EROSÃO DO SOLO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS CONGRESSO PARANAENSE DE ENGENHEIROS AGRÔNOMOS. Edivaldo Lopes Thomaz

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EROSÃO DO SOLO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS CONGRESSO PARANAENSE DE ENGENHEIROS AGRÔNOMOS. Edivaldo Lopes Thomaz"

Transcrição

1 EROSÃO DO SOLO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS CONGRESSO PARANAENSE DE ENGENHEIROS AGRÔNOMOS Edivaldo Lopes Thomaz

2 Erosão do Solo em Sistemas Agrícolas 1) Erosão hídrica 2) Sistema agrícolas 3) O surgimento da agricultura 4) Erosão em sistemas agrícolas (ex. mundo) 5) Erosão em sistemas agrícolas no Paraná 6) Considerações finais

3 EROSÃO HÍDRICA Fases Destacamento de partículas do solo Transporte Deposição

4 Energia cinética: salpico

5 Condições hidráulicas: entre ravinas e ravinas ravina Entre ravina

6 Fluxo difuso Transporte de agua, sedimento, nutrientes e matéria orgânica

7 SISTEMA AGRÍCOLA (meio biogeofísico + cultura + tecnologia +...) / manutenção da produção e longevidadesustentabilidade do sistema

8 Hipótese para o surgimento da agricultura 1) Sobrevivência frente às oscilações climáticas após mais de um milhão de anos de nomadismo (competição por oásis); 2) Agricultura como inevitável processo de evolução cultural; 3) Aumento da densidade populacional (pressão demográfica sobre o território). Comportamento natural como resposta ao crescimento da população. (Montgomery, 2008)

9

10 SISTEMAS AGRÍCOLAS EROSÃO E DEGRADAÇÃO DO SOLO

11 Ciência do Solo e observação em campo

12 Scientific American Brasil (2008, p. 58)

13 Estudo de erosão de solo The Dust Bowl was a period in history of severe dust storms that caused major agricultural and ecological damage to American and Canadian prairie lands from (400,000 km2). It was established the Soil Erosion Service in August 1933.

14 Preparo do solo com arado (Pradarias Americana) 1. Arado de aço (1838 John Deere), em pouco tempo as vendas chegaram a por ano 2. Início do uso de tratores no começo do séc. XX, por volta de 1918 havia tratores no EUA

15 Dust Bowl, Pradarias dos EUA e Canadá

16 Dallas, South Dakota 1936 Dust Bowl

17 Exemplos: Canadá e Inglaterra

18 Cultura de verão no Canadá

19 Solo descongelando no Canadá

20 Agricultura moderna em área de castelo medieval

21 A EROSÃO É UM FENÔMENO GLOBAL A EROSÃO CONTINUA A ESCULPIR O PLANETA TERRA... Ravina em área agrícola Norte da Inglaterra

22 Sistema agrícola: Etiópia

23 Rift Vale (úmido) Estrada Vila Agricultura de terraço

24 Aração e cultivo da terra em fundo de vale úmido (Etiópia)

25 Arado com ponta de ferro

26 Experimento manejo de solo e água em ambiente semi-árido Controle Trincheira Cordão de pedra

27 Sistema agrícolas no Estado do Paraná

28

29

30

31 Sistemas geomorfopedológicos Vale ou borda de escarpa (dissecado) Formação do Solo Topo (menos dissecado)

32 Sistema agrícola em área de topo Depressão úmida (vertente côncava)

33 Plantio direto sem revolvimento do solo Área de topo Remobilização de solo

34 Paisagem em área de topo Conectores Conectividade

35 τ < R τ = R d τ > R τ = γd sen θ Força de cisalhamento

36 Erosão em agricultura familiar

37 Mapa da Bacia do Rio Guamirim de Cima com a localização do amostradores de nível ascendente ANA e os pluviógrafos.

38 Soil erosion and sediment redistribution on tobacco plantation Estrada interna Sistema convencional Ravina Plantio direto

39 Cabeceiras com uso diversificado Sistemas agrícolas e contribuição relativa de sedimento Dissertações de Mestrado em Geografia (em andamento). Fátima F. Brandalize e João Anésio Bednardz

40 Influence of fire on hydrological and geomorphological processes in subtropical soil 550 oc

41 Traditional Agriculture (Bean and corn production) Shifting cultivation Slash-and-burn Measurement plot: Runoff, Soil erosion

42 Terras declivosas e solos rasos IAPAR (1994)

43 Sistemas agrícolas e rede de estradas

44 Hydraulic of overland flow and sediment transport unpaved rural road Leito compactado Material disponível Leito cascalhado Fluxo concentrado

45 Sediment production and transfer on unpaved rural road (Sediment source on rural headwater) A (Calha Parshall) B (Régua e régua de máxima vazão) C (Amostrador de sedimento de nível ascendente) C A B

46 Influência das Estradas na CSS

47 Considerações Finais A EROSÃO É UM FENÔMENO GLOBAL A EROSÃO CONTINUA A ESCULPIR O PLANETA TERRA...

48 Laboratório de Erosão do Solo (Simulador de chuva) 6 m Chuva ( mm/h) Sala de simulação de chuva

49 45 cm 30 cm Parcela para determinação de erodibilidade do solo e fluxo difuso

50 Obrigado!!!! Solo arado com cordão divisório Laboratório de Erosão do Solo Departamento de Geografia - UNICENTRO Programa de Pós-Graduação em Geografia

1,7 milhões de estabelecimentos 50 Mha

1,7 milhões de estabelecimentos 50 Mha Ignacio H. Salcedo 1,7 milhões de estabelecimentos 50 Mha 200 ha 2,3% dos estabelec. 46% da área IBGE, 2006 1,0 milhão de

