Avaliação de diferentes formas de aplicação de resina na casca do queijo Canastra e seus efeitos durante a maturação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação de diferentes formas de aplicação de resina na casca do queijo Canastra e seus efeitos durante a maturação"

Transcrição

1 Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2012, Belo Horizonte Avaliação de diferentes formas de aplicação de resina na casca do queijo Canastra e seus efeitos durante a maturação Larissa Pereira Brumano (1), Luiz Carlos Gonçalves Costa Júnior (2), Paulo Henrique Costa Paiva (3), Renata Golin Bueno Costa (2), Fernando Antônio Resplande Magalhães (2), Laura Silva de Oliveira (4) (1) Bolsista PIBIC FAPEMIG/EPAMIG - Juiz de Fora, (2) Pesquisadores/Bolsistas BIP FAPEMIG/EPAMIG - Juiz de Fora, (3) Pesquisador e Professor EPAMIG - Juiz de Fora, (4) Bolsista BIC JUNIOR FAPEMIG - Juiz de Fora, INTRODUÇÃO O queijo Minas artesanal é provavelmente o mais antigo e tradicional queijo brasileiro. Sua fabricação iniciou-se no século 19 (FURTADO; LOURENÇO NETO, 1994). A produção de queijos artesanais em Minas Gerais representa um fator social de grande importância para o Estado. As cinco microrregiões já demarcadas (Serra da Canastra, Serro, Cerrado, Araxá e Campo das Vertentes) possuem produtores familiares ocupando uma área de km 2, com uma produção anual estimada em t, gerando empregos diretos (EMATER-MG, 2011). O queijo Minas artesanal é regulamentado pela Lei n o e Decreto n o (MINAS GERAIS, 2002ab), onde está descrito que o queijo artesanal deve ser produzido na propriedade de origem do leite, a partir do leite cru, hígido, integral e recém-ordenhado, utilizando-se na sua coagulação somente a quimosina pura de bezerro e no ato da prensagem somente o processo manual, e que o produto final apresente consistência firme, cor e sabor próprios, massa uniforme, isenta de corantes e conservantes, com ou sem olhaduras mecânicas, conforme a tradição histórica e cultural da região do Estado onde for produzido. As queijarias artesanais são estabelecimentos situados em propriedade rural, destinados exclusivamente à produção do queijo Minas artesanal, a partir

2 EPAMIG. Resumos expandidos 2 do leite cru obtido de um rebanho sadio, e que, no momento de sua utilização artesanal, atenda a padrões microbiológicos e físico-químicos específicos, bem como critérios de sanidade do rebanho. As queijarias artesanais só poderão funcionar para a manipulação de leite da própria fazenda (MINAS GERAIS, 2002b). São vários os problemas que ainda persistem na produção do queijo artesanal. Um deles é verificado durante a maturação, que gera produtos sem padronização, com perda na qualidade. Isso ocorre por causa da maturação dos queijos sem embalagens e da temperatura ambiente, o que leva a uma redução de peso considerável. Tanto a perda de umidade quanto o crescimento de mofos na casca, que normalmente é raspada para melhorar sua apresentação ao ser comercializado, traduzem em alterações e custos com mão de obra para toalete e viragens constantes dos queijos durante a maturação. Assim, a utilização de uma resina (dispersão de copolímeros livres de plastificantes) é autorizada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aplicada à casca dos queijos artesanais, visando à proteção do queijo durante sua maturação, seria uma alternativa para melhorar o aspecto geral do produto, reduzir custos e torná-lo mais atrativo ao consumidor. Este trabalho tem como objetivo, nessa primeira etapa, avaliar diferentes formas de aplicação da resina nos queijos, levando-se em conta a disponibilidade de material existente na região da Serra da Canastra e de baixo custo, e seus efeitos durante a maturação. Após definidas quantidade e forma de aplicação da resina, inicia-se o experimento propriamente dito, que consiste na avaliação do efeito da aplicação da resina na maturação e índices de proteólise, nos aspectos de qualidade, composição, rendimento e características sensoriais e microbiológicas dos queijos, durante as quatro estações do ano. MATERIAL E MÉTODO Este estudo foi conduzido no Laboratório de Análise Sensorial do Instituto de Laticínios Cândido Tostes (ILCT), da EPAMIG, em Juiz de Fora, MG. A

3 Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2012, Belo Horizonte 3 fabricação dos queijos Minas artesanais da Canastra e posterior aplicação da resina foram realizadas em uma unidade produtora típica da microrregião da Serra da Canastra, no município de Medeiros, MG, selecionada junto à equipe do projeto (EPAMIG, Instituto Federal Minas Gerais (IFMG) - Campus Bambuí, Emater-MG), por critérios de boas características de instalação, sanidade do rebanho, higiene na ordenha, boas práticas de fabricação (BPF), e que representa o processo tradicional de fabricação do queijo, além de estar cadastrada no Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) e Associação de Produtores local. Inicialmente, foram testadas diferentes formas de tratar a casca do queijo artesanal Canastra com aplicação de resina de grau alimentar. Após a secagem dos queijos (dois dias após a fabricação), e depois destes passarem por toalete (raspagem) para retirada de imperfeições na casca, aplicou-se resina de diferentes formas em queijos do mesmo lote, a saber: 1 - com uso das mãos; 2 - emprego de pincel; 3 - emprego de rolinho de espuma; e 4 - emprego de pano (morim usado para dessorar queijos). Para efeito de comparação, utilizou-se também um queijo do mesmo lote, porém, sem aplicação de resina (testemunha). Nesta etapa, foi definida a forma de aplicação mais viável e eficiente da resina, sendo avaliado o aspecto global do queijo, ou seja, a primeira impressão ao se deparar com o produto no mercado. A forma de aplicação foi avaliada por equipe treinada para as características desejáveis, de forma subjetiva, por meio da avaliação do aspecto global dos queijos (forma, apresentação, cor e textura externa) após aplicação e secagem da resina, sempre em comparação com a testemunha (sem aplicação de resina). A forma definida como a de melhor desempenho foi escolhida como aquela para se conduzir o experimento propriamente dito. Foram testados, posteriormente, a forma de aplicação e as diluições da resina, empregando-se os seguintes tratamentos em quantidade de 5 g/unidade de queijo (quantidade definida em razão do peso e formato): 1 - Resina pura, com emprego de 0,5 g de sorbato de potássio/unidade de queijo; 2 - Resina pura, sem emprego de sorbato de potássio; 3 - Resina e água na proporção 2:1, com emprego de 0,5 g de sorbato de potássio/unidade de queijo; 4 - Resina e água na proporção 2:1, sem emprego de sorbato de

