COMO ELABORAR UM CV APELATIVO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMO ELABORAR UM CV APELATIVO"

Transcrição

1 COMO ELABORAR UM CV APELATIVO

2 QUAL TEM SIDO O SEU PERCURSO DE VIDA? Apesar de uma crescente tendência para evidenciar competências junto de potenciais empregadores recorrendo a outros meios, nomeadamente através de portefólios online e de ferramentas nas redes sociais, o CV continua a desempenhar um papel-chave para o ajudar a conseguir o emprego que deseja. No entanto, a forma como deverá apresentar o seu CV pode variar em função de cada mercado de trabalho. A forma de redigir e de ler um CV pode variar consoante os países. Na Europa, CV traduz-se literalmente por percurso de vida, pelo que é importante apresentar detalhes, responsabilidades e evolução registada, mais do que uma lista cronológica com indicação de funções e responsabilidades. Existe flexibilidade quanto à forma de criar o CV mais adequado para si, mas existem também algumas rasteiras que deverá tentar evitar. Vamos analisar o tipo de CV mais apelativo para os empregadores e a forma como o poderá criar. 2

3 O FORMATO CERTO A função à qual concorre, bem como a sua actual fase de carreira, deverão determinar qual o formato de CV a utilizar. Estes são os tipos de CV pelos quais poderá optar: 1 CV funcional: Se se está a candidatar a um emprego que representa um grande passo em termos da sua evolução, ou caso se situe fora do âmbito do seu leque de competências dominantes ou da sua área profissional, este poderá ser o formato indicado. É igualmente adequado no regresso ao mercado de trabalho após uma pausa, uma vez que 2 CV cronológico: Este formato apresenta todas as funções desempenhadas e as respectivas responsabilidades, começando pela função mais recente. Se for relevante, inclua funções remuneradas e não remuneradas. Este tipo de CV é o mais comum na Europa. Indique as funções temporárias por ordem cronológica 3 Combinação de CV Funcional e Cronológico: Recorra a elementos de ambos para destacar todos os aspectos relacionados com as suas competências base, em particular se possui qualificações que não foram utilizadas em funções específicas. realça as competências e as capacidades, em detrimento de uma cronologia de experiências profissionais. Comece por indicar em primeiro lugar os seus objectivos de carreira, em seguida descreva genericamente as suas competências e qualificações, detalhando todas as competências técnicas relevantes. Descreva as suas habilitações literárias e as suas qualificações numa secção separada. Indique o seu percurso profissional e o que aprendeu inversa, à semelhança da descrição de funções desempenhadas a tempo inteiro. Se trabalhou numa empresa de trabalho temporário, indique essa empresa como entidade empregadora e agrupe todas as funções desempenhadas através da mesma. Mencione claramente que as funções foram desempenhadas com carácter temporário. 4 CV visual: Este tipo de CV está a tornar-se cada vez mais comum e permite conjugar todos os tipos de elementos visuais, nomeadamente fotografias, vídeos, infográficos, quadros e gráficos. Este tipo de CV é excelente para pessoas em início de carreira, que ainda não têm muito a dizer, mas que querem evidenciar aquilo que são capazes. sem indicar datas / intervalos de tempo. Seja o mais detalhado possível e, sempre que possível, indique as funções e os nomes das organizações onde trabalhou. 3

