AULA 2. Equilíbrio Químico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AULA 2. Equilíbrio Químico"

Transcrição

1 AULA 2 Equilíbrio Químico Objetivos Definir reações reversíveis. Definir equilíbrio químico. Escrever as expressões as constantes e equilíbrio. Conhecer os fatores que afetam o equilíbrio químico. Introução Vocês já sabem que quano misturamos uas ou mais substâncias (reagentes) elas reagem entre si ano origem a substâncias iferentes, enominaas e proutos a reação. Na equação química, A B C D A e B são os reagentes que prouzem os proutos C e D. Poeríamos ter, também, a reação inversa, C D A B (1) one os, agora, reagentes C e D reagem teno como proutos as espécies A e B. As reações químicas são, em sua maioria, reações reversíveis que se processam em maior ou menor extensão, conforme o caso. O que são reações reversíveis? São reações químicas nas quais os reagentes se transformam em proutos e estes poem reagir entre si e maneira a regenerar os reagentes iniciais. Como as reações reversíveis acontecem nos ois sentios inicaos, elas tenem para um estao e equilíbrio, chamao e Equilíbrio Químico. A + B C + D (2) 1

2 A classificação as reações em reversíveis ou irreversíveis é convencional. Caa reação é mais ou menos reversível, porém, em muitos casos, essa reversibiliae é tão insignificante, que poe ser esprezaa. Então, a reação é consieraa praticamente irreversível. Como o equilíbrio é estabelecio? A e B reagem a uma aa velociae para formar C e D. À meia que as quantiaes e A e B presentes no sistema reacional iminuem, uma vez que estes reagentes são consumios na reação, a velociae a reação ireta entre A e B também iminui. No entanto, a quantiae os proutos C e D formaos graativamente aumentam com o avanço a reação ireta e, consequentemente, a velociae a reação inversa C + D também aumenta. Para uma eterminaa relação entre as quantiaes e A, B, C e D, as velociaes as uas reações serão exatamente as mesmas e, então, um equilíbrio inâmico é estabelecio. Macroscopicamente, as quantiaes e A, B, C e D não variam mais após o equilíbrio químico ter sio estabelecio. O equilíbrio químico é um estao em que a velociae a transformação os reagentes em proutos é exatamente igual à velociae a transformação os proutos em reagentes. Nessas conições, não há transformação aparente o sistema, mas as reações ireta e inversa se processam simultaneamente a uma mesma velociae. Consieremos o exemplo a reação o íon chumbo, Pb 2+, com o íon ioeto, I Pb I PbI 2 (s) Nesse caso, a reação ireta é observaa pela formação o precipitao amarelo e ioeto e chumbo, PbI 2. O término a formação o precipitao inica que o estao e equilíbrio foi alcançao. Uma vez estabelecio o equilíbrio químico, embora não se observe mais qualquer moificação macroscópica no sistema, as reações ireta e inversa continuam a se processar com velociaes iguais. O equilíbrio químico é um processo inâmico As reações químicas tenem espontaneamente para o estao e equilíbrio. Uma vez que um sistema atinge o equilíbrio químico somente fatores externos são capazes e afastá-lo 2

3 essa posição. Tão logo a ação esses fatores seja interrompia, o sistema retornará, epois e transcorrio algum tempo, a um novo estao e equilíbrio. A Constante e Equilíbrio O equilíbrio químico poe ser escrito em termos e consierações cinéticas ou termoinâmicas. Cineticamente, como é efinio o equilíbrio químico? O equilíbrio é um estao inâmico, em que caa espécie participante a reação se forma exatamente na mesma taxa em que é consumia. Ou seja, as reações ireta e inversa se processam simultaneamente com a mesma velociae. Consierano uma reação química genérica reversível o tipo: a A + b B c C + D (3) one a, b, c e são os coeficientes estequiométricos referentes aos reagentes A e B e proutos C e D, respectivamente. De acoro com a Lei a Ação as Massas, a velociae a reação é proporcional às concentrações em mol L os reagentes elevaas aos seus coeficientes estequiométricos. A Lei a Ação as Massas foi proposta pelos cientistas noruegueses G. M. Gulenberg e P. Waage e apresentaa, pela primeira vez, em Essa lei se constitui no princípio básico para o estuo quantitativo e um sistema em equilíbrio. É aplicável a qualquer reação reversível, tanto na ireção ireta quanto na inversa. Para o equilíbrio consierao, a velociae a reação ireta, v, poe ser expressa por: v ] a b k [ A] [ B (4a) enquanto que, a velociae a reação inversa, v i, é escrita como: v ] c i ki [ C] [ D (4b) 3

4 Nessas uas equações e velociae, k e k i são constantes e proporcionaliae que epenem, porém, e fatores externos como temperatura e pressão. A velociae e uma reação química mee a taxa e variação E/ t a quantiae e alguma espécie E participante o processo reativo com o tempo. Desta forma, a velociae e uma reação poe ser expressa e várias maneiras. Por exemplo, consierano a equação (3), poemos escrever a velociae a reação ireta em termos a quantiae o componente A consumia com o tempo, v [ A] / t (5a) ou em termos a quantiae o componente D, formao a partir e A e B: v [ D] / t (5b) O sinal negativo inserio na equação (5a) inica que a espécie A presente no sistema está seno consumia (sua quantiae é reuzia) a meia que o tempo avança. Em (5b), a quantiae o componente D aumenta com o tempo e, por isso, temos o sinal positivo na expressão a velociae a reação. Igualmente, poeríamos ter escrito as velociaes a reação representaa pela equação (3) como v B]/ t ou v [ C] / t. [ O equilíbrio químico é alcançao quano as velociaes as reações ireta e inversa em um processo reativo tornam-se iguais: v v i Desta igualae, utilizano as expressões as velociaes as reações ireta (4a) e inversa (4b), aas pela lei a ação as massas, temos: k ] a b c [ A] [ B] ki [ C] [ D (6) Rearranjano os termos os laos ireito e esquero esta equação, poemos escrever, eq k k i [ C] [ A] c a [ D] [ B] b 4

5 A nova constante eq introuzia é a constante e equilíbrio a reação. Explicitamente, a constante e equilíbrio é efinia em termos as concentrações as espécies no equilíbrio, como uma razão ireta as concentrações os proutos e inversa as concentrações os reagentes, teno os respectivos coeficientes estequiométricos como suas potências. As concentrações utilizaas em uma constante e equilíbrio são, mais frequentemente, expressas em mol L. Implicitamente, as constantes e equilíbrio são funções a temperatura e pressão utilizaas no experimento. Um aspecto importante que eve ser apreciao, é que a constante e equilíbrio e qualquer reação química inepene as concentrações iniciais [A] 0 e [B] 0 os reagentes e [C] 0 e [D] 0 os proutos. Na expressão a constante e equilíbrio, eq, aparecem apenas as concentrações os reagentes e os proutos meias após o equilíbrio ter sio estabelecio. Não importa a quantiae inicial os reagentes ou proutos aicionaos: no equilíbrio haverá sempre uma proporção fixa as concentrações essas espécies e tal forma a fazer eq uma constante numérica. Termoinamicamente, como é efinio o equilíbrio químico? Antes e mais naa a termoinâmica é a área a ciência que estua os efeitos e trabalho e calor envolvios em um processo físico e as limitações impostas pela natureza nas conversões e calor em trabalho. A termoinâmica tem como objetivos estabelecer os critérios para se eterminar a estabiliae a matéria, as conições e a ireção com que uma transformação física ou química espontânea ocorre. Com a efinição acima, poemos estabelecer que o equilíbrio químico é um estao e máxima estabiliae termoinâmica para o qual um sistema químico tene espontaneamente, à temperatura e pressão fixas. A termoinâmica nos ensina que a variação a quantiae enominaa energia livre e Gibbs, G, (que combina os efeitos e troca e energia, H, e os estaos e organização e um sistema físico, S), é a quantiae chave que nos inica o sentio a estabiliae termoinâmica e uma transformação física ou química. A estabiliae termoinâmica é alcançaa quano T, p 0 G, a uma aa temperatura T e pressão p. 5