4 EPAMIG. Resumos expandidos 4 potássio; 5 - Resina e água na proporção 1:1, com emprego de 0,5 g de sorbato de potássio/unidade de queijo; e 6 - Resina e água na proporção 1:1, sem emprego de sorbato de potássio. Os queijos submetidos aos tratamentos citados foram avaliados subjetivamente, por equipe treinada quanto ao aspecto global (forma, apresentação, cor e textura externa), incluindo-se nesta etapa da análise sensorial os atributos sabor e odor, aos 15 e 30 dias após a fabricação, durante a maturação, sempre em comparação com um queijo do mesmo lote e sem aplicação de resina na casca. RESULTADOS E DISCUSSÃO Por meio da avaliação do aspecto global dos queijos submetidos à aplicação de resina de diferentes formas, feita por equipe treinada quanto aos atributos característicos e peculiares do queijo artesanal Canastra, definiu-se o uso da mão como a forma mais viável e eficiente. O uso da mão na aplicação permitiu maior homogeneidade no espalhamento da resina na casca e menor desperdício. Quanto à quantidade de resina aplicada nos queijos, foi definido o melhor aspecto global pela equipe treinada e a forma mais viável, aquela cuja aplicação de 5 g resina/unidade de queijo, pura (sem dissolver em água) e também sem emprego de sorbato de potássio, tanto para queijos com 15 dias de maturação, como para aqueles com 30 dias. A adição de sorbato de potássio com a resina não se mostrou eficiente com relação ao controle do crescimento de mofo na casca ao longo do período de maturação estudado. CONCLUSÃO A quantidade de 5 g de resina/unidade de queijo evita desperdícios e torna-se eficiente a aplicação. O emprego das mãos foi definido como a forma mais viável e eficiente para a aplicação da resina nos queijos. A adição de sorbato de potássio em conjunto com a resina não se mostrou eficiente durante o período de maturação dos queijos. A resina diluída com água, embora econômica, não se mostrou eficiente no tratamento da crosta do queijo artesanal Canastra. A aplicação da resina pura, após toalete

5 Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2012, Belo Horizonte 5 dos queijos, permitiu a melhoria do aspecto global e consequente apresentação do produto, sendo definida como a forma viável de tratamento da crosta do queijo para posterior condução experimental. AGRADECIMENTO Ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), pelo financiamento da pesquisa, e à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig) pelas bolsas concedidas. Aos colaboradores da EPAMIG (funcionários e bolsistas), Instituto Federal Minas Gerais (IFMG) - Campus Bambuí e Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG) pelo apoio; ao Sr. Luciano e D. Helena, proprietários da unidade produtora, onde se fabricaram os queijos para o experimento, em Medeiros, MG. REFERÊNCIAS EMATER-MG. Mapa do queijo [Minas artesanal]. Belo Horizonte: [2011]. Disponível em: <http://www.emater.mg.gov.br/portal.cgi?flagweb=site_pgn_ downloads_vert&grupo=135&menu=59>. Acesso em: 14 nov FURTADO, M.M.; LOURENÇO NETO, J.P. de M. Tecnologia de queijos: manual técnico para a produção industrial de queijos. São Paulo: Dipemar, MINAS GERAIS. Decreto n o , de 5 de junho de Aprova o regulamento da Lei n o de 31 de janeiro de 2002, que dispõe sobre o processo de produção de queijo Minas artesanal. Minas Gerais, Belo Horizonte, 6 jun. 2002a. Diário do Executivo. MINAS GERAIS. Lei n o , de 31 de janeiro de Dispõe sobre o processo de produção do queijo Minas artesanal e dá outras providências. Minas Gerais, Belo Horizonte, 1 fev. 2002b. Diário do Executivo.

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Desenvolvimento de um software de baixo custo para o gerenciamento de bovinocultura de leite Miler Grudtner BOELL¹; Marcos Roberto RIBEIRO² 1 Aluno do Curso de Tecnologia de Sistemas para Internet e bolsista

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL. Ralf Augusto Silva Marins SISA/SFA/RJ

PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL. Ralf Augusto Silva Marins SISA/SFA/RJ PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE NO BRASIL Ralf Augusto Silva Marins SISA/SFA/RJ PROGRAMA NACIONAL DE MELHORIA DA QUALIDADE DO LEITE - PNQL HISTÓRICO: Surgiu em 1996 na EMBRAPA Gado

Leia mais

ENCONTRO MICRORREGIONAL DO AGRONEGÓCIO DO RIO DOCE

ENCONTRO MICRORREGIONAL DO AGRONEGÓCIO DO RIO DOCE ENCONTRO MICRORREGIONAL DO AGRONEGÓCIO DO RIO DOCE PROGRAMA ESTADUAL DA CADEIA PRODUTIVA DO LEITE Minas Leite Minas Leite: Uma Alternativa de Sucesso de Gestão ALESSANDRA FÉLIX SENA BOTELHO Assessora Técnica

Leia mais

Art. 3º Esta Portaria entra em vigor sessenta dias após a sua publicação.

Art. 3º Esta Portaria entra em vigor sessenta dias após a sua publicação. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 364, DE 04 DE SETEMBRO DE 1997 O Ministro de Estado da Agricultura e do Abastecimento, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo

Leia mais

Avaliação de espécies de banana verde para produção de biomassa

Avaliação de espécies de banana verde para produção de biomassa Avaliação de espécies de banana verde para produção de biomassa Sabrina Vargas MONTEIRO¹; Maria Alice NASCIMENTO ²; Adryze Gabrielle DORÁSIO²; Sonia de Oliveira Duque PACIULLI³. 1Estudantes do Curso Superior

Leia mais

Programa de extensão universitária mais leite

Programa de extensão universitária mais leite Programa de extensão universitária mais leite Renato SOARES OLIVEIRA¹; Samuel PIASSI TELES²; Rafael BASTOS TEIXEIRA³; Cassia MARIA SILVA NORONHA 4 ; Alan Dhan COSTA LIMA 5 ; Arnaldo Júnior VALERIANO RESENDE

Leia mais

Estimativas dos custos de produção da atividade leiteira nos municípios assistidos pelo Programa Mais Leite.

