei Rouanet) Informações Importantes para o Empresário Patrocinador

PROGRAMA DE APOIO AO INCENTIVO: P.A.I ( Lei Rouanet) Informações Importantes para o Empresário Patrocinador Informações Importantes para o Empresário Patrocinador Se sua empresa deseja Patrocinar um dos projeto culturais, aprovados pelo Ministério da Cultura por meio por da Lei Rouanet. Isso significa que como

Leia mais

Definições. Órgãos de Documentação. Classificação dos Arquivos. Quanto à Abrangência

Definições. Órgãos de Documentação. Classificação dos Arquivos. Quanto à Abrangência Definições Informação: Produto de um documento. Documento: Tudo aquilo que pode transmitir uma idéia, pensamento ou acontecimento, ou seja, uma informação. Arquivo: Lugar onde se guardam os documentos

Leia mais

Noções de Arquivologia. www.concurseiro24horas.com.br. Aula Inaugural. Prof. Kátia Quadros. Prof. Kátia Quadros 1 14

Noções de Arquivologia. www.concurseiro24horas.com.br. Aula Inaugural. Prof. Kátia Quadros. Prof. Kátia Quadros 1 14 Aula Inaugural 01 Noções de Arquivologia Prof. Kátia Quadros www.concurseiro24horas.com.br Prof. Kátia Quadros 1 14 AULA INAUGURAL DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO PÓS EDITAL 1. OBSERVAÇÕES INICIAIS... 3 2.

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 520/CDOC.SEJUD.GP, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2010.

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 520/CDOC.SEJUD.GP, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2010. TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 520/CDOC.SEJUD.GP, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2010. Dispõe sobre os procedimentos para publicação de documentos na Biblioteca Digital do Tribunal Superior do Trabalho

Leia mais

EBSCO Discovery Service (EDS) Guia de Referência

EBSCO Discovery Service (EDS) Guia de Referência EBSCO Discovery Service (EDS) Guia de Referência Tipos de Publicações, Tipos de Documentos, e Tipos de Fontes em EDS EBSCO Discovery Service (EDS) identifica registros por, Tipo de Documento, e Tipo de

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO PROGRAMA/PROJETO DE EXTENSÃO

1. IDENTIFICAÇÃO DO PROGRAMA/PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO - UFMA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO - PROEX DEPARTAMENTO DE EXTENSÃO - DE Programa / Projeto de Extensão - Roteiro de proposta 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROGRAMA/PROJETO DE EXTENSÃO

Leia mais

NOVOS ASSOCIADOS DO MÊS DE AGOSTO

NOVOS ASSOCIADOS DO MÊS DE AGOSTO Setembro de 2008 NOVOS ASSOCIADOS DO MÊS DE AGOSTO GREENSOUND PRODUÇÕES A Green Sound atua nas áreas de eventos corporativos, congressos, convenções, seminários, treinamentos, inaugurações, lançamentos

Leia mais

Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ

Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ Mapa Musical da Bahia 2014 FAQ 1. O que é o Mapa Musical da Bahia? O Mapa Musical da Bahia é uma ação da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB) para mapear, reconhecer e promover a difusão da música

Leia mais

Soluções Culturais INCENTIVO FISCAL POR DENTRO DAS LEIS

Soluções Culturais INCENTIVO FISCAL POR DENTRO DAS LEIS Soluções Culturais INCENTIVO FISCAL POR DENTRO DAS LEIS LEI ROUANET LEI FEDERAL DE INCENTIVO À CULTURA LEI Nº 8131/91; LEI 9.874/99 E A MEDIDA PROVISÓRIA Nº 2228-1/2001 Soluções Culturais O que é? Neste

Leia mais

Proteção do Conhecimento da Embrapa Milho e Sorgo por meio da Propriedade Intelectual

