UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS CAMPUS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE DIVINÓPOLIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS CAMPUS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE DIVINÓPOLIS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS CAMPUS DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE DIVINÓPOLIS A Coluna Alô! Alô! e a inter-relação com o público e o privado um estudo sobre a participação do Diário da Tarde na construção da relação com seus cidadãos leitores Aparecida Fátima de Oliveira Divinópolis 2009

2 Aparecida Fátima de Oliveira A Coluna Alô! Alô! e a inter-relação com o público e o privado um estudo sobre a participação do Diário da Tarde na construção da relação com seus cidadãos leitores Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado da Universidade do Estado de Minas Gerais, Campus da Fundação Educacional de Divinópolis, como requisito parcial à obtenção do título Mestre em Educação, Cultura e Organizações Sociais. Área de concentração: Estudos Contemporâneos Linha de Pesquisa: Cultura e Linguagem Orientador: Profª. Drª. Ana Mónica Henriques Lopes Divinópolis Fundação Educacional de Divinópolis 2009

3 Catalogação na Fonte Biblioteca Prof. Nicolaas Gerardus Plasschaert - FUNEDI-UEMG O48c Oliveira, Aparecida Fátima de A Coluna Alô! Alô! e a inter-relação com o público e o privado um estudo sobre a participação do Diário da Tarde na construção da relação com seus cidadãos leitores / Aparecida Fátima de Oliveira f., enc. Orientador : Dra. Ana Mônica Henriques Lopes Dissertação (mestrado) - Universidade do Estado de Minas Gerais, Fundação Educacional de Divinópolis. Bibliografia: f Oralidade. 2. Memória. 3. Coluna jornalística. 4. Linguagem. 5. Análise de discurso I. Lopes, Ana Mônica Henriques. II. Universidade do Estado de Minas Gerais. Fundação Educacional de Divinópolis. III. Título. CDD:

4

5 AUTORIZAÇÃO PARA A REPRODUÇÃO E DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA DA DISSERTAÇÃO Autorizo, exclusivamente para fins acadêmicos e científicos, a reprodução total ou parcial desta dissertação por processos de fotocopiadores e eletrônicos. Igualmente, autorizo sua exposição integral nas bibliotecas e no banco virtual de dissertações da FUNEDI/UEMG. Aparecida Fátima de Oliveira Divinópolis, 06 de fevereiro de 2009

6 AGRADECIMENTOS À equipe da Gerência de Documentação(Gedoc) do Diários Associados pela disponibilidade e profissionalismo com meu objeto de pesquisa; À equipe da Biblioteca da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (Fafich)da UFMG por disponibilizar material para nossa demanda; Às meninas da secretaria do mestrado da FUNEDI pelo carinho e paciência; Aos meus professores queridos, mesmos os que desistiram de mim; Ao professor/coordenador do mestrado Alexandre Simões a quem devo a diplomacia da solução de impasses políticos e didáticos e de quem quero herdar a sabedoria; À Ana Mônica minha orientadora por entender a pobreza franciscana de um jornalista; Aos meus colegas da quarta turma de mestrado, heróis desconhecidos de lugares distantes e de causas nobres; À minha família para quem o mestrado é quase uma heresia diante de tanta "coisa" importante para uma mulher fazer aos 50 anos; Aos meus filhos Yuri e Ygor pelas longas esperas; Ao meu tutor mor jornalista José Carlos Alexandre, companheiro em tempo integral, parceiro no entendimento dos autores, incentivador sem par, galo madrugador para que eu chegasse na hora certa; A todos os meus amigos que incentivaram essa luta de alguma forma; A mim pela coragem de transpor dificuldades; pela inocência de pensar estar buscando no mestrado apenas uma alternativa mercadológica; ao lucro de ter encontrado neste caminho de estudos pessoas que se tornaram amigas e companheiras e que mudaram minha vida para sempre;

7 "Que tempos são estes em que é quase um delito falar de coisas inocentes"! (BERTOLT BRECHT)

8 RESUMO Essa dissertação tem como objetivo analisar de que forma a Coluna Alô! Alô, do então jornal Diário da Tarde, repercutiu na representatividade para os cidadãos da Capital desde seu surgimento, na década de 40, até seu fechamento, em 2007, de modo a mostrar que a Coluna legitimava o cidadão privado, especialmente as menos favorecidas economicamente, portanto, moradoras de bairros periféricos, nos quais se concentram problemas de infra-estrutura (rede de esgoto, água, luz, etc), dando-lhe vez e voz ao público. Para embasar o trabalho recorremos às ideias convergentes de Alexis Toqueville, Jünger Habermas e Hannah Arendt sobre o espaço político da esfera pública a partir do privado; entre outros autores citados no percurso dessa dissertação, que corroboram com nosso referencial teórico. A escolha da Coluna como objeto de pesquisa deve-se ao fato histórico documentado de Alô!Alô! ter tido o maior tempo de sobrevivência do jornalismo mineiro, cerca de 68 anos, considerando-se seu surgimento em 1941, dez anos após a criação do jornal Diário da Tarde (DT), e seu abrupto fechamento, em 2007, quando do surgimento do tablóide Aqui, do mesmo grupo empresarial, qual seja, o Sistema Estaminas de Comunicação, responsável, no estado mineiro também pelo jornal Estado de Minas, Portal Uai, TV Alterosa e Rádio Guarani. Para atingir este objetivo, nosso estudo se desenvolverá em três etapas: 1º) no primeiro capítulo procuramos traçar um breve histórico do surgimento da imprensa nacional e regional. Nesse contexto a confecção do Diário da Tarde e o surgimento e consolidação da coluna Alô!Alô! como veículo de expressão popular. O diálogo com alguns teóricos nos possibilitou demonstrar a importância da imprensa enquanto elemento agregador e agenciador de posicionamentos constituindo-se em um quarto poder na organização política, econômica e cultural de uma sociedade; além de demonstrarmos as diferenças entre notícia e notas, imprescindíveis para a compreensão do formato da Coluna) dedicado á imprensa em Minas Gerais, a partir da abordagem da raríssima Coleção Linhares, que relata a importância da história da imprensa mineira, como O Binômio, com sua expressividade irreverente e sua postura investigativa e as formas de sociabilidade e convivência que se desenvolveram na capital. Procuramos mostrar através das informações colhidas a teia de caminhos que constituíram os espaços públicos e as formas de inserção dos indivíduos na vida da cidade. Nesse percurso demonstramos com os indivíduos comuns se desligavam das atividades privadas para entrarem nos negócios públicos por meio da participação no Alô! Alô! e, conseqüentemente, interferiam na gestão da cidade. Momento este importante para ratificarmos a apropriação de uma coluna de jornal pelo público e as diversas razões que motivaram sua sobrevivência ao longo de seis décadas; e 3º) a demonstração analítica de como a nova Coluna Alô!Alô, absorvida pelo cotidiano de um novo formato de redação, é influenciado pelas novas tecnologias, critérios de noticiabilidade e dinâmicas sociais. Para tal recorremos a textos teóricos e obras cinematográfica que retratam de alguma forma os dilemas de um instrumento de comunicação que é produto das ações em sociedade e que depende da aceitação e respeito do público para se legitimar. Metodologicamente, o corpus do estudo foi formado pelas edições do Diário da Tarde, de janeiro de 1941 a dezembro de 2007, sendo analisados 700 exemplares, divididos por períodos considerados importantes na história do Brasil, a saber: 1941 à 1945 (surgimento do jornal/período da Segunda Guerra Mundial); 1954 (suicídio de Getúlio Vargas); 1964 (Golpe Militar); 1985 (início do processo de democratização do País); 198 (Ano da Constituinte),; 1988 (Ano da Constituição Cidadã); 1990 (Diretas-Já); 1992 (Impeachment de Collor); 1994 (Plano Real); 1998 (Era FHC); 2002 e 2006 (primeiro e segundo anos da eleição de Luiz Inácio