Estimativas dos custos de produção da atividade leiteira nos municípios assistidos pelo Programa Mais Leite. Estimativas dos custos de produção da atividade leiteira nos municípios assistidos pelo Programa Mais Leite. Jéssica Samara Leão SIMÕES¹; André da Mata CARVALHO²; Marlon MARTINS Moraes ²; Joiciane Maria

Leia mais

MANUAL PROPPG BOLSAS E AUXÍLIOS À PESQUISA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG

MANUAL PROPPG BOLSAS E AUXÍLIOS À PESQUISA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG MANUAL PROPPG BOLSAS E AUXÍLIOS À PESQUISA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 O MANUAL DE APOIO À PESQUISA DA UEMG... 4 3 OS PROGRAMAS... 4 3.1 Programas Financiados

Leia mais

Prezado pós-graduando, BOAS VINDAS ao Instituto Federal de Minas Gerais Campus Bambuí!!!

Prezado pós-graduando, BOAS VINDAS ao Instituto Federal de Minas Gerais Campus Bambuí!!! 1. APRESENTAÇÃO Prezado pós-graduando, BOAS VINDAS ao Instituto Federal de Minas Gerais Campus Bambuí!!! Esperamos que sua estada em nossa Instituição seja rica em conhecimentos, experiências e boas amizades.

Leia mais

Variabilidade espacial da resistência à penetração de um LATOSSOLO VERMELHO Distroférrico típico e sua relação com a produção do cafeeiro.

Variabilidade espacial da resistência à penetração de um LATOSSOLO VERMELHO Distroférrico típico e sua relação com a produção do cafeeiro. Variabilidade espacial da resistência à penetração de um LATOSSOLO VERMELHO Distroférrico típico e sua relação com a produção do Taylor Lima de SOUZA 1 ; Diogo Santos CAMPOS 2 ; Adriano André LUIZ 3, Gustavo

Leia mais

QUEIJO ARTESANAL DA SERRA DA CANASTRA, PATRIMÔNIO CULTURAL BRASILEIRO

QUEIJO ARTESANAL DA SERRA DA CANASTRA, PATRIMÔNIO CULTURAL BRASILEIRO QUEIJO ARTESANAL DA SERRA DA CANASTRA, PATRIMÔNIO CULTURAL BRASILEIRO ANA ALICE SILVEIRA CORRÊA 1 SUELY SANI PEREIRA QUINZANI 2 VINICIUS MARTINI CAPOVILLA 3 1 HISTÓRIA DO QUEIJO O queijo é um dos alimentos

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 EXTENSÃO RURAL COMO PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA JUNTO A AGRICULTORES FAMILIARES RODRIGO ALVES BARROS 1 RESUMO O estudo sobre a extensão rural como prática educativa é um recorte de um programa interdisciplinar,

Leia mais

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012

V Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí V Jornada Científica 19 a 24 de novembro de 2012 BIOFERTILIZANTE ORGÂNICO NO CONTROLE DE PRAGAS EM BRÁSSICAS Vinícius Dias de OLIVEIRA 1 ; Luciano Donizete GONÇALVES 2 1 Estudante de Agronomia-Bolsista de Iniciação Científica (PIBIC) FAPEMIG. Instituto

Leia mais

Carne sustentável, certificada orgânica e as alianças mercadológicas.

Carne sustentável, certificada orgânica e as alianças mercadológicas. Carne sustentável, certificada orgânica e as alianças mercadológicas. VI Seminário do GTPS Pecuária Sustentável na Prática Luiz Carlos Demattê Filho Diretor Industrial Korin Agropecuária Ltda. Novembro/2013

Leia mais

Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil

Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil Chrystiano Pinto de RESESNDE 1 ; Marco Antônio Pereira LOPES 2 ; Everton Geraldo de MORAIS 3 ; Luciano Donizete GONÇALVES 4 1 Aluno do curso

Leia mais

Obtenção de extrato de tomate em pó por diferentes processos: trocador de calor e concentrador a vácuo por coluna barométrica

Obtenção de extrato de tomate em pó por diferentes processos: trocador de calor e concentrador a vácuo por coluna barométrica Obtenção de extrato de tomate em pó por diferentes processos: trocador de calor e concentrador a vácuo por coluna barométrica Maria Silveira COSTA 1 ; Lourayne de Paula Faria MACHADO 2 ; Rogério Amaro

Leia mais

CULTURAL. Produção de queijo na região do Serro é cercada de cuidados e cultura. mina e beneficiamento. Eduardo Melo vive da produção de queijo

CULTURAL. Produção de queijo na região do Serro é cercada de cuidados e cultura. mina e beneficiamento. Eduardo Melo vive da produção de queijo DISTRIBUIÇÃO GRATUITA mina e beneficiamento AGOSTO de 2014 PUBLICAÇÃO DESTINADA ÀS COMUNIDADES DE RELACIONAMENTO DA ANGLO AMERICAN. ANO 6. N 32 PATRIMÔNIO CULTURAL DO BRASIL Produção de queijo na região

Leia mais

QUEIJO ARTESANAL COMERCIALIZADO EM UBERLÂNDIA-MG CHEESE CRAFT SOLD IN UBERLANDIA-MG

QUEIJO ARTESANAL COMERCIALIZADO EM UBERLÂNDIA-MG CHEESE CRAFT SOLD IN UBERLANDIA-MG Communication 311 QUEIJO ARTESANAL COMERCIALIZADO EM UBERLÂNDIA-MG CHEESE CRAFT SOLD IN UBERLANDIA-MG Raquel Satomi KOMATSU 1 ; Maria Aparecida Martins RODRIGUES 2 ; Walkíria Borges Naves LORENO 3 ; Karla

Leia mais

Efeito da adição de ferro nas características sensoriais de bebidas elaboradas com polpa de frutos tropicais e soro lácteo.