6 o o Sabeno que G T, p Universiae Feeral e Minas Gerais ICEx - Departamento e Química é variação e energia livre e Gibbs à uma pressão parão p o e 0,98692 atm e uma temperatura T, e que, então, ou, o o G ( T, p) G ( T, p ) RTln ( eq ) G o o o ( T, p ) RTln ( eq ) eq e o o G ( T, p ) ( ) RT que é a expressão que relaciona quantiaes a termoinâmica (G o ) com a constante e equilíbrio eq e um processo químico analisao. Concentração versus Ativiae A lei a ação as massas foi originalmente formulaa em termos as concentrações as espécies participantes e uma reação química. Para investigações orinárias sobre a cinética ou o equilíbrio e processos químicos, one um grane grau e precisão não é exigio, esta relação concora muito bem com os resultaos eterminaos experimentalmente para as velociaes e reação ou constantes e equilíbrio. Estas situações são enominações e situações ieais. Entretanto, para trabalhos que requerem um maior grau e precisão, pequenos esvios são normalmente observaos. A lei a ação as massas torna-se uma relação falha para uma escrição útil a cinética ou o equilíbrio químico estes casos reais. Como este efeito poe ser corrigio? A lei a ação as massas poe aina ser uma relação correta para uso em problemas reais envolveno granes precisões se, mantia a sua forma, uma nova quantiae for utilizaa no lugar as concentrações as espécies químicas participantes o processo. Esta nova quantiae, enominaa e ativiae tem a mesma natureza física e uma concentração (poemos tê-la como uma concentração efetiva a espécie em um eterminao solvente), e ela ifere por um fator e correção f, enominao coeficiente e ativiae. Com essa efinição, escrevemos, a A f A [ A] 6

7 para a ativiae a A a espécie A como o prouto o coeficiente e ativiae f A e a concentração [A] a espécie A, geralmente expressa em mol L -1. A partir essa nova efinição a constante e equilíbrio eq eve ser expressa mais corretamente em função as ativiaes as espécies no equilíbrio: eq a a c C a A a a D b B Quano se trabalha com ativiae é comum aotarmos certos estaos parões como os que estabelecem que: i) a ativiae e sólios e líquios puros (por exemplo, água pura) é igual a 1. ii) a ativiae e um soluto é igual a sua concentração em mol L -1, em uma solução iluía. Esta última conição amite o comportamento ieal e uma solução ou, reciprocamente, efine uma solução como teno um comportamento ieal. Expressões para as constantes e equilíbrio e alguns processos químicos mais comuns Vamos ilustrar, com exemplos, algumas reações químicas e as expressões para as suas respectivas constantes e equilíbrio, que serão frequentemente usaas no ecorrer o nosso estuo. Vários problemas químicos que envolvem estas reações são frequentes em trabalhos analíticos nas inústrias química, metalúrgica, farmacêutica, assim como em laboratórios e análises clínicas. Para caa caso exemplificao, uma enominação própria será aa à constante e equilíbrio associaa. Procure se inteirar e acostumar com esta prática ese o primeiro momento que você for apresentao à essas novas terminologias e enominações. Exemplo 1: Ionização a água e a constante o prouto iônico, w. 2 H 2 O H 3 O + + OH - ; H O ][ OH ] Observe que a concentração a água não aparece na expressão a constante o prouto iônico, w. O motivo é que a água participa neste processo como solvente e reagente. Como solvente, a água está presente em uma quantiae muito grane comparaa com a quantiae que irá ionizar e, portanto, sua concentração é praticamente constante. Por ser constante, esta concentração é omitia na efinição e w e, assim, não aparece explicitamente na expressão a constante e equilíbrio. 7 W [ 3

8 Exemplo 2: Equilíbrio heterogêneo entre uma substância pouco solúvel e seus íons em uma solução aquosa saturaa e a constante o prouto e solubiliae, ps. 2 4 Ag 2 CrO 4 (s) 2 Ag + + CrO 2 4 ; [ Ag ] [ CrO ] ps Neste exemplo, uma quantiae o sólio cromato e prata, Ag 2 CrO 4, é aicionaa a um volume e água (este solvente não está inicao explicitamente na equação o equilíbrio químico) e apenas uma fração a quantiae inicial aicionaa este sal é issolvia em água. A fração issolvia é representaa pelos íons prata, Ag +, e pelos íons cromato, CrO 2 4, que são prouzios e estabilizaos por um processo e solvatação pelas moléculas o solvente. Os íons issolvios (em água) são representaos por Ag + e CrO 2 4. Observe, finalmente, que a expressão a constante e equilíbrio, a constante o prouto e solubiliae, ps, não epene a quantiae o sólio resiual não issolvio no solvente. Exemplo 3: Ionização e um ácio ou e uma base fracos e a constante e ionização, a ou b. Ionização e um ácio fraco: HCN + H 2 O H 3 O + + CN a [ H 3 O ][ CN [ HCN] ] Ionização e uma base fraca: NH 3 + H 2 O NH OH b [ NH 4 ][ OH [ NH ] 3 ] Como visto no exemplo 1, a água, por ser o solvente para o processo tratao, está presente em uma grane quantiae (relativo à quantiae e água que reage com o ácio ou a base) e, portanto, sua concentração não aparece na expressão as constantes e ionização a ou b. Exemplo 4: Formação ou issociação e um complexo inorgânico (ou organometálico) e a constante e formação, f ou constante e instabiliae, inst. Ni CN Ni(CN) [ Ni( CN) 4 ] 4 f 2 4 [ Ni ][ CN ] 2 8

9 Ni(CN) 4 2 Ni CN inst 1 f 2 4 [ Ni ][ CN ] 2 [ Ni( CN) ] 4 Exemplo 5: Equilíbrio e oxirreução e a constante e equilíbrio, eq. MnO Fe H + Mn Fe H 2 O; eq [ Mn ][ Fe ] 2 5 [ MnO ][ Fe ] [ H ] 4 8 Como já visto nos exemplos 1 e 3, a água, por ser o solvente na reação e oxirreução consieraa, sua concentração não aparece na expressão as constantes e equilíbrio eq. Em toos os exemplos anteriores, observamos que as expressões as constantes e equilíbrio epenem e como escrevemos a equação química a reação trataa. É importante eixar bem representaos os reagentes e os proutos a reação química. É funamental que as equações químicas estejam corretamente balanceaas e que o sentio a reação esteja bem efinio. Vejamos algumas situações gerais e as expressões e suas constantes e equilíbrio: [ B] Para a reação: A B; [ A] Para a reação inversa: B A; 1 1 [ A] [ B] n B Para a reação múltipla: n A n B; [ ] n n [ A] Para um sistema e reações consecutivas: 9

10 [ C] A + 2B C; 2 2 [ A][ B] C + D A + E; [ A][ E] 3 [ C][ D] ou, [ E] 2B + D E; T [ D][ B] A constante e equilíbrio, como já apontao anteriormente, epene implicitamente e fatores externos como temperatura e a pressão. Também epene o solvente empregao. Assim, exceto que seja ito o contrário, no que se segue, usaremos apenas os valores as constantes e equilíbrio eterminaos em solução aquosa, para uma temperatura e 25 ºC e pressão e 1 atm. Interpretação física para uma constante e equilíbrio O valor numérico a constante e equilíbrio nos fornece a informação o grau com que uma a reação química reversível se completa. Para um valor elevao a constante e equilíbrio, entenemos que o estao e equilíbrio as reações químicas recíprocas está eslocao para o lao os proutos. Isto quer izer que o equilíbrio é alcançao quano uma grane parte os reagentes é convertia em proutos, ou seja, reagem entre si. Alternativamente, quano a constante e equilíbrio tem um valor numérico pequeno, o equilíbrio é alcançao para um pequeno progresso a reação química no sentio a proução os proutos esejaos para a reação. equação Para exemplificar, a issolução o cloreto e prata, AgCl, em água é representaa pela AgCl (s) Ag + + Cl 10 ps [ Ag ][ Cl ] 1,

