Caminhada guarani e kaiowá: jogo de inter-relações tradicionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caminhada guarani e kaiowá: jogo de inter-relações tradicionais"

Transcrição

1 Caminhada guarani e kaiowá: jogo de inter-relações tradicionais Profa. Dra. Marina Vinha UFGD/Licenciatura em Educação Física e Mestrado em Antropologia Ministério do Esporte Resumo O objetivo do estudo é o de registrar as inter-relações das caminhadas dos indígenas guarani e kaiowá, habitantes no Mato Grosso do Sul, Brasil. A fundamentação teórica pautou-se em conceitos eliasianos, na compreensão de cultura imaterial elaborada por Gallois e em dados obtidos por indígenas pesquisadores de suas próprias culturas. A metodologia dialoga com os significados das caminhadas e os processos civilizadores, com ênfase nas relações de poder e na empiria trazida pelas narrativas indígenas. Nas considerações finais, o eixo territorialidade/caminhada mostra um jogo de inter-relações que já foi possível, e os indícios do que hoje nos é dado compreender. Palavras chave: Jogo. Poder. Guarani e Kaiowá. Abstract Guarani and Kaiowa walking: traditional interrelationships game The objective of the study is to register the interrelationships of walking from Guarani and Kaiowa indigenous, residents in Mato Grosso do Sul, Brazil. The theoretical framework was based on eliasianos concepts, understanding of immaterial culture developed by Gallois and data obtained by researchers of their own indigenous cultures. The methodology dialogues with the meanings of hiking and civilizing processes, with emphasis on power relations and empirical brought by indigenous narratives. In the final, the axis territoriality / walking show a set of interrelationships that was once possible, and the evidence of that is given us to understand today. Key words: Game. Power. Guarani and Kaiowá. Introdução O presente artigo denominado Caminhada Guarani e Kaiowá: jogo de interrelações tradicionais advém de um recorte da Coletânea de Atividades Lúdicas Guarani e Kaiowa 1, livro 2 em fase de organização por Vinha e Rossato (2012), com dados obtidos em pesquisas orientadas e realizadas por participantes do Curso Normal Médio Ára Verá (tempo e espaço iluminados) específico para a formação de professores indígenas desta etnia, realizados no período de 2002 a O título do artigo remete à abordagem da caminhada enquanto jogo, por entender as relações de poder no sentido eliasiano, como elemento integral de todas as relações humanas (ELIAS, 1980, p. 80). Os jogos de poder não podem ser explicados 1 Em andamento visando publicação. 2 Projeto aprovado pelo Ministério do Esporte, com recurso do Programa REDE CEDES

2 isoladamente das figurações, pois perderíamos a compreensão da interdependência humana. O autor entende essa interdependência, ou os complexos e inerentes problemas de interpenetração, retratando-os como jogos reais, embora semelhantes ao xadrez, bridge e futebol. O título completa-se com a expressão inter-relações tradicionais o qual figura os Guarani em um contexto social interdependente, sustentando uma resistência quanto às suas tradições. O título, portanto, trata da caminhada dos indígenas Guarani e Kaiowá e os contextos do jogo de poder em processos de longa duração (ELIAS, 1980). O objetivo do estudo é o de registrar saberes e inter-relações promovidas pelas caminhadas dos indígenas guarani e kaiowa, habitantes de Mato Grosso do Sul, Brasil. A relevância da pesquisa está na recuperação da imaterialidade dos modos de ser guarani e kaiowá, com ênfase nas caminhadas. Para o mundo acadêmico, a relevância desse tipo de pesquisa abrange a possibilidade de produzir conhecimentos sobre uma população econômica e socialmente empobrecida, cotidianamente presente no meio urbano da região da Grande 3 Dourados, Mato Grosso do Sul, em uma histórica luta por seus territórios e territorialidades, da qual nós, pesquisadores e habitantes da cidade, nos envolvemos de diferentes formas. Relevante também para os próprios guarani e kaiowá que ao terem registro dos jeitos de viver do seu povo, protagonizam-se enquanto sujeitos históricos, portadores de cultura diferenciada, assim como, o estudo torna-se denunciante de um quadro de mudanças de comportamento, cujas relações de poder foram e são muito assimétricas. A fundamentação teórica pautou-se em elementos conceituais elaborados por Norbert Elias; na compreensão de cultura imaterial vinda de Dominique Gallois; e em dados obtidos por alunos indígenas pesquisadores de suas próprias culturas, orientados por Marina Vinha e Veronice L. Rossato. Outros autores contribuem na organização do pano de fundo teórico, citados nas referências. A metodologia estabeleceu um diálogo entre significados atemporais das caminhadas guarani e kaiowá e os processos civilizadores, com ênfase nos seguintes fatores: (i) o poder como característica estrutural de todas as relações humanas (Elias, 1980, p.81); e (ii) as narrativas de dois indígenas, as quais vêm da oralidade, portanto, remontam vivências atemporais. Essa introdução situa o leitor ao contexto da população indígena no Brasil, a qual alcança aproximadamente 800 mil pessoas, que se autodeclararam indígena, segundo o IBGE (2010). No Estado de Mato Grosso do Sul, o povo Guarani e seus diferentes grupos [Ñandeva, que se autodenominam Guarani; e Kaiowá] alcançam uma população de 47 mil pessoas, distribuídas em 30 áreas indígenas. As áreas indígenas, também denominadas Terras Indígenas (TIs) podem ser de dois tipos: Reservas ou Terras Tradicionais Recuperadas, estas podem estar em processo de retomada. Elas estão localizadas em 17 municípios 4 do estado de Mato Grosso do Sul, na maioria localizada na fronteira com o Paraguai. As TIs pertencem legalmente à União [Estado-nação] são juridicamente vinculadas a um dos estados nacionais e a um município 5. Esta figuração estatal desencadeia um tipo de inter-relação 3 Grande Dourados representa o conjunto dos 38 municípios que compõem a região do Cone Sul, do Estado de Mato Grosso do Sul, tendo Dourados como polo econômico, de oferta de saúde pública e privada, oferta de ensino superior mais qualificado, dentre outros fatores. 44 O estado de Mato Grosso do Sul é composto por 73 municípios. 5 Municípios são unidades administrativas que compõem os estados nacionais. 2