Proteção do Conhecimento da Embrapa Milho e Sorgo por meio da Propriedade Intelectual O que é a Propriedade Intelectual A Propriedade Intelectual é o mecanismo que visa proteger a propriedade sobre o conhecimento, fruto da inteligência e do talento humano. Divide-se tradicionalmente em

Leia mais

A Apreensão do Conhecimento

A Apreensão do Conhecimento A Apreensão do Conhecimento Introdução Leitura inteligente em forma de mapa Verifique superficialmente primeiro os pontos principais; Prepare o esqueleto do grande mapa; Não leia meramente mais depressa,

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES A Biblioteca da Faculdade do Guarujá tem por objetivos: - Colaborar em pesquisas e projetos desenvolvidos pelo corpo docente e discente da Faculdade do Guarujá;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) CENTRO DE LETRAS E ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÚSICA www.unirio.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) CENTRO DE LETRAS E ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÚSICA www.unirio. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) CENTRO DE LETRAS E ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MÚSICA www.unirio.br/ppgm PPGM EXAME DE SELEÇÃO 2010 MESTRADO EM MÚSICA - EDITAL - A Coordenação

Leia mais

Apresentação do Projeto RaizMúsica

Apresentação do Projeto RaizMúsica Apresentação do Projeto RaizMúsica www.raizmusica.com.br Fevereiro 2013 Confidencial Todos direitos reservados 2012 Amigos músicos e amantes da música A Internet ganha um lugar dedicado exclusivamente

Leia mais

Projeto BVS-SP-1.9 Publicação eletrônica de textos completos em Saúde Pública (15 de outubro de 1999)

Projeto BVS-SP-1.9 Publicação eletrônica de textos completos em Saúde Pública (15 de outubro de 1999) BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública Projeto BVS-SP-1.9 Publicação eletrônica de textos completos em Saúde Pública (15 de outubro de 1999) 1. Introdução Este documento descreve o projeto para o desenvolvimento

Leia mais

RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL

RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL RESOLUÇÃO 01/2015 - CONSELHO DEPARTAMENTAL Regulamenta a digitalização do Acervo Documental da Faculdade de Direito do Recife. O Conselho Departamental do Centro de Ciências Jurídicas da Universidade Federal

Leia mais

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre

Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Música e internet: uma expressão da Cultura Livre Auta Rodrigues Moreira Irene Guerra Salles Lilian Braga Carmo Luana Roberta Salazar Resumo: Atualmente, com a presença marcante das tecnologias, torna-se

Leia mais

PROCESSOS DE TRABALHO DO MÚSICO & FORMAÇÃO PROFISSIONAL: FUNDAMENTOS METODOLÓGICOS

PROCESSOS DE TRABALHO DO MÚSICO & FORMAÇÃO PROFISSIONAL: FUNDAMENTOS METODOLÓGICOS PROCESSOS DE TRABALHO DO MÚSICO & FORMAÇÃO PROFISSIONAL: FUNDAMENTOS METODOLÓGICOS Luciana Requião lucianarequiao@inpauta.com.br Universidade Federal Fluminense UFF/PPG em Educação Resumo A tese que venho

Leia mais

Projeto de Digitalização de Discos do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102599

Projeto de Digitalização de Discos do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102599 Projeto de Digitalização de Discos do Acervo da Fundação Cásper Líbero PRONAC: 102599 Valor total do Projeto: R$ 981.420,00 Apresentação: A Rádio Gazeta, fundada em 1943, com sua programação voltada exclusivamente

Leia mais

Programa ADAI Projetos Brasileiros

Programa ADAI Projetos Brasileiros Programa ADAI Projetos Brasileiros Brasil 1999 1ª Convocatória Arquivo Público da Cidade de Belo Horizonte: Conservação preventiva de acervo audiovisual. Arquivo Histórico Municipal João Spadari Adami:

Leia mais

www.portaledumusicalcp2.mus.br

www.portaledumusicalcp2.mus.br Apostila de Educação Musical 1ª Série Ensino Médio www.portaledumusicalcp2.mus.br O QUE É MÚSICA? A música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) constituise basicamente de uma sucessão

Leia mais

Internet Ampliando o contato com a comunidade escolar

Internet Ampliando o contato com a comunidade escolar Internet Ampliando o contato com a comunidade escolar Introdução Silvio Henrique FISCARELLI 1 I Adriana da Silva TURQUETTI 2 Saur (1995), no Primeiro Congresso Nacional de Informática Pública realizado

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

A educação musical e a música da cultura popular

A educação musical e a música da cultura popular A educação musical e a música da cultura popular Angela Elizabeth Lühning Este pequeno texto é a versão escrita e aumentada da minha participação na XI Semana de Educação Musical realizada durante os XIV

Leia mais

MAIS HUMANAS! Quanto eu devo pagar - Para utilizar nossa estrutura, o instrutor além de não pagar, ainda recebe 60% pelos cursos vendidos

MAIS HUMANAS! Quanto eu devo pagar - Para utilizar nossa estrutura, o instrutor além de não pagar, ainda recebe 60% pelos cursos vendidos Cursos humanizados - A Educar e Transformar se dedica ao sonho de gerar cursos para lideranças profissionais de recursos humanos, com mentalidade de humanização na administração, cursos para líderes, motivação,

Leia mais

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS

BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS BIBLIOTECA 1.1 INFORMAÇÕES GERAIS A Biblioteca possui atenção especial dos dirigentes da UCSal, por constituirse em um instrumento de apoio valioso aos programas de ensino, pesquisa e extensão. O foco

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU - UNIGUAÇU POLÍTICA DE DESENVILVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH A implantação

Leia mais

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (Publicidade e Propaganda)

CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (Publicidade e Propaganda) CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (Publicidade e Propaganda) NÚCLEO DE TECNOLOGIA E COMUNICAÇÃO FACULDADE DA CIDADE DE MACEIÓ Regulamento de Funcionamento do Laboratório de Comunicação I INTRODUÇÃO: O Núcleo

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais

FUNDAÇÃO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA ENERGIA E SANEAMENTO MUSEU DA ENERGIA DE ITU EDITAL DE CAPTAÇÃO DE PROJETOS PARA VISITAÇÃO AO MUSEU DA ENERGIA DE ITU

FUNDAÇÃO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA ENERGIA E SANEAMENTO MUSEU DA ENERGIA DE ITU EDITAL DE CAPTAÇÃO DE PROJETOS PARA VISITAÇÃO AO MUSEU DA ENERGIA DE ITU FUNDAÇÃO PATRIMÔNIO HISTÓRICO DA ENERGIA E SANEAMENTO MUSEU DA ENERGIA DE ITU EDITAL DE CAPTAÇÃO DE PROJETOS PARA VISITAÇÃO AO MUSEU DA ENERGIA DE ITU Ano: 2015 Edital nº 01/2015 Temas: energia elétrica;

Leia mais

2.2 O proponente deverá ter naturalidade baiana ou domicílio fixo no estado há mais de 1 ano completo até a data da inscrição.

2.2 O proponente deverá ter naturalidade baiana ou domicílio fixo no estado há mais de 1 ano completo até a data da inscrição. 1 I PRÊMIO DE MÚSICA CONTEMPORÂNEA DA BAHIA 1. Objetivo Através de um concurso de composição musical no qual um total de 9 compositores serão contemplados, segundo ordem de classificação atribuída por

Leia mais

Elaboração do Projeto de Pesquisa

Elaboração do Projeto de Pesquisa Elaboração do Projeto de Pesquisa Pesquisa Pesquisa é um conjunto de atividades, que tem como finalidade solucionar e esclarecer dúvidas e problemas; comprovar hipóteses; Utiliza procedimentos próprios,

