ambulatorial e tem-se mostrado efetivo e eficiente para a aplicação coletiva, além de ser de baixo custo.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ambulatorial e tem-se mostrado efetivo e eficiente para a aplicação coletiva, além de ser de baixo custo."

Transcrição

1 Conhecimento das mulheres em idade reprodutiva sobre o exame preventivo do câncer cérvico uterino Conocimiento de las mujeres en edad reproductiva sobre el examen preventivo de cáncer cérvico uterino Edvaldo Jesus da Mota* Priscila Ferreira dos Reis* Diana Matos Silva** Carla Silvana de Oliveira e Silva** Ana Paula Oliveira** Henrique Andrade Barbosa** Luís Paulo Souza e Souza*** Écila Campos Mota**** *Acadêmicos do Curso de Graduação em Enfermagem das Faculdades Santo Agostinho. Montes Claros. Minas Gerais, MG **Professores do Curso de Graduação em Enfermagem das Faculdades Santo Agostinho, Montes Claros, MG ***Acadêmico do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Estadual de Montes Claros, Montes Claros, MG ****Professora do Curso de Graduação em Enfermagem das Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros, FIP-Moc e das Faculdades Santo Agostinho. Montes Claros, MG (Brasil) Resumo O presente estudo buscou verificar o conhecimento das mulheres em idade reprodutiva na faixa etária de 25 a 49 anos, cadastradas na Estratégia de Agentes Comunitários de Saúde (EACS) Vila Greyce, em Montes Claros, Minas Gerais - Brasil, sobre o exame preventivo do câncer cérvico uterino (PCCU). Trata-se de pesquisa descritiva, com abordagem quantitativa, utilizando o questionário como instrumento de coleta de dados. A amostra foi constituída de 80 mulheres a partir de um universo de 692 mulheres cadastradas na EACS. Os resultados obtidos foram: predominância da faixa etária de 45 a 49 anos (29,5%), ensino médio completo (33,75%), casadas (60%), renda familiar de até um salário mínimo (41,25%). A maioria relatou conhecer o exame de PCCU (96,25%) e terem obtido informação sobre esse exame no posto de saúde (44,2%). Consideram importante o PCCU para prevenir o câncer de colo uterino (68,8%), embora 52% não saibam quando devem iniciar. 71,2% relatam periodicidade na realização do exame uma vez por ano. Os cuidados que antecedem ao exame foram expostos de forma isolada, refletindo pouco conhecimento. Como motivo da realização, 73,5% realizaram como forma de prevenção do câncer de colo uterino. Em relação a quem lhes indicou o exame, a maioria respondeu ter sido o médico (60,3%). Conclui-se que o conhecimento sobre o exame de Papanicolau pelas mulheres em estudo ainda não é suficiente. Ressalta-se a necessidade de implementar programas de educação em saúde que visem esclarecer as mulheres acerca da importância do exame. Unitermos: Prevenção. Câncer de colo do útero. Conhecimento. Saúde da mulher. Introdução O câncer de colo uterino representa um grave problema de saúde dentre a população feminina em todo o mundo, sendo responsável por um grande número de óbito. Somente no Brasil, estima-se que o câncer de colo uterino seja a segunda neoplasia maligna mais comum e a quarta causa de morte entre as mulheres (BRASIL, 2007). Atualmente, a prevenção secundária do câncer do colo uterino concentra-se no rastreamento de mulheres sexualmente ativas através do exame citopatológico do colo uterino (PCCU). Este exame foi adotado na década de 50 em vários países, pois identifica lesões pré-cancerosas que, se tratadas, diminuem a incidência de carcinoma invasor e, consequentemente, a mortalidade pelo câncer de colo uterino (HACKENHAAR, CESAR e DOMINGUES, 2006). Fernandes et al. (2009) descrevem o exame preventivo como um exame citopatológico de Papanicolau, um método simples que permite detectar alterações da cérvice uterina, a partir de células descamadas do epitélio. Constitui o método mais indicado para o rastreamento do câncer cérvico uterino, por ser um exame rápido e indolor, de fácil execução, realizado em nível

2 ambulatorial e tem-se mostrado efetivo e eficiente para a aplicação coletiva, além de ser de baixo custo. A principal alteração que pode levar a esse tipo de câncer é a infecção pelo Papilomavírus Humano, o HPV, que possui subtipos de alto risco, relacionados a tumores malignos (SILVA REIS et al., 2010). O HPV tem importante participação na gênese do câncer do colo do útero, tanto do escamoso como do adenocarcinoma. Várias lesões estão associadas ao HPV, desde anormalidades citológicas incipientes, displasias, até o câncer invasor. O seu material genético é encontrado em 90% dos casos de tumores de colo do útero (ANJOS et al., 2010). Crum (2005) informa que o câncer do colo uterino e lesões precursoras evoluem lentamente no decorrer de muitos anos (10 a 20 anos). Nesse intervalo, o único sinal da doença pode ser a descamação de células anormais do colo uterino. Por este motivo, é consenso geral que todas as mulheres devam ser submetidas ao exame de PCCU periódico, depois que se tornam sexualmente ativas. Brasil (2006) argumenta que o exame citopatológico deve ser realizado em mulheres de 25 a 60 anos de idade, uma vez por ano e, após dois exames anuais consecutivos negativos, deve ser realizado a cada três anos. O Programa Viva Mulher - Programa Nacional de Controle do Câncer do Colo do Útero e de Mama, foi criado no Brasil em 1997, visando alterar esse panorama de morbidade e mortalidade feminina por câncer de colo uterino, através do acesso mais efetivo ao exame de Papanicolau, possibilitando assim, o diagnóstico mais precoce e o tratamento adequado para as mulheres que tiverem câncer (PINHO e COUTINHO, 2007). Apesar das ações de prevenção e detecção precoce desenvolvidas no Brasil, dentre elas, o Programa Viva Mulher, as taxas de incidência e mortalidade têm-se mantido praticamente inalteradas ao longo dos anos. Parte da manutenção dessas taxas pode estar associada ao aumento e à melhoria do diagnóstico que melhora a qualidade da informação e dos atestados de óbitos (BRASIL, 2006). Outra explicação para esse resultado não satisfatório pode estar relacionada a outros fatores, que podem vir a determinar a adesão ou não das mulheres ao exame preventivo, além da disponibilidade do serviço nos sistema de saúde (NOVAIS, BRAGA e SCHOUT, 2006). Além disso, para Almeida, Pereira e Oliveira (2008), o câncer cérvico-uterino é uma doença temida pelas mulheres e que as abala emocionalmente pelo fato de o útero envolver questões inerentes à sexualidade, feminilidade e reprodução. Nesse sentido, a percepção que a mulher tem sobre o diagnóstico da doença, influenciado por sua cultura, personalidade e ambiente, mascaram as possibilidades de esperança de cura que as formas de tratamento podem trazer, indicando também a percepção negativa da eficácia terapêutica. Amorim et al. (2006) afirmam que a falta de conhecimento sobre a importância de realizarse o exame Papanicolau, o tipo de acolhimento recebido no sistema de saúde, a vergonha, as

