AULA 2. Equilíbrio Químico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA 2. Equilíbrio Químico"

Transcrição

1 AULA 2 Equilíbrio Químico Objetivos Definir reações reversíveis. Definir equilíbrio químico. Escrever as expressões as constantes e equilíbrio. Conhecer os fatores que afetam o equilíbrio químico. Introução Vocês já sabem que quano misturamos uas ou mais substâncias (reagentes) elas reagem entre si ano origem a substâncias iferentes, enominaas e proutos a reação. Na equação química, A B C D A e B são os reagentes que prouzem os proutos C e D. Poeríamos ter, também, a reação inversa, C D A B (1) one os, agora, reagentes C e D reagem teno como proutos as espécies A e B. As reações químicas são, em sua maioria, reações reversíveis que se processam em maior ou menor extensão, conforme o caso. O que são reações reversíveis? São reações químicas nas quais os reagentes se transformam em proutos e estes poem reagir entre si e maneira a regenerar os reagentes iniciais. Como as reações reversíveis acontecem nos ois sentios inicaos, elas tenem para um estao e equilíbrio, chamao e Equilíbrio Químico. A + B C + D (2) 1

2 A classificação as reações em reversíveis ou irreversíveis é convencional. Caa reação é mais ou menos reversível, porém, em muitos casos, essa reversibiliae é tão insignificante, que poe ser esprezaa. Então, a reação é consieraa praticamente irreversível. Como o equilíbrio é estabelecio? A e B reagem a uma aa velociae para formar C e D. À meia que as quantiaes e A e B presentes no sistema reacional iminuem, uma vez que estes reagentes são consumios na reação, a velociae a reação ireta entre A e B também iminui. No entanto, a quantiae os proutos C e D formaos graativamente aumentam com o avanço a reação ireta e, consequentemente, a velociae a reação inversa C + D também aumenta. Para uma eterminaa relação entre as quantiaes e A, B, C e D, as velociaes as uas reações serão exatamente as mesmas e, então, um equilíbrio inâmico é estabelecio. Macroscopicamente, as quantiaes e A, B, C e D não variam mais após o equilíbrio químico ter sio estabelecio. O equilíbrio químico é um estao em que a velociae a transformação os reagentes em proutos é exatamente igual à velociae a transformação os proutos em reagentes. Nessas conições, não há transformação aparente o sistema, mas as reações ireta e inversa se processam simultaneamente a uma mesma velociae. Consieremos o exemplo a reação o íon chumbo, Pb 2+, com o íon ioeto, I Pb I PbI 2 (s) Nesse caso, a reação ireta é observaa pela formação o precipitao amarelo e ioeto e chumbo, PbI 2. O término a formação o precipitao inica que o estao e equilíbrio foi alcançao. Uma vez estabelecio o equilíbrio químico, embora não se observe mais qualquer moificação macroscópica no sistema, as reações ireta e inversa continuam a se processar com velociaes iguais. O equilíbrio químico é um processo inâmico As reações químicas tenem espontaneamente para o estao e equilíbrio. Uma vez que um sistema atinge o equilíbrio químico somente fatores externos são capazes e afastá-lo 2

3 essa posição. Tão logo a ação esses fatores seja interrompia, o sistema retornará, epois e transcorrio algum tempo, a um novo estao e equilíbrio. A Constante e Equilíbrio O equilíbrio químico poe ser escrito em termos e consierações cinéticas ou termoinâmicas. Cineticamente, como é efinio o equilíbrio químico? O equilíbrio é um estao inâmico, em que caa espécie participante a reação se forma exatamente na mesma taxa em que é consumia. Ou seja, as reações ireta e inversa se processam simultaneamente com a mesma velociae. Consierano uma reação química genérica reversível o tipo: a A + b B c C + D (3) one a, b, c e são os coeficientes estequiométricos referentes aos reagentes A e B e proutos C e D, respectivamente. De acoro com a Lei a Ação as Massas, a velociae a reação é proporcional às concentrações em mol L os reagentes elevaas aos seus coeficientes estequiométricos. A Lei a Ação as Massas foi proposta pelos cientistas noruegueses G. M. Gulenberg e P. Waage e apresentaa, pela primeira vez, em Essa lei se constitui no princípio básico para o estuo quantitativo e um sistema em equilíbrio. É aplicável a qualquer reação reversível, tanto na ireção ireta quanto na inversa. Para o equilíbrio consierao, a velociae a reação ireta, v, poe ser expressa por: v ] a b k [ A] [ B (4a) enquanto que, a velociae a reação inversa, v i, é escrita como: v ] c i ki [ C] [ D (4b) 3

4 Nessas uas equações e velociae, k e k i são constantes e proporcionaliae que epenem, porém, e fatores externos como temperatura e pressão. A velociae e uma reação química mee a taxa e variação E/ t a quantiae e alguma espécie E participante o processo reativo com o tempo. Desta forma, a velociae e uma reação poe ser expressa e várias maneiras. Por exemplo, consierano a equação (3), poemos escrever a velociae a reação ireta em termos a quantiae o componente A consumia com o tempo, v [ A] / t (5a) ou em termos a quantiae o componente D, formao a partir e A e B: v [ D] / t (5b) O sinal negativo inserio na equação (5a) inica que a espécie A presente no sistema está seno consumia (sua quantiae é reuzia) a meia que o tempo avança. Em (5b), a quantiae o componente D aumenta com o tempo e, por isso, temos o sinal positivo na expressão a velociae a reação. Igualmente, poeríamos ter escrito as velociaes a reação representaa pela equação (3) como v B]/ t ou v [ C] / t. [ O equilíbrio químico é alcançao quano as velociaes as reações ireta e inversa em um processo reativo tornam-se iguais: v v i Desta igualae, utilizano as expressões as velociaes as reações ireta (4a) e inversa (4b), aas pela lei a ação as massas, temos: k ] a b c [ A] [ B] ki [ C] [ D (6) Rearranjano os termos os laos ireito e esquero esta equação, poemos escrever, eq k k i [ C] [ A] c a [ D] [ B] b 4

5 A nova constante eq introuzia é a constante e equilíbrio a reação. Explicitamente, a constante e equilíbrio é efinia em termos as concentrações as espécies no equilíbrio, como uma razão ireta as concentrações os proutos e inversa as concentrações os reagentes, teno os respectivos coeficientes estequiométricos como suas potências. As concentrações utilizaas em uma constante e equilíbrio são, mais frequentemente, expressas em mol L. Implicitamente, as constantes e equilíbrio são funções a temperatura e pressão utilizaas no experimento. Um aspecto importante que eve ser apreciao, é que a constante e equilíbrio e qualquer reação química inepene as concentrações iniciais [A] 0 e [B] 0 os reagentes e [C] 0 e [D] 0 os proutos. Na expressão a constante e equilíbrio, eq, aparecem apenas as concentrações os reagentes e os proutos meias após o equilíbrio ter sio estabelecio. Não importa a quantiae inicial os reagentes ou proutos aicionaos: no equilíbrio haverá sempre uma proporção fixa as concentrações essas espécies e tal forma a fazer eq uma constante numérica. Termoinamicamente, como é efinio o equilíbrio químico? Antes e mais naa a termoinâmica é a área a ciência que estua os efeitos e trabalho e calor envolvios em um processo físico e as limitações impostas pela natureza nas conversões e calor em trabalho. A termoinâmica tem como objetivos estabelecer os critérios para se eterminar a estabiliae a matéria, as conições e a ireção com que uma transformação física ou química espontânea ocorre. Com a efinição acima, poemos estabelecer que o equilíbrio químico é um estao e máxima estabiliae termoinâmica para o qual um sistema químico tene espontaneamente, à temperatura e pressão fixas. A termoinâmica nos ensina que a variação a quantiae enominaa energia livre e Gibbs, G, (que combina os efeitos e troca e energia, H, e os estaos e organização e um sistema físico, S), é a quantiae chave que nos inica o sentio a estabiliae termoinâmica e uma transformação física ou química. A estabiliae termoinâmica é alcançaa quano T, p 0 G, a uma aa temperatura T e pressão p. 5

