Methods For Pricing Inter - Area Electricity Trades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Methods For Pricing Inter - Area Electricity Trades"

Transcrição

1 Method For rcng Inter - rea Electrcty Trade Jdte Ferrera, Zta Vale 2,2 Gecad Grpo de Invetgação em Engenhara do Conhecmento e apoo à ecão do Inttto oltécnco do orto (I)/ (ISE) Ra r. ntóno Bernardno de lmeda orto- ortgal e-mal: btract rond the world, electrcty ndtre are beng retrctred and lberaled. The Eropean Unon worng toward a Sngle Eropean Maret n electrcty. In the lberaled maret the byer can by the electrcty to the more dtance generator and to other electrcty ytem. ormally, dfferent electrcty ytem have a dfferent way to allocate the cot to the er of the tranmon networ. For th reaon, to allow electrcty trade between ytem wth dfferent cot tranmon method t neceary to agree protocol for cro border trade. In th paper we preented ome method that allow olvng th nd of problem. The Generaton Shft dtrbton Factor (GSF or factor), Generalzed Generaton dtrbton Factor (GGF or factor) and Tracng method, are preented. We alo preented the method Modle or Ue for compare the dtrbton cot of dfferent generator. Keyword: tranmon cot, Tracng method, Generaton Shft dtrbton Factor, Generalzed Generaton dtrbton Factor, Modle or Ue method.. Introdção o contexto de lberalzação do mercado de electrcdade na Eropa e notro paíe epalhado por todo o mndo, rge a necedade de cração de protocolo para realzar negóco entre dferente tema. Cada operador de tema, ISO (Independent ytem operator) o TSO (Tranmon ytem operator), tem de ter conhecmento da zona e antdade de rede eléctrca e rá er tlzada para a concretzação de m determnado negóco para e dea forma poa alocar devdamente ao otro tema o cto de tlzação da a rede. O mercado de electrcdade não pode operar olado do tema de tranmão. É neceáro fazer o balanço da prodção/ carga egndo a egndo de forma a dmnr o rco da extênca de ocorrer ma contngênca e prede a rede ntera, e garantr e a potênca chege ao detno com ma tenão dentro do lmte de varação admíve. O trânto de potênca em cada lnha de m tema depende de váro factore, entre a a a confgração da rede e a localzação do barramento de prodção e de conmo. Emprea de tranmão, para e eam economcamente tentáve, têm de cobrar ma tarfa e cbra váro cto, do a o fndamenta ão: perda de tranmão, operação e mantenção da rede eléctrca, retorno e deprecação do captal nvetdo no epamento. alteraçõe da reglação para a abertra do mercado eléctrco de energa prepõem e ete cto devem er dtrbído de m forma etatva e clara. tarfa de tlzação da rede eléctrca devem ndzr m o efcente da rede por parte de todo o partcpante do mercado. eta forma, devem fornecer ncentvo para o o efcente da rede eléctrca, fazendo com e o regme do preço de tranmão eam dferente de paí para paí. Eta dferencação cra problema ando e pretende a realzação de tranacçõe de energa eléctrca entre paíe dferente, normalmente degnado croborder trade. Uma da etõe fndamenta é: Como deve er realzada a atrbção de tarfa nete cao? Qando o do tema têm leglação mto dferente, não é de todo poível nformzar a metodologa de atrbção de preço de tranmão, o e e verfca na grande maora do paíe. a realdade, ando e verfca eta falta de harmonzação entre a metodologa do tema de tranmão pode-e optar por ma metodologa tpo Selo de Correo para o cto a atrbr pela tlzação da rede para m negóco tranfronterço. o entanto, ete método não erá o ma to, ma é efectvamente mple o e leva a er aplcado em mto cao [],[2] Extem, no entanto, dvera metodologa e permtem determnar a alocação de cto pela tlzação do tema de tranmão, para além do método Selo de Correo, ta como o método Margnal odal, MW Mlha [3], Generaton Shft dtrbton Factor (GSF) e Generalzed Generaton dtrbton Factor (GGF ) []etc. O método degnado de Bale, e tem por bae a chamada Tracng Methodology, é ma metodologa ma adeada para alocação de cto do tema de tranmão, nm ambente de mercado eléctrco tranfronterço [2],[4],[5]. Ete artgo motra algn reltado do cto a mptar a cada gerador em fnção do método de cálclo tlzado para calclar o mpacto em cada lnha do tema. Jtfca-e o nteree da tlzação do factore Bale [6] para o cálclo da taxa a mptar a cada btema, pela tlzação da lnha de nterlgação, conderando o cao de do tema nterlgado com TSO dferente.

2 ara a realzação dete etdo fo realzado oftware dedcado e fo ada a rede exemplo de nove barramento apreentada na fgra eenvolvmento Teórco O dagrama de bloco apreentado na fgra motra a eênca de pao egdo pelo oftware deenvolvdo e permte a obtenção da tarfa a aplcar a cada gerador pela tlzação da rede eléctrca. Fg.. agrama de bloco O dado neceáro para e ea poível realzar a mlaçõe ão o egnte: - caracterítca eléctrca da rede de tranmão;. - valore da prodção e do conmo em cada barramento; pó conhecdo todo o dado neceáro, é tlzado o oftware deenvolvdo e calcla o trânto de potênca. O método tlzado para ee cálclo fo método ewton Raphon. pó ete cálclo ão ado o chamado método de factore de dtrbção O factore de dtrbção ão calclado baeado no trânto de potênca na lnha. Ete factore ão normalmente ado em anále de contngênca e de egrança. o últmo ano, ete factore têm do gerdo como mecanmo para alocar o pagamento do tema de tranmão na reetrtração do tema de energa, ma vez e ete permtem calclar (avalar) efcentemente o o do tema de tranmão. Ete factore determnam fndamentalmente o mpacto do geradore e da carga no trânto de potênca actva da lnha. ete artgo ão analado o factore de dtrbção denomnado por Generaton Shft dtrbton Factor (GSF) e Generalzed Generaton dtrbton Factor (GGF ). o dagrama de bloco da fgra 2 ege-e ma otra metodologa degnada por Tracng Methodology, nete artgo erá analada exclvamente a Bale Tracng Methodology. Ete método tem vára aplcaçõe, entre a a e detaca a aplcação na atrbção do cto de tranmão bem como aplcação na mptação de cto na lnha de nterlgação entre do tema e tenham tarfáro dferente. Ete método permte calclar o mpacto de cada gerador o carga no trânto de potênca de cada lnha do tema. Tem como grande vantagem poder er aplcado em modelo ac, o memo não e verfcando com o método do factore de dtrbção. Fnalmente, para calclar a taxa efectva a pagar é tlzado o método Módlo o Uo.. Generaton Shft dtrbton Factor (GSF or factor) Como ponto de partda, o factore GSF conttem ma anále de enbldade de ma rede eléctrca. Eta anále conte em examnar o mpacto do trânto de potênca em cada lnha da rede eléctrca, e a prodção no barramento, G, amenta G e ete amento é compenado dmnndo a prodção no barramento de referênca r (eação). ode-e demontrar e a varação de trânto de potênca na lnha l- e denomnamo por Fl é dado por: Gr G () Fl l, * G (2) Onde: Fl varação do trânto de potênca actva na lnha l -. l, factor (GSF) da lnha e lga o barramento l e correpondendo a alterar o gerador G varação na prodção no barramento, com o barramento de referênca exclído G r varação na prodção no barramento de referênca O factor Fl correponde a ma contante de proporconaldade, o factor GSF para a lnha l- aocado ao gerador. Ete cálclo prepõe e G + G 0. ote-e e a expreão anteror r dexa claro e o factore GSF dependem do barramento de referênca e e defnr. razão dete facto é e o trânto em cada ma da lnha é dferente dependendo do barramento e for ecolhdo G para compenar a varaçõe arbtrára. o cao do barramento ecolhdo er o barramento r, o trânto do tema não ão alterado e por defnção l, r 0 para toda a lnha l-. a eação 2, G é lnear endo por o poível ar o teorema da obrepoção para calclar o efeto da varaçõe arbtrára de prodção. Conderando também a retrção relatva ao balanço entre prodção e carga, G Ll contante e, para todo l o geradore e carga l, a aplcação do prncípo da obrepoção permte exprear a varação de trânto para ma lnha l- como: Fl l, * G (3)

