SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS"

Transcrição

1 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS 1. INTRODUÇÃO Este documento tem por objetivo estabelecer o Sistema de Gestão da Qualidade das Atividades Pedagógicas da ESTBarreiro/IPS (SGQAP). O sistema, baseado em sistema idêntico ao implementado na Escola Superior de Saúde do IPS e com resultados positivos, utiliza diferentes tipos de critérios e indicadores (quantitativos e qualitativos) e envolve a participação dos diferentes intervenientes no processo. Pretende-se desta forma, utilizar critérios claros, comparáveis e replicáveis, baseados em informação credível, capazes de facilitar a tomada de decisões orientadas para a melhoria continuada do processo de ensino- -aprendizagem, minimizando a interferência de julgamentos individuais. Além disso, a sua aproximação ao processo adotado noutra UO do IPS, possibilita uma aprendizagem comum e a partilha de experiências. O sistema tem como objetivo a promoção de uma cultura de qualidade e procura envolver todos os intervenientes na melhoria participada e continuada das atividades de formação na ESTBarreiro/IPS. O sistema encontra-se estruturado de forma a gerar informação ao longo do tempo, permitindo, dessa forma, avaliar o impacto das medidas introduzidas e possibilitar a introdução de processos que conduzam à melhoria do funcionamento da Escola. Este documento foi aprovado, na generalidade, na 32ª reunião do Conselho Técnico- -Científico da ESTBarreiro/IPS, realizada em 4 de fevereiro de /26

2 2. NOMENCLATURA No documento é adotada a seguinte nomenclatura: Coordenador de Curso responsável pelo ciclo de estudos, tendo por missão zelar pelo bom funcionamento dos programas de formação, bem como propor ações de melhoria relativas ao seu desenvolvimento, promoção e interligação com a comunidade envolvente. Comissão de Ano de Curso comissão composta por 1 (um) representante docente e 2 (dois) discentes, de cada ano curricular do plano de estudos. As UC em que os estudantes estão inscritos compreendem o universo das UC do ano. O docente deve preferencialmente ser o mesmo para ambos os semestres, não sendo esta limitação imposta aos discentes. Comissão de Curso comissão composta pelo Coordenador de Curso e pelos membros das Comissões de Ano de Curso. Inquéritos Pedagógicos de Perceção do Processo Ensino/Aprendizagem conjunto de questões, a ser respondidas pelos estudantes e pelos docentes, relativamente ao funcionamento das unidades curriculares durante o semestre. Unidade de Melhoria Contínua composta pelo Diretor, o Presidente do Conselho Técnico-Científico, o Presidente do Conselho Pedagógico e o Presidente do Conselho de Representantes. Plano de Qualidade relatório síntese que constitui a apreciação da qualidade do processo de ensino aprendizagem desenvolvido, elaborado pelo Conselho Pedagógico. 2/26

3 3. O SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS Em termos conceptuais, e à imagem dos sistemas desenvolvidos noutras instituições (em particular na Universidade do Minho e de Aveiro e da ESS/IPS), o SGQAP estabelece os mecanismos para monitorização do processo de ensino/aprendizagem, em todos os seus níveis, partindo da base da estrutura, a Unidade Curricular (UC), passando pelos Cursos e terminando na Escola, como um todo. A estratégia para a monitorização, avaliação e melhoria do processo de ensino/aprendizagem desenvolve-se, no essencial, em sucessivos níveis de intervenção progressivamente agregados (a UC, o Curso e a Escola) e traduz-se na elaboração de relatórios anuais de monitorização dos cursos, de acordo com termos de referência adiante especificados, e um conjunto de atividades a eles associadas. Para cada nível são definidos indicadores e procedimentos, bem como os respetivos responsáveis e colaboradores, conforme o cronograma para o desenvolvimento e conclusão da recolha de dados, que se apresenta no Anexo 1. Na definição da informação relevante para aferir da qualidade do processo de ensino/aprendizagem consideram-se os parâmetros incluídos nos documentos de acreditação preliminar e os dados requeridos para elaboração do relatório de monitorização do curso. Tendo por base a informação recolhida nos inquéritos, selecionou-se um conjunto de indicadores considerados relevantes (Ver Anexo 2). O SGQAP é gerido pela Unidade de Melhoria Contínua da ESTBarreiro/IPS e tem o apoio do Núcleo de Informática, nomeadamente no que se refere à aplicação centralizada dos diversos inquéritos relativos à recolha de informação associada aos indicadores selecionados. Em resumo, o SGQAP estabelece os requisitos de organização interna dos cursos, define os mecanismos de garantia da qualidade e cria condições para responder de forma clara às questões colocadas no âmbito dos processos de autoavaliação. 3/26

4 4. A IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA (O FUNCIONAMENTO DO SISTEMA) 4.1 A Unidade de Melhoria Contínua A UMC é constituída pelos dirigentes dos principais órgãos da Escola, por constituírem os motores e o garante da implementação das regras e das mudanças que se pretendem incutir na Escola, pois são os detentores de poder de intervenção e de adoção de novas medidas, caso necessário A avaliação da qualidade do processo de ensino-aprendizagem ao nível das UC A avaliação das UC visa a melhoria contínua do seu funcionamento, sendo realizada no final das atividades letivas, com a periodicidade correspondente à sua duração (semestral). A este nível, o sistema prevê a análise do funcionamento de cada UC a partir das seguintes fontes de informação: 1. O dossiê da UC (contendo o programa e carga horária da UC, os sumários das aulas, o registo do número de presenças, os horários das aulas e os horários de atendimento de cada docente); 2. Os resultados académicos dos estudantes na UC; 3. Os resultados dos inquéritos relativos às perceções dos estudantes sobre o ensino/aprendizagem na UC; 4. Os resultados dos inquéritos relativos às perceções dos docentes sobre o ensino/aprendizagem na UC; 5. O Relatório da UC (contendo a autoavaliação da mesma). Os resultados académicos obtidos pelos estudantes ficarão expressos no Relatório da UC e incluirão o número de estudantes inscritos, avaliados, aprovados, reprovados e desistentes (abandonos), bem como a distribuição de classificações dos estudantes aprovados. O inquérito relativo às perceções dos estudantes sobre o ensino/aprendizagem na UC, igual para todas as UC, será aplicado com caráter obrigatório. O inquérito inclui diversos grupos de questões, relativos nomeadamente à autoavaliação do estudante na UC, ao desenvolvimento de competências, ao funcionamento da UC, ao desempenho dos docentes da UC e aos recursos de apoio ao ensino/aprendizagem (Anexos 4 e 5). 4/26

