Química Geral e Experimental II Equilíbrio químico Resolução comentada de exercícios selecionados versão equilíbrio_v1_2005 Prof. Fabricio R.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Química Geral e Experimental II Equilíbrio químico Resolução comentada de exercícios selecionados versão equilíbrio_v1_2005 Prof. Fabricio R."

Transcrição

1 Química Geral e Experimental II Equilíbrio químico comentada de exercícios selecionados versão equilíbrio_v1_2005 Prof. Fabricio R. Sensato 1) A constante de equilíbrio K c da reação: H 2 (g) + Cl 2 (g) 2HCl (g) é, a 500, 4, Calcule K c para: (a) ½H 2 (g) + ½Cl 2 HCl(g) (b) HCl(g) ½H 2 (g) + ½Cl 2 (g) 2) Dissolve-se 0,050 mol de diiodocicloexano, C 6 H 10 I 2, em CCl 4. O volume da solução é 1,00 L. Quando a reação C 6 H 10 I 2 (g) C 6 H 10 (g) + I 2 (g) atinge o equilíbrio, a 35 o C, a concentração do I 2 é 0,035 mol/l. a) Quais as concentrações de C 6 H 10 I 2 e de C 6 H 10 no equilíbrio? b) Calcule K c, a constante de equilíbrio. 3) A constante de equilíbrio K c da reação I 2 (g) 2I(g) é 5, , a 500 K. Num sistema mantido a 500 K, a concentração do I 2 é 0,020 mol/l e a do I é 2, mol/l. A reação está em equilíbrio? Caso não esteja, em que sentido avança a reação para chegar no equilíbrio? 4) Calcule a constante de equilíbrio K c, a 25 o C, da reação: 2NOCl(g) 2 NO(g) + Cl 2 (g) a partir da seguinte informação. Numa experiência, colocam-se 2,00 mols de NOCl num balão de 1,00 L e verifica-se que a concentração do NO no equilíbrio é 0,66 mol/l 5) O carbonato de zinco se dissolve muito pouco na água (K c = 1, ). ZnCO 3 (s) Zn 2+ (aq) + CO 3 2- (aq) Quando se coloca ZnCO 3 na água, quais as concentrações molares de Zn 2+ e de CO 3 2- no equilíbrio? 6) A constante de equilíbrio K c da reação: 2SO 2 (g) + O 2 (g) 2SO 3 (g) é 279 a 1000K. Calcule K p da reação. 7) A constante de equilíbrio K p da reação N 2 O 4 (g) 2NO 2 (g) é 0,15, a 25 o C. Se a pressão do N 2 O 4, no equilíbrio, for 0,85 atm, qual a pressão total da mistura gasosa (N 2 O 4 + NO 2 ) no equilíbrio? 8) 0,100 mol de PCl 5 é colocado em um recipiente de 2,00 L a 160 o C. Após estabelecido o equilíbrio: PCl 5 (g) PCl 3 (g) + Cl 2 (g) Quais as concentrações de todas as espécies? (K c = 2, nesta temperatura)

2 9) Coloca-se 1,00 mol de PCl 5, 1 mol de PCl 3 e 1 mol de Cl 2 num recipiente de 2,00 L a 160 o C. Qual é a concentração de cada substância depois de estabelecido o equilíbrio? PCl 5 (g) PCl 3 (g) + Cl 2 (g) (K c = 2, nesta temperatura) (10) A reação de decomposição do NOBr, formando NO e Br 2 é endotémica (16,1 kj/mol). 2NOBr(g) 2NO(g) + Br 2 (g) Preveja (e justifique) o efeito sobre a posição e equilíbrio das seguintes modificações, ou seja, diga o sentido do deslocamento (para a direita, para a esquerda, sem deslocamento) quando se perturba o sistema em equilíbrio de cada maneira a seguir: (a) Adição de Br 2 (g). (b) Remoção de um pouco de NOBr(g). (c) Abaixamento da temperatura. (d) Elevação do volume do vaso do sistema

3 1) A constante de equilíbrio K c da reação: H 2 (g) + Cl 2 (g) 2HCl (g) é, a 500, 4, Calcule K c para: (a) ½H 2 (g) + ½Cl 2 HCl(g) (b) HCl(g) ½H 2 (g) + ½Cl 2 (g) Em geral, quando os coeficientes estequiométricos de uma equação equilibrada forem multiplicados, todos por um mesmo fator, a constante de equilíbrio da nova equação é igual à constante de equilíbrio da equação original elevada a uma potência igual ao fator multiplicativo (veja Kotz & Treichel, v. 2, p. 45). Pode-se reconhecer que a equação química em (a) é obtida multiplicando-se os coeficientes estequiométricos da equação original por 0,5. Assim, K c da equação (a) é igual ao valor de K c da equação original elevada a 0,5. K c (a) = (K c ) 0,5 = K c (a) = 2, A equação química em (b) é a equação química em (a) invertida. As constantes de equilíbrio de uma reação e da reação oposta são sempre o inverso uma da outra. Assim, K c (b) = 1/K c (a) K c (b) = 1/(2, ) K c (b) = 4, ) Dissolve-se 0,050 mol de diiodocicloexano, C 6 H 10 I 2, em CCl 4. O volume da solução é 1,00 L. Quando a reação C 6 H 10 I 2 (g) C 6 H 10 (g) + I 2 (g) atinge o equilíbrio, a 35 o C, a concentração do I 2 é 0,035 mol/l. a) Quais as concentrações de C 6 H 10 I 2 e de C 6 H 10 no equilíbrio? b) Calcule K c, a constante de equilíbrio. A solução se simplifica com a adoção de tabela de equilíbrio C 6 H 10 I 2 (mol/l) C 6 H 10 (mol/l) I 2 (mol/l) Concentração Inicial 0,050 0,0 0,0 Variação na concentração até o equilíbrio ser atingido -x +x +x Concentração no equilíbrio 0,050 x x x Sabe-se que a concentração inicial de C 6 H 10 I 2 é 0,050 mol/l (uma vez que 0,050 mols de C 6 H 10 I 2 estão dissolvidos em 1,00 L da solução. A concentração inicial de C 6 H 10 e de I 2 é nula. A equação química balanceada revela que se x mols de C 6 H 10 I 2 se decompõe, a mesma quantidade de C 6 H 10 e I 2 é formada. Assim, se a variação da concentração de C 6 H 10 I 2 for x, a variação na concentração de C 6 H 10 e I 2 será +x (até que o equilíbrio seja atingido). Desta forma, a concentração final (concentração no equilíbrio) de C 6 H 10 I 2 é (0,050 - x) mol/l, e a de C 6 H 10 e I 2 é x mol/l. O enunciado do problema, entretanto, revela que a concentração no equilíbrio de I 2 é igual a 0,035 mol/l. Assim, este valor pode ser diretamente identificado com o valor de x. Uma vez que x = 0,035 mol/l, pode-se determinar a concentração de equilíbrio de C 6 H 10 I 2 e C 6 H 10. A concentração de equilíbrio de C 6 H 10 I 2 é igual a (0,050 x) mol/l (ver tabela de equilíbrio) e, portanto, (0,050 0,035)