6 o o Sabeno que G T, p Universiae Feeral e Minas Gerais ICEx - Departamento e Química é variação e energia livre e Gibbs à uma pressão parão p o e 0,98692 atm e uma temperatura T, e que, então, ou, o o G ( T, p) G ( T, p ) RTln ( eq ) G o o o ( T, p ) RTln ( eq ) eq e o o G ( T, p ) ( ) RT que é a expressão que relaciona quantiaes a termoinâmica (G o ) com a constante e equilíbrio eq e um processo químico analisao. Concentração versus Ativiae A lei a ação as massas foi originalmente formulaa em termos as concentrações as espécies participantes e uma reação química. Para investigações orinárias sobre a cinética ou o equilíbrio e processos químicos, one um grane grau e precisão não é exigio, esta relação concora muito bem com os resultaos eterminaos experimentalmente para as velociaes e reação ou constantes e equilíbrio. Estas situações são enominações e situações ieais. Entretanto, para trabalhos que requerem um maior grau e precisão, pequenos esvios são normalmente observaos. A lei a ação as massas torna-se uma relação falha para uma escrição útil a cinética ou o equilíbrio químico estes casos reais. Como este efeito poe ser corrigio? A lei a ação as massas poe aina ser uma relação correta para uso em problemas reais envolveno granes precisões se, mantia a sua forma, uma nova quantiae for utilizaa no lugar as concentrações as espécies químicas participantes o processo. Esta nova quantiae, enominaa e ativiae tem a mesma natureza física e uma concentração (poemos tê-la como uma concentração efetiva a espécie em um eterminao solvente), e ela ifere por um fator e correção f, enominao coeficiente e ativiae. Com essa efinição, escrevemos, a A f A [ A] 6

7 para a ativiae a A a espécie A como o prouto o coeficiente e ativiae f A e a concentração [A] a espécie A, geralmente expressa em mol L -1. A partir essa nova efinição a constante e equilíbrio eq eve ser expressa mais corretamente em função as ativiaes as espécies no equilíbrio: eq a a c C a A a a D b B Quano se trabalha com ativiae é comum aotarmos certos estaos parões como os que estabelecem que: i) a ativiae e sólios e líquios puros (por exemplo, água pura) é igual a 1. ii) a ativiae e um soluto é igual a sua concentração em mol L -1, em uma solução iluía. Esta última conição amite o comportamento ieal e uma solução ou, reciprocamente, efine uma solução como teno um comportamento ieal. Expressões para as constantes e equilíbrio e alguns processos químicos mais comuns Vamos ilustrar, com exemplos, algumas reações químicas e as expressões para as suas respectivas constantes e equilíbrio, que serão frequentemente usaas no ecorrer o nosso estuo. Vários problemas químicos que envolvem estas reações são frequentes em trabalhos analíticos nas inústrias química, metalúrgica, farmacêutica, assim como em laboratórios e análises clínicas. Para caa caso exemplificao, uma enominação própria será aa à constante e equilíbrio associaa. Procure se inteirar e acostumar com esta prática ese o primeiro momento que você for apresentao à essas novas terminologias e enominações. Exemplo 1: Ionização a água e a constante o prouto iônico, w. 2 H 2 O H 3 O + + OH - ; H O ][ OH ] Observe que a concentração a água não aparece na expressão a constante o prouto iônico, w. O motivo é que a água participa neste processo como solvente e reagente. Como solvente, a água está presente em uma quantiae muito grane comparaa com a quantiae que irá ionizar e, portanto, sua concentração é praticamente constante. Por ser constante, esta concentração é omitia na efinição e w e, assim, não aparece explicitamente na expressão a constante e equilíbrio. 7 W [ 3

8 Exemplo 2: Equilíbrio heterogêneo entre uma substância pouco solúvel e seus íons em uma solução aquosa saturaa e a constante o prouto e solubiliae, ps. 2 4 Ag 2 CrO 4 (s) 2 Ag + + CrO 2 4 ; [ Ag ] [ CrO ] ps Neste exemplo, uma quantiae o sólio cromato e prata, Ag 2 CrO 4, é aicionaa a um volume e água (este solvente não está inicao explicitamente na equação o equilíbrio químico) e apenas uma fração a quantiae inicial aicionaa este sal é issolvia em água. A fração issolvia é representaa pelos íons prata, Ag +, e pelos íons cromato, CrO 2 4, que são prouzios e estabilizaos por um processo e solvatação pelas moléculas o solvente. Os íons issolvios (em água) são representaos por Ag + e CrO 2 4. Observe, finalmente, que a expressão a constante e equilíbrio, a constante o prouto e solubiliae, ps, não epene a quantiae o sólio resiual não issolvio no solvente. Exemplo 3: Ionização e um ácio ou e uma base fracos e a constante e ionização, a ou b. Ionização e um ácio fraco: HCN + H 2 O H 3 O + + CN a [ H 3 O ][ CN [ HCN] ] Ionização e uma base fraca: NH 3 + H 2 O NH OH b [ NH 4 ][ OH [ NH ] 3 ] Como visto no exemplo 1, a água, por ser o solvente para o processo tratao, está presente em uma grane quantiae (relativo à quantiae e água que reage com o ácio ou a base) e, portanto, sua concentração não aparece na expressão as constantes e ionização a ou b. Exemplo 4: Formação ou issociação e um complexo inorgânico (ou organometálico) e a constante e formação, f ou constante e instabiliae, inst. Ni CN Ni(CN) [ Ni( CN) 4 ] 4 f 2 4 [ Ni ][ CN ] 2 8

9 Ni(CN) 4 2 Ni CN inst 1 f 2 4 [ Ni ][ CN ] 2 [ Ni( CN) ] 4 Exemplo 5: Equilíbrio e oxirreução e a constante e equilíbrio, eq. MnO Fe H + Mn Fe H 2 O; eq [ Mn ][ Fe ] 2 5 [ MnO ][ Fe ] [ H ] 4 8 Como já visto nos exemplos 1 e 3, a água, por ser o solvente na reação e oxirreução consieraa, sua concentração não aparece na expressão as constantes e equilíbrio eq. Em toos os exemplos anteriores, observamos que as expressões as constantes e equilíbrio epenem e como escrevemos a equação química a reação trataa. É importante eixar bem representaos os reagentes e os proutos a reação química. É funamental que as equações químicas estejam corretamente balanceaas e que o sentio a reação esteja bem efinio. Vejamos algumas situações gerais e as expressões e suas constantes e equilíbrio: [ B] Para a reação: A B; [ A] Para a reação inversa: B A; 1 1 [ A] [ B] n B Para a reação múltipla: n A n B; [ ] n n [ A] Para um sistema e reações consecutivas: 9

10 [ C] A + 2B C; 2 2 [ A][ B] C + D A + E; [ A][ E] 3 [ C][ D] ou, [ E] 2B + D E; T [ D][ B] A constante e equilíbrio, como já apontao anteriormente, epene implicitamente e fatores externos como temperatura e a pressão. Também epene o solvente empregao. Assim, exceto que seja ito o contrário, no que se segue, usaremos apenas os valores as constantes e equilíbrio eterminaos em solução aquosa, para uma temperatura e 25 ºC e pressão e 1 atm. Interpretação física para uma constante e equilíbrio O valor numérico a constante e equilíbrio nos fornece a informação o grau com que uma a reação química reversível se completa. Para um valor elevao a constante e equilíbrio, entenemos que o estao e equilíbrio as reações químicas recíprocas está eslocao para o lao os proutos. Isto quer izer que o equilíbrio é alcançao quano uma grane parte os reagentes é convertia em proutos, ou seja, reagem entre si. Alternativamente, quano a constante e equilíbrio tem um valor numérico pequeno, o equilíbrio é alcançao para um pequeno progresso a reação química no sentio a proução os proutos esejaos para a reação. equação Para exemplificar, a issolução o cloreto e prata, AgCl, em água é representaa pela AgCl (s) Ag + + Cl 10 ps [ Ag ][ Cl ] 1,