3 conflituosa para os indígenas, envolvendo outros segmentos populacionais, principalmente rurais. A figuração dessa realidade vem da extrapolação das TIs, as quais qualificam seus limites geopolíticos e adquirem significados identitários, transformando-se em territorialidade para cada etnia. A interdependência territorialidade/caminhada está argumentada no decorrer do texto. São várias as denominações de caminhada identificadas pelos indígenas pesquisadores: caminhada para a caça, caminhada para visita, caminhada vamos passear, caminhada sem hora pra chegar, dentre outras. Nas considerações finais argumentamos tendo os temas territorialidade/caminhada como eixo de um jogo de inter-relações que já foi possível e indícios do que hoje nos é dado compreender, sob as recentes inter-relações dos novos jogos de poder. Territorialidade Na especificidade guarani e kaiowá, a territorialidade, ou tekoha, significa aldeia/território. É o lugar em que vivem segundo seus costumes [teko] e consiste em espaços físicos apropriados e transformados mediante a cultura, os conhecimentos e as tecnologias de cada etnia. De origem na língua Tupi, os que se autodenominam kaiowá (ka aguygua) se consideram povo da mata, e os que se autodenominam guarani significa guerreiro. A caminhada, denominada oguata, era uma atividade presente em ambos os povos. A atribuição de jogo à caminhada deve-se ao fato dessa atividade estar permeada por significados, relações de poder e jeitos de ser e de fazer, característicos da sociogênese e psicogênese desse povo. Jogo é uma denominação polissêmica. Ora é usado para brincadeira, ora para esporte, ou para designar formas de relacionamento, dentre outros. No presente estudo, jogo reporta à figuração territorialidade/caminhada, constitutiva do que consideramos patrimônio cultural imaterial, por seu enraizamento na tradição étnica guarani. Gaillois (2006, p. 20) ao tratar da imaterialidade cultural indígena reporta-se à UNESCO, afirmando que a Convenção de 2003 para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial enfatiza que o o termo autenticidade, tal como aplicado ao patrimônio material, não é adequado para identificar e salvaguardar o patrimônio cultural imaterial, considerando que este é constantemente recriado. Dessa forma, a autenticidade de uma expressão ou tradição cultural só pode ser avaliada no contexto específico em que foram/são produzidas e transmitidas, no caso eliasiano, diríamos nas inter-relações da sociogênese e psicogênese de cada povo ou grupo étnico. A autora (p. 20) esclarece ainda que, aproximadamente 14 anos antes da referida Convenção de 2003, o Brasil ratificou durante a Convenção sobre a Diversidade Biológica, em 1998, descrevendo o saber tradicional como incluindo conhecimentos, práticas e sobretudo - inovações. O que é tradicional no saber tradicional não é sua antiguidade, mas a maneira como ele é adquirido e como é usado. Com este argumento adotado pelo presente estudo, temos os saberes tradicionais não como enciclopédias estabilizadas de conhecimentos ancestrais, mas formas particulares, continuamente colocadas em prática na produção dos conhecimentos. Tradição não se configura algo fixo e inerte; mas, sim, algo paradoxalmente dinâmico na manutenção de saberes, embora variando na forma e na apresentação. Assim, o teko [vida, sistema de vida] está, e desde sempre esteve, sob a dinâmica de transformações sociais e culturais, vindas com as relações de contato com outras sociedades indígenas, com a sociedade nacional e com a mídia globalizante. Muitos desses contatos são indesejados, mas contribuem para alterar o teko. Por isso, a atual 3

4 condição da maioria dos tekoha, submetidos ao confinamento territorial e a contínuas ameaças de perda da terra, inviabiliza a prática da caminhada (oguata), o que parece estar direcionando-a para a literatura, o esporte, a prevenção, como memórias e imaterialidade. Territorialidade/caminhada vem se consolidando em longo curso 6, cujas relações humanas de poder foram, por muito tempo, bipolares 7 e desferiram golpes consecutivos no sistema guarani (teko). Oliveira e Freire (2006, p. 17) argumentam que a história do Brasil foi descrita como a história da colonização, caracterizada pela transferência de instituições, de pessoas e conhecimentos para um cenário não europeu e sobre o qual estabeleceram um progressivo controle; assim como a descoberta do país passou a ser um acaso feliz de mudança de rota marítima e o encontro com os indígenas descrito como integrado por surpresa e estupor. Dessa forma, os relatos históricos exacerbaram a diferença na experiência humana, enfatizando unilateralmente o distanciamento de usos e costumes e, de tanto ser reiterado, consolidou a imagem do indígena como estática e impositiva. Nessa relação fortemente bipolar, a retórica do colonizador, com a entrada sertão adentro, atravessando terras habitadas pelos índios, virou uma epopeia, por meio da qual os colonizadores iriam semeando a civilização. A crise contínua tem colocado em risco a sobrevivência do grupo, principalmente porque, sem terra, não há condições de exercer a economia de reciprocidade (teko joja), característica do sistema de cooperação da família extensa. A família extensa é a unidade básica da organização social dos guarani e kaiowá. Tal figuração, com as relações cooperativas em baixa, também inibem ou inviabilizam as caminhadas. De forma mais grave, comprometem as condições constitutivas da economia própria do grupo, resultando em miséria, doenças e violência que tomam conta contemporaneamente de muitas famílias. Caminhada Inicio com um parêntese para trazer uma breve reflexão fisiológica da locomoção humana. A ciência ocidental fundada no paradigma mecanicista entende a locomoção humana como um complexo sistema formado por ossos, órgãos, cartilagens, músculos e articulações. O rígido material ósseo nos permite dar impulso e nos segurar nas quedas, enquanto músculos e esqueleto se interagem fazendo o corpo se mover. Dentre os movimentos locomotores 8 fundamentais, a locomoção é fundamental no aprendizado do movimentar-se pelo ambiente. O padrão locomotor da caminhada pode ser usado sozinho ou em conjunto com movimentos manipulativos e equilibradores. A locomoção envolve a projeção do corpo no espaço externo, alterando sua localização relativamente a pontos fixos da superfície (GALLAHUE e OZMUN, 2005, p. 252). Segundo os autores, (p. 224), a corrida é um desdobramento da caminhada, uma forma exagerada de caminhar, em que há uma breve fase aérea em cada passada, na qual o corpo fica sem contato com o solo. Esse processo de perder e recuperar o equilíbrio continuamente, em movimentos para frente, em posição ereta, é adquirido com independência em torno de um ano e meio aproximadamente. No entanto, muitas alterações sutis continuam a ocorrer no padrão de caminhar, sem que sejam percebidas visualmente. O acompanhamento desse 6 No caso o estudo traz fatos historiados desde o período pré-colonial, anterior a O equilíbrio de poder nas relações humanas são pelo menos bipolares, mas usualmente são multipolares, explica Elias (1980, p.80). 8 Movimentos fundamentais: locomoção, manipulação e equilibração. 4