4 mol/l ou, ainda, 0,015 mol/l. A concentração no equilíbrio de C 6 H 10 é a mesma que a de I 2 e, portanto, 0,035 mol/l. A constante de equilíbrio para a equação química acima é, então, calculada: 3) A constante de equilíbrio K c da reação I 2 (g) 2I(g) é 5, , a 500 K. Num sistema mantido a 500 K, a concentração do I 2 é 0,020 mol/l e a do I é 2, mol/l. A reação está em equilíbrio? Caso não esteja, em que sentido avança a reação para chegar no equilíbrio? O sistema só estará em equilíbrio se o quociente reacional, Q, for igual a K c. Lembre-se de que o quociente reacional é definido da mesma forma que a constante de equilíbrio. Entretanto, o quociente relaciona as concentrações de produtos e reagentes quer estes estejam em equilíbrio ou não, enquanto a constante de equilíbrio só relaciona concentrações que correspondam a situações de equilíbrio químico. O valor do quociente reacional para as condições do problema é: Como Q Kc, o sistema não está equilíbrio. De fato, Q < K c. Para que Q seja igual a K c e, portanto, para que o sistema atinja o equilíbrio, é necessário que a concentração de I aumente às custas da diminuição da concentração de I 2. Assim, a reação avançará para a direita para que o equilíbrio seja atingido. 4) Calcule a constante de equilíbrio K c, a 25 o C, da reação: 2NOCl(g) 2 NO(g) + Cl 2 (g) a partir da seguinte informação. Numa experiência, colocam-se 2,00 mols de NOCl num balão de 1,00 L e verifica-se que a concentração do NO no equilíbrio é 0,66 mol/l. Para determinar K c da reação é necessário conhecer as concentrações de NOCl, NO e Cl 2 no equilíbrio. Para tanto, uma tabela de equilíbrio deve ser construída. NOCl (mol/l) NO (mol/l) Cl 2 (mol/l) Concentração Inicial 2,00 0,0 0,0 Variação na concentração até o equilíbrio ser atingido -2x +2x +x Concentração no equilíbrio 2,00 2x +2x +x

5 Ou seja, a concentração de reagentes e produtos no equilíbrio em termos do valor de x é (2,00-2x) mol/l para NOCl, 2x mol/l para NO e x mol/l para Cl 2. O enunciando, entretanto, revela que a concentração de NO no equilíbrio é 0,66 mol/l. Desta igualdade, pode-se determinar o valor de x e, então, os valores das concentrações de reagentes e produtos no equilíbrio. Como 2x = 0,66, x = 0,33. Então a concentração no equilíbrio de NOCl é 2,00 2x = 2,00-0,66 = 1,34 mol/l e a concentração de Cl 2 é 0,33 mol/l. 5) O carbonato de zinco se dissolve muito pouco na água (K c = 1, ). ZnCO 3 (s) Zn 2+ (aq) + CO 3 2- (aq) Quando se coloca ZnCO 3 na água, quais as concentrações molares de Zn 2+ e de CO 3 2- no equilíbrio? O ZnCO 3 se dissolve até que o equilíbrio seja atingido. Nesta situação, a constante de equilíbrio, K c, é dada por: K c = [Zn 2+ ] [CO 3 2- ] (lembre-se que sólidos não são considerados explicitamente na constante de equilíbrio) Cada espécie de ZnCO 3 que se dissolve forma uma espécie de Zn 2+ e uma espécie de CO Portanto, a concentração de Zn 2+ e de CO 3 2- na solução é a mesma. Seja x = [Zn 2+ ] = [CO 3 2- ] (no equilíbrio), têm-se que: x x = K c x 2 = K c x = (K c ) 1/2 x = (1, ) 1/2 x = 3, Assim, no equilíbrio, têm-se [Zn 2+ ] = [CO 3 2- ] = 3, mol/l 6) A constante de equilíbrio K c da reação: 2SO 2 (g) + O 2 (g) 2SO 3 (g) é 279 a 1000K. Calcule K p da reação. A relação entre K c e K p é dada por: K p = K c (RT) n (veja Kotz & Treichel, v. 2, p. 45) Em que n é a variação do número de mols de gás quando os reagentes gasosos se transformam nos produtos gasosos. Assim, para a equação química supracitada, n é igual a (2 3) = -1. K p = 279 (0, K) -1 = 3,40 7) A constante de equilíbrio K p da reação N 2 O 4 (g) 2NO 2 (g) é 0,15, a 25 o C. Se a pressão do N 2 O 4, no equilíbrio, for 0,85 atm, qual a pressão total da mistura gasosa (N 2 O 4 + NO 2 ) no equilíbrio?

6 A constante K p relaciona as pressões parciais de reagentes e produtos no equilíbrio, como segue: Como K p e a pressão parcial (no equilíbrio) de N 2 O 4 são conhecidos, a pressão parcial de NO 2 pode ser, então, calculada: A pressão total, P T, do sistema é a soma das pressões parciais de NO 2 e N 2 O 4 e, portanto, P T = 0,85 atm + 0,36 atm = 1,21 atm 8) 0,100 mol de PCl 5 é colocado em um recipiente de 2,00 L a 160 o C. Após estabelecido o equilíbrio: PCl 5 (g) PCl 3 (g) + Cl 2 (g) Quais as concentrações de todas as espécies? (K c = 2, nesta temperatura) Imediatamente após a introdução do PCl 5 no recipiente, sua concentração é a de 0,100 mol/2,00l, ou seja, 0,0500 mol/l. As concentrações iniciais de PCl 3 e Cl 2 são ambas 0. A reação prossegue aumentando [PCl 3 ] e [Cl 2 ] e diminuindo [PCl 5 ] até que se estabeleça a condição de equilíbrio. Suponha que x é igual ao aumento da concentração de PCl 3 até que o equilíbrio seja estabelecido. Então, x deve também ser igual ao aumento da concentração de Cl 2. A diminuição da concentração de PCl 5 é x também, uma vez que 1 mol de PCl 5 são gastos para produzir 1 mol de PCl 3 e 1 mol de Cl 2. Assim, no equilíbrio, a concentração de PCl 5 é de 0,0500 x, a de PCl 3 é x e a de Cl 2 é x também. A evolução das concentrações de reagentes e produtos até que o equilíbrio seja atingido é sumariada na seguinte tabela de equilíbrio: PCl 5 (mol/l) PCl 3 (mol/l) Cl 2 (mol/l) Concentração Inicial 0,0500 0,0 0,0 Variação na concentração até o equilíbrio ser atingido -x +x +x Concentração no equilíbrio 0,0500 2x +x +x As concentrações de reagentes e produtos no equilíbrio estão relacionadas pela expressão:

7 Substituindo as concentrações de equilíbrio, tem-se: Resolvendo a equação de segundo grau supracitada, tem-se que: x = 0,0236. No equilíbrio, portanto: [PCl 5 ] = 0,0500 x 0,0500-0,0236 = 0,0264 mol/l [PCl 3 ] = [Cl 2 ] = x = 0,0236 mol/l 9) Coloca-se 1,00 mol de PCl 5, 1 mol de PCl 3 e 1 mol de Cl 2 num recipiente de 2,00 L a 160 o C. Qual é a concentração de cada substância depois de estabelecido o equilíbrio? PCl 5 (g) PCl 3 (g) + Cl 2 (g) (K c = 2, nesta temperatura) Na situação proposta, PCl 5, PCl 3 e Cl 2 são colocados juntos num mesmo recipiente. Uma vez que o volume do recipiente é de 2,00 L, as concentrações inicias serão [PCl 5 ] = [PCl 3 ] = [PCl 3 ] = 1,00 mol/2,00l, ou 0,500 mol/l. Se o sistema estiver em equilíbrio químico, estas concentrações não se modificarão com o passar do tempo. Para saber se o sistema está em equilíbrio químico, basta calcular o quociente reacional, Q, o qual é definido da mesma maneira que a constante de equilíbrio, K c (lembre-se que K c relaciona concentrações de reagentes e produtos que correspondam a uma condição de equilíbrio, enquanto Q relação concentrações que correspondam ao equilíbrio ou não). Se o sistema estiver em equilíbrio químico, Q = Kc. Como Q K c, o sistema não está em equilíbrio. Ainda, Q > Kc e, portanto, para o sistema atingir o equilíbrio será necessário que haja uma diminuição das concentrações de PCl 3 e Cl 2 ( produtos ) e conseqüente aumento de PCl 5 ( reagente ). Se as concentrações de PCl 3 e Cl 2 são diminuídas de x até que o equilíbrio seja estabelecido, o correspondente aumento de PCl 5 será +x (veja equação química acima). A evolução da concentração de reagentes e produtos até que o equilíbrio seja atingido, é sumariada na seguinte tabela de equilíbrio: PCl 5 (mol/l) PCl 3 (mol/l) Cl 2 (mol/l) Concentração inicial 0,500 0,500 0,500 Variação na concentração até o equilíbrio ser atingido +x -x -x Concentração no equilíbrio 0,500 + x 0,500 - x 0,500 - x No equilíbrio, as concentrações de reagentes e produtos se relacionam como segue:

8 Assim, Rearranjando e resolvendo a equação acima, obtém-se uma equação de 2º grau: x 2-1,02x +0,239 = 0 De onde se obtém as raízes: x = 0,66 ou x = 0,36 O valor de x não tem significado físico, pois se assim o fosse, a concentração de PCl 3 e Cl 2 no equilíbrio, seria (0,500 0,66) = -0,16 mol/l, ou seja, a concentração seria negativa. Assim, o valor de x deve ser rejeitado. Os valores das concentrações de reagentes e produtos no equilíbrio são: [PCl 3 ] = [Cl 2 ] = (0,500 x ) = 0,500 0,36 = 0,14 mol/l [PCl 5 ] = (0,500 + x ) = 0,86 mol/l (10) A reação de decomposição do NOBr, formando NO e Br 2 é endotémica (16,1 kj/mol). 2NOBr(g) 2NO(g) + Br 2 (g) Preveja (e justifique) o efeito sobre a posição e equilíbrio das seguintes modificações, ou seja, diga o sentido do deslocamento (para a direita, para a esquerda, sem deslocamento) quando se perturba o sistema em equilíbrio de cada maneira a seguir: (a) Adição de Br 2 (g). (b) Remoção de um pouco de NOBr(g). (c) Abaixamento da temperatura. (d) Elevação do volume do vaso do sistema Uma maneira de se prever como um sistema em equilíbrio responde quando sujeito às perturbações é mediante a consideração do princípio de Le Chatelier: Um sistema em equilíbrio resiste às tentativas de alteração de temperatura, pressão e concentração de um reagente. À parte o princípio de Lê Chatelier, argumentos cinéticos ou aqueles baseados no quociente reacional, Q, podem também ser utilizados para este propósito. A expressão que define K c e Q é a mesma, mas enquanto a constante de equilíbrio, K c, relaciona concentrações em equilíbrio de reagentes e produtos, o quociente reacional, Q, relaciona concentrações de reagentes e produtos quer sejam ou não concentrações de equilíbrio. Assim, se Q > K c, ou se Q < K c, o sistema não está em equilíbrio. O sistema, então, se deslocará espontaneamente para uma nova situação de modo que Q = K c. Para a equação química supracitada, a constante de equilíbrio assume a seguinte expressão:

9 Assim: (a) Adição de Br 2 (g): A adição de Br 2 (g) (levando o sistema a uma situação de não equilíbrio) resultará em Q > K c. Para que Q seja igual a K c, é necessário que parte da concentração dos produtos diminua aumentando a concentração de NOBr restabelecendo uma nova situação de equilíbrio e, portanto, deslocando o sistema para a esquerda. (b) Remoção de um pouco de NOBr(g). A remoção do reagente faz com que Q > K c (diminuição do denominador na expressão acima) e, para que Q seja igual a K c de modo ao sistema voltar ao equilíbrio, parte dos produtos deve converter-se em reagentes e, portanto, o sistema se deslocará para a esquerda. (c) Abaixamento da temperatura. A reação de decomposição do NOBr é endotérmica (ocorre acompanhada da absorção de calor). Se o sistema em equilíbrio sofrer um abaixamento de temperatura ele reagirá de modo a resistir ao abaixamento de temperatura e para tal deverá liberar calor para aumentar a temperatura de sua vizinhança. Se a decomposição do NOBr em NO e Br 2 é endotérmica, a recombinação do NO e Br 2 formando NOBr é exotérmica. Ou seja, a conversão de produtos em reagentes é, neste caso, exotérmica. Assim, o equilíbrio se restabelecerá com a conversão de produtos em reagentes e, portanto, o equilíbrio do sistema se deslocará para a esquerda. (d) Elevação do volume do vaso do sistema. Quando o volume do vaso de um sistema em equilíbrio é aumentado ocorre uma diminuição na pressão parcial (concentração) de reagentes e produtos. Como há mais espécies de produto (3; dois NO + um Br 2 ) que de reagentes (2; dois NOBr) o efeito do aumento do volume sobre reagentes e produtos não será o mesmo e, portanto, o sistema não mais estará em equilíbrio. Uma forma de visualizar a situação é escolher arbitrariamente uma concentração de equilíbrio para reagentes e produtos, por exemplo 1M, e depois observar o que ocorre quando o volume do recipiente é dobrado (de fato, qualquer aumento de volume poderia ser imaginado). Desta maneira, a concentração do reagente e de cada produto diminuiria para 0,5M após duplicar o volume do recipiente. As expressões para K c e Q seriam: Assim, Q < K c e, portanto, para que Q seja igual a K (para que o sistema volte ao equilíbrio) a concentração de NOBr (denominador) deve diminuir e a concentração de NO e Br 2 (numerador) deve aumentar, ou seja, o sistema se deslocará para a direita. A mesma conclusão poderia ser obtida usando-se o princípio de Le Chatelier (veja Kotz & Treichel, v.2, p. 56)

- A velocidade da reação direta (V1) é igual à velocidade da reação inversa (V2) V 1 = V 2

- A velocidade da reação direta (V1) é igual à velocidade da reação inversa (V2) V 1 = V 2 EQUILÍBRIO QUÍMICO Equilíbrio Químico - Equilíbrio químico é a parte da físico-química que estuda as reações reversíveis e as condições para o estabelecimento desta atividade equilibrada. A + B C + D -

Leia mais

Principais Tópicos Abordados

Principais Tópicos Abordados BC0307 Transfo ormaçõe es Químicas Principais Tópicos Abordados.Indústrias químicas: Processo Haber Equilíbrio químico: Lei de Ação das Massas e constante de equilíbrio. Fatores que afetam o equilíbrio

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 1- Introdução Uma reação química é composta de duas partes separadas por uma flecha, a qual indica o sentido da reação. As espécies químicas denominadas como reagentes ficam à esquerda

Leia mais

Introdução. Muitas reações ocorrem completamente e de forma irreversível como por exemplo a reação da queima de um papel ou palito de fósforo.

