ETAPAS DA PESQUISA CIENTÍFICA (1)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ETAPAS DA PESQUISA CIENTÍFICA (1)"

Transcrição

1 ETAPAS DA PESQUISA CIENTÍFICA (1) Prof. Dr. Onofre Miranda (1) ZANELLA, L. C. H. Metodologia da Pesquisa. Florianópolis: SEaD:UFSC, 2006.

2 OBJETIVO(S) GERAL Apresentar as etapas para desenvolvimento de pesquisas ESPECÍFICOS: Ressaltar a importância da comunicação dos resultados; Delimitar Assunto / Tema e Problema de pesquisa; Apreender a elaboração do problema de pesquisa;

3 PESQUISA A pesquisa percorre um caminho que é constituído de três momentos intimamente relacionados e que, muitas vezes, sobrepõem-se: Planejamento Execução Comunicação dos resultados.

4 PESQUISA: FASE EXPLORATÓRIA No primeiro momento, a reflexão antecipada sobre o assunto a ser investigado, o tema, os objetivos do estudo, a base teórica, os instrumentos de coleta de dados e a definição de como serão analisados os dados coletados constituem a fase exploratória ou etapa preparatória..

5 PESQUISA: FASE DA EXECUÇÃO O segundo momento do ciclo de pesquisa trata da execução do plano ou projeto de pesquisa, isto é, quando o pesquisador entra no campo de pesquisa, combina entrevistas, observações, levantamento de material documental, bibliográfico, instrucional etc. (MINAYO,2002, p.26).

6 PESQUISA: EXECUÇÃO Após o levantamento dos dados, inicia-se a análise e interpretação deles, utilizando-se ou não recursos computacionais, conforme a abordagem da pesquisa.

7 PESQUISA: COMUNICAÇÃO DOS RESULTADOS Por fim, há a comunicação dos resultados. É o momento de relatar à comunidade científica ou à sociedade os resultados, as dificuldades e as limitações da investigação. Os resultados de uma pesquisa podem ser expressos por meio de trabalho de conclusão de curso, de artigo científico, dissertação (mestrado), tese (doutorado), dentre outros.

8

9 ETAPAS DA PESQUISA Toda pesquisa tem como finalidade gerar conhecimento. Para alcançar esse objetivo, é preciso planejar a investigação, decidindo: o que pesquisar; por que pesquisar; para que pesquisar; como pesquisar; e quando pesquisar.

10

11 PESQUISA: COMUNICAÇÃO DOS RESULTADOS O primeiro passo do planejamento é a escolha do assunto e do tema de investigação. ASSUNTO: se refere a uma área do conhecimento. Assunto é mais amplo, enquanto TEMA é mais específico, é extraído de um assunto genérico. A diferença entre esses dois aspectos pode ser visualizada no Quadro a seguir:

12

13

14 ESCOLHA DO TEMA A escolha do tema é a decisão mais difícil do processo, resulta da interação de fatores internos e externos. A seleção de um tema pode, inicialmente, nascer da curiosidade do pesquisador. (incompreensão teórica, uma dúvida ou mesmo um questionamento relacionado ao cotidiano da organização). É também necessário que o pesquisador faça uma reflexão pessoal sobre suas habilidades, conhecimento, preferências, segurança, aptidões, interesse e afinidade com o tema.

15 ESCOLHA DO TEMA Reflexões sobre o significado e a relevância do tema na atualidade, contribuição, repercussão do estudo para o conhecimento e para a organização são, da mesma forma, essenciais. Retorno no futuro, tempo para estudo, acesso às informações e custo devem também ser Analisados.

16 ESCOLHA DO TEMA Fontes de inspiração e de escolha do assunto: a observação direta do comportamento; a observação direta dos fenômenos e dos fatos; o senso comum; a experiência pessoal; a observação documental e o mercado de idéias; as descobertas por intuição e insight; os seminários conversas com o professor ou orientador, das aulas, do conteúdo das disciplinas.

17 TEMA X TIPO DE PESQUISA

18 PROBLEMATIZAÇÃO Escolhido o tema, o passo seguinte é sua delimitação e problematização. Após a definição do tema, é preciso formular um problema de pesquisa, isto é, problematizá-lo, pois o processo de pesquisa desencadeia-se a partir de uma dúvida, um questionamento. O problema de pesquisa é também chamado por alguns autores de questão norteadora da pesquisa ou simplesmente questão de pesquisa.

19 FORMULAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA Nesta etapa, observa-se: -é sempre uma pergunta, um questionamento, assim, a frase termina com um ponto de interrogação; - o enunciado expressa a possível relação entre, no mínimo, duas variáveis conhecidas, e essa relação pode não ser necessariamente de causa e efeito; - a pergunta deve ser clara e concisa; e -a pergunta deve ser passível de solução.

20 FORMULAÇÃO DO PROBLEMA DE PESQUISA Para enunciar um problema de pesquisa, é preciso definir: A área ou o campo de observação. Exemplo: cultura organizacional e o compartilhamento do conhecimento; As unidades de observação. Deve estar claro quem ou o quê deverá ser objeto de observação, que características deverão ter o local e o período em que será feita a observação as variáveis principais, que serão estudadas, mostrando-se quais aspectos ou fatores mensuráveis serão analisados.