9 Lula da Silva) e 2007 (até 29/08/2007, quando do fechamento do DT. O universo das ---- edições estudadas foi baseado na técnica de amostragem do tipo não probabilística intencional. A partir do referencial teórico e das técnicas de pesquisa utilizados, buscou-se contemplar um resultado de pesquisa tanto quantitativo quanto qualitativo, a fim de que o trabalho possa ser de uso social, pois, nesse contexto, defende-se aqui a ideia de pesquisa como uma forma de conhecimento democrático, de modo que se propiciem condições de se refletir problemas e apontar alternativas que sejam de interesse de toda a comunidade, no caso, de um jornalismo cada vez mais responsável com o bem público: a informação de qualidade. Palavras-chave: Oralidade, memória, jornal, linguagem, análise de discurso

10 SUMMARY This dissertação has as objective to analyze of that it forms the Alô Column! Alô, of then the Daily periodical of the Afternoon, reed-echo in the representation for the citizens of the Capital since its sprouting, in the decade of 40, until its closing, in 2007, in order to show economically that the Column legitimized the private citizen, especially less the most favored, therefore, inhabitants of outlying areas, in which if they concentrate infrastructure problems (net of sewer, water, light, etc), giving to it to time and voice to the public. To base the work we appeal to the convergent ideas of Alexis Toqueville, Jünger Habermas and Hannah Arendt on the space politician of the public sphere from the private one; among others authors cited in the passage of this dissertação, whom they corroborate with our theoretical referencial. The choice of the Column as research object must it the registered historical fact of Alô! Alô! to have had the biggest time of sobrevivênvia of the mining journalism, about 68 years, considering itself its sprouting in 1941, ten years after the creation of the Daily periodical of Tarde (DT), and its abrupt closing, in the 2007, when of the sprouting of tablóide Here, of the same enterprise group, which is, System Estaminas de Comunicação, responsible, in the mining state also for the periodical Been of Mines, Uai Vestibule, TV Alterosa and Rádio Guarani. To reach this objective, our study it will be developed in three stages: 1º) in the first chapter we look for to trace a historical briefing of the sprouting of the national and regional press. In this context the sprouting and confection Daily of the Afternoon and consolidation of the Alô column! Alô! as vehicle of popular expression. The dialogue with some theoreticians made possible in to demonstrate them the importance of the press while agregador element and agent of positionings consisting in one room to be able in the organization politics, economic and cultural of a society; beyond demonstrating to the differences between notice and notes, essential for the understanding of the format of the Column) dedicated the press in Minas Gerais, from the boarding of inhares Collection, that tells the importance of the history of the mining press, as `Binômio', with its irreverent express and its investigation position and the forms of sociability and convivet that if had developed in the capital. We look for to show through the harvested information the of ways that had constituted the public spaces and the forms of insertion of the individuals in the life of the city. In this passage we demonstrate with the common individuals if they disconnect of the private activities to enter in `negócios' public by means of the participation in the Alô! Alô! e, consequently, intervened with the management of the city. Moment this important one to ratify the appropriation of a periodical column for the public and the diverse reasons that had motivated its survival throughout six decades; e 3º) the analytical demonstration of as `nova' Column! Alô Alô, absorbed for the daily one of a new writing format, is influenced by the new technologies, social criteria of noticiabilidade and dynamic. For such we appeal to the texts theoretical and workmanships cinematographic that portray of some form the quandaries of a communication instrument that is product of the actions in society and that it depends on the acceptance and respect of the public to legitimize itself. Metodologic, the corpus of the study was formed by editions of the Daily one of the Afternoon, of January of 1941 the December of 2007, being analyzed 700 units, divided for periods considered important in the history of Brazil, namely: 1941 to the 1945 (sprouting of the periodical/period of World War II); 1954 (suicide of Getúlio Vargas); 1964 (Military Blow); 1985 (beginning of the process of

11 democratization of the Country); 198 (Year of the Constituent); 1988 (Year of the Constitution Citizen); 1990 (Direct-Already); 1992 (Impeachment de Collor); 1994 (Real Plan); 1998 (It was FHC); 2002 and 2006 (first and according to years of the election of Luiz Inácio Lula da Silva) and 2007 (up to 29/08/2007, when of the closing of the DT. The universe of ---- studied editions were based on the technique of sampling of the intentional not probabilist type. From the theoretical reference and of the techniques of used research, one searched to contemplate a in such a way quantitative result of research how much qualitative, so that the work can be of social use, therefore, in this context, the research idea is defended here as a form of democratic knowledge, in way that if propitiate conditions of if reflecting problems and pointing alternatives that are of interest of all the community, in the case, of a journalism each more responsible time with public good: the quality information. Keywords: Oralitat, memory, newspaper, language, analysis of discourse

12 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AMJ - (Associação Mineira de Jornais) entidade representativa dos jornais de Minas Gerais. ANJ - (Associação Nacional de Jornais) entidade ainda em vigor e que congrega os grandes jornais do país. DIP - (Departamento de Imprensa e Propaganda), órgão de controle da imprensa, que vigorou no período do governo de Getúlio Vargas, de 1945 a DT - (Diário da Tarde), órgão do Sistema Estaminas de Comunicação que nasceu em 1931 e encerrou suas atividades em EM - (Estado de Minas) numa referência ao jornal do Sistema Estaminas de Comunicação ainda em circulação. IAPC - (Instituto de Assistência Previdenciária Complementar) hoje INSS(Instituto Nacional de Serviço Social) ambos com a mesma função assistencial à população brasileira. IVC - (Instituto Verificador de Circulação), órgão federal sem fins lucrativos que tem por objetivo verificar a autenticidade da circulação de produtos, entre eles, os jornais. Esse tipo de auditoria nasceu nos Estados Unidos, em No Brasil auditoria chegou em 1963, a partir do evento que reuniu vários país que compusera a Federação de Auditores, do qual o Brasil fez parte, em Estocolmo(Suécia). Até então os jornais literalmente inventavam a tiragens de seus jornais enganando a população e portanto o anunciante. Hoje esse tipo de comportamento é totalmente impossível de se concretizar, até diante da concorrência do mercado(www.ivc.org.br). SJPMG - (Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais)órgão que congrega a categoria dos jornalistas profissionalizados de Minas Gerais. A entidade é regionalizadas em cada estado e faz parte da FENAJ (Federação Nacional dos Jornalistas), com sede em São Paulo. UNESCO - ( Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