11 O baixo valor a constante e equilíbrio, a constante o prouto e solubiliae, ps, mostra que os íons Ag + e Cl aparecem em pequena quantiae na solução; isto confirma o fato o AgCl ser um sal pouco solúvel em água. Fatores que afetam o equilíbrio químico Uma vez estabelecio o equilíbrio e um processo químico, apenas fatores externos poem alterar a posição alcançaa este equilíbrio. Por posição e um equilíbrio químico evemos entener as concentrações relativas os reagentes e proutos encontraos no sistema analisao. Duas classes e fatores externos poem afetar os equilíbrios químicos: 1) a variação relativa as concentrações e uma ou mais substâncias participantes o processo, e 2) fatores externos como temperatura e pressão, que não epenem as concentrações as substâncias. Para o primeiro caso, um tratamento termoinâmico simples permite o cálculo rigoroso o efeito a variação a temperatura e/ou pressão sobre o valor numérico e uma constante e equilíbrio. Tenências qualitativas poem, porém, ser avaliaas para as muanças sofrias em um equilíbrio químico causaas por variações estes parâmetros externos, como veremos a seguir. Em geral, o princípio e Le Chatelier permite fazer previsões qualitativas acerca os efeitos e variações gerais sobre um equilíbrio químico. O princípio e Le Chatelier Sempre que uma perturbação é introuzia em um sistema em equilíbrio químico, a posição o equilíbrio será eslocaa na ireção que minimiza ou anula a perturbação introuzia. Esta é uma as formas para o enunciao o princípio e Le Chatelier. Este princípio guara uma grane semelhança com a Lei a Ação e Reação introuzia por Newton para problemas mecânicos a física. Diferentes tipos e perturbação poem afetar a posição e um equilíbrio químico préestabelecio: variação a concentração e uma ou mais espécies químicas reagentes e/ou proutos participantes o equilíbrio, variação a pressão parcial e um gás presente no sistema, variação a pressão total aplicaa ao sistema e a variação a temperatura. Vamos 11

12 analisar o efeito no equilíbrio químico para caa um esses tipos e perturbação. Para tal, consieremos o equilíbrio genérico ao pela equação química e a constante e equilíbrio, eq : a A + b B c C + D; c C D [ ] [ ] eq a b [ A] [ B] (7) 1) Efeito a concentração Pelo Princípio e Le Chatelier poemos obter as informações necessárias para escrever qualitativamente como um equilíbrio químico se esloca pelas alterações nas concentrações as várias espécies que nele atuam. Pela equação genérica (7), com o equilíbrio químico estabelecio, se a concentração o reagente A for reuzia, então, para que eq permaneça uma constante, as concentrações os proutos [C] e [D] evem ser reuzias e tal forma que o novo equilíbrio seja eslocao para a esquera. O novo equilíbrio procura compensar a reução a concentração o reagente A. Um efeito inverso, equilíbrio eslocao para a ireita poe ser inuzio pelo aumento na(s) concentração(ões) o(s) reagente(s) A ou B (ou ambos) ou pela reução na(s) concentração(ões) o(s) prouto(s) C ou D (ou ambos). aquoso: Um exemplo real poe ser visto na issociação o complexo iaminoprata em meio [Ag(NH 3 ) 2 ] + Ag NH 3 No primeiro caso, vamos supor que ânions cloreto, Cl, são aicionaos ao sistema. Estes íons combinam com os cátions Ag + formano o cloreto e prata AgCl, um composto pouco solúvel em água. Desta forma, efetivamente temos íons Ag + retiraos a solução, o que implica na iminuição a concentração e Ag +. Pelo princípio e Le Chatelier, o equilíbrio químico será restabelecio com a reposição os íons Ag + consumios. Isto poe ser conseguio por uma maior issociação o complexo e prata originalmente aicionao. Desta maneira, ao se aicionar íons Cl no equilíbrio estabelecio para o [Ag(NH 3 ) 2 ] + em solução aquosa, evemos observar uma maior quantiae o complexo issociao. 12

13 No seguno caso, se aicionarmos mais íons Ag + ao sistema, o equilíbrio será eslocao no sentio e consumir esses íons, resultano uma maior formação o complexo, até que o equilíbrio seja novamente restabelecio. 2) Efeito a temperatura A variação a temperatura moifica o valor numérico a constante e equilíbrio. Qualitativamente, entretanto, a influência a temperatura sobre a posição e um equilíbrio químico poe ser prevista com a ajua o Princípio e Le Chatelier. Consieremos, por exemplo, a reação exotérmica, em um sistema fechao: 3/2 H 2 (g) + 1/2 N 2 (g) NH 3 (g) + calor Mais corretamente, evemos escrever a equação termoquímica para essa reação como, 3/2 H 2 (g) + 1/2 N 2 (g) NH 3 (g) H 46,11kJ mol 1 Por ter uma variação e entalpia, H, negativa esta é uma reação exotérmica (energia é liberaa). Aina nesse exemplo, a reação inversa eve ser lia como, NH 3 (g) 3/2 H 2 (g) + 1/2 N 2 (g) H 46,11kJ mol 1 que, teno um H agora positivo, torna-se uma reação enotérmica. Pelo princípio e Le Chatelier, um aumento a temperatura (energia térmica entregue ao sistema) eve inuzir um eslocamento o equilíbrio no sentio a ter a energia fornecia parcialmente consumia, ou seja, favoreceno o aumento a concentração as espécies químicas H 2 (g) e N 2 (g). Em um seguno exemplo, para a reação enotérmica: 2 H 2 O + calor H 3 O + + OH 13

14 ou, mais corretamente, 2 H 2 O H 3 O + + OH H 0 o aumento na temperatura favorece a formação os proutos. Naturalmente, a iminuição a temperatura favorece a formação os reagentes. 3) Efeito a pressão Variações e pressão afetam acentuaamente apenas os equilíbrios químicos que envolvem reações nas quais são prouzios ou consumios gases. Para sistemas em equilíbrio one apenas líquios e/ou sólios estão presentes, o efeito a variação e pressão é, em geral, esprezível (exceto se altas pressões são requerias). O aumento na pressão e um sistema gasoso em equilíbrio (para uma temperatura constante) equivale a uma iminuição no volume total a mistura e gases. Desse moo, o equilíbrio será eslocao para o lao a reação que tiver menor quantiae molar total e reagente(s) ou prouto(s) gasoso(s). Por exemplo, no equilíbrio 3 H 2 (g) + N 2 (g) 2 NH 3 (g) um aumento na pressão externa esloca o equilíbrio no sentio a formação a amônia. Isto por que temos 2 (ois) mols o gás e amônia seno formaos a partir e 4 (quatro) mols (3 e hirogênio e 1 e nitrogênio) os reagentes gasosos. Uma iminuição na pressão esloca, e acoro com a regra estabelecia, o equilíbrio no sentio a formação e hirogênio e nitrogênio moleculares. Deve-se notar que nem sempre uma variação na pressão externa aplicaa à um sistema químico em equilíbrio irá efetivamente provocar um eslocamento no equilíbrio alcançao. Este é o caso para a situação em que há o mesmo número total e espécies gasosas nos reagentes e nos proutos que estabelecem um equilíbrio químico. Um exemplo típico este 14