Efeito da adição de ferro nas características sensoriais de bebidas elaboradas com polpa de frutos tropicais e soro lácteo. Efeito da adição de ferro nas características sensoriais de bebidas elaboradas com polpa de frutos tropicais e soro lácteo. Felipe Machado TROMBETE ¹ *; Romilda Aparecida Bastos Monteiro ARAÚJO 2 ; Marcos

Leia mais

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas O PERFIL DA CACHAÇA CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SETOR No mercado de cachaça, existem dois tipos da bebida: a caninha industrial e a cachaça artesanal de alambique. A primeira possui teor alcoólico de 38%

Leia mais

As Câmaras de Acessoramento da FAPEMIG. Profa. Dra. Mônica Carvalho Alves Cappelle DAE/UFLA Câmara CSA

As Câmaras de Acessoramento da FAPEMIG. Profa. Dra. Mônica Carvalho Alves Cappelle DAE/UFLA Câmara CSA As Câmaras de Acessoramento da FAPEMIG Profa. Dra. Mônica Carvalho Alves Cappelle DAE/UFLA Câmara CSA A FAPEMIG O que é? A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais FAPEMIG é a agência de

Leia mais

Uma publicação do DCECO UFSJ Ano II Nº 19 Novembro de 2009

Uma publicação do DCECO UFSJ Ano II Nº 19 Novembro de 2009 Uma publicação do DCECO UFSJ Ano II Nº 19 Novembro de 2009 (19/11/2009) - Epamig anuncia instalação de mini-usina de laticínios em São João del-rei Projeto prevê processadora de leite, laboratório e centro

Leia mais

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹ IV Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, IV Jornada Científica, 06 a 09 de dezembro de 2011 Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de

Leia mais

Angelo Tadeu Magno Leão

Angelo Tadeu Magno Leão Angelo Tadeu Magno Leão Beatriz Lima Rodrigues Hosana Vieira de Souza Ingrid Daiane Resende Laura Magalhães Rocha e Silva Lucas Rodrigues Dimas Luciana Ribeiro Gonçalves Marcela Luiza Alves Pereira Marina

Leia mais

Desenvolvimento e aceitabilidade de bisnaguinha enriquecida com farinhas de arroz integral e cenoura

Desenvolvimento e aceitabilidade de bisnaguinha enriquecida com farinhas de arroz integral e cenoura VII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VII Jornada Científica e I Mostra de Extensão 21 a 23 de outubro de 2014 Desenvolvimento e aceitabilidade de bisnaguinha enriquecida com farinhas

Leia mais

Comunicado Técnico 02

Comunicado Técnico 02 Comunicado Técnico 02 Controle da Qualidade do Leite Instruções Técnicas para redução da Contagem de Células Somáticas (CCS) e Contagem Bacteriana Total (CBT). Responsável: Juliana Jorge Paschoal Zootecnista;

Leia mais

Estudo da dose de resposta de cobertura (N.K) na cultura do milho safrinha-mt Consultoria Pesquisa Agricultura de Precisão

Estudo da dose de resposta de cobertura (N.K) na cultura do milho safrinha-mt Consultoria Pesquisa Agricultura de Precisão Estudo da dose de resposta de cobertura (N.K) na cultura do milho safrinha-mt Consultor: Paulo Sérgio de Assunção Daniel Bennemann Frasson OBJETIVO O objetivo do presente trabalho foi realizar um estudo

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Superintendência ncia Federal de Agricultura no Estado do Rio de Janeiro Serviço o de Inspeção o de Produtos Agropecuários rios RENATA PATRICIA LOURENÇO

Leia mais

vel Produção de leite / Produção de queijo Gouveia, 14 de Dezembro de 2011

vel Produção de leite / Produção de queijo Gouveia, 14 de Dezembro de 2011 Gouveia, 14 de Dezembro de 2011 Exploração viável vel Produção de leite / Produção de queijo Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Centro Relator: Carlos Alarcão (Equipa técnica do PROSE) 1. A envolvente

Leia mais

COORDENAÇÃO GERAL DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E PROPRIEDADE INTELECTUAL

COORDENAÇÃO GERAL DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E PROPRIEDADE INTELECTUAL COORDENAÇÃO GERAL DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E PROPRIEDADE INTELECTUAL Gestão de Projetos e as Boas Práticas: aplicadas à CIT contribuem em suas atividades e fortalecem a Política de Inovação do CEFET-MG

Leia mais

NOTIFICAÇÃO DA INVENÇÃO

NOTIFICAÇÃO DA INVENÇÃO NOTIFICAÇÃO DA INVENÇÃO 1- TÍTULO DA INVENÇÃO: (Identificar um título breve que descreva de forma clara a invenção) 2- CARACTERIZAÇÃO DA INVENÇÃO 2.1 Descrever de forma sucinta a solução técnica proposta

Leia mais

EMBRAPA GADO DE LEITE SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO TERRITORIAL PARA SUPORTE A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE NO ESTADO DE MINAS GERAIS

EMBRAPA GADO DE LEITE SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO TERRITORIAL PARA SUPORTE A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE NO ESTADO DE MINAS GERAIS EMBRAPA GADO DE LEITE SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO TERRITORIAL PARA SUPORTE A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE NO ESTADO DE MINAS GERAIS Roberto Carlos Soares Nalon Pereira Souza, Marcos Cicarini Hott, Vitor

Leia mais

Realização: PROGRAMA DO CURSO Gestão da Pecuária de Corte Marabá, PA

Realização: PROGRAMA DO CURSO Gestão da Pecuária de Corte Marabá, PA Realização: PROGRAMA DO CURSO Gestão da Pecuária de Corte Marabá, PA Parceria: Programa do curso Gestão da Pecuária de Corte Marabá, PA O curso Gestão da Pecuária de Corte oferece ao participante conhecimento

Leia mais

Indução e sincronização de cio em caprinos

Indução e sincronização de cio em caprinos Indução e sincronização de cio em caprinos Plínio de Oliveira FASSIO 1 ; Larissa de Oliveira FASSIO 2 ; Angélica Campos MARTINS 3 ; Claudiane de Assis SOUZA 3 ; Vanessa Daniela Lázara de ASSIS 3 ; André

Leia mais

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES Rafael Herrera Alvarez Médico Veterinário, Doutor, Pesquisador Científico do Pólo Centro Sul/APTA

Leia mais

PROCESSAMENTO DO LEITE

PROCESSAMENTO DO LEITE PROCESSAMENTO DO LEITE Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Indústria, desenvolvimento local e renda: o caso da produção de cachaça em Salinas/MG

Indústria, desenvolvimento local e renda: o caso da produção de cachaça em Salinas/MG Indústria, desenvolvimento local e renda: o caso da produção de cachaça em Salinas/MG Patrine Soares Santos Ciências Econômicas Centro de Economia, Administração patrinedetaio@hotmail.com Nelly Maria Sansígolo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1

AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 CIÊNCIAS AGRÁRIAS 67 TRABALHO ORIGINAL AVALIAÇÃO DA COMPOSIÇÃO QUÍMICA E QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE CRÚ EM UM LATICÍNIO NA REGIÃO NOROESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 EVALUATION OF CHEMICAL COMPOSITION

Leia mais

9º Simposio de Ensino de Graduação SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DA FARINHA DE TRIGO PELA FARINHA DE BERINJELA PARA ELABORAÇÃO DE MASSA FRESCA

9º Simposio de Ensino de Graduação SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DA FARINHA DE TRIGO PELA FARINHA DE BERINJELA PARA ELABORAÇÃO DE MASSA FRESCA 9º Simposio de Ensino de Graduação SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DA FARINHA DE TRIGO PELA FARINHA DE BERINJELA PARA ELABORAÇÃO DE MASSA FRESCA Autor(es) DÉBORA DA SILVA SOUZA Co-Autor(es) KENIA NARA DA SILVA Orientador(es)

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 731

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 731 Página 731 POTENCIAL AGRÍCOLA DA UTILIZAÇÃO DE COMPOSTO ORGÂNICO DE LIXO URBANO NA CULTURA DO GIRASSOL1 João Paulo Gonsiorkiewicz Rigon 1 ;Moacir Tuzzin de Moraes 1 ; Fernando Arnuti 1 ; Maurício Roberto

Leia mais

A Implantação do PAS e a Melhoria da Qualidade do Leite no RS

A Implantação do PAS e a Melhoria da Qualidade do Leite no RS A Implantação do PAS e a Melhoria da Qualidade do Leite no RS Ana Stepan 5 Simpósio Qualidade e Mercado FENASUL - EXPOLEITE Esteio, 27 de maio de 2015. Cenário Atual do Leite no Brasil Cenário Atual do

Leia mais

Características do Leite

Características do Leite Características do Leite Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Empresa. Cliente. Ramo de Atividade. Logomarca. Localização

Empresa. Cliente. Ramo de Atividade. Logomarca. Localização Empresa Cliente Razão Social: Barraco Resto Bar LTDA. Fantasia: (Barraco) Ramo de Atividade Comércio de Bebidas e Petiscaria Logomarca Localização Avenida das Esmeraldas 609 Marília/SP Cidade de Marília

Leia mais

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO

VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ INTRODUÇÃO Página 1927 VARIAÇÃO ESTACIONAL DE PREÇOS DA MAMONA NO PARANÁ Gerson Henrique da Silva 1 ; Maura Seiko Tsutsui Esperancini 2 ; Cármem Ozana de Melo 3 ; Osmar de Carvalho Bueno 4 1Unioeste Francisco Beltrão-PR,

Leia mais

SLOW FOOD E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL. Verónica Chesi (SLOW FOOD ORGANIZATION)

SLOW FOOD E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL. Verónica Chesi (SLOW FOOD ORGANIZATION) SLOW FOOD E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Verónica Chesi (SLOW FOOD ORGANIZATION) Slow Food é uma associação internacional sem fins lucrativos sustentada pelos seus associados. Foi fundada em Itália em

Leia mais

FORD C-MAX + FORD GRAND C-MAX CMAX_Main_Cover_2014_V3.indd 1-3 23/08/2013 10:01:48

FORD C-MAX + FORD GRAND C-MAX CMAX_Main_Cover_2014_V3.indd 1-3 23/08/2013 10:01:48 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 12,999,976 km 9,136,765 km 1,276,765 km 499,892 km 245,066 km 112,907 km 36,765 km 24,159 km 7899 km 2408 km 76 km 12 14 16 9 10 1 8 12 7 3 1 6 2 5 4 3 11 18 20 21 22 23 24 26 28 30

Leia mais

EDITAL Nº 02/2015 PIBIC FAPEMIG 2015-2016 SUBSTITUIÇÕES

EDITAL Nº 02/2015 PIBIC FAPEMIG 2015-2016 SUBSTITUIÇÕES EDITAL Nº 02/2015 PIBIC FAPEMIG 2015-2016 SUBSTITUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FAPEMIG. SELEÇÃO DE BOLSISTAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA A Universidade Vale do Rio Doce,

Leia mais

AÇÕES DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA EM ALIMENTOS COMERCIALIZADOS EM TERESINA - PI

AÇÕES DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA EM ALIMENTOS COMERCIALIZADOS EM TERESINA - PI AÇÕES DE FISCALIZAÇÃO SANITÁRIA EM ALIMENTOS COMERCIALIZADOS EM TERESINA - PI Ferreira, L.C.R.P. (1) ; Lima, N.A. (1) ; Muratori, M.C.S. (1) ; Júnior, M.H.K. (1) ; Costa, M.S.J. (2) ; Nascimento, I.V.

Leia mais

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba Sebastião Teixeira Gomes Viçosa Novembro 1996 1 Índice Especificação Página 1. Introdução... 2 2. Notas Metodológicas... 2 3. Recursos Disponíveis... 3 4. Raça

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Aquarius, taxa variada, agricultura de precisão. Material e métodos. Introdução

Palavras-Chave: Projeto Aquarius, taxa variada, agricultura de precisão. Material e métodos. Introdução Agricultura de precisão voltada à melhoria da fertilidade do solo no sistema plantio direto R.B.C. DELLAMEA (1), T.J.C. AMADO (2), G. L. BELLÉ (), G.T.LONDERO (4), R.J. DONDÉ (4). RESUMO - O sistema de

Leia mais

DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL: MEMÓRIAS E DOCUMENTOS SOBRE O TRABALHO NO RAMO DE LATICÍNIOS

DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL: MEMÓRIAS E DOCUMENTOS SOBRE O TRABALHO NO RAMO DE LATICÍNIOS DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL: MEMÓRIAS E DOCUMENTOS SOBRE O TRABALHO NO RAMO DE LATICÍNIOS Ana Elizabeth S.Alves/UESB Gilneide de Oliveira Padre Lima/CEFET-BA Manoel Nunes Cavalcanti Júnior/CEFET-BA Agência

Leia mais

Chamada Pública para comprar merenda escolar de produtores locais

Chamada Pública para comprar merenda escolar de produtores locais Chamada Pública para comprar merenda escolar de produtores locais Boa parte da merenda escolar das escolas municipais de Cachoeiro de Itapemirim vai ser comprada de agricultores rurais do próprio município.