21 EXEMPLO

22 VARIÁVEIS São aspectos, propriedades, características individuais, de um tema. É qualquer coisa que pode ser classificada em duas ou mais categorias. sexo (masculino e feminino); classe social (alta, média, baixa); estruturação da área financeira (tamanho, divisão do trabalho, posição na estrutura hierárquica, funções e responsabilidade); trajetória profissional (planos de carreira, mecanismos de ascensão profissional, comunicação do plano de carreira aos funcionários);

23 HIPÓTESES São afirmações provisórias sobre determinado fenômeno em estudo. São afirmações e indicam, da mesma forma que as questões de pesquisa, os caminhos, direcionando a investigação. Essas afirmações devem ser testadas e comprovadas ou rejeitadas.

24 HIPÓTESES Para formulação de hipóteses: devem ser expressas com clareza e simplicidade; devem ter a qualidade de poder ser verificadas empiricamente; devem ser específicas; devem ter apoio na teoria; devem ter relação com o problema de pesquisa (questão ou pergunta norteadora da pesquisa).

25 QUESTÃO DE PESQUISA 25

Plano de Carreira. A seguir, encontram-se alguns exemplos de mapas de ascensão que a EJ pode escolher de acordo com a sua estrutura organizacional.

Plano de Carreira. A seguir, encontram-se alguns exemplos de mapas de ascensão que a EJ pode escolher de acordo com a sua estrutura organizacional. Plano de Carreira Introdução É objetivo de toda organização manter seus colaboradores motivados, controlar seu desempenho e tentar melhorá-lo continuamente. No caso de empresas juniores, o principal objetivo

Leia mais

Métodos e Instrumentos de Pesquisa

Métodos e Instrumentos de Pesquisa Métodos e Instrumentos de Pesquisa Prof. Ms. Franco Noce fnoce2000@yahoo.com.br MÉTODO E INSTRUMENTOS DE PESQUISA Entrevista Questionários Técnicas de Observação Sociometria Estudos de Caso Testes cognitivos

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000023 - COMUNICACAO SOCIAL - JORNALISMO Nivel: Superior Area Profissional: 0006 - COMUNICACAO Area de Atuacao: 0110 - EDITORACAO/COMUNICACAO

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000026 - COMUNICACAO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000026 - COMUNICACAO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000026 - COMUNICACAO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nivel: Superior Area Profissional: COMUNICACAO Area de Atuacao: EDITORACAO/COMUNICACAO

Leia mais

Gestão de pessoas por competência. Roniberto Morato do Amaral

Gestão de pessoas por competência. Roniberto Morato do Amaral Gestão de pessoas por competência Roniberto Morato do Amaral Objetivo: curso Abordagem das competências Gestão de pessoas Iniciativas Aprendizagem Mapeamento de competências Objetivo: seu! Qual é o seu

Leia mais

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE

RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE RECONHECIDO INTERNACIONALMENTE COACHING EDUCATION By José Roberto Marques Diretor Presidente - Instituto Brasileiro de Coaching Denominamos de Coaching Education a explicação, orientação e aproximação

Leia mais

Universidade Presidente Antônio Carlos REDE DE BIBLIOTECAS ROSY MARA OLIVEIRA (ORG.)

Universidade Presidente Antônio Carlos REDE DE BIBLIOTECAS ROSY MARA OLIVEIRA (ORG.) ROSY MARA OLIVEIRA (ORG.) Colaboração: Dirlhê Maria Lima Pereira Bibliotecária FUPAC Itabirito ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA BARBACENA SUMÁRIO 1 PROJETO DE PESQUISA...2 1.1 Capa...2 1.2

Leia mais

Objetivos de aprendizagem

Objetivos de aprendizagem 5 UNIDADE 5 Projeto de pesquisa Objetivos de aprendizagem compreender a importância do projeto no contexto da pesquisa científica; identificar os elementos que compõem um projeto de pesquisa. Seções de

Leia mais

Relatório de Satisfação dos Clientes

Relatório de Satisfação dos Clientes 1 /14 I - Introdução Este relatório apresenta os resultados da Pesquisa de Monitoramento da Satisfação dos Clientes da PARANAPREVIDÊNCIA realizada de. Para chegar aos resultados, apresentados a seguir,

Leia mais

O COACHING É UM PROCESSO ESTIMULANTE E CRIATIVO entre coach e cliente que inspira

O COACHING É UM PROCESSO ESTIMULANTE E CRIATIVO entre coach e cliente que inspira O COACHING É UM PROCESSO ESTIMULANTE E CRIATIVO entre coach e cliente que inspira a elevação do potencial pessoal e profissional para superar desafios e atingir resultados. E a dedicação exclusiva da Korkes

Leia mais

Procurando o novo? Pense Diferente

Procurando o novo? Pense Diferente Procurando o novo? Pense Diferente CRE - fficina di Creatività A aptidão para desenvolver novas ideias nada mais é do que organizar o caos. Somos apaixonados pela confusão imaginária, o exótico, o pedacinho