15 caso é o equilíbrio existente em um sistema fechao conteno ácio ioírico, hirogênio e ioo moleculares: 2 HI(g) H 2 (g) + I 2 (g) Autoavalição 1. O que são reações reversíveis? 2. Como você efine o conceito e equilíbrio químico? 3. As equações mostraas a seguir representam equilíbrios químicos importantes na Química Analítica. Para caa uma elas ientifique o tipo e reação envolvia e escreva a respectiva expressão a constante e equilíbrio. a) Determinação icromatométrica e ferro 6 Fe 2+ + Cr 2 O H + 6 Fe Cr H 2 O b) Separação e cobre e bismuto em solução Cu NH 3 Cu(NH 3 ) 4 Bi NH H 2 O Bi(OH) 3 (s) + 3 NH 4 c) Determinação o teor e ácio acético no vinagre CH 3 COOH + OH CH 3 COO + H 2 O 4) Consiere a issolução o composto CaCO 3 em meio aquoso. a) Escreva a equação a reação química que representa essa issolução. b) Escreva a expressão a constante e equilíbrio para essa reação. c) Explique como a aição e uma certa quantiae e carbonato e sóio a água afetaria esse equilíbrio. 15

Equilíbrio Químico. Prof. Alex Fabiano C. Campos

Equilíbrio Químico. Prof. Alex Fabiano C. Campos 6/09/010 Equilíbrio Químico rof. Alex Fabiano C. Campos rocessos Reversíveis e Irreversíveis Algumas reações são irreversíveis, ou seja, uma vez obtios os proutos não há previsão espontânea e regeneração

Leia mais

( catalisada por Fe )

( catalisada por Fe ) Equilíbrio Químico 1. A Reversibilidade Microscópica: A reação de : N 2 (g) + 3 H 2 (g) 2 NH 3 (g) G r = -32,90 kj/mol ( catalisada por Fe ) é espontânea, quando todos os gases estão a 1 bar 1atm. - forma

Leia mais

Estudo Físico dos Gases

Estudo Físico dos Gases Estuo Físico os Gases eoria Cinética os Gases Gás é um estao a matéria; as partículas neste estao estão em movimento aleatório e caótico; São compressíveis; Os gases ocupam too o volume o recipiente e,

Leia mais

CONSTANTE DE EQUILÍBRIO

CONSTANTE DE EQUILÍBRIO EQUILÍBRIO QUÍMICO CONSTANTE DE EQUILÍBRIO A maneira de descrever a posição de equilíbrio de uma reação química é dar as concentrações de equilíbrio dos reagentes e produtos. A expressão da constante de

Leia mais

Equilíbrio Químico. Processos Reversíveis e Irreversíveis

Equilíbrio Químico. Processos Reversíveis e Irreversíveis Equilíbrio Químico rocessos Reversíveis e Irreversíveis rocessos Reversíveis e I Algumas reações são irreversíveis, ou seja, uma vez obtios os proutos não há previsão espontânea e regeneração os reagentes.

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO. Profa. Loraine Jacobs DAQBI.

EQUILÍBRIO QUÍMICO. Profa. Loraine Jacobs DAQBI. EQUILÍBRIO QUÍMICO Profa. Loraine Jacobs DAQBI lorainejacobs@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/lorainejacobs É a parte da físico-química que estuda as reações reversíveis e as condições para

Leia mais

III Corpos rígidos e sistemas equivalentes de forças

III Corpos rígidos e sistemas equivalentes de forças III Corpos rígios e sistemas equivalentes e forças Nem sempre é possível consierar toos os corpos como partículas. Em muitos casos, as imensões os corpos influenciam os resultaos e everão ser tias em conta.

Leia mais

LCE-108 Química Inorgânica e Analítica. Equilíbrio Químico. Wanessa Melchert Mattos

LCE-108 Química Inorgânica e Analítica. Equilíbrio Químico. Wanessa Melchert Mattos LCE-108 Química Inorgânica e Analítica Equilíbrio Químico Wanessa Melchert Mattos Equilíbrio Químico Estalactites: CaCO 3 (s) + CO 2 (aq) + H 2 O (l) Ca 2+ (aq) + 2 HCO 3- (aq) Estalagmites: Ca 2+ (aq)

Leia mais

METAIS E COMPLEXOS. Um ácido de Lewis é uma espécie química que pode estabelecer uma ligação coordenada aceitando um par de eletrões de outra espécie.

METAIS E COMPLEXOS. Um ácido de Lewis é uma espécie química que pode estabelecer uma ligação coordenada aceitando um par de eletrões de outra espécie. METAIS E COMPLEXOS BASE DE LEWIS Uma base e Lewis é uma espécie química que poe estabelecer uma ligação coorenaa oano um par e eletrões a outra espécie. ÁCIDO DE LEWIS Um ácio e Lewis é uma espécie química

Leia mais

DIFERENÇA DE POTENCIAL. d figura 1

DIFERENÇA DE POTENCIAL. d figura 1 DIFERENÇ DE POTENCIL 1. Trabalho realizao por uma força. Consieremos uma força ue atua sobre um objeto em repouso sobre uma superfície horizontal como mostrao na figura 1. kx Esta força esloca o objeto

Leia mais

AULA 10 EQUILÍBRIO DE SOLUBILIDADE

AULA 10 EQUILÍBRIO DE SOLUBILIDADE Fundamentos de Química Analítica (009) AULA 10 EQUILÍBRIO DE SOLUBILIDADE OBJETIVOS Definir solubilidade do soluto. Definir solução saturada, não saturada e supersaturada. Conhecer as regras de solubilidade.

Leia mais

EXPERIÊNCIA 9 PRINCÍPIO DE LE CHATELIER E EQUILÍBRIO QUÍMICO

EXPERIÊNCIA 9 PRINCÍPIO DE LE CHATELIER E EQUILÍBRIO QUÍMICO EXPERIÊNCIA 9 PRINCÍPIO DE LE CHATELIER E EQUILÍBRIO QUÍMICO 1. OBJETIVOS No final desta experiência o aluno deverá ser capaz de: Dada a equação química de um equilíbrio, escrever a expressão para a constante

Leia mais

A Regra da Cadeia Continuação das notas de aula do mês 11/03 Versão de 20 de Novembro de 2003

A Regra da Cadeia Continuação das notas de aula do mês 11/03 Versão de 20 de Novembro de 2003 A Regra a Caeia Continuação as notas e aula o mês /03 Versão e 20 e Novembro e 2003 Agora queremos entener o que acontece com a erivaa e uma composição e funções. Antes e mais naa, lembremos a notação

Leia mais

Equilíbrio Químico 01/02/2013

Equilíbrio Químico 01/02/2013 01/02/2013 EQUILÍBRIO QUÍMICO Plano de Aula Objetivos Compreender a natureza e as características dos equilíbrios químicos; Compreender o significado da constante de equilíbrio, K; Compreender a utilização

Leia mais

LCE0182 Química Analítica Quantitativa. Equilíbrio Químico. Wanessa Melchert Mattos

LCE0182 Química Analítica Quantitativa. Equilíbrio Químico. Wanessa Melchert Mattos LCE0182 Química Analítica Quantitativa Equilíbrio Químico Wanessa Melchert Mattos Equilíbrio Químico Estalactites: CaCO 3 (s) + CO 2 (aq) + H 2 O (l) Ca 2+ (aq) + 2 HCO 3- (aq) Estalagmites: Ca 2+ (aq)

Leia mais

N 2 O 4(g) 2NO 2(g) incolor castanho

N 2 O 4(g) 2NO 2(g) incolor castanho Equilíbrios Químicos Conceito de equilíbrio químico Primeira experiência N 2 O 4(g) 2NO 2(g) incolor castanho Análise microscópica N 2 O 4(g) 2NO 2(g) incolor castanho Pela reação: 1 mol de N 2 O 4 2 mols

Leia mais

A B EQUILÍBRIO QUÍMICO. H 2 + 2ICl I 2 + 2HCl. % Ach

A B EQUILÍBRIO QUÍMICO. H 2 + 2ICl I 2 + 2HCl. % Ach A B EQUILÍBRIO QUÍMICO H 2 + 2ICl I 2 + 2HCl!. % % Ach. Ac 1 Equilíbrio Químico - Reversibilidade de reações químicas A B Exemplo: N 2 (g) + 3H 2 (g) 2NH 3 (g) equilíbrio dinâmico aa + bb yy + zz Constante