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

A AGRONOMIA, OS PROFISSIONAIS E A AGENDA AMBIENTAL

A AGRONOMIA, OS PROFISSIONAIS E A AGENDA AMBIENTAL A AGRONOMIA, OS PROFISSIONAIS E A AGENDA AMBIENTAL Kleber Santos Engenheiro Agrônomo M.Sc. Goiânia, 6 de maio de 2011 Política Ambiental Brasileira Início das discussão de políticas públicas ambientais,

Leia mais

Pesquisa Agropecuária Tropical ISSN: 1517-6398 pat@agro.ufg.br. Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos. Brasil

Pesquisa Agropecuária Tropical ISSN: 1517-6398 pat@agro.ufg.br. Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos. Brasil Pesquisa Agropecuária Tropical ISSN: 1517-6398 pat@agro.ufg.br Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos Brasil de Oliveira Rabelo, Max Well; Griebeler, Nori Paulo DETERMINAÇÃO DE INCREMENTO DE ALTURA

Leia mais

Agricultura de Precisão em Máquinas Agrícolas

Agricultura de Precisão em Máquinas Agrícolas Agricultura de Precisão em Máquinas Agrícolas Eduardo R. Martini -Setembro 2011 Tendências Globais Crescimento Populacional População (bilhões) Crescimento da Renda Calorias de proteína animal (kcal) Crescimento

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil

PROGRAMA DE AÇÃO A DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil PROGRAMA DE AÇÃO A NACIONAL DE COMBATE À DESERTIFICAÇÃO E MITIGAÇÃO DOS EFEITOS DA SECA- PAN-Brasil Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável Coordenação de Combate à Desertificação

Leia mais

Com base em observações empíricas, foi considerado que Sistema Plantio Direto não necessita de técnicas para manejo de enxurrada.

Com base em observações empíricas, foi considerado que Sistema Plantio Direto não necessita de técnicas para manejo de enxurrada. Enxurrada e erosão em SPD MANEJO DE ENXURRADA EM SISTEMA PLANTIO DIRETO José Eloir Denardin 2007 QUESTÃO Há necessidade de PRÁTICAS CONSERVACIONISTAS COMPLEMENTARES À COBERTURA DE SOLO para controle de

Leia mais

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y

https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y https://www.youtube.com/watch?v=ejyyhuxkn8y Definição é a camada superficial da crosta terrestre formada por quatro elementos principais: a, o, a e os. Possui importância fundamental para variadas atividades

Leia mais

15 de abril Dia da Conservação do Solo

15 de abril Dia da Conservação do Solo 15 de abril Dia da Conservação do Solo Em 15 de abril de 1881 nascia, em Wadesboro, Anson County, Carolina do Norte, Estados Unidos, aquele que dedicaria toda sua vida à pesquisa, ensino e extensão em

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI Grizio-orita, E.V. 1 ; Souza Filho, E.E. 2 ; 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Email:edineia_grizio@hotmail.com; 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

Leia mais

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ JONAS GALDINO 1, WILIAN DA S. RICCE 2, DANILO A. B. SILVA 1, PAULO H. CARAMORI 3, ROGÉRIO T. DE FARIA 4 1 Analista de Sistemas,

Leia mais

Curso de Manejo de águas pluviais Capitulo 56- Faixa de filtro gramada Engenheiro civil Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 21/09/10.

Curso de Manejo de águas pluviais Capitulo 56- Faixa de filtro gramada Engenheiro civil Plinio Tomaz pliniotomaz@uol.com.br 21/09/10. Capítulo 56 Faixa de filtro gramada (filter strip) A água por capilaridade sobe até uns 2m em determinados solos. 56-1 Sumário Ordem Assunto Capítulo 56 - Faixa de filtro gramada (BMP) 56.1 Introdução

Leia mais

ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM SISTEMA PLANTIO DIRETO NO SUL DO BRASIL

ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM SISTEMA PLANTIO DIRETO NO SUL DO BRASIL ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM SISTEMA PLANTIO DIRETO NO SUL DO BRASIL Afranio Almir RIGHES Engº Agrônomo, UFSM, Campus Universitário, Camobi, 97105-900 Santa Maria RS Brasil, righes@ccr.ufsm.br Sandra Maria

Leia mais

As grandes paisagens naturais

As grandes paisagens naturais As grandes paisagens naturais Prof. Jutorides Regiões Polares Dividem-se em Ártica e Antártica; Ártica: Norte da Europa, Rússia, Canadá e Groenlândia; Clima: mínima -35oC e máxima 10oC; Vegetação: Tundra

Leia mais

FAUEPG - FUNDAÇÃO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA EDITAL Nº 05 /2014

FAUEPG - FUNDAÇÃO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA EDITAL Nº 05 /2014 FAUEPG - FUNDAÇÃO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA EDITAL Nº 05 /2014 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA LAMA - LABORATÓRIO

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

Cooperação técnica Brasil-Haiti: programa para o aperfeiçoamento dos sistemas de produção de milho haitianos 1

Cooperação técnica Brasil-Haiti: programa para o aperfeiçoamento dos sistemas de produção de milho haitianos 1 Cooperação técnica Brasil-Haiti: programa para o aperfeiçoamento dos sistemas de produção de milho haitianos 1 Manoel R. de Albuquerque Filho 2, Henoque R. da Silva 3, José C. Cruz 2, Israel A. Pereira

Leia mais

Conceitos e Histórico da Conservação de Solos e da Água

Conceitos e Histórico da Conservação de Solos e da Água Conceitos e Histórico da Conservação de Solos e da Água contato com a apresentação: gerd@usp.br total de 39 slides 1 Conceitos e Histórico da Conservação de Solos e da Água...quais Conceitos o Histórico

Leia mais

CADERNOS PARA DEBATE. Clara I. NICholls MIguel a. altieri. MarCos a. lana

CADERNOS PARA DEBATE. Clara I. NICholls MIguel a. altieri. MarCos a. lana CADERNOS PARA DEBATE Clara I. NICholls MIguel a. altieri MarCos a. lana EXPERIÊNCIAS EM AGROECOLOGIA ISSN: 1807-491X Revista Agriculturas: experiências em agroecologia Cadernos para Debate N.2 Revista