5 silencioso processo interno requer equipamentos como filmes e técnicas eletromiográficas, afirma WICKSTROM (1983 apud GALLAHUE e OZMUN, 2005, p. 252). O parêntese para tratar dessa capacidade motora, deve-se ao fato de que a atribuição de significados à caminhada amplia de tal maneira seu aspecto motriz, que pode nos levar ao esquecimento dos fatores físicos desse belíssimo movimento humano. Entre os Guarani e Kaiowá a caminhada, oguata, o deslocamento em busca da terra sem mal extrapola o contexto da conquista humanoide da bipedia e se estabelece no político e na cultura, como patrimônio imaterial. A língua guarani, cujo tronco linguístico é o Tupi, e quase todas as línguas do tronco Tupi, segundo Rodrigues (1964) se encontram na região do Guaporé, no alto Rio Madeira. O fato leva o pesquisador a aceitar este local como centro de difusão da língua Tupi, as quais alcançam 28 desdobramentos, sem contar os dialetos e as variedades que existem no seio de algumas delas. Por exemplo, na língua guarani subsiste pelo menos seis variedades dialetais sendo falada entre os povos (a) Pãi-Kaiowá e Avá-Ñandeva no Brasil; (c) Mbyá que habita a Argentina, Brasil e Paraguai; (c) Guarayos e os Ava, conhecidos como Chiriguaná, habitantes na Bolívia; e (d) do Paraguai. O que levou a língua guarani a se espalhar? Rodrigues (2004) concorda com a difusão desta língua atribuída aos movimentos migratórios guarani, cuja característica era a de afastar os diversos grupos de seu local de origem. Hoje, tais desdobramentos formam o que denominamos a grande nação guarani, resultante dessas ondas migratórias. Aceita a coerência dos movimentos migratórios, temos aqui um começo, digamos atemporal, muito significativo do aguata (caminhada). Sem outras formas de comunicação, a não ser a oralidade, estando ausente a tecnologia da comunicação contemporânea, a língua estava dependente do contato pessoal, mesmo que de diferentes formas. Isentos também de meios de locomoção mais eficazes, dependiam tão somente do próprio corpo. O contexto migratório dos kaiowá e guarani interessa a esse estudo por enfatizar a caminhada, visto serem estes indígenas pedestres. Guata significa caminhar, andar, viajar ou passear, segundo o dicionário do jesuíta MONTOYA (apud HERNE, 2012, p. 1). O caminhar faz parte da vida do guarani, povo da mata, pois esse ambiente era entrecortado de caminhos, mesmo que invisíveis ao olhar não indígena, com trilhas de pessoas e de animais. Mensurando em aproximadamente dois séculos, já rareavam as matas para a prática das caminhadas. Outro fator relevante das caminhadas dos Guarani é a busca incansável de um mundo terreno, mas especial, cunhada na expressão terra sem mal. Esta busca outorgou aos Guarani um caráter de modernidade notável, pois uma experiência indígena se tornou exemplar e paradigmática para se trabalhar uma realidade mais ampla e geral, como é o projeto de uma sociedade mais solidária e humana, argumenta Herne. Inter-relações: territorialidade / caminhada Em sua pesquisa de mestrado, Rossato (2002, p. 46) sistematizou algumas ideias sobre oguata (caminhar, peregrinar). Estar a caminho (oguata) é um componente essencial para o modo de ser dos Kaiowá e Guarani, os quais têm a migração como história e como projeto, e estão sempre em busca de uma terra sem males, que lhes sirva de base ecológica para o desenvolvimento de seu modo de ser. 5

6 Brand (2000, p.6) explica que [...] o deslocamento espacial sempre foi a grande estratégia kaiowá [e guarani] para a superação de conflitos e tensões internas. O fenômeno da oguata dentro do território Kaiowá e Guarani (ñane retã), tendo em vista a busca de outro lugar para construir novas aldeias, ocorria toda vez que determinadas condições tornavam indesejável a permanência naquele local. (...) Hoje, no entanto, esclarece Rossato, o deslocamento em busca de novos espaços tem sido impossível, uma vez que seu território foi drasticamente reduzido, aumentando, na mesma proporção, as razões para não mais praticarem a oguata. Como não têm mais para onde ir, se obrigam a permanecer num ambiente confinado, situação que faz aumentar a violência e os desequilíbrios, principalmente nas Reservas. A autora interpreta: Como nunca, a terra foi tão coberta de males e os Guarani e Kaiowá acabaram ficando confinados em diminutos pedaços de reservas. Junto ao encolhimento territorial veio também o encolhimento da sua liberdade de expressão, principalmente religiosa, de movimento e de caminho (oguata). (ROSSATO, 2002, p.46 e 47). Comentando a realidade da caminhada na vida dos Guarani e Kaiowá, baseada nos vários ensinamentos recebidos dos rezadores, a indigenista Rossato (2012) explica que, apesar da consciência dos males que assolam a terra, este povo ainda busca uma terra tranquila, fria, sem enfermidades e conflitos. E se não conseguem encontrá-la no mundo terrestre, buscam no mundo espiritual, através da reza, que também reproduz a caminhada dos deuses, a exemplo da caminhada feita por Kuarahy e Jacy, segundo o mito de origem dos irmãos gêmeos. Segundo ela, mesmo depois da morte física, a alma busca o caminho. Caso a pessoa se suicide, essa alma não encontra o caminho e fica vagando e perturbando os vivos. A reza/caminhada seria uma forma de ajudar essa alma em seu caminho. Por isso, Rossato afirma que, apesar de se refugiarem numa busca espiritual, os Kaiowá e Guarani ainda não desistiram de encontrar uma terra real, onde possam expressar seus modos de ser. Conforme BRAND (1997 apud ROSSATO, 2002, p. 47) [...] na motivação que os impulsiona a caminhar aparece claramente a necessidade de ter um lugar onde lhes seja possível viver em segurança seu antigo modo de ser. Rossato explica que esse lugar é uma terra onde os Kaiowá e Guarani possam andar livremente, uma terra que possa ser cultivada, ocupada, humanizada e aperfeiçoada pela palavra, através de sua manifestação de reza-canto-dança, com a qual eles alcançam o aguyje, que é o caminho da plenitude e da perfeição (2002, p. 43 e 47). No tempo em que as figurações geopolíticas permitiam, oguata era um evento da família extensa. Caminhavam juntos os idosos, adultos, jovens, crianças e animais. Embrenhavam-se na mata buscando renovar as relações parentais, levar a cura, coletar e caçar alimentos, semear, ou fugir de uma situação insustentável. Nem todas as caminhadas eram lúdicas, pacíficas, indolores. Medo das surpresas vindas da mata, o ataque de seres inumanos, os assaltos vindos de animais peçonhentos os rondavam durante o percurso nos amplos espaços dos tekoha. A seguir, apresento dois relatos de caminhadas, pesquisados e escritos por alunos da primeira turma do Curso Ára Verá, ao entrevistarem o cacique Juliano Martin, de 65 anos, Ava Tupã Iverai, o qual descreve a caminhada da seguinte forma: A caminhada tradicional se chama em guarani ojovia (visita). Ojovia quer dizer visita, antigamente chamava assim. Quando as pessoas vinham de um lugar para outra banda da aldeia, iam somente as pessoas escolhidas, ali iam se fazendo visitas. E esta caminhada levava três ou mais dias, se era longe demoravam mais de três dias. Na aldeia que foram ficavam sete dias para rezar e falar com ñanderyre y oke ndaju. Durante sete dias estavam falando, ou seja, já faziam tudo o que iam fazer. Quando estavam indo para outras aldeias caminhavam 12 ou 15 pessoas, o yvyra ija (os servidores de Deus) os 6