5 Os resultados devem também atender à dimensão do número de estudantes inscritos na UC. Assim, e preferencialmente, não serão objeto de classificação as UC com menos de 10 estudantes inscritos. Tal não invalida que, para estas UC, se tenham de executar todos os procedimentos relativos à análise de qualidade. Responsável da UC Início do Semestre Atualização da informação sobre a UC Definição da metodologia de avaliação Recolha da informação fornecida pelo Sistema de Informação Sumários Assiduidade Resultados Escolares Resultados dos Inquéritos aos Estudantes Resultados dos Inquéritos aos Docentes Identificação de SITUAÇÃO PROBLEMA Identificação de BOAS PRÁTICAS Identificação de SITUAÇÃO NEUTRA Execução OBRIGATÓRIA de Relatório de Autoavaliação Execução FACULTATIVA de Relatório de Autoavaliação Comissão de Avaliação de Ano de Curso Coordenador de Curso Unidade de Garantia de Qualidade Figura 1: Avaliação da Qualidade do Processo de Ensino Aprendizagem ao Nível das UC. 5/26

6 NOTA: REQUISITOS DO SISTEMA (1) Cabe ao Coordenador de Curso verificar (em tempo adequado) que todos os dossiês das UC se encontram devidamente preenchidos; (2) Cabe ao Responsável da UC completar a pauta de classificação (devidamente preenchida) em tempo adequado (nos prazos definidos pelo Conselho Pedagógico). A não publicação da ficha ou pauta sinaliza imediatamente a UC como UC problema; (3) Cabe à Unidade de Melhoria Continua (UMC) disponibilizar em tempo adequado os resultados dos inquéritos dos estudantes; (4) Cabe à UMC disponibilizar em tempo adequado os resultados dos inquéritos dos docentes; No final de cada semestre, e após a publicação dos resultados académicos e dos inquéritos a estudantes e docentes, o docente da Comissão de Ano do Curso a que a UC se refere, em conjunto com o responsável de cada UC, verifica a situação de cada UC de acordo com os critérios definidos (Anexo 3), e classifica-a numa das três situações seguintes: a) UC problema i. O docente deve, obrigatoriamente, elaborar o relatório de autoavaliação da UC e enviá-lo para a Comissão de Curso, respeitando os prazos estabelecidos; ii. O docente da Comissão de Ano do Curso, a que a UC se refere, solicita o envio do Relatório da Discência previamente à reunião da Comissão de Curso. b) UC em boas práticas i. O docente da Comissão de Ano do Curso a que a UC se refere solicita o envio do Relatório da Discência previamente à reunião da Comissão de Curso. c) UC em conformidade i. Não ocorre nenhum procedimento. Tal não significa que o Responsável da UC não faça o seu relatório. Apenas se considera que este não é obrigatório Relatório de Autoavaliação de cada UC O relatório de autoavaliação de cada UC está a cargo do Responsável da UC e é elaborado de acordo com as seguintes especificações (Anexo 6): a) O relatório é elaborado em formulário próprio, e inclui informação relativa ao sucesso escolar, aos sumários, à assiduidade e aos resultados dos inquéritos aos estudantes, a fornecer pelo Sistema de Informação; 6/26

7 b) A finalidade do relatório é promover, de forma sintética, a avaliação global do funcionamento da UC (com ênfase na aquisição de competências pelos estudantes), a identificação de práticas pedagógicas de mérito e a definição de planos de melhoria, quando se verifiquem resultados não satisfatórios no sucesso escolar ou nas perceções dos estudantes (UC problema); c) O relatório incidirá, nomeadamente, sobre o grau de adequação e atualização dos elementos constantes do dossiê da UC, as condições de funcionamento da UC e problemas detetados, a adequação das metodologias de ensino/aprendizagem utilizadas, a identificação de boas práticas que mereçam ser divulgadas e a adequação dos resultados de sucesso escolar face aos objetivos traçados; d) O relatório concluirá com uma análise de pontos fortes e pontos fracos, no processo de ensino-aprendizagem da UC, e com sugestões para melhoria; e) No caso de, face aos padrões e critérios adotados, a UC estar sinalizada como contendo resultados não satisfatórios (UC Problema), será obrigatoriamente proposto pelo Responsável da UC um plano de ação, em termos de medidas a tomar e respetiva calendarização, bem como os recursos necessários à sua implementação, para a resolução dos problemas identificados e a consequente melhoria do ensino. No final, o responsável da Unidade Curricular enviará o relatório para o Coordenador do Curso que o levará a reunião de Comissão de Ano de Curso, na qual será analisado, juntamente com a informação proveniente dos relatórios da discência, resultados académicos e inquéritos a estudantes e a docentes (figura 2) O Relatório da Discência Para além da informação quantitativa resultante dos inquéritos e resultados escolares, os representantes dos estudantes na Comissão de Curso elaborarão, previamente à reunião, um relatório (designado por relatório de discência, conforme Anexo 7), para as unidades curriculares consideradas exemplos de boas práticas e para as unidades curriculares consideradas em situação problema. Este relatório, com uma estrutura pré-definida, permitirá recolher a opinião dos representantes dos estudantes sobre (figura 2): a) Os pontos fortes e fracos; b) as boas práticas e c) as sugestões de melhoria. 7/26

8 A utilização desta estratégia permite que as Comissões de Curso possam aprofundar a análise das UC em situação problema, com diferentes visões e contributos de melhoria, veiculados nos respetivos relatórios. Unidade de Garantia de Qualidade Reunião Semestral Análise dos resultados da avaliação Análise dos resultados da assiduidade Análise dos Planos de Melhoria Análise do relatório de discência Identificação de boas práticas Sistema de Informação Sumários Assiduidade Resultados Escolares Resultados dos Inquéritos aos Estudantes Resultados dos Inquéritos aos Docentes Responsável pela UC Relatório de Autoavaliação da UC, incluindo Plano de Melhoria Representantes dos Estudantes Relatório de Discência Relatório da Unidade de Melhoria Contínua Coordenador de Curso Figura 2: Avaliação da Qualidade do Processo de Ensino Aprendizagem ao Nível das UC A Comissão de Ano, de cada Curso A Comissão de Ano, de cada Curso, é constituída por dois estudantes do ano do Curso em avaliação e por um docente com participação efetiva nas atividades letivas desse ano. Assim, e para cada curso, independente do regime, serão constituídas 1 (cursos de especialização tecnológica), 2 (cursos de mestrado) e 3 (cursos de licenciatura) Comissões. Em cada semestre, o Coordenador do Curso convoca cada Comissão de Curso para reunião com o objetivo de analisar o funcionamento e resultados das UC pertencentes a esse ano do curso, 8/26