Leia mais

Equilíbrio Químico. Controlo da Produção Industrial de Amoníaco

Equilíbrio Químico. Controlo da Produção Industrial de Amoníaco Equilíbrio Químico Controlo da Produção Industrial de Amoníaco Reações completas Combustão do carvão C (s) + O 2 (g) CO 2 (g) Reações completas Reação do Ácido clorídrico com o Magnésio 2 HCl (aq) + Mg

Leia mais

Disciplina: Química I Unidade VI

Disciplina: Química I Unidade VI chamadas de prótons. Em 1932, Chadwick isolou o nêutron, cuja existência já era prevista por Rutherford. Portanto, o modelo atômico clássico é constituído de um núcleo, onde se encontram os prótons e nêutrons,

Leia mais

EQUILÍBRIOS: QUÍMICO E IÔNICO Profº Jaison Mattei

EQUILÍBRIOS: QUÍMICO E IÔNICO Profº Jaison Mattei EQUILÍBRIOS: QUÍMICO E IÔNICO Profº Jaison Mattei Reações completas ou irreversíveis São reações nas quais os reagentes são totalmente convertidos em produtos, não havendo sobra de reagente, ao final da

Leia mais

Ba 2+ (aq) + CrO 4. 2 (aq)

Ba 2+ (aq) + CrO 4. 2 (aq) Experiência 9: ESTUDO DO EQUILÍBRIO CROMATO-DICROMATO 1. Objetivos Ao final desta atividade experimental espera-se que o aluno seja capaz de: - A partir da equação química de um sistema em equilíbrio escrever

Leia mais

Cinética Química. Taxas de reação. e Mecanismos de reação. (Taxas de reação)

Cinética Química. Taxas de reação. e Mecanismos de reação. (Taxas de reação) Cinética Química Taxas e reação Reações elementares e Mecanismos e reação (Taxas e reação) Taxa e reacção Termoinâmica Cinética química Taxa e reação inica a ireção e um processo, qual o estao e equilíbrio

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO. Profa. Marcia M. Meier QUÍMICA GERAL II

EQUILÍBRIO QUÍMICO. Profa. Marcia M. Meier QUÍMICA GERAL II EQUILÍBRIO QUÍMICO Profa. Marcia M. Meier QUÍMICA GERAL II EQUILÍBRIO QUÍMICO Galo meteorológico, muda de cor em função da umidade do ambiente. EQUILÍBRIO QUÍMICO Quando queimamos um palito de fósforo,

Leia mais

Aprsentar os principais conceitos envolvidos no equilíbrio químico e suas relações termodinâmicas com a constante e composições de equilíbrio.

Aprsentar os principais conceitos envolvidos no equilíbrio químico e suas relações termodinâmicas com a constante e composições de equilíbrio. EQUILÍBRIO QUÍMICO Metas Aprsentar os principais conceitos envolvidos no equilíbrio químico e suas relações termodinâmicas com a constante e composições de equilíbrio. Objetivos Ao final desta aula, o

Leia mais

AULA 3. Tratamento Sistemático do Equilíbrio Químico

AULA 3. Tratamento Sistemático do Equilíbrio Químico AULA Tratamento Sistemático do Equilíbrio Químico Objetivos Escrever as equações químicas que descrevem as reações químicas. Escrever as expressões de constante de equilíbrio para as reações químicas.

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 05/12/12

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 05/12/12 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 05/12/12 Nome: GABARITO Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Constantes e equações: 273,15 K = 0 C R = 0,0821

Leia mais

Prática 09 Princípios de Equilíbrio Químico

Prática 09 Princípios de Equilíbrio Químico UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC Disciplina: Química Geral Experimental QEX0002 Prática 09 Princípios de Equilíbrio Químico 1. Introdução

Leia mais

Equilíbrio Profº Jaison

Equilíbrio Profº Jaison Equilíbrio Profº Jaison Equilíbrio Químico Todas as reacções tendem alcançar o equilíbrio químico Quando as velocidades das reacções directa e inversa forem iguais e as concentrações dos reagentes e dos

Leia mais

FACULDADES OSWALDO CRUZ QUÍMICA GERAL E INORGÂNICA CURSO BÁSICO 1ºS ANOS

FACULDADES OSWALDO CRUZ QUÍMICA GERAL E INORGÂNICA CURSO BÁSICO 1ºS ANOS FACULDADES OSWALDO CRUZ QUÍMICA GERAL E INORGÂNICA CURSO BÁSICO 1ºS ANOS Prezados Alunos Conforme orientação da Diretoria Geral, o reinício das aulas, teoria e laboratório, ocorrerá no dia 17 de agosto.

Leia mais

Equilíbrios proteína-ligando

Equilíbrios proteína-ligando Equilíbrios proteína-ligano Para que as reacções enzimáticas possam ocorrer, é necessário o encontro molecular entre o enzima e o substrato e a sua associação num complexo enzima-substrato O processo e

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO MOLECULAR

EQUILÍBRIO QUÍMICO MOLECULAR EQUILÍBRIO QUÍMICO MOLECULAR Profº Enéas Torricelli 1 Equilíbrio químico é uma reação reversível na qual a velocidade da reação direta é igual à da reação inversa e, conseqüentemente, as concentrações

Leia mais

Equilíbrio é um estado em que não há mudanças observáveis, com passar do tempo.

Equilíbrio é um estado em que não há mudanças observáveis, com passar do tempo. Equilíbrio Químico Equilíbrio é um estado em que não há mudanças observáveis, com passar do tempo. Equilíbrio químico é alcançado quando: as taxas das reações direta e inversa são iguais e não são iguais

Leia mais

FÍSICA. Resposta: 80. Justificativa: As equações horárias são: x A = ½ a A t 2 e x B = ½ a B t 2. No encontro x A = x B.

FÍSICA. Resposta: 80. Justificativa: As equações horárias são: x A = ½ a A t 2 e x B = ½ a B t 2. No encontro x A = x B. FÍSICA Daos: Aceleração a graviae: 1 m/s Densiae o mercúrio: 13,6 g/cm 3 Pressão atmosférica: 1,x1 5 N/m Constante eletrostática: k = 1/4 = 9,x1 9 N.m /C 1. Dois veículos partem simultaneamente o repouso

Leia mais

Aula EQUILÍBRIO QUÍMICO METAS

Aula EQUILÍBRIO QUÍMICO METAS EQUILÍBRIO QUÍMICO METAS Apresentar o conceito de equilíbrio químico; apresentar a constante de equilibrio; apresentar o princípio de lê Châtelier; apresentar atividade e coeficiente de atividade. OBJETIVOS

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 12/05/12

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 12/05/12 P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 12/05/12 Nome: GABARITO Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Dados: T (K) = T ( C) + 273,15 R = 8,314

Leia mais

Aula 1- Distâncias Astronômicas

Aula 1- Distâncias Astronômicas Aula - Distâncias Astronômicas Área 2, Aula Alexei Machao Müller, Maria e Fátima Oliveira Saraiva & Kepler e Souza Oliveira Filho Ilustração e uma meição e istância a Terra (à ireita) à Lua (à esquera),

Leia mais

BC Transformações Químicas

BC Transformações Químicas Transformações Químicas BC0307 Prof. Anderson O. Ribeiro http://www.andersonorzari.com BC 0307 Transformações Químicas ANDERSON ORZARI RIBEIRO Bloco B, 10º andar - Sala 1043 www.andersonorzari.com Transformações

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 14 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 14 (montgomery) Controle Estatístico e Qualiae Capítulo 4 (montgomery) Amostragem e Aceitação Lote a Lote para Atributos Introução A Amostragem poe ser efinia como a técnica estatística usaa para o cálculo e estimativas

Leia mais

Departamento de Física e Química Química Básica Rodrigo Vieira Rodrigues

Departamento de Física e Química Química Básica Rodrigo Vieira Rodrigues Departamento de Física e Química Química Básica Rodrigo Vieira Rodrigues Equilíbrio Químico Todas as reações tendem alcançar o equilíbrio químico Quando as velocidades das reações directa e inversa forem

Leia mais

PAG Química Equilíbrio Químico 1. Para o equilíbrio gasoso entre NO e O 2 formando NO 2 (2 NO (g) + O 2 (g) 2 NO 2 (g)), a constante de equilíbrio é

PAG Química Equilíbrio Químico 1. Para o equilíbrio gasoso entre NO e O 2 formando NO 2 (2 NO (g) + O 2 (g) 2 NO 2 (g)), a constante de equilíbrio é 1. Para o equilíbrio gasoso entre NO e O 2 formando NO 2 (2 NO (g) + O 2 (g) 2 NO 2 (g)), a constante de equilíbrio é Kc = 6,45 x 10 5. a) em que concentração de O 2 as concentrações de NO 2 e de NO são

Leia mais

Equilíbrio Químico. É uma reação reversível na qual a velocidade da reação direta é igual à velocidade da reação inversa.

