Inter-relação entre as propriedades e a microestrutura das madeiras

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inter-relação entre as propriedades e a microestrutura das madeiras"

Transcrição

1 PCC5726 Princípios da Ciência dos Materiais Aplicados aos Materiais de Construção Civil - 1 Departamento de Engenharia de Construção Civil Escola Politécnica da Universidade de São Paulo PCC 5726 Princípios da Ciência dos Materiais Aplicados aos Materiais de Construção Civil Prof. Dr. Antônio Domingues de Figueiredo Inter-relação entre as propriedades e a microestrutura das madeiras Carlos Amado Britez Valdenei Nogueira São Paulo

2 PCC5726 Princípios da Ciência dos Materiais Aplicados aos Materiais de Construção Civil - 2 Sumário 1 RESUMO 03 2 INTRODUÇÃO Objetivo Justificativa 03 3 MICROESTRUTURA DA MADEIRA Classificação das madeiras Composição química Características da microestrutura 07 4 PROPRIEDADES DA MADEIRA Propriedades físicas Anisotropia Umidade Retração Propriedades mecânicas Compressão paralela e normal às fibras Tração paralela às fibras Cisalhamento paralelo às fibras Variação das propriedades Influência dos defeitos Influência da umidade Influência do tempo de duração de carga Fluência da madeira Fadiga da madeira (ação de cargas cíclicas) Efeitos de curta duração (impacto) 17 5 PRINCIPAIS PRODUTOS 17 6 SISTEMAS ESTRUTURAIS Cimbramentos Montanha russa do parque temático Hopi Hari em Vinhedo - SP Vigamentos 21 7 IMPACTO AMBIENTAL 22 8 CONSIDERAÇÕES FINAIS 24 9 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 24

3 PCC5726 Princípios da Ciência dos Materiais Aplicados aos Materiais de Construção Civil RESUMO A madeira possui uma microestrutura bastante complexa, em face de sua constituição orgânica, procedência natural e composição química, a qual pode ser variável de acordo com a localização geográfica, clima, tipo de solo e espécie. A madeira é um material poroso, constituído por diferentes estruturas cujo elemento básico é a célula. Existem vários tipos de células, as quais têm funções diversas no vegetal, tais como, condução da seiva, suporte, armazenamento de substâncias nutritivas, etc. Cada uma dessas funções confere uma forma diferente ás células. Algumas são mais alongadas, outras em forma de cubo. Umas possuem paredes mais espessas, outras paredes mais finas. Devido a isso, algumas madeiras apresentam características diferentes como permeabilidade, textura, propriedades físicas e mecânicas. Conhecendo-se microestrutura do material é possível o uso de diferentes espécies para as mais diversas aplicações no campo da construção civil em geral. 2. INTRODUÇÃO 2.1 Objetivo O objetivo deste trabalho é analisar as principais características da estrutura anatômica da madeira e suas relações com as propriedades físicas e mecânicas do material. 2.2 Justificativa A madeira é um dos materiais mais antigos da civilização, dada sua disponibilidade na natureza e sua relativa facilidade de manuseio. Além disso, ZENID (2005) observa que a madeira possui diversas propriedades que a torna muito atraente frente a outros materiais. Dentre essas, são comumente citados, o baixo consumo de energia para seu processamento, a alta resistência mecânica específica, as boas características de isolamento térmico e elétrico, além de ser um material fácil de ser trabalhado manualmente ou pro máquinas. PFEIL (2003), destaca que comparada a outros materiais de construção convencionais utilizados atualmente, a madeira apresenta uma excelente relação resistência/peso, conforme mostrado na Tabela 1.

4 PCC5726 Princípios da Ciência dos Materiais Aplicados aos Materiais de Construção Civil - 4 Tabela 1: Propriedades de alguns materiais de construção (adaptado de PFEIL, 2003). Material r(t/m³) f(mpa) f/r Madeira a tração 0,5-1, Madeira a compressão 0,5-1, Aço a tração 7, Concreto a compressão 2, Sendo r = massa específica; f = resistência característica ZENID (2005), ainda comenta que pelo fato da madeira ser resultado do crescimento de um ser vivo, implica em variações das suas características em função do meio ambiente em que a árvore se desenvolve. A esta variabilidade acrescenta-se que a madeira é produzida por diferentes espécies de árvores, cada qual com características anatômicas, físicas e químicas próprias. À medida que os avanços tecnológicos ocorrem, mais diversos e sofisticados são os usos encontrados para a madeira. Mesmo com a atual disponibilidade de numerosos materiais sintéticos, tem sido difícil manter um alto padrão de conforto sem a presença da madeira. Outros tipos de materiais, tais como metais, plásticos, cimento, etc., apresentam problemas da disponibilidade de matéria prima, alta necessidade de insumos energéticos para sua obtenção, além de problemas de contaminação ambiental criados no processo produtivo. Por outro lado, a madeira está sujeita à degradação biológica por ataques de fungos, brocas etc. e também a ação do fogo. Além disso, por ser um material natural apresenta inúmeros defeitos, como nós e fendas que interferem em suas propriedades mecânicas (PFEIL, 2003). Conforme também observado por ZENID (2005), todas as vantagens mencionadas podem ser perdidas, se a madeira for aplicadas em levar em conta o conhecimento de suas diversas propriedades e adequação das mesmas ao uso final desejado. Finalmente, nunca deve ser esquecido que a madeira é a única matéria prima renovável, que pode servir a várias finalidades industriais, e é inconcebível que tal material seja cultivado ou utilizado sem a devida consideração aos conhecimentos científicos relativos à sua natureza. Portanto torna-se importante esta abordagem sobre o conhecimento da microestrutura da madeira, uma vez que esse material possui vantagens tanto em suas propriedades, se aplicado corretamente, quanto no conceito de sustentabilidade, se utilizado conscientemente pelo ser humano. Além disso, o material torna-se atrativo por consumir menos energia para sua obtenção e processamento, conseqüentemente, degradando menos o meio ambiente.

5 PCC5726 Princípios da Ciência dos Materiais Aplicados aos Materiais de Construção Civil MICROESTRUTURA DA MADEIRA 3.1 Classificação das madeiras As madeiras utilizadas em construção civil são obtidas de troncos de árvores. Segundo PFEIL (2003), distinguem-se duas categorias principais de madeiras: Madeiras duras provenientes de árvores frondosas (dicotiledôneas, da classe Angiosperma, com folhas achatadas e largas), de crescimento lento, como peroba, ipê, aroeira, carvalho etc; Madeiras macias provenientes em geral das árvores coníferas (da classe Gimnosperma, com folhas em forma de agulhas ou escamas, e sementes agrupadas em forma de cones), de crescimento rápido, como pinheiro-do-paraná e pinheirobravo, ou pinheirinho, pinheiros europeus, norte-americanos etc. 3.2 Composição química A composição química da madeira não pode ser precisamente definida para uma espécie de madeira ou mesmo para uma madeira em particular. Ela varia de acordo com uma série de fatores, podendo muitas vezes de pender da procedência (localização geográfica), clima, tipo de solo, etc. De qualquer forma, pode-se afirmar que existem três componentes principais na madeira: Lignina (18% a 35%), Hemicelulose e Celulose (65% a 75%). Esses materiais são considerados poliméricos complexos. Como um todo, os elementos (estrutura molecular) que compõem a madeira são aproximadamente distribuídos da seguinte forma: 50% carbono 44% oxigênio 6,0% hidrogênio traços de muitos íons metálicos