9 podendo daí resultar a revisão de situações de boas práticas e situações problema, bem como dos planos de melhoria propostos pelos Responsáveis das UC. Face à análise da documentação, a Comissão emite parecer, em relatório próprio (Anexo 8) e que pode incluir novas sugestões e recomendações, sobre os planos de melhoria que constam dos relatórios de autoavaliação das UC classificadas em situação-problema ou sobre práticas pedagógicas de mérito. Em caso de serem propostas alterações ao plano de ação, o Coordenador de Curso envia as sugestões/recomendações ao Responsável da UC para eventual reformulação do seu relatório. Os contributos daí resultantes permitirão ao docente responsável chegar a uma versão final para envio à Coordenação de Curso. REQUISITOS DO SISTEMA: (1) Cabe ao Coordenador do Curso verificar (em tempo adequado) que possui toda a informação necessária para a realização da reunião com a Comissão de Curso; (2) Cabe à Comissão de Curso elaborar o relatório relativo às UC em situação-problema e em situação de recomendação para divulgação de boas práticas A avaliação da qualidade do processo de ensino-aprendizagem ao nível dos Cursos A avaliação dos cursos é realizada anualmente, em conformidade com as disposições legais em vigor. O Coordenador de cada curso, por si ou em articulação com outros elementos por si definidos, elaborará um relatório anual de monitorização, com base nos relatórios das UC, da Comissão de Curso, dos resultados do inquérito da perceção do ensino-aprendizagem acerca do curso (Anexos 4 e 5) e demais indicadores previstos no Plano da Qualidade (como, por exemplo, o tempo médio de conclusão do curso, indicadores de empregabilidade, resultados de inquéritos a estudantes, docentes, graduados e empregadores). O relatório o qual deverá privilegiar a reflexão crítica e prospetiva sobre as questões de natureza pedagógica, contemplando, nomeadamente: a) um sumário executivo de caracterização do funcionamento de todas as UC (Anexo 9); Uma síntese dos resultados de sucesso escolar, agregados por ano curricular e para o curso no seu todo, e dos resultados agregados dos inquéritos efetuados; b) Uma apreciação da resposta dada às recomendações e planos de melhoria constantes da avaliação anterior (só poderá ocorrer a partir do Ano Letivo ); 9/26

10 c) Uma reflexão sobre os indicadores de empregabilidade e o grau de adequação da formação ministrada às necessidades sentidas pelos graduados e empregadores; d) Uma síntese dos pontos fortes e fracos do curso; e) Recomendações para a melhoria da organização do curso e dos processos de ensino e aprendizagem; f) Um plano de ação com medidas corretivas e respetiva calendarização, para se ultrapassarem as dificuldades e resultados não satisfatórios que tenham sido detetados; g) A identificação de práticas pedagógicas de mérito, passíveis de serem incluídas num portefólio de boas práticas; O relatório de cada curso será discutido e aprovado no Conselho Pedagógico. Coordenador de Curso ANÁLISE DOS DADOS ANÁLISE DAS PROPOSTAS/IMPLEMENTAÇÃO DOS PLANOS DE MELHORIA Sistema de Informação Informação sobre: Indicadores de sucesso e graduação Indicadores de empregabilidade Resultados dos Inquéritos aos Estudantes acerca do curso Resultados dos Inquéritos da perceção dos Docentes que participam nas UC Comissão de Curso Relatório da Comissão de Curso Relatório Monitorização do Curso CONSELHO PEDAGÓGICO Figura 3: Avaliação da Qualidade do Processo de Ensino Aprendizagem ao Nível do Curso 10/26

11 5. A avaliação da qualidade do processo de ensino-aprendizagem ao nível da Escola O Conselho Pedagógico analisa e discute os relatórios dos cursos, produzindo um relatório síntese de apreciação da qualidade do processo de ensino aprendizagem desenvolvido, designado por Plano de Qualidade, que incluirá, nomeadamente: a) Uma apreciação da qualidade e pertinência dos relatórios dos cursos, dos planos de ação propostos e das respostas dadas a recomendações anteriores; b) O grau de adequação dos resultados obtidos aos padrões e metas estabelecidos no Plano da Qualidade do ano anterior; c) Os resultados de estudos de reflexão pedagógica promovidos no âmbito do Conselho Pedagógico, nomeadamente quanto à articulação do ensino e à melhoria pedagógica; d) Os principais pontos fortes e fracos do ensino na Escola; e) Um plano global de melhoria do ensino na Escola (síntese de recomendações e plano global de ação). CONSELHO PEDAGÓGICO Relatório de monitorização de cada curso ANÁLISE DOS RELATÓRIOS DOS CURSOS ANÁLISE DOS PLANOS DE MELHORIA CONSELHO PEDAGÓGICO Plano de Qualidade para a ESTBarreiro/IPS CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO (Parecer) DIREÇÃO Figura 4: Avaliação da Qualidade do processo de ensino-aprendizagem ao nível da Escola O Plano de Qualidade é posteriormente enviado para o Conselho Técnico-Científico, podendo pronunciar-se sobre aspetos que considere relevantes no âmbito das suas competências. Finalmente, a Direção toma conhecimento do relatório do Conselho Pedagógico e da sua apreciação pelo Conselho Técnico-Científico, que integra no relatório anual da unidade orgânica, a submeter ao 11/26

12 Conselho de Representantes da Escola, o qual se poderá pronunciar sobre aspetos adicionais no âmbito das suas competências, nomeadamente quanto às recomendações e plano global de ação e a aspetos relacionados com a gestão de recursos humanos e materiais. 12/26

13 Lista de Anexos Anexo 1 - Cronograma Anexo 2 - Indicadores Anexo 3 - Critérios para as classificações das UC Anexo 4 - Inquéritos (Perceção do Ensino/Aprendizagem UC; Docente; Curso) Anexo 5 - Procedimentos para a Recolha de Informação relativa à perceção dos estudantes e docentes Anexo 6 - Relatório de autoavaliação de cada UC Anexo 7 - Relatório de discência Anexo 8 - Relatório da Comissão de Ano, por cada Curso Anexo 9 - Sumário executivo de caracterização do funcionamento de todas as UC Anexo 10 - Volume de trabalho 13/26

14 ANEXO 1 Cronograma (mapa cronológico provisório do SGQAP em ação, a atualizar anualmente) Até 15 de setembro Até 1 de março Até 28 de fevereiro (e 31 de julho) Responsáveis das UC Completar/atu alizar os Dossiers das UC do 1º Semestre Verificado pelo Coordenador de Curso Responsáveis das UC Publicação das pautas Verificado pelo Coordenador de Curso Conselho Pedagógico Publicação dos resultados dos inquéritos Até 15 de março (e 7 de setembro) Concluir os Relatórios das UC Verificado pelo Coordenado r de Curso Até 15 de março Até 15 de julho Representantes dos Estudantes na Comissão de Curso Elaborar Relatório de Discência das UC com problemas Solicitado pelo Coordenador de Curso Até 31 de março (e 30 de setembro) Comissão de Curso Reunião de Avaliação e Elaboração do Relatório da Comissão de Curso Convoca o Coordenador de Curso Até 30 de abril (e 31 de outubro) Responsáveis das UC Revisão dos Planos de Melhoria, se justificável Solicitado pelo Coordenador de Curso 1. Até 31 de outubro de cada ano CRONOGRAMA DA ATIVIDADE DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO Indicação, pelo Conselho Pedagógico (CP), dos discentes que integram a Comissão de Ano, de cada ano de cada curso, para os dois semestres, sob proposta dos estudantes, informando a Unidade de Melhoria Contínua (UMC). Indicação, pelo Coordenador de Curso, dos docentes que integram as Comissões de Ano, de cada ano de cada curso, para os dois semestres. Designação, pela UMC, das Comissões de Ano. 2. Até 28 de fevereiro (e 31 de julho) O Coordenador de Curso alerta os docentes para a elaboração dos Relatórios das Unidades Curriculares. 3. Até 15 de março (e 7 de setembro) Envio, pelos Responsáveis das UC, dos RUC (sem inclusão da informação relativa a Época Especial) aos Coordenadores dos Cursos a que a UC pertence, que os remete para as Comissões de Ano. Envio, pelos discentes, dos relatórios da discência aos Coordenadores dos Cursos a que a UC pertence, que os remete para as Comissões de Ano. 4. Até 20 de março (e 12 de setembro) A Comissão de Ano verifica os RUC e a existência de propostas de melhoria, para as UC Problema. 14/26