Leia mais

Parte 1 Código / Área Temática. Educação Especial

Parte 1 Código / Área Temática. Educação Especial NOME DO CURSO: O Ensino de Língua Portuguesa como segunda língua para estudantes surdos e/ou com deficiência auditiva Nível: Especialização Modalidade: Presencial Parte 1 Código / Área Temática Código

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

METODOLOGIA DA PESQUISA

METODOLOGIA DA PESQUISA METODOLOGIA DA PESQUISA O texto monográfico, que constitui o trabalho de conclusão de curso na pós-graduação, e que tantas vezes causa desconforto aos alunos, pode e deve ser encarado como um coroamento,

Leia mais

FÓRUM GESTÃO DE TALENTOS 2013 ASSESSMENT

FÓRUM GESTÃO DE TALENTOS 2013 ASSESSMENT FÓRUM GESTÃO DE TALENTOS 2013 ASSESSMENT Aplicações do Assessment Composição de um programa de Assessment Resultados do Assessment Etapas de Carreira Diferentes Etapas de Carreira Novas responsabilidades

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

PESQUISA E FORMAÇ ÃO DOCENTE: APONTAMENTOS TEÓRICOS RESUMO

PESQUISA E FORMAÇ ÃO DOCENTE: APONTAMENTOS TEÓRICOS RESUMO PESQUISA E FORMAÇ ÃO DOCENTE: APONTAMENTOS TEÓRICOS Giseli Barreto da CRUZ RESUMO No presente texto, buscamos discutir a questão da pesquisa na formaçã o e atuaçã o do professor, assumindo como eixo principal

Leia mais

(s15h PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000065 - LETRAS Nivel: Superior

(s15h PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000065 - LETRAS Nivel: Superior (s15h PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000065 - LETRAS Nivel: Superior Area Profissional: 0004 - BIBLIOTECA Area de Atuacao: 0042 - ACERVO/BIBLIOTECA Analisar e processar

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

151. Assédio moral: as possibilidades de intervenção do psicólogo Orientador(a): Banca: RESUMO 152.

151. Assédio moral: as possibilidades de intervenção do psicólogo Orientador(a): Banca: RESUMO 152. 151. Mota, M. D. L. Assédio moral: as possibilidades de intervenção do psicólogo. Trabalho de Conclusão de Curso. Psicologia, Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, 2013. Orientador(a): Dr. Arilson Pereira

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

Trazer à tona o melhor em todos. com a mais perfeita linha de soluções de RH

Trazer à tona o melhor em todos. com a mais perfeita linha de soluções de RH Trazer à tona o melhor em todos com a mais perfeita linha de soluções de RH Bem vindo ao atrium do Hay Group Se você está procurando maneiras rápidas e convenientes de lidar com trabalhos recorrentes da

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Caracterização da Pesquisa

3 Metodologia. 3.1. Caracterização da Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo será abordada a caracterização da pesquisa, abrangendo o tipo de pesquisa escolhida, os critérios para seleção dos sujeitos, os procedimentos adotados para a coleta das informações,

Leia mais

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS

TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS AULA 7 TÉCNICAS PARA COLETA DE DADOS Classificação das pesquisas científicas Classificação das pesquisas científicas: quanto a natureza Básica: Procura o progresso científico; Procura a ampliação dos conhecimentos

Leia mais

DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL. 3 Seminário Nacional pela Educação nas Prisões. Maio/2012

DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL. 3 Seminário Nacional pela Educação nas Prisões. Maio/2012 DEPARTAMENTO PENITENCIÁRIO NACIONAL 3 Seminário Nacional pela Educação nas Prisões Maio/2012 Conteúdo 1) Resolução CNPCP nº 09/2011 aspectos ligados ao módulo de ensino; 2) Aplicação da Resolução nº 09/2011

Leia mais

A FORMAC AO DE PROFESSORES NO BRASIL: PROBLEMAS E PERSPECTIVAS

A FORMAC AO DE PROFESSORES NO BRASIL: PROBLEMAS E PERSPECTIVAS 1 A FORMAC AO DE PROFESSORES NO BRASIL: PROBLEMAS E PERSPECTIVAS Paini, Leonor Dias * Greco, Eliana Alves ** Amblard, Viviane Maria Lauer Bressan *** RESUMO: Este trabalho objetiva refletir sobre a situacionalidade

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000025 - COMUNICACAO SOCIAL - RELACOES PUBLICAS Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000025 - COMUNICACAO SOCIAL - RELACOES PUBLICAS Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000025 - COMUNICACAO SOCIAL - RELACOES PUBLICAS Nivel: Superior Area Profissional: 0006 - COMUNICACAO Area de Atuacao: 0113 - REL.PUBLICAS/COMUNICACAO

Leia mais

AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO

AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO 1 AUÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 O QUE É UM PROJETO?... 2 2.1 PROJETO DE PESQUISA... 2 3 CLASSIFICAÇÃO DAS PESQUISAS... 4 4 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA

Leia mais

COMO ACONTECE O PROCESSO DE ENSINO EM TREINAMENTOS E DESENVOLVIMENTOS OFERECIDOS PELAS ORGANIZAÇÕES AOS SEUS COLABORADORES.