Leia mais

Práticas musicais no contexto urbano de João Pessoa

Práticas musicais no contexto urbano de João Pessoa Práticas musicais no contexto urbano de João Pessoa Luis Ricardo Silva Queiroz Universidade Federal da Paraíba e-mail: luisrsq@uol.com.br Anne Raelly Pereira de Figueirêdo Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

A VIDA ACADÊMICA DO SOCIOLÓGO BRASILEIRO FLORESTAN FERNANDES FLAGRADA PELAS LENTES FOTOGRÁFICAS

A VIDA ACADÊMICA DO SOCIOLÓGO BRASILEIRO FLORESTAN FERNANDES FLAGRADA PELAS LENTES FOTOGRÁFICAS III SBA Simpósio Baiano de Arquivologia 26 a 28 de outubro de 2011 Salvador Bahia Políticas arquivísticas na Bahia e no Brasil A VIDA ACADÊMICA DO SOCIOLÓGO BRASILEIRO FLORESTAN FERNANDES FLAGRADA PELAS

Leia mais

Repositórios Digitais Confiáveis

Repositórios Digitais Confiáveis Rápida introdução aos Repositórios Digitais Confiáveis Luis Fernando Sayão Comissão Nacional de Energia Nuclear Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos CTDE/CONARQ lsayao@cnen.gov.br REPOSITÓRIOS DIGITAIS

Leia mais

Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral

Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral Cultura Livre, Uso Justo e o Direito Autoral RESUMO A cultura livre é um movimento que propõe o livre acesso e uso de obras intelectuais e culturais. É um conceito mais genérico que o software livre, pois

Leia mais

FÓRUM DO AUDIOVISUAL PARANAENSE Curitiba/PR 13 e 14 de junho de 2015

FÓRUM DO AUDIOVISUAL PARANAENSE Curitiba/PR 13 e 14 de junho de 2015 FÓRUM DO AUDIOVISUAL PARANAENSE Curitiba/PR 13 e 14 de junho de 2015 ÁREA: PRESERVAÇÃO AUDIOVISUAL Os representantes de preservação audiovisual, presentes ao Fórum do Audiovisual Paranaense, reconhecendo

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul Título: CONHECENDO O PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE PARANAGUÁ

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul Título: CONHECENDO O PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE PARANAGUÁ 29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul Título: CONHECENDO O PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE PARANAGUÁ Área Temática: Cultura Coordenadora da Ação de Extensão: Yara Aparecida Garcia Tavares Autores:

Leia mais

DE OSWALD A ALMEIDA PRADO: PARÂMETROS INTEPRETATIVOS EM PEÇAS CONTRASTANTES PARA VIOLINO E PIANO DO SÉCULO XX

DE OSWALD A ALMEIDA PRADO: PARÂMETROS INTEPRETATIVOS EM PEÇAS CONTRASTANTES PARA VIOLINO E PIANO DO SÉCULO XX DE OSWALD A ALMEIDA PRADO: PARÂMETROS INTEPRETATIVOS EM PEÇAS CONTRASTANTES PARA VIOLINO E PIANO DO SÉCULO XX Resumo expandido - Conpeex 2011 1. NOME DOS AUTORES Luciano Ferreira PONTES¹; Glacy Antunes

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL 552 A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL José Carlos Abbud Grácio (UNESP Marília) Bárbara Fadel (UNESP Marília / Uni-FACEF Franca) 1. Introdução O papel surgiu como um dos principais suportes

Leia mais

Guia de Produção da Música Independente Bahia

Guia de Produção da Música Independente Bahia Guia de Produção da Música Independente Bahia Memória do trabalho de conclusão do curso de Comunicação Social, com Habilitação em Produção em Comunicação e Cultura. Faculdade de Comunicação da Universidade

Leia mais

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 5

CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 5 CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 5 APRESENTAÇÃO. O presente número dos Cadernos de Sociomuseologia, reúne um conjunto de documentos sobre museologia e património que se encontram dispersos e muitas