7 acompanhava e também as pessoas iriam fazer este trabalho. Este estava falando com Tupã (Deus) e depois voltam para sua casa, após tudo resolvido. As pessoas também quando recebiam o convite do outro lado se preparavam. Não comiam mais qualquer tipo de comida, se não o peixe. Comiam só o peixe antes de iniciar o caminho. Os objetos que levavam para lá são: mimby (flauta), jeguaka (cocar), kyha (rede), yvyra rosajué três pares de roupa. As roupas que levavam eram somente para vestir durante o percurso. Todos os rezadores reuniam-se para lembrar e falar com Tupã. O período que se fazia nesta caminhada era de 27 de janeiro até 27 de agosto. Esse era o tempo mais marcado para essas visitas. Esta caminhada ocorria porque havia casos em que, às vezes o médico não índio não conseguia curar uma pessoa que estava doente e então chamavam um cacique para ir comparecer ali e ver se estava enfeitiçado. E o cacique antes de sair dançava e rezava três dias antes de ir pra outro lado [da aldeia]. Quando estava faltando uma semana os yvyra ija já se comunicavam uns com os outros e enquanto isso o cacique já escolhia quem levaria com ele. Na aldeia onde o cacique estava sendo chamado, o chefe da casa já preparava o lugar para os rezadores poderem ficar ali. Os visitantes, para não sentarem em qualquer lugar, levavam a rede, assim quando chegassem já amarravam a rede para sentar ali. E o anfitrião já preparava uma comida para os seus hóspedes. O relato pode ser situado no tempo em que o Estado-nação já estabelecera organizações para intervir em áreas indígenas, conforme referência ao médico não índio. Aponta, porém, para um período em que os rezadores (pajés) eram imprescindíveis e reconhecidos nos seus conhecimentos de cura para males físicos e outros de origem extrafísica. Os membros indígenas dos dois lados das aldeias dominavam a etiqueta no trato com a recepção aos rezadores [sociogênese], sobre o lugar que eles ocupavam nas inter-relações coletivas, as quais podem ser caracterizadas como sendo de pouca complexidade, circunscritas às teias de interdependência curtas, conforme teoria eliasiana. A psique dos membros do grupo também estava compatível com a presença de seres inumanos permeando suas vidas. Não obstante a caminhada fosse imprescindível, devido à necessidade de deslocamento para o outro lado da aldeia, o processo do antes, durante e depois a caracteriza enquanto ojovia 9, ou seja, um evento tradicional, uma forma particular continuamente colocada em prática na produção dos conhecimentos, explica Gaillois (2006, p. 20). O segundo relato, trazido pelas pesquisadoras indígenas, foi descrito pelo Sr. Leonardo Velasque, 73 anos, sobre a caminhada tradicional. Tradicionalmente caminhada é chamada ojopohu (visita). E ojovia é diferente de ojopohu. Ojovia significa quando alguém tinha mandado convite para outro. Convidar os seus parentescos para uma festa que iria realizar no local de tal aldeia, isso que se chama ojovia. E o ojopohu é quando alguém está indo visitar a outra. O tempo de viagem dura dois ou três dias, ali onde realiza a festa demoravam mais ou menos três dias conforme a realização da festa. Para ir nessa festa, por exemplo, levavam as roupas mais bonitas para vestir durante estivesse na festa. Objetos que levavam são arco e flecha. Sabe por que estavam levando isso? Às vezes, no caminho onde estão indo acham alguma coisa, caçam para o mantimento durante o caminho. Quando matam algum bicho, ali mesmo preparavam fogueira e assavam para comer e depois continuavam o seu caminho. O objetivo da caminhada é chegar onde querem chegar, de estar presente onde deve estar. Esta caminhada é realizada em 9 No dicionário de Montoya, do século XIX, oguata refere-se à caminhada; e na pesquisa empírica, realizada no século XX por indígenas utilizam o termo ojopohu. 7

8 qualquer hora. Essa caminhada significa, porque não tinha carro, cavalo, etc. para realizar este caminho. Porque na época era difícil achar ou arrumar carona para fazer visitas na outra aldeia, as pessoas iam caminhando, fosse só de a pé. Mesmo que era longe era importante estar presente nesse evento. Não iam só à festa, mas também para caçar e pescar. Tem algumas pessoas que rezam antes de sair para não acontecer nada mal durante estão no caminho. O relato contribui para ampliar o estudo, ainda em andamento, ao mostrar um vocabulário específico para a comunicação sobre etiquetas sociais guarani: ojovia (convite), ojopohu (ato de visitar alguém) recorrendo ao oguata (caminhada). Levavam roupas diferenciadas, melhores e mais bonitas, e tecnologias para a caça com vistas à sobrevivência durante o percurso. Territorialidades e caminhadas hoje A teia inicial, que antecedeu e preponderou logo após o período colonial, constituía-se por relações entre indígenas do tipo competição primária. Elias (1980, p.83) ao sistematizar as relações sociais em modelos de jogos, compreende a competição primária como um tipo de inter-relação de poder sem regras com características de envolvimento por dois ou mais grupos, convivendo sob uma interdependência funcional 10. A funcionalidade dessa relação está no fato de que os antagonismos de ambos os grupos são razoavelmente estáveis. Por exemplo, os grupos são rivais quando necessitam recolher alimentos para a sobrevivência, mas, por outro lado são dependentes um do outro, pois as estruturas internas dos grupos são determinadas pelo que cada um pensa que o outro irá fazer. Assim, as funções são recíprocas já que estão fundamentadas nas coerções que exercem mutuamente. As relações de poder sob o referido modelo de interdependência eram mais intelectuais, ou seja, baseadas no que um pensava do outro. Nesse contexto, supomos as caminhadas sendo desenvolvidas de maneira predominantemente saudável e agradável, de forma a marcar saudosamente a memória ancestral. Mesmo com ameaças vindas das intempéries da natureza, os eventuais conflitos envolvendo outro grupo étnico, a descomplicação espacial e temporal, a fartura em frutas, caça e pesca, e a ausência de limites geográficos a positivavam. A dinâmica das relações ampliadas, dos contatos desejados e indesejados, dos contextos políticos do Estado-nação enreda a caminhada em outras teias, em outros modelos de jogos, ampliando-a, cercando-a com obstáculos como: a posse de terra, os limites das unidades municipais e estaduais, as fronteiras entre países, as demarcações de terras intra-etnias, o confinamento em pequenas áreas, os tentáculos urbanos a invadirem terras indígenas. Para os Guarani e Kaiowá da região da Grande Dourados, a realidade contemporânea é essa. As aldeias mais próximas da área urbana são a aldeia Bororó e a Jaguapiru jurisdicionadas ao município de Dourados-MS. Hoje, não falam mais em caminhadas, no sentido dado pelos relatos tradicionais. Nem para a cura, nem para visitas, nem para a caça. O deslocamento que se vê são empobrecidas famílias extensas em suas carroças puxadas por sofridos animais. Muitas são guiadas por mulheres chefiando um 10 Não adotamos a compreensão de função como tarefa de um ou outro, dentro de determinado contexto. Funções sociais referem-se às situações que constrangem as pessoas, com maior ou menor amplitude conforme Elias (1980, p. 84). 8