13 SUMÁRIO Página Introdução 14 Capítulo 1 - A imprensa escrita deve se reinventar Imprensa e dinâmica social Jornais de olho na internet buscam o futuro do jornalismo Quem é o jornalista O Jornal: operador da recepção simbólica/semiótica 34 Capítulo 2 - Origem da imprensa em Belo Horizonte Coleção Linhares O nascimento do Binômio e dos jornais contemporâneos A história de outras páginas impressas Super tiragens mudam cenário noticioso As marcas deixadas pelo Alô! Alô! no discurso da cidade Oralidade inicia Alô! Alô! 50 Capítulo 3 - Imprensa Escrita: primórdios de uma representação A imprensa, o Alô!Alô! e a formação de um espaço publicizador O quarto poder e o poder do Alô! Alô O Alô! Alô! e a entrada o individuo na esfera pública 66 CONSIDERAÇÕES FINAIS 72 BIBLIOGRAFIA 75 GLOSSÁRIO 81 ANEXOS 89

14 14 INTRODUÇÃO A coluna Alô! Alô! motivo desta dissertação, nasceu em Belo Horizonte, em 1941, publicada no jornal Diário da Tarde, afetivamente chamado pela população belo-horizontina de DT. Em 2007 o jornal encerra suas atividades e em seu lugar nasce o jornal Aqui, e Alô! Alô é a única Coluna a ser aproveitada pelo tablóide, do mesmo grupo empresarial, o Estaminas de Comunicação, responsável, em Minas Gerais, pelas mídias: jornais, Estado de Minas e Aqui, Portal Uai, TV Alterosa e Rádio Guarani. E é exatamente a decisão de se manter a Coluna Alô!Alô pelo tablóide (de tamanho reduzindo em relação ao padrão tradicional ou standart, 28cm X 38 cm) no dia seguinte ao fechamento do DT de (tamanho standart, 29,7 com X 52 cm) que nos faz inferir como Alô!Alô criou raízes no imaginário de seu público leitor, a ponto de o próprio Aqui sintomaticamente continuar com a Coluna. Afinal, não podemos despolitizar o slogan que nasce com o tablóide que o absorve: Jornal Aqui, com o melhor do DT. Por outro lado, podemos estranhar a absorção da Coluna Alô! Alô! pelo fato de o tablóide em sua formatação, qual seja, com notas, notícias e fotos quase sempre dispostas verticalmente, entre 3, 4 e 5 colunas, priorizando em geral temas sobre polícia, esportes e prestação de serviços. Nesta dissertação trabalharemos com um histórico do Alô! Alô! (cujo tamanho, desde sua criação, tem seu formato de 1 coluna 4,5cm), a fim de apontarmos a Coluna como uma esfera politicamente ativa para as comunidades da Capital, especialmente as menos favorecidas economicamente, portanto, moradoras de bairros periféricos e onde se concentram os maiores problemas de infra-estrutura de rede de esgoto, água, luz e outros equipamentos sociais. O que implica dizer que nosso trabalho é um estudo sobre a participação da Coluna Alô! Alô! como esfera pública na construção da relação com seus cidadãos-leitores, como nos propõe Habermas (1984), corroborados por Arent (1987), ao afirmar o direito do homem (cidadão) privado de participar da esfera pública (no caso, o jornal DT) e por Tocqueville (2000), ao ratificar que a cidade vai-se construindo com a participação de um jornal ao ponto de construir uma relação com cada cidadão. Em outro dizer, que a construção do nosso objeto de pesquisa será embasado, principalmente, por esses supracitados teóricos, a fim de nos orientar em nossas análises de resultados.

15 15 O Diário da Tarde nasceu em 14 de fevereiro de 1931, encerrou suas atividades em 2007, e foi o quarto jornal da Capital (Coleção Linhares) com o mesmo nome. Pertencente ao grupo Estaminas de Comunicação o novo jornal aparece como um desdobramento do Estado de Minas com amplo programa de devotamento aos interesses do povo (ITINERÁRIO DA IMPRENSA DE BELO HORIZONTE, 1995, p.289). Já a Coluna Alô! Alô! foi criada pelos jornalistas Menotti Munchetti e Moacyr Andrade, este último também conhecido por José Clemente ou Gato Félix, um dos cronistas mais lidos em Minas Gerais, segundo o Dicionário Biográfico (1994). O Alô! Alô! sobreviveu por 68 anos, praticamente mantendo o mesmo formato de prestação de serviços públicos aos seus leitores, em suas necessidades mais básicas. Desde a primeira redação, elaborada pelo falecido jornalista João de Paulo Pires, até o último dia da coluna dentro do jornal, nada se alterou. A Coluna se manteve com os mesmos assuntos do cotidiano da Capital, não importando qual era a realidade do Brasil ou do mundo, as contingências estruturais pelas quais passavam a política, a vida social, a economia, a cultura, as crises internacionais. Eis aí, portanto, nossa premissa que demonstraremos no decorrer deste trabalho: de que as notícias nacionais ou internacionais não agendavam a Coluna Alô!Alô!. E que nos levou à seguinte reflexão: por um lado, esse não-agendamento, essa não conexão da Coluna com os assuntos nacionais e internacionais pode ser entendido como forma autóctone de Alô!Alô! construir uma relação com seus leitores hermeticamente sobre assuntos do mundo local; dos problemas cotidianos que atingiam seu público, pois conforme nos explica Tocqueville (2000) para as comunidades o que lhes acontece é absolutamente mais importante do que acontece fora do seu entorno. Por outro lado, não podemos deixar de registrar que essa forma de notas-autóctones também demonstram uma certa descontextualização do mundo periférico da Capital com o resto do mundo, numa perspectiva terceiro-mundista, contrariando, inclusive, a política desenvolvimentista aos moldes de Juscelino Kubitschek, nas décadas 50 e 60, aplicado Iniciamos nossa pesquisa com um histórico da criação da coluna que mais tempo sobreviveu dentro do jornalismo mineiro, segundo nossos levantamentos bibliográficos. E que fazia tanto sucesso que, mesmo com o fim do Diário da Tarde a coluna migrou como já dissemos, para o recém-lançado tablóide do grupo Estaminas.