3 O e correponde a dzer e a varação total do trânto de potênca da lnha l- devdo à combnação arbtrára de troca de prodção G (compenada, em cada, cao por ma varação de nal contráro no barramento de referênca r) pode er decompota nma oma de termo como o apreentado na eação (2). B. Generalzed Generaton dtrbton Factor (GGF o factor) O método denomnado por GGF determna o mpacto de cada gerador na potênca actva da lnha. Ete factore podem er negatvo, ão determnado para o modelo dc e ó podem er tlzado para o trânto de potênca actva. O factor GGF( o )é defndo como: Fl l, * G (4) artndo da eação (4) e pondo e o gerador ncrementa a a prodção em G, varação ea e é compenada por ma varação da mema magntde, ma de nal contráro no barramento de referênca arbtráro r, com r. or defnção, o novo trânto para ma lnha l- é gal a: F l l, * G * G + l, r * G l, (5) onde: número de geradore nclndo o de referênca Fl é o trânto modfcado na lnha l- G é a prodção total no barramento ante da varação. Conderando a eaçõe (4) e (5) obtemo: Fl F F l l (6) ( l, l, r )* G eação (6) relacona o factore de dtrbção GGF com a varação de trânto nma lnha. a ecção anteror verfcamo e Fl l, * G, portanto l, l, r l, (7) eta forma, para obter o factor GGF do nó bata conhecer o factor GSF e omar o factor GGF da barra de referênca, l, r endo am, temo: l, l, r + l, (8) Veamo, agora como calclar o factor GGF relatvo ao barramento de referênca, atendendo à eação (8) para a determnação do factore GGF, para todo o barramento de m tema eléctrco, é neceáro calclar o factor GGF do barramento de referênca. a prátca, to correponde a mlar varaçõe na prodção de cada m do geradore, varaçõe ea com valor gal à totaldade da a prodção, to é G G, para todo o geradore excepto para o gerador de referênca r. Eta varaçõe ão totalmente compenada por ma varação da mema ampltde, ma de nal contráro, nm barramento de referênca arbtráro r, em e G r G. a eaçõe (4, 6 e 7), obtêm-e F l F l l, p r or otro lado da eação (5), obtém-e r l, * G * G (9) F l l, * G + l, r * Gr (0) r Em e: G é a prodção fnal nectada no barramento G r é a prodção fnal nectada no barramento de referênca. Ete delocamento de prodção obrga a e a prodção de todo o geradore excepto o de referênca ea zero, pore e v anterormente G G m, obtém-e: F l l, r * G r () epo do delocamento, toda a prodção do tema encontra-e concentrada no barramento de referênca r: G r G (2) Sbttndo a eaçõe (), (2) e na eação (9), obtém-e a eação para a determnação do factor de dtrbção para o barramento de referênca: 0 l r Fl l, G r Em e:, * G (3) Fl potênca actva na lnha l- 0 Fl potênca actva na lnha l- correpondente à ltma teração l, factor (GGF) da lnha l-, correpondente ao gerador do barramento l, r GGF da lnha l- correpondente ao gerador de referênca r G prodção total no barramento O mpacto na potênca actva na lnha meddo com o factore GGF é ma medda abolta e não ncremental. Eta medda reflecte o o em cada lnha

4 do tema devdo à necção de potênca em cada barramento do tema. O factor GGF depende do parâmetro da lnha, da condçõe do tema, ma não depende do barramento de referênca. C. Bale Tracng Methodology Bale tracng methodology tem como prncípo a le do nó de Krchhoff. Ito é, ame e a potênca e entra para o nó é proporconal à potênca e a do nó. [6]. Ete método a ma topologa aproxmada para determnar a contrbção ndvdal de cada gerador o carga para toda a lnha do tema eléctrco baeado no cálclo do factore de dtrbção. Ete método pode er tlzado no trânto de potênca ac o dc, pode também er ado para determnar a contrbçõe para o trânto de potênca actva o reactva. O método de Bale condera: - O trânto de níco e fm da lnha dferente (conderando am a perda), - rodção e carga e cada lnha. fgra 2 ltra o chamado proportonal harng. Conderando atro lnha lgada a m nó. potênca e aem do nó ( m e l ) podem er repreentada em fnção da potênca e entram ( e ), to é, pode er determnada a porção e m e l têm de e de endo am, temo: m m + m (4) + + Formlação do roblema p g p n g g, n [ ] GK para GK α ( ) (6) Sendo a potênca total e atravea o barramento pode er repreentada pela egnte expreão [3], [7], [8]: para + G ( α ) (7),2,3,..., n em e: () α - connto do nó e almentam o barramento - trânto de potênca na lnha e e encontra entre o barramento e G - potênca gerada no barramento como pode er repreentado por: (8) a expreão (7) pode er ecrta da egnte forma: l l + l (5) + + ( α ) para,2,3,..., n (9) G o pa G (20) Qe é ma matrz de dmenão ( n n), é epara, não métrca e com o elemento da dagonal prncpal ntáro. matrz tem o elemento em, dado por: Fg. 2. Iltração do proporconal harng Ete método tlza o algortmo ptream-loong no cao de e pretender alocar o cto de tranmão ao geradore, endo a perda dtrbída pela carga. o cao de e pretender alocar o cto de tranmão à carga é ado o algortmo downtream-loong, nete cao a perda ão dtrbída pelo geradore. O factore calclado por ete método ão empre potvo e vão er repreentado por g, (e correponde ao factor de compartcpação do gerador na lnha -). onde [ ] para () para α (2) 0 para o otro pa - vector nodal do trânto de potênca actva e atraveam o barramento G - vector de potênca actva gerada no barramento Uando a relação de proporconaldade, é gal a:

5 (22) n K para α [ ] G (23) Sendo am, o vector da carga lgada ao barramento, L, pode er ecrto da egnte forma: L L (24) L para n L,..., n. Método Módlo o Uo [ ] G (25) Ete método dtrb o cto total do tema pelo dferente geradore em fnção do mpacto provocado no trânto de cada lnha. Qer o gerador provoe trânto no entdo potvo o negatvo paga. pear do cto er dtrbído ndependente do entdo do trânto, ete método dtrb o cto de forma ma ta do e por exemplo o método Selo de correo e não condera o trânto de potênca na lnha. o entanto, ete método tem como devantagem não dar ncentvo a em decongetona a lnha Sege-e a expreão pela al é calclada a taxa R() a mptar a cada gerador, para ete método [3]: Em e: C R (26) C F F ( ) Cto da lnha, (Ero); F () Impacto da tranação na lnha (MW); R () Taxa mptada à tranacção (Ero); Uma vantagem dete método é o facto de levar ao pagamento total do tema ( CT ), tal como e paa a demontrar. artndo da expreão (26) e caracterza ete método, o total de taxa mptada à tranacçõe é dado por: TT C Invertendo a ordem do omatóro: TT C F F ( ) F F ( ) (27) (28) Como C e F ) ( não dependem de : C TT F F ( ) Smplfcando, tendo em conta e tem-e: logo: ) F ) (29) ( F ( (30) TT C (3) TT CT (32) Tal como e pretenda demontrar, a taxa mptada por ete método (TT) levam ao pagamento do tema (CT). 3 Cao de Etdo ete artgo ão apreentado algn reltado obtdo com o oftware deenvolvdo e com a rede da fgra 3. Fg. 3. Rede exemplo de nove barramento Fo atrbído o valor de KEro/ano ao cto total do tema. Ete valor erá dtrbído pelo dferente geradore ando o método Módlo o Uo. São apreentado no ponto 3 a taxa mptada a cada gerador tlzando o factore de dtrbção GSF e GGF para o cálclo da compartcpação de cada gerador no trânto de potênca de cada lnha do tema. o ponto 3B ão apreentada a taxa mptada a cada gerador tlzando o factore Bale para o cálclo da compartcpaçõe. pó ter do realzado o trânto de potênca obteram- -e, para a potênca actva, o reltado apreentado na tabela V. O nal negatvo correponde ao entdo contráro do convenconado como potvo. or exemplo, para a lnha -2 o trânto dá potvo no entdo do barramento 2 para o barramento.

6 . Factore de dtrbção O factore GSF obtdo para o exemplo em etdo ão o apreentado na tabela I. letra da tabela deve er feta da egnte forma. O factor GSF da lnha -2 devdo ao gerador 2, é o valor -0,6575. É de notar e todo o valore ão menore do e m, podendo er potvo o negatvo. nalando a tabela III, podemo verfcar e, como era de eperar, e tendo em conta e não exte nenhm gerador no barramento 5 nem no barramento 7, o valore da compartcpação dete barramento para o trânto de cada lnha foe zero, tal como e veo a verfcar. Um otro apecto mportante é o facto de e verfcar e efectvamente a oma da compartcpaçõe de cada gerador é gal ao reltado TBEL I Factor GSF lnha _2 0-0,6575-0,529-0,4992-0,4540-0,448-0,3425-0,3696-0,4239 _7 0-0,3425-0,478-0,5008-0,5460-0,5852-0,6575-0,6304-0,576 2_3 0 0,0904-0,5568-0,4908-0,3805-0,2786-0,0904-0,60-0,303 2_7 0 0,2520 0,0350-0,002-0,0736-0,363-0,2520-0,2086-0,28 3_4 0 0,0452 0,226-0,5824-0,902-0,393-0,0452-0,0805-0,50 3_5 0 0,0452 0,226 0,0843-0,902-0,393-0,0452-0,0805-0,50 4_5 0 0,0452 0,226 0,476-0,902-0,393-0,0452-0,0805-0,50 5_6 0 0,030 0,477 0,673 0,2065-0,3034-0,030-0,000 0,0572 5_9 0 0,0603 0,2954 0,3346 0,430 0,0248-0,0603-0,600-0,3593 6_7 0 0,0362 0,773 0,2008 0,2478 0,4254-0,0362 0,054 0,2265 6_9 0-0,0060-0,0295-0,0335-0,043 0,272 0,0060-0,0524-0,693 7_8 0-0,0543-0,2659-0,302-0,377-0,2960 0,0543-0,7876-0,474 8_9 0-0,0543-0,2659-0,302-0,377-0,2960 0,0543 0,224-0,474 Como e pode verfcar o factor para o barramento () é zero para toda a lnha, pore o barramento é o barramento de referênca. O factore GSF vão er tlzado para o cálclo do factore GGF. Segdamente foram calclado o factore de compartcpação de cada gerador para cada lnha (GGF ) e o reltado ão apreentado na tabela II obtdo pelo trânto de potênca. Ito pode er verfcado comparando a últma colna da tabela III com a últma colna da tabela V. TBEL II Factor GGF lnha _2 0,480-0,2395-0,038-0,082-0,0360 0,0032 0,0755 0,0484-0,0059 _7 0,59 0,766 0,0409 0,083-0,0269-0,066-0,384-0,3-0,0570 2_3 0,2486 0,3390-0,3082-0,2494-0,39-0,0300 0,582 0,0876-0,0535 2_7 0,075 0,327 0,0 0,0739 0,005-0,062-0,769-0,335-0,0467 3_4 0,0453 0,0905 0,2669-0,537-0,450-0,0940 0,000-0,0352-0,058 3_5 0,046 0,093 0,2677 0,34-0,44-0,0932 0,0009-0,0344-0,050 4_5 0,0453 0,0905 0,2669 0,4629-0,450-0,0940 0,000-0,0352-0,058 5_6-0,0359-0,0058 0,8 0,34 0,706-0,3393-0,066-0,0369 0,023 5_9-0,0677-0,0074 0,2277 0,2669 0,3453-0,0429-0,280-0,2277-0,4270 6_7-0,53-0,52 0,0259 0,0495 0,0965 0,274-0,875-0,0999 0,0752 6_9 0,0085 0,0025-0,020-0,0250-0,0328 0,2797 0,045-0,0439-0,608 7_8 0,3579 0,3037 0,0920 0,0568-0,038 0,069 0,422-0,4297-0,35 8_9 0,378 0,0835-0,28-0,634-0,2339-0,582 0,92 0,3502-0,3336 pó terem do calclado o factore de compartcpação (GGF) de cada gerador em cada lnha, foram calclado o valore em MW e cada gerador é reponável no trânto de potênca actva de cada lnha. O reltado obtdo ão o apreentado na tabela III. O reltado obtdo para a compartcpaçõe de cada gerador calclado com o factore de dtrbção entram em conderação com o entdo do trânto.