9 grupo composto por outras duas mulheres, um ou dois bebês ainda se alimentando no peito e envoltos em cobertores, crianças na primeira infância e na segunda, enquanto os jovens seguem montados em bicicletas, colados à carroça apoiados com uma das mãos. Os cães seguem do lado de fora, esfomeados, mas de aparência alegre acompanhando a família da qual fazem parte. A maioria dos homens está no corte da cana-de-açúcar, agora visando a fabricação do etanol. A família segue da aldeia em direção ao centro da cidade e aos bairros de classe alta. Pedem nas portas, vendem legumes, as crianças buscam novidades nos descartes deixados nas portas das casas. As mães sentam-se sob as árvores enquanto amamentam os pequenos. A falta de água nas aldeias deixa as crianças desalinhadas, embora seja impossível não ver a beleza dos traços, a vivacidade no olhar e uma descontração saltitante nas ruas e calçadas, enquanto a carroça fica estacionada sob o sol escaldante. Em aldeias mais distantes, localizadas em áreas afastadas de algum centro urbano ainda é possível realizar caminhadas, agora breves no tempo e curtas na distância, pois as aldeias estão delimitadas. E todo cuidado é pouco, pois avançar nos espaços de terras particulares tem custado a vida de muitos indígenas! Contudo, os Guarani e Kaiowá representados por professores cursando a Licenciatura Intercultural Teko Arandu (viver com sabedoria) afirmam durante as aulas que se mantêm construindo continuamente sua maneira de ser. A gestão do seu povo, de forma geral, vem dos rezadores. Os rezadores mais antigos têm mais espírito de sustentabilidade e as pessoas mais idosas têm roças e ainda guardam sementes de milho de tipos variados. Este fato é um orgulho para eles, pois recentemente começam a registrar suas técnicas de armazenamento de sementes, reconhecendo-as como tecnologia étnica. Sobre suas condições no presente, dizem que muito do conhecimento não está sendo repassado porque se criou outro futuro. É um grande engolimento vindo das sociedades que não são nossas. Em contrapartida, os alunos indígenas/professores afirmam que há uma recuperação da língua guarani sinalizando que recuperam modos próprios, mesmo que renovados no atual contexto de suas terras e territorialidades. A resistência guarani e kaiowá é fato reconhecido por todos os estudiosos de suas particularidades. De tal forma que Landa (2005, p. 50) distingue: [...] terra e território são conceitos que se inter-relacionam em seus aspectos físicos, sociais, culturais e religiosos, mas apresentam diferenças entre eles. A terra é o suporte físico e o território é a possibilidade de viver em plenitude o modo de ser Guarani. A concepção de terra dos índios ñandeva/guarani e kaiowá não apresenta simetria com o que a sociedade nacional tem sobre ela. A terra para os Ñandeva/Guarani e Kaiowá, neste momento histórico, é o horizonte a ser perseguido, e ao mesmo tempo, é a força motriz que os mobiliza para a ação e superação das adversidades presentes no seu devir. O presente estudo fica limitado neste ponto, quando nos certificamos de que terra, territorialidade e caminhada estão fortemente inter-relacionadas. Diferentes formas de caminhar, de visitar, de curar estão em processo de estudos. Outras figurações estão sendo estabelecidos em jogos de poder mais extensos, alguns invisíveis por serem processos cegos, outras vezes pelo desequilíbrio na balança de poder que deixa rastro de violência contra esse povo. 9

10 Considerações finais Com o objetivo de registrar saberes e inter-relações promovidas pelas caminhadas guarani e kaiowá, o estudo trouxe figurações em diferentes tempos. Estas, sob meu ponto de vista, apontam para uma fragilidade na busca da terra-sem-mal, assim como retrata a caminhada que era/é uma atividade democrática e generosa, bastante diferente das possíveis atividades de locomoção contemporâneas - esportivas, preventivas, lúdicas, dentre outras. O oguata tem ainda o perfil de ação deliberada, disciplinada, com objetivos muito bem definidos e multifacetados, multidisciplinares", explica Rossato (2012). A oguata foi realizada em períodos anteriores, antes e pós-colonização, mas no seu longo curso parece estar esvaziado da substância significativa, frente às ampliações da rede de figurações com o Estado-nação de forma geral e com as sociedades não indígenas urbanas e rurais. A esperança na busca da retomada de processos semelhantes ao oguata estão impossibilitados pelo transcurso dos acontecimentos nas sociedades globais e locais, que lhes desfere golpes consecutivos (ELIAS, 1980, p. 30). Mas, as relações humanas não são estáticas, mesmo que sejam cegas em longo prazo, os modos de ser, os saberes são renovados e a imaterialidade dos processos sociais se transformam. Para compreendê-los, Elias (p. 180) reforça o fato de que os [...] conceitos como os de cultura, civilização e tradição, usados num sentido estático, podem ser muito enganadores quando se referem a sequências configuracionais em longo prazo. Com esta base teórica, iniciamos a compreensão da natureza da caminhada [oguata]. E do ponto de vista físico pode haver possibilidades de sua transformação via esporte, via atividade física preventiva para a saúde, alimentando relacionamentos de parentesco; assim como poderá ser incrementada com a bicicleta, vinculada em danças hip hop. Contudo, na perspectiva da imaterialidade cultural essa possível transformação indica o não envolvimento da família extensa. Compreendemos que sob a intervenção dos rezadores, os quais se renovam como gestores da identidade guarani e kaiowá, a força da resistência étnica trará mudanças pertinentes à sociogênese e psicogênese do grupo guarani. E, mais confiantes, entendemos que a sustentabilidade espiritual mediada por eles está a um passo de se consolidar academicamente, com o gradativo reconhecimento dos fluídos de energia imanente das matas, das águas e dos animais, como elementos de curas para os males de uma terra já presente, cujas mazelas são predominantemente compelidas por pessoas, ou por grupos que as exercem sobre os demais, agora menos impunemente. A visibilidade do processo civilizador de longo curso é a opacidade, incontrolável para os próprios indivíduos ou grupos que as originam, portanto sujeitos a viradas nos jogos de poder, como a que os indígenas com suas organizações políticas estão a delinear na concretude dessa terra com males. Este é o mote deixado por Elias (p. 181) que abre perspectivas para a renovação da oguata guarani e kaiowá. Referências ELIAS, Norbert. Introdução à Sociologia. Edições GALLAHUE E OZMUN (2005). Compreendendo o desenvolvimento motor bebês, crianças, adolescentes e adultos. Phorte Editora, GALLOIS, Dominique T Patrimônio Cultural Imaterial de Povos Indígenas. Documento Base 2º Seminário Regional do Iepê: Experiências Indígenas em gestão e 10