11 O baixo valor a constante e equilíbrio, a constante o prouto e solubiliae, ps, mostra que os íons Ag + e Cl aparecem em pequena quantiae na solução; isto confirma o fato o AgCl ser um sal pouco solúvel em água. Fatores que afetam o equilíbrio químico Uma vez estabelecio o equilíbrio e um processo químico, apenas fatores externos poem alterar a posição alcançaa este equilíbrio. Por posição e um equilíbrio químico evemos entener as concentrações relativas os reagentes e proutos encontraos no sistema analisao. Duas classes e fatores externos poem afetar os equilíbrios químicos: 1) a variação relativa as concentrações e uma ou mais substâncias participantes o processo, e 2) fatores externos como temperatura e pressão, que não epenem as concentrações as substâncias. Para o primeiro caso, um tratamento termoinâmico simples permite o cálculo rigoroso o efeito a variação a temperatura e/ou pressão sobre o valor numérico e uma constante e equilíbrio. Tenências qualitativas poem, porém, ser avaliaas para as muanças sofrias em um equilíbrio químico causaas por variações estes parâmetros externos, como veremos a seguir. Em geral, o princípio e Le Chatelier permite fazer previsões qualitativas acerca os efeitos e variações gerais sobre um equilíbrio químico. O princípio e Le Chatelier Sempre que uma perturbação é introuzia em um sistema em equilíbrio químico, a posição o equilíbrio será eslocaa na ireção que minimiza ou anula a perturbação introuzia. Esta é uma as formas para o enunciao o princípio e Le Chatelier. Este princípio guara uma grane semelhança com a Lei a Ação e Reação introuzia por Newton para problemas mecânicos a física. Diferentes tipos e perturbação poem afetar a posição e um equilíbrio químico préestabelecio: variação a concentração e uma ou mais espécies químicas reagentes e/ou proutos participantes o equilíbrio, variação a pressão parcial e um gás presente no sistema, variação a pressão total aplicaa ao sistema e a variação a temperatura. Vamos 11

12 analisar o efeito no equilíbrio químico para caa um esses tipos e perturbação. Para tal, consieremos o equilíbrio genérico ao pela equação química e a constante e equilíbrio, eq : a A + b B c C + D; c C D [ ] [ ] eq a b [ A] [ B] (7) 1) Efeito a concentração Pelo Princípio e Le Chatelier poemos obter as informações necessárias para escrever qualitativamente como um equilíbrio químico se esloca pelas alterações nas concentrações as várias espécies que nele atuam. Pela equação genérica (7), com o equilíbrio químico estabelecio, se a concentração o reagente A for reuzia, então, para que eq permaneça uma constante, as concentrações os proutos [C] e [D] evem ser reuzias e tal forma que o novo equilíbrio seja eslocao para a esquera. O novo equilíbrio procura compensar a reução a concentração o reagente A. Um efeito inverso, equilíbrio eslocao para a ireita poe ser inuzio pelo aumento na(s) concentração(ões) o(s) reagente(s) A ou B (ou ambos) ou pela reução na(s) concentração(ões) o(s) prouto(s) C ou D (ou ambos). aquoso: Um exemplo real poe ser visto na issociação o complexo iaminoprata em meio [Ag(NH 3 ) 2 ] + Ag NH 3 No primeiro caso, vamos supor que ânions cloreto, Cl, são aicionaos ao sistema. Estes íons combinam com os cátions Ag + formano o cloreto e prata AgCl, um composto pouco solúvel em água. Desta forma, efetivamente temos íons Ag + retiraos a solução, o que implica na iminuição a concentração e Ag +. Pelo princípio e Le Chatelier, o equilíbrio químico será restabelecio com a reposição os íons Ag + consumios. Isto poe ser conseguio por uma maior issociação o complexo e prata originalmente aicionao. Desta maneira, ao se aicionar íons Cl no equilíbrio estabelecio para o [Ag(NH 3 ) 2 ] + em solução aquosa, evemos observar uma maior quantiae o complexo issociao. 12

13 No seguno caso, se aicionarmos mais íons Ag + ao sistema, o equilíbrio será eslocao no sentio e consumir esses íons, resultano uma maior formação o complexo, até que o equilíbrio seja novamente restabelecio. 2) Efeito a temperatura A variação a temperatura moifica o valor numérico a constante e equilíbrio. Qualitativamente, entretanto, a influência a temperatura sobre a posição e um equilíbrio químico poe ser prevista com a ajua o Princípio e Le Chatelier. Consieremos, por exemplo, a reação exotérmica, em um sistema fechao: 3/2 H 2 (g) + 1/2 N 2 (g) NH 3 (g) + calor Mais corretamente, evemos escrever a equação termoquímica para essa reação como, 3/2 H 2 (g) + 1/2 N 2 (g) NH 3 (g) H 46,11kJ mol 1 Por ter uma variação e entalpia, H, negativa esta é uma reação exotérmica (energia é liberaa). Aina nesse exemplo, a reação inversa eve ser lia como, NH 3 (g) 3/2 H 2 (g) + 1/2 N 2 (g) H 46,11kJ mol 1 que, teno um H agora positivo, torna-se uma reação enotérmica. Pelo princípio e Le Chatelier, um aumento a temperatura (energia térmica entregue ao sistema) eve inuzir um eslocamento o equilíbrio no sentio a ter a energia fornecia parcialmente consumia, ou seja, favoreceno o aumento a concentração as espécies químicas H 2 (g) e N 2 (g). Em um seguno exemplo, para a reação enotérmica: 2 H 2 O + calor H 3 O + + OH 13

14 ou, mais corretamente, 2 H 2 O H 3 O + + OH H 0 o aumento na temperatura favorece a formação os proutos. Naturalmente, a iminuição a temperatura favorece a formação os reagentes. 3) Efeito a pressão Variações e pressão afetam acentuaamente apenas os equilíbrios químicos que envolvem reações nas quais são prouzios ou consumios gases. Para sistemas em equilíbrio one apenas líquios e/ou sólios estão presentes, o efeito a variação e pressão é, em geral, esprezível (exceto se altas pressões são requerias). O aumento na pressão e um sistema gasoso em equilíbrio (para uma temperatura constante) equivale a uma iminuição no volume total a mistura e gases. Desse moo, o equilíbrio será eslocao para o lao a reação que tiver menor quantiae molar total e reagente(s) ou prouto(s) gasoso(s). Por exemplo, no equilíbrio 3 H 2 (g) + N 2 (g) 2 NH 3 (g) um aumento na pressão externa esloca o equilíbrio no sentio a formação a amônia. Isto por que temos 2 (ois) mols o gás e amônia seno formaos a partir e 4 (quatro) mols (3 e hirogênio e 1 e nitrogênio) os reagentes gasosos. Uma iminuição na pressão esloca, e acoro com a regra estabelecia, o equilíbrio no sentio a formação e hirogênio e nitrogênio moleculares. Deve-se notar que nem sempre uma variação na pressão externa aplicaa à um sistema químico em equilíbrio irá efetivamente provocar um eslocamento no equilíbrio alcançao. Este é o caso para a situação em que há o mesmo número total e espécies gasosas nos reagentes e nos proutos que estabelecem um equilíbrio químico. Um exemplo típico este 14