Leia mais

Agrícola ISO 9001 OHSAS 18001 ISO 22000 ISO 14001

Agrícola ISO 9001 OHSAS 18001 ISO 22000 ISO 14001 Agrícola ISO 9001 OHSAS 18001 ISO 22000 ISO 14001 1 Tema: PREPARO REDUZIDO E PLANTIO DIRETO Local: Ribeirão Preto - SP Palestrante: Hilário 2 LOCALIZAÇÃO Latitude: 20º28 41 S UAM Longitude: 47º52 21 W

Leia mais

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna

DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS. Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS Elaborado por: Aziz Ab Saber Contém as seguintes características: clima relevo Vegetação hidrografia solo fauna Domínio Amazônico Clima equatorial Solos relativamente pobres Relevo

Leia mais

ESTUDO DA DINÂMICA EROSIVA DO RIO ACRE NA ÁREA URBANA DE BRASILÉIA-ACRE: RISCOS GEOMORFOLÓGICOS NA FRONTEIRA BRASIL- BOLÍVIA

ESTUDO DA DINÂMICA EROSIVA DO RIO ACRE NA ÁREA URBANA DE BRASILÉIA-ACRE: RISCOS GEOMORFOLÓGICOS NA FRONTEIRA BRASIL- BOLÍVIA ESTUDO DA DINÂMICA EROSIVA DO RIO ACRE NA ÁREA URBANA DE BRASILÉIA-ACRE: RISCOS GEOMORFOLÓGICOS NA FRONTEIRA BRASIL- Almeida, L. 1 ; Santos, W.L. 2 ; Arcos, F.O. 3 ; 1 UFAC Email:ane_almeidasantos@hotmail.com;

Leia mais

Mesa: A segurança alimentar num país de 200 milhões de habitantes Debatedor: Emerson Fernandes Daniel Júnior

Mesa: A segurança alimentar num país de 200 milhões de habitantes Debatedor: Emerson Fernandes Daniel Júnior Seminário Água e Produção Agrícola Mesa: A segurança alimentar num país de 200 milhões de habitantes Debatedor: Emerson Fernandes Daniel Júnior 1. O Brasil foi capaz de nos últimos 40 anos dobrar a área

Leia mais

O Impacto da seca na produção de alimentos em São Paulo

O Impacto da seca na produção de alimentos em São Paulo FEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL - SENAR AR/SP O Impacto da seca na produção de alimentos em São Paulo FÁBIO DE SALLES MEIRELLES PRESIDENTE

Leia mais

TRABALHO DE GEOGRAFIA ESTUDOS ORIENTADOS 1º ANO ENSINO MÉDIO NOTURNO

TRABALHO DE GEOGRAFIA ESTUDOS ORIENTADOS 1º ANO ENSINO MÉDIO NOTURNO TRABALHO DE GEOGRAFIA ESTUDOS ORIENTADOS 1º ANO ENSINO MÉDIO NOTURNO 1) O gráfico baixo indica uma forma de organização do espaço rural. Sobre esse gráfico é possível inferir: a) Trata-se da representação

Leia mais

Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações

Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL LABORATÓRIO DE HIDROLOGIA FLORESTAL Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações

Leia mais

RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO

RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO EXPERIÊNCIAS DA MONSANTO DO BRASIL MARCIO SCALÉA ABRIL 2007 Manejo Genética Alimentação Sanidade GENÉTICA M A N E J O ALIMENTAÇÃO S A N I D A D E FASE PRODUTIVA

Leia mais

O PROJETO SIMCAFE. Simulação dos Impactos das Mudanças Climáticas globais sobre os setores de Agropecuária, Floresta e Energia

O PROJETO SIMCAFE. Simulação dos Impactos das Mudanças Climáticas globais sobre os setores de Agropecuária, Floresta e Energia Simulação dos Impactos das Mudanças Climáticas globais sobre os setores de Agropecuária, Floresta e Energia O PROJETO SIMCAFE Projeto Financiado pela: Financiadora de Estudos e Projetos Instituição Proponente:

Leia mais

01. Frederico Ratzel enunciou o princípio, segundo o qual o geógrafo, ao estudar um dos fatores geográficos ou uma área, deveria, inicialmente, procurar localizá-la e estabelecer os seus limites, usando

Leia mais

Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE

Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE Diogo Francisco Borba Rodrigues¹; Abelardo Antônio de Assunção Montenegro²; Tatiana Patrícia Nascimento da Silva³ & Ana Paula

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO)

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO) MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO) Ingressantes a partir de 2015 1º SEMESTRE HORAS 2º SEMESTRE HORAS Introdução à Engenharia Agronômica 60 Metodologia Científica 60 Álgebra Linear 60 Desenho

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 3ª PROVA SUBSTITUTIVA DE GEOGRAFIA Aluno: Nº Série: 7º Turma: Data: Nota: Professor: Edvaldo Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Mata Ciliar-Importância, Conservação e Recuperação. Marcos Gamberini 20061

Mata Ciliar-Importância, Conservação e Recuperação. Marcos Gamberini 20061 Mata Ciliar-Importância, Conservação e Recuperação Marcos Gamberini 20061 O QUE É A MATA CILIAR? 2 As matas ciliares desempenham múltiplas funções no ecossistema Mata Ciliar tem relação direta com a QUALIDADE

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1

SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1 SUMARIO 1 INTRODUÇÃO, 1 Evolu ão modema dajécnica.de.. tratamento 'Aplicação das técnicas de tratamento, 1 Noções fundamentais sobre movimentos de fluidos, 4 Cisalhamento e gradientes de velocidade no