Leia mais

PROPLAN Diretoria de Informações. Tutorial SisRAA Biblioteca

PROPLAN Diretoria de Informações. Tutorial SisRAA Biblioteca PROPLAN Tutorial SisRAA Biblioteca Ana Carla Macedo da Silva Jaciane do Carmo Ribeiro Diego da Costa Couto Mauro Costa da Silva Filho Dezembro 2014 SUMÁRIO 1. Menu: Acessibilidade... 3 1.1 Opção de menu:

Leia mais

DIREITOS AUTORAIS / COPYRIGHTS

DIREITOS AUTORAIS / COPYRIGHTS DIREITOS AUTORAIS / COPYRIGHTS PLÁGIO Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Política de Acesso Aberto e de Direitos Autorais do Repositório do Conhecimento do Ipea (RCIpea): Licença Padrão

Leia mais

Obra civil de recuperação/restauração de patrimônio edificado, com tombamento federal ou estadual.

Obra civil de recuperação/restauração de patrimônio edificado, com tombamento federal ou estadual. Artistas, historiadores, arquitetos, designers, arqueólogos, paleontólogos, produtores culturais, educadores, pesquisadores e demais interessados podem apresentar propostas de projetos de patrimônio dentro

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTÁRIA DE IMAGENS THE DOCUMENTARY ANALYSIS OF IMAGES

ANÁLISE DOCUMENTÁRIA DE IMAGENS THE DOCUMENTARY ANALYSIS OF IMAGES 1 ANÁLISE DOCUMENTÁRIA DE IMAGENS THE DOCUMENTARY ANALYSIS OF IMAGES Miriam Paula Manini 1 Introdução Pretendemos desenvolver, nesta comunicação, questões atinentes à transposição de métodos e técnicas

Leia mais

NORMA Nº 01, de 02 de maio de 2006, para REPRODUÇÃO DE ACERVO NA BIBLIOTECA NACIONAL

NORMA Nº 01, de 02 de maio de 2006, para REPRODUÇÃO DE ACERVO NA BIBLIOTECA NACIONAL I- FINALIDADE NORMA Nº 01, de 02 de maio de 2006, para REPRODUÇÃO DE ACERVO NA BIBLIOTECA NACIONAL O presente Ato Normativo define e estabelece as normas e procedimentos para reprodução de acervo, no âmbito

Leia mais

ODepartamento de Antropologia da Faculdade de Filosofia,

ODepartamento de Antropologia da Faculdade de Filosofia, O que é ser antropólogo hoje PAULA MONTERO ODepartamento de Antropologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, surgiu de um desmembramento do antigo Departamento de Ciências Sociais. Essa

Leia mais

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta

de 20, à criação do samba no Rio de Janeiro ou ao cinema novo. Ao mesmo tempo procurei levar em conta as aceleradas transformações que ocorriam nesta 5 Conclusão A década de 70 foi com certeza um período de grande efervescência para a cultura brasileira e em especial para a música popular. Apesar de ser muito difícil mensurar a constituição de um termo

Leia mais

Capítulo I. Da Finalidade

Capítulo I. Da Finalidade Dispõe sobre o Regulamento do Serviço de Circulação do Sistema de Bibliotecas (SiBi), da Universidade Federal do Paraná (UFPR) aprovado em Reunião de Chefias em 26 de fevereiro de 2015. Capítulo I Da Finalidade

Leia mais

GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura Plano Estadual de Cultura

GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura Plano Estadual de Cultura GOVERNO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado de Cultura INTRODUÇÃO A Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro (SEC) está coordenando a elaboração do Plano Estadual de Cultura, a partir do diálogo