15 caso é o equilíbrio existente em um sistema fechao conteno ácio ioírico, hirogênio e ioo moleculares: 2 HI(g) H 2 (g) + I 2 (g) Autoavalição 1. O que são reações reversíveis? 2. Como você efine o conceito e equilíbrio químico? 3. As equações mostraas a seguir representam equilíbrios químicos importantes na Química Analítica. Para caa uma elas ientifique o tipo e reação envolvia e escreva a respectiva expressão a constante e equilíbrio. a) Determinação icromatométrica e ferro 6 Fe 2+ + Cr 2 O H + 6 Fe Cr H 2 O b) Separação e cobre e bismuto em solução Cu NH 3 Cu(NH 3 ) 4 Bi NH H 2 O Bi(OH) 3 (s) + 3 NH 4 c) Determinação o teor e ácio acético no vinagre CH 3 COOH + OH CH 3 COO + H 2 O 4) Consiere a issolução o composto CaCO 3 em meio aquoso. a) Escreva a equação a reação química que representa essa issolução. b) Escreva a expressão a constante e equilíbrio para essa reação. c) Explique como a aição e uma certa quantiae e carbonato e sóio a água afetaria esse equilíbrio. 15

Equilíbrio Químico. Prof. Alex Fabiano C. Campos

Equilíbrio Químico. Prof. Alex Fabiano C. Campos 6/09/010 Equilíbrio Químico rof. Alex Fabiano C. Campos rocessos Reversíveis e Irreversíveis Algumas reações são irreversíveis, ou seja, uma vez obtios os proutos não há previsão espontânea e regeneração

Leia mais

Equilíbrio Químico. Processos Reversíveis e Irreversíveis

Equilíbrio Químico. Processos Reversíveis e Irreversíveis Equilíbrio Químico rocessos Reversíveis e Irreversíveis rocessos Reversíveis e I Algumas reações são irreversíveis, ou seja, uma vez obtios os proutos não há previsão espontânea e regeneração os reagentes.

Leia mais

MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (Notas de Aula)

MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (Notas de Aula) UIVERSIDAD FEDERAL DE VIÇOSA CETRO DE CIECIAS AGRARIAS DEPARTAMETO DE IGEIERIA AGRÍCOLA Tel. (03)3899-79 Fax (03)3899-735 e-mail: ea@ufv.br 3657-000 VIÇOSA-MG BRASIL MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (otas e Aula)

Leia mais

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL 78 PARTE V ANÁISE DIMENSIONA Parte V ANÁISE DIMENSIONA [R] [p] [V] [n] [τ] l 3 θ [R] θ Resposta: [R] θ Uma as principais equações a Mecânica quântica permite calcular a energia E associaa a um fóton e

Leia mais

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia Capítulo Leis e Newton. Sistemas e inércia Supomos a existência e sistemas e referência, os sistemas e inércia, nos quais as leis e Newton são válias. Um sistema e inércia é um sistema em relação ao qual

Leia mais

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 07 e 08/10 Prof. Pero Souza UMA PARCERIA Visite o Portal os Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistaeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'.

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'. ". GUINDASTE, -'. Versati iae o equipamento o torna ieal para,. vartos setores Por Fábio lauonio Altos e imponentes, os guinastes têm um papel funamental na elevação e movimentação e cargas e materiais

Leia mais

Específica de Férias Prof. Walfredo

Específica de Férias Prof. Walfredo Específica e Férias Prof. Walfreo 01 Aluno(a): /07/01 1. (Unicamp 01) Em 01 foi comemorao o centenário a escoberta os raios cósmicos, que são partículas provenientes o espaço. a) Os neutrinos são partículas

Leia mais

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas > REVISTA DE INTELIGÊNCIA COMPUTACIONAL APLICADA (ISSN: XXXXXXX), Vol. X, No. Y, pp. 1-10 1 Alocação Ótima e Banco e Capacitores em Rees e Distribuição Raiais para Minimização as Peras Elétricas A. C.

Leia mais

Exercícios Segunda Lei OHM

Exercícios Segunda Lei OHM Prof. Fernano Buglia Exercícios Seguna Lei OHM. (Ufpr) Um engenheiro eletricista, ao projetar a instalação elétrica e uma eificação, eve levar em conta vários fatores, e moo a garantir principalmente a

Leia mais

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo)

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo) Força Elétrica 1. (Ueg 01) Duas partículas e massas m 1 e m estăo presas a uma haste retilínea que, por sua vez, está presa, a partir e seu ponto méio, a um fio inextensível, formano uma balança em equilíbrio.

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa B. alternativa E. c) 18 m/s. a) 16 m/s d) 20 m/s. b) 17 m/s e) 40 m/s

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa B. alternativa E. c) 18 m/s. a) 16 m/s d) 20 m/s. b) 17 m/s e) 40 m/s Questão 46 a) 16 m/s ) 0 m/s b) 17 m/s e) 40 m/s c) 18 m/s Num trecho e 500 m, um ciclista percorreu 00 m com velociae constante e 7 km/h e o restante com velociae constante e 10 m/s. A velociae escalar

Leia mais

Metanálise MTC: o uso combinado de evidência direta e indireta

Metanálise MTC: o uso combinado de evidência direta e indireta Metanálise MTC: o uso combinao e eviência ireta e inireta na comparação e múltiplos tratamentos Patrícia Klarmann Ziegelmann Universiae Feeral o Rio Grane o Sul Em estuos e avaliação tecnológica em saúe

Leia mais

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS

XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS XIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE RECURSOS HIDRÍCOS APLICAÇÃO DO MÉTODO FOTOGRÁFICO NA OBTENÇÃO DE CAMPOS DE VELOCIDADE E SUA PROVÁVEL APLICAÇÃO EM MÉTODOS PARA DETERMINAR PARÂMETROS DE QUALIDADE DE ÁGUA Maria

Leia mais

ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES

ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES 1. (FELA - 96) Uma ona é estaelecia numa cora, fazeno-se o ponto A oscilar com uma freqüência igual a 1 x 103 Hertz, conforme a figur Consiere as afirmativas:

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1

EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 EQUILÍBRIO QUÍMICO 1 1- Introdução Uma reação química é composta de duas partes separadas por uma flecha, a qual indica o sentido da reação. As espécies químicas denominadas como reagentes ficam à esquerda

Leia mais

LISTA de ELETROSTÁTICA PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de ELETROSTÁTICA PROFESSOR ANDRÉ LISTA e ELETROSTÁTICA PROFESSOR ANDRÉ 1. (Unicamp 013)Em 01 foi comemorao o centenário a escoberta os raios cósmicos, que são partículas provenientes o espaço. a) Os neutrinos são partículas que atingem

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS. Adrian Hinojosa e Aniura Milanés. Departamento de Estatística ICEx. UFMG.

INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS. Adrian Hinojosa e Aniura Milanés. Departamento de Estatística ICEx. UFMG. INTRODUÇÃO AOS RESSEGUROS Arian Hinojosa e Aniura Milanés Departamento e Estatística ICEx. UFMG. Sumário Capítulo 1. As probabiliaes e a teoria o risco 1 1. Por que as probabiliaes? 1 2. Probabiliaes

Leia mais

QUESTÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rodrigo Penna QUESTÕES CORRIGIDAS GRAVITAÇÃO ÍNDICE. Leis de Kepler

QUESTÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rodrigo Penna QUESTÕES CORRIGIDAS GRAVITAÇÃO ÍNDICE. Leis de Kepler QUESÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rorigo Penna QUESÕES CORRIGIDAS GRAVIAÇÃO 1 ÍNDICE LEIS DE KEPLER 1 GRAVIAÇÃO DE NEWON 4 Leis e Kepler 1. (UERJ/000) A figura ilustra o movimento e um planeta em torno o sol.