11 pesquisa de patrimônios culturais no Amapá e norte do Pará. Obtido em: LANDA, Beatriz. Os Ñandeva/Guarani o uso do espaço na Terra Indígena Porto Lindo, município de Japorã/MS. Doutorado. PUCRS, Brasil Revista Tellus. Obtido em: 13 Ag HERNE. Oguata - a caminhada Guarani. Blog Chacaruna. Obtido em: Postado dia 22 fev OLIVEIRA, João Pacheco e FREIRE, Carlos Augusto da Rocha. A presença indígena na formação do Brasil. Brasília: Ministério da Educação, secretaria da educação continuada, alfabetização e diversidade. LACED/Museu Nacional, ROSSATO, Veronice Lovato Os resultados da escolarização entre os Kaiowá e Guarani de MS. Será o letráo ainda um dos nossos? Campo Grande: UCDB. Dissertação. Endereço Marina Vinha ; Rua França 130 Bairro Jardim Europa Dourados MS CEP

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL Bruna Maria de Oliveira (¹) ; Elcione Trojan de Aguiar (2) ;Beleni Salete Grando (3) 1.Acadêmica

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

1 Simpósio Internacional de Práticas Integrativas e Complementares Baseadas em Evidencias ( 1 SIPIC-UNB)

1 Simpósio Internacional de Práticas Integrativas e Complementares Baseadas em Evidencias ( 1 SIPIC-UNB) Universidade de Brasília Faculdade de Ciências da Saúde Hospital Universitário de Brasília 1 Simpósio Internacional de Práticas Integrativas e Complementares Baseadas em Evidencias ( 1 SIPIC-UNB) Práticas

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

Sempre Abundantes. IDE Curso E1 - Células. Lição 6 Multiplicando a sua célula

Sempre Abundantes. IDE Curso E1 - Células. Lição 6 Multiplicando a sua célula Sempre Abundantes IDE Curso E1 - Células Multiplicando a sua célula Vídeo: não desista agora! 2 Que lições aprendemos com este vídeo? Grupos de 4 a 6 pessoas Conversem sobre o vídeo e formulem duas lições

Leia mais

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO EDUCAÇÃO INDÍGENA Gonçalves,Emily 1 Mello,Fernanda 2 RESUMO: Falar da educação dos índios nos dias atuais requer uma breve análise histórica deste povo. Precisamos reconhecer que nesses 508 anos, os povos

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Educação Infantil Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Infantil (RCNEI) parte 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA PESQUISA COM JOGOS TRADICIONAIS INDÍGENAS

PROCEDIMENTOS PARA PESQUISA COM JOGOS TRADICIONAIS INDÍGENAS 1 PROCEDIMENTOS PARA PESQUISA COM JOGOS TRADICIONAIS INDÍGENAS Marina Vinha/UCDB marinavinha@terra.com.br Mestrado em Educação/Linha 3 diversidade cultural e educação indígena Grupo de Estudo - Práticas

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP

ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP 1 ARCO-ÍRIS DE SABERES NA PRÁTICA EDUCATIVA: UMA EXPERIÊNCIA VIVENCIADA NO CURSO DE PEDAGOGIA DO IFESP Claudete da Silva Ferreira - IFESP Márcia Maria Alves de Assis - IFESP RESUMO Esta apresentação se

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social ENSINO/APRENDIZAGEM CIRCENSE: PROJETO TRANSVERSAL DE POLÍTICA SOCIAL Erminia Silva Centro de Formação Profissional em Artes Circenses CEFAC Teatralidade circense, circo como educação permanente, história

Leia mais

Notas sobre a organização religiosa e social dos índios kaingang Curt Nimuendajú Abril/1913

Notas sobre a organização religiosa e social dos índios kaingang Curt Nimuendajú Abril/1913 Notas sobre a organização religiosa e social dos índios kaingang Curt Nimuendajú Abril/1913 O mito de origem diz que os primeiros desta etnia sairam do chão, por isso tem a cor da terra. Chefiados por

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UNIDADADE LITORAL NORTE/OSÓRIO GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA - LICENCIATURA CLAINES KREMER GENISELE OLIVEIRA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POR UMA PERSPECTIVA DE RELAÇÕES ENTRE

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

1º SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE E N S I N O RELIGIOSO ITAJAÍ SC

1º SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE E N S I N O RELIGIOSO ITAJAÍ SC 1º SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE E N S I N O RELIGIOSO ITAJAÍ SC DIVERSIDADE CULTURAL RELIGIOSA NO COTIDIANO ESCOLAR: OS DESAFIOS PARA A CONSTITUIÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DO CURRÍCULO DO ENSINO FUNDAMENTAL. Profa.