15 4. Até 31 de março (e 30 de setembro) As Comissões de Ano elaboram os Relatórios de Comissão de Ano. 5. Até 15 abril (e 15 de outubro) O Coordenador de Curso elabora o Sumário Executivo de caracterização do funcionamento de todas as UC, que envia para a UMC. A Direção compila os dados relativos aos indicadores de sucesso de todas as UC e o CP os indicadores de perceção das atividades pedagógicas, que enviam para a UMC. Até 30 de abril (e 31 de outubro) A UMC analisa a informação relativa às UC e solicita, se necessário, a revisão dos planos de melhoria e elabora e Relatório da Unidade de Melhoria Contínua. 15/26

16 ANEXO Indicadores Semestrais de Desempenho dos Estudantes (Progressão dos estudantes, taxas de sucesso, empregabilidade e inserção profissional) e de Perceção de Ensino/Aprendizagem (Desenvolvimento de competências, funcionamento da UC, desempenho docente) Dimensão Indicadores Responsável Calendarização Informação 1. Taxa de aprovação Este indicador mede a taxa global de sucesso RUC Após 2ª Época global à avaliação regular (aprovados/inscritos) 2. Taxa de aprovação em Este indicador mede a taxa de sucesso dos RUC Após 2ª Época avaliação estudantes avaliados (aprovados/avaliados) Este indicador mede a taxa global de não 3. Taxa de não avaliação RUC Após 2ª Época avaliação (não avaliados/inscritos) Sucesso escolar Perceção 4. Taxa média de assiduidade 5. Média das classificações dos aprovados à UC 6. Desenvolvimento de competências RUC RUC UMC 7. Funcionamento da UC UMC 8. Perceção do desempenho docente 9. Avaliação dos Estudantes na UC UMC UMC 10. Funcionamento da UC UMC Após 2ª Época Após 2ª Época Inquéritos semestrais aos estudantes Inquéritos semestrais aos estudantes Inquéritos semestrais aos estudantes Inquéritos semestrais aos docentes Inquéritos semestrais aos docentes Média da assiduidade dos estudantes inscritos (Σ Número de presenças em todas as aulas/ Σ Número de inscritos x Número de aulas). Quanto mais afastado de 100%, menor a assiduidade Este indicador mede a qualidade da formação. Quanto mais elevada, melhor deverá ser a qualidade dos aprovados Média das respostas às 6 questões relativas ao Desenvolvimento de Competências Média das respostas às 7 questões relativas ao Funcionamento da UC Média das respostas às 6 questões relativas ao Desempenho do Docente Média das respostas às 6 questões relativas ao Avaliação aos Estudantes na UC Média das respostas às 7 questões relativas ao Funcionamento da UC 16/26

17 ANEXO Indicadores anuais de Desempenho dos Estudantes (Progressão dos estudantes, taxas de sucesso, empregabilidade e inserção profissional) e de Perceção de Ensino/Aprendizagem (Desenvolvimento de competências, funcionamento da UC, desempenho docente) Dimensão Indicadores Responsável Calendarização Informação 1. Taxa global de Este indicador mede a taxa global de sucesso UMC Após Época Especial aprovação global à avaliação da UC (aprovados/inscritos) 2. Taxa global de Este indicador mede a taxa global de sucesso UMC Após Época Especial aprovação em avaliação dos estudantes avaliados (aprov./avaliados) 3. Taxa de retenção no Ano UMC Após Época Especial Este indicador mede a taxa de reprovação Sucesso 4. Taxa de não avaliação UMC Após Época Especial Este indicador mede a taxa de não avaliação escolar 5. Taxa de abandono Após inscrições no ano Este indicador mede a taxa de abandono UMC escolar letivo seguinte escolar Este indicador mede a progressão dos 6. Relação entre o ano estudantes ao longo do curso, devendo ser curricular de inscrição e o UMC Após Época Especial calculado para todos os anos. Quanto mais número de anos letivos de afastado de 100%, menor a eficiência inscrição formativa 7. Taxa de diplomados por inscritos UMC Após Época Especial Este indicador mede a eficiência formativa 8. Média dos diplomados UMC Após Época Especial Este indicador mede a qualidade do produto da formação. Quanto mais elevado, melhor deverá ser a qualidade dos diplomados 9. % de diplomados em N Graduação anos UMC Após Época Especial 10. % de diplomados em UMC Após Época Especial N+1 anos Estes indicadores medem o sucesso 11. % diplomados em N+2 académico e a eficiência formativa do curso UMC Após Época Especial anos 12. % diplomados em N+3 anos UMC Após Época Especial 13. % de diplomados que obtiveram emprego na OIVA Após Época Especial área Empregabilidade 14. % de diplomados que obtiveram emprego noutra área 15. % de diplomados que obtiveram emprego durante o 1º ano após conclusão do curso OIVA OIVA Após Época Especial Após Época Especial Estes indicadores medem a empregabilidade dos diplomados 17/26

18 ANEXO 3 CRITÉRIOS PARA A CLASSIFICAÇÃO DAS UC Apenas são classificadas as UC com mais de 10 estudantes inscritos. 1. Classificação das UC em função dos resultados académicos Considera-se que as UC não se encontram em situação-problema quando: 1. A taxa de aprovados/inscritos seja superior a 50% e inferior a 90%; 2. Quando a taxa for inferior a 50%, considera-se ainda como não se encontrando em situação problema se a taxa aprovados/avaliados for superior a 70% e a taxa avaliados/inscritos seja superior a 50%. 2. Classificação das UC em função dos resultados dos inquéritos pedagógicos Considera-se que as UC não se encontram em situação-problema quando: 1. As médias dos resultados obtidos em cada um dos tópicos em avaliação (itens 6 a 10 do Anexo 2.1) se situam acima de Quando tal não se verifique, considera-se ainda como não se encontrando em situação problema se todos os tópicos em avaliação associados às respostas dos estudantes (itens 6, 7 e 8 do Anexo 2.1) apresentarem uma média acima de 3. 18/26