6 PCC5726 Princípios da Ciência dos Materiais Aplicados aos Materiais de Construção Civil - 6 A seguir explicam-se, segundo MONTANA QUÍMICA S.A., (1991), as características químicas dos três componentes principais da madeira (celulose, hemicelulose e lignina): A celulose é um polímero constituído por cadeias de unidades monoméricas glicosídicas, encontrado na natureza em diversos materiais como algodão, bambu, madeira, etc. De alta resistência à tração, a celulose fornece uma estrutura à madeira. Tem alto grau de polimerização, forma fibras e possui regiões cristalinas e amorfas. É o componente de maior importância nas paredes das células da madeira, tanto em termos de volume como seu efeito nas características da madeira, respondendo por cerca de 40% a 50% em relação ao peso de madeira seca. É possível estimar que a celulose constitui 1/3 do material total produzido por todas as plantas coletivamente, o que torna a mais importante matéria prima de origem vegetal disponível ao homem; As hemiceluloses são polissacarídeos associados com a celulose e a lignina em tecidos vegetais. Enquanto a celulose é formada pela repetição da mesma unidade monomérica, nas hemicelulose aparecem condensadas diversas dessas unidades. Apresentam baixo grau de polimerização, não formam fibras e só possuem regiões amorfas. O conteúdo de hemicelulose num vegetal arbóreo corresponde a cerca de 25% a 35%, considerando o peso de madeira seca; A lignina é um composto aromático de alto peso molecular. É um polímero tridimensional que apresenta composições diferentes para coníferas e frondosas sendo encontrada em maior quantidade em coníferas do que em frondosas. A lignina incrusta o espaço intercelular e toda e qualquer abertura e cavidade das paredes das células, após a deposição da celulose e das hemiceluloses. Atua como material cimentante que liga os elementos estruturais das madeiras (fibras, traqueídeos, vasos, etc.) e auxilia na redução de mudanças dimensionais quando as paredes das células absorvem água. A lignina é bastante insolúvel, apresentando menor higroscopidade (habilidade em absorver água) que a celulose. A mais importante propriedade física deste material é a rigidez e dureza que confere às paredes celulares onde está localizada, ou seja, é a lignina que dá rigidez e dureza ao conjunto de cadeia de celulose, conferindo coesão à madeira. Muitas propriedades físicas e mecânicas da madeira dependem da presença da lignina.

7 PCC5726 Princípios da Ciência dos Materiais Aplicados aos Materiais de Construção Civil - 7 Portanto, a madeira é uma rede cristalina formada de camadas de fibrilas e microfibrilas de celulose entremeadas por uma matriz amorfa, a lignina, tendo como ponte entre essas duas a hemicelulose. As paredes das células longitudinais da madeira (fibras) podem ser descritas, ainda, como um material compósito: os filamentos compostos de celulose constituem o reforço das fibras, e a matriz de polímeros (hemiceluloses e lignina) tem a função de manter unidos os filamentos e prover rigidez à compressão das fibras. 3.3 Características da microestrutura As células da madeira, denominadas fibras, são como tubos de paredes finas, alinhados na direção axial do tronco e colados entre si. As fibras longitudinais possuem diâmetro variando entre 10 e 80 micra e comprimento de 1 a 8 mm. A espessura das paredes da célula varia de 2 a 7 micra. Nas madeiras macias (coníferas) cerca de 90% do volume é composto de fibras longitudinais, que são o elemento portante da árvore. Além disso, elas têm a função de conduzir a seiva por tensão superficial e capilaridade através dos canais formados pelas cadeias de células. As fibras das árvores coníferas têm extremidades permeáveis e perfurações laterais que permitem a passagem de líquidos. Algumas coníferas apresentam ainda canais longitudinais, ovalizados, onde são armazenadas resinas. Nas árvores frondosas, as células longitudinais são fechadas nas extremidades; a seiva, então, circula em outras células de grande diâmetro, com extremidades abertas, justapostas, denominadas vasos ou canais. As fibras têm apenas função de elemento portante. Na Figura 1, observam-se, como exemplo, a diferença das seções transversais de madeira conífera e de madeira frondosa. Figura 1: Seções transversais ampliadas típicas de madeira (a) de conífera; (b) de árvore frondosa (PFEIL, 2003).

8 PCC5726 Princípios da Ciência dos Materiais Aplicados aos Materiais de Construção Civil - 8 As fibras longitudinais distribuem-se em anéis, correspondentes aos ciclos anuais de crescimento. Além das fibras longitudinais, as árvores têm em sua composição o parênquima, tecido pouco resistente, formado por grupos de células espalhadas na massa lenhosa e cuja função consiste em armazenar e distribuir matérias alimentícias. Nas árvores coníferas as células do parênquima são orientadas transversalmente do centro do tronco (medula) para a periferia formando as fibras radiais, denominadas raios medulares. Nas árvores frondosas o parênquima se distribui transversal e longitudinalmente. A estrutura celular da madeira constitui a base da identificação micrográfica das espécies. Preparam-se lâminas com espessuras da ordem de 30 micra, contendo seções transversal, longitudinal tangencial e longitudinal radial. A distribuição celular nessas lâminas, observada com auxílio de microscópio, permite uma perfeita identificação da espécie vegetal. Muito útil na identificação é a distribuição do parênquima, que constitui uma verdadeira impressão digital da madeira. Na Figura 2 é possível observar o diagrama de uma Angiosperma (árvores frondosas) nos três planos, onde a parênquima aparece em duas direções distintas. Figura 2: Diagrama de uma Angiosperma nos três planos de observação (CHIMELO, 2005). 4. PROPRIEDADES DA MADEIRA As propriedades das madeiras podem ser divididas em dois grandes grupos: as propriedades físicas e as propriedades mecânicas, sendo que ambos estão ligados à estrutura e crescimento das árvores.

9 PCC5726 Princípios da Ciência dos Materiais Aplicados aos Materiais de Construção Civil Propriedades físicas As árvores produtoras de madeira são do tipo exogênico, que crescem pela adição de camadas externas, sob a casca (PFEIL, 2003). A seção transversal de um tronco de árvore revela camadas, de fora para dentro, conforme demonstrado na Figura 3. Figura 3: Seção transversal de um tronco (PFEIL, 2003). Além disso MONTANA QUÍMICA S.A., (1991), destaca que um vegetal que produz lenho secundário, isto é tecido de sustentação e condução de seiva do tronco e raízes, pode ser considerado uma planta lenhosa quando atinge pelo menos uma altura de 6,0 metros e tenha geralmente um único caule ou um tronco. Na Figura 4 é observada a seção transversal em uma visão isométrica para melhor compreensão das camadas que compõem um caule. Figura 4: Esquema de um caule em seção transversal (isométrico) (CHIMELO, 2005).