4 CONHEÇA O SEU MERCADO Cada vez mais pessoas estão a procurar trabalho além fronteiras pelo que é importante adaptar a sua candidatura ao mercado de destino. Em França, os CVs devem ser redigidos apenas em francês e acompanhados de uma carta de apresentação manuscrita. Na Alemanha, é prática comum colocar a fotografia no CV, enquanto que nos EUA os empregadores terão de eliminar as fotografias recebidas. Uma breve pesquisa poderá dar muitos frutos e, em caso de dúvida, deverá contactar um recrutador ou um consultor de RH para o ajudar e para lhe dar algumas sugestões. Direccionar a sua candidatura de forma eficaz demonstra que sabe o que é importante. Por exemplo: Para os empregadores europeus, a extensão do seu CV é muitas vezes considerada menos importante do que a sua estrutura. Deverá evitar a utilização excessiva de chavões da sua área ou da sua região. Poderá encontrar boas listas online, contendo os chavões utilizados nas diferentes regiões e sugestões para diferenciar os seus descritivos. Muitas vezes o melhor será evidenciar as suas competências junto de um empregador, em vez de referir que possui competências como criatividade, motivação e resolução de problemas. Poderá fazê-lo utilizando exemplos concretos ou na forma como apresenta o seu CV. Seja específico relativamente às suas qualificações, uma vez que estas são, muitas vezes, difíceis de comparar além fronteiras. Inclua factos importantes acerca das escolas, faculdades e universidades que frequentou e que possam reforçar o seu prestígio junto de alguém que não as conheça. Seja cuidadoso na escolha das palavras o inglês é a segunda língua para uma grande maioria das pessoas e a utilização de linguagem corporativa complexa ou de termos técnicos pode dificultar a compreensão do leitor acerca das suas capacidades ou dos seus êxitos. Tenha em atenção os diferentes padrões de formatação e impressão utilizados noutros países. Se estiver na Europa e enviar o seu CV para os EUA, utilize a definição correspondente ao tamanho de papel adequado e vice-versa. 4

5 O NOVO CV DIGITAL O CV em formato digital ou infográfico está a adquirir cada vez maior popularidade. Num mundo onde as pessoas têm cada vez menos tempo disponível, ferramentas como o vizualize.me permitem aos candidatos à procura de emprego dar vida ao seu antigo CV em papel recorrendo à utilização de imagens e ícones. Esta opção de CV, de fácil assimilação, pode ser criada através de links nas suas redes sociais e constitui uma forma única de apresentar as suas competências e êxitos. A apresentação da sua candidatura com um CV digital permite-lhe destacar-se na multidão, em especial num mercado de trabalho extremamente competitivo. 5

6 A FAZER E A NÃO FAZER Compreender tudo o que fazer e não fazer ao redigir o seu CV destinado a diversos países da região EMEA poderá constituir um verdadeiro desafio. Consultámos alguns profissionais de recrutamento nos mercados de trabalho locais para obter as 3 sugestões mais importantes que agora partilhamos consigo. França 1. Indique a função pretendida na parte superior do seu CV de forma a identificar claramente a função para a qual se está a candidatar. Poderá ainda indicar - no topo um outro idioma SE o falar fluentemente. 2. A sua experiência profissional: esta parte do seu CV é geralmente a mais importante, a menos que seja um jovem sem experiência. Para cada função, deverá indicar a seguinte informação: - Datas (início/termo)/título da função/ nome da empresa/localização. - Menção a vendas efectuadas/ objectivos alcançados com indicação de números reais. - Palavras-chave utilizadas no anúncio de emprego. 3. Evite partilhar dados pessoais, informações sem utilidade e assegurese que a apresentação do documento é excelente. Não imprima o CV em frente e verso, não envie fotocópias e não utilize papel amarrotado. Não se esqueça de indicar outros idiomas ou competências informáticas se tal for exigido para a função a que se candidata. Alemanha 1. Inclua uma fotografia de rosto no canto superior esquerdo ou direito. 2. Deverá elaborar o seu CV até um máximo de duas páginas. Contudo, estas duas páginas não devem estar repletas de texto em tamanho reduzido. Devem ser de fácil leitura. Assim, escolha cuidadosamente as suas palavras e assegure-se que o tipo de letra é no mínimo de tamanho Os dados pessoais devem incluir: - Apelido, nome próprio - Data de nascimento - Local de nascimento - Nacionalidade(s). Reino Unido 1. Utilize no máximo 3 páginas. 2. Para o Reino Unido não é aconselhável a inclusão de fotografia. A inclusão de fotografia poderá, inadvertidamente, encorajar a discriminação. 3. Evite clichés. 6