Equilíbrio Químico. É uma reação reversível na qual a velocidade da reação direta é igual à velocidade da reação inversa. Equilíbrio Químico É uma reação reversível na qual a velocidade da reação direta é igual à velocidade da reação inversa. CLASSIFICAÇÃO DAS REAÇÕES Uma reação química diz-se completa quando leva ao esgotamento

Leia mais

Reações Químicas GERAL

Reações Químicas GERAL Reações Químicas GERAL É o processo no qual 1 ou mais substâncias (reagentes) se transformam em 1 ou mais substâncias novas (produtos). Formação de ferrugem Combustão de um palito de fósforo Efervescência

Leia mais

INTRODUÇÃO. Podem ocorrer também modificações só perceptíveis a sensores colocados no meio reacional:

INTRODUÇÃO. Podem ocorrer também modificações só perceptíveis a sensores colocados no meio reacional: REAÇÕES INORGÂNICAS INTRODUÇÃO Uma reação química ocorre quando uma ou mais substâncias interagem de modo a formar novas substâncias. A ocorrência de uma reação pode ser detectada através de evidências

Leia mais

PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Equilíbrio Químico

PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Equilíbrio Químico PAGQuímica 2011/1 Exercícios de Equilíbrio Químico 1. Para o equilíbrio gasoso entre NO e O 2 formando NO 2 (2 NO (g) + O 2 (g) 2 NO 2 (g)), a constante de equilíbrio é Kc = 6,45 x 10 5. a) em que concentração

Leia mais

Mais derivadas. g(x)f (x) f(x)g (x) g(x) 2 cf(x), com c R cf (x) x r, com r R. rx r 1

Mais derivadas. g(x)f (x) f(x)g (x) g(x) 2 cf(x), com c R cf (x) x r, com r R. rx r 1 Universiae e Brasília Departamento e Matemática Cálculo 1 Mais erivaas Neste teto vamos apresentar mais alguns eemplos importantes e funções eriváveis. Até o momento, temos a seguinte tabela e erivaas:

Leia mais

QUI 01 PROF. Claudio Equilíbrio químico e ph

QUI 01 PROF. Claudio Equilíbrio químico e ph facebook.com/proj.medicina QUI 01 PROF. Claudio Equilíbrio químico e ph RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE AULA 1. (Unifesp 017) Certo produto utilizado como tira-ferrugem contém solução aquosa de ácido oxálico,

Leia mais

Transmissão em Corrente Contínua

Transmissão em Corrente Contínua Transmissão em Corrente Contínua CONTROLE PARA SISTEMAS DE TRANSMISSÃO EM CC Prof. Júlio Borges e Souza CARACTERÍSTICAS DE UM SISTEMA REAL DE CONTROLE Os controlaores as pontes conversoras são responsáveis

Leia mais

Transformações da Matéria

Transformações da Matéria EQUILÍBRIO QUÍMICO Transformações da Matéria Físicas Químicas Nucleares Mudanças dos Estados de Agregação Reações Químicas Reações Nucleares Sólido Líquido Gás Térmica Fotoquímica Eletroquímica Fusão Fissão

Leia mais

BC0307 Transformações Químicas. Equilíbrio Químico

BC0307 Transformações Químicas. Equilíbrio Químico Equilíbrio Químico - Avaliação do equilíbrio heterogêneo: K= [Ca2+ ]. [CO 3 2- ] [CaCO 3 ] H 2 O CaCO 3 (s) Ca 2+ 2- + CO 3 K. [CaCO 3 ] = [Ca 2+ ]. [CO 3 2- ] Kps = [Ca 2+ ]. [CO 3 2- ] Concentração necessária

Leia mais

P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 02/12/08

P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 02/12/08 P4 PROVA DE QUÍMICA GERAL 0/1/08 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 Constantes e equações: R = 0,08 atm L mol -1 K -1 = 8,314

Leia mais

Disciplina de Química Geral Profa. Marcia Margarete Meier

Disciplina de Química Geral Profa. Marcia Margarete Meier Soluções 1 Propriedades gerais das soluções Os materiais são feitos geralmente de misturas de substâncias mais simples. Ex.: ar, sangue, água do mar, ligas metálicas, perfumes, etc As composições precisam

Leia mais

E-books PCNA. Vol. 1 QUÍMICA ELEMENTAR CAPÍTULO 8 EQUILÍBRO QUÍMICO

E-books PCNA. Vol. 1 QUÍMICA ELEMENTAR CAPÍTULO 8 EQUILÍBRO QUÍMICO E-books PCNA Vol. 1 QUÍMICA ELEMENTAR CAPÍTULO 8 EQUILÍBRO QUÍMICO 2 QUÍMICA ELEMENTAR CAPÍTULO 8 APRESENTAÇÃO... 4 CAPÍTULO 8... 5 1. INTRODUÇÃO... 5 2. REAÇÃO REVERSÍVEL... 6 3. CLASSIFICAÇÃO DO EQUILÍBRIO...

Leia mais

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA Termodinâmica é a ciência que estuda as transformações de energia nas quais as variações de temperatura são importantes. A maioria das transformações químicas resulta em alterações

Leia mais

Introdução à Termologia

Introdução à Termologia Introução à Termoloia Termoloia é a parte a Física que estua a eneria térmica. Definições importantes: Eneria interna: É a soma as enerias cinéticas as moléculas e um corpo. Calor (eneria térmica: É a

Leia mais

Sumário PREFÁCIO...13

Sumário PREFÁCIO...13 Sumário PREFÁCIO...13 CAPÍTULO 1 Operações com Grandezas e Unidades de Medida...17 Objetivos...17 1.1 Notação científica...18 1.2 Exponenciais e logaritmos...19 1.3 Grandezas físicas e unidades de medida:

Leia mais

Experimento 11 - Equilíbrio químico e sistema tampão

Experimento 11 - Equilíbrio químico e sistema tampão 1 Experimento 11 - Equilíbrio químico e sistema tampão 1. INTRODUÇÃO 1.1. EQUILÍBRIO QUÍMICO As reações estudadas em química não resultam de uma conversão completa de reagentes em produtos, pois todas

Leia mais

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA Termodinâmica é a ciência que estuda as transformações de energia nas quais as variações de temperatura são importantes. A maioria das transformações químicas resulta em alterações

Leia mais

Capítulo by Pearson Education

Capítulo by Pearson Education QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Aspectos adicionais dos equilíbrios aquosos David P. White O efeito do íon comum A solubilidade de um sal parcialmente solúvel diminui quando um íon comum é adicionado.

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Física. Referências bibliográficas: H S T.

Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Física. Referências bibliográficas: H S T. Universiae eeral o Paraná Setor e Ciências Eatas Departamento e ísica ísica III Prof. Dr. Ricaro Luiz Viana Referências bibliográficas: H. -4 S. -5 T. 18- Aula Lei e Coulomb Charles Augustin e Coulomb

Leia mais

1º Questão: Escreva a distribuição eletrônica dos elementos abaixo e determine o número de valência de cada elemento: a) Fe (26):.