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA CASA DE OSWALDO CRUZ

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA CASA DE OSWALDO CRUZ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA CASA DE OSWALDO CRUZ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PRESERVAÇÃO E GESTÃO DO PATRIMÔNIO CULTURAL DAS CIÊNCIAS E DA SAÚDE CHAMADA PÙBLICA ÁREAS: PATRIMÔNIO ARQUITETÔNICO

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS MÚSICA - 2002 PROJETOS CONTEMPLADOS

PROGRAMA PETROBRAS MÚSICA - 2002 PROJETOS CONTEMPLADOS PROGRAMA PETROBRAS MÚSICA - 2002 PROJETOS CONTEMPLADOS PROJETO EDIÇÃO DE CDS DE MÚSICA BRASILEIRA Proponente: Marcos Branda Lacerda Coordenador: Marcos Branda Lacerda O objetivo deste projeto é editar

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA ARQUIVOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA ARQUIVOS 1/5 PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERLÂNDIA IPAC N º 011/2011 ARQUIVOS MUNICÍPIO: Uberlândia DISTRITO : Sede DESIGNAÇÃO: Coleção Rádio Educadora ENDEREÇO : Av. João Naves de Ávila, n. 2121. Bairro Santa Mônica,

Leia mais

II. Atividades de Extensão

II. Atividades de Extensão REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO I. Objetivos A extensão tem por objetivo geral tornar acessível, à sociedade, o conhecimento de domínio da Faculdade Gama e Souza, seja por sua própria produção, seja

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: UMA EXPERIÊNCIA NO MUSEU DA IMAGEM E DO SOM DE SANTA CATARINA

ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: UMA EXPERIÊNCIA NO MUSEU DA IMAGEM E DO SOM DE SANTA CATARINA ORGANIZAÇÃO DE ACERVO MUSEOLÓGICO: UMA EXPERIÊNCIA NO MUSEU DA IMAGEM E DO SOM DE SANTA CATARINA Juliana Aparecida Gulka 1 RESUMO Este relato de experiência busca apresentar as atividades desenvolvidas

Leia mais

ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE

ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE ESCOLA PIRLILIM / ANO 2015 PLANO DE UNIDADE GRUPO: 7 PERÍODO: / à / ÁREA DO CONHECIMENTO: Música CARGA HORÁRIA: COMPETÊNCIAS E HABILIDADES PLANO DA I UNIDADE - Conhecer e criar novas melodias. - Desenvolver

Leia mais

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II Músicas infantis. Danças, músicas e personagens folclóricos. Conhecer textos e melodias folclóricos; Entoar músicas do folclore brasileiro; Dançar músicas folclóricas; Imitar

Leia mais

Lei do ICMS São Paulo Lei 12.268 de 2006

Lei do ICMS São Paulo Lei 12.268 de 2006 Governo do Estado Institui o Programa de Ação Cultural - PAC, e dá providências correlatas. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte

Leia mais

APRESENTAÇÃO 1. ARQUIVOLOGIA

APRESENTAÇÃO 1. ARQUIVOLOGIA APRESENTAÇÃO 1 Essa é a primeira de uma série de aulas de Arquivologia voltadas para o concurso do TSE/TRE s, mas que certamente serão aproveitadas em diversos concursos de nível médio que cobrem Arquivologia,

Leia mais

Capacitações em Gestão Documental

Capacitações em Gestão Documental Capacitações em Gestão Documental Responde por este documento: Blenda de Campos Rodrigues, Dra. Sócia diretora da Anima Ensino Mídia e Conhecimento blenda.campos@animaensino.com.br 48.2107.2722 Conteúdo

Leia mais

Projetos culturais: desenvolvimento, captação e gestão

Projetos culturais: desenvolvimento, captação e gestão Projetos culturais: desenvolvimento, captação e gestão Módulo 2: Leis de incentivo André Fonseca Santo André / maio 2009 Pronac Programa Nacional de Apoio à Cultura (1991) estabeleceu três mecanismos de

Leia mais

Mantenedores para o Portal Sergio Britto Memórias 2015 Realização

Mantenedores para o Portal Sergio Britto Memórias 2015 Realização Mantenedores para o Portal Sergio Britto Memórias 2015 Realização Apresentação Em 65 anos de dedicação às artes, o ator e diretor Sergio Britto (1923-2011) reuniu e conservou em sua casa, em Santa Teresa,

Leia mais

Seminário internacional Herança, identidade, educação e cultura: gestão dos sítios e lugares de memória ligados ao tráfico negreiro e à escravidão.