7 A FAZER E A NÃO FAZER Suíça 1. Descreva as tarefas desempenhadas nos seus empregos mais recentes e efectue a ligação com o emprego a que se está a candidatar. 2. Estrutura a seguir: dados pessoais e fotografia, experiência profissional, habilitações literárias, idiomas, conhecimentos informáticos, distinções/ certificados especiais, hobbies, facultativo: referências (podem ser solicitadas posteriormente). 3. Um CV corectamente elaborado é sempre uma mais-valia - utilize algumas cores ou uma imagem de fundo, estruture muito bem o texto e facilite a sua legibilidade. Rússia 1. Caso se candidate a uma função de gestão intermédia ou de topo nunca indique o seu pessoal e não profissional no seu CV, por exemplo 2. Os recrutadores na Rússia preferem receber um CV com a sua fotografia. Mas deverá ser uma fotografia profissional, com um fundo branco. 3. Indique sempre os objectivos que já alcançou e especifique-os (valores, %). Holanda 1. O layout não deverá ultrapassar as 2 a 3 páginas e o conteúdo deverá ser breve e conciso. 2. Os recrutadores preferem uma estrutura cronológica e clara a começar pela experiência mais recente. 3. Adicione os seus interesses pessoais e hobbies para conferir maior personalidade ao seu CV. Portugal 1. Seja breve um bom CV não deve ultrapassar, idealmente, as duas páginas. 2. Layout - claro e acessível. 3. Crie diferentes versões utilize a versão mais adequada para a função a que se está a candidatar. 7

8 PRESTE ATENÇÃO AOS DETALHES Consulte ferramentas como as páginas do LinkedIn analytics, que mostram o que outras pessoas estão a fazer em termos de pesquisa de emprego e elaboração de CV (e o que deve evitar). Deverá prestar particular atenção aos seguintes aspectos: Indique um grande objectivo Dedique algum tempo a esta reflexão. Este objectivo deverá reflectir aquilo que realmente sente acerca da sua carreira. Se se sente motivado pela área de apoio ao cliente, diga-o. Se está focalizado na área de desenvolvimento e liderança, diga-o. Se o seu objectivo é simplesmente trabalhar numa determinada empresa porque se identifica com a sua cultura, os seus objectivos e com o trabalho desenvolvido, diga-o. Seja específico! Quantifique os seus resultados e dê exemplos Ao destacar os seus êxitos seja específico acerca das suas realizações. Se trabalhou num projecto com uma equipa de grande dimensão utilize o pronome pessoal eu e não nós indique o que fez nesse processo e quais foram as suas responsabilidades. Se fornecer exemplos relacionados com poupanças de tempo ou dinheiro, indique quanto poupou em vez de referir uma poupança significativa ou substancial. Se melhorou um processo, diga o que fez e em que medida isso beneficiou a empresa. Tenha atenção ao seu tom/estilo Seja profissional, vá directo ao assunto. Tente ser objectivo e preciso em tudo o que diz descrições como excelente comunicador ou orientado para resultados são muito comuns e apenas deverão ser utilizadas se der exemplos que ilustrem essas competências. Encontre formas tangíveis para demonstrar que trabalha bem em equipa assim como outras competências comportamentais. Se tal não for possível, talvez seja preferível não as mencionar. Sem exemplos concretos, estas acabam por não ter grande impacto. Indique todos os seus dados de contacto Parece óbvio, mas verifique três vezes se o seu número de telefone, endereço de e morada estão correctos. Quando adequado, inclua a tag do seu Twitter, endereço de Internet e a referência para o seu perfil no LinkedIn, uma vez que estes elementos proporcionarão aos empregadores informações adicionais para avaliar a sua aptidão para a função. 8

9 DÊ RESPOSTA AO QUE OS RECRUTADORES QUEREM REALMENTE SABER Ao lerem o seu CV, os empregadores terão em mente algumas perguntas. Se lhes conseguir dar resposta, significa que está no caminho certo: O que pode fazer por mim? Questione-se se o seu CV capta o interesse do leitor, se resume claramente o seu perfil, quais são os seus pontos fortes e qual a principal vantagem na sua contratação. É um colaborador valioso? Certifique-se que o seu CV demonstra que o seu trabalho foi uma mais-valia em empregos anteriores. O CV não tem de se centrar noutros empregadores valorize o seu trabalho na sua escola ou universidade, em organizações comunitárias e noutras funções em regime de voluntariado. Tem as competências necessárias? Ao longo do seu CV indique palavras-chave ou frases retiradas do anúncio de emprego a que está a responder. Reordene a lista das suas competências colocando a mais relevante para a função em primeiro lugar. Possui experiência relevante? A descrição de uma função poderá não transmitir a sua experiência de trabalho relevante. Pondere utilizar bullets para destacar informações de interesse. Esta informação deve ser breve e precisa. Possui as habilitações literárias e os diplomas adequados? Utilize a terminologia e as palavraschave correctas com vista a garantir que a sua informação não é descurada, nem pelos empregadores nem por aplicações informáticas de leitura de CVs. O que o torna único? Destaque-se dos outros candidatos antes de se reunir com o potencial empregador. Destaque métodos de trabalho que se diferenciem de outros que possuam o seu conjunto de competências e destaque competências adicionais, como o conhecimento de línguas estrangeiras ou conhecimentos técnicos. 9