1º Questão: Escreva a distribuição eletrônica dos elementos abaixo e determine o número de valência de cada elemento: a) Fe (26):. FOLHA DE EXERCÍCIOS CURSO: Otimizado ASS.: Exercícios de Conteúdo DISCIPLINA: Fundamentos de Química e Bioquímica NOME: TURMA: 1SAU 1º Questão: Escreva a distribuição eletrônica dos elementos abaixo e

Leia mais

QUÍMICA 3 - APOSTILA 4. Prof. Msc João Neto

QUÍMICA 3 - APOSTILA 4. Prof. Msc João Neto QUÍMICA - APOSTILA Prof. Msc João Neto A (g) B (g) C (g) D (g) Em um sistema fechado, o equilíbrio é atingido quando: as propriedades macroscópicas ficam inalteradas; no estado final, coexistem reagentes

Leia mais

Fonte: Netz e Ortega, 2002.

Fonte: Netz e Ortega, 2002. 1 Atividade A atividade é uma espécie de concentração efetiva. Para entender o que é uma concentração efetiva, podemos raciocinar do seguinte modo: As interações entre as moléculas em uma mistura fazem

Leia mais

Projeto 3. 8 de abril de y max y min. Figura 1: Diagrama de um cabo suspenso.

Projeto 3. 8 de abril de y max y min. Figura 1: Diagrama de um cabo suspenso. Cabos suspensos Projeto 3 8 e abril e 009 A curva escrita por um cabo suspenso pelas suas etremiaes é enominaa curva catenária. y ma y min 0 Figura 1: Diagrama e um cabo suspenso. A equação que escreve

Leia mais

Equilíbrio químico. Prof. Leandro Zatta

Equilíbrio químico. Prof. Leandro Zatta Equilíbrio químico Prof. Leandro Zatta O que é equilíbrio? Do dic.: e.qui.lí.brio sm (lat aequilibriu) 1 Fís Estado de um corpo que é atraído ou solicitado por forças cuja resultante é nula. Histórico

Leia mais

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 27/10/12

P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 27/10/12 P2 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 27/10/12 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a 2,5 2 a 2,5 3 a 2,5 4 a 2,5 Total 10,0 Dados: T (K) = T ( C) + 273,15 R = 8,314

Leia mais

1.2. (C) RESPOSTA INCORRECTA... (A) Correcto. Há iões magnésio e cloro na água do mar, logo há MgCl

1.2. (C) RESPOSTA INCORRECTA... (A) Correcto. Há iões magnésio e cloro na água do mar, logo há MgCl 1. Leia atentamente as informações seguintes. Mais e % a superfície a Terra está coberta por água, e 9% essa água encontra-se nos oceanos. A água os oceanos é uma solução aquosa extremamente complexa (Tabelas

Leia mais

Modulo 5 Lei de Stevin

Modulo 5 Lei de Stevin Moulo 5 Lei e Stevin Simon Stevin foi um físico e matemático belga que concentrou suas pesquisas nos campos a estática e a hirostática, no final o século 16, e esenvolveu estuos também no campo a geometria

Leia mais

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2.

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2. Interação Gravitacional Vimos que a mola é esticaa quano um corpo é suspenso na sua extremiae livre. A força que estica a mola é e origem eletromagnética e tem móulo igual ao móulo o peso o corpo. O peso

Leia mais

Fenômenos de Transporte III. Aula 05. Prof. Gerônimo

Fenômenos de Transporte III. Aula 05. Prof. Gerônimo Fenômenos e Transporte III ula 5 Prof. Gerônimo 6- DIFUSÃO EM REGIME PERMETE SEM REÇÃO QUÍMIC 6.- Consierações a respeito Consiere uma sala ampla conteno ar a atm e 5C. Coloque no centro a sala uma mesa

Leia mais

Disciplina: Química Geral Docente Responsável: Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran. Assunto: Ácidos e Bases de Lewis/ Óxidos/ Sais: classificação

Disciplina: Química Geral Docente Responsável: Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran. Assunto: Ácidos e Bases de Lewis/ Óxidos/ Sais: classificação Disciplina: Química Geral Docente Responsável: Prof a. Dr a. Luciana Maria Saran 1 Assunto: Ácidos e Bases de Lewis/ Óxidos/ Sais: classificação 1. Ácidos e Bases: conceito de Lewis O modelo de Lewis baseia-se

Leia mais

c a) Atração; 0,2 N. 4. A tabela a seguir mostra a série triboelétrica.

c a) Atração; 0,2 N. 4. A tabela a seguir mostra a série triboelétrica. 1. Duas cargas são colocaas em uma região one há interação elétrica entre elas. Quano separaas por uma istância, a força e interação elétrica entre elas tem móulo igual a F. Triplicano-se a istância entre

Leia mais

A Regra da Cadeia. 14 de novembro de u(x) = sen x. v(x) = cos x. w(x) = x 5

A Regra da Cadeia. 14 de novembro de u(x) = sen x. v(x) = cos x. w(x) = x 5 A Regra a Caeia 4 e novembro e 0. As operações algébricas entre funções (soma, prouto, etc) fornecem uma grane iversiae e novas funções para os iferentes casos que vimos até agora. Porém, existe uma outra

Leia mais

O aluno deverá elaborar resumos teóricos dos textos do livro e de outras fontes sobre os tópicos do conteúdo.

O aluno deverá elaborar resumos teóricos dos textos do livro e de outras fontes sobre os tópicos do conteúdo. Disciplina QUÍMICA Curso ENSINO MÉDIO Professor GUILHERME Série 1ª SÉRIE ROTEIRO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO E REVISÃO 1º SEMESTRE / 2012 Aluno (a): Número: 1 - Conteúdo: Ácidos e bases propriedades, conceito

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE IFRN CAMPUS MOSSORÓ PROFESSOR: ALBINO DISCIPLINA: QUÍMICA EXPERIMENTAL

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE IFRN CAMPUS MOSSORÓ PROFESSOR: ALBINO DISCIPLINA: QUÍMICA EXPERIMENTAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE IFRN CAMPUS MOSSORÓ PROFESSOR: ALBINO DISCIPLINA: QUÍMICA EXPERIMENTAL ESTRUTURA DA MATÉRIA O termo matéria refere-se a todos os

Leia mais

Aluno(a): COMENTADA. Série: 2 a Ensino Médio Turma: A / B / C / D / E Data: 17/08/2016

Aluno(a): COMENTADA. Série: 2 a Ensino Médio Turma: A / B / C / D / E Data: 17/08/2016 QUÍMICA AVALIAÇÃO CLAUDI / SARA III UNIDADE Aluno(a): COMENTADA Série: 2 a Ensino Médio Turma: A / B / C / D / E Data: 17/08/2016 1. A prova é composta de 07 questões abertas e 03 questões objetivas. 2.

Leia mais

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO

EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO Equilíbrio Químico EXERCÍCIOS DE APLICAÇÃO 01 (PUC-RS) Dada a expressão da constante de equilíbrio em termos de concentração de produtos e reagentes a equação química que pode ser representada por essa

Leia mais

Sumário. Química e indústria. Reversibilidade das reações químicas

Sumário. Química e indústria. Reversibilidade das reações químicas Sumário UNIDADE TEMÁTICA 1 Química e Indústria Equilíbrios e desequilíbrios Produção industrial do amoníaco - Reversibilidade das reações químicas. - Equilíbrio químico como exemplo de um equilíbrio dinâmico.