3 dificuldades financeiras, e de transporte e de com quem deixar os filhos são alguns dos fatores que podem estar associados á não realização de exames preventivos pelas mulheres. Diante do exposto o presente estudo objetiva verificar o conhecimento das mulheres em idade reprodutiva cadastradas na Equipe de Agentes Comunitários de Saúde (EACS) do bairro Vila Greyce em Montes Claros Minas Gerais, sobre o exame preventivo do câncer cérvico uterino. Além disso, pretendeu-se caracterizar as mulheres quanto ao nível socioeconômico e cultural; identificar se elas conhecem a periodicidade preconizada pelo Ministério da Saúde para a realização do PCCU e conhecer as indicações ou motivos do exame, onde e com qual profissional aprendeu sobre o exame. Metodologia Trata-se de pesquisa descritiva com abordagem quantitativa, desenvolvida no segundo semestre de A população do estudo foi constituída por 80 mulheres cadastradas na Equipe de Agentes Comunitários de Saúde (EACS) Vila Greyce, na cidade de Montes Claros, Minas Gerais, Brasil, com idade reprodutiva na faixa etária de 25 a 49 anos, conforme informações adquiridas através das fichas A, utilizadas para o cadastro de famílias da Equipe. Para a definição da amostra foi utilizada a estimativa média populacional, partindo-se do universo de 692 mulheres na faixa etária de 25 a 49 anos e obteve-se a amostra de 80 mulheres. Para coleta dos dados, utilizou-se um questionário estruturado, aplicado no mês de outubro de 2010 pelos pesquisadores. Anterior à coleta dos dados, solicitou-se à Secretaria Municipal de Saúde de Montes Claros a autorização para a realização da pesquisa na EACS em questão. Após a autorização, foi realizado o levantamento de identificação das mulheres, definição da amostra e visita domiciliar. As mulheres foram abordadas em seu domicílio, onde foi explicado sobre a pesquisa, apresentado e lido o termo de consentimento e prestados esclarecimentos que se fizeram necessários. Após assinatura do referido termo, foi procedida à aplicação do questionário pelos pesquisadores. Após a coleta e ordenação de dados, procedeu-se á análise e interpretação destes. Os dados foram analisados com distribuição de frequência e organizados através de gráficos e discutidos á luz da literatura e o olhar dos pesquisadores. Para a representação gráfica, foi utilizado o programa Excel A presente pesquisa obedeceu á resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde, no que tange á regulamentação de pesquisas com seres humanos. Foi submetida ao Comitê de Ética das Faculdades Unidas do Norte de Minas e aprovada através do parecer número 01411/10.

4 Resultados e discussão Quanto à idade, as 80 mulheres em estudo 27,5% encontram-se na faixa etária de 45 a 49 anos, 21,25% na faixa etária de 30 a 34 anos, 17,5% nas faixas etárias de 35 a 39 anos e 40 e 44 anos de idade e uma menor porcentagem (16,25%) encontram-se na faixa etária de 25 a 29 anos. Quanto a estado civil, 60% são casadas, 26,25% são solteiras e as demais são viúvas (5%) ou separadas (8,75%). Quanto à distribuição de renda, 41,25% vivem com um salário mínimo. Em relação ao grau de instrução, observou-se que 33,75% tinham o ensino médio completo e apenas 03 mulheres (3,75%) possuíam curso superior completo. Em estudo realizado por Valente et al. (2009), o grau de escolaridade mostrou significância estatística. As mulheres com mais anos de estudo teriam melhores oportunidades de informação, embora qualquer mulher possa vir a desenvolver o câncer de colo uterino. O câncer do colo uterino é mais frequente em mulheres de populações urbanas, de classe social e escolaridade mais baixa, residentes em países em desenvolvimento, não virgens, multíparas, com início precoce de relações sexuais, primeira gestação em idade jovem e múltiplos parceiros (SILVA REIS et al., 2010). No que se refere ao conhecimento sobre o exame, o gráfico 1 mostra os resultados. Gráfico 1. Conhecimento das mulheres entrevistados sobre o exame PCCU Das 80 mulheres do estudo, a maioria, ou seja, 77 (96,25%) responderam ter conhecimento sobre o exame. Um estudo realizado por Valente et al. (2009) mostrou que 81% das participantes já haviam ouvido falar e sabiam do que trata o exame, 17% já haviam ouvido falar, mas não sabiam do que se tratava o exame de Papanicolau. O gráfico 2 mostra o meio pelo qual as entrevistadas conheceram o exame PCCU.

5 Gráfico 2. Conhecimento das mulheres entrevistados sobre a fonte de informação sobre o exame PCCU Das 77 participantes que conhecem o exame, a maioria (44,2%) obteve informação sobre ele no posto de saúde. Apesar da maior parte das entrevistadas ter conhecido sobre o exame através do Posto de Saúde, ainda há uma má articulação entre os serviços de saúde na prestação da assistência nos diversos níveis de atenção, indefinição de normas e condutas, baixo nível de informações de saúde da população em geral e insuficiência de informações necessárias ao planejamento das ações de saúde, constatado pela informação de que nem todas as usuárias conheceram a importância do exame pela Unidade de Saúde (BRASIL, 2006). Outro aspecto analisado foi conhecer se as mulheres em estudo sabiam da importância da realização do exame PCCU, tais achados são evidenciados no gráfico 3. Gráfico 3. Conhecimento das mulheres entrevistados sobre a importância da realização do exame PCCU Os dados listados no gráfico 3 confirmam que as mulheres que participaram do estudo sabem da importância da realização do exame preventivo, pois a prevenção do câncer do colo uterino e as DST s foram bastante mencionadas, 68,8% e 16,9%, respectivamente.

6 Corroborando, Brasil (2007) informa que a prática do sexo seguro é uma das formas de se evitar o contágio pelo HPV. A principal estratégia utilizada para a detecção da lesão precursora e diagnóstico precoce do câncer no Brasil é a realização do exame preventivo do câncer do colo do útero. Questionou-se se as mulheres sabiam quando realizar o exame PCCU, e os resultados encontrados durante as entrevistas foram agrupados no gráfico 4. Gráfico 4. Conhecimento das mulheres entrevistados sobre quando realizar o primeiro exame PCCU Ao analisar o gráfico 4 percebe-se que, embora conheçam o exame, muitas mulheres na presente pesquisa não sabem quando deve iniciar sua realização. Para Brasil (2006), o exame deverá ser realizado a partir da primeira atividade sexual, periodicamente, especialmente se estiver na faixa etária dos 25 aos 59 anos de idade. Outro item analisado foi o conhecimento das mulheres entrevistados sobre a periodicidade do exame PCCU, conforme indica o gráfico 5. Gráfico 5. Conhecimento das mulheres entrevistados sobre a periodicidade do exame PCCU