10 Releia e obtenha feedback. Se não tem a certeza se respondeu às perguntas anteriores, peça a um amigo ou a um colega em quem confie para ler e verificar as informações indicadas no seu CV. Poderão ainda ajudá-lo a detectar inconsistências, erros e comentários negativos não intencionais. 10

11 1 SEJA RECONHECIDO PELOS ROBÔS Não parta do princípio que, numa primeira fase, o seu CV irá ser lido por uma pessoa. Os sistemas de controlo de candidaturas (ATS) consistem em ferramentas de software utilizadas pelos recrutadores para filtrar as candidaturas. São muitas vezes utilizados na Europa, pelo que deverá partir do princípio que o seu CV será processado por um destes programas, sobretudo se está a candidatar-se a uma função numa grande organização. Estes sistemas podem estar sujeitos a erros e ser relativamente simplistas na forma como agrupam a informação. Deste modo, terá de garantir que o seu CV está pronto para se encontrar com o robô e causar uma boa impressão. 2 Envie o CV no formato adequado: os documentos em Word continuam a ser a melhor opção. O formato em PDF e outros tipos de formatos podem colocar dificuldades ao nível da importação no software. Evite também a inclusão de outros elementos gráficos apenas o texto será importado. Diga aquilo que quer dizer: identifique cada secção de forma clara de modo a que o ATS importe a informação correcta para os campos indicados. Identifique o seu percurso profissional como percurso profissional, a sua experiência profissional como experiência profissional e assim sucessivamente. 3 4 Seja claro quanto à descrição das funções e ao nome dos empregadores: não seja muito criativo nesta secção, descreva claramente as funções e seja o mais sucinto possível de modo a que o programa ATS importe a sua informação correctamente este elemento é fundamental na lista de prioridades do recrutador, por isso não falhe neste ponto! Utilize o anúncio de emprego como referência: tome nota das palavras-chave indicadas na descrição da função e reflicta-as no seu CV. 11

12 O ATS pode reduzir em 75% a probabilidade de os candidatos conseguirem uma entrevista* *www.cio.com 5 Insider Secrets for Beating Applicant Tracking Systems 12

13 SEJA ACTIVO E NÃO PASSIVO Ainda que não esteja activamente à procura de emprego, existem vantagens na adopção de uma postura proactiva para a sua carreira. Diferentes empregadores irão pesquisá-lo em diferentes locais, pelo que deve diversificar a sua presença online de forma a aumentar a probabilidade de ser encontrado pelos empregadores que ambiciona. É cada vez mais importante a utilização de uma pluralidade de recursos na sua pesquisa, desde as redes sociais e eventos de networking a fóruns de emprego online não confie apenas no seu CV de duas páginas para se conseguir destacar. Impulsione a sua presença no mercado de procura de emprego: Promova o networking e mantenha o contacto com colegas e pessoas que partilham os seus interesses (online e offline). Inicie debates em blogs e em sites da sua área. Participe em grupos e estabeleça ligações com outras pessoas na sua área para alargar a sua rede. Posicione-se como um líder de pensamento/especialista em matérias específicas dentro da sua área publicando exemplos do seu trabalho Pondere a criação de um portefólio digital com ferramentas como o weebly ou about.me. Participe activamente em redes sociais de natureza profissional, como por exemplo o LinkedIn. Pondere colocar o seu CV num formato de apresentação animada em PDF ou PowerPoint, mas não envie o CV nestes formatos se o mesmo se destinar a um consultor de recrutamento, uma vez que estes formatos não são compatíveis com os programas de ATS. 4 Publique o seu CV em sites como o Slideshare, CareerBuilder e outros sites relevantes na sua área. 13