19 ANEXO 4 - INQUÉRITOS PERCEPÇÃO DO ENSINO APRENDIZAGEM UNIDADE CURRICULAR PERCEPÇÃO DO ENSINO APRENDIZAGEM CURSO PERCEPÇÃO DO ENSINO APRENDIZAGEM DOCENTE 19/26

20 ANEXO 5 - Procedimentos para a recolha de informação relativa à perceção dos estudantes e docentes (da responsabilidade da UMC) Inquéritos Inquérito aos estudantes 1º Ano/1ª Vez Inquérito pedagógico aos estudantes, relativo às UC do 1º semestre Inquérito pedagógico aos docentes relativo às UC do 1º semestre Inquérito pedagógico aos estudantes, relativo às UC do 2º semestre Inquérito pedagógico aos docentes relativo às UC do 2º semestre Inquérito aos estudantes sobre a qualidade do curso e instalações Calendarização Preenchimento no ato de matrícula Preenchimento obrigatório no mês de janeiro Preenchimento obrigatório no mês de junho Preenchimento em junho (em simultâneo com os inquéritos pedagógicos do 2º semestre) 20/26

21 ANEXO 6 - Relatório de Autoavaliação da Unidade Curricular (conjunto de questões a serem respondidas pelo Responsável da UC) 1. Nome da UC, Docente responsável 2. Corpo docente Docente Cargo Horas Lecionadas Tipo de Aula* * - T: Teórica; TP: Teórico-prática; P Prática; L - Laboratório 3. Indicadores Taxas [%] Curso Regime Inscritos (Ins) Aprovados/Inscritos (Apr/Ins) Aprovados/Avaliados (Apr/Av) Avaliados/Inscritos (Av/Ins) 4. Analise a adequação e articulação das atividades propostas aos resultados de aprendizagem definidos para a UC e a adequação dessas atividades às competências adquiridas anteriormente 5. Avalie a adequação dos meios disponibilizados para o funcionamento das aulas desta UC 21/26

22 6. Analise a informação combinada dos seguintes parâmetros da UC: métodos de avaliação; percentagem de estudantes não avaliados; desempenho global da UC. 7. Analise a informação combinada dos seguintes parâmetros da UC: nº de ECTS da UC; carga de trabalho estimada pelos estudantes; desempenho global da UC. 8. Identifique os pontos fortes/fracos do desempenho docente 9. Plano de melhoria (obrigatório caso a UC tenha sido classificada em situação problema ) a. Descrição genérica do Plano de Melhoria b. Indicação das ações a implementar e dos recursos necessários para a sua implementação (preencher o quadro) Ação Recurso Anexo 1 - Enunciados dos Trabalhos, Testes e Exames Anexo 2 Enunciados/documentos de ensino à distância Anexo 3 - Pauta global da Unidade Curricular 22/26

23 ANEXO 7 - Relatório da Discência Nome da UC, Curso, Ano Curricular da UC 1. Pontos fortes e pontos fracos do processo de ensino-aprendizagem nesta UC: 1.1) Pontos fortes: 1.2) Pontos fracos 2. Boas Práticas implementadas ao longo do processo de ensino-aprendizagem desta UC: Preencher apenas nas situações indicadas para boas práticas de acordo com os critérios estabelecidos no Plano de Qualidade (Conselho Pedagógico). 3. Comentários finais e sugestões de melhoria: 23/26

24 ANEXO 8 - Relatório das Comissões de Ano por Curso Nome da UC 1. Avalie a adequação do plano de melhoria sugerido: Adequado Não adequado Não aplicácel 2. Sugestões (obrigatórias no caso da opção situação-problema ter sido a assinalada) 3. Recomendações para divulgação de boas práticas 24/26

25 ANEXO 9 - Sumário executivo de caracterização do funcionamento de todas as UC (a ser preenchido pelo Coordenador de Curso) Número total de UC; número de UC no padrão de normalidade; número de UC classificadas em situação de excelência; número de UC classificadas em situação problema 1. Análise do desempenho das UC (comentário geral) 2. Análise das ações conducentes à melhoria das UC 2.1. Análise das soluções encontradas para a melhoria Unidade Curricular Ações (dos vários Planos de Melhoria) Recursos (dos vários Planos de Melhoria) 2.2. Identificação dos recursos (preencher a tabela - Coordenador de Curso) Recursos Agregados (por ordem de prioridade) Recursos indicados nos Planos de Melhoria originais 2.3. Caracterização da importância dos recursos 25/26

26 ANEXO 10 - Volume de Trabalho 1. Responsáveis das UC Concluir os Relatórios de Autoavaliação da UC; 2. Representantes dos Estudantes na Comissão de Curso Elaborar Relatório da Discência das UC do 1º e 2º Semestre 3. Comissão de Curso Até duas reuniões de Avaliação (UC do 1º e 2º Semestre) Relatório da Comissão de Curso 4. Coordenadores de Cursos Até oito reuniões de Avaliação (UC do 1º e 2º Semestre por anos de curso); Relatório de Monitorização do Curso (incluindo o sumário executivo de caracterização do funcionamento de todas as UC). 5. Conselho Pedagógico Plano de Qualidade para a ESTBarreiro/IPS 26/26

formativa e das atividades de ensino e de aprendizagem nela desenvolvidas;

formativa e das atividades de ensino e de aprendizagem nela desenvolvidas; Índice 1- ENQUADRAMENTO... 2 2- METODOLOGIA... 3 3- INSTRUMENTOS... 4 3.1. Ficha da unidade curricular... 4 3.2. Inquéritos de apreciação ensino/aprendizagem... 4 3.3. Formulários... 4 3.4. Dossiers...

Leia mais

PEDIDO ESPECIAL DE RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE CICLO DE ESTUDOS NÃO-ALINHADO (PERA) Guião de apresentação do pedido

PEDIDO ESPECIAL DE RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE CICLO DE ESTUDOS NÃO-ALINHADO (PERA) Guião de apresentação do pedido PEDIDO ESPECIAL DE RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE CICLO DE ESTUDOS NÃO-ALINHADO (PERA) (Ensino Universitário e Politécnico) Guião de apresentação do pedido Versão 1.0 março de 2015 0. Âmbito do guião e síntese

Leia mais

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING

REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS EM COMUNICAÇÃO E MARKETING O presente regulamento foi homologado pelo Presidente da ESEV, a 18

Leia mais

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/28031 Relatório preliminar da CAE (Poli) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora:

Leia mais

Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes

Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes Regulamento dos Cursos de Língua Estrangeira da Universidade de Trásos-Montes e Alto Douro Artigo 1º Objeto O presente regulamento define um conjunto de normas e orientações dos Cursos de Língua Estrangeira