Leia mais

EXTRATOS ABRIL DE 2010

EXTRATOS ABRIL DE 2010 EXTRATOS ABRIL DE 2010 CONVENENTES Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais e a EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS-EPAMIG sediada em Belo Horizonte-MG na

Leia mais

Difusão de conhecimentos técnicos sobre cultivo de hortaliças e adoção de novas metodologias de ensino com o emprego de horta escolar

Difusão de conhecimentos técnicos sobre cultivo de hortaliças e adoção de novas metodologias de ensino com o emprego de horta escolar VII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - Campus Bambuí VII Jornada Científica e I Mostra de Extensão 21 a 23 de outubro de 2014 Difusão de conhecimentos técnicos sobre cultivo de hortaliças e adoção de

Leia mais

Introdução de. animais em sistemas de produção de hortaliças orgânicas na Região Serrana Fluminense

Introdução de. animais em sistemas de produção de hortaliças orgânicas na Região Serrana Fluminense Introdução de animais em sistemas de produção de hortaliças orgânicas na Região Serrana Fluminense Juliana Dias, Juscélio Ramos de Souza, Roberto Gomes Leite, João Paulo Guimarães Soares, José Guilherme

Leia mais

Modelo de custo de produção em um sistema integrado de criação e ordenha de leite A

Modelo de custo de produção em um sistema integrado de criação e ordenha de leite A Modelo de custo de produção em um sistema integrado de criação e ordenha de leite A Reinaldo Pacheco da Costa (POLI-USP) rpcosta@usp.br Ivanir Schroeder (POLI-USP /UNIVALI) ivanir@matrix.com.br Jocimari

Leia mais

Avaliação da viabilidade de implantação de hortas comunitárias em instituições filantrópicas por meio de projetos de extensão

Avaliação da viabilidade de implantação de hortas comunitárias em instituições filantrópicas por meio de projetos de extensão Avaliação da viabilidade de implantação de hortas comunitárias em instituições filantrópicas por meio de projetos de extensão Anderson Mendes ARAUJO¹; Roberta FONSECA²; Luciano Donizete GONÇALVES³; Alisson

Leia mais

Processamento de Queijo de Cabra com Ervas Aromáticas

Processamento de Queijo de Cabra com Ervas Aromáticas Comunicado Técnico Novembro, 81 ISSN 1676-7675 Sobral, CE 2007 Processamento de Queijo de Cabra com Ervas romáticas FOTO ntônio Sílvio do Egito 1 Karina Olbrich dos Santos 2 Luis Eduardo Laguna 3 Selene

Leia mais

(O relatório deve conter, no mínimo 3 páginas e no máximo 5 páginas)

(O relatório deve conter, no mínimo 3 páginas e no máximo 5 páginas) ROTEIRO BÁSICO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO ANUAL SOBRE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA (O relatório deve conter, no mínimo 3 páginas e no máximo 5 páginas) Nome do Grupo: Programa de Educação Continuada em Economia

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE UM LATICÍNIO DE PEQUENO PORTE COMO OPÇÃO DE COMERCIALIZAÇÃO. Flávia Miranda Caldas

EXPERIÊNCIA DE UM LATICÍNIO DE PEQUENO PORTE COMO OPÇÃO DE COMERCIALIZAÇÃO. Flávia Miranda Caldas EXPERIÊNCIA DE UM LATICÍNIO DE PEQUENO PORTE COMO OPÇÃO DE COMERCIALIZAÇÃO Flávia Miranda Caldas Até 1987, o serviço de inspeção das indústrias era apenas responsabilidade da União. Após a Constituição

Leia mais

Elaboração e aceitabilidade sensorial de licor de pitanga com morango

Elaboração e aceitabilidade sensorial de licor de pitanga com morango VII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí VII Jornada Científica e I Mostra de Extensão 21 a 23 de outubro de 2014 Elaboração e aceitabilidade sensorial de licor de pitanga com morango Lays

Leia mais

Confira datas e programação dos cursos a seguir:

Confira datas e programação dos cursos a seguir: Centro Regional de Qualificação Profissional de Produtores de Nova Petrópolis Aprender Fazendo, Compromisso com a Qualificação Profissional da Família Rural. O CETANP Centro Regional de Qualificação Profissional

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS

GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ESTUDO DE CASO: LATICÍNIO DO COLÉGIO AGRÍCOLA ESTADUAL MANOEL RIBAS Ana Cláudia Ueda (*), Magali Bernardes Maganhini * Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Apucarana.

Leia mais

ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL. Elmer Ferreira Luiz de Almeida. Introdução

ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL. Elmer Ferreira Luiz de Almeida. Introdução Capítulo 9 - Aspectos sociais da produção de leite no Brasil ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL Elmer Ferreira Luiz de Almeida Introdução O agronegócio Leite no Brasil tem passado por mudanças

Leia mais

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí IV Jornada Científica 6 a 9 de Dezembro de 2011

IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí IV Jornada Científica 6 a 9 de Dezembro de 2011 AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS GEADOS NO LATICÍNIO DO IFMG-CAMPUS BAMBUÍ UTILIZANDO O MÉTODO FMEA Lucélia Costa OLIVEIA 1 ; Pedro Henrique esende CAVALHO 2 ; Maria Cristina da Silva BABOSA 3 ; Anne

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO WORKSHOP DESENVOLVIMENTO FLORESTAL SUSTENTÁVEL DO ARARIPE ARARIPINA, 29 E 30 DE MAIO DE 2007 MANEJO FLORESTAL DE NATIVAS E EXÓTICAS: VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA

Leia mais

CONDIÇOES HIGIENICO-SANITARIAS DO QUEIJO DE COALHO COMERCIALIZADO EM FEIRA LIVRE DO MUNICIPIO DE VIÇOSA ALAGOAS

CONDIÇOES HIGIENICO-SANITARIAS DO QUEIJO DE COALHO COMERCIALIZADO EM FEIRA LIVRE DO MUNICIPIO DE VIÇOSA ALAGOAS CONDIÇOES HIGIENICO-SANITARIAS DO QUEIJO DE COALHO COMERCIALIZADO EM FEIRA LIVRE DO MUNICIPIO DE VIÇOSA ALAGOAS EVALUATE THE HYGIENIC-SANITARY CURD CHEESE SOLD IN STREET FAIR IN THE CITY OF VIÇOSA-ALAGOAS