7 No que se refere à periodicidade da realização do PCCU, das mulheres que conhecem o exame, 74% relataram que o exame deve ser feito uma vez por ano, e 18,2%, a cada seis meses. A resposta da maioria das mulheres aproxima-se da periodicidade preconizada pelo Ministério da Saúde, de que o exame citopatológico deve ser realizado em mulheres de 25 a 60 anos de idade, uma vez por ano e, após dois exames anuais consecutivos negativos, a cada três anos. Devera ser realizado de seis em seis meses, somente se houver alguma alteração citopatológica. Essa recomendação de uma vez por ano apoia-se na observação da história natural do câncer do colo do útero, que permite a detecção precoce de lesões pré-malignas ou malignas e o seu tratamento oportuno, graças à lenta progressão que apresenta para doença mais grave (BRASIL, 2006). O gráfico 6 mostram os principais o conhecimento das mulheres em estudo quanto aos cuidados que devem ser tomados antes da realização do exame. Gráfico 6. Cuidados nos dias que antecedem ao exame PCCU

8 A partir dos dados, percebe-se que a maioria das mulheres desconhece os cuidados que devem preceder á realização do PCCU, sendo relatado por elas, em sua maioria, como cuidado apenas evitar relações sexuais (53,2%), desconhecendo as outras recomendações que podem comprometer a qualidade da coleta e dos resultados. Segundo Brasil (2006), para a realização do exame preventivo do colo do útero e a fim de garantir a qualidade dos resultados, recomenda-se não utilizar duchas ou medicamentos vaginais ou exames intravaginais, nas 48 horas anteriores ao exame; evitar relações sexuais, anticoncepcionais locais e espermicidas nas 48 horas anteriores ao exame e, também, não deve ser feito no período menstrual, pois a presença de sangue pode prejudicar o diagnóstico citológico. Recomenda-se aguardar o quinto dia após o término da menstruação. Em algumas situações particulares, como em um sangramento anormal, a coleta pode ser realizada. O gráfico 7 mostra os motivos de realização e não realização do exame PCCU pelas mulheres em estudo Gráfico 7. Motivos de realização e não realização do exame PCCU Nota-se que 73 mulheres (91,25%) já realizaram o exame PCCU e 7 mulheres (8,75%) responderam que nunca o realizaram. Quanto aos motivos da realização do PCCU, verifica-se que 55 mulheres (75,3%) o fizeram por prevenção de câncer de colo uterino, 10 (13,7%) por apresentarem corrimento, 01 mulher (1,4%) por controle pré-nupcial e as outras 07 (9,6%) por apresentarem dor durante as relações sexuais (dispareunia), inflamações vaginais, candidíase e dor na barriga (dor pélvica). Daquelas que não realizaram o exame, 03 (42,8%) atribuíram à falta de informação e 02 (28,6%) o descuido, como motivos para não realizá-lo.

9 Leite (2006) destaca que são vários os motivos alegados para a não realização. Os motivos mais frequentes são: fatores culturais, como medo, constrangimento, desinformação e dificuldade de acesso. A recusa não é opção livre e consciente de aceitação do risco á não realização do exame, mas sim a única saída possível, quando a vergonha é maior que a obrigação. De acordo com Sampaio, Diogenes e Rodrigues (2001) e Leite (2006), o desconhecimento sobre a importância desse exame, a omissão dos profissionais, a objeção por parte do companheiro e o temor da doença, entre outros, são fatores que impedem a não realização do PCCU. Sobre os motivos da realização, 73,3% responderam que seria para a prevenção, mas apenas reconhecer a importância do exame não é o fator primordial ou decisivo que leva as mulheres a se submetem a ele. Para a consecução de resultados efetivos, contundentes, é preciso disposição e convicção pessoal, vontade interior capaz de sobrepujar a insegurança e outros bloqueios que possibilitem o ato voluntário de realizar a prevenção. Em relação à indicação do exame, o gráfico 8 mostra os resultados. Gráfico 8. Indicação do exame PCCU Nota-se que a maioria das mulheres (60,3%) tiveram indicação do médico, um número expressivo (19,2%) o realizaram por conta própria e 9,6% por indicação de amigas. Estudo semelhante realizado por Fernandes et al. (2009), obteve-se como principal fonte de indicação para a realização do exame, o médico, seguido de amigas ou parentes. Agentes comunitários de saúde, rádio e TV e demais profissionais das unidades básicas de saúde foram citados com menor frequência.

10 Outro aspecto analisado foi a idade com que as mulheres entrevistadas iniciaram atividade sexual, obtendo-se que das 80 mulheres deste estudo, o início da atividade sexual ocorreu com maior percentual na faixa etária de 14 a 19 anos em 42 mulheres (52,5%). Observa-se que, nessa faixa etária, a idade com a maior frequência foi a de 18 anos; 25% não lembraram quando iniciou; 17,5% entre os 20 e 25 anos de idade; 5% iniciou com 26 anos ou mais. Brasil (2007) informa que o início precoce da atividade sexual pode ser um fator de risco para o desenvolvimento do câncer cérvico uterino. No presente estudo, esse fator de risco é significativo entre as mulheres pesquisadas. A idade de realização do primeiro exame PCCU é evidenciado no gráfico 9. Gráfico 09. Idade de realização do primeiro exame PCCU De acordo com os dados obtidos neste estudo, das mulheres que já realizaram o exame PCCU, 23 mulheres (31,5%) o realizaram pela primeira vez com idades entre 20 e 24 anos. Destaca-se que uma quantidade expressiva de mulheres, 19 (26%), não se lembra com qual idade fizeram seu primeiro exame PCCU. Como mencionado acima, Brasil (2006) recomenda a realização logo após a primeira atividade sexual ou com 25 a 60 anos de idade. Nesta pesquisa, predominam aquelas que realizam o PCCU alguns anos após o início da atividade sexual, considerando que, em dado anterior, isso se deu, em sua maioria aos 18 anos. Partindo do pressuposto de que o câncer de colo uterino é de evolução lenta, para 10 a 20 mulheres, a primeira realização do exame se deu em tempo adequado, mas não conforme o preconizado que é após o início da atividade sexual. O último item analisado durante as entrevistas refere-se frequência da realização do exame PCCU pelas mulheres em estudo (Gráfico 10).