7 TBEL III - Compartcpação GGF (MW) lnha Ger_ Ger_2 Ger_3 Ger_4 Ger_5 Ger_6 Ger_7 Ger_8 Ger_9 Total _2 20, , , ,657 0,0000 0,7978 0,0000 9,6825 -,707-0,996 _7 25,9538 6,89 8,882 6,2322 0,0000-6,5209 0, ,260 -,4079 5,9963 2_3 2,4297 8,6645-6, ,803 0,0000-7,497 0,0000 7,529-0,6964-6,0283 2_7 3,7542 4, ,04 25,9 0,0000-5,2955 0, ,7073-9,3422 4,039 3_4 2,264 3, , ,6043 0, ,500 0,0000-7,0425-2,56-46,985 3_5 2,304 3, , ,3349 0, ,2997 0,0000-6, ,993 80,9565 4_5 2,264 3, , ,3957 0, ,500 0,0000-7,0425-2,56 93,055 5_6 -,7952-2,05 22, ,680 0, ,826 0,0000-7,3873 4, ,753 5_9-3,3848-2, , ,7603 0,0000-0,7207 0, ,53-85,3959 -,33 6_7-7, ,3046 5,87 6,832 0, ,5207 0,0000-9,9878 5, ,7027 6_9 0,4255 0,8680-4,2070-8,4845 0, ,9280 0,0000-8,783-32,65 7,588 7_8 7, ,2826 8,4055 9,2966 0,0000 5,4779 0, , , ,7309 8_9 6,890 29, ,697-55,5462 0, ,5536 0, , ,758-8,269 TBEL IV Compartcpação Bale (MW) lnha Ger_ Ger_2 Ger_3 Ger_4 Ger_5 Ger_6 Ger_7 Ger_8 Ger_9 Total _2 2, ,3032 4,5054 3,3 0,0000 0,0000 0,0000 0,0000 0,0000 0,9962 _7,524 36,8592 2,2968,6880 0,0000 0,0000 0,0000 0,0000 0,0000 5,9964 2_3 0,0000 4,4645 0,903 0,6624 0,0000 0,0000 0,0000 0,0000 0,0000 6,0282 2_7 0, ,9069 6,424 4,726 0,0000 0,0000 0,0000 0,0000 0,0000 4,039 3_4 0,0000 0, ,72 62,2635 0,0000 0,0000 0,0000 0,0000 0, ,9846 3_5 0,0000 0, , ,2936 0,0000 0,0000 0,0000 0,0000 0, ,9565 4_5 0,0000 0,0000 0, ,035 0,0000 0,0000 0,0000 0,0000 0, ,035 5_6 0,0000 0,0000 5,5279 3,7485 0,0000 4,228 0,0000 0,0000, ,756 5_9 0,0000 0,0000 2,5302 6,2929 0,0000,9283 0,0000 0,0000 0,563,327 6_7 0,0000 0,0000 0,0000 0,0000 0, ,7028 0,0000 0,0000 0, ,7028 6_9 0,0000 0,0000 0,0000 0,0000 0,0000 7,587 0,0000 0,0000 0,0000 7,587 7_8 3,969 4,8868 2,60,982 0,0000 8,3468 0,0000 0,0000 0, ,730 8_9,2202 2,8776 0,8024 0,5897 0,0000 2,4846 0, ,382 24,932 8,2689 nalando por exemplo a compartcpaçõe para a lnha _2, verfcamo e a reponabldade do trânto fca dtrbído pelo 4 prmero geradore, o e e compreende pore ão o e e encontram ma próxmo da lnha. Segdamente, fo dtrbído o cto total do tema pelo dferente geradore tendo em conta a compartcpaçõe obtda pelo factore GGF. O reltado obtdo para a taxa a mptar a cada gerador pelo o da rede ão o apreentado no gráfco repreentado na Fgra 4. Ete reltado erão comparado com o obtdo poterormente para o factore Bale. Como era de epera o valor mptado ao geradore 5 e 7 é zero pore tal como tínhamo vto anterormente a compartcpação fo também de zero. TBEL V Trânto otênca ctva lnha ot.(mw) -2-0, , , , , , , , , , , , ,2690