Leia mais

Agricultura e Desenvolvimento Rural: Que instrumentos de Financiamento 2014-2020

Agricultura e Desenvolvimento Rural: Que instrumentos de Financiamento 2014-2020 Agricultura e Desenvolvimento Rural: Que instrumentos de Financiamento 2014-2020 Painel Pararelo II Desenvolvimento Florestal do Alto Minho: Principais prioridades 2014-2020 Estratégia Territorial de Valorização

Leia mais

AGROINDUSTRIALIZAÇÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR

AGROINDUSTRIALIZAÇÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR AGROINDUSTRIALIZAÇÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR LUÍS ANTONIO GUERRA CONCEIÇÃO SILVA Consultor Legislativo da Área VI Direito Agrário e Política Fundiária SETEMBRO/2012 Luis Antonio Guerra Conceição 2 SUMÁRIO

Leia mais

PANAFTOSA, OPAS-OMS COOPERAÇAO TÉCNICA MAPA-PANAFTOSA

PANAFTOSA, OPAS-OMS COOPERAÇAO TÉCNICA MAPA-PANAFTOSA PANAFTOSA, OPAS-OMS COOPERAÇAO TÉCNICA MAPA-PANAFTOSA Prgrama II Curs de Epidemilgia Aplicada Ri de Janeir, 13 a 24 de julh de 2009 Dia 13: segunda feira Abertura Bas vindas (Dr. Ottrin Csivi, Diretr PANAFTOSA)

Leia mais

Instituição Gestora. Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC. Gestora. Adriana Hintz Eick. Apoio Administrativo. Danúbia Maria de Oliveira

Instituição Gestora. Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC. Gestora. Adriana Hintz Eick. Apoio Administrativo. Danúbia Maria de Oliveira 1 Instituição Gestora Universidade de Santa Cruz do Sul UNISC Gestora Adriana Hintz Eick Apoio Administrativo Danúbia Maria de Oliveira Ketlyn de Oliveira Souza 2 APRESENTAÇÃO Este manual didático objetiva

Leia mais

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014 Leite relatório de inteligência Abril 2014 A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades A rotina em uma propriedade leiteira exige acompanhamento e atenção em todos os

Leia mais

Christiano Rehbein HAGEMEYER. christhiano@gmail.com Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO

Christiano Rehbein HAGEMEYER. christhiano@gmail.com Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO QUALIDADE DO LEITE: FATORES QUE INTERFEREM E A IMPORT ツ NCIA DA A ヌテ O DOS PRODUTORES Autor: Izamara de oliveira FERREIRA. izarf.oli@hotmail.com Co-autores: Luiz Fernando Rizzardi SILVESTRI. luizsilvestri@globo.com

Leia mais

VARIAÇÃO DA PRODUÇÃO MUNICIPAL DE MILHO NO ESTADO DE MINAS GERAIS NA ÚLTIMA DÉCADA

VARIAÇÃO DA PRODUÇÃO MUNICIPAL DE MILHO NO ESTADO DE MINAS GERAIS NA ÚLTIMA DÉCADA VARIAÇÃO DA PRODUÇÃO MUNICIPAL DE MILHO NO ESTADO DE MINAS GERAIS NA ÚLTIMA DÉCADA Elena Charlotte Landau 1, Roberta Kelly Moreira da Cruz 2 e Gabriela Reis Soares 3 1 Pesquisadora da Embrapa Milho e Sorgo,

Leia mais

Proposta de um software para geração de arranjos físicos planejados

Proposta de um software para geração de arranjos físicos planejados Proposta de um software para geração de arranjos físicos planejados Débora Cristina de Souza RODRIGUES1; Matheus Soares NAMETALA2; Rafaela Leite das CHAGAS3.Ciniro Aparecido Leite NAMETALA4; Wemerton Luís

Leia mais

ANEXO I - DOS CENTROS TECNOLÓGICOS, UNIDADES TEMÁTICAS, CARGA-HORÁRIA, NÚMERO DE VAGAS, CURSOS, REQUISITOS MÍNIMOS E TEMAS.

ANEXO I - DOS CENTROS TECNOLÓGICOS, UNIDADES TEMÁTICAS, CARGA-HORÁRIA, NÚMERO DE VAGAS, CURSOS, REQUISITOS MÍNIMOS E TEMAS. ERRATA 001 - EDITAL 013/2013/ITEP/OS Onde lê-se: ANEXO I - DOS CENTROS TECNOLÓGICOS, UNIDADES TEMÁTICAS, CARGA-HORÁRIA, NÚMERO DE VAGAS, CURSOS, REQUISITOS MÍNIMOS E TEMAS. CT CURSO DISCIPLINA CH VAGAS

Leia mais

AUTORIDADES PARTICIPAM DA ABERTURA DA EXPOCAFÉ EM TRÊS PONTAS

AUTORIDADES PARTICIPAM DA ABERTURA DA EXPOCAFÉ EM TRÊS PONTAS AUTORIDADES PARTICIPAM DA ABERTURA DA EXPOCAFÉ EM TRÊS PONTAS Evento reúne toda a cadeia de produção do café em Três Pontas, no Sul de Minas, até o dia 3 de julho Três Pontas, julho de 2015 Com presenças

Leia mais

eficiência na produção laticínios investem em programas de aumento da eficiência técnica e econômica de produtores

eficiência na produção laticínios investem em programas de aumento da eficiência técnica e econômica de produtores IMPRESSO FECHADO. PODE SER ABERTO PELA ECT. Revista Técnica da Bovinocultura de Leite - Número 46 - Ano 6 dezembro-janeiro 2012/2013 um produto um produto eficiência na produção laticínios investem em

Leia mais

Palavras-chave: integração lavoura-pecuária, zoneamento agroecológico, geoprocessamento.