16 16 Metodologicamente, a pesquisa documental analisou, selecionou colunas do Alô! Alô!, publicadas entre janeiro de 1941 a agosto de 2007, quando o DT é abruptamente encerrado. Como são 68 anos de Alô!Alô, o que implica cerca de 5000 páginas publicadas, dificultando a viabilização de qualquer dissertação, pelo tempo exíguo para fazer a coleta de dados, mensuração e análise crítica de todo este rico e volumoso material, optamos por analisar algumas colunas tomando por base anos que foram historicamente importantes para nosso país. Desse modo, além de reduzirmos para 700 páginas - o que ainda pode parecer um número elevado de amostra, porém, deve-se levar em consideração que a jornalista-autora desta dissertação trabalhou no Diário da Tarde por mais de 30 anos. Em outras palavras: esta jornalista-pesquisadora teve acesso diariamente ao objeto de pesquisa deste trabalho, qual seja, às edições da Coluna Alô!Alô!. Assim, não foi tarefa sobre-humana mas, certamente herculínea, fazer a análise dessas colunas, conectadas com a formatação da coluna, sua localização, o que estava em seu entorno e sua relação com o restante do noticiário publicado, considerando, inclusive, as manchetes nacionais e internacionais do dia, respeitando-se, claro, a forma de escrita da Língua Portuguesa usada à época. Também foram analisadas todas as colunas no período de 1942 a 1945 por ser este o período da Segunda Guerra Mundial. Procurou-se mostrar se diante das notícias da Segunda Grande Guerra, a Coluna fazia referência só aos acontecimentos do cotidiano ou também aos nacionais e internacionais. Pretendeu-se apontar se o leitor de Belo Horizonte se preocupava com esses fatos ou estava mais interessado na vida cotidiana da Capital. Constatamos, por exemplo, que as bombas de Hiroxima e Nagasaki, ocorridas em 1945 foram lembradas pelo Alô! Alô! na ocasião. Mas que esse agendamento está mais para um ato falho, para usar um termo freudiano, isto é, um equívoco em determinada circunstância, dos critérios de notas que dominavam a Coluna, ou seja, assuntos periféricos de Belo Horizonte. E o mesmo aconteceu em outras datas históricas, quando assuntos internacionais raramente pautavam o Alô!Alô. No ano de 1954, data do suicídio de Getúlio Vargas, por exemplo, procuramos na coluna alguma referência ao assunto. Entretanto, nenhuma nota sequer mereceu o grande estadista no Alô!Alô. Assim, foram selecionados os seguintes anos, a fim de que pudessem ser observadas as Colunas diárias de Alô!Alô!: Os anos de 1964, ano do golpe militar, e ainda de 1985, ano que deu início a redemocratização do pais; de 1986, ano da Constituinte, e 1988, ano da Constituição. A análise da Coluna passou também pelos anos de 1990, das Diretas-Já; de 1992, do impeachment de Collor; de 1994, do Plano Real; 1998, da Era FHC; de 2002 a 2006,

17 17 primeiro e segundo anos de eleição de Lula; e o dia 29 de agosto de 2007, último dia de circulação do Diário da Tarde, bem como o dia 30 de agosto, primeiro dia de circulação da Coluna já no tablóide Aqui. E por meio desse levantamento de dados ficou evidenciado que a Coluna nasceu no terceiro ano da segunda grande guerra, tanto que a manchete do dia era: Previsão para abril a entrada dos Estados Unidos na Guerra. Logo abaixo a manchete mais impactante, ainda na primeira edição alertava: O Alameda Star e Zeelândia: os transatlânticos inglezes teriam ido a pique ao largo da Irlanda. O que nos permite afirmar que, se Alô!Alô não fez referências às manchetes internacionais, o conteúdo de suas notas, por 68 anos, foi dominado por assuntos dos problemas cotidianos pelos quais viviam os leitores da Coluna, como ruas esburacadas, falta de energia elétrica, de água, falta de linhas de bondes, animais soltos nas ruas, bueiros descobertos dentre outros. A segunda edição do jornal, do mesmo dia, dava outro título da mesma guerra em uma nota captada por um rádio amador do Rio de Janeiro: O vapor Orenoco teria recolhido passageiros e tripulantes do I- Bayr. (ANEXO 1). O primeiro dia do Alô! Alô! está no segundo clichê 1 do jornal, ou seja, na segunda edição do dia, das 17 horas, que vem com a últimas notas. Nesta página está o expediente do jornal. A Coluna está na página dois, entre outras notícias, como a programação de Rádio e Música, a programação de cinema, próxima a correspondências, pequenos anúncios de casas comerciais, de um médico espírita, outro de cerâmica, outra de armazéns e confeitarias, outro de cartório e do Ginásio Afonso Arinos, na Rua Carangola, hoje ocupado pela Prefeitura Municipal. A primeira edição do Alô! Alô! trazia no cabeçalho o número , ou seja, o telefone da redação para o qual o leitor podia telefonar deixando sua reclamação. A primeira nota foi: ASPHALTO ESBURACADO (ANEXO 2), no cruzamento das ruas Tupys e Araguary, no Bairro Barro Preto, então localizado na Região Norte da cidade. A segunda nota: LEITE AZEDO (ANEXO 3). Nela uma senhora que dá inclusive seu endereço diz aflita que o leite que lhe chega em casa, está azedo e indaga ao repórter se pode servir o filhinho doente com tal alimento. Logo a seguir vem a terceira nota reclamando sobre a sujeira no Cine Floresta, que tem o assoalho esburacado e precisando de uma pinturazinha. A última nota do dia dá 1 O dicionário Novo Aurélio Século XXI, define segundo clichê da seguinte maneira: Parte da tiragem de um mesmo número do jornal, na qual se acrescentam notícias, de última hora, de fatos ocorridos durante a impressão do jornal."

18 18 conta de que justamente nas horas de maior movimento, na Avenida Afonso Pena aquele varredor põe-se a varrer o passeio levantando nuvens de pó, e atrapalhando o trânsito. Para que o leitor se situe, abaixo mostramos como foi a primeira edição da coluna Alô! Alô!. Preservaremos, por uma questão de fidelidade à linguagem, a forma usada no português à época. O primeiro dia de uma história que durou exatos 68 anos começa com os seguintes dizeres: Disque para o nº e faça a sua reclamação que nós a publicaremos, fazendo-a chegar a quem de direito para as devidas providências.assim como hoje a Coluna nasceu com inter-títulos, em caixa alta e negrito, destacando a solicitação do leitor. A primeira reclamação da primeira coluna foi: ASPHALTO ESBURACADO. Nas linhas seguintes vinha o seguinte diálogo por telefone: - Alô, é do Diário da Tarde? - Às ordens, cavalheiro. - Eu sou um chauffeur de um ônibus da Zona Norte e queria que o seu jornal intercedesse junto à Prefeitura para ser consertado o asphalto, no cruzamento das ruas Tupys e Araguary, no Barro Preto. - Está ruim a passagem ali? - Só vendo! A pavimentação está toda quebrada e os buracos arrebentam os pneus e as molas dos carros que por ali passam. - Vamos dar a sua reclamação, cavalheiro. (Alô! Alô!, EDIÇÃO 17/01/1941, p.02). Importante registrar que, nos primórdios da Coluna, o leitor não precisava identificar-se ao jornalista para fazer a denúncia. Em contrapartida, o jornalista também não ia ao local apurar se realmente o problema existia ou não. Essa conduta profissional era considerada menos antijornalística do que baseada em um simples contrato de confiança entre leitor e repórter, conceito esse que não pode ser ligado ao que o pesquisador jornalista português, Nelson Traquina chama de contrato fiduciário, ou seja, um acordo de cavalheiros entre o público e o jornalista (2004, p 168.), tendo em vista que este pressupõe apuração e depuração do jornalista in loco, como ethos jornalístico da nossa profissão. No caso, então do Alô!Alô, o leitor ligava para a redação onde um repórter/redator o atendia, anotava o diálogo da reclamação e pedia ao próprio leitor a solução para seu problema. E no dia seguinte, saía no jornal a nota em forma de diálogo. Ingenuidade para nós, nos dias de hoje, mas vimos no Alô!Alô! o compromisso ético com o público, por 68 anos! Demorou muito para que essa relação de credibilidade se profissionalizasse: o jornalista do Alô!Alô, quando da transferência da coluna para o Jornal Aqui, passa a receber não só as ligações, anotando os dados do