8 Fg. 4. Taxa alocada ando o factore GGF B. Factore Bale o egmento do etdo propoto nete artgo, foram calclado o factore denomnado por Bale, para e poder obter por m proceo dferente a compartcpação de cada gerador no trânto de potênca de cada lnha. O valore dea compartcpação encontram-e repreentado na tabela IV. nalando o valore apreentado na tabela IV, podemo verfcar e a compartcpação de cada gerador no trânto de cada lnha toma valore batante dferente do valore obtdo para o calclado com o factore de dtrbção. odemo contatar e no método Bale a compartcpaçõe para o trãnto de ma determnada lnha recaem eencalmente no gerador o geradore e e encontrem lgado na extremdade da lnha, enanto e no factore de dtrbção a dtrbção é ndependente de o gerador er o da extremdade o não. Verfca-e também e no factore Bale o valore obtdo ão todo potvo po ete factore não no ndcam o entdo do trânto. Ete método é o ma ndcado para calclar a taxa a mptar ao btema pelo o da nterlgaçõe no cao de nterlgação de da rede correpondendo a do btema. Se no noo exemplo a lnha 6-7 e 6-9 foem lnha de nterlgação não retaram dúvda e a taxa a mptar pelo o da nterlgaçõe era aplcada ao btema onde e encontra nerdo o gerador 6, po ete é o únco reponável pelo trânto na lnha de nterlgação. Segdamente, fo calclada a taxa alocada a cada gerador recorrendo ao factore Bale e ao método Módlo o Uo obtendo-me o gráfco repreentado na fgra 5. Fg. 5. Taxa alocada ando o factore bale Comparando o gráfco da fgra 4 e 5, verfca-e e o valore ão mto dferente, o e no motra e a dtrbção de cto da tlzação da rede eléctrca depende mto do método tlzado no cálclo da compartcpação do gerador no trânto de cada lnha do tema. 4 Conclõe: odemo conclr pela anále do reltado e, apear de extr váro método e permtem tarfar a tlzação do o da nterlgaçõe, o valore mptado a cada gerador varam com o método de cálclo da compartcpaçõe de cada gerador no trânto de potênca. Entre o do método etdado nete artgo, o método Bale é o ma tlzado pore é m método e permte tarfar ndependentemente do barramento de referênca e permte o cálclo no modelo ac [7],[8]. Referênca [] Mohammad S., Hatm Y. Zy L., Maret Operaton n Electrc ower Sytem, [2] lexander Galetovcy Rodrgo almaz Tranmón eléctrca y la ley corta : Una etmacón de la redtrbcón de peae May [3] Jdte Ferrera, Tarfação em rede de tranmão de energa eléctrca comparação de método e anále do efeto de nova nterlgaçõe, Tee de Metrado, Jl [4] Jdte Ferrera, Manel João. Gonçalve Zta. Vale Strategc Coalton Impact on Tranmon Cot ced, olltgal, Jlo [5] Janz W. Bale Tranmon rcng Of Cro-border Trade In Erope, Slovena, October 999. [6] Jan M. Zolezz, Hgh Rdnc Conmer coordnaton and cooperaton n tranmon cot allocaton IEEE Bologna ower Tech Conference, Bologna-Italy, Jne [7] Janz W. Bale, Stanlaw Zemane, and Robn Wallace Methodology for llocatng Tranmon Loe e to Cro-Border Trade IEEE Tranacton on ower Sytem, Vol. 9, o. 3, gt [8] Janz W. Bale, Stanlaw Zemane, and Robn Wallace Benchmarng on tranmon prcng n Erope Synthe 2003, docment. ETSO, Jly 2004.

Para quantificar a variabilidade de um conjunto de dados ou medidas é que se usam medidas de dispersão. Vamos estudar algumas delas nesta aula.

Para quantificar a variabilidade de um conjunto de dados ou medidas é que se usam medidas de dispersão. Vamos estudar algumas delas nesta aula. Probabldade e Etatítca I Antono Roque Aula Medda de Dperão A medda de tendênca central não ão ufcente para e caracterzar um conjunto de dado. O motvo é que ete varação na natureza, to é, dado que venham

Leia mais

Estabilidade para Pequenas Perturbações e Dimensionamento de Estabilizadores. Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores _

Estabilidade para Pequenas Perturbações e Dimensionamento de Estabilizadores. Mestrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores _ Etabldade para Pequena Perturbaçõe e Dmenonamento de Etablzadore Metrado em Engenhara Electrotécnca e de Computadore _ Dnâmca e Etabldade de Stema de Energa J. A. Peça Lope Conceto Teórco Repreentação

Leia mais

Introdução aos Conversores CC-CC

Introdução aos Conversores CC-CC INIUO E ELERÔNICA E POÊNCIA epartamento de Engenhara Elétrca Centro ecnológco UNIERIAE FEERAL E ANA CAARINA Introdução ao Converore CCCC Reponável pelo Etudo: Clóv Antôno Petry (INEP/EEL UFC) Orentador:

Leia mais

Conversor eletro-hidráulico I/H e válvula direcional WSR,

Conversor eletro-hidráulico I/H e válvula direcional WSR, Converor eletrohdráulco I/H e válvula dreconal WSR, tecnologa de atuadore para poconar clndro em turbocompreore Tecnologa conoldada O converor eletrohdráulco I/H e a válvula drecona WSR ão a olução econômca

Leia mais

TEORIA DA GERAÇÃO DE QUANTUM BITS EMARANHADOS NO CAMPO TEMPORAL

TEORIA DA GERAÇÃO DE QUANTUM BITS EMARANHADOS NO CAMPO TEMPORAL TEORIA DA GERAÇÃO DE QUANTUM BITS EMARANHADOS NO CAMPO TEMPORAL Cao Olndo de Mranda e Slva Júnor Inttuto de Cênca e Tecnologa,Unverdade Federal do Vale do Jequtnhonha e Mucur, 39100-000, Damantna MG, Bral

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO Metrado em Economa Monetára e Fnancera O PARADOXO DA CORRELAÇÃO DO CONSUMO NA PRESENÇA DE PROBABILIDADES SUBJECTIVAS HETEROGÉNEAS

Leia mais

Alocação Ótima de Equipamentos FACTS em Sistemas Elétricos de Potência

Alocação Ótima de Equipamentos FACTS em Sistemas Elétricos de Potência Alocação Ótma de Equpamento AC em tema Elétrco de Potênca J. W. Marangon Lma, A.C. Zambron de ouza, Leonardo H. de Mello, B. I. Lma Lope, Clodomro Unhuay, R. Corad Leme, Wellngton Da, UNIEI, A. A. Chave

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

EESC-USP M. Becker 2008 2/64

EESC-USP M. Becker 2008 2/64 SEM7 - Aula Cnemáta Dreta de Manpuladore Robóto Prof. Dr. Marelo Beker EESC - USP Sumáro da Aula Epaço de Trabalho Quetõe Cnemáta Repreentação da Orentação Matrz de Tranformação Homogênea Equaçõe Cnemáta

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

3.1. Conceitos de força e massa

3.1. Conceitos de força e massa CAPÍTULO 3 Les de Newton 3.1. Concetos de força e massa Uma força representa a acção de um corpo sobre outro,.e. a nteracção físca entre dos corpos. Como grandeza vectoral que é, só fca caracterzada pelo

Leia mais

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil

VI SBQEE. 21 a 24 de agosto de 2005 Belém Pará Brasil VI SBQEE 2 a 24 de agoto de 2005 Belém Pará Bral Códgo: BEL 3 7679 Tópco: Stema de Montoramento e Tratamento de dado REDES EURAIS A CLASSIFICAÇÃO DE EVETOS DE QUALIDADE DE EERGIA ELÉTRICA: UMA ABORDAGEM

Leia mais

Texto 03: Campos Escalares e Vetoriais. Gradiente. Rotacional. Divergência. Campos Conservativos.