10 PCC5726 Princípios da Ciência dos Materiais Aplicados aos Materiais de Construção Civil - 10 A seção transversal de um tronco possui as seguintes camadas: A casca é a proteção externa da árvore, formada por uma camada externa morta, de espessura variável com a idade e as espécies, e uma fina camada interna, de tecido vivo e macio, que conduz o alimento preparado nas folhas para as partes em crescimento. O alburno ou branco é a camada formada por células vivas que conduzem a seiva das raízes para as folhas; tem espessura variável conforme a espécie, geralmente de 3 a 5 cm. Com o crescimento, as células vivas do alburno tornam-se inativas e constituem o cerne ou durâmen, de coloração mais escura, passando a ter apenas função de sustentar o tronco. A medula é um tecido macio, em torno do qual se verifica o primeiro crescimento da madeira, nos ramos novos. Na Figura 5 é possível observar a distinção dessas camadas principais, através da coloração. Figura 5: Corte de um tronco, mostrando o cerne (no centro), alburno (parte mais clara) e a medula (ponto escuro no centro) (WIKIPÉDIA FOUNDATION, 2006).

11 PCC5726 Princípios da Ciência dos Materiais Aplicados aos Materiais de Construção Civil - 11 As madeiras de construção devem ser tiradas de preferência do cerne, parte mais durável. A madeira do alburno é mais higroscópica que a do cerne, sendo mais sensível do que esta última à decomposição por fungos. Por outro lado, a madeira do alburno aceita melhor a penetração de agentes protetores, como alcatrão e certos sais minerais. Os troncos das árvores crescem pela adição de anéis em volta da medula; os anéis são gerados por divisão de células em uma camada microscópica situada sob a casca, denominada câmbio, ou líber, que também produz células da casca. De acordo com a disposição e o arranjo dessas camadas de crescimento do tronco/caule, as propriedades físicas principais da madeira, que é o material oriundo desse sistema orgânico, são a: anisotropia, umidade, retração e dilatação linear Anisotropia Devido à orientação das células/fibras, a madeira é um material anisotrópico, ou seja, não possui as mesmas características nas três direções principais de aplicação do esforço. Podem-se definir três direções principais: longitudinal, tangencial e radial, conforme observado na Figura 6. Figura 6: Anisotropia da madeira. São indicadas as direções: longitudinal (L), radial (R) e tangencial (T) (PFEIL, 2003). A anisotropia relativa às propriedades mecânicas está relacionada ao ângulo de aplicação do esforço e a orientação das fibras.

12 PCC5726 Princípios da Ciência dos Materiais Aplicados aos Materiais de Construção Civil Umidade A umidade da madeira tem grande importância sobre as suas propriedade. O grau de umidade é o peso de água contido na madeira expresso como uma porcentagem do peso da madeira seca em estufa. A quantidade de água das madeiras verdes ou recém cortadas varia muito com as espécies e com a estação do ano. A faixa de variação da umidade das madeiras verdes tem como limites aproximados 30% para as madeiras mais resistentes e 130% para as madeiras mais macias. A umidade está presente na madeira de duas formas: Água no interior da cavidade das células ocas (fibras) e Água absorvida nas paredes das fibras Em face do efeito da umidade nas outras propriedades da madeira, é comum referirem-se estas propriedades a um grau de umidade-padrão. No Brasil e nos Estados Unidos, adotam-se 12% como umidade-padrão de referência Retração As madeiras sofrem retração ou inchamento com a variação da umidade entre 0% e o ponto de saturação das fibras (30%), sendo a variação dimensional aproximadamente linear. O fenômeno, conforme Figura 7, é mais importante na direção tangencial; para redução da umidade de 30% até 0%, a retração tangencial varia de 5% a 10% da dimensão verde, conforme espécies. A retração na direção radial é cerca da metade da direção tangencial. Na direção longitudinal, a retração é menos pronunciada, valendo apenas 0,1% a 0,3% da dimensão verde, para secagem de 30% a 0%. Figura 7: Vista isométrica da madeira, mostrando a retração ou inchamento nas três direções principais (PFEIL, 2003).

13 PCC5726 Princípios da Ciência dos Materiais Aplicados aos Materiais de Construção Civil Propriedades mecânicas Existem diversas propriedades mecânicas que podem ser analisadas nas madeiras, de acordo com sua eventual aplicação em um sistema estrutural. Neste texto citar-se-ão quatro casos, os quais são os ensaios mais comuns realizados neste tipo de material: compressão paralela às fibras, compressão normal às fibras, tração paralela às fibras e cisalhamento paralelo às fibras. O módulo de elasticidade será comentado dentro desses quatro grupos e mais adiante no item da análise de fluência do material Compressão paralela e normal às fibras Observa-se a existência de um trecho linear, no qual o comportamento do material é elástico, até a tensão limite de proporcionalidade. A partir daí verifica-se um comportamento não-linear, o qual está associado à flambagem das fibras da madeira. Sob compressão axial as células que compõem as fibras atuam como tubos de paredes finas, paralelos e colados entre si, conforme representado na Figura 8 (b); o colapso envolve a fratura do material ligante e flambagem das células. O módulo de elasticidade é dado pela inclinação da curva no trecho linear é calculado com os valores de tensão e deformação correspondentes a 10% e 50% da carga de ruptura estimada para o ensaio. Figura 8: Ensaio de compressão paralela às fibras: (a) esquema do ensaio; (b) diagrama tensão x deformação; (c) mecanismo de ruptura associado à flambagem das fibras (PFEIL, 2003).

14 PCC5726 Princípios da Ciência dos Materiais Aplicados aos Materiais de Construção Civil - 14 Na compressão normal, as fibras, que são constituídas por células ocas, quando comprimidas transversalmente são achatadas precocemente, apresentando grandes deformações. Este comportamento está representado no diagrama tensão x deformação pelo patamar quase horizontal. O módulo de elasticidade em compressão normal às fibras é determinado com procedimento semelhante ao do ensaio de compressão paralela às fibras Tração paralela às fibras O comportamento à tração paralela às fibras é caracterizado pelo regime linear até tensões bem próximas à de ruptura e por pequenas deformações. Na Figura 9 está ilustrado, em linha cheia, o diagrama tensão x deformação para tração e, em linha tracejada o de compressão paralela às fibras. Observa-se a menor resistência à compressão, acompanhada de maiores deformações do que em tração (ruptura dúctil em compressão e frágil em tração). Figura 9: Ensaio de tração paralela às fibras: (a) corpo-de-prova; (b) diagrama tensão x deformação (tração em linha cheia); (c) mecanismo de ruptura (PFEIL, 2003) Cisalhamento paralelo às fibras O mecanismo de ruptura no cisalhamento paralelo às fibras envolve deslizamento entre fibras adjacentes à seção do corte. No entanto, a resistência ao cisalhamento das madeiras na direção normal às fibras é muito maior que na direção, de modo que, nos projetos, considera-se apenas esta última.