Leia mais

SOLUÇÕES DE SEQUESTRO DE CARBONO NA AGRICULTURA E FLORESTA COM MÚLTIPLOS BENEFÍCIOS AMBIENTAIS

SOLUÇÕES DE SEQUESTRO DE CARBONO NA AGRICULTURA E FLORESTA COM MÚLTIPLOS BENEFÍCIOS AMBIENTAIS Seminário Agricultura + Lisboa, 16.07.2013 SOLUÇÕES DE SEQUESTRO DE CARBONO NA AGRICULTURA E FLORESTA COM MÚLTIPLOS BENEFÍCIOS AMBIENTAIS Tiago Domingos, Helena Martins tiago.domingos@terraprima.pt Sessão

Leia mais

055-Produção biomassa de adubos verdes no assentamento Paiolzinho, Corumbá, MS

055-Produção biomassa de adubos verdes no assentamento Paiolzinho, Corumbá, MS 055-Produção biomassa de adubos verdes no assentamento Paiolzinho, Corumbá, MS Green manure biomass production in the Paiolzinho land reform settlement, Corumbá, MS, Brazil DURAN, Francielle da Silva.

Leia mais

EROSIVIDADE DA CHUVA NA ÁREA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO URUÇUÍ PRETO- PI, BRASIL VISANDO O DESENVOLVIMENTO DE MANEJOS DO SOLO

EROSIVIDADE DA CHUVA NA ÁREA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO URUÇUÍ PRETO- PI, BRASIL VISANDO O DESENVOLVIMENTO DE MANEJOS DO SOLO EROSIVIDADE DA CHUVA NA ÁREA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO URUÇUÍ PRETO- PI, BRASIL VISANDO O DESENVOLVIMENTO DE MANEJOS DO SOLO Raimundo Mainar de Medeiros 1, Paulo Roberto Megna Francisco 2, Roseane Cristina

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LAURI LUÍS HENRICH

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LAURI LUÍS HENRICH UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LAURI LUÍS HENRICH SISTEMA PLANTIO DIRETO: RELAÇÕES ENTRE OS CONHECIMENTOS NECESSÁRIOS A ESSA PRÁTICA E OS CONHECIMENTOS ESCOLARES DO ENSINO MÉDIO MATINHOS 2011 LAURI LUÍS

Leia mais

Mercados diferentes geram grandes oportunidades

Mercados diferentes geram grandes oportunidades Mercados diferentes geram grandes oportunidades TI para Agronegócio Aline Cardoso Barabinot Orbiz Desenvolvimento de Negócios e Projetos Internacionais 25 de novembro de 2014 EVOLUÇÃO DA AGRICULTURA NOS

Leia mais

De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia. Pesquisa e Extensão da Kansas

De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia. Pesquisa e Extensão da Kansas Manejo de solos tropicais no mundo De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia Pesquisa e Extensão da Kansas Clima Solos Manejo Luz solar CO 2 Rendimento Propriedades Químicas

Leia mais

Os 3 Paradoxos. Água! Abundante ou Escassa? Amenidade ou Indústria? Abundante ou escassa?! Amenidade ou indústria?! Page 1

Os 3 Paradoxos. Água! Abundante ou Escassa? Amenidade ou Indústria? Abundante ou escassa?! Amenidade ou indústria?! Page 1 Mestrado em Engenharia Civil Desafios Ambientais e de Sustentabilidade em Engenharia e Sustentabilidade Francisco Nunes Correia Instituto Superior Técnico Ano Lectivo 2010/2011 1º Semestre da Gestão dos

Leia mais

Produção de Meloeiro Cultivado em Cambissolo Háplico do Semi- Arído Norte-Rio-Grandense Usando Princípios da Agricultura Orgânica.

Produção de Meloeiro Cultivado em Cambissolo Háplico do Semi- Arído Norte-Rio-Grandense Usando Princípios da Agricultura Orgânica. Produção de Meloeiro Cultivado em Cambissolo Háplico do Semi- Arído Norte-Rio-Grandense Usando Princípios da Agricultura Orgânica. Letúzia M. de Oliveira 1, Paloma M. D. B. de Araújo 1, Maurício de Oliveira

Leia mais

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Autores: Milton Satoshi Matsushita 1 e Reinaldo Tadeu O. Rocha 2 1 Engenheiro

Leia mais

O SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SOJA NO MERCOSUL: PASSADO, PRESENTE E FUTURO

O SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SOJA NO MERCOSUL: PASSADO, PRESENTE E FUTURO O SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SOJA NO MERCOSUL: PASSADO, PRESENTE E FUTURO José Eloir Denardin Jorge Lemainski Embrapa Trigo A ABORDAGEM PROPOSTA Histórico da evolução das tecnologias de produção de soja. Consequências

Leia mais

RESUMO. Vinicius Carmello. Miriam Rodrigues Silvestre. João Lima Sant Anna Neto

RESUMO. Vinicius Carmello. Miriam Rodrigues Silvestre. João Lima Sant Anna Neto DESIGUALDADE no campo e o risco climático em áreas de produção da soja no sul do brasil Vinicius Carmello Grupo de Pesquisa GAIA; UNESP/FCT - Presidente Prudente, São Paulo, Brasil viniciuscarmello@gmail.com

Leia mais

UFSC. Resposta: 01 + 02 = 03. Comentário

UFSC. Resposta: 01 + 02 = 03. Comentário Resposta: 01 + 02 = 03 01. Correta. 04. Incorreta. O número de trabalhadores no setor primário, principalmente na agropecuária, continuou diminuindo devido à automação. O aumento ocorreu no setor de serviço.