Texto 03: Campos Escalares e Vetoriais. Gradiente. Rotacional. Divergência. Campos Conservativos. 1 Unversdade Salvador UNIFACS Crsos de Engenhara Cálclo IV Profa: Ila Reboças Frere Cálclo Vetoral Teto 03: Campos Escalares e Vetoras. Gradente. Rotaconal. Dvergênca. Campos Conservatvos. Campos Escalares

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Cap. 8 - Controlador P-I-D

Cap. 8 - Controlador P-I-D CONTROLADOR ID Metrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Comptadore (MEEC) Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Comptadore (DEEC) CONTROLO º emetre 7/8 Tranparência de apoio à ala teórica

Leia mais

CALIBRAÇÃO DO GASÔMETRO SECO POR MEIO DE GASÔMETRO SECO DE REFERÊNCIA (PADRÃO)

CALIBRAÇÃO DO GASÔMETRO SECO POR MEIO DE GASÔMETRO SECO DE REFERÊNCIA (PADRÃO) ENERGÉTICA IND.E COM. LTDA. Ra Gravataí, 99 Rocha CEP 20975-030 Rio de Janeiro RJ CNPJ 29.341.583/0001-04 IE 82.846.190 Fone: (0xx21) 3797-9800; Fax: (0xx21) 3797-9830 www.energetica.ind.r CALIBRAÇÃO DO

Leia mais

Avaliação do Ensino nos Cursos de Pós-Graduação em Engenharia: Um Enfoque Quantitativo de Avaliação em Conjunto

Avaliação do Ensino nos Cursos de Pós-Graduação em Engenharia: Um Enfoque Quantitativo de Avaliação em Conjunto Avalação do Ensno nos Crsos de Pós-Gradação em Engenhara: Um Enfoqe Qanttatvo de Avalação em Connto Lda Anglo Meza Insttto de Cênca e Tecnologa Unversdade Vega de Almeda Ra Ibtrna, 108, 4º andar, Maracanã,

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

INTRODUÇÃO SISTEMAS. O que é sistema? O que é um sistema de controle? O aspecto importante de um sistema é a relação entre as entradas e a saída

INTRODUÇÃO SISTEMAS. O que é sistema? O que é um sistema de controle? O aspecto importante de um sistema é a relação entre as entradas e a saída INTRODUÇÃO O que é sstema? O que é um sstema de controle? SISTEMAS O aspecto mportante de um sstema é a relação entre as entradas e a saída Entrada Usna (a) Saída combustível eletrcdade Sstemas: a) uma

Leia mais

EFICIÊNCIA NO CONSUMO DE ENERGIA EM MUNICIPIOS FLUMINENSES CONSIDERANDO TEMPERATURAS

EFICIÊNCIA NO CONSUMO DE ENERGIA EM MUNICIPIOS FLUMINENSES CONSIDERANDO TEMPERATURAS EFICIÊNCIA NO CONSUMO DE ENERGIA EM MUNICIPIOS FLUMINENSES CONSIDERANDO TEMPERATURAS João Carlos Correa Baptsta Soares de Mello Unversdade Federal Flmnense Lda Anglo Meza Unversdade Federal Flmnense Elane

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

TE210 FUNDAMENTOS PARA ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS

TE210 FUNDAMENTOS PARA ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS TE0 FUNDAMENTOS PARA ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS Números Complexos Introdução hstórca. Os números naturas, nteros, raconas, rraconas e reas. A necessdade dos números complexos. Sua relação com o mundo

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica.

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica. Análse do Retorno da Edcação na Regão Norte em 2007: Um Estdo à Lz da Regressão Qantílca. 1 Introdcão Almr Rogéro A. de Soza 1 Jâno Macel da Slva 2 Marnalva Cardoso Macel 3 O debate sobre o relaconamento

Leia mais

ALGORITMOS PARA A DESCOBERTA DE SERVIÇOS WEB DESCRITOS EM OWL-S: ORDENAÇÃO DE SERVIÇOS USANDO FILTRAGEM COLABORATIVA

ALGORITMOS PARA A DESCOBERTA DE SERVIÇOS WEB DESCRITOS EM OWL-S: ORDENAÇÃO DE SERVIÇOS USANDO FILTRAGEM COLABORATIVA Anai do XV Encontro de Iniciação Cientíica da PUC-Campina - 6 e 7 de otbro de 010 ALGORITMOS PARA A DESCOBERTA DE SERVIÇOS WEB DESCRITOS EM OWL-S: ORDENAÇÃO DE SERVIÇOS USANDO FILTRAGEM COLABORATIVA Gilherme

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Incerteza de Medção Prof. Aleandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Freqüênca de ocorrênca Incerteza da Medção Dstrbução de freqüênca das meddas Erro Sstemátco (Tendênca) Erro de Repettvdade

Leia mais

Transmissão de Calor Radiação P.J. Oliveira Departamento Engenharia Electromecânica, UBI, Dezembro 2014

Transmissão de Calor Radiação P.J. Oliveira Departamento Engenharia Electromecânica, UBI, Dezembro 2014 Tranmão de Calor Radação PJ Olvera Departamento Engenhara Electromecânca, UBI, Dezembro 04 A radação, no contexto da tranmão de calor, conte no tranporte de energa por meo de onda electromagnétca A onda

Leia mais

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo.

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo. Motores síncronos Prncípo de funconamento ão motores com velocdade de rotação fxa velocdade de sncronsmo. O seu prncípo de funconamento está esquematzado na fgura 1.1 um motor com 2 pólos. Uma corrente

Leia mais

Fast Multiresolution Image Querying

Fast Multiresolution Image Querying Fast Multresoluton Image Queryng Baseado no artgo proposto por: Charles E. Jacobs Adan Fnkelsten Davd H. Salesn Propõe um método para busca em um banco de dados de magem utlzando uma magem de consulta

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

Distribuição de Massa Molar

Distribuição de Massa Molar Químca de Polímeros Prof a. Dr a. Carla Dalmoln carla.dalmoln@udesc.br Dstrbução de Massa Molar Materas Polmércos Polímero = 1 macromolécula com undades químcas repetdas ou Materal composto por númeras

Leia mais

ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA

ESPAÇO VETORIAL REAL DE DIMENSÃO FINITA EPÇO ETORIL REL DE DIMENÃO FINIT Defnção ejam um conjuno não ao o conjuno do númeo ea R e dua opeaçõe bnáa adção e mulplcação po ecala : : R u a u a é um Epaço eoal obe R ou Epaço eoal Real ou um R-epaço