14 CROWDSOURCING PELOS ESPECIALISTAS DA KELLY: Stefan Renzewitz Sally Hunter Bence Bak Stefano Giorgetti Patrick Broderick Lauren Clovis Astrid Akse Stefan desempenha as funções de Operations Lead for Talent Sourcing na região DACH (Alemanha, Áustria e Suíça). Possui uma grande experiência em soluções relacionadas com Eventos de Carreira, Employer Branding e soluções de Talent Relationship, incluindo o planeamento e execução de campanhas focalizadas em licenciados e jovens profissionais (Gestores, Engenheiros e Informáticos). Na qualidade de RPO Practice Lead EMEA da Kelly OCG, Sally é responsável pela elaboração de propostas para Processos de Recrutamento em Outsourcing (RPO), desde a gestão do relacionamento com clientes, através da equipa de gestão de contas até à consultoria no âmbito da transformação dos RH. Sally possui uma vasta experiência na área do capital humano, incluindo em funções de liderança no âmbito de gestão estratégica de contas para prestadores de serviços de gestão de recursos humanos até à execução operacional. Bence Bak é Director de Sourcing na região EMEA. Bence tem 4 anos de experiência em actividades de pesquisa para diferentes níveis de candidatos no sector de TI. É actualmente responsável pela formação e manutenção da base de conhecimentos para diferentes stakeholders, criando novas normas e processos relativamente a uma pesquisa proactiva e implementando um novo sistema internacional de TI. Stefano é o Director-geral e Vice-presidente da Kelly Services em Itália. Possui uma sólida experiência no sector do recrutamento e é, actualmente, um campeão da inovação da Kelly focalizado em melhorar a experiência do candidato e do cliente. Patrick Broderick Business Development Director EMEA, é um consultor muito respeitado no sector do recrutamento. O seu prestígio ao nível do Recrutamento reside na área de Executive Search onde foi Consultor 360, tendo sido pessoalmente responsável pelo lançamento de quatro escritórios de Telecomunicações com uma equipa premiada. Lauren é Directora de Marketing da região EMEA, especializada em employer branding, comunicação com candidatos e organização de eventos. Com uma sólida experiência de recrutamento na área financeira e um histórico de prestação de serviços nas instalações do cliente com soluções de trabalho temporário, a experiência de Lauren está centrada nos públicos B2B e B2C. Astrid é Directora de RH da Kelly Services para a região EMEA. Tendo trabalhado ao longo de vários anos no recrutamento para funções de liderança, Astrid é actualmente responsável de RH para a região EMEA. Astrid tem uma visão internacional e a sua função actual centra-se, entre outras responsabilidades, no recrutamento interno. O compromisso da Kelly Você é único e diferente, é isso que o distingue! Na Kelly sabemos que nem todas as pessoas procuram retirar o mesmo do seu trabalho. Quer esteja a começar a sua carreira ou tenha vários anos de experiência, o nosso compromisso é ajudá-lo a encontrar a função ideal para si. Cada percurso individual é marcado por voltas e reviravoltas e a navegação por este novo mundo profissional pode ser traiçoeira. Poderá encontrar informações úteis relacionadas com carreiras em e quando decidir entrar directamente em contacto connosco, trabalharemos em conjunto com a sua paixão e conhecimentos para o orientar até ao seu próximo desafio. Quer seja um colaborador temporário ou um trabalhador com vículo permanente, a Kelly ajudá-lo-á em cada passo do processo. Factos sobre a Kelly A Kelly Services, Inc. (NASDAQ: KELYA, KELYB) é uma empresa líder em soluções de recursos humanos. A Kelly oferece um conjunto integrado de serviços nas áreas de trabalho temporário, recrutamento e selecção, outsourcing e consultoria. Com clientes em todo o mundo, a Kelly emprega mais de trabalhadores anualmente. Em 2012 registou receitas de 5,6 mil milhões de dólares. Visite o nosso website e junte-se a nós no Facebook, LinkedIn e Twitter. kellyservices.pt 14 Todas as marcas registadas são da propriedade dos respectivos titulares. Somos uma empresa que promove a igualdade de oportunidades Kelly Services, Inc.