15 PCC5726 Princípios da Ciência dos Materiais Aplicados aos Materiais de Construção Civil - 15 A tensão cisalhante é crítica em conexões e próxima aos locais de reações e pontos de carga concentrada, logo é uma propriedade bastante importante. A tensão cisalhante paralela às fibras possui um valor relativamente baixo, e é sensível a concentração de esforços, acarretando cuidados especiais no dimensionamento para os locais que possuem entalhes. 4.3 Variação das propriedades mecânicas Influência dos defeitos Os defeitos de textura têm enorme influência na resistência das peças estruturais, em geral reduzindo-a em relação aos corpos-de-prova isentos de defeitos. Os nós têm efeito predominante na redução de resistência à tração, reduzindo também em menor escala as resistências à compressão e ao cisalhamento. Defeitos decorrentes de secagem e decomposição também reduzem a resistência. A presença de nós produz concentração de tensões e reduz a resistência da madeira, sobretudo pelos desvios locais de direção das fibras Influência da umidade A umidade também tem grande efeito sobre as propriedades das madeiras. Com o aumento da umidade, a resistência diminui até ser atingido o ponto de saturação das fibras (30% de umidade); acima desse ponto, a resistência mantém-se constante. Na Figura 10, vê-se um diagrama de variação da resistência à compressão com a umidade. Figura 10: Variação da resistência da madeira com o grau de umidade (PFEIL, 2003).

16 PCC5726 Princípios da Ciência dos Materiais Aplicados aos Materiais de Construção Civil Influência do tempo de duração da carga A resistência das madeiras é determinada em ensaios, nos quais o carregamento atua durante cerca de cinco minutos. Aplicando-se uma carga inferior a esta resistência durante um período longo, observa-se que a madeira pode romper, após alguns dias ou meses (ruptura retardada). Por outro lado, se uma peça é rompida sob impacto, sua tensão resistente será maior do que a obtida no ensaio de curta duração (5 min). A perda de resistência com o tempo de duração da carga pode ser encarada com um fenômeno de acumulação de danos, tal como na fadiga dos materiais sob cargas cíclicas, só que para ação de cargas permanentes. É notável a influência da umidade da madeira neste fenômeno: para uma mesma deformação, uma peça com maior grau de umidade terá sua vida útil reduzida em relação á outra peça de menor grau de umidade Fluência da madeira A madeira é um material viscoelástico, ou seja, sua deformação sob esforços depende do histórico do carregamento. Uma peça de material viscoelástico apresenta, além da deformação elástica, um acréscimo de deformação com o tempo, mesmo com a carga sendo mantida constante. Ao ser retirada a carga, somente uma parte da deformação é recuperada, mantendo-se um resíduo de deformação variável com o tempo. A madeira sofre, portanto, deformação lenta (fluência), sob a ação de cargas de atuação demorada, conforme observado na Figura 11. Figura 11: Fluência da madeira. Acréscimo de uma deformação com o tempo de atuação da carga: (1) curva correspondente a uma carga que produz ruptura retardada; a deformação cresce uniformemente, apresentando acentuado incremento próximo à ruptura; (2) curva correspondente a uma carga inferior à da curva 1; a deformação elástica imediata é acrescida de uma deformação de fluência que se estabiliza (PFEIL, 2003).

17 PCC5726 Princípios da Ciência dos Materiais Aplicados aos Materiais de Construção Civil Fadiga da madeira (ação de cargas cíclicas) A resistência à fadiga de materiais fibrosos, como a madeira, é em geral superior á dos materiais cristalinos, como os metais. Ensaios de fadiga, à tração simples, realizados em madeiras duras e macias, revelaram-se que, para ciclos de carregamento com tensão mínima = 10% da tensão máxima, a tensão máxima da ruptura, após 30 milhões de ciclos, é da ordem de 50% de resistência medida em ensaios estáticos Efeitos de curta duração (impacto) A resistência da madeira sob ação de cargas de duração muito curta (impacto) é maior do que a obtida em ensaios rápidos. Sob a ação de cargas de impacto, a madeira apresenta também um módulo de elasticidade mais elevado, cerca de 10% superior ao valor calculado em ensaio estático. 5. PRINCIPAIS PRODUTOS Os produtos derivados da madeira podem ser classificados em duas grandes categorias: madeiras maciças e madeiras industrializadas. No grupo de madeiras maciças têm-se: madeira bruta ou roliça, madeira falquejada e madeira serrada. Como madeiras industrializadas têm-se: madeira compensada, madeira laminada e colada e madeira recomposta. A seguir caracteriza-se, segundo PFEL (2003), os principais produtos destes dois grupos: A madeira bruta ou roliça é empregada em forma de tronco, servindo para estacas, escoramentos, postes, colunas, etc; A madeira falquejada tem faces laterais aparadas a machado, formando seções maciças, quadradas ou retangulares; é utilizada em estacas, cortina cravada, pontes etc; A madeira serrada é aquela que é trabalhada nas serrarias; A madeira compensada é formada pela colagem de lâminas finas, com as direções das fibras alternadamente ortogonais; A madeira laminada e colada é o produto estrutural de madeira mais importante nos países da Europa e América do Norte. A madeira selecionada é cortada em lâminas, de 15 mm a 50 mm de espessura, que são coladas sob pressão, formando grandes vigas, em geral de seção retangular.

18 PCC5726 Princípios da Ciência dos Materiais Aplicados aos Materiais de Construção Civil - 18 A madeira recomposta é o produto de resíduos de madeira serrada e compensada convertidos em flocos e partículas colados sob pressão em forma de placas. Estas placas não são consideradas materiais estruturais devido à baixa resistência e durabilidade, sendo muito utilizadas em fabricação de móveis. As características mecânicas destas placas dependem das dimensões das partículas e do adesivo usado; A madeira reconstituída são os compensados, os aglomerados e as chapas de fibras, não possuindo obrigatoriamente as características iniciais encontradas no material natural. O produto da madeira mais comum, e o mais utilizado na construção civil é a madeira serrada. Ela é produzida de árvores que são abatidas de preferência ao atingir idades maduras, que é percebida quando o cerne ocupa a maior parte do tronco, e é quando a mesma tem melhor qualidade. Cada espécie tem um tempo para atingir esta maturidade, podendo chegar até cem anos. A madeira serrada sofre, em geral, um pré-tratamento, durante o período de secagem natural, que tem como objetivo proteger a madeira recém serrada contra fungos e insetos xilófagos. O prétratamento pode ser dispensado quando a secagem da madeira é feita em estufas, mas de qualquer forma, não deve ser considerado pelo consumidor como tratamento definitivo que visa garantir sua proteção quando seca e em uso (TELLES; BALABAN, 2005). A madeira serrada é produzida em serrarias, onde as toras, normalmente em forma cilíndrica, são processadas em equipamentos tipo: serra circular, desdobradeira, desengrossadeira e plainadeira. A sua produção esta diretamente relacionada com o número e as características dos equipamentos utilizados e o rendimento baseado no aproveitamento da tora (volume serrado em relação ao volume da tora), sendo este em função do diâmetro da tora (maiores diâmetros resultam em maiores rendimentos) (IPT, 2003). Há também a madeira beneficiada que é obtida pela usinagem das peças serradas, que após o beneficiamento agrega valor às mesmas. Para esta operação são utilizados equipamentos com cabeças rotatórias providas de facas, fresas ou serras que usinam a madeira dando-lhe a espessura, largura e comprimento definitivos, forma e acabamento superficial. Podem-se incluir as seguintes operações: aplainamento, molduramento e torneamento e ainda desengrosso, desempeno, destopamento, recorte furação, respingado, ranhurado, entre outras. (IPT, 2003).