COMO ACONTECE O PROCESSO DE ENSINO EM TREINAMENTOS E DESENVOLVIMENTOS OFERECIDOS PELAS ORGANIZAÇÕES AOS SEUS COLABORADORES. COMO ACONTECE O PROCESSO DE ENSINO EM TREINAMENTOS E DESENVOLVIMENTOS OFERECIDOS PELAS ORGANIZAÇÕES AOS SEUS COLABORADORES. Glauciene Izaltina Tassi 1 Edilaine Vangula 2 RESUMO Inúmeras são as mudanças

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ NO SERPRO RELATO DE EXPERIÊNCIA

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ NO SERPRO RELATO DE EXPERIÊNCIA PROGRAMA JOVEM APRENDIZ NO SERPRO RELATO DE EXPERIÊNCIA 1 Belo Horizonte MG Abril 2012 Categoria: C Setor Educacional: 2 Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: A / Meso: H / Micro: O Natureza:

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FATOR DE CONTRIBUIÇÃO PARA O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE

ENDOMARKETING COMO FATOR DE CONTRIBUIÇÃO PARA O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE ENDOMARKETING COMO FATOR DE CONTRIBUIÇÃO PARA O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO EM INSTITUIÇÕES DE ENSINO PROFISSIONALIZANTE 1. INTRODUÇÃO Thiego Barros de Almeida Brandão Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

Profissionais de Alta Performance

Profissionais de Alta Performance Profissionais de Alta Performance As transformações pelas quais o mundo passa exigem novos posicionamentos em todas as áreas e em especial na educação. A transferência pura simples de dados ou informações

Leia mais

WORKSHOP DE COACHING PARA GESTORES. www.diogohudson.com.br

WORKSHOP DE COACHING PARA GESTORES. www.diogohudson.com.br WORKSHOP DE COACHING PARA GESTORES www.diogohudson.com.br APRESENTAÇÃO & EXPECTATIVAS Se apresentem e discutam: O que você esperadeste workshop? COACHING PARA GESTORES 7 papéis de um gestor Como o coaching

Leia mais

Ajudar uma pessoa a mudar da maneira que deseja, e a ir na direção que quer.

Ajudar uma pessoa a mudar da maneira que deseja, e a ir na direção que quer. Introdução Coaching é, na prática, fornecer apoio e feedback positivo ao mesmo tempo oferecendo algum tipo de aconselhamento a um indivíduo ou grupo, a fim de levá-los a perceber as formas de melhorar

Leia mais

A pesquisa e suas classificações FACULDADE DE COSTA RICA Prof.ª NELIZE A. VARGAS. nelizevargas@hotmail.com O que é pesquisa? MINAYO (l993,p.23), vendo por um prisma mais filósofico, considera a pesquisa

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Aprendizagem continuada ao longo da vida o exemplo da terceira idade

Aprendizagem continuada ao longo da vida o exemplo da terceira idade Aprendizagem continuada ao longo da vida o exemplo da terceira idade José Armando Valente * Resumo: A formacao de qualquer individuo, para viver e ser capaz de atuar na sociedade do conhecimento, nao pode

Leia mais

AVALIAÇÃO NA PRÉ-ESCOLA UM OLHAR SENSÍVEL E REFLEXIVO SOBRE A CRIANÇA

AVALIAÇÃO NA PRÉ-ESCOLA UM OLHAR SENSÍVEL E REFLEXIVO SOBRE A CRIANÇA Universidade Federal de Ouro Preto Professor: Daniel Abud Seabra Matos AVALIAÇÃO NA PRÉ-ESCOLA UM OLHAR SENSÍVEL E REFLEXIVO SOBRE A CRIANÇA Capítulo 08-Delineando Relatórios de Avaliação Jussara Hoffmann

Leia mais

Metodologia do Trabalho Acadêmico MTA Professora: Jéssica Fagá Viégas

Metodologia do Trabalho Acadêmico MTA Professora: Jéssica Fagá Viégas ESTRUTURA QUE COMPÕE A ORGANIZAÇÃO DA PESQUISA Projeto de pesquisa: um conjunto de ações determinadas para o propósito de se investigar, analisar e CRITICAMENTE avaliar determinada questão ou problema

Leia mais

Liderança Interpessoal

Liderança Interpessoal Liderança Interpessoal Mauricio Lima Competência 04 Aprendizagem, Mentoring e Desenvolvimento de Pessoas Houve um tempo, e não muito distante, que se valorizava o líder único e absoluto. Conheci vários

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA BIOSSEGURANÇA ELABORADAS POR ACADÊMICOS DE ODONTOLOGIA DA NOVAFAPI

AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA BIOSSEGURANÇA ELABORADAS POR ACADÊMICOS DE ODONTOLOGIA DA NOVAFAPI AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA BIOSSEGURANÇA ELABORADAS POR ACADÊMICOS DE ODONTOLOGIA DA NOVAFAPI INTRODUÇÃO Luana Kelle Batista Moura NOVAFAPI* Francisca Tereza Coelho Matos NOVAFAPI** A Biossegurança é

Leia mais

Processos de Design de IHC (Parte I)

Processos de Design de IHC (Parte I) Interface Homem/Máquina Aula 7 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-00.184 Roteiro da Aula de Hoje

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE ENSINO DE MATEMÁTICA IV: ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DE UM PROJETO PILOTO, CUJO FOCO É O VESTIBULAR

ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE ENSINO DE MATEMÁTICA IV: ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DE UM PROJETO PILOTO, CUJO FOCO É O VESTIBULAR ESTÁGIO SUPERVISIONADO DE ENSINO DE MATEMÁTICA IV: ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DE UM PROJETO PILOTO, CUJO FOCO É O VESTIBULAR Deoclecia de Andrade Trindade Universidade Federal de Sergipe deo.clecia@hotmail.com

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS FEVEREIRO/2014 1 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM CURSOS

Leia mais

COMO ELABORAR UM CURRÍCULO

COMO ELABORAR UM CURRÍCULO 1 COMO ELABORAR UM CURRÍCULO 1 INTODUÇÃO: O QUE É UM CURRÍCULO? Currículo = curriculum vitae = curso da vida É um breve relato, é uma carta onde o profissional expõe sua autobiografia, sua vida, sua personalidade;

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS S DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem

Leia mais

5 Considerações Finais

5 Considerações Finais 5 Considerações Finais Neste capítulo serão apresentadas as considerações finais do estudo. Quando necessário, serão feitas referências ao que já foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores, dispondo,

Leia mais

GESTÃO DE MÉTRICAS. Sistema de Gestão de Métricas

GESTÃO DE MÉTRICAS. Sistema de Gestão de Métricas GESTÃO DE MÉTRICAS 2010 Sistema de Gestão de Métricas SUMÁRIO Sumá rio Introduçá o 1 Processos de Nego cios 2 Instáláçá o 3 Operáçá o 4 Mánutençá o 29 Informáço es de contáto 41 INTRODUÇÃO Introduçá o

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL DO PERSONAL TRAINER: CONSIDERAÇÕES ÉTICAS E DE MARKETING

PERFIL PROFISSIONAL DO PERSONAL TRAINER: CONSIDERAÇÕES ÉTICAS E DE MARKETING PERFIL PROFISSIONAL DO PERSONAL TRAINER: CONSIDERAÇÕES ÉTICAS E DE MARKETING RESUMO: A prática regular da atividade Física e seus efeitos entram no imaginário da população como componentes essenciais do

Leia mais

Por que pessoas têm tanta dificuldade em mudar Por DOMENICO LEPORE

Por que pessoas têm tanta dificuldade em mudar Por DOMENICO LEPORE Por que pessoas têm tanta dificuldade em mudar Por DOMENICO LEPORE Por que pessoas têm tanta dificuldade em mudar Mudança é a parte mais constante de nossa existência: nosso pâncreas substitui a maioria

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: FIM DO MUNDO: MITO OU REALIDADE?

PROJETO DE PESQUISA: FIM DO MUNDO: MITO OU REALIDADE? UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - POLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL PROFESSORA MORGANA BOZZA ALUNAS DA TURMA 71 DA ESCOLA

Leia mais

Qual é o seu desafio?

Qual é o seu desafio? APRESENTAÇÃO Qual é o seu desafio? Quer concretizar uma grande mudança que lhe trará mais sucesso pessoal, profissional ou no seu negócio? Está a lutar com o stress, com a gestão de tempo, quer um maior

Leia mais

CORREÇÃO DA PROVA DE GESTÃO DE PESSOAS STN 2013 Professor: Alyson Barros

CORREÇÃO DA PROVA DE GESTÃO DE PESSOAS STN 2013 Professor: Alyson Barros Caros colegas, como vão? No domingo passado muitos alunos fizeram a prova do STN e aproveito para colocar a parte de Gestão de Pessoas nas Organizações corrigida aqui. Alerto que as únicas que, na minha

Leia mais

Desenvolvendo competências assistenciais e gerenciais em Enfermagem

Desenvolvendo competências assistenciais e gerenciais em Enfermagem 10º ENCONTRO DO CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO Desenvolvendo competências assistenciais e gerenciais em Enfermagem ofa. Dra. Isabel Cristina Kowal Olm Cun p.br NOVOS PARADIGMAS DESTE MILÊNIO NOVOS

Leia mais

Etec Paulino Botelho Rua Marechal Deodoro 3183 Vila Nery São Carlos SP (16) 3371 1027 -www.etepb.com.br. Plano de Trabalho Docente 2ºsem / 2015

Etec Paulino Botelho Rua Marechal Deodoro 3183 Vila Nery São Carlos SP (16) 3371 1027 -www.etepb.com.br. Plano de Trabalho Docente 2ºsem / 2015 Plano de Trabalho Docente 2ºsem / 2015 Ensino Técnico Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos

(1) (2) (3) Estágio II Semestral 6 Inovação e Desenvolvimento de Produtos Turísticos Estági II Semestral 6 Invaçã e Desenvlviment de Prduts Turístics Desenvlviment e Operacinalizaçã de Prjects Turístics Inglês Técnic IV Legislaçã e Ética d Turism Opçã Semestral 4 6/6 Sistemas de Infrmaçã

Leia mais

AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DOS FAMILIARES E AMIGOS DOS LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA SOBRE A ESCOLHA PROFISSIONAL

AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DOS FAMILIARES E AMIGOS DOS LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA SOBRE A ESCOLHA PROFISSIONAL AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DOS FAMILIARES E AMIGOS DOS LICENCIANDOS EM MATEMÁTICA SOBRE A ESCOLHA PROFISSIONAL JOSÉ EDUARDO ROMA (PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO), LAURIZETE FERAGUT PASSOS