11 Gráfico 10. Freqüência de realização do exame PCCU Na amostra estudada, variou bastante a frequência relatada de realização do exame, não refletindo a frequência preconizada pelo Ministério da Saúde do Brasil. Embora a maioria relatou realizar o PCCU todo ano, a recomendação feita por Brasil (2006) é que este seja realizado dois anos consecutivos e, caso resultados negativos, realiza-se a cada três anos. Conclusão Conclui-se que, entre as mulheres pesquisadas, a maioria estava na faixa etária entre 45 e 49 anos, possuíam ensino médio completo, eram casadas e possuíam renda familiar de até um salário mínimo. A maioria relatou conhecer o exame de PCCU e terem obtido informação sobre esse exame no posto de saúde. Consideram importante o PCCU para prevenir o câncer de colo uterino, embora a maioria não saiba quando devem iniciar, nem a periodicidade correta para a sua realização. Os cuidados que antecedem ao exame foram expostos de forma isolada, refletindo pouco conhecimento. Sua realização se deu após alguns anos do início da atividade sexual, sendo relatado como motivo de realização a prevenção do câncer de colo de útero e os exames subsequentes não coincidem com a periodicidade preconizada. Em relação a quem lhes indicou o exame, a maioria respondeu ter sido o médico, dado também encontrado em estudos semelhantes. Portanto, o conhecimento sobre o exame de Papanicolau ainda não é suficiente, dado confirmado pela amostra populacional estudada, apesar de inúmeras campanhas de divulgação e esclarecimentos públicos. Ressalta-se a necessidade de melhorar as campanhas de divulgação do exame de Papanicolau, voltando à atenção para a competência do Enfermeiro coordenador da EACS, no direcionamento das ações de prevenção de doenças e promoção de saúde, utilizando

12 linguagem clara e objetiva. É necessário implementar programas de educação em saúde que visem esclarecer as mulheres acerca da importância do exame, buscando sanar dúvidas que podem representar fator dificultador da adesão delas à realização do exame citopatológico do colo uterino. Referências ALMEIDA, L.H.R.; PEREIRA, Y.B.A.S.; OLIVEIRA, T.A. Radioterapia: percepção de mulheres com câncer cérvico-uterino. Rev. bras. enferm. Brasília, v.61, n.4, Ago., AMORIM, V.M.S.L.; BARROS, M.B.A.; CÉSAR, C.L.G.; CARANDINA, L.; GOLDBAUM, M. Fatores associados a não realização do exame de Papanicolaou: um estudo de base populacional no Município de Campinas, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública, v.22, p , ANJOS, S.J.S.B.; VASCONCELOS, C.T.M.; FRANCO, E.S.; ALMEIDA, P.C.; PINHEIRO, A.K.B. Fatores de risco para câncer de colo do útero segundo resultados de IVA, citologia e cervicografia. Rev Esc Enferm USP, v.44, n.4, p , BRASIL, Ministério da Saúde. Controle dos cânceres de colo de útero e da mama. Cadernos de atenção básica, nº BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Instituto Nacional de Câncer - INCA. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Estimativa 2008: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro (RJ); CRUM, C.P. Aparelho Genital Feminino. In: KUMAR, V.; ABBAS, A.K.; FAUSTO, N.(ed.). Patologia - Bases Patológicas das Doenças. Rio de Janeiro: Elsevier, 7 ed.; p FERNANDES, J.V. et al. Conhecimentos, atitudes e prática do exame de Papanicolau por mulheres, Nordeste do Brasil. Rev. Saúde Pública [online]. v.43, n.5, p , HACKENHAAR, A.A.; CESAR, J.A.; DOMINGUES, M.R. Exame citopatológico de colo uterino em mulheres com idade entre 20 e 59 anos em Pelotas, RS: prevalência, foco e fatores associados à sua não realização. Rev. bras. epidemiol. São Paulo, v.9, n.1, mar., LEITE, P.M. Motivos que levam as mulheres a não realização do exame citopatológico f. Monografia - Centro De Ciências Biológicas e da Saúde - CCBS, Universidade Estadual de Montes Claros, NOVAIS, H.; BRAGA, P.; SCHOUT, D. Fatores associados à realização de exames preventivos para câncer nas mulheres brasileiras, PNAD Ciência & Saúde Coletiva, v.11, n.4, 2006.

13 PINHO, V.F.S.; COUTINHO, E.S.F. Variáveis associadas ao câncer de mama em usuárias de unidades básicas de saúde. Caderno de Saúde Pública, v. 23, n.5, p , SAMPAIO, J.G.; DIOGENES, M.A.R.; RODRIGUES, D.P. Prevenção do câncer ginecológico: fatores que interferem na sua realização. Enfermagem Atual, Rio de Janeiro, v.2, n.6, p.37-42, nov/dez, SILVA REIS, A.A.; MONTEIRO, C.D.; PAULA, L.B.; SANTOS, R.S.; SADDI, V.A.; CRUZ, A.D. Papilomavírus humano e saúde pública: prevenção ao carcinoma de cérvice uterina. Ciência & Saúde Coletiva, v.15(supl. 1), p , VALENTE, C.A.; ANDRADE, V.; SOARES, M.B.O.; SILVA, S.R. Conhecimento de mulheres sobre o exame de Papanicolaou. Rev. esc. enferm. USP [online]. v.43, n.spe2, p , 2009.

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

Artigo. Percepção da cliente gestante sobre o exame preventivo de câncer cérvico-uterino. Laurice Alves dos Santos¹, Gustavo de Moura Leão² RESUMO

Artigo. Percepção da cliente gestante sobre o exame preventivo de câncer cérvico-uterino. Laurice Alves dos Santos¹, Gustavo de Moura Leão² RESUMO Artigo Percepção da cliente gestante sobre o exame preventivo de câncer cérvico-uterino Laurice Alves dos Santos¹, Gustavo de Moura Leão² RESUMO O estudo teve como objetivo geral compreender a percepção

Leia mais

CANCÊR DE COLO UTERINO: FATORES ASSOCIADOS EM MULHERES ACOMETIDAS NO NOROESTE PARANAENSE

CANCÊR DE COLO UTERINO: FATORES ASSOCIADOS EM MULHERES ACOMETIDAS NO NOROESTE PARANAENSE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CANCÊR DE COLO UTERINO: FATORES ASSOCIADOS EM MULHERES ACOMETIDAS NO NOROESTE PARANAENSE Willian Augusto de Melo 1 ; Márcia Glaciela da Cruz Scardoelli

Leia mais

9º Congresso de Pesquisa FATORES DETERMINANTES DA REALIZAÇÃO DE EXAMES PREVENTIVOS DE SAÚDE DA MULHER NO BRASIL, USANDO A PNAD 2008

9º Congresso de Pesquisa FATORES DETERMINANTES DA REALIZAÇÃO DE EXAMES PREVENTIVOS DE SAÚDE DA MULHER NO BRASIL, USANDO A PNAD 2008 9º Congresso de Pesquisa FATORES DETERMINANTES DA REALIZAÇÃO DE EXAMES PREVENTIVOS DE SAÚDE DA MULHER NO BRASIL, USANDO A PNAD 2008 Autor(es) FABIOLA CRISTINA R DE OLIVEIRA Co-Autor(es) CAMILA KRAIDE KRETZMANN

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE DA MULHER EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA E INTERVENÇÕES SOBRE O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO

DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE DA MULHER EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA E INTERVENÇÕES SOBRE O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE

Leia mais

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Profissionais de Saúde

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Profissionais de Saúde Prevenção do Câncer do Colo do Útero Manual Técnico Profissionais de Saúde Ministério da Saúde Brasília, 2002 Apresentação No Brasil existem cerca de seis milhões de mulheres entre 35 a 49 anos que nunca

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

CÂNCER DO COLO DO ÚTERO. Maria da Conceição Muniz Ribeiro

CÂNCER DO COLO DO ÚTERO. Maria da Conceição Muniz Ribeiro CÂNCER DO COLO DO ÚTERO Maria da Conceição Muniz Ribeiro O câncer do colo do útero, também chamado de cervical, demora muitos anos para se desenvolver. As alterações das células que podem desencadear o

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO Denise Silveira, Anaclaudia Gastal Fassa, Maria Elizabeth Gastal Fassa, Elaine Tomasi, Luiz Augusto Facchini BLOCO A - IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA

Leia mais

Cancer de Colo do Útero

Cancer de Colo do Útero Cancer de Colo do Útero Câncer de colo do útero são alterações celulares que tem uma progressão gradativa e é por isto que esta é uma doença curável quando descoberta no início. Esta é a razão do exame

Leia mais

Indicadores da Saúde no Ceará 2008

Indicadores da Saúde no Ceará 2008 Indicadores da Saúde no Ceará 2008 Fortaleza - 2010 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAG) Desirée Mota Secretária INSTITUTO DE PESQUISA

Leia mais

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO O câncer de colo uterino é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, correspondendo a, aproximadamente,

Leia mais

ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO DA ATENÇÃO BÁSICA FRENTE AO CONTROLE DO CÂNCER UTERINO: revisão de literatura

ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO DA ATENÇÃO BÁSICA FRENTE AO CONTROLE DO CÂNCER UTERINO: revisão de literatura ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO DA ATENÇÃO BÁSICA FRENTE AO CONTROLE DO CÂNCER UTERINO: revisão de literatura Camila Gomes de Paula 1 Luciene Barra Ribeiro 2 Maíra Cardoso Pereira 3 Tatiana Bedran 4 RESUMO: A incidência

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SENA AIRES MARLIENE ROSA DE SOUZA

FACULDADE DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SENA AIRES MARLIENE ROSA DE SOUZA FACULDADE DE CIÊNCIAS E EDUCAÇÃO SENA AIRES MARLIENE ROSA DE SOUZA PREVENÇÃO DO CANCÊR DO COLO DO ÚTERO: CONHECIMENTO DAS MULHERES ASSISTIDAS NO MUNICÍPIO DE VALPARAÍSO DE GOIÁS. PREVENTION OF CERVICAL

Leia mais

Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF Pró-Reitoria de Integração aos Setores Comunitários e Produtivos - PROIN

Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF Pró-Reitoria de Integração aos Setores Comunitários e Produtivos - PROIN Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF Pró-Reitoria de Integração aos Setores Comunitários e Produtivos - PROIN Programa Institucional de Bolsas de Integração PIBIN 2012/2013 ANEXO II Título:

Leia mais

UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE UNIVALE ÁREA DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA SAÚDE - ACBS CURSO DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE UNIVALE ÁREA DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA SAÚDE - ACBS CURSO DE ENFERMAGEM 0 UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE UNIVALE ÁREA DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA SAÚDE - ACBS CURSO DE ENFERMAGEM Camila Freire Silva Cláudia Coelho Pereira Linhares Gilper de Souza Santos Hercília Filgueiras de

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Características principais Agente etiológico das verrugas (tumores epiteliais benignos) Infectam epitélio de

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 09 /2014 - CESAU Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Índice de seguimento / levantamento de doenças intra-epiteliais previsto para 2013 no município de Salvador e ações

Leia mais

CONHECIMENTO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE

CONHECIMENTO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE Conhecimento dos ACS: exame Papanicolaou Artigo de Pesquisa CONHECIMENTO DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE SOBRE O EXAME PAPANICOLAOU COMMUNITY HEALTH WORKERS KNOWLEDGE OF THE PAP TEST CONOCIMIENTO DE

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA - ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM CÂNCER NO COLO DO ÚTERO

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA - ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM CÂNCER NO COLO DO ÚTERO 1 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA - ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM CÂNCER NO COLO DO ÚTERO Greice Caetano de Almeida Mônica Pereira Rodrigues Geraldo Silvana

Leia mais

Patologia do colo uterino I-Citopatologia Profa. Sônia Maria Neumann Cupolilo Dra. em Patologia FIOCRUZ/RJ Especialista em Patologia SBP Especialista em Citopatologia SBC HPV Objetivos Conhecer o Programa

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PERFIL DAS

Leia mais

HOSPITALIZAÇÕES POR CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NA REDE PÚBLICA DO BRASIL, 2002 2004

HOSPITALIZAÇÕES POR CÂNCER DE COLO DE ÚTERO NA REDE PÚBLICA DO BRASIL, 2002 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE MEDICINA SOCIAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA Fernanda Crossetti Cunha HOSPITALIZAÇÕES POR CÂNCER DE COLO DE ÚTERO

Leia mais

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO UTERINO EM MULHERES IDOSAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA SECA/PB

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO UTERINO EM MULHERES IDOSAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA SECA/PB RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO UTERINO EM MULHERES IDOSAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA SECA/PB Fernanda Laísy Pereira de Sousa Graduanda do curso de Enfermagem; Bolsista do Programa de Educação pelo Trabalho

Leia mais

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES Boletim ano 6, n.1 janeiro/abril de 2015 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/Ministério da Saúde MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES do colo do útero e de mama Apresentação

Leia mais

Respostas Quizz- Rotinas em Obstetrícia - 6.ed.

Respostas Quizz- Rotinas em Obstetrícia - 6.ed. Respostas Quizz- Rotinas em Obstetrícia - 6.ed. Capítulo 1 A afirmativa I está incorreta, pois o teste de Schiller é considerado positivo quando não se cora pelo lugol. A afirmativa III está incorreta,

Leia mais

PREVALÊNCIA DO CÂNCER CÉRVICO-UTERINO EM MULHERES INDÍGENAS ATENDIDAS PELA CASA DE SAÚDE DO ÍNDIO DE PORTO VELHO (RO), BRASIL

PREVALÊNCIA DO CÂNCER CÉRVICO-UTERINO EM MULHERES INDÍGENAS ATENDIDAS PELA CASA DE SAÚDE DO ÍNDIO DE PORTO VELHO (RO), BRASIL PREVALÊNCIA DO CÂNCER CÉRVICO-UTERINO EM MULHERES INDÍGENAS ATENDIDAS PELA CASA DE SAÚDE DO ÍNDIO DE PORTO VELHO (RO), BRASIL CERVICAL CANCER IN BRAZILIAN INDIGENOUS WOMEN AT PORTO VELHO, RONDÔNIA, BRAZIL

Leia mais

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT Nomenclatura Brasileira Norma Imperio DIPAT O momento mais eletrizante de minha carreira foi quando descobri que era capaz de observar células cancerosas num colo do útero através do esfregaço George Nicholas

Leia mais

Pesquisa epidemiológica retrospectiva no programa de prevenção de câncer cérvico-uterino no município de Sarandi -PR

Pesquisa epidemiológica retrospectiva no programa de prevenção de câncer cérvico-uterino no município de Sarandi -PR Pesquisa epidemiológica retrospectiva no programa de prevenção de câncer cérvico-uterino no município de Sarandi -PR ADRIANA DE SANT ANA GASQUEZ (UNINGÁ)¹ EVERTON FERNANDO ALVES (G-UNINGÁ)² RESUMO Este

Leia mais

Tensão Pré-menstrual. Sensação que o mundo vai acabar antes da menstruação: é isso que a maioria das mulheres que sofrem de TPM descreve.