Leia mais

Aula INTRODUÇÃO À ESTEQUIOMETRIA META OBJETIVOS PRÉ-REQUISITOS

Aula INTRODUÇÃO À ESTEQUIOMETRIA META OBJETIVOS PRÉ-REQUISITOS INTRODUÇÃO À ESTEQUIOMETRIA Aula 9 META Apresentar o estudo das equações usadas para representar as mudanças químicas e utilizar essas equações para definir as quantidades relativas de elementos combinados

Leia mais

Reações em Soluções Aquosas

Reações em Soluções Aquosas Reações em Soluções Aquosas Classificação Reações sem transferência de elétrons: Reações de precipitação; Reações de neutralização. Reações com transferência de elétrons: Reações de oxirredução. Reações

Leia mais

FACENS FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA

FACENS FACULDADE DE ENGENHARIA DE SOROCABA FAENS FAULDADE DE ENGENHARIA DE SOROABA TEORIA DAS ESTRUTURAS Deslocamentos em Estruturas Lineares O Princípio os Trabalhos Virtuais Prof. JOSÉ LUIZ F. e ARRUDA SERRA SUÁRIO 01. O Princípio os trabalhos

Leia mais

Lista de exercícios - Bloco 2 - Aula 25 a 28 - Equilíbrio Químico - Conceitos gerais e cálculo (Kc e Kp) 1. (Unicid - Medicina 2017) Considere os equilíbrios: 1. 2 SO 2 (g) + O 2 (g) 2 SO 3 (g) 25 Kc =

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 03/07/10

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 03/07/10 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL 0/07/10 Nome: Nº de Matrícula: GABARITO Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão 1 a,5 a,5 a,5 4 a,5 Total 10,0 Constantes e equações: R = 0,08 atm L mol -1 K -1 = 8,14

Leia mais

VELOCIDADES DE REAÇÕES QUÍMICAS (I)

VELOCIDADES DE REAÇÕES QUÍMICAS (I) VELOCIDADES DE REAÇÕES QUÍMICAS (I) INFORMAÇÃO A velocidade de uma reação química depende da rapidez com que um reagente é consumido, isto é, a taxa de consumo, ou alternativamente, como sendo a rapidez

Leia mais

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA

TERMODINÂMICA TERMOQUÍMICA Termodinâmica é a ciência que estuda as transformações de energia nas quais as variações de temperatura são importantes. A maioria das transformações químicas resulta em alterações nas temperaturas e,

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO. Profa. Loraine Jacobs DAQBI.

EQUILÍBRIO QUÍMICO. Profa. Loraine Jacobs DAQBI. EQUILÍBRIO QUÍMICO Profa. Loraine Jacobs DAQBI lorainejacobs@utfpr.edu.br http://paginapessoal.utfpr.edu.br/lorainejacobs EQUILÍBRIO IÔNICO DA ÁGUA Equilíbrio Iônico da Água Ácido e Base de Arrhenius H

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA Estuda a velocidade (rapidez) das reações. Exemplo a síntese do HCl: H 2 (g) + Cl 2 (g) 2HCl(g)

CINÉTICA QUÍMICA Estuda a velocidade (rapidez) das reações. Exemplo a síntese do HCl: H 2 (g) + Cl 2 (g) 2HCl(g) CINÉTICA QUÍMICA Estuda a velocidade (rapidez) das reações. Exemplo a síntese do HCl: H 2 (g) + Cl 2 (g) 2HCl(g) TEORIA DAS COLISÕES Para que ocorra uma reação química, os reagentes devem ter uma certa

Leia mais

2005 by Pearson Education. Capítulo 04

2005 by Pearson Education. Capítulo 04 QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 4 Reações em soluções aquosas e estequiometria de soluções David P. White Propriedades gerais das soluções aquosas Propriedades eletrolíticas As soluções aquosas

Leia mais

O processo de dissolução

O processo de dissolução SOLUBILIDADE Sabemos que um soluto altera as propriedades do solvente. Solução sólida: silício dopado com fósforo eletrônica. indústria Sal sobre o gelo abaixa o ponto e congelamento se a temperatura é

Leia mais

Reacções incompletas e equilíbrio químico

Reacções incompletas e equilíbrio químico Reacções incompletas e equilíbrio químico Reversibilidade das reacções químicas Reversibilidade das reacções químicas Uma reacção química diz-se reversível quando pode ocorrer nos dois sentidos, isto é,

Leia mais

CURSO ABSOLUTO VESTIBULARES - ISOLADO DE QUÍMICA EQUILÍBRIO IÔNICO Prof.: Mazzei

CURSO ABSOLUTO VESTIBULARES - ISOLADO DE QUÍMICA EQUILÍBRIO IÔNICO Prof.: Mazzei 01. O ácido cianídrico tem ampla aplicação industrial, sendo matéria-prima para a fabricação de vários bens de consumo. Entretanto, ao trabalhar-se com essa substância deve-se tomar o devido cuidado. Esse

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Departamento de Engenharia Química e do Ambiente. QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre)

INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Departamento de Engenharia Química e do Ambiente. QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre) INSTITUTO POLITÉCNICO DE TOMAR ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA Departamento de Engenharia Química e do Ambiente QUÍMICA I (1º Ano/1º Semestre) 4ª Série de Exercícios EQUILÍBRIO QUÍMICO Tomar (2003) 1 Equilíbrio

Leia mais

Equilíbrio de Precipitação

Equilíbrio de Precipitação Capítulo 4 Equilíbrio de Precipitação Prof a Alessandra Smaniotto QMC 5325 - Química Analítica Curso de Graduação em Farmácia Turmas 02102A e 02102B Introdução Os equilíbrios ácido -base são exemplos de

Leia mais

Módulo V Força e Campo Elétrico

Módulo V Força e Campo Elétrico Móulo V Clauia Regina Campos e Carvalho Móulo V orça e Campo létrico orça létrica: As interações, e atração ou e repulsão, entre corpos carregaos positiva ou negativamente são forças e natureza elétrica

Leia mais

Eletrólitos e Não Eletrólitos

Eletrólitos e Não Eletrólitos Introdução Introdução Introdução Eletrólitos e Não Eletrólitos Tipos de Eletrólitos Tipos de Eletrólitos Tipos de Eletrólitos Reações Inorgânicas Reações O QUE É UMA REAÇÃO QUÍMICA? É processo de mudanças

Leia mais

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL 78 PARTE V ANÁISE DIMENSIONA Parte V ANÁISE DIMENSIONA [R] [p] [V] [n] [τ] l 3 θ [R] θ Resposta: [R] θ Uma as principais equações a Mecânica quântica permite calcular a energia E associaa a um fóton e

Leia mais

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 28/11/09

P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 28/11/09 P4 - PROVA DE QUÍMICA GERAL - 8/11/09 Nome: GABARITO Nº de Matrícula: Turma: Assinatura: Questão Valor Grau Revisão Dados gerais: 1 a,5 a,5 3 a,5 4 a,5 Total 10,0 G o = H o - T S o G = - n F E o RT E =

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA. Tendo em vista as propriedades coligativas dessas soluções, é CORRETO afirmar

PROVA DE QUÍMICA. Tendo em vista as propriedades coligativas dessas soluções, é CORRETO afirmar 17 PROVA DE QUÍMICA Q U E S T Ã O 2 6 Z e X são elementos químicos que apresentam respectivamente 2 e 6 elétrons no nível de valência. A fórmula química resultante da combinação entre átomos dos elementos

Leia mais

Capítulo by Pearson Education

Capítulo by Pearson Education QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Equilíbrio químico David P. White Conceito de equilíbrio Considere o N 2 O 4 congelado e incolor. À temperatura ambiente, ele se decompõe em NO 2 marrom: N 2 O 4 (g)

Leia mais

Equilíbrios químicos homogêneos

Equilíbrios químicos homogêneos Equilíbrios químicos homogêneos O que é um equilíbrio químico? Algumas (muitas) reações químicas são ditas reversíveis, isto é: tanto os reagentes transformam-se em produtos como os produtos em reagentes.

Leia mais

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia Capítulo Leis e Newton. Sistemas e inércia Supomos a existência e sistemas e referência, os sistemas e inércia, nos quais as leis e Newton são válias. Um sistema e inércia é um sistema em relação ao qual

Leia mais