19 19 reclamante e apurando o local onde a denúncia era encaminhada, como teve que publicar a resposta dada pelo órgão atingido pela reclamação do leitor. Mas foi com a relação de confiança que a Coluna foi ganhando força e credibilidade junto aos leitores, órgãos públicos e os outros veículos de comunicação, que não raras vezes faziam reportagens pautando-se nas notas do Alô!Alô! Concomitantemente, o Diário da Tarde (DT) começa a construir sua relação com a cidade, a Coluna torna-se ponte para aproximar seus cidadãos para um projeto participação política, como afirma Tocqueville (2000): a cidade vai-se constituindo com a participação de um jornal ao ponto de construir uma relação com cada cidadão. Nesta mesma primeira Coluna outro leitor reclama de LEITE AZEDO e o texto é aberto assim: O telephone tilinta; o repórter atende e do outro lado fala uma voz feminina, denotando indignação: -Pelo amor de Deus, Sr.redactor, uma providência. -Diga do que se trata, minha senhora, estamos às ordens. -Um horror! Imagine que tenho um filhinho doente, que se alimenta somente de leite e, entretanto, não posso me servir desse alimento. -Por que, minha senhora? -Por isso: o leite eu o recebo geralmente estragado, azedo, intragável. O Sr. Acha que eu o posso dar ao garoto? -Claro que não. -Então faça o obséquio, Sr. Redactor de dar a notícia para mim porque nada vale reclamar ao leiteiro. Resido na Praça Raul soares, 97 e o telefone é Perfeitamente, minha senhora. Daremos sua reclamação. (Alô! Alô! Edição do dia 17/01/1941,p.2). É essa construção da Coluna com seus leitores, como uma espécie de conselheiro, que Toquecville (2000) chama a atenção para o papel da imprensa de informar e inserir os indivíduos nas questões públicas: Um jornal é um conselheiro que você não precisa procurar, que se apresenta por si mesmo e que lhe fala todos os dias e brevemente do assunto comum sem o atrapalhar em seus negócios privados. Os jornais se tornam, pois, mais necessários à media que os homens são mais iguais e o individualismo mais ameaçador. Seria reduzir sua importância crer que só servem para garantir a liberdade; eles mantêm a civilização. (TOCQUEVILLE, 2000, p.137). Neste sentido, Alô!Alô! se configura como uma esfera pública cidadã, pois, na medida em que comunica aos leitores determinados acontecimentos e/ou problemas, abre-se a possibilidade para o debate e a formação de uma prática conjunta. Foi exatamente o que se deu durante mais de 66 anos na coluna Alô! Alô!. Os problemas da comunidade não cessavam, especialmente diante do crescimento da cidade e, segundo os leitores e participantes do Alô!

20 20 Alô! pela omissão do poder público. Portanto, podemos, sim, afirmar que a Coluna foi um espaço catalisador na participação de seus leitores na construção da comunidade local. De um simples buraco na rua que era esquecido pela prefeitura até problemas mais complexos, como uma obra inacabada, passando pela prática abusiva de preços nos açougues ou supermercados, excesso de ratos nos armazéns até uma questão de discriminação, a comunidade, carente ou não, podia expor seus problemas, pois a participação vinha de todas as partes da cidade. As pessoas ligavam para o Alô! Alô! em busca de ajuda.

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO

EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO EMENTÁRIO DO CURO DE JORNALISMO LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de massa. Os tipos

Leia mais

Art. 1º. A presente Emenda Constitucional estabelece a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício da profissão de Jornalista.

Art. 1º. A presente Emenda Constitucional estabelece a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício da profissão de Jornalista. PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009. (Do Sr. Dep. Paulo Pimenta e outros) Altera dispositivos da Constituição Federal para estabelecer a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício

Leia mais

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p.

Resenha. Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Resenha Qual a lógica das políticas de comunicação no Brasil? César Ricardo Siqueira Bolaño, São Paulo: Editora Paulus, 2007, 124 p. Naná Garcez de Castro DÓRIA 1 Qual a lógica das políticas de comunicação

Leia mais

Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros

Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros Capítulo I - Do direito à informação Art. 1º O Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros tem como base o direito fundamental do cidadão à informação, que abrange

Leia mais

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR.

ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. ANÁLISE DOS PONTOS DE VISTA IDEOLÓGICOS COMO REFERÊNCIA NA FORMAÇÃO DO PÚBLICO LEITOR. Autor: Wagner de Araújo Baldêz 1 - UFOP. Orientador: William Augusto Menezes 2 - UFOP. O objetivo desse artigo é relatar

Leia mais

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA

EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA EMENTÁRIO DO CURO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA LET 02630 LÍNGUA PORTUGUESA Noções gerais da língua portuguesa. Leitura e produção de diferentes tipos de textos, em especial os relativos à comunicação de

Leia mais

Proposta de publicidade

Proposta de publicidade Proposta de publicidade Olá, prezado (a) Vimos por meio deste apresentar nosso Jornal e a nossa proposta de publicidade para seu negocio ou serviço, que segue-se adiante. Informação é fundamental nos dias

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO PUBLICIDADE E PROPAGANDA GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS Cultura Brasileira 1º PERÍODO O fenômeno cultural. Cultura(s) no Brasil. Cultura regional e

Leia mais

EM LISBOA: COLÓQUIO SOBRE AS REDES SOCIAIS NUMA DEMOCRACIA LIBERAL (COM GALERIA DE FOTOS)

EM LISBOA: COLÓQUIO SOBRE AS REDES SOCIAIS NUMA DEMOCRACIA LIBERAL (COM GALERIA DE FOTOS) N20120229n EM LISBOA: COLÓQUIO SOBRE AS REDES SOCIAIS NUMA DEMOCRACIA LIBERAL (COM GALERIA DE FOTOS) A 29 de Fevereiro de 2012, Mendes Bota interveio na sessão de abertura do colóquio subordinado ao tema

Leia mais

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO

PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA COMUNITÁRIA : ANÁLISE E PROPOSTA DE FORMATO JORNALÍSTICO NO PORTAL COMUNITÁRIO 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( x ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROGRAMA DE RÁDIO NA WEB ANTENA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO Nº 65, DE 11 DE MAIO DE 2012 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 257ª Reunião Extraordinária, realizada em 11 de maio de 2012, e considerando

Leia mais

A diferença entre marketing, propaganda publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu

A diferença entre marketing, propaganda publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu A diferença entre marketing, propaganda e publicidade, relações públicas e jornalismo Por Renato Galisteu Communication and social media specialist, passionate tech journalism and Noah's Dad A comunicação