Leia mais

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC)

Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia. Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Agricultura de Baixo Carbono e Bioenergia Heitor Cantarella FAPESP: Programa BIOEN & Instituto Agronômico de Campinas(IAC) Bioenergia: energia renovável recicla o CO 2 E + CO 2 + H 2 O CO 2 + H 2 O Fotossíntese

Leia mais

Panorama da produção de arroz no Rio Grande do Sul

Panorama da produção de arroz no Rio Grande do Sul Panorama da produção de arroz no Rio Grande do Sul Luís Davi Vicensi Siqueira PPG Economia do Desenvolvimento PUCRS luis.davi@ibest.com.br Carlos Eduardo Lobo e Silva PPG Economia do Desenvolvimento PUCRS

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

VULNERABILIDADE CLIMÁTICA DO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DE EVENTOS EXTREMOS NA ZONA SEMI-ÁRIDA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO

VULNERABILIDADE CLIMÁTICA DO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DE EVENTOS EXTREMOS NA ZONA SEMI-ÁRIDA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO VULNERABILIDADE CLIMÁTICA DO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DE EVENTOS EXTREMOS NA ZONA SEMI-ÁRIDA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO 1 Weber Andrade Gonçalves; Magaly de Fatima Correia 2 ; Lincoln

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE GERAÇÃO DE ESCOAMENTO EM MICROBACIA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO BRASIL

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE GERAÇÃO DE ESCOAMENTO EM MICROBACIA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO BRASIL XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE GERAÇÃO DE ESCOAMENTO EM MICROBACIA NO SEMIÁRIDO PARAIBANO BRASIL Júlio César Neves dos Santos 1 ; Hugo Morais de Alcântara 2 ; Alessandro Francisco dos Santos

Leia mais

As áreas verdes, a permeabilidade do solo e a recarga de aqüíferos

As áreas verdes, a permeabilidade do solo e a recarga de aqüíferos As áreas verdes, a permeabilidade do solo e a recarga de aqüíferos Gestão de Águas Pluviais na RMBH Workshop SME Nilo Nascimento Belo Horizonte, 6 de março de 2012 As áreas verdes, a permeabilidade dos

Leia mais

Assinale a alternativa que apresenta CORRETAMENTE a denominação do projeto descrito acima:

Assinale a alternativa que apresenta CORRETAMENTE a denominação do projeto descrito acima: 16 GABARITO 1 1 O DIA PROCESSO SELETIVO 2006-2 UNIFAL GEOGRAFIA QUESTÕES DE 41 A 50 41. Nos anos de 1980 o Governo Federal implantou no norte da região amazônica, nas fronteiras com Suriname, Guianas,

Leia mais

USO DE CISTERNAS COMO PREVENÇÃO ÀS SECAS NO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL. Mato Grosso (marciokoetz@yahoo.com.br) Mato Grosso.

USO DE CISTERNAS COMO PREVENÇÃO ÀS SECAS NO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL. Mato Grosso (marciokoetz@yahoo.com.br) Mato Grosso. USO DE CISTERNAS COMO PREVENÇÃO ÀS SECAS NO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL Marcio Koetz 1, Rodrigo Couto Santos 2, Normandes Matos da Silva 3, Christian Dias Cabacinha 4, Wendy Carniello Ferreira 5 1 Professor

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES E RESPOSTAS.

PERGUNTAS FREQUENTES E RESPOSTAS. PERGUNTAS FREQUENTES E RESPOSTAS. O QUE É IMPORTANTE VOCÊ SABER SOBRE AGROTÓXICOS, CIÊNCIA E TECNOLOGIA. O que são os AGROTÓXICOS? Agrotóxicos, pesticidas, produtos fitossanitários, defensivos agrícolas

Leia mais

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR

MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR MIGDOLUS EM CANA DE AÇÚCAR 1. INTRODUÇÃO O migdolus é um besouro da família Cerambycidae cuja fase larval causa danos ao sistema radicular da cana-de-açúcar, passando a exibir sintomas de seca em toda

Leia mais

Análise e Classificação Granulométrica de Sedimentos Quaternários em Perfil Estratigráfico de Margem Fluvial do Rio Itapocu - SC

Análise e Classificação Granulométrica de Sedimentos Quaternários em Perfil Estratigráfico de Margem Fluvial do Rio Itapocu - SC Análise e Classificação Granulométrica de Sedimentos Quaternários em Perfil Estratigráfico de Margem Fluvial do Rio Itapocu - SC Paulino, R.B. (UFPR) ; Goulart, A.A. (UFPR) ; Siefert, C.A.C. (UFPR) ; Lopes,

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TIPO DE PREPARO DE SOLO NO CRESCIMENTO DE PLANTAS DE Eucalyptus grandis HILL EX. MAIDEN

INFLUÊNCIA DO TIPO DE PREPARO DE SOLO NO CRESCIMENTO DE PLANTAS DE Eucalyptus grandis HILL EX. MAIDEN 1 INFLUÊNCIA DO TIPO DE PREPARO DE SOLO NO CRESCIMENTO DE PLANTAS DE Eucalyptus grandis HILL EX. MAIDEN Robson Schaff Corrêa UFSM - Acadêmico do Curso de Engenharia Florestal. (rsc@mail.ufsm.br) Bolsista

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E PROSPECÇÃO DE DEMANDAS EM PESQUISAS E SERVIÇOS AMBIENTAIS

IDENTIFICAÇÃO E PROSPECÇÃO DE DEMANDAS EM PESQUISAS E SERVIÇOS AMBIENTAIS IDENTIFICAÇÃO E PROSPECÇÃO DE DEMANDAS EM PESQUISAS E SERVIÇOS AMBIENTAIS Airton Spies, PhD Eng. Agrônomo e Administrador de Empresas SEMINÁRIO ESTADUAL EPAGRI/CIRAM Florianópolis, 26/10/2011 Estado de

Leia mais

Qualificação dos trabalhos da extensão rural no Paraná com uso de geotecnologias (gvsig)