19 PCC5726 Princípios da Ciência dos Materiais Aplicados aos Materiais de Construção Civil - 19 Existem, em nosso país, outros produtos originados da madeira como: madeiras em lâminas, painéis, compensado, chapas de fibra chapa dura, e chapa de fibra MDF (chapa de densidade média), chapas de partículas aglomeradas, chapas de partículas OSB (painéis de partículas orientadas), vigas laminadas e coladas preservadas contra ataque de insetos e fungos, além de protegidas contra o fogo e umidade. Em outros paises, especialmente do Hemisfério Norte, existem outros produtos oriundos da madeira, como: a madeira serrada e classificada eletronicamente, geralmente coníferas, ensaiadas não destrutivamente, em maquinas de alta velocidade, quanto à flexão estática e identificada quanto à sua classe de resistência mecânica; madeira laminada e colada, na qual as tábuas são dispostas e coladas com as suas fibras na mesma direção, ampliando o comprimento ou a espessura (IPT, 2003). A inovação tecnológica mais interessante, no campo de produtos de madeira, criada no ano de 2006 foi a madeira líquida. A partir da lignina cientistas alemães do Instituto Fraunhofer criaram um novo tipo de composto. Com a mistura da lignina com fibras de sisal, cânhamo ou linho e a adição de um aditivo químico - não revelado, devido a segredos industriais - geraram um granulado que pode ser extrudado em equipamentos tradicionalmente utilizados na indústria, que eles batizaram de madeira líquida. A madeira líquida permite que se construa virtualmente qualquer objeto, conforme Figura 12, a partir de técnicas comuns de moldagem por injeção, a mesma utilizada para a fabricação de produtos plásticos. Já patenteado, o novo material recebeu o nome de Arboform. Embora possa ser utilizada para fabricar qualquer tipo de produto, o que mais tem feito sucesso é um suporte para bolas de golfe: como o material é totalmente biodegradável, não é necessário se preocupar em recolher os pequenos pinos, que se decompõem juntamente com os restos de grama (INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, 2006). Figura 12: Presépio confeccionado com madeira líquida (INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, 2006).

20 PCC5726 Princípios da Ciência dos Materiais Aplicados aos Materiais de Construção Civil SISTEMAS ESTRUTURAIS Entende-se que a madeira faz parte de um sistema estrutural quando o material é aplicado para resistir esforços (cargas), sejam elas de tração, compressão ou cisalhamento. Existem diversos sistemas estruturais onde a madeira pode ser aplicada, como pontes, telhados, cimbramentos silos, etc. Nesse texto serão enfatizados três exemplos de aplicações: cimbramentos, montanharussa do parque de temático Hopi Hari em Vinhedo São Paulo e vigamentos. 6.1 Cimbramentos As características de elevada resistência e reduzido peso específico da madeira, aliadas a facilidade de montagem e desmontagem de peças, tornaram este material vantajoso para uso em estruturas de cimbramentos. O cimbramento, ou fôrma, é definido como a estrutura que serve para sustentar o concreto fresco até que este atinja resistência suficiente para suportar os esforços a que está submetido e mantê-lo na geometria concebida em projeto, definindo sistema de fôrma como o conjunto das fôrmas utilizadas para moldar a estrutura de concreto armado da edificação (ZORZI, 2002). As fôrmas para concreto armado eram inicialmente confeccionadas com tábuas de madeira serrada, evoluindo mais tarde para o uso de chapas de madeira compensada. O sistema tradicional de fôrmas para painéis de viga e laje e seus escoramentos estão ilustrado na Figura 13. Figura 13: Sistema tradicional de fôrmas de madeira para vigas e lajes em concreto (PFEIL, 2003).

MADEIRAS MCC1001 AULA 12

MADEIRAS MCC1001 AULA 12 MADEIRAS MCC1001 AULA 12 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil MADEIRAS É um material

Leia mais

Mateco UCP - Civil. Comparação entre Propriedades mecânicas

Mateco UCP - Civil. Comparação entre Propriedades mecânicas Mateco - UCP - Civil Madeiras na Construção Civil: Aplicações estruturais; Telhados; Sustentação (vigas, colunas e pisos) Aplicações em revestimentos; Aplicação em esquadrias; Aplicações no mobiliário;

Leia mais

A MADEIRA NATURAL E PRODUTOS TRANSFORMADOS 1-INTRODUÇÃO. Resistência (MPa)

A MADEIRA NATURAL E PRODUTOS TRANSFORMADOS 1-INTRODUÇÃO. Resistência (MPa) A MADEIRA NATURAL E PRODUTOS TRANSFORMADOS 1-INTRODUÇÃO A madeira é um dos materiais de construção mais antigos. Ela é largamente utilizada devido a alguns aspectos, tais como: -Disponibilidade na natureza;

Leia mais

Universidade Católica de Petrópolis. Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc.

Universidade Católica de Petrópolis. Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc. Universidade Católica de Petrópolis Engenharia Civil Parte VI Materiais de Construção 2011 Prof. Robson Luiz Gaiofatto, D.Sc. UCP Mateco - Civil Programa: 1. Aglomerantes; Asfaltos, cal, gesso e cimentos;

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Materiais de Construção Civil MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO MADEIRA COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO A madeira é um material excepcional como material de construção além de ter qualidades muito grandes como matéria prima para outros produtos industrializados, e que

Leia mais

MADEIRAS MCC1001 AULA 12

MADEIRAS MCC1001 AULA 12 MADEIRAS MCC1001 AULA 12 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil MADEIRAS É um material

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 10. Madeira

Materiais de Construção Civil. Aula 10. Madeira Materiais de Construção Civil Aula 10 Madeira Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Situação atual no Brasil: Complicantes: Poucos cursos de graduação ministram estruturas de madeira; Falta de conhecimento

Leia mais

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga A U A UL LA Ensaio de fadiga Introdução Nossa aula Em condições normais de uso, os produtos devem sofrer esforços abaixo do limite de proporcionalidade, ou limite elástico, que corresponde à tensão máxima

Leia mais

MDF RINO. não é tudo igual. PROCURE O

MDF RINO. não é tudo igual. PROCURE O MDF não é tudo igual. PROCURE O RINO. Quer MDF assegurado, fabricado com a mais avançada tecnologia mundial, produzido pela empresa que é sinônimo de qualidade? PROCURE O RINO. Tecnologia, qualidade e

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA

EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL,ARQUITETURA E URBANISMO Departamento de Estruturas EXERCÍCIOS DE ESTRUTURAS DE MADEIRA RAFAEL SIGRIST PONTES MARTINS,BRUNO FAZENDEIRO DONADON