Tensão Pré-menstrual. Sensação que o mundo vai acabar antes da menstruação: é isso que a maioria das mulheres que sofrem de TPM descreve. Saúde da Mulher Tensão Pré-menstrual Sensação que o mundo vai acabar antes da menstruação: é isso que a maioria das mulheres que sofrem de TPM descreve. A TPM atinge aproximadamente 75% das mulheres, no

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº,DE 2014

PROJETO DE LEI Nº,DE 2014 PROJETO DE LEI Nº,DE 2014 (Do Sr. Alexandre Roso) Acrescenta o inciso IV ao art. 2º da Lei nº 11.664, de 29 de abril de 2008, que dispõe sobre a efetivação de ações de saúde que assegurem a prevenção,

Leia mais

FACULDADE DO MARANHÃO- FACAM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ENFERMAGEM NO CUIDADO À MULHER II CÂNCER DE COLO UTERINO

FACULDADE DO MARANHÃO- FACAM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ENFERMAGEM NO CUIDADO À MULHER II CÂNCER DE COLO UTERINO FACULDADE DO MARANHÃO- FACAM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ENFERMAGEM NO CUIDADO À MULHER II CÂNCER DE COLO UTERINO São Luís 2012 LEONARDO CASTRO ELAINE MENDONÇA ANDREZA MORAES NATÁLIA NUNES HELOÍSA

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO EM SAÚDE X EXAME PREVENTIVO DO COLO DO ÚTERO

AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO EM SAÚDE X EXAME PREVENTIVO DO COLO DO ÚTERO FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO EM SAÚDE X EXAME PREVENTIVO DO COLO DO ÚTERO PRISCILA SCHIAVON Campos dos

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

PREVALÊNCIA DE CARCINOMA IN SITU EM MULHERES COM NEOPLASIA CERVICAL INTRA-EPITELIAL ASSISTIDAS NO MUNICÍPIO DE CACOAL RO

PREVALÊNCIA DE CARCINOMA IN SITU EM MULHERES COM NEOPLASIA CERVICAL INTRA-EPITELIAL ASSISTIDAS NO MUNICÍPIO DE CACOAL RO 344 Revista Eletrônica da Facimed, v.3,n.3, p.344-352, jan/jul.2011 ISSN 1982-5285 - ARTIGO ORIGINAL PREVALÊNCIA DE CARCINOMA IN SITU EM MULHERES COM NEOPLASIA CERVICAL INTRA-EPITELIAL ASSISTIDAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

RASTREAMENTO DO PAPILOMA VÍRUS HUMANO (HPV) EM MULHERES COM MAIS DE 25 ANOS

RASTREAMENTO DO PAPILOMA VÍRUS HUMANO (HPV) EM MULHERES COM MAIS DE 25 ANOS 1043 RASTREAMENTO DO PAPILOMA VÍRUS HUMANO (HPV) EM MULHERES COM MAIS DE 25 ANOS HUMAN PAPILOMA VIRUS TRACKING IN WOMEN OLDER THAN TWENTY FIVE (25) YEARS OLD Lilian Luiza Passos das Chagas Enfermeira.

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DE MULHERES COM ALTERAÇÃO POSITIVA NO EXAME CITOPATOLÓGICO: UM ESTUDO DE CASO RESUMO

ACOMPANHAMENTO DE MULHERES COM ALTERAÇÃO POSITIVA NO EXAME CITOPATOLÓGICO: UM ESTUDO DE CASO RESUMO ACOMPANHAMENTO DE MULHERES COM ALTERAÇÃO POSITIVA NO EXAME CITOPATOLÓGICO: UM ESTUDO DE CASO Darsone Aguetoni darsoneaguetoni@hotmail.com Orientador: Prof. Dr. José Santo Dal Bem Pires Universidade Estadual

Leia mais

PREVALÊNCIA DAS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS NOS EXAMES DE PAPANICOLAU REALIZADOS NA USF AEROPORTO, PARACATU

PREVALÊNCIA DAS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS NOS EXAMES DE PAPANICOLAU REALIZADOS NA USF AEROPORTO, PARACATU PREVALÊNCIA DAS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS NOS EXAMES DE PAPANICOLAU REALIZADOS NA USF AEROPORTO, PARACATU MG PREDOMINANCE OF SEXUALLY TRANSMITTED DISEASES ON THE PAPANICOLAU TEST AT THE USF AEROPORTO,

Leia mais

SISMAMA. Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil. Qual a situação do câncer de mama no Brasil? O que é o SISMAMA?

SISMAMA. Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil. Qual a situação do câncer de mama no Brasil? O que é o SISMAMA? SISMAMA Informação para o avanço das ações de controle do câncer de mama no Brasil Este informe apresenta os primeiros dados do SISMAMA - Sistema de Informação do Câncer de Mama, implantado nacionalmente

Leia mais

O desafio feminino do câncer

O desafio feminino do câncer Tumores de mama e colo de útero contam com a oportunidade de rastreamento e têm altas chances de sucesso no tratamento O desafio feminino do câncer O controle dos cânceres de mama e de colo do útero é

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

Papanicolaou na terceira idade: um desafio para a enfermagem

Papanicolaou na terceira idade: um desafio para a enfermagem 78 Papanicolaou na terceira idade: um desafio para a enfermagem (Papanicolaou in the elderly: a challenge for nursing) Luisa Olhê¹; Rafaela Cristina de Oliveira¹; Rafaela Fukuda Campanelli¹; Lilian Donizete

Leia mais

PROJETO DE LEI No, DE 2009

PROJETO DE LEI No, DE 2009 PROJETO DE LEI No, DE 2009 (DO SR. CAPITÃO ASSUMÇÃO) Dispõe sobre a imunização de mulheres com a vacina contra o papilomavírus humano (HPV), na rede pública do Sistema Único de Saúde de todos os estados

Leia mais

17º Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE DO PERFIL DAS DOADORAS DE LEITE MATERNO DO HOSPITAL FORNECEDORES DE CANA, EM PIRACICABA

17º Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE DO PERFIL DAS DOADORAS DE LEITE MATERNO DO HOSPITAL FORNECEDORES DE CANA, EM PIRACICABA 17º Congresso de Iniciação Científica ANÁLISE DO PERFIL DAS DOADORAS DE LEITE MATERNO DO HOSPITAL FORNECEDORES DE CANA, EM PIRACICABA Autor(es) SHEILA MARIA DAROZ Orientador(es) ANGELA MÁRCIA FOSSA Apoio

Leia mais

PET- SAÚDE NO RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA.