Introdução. Muitas reações ocorrem completamente e de forma irreversível como por exemplo a reação da queima de um papel ou palito de fósforo. Introdução Muitas reações ocorrem completamente e de forma irreversível como por exemplo a reação da queima de um papel ou palito de fósforo. Existem também sistemas, em que as reações direta e inversa

Leia mais

QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica:

QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica: QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica: 1. Considere que, durante esse experimento, a diminuição de massa se

Leia mais

FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre.

FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre. CINÉTICA QUÍMICA FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES 1. O estado físico dos reagentes. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre. 4. A presença de um catalisador.

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 20/05/06

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 20/05/06 - ROVA DE QUÍMICA GERAL - 0/05/06 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 0,0 Constantes: R 8,34 J mol - K - 0,08 atm L mol - K - atm L 0,35

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza 1) a-) Calcular a solubilidade do BaSO 4 em uma solução 0,01 M de Na 2 SO 4 Dissolução do Na 2 SO 4 : Dado: BaSO

Leia mais

Gabarito Química - Grupo A. 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor

Gabarito Química - Grupo A. 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor VESTIB LAR Gabarito Química - Grupo A 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor Muitos álcoois, como o butanol (C 4 H 10 O), têm importância comercial como solventes e matériasprimas na produção industrial

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS

DURAÇÃO DA PROVA: 03 HORAS INSTRUÇÕES: PRCESS SELETIV 2013/2 - CPS PRVA DISCURSIVA DE QUÍMICA CURS DE GRADUAÇÃ EM MEDICINA 1. Só abra a prova quando autorizado. 2. Veja se este caderno contém 5 (cinco) questões discursivas. Caso

Leia mais

Revisão: Química inorgânica Soluções aquosas

Revisão: Química inorgânica Soluções aquosas QUÍMICA è Revisão: Química inorgânica Hidróxidos fortes família 1A e 2A (exceto Ca e Mg) Ácidos fortes nº de oxigênios nº de hidrogênios > 2, principalmente nítrico (HNO 3 ), clorídrico (HCl) e sulfúrico

Leia mais

Escola de Engenharia de Lorena USP - Cinética Química Capítulo 05 Reações Irreversiveis a Volume Varíavel

Escola de Engenharia de Lorena USP - Cinética Química Capítulo 05 Reações Irreversiveis a Volume Varíavel 1 - Calcule a fração de conversão volumétrica (ε A) para as condições apresentadas: Item Reação Condição da Alimentação R: (ε A ) A A 3R 5% molar de inertes 1,5 B (CH 3 ) O CH 4 + H + CO 30% em peso de

Leia mais

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 16/06/12

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 16/06/12 P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 6/06/ Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Dados gerais: G = H - TS G= - n F E G = G o + RT ln Q ΔE ΔE [A] [A] 0 Questão Valor Grau Revisão kt a,5 a,5 3 a,5

Leia mais

QUÍMICA Prova de 2 a Etapa

QUÍMICA Prova de 2 a Etapa QUÍMICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém sete questões, constituídas de itens e subitens, e é composto de dezesseis

Leia mais

A Termoquímica tem como objetivo o estudo das variações de energia que acompanham as reações químicas.

A Termoquímica tem como objetivo o estudo das variações de energia que acompanham as reações químicas. A Termoquímica tem como objetivo o estudo das variações de energia que acompanham as reações químicas. Não há reação química que ocorra sem variação de energia! A energia é conservativa. Não pode ser criada

Leia mais

Prova para Classificação de Bolsas 2013. Identificação do Candidato

Prova para Classificação de Bolsas 2013. Identificação do Candidato PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA DOUTORADO ASSOCIAÇÃO AMPLA UEL/UEPG/UNICENTRO Prova para Classificação de Bolsas 2013 Identificação do Candidato Nome: Data: 07/03/2013. Candidato N o : Prezado (a)

Leia mais

As curvas que correspondem aos experimentos I, II e III são respectivamente, A) B, A, C. B) C, A, B. C) C, B, A. D) A, B, C. E) A, C, B.

As curvas que correspondem aos experimentos I, II e III são respectivamente, A) B, A, C. B) C, A, B. C) C, B, A. D) A, B, C. E) A, C, B. CINÉTICA QUÍMICA 1) (UFMG) O gráfico a seguir representa a variação de energia potencial quando o monóxido de carbono, CO, é oxidado a CO 2 pela ação do NO 2, de acordo com a equação: CO(g) + NO 2 (g)

Leia mais

Equilíbrio Químico. Prof. Alex Fabiano C. Campos

Equilíbrio Químico. Prof. Alex Fabiano C. Campos 6/09/010 Equilíbrio Químico rof. Alex Fabiano C. Campos rocessos Reversíveis e Irreversíveis Algumas reações são irreversíveis, ou seja, uma vez obtios os proutos não há previsão espontânea e regeneração

Leia mais

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA QUESTÃO 01 Em uma determinada transformação foi constatado que poderia ser representada

Leia mais

Cinética Química. Professora (Estagiária): Magda Vieira Professora Supervisora: Kátia Aquino. Profa. Kátia Aquino

Cinética Química. Professora (Estagiária): Magda Vieira Professora Supervisora: Kátia Aquino. Profa. Kátia Aquino Cinética Química Professora (Estagiária): Magda Vieira Professora Supervisora: Kátia Aquino Profa. Kátia Aquino 1 As reações também possuem suas velocidades próprias Muito rápida: combustão http://www.franciscoevangelista.com/2012/07/incendio-residencial-com-vitima-fatal.html

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S QUÍMICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém cinco

Leia mais

As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo.

As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo. QUÍMICA As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado para as usinas de compostagem, após a reciclagem, obtém-se

Leia mais

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima

TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima TC Revisão 2 Ano Termoquímica e Cinética Prof. Alexandre Lima 1. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado para as usinas de compostagem, após a reciclagem, obtém-se

Leia mais

Equilíbrio Químico. Processos Reversíveis e Irreversíveis

Equilíbrio Químico. Processos Reversíveis e Irreversíveis Equilíbrio Químico rocessos Reversíveis e Irreversíveis rocessos Reversíveis e I Algumas reações são irreversíveis, ou seja, uma vez obtios os proutos não há previsão espontânea e regeneração os reagentes.