Seminário internacional Herança, identidade, educação e cultura: gestão dos sítios e lugares de memória ligados ao tráfico negreiro e à escravidão. Seminário internacional Herança, identidade, educação e cultura: gestão dos sítios e lugares de memória ligados ao tráfico negreiro e à escravidão. Palestra: Apresentação da experiência do Complexo Histórico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA ALINE MENIN FERREIRA (alinemenin.ferreira@hotmail.com ) CLÁUDIA REGINA LUIZ ( cacauluiz@bol.com.br ) CRISTIANE

Leia mais

ANEXO VI - DESCRIÇÃO SUMÁRIA DOS CARGOS

ANEXO VI - DESCRIÇÃO SUMÁRIA DOS CARGOS CARGO Administrador Analista de Tecnologia da Informação Assistente Social Bibliotecário- Documentarista Contador Engenheiro Civil Engenheiro Agrônomo DESCRIÇÃO DOS CARGOS Planejar, organizar, controlar

Leia mais

As Minas Gerais. Projeto Cultural

As Minas Gerais. Projeto Cultural As Minas Gerais Projeto Cultural www.asminasgerais.com.br Cópia da página do MINC autorizando a captação de recursos. "asminasgerais se apresenta como o ponto de encontro dos mineiros, aonde quer que estejam.

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS

GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS GLOSSÁRIO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS ACERVO - Documentos de uma entidade produtora ou de uma entidade que possui sua guarda. ACESSIBILIDADE - Condição ou possibilidade de acesso a serviços de referência,

Leia mais

EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA

EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA III CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE CULTURA APRESENTAÇÃO DOS 04 (QUATRO) EIXOS A SEREM DISCUTIDOS NA CONFERÊNCIA EIXO I - IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA NACIONAL DE CULTURA Foco Nacional: Impactos da Emenda Constitucional

Leia mais

Mais Cultura nas Escolas

Mais Cultura nas Escolas Mais Cultura nas Escolas O que é o Programa Mais Cultura nas Escolas? Projeto Andarilha das Letras, Circulação Literária/ FUNARTE É o encontro de projetos pedagógicos de escolas da rede pública com experiências

Leia mais

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina

METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE. Número de aulas semanais 4ª 2. Apresentação da Disciplina METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE Série Número de aulas semanais 4ª 2 Apresentação da Disciplina Considerando a necessidade de repensar o ensino da arte, faz-se necessário refletir sobre este ensino em sua

Leia mais

EDITAL PRÊMIO GUNGA IDENTIDADE E CULTURA

EDITAL PRÊMIO GUNGA IDENTIDADE E CULTURA EDITAL PRÊMIO GUNGA IDENTIDADE E CULTURA 1. APRESENTAÇÃO Com base nos valores da economia solidária e da cultura livre, o Estúdio Gunga empresa de comunicação focada na criação de sites, editoração gráfica,

Leia mais

Projeto BVS-SP-4 Fontes de informação de apoio a tomadores de decisão em saúde pública (15 de outubro de 1999)

Projeto BVS-SP-4 Fontes de informação de apoio a tomadores de decisão em saúde pública (15 de outubro de 1999) BIREME/OPAS/OMS BVS Saúde Pública Projeto BVS-SP-4 Fontes de informação de apoio a tomadores de decisão em saúde pública (15 de outubro de 1999) 1. Introdução Este documento descreve o projeto para a pesquisa