Leia mais

PROVA MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA 1 SEMESTRE DE 2010 GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS: GABARITO (SUBSTITUTIVA)

PROVA MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA 1 SEMESTRE DE 2010 GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS: GABARITO (SUBSTITUTIVA) PROVA MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA 1 SEMESTRE DE 2010 GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS: GABARITO (SUBSTITUTIVA) DISSERTATIVAS: 1) A distribuição de freqüências apresentada foi obtida a partir de uma pesquisa com

Leia mais

PAPG-IFES Programa de Apoio a Pós-P Graduaçã. ção o das IFES

PAPG-IFES Programa de Apoio a Pós-P Graduaçã. ção o das IFES PAPG-IFES Programa de Apoio a Pós-P Graduaçã ção o das IFES (Açõ ções propostas em discussão) o) Objetivo Geral Consolidar e expandir os programas de formaçã ção o pós-graduada p de pessoas pelas Instituiçõ

Leia mais

Terceirização no Setor de Confecções: relação de trabalho na percepção do terceirizado

Terceirização no Setor de Confecções: relação de trabalho na percepção do terceirizado Terceirização no Setor de Confecções: relação de trabalho na percepção do terceirizado Dijane Maria Rocha Victor 1 Resumo Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada em 12 (doze) empres

Leia mais

Historia das relações de gênero

Historia das relações de gênero STEARNS, P. N. Historia das relações de gênero. Trad. De Mirna Pinsky. Sao Paulo: Contexto, 2007. 250p. Suellen Thomaz de Aquino Martins Santana 1 Historia das relações de gênero aborda as interações entre

Leia mais

PROPOSTA DE ROTEIRO PARA OS SEMINARIOS PREPARATORIOS DO CAU TRANSICAO, IMPLANTACAO E FUNCIONAMENTO

PROPOSTA DE ROTEIRO PARA OS SEMINARIOS PREPARATORIOS DO CAU TRANSICAO, IMPLANTACAO E FUNCIONAMENTO 1 PROPOSTA DE ROTEIRO PARA OS SEMINARIOS PREPARATORIOS DO CAU TRANSICAO, IMPLANTACAO E FUNCIONAMENTO O Colégio Brasileiro de Arquitetos CBA, após apreciação e aprovação deste documento no dia 1 de junho

Leia mais

Governança da Informação BDQ: geração da PNI AV2 e AV3 GOVERNANÇA DA INFORMAÇÃO BDQ: GERAÇÃO DA PNI AV2 E AV3. Pá giná 1

Governança da Informação BDQ: geração da PNI AV2 e AV3 GOVERNANÇA DA INFORMAÇÃO BDQ: GERAÇÃO DA PNI AV2 E AV3. Pá giná 1 GOVERNANÇA DA INFORMAÇÃO BDQ: GERAÇÃO DA PNI AV2 E AV3 Pá giná 1 Sumá rio 1. Recomendáço es iniciáis 3 1.1 Sobre o Internet Explorer 11 4 2. Ingressár no sistemá 5 3. Gerár provás impressás (PNI) 6 3.1

Leia mais

METODOLOGIA INTRODUÇÃO IMPORTANTE

METODOLOGIA INTRODUÇÃO IMPORTANTE INTRODUÇÃO Este curso de Autoliderança Xamânica tem como objetivo desenvolver integralmente e na prática, os valores e competências dos quatro perfis de liderança xamânicos da Filosofia Terra Xamã. Os

Leia mais

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO 2014 APRESENTAÇÃO Já faz tempo que as empresas estão trabalhando com o desafio

Leia mais

Saber dar e receber Feedback

Saber dar e receber Feedback Saber dar e receber Feedback Imagem de http://sestudo.blogspot.com/ Um presidente da Câmara de Nova Iorque, Ed Koch, passeava nas ruas da cidade e perguntava às pessoas o que achavam do seu desempenho

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE AULA 1. estrutura do curso e conceitos fundamentais. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

ENGENHARIA DE SOFTWARE AULA 1. estrutura do curso e conceitos fundamentais. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com ENGENHARIA DE SOFTWARE AULA 1 estrutura do curso e conceitos fundamentais professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com Sobre o docente Especialista em Desenvolvimento Web (UEM) Mestre em Tecnologia Educacional

Leia mais

Marketing Digital de resultado para PMEs. Monitoramento na Internet A arma competitiva das pequenas e médias empresas

Marketing Digital de resultado para PMEs. Monitoramento na Internet A arma competitiva das pequenas e médias empresas Monitoramento na Internet A arma competitiva das pequenas e médias empresas 1 Sumário I II V Porque monitorar? O que monitorar? Onde monitorar? Como engajar? 2 Por que Monitorar? 3 I II V Nas mídias sociais

Leia mais

A Percepção Ambiental do Ensino Fundamental do Município de Resende

A Percepção Ambiental do Ensino Fundamental do Município de Resende A Percepção Ambiental do Ensino Fundamental do Município de Resende Lucia Maria Aparecido Vieira lucivie3@hotmail.com UBM Denilson Motta denilson.motta@yahoo.com.br Nicoli de Paula Costa de Andrade nicoliandrade@inb.gov.br

Leia mais

REGISTROS PEDAGÓGICOS DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Ilze Maria Coelho Machado PUC-PR Agência Financiadora: CAPES

REGISTROS PEDAGÓGICOS DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Ilze Maria Coelho Machado PUC-PR Agência Financiadora: CAPES REGISTROS PEDAGÓGICOS DE PROFESSORAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Ilze Maria Coelho Machado PUC-PR Agência Financiadora: CAPES Este texto é resultado de uma pesquisa de mestrado que teve como objetivo compreender

Leia mais

Planejar, administrar, desenvolver e implementar banco de dados e sistemas integrados de informacao.