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS UFBA-ESCOLA POLITÉCNICA-DCTM DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DOS MATERIAIS SETOR DE MATERIAIS ROTEIRO DE AULAS CONCRETO FRESCO Unidade III Prof. Adailton de O. Gomes CONCRETO FRESCO Conhecer o comportamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Madeiras

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções. Patologia das Madeiras UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Patologia das Construções Patologia das Madeiras Estrutura da Madeira Estrutura da Madeira cerne (2) Porção mais clara, na parte externa, que corresponde

Leia mais

Madeira na Construção Civil

Madeira na Construção Civil Madeira na Construção Civil INTRODUÇÃO A madeira é um material excepcional como material de construção além de ter qualidades muito grandes como matéria prima para outros produtos industrializados, e que

Leia mais

PAINÉIS E PAREDES DE MADEIRA

PAINÉIS E PAREDES DE MADEIRA PAINÉIS E PAREDES DE MADEIRA As paredes de madeira dividem-se em: Paredes Estruturais Divisão e fechamento de ambientes Suportar cargas verticais e transmití-las as fundações Suportar cargas horizontais

Leia mais

CHAPA DE FIBRA. não é tudo igual. PROCURE O RINO.

CHAPA DE FIBRA. não é tudo igual. PROCURE O RINO. CHAPA DE FIBRA não é tudo igual. PROCURE O RINO. Madeira Ecológica Duratex O manejo ambiental é um diferencial para a Duratex, que adota as melhores práticas para alcançar alta produtividade com o mínimo

Leia mais

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Agregados para concreto Os agregados constituem um componente importante no concreto, contribuindo com cerca de 80% do peso e 20% do custo de concreto

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE UMIDADE E DENSIDADE BÁSICA PARA ESPÉCIES DE PINUS E EUCALIPTO

DETERMINAÇÃO DO TEOR DE UMIDADE E DENSIDADE BÁSICA PARA ESPÉCIES DE PINUS E EUCALIPTO DETERMINAÇÃO DO TEOR DE UMIDADE E DENSIDADE BÁSICA PARA ESPÉCIES DE PINUS E EUCALIPTO ALMEIDA, Diego Henrique de Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho UNESP MOLINA, Julio Cesar Escola

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONA E MUCURI DIAMANTINA MG ESTUDO DIRIGIDO Disciplina: Construções Rurais 2011/1 Código: AGR006/AGR007 Curso (s): Agronomia e Zootecnia

Leia mais

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

CONCEITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho CONCEITOS Materiais e Processos de Produção ESTRUTURA DA MATÉRIA ÁTOMOS PRÓTONS NÊUTRONS ELÉTRONS MOLÉCULAS ESTADOS DA MATÉRIA TIPO DE LIGAÇÃO ESTRUTURA (ARRANJO) IÔNICA COVALENTE METÁLICA CRISTALINO AMORFO

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D Ensino Fundamental Ciências da Natureza II Habilidade da Questão Conteúdo Matriz da EJA/FB 01 Fisiologia Vegetal (Transporte e absorção de H34, H40, H41, H63 substâncias); Fotossíntese

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO

ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 2 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos Março de 2004 CARACTERÍSTICAS DO CONCRETO Como foi visto no capítulo anterior, a mistura em proporção adequada

Leia mais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais

Blocos de. Absorção de água. Está diretamente relacionada à impermeabilidade dos produtos, ao acréscimo imprevisto de peso à Tabela 1 Dimensões reais Blocos de CONCRETO DESCRIÇÃO: Elementos básicos para a composição de alvenaria (estruturais ou de vedação) BLOCOS VAZADOS DE CONCRETO SIMPLES COMPOSIÇÃO Cimento Portland, Agregados (areia, pedra, etc.)

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP Curso: Arquitetura e Urbanismo Assunto: Cálculo de Pilares Prof. Ederaldo Azevedo Aula 4 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Centro de Ensino Superior do Amapá-CEAP

Leia mais

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Tópico 7E Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Introdução Já vimos que a deformação plástica de um metal decorre da movimentação interna de discordâncias, fazendo com que planos cristalinos

Leia mais

Técnicas da Construção Civil. Aula 02

Técnicas da Construção Civil. Aula 02 Técnicas da Construção Civil Aula 02 Necessidades do cliente e tipos de Estruturas Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Necessidades do Cliente Função ou tipo de edificação? Como e quanto o cliente quer

Leia mais

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%).

Aço é uma liga metálica composta principalmente de ferro e de pequenas quantidades de carbono (em torno de 0,002% até 2%). ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 3 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos. 31 de março, 2003. AÇOS PARA ARMADURAS 3.1 DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA Aço é uma liga metálica composta principalmente

Leia mais

Facear Concreto Estrutural I

Facear Concreto Estrutural I 1. ASSUNTOS DA AULA Durabilidade das estruturas, estádios e domínios. 2. CONCEITOS As estruturas de concreto devem ser projetadas e construídas de modo que, quando utilizadas conforme as condições ambientais

Leia mais

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO

ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE COMPONENTES DO REVESTIMENTO TECNOLOGIA DE REVESTIMENTO Componentes do sistema BASE CHAPISCO Base Características importantes: Avidez por água - inicial e continuada Rugosidade EMBOÇO ARG. COLANTE REVESTIMENTO REJUNTE Chapisco Função:

Leia mais

Quando tratamos das propriedades de um material transformado, segundo muitos pesquisadores, estas dependem de uma reciclagem bem sucedida. Para que isto ocorra, os flocos de PET deverão satisfazer determinados

Leia mais

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES.

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES. CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA São planos horizontais que suportam cargas VARIÁVEIS e PERMANENTES. 1 CARGAS NBR 6120 PERMANENTES (g) Peso próprio da estrutura Peso dos elementos

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA

A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA A BIOMASSA FLORESTAL PRIMARIA Entende-se por biomassa florestal primaria (BFP) a fração biodegradável dos produtos gerados e que são processados com fins energéticos. Nos casos dos reflorestamentos, a

Leia mais

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono

2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2 Reforço Estrutural com Compósitos de Fibra de Carbono 2.1. Introdução Os materiais estruturais podem ser divididos em quatro grupos: metálicos, cerâmicos, poliméricos e compósitos (Gibson, 1993). Em

Leia mais

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor 1. CONCEITO: Produto resultante da associação íntima entre um aglomerante mais um agregado miúdo, mais um agregado graúdo e água (+ ferragens). 2. CARACTERÍSTICAS Quanto aos esforços: compressão, tração

Leia mais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais

Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais Capítulo 3 Propriedades Mecânicas dos Materiais 3.1 O ensaio de tração e compressão A resistência de um material depende de sua capacidade de suportar uma carga sem deformação excessiva ou ruptura. Essa

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

Resumo MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Resumo MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Câmpus Rio Grande Aluna: Alice Ott Fonseca Matricula: 11240125 Curso: TÉCOLOGIA EM COSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS 02/2015 Disciplina: Materiais de Construção Resumo MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Uso a madeira Na

Leia mais

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento Prof. Msc. Marcos Dorigão Manfrinato prof.dorigao@gmail.com Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento 1 Introdução: O forjamento

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS

ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS ESTRUTURAS METÁLICAS - UFPR CAPÍTULO 1 AÇOS ESTRUTURAIS 1 INDICE CAPÍTULO 1 - AÇOS ESTRUTURAIS...1 1 INTRODUÇÃO - HISTÓRICO... 1 2 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DAS ESTRUTURAS DE AÇO... 2 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS...