Leia mais

Gravitação 1. INTRODUÇÃO 2. LEIS DE KEPLER. Dedução das leis empíricas de Kepler a partir da mecânica newtoniana Newton

Gravitação 1. INTRODUÇÃO 2. LEIS DE KEPLER. Dedução das leis empíricas de Kepler a partir da mecânica newtoniana Newton 1. INODUÇÃO Gravitação Deução as leis empíricas e Kepler a partir a mecânica newtoniana Newton O sistema geocêntrico é um moelo e visão o muno que amite a erra no centro o universo e os emais planetas,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO PARA CÁLCULO DOS CUSTOS DE TORNEAMENTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO PARA CÁLCULO DOS CUSTOS DE TORNEAMENTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO PARA CÁLCULO DOS CUSTOS DE TORNEAMENTO DISSERTAÇÃO SUBMETIDA À UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

Leia mais

A) tecido nervoso substância cinzenta. B) tecido nervoso substância branca. C) hemácias. D) tecido conjuntivo. E) tecido adiposo.

A) tecido nervoso substância cinzenta. B) tecido nervoso substância branca. C) hemácias. D) tecido conjuntivo. E) tecido adiposo. 1. No gráfico abaixo, mostra-se como variou o valor o ólar, em relação ao real, entre o final e 2001 e o início e 2005. Por exemplo, em janeiro e 2002, um ólar valia cerca e R$2,40. Durante esse períoo,

Leia mais

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza

Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza Lista de Exercícios 4 Indústrias Químicas Resolução pelo Monitor: Rodrigo Papai de Souza 1) a-) Calcular a solubilidade do BaSO 4 em uma solução 0,01 M de Na 2 SO 4 Dissolução do Na 2 SO 4 : Dado: BaSO

Leia mais

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR 1. Um os granes problemas ambientais ecorrentes o aumento a proução inustrial munial é o aumento a poluição atmosférica. A fumaça, resultante a queima e combustíveis fósseis como carvão ou óleo, carrega

Leia mais

Introdução. Muitas reações ocorrem completamente e de forma irreversível como por exemplo a reação da queima de um papel ou palito de fósforo.

Introdução. Muitas reações ocorrem completamente e de forma irreversível como por exemplo a reação da queima de um papel ou palito de fósforo. Introdução Muitas reações ocorrem completamente e de forma irreversível como por exemplo a reação da queima de um papel ou palito de fósforo. Existem também sistemas, em que as reações direta e inversa

Leia mais

RESUMO 02: SEÇÃO TÊ FALSA E VERDADEIRA ARMADURA SIMPLES

RESUMO 02: SEÇÃO TÊ FALSA E VERDADEIRA ARMADURA SIMPLES 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II PROF. IBERÊ 1 / 5 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II RESUO 0: SEÇÃO TÊ FLS E VERDDEIR RDUR SIPLES ES COLBORNTE ação conjunta e lajes e vigas poe ser consieraa meiante

Leia mais

VIVÊNCIA LQES LQES. 1. Apresentação

VIVÊNCIA LQES LQES. 1. Apresentação 1 QES IÊNIA QES Deterinação a Densiae e Sólios pelo Métoo e Métoos, rocessos e Técnicas Arquiees Italo Oone Mazali 1. Apresentação U problea preocupava Hierão, tirano e Siracusa, no século III a..: havia

Leia mais

Solução para as Equações de Navier-Stokes em domínios

Solução para as Equações de Navier-Stokes em domínios Artigo Original DOI:59/7946X4635 Ciência e Natura, v37 n, 5, jan-abr p 3 44 Revista o Centro e Ciências Naturais e Exatas - UFSM ISSN impressa: -837 ISSN on-line: 79-46X Solução para as Equações e Navier-Stokes

Leia mais

MÓDULO 5 FÍSICA. Algarismos Significativos. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. 1. Introdução. 2. Algarismos Corretos e Duvidosos

MÓDULO 5 FÍSICA. Algarismos Significativos. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. 1. Introdução. 2. Algarismos Corretos e Duvidosos Ciências a Natureza, Matemática e suas Tecnologias FÍSICA 1. Introução MÓDULO 5 Algarismos Significativos Na tentativa e explicar os fenômenos observaos na natureza, a Física utiliza moelos e teorias que,

Leia mais

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus e Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento e Engenharia Civil Disciplina: 117 - ESTRUTURAS DE CONCRETO I NOTAS DE AULA FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS Prof.

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA FICHA DE EQUILÍBRIO DE SOLUBILIDADE

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA FICHA DE EQUILÍBRIO DE SOLUBILIDADE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA FICHA DE EQUILÍBRIO DE SOLUBILIDADE 1. 1.1. s(cdcl 2 ) = 114,1g/100g H 2 O M(CdCl 2 )= 183,3 g/mol M(H 2 O) = 18,0 g/mol x(cdcl 2 ) = n (CdCl2)/n total m(h 2 O) = 100 g e m(cdcl

Leia mais

QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica:

QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica: QUESTÃO 01 Analise este gráfico, em que se mostra o resultado de um experimento de decomposição térmica de uma substância orgânica: 1. Considere que, durante esse experimento, a diminuição de massa se

Leia mais

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística Conceitos e Gestão e Estoques Análise Probabilística Prof. Ruy Alexanre Generoso CONCEITOS BÁSICOS DE ESTOQUE Estoques: acúmulo e recursos materiais em um sistema e transformação Fase 1 estoque Fase 2

Leia mais

Revisão: Química inorgânica Soluções aquosas

Revisão: Química inorgânica Soluções aquosas QUÍMICA è Revisão: Química inorgânica Hidróxidos fortes família 1A e 2A (exceto Ca e Mg) Ácidos fortes nº de oxigênios nº de hidrogênios > 2, principalmente nítrico (HNO 3 ), clorídrico (HCl) e sulfúrico

Leia mais

- A velocidade da reação direta (V1) é igual à velocidade da reação inversa (V2) V 1 = V 2

- A velocidade da reação direta (V1) é igual à velocidade da reação inversa (V2) V 1 = V 2 EQUILÍBRIO QUÍMICO Equilíbrio Químico - Equilíbrio químico é a parte da físico-química que estuda as reações reversíveis e as condições para o estabelecimento desta atividade equilibrada. A + B C + D -

Leia mais

http://www.rumoaoita.com / - Material escrito por: Marlos Cunha (ITA T-12) Métodos de Balanceamento

http://www.rumoaoita.com / - Material escrito por: Marlos Cunha (ITA T-12) Métodos de Balanceamento Métodos de Balanceamento Conteúdo Introdução... 1 Método das tentativas... 1 Método algébrico... 1 Método do íon-elétron... 2 Método da oxi-redução... 3 Auto oxi-redução... 3 Balanceamento dependendo do

Leia mais

Principais Tópicos Abordados

Principais Tópicos Abordados BC0307 Transfo ormaçõe es Químicas Principais Tópicos Abordados.Indústrias químicas: Processo Haber Equilíbrio químico: Lei de Ação das Massas e constante de equilíbrio. Fatores que afetam o equilíbrio

Leia mais

ANÁLISE NÃO-LINEAR DA DEFLEXÃO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO

ANÁLISE NÃO-LINEAR DA DEFLEXÃO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO 9 ANÁLISE NÃO-LINEAR DA DEFLEXÃO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO NON-LINEAR ANALYSIS OF DEFLECTION IN REINFORCED CONCRETE BEAMS Paulo Roberto Lopes Lima * Cíntia Maria Ariani Fontes ** José Mário Feitosa Lima

Leia mais

Resolução: Resposta: b. 3 A lente de um projetor de slides está a uma distância de. Resolução: (I) i o = p 1400 35 = 4,1. (II) 1 f.