Leia mais

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação que funciona com cargas intermitentes. Você é convidado

Leia mais

Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA

Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA Leonnardo Cruvinel Furquim TERMOQUÍMICA Termoquímica Energia e Trabalho Energia é a habilidade ou capacidade de produzir trabalho. Mecânica; Elétrica; Calor; Nuclear; Química. Trabalho Trabalho mecânico

Leia mais

A A A A A A A A A A A A A A A

A A A A A A A A A A A A A A A QUÍMIC 1 Em um balão de paredes rígidas, foram colocados 0,200 g de gás hidrogênio, 6,400 g de gás oxigênio e um material sólido que absorve água. O volume do balão é de 4,480 Leémantido à temperatura

Leia mais

Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados

Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados Prof. Fabrício R. Sensato Semestre 4º Engenharia: Materiais Período: Matutino/diurno Regimes: Normal/DP Agosto, 2005

Leia mais

FÍSICO-QUÍMICA - CINÉTICA QUÍMICA RUMO AO ITA PROF. ALEXANDRE VARGAS GRILLO.

FÍSICO-QUÍMICA - CINÉTICA QUÍMICA RUMO AO ITA PROF. ALEXANDRE VARGAS GRILLO. FÍSICO-QUÍMICA - CINÉTICA QUÍMICA RUMO AO ITA PROF. ALEXANDRE VARGAS GRILLO. Questão 01 (PETER ATKINS) A velocidade de formação de C na reação 2A + B 2C + 3D é de 1,0 mol/l.s. Dar a velocidade da reação

Leia mais

QUÍMICA COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA

QUÍMICA COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA COMENTÁRIO DA PROVA DE QUÍMICA Prova boa, com questões claras e nível superior ao do ano passado. Nota-se, no entanto, a falta de uma revisão criteriosa, feita por algum professor da área, que não tenha

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO QUÍMICA APLICADA - MESTRADO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO QUÍMICA APLICADA - MESTRADO strado em Química Aplicada Seleção 2007 1/6 1 a etapa do Processo de Seleção 2007 - Parte 1 Questão 01: (A) Arranje, em ordem crescente de comprimento de onda, os seguintes tipos de fótons de radiação

Leia mais

Exercícios sobre Termoquímica- Energia de ligação

Exercícios sobre Termoquímica- Energia de ligação Exercícios sobre Termoquímica- Energia de ligação 01. (Cesgranrio) Sendo dadas as seguintes entalpias de reação: C (s) C (g) H = + 170,9 kcal/mol 2 H 2 (g) 4H (g) H = + 208,4 kcal/mol C (s) + 2 H 2 (g)

Leia mais

Resolução: 0,86ºC. x = 0,5 mol etanol/kg acetona. 0,5 mol 1000 g de acetona. 200 g de acetona. y = 0,1 mol de etanol. 1 mol de etanol (C 2 H 6 O) 46 g

Resolução: 0,86ºC. x = 0,5 mol etanol/kg acetona. 0,5 mol 1000 g de acetona. 200 g de acetona. y = 0,1 mol de etanol. 1 mol de etanol (C 2 H 6 O) 46 g (ACAFE) Foi dissolvida uma determinada massa de etanol puro em 200 g de acetona acarretando em um aumento de 0,86 C na temperatura de ebulição da acetona. Dados: H: 1 g/mol, C: 12 g/mol, O: 16 g/mol. Constante

Leia mais

Reações Químicas Reações Químicas DG O QUE É UMA REAÇÃO QUÍMICA? É processo de mudanças químicas, onde ocorre a conversão de uma substância, ou mais, em outras substâncias. A + B REAGENTES C +

Leia mais

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix

Introdução. Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Princípios da corrosão: reações de oxiredução potencial de eletrodo - sistema redox em equilíbrio - Diagrama de Pourbaix Introdução Conceitos de oxidação e redução 1 - Ganho ou perda de oxigênio

Leia mais

Tipologia, número de itens e cotação. Tipologia dos itens Número de Itens cotação 2 6 Resposta curta 1 8 3 20 Resposta restrita 2 12 3 20 Cálculo 3 12

Tipologia, número de itens e cotação. Tipologia dos itens Número de Itens cotação 2 6 Resposta curta 1 8 3 20 Resposta restrita 2 12 3 20 Cálculo 3 12 E s c o l a S e c u n d á r i a d e A l c á c e r d o S a l Ano letivo 2011/2012 Física e Química A Bloco II Teste Sumativo 5A Critérios de classificação ( 31/05/2012) Tipologia, número de itens e cotação

Leia mais

GABARITO 5 a lista de exercícios/ Data: /09/2014 // gabarito 12/09/2014

GABARITO 5 a lista de exercícios/ Data: /09/2014 // gabarito 12/09/2014 Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula GABARITO 5 a lista de exercícios/ Data: /09/014 // gabarito 1/09/014 1) Alguns fatores podem alterar a rapidez

Leia mais

química FUVEST ETAPA Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 c) Determine o volume adicionado da solução

química FUVEST ETAPA Resposta QUESTÃO 1 QUESTÃO 2 c) Determine o volume adicionado da solução Química QUESTÃO 1 Um recipiente contém 100 ml de uma solução aquosa de H SO 4 de concentração 0,1 mol/l. Duas placas de platina são inseridas na solução e conectadas a um LED (diodo emissor de luz) e a

Leia mais

TITULAÇÃO DE ÁCIDO-BASE

TITULAÇÃO DE ÁCIDO-BASE Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Introdução a Analise Química - II sem/2012 Profa Ma Auxiliadora - 1 Disciplina QUIO94 - Introdução à Análise Química

Leia mais

Energia é conservada!

Energia é conservada! Calor transferido E = q + w Variação de energia Trabalho realizado pelo sistema Energia é conservada! ENDOtérmico: o calor é transferido da VIZINHANÇA para o SISTEMA. T(sistema) aumenta enquanto T (vizinhança)

Leia mais

TERMOQUÍMICA. O que é o CALOR? Energia térmica em transito

TERMOQUÍMICA. O que é o CALOR? Energia térmica em transito TERMOQUÍMICA Termoquímica PROF. Prof. DAVID David TERMOQUÍMICA O que é o CALOR? Energia térmica em transito TERMOQUÍMICA Estuda as quantidades de calor liberadas ou absorvidas durante as reações químicas

Leia mais

MASSA ATÔMICA. 1u corresponde a 1,66.10-24 g, que equivale aproximadamente à massa de um próton ou de um nêutron.

MASSA ATÔMICA. 1u corresponde a 1,66.10-24 g, que equivale aproximadamente à massa de um próton ou de um nêutron. Cálculos Químicos MASSA ATÔMICA Na convenção da IUPAC (União Internacional de Química Pura e Aplicada) realizada em 1961, adotou-se como unidade padrão para massa atômica o equivalente a 1/12 da massa

Leia mais

Química Analítica Avançada: Volumetria de Neutralização. Prof a Lilian Silva 2011

Química Analítica Avançada: Volumetria de Neutralização. Prof a Lilian Silva 2011 Química Analítica Avançada: Volumetria de Neutralização Prof a Lilian Silva 2011 INTRODUÇÃO À VOLUMETRIA TITULAÇÃO Processo no qual uma solução padrão ou solução de referência é adicionada a uma solução

Leia mais

, em vez de apenas em água.