Planejar, administrar, desenvolver e implementar banco de dados e sistemas integrados de informacao. PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000654 - TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Nivel: Superior Area Profissional: 0018 - INFORMATICA Area de Atuacao: 0018 - BANCO DE DADOS/INFORMATICA

Leia mais

O talento como diferencial de carreira... Uma fórmula de sucesso

O talento como diferencial de carreira... Uma fórmula de sucesso O talento como diferencial de carreira... Uma fórmula de sucesso Maiane Bertoldo Lewandowski Consultora de RH Hospital Mãe de Deus TRANSFORMAÇÕES NO MERCADO DE TRABALHO Mudança de modelo mental; Escassez

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular PERÍODO: 1º AD431- ADMINISTRAÇÃO CONTEMPORÂNEA OBRIG 60 0 60 4.0 Fórmula: AD001 AD001- INTRODUCAO A ADMINISTRACAO FUNDAMENTOS TEÓRICOS. DESIGN ORGANIZACIONAL - ESTRUTURA ORGANIZACIONAIS E PROCESSOS ORGANIZACIONAIS.

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000026 - COMUNICACAO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 000026 - COMUNICACAO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000026 - COMUNICACAO SOCIAL - PUBLICIDADE E PROPAGANDA Nivel: Superior Area Profissional: 0006 - COMUNICACAO Area de Atuacao: 0110 - EDITORACAO/COMUNICACAO

Leia mais

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA

CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 761 CRENÇAS DISCENTES SOBRE A FORMAÇÃO EM LETRAS E A DOCÊNCIA EM LÍNGUA INGLESA Fabiana Gonçalves Monti 1, Sérgio

Leia mais

Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional

Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional 9115 Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional 20 de Outubro, 2011 2011 Accenture. Todos os direitos reservados. Accenture, seu logo e High performance. Delivered. são marcas

Leia mais

o meu trabalho e resultante das reflexoes que

o meu trabalho e resultante das reflexoes que A APRENDIZAGEM DE LfNGUA PORTUGUESA NA 5~ S~- RIE DO ENSINO DE PRIMEIRO GRAU: UMA EXPERIBNCIA E PRIN- CfPIOS PARA UMA PROPOSTA DE ENSINO. Esta comunicacao pretende expor as linhas gerais de minha dissertacao

Leia mais

PERFIL DA QUALIDADE NAS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR, ATUANTES NA ASSISTÊNCIA SOCIAL NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL - PR

PERFIL DA QUALIDADE NAS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR, ATUANTES NA ASSISTÊNCIA SOCIAL NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL - PR PERFIL DA QUALIDADE NAS ORGANIZAÇÕES DO TERCEIRO SETOR, ATUANTES NA ASSISTÊNCIA SOCIAL NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL - PR Elizandra da Silva* Resumo: Este estudo objetivou identificar o perfil de qualidade

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DA LEI 13.768/04 GCM

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DA LEI 13.768/04 GCM PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DA LEI 13.768/04 PLANO DE CARREIRA GCM PROPOSTA DE CONFIGURAÇÃO DA CARREIRA A carreira da será composta de: 04 NÍVEIS 10 CARGOS Nível é o agrupamento de cargos de mesma natureza de

Leia mais

Projetos de TI. Orientações. Metodologia para Trabalho de Formatura

Projetos de TI. Orientações. Metodologia para Trabalho de Formatura Orientações FATEC-Itú 1 Metodologia para Trabalho de Formatura Definição: O texto científico é um texto escrito para ser publicado num periódico especializado e tem o objetivo de comunicar os dados de

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO

PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO 1. Identificação do Curso Pós-Graduação em Gestão Estratégica de Recursos Humanos 2. Destinatários Profissionais em exercício de funções na área de especialização do curso ou novos

Leia mais

Competências em Literacia da Informação. Saber usar a informação de forma eficaz Construir um curriculum vitae

Competências em Literacia da Informação. Saber usar a informação de forma eficaz Construir um curriculum vitae Competências em Literacia da Informação Saber usar a informação de forma eficaz Construir um curriculum vitae Ana Isabel Roxo 2013 CURRICULUM VITAE Segundo o Dicionário da Academia de Ciências de Lisboa,

Leia mais

PROJETO FAZER ACONTECER

PROJETO FAZER ACONTECER GOVERNO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAMPUS AVANÇADO SANTOS DUMONT RUA

Leia mais

LIFE JOB 360 UNISAL RELATÓRIO INDIVIDUAL. Uma parceria oferecida por: Maio/2014 Campinas - SP