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DAS UNIDADES DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DO PORTO Artigo 1º (Âmbito) O presente regulamento aplica se a todos os cursos ministrados no ISEP, podendo existir casos em

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS REGULAMENTO DOS CURSOS DE MESTRADO DA ESTBarreiro/IPS Artigo 1.º Duração e estrutura do ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre 1. O ciclo de estudos conducente ao grau de Mestre, ministrado na ESTBarreiro/IPS,

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 - O presente regulamento tem por finalidade estatuir a elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), do Curso

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Formação

Regulamento do Núcleo de Formação Regulamento do Núcleo de Formação 2013 1.Nota Introdutória Qualquer processo de formação com qualidade exige medidas e instrumentos de normalização e controlo, que permitam garantir desempenhos de excelência

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE

FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA REGULAMENTO DO SEGUNDO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE O presente Regulamento tem como lei habilitante o Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de Março,

Leia mais

Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015)

Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) Curso de Formação Curso para a Utilização do Excel na Atividade Docente (Data de início: 16/06/2015 - Data de fim: 30/06/2015) I - Autoavaliação (formandos) A- Motivação para a Frequência da Ação 1- Identifique,

Leia mais

Manual do Ensino Aprendizagem SIGAQUIPAM

Manual do Ensino Aprendizagem SIGAQUIPAM Manual do Ensino Aprendizagem SIGAQUIPAM Índice Preambulo... 3 ÁREA (ii) APRENDIZAGENS E APOIO AOS ESTUDANTES... 5 1. ASSESSMENT/AVALIAÇÃO... 7 2. IMPROVEMENT/MELHORIA... 7 3. ENGAGEMENT/COMPROMISSO/GARANTIA...

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÕES DO INSTITUTO SUPERIOR DE TECNOLOGIAS AVANÇADAS INDICE PREÂMBULO... 2 ARTIGO 1 - (Âmbito)... 2 ARTIGO 2 (Natureza)... 2 ARTIGO 3 (Gestão das atividades de pós-gradução)...

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA. Regulamento do Terceiro Ciclo de Estudos. Conducente ao Grau de Doutor/a em Direito

FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA. Regulamento do Terceiro Ciclo de Estudos. Conducente ao Grau de Doutor/a em Direito FACULDADE DE DIREITO UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Regulamento do Terceiro Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Doutor/a em Direito (versão em vigor a partir de 26 de março de 2015) Artigo 1.º Objeto 1

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 I INTRODUÇÃO De acordo com a legislação em vigor, a avaliação é um elemento integrante e regulador de todo o processo de ensino aprendizagem. A avaliação visa promover

Leia mais

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013 2012 2013 Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012/2013 Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 21.03.2013 1. ÂMBITO Dando cumprimento ao disposto no decreto regulamentar nº 26/2012, de 21 de

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

Manual. Coordenador / Diretor de Curso. Ano letivo 2012/2013

Manual. Coordenador / Diretor de Curso. Ano letivo 2012/2013 Manual do Coordenador / Diretor de Curso Ano letivo 2012/2013 Índice Índice... 1 Atribuições do Coordenador/Diretor de Curso... 2 Horários... 4 Alteração de Horários... 5 Arquivo de Documentação... 5 C1

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

Guião para a autoavaliação. Ciclo de estudos em funcionamento. (Ensino Universitário e Politécnico)

Guião para a autoavaliação. Ciclo de estudos em funcionamento. (Ensino Universitário e Politécnico) Guião para a autoavaliação Ciclo de estudos em funcionamento (Ensino Universitário e Politécnico) Guião ACEF 2014/2015 PT (Revisão aprovada em 26.03.2014) Caracterização do pedido A1. Instituição de ensino

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Compete ao conselho pedagógico, enquanto órgão de gestão pedagógica da escola, definir, anualmente, os critérios gerais de avaliação e

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS Agrupamento de Escolas Gaia Nascente REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO BÁSICO Escola Secundária Gaia Nascente Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão

REGULAMENTO. Elaborado por: Aprovado por: Versão REGULAMENTO Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Elaborado por: Aprovado por: Versão Reitor 1.2 (Professor Doutor Rui Oliveira) Revisto e Confirmado por: Data de Aprovação Inicial (José João Amoreira)

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE MONITORIA DO CURSO DE PEDAGOGIA Cachoeira, março de 2011 REGULAMENTO DE MONITORIA ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º

Leia mais

Regulamento Cursos de Pós Graduação

Regulamento Cursos de Pós Graduação A Associação Amigos da Grande Idade (AAGI) é uma entidade de direito privado, sem fim lucrativos, tendo por isso capacidade para desenvolver em colaboração com o Instituto Superior de Línguas e Administração

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE TEOLOGIA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES. Artigo 1º Âmbito de aplicação

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE TEOLOGIA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES. Artigo 1º Âmbito de aplicação 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA FACULDADE DE TEOLOGIA REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DOS DOCENTES Artigo 1º Âmbito de aplicação O presente regulamento aplica-se a todos os docentes da Faculdade de Teologia

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ESCOLAR EM CURSOS SUPERIORES E PÓS-SECUNDÁRIOS DA ESTBARREIRO/IPS

REGULAMENTO GERAL DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ESCOLAR EM CURSOS SUPERIORES E PÓS-SECUNDÁRIOS DA ESTBARREIRO/IPS REGULAMENTO GERAL DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ESCOLAR EM CURSOS SUPERIORES E PÓS-SECUNDÁRIOS DA ESTBARREIRO/IPS Aprovado na 12ª reunião do Conselho Pedagógico da ESTBarreiro/IPS de 24 de abril de 2012 Alterado

Leia mais

r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO

r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO ti,. GOVERNO DE r I MINISTÉRIOOAEDUCAÇAO PORTUGAL ECI~NCIA Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares do Centro AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA CRUZ DA TRAPA 330309 CONTRIBUINTE N.o600080102 AV. SÃO

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

Oficina de Formação. O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais

Oficina de Formação. O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais Oficina de Formação O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais (Data de início: 09/05/2015 - Data de fim: 27/06/2015) I - Autoavaliação

Leia mais

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM PSICOLOGIA CLÍNICA E DA SAÚDE

REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM PSICOLOGIA CLÍNICA E DA SAÚDE REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM PSICOLOGIA CLÍNICA E DA SAÚDE Artigo 1º Objeto O Regulamento do 2º Ciclo de Estudos Conducentes ao Grau de Mestre em Psicologia Clínica

Leia mais

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO

REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO REGULAMENTO FORMAÇÃO EM CONTEXTO TRABALHO FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito 1. A Formação em Contexto de Trabalho (FCT) faz parte integrante do Plano Curricular de qualquer

Leia mais

Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional

Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional Capítulo I Objetivos Artigo 1º - O Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (PROFMAT) tem como objetivo proporcionar formação

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015

REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 REGULAMENTO DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 2013 / 2015 ÍNDICE 1. Introdução 1 2. Finalidades e objectivos educacionais 2 3. Organização interna do CEAH 2 4. Habilitações de acesso