Resolução: Resposta: b. 3 A lente de um projetor de slides está a uma distância de. Resolução: (I) i o = p 1400 35 = 4,1. (II) 1 f. Tópico 5 Instrumentos ópticos e óptica a visão 37 Tópico 5 (I) Objeto muito istante: A imagem é ormaa no plano ocal a lente. (Uniei-MG) Um estuante construiu uma caixa retangular provia e uma lente biconvexa

Leia mais

EXAME QUALIFICAÇÃO UERJ 2015. MATERIAL RETIRADO DO SITE: http://www.revista.vestibular.uerj.br/

EXAME QUALIFICAÇÃO UERJ 2015. MATERIAL RETIRADO DO SITE: http://www.revista.vestibular.uerj.br/ EXAME QUALIFICAÇÃO UERJ 2015 MATERIAL RETIRADO DO SITE: http://www.revista.vestibular.uerj.br/ 01. Observe na tabela a distribuição percentual dos principais elementos químicos cujos átomos, combinados,

Leia mais

Criptografia, assinaturas digitais e senhas segmentadas

Criptografia, assinaturas digitais e senhas segmentadas Criptografia, assinaturas igitais e senhas segmentaas Ariele Giareta Biase Universiae Feeral e Uberlânia - Faculae e Matemática Grauana em Matemática - PROMAT arielegbiase@ yahoo. com. br Eson Agustini

Leia mais

+ (τ xy ) 2 < σ lim /CS...(9.2.1)

+ (τ xy ) 2 < σ lim /CS...(9.2.1) 9.0 Dimensionamento e eixos e vigas. 9.1 Critérios e Resistência. No imensionamento os elementos e máquinas e estruturas, como os eixos e as vigas, vários são os critérios que poem ser utilizaos para o

Leia mais

Determinação do raio de atuação e otimização do serviço de transporte de pequenos animais

Determinação do raio de atuação e otimização do serviço de transporte de pequenos animais DETERMINAÇÃO DO RAIO DE ATUAÇÃO E OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE TRANSPORTE DE PEQUENOS ANIMAIS lmareti@yahoo.com.br APRESENTACAO ORAL-Estrutura, Evolução e Dinâmica os Sistemas Agroalimentares e Caeias Agroinustriais

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 Seu Pé Direito nas Melhores Faculaes FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 física 01. A energia que um atleta gasta poe ser eterminaa pelo volume e oxigênio por ele consumio na respiração. Abaixo está apresentao

Leia mais

Média tensão Uso Geral

Média tensão Uso Geral Dimensionamento Os valores e capaciae e conução e correntes constantes as tabelas a seguir foram retiraos a NBR 14039/2003. No caso e cabos iretamente enterraos foi aotao uma resistiviae térmica o terreno

Leia mais

Estequiometria. Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira

Estequiometria. Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Bacharelado em Ciência e Tecnologia Diamantina - MG Estequiometria Prof a. Dr a. Flaviana Tavares Vieira -A palavra estequiometria deriva das palavras

Leia mais

APOSTILA DE PEE (PROJETO DE ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS)

APOSTILA DE PEE (PROJETO DE ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS) UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CCT CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL APOSTILA DE PEE (PROJETO DE ESTRUTURAS DE EDIFÍCIOS) 1º SEMESTRE DE 2014 PROFa. SANDRA

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA CADERNO 01

ESTADO DE SANTA CATARINA CADERNO 01 ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Concurso Público e Ingresso no Magistério Público Estaual EDITAL Nº 1/01/SED CADERNO 01 INSTRUÇÕES GERAIS Confira se a impressão o caerno e prova

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil. Pilares

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil. Pilares Universiae Estaual e aringá Centro e Tecnologia Departamento e Engenharia Civil Capítulo 3 Pilares Notas e Aulas Curso: Engenharia Civil Disciplina: Estruturas em Concreto II 1.º Semestre e 008 Bibliografia:

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Cassete 4 Vias R-22 60Hz (Cond. Vertical) YKE (K) A18-48FS-AD (E) (F) T

MANUAL DO USUÁRIO. Cassete 4 Vias R-22 60Hz (Cond. Vertical) YKE (K) A18-48FS-AD (E) (F) T MANUAL DO USUÁRIO Cassete 4 Vias R-22 60Hz (Con. Vertical) YKE (K) A18-48FS-AD (E) (F) T Leia este manual antes a instalação e operação Certifique-se e guará-lo bem para futuras referências CONTEÚDO INFORMAÇÕES

Leia mais

Professora Sonia - Química para o Vestibular Questões Resolvidas Hidrólise Salina (com respostas e resoluções no final)

Professora Sonia - Química para o Vestibular Questões Resolvidas Hidrólise Salina (com respostas e resoluções no final) Questões Resolvidas Hidrólise Salina (com respostas e resoluções no final) 01. (Uftm) Em soluções aquosas de acetato de sódio, o íon acetato sofre hidrólise: 3 l 3 CH COO (aq) + H O( ) CH COOH (aq) + OH

Leia mais

EXERCÍCIOS GRAVITAÇÃO

EXERCÍCIOS GRAVITAÇÃO EXERCÍCIOS GRAVITAÇÃO TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: Em setembro e 010, Júpiter atingiu a menor istância a Terra em muitos anos. As figuras abaixo ilustram a situação e maior afastamento e a e maior aproximação

Leia mais

a prova de Física do ITA 2001

a prova de Física do ITA 2001 a prova e Física o IA 001 O ANGLO ESOLVE A POVA DE FÍSICA DO IA É trabalho pioneiro. Prestação e serviços com traição e confiabiliae. Construtivo, procura colaborar com as Bancas Examinaoras em sua tarefa

Leia mais

Figura 1: Máquina síncrona elementar.

Figura 1: Máquina síncrona elementar. MÁQUNA ÍNCRONA 31/01/2007 van Camargo 1) ntroução A máuina síncrona elementar é composta por três enrolamentos no estator, efasaos e 120 graus e um enrolamento no rotor alimentao em corrente contínua.

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 1.1. PROJETO FINAL DE GRADUAÇÃO 1.2. OBJETIVO 1.3. O EBERICK

1. INTRODUÇÃO 1.1. PROJETO FINAL DE GRADUAÇÃO 1.2. OBJETIVO 1.3. O EBERICK 1. INTRODUÇÃO 1.1. PROJETO FINAL DE GRADUAÇÃO O Curso e Grauação a Escola Politécnica tem como objetivo formar o aluno e prepará-lo para o exercício profissional. Como parte a avaliação o aprenizao o aluno,

Leia mais

do meio 1 é maior do que o do meio 2 n 2

do meio 1 é maior do que o do meio 2 n 2 Resolução as ativiaes complementares Física F9 Óptica Geométrica II p. 5 (Mack-SP) Sentaos em uma sala iluminaa, vemos os objetos e seu interior, por reflexão, no viro plano e uma janela. sse fato é observao

Leia mais

ESTRUTURAS DE MADEIRA

ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL ESTRUTURAS DE MADEIRA Notas e Aula Prof. Francisco A. Romero Gesualo maio 003 PREFÁCIO Estas Notas e Aula têm como objetivo apresentar subsíios

Leia mais

FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre.

FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre. CINÉTICA QUÍMICA FATORES QUE AFETAM AS VELOCIDADES DAS REAÇÕES 1. O estado físico dos reagentes. 2. As concentrações dos reagentes. 3. A temperatura na qual a reação ocorre. 4. A presença de um catalisador.

Leia mais

Manuel António Facas Vicente. Estimação dos Erros de uma Máquina Estacionária de Medição de Coordenadas

Manuel António Facas Vicente. Estimação dos Erros de uma Máquina Estacionária de Medição de Coordenadas Manuel António Facas Vicente Estimação os Erros e uma Máquina Estacionária e Meição e Coorenaas Departamento e Matemática Faculae e Ciências e Tecnologia Universiae e Coimbra 1997 Estimação os Erros e

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO.