Leia mais

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS I DEFINIÇÃO E DOSAGEM DE ARGAMASSAS PARA ASSENTAMENTO DE

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph À prova de fogo Reparos externos e reabilitação estrutural para infraestruturas

Leia mais

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02

ASSISTÊNCIA TÉCNICA. Caderno 02 ASSISTÊNCIA TÉCNICA Caderno 02 Julho/2004 CONFORMAÇÃO DOS AÇOS INOXIDÁVEIS Comportamento dos Aços Inoxidáveis em Processos de Estampagem por Embutimento e Estiramento 1 Estampagem Roberto Bamenga Guida

Leia mais

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes

2. Sistema de fôrmas plásticas para lajes Sistema de fôrmas plásticas para lajes de concreto JOAQUIM ANTÔNIO CARACAS NOGUEIRA Diretor de Engenharia VALTER DE OLIVEIRA BASTOS FILHO Engenheiro Civil CARLOS ALBERTO IBIAPINA E SILVA FILHO Engenheiro

Leia mais

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Este processo é empregado para produzir peças de diferentes tamanhos e formas, constituído de materiais variados (ferrosos

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 82 CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 83 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM Nas operações de soldagem, principalmente as que envolvem a fusão dos materiais, temos uma variação não uniforme e

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO

A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( X ) TECNOLOGIA A IMPORTÂNCIA

Leia mais

Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi

Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi INTRODUÇÃO: Neste trabalho será apresentado um apanhado sobre as diversas formas de concreto e agregados bem como o seu uso, dando

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

Utilização de Madeira Tratada em Sistemas Construtivos - Uma Opção Inteligente -

Utilização de Madeira Tratada em Sistemas Construtivos - Uma Opção Inteligente - Por: Flavio C. Geraldo ABPM Presidente Madeira 2014 Instituto BESC de Humanidades e Economia Outubro de 2014 Utilização de Madeira Tratada em Sistemas Construtivos - Uma Opção Inteligente - ÁRVORE - A

Leia mais

2 Materiais e Métodos

2 Materiais e Métodos 1 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DE VIGAS REFORÇADAS POR ACRÉSCIMO DE CONCRETO À FACE COMPRIMIDA EM FUNÇÃO DA TAXA DE ARMADURA LONGITUDINAL TRACIONADA PRÉ-EXISTENTE Elias Rodrigues LIAH; Andréa Prado Abreu REIS

Leia mais

Cobertura com telhas asfálticas. Cobertura com telhas asfálticas

Cobertura com telhas asfálticas. Cobertura com telhas asfálticas Cobertura com telhas asfálticas Cobertura com telhas asfálticas A cobertura conhecida como shingle é uma manta asfáltica composta por elementos descontínuos. A telha possui, na composição, camadas à base

Leia mais

PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009. 2.2.1. Painéis da caixa, inclusive o vertical interno, portas e prateleiras.

PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009. 2.2.1. Painéis da caixa, inclusive o vertical interno, portas e prateleiras. 1 CÓDIGO SUPRI: 71.654.002.001.0029-1 PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009 1. DESTINAÇÃO Para guarda de materiais de escritório em geral. 2. REQUISITOS GERAIS (VER DESENHOS

Leia mais

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br

e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Disciplina: Materiais de Construção I Assunto: Concreto II Prof. Ederaldo Azevedo Aula 5 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br A trabalhabilidade é influenciada pela consistência e pela coesão. As principais

Leia mais

Tipos de Fundações. Tipos de Fundações. Fundações. Tubulões à ar comprimido - exemplos:

Tipos de Fundações. Tipos de Fundações. Fundações. Tubulões à ar comprimido - exemplos: Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Tubulões à ar comprimido - exemplos: Fundações Profa. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com

Leia mais

SUPERESTRUTURA estrutura superestrutura infra-estrutura lajes

SUPERESTRUTURA estrutura superestrutura infra-estrutura lajes SUPRSTRUTUR s estruturas dos edifícios, sejam eles de um ou vários pavimentos, são constituídas por diversos elementos cuja finalidade é suportar e distribuir as cargas, permanentes e acidentais, atuantes

Leia mais

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES

ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES ESTUDO DE CASO TRAÇOS DE CONCRETO PARA USO EM ESTRUTURAS PRÉ- MOLDADAS CASE STUDY - TRACES OF CONCRETE FOR USE IN PREMOULDED STRUCTURES Cleriston Barbosa da Silva (1), Dary Werneck da Costa (2), Sandra

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-013 Folha: 1 / 09 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO S.A. IPT CENTRO TECNOLÓGICO DO AMBIENTE CONSTRUÍDO - CETAC

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

ECOTELHADO. Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados.

ECOTELHADO. Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados. ECOTELHADO Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados. TRANSMISSÃO DE CALOR por condução térmica através de materiais

Leia mais

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto

ESTRUTURAS. Prof. Eliseu Figueiredo Neto ESTRUTURAS Prof. Eliseu Figueiredo Neto PAREDES DE TIJOLO Assentamento dos tijolos: Quanto a colocação (ou dimensão das paredes) dos tijolos, podemos classificar as paredes em: cutelo, de meio tijolo,

Leia mais

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1

BLOCOS, ARGAMASSAS E IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DA PRODUÇÃO. Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco 1 Escola Politécnica da USP PCC 2515 Alvenaria Estrutural BLOCOS, ARGAMASSAS E GRAUTES Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco IMPORTÂNCIA DOS BLOCOS! DETERMINA CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES DA PRODUÇÃO! peso e dimensões

Leia mais

ESTRUTURAS METÁLICAS

ESTRUTURAS METÁLICAS 1 ESTRUTURAS METÁLICAS José Alberto Bittencourt Goulart e-mail: betogoulart@yahoo.com.br Maio/2014 Sorocaba/SP Desde o século XVIII, quando se iniciou a utilização de estruturas metálicas na construção

Leia mais

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho

MATERIAIS COMPÓSITOS. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho. Prof. Roberto Monteiro de Barros Filho MATERIAIS COMPÓSITOS Histórico Adobes reforçados com palha Egito 5000 anos. Concreto reforçado com barras de metal século XIX. Fibras de vidro 1970 Conceito São materiais formados por dois ou mais constituintes

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

Sistemas da edificação Aplicação na prática

Sistemas da edificação Aplicação na prática 1 Vantagens Alta produtividade com equipes otimizadas; Redução de desperdícios e obra limpa; Facilidade de gerenciamento e padronização da obra; Elevada durabilidade; Facilidade de limpeza e conservação;

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA DISCIPLINA: SISTEMAS ESTRUTURAIS EM MADEIRA Prof. Julio Eustaquio de Melo Engenheiro Civil Ph.D. Bsb, outubro de