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

REGULAMANTO DE CRIAÇÃO, ACREDITAÇÃO INTERNA E CREDITAÇÃO DE AÇÕES DE FORMAÇÃO DA ESTG. Deliberação CTC-2013/1, de 13 de fevereiro PREÂMBULO

REGULAMANTO DE CRIAÇÃO, ACREDITAÇÃO INTERNA E CREDITAÇÃO DE AÇÕES DE FORMAÇÃO DA ESTG. Deliberação CTC-2013/1, de 13 de fevereiro PREÂMBULO REGULAMANTO DE CRIAÇÃO, ACREDITAÇÃO INTERNA E CREDITAÇÃO DE AÇÕES DE FORMAÇÃO DA ESTG Deliberação CTC-2013/1, de 13 de fevereiro 13 02 2013 00 PREÂMBULO A oferta de ações de formação insere-se no âmbito

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Alteração ao Regime Jurídico da Avaliação do Ensino Superior Num momento em que termina o ciclo preliminar de avaliação aos ciclos de estudo em funcionamento por parte da Agência de Avaliação e Acreditação

Leia mais

FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO 1 REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (Lei Nº 11.788 / 2008) Regulamenta as atividades do Estágio Curricular da FAMEC e estabelece normas

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO Introdução O presente Regulamento foi concebido a pensar em si, visando o bom funcionamento da formação. Na LauTraining Formação e Consultoria, vai encontrar um ambiente de trabalho e de formação agradável

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Regulamento do Estágio Curricular Obrigatório do Bacharelado em Ciências Biológicas 1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DOS CURSOS DA FACULDADE DE ENGENHARIA REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DOS CURSOS DA FACULDADE

Leia mais

Regulamento de Monitoria do Curso de Medicina da UNOESTE. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CAPÍTULO I DA APRESENTAÇÃO

Regulamento de Monitoria do Curso de Medicina da UNOESTE. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CAPÍTULO I DA APRESENTAÇÃO Regulamento de Monitoria do Curso de Medicina da UNOESTE. REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE MONITORIA CAPÍTULO I DA APRESENTAÇÃO Art. 1º O presente Regulamento estabelece as finalidades, objetivos, atribuições

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO A APLICAR AOS 1 OS CICLOS DE ESTUDOS DOS CURSOS ADEQUADOS AO PROCESSO DE BOLONHA I Calendário e carga horária 1. O ano escolar tem início em Setembro e termina em

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC ESPECÍFICO PARA O CURSO DE DIREITO

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC ESPECÍFICO PARA O CURSO DE DIREITO CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC ESPECÍFICO PARA O CURSO DE DIREITO 2 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ART. 1 - O presente Regulamento tem por finalidade normatizar as atividades

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA FORMAÇÃO O presente Regulamento pretende enquadrar as principais regras e linhas de orientação pelas quais se rege a atividade formativa da LEXSEGUR, de forma a garantir

Leia mais

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS)

Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) Regulamento de Aplicação do Sistema do Europeu de Transferência de Créditos (ECTS) à formação ministrada pelo Instituto Politécnico de Santarém (IPS) CAPÍTULO I Objecto, âmbito e conceitos Artigo 1º Objecto

Leia mais

EDITAL MESTRADO EM JOGO E MOTRICIDADE NA INFÂNCIA. (Edição 2012-2014)

EDITAL MESTRADO EM JOGO E MOTRICIDADE NA INFÂNCIA. (Edição 2012-2014) 1/10 EDITAL MESTRADO EM JOGO E MOTRICIDADE NA INFÂNCIA (Edição 2012-2014) Nos termos do Decreto-Lei nº 42/2005, de 22 de fevereiro, do Decreto-Lei nº 74/2006, de 24 de março, com as alterações que lhes

Leia mais

Guião para apreciação dos pedidos de registo da criação de cursos técnicos superiores profissionais

Guião para apreciação dos pedidos de registo da criação de cursos técnicos superiores profissionais Guião para apreciação dos pedidos de registo da criação de cursos técnicos superiores profissionais NOTA: Aconselha-se a utilização dos novos formulários, uma vez que se procedeu a uma otimização nas suas

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Vagos 161070 REGIMENTO DOS PRÉMIOS DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

Agrupamento de Escolas de Vagos 161070 REGIMENTO DOS PRÉMIOS DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO Agrupamento de Escolas de Vagos 161070 REGIMENTO DOS PRÉMIOS DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO maiol2014 Índice Página Preâmbulo... 2 Artigo 1.º - Objetivo e Âmbito... 2 Artigo 2.º - Composição...

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DA JUSTIÇA REGULAMENTO. Objeto, duração e definições

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DA JUSTIÇA REGULAMENTO. Objeto, duração e definições CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO E ORGANIZAÇÃO DA JUSTIÇA REGULAMENTO Objeto, duração e definições Artigo 1.º Objecto do Curso 1. O Curso de Especialização em Gestão e Organização da Justiça é um Curso de

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DOCENTE PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CIENTÍFICA (PIBID/FAI) EDITAL N O.

EDITAL DE SELEÇÃO DOCENTE PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CIENTÍFICA (PIBID/FAI) EDITAL N O. EDITAL DE SELEÇÃO DOCENTE PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CIENTÍFICA (PIBID/FAI) EDITAL N O. 004/15 1. APRESENTAÇÃO A Direção-Geral das FACULDADES ADAMANTINENSES INTEGRADAS

Leia mais

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS

CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS CRITÉRIOS DE QUALIFICAÇÃO DE PESSOAL DOCENTE PARA A ACREDITAÇÃO DE CICLOS DE ESTUDOS Versão 1.1 Setembro 2013 1. Critérios (mínimos) de referência quanto à qualificação do corpo docente para a acreditação

Leia mais

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS

REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORI- ZAÇÃO PROFISSIONAIS Documento aprovado por deliberação do Conselho Superior em 16 de julho de 2014 P á g i n a 0 REGULAMENTO DA FORMAÇÃO E DA VALORIZAÇÃO PROFISSIONAIS

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

REGULAMENTO DA QUALIDADE ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO

REGULAMENTO DA QUALIDADE ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO DA QUALIDADE ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO 24-07-2012 1 ÍNDICE 1.POLÍTICADEGARANTIADAQUALIDADE...1 2.SISTEMADEGARANTIADAQUALIDADE...2 2.1. ESTRUTURA DA GESTÃO DA QUALIDADE...3 2.2. AUTOAVALIAÇÃO...5

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 47 Data: 2013/12/04 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento de Formação Contínua. Para os devidos efeitos, informa-se a comunidade

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

Desenvolver a capacidade de planejamento para identificar, analisar e programar abordagens e soluções para problemas reais;

Desenvolver a capacidade de planejamento para identificar, analisar e programar abordagens e soluções para problemas reais; REGULAMENTO DO PROJETO INTEGRADOR DO CURSO DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS ASSIS CHATEAUBRIAND CAPÍTULO 1: DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 Este

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015 Orientações da SADD 2014/15 Aprovadas no C.P. 14 janeiro 2015 Pág. 1 / 11 \FUNDAMENTAÇÃO Avaliação: Docentes em regime de contrato de trabalho a termo resolutivo Avaliação: Docentes integrados na carreira

Leia mais

PROGRAMA DE EXTENSÃO DA FASETE - PROESETE Edital de 15 de setembro de 2015.