GUIA DO MERCADO LABORAL 2014 UMA ANÁLISE DE TENDÊNCIAS E SALÁRIOS EM PORTUGAL

GUIA DO MERCADO LABORAL 2014 UMA ANÁLISE DE TENDÊNCIAS E SALÁRIOS EM PORTUGAL GUIA DO MERCADO LABORAL 2014 UMA ANÁLISE DE TENDÊNCIAS E SALÁRIOS EM PORTUGAL hays.pt ÍNDICE INTRODUÇÃO ACERCA DA HAYS O MERCADO DE TRABALHO QUALIFICADO TENDÊNCIAS DE MERCADO E TABELAS SALARIAIS CONTABILIDADE

Leia mais

DIRECTRIZES DA IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECAS ESCOLARES

DIRECTRIZES DA IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECAS ESCOLARES DIRECTRIZES DA IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECAS ESCOLARES Título original: The IFLA/Unesco School Libraries Guidelines http://www.ifla.org/vii/s11/pubs/school-guidelines.htm Tradução em Língua Portuguesa (Portugal)

Leia mais

Como Elaborar um Plano de Negócios: O SEU GUIA PARA UM PROJECTO DE SUCESSO

Como Elaborar um Plano de Negócios: O SEU GUIA PARA UM PROJECTO DE SUCESSO Como Elaborar um Plano de Negócios: O SEU GUIA PARA UM PROJECTO DE SUCESSO Como Elaborar um Plano de Negócios Ao pensar em procurar um parceiro de Capital de Risco, um empreendedor necessita de estruturar

Leia mais

COMO CRIAR UMA EMPRESA DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE EVENTOS

COMO CRIAR UMA EMPRESA DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE EVENTOS PORTUGAL EMPREENDEDOR GUIA PRÁTICO SECTORIAL DE EMPREENDEDORISMO E DA PROMOÇÃO DA COMPETITIVIDADE COMO CRIAR UMA EMPRESA DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE EVENTOS ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 TESTEMUNHO DE EMPRESÁRIO

Leia mais

Actualização. Recrutar na Europa. Guia para empregadores. eures.europa.eu. Comissão Europeia

Actualização. Recrutar na Europa. Guia para empregadores. eures.europa.eu. Comissão Europeia Actualização 2010 Recrutar na Europa Guia para empregadores eures.europa.eu Comissão Europeia Nem a Comissão Europeia nem qualquer pessoa que actue em seu nome são responsáveis pelo uso que possa ser feito

Leia mais

Capítulo 10: Monitorização e Avaliação (M&A) GUIA

Capítulo 10: Monitorização e Avaliação (M&A) GUIA Capítulo 10: Monitorização e Avaliação (M&A) GUIA Foto de capa: Susan Thubi, oficial de saúde na clínica de Nazareth Holy Family em Limuru, no Quénia, verifica o registo dos pacientes que visitaram o centro

Leia mais

Erasmus+ Guia do programa. Válido a partir de 1 de janeiro de 2014

Erasmus+ Guia do programa. Válido a partir de 1 de janeiro de 2014 Erasmus+ Guia do programa Válido a partir de 1 de janeiro de 2014 Versão 3: 04/06/2014 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 8 PARTE A - INFORMAÇÕES GERAIS ACERCA DO PROGRAMA ERASMUS+... 10 Quais são os objetivos e as

Leia mais

COMO CRIAR UM RESTAURANTE

COMO CRIAR UM RESTAURANTE PORTUGAL EMPREENDEDOR GUIA PRÁTICO SECTORIAL DE EMPREENDEDORISMO E DA PROMOÇÃO DA COMPETITIVIDADE COMO CRIAR UM RESTAURANTE ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 TESTEMUNHO DE EMPRESÁRIO 4 LICENCIAMENTO 7 LEGISLAÇÃO 7

Leia mais

Guia AGENDA 21 Local

Guia AGENDA 21 Local MANUAL Guia AGENDA 21 Local Um desafio para todos GUIA AGENDA 21 LOCAL UM DESAFIO PARA TODOS Manual Novembro de 2007 Título: Guia Agenda 21 Local Um desafio para todos Autoria: Equipa da TTerra Auditoria,

Leia mais

Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos. Série de Formação Profissional n. º 06

Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos. Série de Formação Profissional n. º 06 Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos GENEBRA Série de Formação Profissional n. º 06 Formação em Direitos Humanos MANUAL SOBRE A METODOLOGIA DA FORMAÇÃO O EM DIREITOS HUMANOS Alto

Leia mais

guião técnico de apoio ao EMPREENDEDOR EM TURISMO RURAL

guião técnico de apoio ao EMPREENDEDOR EM TURISMO RURAL Projecto 5x5 Redes Temáticas Integradas de Turismo Rural guião técnico de apoio ao EMPREENDEDOR EM TURISMO RURAL CRÉDITOS 5x5 Redes Temáticas Integradas de Turismo Rural é um projeto PRIVETUR Relatório

Leia mais

Desenvolvimento de Políticas de Orientação ao Longo da Vida: Um Kit de Recursos Europeu

Desenvolvimento de Políticas de Orientação ao Longo da Vida: Um Kit de Recursos Europeu ELGPN TOOLS Desenvolvimento de Políticas de Orientação ao Longo da Vida: Um Kit de Recursos Europeu ELGPN Tools No. 1 Desenvolvimento de Políticas de Orientação ao Longo da Vida: Um Kit de Recursos Europeu

Leia mais

Formação do Instrutor e seus Recursos Uma introdução ao seu conteúdo e usos para Arquivistas e Gestores de arquivos

Formação do Instrutor e seus Recursos Uma introdução ao seu conteúdo e usos para Arquivistas e Gestores de arquivos Formação do Instrutor e seus Recursos Uma introdução ao seu conteúdo e usos para Arquivistas e Gestores de arquivos Margaret Crockett e Janet Foster Tradução: Gak, Luiz Cleber, Gak Igor, e Bellesse, Julia

Leia mais

Um estudo de caso sobre as organizações que aprendem

Um estudo de caso sobre as organizações que aprendem COG132A.QXD 09-01-2008 10:23 Page 169 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO, 2007, VOL. 13, N.º 2, 169-189 Um estudo de caso sobre as organizações que aprendem Mário José Batista Franco Universidade da

Leia mais

Direitos do estudante no estrangeiro

Direitos do estudante no estrangeiro in EUROPE http://europa.eu/youthonthemove Direitos do estudante no estrangeiro Guia dos Direitos dos Estudantes em Mobilidade na União Europeia Europe Direct é um serviço que responde às suas perguntas

Leia mais

Erasmus+ Guia do Programa

Erasmus+ Guia do Programa Erasmus+ Guia do Programa No caso de significados divergentes entre as diversas versões linguísticas, prevalece a versão inglesa. Versão 3 (2015): 16/12/2014 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 6 PARTE A - INFORMAÇÕES

Leia mais

Directrizes para a Elaboração de Relatórios de Sustentabilidade 2000-2006 GRI. Version 3.0

Directrizes para a Elaboração de Relatórios de Sustentabilidade 2000-2006 GRI. Version 3.0 G Directrizes para a Elaboração de elatórios de Sustentabilidade 2000-2006 GI Version 3.0 DES G3: Directrizes para a Elaboração de elatórios de Sustentabilidade Índice Prefácio O Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

4º C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional [ ] Por que investir em Comunicação Interna

4º C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional [ ] Por que investir em Comunicação Interna 4º C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional [ ] Por que investir em Comunicação Interna 2 C.C.O. Caderno de Comunicação Organizacional Por que investir em Comunicação Interna PREFÁCIO Em pouco mais

Leia mais

Redes sociais para cientistas REDES SOCIAIS PARA CIENTISTAS. Ana Sanchez António Granado Joana Lobo Antunes

Redes sociais para cientistas REDES SOCIAIS PARA CIENTISTAS. Ana Sanchez António Granado Joana Lobo Antunes Redes sociais para cientistas REDES SOCIAIS PARA CIENTISTAS Ana Sanchez António Granado Joana Lobo Antunes 1 Título: Redes Sociais para Cientistas Autores: Ana Sanchez, António Granado, Joana Lobo Antunes

Leia mais

Introdução. João Carlos Cruz

Introdução. João Carlos Cruz Introdução Caro Profissional, quando eu tive a iniciativa de criar o site www.novosplanos.com imaginei que pudesse ajudar de alguma forma as pessoas que perdem seus empregos, estão à procura da primeira