PET- SAÚDE NO RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência.

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. Lourival dos Santos Filho Graduando em Farmácia Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Klerison Romero Martinez Graduando

Leia mais

UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu.

UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu. UNILAB no Outubro Rosa Essa luta também é nossa. CUIDAR DA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. cosbem COORDENAÇÃO DE SAÚDE E BEM-ESTAR www.unilab.edu.br CUIDAR DA SUA SAÚDE É UM GESTO DE AMOR À VIDA. As mamas

Leia mais

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008

Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Perfil dos Beneficiários de Planos e SUS e o Acesso a Serviços de Saúde PNAD 2003 e 2008 Marcos Novais Carina Burri Martins José Cechin Superintendente Executivo APRESENTAÇÃO O objetivo deste trabalho

Leia mais

QUESTÃO 25. No sexo com mulheres, geralmente você costuma se preocupar com as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs)?

QUESTÃO 25. No sexo com mulheres, geralmente você costuma se preocupar com as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs)? QUESTÃO 25. No sexo com mulheres, geralmente você costuma se preocupar com as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs)? Sempre 126 63,6% Nunca 30 15,2% Poucas Vezes 27 13,6% Muitas vezes 15 7,6% TOTAL

Leia mais

PROTOCOLOS DE ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER

PROTOCOLOS DE ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER prot cancer colo:prot cancer colo.qxd 16/2/2009 12:29 Página 1 prot cancer colo:prot cancer colo.qxd 16/2/2009 12:30 Página 2 Prevenção e controle do câncer de colo de útero PROTOCOLOS DE ATENÇÃO À SAÚDE

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CURSO DE ENFERMAGEM A PERCEPÇÃO DE MULHERES SOBRE O EXAME CITOPATOLÓGICO. Talise Zanotelli

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CURSO DE ENFERMAGEM A PERCEPÇÃO DE MULHERES SOBRE O EXAME CITOPATOLÓGICO. Talise Zanotelli 0 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CURSO DE ENFERMAGEM A PERCEPÇÃO DE MULHERES SOBRE O EXAME CITOPATOLÓGICO Talise Zanotelli Lajeado, junho 2013 1 Talise Zanotelli A PERCEPÇÃO DE MULHERES SOBRE O EXAME CITOPATOLÓGICO

Leia mais

POLIANA DOS SANTOS ALVES

POLIANA DOS SANTOS ALVES ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO UNEMAT CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE CÁCERES JANE VANINI FACULDADE DE CIÊNCIA E SAÚDE CURSO DE ENFERMAGEM

Leia mais

JULEIDE PIROCA SIMONE BOITT

JULEIDE PIROCA SIMONE BOITT JULEIDE PIROCA SIMONE BOITT O CONHECIMENTO DAS MULHERES SOBRE O HPV, CÂNCER DO COLO UTERINO E CÂNCER DE MAMA: UMA PESQUISA NAS UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS - SANTA CATARINA PALMITOS-SC

Leia mais

Papilomavirus Humano (HPV)

Papilomavirus Humano (HPV) Papilomavirus Humano (HPV) Introdução O HPV é uma doença infecciosa, de transmissão freqüentemente sexual, cujo agente etiológico é um vírus DNA não cultivável do grupo papovírus. Atualmente são conhecidos

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA INTRODUÇÃO

ÁREA TEMÁTICA INTRODUÇÃO TÍTULO: PRÁTICAS E ATITUDES DE ESTUDANTES DE UMA ESCOLA PÚBLICA RELACIONADOS AS DSTS/AIDS AUTORES: Aline Salmito Frota, Luciana Soares Borba, Débora Silva Melo, José Ueides Fechine Júnior, Viviane Chave

Leia mais

Papiloma Vírus Humano

Papiloma Vírus Humano Papiloma Vírus Humano Grupo: Helder Freitas N 9 João Marcos Borges N 12 Luca Najan N 18 Matheus Pestana N 22 Rafael Cardoso N 28 Raphael Barros N 29 Thiago Glauber N33 Turma: 12 Professor: César Fragoso

Leia mais

A INCIDÊNCIA DE CÂNCER DO COLO DO ÚTERO NA REGIÃO METROPOLITANA DE GOIÂNIA, NO PERÍODO DE JANEIRO DE 2006 A DEZEMBRO DE 2012 RESUMO

A INCIDÊNCIA DE CÂNCER DO COLO DO ÚTERO NA REGIÃO METROPOLITANA DE GOIÂNIA, NO PERÍODO DE JANEIRO DE 2006 A DEZEMBRO DE 2012 RESUMO Artigo apresentado no V Seminário de Pesquisas e TCC da FUG no semestre 2013-1 A INCIDÊNCIA DE CÂNCER DO COLO DO ÚTERO NA REGIÃO METROPOLITANA DE GOIÂNIA, NO PERÍODO DE JANEIRO DE 2006 A DEZEMBRO DE 2012

Leia mais

PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DO ÚTERO

PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DO ÚTERO PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER DE COLO DO ÚTERO PROTOCOLOS DE ATENÇÃO À SAÚDE DA MULHER2008 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE contra capa interna 1 em branco Prevenção e Controle do Câncer de Mama PROTOCOLOS

Leia mais

FATORES ASSOCIADOS À ADESÃO E ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE

FATORES ASSOCIADOS À ADESÃO E ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE FATORES ASSOCIADOS À ADESÃO E ABANDONO DO TRATAMENTO DA TUBERCULOSE Arieli Rodrigues Nóbrega Videres¹- arieli.nobrega@hotmail.com Layz Dantas de Alencar²- layzalencar@gmail.com ¹ Professora mestre do curso

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

Educação em Saúde para Prevenção do Câncer de Colo do Útero em Mulheres do Município de Santo Ângelo/RS.

Educação em Saúde para Prevenção do Câncer de Colo do Útero em Mulheres do Município de Santo Ângelo/RS. 3925 Educação em Saúde para Prevenção do Câncer de Colo do Útero em Mulheres do Município de Santo Ângelo/RS. Education in Health for Prevention of Uterine Cervical Cancer in Women in Santo Ângelo, State

Leia mais

Saúde da Mulher. Ana Cristina Pinheiro. Saúde da Mulher

Saúde da Mulher. Ana Cristina Pinheiro. Saúde da Mulher Saúde da Mulher Realizado por: Ana Cristina Pinheiro (Maio de 2007) Saúde da Mulher Uma família equilibrada não pode ser produto do acaso ou da ignorância. O nascimento de uma criança deve ser o resultado

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS. Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer

NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS. Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer Cria o Serviço de Referência para Diagnostico e Tratamento de Lesões

Leia mais

Saúde Informa Nº 02 Distrito Sanitário Centro DSCe

Saúde Informa Nº 02 Distrito Sanitário Centro DSCe Saúde Informa Nº 2 Distrito Sanitário Centro DSCe Agosto/211 Apresentação Esta é a segunda edição do informativo do DSCe e o dedicamos a discussão das atividades de educação permanente, ao monitoramento

Leia mais

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA.