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS Perguntas e resposta feitas ao jornalisa Romário Schettino Perguntas dos participantes do 6 Seminário de Direito para Jornalistas

Leia mais

Rio de Janeiro, 3 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 3 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 3 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Elias Nunes Júnior, 20 do 10 de 1958. Nasci em Bom Jesus de Itabapoana, interior do estado. FORMAÇÃO Eu sou formado em Ciências Contábeis, tenho Pós em

Leia mais

Os desafios da Comunicação Pública Jorge Duarte 1

Os desafios da Comunicação Pública Jorge Duarte 1 Os desafios da Comunicação Pública Jorge Duarte 1 Termo até então desconhecido, Comunicação Pública agora é nome de curso de pós-graduação, título de livros, de artigos e pesquisas. Nós, na Secretaria

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição

GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA. Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais. Projeto de Atividades. 1º Edição GENTE EDUCADA, CIDADE BONITA Projeto de Atividades 1º Edição Modelo de Projeto para Leopoldina Minas Gerais 1. INTRODUÇÃO A educação atualmente não pode se restringir apenas ao ambiente escolar, o estudante

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 DO ACONTECIMENTO

Leia mais

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA

PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Memorial da Resistência de São Paulo PROGRAMA LUGARES DA MEMÓRIA Cemitério de Areia Branca Endereço: Avenida Nossa Senhora de Fátima, 854 Areia Branca, Santos, SP. Classificação: Cemitério Identificação

Leia mais

Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo

Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo Práticas Laboratoriais de uma Rede de Comunicação Acadêmica Rede Teia de Jornalismo Autores: Maria Zaclis Veiga e Élson Faxina Docentes do Centro Universitário Positivo UnicenP Resumo: A Rede Teia de Jornalismo

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Discurso na cerimónia de posse

Leia mais

Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração"

Resumo executivo do Livro Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT PROGRAMA INTERNACIONAL PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL IPEC Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil

Leia mais

O JORNAL NA PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO

O JORNAL NA PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO O JORNAL NA PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO Alice Ferry de Moraes Chefe da Divisão de Microrreprodução Fundação Biblioteca Nacional Av. Rio Branco 219/39 - Rio de Janeiro, RJ O jornal é um discurso que tem grande

Leia mais

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos.

b) vantagens e desvantagens para o usuário que acessa Internet grátis comparadas aos serviços oferecidos pelos provedores pagos. Questão nº 1 I. Seleção de dados relevantes para o assunto em pauta, comparação, hierarquização. Devem aparecer nos textos: a) a Internet grátis desafia os provedores estabelecidos. Ressaltar as posições

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância

Instituto Mundo Melhor 2013. A Educação para a Paz como caminho da infância Instituto Mundo Melhor 2013 por um MUNDO MELHOR A Educação para a Paz como caminho da infância PROJETO O PROGRAMA INFÂNCIA MUNDO MELHOR O Projeto Infância Mundo Melhor investe na capacitação e na formação

Leia mais

É Natural Educar Assim 1

É Natural Educar Assim 1 É Natural Educar Assim 1 Luana da Silva de ANDRADE 2 Larissa Santos de ASSIS 3 Luana Cristina KNOD 4 Rafaela Ritz dos SANTOS 5 Simone Cristina KAUFMANN 6 Tamires Lopes SILVA 7 YhevelinSerrano GUERIN 8

Leia mais

Mudanças no jornalismo exigem novas formas de organização da profissão: por um conselho profissional de todos os jornalistas 1

Mudanças no jornalismo exigem novas formas de organização da profissão: por um conselho profissional de todos os jornalistas 1 1 Mudanças no jornalismo exigem novas formas de organização da profissão: por um conselho profissional de todos os jornalistas 1 O ano de 2013 entrará para a história do jornalismo brasileiro como um divisor

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 106 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

JORNALISTAS E PÚBLICO: NOVAS FUNÇÕES NO AMBIENTE ONLINE

JORNALISTAS E PÚBLICO: NOVAS FUNÇÕES NO AMBIENTE ONLINE JORNALISTAS E PÚBLICO: NOVAS FUNÇÕES NO AMBIENTE ONLINE Elizabete Barbosa Índice Antes de mais, julgo ser importante distinguir informação e jornalismo, dois conceitos que, não raras vezes, são confundidos.

Leia mais

ORIENTAÇÕES DE COMUNICAÇÃO SOBRE VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

ORIENTAÇÕES DE COMUNICAÇÃO SOBRE VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES A proteção e a promoção dos direitos da infância e adolescência também devem ser contempladas na forma como falamos e comunicamos este assunto. Alguns cuidados com a comunicação são fundamentais para proteger

Leia mais

Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XVI Prêmio Expocom 2009 Exposição da Pesquisa Experimental em Comunicação

Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XVI Prêmio Expocom 2009 Exposição da Pesquisa Experimental em Comunicação Jornal Laboratório Páginas Abertas - Produzido pela Central de Produções Jornalísticas (CPJ), do Curso de Jornalismo do Centro Universitário Newton Paiva 1. Uma Parceria com o Pré-Vestibular Lima Barreto

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames.

1) A prática e o aprofundamento das habilidades comunicativas específicas que serão avaliadas nos exames. C U R S O S ESPECIAIS I n s t i t u t o C e r v a n t e s d e B r a s i l i a CURSOS ESPECIAIS O Instituto Cervantes de Brasília dispõe de uma ampla oferta de cursos especiais para se adaptar as necessidades

Leia mais

OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL E SUA INFLUÊNCIA NA REPRESENTAÇÃO DE AMBIENTE EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Lucia de Fatima Estevinho Guido

OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL E SUA INFLUÊNCIA NA REPRESENTAÇÃO DE AMBIENTE EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Lucia de Fatima Estevinho Guido OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL E SUA INFLUÊNCIA NA REPRESENTAÇÃO DE AMBIENTE EM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Lucia de Fatima Estevinho Guido Universidade Federal de Uberlândia Este trabalho apresenta resultados

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês

Leia mais

Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1

Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1 Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1 Juliana Pereira DULTRA 2 Cintia MOLETA 3 Larissa Kiefer de SEQUEIRA 4 Roberto Corrêa SCIENZA 5 Fernanda

Leia mais

Capítulo 19 - RESUMO

Capítulo 19 - RESUMO Capítulo 19 - RESUMO Considerado como sendo um dos principais teóricos da área de marketing, Philip Kotler vem abordando assuntos referentes a esse fenômeno americano chamado marketing social, desde a

Leia mais

PREFÁCIO. Vampiro violentou 45 moças manchete do jornal Notícias Populares, de São Paulo, em 05/04/1971.

PREFÁCIO. Vampiro violentou 45 moças manchete do jornal Notícias Populares, de São Paulo, em 05/04/1971. PREFÁCIO Vampiro violentou 45 moças manchete do jornal Notícias Populares, de São Paulo, em 05/04/1971. Queda do dólar afeta o bolso de catadores manchete do jornal Diário Gaúcho, de Porto Alegre, em 12/08/2005.

Leia mais

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG.

ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. ENTRE A LEI, OS COSTUMES E O DESENVOLVIMENTO: O PROJETO URBANÍSTICO DE 1970 EM MONTES CLAROS/MG. Michael Jhonattan Delchoff da Silva. Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes. maicomdelchoff@gmail.com

Leia mais

Escolas comunicadoras

Escolas comunicadoras Comunicação e Cultura Local de atuação: Ceará, Pernambuco, Pará e Bahia Data de fundação: 1996 Escolas comunicadoras No Ceará, quase quinhentas mil crianças da rede pública estudam em escolas que unem

Leia mais

A juventude em luta no país inteiro!

A juventude em luta no país inteiro! A USP é uma universidade pública, gratuita e de qualidade? A resposta para esta questão está em disputa na Universidade de São Paulo. De um lado, sucessivas reitorias fecham as portas da universidade à

Leia mais

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA

LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA LEI DA MÍDIA DEMOCRÁTICA (versão simples da Lei da Comunicação Social Eletrônica) CAPÍTULO 1 PARA QUE SERVE A LEI Artigo 1 - Esta lei serve para falar como vai acontecer de fato o que está escrito em alguns

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião.

Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma ferramenta de comunicação é um meio, uma forma de transmitir uma informação, pensamento, ideia, opinião. Uma forma oral? Uma forma sonora? ou Uma forma visual/escrita?? Off-line: Revistas; Panfletos;

Leia mais

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno)

Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Ementa das disciplinas optativas 2011.1 (em ordem alfabética independente do curso e do turno) Disciplina Ementa Pré- requisito C.H. Curso Assessoria de Comunicação Conhecimento geral, reflexão e prática

Leia mais

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1

Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Campanha promocional Doutores da Alegria - Voluntáriado 1 Alexandre COELHO 2 Catarina CARVALHO 3 Danielle RIBEIRO 4 Leoni ROCHA 5 Paloma HADDAD 6 Professor/Orientador: Daniel CAMPOS 7 Universidade Fumec,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE. Silvia Ramos

MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE. Silvia Ramos MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE Silvia Ramos A pesquisa mídia e violência O Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Dados Gerais da Experiência. Rede Social de Angico, Peixe e Região. Instituto Lina Galvani

Dados Gerais da Experiência. Rede Social de Angico, Peixe e Região. Instituto Lina Galvani Nome da experiência candidata Organização candidata Nome postulante Dados Gerais da Experiência Rede Social de Angico, Peixe e Região Instituto Lina Galvani Cecília Galvani Telefone 55 11 767-000 E-mail

Leia mais

presidente Brasil Por Nízea Coelho

presidente Brasil Por Nízea Coelho a PRIMEIRA presidente do Brasil Por Nízea Coelho 1 Lula é um fenômeno no mundo Historiador, mestre e futuro doutor. Este é Leandro Pereira Gonçalves, professor de História do Centro de Ensino Superior

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria

Leia mais

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões Nosso entrevistado é o Prof. Dr. Rogério da Costa, da PUC-SP. A partir de um consistente referencial teórico-filosófico, mas em uma linguagem simples,

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 77 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

O JORNAL DE EMPRESA COMO UMA FERRAMENTA DE MARKETING AMBIENTAL Rebeca Morato Mangualde 1, Vinícius Valim Pereira 2

O JORNAL DE EMPRESA COMO UMA FERRAMENTA DE MARKETING AMBIENTAL Rebeca Morato Mangualde 1, Vinícius Valim Pereira 2 O JORNAL DE EMPRESA COMO UMA FERRAMENTA DE MARKETING AMBIENTAL Rebeca Morato Mangualde 1, Vinícius Valim Pereira 2 1 Graduada em Comunicação Social - UFV, Gerente de Marketing da Lifesys Informática Ltda.

Leia mais

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1

Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Alto Taquari em Pauta: uma experiência interdisciplinar em jornalismo digital 1 Aparecido Marden Reis 2 Marli Barboza da Silva 3 Universidade do Estado de Mato Grosso, Unemat - MT RESUMO O projeto experimental

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP

Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP Brasil: qual é o teu negócio? 1 Priscilla Cabett SANTOS 2 Talita Maria dos Santos Galvão da SILVA 3 Luiz Antônio FELICIANO 4 Faculdades Integradas Teresa D Ávila, Lorena, SP RESUMO Baseado na composição

Leia mais

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade.

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade. Olá, sou Rita Berlofa dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Brasil, filiado à Contraf e à CUT. Quero saudar a todos os trabalhadores presentes e também àqueles que, por algum motivo, não puderam

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27

PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 29 PROVA ESPECÍFICA Cargo 27 QUESTÃO 41 A importância e o interesse de uma notícia são avaliados pelos órgãos informativos de acordo com os seguintes critérios, EXCETO: a) Capacidade de despertar o interesse

Leia mais

COMEÇOU COMO MONARQUISTA

COMEÇOU COMO MONARQUISTA JORNAL DO BRASIL COMEÇOU COMO MONARQUISTA Criado em 1891 em oposição à República. Foi empastelado algumas vezes por sua cobertura favorável a D. Pedro 2º. Rui Barbosa assumiu o jornal em 1893 e mudou o

Leia mais

Apresentação da Disciplina

Apresentação da Disciplina Mídia - 2015.1 Nilmar Figueiredo 1 2 3 4 Calendário Acadêmico Comentários Apresentação da Disciplina Sistema de Avaliação 1 - Apresentação da Disciplina O que é Mídia? Departamento de Mídia - Organização

Leia mais

Assessoria de imprensa Conquista de espaço editorial Publicações Informação direta ao seu público Comunicação interna Muito além do jornalzinho

Assessoria de imprensa Conquista de espaço editorial Publicações Informação direta ao seu público Comunicação interna Muito além do jornalzinho # Tantas # Edição 01 # Ano 01 Assessoria de imprensa Conquista de espaço editorial Publicações Informação direta ao seu público Comunicação interna Muito além do jornalzinho Editorial Missão e Valores

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso na cerimónia de entrega

Leia mais

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins - GUIA DO EMPRESÁRIO - Lucros Bons e Lucros Ruins Planeta Contábil 2008 Todos os Direitos Reservados (www.planetacontabil.com.br) 1/5 Lucros Bons e Lucros Ruins Podemos pensar que lucrar é sempre bom,

Leia mais

Anexo 01. Caio Túlio Costa Diretor Geral do Universo Online Entrevista concedida via e-mail em 04/05/2001 caio@uol.com.br

Anexo 01. Caio Túlio Costa Diretor Geral do Universo Online Entrevista concedida via e-mail em 04/05/2001 caio@uol.com.br ANEXOS 166 167 Anexo 01 Caio Túlio Costa Diretor Geral do Universo Online Entrevista concedida via e-mail em 04/05/2001 caio@uol.com.br 1. Em que momento o Grupo Folha - Universo Online sentiu a necessidade

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

Universidade Fumec Faculdade de Ciências Empresariais Mestrado em Administração de Empresas