, em vez de apenas em água. Questão 01 QUÍMIA Utilizada comumente para desinfecção, a água clorada é obtida por meio de borbulhamento do gás cloro em água, num processo que corresponde à reação descrita nesta equação: + - (g) ( )

Leia mais

PROCESSO SELETIVO / UNIFAL/ 2008/2 QUÍMICA GABARITO FINAL COM DISTRIBUIÇÃO DOS PONTOS. Questão 1. H= - 1412 kj

PROCESSO SELETIVO / UNIFAL/ 2008/2 QUÍMICA GABARITO FINAL COM DISTRIBUIÇÃO DOS PONTOS. Questão 1. H= - 1412 kj QUÍMICA GABARIT FINAL CM DISTRIBUIÇÃ DS PNTS Questão 1 a) C 2 C 2 + 3 2 2C 2 + 2 2 ( 6 pontos) b) p.v C2 = n C2.R.T p= 1atm; V C2 =98 L; T=25+273=298K n C2 =(p.v C2 )/ (R.T) n C2 =(1.98)/ (0,082.298) moles

Leia mais

Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico

Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico Universidade Estadual de Goiás UnUCET - Anápolis Química Industrial Química Experimental II Preparação e padronização de uma solução 0,10 mol/l de ácido clorídrico Alunos: Bruno Ramos; Wendel Thiago; Thales

Leia mais

Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados

Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados Termodinâmica Química Lista 2: 1 a Lei da Termodinâmica. Resolução comentada de exercícios selecionados Prof. Fabrício R. Sensato Semestre 4º Engenharia: Materiais Período: Matutino/diurno Regimes: Normal/DP

Leia mais

2º ANO QUÍMICA 1 PROFª ELAINE CRISTINA. Educação para toda a vida. Colégio Santo Inácio. Jesuítas

2º ANO QUÍMICA 1 PROFª ELAINE CRISTINA. Educação para toda a vida. Colégio Santo Inácio. Jesuítas 2º ANO QUÍMICA 1 1 mol 6,02.10 23 partículas Massa (g)? Massa molar Cálculo do número de mols (n) Quando juntamos duas espécies químicas diferentes e, não houver reação química entre elas, isto é, não

Leia mais

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 04/09/10

P1 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 04/09/10 P - PROVA DE QUÍMICA GERAL 04/09/0 Nome: Nº Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão a,5 a,5 a,5 4 a,5 Total 0,0 Dados R 0,08 atm L - K - T (K) T ( C) + 7,5 PV nrt K p K c (RT)

Leia mais

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO 1 SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO Diego Oliveira Cordeiro 1 diegoocordeiro@gmail.com Janduir Egito da Silva 1 jaduires@yahoo.com Cláudia Laís Araújo

Leia mais

10/02/2014. O Processo de Dissolução. Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico é preservado.

10/02/2014. O Processo de Dissolução. Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico é preservado. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Diamantina - MG Solução: é uma mistura homogênea de soluto e solvente. Solvente: Componente cujo estado físico

Leia mais

Propriedades coligativas

Propriedades coligativas Química Aula de Revisão 9 3 os anos Décio ago/09 Nome: Nº: Turma: Propriedades coligativas Objetivo O objetivo dessa ficha é dar continuidade à revisão do 3º ano Química, dos assuntos mais significativos.

Leia mais

b) Calcule o número de oxidação do fósforo e as cargas formais dos átomos de fósforo, oxigênio e hidrogênio na estrutura.

b) Calcule o número de oxidação do fósforo e as cargas formais dos átomos de fósforo, oxigênio e hidrogênio na estrutura. QUÍMICA 01. ácido sulfúrico, assim como o íon hidrogenossulfato, reage com bases fortes, como hidróxido de sódio, liberando calor para as vizinhanças. Dados: M (g.mol-1) H = 1,008; = 15,999; S = 32,06;

Leia mais

Características e os efeitos das propriedades coligativas

Características e os efeitos das propriedades coligativas Características e os efeitos das propriedades coligativas O estudo das propriedades coligativas é um dos conteúdos mais importantes a serem estudados, pois facilita a compreensão de fenômenos químicos

Leia mais

UNESP- 2013- Vestibular de Inverno

UNESP- 2013- Vestibular de Inverno UNESP- 2013- Vestibular de Inverno 1-Compostos de crômio têm aplicação em muitos processos industriais, como, por exemplo, o tratamento de couro em curtumes e a fabricação de tintas e pigmentos. Os resíduos

Leia mais

ITA - 2004 4º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

ITA - 2004 4º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR ITA - 2004 4º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Química Questão 01 Qual das opções a seguir apresenta a equação química balanceada para a reação de formação de óxido de ferro (II) sólido condições-padrão?

Leia mais

TITULAÇÃO ÁCIDO-BASE

TITULAÇÃO ÁCIDO-BASE Introdução a Analise Química - II sem/2013 Profa Ma Auxiliadora - 1 Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Disciplina QUIO94 - Introdução à Análise Química

Leia mais

ESTUDO DA CINÉTICA DE HIDRÓLISE ÁCIDA DO COMPOSTO Trans-[(Co(en) 2 Cl 2 )Cl]

ESTUDO DA CINÉTICA DE HIDRÓLISE ÁCIDA DO COMPOSTO Trans-[(Co(en) 2 Cl 2 )Cl] TRABALHO 3 ESTUDO DA CINÉTICA DE HIDRÓLISE ÁCIDA DO COMPOSTO Trans-[(Co(en) 2 Cl 2 )Cl] 1. OBJECTIVO Estudo da cinética da reacção de hidrólise ácida do composto Trans-[Co(en) 2 Cl 2 ]Cl. Determinação

Leia mais

Prova Escrita de Física e Química A

Prova Escrita de Física e Química A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 19/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Física e Química A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 715/1.ª Fase Critérios de Classificação 1 Páginas 201

Leia mais

Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica

Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica Capítulo 2. A 1ª Lei da Termodinâmica Parte 1: trabalho, calor e energia; energia interna; trabalho de expansão; calor; entalpia Baseado no livro: Atkins Physical Chemistry Eighth Edition Peter Atkins

Leia mais

Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita)

Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita) Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães ORIENTAÇÃO: Prof a Márcia Cunha 2001

REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães ORIENTAÇÃO: Prof a Márcia Cunha 2001 CENTRO DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS EXATAS CURSO DE QUÍMICA - LICENCIATURA INSTRUMENTAÇÃO PARA O ENSINO DE QUÍMICA SÉRIE: EXPERIÊNCIAS DEMONSTRATIVAS REAÇÕES QUÍMICAS ORGANIZAÇÃO: Márcia Adriana Warken Magalhães

Leia mais

ÁCIDOS E BASES. + (aq) + OH - (aq)