Leia mais

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Ligia Scrivano Paixão Diretora do Sistema de Bibliotecas e coordenadora do curso de Biblioteconomia da Universidade Santa

Leia mais

O MERCADO DE TRABALHO DO BIBLIOTECÁRIO: UMA AMOSTRA DA TENDÊNCIA DO SÉCULO XXI

O MERCADO DE TRABALHO DO BIBLIOTECÁRIO: UMA AMOSTRA DA TENDÊNCIA DO SÉCULO XXI 1 O MERCADO DE TRABALHO DO BIBLIOTECÁRIO: UMA AMOSTRA DA TENDÊNCIA DO SÉCULO XXI EIXO TEMÁTICO: TEMA LIVRE Sara da Rocha Campos Pereira 1 RESUMO O desenvolvimento do campo informacional, a partir das novas

Leia mais

NORMA NÃO É LEI, MAS POR FORÇA DE LEI É OBRIGATÓRIA

NORMA NÃO É LEI, MAS POR FORÇA DE LEI É OBRIGATÓRIA NORMA NÃO É LEI, MAS POR FORÇA DE LEI É OBRIGATÓRIA 1. Introdução Com frequência sou consultada a respeito do caráter legal das Normas Técnicas Brasileiras e tenho percebido que esse tema é recorrente

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DA EXTENSÃO NA FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

ORGANIZAÇÃO DA EXTENSÃO NA FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE ORGANIZAÇÃO DA EXTENSÃO NA FESURV UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A Extensão na Fesurv Universidade de Rio Verde é desenvolvida sob a forma de programas, projetos e ações em consonância com a Política do Fórum

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL LDA

PROPRIEDADE INTELECTUAL LDA PROPRIEDADE INTELECTUAL LDA Grupo de Discussão UFMT/ESUD Cuiabá (MT), 05/11/2010 Geraldo da Cunha Macedo E-mail e MSN: gmacedo@terra.com.br PROPRIEDADE INTELECTUAL Propriedade Industrial (LPI) Direito

Leia mais

O papel da Biblioteca Nacional na preservação do patrimônio cultural

O papel da Biblioteca Nacional na preservação do patrimônio cultural O papel da Biblioteca Nacional na preservação do patrimônio cultural CURSO TUTELA DO PATRIMÔNIO CULTURAL BRASILEIRO: DESAFIOS PARA A ATUAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2010 Fundação Biblioteca Nacional

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4011 EDITAL Nº 01/2010 1. Perfil: Iphan Central 15 3. Qualificação educacional: - Graduação concluída em Arquitetura e Urbanismo, desejável Pósgraduação

Leia mais

EDITAL. Seleção de propostas de temas para o programa televisivo semanal. Dia de Campo na TV 2016

EDITAL. Seleção de propostas de temas para o programa televisivo semanal. Dia de Campo na TV 2016 EDITAL Seleção de propostas de temas para o programa televisivo semanal Dia de Campo na TV 2016 Por meio da Embrapa Informação Tecnológica (Brasília, DF), a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO. Política de Desenvolvimento de Coleções

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO. Política de Desenvolvimento de Coleções UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO Política de Desenvolvimento de Coleções Porto Alegre 2013 2 1 APRESENTAÇÃO A Biblioteca Paulo Lacerda de Azevedo

Leia mais

Coleção Particular. Francisco Duarte. (Versão Pesquisador)

Coleção Particular. Francisco Duarte. (Versão Pesquisador) Coleção Particular Francisco Duarte (Versão Pesquisador) Rio de Janeiro 2015 Ficha Técnica Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal da Casa Civil Prefeito Eduardo Paes Secretário Guilherme

Leia mais

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus

Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus Política Nacional de Museus Bases para a Política Nacional de Museus APRESENTAÇÃO Ao se propor a sistematização de uma política pública voltada para os museus brasileiros, a preocupação inicial do Ministério

Leia mais