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D E M I N A S G E R A I S QUÍMICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém cinco

Leia mais

ANÁLISE TEÓRICA DA EFICIÊNCIA DE FRENAGEM DE ALGUMAS CONFIGURAÇÕES DE VEÍCULOS UNITÁRIOS E COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS DE CARGA BRASILEIROS

ANÁLISE TEÓRICA DA EFICIÊNCIA DE FRENAGEM DE ALGUMAS CONFIGURAÇÕES DE VEÍCULOS UNITÁRIOS E COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS DE CARGA BRASILEIROS 0000000JAW ANÁLISE TEÓRICA DA EICIÊNCIA DE RENAGEM DE ALGUMAS CONIGURAÇÕES DE VEÍCULOS UNITÁRIOS E COMBINAÇÕES DE VEÍCULOS RODOVIÁRIOS DE CARGA BRASILEIROS João Alexanre Wimer Universiae e São Paulo Escola

Leia mais

Cortez, Susana Separação selectiva de microrganismos por filtração anisotrópica

Cortez, Susana Separação selectiva de microrganismos por filtração anisotrópica Universiae o Minho Cortez, Susana Separação selectiva e microrganismos por filtração anisotrópica http://hl.hanle.net/18/864 ata e Publicação 5 Resumo Tipo Metaaos A filtração e células a fase líquia é

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS

CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS 1 1 1 H 1, 00 2 3 4 2 Li 6, 94 Be 9, 01 11 12 3 Na Mg 22, 99 24, 31 19 20 4 K 39, 10 Ca 40, 08 37 38 5 Rb Sr 85, 47 87, 62 55 56 6 Cs 132, 91 Ba 137, 33 87 88 7 Fr Ra 223, 02 226, 03 CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA

Leia mais

Escola de Engenharia de Lorena USP - Cinética Química Capítulo 05 Reações Irreversiveis a Volume Varíavel

Escola de Engenharia de Lorena USP - Cinética Química Capítulo 05 Reações Irreversiveis a Volume Varíavel 1 - Calcule a fração de conversão volumétrica (ε A) para as condições apresentadas: Item Reação Condição da Alimentação R: (ε A ) A A 3R 5% molar de inertes 1,5 B (CH 3 ) O CH 4 + H + CO 30% em peso de

Leia mais

Ácidos e bases. Aula 8 Ácidos e Bases / ph. Par ácido-base conjugado. Ácidos e bases

Ácidos e bases. Aula 8 Ácidos e Bases / ph. Par ácido-base conjugado. Ácidos e bases Aula 8 Ácidos e Bases / ph Prof. Ricardo Aparicio - IQ/Unicamp - 1s/2009 QG107 (Biologia) - 1s/2009 Definição de Brønsted-Lowry (1923) definição mais abrangente que a de Arrhenius ácidos e bases = ácidos

Leia mais

PROVA COMENTADA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO

PROVA COMENTADA PELOS PROFESSORES DO CURSO POSITIVO COMENTÁRIO DA PROVA A parte objetiva da prova consideravelmente mais simples e mais fácil que o habitual. Algumas questões tinham uma resolução imediata (como as questões 2, 7 e 10) e outras exigiam pouco

Leia mais

FA.RS - Fundação dos Administradores do Rio Grande do Sul. TCC - Trabalho de Conclusão de Curso MBA. GPEN11 - Ago/2007 Dez/2008

FA.RS - Fundação dos Administradores do Rio Grande do Sul. TCC - Trabalho de Conclusão de Curso MBA. GPEN11 - Ago/2007 Dez/2008 FA.RS - Funação os Aministraores o Rio Grane o Sul TCC - Trabalho e Conclusão e Curso MBA GPEN11 - Ago/27 Dez/28 A ESCOLA DA VISÃO uma escola e investimento baseaa na visão e futuro Aluno: Rogério Figurelli

Leia mais

ONDAS ELÁSTICAS E ELECTROMAGNÉTICAS EM DOMÍNIOS EXTERIORES : PROPRIEDADES ASSINTÓTICAS

ONDAS ELÁSTICAS E ELECTROMAGNÉTICAS EM DOMÍNIOS EXTERIORES : PROPRIEDADES ASSINTÓTICAS ONDAS ELÁSTICAS E ELECTROMAGNÉTICAS EM DOMÍNIOS EXTERIORES : PROPRIEDADES ASSINTÓTICAS por MARCIO VIOLANTE FERREIRA IM-UFRJ 5 ONDAS ELÁSTICAS E ELECTROMAGNÉTICAS EM DOMÍNIOS EXTERIORES: PROPRIEDADES ASSINTÓTICAS

Leia mais

As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo.

As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo. QUÍMICA As questões de 31 a 34 referem-se ao texto abaixo. Em diversos países, o aproveitamento do lixo doméstico é quase 100%. Do lixo levado para as usinas de compostagem, após a reciclagem, obtém-se

Leia mais

Prova de Física: 11/12/12 PROVA ITA

Prova de Física: 11/12/12 PROVA ITA Prova e Física: 11/1/1 PROVA ITA Física 1 Gabarito ITA Prova e Física: 11/1/1 FÍSICA Questão 1 Ao passar pelo ponto, um helicóptero segue na ireção norte com velociae v constante. Nesse momento, um avião

Leia mais

ele004-comandos Elétricos

ele004-comandos Elétricos ele004-comanos Elétricos Feeração as Inústrias o Estao o Espírito Santo Fines Lucas Izoton Vieira Presiente Senai Departamento Regional o Espírito Santo Manoel e Souza Pimenta Diretor-gestor Robson Santos

Leia mais

A Importância da análise preventiva do custo efetivo total das operações de desconto de duplicatas em bancos comerciais no Brasil

A Importância da análise preventiva do custo efetivo total das operações de desconto de duplicatas em bancos comerciais no Brasil SEGeT Simpósio e Excelência em Gestão e Tecnologia 1 A Importância a análise preventiva o custo efetivo total as operações e esconto e uplicatas em bancos comerciais no Brasil Aail Marcos Lima a Silva

Leia mais

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação

Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação Exemplo 1: As Indústrias Químicas SA tem como um de seus produtos principais o 3- vinil- 1,5- hexadieno que é processado em um tanque com agitação que funciona com cargas intermitentes. Você é convidado

Leia mais

Sônia Pinto de Carvalho

Sônia Pinto de Carvalho s Funções Hiperbólicas Sônia Pinto e Carvalho Introução Quano fiz o curso e Cálculo I fui apresentaa às funções hiperbólicas através e sua efinição eponencial. Lembro-me que, na época, achei muito engraçao

Leia mais

Práticas de Físico Química QB75B. Experimento 7

Práticas de Físico Química QB75B. Experimento 7 1 PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA EDERAL DO PARANÁ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA EDERAL DO PARANÁ - UTPR DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE QUÍMICA E BIOLOGIA BACHARELADO EM QUÍMICA Práticas de ísico

Leia mais

Química - Grupo J - Gabarito

Química - Grupo J - Gabarito - Gabarito 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor Informe a que volume deve ser diluído com água um litro de solução de um ácido fraco HA 0.10 M, de constante de ionização extremamente pequena (K

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE CURVAS DE CAPACIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS USANDO MATLAB

CONSTRUÇÃO DE CURVAS DE CAPACIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS USANDO MATLAB CONSTRUÇÃO DE CURAS DE CAPACDADE DE GERADORES SÍNCRONOS USANDO MATLAB PEDRO DA COSTA JR., LUZ GONÇALES JR., CLAUDO. DE AQUNO, ANDRÉ N. DE SOUZA, JOSÉ E. C. CASTANHO Faculae e Engenharia e Bauru, UNESP