ÁCIDOS E BASES. + (aq) + OH - (aq) ÁCIDOS E BASES O conhecimento sobre termodinâmica, particularmente sobre as constantes de equilíbrio é de grande importância na discussão quantitativa das forças de ácidos e bases o que permite desenvolver

Leia mais

Soluções. Processo de Dissolução. Conceitos Soluções. Soluto e solvente. Curso: Química Industrial Professora: Liliana Lira Pontes

Soluções. Processo de Dissolução. Conceitos Soluções. Soluto e solvente. Curso: Química Industrial Professora: Liliana Lira Pontes Universidade Federal da Paraíba Centr de Ciências Exatas e da Natureza Departament de Química Disciplina: Química Geral Sluções Curs: Química Industrial Prfessra: Liliana Lira Pntes Cnceits Sluções Sluçã

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA FICHA DE EQUILÍBRIO DE SOLUBILIDADE

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA FICHA DE EQUILÍBRIO DE SOLUBILIDADE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA FICHA DE EQUILÍBRIO DE SOLUBILIDADE 1. 1.1. s(cdcl 2 ) = 114,1g/100g H 2 O M(CdCl 2 )= 183,3 g/mol M(H 2 O) = 18,0 g/mol x(cdcl 2 ) = n (CdCl2)/n total m(h 2 O) = 100 g e m(cdcl

Leia mais

QUÍMICA. 3. (FCC BA) A reação abaixo pode ser classificada como endotérmica ou exotérmica? Justifique H2(g) + ½ O2(g) H2O(g) + 242kJ

QUÍMICA. 3. (FCC BA) A reação abaixo pode ser classificada como endotérmica ou exotérmica? Justifique H2(g) + ½ O2(g) H2O(g) + 242kJ QUÍMICA Prof. Arthur LISTA DE EXERCÍCIOS - 2.8: TERMOQUÍMICA 1. (UFMG-MG) O gás natural (metano) é um combustível utilizado, em usinas termelétricas, na geração de eletricidade, a partir da energia liberada

Leia mais

Se um sistema troca energia com a vizinhança por trabalho e por calor, então a variação da sua energia interna é dada por:

Se um sistema troca energia com a vizinhança por trabalho e por calor, então a variação da sua energia interna é dada por: Primeira Lei da Termodinâmica A energia interna U de um sistema é a soma das energias cinéticas e das energias potenciais de todas as partículas que formam esse sistema e, como tal, é uma propriedade do

Leia mais

A resposta correta deve ser a letra B.

A resposta correta deve ser a letra B. ITA - 1999 1- (ITA-99) Assinale a opção CORRETA em relação à comparação das temperaturas de ebulição dos seguintes pares de substâncias: a) Éter dimetílico > etanol; Propanona > ácido etanóico; Naftaleno

Leia mais

Leis Históricas da Estequiometria

Leis Históricas da Estequiometria Estequiometria A proporção correta da mistura ar-combustível para o motor de uma carro de corrida pode ser tão importante quanto a habilidade do piloto para ganhar a corrida. As substâncias químicas, como

Leia mais

Disciplina de Didáctica da Química I

Disciplina de Didáctica da Química I Disciplina de Didáctica da Química I Texto de Apoio Concepções Alternativas em Equilíbrio Químico Autores: Susana Fonseca, João Paiva 3.2.3 Concepções alternativas em Equilíbrio Químico Tal como já foi

Leia mais

Questão 61. Questão 63. Questão 62. alternativa B. alternativa B. alternativa D

Questão 61. Questão 63. Questão 62. alternativa B. alternativa B. alternativa D Questão 61 A limpeza de pisos de mármore normalmente é feita com solução de ácido clorídrico comercial (ácido muriático). Essa solução ácida ataca o mármore, desprendendo gás carbônico, segundo a reação

Leia mais

Ácidos e bases. Aula 8 Ácidos e Bases / ph. Par ácido-base conjugado. Ácidos e bases

Ácidos e bases. Aula 8 Ácidos e Bases / ph. Par ácido-base conjugado. Ácidos e bases Aula 8 Ácidos e Bases / ph Prof. Ricardo Aparicio - IQ/Unicamp - 1s/2009 QG107 (Biologia) - 1s/2009 Definição de Brønsted-Lowry (1923) definição mais abrangente que a de Arrhenius ácidos e bases = ácidos

Leia mais

Questão 1. Considere as reações envolvendo o sulfeto de hidrogênio representadas pelas equações seguintes:

Questão 1. Considere as reações envolvendo o sulfeto de hidrogênio representadas pelas equações seguintes: ONSTANTES onstante de Avogadro = 6, x 1 mol 1 onstante de Faraday (F) = 9,65 x 1 4 mol 1 Volume molar de gás ideal =,4 L (NTP) arga elementar = 1,6 x 1 19 onstante dos gases (R) = 8,1 x 1 atm L K 1 mol

Leia mais

Lista de Exercícios Espectrometria de Absorção Molecular ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO.

Lista de Exercícios Espectrometria de Absorção Molecular ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. ALGUNS EXERCÍCIOS SÃO DE AUTORIA PRÓPRIA. OS DEMAIS SÃO ADAPTADOS DE LIVROS CITADOS ABAIXO. 1 Um estudante dissolveu devidamente, 0,519 g de amostra e diluiu para 50,0 ml. Em seguida, tratou uma alíquota

Leia mais

QUÍMICA. Questão 31. Questão 32

QUÍMICA. Questão 31. Questão 32 QUÍMICA Questão 3 Em 9,9 g de um sal de cálcio encontra-se 0,5 mol desse elemento. Qual a massa molar do ânion trivalente que forma esse sal? Dado: Ca 40 g/mol. (A) 39 g/mol. (B) 278 g/mol. (C) 63,3 g/mol.

Leia mais

Exercícios sobre Propriedades coligativas - Osmose

Exercícios sobre Propriedades coligativas - Osmose Exercícios sobre Propriedades coligativas - Osmose 01. (Pucsp) Osmose é a difusão do solvente através de uma membrana semipermeável do meio menos concentrado para o meio mais concentrado. A pressão osmótica

Leia mais

Professora Sonia - Química para o Vestibular Questões Resolvidas Equilíbrio Químico (com respostas e resoluções no final)

Professora Sonia - Química para o Vestibular Questões Resolvidas Equilíbrio Químico (com respostas e resoluções no final) Questões Resolvidas Equilíbrio Químico (com respostas e resoluções no final) 01. (Fuvest) A isomerização catalítica de parafinas de cadeia não ramificada, produzindo seus isômeros ramificados, é um processo

Leia mais

DADOS Constante dos gases: R = 0, Elemento Massa Atômica ( u.m.a.) He

DADOS Constante dos gases: R = 0, Elemento Massa Atômica ( u.m.a.) He DADOS Constante dos gases: R 0, 08L atm/ ( mol K) 1atm 760mmHg Elemento assa Atômica ( u.m.a.) He 400, Cl 3, n, O 16, 0 C 1, 0 Determine o volume do cloro obtido, a 7,0 ºC e 738 mmhg, pela ação de excesso