Leia mais

Ana Carolina C. Basilio * Flávio A. C. Basilio ** José Luís da Costa Oreiro ***

Ana Carolina C. Basilio * Flávio A. C. Basilio ** José Luís da Costa Oreiro *** ACUULAÇÃO DE CAITAL, ABERTURA FINANCEIRA E ENDIVIDAENTO EXTERNO: U ODELO ACRODINÂICO ÓS-KEYNESIANO CO CÂBIO FLEXÍVEL E OBILIDADE DE CAITAIS. Ana Carolna C. Balo Flávo A. C. Balo Joé Lí da Cota Orero Artgo

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 MEDIDA DE INDUTÂNCIA POR ONDA RETANGULAR

EXPERIÊNCIA 7 MEDIDA DE INDUTÂNCIA POR ONDA RETANGULAR UMCCE Eng. Elérca m - ab. Crco Elérco Prof. Wlon Yamag EXPEÊNC 7 MEDD DE NDUÂNC PO OND ENGU NODUÇÃO O objvo báco da xprênca é mdr a ndânca a rênca d ma bobna zando ma onda ranglar. O prncípo da mdção é

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Mederos ELETRICIDADE E MAGNETISMO NOTA DE AULA III Goâna - 2014 CORRENTE ELÉTRICA Estudamos anterormente

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

Energia de deformação na flexão

Energia de deformação na flexão - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Energa de deformação na

Leia mais

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos CAPÍTULO 1 Exercícos Propostos Atenção: Na resolução dos exercícos consderar, salvo menção em contráro, ano comercal de das. 1. Qual é a taxa anual de juros smples obtda em uma aplcação de $1.0 que produz,

Leia mais

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos CAPÍTULO 10 Modelagem e repota de itema dicreto 10.1 Introdução O itema dicreto podem er repreentado, do memo modo que o itema contínuo, no domínio do tempo atravé de uma tranformação, nete cao a tranformada

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Taxas Equivalentes Rendas

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Taxas Equivalentes Rendas Análse de Projectos ESAPL / IPVC Taxas Equvalentes Rendas Taxas Equvalentes Duas taxas e, referentes a períodos dferentes, dzem-se equvalentes se, aplcadas a um mesmo captal, produzrem durante o mesmo

Leia mais

Aplicação de Teoria de Jogos à Alocação de Capacidade Firme em um Sistema Térmico

Aplicação de Teoria de Jogos à Alocação de Capacidade Firme em um Sistema Térmico Gutavo Alberto Amaral Ayala Aplcação de Teora de Joo à Alocação de Capacdade Frme em um Stema Térmco ertação de Metrado ertação apreentada como requto parcal para obtenção do rau de Metre pelo Prorama

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA Benjamin Mariotti Feldmann Mie Yu Hong Chiang Marco Antonio Brinati Univeridade de São Paulo Ecola Politécnica da

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Solicitações normais Cálculo no estado limite último

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Solicitações normais Cálculo no estado limite último Univeridade Etadal de Campina Faldade de Engenaria Civil Departamento de Etrtra Soliitaçõe normai Cállo no etado limite último Nota de ala da diiplina AU414 - Etrtra IV Conreto armado Prof. M. Liz Carlo

Leia mais

NODAL Versão 3.0 Programa de Simulação de Tarifas de Uso do Sistema Elétrico MANUAL DO USUÁRIO ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica

NODAL Versão 3.0 Programa de Simulação de Tarifas de Uso do Sistema Elétrico MANUAL DO USUÁRIO ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica NODAL Versão 3.0 Programa de Smulação de Tarfas de Uso do Sstema Elétrco MANUAL DO USUÁRIO ANEEL Agênca Naconal de Energa Elétrca ÍNDICE. INTRODUÇÃO...-.. CONSIDERAÇÕES...-.2. FUNÇÃO DO PROGRAMA...-2.3.

Leia mais

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA UNIVESIDADE FEDEAL DE CAMPINA GANDE CENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA E INFOMÁTICA DEPATAMENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA LABOATÓIO DE ELETÔNICA Experimento #4 Filtro analógico ativo EXPEIMENTO #4 Objetivo Gerai Eta

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Despacho Económico-Ambiental de Sistemas de Energia Termoeléctricos Inseridos no Mercado de Carbono

Despacho Económico-Ambiental de Sistemas de Energia Termoeléctricos Inseridos no Mercado de Carbono Desacho Económco-Ambental de Sstemas de Energa Termoeléctrcos Inserdos no Mercado de Carbono V.M.F. Mendes, J.P.S. Catalão, S.J.P.S. Marano e L.A.F.M. Ferrera Deartamento de Engenhara Electrotécnca e Automação

Leia mais

COMPARATIVO ENTRE MÉTODOS DE CÁLCULO DE PERDAS EM TRANSFORMADORES ALIMENTANDO CARGAS NÃO-LINEARES

COMPARATIVO ENTRE MÉTODOS DE CÁLCULO DE PERDAS EM TRANSFORMADORES ALIMENTANDO CARGAS NÃO-LINEARES COMARAVO ENRE MÉODOS DE CÁLCULO DE ERDAS EM RANSFORMADORES ALMENANDO CARGAS NÃO-LNEARES GUMARÃES, Magno de Bastos EEEC/ UFG/ EQ magnobg@otmal.com. NRODUÇÃO LSA, Luz Roberto EEEC/ UFG lsta@eee.ufg.br NERYS,

Leia mais

MÉTODO DE RESSECÇÃO APLICADO NA DETERMINAÇÃO DE COORDENADAS NO MONITORAMENTO DE PONTOS

MÉTODO DE RESSECÇÃO APLICADO NA DETERMINAÇÃO DE COORDENADAS NO MONITORAMENTO DE PONTOS III Smóso raslero de êncas Geodéscas e Tecnologas da Geonformação Recfe - E, 7-30 de Julho de 010. 001-005 MÉTODO DE RESSEÇÃO LIDO N DETERMINÇÃO DE OORDENDS NO MONITORMENTO DE ONTOS FINI D.. MIRND LUÍS.