Qualificação dos trabalhos da extensão rural no Paraná com uso de geotecnologias (gvsig) Qualificação dos trabalhos da extensão rural no Paraná com uso de geotecnologias (gvsig) Autores: Milton Satoshi Matsushita 1 e Reinaldo Tadeu O. Rocha 2 1 Engenheiro Agrônomo, Doutor em Economia e Política

Leia mais

Monitoramento de plantios de eucalipto utilizando técnicas de sensoriamento remoto aplicadas em imagens obtidas por VANT

Monitoramento de plantios de eucalipto utilizando técnicas de sensoriamento remoto aplicadas em imagens obtidas por VANT Monitoramento de plantios de eucalipto utilizando técnicas de sensoriamento remoto aplicadas em imagens obtidas por VANT Guilherme Rodrigues de Pontes 1 Thiago Ubiratan de Freitas 2 1 International Paper

Leia mais

RENDIMENTO DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DA REGIÃO DO MARAJÓ, PARÁ

RENDIMENTO DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DA REGIÃO DO MARAJÓ, PARÁ Área: Genética e Melhoramento RENDIMENTO DE CULTIVARES DE FEIJÃO-CAUPI NAS CONDIÇÕES EDAFOCLIMÁTICAS DA REGIÃO DO MARAJÓ, PARÁ Sonia Maria Botelho 1 ; João Elias Lopes Rodrigues 2 ; Raimundo Nonato Teixeira

Leia mais

CUSTOS AMBIENTAIS DA PRODUÇÃO DA SOJA EM ÁREAS DE EXPANSÃO RECENTE NOS CERRADOS BRASILEIROS O CASO DE PEDRO AFONSO - TO

CUSTOS AMBIENTAIS DA PRODUÇÃO DA SOJA EM ÁREAS DE EXPANSÃO RECENTE NOS CERRADOS BRASILEIROS O CASO DE PEDRO AFONSO - TO CUSTOS AMBIENTAIS DA PRODUÇÃO DA SOJA EM ÁREAS DE EXPANSÃO RECENTE NOS CERRADOS BRASILEIROS O CASO DE PEDRO AFONSO - TO WALDECY RODRIGUES; GISLANE FERREIRA BARBOSA; UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS PALMAS

Leia mais

1º Seminário sobre Cultivo Mínimo do Solo em Florestas

1º Seminário sobre Cultivo Mínimo do Solo em Florestas 1º Seminário sobre Cultivo Mínimo do Solo em Florestas CULTÍVO MÍNIMO E PROPRIEDADES FÍSICAS DO SOLO Orlando Melo de Castro * INTRODUÇÃO Nos últimos anos tem-se procurado desenvolver sistemas de manejo

Leia mais

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA

NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA NASCENTE MUNICIPAL MODELO DE SOROCABA Por meio do Projeto de Georreferenciamento e Diagnóstico das Nascentes de Sorocaba, a equipe da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SEMA) selecionou a Nascente

Leia mais

Estimativa do impacto ambiental gerado pelo cultivo da cenoura Brasília no Distrito Federal.

Estimativa do impacto ambiental gerado pelo cultivo da cenoura Brasília no Distrito Federal. Estimativa do impacto ambiental gerado pelo cultivo da cenoura Brasília no Distrito Federal. Adriana M. M. Pires 1 ; Jairo V. Vieira 1 ; Lúcia H. G. da Silva 1 1 Embrapa Hortaliças, Rodovia BR 060, km

Leia mais

ANA Agencia Nacional de Águas Brasília DF, 17 a 19/03/2015

ANA Agencia Nacional de Águas Brasília DF, 17 a 19/03/2015 PESQUISA, MONITORAMENTO E TECNOLOGIAS DE CONTROLE DA EROSÃO HÍDRICA E RECARGA DE ÁGUA NAS SUB-BACIAS DAS POSSES E SALTO, BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JAGUARI, EXTREMA, MG. Programa Conservador das Águas ANA

Leia mais

3 Simpósio Internacional de Agricultura de Precisão

3 Simpósio Internacional de Agricultura de Precisão MAS DE LUCRATIVIDADE DA SOJA EM SISTEMA DE CULTIVO AGRICULTURA DE PRECISÃO E CULTIVO CONVENCIONAL Juliano Brusco 1, Eduardo Godoy de Souza 2, Francelino Augusto Rodrigues Junior 3, Jerry Adriani Johann

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras. Prof. Claudimar Fontinele Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Bacias Hidrográficas Brasileiras Prof. Claudimar Fontinele BACIA HIDROGRÁFICA Bacia Hidrográfica é a área drenada por um rio principal

Leia mais

Manejo de solo em pomar

Manejo de solo em pomar Manejo de solo em pomar Dr Fernando Alves de Azevedo Centro de Citricultura Sylvio Moreira/IAC Conservação do solo: Conjunto de práticas aplicadas para promover o uso sustentável do solo para o plantio.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

COMUNICADO À IMPRENSA EMBARGADO ATÉ AS 17 HORAS DE 14 DE FEVEREIRO DE 2001

COMUNICADO À IMPRENSA EMBARGADO ATÉ AS 17 HORAS DE 14 DE FEVEREIRO DE 2001 Para obter mais informações, entre em contato com: COMUNICADO À IMPRENSA EMBARGADO ATÉ AS 17 HORAS DE 14 DE FEVEREIRO DE 2001 Michael Rubinstein (202) 862-5670 / m.rubinstein@cgiar.org Adlai J. Amor Mobile:

Leia mais

CAP. 23 REGIÃO SUDESTE. Prof. Clésio Farrapo

CAP. 23 REGIÃO SUDESTE. Prof. Clésio Farrapo CAP. 23 REGIÃO SUDESTE Prof. Clésio Farrapo 1. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DA REGIÃO SUDESTE A Regiāo Sudeste ocupa 924.573,82 km², equivalente a 10,86% do território nacional. Grande parte desse território

Leia mais

DADOS SOBRE ESTE RECURSO EM ZONA RURAL

DADOS SOBRE ESTE RECURSO EM ZONA RURAL 1 1 AS NASCENTES E OS NOSSOS RIOS: IMPORTÂNCIA DE LEVANTAR DADOS SOBRE ESTE RECURSO EM ZONA RURAL Neuma Rubia Figueiredo Santana Email: rubia.aguas@gmail.com Ana Karina Santana Martins Email: bionarika@yahoo.com.br

Leia mais

VARIABILIDADE ESPACIAL DE ATRIBUTOS FÍSICOS EM SOLOS SOB PLANTIO DIRETO. Bolsista PBIC/UEG, graduando do Curso de Engenharia Agrícola, UnU Cet - UEG.