PROGRAMA DE EXTENSÃO DA FASETE - PROESETE Edital de 15 de setembro de 2015. Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão da Faculdade Sete de Setembro PROGRAMA DE EXTENSÃO DA FASETE - PROESETE Edital de 15 de setembro de 2015. Considerando que a extensão universitária constitui um processo

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA. Julho de 2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GIL VICENTE PLANO DE MELHORIA Julho de 2012 Rua da Verónica, 37, 1170-384 Lisboa Tel: 218860041/2 Fax: 218868880 Email: geral@aegv.pt INDICE I. Introdução. 3 II. Ponto de partida.....

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º Este Regulamento estabelece a normatização das disciplinas

Leia mais

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor:

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: - Conselho Municipal de Educação de Vila Real - Proposta de Regulamento ---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO FASIPE CENTRO EDUCACIONAL LTDA. Mantenedora Faculdade Cenecista de Sinop Facenop/FASIPE Mantida REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO SINOP / MATO GROSSO 2014

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO DE COMPETÊNCIAS, FORMAÇÃO E EXPERIENCIA PROFISSIONAL Considerando que, nos termos do n 3 do artigo 45. do Decreto -Lei n 74/2006, de 24 de margo, alterado pelos Decretos-Lei n

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE AÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJETO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS

APRESENTAÇÃO DE AÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJETO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS CONSELHO CIENTÍFICO-PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE AÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJETO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS Formulário de preenchimento obrigatório,

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES FUNDAÇÃO FUPAC GOVERNADOR VALADARES 2010 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO INTRODUÇÃO Todo aluno

Leia mais

REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR REGULAMENTO DO XLV CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR 1. Introdução O Curso de Especialização em Administração Hospitalar (CEAH) da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) da Universidade

Leia mais

CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS

CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS Os Cursos de Educação e Formação de Adultos (cursos EFA) são um instrumento fundamental para a qualificação da população adulta. Os Cursos EFA são destinados a

Leia mais

EDITAL DE BOLSAS DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

EDITAL DE BOLSAS DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL DE BOLSAS DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Rubens Guilhemat, Secretário Geral do Centro Universitário Sant Anna, no uso de suas atribuições torna público o presente EDITAL que regerá o Processo

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

REGULAMENTO DA SEMANA DA ENGENHARIA

REGULAMENTO DA SEMANA DA ENGENHARIA REGULAMENTO DA SEMANA DA ENGENHARIA A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando que o projeto dos cursos de engenharia

Leia mais

C R E D I T A Ç Ã O D E F O R M A Ç Ã O E D E E X P E R I Ê N C I A P R O F I S S I O N A L

C R E D I T A Ç Ã O D E F O R M A Ç Ã O E D E E X P E R I Ê N C I A P R O F I S S I O N A L ISAL Instituto Superior de Administração e Línguas Regulamento de Creditação de Formação e de Experiência Profissional Preâmbulo O n.º 1 do artigo 45.º-A do Decreto-Lei n.º 115/2013, de 7 de agosto, prevê

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015

Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015 Regimento das Actividades de Enriquecimento Curricular 2014-2015 Índice Introdução 3 Artigo 1.º - Enquadramento 3 Artigo 2.º - Período de funcionamento/instalações 4 Artigo 3.º - Normas de inscrição/funcionamento

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira

Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Regulamento do 2º ciclo de estudos da Universidade da Madeira Artigo 1.º Enquadramento jurídico O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA. Março de 2015 4ª Edição REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA Março de 2015 4ª Edição Índice 1 O DEPARTAMENTO DE FORMAÇÃO... 3 1.1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA... 3 1.2. ESTRUTURA... 3 2 CONDIÇÕES DE FUNCIONAMENTO DA

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

Instituto Superior de Saúde do Alto Ave RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA

Instituto Superior de Saúde do Alto Ave RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO LICENCIATURA EM FISIOTERAPIA Período de Referência: Ano letivo 2012/2013 Novembro de 2013 Índice Geral INTRODUÇÃO...1 Capítulo I. Elaboração do Relatório de Autoavaliação...2

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores;

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores; CENTRO DE ENSINO SUPERIOR FABRA MANTENEDOR DA ESCOLA DE ENSINO SUPERIOR FABRA Cred. Pela Portaria Ministerial nº 2787 de 12/12/2001 D.O.U. 17/12/2001 Rua Pouso Alegre, nº 49 Barcelona Serra/ES CEP 29166-160

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E B E N A V E N T E INTRODUÇÃO Tendo por base os normativos legais

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO MÓDULO EDITAL 2015/2

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO MÓDULO EDITAL 2015/2 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO MÓDULO EDITAL 2015/2 Abertura de Processo Seletivo para o Programa de Iniciação Científica do Universitário Módulo A Reitoria do Universitário

Leia mais

Trabalho de Conclusão do Curso (TCC)

Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) CURSO DE ENFERMAGEM Trabalho de Conclusão do Curso (TCC) O Trabalho de Conclusão de Curso ou Monografia constitui um instrumento que possibilita ao acadêmico a oportunidade de demonstrar o grau de habilidade

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS PRINCÍPIOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS PRINCÍPIOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS PRINCÍPIOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ARTIGO 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) tem os seguintes princípios: 1.1 Consolidar o ISEAT na

Leia mais

No Estágio Curricular Supervisionado em História II a carga horária será de: Teoria- 40h/aula e Prática - 60h: Estágio de regência na escola.

No Estágio Curricular Supervisionado em História II a carga horária será de: Teoria- 40h/aula e Prática - 60h: Estágio de regência na escola. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA CURSO DE HISTÓRIA/LICENCIATURA MANUAL DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO EM HISTÓRIA Apresentação O Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

SISTEMA DE GARANTIA DA QUALIDADE DO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

SISTEMA DE GARANTIA DA QUALIDADE DO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO SISTEMA DE GARANTIA DA QUALIDADE DO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM NA UNIVERSIDADE DE AVEIRO Página 1/52 ÍNDICE 0. Preâmbulo...4 1. Sistema de Qualidade do Processo de Ensino-Aprendizagem na Universidade

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI REGULAMENTO NO NÚCLEO DE PESQUISA E EXTENSÃO DA FEATI NUPEFE Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti FEATI SEÇÃO I Da Natureza e Missão Art. 1 O Núcleo de Pesquisa e Extensão da FEATI

Leia mais