Palavras-chave: integração lavoura-pecuária, zoneamento agroecológico, geoprocessamento. Zoneamento Agroecológico da Microrregião de Bom Despacho diagnosticando a sua Aptidão Potencial para expansão do Sistema de Integração Lavoura-Pecuária Elena Charlotte Landau 1 e Daniel Pereira Guimarães

Leia mais

ENSINO SUPERIOR- FACECA

ENSINO SUPERIOR- FACECA 1 ENSINO SUPERIOR- FACECA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA COMPROVAÇÃO DE SITUAÇÃO SÓCIOECONÔMICA: A Ficha Socioeconômica deve ser preenchida, sem rasuras, assinada pelo (a) candidato (a) ou pelo (a) pai, mãe

Leia mais

ANEXO I - Edital 02/2015 - DOCUMENTAÇÃO COMPROBATÓRIA

ANEXO I - Edital 02/2015 - DOCUMENTAÇÃO COMPROBATÓRIA MINISTÉRIO DAEDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS COMUNITÁRIOS E ESTUDANTIS Av. Getúlio Guaritá, 159 Sala 230 - Abadia 38025-440 - Uberaba MG Tel: (34) 3318-5978

Leia mais

VESTIBULAR E EXAME DE SELEÇÃO 2011/1 EDITAL Nº 01 DO PROGRAMA DE ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO PARA O VESTIBULAR E EXAME DE SELEÇÃO 2011/1

VESTIBULAR E EXAME DE SELEÇÃO 2011/1 EDITAL Nº 01 DO PROGRAMA DE ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO PARA O VESTIBULAR E EXAME DE SELEÇÃO 2011/1 VESTIBULAR E EXAME DE SELEÇÃO 2011/1 EDITAL Nº 01 DO PROGRAMA DE ISENÇÃO DA TAXA DE INSCRIÇÃO PARA O VESTIBULAR E EXAME DE SELEÇÃO 2011/1 O Reitor do Instituto Federal Minas Gerais (IFMG), professor Caio

Leia mais

RESUMO O iogurte propriamente dito só foi conhecido na Europa em meados do século XVI, por

RESUMO O iogurte propriamente dito só foi conhecido na Europa em meados do século XVI, por ÁREA TEMÁTICA: TECNOLOGIA CURSO DE FABRICAÇÃO DE IOGURTE Apresentador 1 Rodis, Caroline Inglês Apresentador 2 Gadens, Andressa Autor 3 Tedrus, Guilherme de Almeida Souza Autor 4 Ameida, Flávia Caroline

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE

CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE No ato de entrega dos documentos o candidato deve apresentar os originais e as cópias para conferência. 1.Documentos Diversos a) Cópia de documento de identificação (ou certidão de nascimento, quando menor

Leia mais

GT INDUSTRIAL Proposta Minas Biotec

GT INDUSTRIAL Proposta Minas Biotec GT INDUSTRIAL Proposta Minas Biotec de temas para a agenda do GT Industrial 2010 27 de Novembro de 2009 MDIC - Brasília SINDUSFARQ Base sindical 750 empresas dos setores representados: Indústria Farmacêutica

Leia mais

ESTUDO SOBRE OS BENEFICIÁRIOS

ESTUDO SOBRE OS BENEFICIÁRIOS Sumário Executivo ESTUDO SOBRE OS BENEFICIÁRIOS DO PAA-LEITE: PRODUTORES E CONSUMIDORES Fundação de Apoio ao Desenvolvimento da Universidade Federal de Pernambuco (FADE/UFPE). Brasília, junho de 2005 a

Leia mais

Desenvolvimento Regional Sustentável. O potencial é todo seu. O compromisso é de todos nós.

Desenvolvimento Regional Sustentável. O potencial é todo seu. O compromisso é de todos nós. Desenvolvimento Regional Sustentável O potencial é todo seu. O compromisso é de todos nós. O que é DRS? DRS - Desenvolvimento Regional Sustentável é uma estratégia negocial do Banco do Brasil, que busca

Leia mais

Número PE011/2015. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega

Número PE011/2015. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega Folha 1 1 CESTA, basica, de alimentos, composta de 13 produtos, sendo: Un 360,00-2 Kg de ACUCAR cristalizado, sacarose de cana-de-acucar, na cor branca. Embalagem em polietileno, contendo dados de identificacao

Leia mais

Produtor rural é a pessoa física que explora a terra, objetivando a produção vegetal, a criação de animais, industrialização de produtos primários.

Produtor rural é a pessoa física que explora a terra, objetivando a produção vegetal, a criação de animais, industrialização de produtos primários. Atividade Rural Lúcia Helena Briski Young luciayoung@terra.com.br O CC/02, em seu art. 971, estipula que: O empresário, cuja atividade rural constitua sua principal profissão, pode requerer inscrição no

Leia mais

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE

GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE GASTRONOMIA E PATRIMÔNIO CULTURAL LONDRINENSE Evelyn Nunomura* Isadora Fernanda Rossi* Gilberto Hildebrando* Sonia Maria de Oliveira Dantas* Leandro Henrique Magalhães** Mirian Cristina Maretti** *Acadêmicos

Leia mais

Aplicação do algoritmo genético na otimização da produção em indústrias de açúcar e álcool

Aplicação do algoritmo genético na otimização da produção em indústrias de açúcar e álcool Aplicação do algoritmo genético na otimização da produção em indústrias de açúcar e álcool Lucélia Costa Oliveira¹; Mário Luiz Viana Alvarenga² ¹ Aluna do curso de Engenharia de Produção e bolsista do

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA NÚCLEO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Formulário para Registro de Projetos de Extensão Universitária

FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA NÚCLEO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Formulário para Registro de Projetos de Extensão Universitária FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA NÚCLEO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Formulário para Registro de Projetos de Extensão Universitária Ano Base: 2014 Título do Projeto: Extensão Corpus Christ Tipo de Projeto:

Leia mais

Alex Neves de Rezende

Alex Neves de Rezende Alex Neves de Rezende Ana Letícia Pena Pereira Timóteo André Lopes Gomes Angelo Tadeu Magno Leão Bruno Miranda de Paula Carolina Dias de Oliveira Clara Faria Nascimento Daniela Leite Lage Erica Raxanne

Leia mais

Texto use sempre a fonte Arial Café Produzido com Atitude Ético,rastrável e de alta qualidade

Texto use sempre a fonte Arial Café Produzido com Atitude Ético,rastrável e de alta qualidade Café Produzido com Atitude Ético,rastrável e de alta qualidade Francisco Sérgio de Assis Diretor Pres. da Federação dos Cafeicultores do Cerrado Quem Título Somos: Uma Texto origem use produtora sempre

Leia mais

INSTRUÇÔES PARA PREENCHIMENTO

INSTRUÇÔES PARA PREENCHIMENTO INSTRUÇÔES PARA PREENCHIMENTO PROGRAMA GESTÃO DE PROPRIEDADES DE SUCESSO DE MA T O GROSSO Qual a finalidade da planilha? Hoje em dia, e no futuro cada vez mais, a realidade econômica irá exigir uma maior

Leia mais