Leia mais

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância

Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância 1 Reflexão: Abordagem ao domínio da matemática, comunicação oral e escrita na Educação de Infância Mariana Atanásio, Nº 2036909. Universidade da Madeira, Centro de Competência das Ciências Sociais, Departamento

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS A CHEGADA DOS PORTUGUESES A AMÉRICA E AS VIAGENS MARÍTIMAS Projeto apresentado e desenvolvido

Leia mais

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO Área de Conhecimento: Linguagens Componente Curricular: Educação Física Ementa A Educação Física no Ensino Médio tratará da cultura corporal, sistematicamente

Leia mais

EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE: DESCOBRINDO NOVOS MARES NAS COMUNIDADES RIBEIRINHAS DE CAIRU NA BAHIA

EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE: DESCOBRINDO NOVOS MARES NAS COMUNIDADES RIBEIRINHAS DE CAIRU NA BAHIA Sala 03- EJA e Desenvolvimento Sustentável EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE: DESCOBRINDO NOVOS MARES NAS COMUNIDADES RIBEIRINHAS DE CAIRU NA BAHIA Ana Sheila Soares Mascarenhas Rodrigo Pereira Universidade

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG

POVOS INDÍGENAS NO BRASIL. Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG POVOS INDÍGENAS NO BRASIL Professor Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros - MG Conhecendo os povos indígenas Para conhecer melhor os povos indígenas, é importante estudar sua língua.

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB

COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB COOPERAÇÃO E SOLIDARIEDADE: o programa COOPERJOVEM em turmas da EJA na Escola Municipal Maria Minervina de Figueiredo em Campina Grande-PB Monaliza Silva Professora de ciências e biologia da rede estadual

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA TEMA 1: CICLOS DE FORMAÇÃO HUMANA A Organização da Escola de Ensino Fundamental em Ciclos de Formação da Rede Estadual de Mato Grosso: concepções, estratégias

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Concepção Marcelo Garcia João Cruz Rodrigo Salgueiro Naira de Araújo. Revisão Ludmila Schmaltz Pereira

FICHA TÉCNICA. Concepção Marcelo Garcia João Cruz Rodrigo Salgueiro Naira de Araújo. Revisão Ludmila Schmaltz Pereira SENAR INSTITUTO FICHA TÉCNICA Presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Senadora Kátia Abreu Secretário Executivo do SENAR Daniel Carrara Presidente do Instituto CNA Moisés Pinto

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL CURSO DE ENFERMAGEM EDUCAÇÃO EM SAÚDE: O ADOLESCENTE CONHECENDO A SI MESMO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL CURSO DE ENFERMAGEM EDUCAÇÃO EM SAÚDE: O ADOLESCENTE CONHECENDO A SI MESMO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL CURSO DE ENFERMAGEM EDUCAÇÃO EM SAÚDE: O ADOLESCENTE CONHECENDO A SI MESMO DOURADOS-MS 2011 Douglas de Lima Schautz Frederico Jorge Pontes de Moraes Indianara

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Educação Patrimonial: Conhecer, Resgatar e Fortalecer a Cultura Guarani através do Estudo da Cerâmica Arqueológica

Educação Patrimonial: Conhecer, Resgatar e Fortalecer a Cultura Guarani através do Estudo da Cerâmica Arqueológica Educação Patrimonial: Conhecer, Resgatar e Fortalecer a Cultura Guarani através do Estudo da Cerâmica Arqueológica Marcia Andreia Facio Silva 1 Lidiane Robalo Barboza Ribas 2 INTRODUÇÃO, Entendemos que

Leia mais

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade?

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? Discente em formação do curso de Licenciatura Plena em Educação Física, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, Campus Jequié.

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06 Curso: 9 DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências da Educação Pedagogia (Noturno) Ano/Semestre: 0/ 09/0/0 :06 s por Curso Magistério: Educação Infantil e Anos Iniciais do Ens. Fundamental CNA.0.00.00-8

Leia mais

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA.

POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. POLÍTICA DE EDUCAÇÃO,PREVENÇÃO,ATENÇÃO E ATENDIMENTO ÁS VIOLÊNCIAS NA ESCOLA-ESTADO DE SANTA CATARINA. JULIA SIQUEIRA DA ROCHA jsiqueiradarocha@gmail.com IONE RIBEIRO VALLE Ione.valle@ufsc.br ELEMENTOS

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

Setembro/2015. Novas Doações do Prof. Charles Bicalho!

Setembro/2015. Novas Doações do Prof. Charles Bicalho! Setembro/2015 Novas Doações do Prof. Charles Bicalho! PRÊMIO Culturas Indígenas. Brasília: Ministério da Cultura; São Paulo: Sesc SP, 2007- v. MÕGMÕKA yõgkutex. Belo Horizonte: INCTI (Instituto de Inclusão

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

Entrevista com o antropólogo Luis Donisete Benzi Grupioni

Entrevista com o antropólogo Luis Donisete Benzi Grupioni 1 Guia Prático para Professores de Ensino Fundamental 1, publicação mensal da Editora Lua ( entrevista do mês da edição de abril de 2009. Ano 06, No. 62). ISBN 1679-9879. Entrevista com o antropólogo Luis

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO

REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO REFLEXÕES SOBRE AS POTENCIALIDADES DE UM PROJETO DE EXTENSÃO Fátima Aparecida Queiroz Dionizio UEPG faqdionizio@hotmail.com Joseli Almeida Camargo UEPG jojocam@terra.com.br Resumo: Este trabalho tem como

Leia mais

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF

O trabalho social com famílias. no âmbito do Serviço de Proteção e. Atendimento Integral à Família - PAIF O trabalho social com famílias no âmbito do Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família - PAIF Contexto Social: Acesso diferencial às informações Uso e abuso de substâncias psicoativas Nulo ou

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

Mostra de Projetos 2011 "UMA REFLEXÃO ACERCA DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BAIRRO DO XARQUINHO, NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR"

Mostra de Projetos 2011 UMA REFLEXÃO ACERCA DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BAIRRO DO XARQUINHO, NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR Mostra de Projetos 2011 "UMA REFLEXÃO ACERCA DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BAIRRO DO XARQUINHO, NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA-PR" Mostra Local de: Guarapuava Categoria do projeto: Projetos

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

Consiste em uma série de movimentos realizados com exatidão e precisão.

Consiste em uma série de movimentos realizados com exatidão e precisão. HABILIDADES MOTORAS HABILIDADE MOTORA Consiste em uma série de movimentos realizados com exatidão e precisão. Gallahue, 2008 Atos motores que surgem dos movimentos da vida diária do ser humano e dos animais,

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO 9 ESTUDOS SOCIOCULTURAIS DO ESPORTE

GRUPO DE TRABALHO 9 ESTUDOS SOCIOCULTURAIS DO ESPORTE 1 GRUPO DE TRABALHO 9 ESTUDOS SOCIOCULTURAIS DO ESPORTE PROGRAMA SESI ATLETA DO FUTURO: UMA ANÁLISE DO ROMPIMENTO DA PARCERIA ENTRE O SESI E A PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAPONGAS. Ricardo Gonçalves, Mdo.

Leia mais

A REPRESA CAIGUAVA E OS INDIOS GUARANI DA ALDEIA ARAÇA-I. Mario Sergio Michaliszyn Antropólogo Universidade Positivo

A REPRESA CAIGUAVA E OS INDIOS GUARANI DA ALDEIA ARAÇA-I. Mario Sergio Michaliszyn Antropólogo Universidade Positivo A REPRESA CAIGUAVA E OS INDIOS GUARANI DA ALDEIA ARAÇA-I Mario Sergio Michaliszyn Antropólogo Universidade Positivo Áreas de Proteção Ambiental APAs OBJETIVOS: Conciliar o desenvolvimento econômico e a

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão

Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Proppex Supervisão de Extensão FORMULÁRIO DE AÇÃO DE EXTENSÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DA ORIGEM 1.1. TÍTULO: CAPACITAÇÃO PARA EDUCADORES DA PRIMEIRA INFÂNCIA,

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL: SENSIBILIZANDO ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Paloma Rodrigues Cunha¹, Larissa Costa Pereira¹, Luã Carvalho Resplandes², Renata Fonseca Bezerra³, Francisco Cleiton da Rocha 4

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO

PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO PROGRAMA TEMPO DE ESCOLAO O Programa Tempo de Escola foi iniciado em junho de 2010, com a participação de Escolas Municipais e ONGs executoras. O Programa Tempo de Escola, que inclui o Programa Mais Educação

Leia mais

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas

Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco. Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Curso: Pedagogia ( 1 ª Licenciatura) I Bloco Fundamentos Epistemológicos de Pedagogia 60 horas Metodologia Científica 60 horas História da Educação 60 horas Sociologia da Educação I 60 horas Filosofia

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

Guia de livros didáticos PNLD 2012

Guia de livros didáticos PNLD 2012 Guia de livros didáticos PNLD 2012 Veja nas páginas a seguir um excerto do documento publicado pela FNDE contendo uma resenha da coleção Quanta Física recentemente aprovada como uma das obras didáticas

Leia mais

II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia

II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia II Congreso Internacional sobre profesorado principiante e inserción profesional a la docencia El acompañamiento a los docentes noveles: prácticas y concepciones Buenos Aires, del 24 al 26 de febrero de

Leia mais

3ºANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Professoras regentes: Andreza, Déborah, keiti e Letícia.

3ºANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE 9 ANOS Professoras regentes: Andreza, Déborah, keiti e Letícia. COLÉGIO NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO IRMÃS DOMINICANAS Curitiba, 6 de Junho de 2012. Senhores pais ou responsáveis, Enviamos-lhes o cronograma do que vai ser trabalhado nesta 2ª Etapa no 3º ano. O cronograma

Leia mais

Educação Escolar Indígena entre os Aikewara: do projeto político e pedagógico à ação docente 1

Educação Escolar Indígena entre os Aikewara: do projeto político e pedagógico à ação docente 1 Educação Escolar Indígena entre os Aikewara: do projeto político e pedagógico à ação docente 1 Joelma Cristina Parente Monteiro Alencar-UEPA/Brasil Resumo A escola do povo Aikewara foi instalada pela FUNAI,

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão:

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão: proteção do meio ambiente, e convênio firmado para viabilização do pagamento de bolsa a acadêmica Letícia Croce dos Santos. As atividades executadas no projeto de extensão compreendem dentre outras iniciativas:

Leia mais

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL APROVO Em conformidade com as Port. 38-DECEx, 12ABR11 e Port 137- Cmdo Ex, 28FEV12 MINISTERIO DA DEFESA DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXERCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

PROJETO ESCOLA PARA PAIS

PROJETO ESCOLA PARA PAIS PROJETO ESCOLA PARA PAIS Escola Estadual Professor Bento da Silva Cesar São Carlos São Paulo Telma Pileggi Vinha Maria Suzana De Stefano Menin coordenadora da pesquisa Relator da escola: Elizabeth Silva

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU

O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU O USO DO COMPUTADOR (GEOGEBRA) E DO LOGOTIPO DO MC DONALD S NO ESTUDO DA FUNÇÃO DO 2º GRAU Elda Vieira Tramm/UFBa/EMFoco Jussara G. Araújo Cunha/SEC/Ba/EMFoco Nosso Desafio Construir o m do Mc Donald s

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE ETENSÃO CÂMPUS: Campos Belos ANO DE EECUÇÃO: 2015 LINHAS DE

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04

MATRIZ CURRICULAR 1.ª SÉRIE DE OFERTA 99-8791-04 DIDÁTICA 160 0 160 99-8792-04 Curso: Graduação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA PLENA MATRIZ CURRICULAR SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio.

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio. Índios do Brasil Episódio 7: Nossas Terras Resumo A série "Índios no Brasil", com duração média de 20 minutos, traça um perfil da população indígena brasileira e mostra a relação dessa população com a

Leia mais

Projeto Paz na Escola

Projeto Paz na Escola Projeto Paz na Escola Olímpia Terezinha da Silva Henicka Dariléia Marin Em uma sociedade como a nossa, na qual a riqueza é tão mal distribuída, a preocupação com a sobrevivência deve ser maior que as preocupações

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

PROGRAMA VISITANTE VOLUNTÁRIO DO IPPDH

PROGRAMA VISITANTE VOLUNTÁRIO DO IPPDH PROGRAMA VISITANTE VOLUNTÁRIO DO IPPDH CONSIDERANDO: Que o IPPDH tem como objetivo estratégico para o biênio 2015-2016 estimular o pensamento e a cultura de Direitos Humanos na sociedade. Que o Programa

Leia mais

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental RESUMO Rosa Maria Viana (Universidade Salgado Oliveira/rosamviana@yahoo.com.br) Sandra de Fátima Oliveira (Universidade Federal de Goiá/sanfaoli@iesa.ufg.br)

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE. Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA E ESPORTE Curso: Licenciatura em Educação Física Projeto Pedagógico Ingressantes em 2007 Dados: Sigla: Licenciatura em Educação Física Área: Biológicas

Leia mais

LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL LUDICIDADE E MOVIMENTO: EDUCAÇÃO FÍSICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo RIBEIRO, Amanda de Cassia Borges - UFSM acbr_amanda@hotmail.com JAHN, Angela Bortoli UFSM abjahn@terra.com.br BELING, Vivian Jamile UFSM

Leia mais

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA

FP 108501 FUNDAMENTOS DA GINÁSTICA Ementas das Disciplinas de Educação Física Estão relacionadas abaixo, as ementas e a bibliografia dos diferentes eixos curriculares do Curso, identificadas conforme os ciclos de formação: Ciclo de Formação

Leia mais