Leia mais

Blocos e Alicerces CONCEITO

Blocos e Alicerces CONCEITO CONCEITO Os blocos são elementos estruturais de grande rigidez que são ligados pelas vigas baldrame. Sua profundidade varia de 0,5 a 1 metro. São utilizados quando há atuação de pequenas cargas, como em

Leia mais

Propriedades dos Materiais CAP 3

Propriedades dos Materiais CAP 3 Universidade Federal do Ceará Resistência dos Materiais I Propriedades dos Materiais CAP 3 Profa. Tereza Denyse de Araújo Março/2010 Roteiro de aula Ensaio de Cisalhamento Ensaio de Torção Falhas de Materiais

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1)

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia

Leia mais

ANÁLISE DO ESCOAMENTO DE UM FLUIDO REAL: água

ANÁLISE DO ESCOAMENTO DE UM FLUIDO REAL: água UFF Universidade Federal Fluminense Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Química e de Petróleo Integração I Prof.: Rogério Fernandes Lacerda Curso: Engenharia de Petróleo Alunos: Bárbara Vieira

Leia mais

Madeira na construção

Madeira na construção Madeira na construção Madeira como material de construção O emprego da madeira na construção civil remonta desde os primórdios da civilização. Esta apresenta-se como material excepcional e como matéria-prima

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica 2 Revisão Bibliográfica Neste capítulo são apresentados trabalhos relacionados ao comprimento de ancoragem e a resistência de aderência do CFC-substrato de concreto. São mostradas de forma resumida as

Leia mais

- Bibliografia Recomendada

- Bibliografia Recomendada 1 7 a aula - ELETRODOS REVESTIDOS - Bibliografia Recomendada 1) Soldagem Processos e Metalurgia Capítulo 2b 2) Normas da AWS A5.1-81, A5.5-81 e demais normas 3) Catálogo de fabricantes de eletrodos revestidos

Leia mais

Matérias Primas e Processos para Marcenaria INTRODUÇÃO

Matérias Primas e Processos para Marcenaria INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A cada dia surgem no mercado novos materiais com o objetivo de tornar a produção mais competitiva, reduzindo as etapas de produção, o tempos de fabricação e os custos. Madeira maciça A madeira

Leia mais

Ferramentas Leitz Brasil

Ferramentas Leitz Brasil Ferramentas Leitz Brasil Leitz Association Representada em mais de 100 paises São 25 Fabricas espalhadas pelo mundo e mais de 300 postos de Serviço. Em torno de 7000 funcionários Vendas anuais em cerca

Leia mais

Ensaiar é preciso! Como você se sentiria se a chave que acabou

Ensaiar é preciso! Como você se sentiria se a chave que acabou A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Ensaiar é preciso! Introdução Como você se sentiria se a chave que acabou de mandar fazer quebrasse ao dar a primeira volta na fechadura? Ou se a jarra de

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 33,de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D CADERNO DE EXERCÍCIOS 1D Ensino Fundamental Ciências da Natureza II Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 01 Propriedades e aplicação dos materiais H55/H56 02 Propriedades específicas, físicas

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL: DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE

ALVENARIA ESTRUTURAL: DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE ALVENARIA ESTRUTURAL: BLOCOS DE CONCRETO DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE O uso de alvenaria como sistema estrutural já vem sendo usado a centenas de anos, desde as grandes

Leia mais

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura.

A concepção estrutural deve levar em conta a finalidade da edificação e atender, tanto quanto possível, às condições impostas pela arquitetura. ESTRUTURAS DE CONCRETO CAPÍTULO 4 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 2 de abril, 2003. CONCEPÇÃO ESTRUTURAL A concepção estrutural, ou simplesmente estruturação, também chamada

Leia mais

O conhecimento das dimensões permite determinar os vãos equivalentes e as rigidezes, necessários no cálculo das ligações entre os elementos.

O conhecimento das dimensões permite determinar os vãos equivalentes e as rigidezes, necessários no cálculo das ligações entre os elementos. PRÉ-DIMENSIONAMENTO CAPÍTULO 5 Libânio M. Pinheiro, Cassiane D. Muzardo, Sandro P. Santos 3 abr 2003 PRÉ-DIMENSIONAMENTO O pré-dimensionamento dos elementos estruturais é necessário para que se possa calcular

Leia mais

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos;

de diminuir os teores de carbono e impurezas até valores especificados para os diferentes tipos de aço produzidos; 1 ANEXO XIII Limites de Emissão para Poluentes Atmosféricos gerados nas Indústrias Siderúrgicas Integradas e Semi-Integradas e Usinas de Pelotização de Minério de Ferro 1. Ficam aqui definidos os limites

Leia mais

As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição

As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição O que possuem em comum equipamentos e peças tão diversos como torneiras, chuveiros, grampeadores, lanternas, peças para luminotécnica, alto-falantes

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA ENGENHARIA MECÂNICA INDUSTRIAL Análise dos Parâmetros que Influenciaram a Falha dos Parafusos Calibrados Aço1045 A do Acoplamento de Engrenagem da Mesa Giratória ria do Laminador

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 Forjamento Ferreiro - Uma das profissões mais antigas do mundo. Hoje em dia, o martelo e a bigorna foram substituídos por máquinas e matrizes

Leia mais

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE 1 TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE Marcos R. Barboza Paulo Sérgio Bastos UNESP, Faculdade de Engenharia de Bauru, Departamento de Engenharia Civil Resumo Este trabalho surgiu de duas necessidades

Leia mais

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a. sustentabilidade da construção civil

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a. sustentabilidade da construção civil Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a sustentabilidade da construção civil A CONSCIÊNCIA AMBIENTAL É TEMA DESTE SÉCULO, E PORQUE NÃO DIZER DESTE MILÊNIO REDUZA REUTILIZE

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

Relações entre tensões e deformações

Relações entre tensões e deformações 3 de dezembro de 0 As relações entre tensões e deformações são estabelecidas a partir de ensaios experimentais simples que envolvem apenas uma componente do tensor de tensões. Ensaios complexos com tensões

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANISOTRÓPICO DE PRISMAS DE ALVENARIA ESTRUTURAL CERÂMICA Jefferson Bruschi da Silva (1); Cristiano Richter (2); Jean Marie Désir (3); (1) Universidade do Vale do Rio dos Sinos,

Leia mais

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição

Introdução. 1. Generalidades. Para o aço estrutural. Definição Introdução Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil PGECIV - Mestrado Acadêmico Faculdade de Engenharia FEN/UERJ Disciplina: Tópicos Especiais em Estruturas (Chapa Dobrada) Professor: Luciano Rodrigues

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS INTERDEPENDÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DAS MISTURAS BETUMINOSAS TIPO C.B.U.Q.

TRABALHOS TÉCNICOS INTERDEPENDÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DAS MISTURAS BETUMINOSAS TIPO C.B.U.Q. 01 / 07 SINOPSE O trabalho apresenta aspectos conceituais do comportamento das relações físicas envolvidas no sistema, e misturas tipo C.B.U.Q., levando em consideração as características físicas rotineiras

Leia mais