VARIABILIDADE ESPACIAL DE ATRIBUTOS FÍSICOS EM SOLOS SOB PLANTIO DIRETO. Bolsista PBIC/UEG, graduando do Curso de Engenharia Agrícola, UnU Cet - UEG. VARIABILIDADE ESPACIAL DE ATRIBUTOS FÍSICOS EM SOLOS SOB PLANTIO DIRETO Ródney Ferreira Couto 1 ; Cássio Rodrigues Moreira 1 ; Elton Fialho dos Reis 2 1 Bolsista PBIC/UEG, graduando do Curso de Engenharia

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN Carlos Magno de Souza Barbosa 1, Arthur Mattos & Antônio Marozzi Righetto 3 RESUMO - O presente trabalho teve como objetivo a determinação

Leia mais

INTENSIDADE DAS CHUVAS NA BACIA DE CAÇU-GO

INTENSIDADE DAS CHUVAS NA BACIA DE CAÇU-GO INTENSIDADE DAS CHUVAS NA BACIA DE CAÇU-GO Andreia Medeiros de Lima Universidade Federal de Goiás - Câmpus Jataí medeiroslima.andreia@gmail.com José Ricardo Rodrigues Rocha Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Teoria da Deriva Continental - Alfred Wegener (1915)

Teoria da Deriva Continental - Alfred Wegener (1915) ESTRUTURA GEOLÓGICA Teoria da Deriva Continental - Alfred Wegener (1915) - Harry Hess (1960) Teoria da Tectônica de Placas Sismos A conseqüência do choque entre placas tectônicas são chamadas de abalos

Leia mais

FORD C-MAX + FORD GRAND C-MAX CMAX_Main_Cover_2014_V3.indd 1-3 23/08/2013 10:01:48

FORD C-MAX + FORD GRAND C-MAX CMAX_Main_Cover_2014_V3.indd 1-3 23/08/2013 10:01:48 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 12,999,976 km 9,136,765 km 1,276,765 km 499,892 km 245,066 km 112,907 km 36,765 km 24,159 km 7899 km 2408 km 76 km 12 14 16 9 10 1 8 12 7 3 1 6 2 5 4 3 11 18 20 21 22 23 24 26 28 30

Leia mais

Causas humanas Prejuízos ao ser humano Formas de evitar

Causas humanas Prejuízos ao ser humano Formas de evitar EROSÃO A erosão é um processo de deslocamento de terra ou de rochas de uma superfície. A erosão pode ocorrer por ação de fenômenos da natureza ou do ser humano. Causas naturais No que se refere às ações

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE EVENTO EXTREMO EM REGIÃO SEMIÁRIDA DO NORDESTE BRASILEIRO: RESPOSTA HIDROLÓGICA E SEDIMENTOLOGICA EM ESCALA DE PARCELA

CARACTERIZAÇÃO DE EVENTO EXTREMO EM REGIÃO SEMIÁRIDA DO NORDESTE BRASILEIRO: RESPOSTA HIDROLÓGICA E SEDIMENTOLOGICA EM ESCALA DE PARCELA CARACTERIZAÇÃO DE EVENTO EXTREMO EM REGIÃO SEMIÁRIDA DO NORDESTE BRASILEIRO: RESPOSTA HIDROLÓGICA E SEDIMENTOLOGICA EM ESCALA DE PARCELA José Roberto Lopes da Silva 1 *; Abelardo A. A. Montenegro 2 ;Edivaldo

Leia mais

63ª Reunião Anual da SBPC 14/7/2011-13:00h - Goiânia (GO)

63ª Reunião Anual da SBPC 14/7/2011-13:00h - Goiânia (GO) Código Florestal: O Projeto em Tramitação Consequências das Mudanças Propostas Dr. Sergius Gandolfi 63ª Reunião Anual da SBPC 14/7/2011-13:00h - Goiânia (GO) Biólogo, Laboratório de Ecologia e Restauração

Leia mais

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA

rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA rofa Lia Pimentel TOPOGRAFIA Diferença entre Cartografia e Topografia: A Topografia é muitas vezes confundida com a Cartografia ou Geodésia pois se utilizam dos mesmos equipamentos e praticamente dos mesmos

Leia mais

ALTERAÇÃO NOS TEORES E ESTOQUES DE CARBONO ORGÂNICO EM UM LATOSSOLO APÓS 23 ANOS SOB DIFERENTES PREPAROS DE SOLO E CULTURAS DE INVERNO 1

ALTERAÇÃO NOS TEORES E ESTOQUES DE CARBONO ORGÂNICO EM UM LATOSSOLO APÓS 23 ANOS SOB DIFERENTES PREPAROS DE SOLO E CULTURAS DE INVERNO 1 ALTERAÇÃO NOS TEORES E ESTOQUES DE CARBONO ORGÂNICO EM UM LATOSSOLO APÓS 23 ANOS SOB DIFERENTES PREPAROS DE SOLO E CULTURAS DE INVERNO 1 BELLINASO, Roque Junior Sartori 2 ; SANTOS, Danilo Rheinheimer dos

Leia mais

Professora Dra. da Universidade Estadual de Maringá (UEM), campus regional de Umuarama; e-mail: vanilde@yahoo.com

Professora Dra. da Universidade Estadual de Maringá (UEM), campus regional de Umuarama; e-mail: vanilde@yahoo.com ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 IMPORTÂNCIA DA CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS NO SISTEMA BRASILEIRO E QUANTO A CAPACIDADE DE USO

Leia mais

Plantio Direto na Palha A Evolução para Uma Estratégia Global

Plantio Direto na Palha A Evolução para Uma Estratégia Global 1 Plantio Direto na Palha A Evolução para Uma Estratégia Global A evolução da agricultura se confunde com a história da humanidade. Para poder crescer e se desenvolver estabelecendo suas comunidades o

Leia mais

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir.