Leia mais

ÁCIDOS E BASES. + (aq) + OH - (aq)

ÁCIDOS E BASES. + (aq) + OH - (aq) ÁCIDOS E BASES O conhecimento sobre termodinâmica, particularmente sobre as constantes de equilíbrio é de grande importância na discussão quantitativa das forças de ácidos e bases o que permite desenvolver

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE MODELOS MATEMÁTICOS DE PREVISÃO DA TEMPERATURA DURANTE A LAMINAÇÃO A QUENTE DOS AÇOS

DESENVOLVIMENTO DE MODELOS MATEMÁTICOS DE PREVISÃO DA TEMPERATURA DURANTE A LAMINAÇÃO A QUENTE DOS AÇOS a Artigo Original http://x.oi.org/0.4322/276-523.0958 DESENVOLVIMENTO DE MODELOS MATEMÁTICOS DE PREVISÃO DA TEMPERATURA DURANTE A LAMINAÇÃO A QUENTE DOS AÇOS Antônio Ael os Santos Cristóvão Nery Giacomin

Leia mais

TITULAÇÃO ÁCIDO-BASE

TITULAÇÃO ÁCIDO-BASE Introdução a Analise Química - II sem/2013 Profa Ma Auxiliadora - 1 Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Disciplina QUIO94 - Introdução à Análise Química

Leia mais

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 16/06/12

P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 16/06/12 P3 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 6/06/ Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Dados gerais: G = H - TS G= - n F E G = G o + RT ln Q ΔE ΔE [A] [A] 0 Questão Valor Grau Revisão kt a,5 a,5 3 a,5

Leia mais

Vanina Macowski Durski Silva 1 Sérgio Adriano Loureiro 2 Antonio Galvão Novaes 3 Antonio Sérgio Coelho 3

Vanina Macowski Durski Silva 1 Sérgio Adriano Loureiro 2 Antonio Galvão Novaes 3 Antonio Sérgio Coelho 3 P&D em Engenharia e Proução, Itajubá, v. 10, n. 2, p. 208-222, 2012 Introução o conceito e gestão transporte colaborativo entre empresas manufatureiras e transportaores marítimos utilizano a aboragem e

Leia mais

Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita)

Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita) Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações

Universidade de São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações Universiae e São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento e Engenharia e Estruturas e Funações - Conceitos Funamentais e Dimensionamento e Estruturas e Concreto: Vigas, Lajes e Pilares

Leia mais

Modelos Epidemiológicos Acoplados para a Dinâmica da Transmissão da Dengue

Modelos Epidemiológicos Acoplados para a Dinâmica da Transmissão da Dengue Moelos Epiemiológicos Acoplaos para a Dinâmica a Transmissão a Dengue Ana Carolina Simoneto 1, Rogério Luis Rizzi 1 1 Colegiao o Curso e Matemática - Centro e Ciências Exatas e Tecnológicas a Universiae

Leia mais

Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados

Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados Termodinâmica Química: Lista 1: Gases. Resolução comentada de exercícios selecionados Prof. Fabrício R. Sensato Semestre 4º Engenharia: Materiais Período: Matutino/diurno Regimes: Normal/DP Agosto, 2005

Leia mais

Herança. Herança. Especialização. Especialização

Herança. Herança. Especialização. Especialização Herança Herança Em muitos casos, um tipo e entiae tem vários subconjuntos e entiaes que são significativos para a aplicação. Exemplo: as entiaes e um tipo e entiae Empregao poem ser agrupaas em Secretária,

Leia mais

UNESP- 2013- Vestibular de Inverno

UNESP- 2013- Vestibular de Inverno UNESP- 2013- Vestibular de Inverno 1-Compostos de crômio têm aplicação em muitos processos industriais, como, por exemplo, o tratamento de couro em curtumes e a fabricação de tintas e pigmentos. Os resíduos

Leia mais

QUÍMICA Prova de 2 a Etapa

QUÍMICA Prova de 2 a Etapa QUÍMICA Prova de 2 a Etapa SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se seguem. 1 - Este Caderno de Prova contém sete questões, constituídas de itens e subitens, e é composto de dezesseis

Leia mais

you d solutions MÍDIA KIT

you d solutions MÍDIA KIT MÍDIA KIT Referência em ações e marketing irigio por aos 18 anos atuano em Database Marketing utilizano a Auiência a Abril e e Empresas Parceiras Um os maiores e mais completos bancos e aos e marketing

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades LIVRO 1 BIOLOGIA Resoluções as Ativiaes Sumário Móulo 1 Princípios básicos que regem a transmissão e características hereitárias, 1 a Lei e Menel e aspectos genéticos o funcionamento o corpo... 1 Móulo

Leia mais

Questão 69 Questão 70

Questão 69 Questão 70 Questão 69 Questão 0 Alguns polímeros biodegradáveis são utilizados em fios de sutura cirúrgica, para regiões internas do corpo, pois não são tóxicos e são reabsorvidos pelo organismo. Um desses materiais

Leia mais

Epidemiologia da Transmissão da Dengue

Epidemiologia da Transmissão da Dengue TEMA Ten. Mat. Apl. Comput., 4, No. 3 (2003), 387-396. c Uma Publicação a Socieae Brasileira e Matemática Aplicaa e Computacional. Epiemiologia a Transmissão a Dengue H.M. YANG 1, Departamento e Matemática

Leia mais

Resolução: (I) Correta. 1 a Lei de Kepler. Resposta: e. 4 A 2 a Lei de Kepler (Lei das áreas) permite concluir que: Resposta: b

Resolução: (I) Correta. 1 a Lei de Kepler. Resposta: e. 4 A 2 a Lei de Kepler (Lei das áreas) permite concluir que: Resposta: b 90 AE II DINÂICA ópico Aotano o Sol como referencial, aponte a alternativa que coniz com a a Lei e Kepler a ravitação (Lei as órbitas): a) As órbitas planetárias são quaisquer curvas, ese que fechaas b)

Leia mais

Gabarito Química - Grupo A. 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor

Gabarito Química - Grupo A. 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor VESTIB LAR Gabarito Química - Grupo A 1 a QUESTÃO: (1,0 ponto) Avaliador Revisor Muitos álcoois, como o butanol (C 4 H 10 O), têm importância comercial como solventes e matériasprimas na produção industrial

Leia mais

MASSA ATÔMICA. 1u corresponde a 1,66.10-24 g, que equivale aproximadamente à massa de um próton ou de um nêutron.

MASSA ATÔMICA. 1u corresponde a 1,66.10-24 g, que equivale aproximadamente à massa de um próton ou de um nêutron. Cálculos Químicos MASSA ATÔMICA Na convenção da IUPAC (União Internacional de Química Pura e Aplicada) realizada em 1961, adotou-se como unidade padrão para massa atômica o equivalente a 1/12 da massa

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 20/05/06

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 20/05/06 - ROVA DE QUÍMICA GERAL - 0/05/06 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 0,0 Constantes: R 8,34 J mol - K - 0,08 atm L mol - K - atm L 0,35

Leia mais

TITULAÇÃO DE ÁCIDO-BASE

TITULAÇÃO DE ÁCIDO-BASE Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Química Introdução a Analise Química - II sem/2012 Profa Ma Auxiliadora - 1 Disciplina QUIO94 - Introdução à Análise Química

Leia mais

Atenção Este gabarito oficial é um guia de correção para os professores. As respostas estão comentadas.

Atenção Este gabarito oficial é um guia de correção para os professores. As respostas estão comentadas. SOCIEDADE ASTRONÔMICA BRASILEIRA SAB V Olimpíaa Brasileira e Astronomia V OBA 2002 Gabarito Oficial o Nível II (para alunos a 5ª à 8ª série) (Este gabarito está também isponível em nossa home page http://www2.uerj.br/~oba)

Leia mais