Universidade Fumec Faculdade de Ciências Empresariais Mestrado em Administração de Empresas Universidade Fumec Faculdade de Ciências Empresariais Mestrado em Administração de Empresas IMPACTO DA COMUNICAÇÃO TELEVISIVA NAS INTENÇÕES COMPORTAMENTAIS DE CONSUMIDORES: UM ESTUDO EMPÍRICO DO MERCADO

Leia mais

Jornalismo Alternativo e a Internet: Uma Possibilidade Cidadã para a Notícia

Jornalismo Alternativo e a Internet: Uma Possibilidade Cidadã para a Notícia Jornalismo Alternativo e a Internet: Uma Possibilidade Cidadã para a Notícia GARRIDO, Bibiana 1 MAGNONI, Antônio Francisco 2 Universidade Estadual Paulista, Bauru, SP RESUMO Neste breve relato de experiência

Leia mais

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR

Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Seminário Internacional O FUTURO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA: TÉCNICA DE CONTROLE OU SOBERANIA POPULAR Porto Alegre, RS Brasil 25, 26 e 27 de outubro de 2007 SISTEMATIZAÇÃO DAS MESAS TEMÁTICAS Objetivos

Leia mais

O JORNAL DO COMMERCIO E A EDUCAÇÃO

O JORNAL DO COMMERCIO E A EDUCAÇÃO RENATA DOS SANTOS SOARES O JORNAL DO COMMERCIO E A EDUCAÇÃO Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre pelo Programa de Pós- Graduação em Educação

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO PELO NOBRE DEPUTADO HELIO DE SOUSA, EM CARÁTER EXCEPCIONAL, NO DIA 08 DE OUTUBRO DE 2015

DISCURSO PROFERIDO PELO NOBRE DEPUTADO HELIO DE SOUSA, EM CARÁTER EXCEPCIONAL, NO DIA 08 DE OUTUBRO DE 2015 DISCURSO PROFERIDO PELO NOBRE DEPUTADO HELIO DE SOUSA, EM CARÁTER EXCEPCIONAL, NO DIA 08 DE OUTUBRO DE 2015 Senhores Deputados, meu pronunciamento é em caráter excepcional. Eu tenho uma história de vida

Leia mais

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário

Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário Trabalho interdisciplinar e atividade extensionista na UEPG: o projeto Portal Comunitário SOUZA, Kauana Mendes 1 ; XAVIER, Cintia 2 Universidade Estadual de Ponta Grossa, Paraná, PR RESUMO O projeto Portal

Leia mais

1. a) Relacione às suas traduções os temas mais frequentes presentes em blogs de adolescentes:

1. a) Relacione às suas traduções os temas mais frequentes presentes em blogs de adolescentes: Blogs agosto/2009 Blogs são sites estruturados de forma a permitir atualização rápida por meio de acréscimos dos artigos ou posts. Eles são, em geral, organizados de forma cronológica inversa, tratando

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA 2º Forum Internacional de Resíduos Sólidos julho2009 EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO PROCESSO DE LIMPEZA URBANA Autores: Letícia de Oliveira Silveira, Licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Luterana

Leia mais

Guia de Discussão. Como acabar com a. Corrupção? Projeto Democracia Deliberativa e o Papel das Universidades Públicas

Guia de Discussão. Como acabar com a. Corrupção? Projeto Democracia Deliberativa e o Papel das Universidades Públicas Guia de Discussão Como acabar com a Corrupção? Projeto Democracia Deliberativa e o Papel das Universidades Públicas :: Introdução :: Ela está aqui, em toda parte, nos jornais, TV, rádios e tem um efeito

Leia mais

TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com

TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com TIPOS RELACIONADOS À FUNÇÃO REFERENCIAL: RESUMO RESUMO DESCRITIVO > Resume estrutura temática > Inclui

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo saber como é desenvolvido o trabalho de Assessoria de Imprensa, sendo um meio dentro da comunicação que através

Leia mais

Jornal Marco Zero 1. Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5

Jornal Marco Zero 1. Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5 1 Jornal Marco Zero 1 Larissa GLASS 2 Hamilton Marcos dos SANTOS JUNIOR 3 Roberto NICOLATO 4 Tomás BARREIROS 5 Faculdade internacional de Curitiba (Facinter) RESUMO O jornal-laboratório Marco Zero 6 é

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS CURSO DE JORNALISMO MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS E PROJETOS EXPERIMENTAIS 1 1 ÁREAS TEMÁTICAS Respeitada a disponibilidade de carga horária dos professores orientadores e a escolha dos alunos,

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Relatório Analítico PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER DATASENADO SECS PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Há dois anos, o DataSenado

Leia mais

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1

29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS. Jaqueline Gomes de Jesus* 1 29 DE JANEIRO DIA NACIONAL DA VISIBILIDADE DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS Jaqueline Gomes de Jesus* 1 Uma história única cria estereótipos, e o problema com os estereótipos não é que eles sejam mentirosos,

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009 Acrescenta o art. 220-A à Constituição Federal, para dispor sobre a exigência do diploma de curso superior de comunicação social, habilitação jornalismo, para

Leia mais

A imprensa de Belo Horizonte sob o olhar de Maria Ceres Pimenta Spínola. SILVA, Sandra Mara. JARDIM, Simonia Dias (UNIPAC MG).

A imprensa de Belo Horizonte sob o olhar de Maria Ceres Pimenta Spínola. SILVA, Sandra Mara. JARDIM, Simonia Dias (UNIPAC MG). A imprensa de Belo Horizonte sob o olhar de Maria Ceres Pimenta Spínola Castro SILVA, Sandra Mara. JARDIM, Simonia Dias (UNIPAC MG). Resumo O Presente artigo trata da autora Maria Ceres Pimenta Spínola

Leia mais

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Henrique Innecco Longo e-mail: hlongo@civil.ee.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas Escola de Engenharia,

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº, DE 2006 Redação final do Projeto de Lei da Câmara nº 79, de 2004 (nº 708, de 2003, na Casa de origem). A Comissão Diretora apresenta a redação final do Projeto de Lei da Câmara

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

A comunicação e o marketing. como ferramentas estratégicas de gestão social

A comunicação e o marketing. como ferramentas estratégicas de gestão social A comunicação e o marketing como ferramentas estratégicas de gestão social Ricardo Voltolini* Transformar causas em marcas fortes que tenham longevidade, personalidade, consistência e sejam uma referência

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 14:54 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Comunicação Social (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/05/011 1:5 COM.0000.0.000- COM.0001.0.001-0 COM.0019.01.001-7 FIL.0051.00.00-3

Leia mais

1 Introdução. 1 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é um programa de política social, garantido pela

1 Introdução. 1 O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é um programa de política social, garantido pela 1 Introdução O Programa Bolsa Família (PBF) é o maior programa sócio assistencial atualmente no país, que atende cerca de 11,1 milhões de famílias brasileiras. O PBF tem sido objeto de várias questões

Leia mais

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação

Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Código: MAP-DIINF-003 Versão: 00 Data de Emissão: 0101/2013 Elaborado por: Gerência de Comunicação Aprovado por: Diretoria de Informação Institucional 1 OBJETIVO Definir e padronizar os procedimentos referentes

Leia mais