Leia mais

Lista I de exercícios de estequiometria e balanceamento de equações Química Geral e Experimental I Prof. Hamilton Viana

Lista I de exercícios de estequiometria e balanceamento de equações Química Geral e Experimental I Prof. Hamilton Viana 1. O iso-octano é um combustível automotivo. A combustão desse material ocorre na fase gasosa. Dados a massa molar do iso-octano igual a 114g/mol, o volume molar de gás nas "condições ambiente" igual a

Leia mais

Prova de Química Vestibular ITA 1996

Prova de Química Vestibular ITA 1996 Prova de Química Vestibular ITA 1996 Versão 1.0 Química ITA 1996 01) (ITA-96) Qual dos ácidos abaixo é o menos volátil? hexano. a) HCl b) HI c) H 2 SO 3 d) H 2 SO 4 e) CH 3 CH 2 COOH 02) (ITA-96) Aquecendo,

Leia mais

Química 2. Módulo 10: Cinética Química ATIVIDADE III

Química 2. Módulo 10: Cinética Química ATIVIDADE III Química 2 Módulo 10: Cinética Química ATIVIDADE III 1. (CESGRANRIO) Um forno a gás consome 112 litros de butano, por hora, medidos nas CNTP. Nas mesmas condições, a velocidade de formação do dióxido de

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 1 1 1 H 1, 00 2 3 4 2 Li 6, 94 Be 9, 01 11 12 3 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 4 K 39, 10 Ca 40, 08 37 38 5 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 6 Cs 132, 91 Ba 137, 33 87 88 7 Fr Ra 223, 02 226, 03 CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA

Leia mais

CONSTANTES. 9, 65 x 10 C mol 9, 65 x 10 A s mol 9, 65 x 10 J V. 1, 602 x 10 C,21x10 atmlk mol = 8,31 JK mol

CONSTANTES. 9, 65 x 10 C mol 9, 65 x 10 A s mol 9, 65 x 10 J V. 1, 602 x 10 C,21x10 atmlk mol = 8,31 JK mol CONSTANTES Constante de Avogadro = Constante de Faraday (F) = 23 1 6, 02 x 10 mol Volume molar de gás ideal = 22, 4 L (CNTP) Carga elementar = 4 1 4 1 4 1 9, 65 x 10 C mol 9, 65 x 10 A s mol 9, 65 x 10

Leia mais

Professora Sonia - Química para o Vestibular Questões Resolvidas Hidrólise Salina (com respostas e resoluções no final)

Professora Sonia - Química para o Vestibular Questões Resolvidas Hidrólise Salina (com respostas e resoluções no final) Questões Resolvidas Hidrólise Salina (com respostas e resoluções no final) 01. (Uftm) Em soluções aquosas de acetato de sódio, o íon acetato sofre hidrólise: 3 l 3 CH COO (aq) + H O( ) CH COOH (aq) + OH

Leia mais

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq)

QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL. O 2(g) O 2(aq) QUESTÕES DE CARACTERIZAÇÃO E ANÁLISE AMBIENTAL Questão 01 O agente oxidante mais importante em águas naturais é, sem a menor dúvida, o oxigênio molecular dissolvido, O 2. O equilíbrio entre o oxigênio

Leia mais

FOLHAS DE PROBLEMAS. Termodinâmica e teoria cinética. Física dos Estados da Matéria 2002/03

FOLHAS DE PROBLEMAS. Termodinâmica e teoria cinética. Física dos Estados da Matéria 2002/03 FOLHAS DE PROBLEMAS Termodinâmica e teoria cinética Física dos Estados da Matéria 00/03 Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto ª FOLHA

Leia mais

Exercícios de ph Turma Evolução

Exercícios de ph Turma Evolução . A forma dos fios do cabelo (liso ou ondulado) se deve à forma das estruturas proteicas da queratina. Promovendo reações químicas nas ligações dissulfeto (RSSR) presentes na proteína, é possível alterar

Leia mais

Difusão, Osmose e Tônus

Difusão, Osmose e Tônus Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular Disciplina de Biofísica Difusão, Osmose e Tônus 1. Difusão 1.1. Definição 1.2. Fatores que afetam o coeficiente

Leia mais

Reações a altas temperaturas. Diagrama de Equilíbrio

Reações a altas temperaturas. Diagrama de Equilíbrio Reações a altas temperaturas Diagrama de Equilíbrio Propriedades de um corpo cerâmico Determinadas pelas propriedades de cada fase presente e pelo modo com que essas fases (incluindo a porosidade) estão

Leia mais

Química Fascículo 07 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida

Química Fascículo 07 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida Química Fascículo 07 Elisabeth Pontes Araújo Elizabeth Loureiro Zink José Ricardo Lemes de Almeida Índice Propriedades Coligativas...1 Exercícios...3 Gabarito...5 Propriedades coligativas Propriedades

Leia mais

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE

QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE QUÍMICA PRIMEIRA ETAPA - 1997 - TARDE QUESTÃO 01 Um estudante listou os seguintes processos como exemplos de fenômenos que envolvem reações químicas: I adição de álcool à gasolina. II fermentação da massa

Leia mais

X -2(3) X -2 x (4) X - 6 = -1 X 8 = -1 X = 5 X = 7

X -2(3) X -2 x (4) X - 6 = -1 X 8 = -1 X = 5 X = 7 2001 1. - Uma camada escura é formada sobre objetos de prata exposta a uma atmosfera poluída contendo compostos de enxofre. Esta camada pode ser removida quimicamente envolvendo os objetos em questão com

Leia mais

QUÍMICA. Prova resolvida. Material de uso exclusivo dos alunos do Universitário

QUÍMICA. Prova resolvida. Material de uso exclusivo dos alunos do Universitário QUÍMICA Prova resolvida Material de uso exclusivo dos alunos do Universitário Prova de Química - UFRGS/004 QUÍMICA 01 Açúcar comum (sacarose) e café passado, tão comuns em nosso dia-a-dia, são exemplos,

Leia mais

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS

TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA TIPOS DE MÉTODOS ELETROANALÍTICOS CONDUTOMETRIA Baseia-se em medições de condutância das soluções iônicas (seio da solução). A condução de eletricidade através das soluções iônicas é devida

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS 3 PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS QUÍMICA 01 - O dispositivo de segurança que conhecemos como air-bag utiliza como principal reagente para fornecer o gás N 2 (massa molar igual a 28 g mol -1

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIENCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS REITORIA - Diretoria de Gestão de Pessoas Av. Mário Werneck,

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

O Que Tem Sido Apresentado em Livros Didáticos?

O Que Tem Sido Apresentado em Livros Didáticos? Princípio de Le Chatelier O Que Tem Sido Apresentado em Livros Didáticos? Renato Canzian e Flavio Antonio Maximiano Neste trabalho, é apresentada uma análise sobre como os aspectos relacionados ao deslocamento

Leia mais

Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química

Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química Físico-Química Experimental I Bacharelado em Química Engenharia Química Prof. Dr. Sergio Pilling Prática 3 Cinética Química. Estudo fenomenológico e quantitativo dos fatores que influenciam na velocidade

Leia mais