Leia mais

Como planificar e gerir um serviço de referência

Como planificar e gerir um serviço de referência No.28, Abr Jun. 2007 Como planificar e gerir um serviço de referência Sérgio Filipe Agostinho Mangas Bibliotecário responsável pela Biblioteca Municipal de Figueiró dos Vinhos, Portugal sergiomangas@gmail.com

Leia mais

Segurança Social: Um novo consenso

Segurança Social: Um novo consenso Segurança Social: Um novo consenso DEPARTAMENTO DE COOPERAÇÃO MINISTÉRIO DA SEGURANÇA SOCIAL E DO TRABALHO DE PORTUGAL 1 2 A edição original desta obra foi publicada pelo Bureau Internacional do Trabalho

Leia mais

Minha Busca por Emprego

Minha Busca por Emprego Minha Busca por Emprego AUTOSSUFICIÊNCIA INTRODUÇÃO SERÁ QUE ESTE GRUPO VAI ME AJUDAR A ENCONTRAR UM EMPREGO? Nem sempre é fácil encontrar emprego, mas este grupo de autossuficiência vai ajudá- lo a aprender

Leia mais

Capítulo 1: a gestão e a sua evolução!

Capítulo 1: a gestão e a sua evolução! Capítulo 1: a gestão e a sua evolução Introdução à gestão Contabilidade e administração Conceito de gestão: é o processo de se conseguir obter resultados (bens ou serviços) com o esforço de outros. Pressupõem

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETÊNCIAS EM PME

ANÁLISE DE COMPETÊNCIAS EM PME NÁLISE DE COMPETÊNCIS EM PME Guia de utilização Setembro 2008 2 Índice INTRODUÇÃO...4 Definição...4 Objectivos...4 Destinatários...4 MODELO DE COMPETÊNCIS EMPRESRIIS...5 METODOLOGI DE UTO-VLIÇÃO...6 Equipa

Leia mais

A conclusão deste trabalho foi devida aos mais variados contributos, alguns deles, decisivos no momento em que foram prestados.

A conclusão deste trabalho foi devida aos mais variados contributos, alguns deles, decisivos no momento em que foram prestados. AGRADECIMENTOS A conclusão deste trabalho foi devida aos mais variados contributos, alguns deles, decisivos no momento em que foram prestados. Gostaríamos de agradecer ao Dr. Jorge Cortez por nos ter recebido

Leia mais

Memorando sobre Aprendizagem ao Longo da Vida

Memorando sobre Aprendizagem ao Longo da Vida COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 30.10.2000 SEC(2000) 1832 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO Memorando sobre Aprendizagem ao Longo da Vida 1 Memorando sobre Aprendizagem ao Longo

Leia mais

Centros de Serviços Compartilhados

Centros de Serviços Compartilhados Centros de Serviços Compartilhados Tendências em um modelo de gestão cada vez mais comum nas organizações Uma pesquisa inédita com empresas que atuam no Brasil Os desafios de compartilhar A competitividade

Leia mais

PREFÁCIO 0. 1 SOBRE A B-ON 1 1.1.1 Motivação 1 1.1.2 Antecedentes e evolução 2 1.1.3 A missão 3 1.1.4 Promotores do projecto 3 2 SERVIÇOS B-ON 4

PREFÁCIO 0. 1 SOBRE A B-ON 1 1.1.1 Motivação 1 1.1.2 Antecedentes e evolução 2 1.1.3 A missão 3 1.1.4 Promotores do projecto 3 2 SERVIÇOS B-ON 4 Manual b-on Manual b-onb Sumário PREFÁCIO 0 1 SOBRE A B-ON 1 1.1.1 Motivação 1 1.1.2 Antecedentes e evolução 2 1.1.3 A missão 3 1.1.4 Promotores do projecto 3 2 SERVIÇOS B-ON 4 2.1 Conteúdos b-on 4 2.1.1

Leia mais

Conteúdos. 60 Respondentes em Portugal. Setores com maior participação no survey global

Conteúdos. 60 Respondentes em Portugal. Setores com maior participação no survey global Conteúdos Acerca deste relatório... 6 Sumário Executivo... 9 1 - Inovar para crescer... 12 2 - O que distingue os líderes dos seguidores... 19 3 - Como inovar no seu negócio... 32 Principais conclusões...

Leia mais