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC 201

MACROECONOMIA I LEC 201 ACROECONOIA I LEC 20 3.2. odelo IS-L Outubro 2007, sandras@fep.up.pt nesdrum@fep.up.pt 3.2. odelo IS-L odelo Keynesano smples (KS): equlíbro macroeconómco equlíbro no mercado de bens e servços (BS). odelo

Leia mais

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático coniderando o efeito do atrito dinâmico Antonio C. Valdiero, Carla S. Ritter, Luiz A. Raia Depto de Ciência Exata e Engenharia, DCEEng,

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2 Capítulo O plano compleo Introdução Os números compleos começaram por ser ntrodudos para dar sentdo à resolução de equações polnomas do tpo Como os quadrados de números reas são sempre maores ou guas a

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 23 (pág. 86) D TM TC ula 24 (pág. 87) D TM TC ula 25 (pág. 88) D TM TC ula 26 (pág. 89) D TM TC ula 27 (pág. 91) D TM TC ula 28 (pág. 91) D TM TC evsanglo

Leia mais

Exercícios Resolvidos de Biofísica

Exercícios Resolvidos de Biofísica Exercício Reolvido de Biofíica Faculdade de Medicina da Univeridade de oimbra Exercício Reolvido de Biofíica Metrado ntegrado em Medicina MEMBRNS HOMOGÉNES Exercício 1. Numa experiência com uma membrana

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 25 (pág. 86) D TM TC ula 26 (pág. 86) D TM TC ula 27 (pág. 87) D TM TC ula 28 (pág. 87) D TM TC ula 29 (pág. 90) D TM TC ula 30 (pág. 90) D TM TC ula 31 (pág.

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B eolução Fíica FM.9 1. e Com bae na tabela, obervamo que o atleta etá com 5 kg acima do peo ideal. No gráfico, temo, para a meia maratona: 1 kg,7 min 5 kg x x,5 min. Na configuração apreentada, a força

Leia mais

FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO MÉDICO DURANTE A GRAVIDEZ

FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO MÉDICO DURANTE A GRAVIDEZ FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO MÉDICO DURANTE A GRAVIDEZ M. G. F. Costa, C. F. F. Costa Flho, M. C. Das, A. C. S.Fretas. Unversdade do Amazonas Laboratóro de Processamento Dgtal de Imagens Av. Gal.

Leia mais

Exemplos. representado a seguir, temos que: são positivas. são negativas. i

Exemplos. representado a seguir, temos que: são positivas. são negativas. i 6 Prodto Vetoral Para defnrmos o prodto etoral entre dos etores é ndspensáel dstngrmos o qe são bases postas e bases negatas Para sso consderemos ma base do espaço { } e m obserador Este obserador dee

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

Fotografando o Eclipse Total da Lua

Fotografando o Eclipse Total da Lua Fotografando o Eclipe Total da Lua (trabalho apreentado para o Mueu de Atronomia e Ciência Afin) http://atrourf.com/diniz/artigo.html Autor: Joé Carlo Diniz (REA-BRASIL) "Você pode e deve fotografar o

Leia mais

INCLUSÃO DE RESTRIÇÕES DINÂMICAS NA ANÁLISE DE FLUXO DE POTÊNCIA ÓTIMO RAFAEL MONTES FONTOURA

INCLUSÃO DE RESTRIÇÕES DINÂMICAS NA ANÁLISE DE FLUXO DE POTÊNCIA ÓTIMO RAFAEL MONTES FONTOURA INCLUSÃO DE RESTRIÇÕES DINÂMICAS NA ANÁLISE DE FLUXO DE POTÊNCIA ÓTIMO RAFAEL MONTES FONTOURA DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COÉRCIO ETERNO Nota préva: O texto que se segue tem por únco obectvo servr de apoo às aulas das dscplnas de Economa Internaconal na Faculdade de Economa da Unversdade do Porto.

Leia mais

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EGEHARIA DE TRASPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMETO DE EGEHARIA CIVIL ECV DISCIPLIA: TGT41006 FUDAMETOS DE ESTATÍSTICA 3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Meddas umércas

Leia mais

Modelo e controle da operação de um sistema BRT com segmento de faixa exclusiva única bidirecional

Modelo e controle da operação de um sistema BRT com segmento de faixa exclusiva única bidirecional Moelo e controle a operação e um tema BRT com egmento e faxa excluva únca breconal Luz Alberto oehler 1, Euaro Camponogara 2 e Werner rau Jr. 3 Reumo: Ete trabalho apreenta o moelo e etratéga e controle

Leia mais

Método de Monte Carlo Aplicado às Finanças 1. Introdução 2. O Método de Monte Carlo 3. Inversão da Função de Distribuição 4. Algumas Aplicações 5.

Método de Monte Carlo Aplicado às Finanças 1. Introdução 2. O Método de Monte Carlo 3. Inversão da Função de Distribuição 4. Algumas Aplicações 5. Método de Monte Carlo Aplcado às Fnanças 1. Introdução. O Método de Monte Carlo 3. Inversão da Função de Dstrbução 4. Algumas Aplcações 5. Prncípos Báscos do Método de Monte Carlo 5.1 Introdução 5. Formulação

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

Em 1887 Heinrich Hertz realizou

Em 1887 Heinrich Hertz realizou Marsa Almeda Cavalcante e Crstane R.C. Tavolaro Grupo de Pesqusa em Ensno de Físca da PUC/SP http://mesonp.cat.cbpf.br/marsa E-mal: marsac@pucsp.br Done Fagundes de Souza IFSC/USP/SP João Muznatt PUC/SP

Leia mais

Marcus Rodrigo Carvalho

Marcus Rodrigo Carvalho Marcus Rodrgo Carvalho ESTUDO COMPARATIVO DE FLUXO DE POTÊNCIA PARA SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO RADIAL Dssertação apresentada à Escola de Engenhara de São Carlos, da Unversdade de São Paulo, como parte dos

Leia mais

Vestibular 2013 2 a fase Gabarito Física

Vestibular 2013 2 a fase Gabarito Física etibular 203 2 a fae Gabarito Fíica Quetão 0 (alor: 5 ponto) Cálculo da variação da quantidade de movimento A velocidade inicial no momento do impacto erá a velocidade final da queda Aplicando conervação

Leia mais

1 Topologias Básicas de Conversores CC-CC não-isolados

1 Topologias Básicas de Conversores CC-CC não-isolados 1 opologas Báscas de Conversores CC-CC não-solados 1.1 Prncípos báscos As análses que se seguem consderam que os conversores não apresentam perdas de potênca (rendmento 100%). Os nterruptores (transstores

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas.

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas. Ecola Báic a 2º º e 3º º Ciclo Tema 1 Viver com o outro Tema Conteúdo Competência Actividade Tema 1 Viver com o outro Valore Direito e Devere Noção de valor O valore como referenciai para a acção: - o

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS AS MEDIDAS DE GRADEAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...3

Leia mais