LIFE JOB 360 UNISAL RELATÓRIO INDIVIDUAL. Uma parceria oferecida por: Maio/2014 Campinas - SP LIFE JOB 360 UNISAL RELATÓRIO INDIVIDUAL Uma parceria oferecida por: 1 Maio/2014 Campinas - SP CARACTERÍSTICAS GERAIS Perfil Alto: D ou I ou S ou C Seu perfil ALTA (SEU PERFIL) Medo básico : Motivadores

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Gerencial. Brasília, Maio de 2014

Programa de Desenvolvimento Gerencial. Brasília, Maio de 2014 Programa de Desenvolvimento Gerencial Brasília, Maio de 2014 A Embrapa Missão Viabilizar soluções de pesquisa, desenvolvimento e inovação para a sustentabilidade da agricultura em benefício da sociedade

Leia mais

TRANSDISCIPLINARIDADE, BIOÉTICA E EDUCAÇÃO

TRANSDISCIPLINARIDADE, BIOÉTICA E EDUCAÇÃO TRANSDISCIPLINARIDADE, BIOÉTICA E EDUCAÇÃO Rita de Cassia Falleiro Salgado 1 - UTP -PR Grupo de Trabalho - Educação, Complexidade e Transdisciplinaridade Agência Financiadora: não contou com financiamento

Leia mais

MARCAS DA AVALIAÇÃO ESCOLAR: FRUSTRAÇÕES E CONQUISTAS

MARCAS DA AVALIAÇÃO ESCOLAR: FRUSTRAÇÕES E CONQUISTAS MARCAS DA AVALIAÇÃO ESCOLAR: FRUSTRAÇÕES E CONQUISTAS Deise de Lima 1 Orientadora - Fernanda Bertoldo 2 Resumo Este artigo tem por objetivo relatar os caminhos da pesquisa desenvolvida durante o curso

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 1º/2014 1. UNIDADE TEMÁTICA:

PLANO DE DISCIPLINA. Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social. Período: 1º/2014 1. UNIDADE TEMÁTICA: PLANO DE DISCIPLINA Faculdade Internacional do Delta Curso: Serviço Social Coordenação: Naiara Magalhães Professor (a): Adriana Barros Disciplina: Pesquisa Social I Carga horária: 60h Período: 1º/2014

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

ATIVIDADES SOBRE GRÁFICOS EM LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

ATIVIDADES SOBRE GRÁFICOS EM LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 ATIVIDADES SOBRE GRÁFICOS EM LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL Marcos Diego de Menezes 1 Liliane M. T. Lima de Carvalho 2 RESUMO O artigo apresenta pesquisa que identifica e caracteriza

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores LEVANTAMENTO E ANÁLISE DAS NECESSIDADES DOCENTES DOS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES

Leia mais

METODOLOGIA DE PESQUISA CIENTÍFICA

METODOLOGIA DE PESQUISA CIENTÍFICA METODOLOGIA DE PESQUISA CIENTÍFICA APLICADA À EDUCAÇÃO Araguaina TO 12 e 13 DEZEMBRO de 2014 Prof. Dr. Kleber Abreu Sousa 1 Ementa: O caráter do conhecimento. A questão do método Científico de Pesquisa.

Leia mais

Seminário de Pesquisa Prof. José Carlos Vinhais

Seminário de Pesquisa Prof. José Carlos Vinhais 1 MANUAL DE ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1 PRINCIPIOS O Seminário de Pesquisa exigido pelo curso de Administração é um projeto de atividades centrado em áreas teórico práticas, e deverá

Leia mais

A gestão de documentos como fator determinante, nas tomadas de decisões estratégicas de uma Organização.

A gestão de documentos como fator determinante, nas tomadas de decisões estratégicas de uma Organização. A gestão de documentos como fator determinante, nas tomadas de decisões estratégicas de uma Organização. Universidade de São Paulo Faculdade de Odontologia de Bauru Seção de Expediente Proposta Trabalho

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 001844 - TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLV.DE SISTEMAS Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 001844 - TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLV.DE SISTEMAS Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 001844 - TECNOLOGIA EM ANALISE E DESENVOLV.DE SISTEMAS Nivel: Superior Area Profissional: 0018 - INFORMATICA Area de Atuacao: 0021 - OPERACAO

Leia mais

IMPACTO DO SISTEMA DE GESTÃO NA SUSTENTABILIDADE DAS EMPRESAS

IMPACTO DO SISTEMA DE GESTÃO NA SUSTENTABILIDADE DAS EMPRESAS IMPACTO DO SISTEMA DE GESTÃO NA SUSTENTABILIDADE DAS EMPRESAS Sandra Regina Gerente do Sistema Integrado de Gestão IDEOLOGIA MISSÃO Oferecer serviços de excelência em medicina laboratorial. VISÃO Ser referência

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SAO JOSE DOS CAMPOS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SAO JOSE DOS CAMPOS ANEXO II - PLANO PLURIANUAL - PPA - a DESCRIÇÃO DOS PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS / / CUSTOS Exercício PROGRAMA : ADMINISTRAÇÃO CÓDIGO : 2 UNIDADE RESPONSÁVEL : SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E DA

Leia mais