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. OUTUBRO ROSA ^ um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA ~ prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. ~ ^ O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete

Leia mais

Darla Silvana Risson Ranna

Darla Silvana Risson Ranna Darla Silvana Risson Ranna Economista MBA em Marketing e Gestão Executiva em Saúde Mestre em Gerontologia Biomédica Diretora Técnica da FACE Consultoria e Gestão em Saúde Cenário Demográfico do Envelhecimento

Leia mais

EDUCAÇÃO, CONSCIENTIZAÇÃO E PREVENÇÃO

EDUCAÇÃO, CONSCIENTIZAÇÃO E PREVENÇÃO ABORDAGEM DO HPV NA ESCOLA: CAMINHOS E QUESTIONAMENTOS NO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO CAETANO, João Cláudio de Souza UNIPLI-CEDAX dr.joaoclaudio@ig.com.br SILVEIRA, Carmen Lúcia Paiva. UNIPLI carsil1@oi.com.br

Leia mais

29/10/09. E4- Radiologia do abdome

29/10/09. E4- Radiologia do abdome Radiologia do abdome 29/10/09 Milton Cavalcanti E4- Radiologia do abdome INTRODUÇÃO O câncer de colo uterino é uma das maiores causas de morte entre mulheres, principalmente nos países em desenvolvimento.

Leia mais

Câncer de Próstata. Estimativa de novos casos: 52.350 (2010) Número de mortes: 11.955 (2008)

Câncer de Próstata. Estimativa de novos casos: 52.350 (2010) Número de mortes: 11.955 (2008) Câncer de Próstata No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma). Em valores absolutos, é o sexto tipo mais comum no mundo e o mais

Leia mais

CONHECIMENTO SOBRE O CÂNCER DE COLO UTERINO E O ESTIGMA ACERCA DO EXAME PAPANICOLAU

CONHECIMENTO SOBRE O CÂNCER DE COLO UTERINO E O ESTIGMA ACERCA DO EXAME PAPANICOLAU CONHECIMENTO SOBRE O CÂNCER DE COLO UTERINO E O ESTIGMA ACERCA DO EXAME PAPANICOLAU 531 THE KNOWLEDGE ABOUT UTERINE CERVICAL CANCER ANTE THE STIGMA CONCERNING THE PAPANICOLAU TEST Caroline Cintra DI LANNA

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Maria Andréa Fernandes

Leia mais

Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil.

Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil. É legal saber! Gravidez Transar uma única vez, pode engravidar? Sim. Principalmente se a mulher estiver no período fértil. Minha menstruação na desceu. Estou grávida? Depende. É importante cada mulher

Leia mais

XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br/

XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br/ XIII Reunião Clínico - Radiológica XVII Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen www.digimaxdiagnostico.com.br/ CASO CLÍNICO IDENTIFICAÇÃO: S.A.B. Sexo feminino. 28 anos. CASO CLÍNICO ENTRADA

Leia mais

Os cientistas da Cancer Research UK estimam que até 4.500 vidas serão salvas anualmente em Inglaterra pelo rastreio cervical.

Os cientistas da Cancer Research UK estimam que até 4.500 vidas serão salvas anualmente em Inglaterra pelo rastreio cervical. CERVICAL SCREENING PORTUGUESE Os Factos RASTREIO CERVICAL (TESTE DE PAP) PORTUGUÊS Os Factos O que é o rastreio cervical (Teste de Pap)? O rastreio cervical não é um exame de diagnóstico do cancro cervical.

Leia mais

O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS

O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2010, v. 11, n. 11, p. 10 20 O CONHECIMENTO BÁSICO DA COMUNIDADE ESCOLAR SOBRE HIV/AIDS GONÇALVES, B.F.da S.¹; DE BRITO, D.M.¹; PEDRO, E. M. ¹; CALVO, F.L.M.¹; SPERLICH,

Leia mais

SEGALLA 1, José G M, CAPRA 1, Rute M M, VENEZIANO 1, Claúdia L A, VENEZIANO 1, Donaldo B, ZULIANI 1, Selma A R, MAUAD 2, Lenira M Q

SEGALLA 1, José G M, CAPRA 1, Rute M M, VENEZIANO 1, Claúdia L A, VENEZIANO 1, Donaldo B, ZULIANI 1, Selma A R, MAUAD 2, Lenira M Q DISTRIBUIÇÃO DOS TUMORES DE COLO DE ÚTERO NAS MICRO- REGIÕES DA DRS-VI (BAURU) E CORRELAÇÃO COM O PROGRAMA DE PREVENÇÃO DO HOSPITAL AMARAL CARVALHO (HAC) SEGALLA 1, José G M, CAPRA 1, Rute M M, VENEZIANO

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPOSIÇÕES MÉDICAS EM MAMOGRAFIA DIGITAL. Sergio R. Oliveira¹; Natalia O. Mantuano²; Afonso S. Albrecht² e Leonardo S.

ANÁLISE DAS EXPOSIÇÕES MÉDICAS EM MAMOGRAFIA DIGITAL. Sergio R. Oliveira¹; Natalia O. Mantuano²; Afonso S. Albrecht² e Leonardo S. International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR ANÁLISE DAS EXPOSIÇÕES MÉDICAS EM MAMOGRAFIA DIGITAL Sergio R. Oliveira¹;

Leia mais

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude

UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO. Fabio Garani 17 Regional de Saude UM OLHAR PARA O HOMEM IDOSO Fabio Garani 17 Regional de Saude 1 ESPERANÇA DE VIDA AO NASCER : 7,4anos

Leia mais

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS.

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. Introdução e método: A violência física em especial a violência sexual é, sem dúvida, um problema de saúde pública.

Leia mais

Projeto PET Vigilância

Projeto PET Vigilância Projeto PET Vigilância Implementação de um Sistema de Vigilância de Câncer do Colo do Útero Para Mulheres Moradoras de Porto Alegre Resultados da Investigação dos Óbitos e Internações de Mulheres por Câncer

Leia mais

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: PANDEMIA ATUAL

VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: PANDEMIA ATUAL VIOLÊNCIA DOMÉSTICA: PANDEMIA ATUAL INTRODUÇÃO A cada hora, dez mulheres foram vítimas de violência no Brasil em 2012 Violência é: 1 É o uso intencional da força física ou poder, real ou em ameaça contra

Leia mais