RESPOSTA D LISTA DE EXERCÍCIOS. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. 1) Analise o diagrama e as afirmativas a seguir. LISTA DE EXERCÍCIOS I) A partir de critérios geomorfológicos, os planaltos corrrespondem às regiões do relevo onde predomina o processo erosivo; neste compartimento

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE DE INCÊNDIOS EM PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS NO BRASIL

CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE DE INCÊNDIOS EM PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS NO BRASIL NOVTEC 2010 Workshop Novas Tecnologias em Gestão Florestal Sustentável A gestão do risco de incêndio e a gestão da cadeia de valor 25-26 de Outubro, 2010 Lisboa, Portugal CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE

Leia mais

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO Henrique Pereira dos Santos 1, Renato Serena Fontaneli 1, Anderson Santi 1, Ana Maria Vargas 2 e Amauri Colet Verdi 2 1 Pesquisador,

Leia mais

RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, SALDO DE RADIAÇÃO E FLUXO DE CALOR NO SOLO EM CULTIVO CONSORCIADO CAFÉ/COQUEIRO-ANÃO VERDE 1

RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, SALDO DE RADIAÇÃO E FLUXO DE CALOR NO SOLO EM CULTIVO CONSORCIADO CAFÉ/COQUEIRO-ANÃO VERDE 1 RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, SALDO DE RADIAÇÃO E FLUXO DE CALOR NO SOLO EM CULTIVO CONSORCIADO CAFÉ/COQUEIRO-ANÃO VERDE 1 PEZZOPANE, J.R.M. 2 ; GALLO, P.B. 3 ; PEDRO JÚNIOR, M.J. 4 1 Trabalho parcialmente financiado

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA O MUNICÍPIO DE CAROLINA-MA

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA O MUNICÍPIO DE CAROLINA-MA ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA O MUNICÍPIO DE CAROLINA-MA Dagolberto Calazans Araujo Pereira Engenheiro Agrônomo UEMA dagolberto@altavista.net Ronaldo Haroldo N. de Menezes Professor CCA/UEMA/NEMRH.

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS MATERIAIS E MÉTODOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS MATERIAIS E MÉTODOS AVALIAÇÃO DE MÉTODOS PARA DETERMINAÇÃO DO PICO DE VAZÃO PELA FÓRMULA RACIONAL, MÉTODO DE COOK (USA) E MÉTODO DE COOK MODIFICADO EM UMA PEQUENA BACIA HIDROGRÁFICA Tarcisio Barcellos Bellinaso 1 RESUMO -

Leia mais

César Piccirelli Santos Plinio Barbosa de Camargo

César Piccirelli Santos Plinio Barbosa de Camargo UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Centro de Energia Nuclear na Agricultura Programa de Pós Graduação Interunidades em Ecologia César Piccirelli Santos Plinio Barbosa de Camargo Objetivos Avaliar a qualidade da

Leia mais

Mudanças do clima, mudanças no campo

Mudanças do clima, mudanças no campo Mudanças do clima, mudanças no campo Sumário executivo do relatório escrito por Jessica Bellarby, Bente Foereid, Astley Hastings e Pete Smith, da Escola de Ciências Biológicas da Universidade de Aberdeen

Leia mais

MANEJO DE ERVAS INVASORAS. Evitar o aumento da infestação de ervas invasoras

MANEJO DE ERVAS INVASORAS. Evitar o aumento da infestação de ervas invasoras MANEJO DE ERVAS INVASORAS Evitar o aumento da infestação de ervas invasoras O manejo do solo é o melhor procedimento para reduzir as ervas invasoras. O objetivo do manejo integrado de plantas invasoras

Leia mais

ANÁLISE DAS PERDAS DE ÁGUA E SOLO NO SEMIÁRIDO PARAIBANO UTILIZANDO SIMULADOR DE CHUVA

ANÁLISE DAS PERDAS DE ÁGUA E SOLO NO SEMIÁRIDO PARAIBANO UTILIZANDO SIMULADOR DE CHUVA ANÁLISE DAS PERDAS DE ÁGUA E SOLO NO SEMIÁRIDO PARAIBANO UTILIZANDO SIMULADOR DE CHUVA José Yure Gomes dos Santos 1 ; Celso Augusto Guimarães Santos 2 ; Richarde Marques da Silva 3 ; Valeriano Carneiro

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA BACIA DO RIO TAQUARI

PROGRAMA DE AÇÕES PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA BACIA DO RIO TAQUARI Organização e Desenvolvimento Tecnólogico e Institucional Sub-componente: Capacitação Treinamento de técnicos da assistência técnica e extensão rural, beneficiários do programa e outros atores nos estados

Leia mais

Eng. Civil Nadia Bernardi Bonumá. Pelotas - RS Novembro de 2010

Eng. Civil Nadia Bernardi Bonumá. Pelotas - RS Novembro de 2010 Seminário Nacional de Gestão e Uso da Água IV Reunião de Estudos Ambientais II Encontro Nacional de Engenharia Hídrica MINICURSO MONITORAMENTO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS ICAS: 1 - Introdução e conceitos básicos

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais