CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO"

Transcrição

1 CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DA SUB-BACIA HIDROGRAFICA DO CÓRREGO DO CERRADÃO FLORÊNCIO, Ágatha Cristine 1 ; VALE, Monnike Yasmin Rodrigues do ²; MORAIS Welmys Magno de³,paula, Heber Martins de 4 Palavras chave: bacia hidrográfica, características físicas. Introdução A Hidrologia é uma das responsáveis pela avaliação dos progressos sócio-econômicos que envolvem os recursos hídricos, como obtenção de energia, drenagem urbana, qualidade da água, irrigação, entre outros. Como tudo isto envolve as bacias hidrográficas, a hidrologia é considerada a responsável pelo seu estudo e avaliação de suas características. Uma bacia hidrográfica é toda a área de captação natural da água da chuva que escoa superficialmente para um corpo de água ou seu contribuinte. Seus limites são definidos pelo relevo, considerando-se como divisores de águas as áreas mais elevadas da topografia. As precipitações sobre a área de drenagem da bacia é de extrema importância para o abastecimento da bacia hidrográfica, para que seja mantido o nível de seu rio principal e de seus tributários de acordo com as características de cada estação. A análise das características de uma bacia hidrográfica é importante para determina o seu comportamento físico, a sua relevância como geradora de recursos hídricos para as populações próximas e para quantificação de seus recursos no tempo e no espaço, podendo ser avaliado, os impactos de modificações da bacia. Pode-se determinar as características de uma bacia hidrográfica através da análise dos mapas topográficos, do traçado de seu rio principal e de seus tributários e dos dados de precipitação e clima. A sub-bacia hidrográfica do Córrego do Cerradão se localiza no estado de Goiás, sendo subdivisão da bacia hidrográfica Foz do Rio Doce, próxima aos municípios de Jataí, Rio Verde, Caçu, Aparecida do Rio Doce e Cachoeira Alta, cidades do interior do estado que apresentam uma população que varia de habitantes no município de Aparecida do Rio Doce à habitantes no município de Rio Verde, considerando as cidades de Cachoeira 1 Universidade Federal de Goiás Campus Catalão, 2 Universidade Federal de Goiás Campus Catalão, 3 Universidade Federal de Goiás Campus Catalão, 4 Universidade Federal de Goiás e Doutorando UNICAMP -

2 Alta e Jataí, a população total que circundam a sub-bacia é de habitantes, segundo o censo 2010 realizado pelo IBGE. A ocupação urbana e o aumento da população de todas as cidades ao entorno da sub-bacia do Córrego do Cerradão, tem levado a uma maior exploração dos recursos hídricos desta e maior interferência na sua área de captação natural. A partir de dados como a área, o perímetro, a extensão da bacia e o comprimento total de tributários, em conjunto com dados das precipitações obtidos nas estações meteorológicas, das cidades citadas, o objetivo deste trabalho foi determinar às características físicas da bacia, bem como, a precipitação média das cidades próximas à bacia, e relacioná-la com o clima da região e com sua população. modo: Metodologia A metodologia para realização neste estudo foi estruturado do seguinte a) Delimitação da sub-bacia através das cartas topográficas de caracterização de área de drenagem; b) Realização dos cálculos de área da sub-bacia, comprimento do rio principal e dos seus tributários, coeficiente de compacidade, densidade de drenagem e fator de forma; c) Determinação dos municípios que influenciam na sub-bacia do Córrego do Cerradão d) Busca de dados sobre as precipitações médias, mensais e anuais, de cada município no entorno da sub-bacia. e) Analisar as precipitações médias anuais, de cada município e comparálas. Resultados e Discussão Por meio das cartas obtidas do IBGE, em escala 1: , as imagens correspondentes, verificou-se de forma satisfatória que todos os cursos de água, inclusive os menores, são retratados na carta. Por se tratar de uma bacia de dimensões reduzidas, a ausência de alguns cursos de água menores poderia trazer prejuízos à determinação correta das suas características físicas. Para este caso, seriam necessário expedições a campo para se verificar tais informações. A figura 1 mostra a delimitação dos municípios que influenciam na subbacia do Foz do Rio Doce, que apresenta-se localizada em sua maioria na

3 cidade de Aparecida do Rio Doce e ilustra também a rede de drenagem desta região. Figura 1: Destaque dos municípios que influenciam na sub-bacia Foz do Rio Doce, e a rede de drenagem desta. Fonte: Sítio SIEG, Sistema Estadual de Estatística e de Informações Geográficas de Goiás. Os principais dados fisiográficos da sub-bacia hidrográfica do Córrego do Cerradão estão apresentados na Tabela 2. Tabela 2: Características fisiográficas da sub-bacia do Córrego do Cerradão, Goiás. Característica Unidade Valor Área km² 192 Perímetro km 1,13 Largura do maior rio km 25 Comprimento total dos tributários km 121,7 Coeficiente de Compacidade - 1,13 Fator de forma - 0,31 Densidade de Drenagem km/km² 0,63 A seguir estão apresentados os cálculos para obtenção dos resultados referentes às características físicas da bacia hidrográfica escolhida. A - Coeficiente de Compacidade ou Índice de Gravelius (Kc) Kc = 0,28 * = 1,13161 B - Fator de forma (Kf) Kf = = 0,3072

4 C - Densidade de Drenagem (Dd) Dd = = 0,6338 km/km² O coeficiente de compacidade e o fator de forma (Kf), obtidos para a sub-bacia hidrográfica do Córrego Cerradão, indicam uma baixa tendência a enchentes e suscetibilidade a picos de cheia. Já a densidade de drenagem (Dd) observada, sendo igual a 0,63 km/km², é considerada uma drenagem pobre, indicando menor facilidade de escoamento até o exutório da bacia. Os valores de precipitação média anual, na região da sub-bacia do Córrego Cerradão, foram obtidos a partir dos dados coletados de cinco estações pluviométricas selecionadas dentro ou muito próximas a bacia em estudo. Na figura 2, pode-se observar as precipitações médias obtidas após coleta e análise de dados extraídos do Instituto Nacional de Meteorologia e do Tempo Agora. Figura 2 - Precipitações médias mensais, das estações pluviométricas dos cincos municípios mais próximos da sub-bacia do Córrego Cerradão, Goiás para os anos de 1961 até Fonte: Sítio Tempo Agora Pode-se observar que a distribuição da precipitação é desigual ao longo do ano e se caracteriza pela existência das estações do ano, ou seja, por verões chuvosos e invernos com escassez de chuvas. O período chuvoso da bacia se estende de outubro a abril, tendo precipitações quase inexistentes nos meses de junho a agosto. A figura 3, mostra a média das precipitações anuais sobre cada umas das cidades que influenciam na sub-bacia estudada.

5 Figura 3- Precipitações médias anuais, das cinco estações automáticas analisadas, de 1961 a 1990, na sub-bacia do Córrego Cerradão - Goiás. Fonte: Sítio Tempo Agora. O gráfico das precipitações médias acumuladas anualmente mostra que das cidades que influenciam na sub-bacia estudada, a maior precipitação média anual é na cidade de Rio Verde que possui uma média anual de precipitação superior a 1700 mm e a com menor precipitação a cidade de Cachoeira Alta com média inferior a 1500 mm. Conclusão A sub-bacia do Córrego Cerradão pode ser comparada e representada como uma típica bacia hidrográfica do Estado de Goiás, sendo constituído de bacias de dimensões reduzidas, com características fisiográficas que indicam uma baixa tendência a enchentes e grande picos de cheias, além de possuir um regime hídrico bastante definido, sendo marcado por uma estação seca e outra chuvosa. Esta sub-bacia sofre influência de cinco cidades, sendo duas destas de grande porte e infraestrutura significativa, Jataí e Rio Verde. Com o cálculo das precipitações médias anuais sobre a bacia, observou-se que a cidade de Rio Verde apresenta a maior precipitação média anual, o que é de grande significância para a população e para as atividades realizadas na zona rural deste município. Referências GARCEZ, L. N.; ALVAREZ, G. A. Hidrologia. São Paulo: Edgard Blucher, TUCCI, C. E. M. Hidrologia: Ciencia e aplicação. 3. Ed. Porto Alegre: UFRGS/ABRH, VILLELA, S.M.;MATTOS,A. Hidrologia aplicada. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1975.

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA 3.1. Introdução O Ciclo Hidrológico, como descrito anteriormente, tem um aspecto geral e pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, já que a quantidade de água disponível

Leia mais

Notas de Aula Manejo de Bacias Hidrográficas

Notas de Aula Manejo de Bacias Hidrográficas BCI HIDROGRÁFIC (Obs: Este material é uma compilação de assuntos, não devendo ser adotado como única forma de estudo da disciplina. O mesmo não substitui a bibliografia apresentada no primeiro dia de aulas.

Leia mais

Caracterización morfométrica de la cuenca del Rio São José, Cascavel, PR

Caracterización morfométrica de la cuenca del Rio São José, Cascavel, PR (DOI): 10.5777/PAeT.V5.N2.01 Este artigo é apresentado em Português e Inglês com "Resumen" em Espanhol. Revista Brasileira de Tecnologia Aplicada nas Ciências Agrárias, Guarapuava-PR, v.5, n.2, p. 7-18,

Leia mais

Bacia Hidrográfica 1. GENERALIDADES

Bacia Hidrográfica 1. GENERALIDADES Capítulo 1. GENERIDDES O ciclo hidrológico, se considerado de maneira global, pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, uma vez que a quantidade total da água existente em nosso planeta é constante.

Leia mais

Keywords: Drainage network, elevation digital model, geoprocessing, characteristics, coefficient of compactness.

Keywords: Drainage network, elevation digital model, geoprocessing, characteristics, coefficient of compactness. DETERMINAÇÃO AUTOMÁTICA DE PARÂMETROS MORFOMÉTRICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE A PARTIR DE MDE Sonaly Duarte de OLIVEIRA 1, Madson Tavares SILVA 2, Edicarlos Pereira de SOUSA 3, Vicente de Paulo

Leia mais

Análise da Ocupação Urbana na Bacia do Córrego dos Pires, Jahu SP e seus Impactos na Drenagem Urbana

Análise da Ocupação Urbana na Bacia do Córrego dos Pires, Jahu SP e seus Impactos na Drenagem Urbana Análise da Ocupação Urbana na Bacia do Córrego dos Pires, Jahu SP e seus Impactos na Drenagem Urbana Odeir Alves LIIDTHE 1 Dalva Maria Castro VITTI 2 José Carlos Veniziani JUNIOR 3 Resumo As inundações

Leia mais

SIG aplicado à caracterização morfométrica de bacias hidrográficas estudo de caso da bacia hidrográfica do rio Cubatão do Sul Santa Catarina/Brasil

SIG aplicado à caracterização morfométrica de bacias hidrográficas estudo de caso da bacia hidrográfica do rio Cubatão do Sul Santa Catarina/Brasil SIG aplicado à caracterização morfométrica de bacias hidrográficas estudo de caso da bacia hidrográfica do rio Cubatão do Sul Santa Catarina/Brasil Marcelo Pedroso Curtarelli ¹ ¹ Universidade Federal de

Leia mais

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC FLORIANÓPOLIS SETEMBRO 2011 1 1. INTRODUÇÃO O Sistema de monitoramento hidrometeorológico é um dos principais instrumentos

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 111 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

Anais XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 13 a 18 de abril de 2013, INPE

Anais XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 13 a 18 de abril de 2013, INPE ANÁLISE DA POTENCIALIDADE DE INUNDAÇÃO DA MICROBACIA DO RIO DOIS VIZINHOS POR MEIO DE VETORIZAÇÃO AUTOMÁTICA E MANUAL ALIADAS AS CARACTERISTICAS MORFOMÉTRICAS Marcielli Aparecida Borges dos Santos 1 Priscyla

Leia mais

Escola Politécnica da USP Depto de Engenharia Hidráulica e Sanitária PHD 307- Hidrologia Aplicada

Escola Politécnica da USP Depto de Engenharia Hidráulica e Sanitária PHD 307- Hidrologia Aplicada Escola Politécnica da USP Depto de Engenharia Hidráulica e Sanitária PHD 307- Hidrologia Aplicada Prof. Dr. Rubem La Laina Porto Prof. Dr. Kamel Zahed Filho Ricardo Martins da Silva 1999 Resumo Esta apostila

Leia mais

ARQUITETURA E A SUSTENTABILIDADE DA ÁGUA NO MEIO URBANO.

ARQUITETURA E A SUSTENTABILIDADE DA ÁGUA NO MEIO URBANO. ARQUITETURA E A SUSTENTABILIDADE DA ÁGUA NO MEIO URBANO. Palestra: Desenvolvimento Sustentável em Bacias Hidrográficas Aspectos Conceituais (Ambientais Econômicos e Sociais) e sua relação com arquitetura

Leia mais

Capítulo 141-Regionalização hidrográfica

Capítulo 141-Regionalização hidrográfica Capítulo 141-Regionalização hidrográfica 141-1 Capítulo 141-Regionalização hidrográfica 141.1 Introdução O mundo passa por grandes transformações e os recursos hídricos deverão no séeculo XXI ser analisado

Leia mais

X-010 - DETERMINAÇÃO DA VAZÃO DE PROJETO EM BACIAS URBANAS

X-010 - DETERMINAÇÃO DA VAZÃO DE PROJETO EM BACIAS URBANAS X-010 - DETERMINAÇÃO DA VAZÃO DE PROJETO EM BACIA URBANA Jorge Luiz teffen (1) Professor Adjunto do Departamento de Hidráulica e Transportes do Centro de Ciências Exatas e Tecnologia da Universidade Federal

Leia mais

E AMBIENTAL DA BACIA DO RIO TURVO SUJO, VIÇOSA, MG

E AMBIENTAL DA BACIA DO RIO TURVO SUJO, VIÇOSA, MG SEMINÁRIO - ENG 797 CARACTERIZAÇÃO MORFOLÓGICA, HIDROLÓGICA E AMBIENTAL DA BACIA DO RIO TURVO SUJO, VIÇOSA, MG EQUIPE Prof. Gilberto C. Sediyama - Orientador Prof. Vicente Paulo Soares - Conselheiro Prof.

Leia mais

UMA PROPOSTA DE APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA O CULTIVO DE MORANGOS NO SÍTIO CAPOROROCA, LAMI, PORTO ALEGRE/RS

UMA PROPOSTA DE APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA O CULTIVO DE MORANGOS NO SÍTIO CAPOROROCA, LAMI, PORTO ALEGRE/RS UMA PROPOSTA DE APROVEITAMENTO DA ÁGUA DE CHUVA PARA O CULTIVO DE MORANGOS NO SÍTIO CAPOROROCA, LAMI, PORTO ALEGRE/RS Laura Rita Rui laurarui@cpovo.net Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações

Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL LABORATÓRIO DE HIDROLOGIA FLORESTAL Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG)

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG) ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG) Alan Cássio Campos 1 Julio Cezar Costa 1 Gabriel Pereira 1 E-mail: allancassiio@hotmail.com; juliocezar188@hotmail.com pereira@ufsj.edu.br

Leia mais

M O R R O D O P I L A R M I N E R A I S S. A.

M O R R O D O P I L A R M I N E R A I S S. A. M O R R O D O P I L A R M I N E R A I S S. A. E S T U D O D E I M PA C T O A M B I E N TA L ( E I A ) M E I O F Í S I C O V O L U M E I I I T O M O I - B Doc. n o. EIA-MOPI-003-03/12-v1 Belo Horizonte,

Leia mais

INTENSIDADE DAS CHUVAS NA BACIA DE CAÇU-GO

INTENSIDADE DAS CHUVAS NA BACIA DE CAÇU-GO INTENSIDADE DAS CHUVAS NA BACIA DE CAÇU-GO Andreia Medeiros de Lima Universidade Federal de Goiás - Câmpus Jataí medeiroslima.andreia@gmail.com José Ricardo Rodrigues Rocha Universidade Federal de Goiás

Leia mais

FORD C-MAX + FORD GRAND C-MAX CMAX_Main_Cover_2014_V3.indd 1-3 23/08/2013 10:01:48

FORD C-MAX + FORD GRAND C-MAX CMAX_Main_Cover_2014_V3.indd 1-3 23/08/2013 10:01:48 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 12,999,976 km 9,136,765 km 1,276,765 km 499,892 km 245,066 km 112,907 km 36,765 km 24,159 km 7899 km 2408 km 76 km 12 14 16 9 10 1 8 12 7 3 1 6 2 5 4 3 11 18 20 21 22 23 24 26 28 30

Leia mais

IMPACTO DA BARRAGEM DE CAMARÁ SOBRE O HIDROGRAMA DE CHEIA NA CIDADE DE ALAGOA GRANDE/PB. Elisângela do Rego Lima

IMPACTO DA BARRAGEM DE CAMARÁ SOBRE O HIDROGRAMA DE CHEIA NA CIDADE DE ALAGOA GRANDE/PB. Elisângela do Rego Lima IMPACTO DA BARRAGEM DE CAMARÁ SOBRE O HIDROGRAMA DE CHEIA NA CIDADE DE ALAGOA GRANDE/PB Elisângela do Rego Lima INTRODUÇÃO As inundações (freqüência e magnitude); Alagoa Grande (332,6 km²); Maior enchente

Leia mais

BACIA DO ALTO PARAGUAI: DESENVOLVIMENTO URBANO E MUDANÇA MORFOLÓGICA E SEDIMENTOLÓGICA NO CÓRREGO JUNCO EM CÁCERES MATO GROSSO

BACIA DO ALTO PARAGUAI: DESENVOLVIMENTO URBANO E MUDANÇA MORFOLÓGICA E SEDIMENTOLÓGICA NO CÓRREGO JUNCO EM CÁCERES MATO GROSSO BACIA DO ALTO PARAGUAI: DESENVOLVIMENTO URBANO E MUDANÇA MORFOLÓGICA E SEDIMENTOLÓGICA NO CÓRREGO JUNCO EM CÁCERES Cruz, J.S. 1 ; Souza, C.A. 2 ; Santos, M. 3 ; Paula, W.C.S. 4 ; 1 UNIVERSIDADE DO ESTADO

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

PREENCHIMENTO DE FALHAS DE DADOS OBSERVADOS DE VAZÃO UTILIZANDO A EQUAÇÃO DE MANNING

PREENCHIMENTO DE FALHAS DE DADOS OBSERVADOS DE VAZÃO UTILIZANDO A EQUAÇÃO DE MANNING PREENCHIMENTO DE FALHAS DE DADOS OBSERVADOS DE VAZÃO UTILIZANDO A EQUAÇÃO DE MANNING *Marilia Ferreira Tamiosso 1 & Camila Ferreira Tamiosso 2 & Ronaldo Kanopf de Araújo 3 & Jussara Cabral Cruz 4 & João

Leia mais

RELATÓRIO TECNICO DE IMPACTO AMBIENTAL GERADO PELO LIXÃO DA CIDADE DE ALEGRE

RELATÓRIO TECNICO DE IMPACTO AMBIENTAL GERADO PELO LIXÃO DA CIDADE DE ALEGRE EEEFM PROFESSOR PEDRO SIMÃO ALEGRE-ES RELATÓRIO TECNICO DE IMPACTO AMBIENTAL GERADO PELO LIXÃO DA CIDADE DE ALEGRE CURSO: TECNICO EM MEIO AMBIENTE 3 MODULO ALUNOS João Batista de Souza Graciliano Lordeiro

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹

DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹ DIMENSIONAMENTO DE TELHADOS VERDES EM UM PONTO CRÍTICO DE SANTA MARIA - RS¹ BINS, Fernando Henrique²; TEIXEIRA, Laís³; TEIXEIRA, Marília 4 ; RIBEIRO, Mariana 5 1 Trabalho de pesquisa_unifra ² Acadêmico

Leia mais

CAPÍTULO 14 A ÁGUA NA NATUREZA E O CICLO HIDROLÓGICO

CAPÍTULO 14 A ÁGUA NA NATUREZA E O CICLO HIDROLÓGICO CAPÍTULO 14 A ÁGUA NA NATUREZA E O CICLO HIDROLÓGICO 1. Introdução A água é o suporte e a componente principal de todos os seres vivos, sem ela não seria possível a existência de vida na Terra. Como sabiamente

Leia mais

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas

GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas. Adaptação em Gestão das Águas GIRH como Ferramenta de Adaptação às Mudanças Climáticas Adaptação em Gestão das Águas Meta e objetivos da sessão Meta considerar como a adaptação às mudanças climáticas pode ser incorporada na gestão

Leia mais

O CONCEITO DE BACIA HIDROGRÁFICA

O CONCEITO DE BACIA HIDROGRÁFICA O CONCEITO DE BACIA HIDROGRÁFICA E A IMPORTÂNCIA DA CARACTERIZAÇÃO MORFOMÉTRICA PARA O ENTENDIMENTO DA DINÂMICA AMBIENTAL LOCAL Valter Luiz Iost Teodoro* Denilson Teixeira** Daniel Jadyr Leite Costa***

Leia mais

R31 PAPEL DOS AFLUENTES NAS CHEIAS E PONTOS CRÍTICOS PARA O SIEMEC

R31 PAPEL DOS AFLUENTES NAS CHEIAS E PONTOS CRÍTICOS PARA O SIEMEC AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS ANA Elaboração de Estudos para Concepção de um Sistema de e de um Sistema de Intervenções Estruturais para Mitigação dos Efeitos de Cheias nas Bacias dos Rios Muriaé e Pomba e

Leia mais

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DA MÉTRICA DA SUPERFÍCIE TOPOGRÁFICA PARA PREVISÃO DO NÍVEL FREÁTICO

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DA MÉTRICA DA SUPERFÍCIE TOPOGRÁFICA PARA PREVISÃO DO NÍVEL FREÁTICO 10.º Seminário sobre Águas Subterrâneas ANÁLISE EXPLORATÓRIA DA MÉTRICA DA SUPERFÍCIE TOPOGRÁFICA PARA PREVISÃO DO NÍVEL FREÁTICO APLICAÇÃO A UM SISTEMA CÁRSICO E ROCHAS FRACTURADAS - Filipa SOUSA1, António

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA RMSP. Col. Santa Clara - 2014 Prof. Marcos N. Giusti

ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA RMSP. Col. Santa Clara - 2014 Prof. Marcos N. Giusti ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA RMSP Col. Santa Clara - 2014 Prof. Marcos N. Giusti Região Metropolitana de São Paulo Col. Santa Clara Você sabe de onde vem a água que nós bebemos e utilizamos? Col. Santa Clara

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

F4-018 F4-017 F4-035 F4-022 F4-014

F4-018 F4-017 F4-035 F4-022 F4-014 Utilizando o gvsig para Transformação de Chuva em Vazão na Sub- Bacia do Rio Pariquera-Açu, Bacia do Ribeira de Iguape e Litoral Sul, Brasil/São Paulo. O Sig-Rb vem continuamente agregando novas informações

Leia mais

Aula 9 Calor e Dilatação Questões Atuais Vestibulares de SP

Aula 9 Calor e Dilatação Questões Atuais Vestibulares de SP 1. (Fuvest 2012) Para ilustrar a dilatação dos corpos, um grupo de estudantes apresenta, em uma feira de ciências, o instrumento esquematizado na figura acima. Nessa montagem, uma barra de alumínio com

Leia mais

Estrutura do trabalho

Estrutura do trabalho Estrutura do trabalho Primeira Parte Processamento da informação; Percepção da realidade e Visão sistêmica Apresentação do texto Alegoria da Caverna Segunda Parte Definição de bacia hidrográfica, Estrutura

Leia mais

RESUMO. Vinicius Carmello. Miriam Rodrigues Silvestre. João Lima Sant Anna Neto

RESUMO. Vinicius Carmello. Miriam Rodrigues Silvestre. João Lima Sant Anna Neto DESIGUALDADE no campo e o risco climático em áreas de produção da soja no sul do brasil Vinicius Carmello Grupo de Pesquisa GAIA; UNESP/FCT - Presidente Prudente, São Paulo, Brasil viniciuscarmello@gmail.com

Leia mais

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal. Capítulo Controle de Enchentes e Inundações 10 1. DEFINIÇÃO Enchente - caracteriza-se por uma vazão relativamente grande de escoamento superficial. Inundação - caracteriza-se pelo extravasamento do canal.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

CHUVAS NO CERRADO DA REGIÃO CENTRO-OESTE DO BRASIL: análise histórica e tendência futura

CHUVAS NO CERRADO DA REGIÃO CENTRO-OESTE DO BRASIL: análise histórica e tendência futura CHUVAS NO CERRADO DA REGIÃO CENTRO-OESTE DO BRASIL: análise histórica e tendência futura RAIN AT CERRADO OF BRAZIL MIDDLE-WEST REGION: analysis historical and future trends LLUVIA EN LA SABANA DE REGIÓN

Leia mais

Bacias hidrográficas brasileiras

Bacias hidrográficas brasileiras Bacias hidrográficas brasileiras Características da hidrografia brasileira Riqueza em rios e pobreza em formações lacustres. Todos rios direta ou indiretamente são tributários do Oceano Atlântico. Predomínio

Leia mais

Nome Fantasia : Actos Actos Com. Imp. e Exp. Ltda. Ficha empresa

Nome Fantasia : Actos Actos Com. Imp. e Exp. Ltda. Ficha empresa Nome Fantasia : Actos Actos Com. Imp. e Exp. Ltda. Produto: Chapas de Policarbonato Compactas Actos Chapas de policarbonato compactas para coberturas. Ver tabela. Ver tabela. Produtos Chapa compacta TABELA

Leia mais

Riacho Riachão do Natal, Piauí: dinâmica fluvial e análise morfométrica

Riacho Riachão do Natal, Piauí: dinâmica fluvial e análise morfométrica Riacho Riachão do Natal, Piauí: dinâmica fluvial e análise morfométrica Leilson Alves dos Santos Iracilde Maria de Moura Fé Lima Bartira Araújo da Silva Viana 1 Instituto Federal de Educação, Ciência e

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO Deverá ser apresentado relatório de conformidade comprovando o atendimento dos limites de exposição a campos elétricos, magnéticos e eletromagnéticos, na faixa de radiofreqüências

Leia mais

CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA ABASTECIMENTO RESIDENCIAL

CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA ABASTECIMENTO RESIDENCIAL MARCOS TOZZI E JOSÉ JUNJI OTA CAPTAÇÃO DE ÁGUAS PLUVIAIS PARA ABASTECIMENTO RESIDENCIAL DEBORA SPERANCETTA Ex-aluna - Engenharia Civil - Centro Universitário Positivo / UnicenP deborasperancetta@hotmail.com

Leia mais

Metodologia de Análise da Economia Hídrica em Bacias Degradadas: Estudo de Caso da Bacia do Rio Jaguari/MG-SP

Metodologia de Análise da Economia Hídrica em Bacias Degradadas: Estudo de Caso da Bacia do Rio Jaguari/MG-SP Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI Engenharia Hídrica do Instituto de Recursos Hídricos IRN Área de Proteção Ambiental Fernão Dias APAFD Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Sapucaí - CBHS Metodologia

Leia mais

Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira

Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira São José dos Campos, 15 de abril de 2015 Relatório da Situação Atual e Previsão Hidrológica para o Sistema Cantareira SUMÁRIO A precipitação média espacial, acumulada no mês, até 15 de abril de 2015, baseada

Leia mais

Realidades e Perspectivas da Fileira Florestal de Cabo Verde

Realidades e Perspectivas da Fileira Florestal de Cabo Verde República de Cabo Verde Realidades e Perspectivas da Fileira Florestal de Cabo Verde I Congresso de Engenheiros de Língua Portuguesa A Engenharia como Fator Decisivo no Processo de Desenvolvimento LISBOA

Leia mais

Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil Kit de Treinamento SWITCH 1 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil O Plano Diretor de Drenagem Urbana da Cidade de Porto Alegre Assim como muitas cidades brasileiras, Porto Alegre enfrenta problemas relacionados

Leia mais

INFLUÊNCIA DE FASES EXTREMAS DA OSCILAÇÃO SUL SOBRE A INTENSIDADE E FREQUÊNCIA DAS CHUVAS NO SUL DO BRASIL

INFLUÊNCIA DE FASES EXTREMAS DA OSCILAÇÃO SUL SOBRE A INTENSIDADE E FREQUÊNCIA DAS CHUVAS NO SUL DO BRASIL INFLUÊNCIA DE FASES EXTREMAS DA OSCILAÇÃO SUL SOBRE A INTENSIDADE E FREQUÊNCIA DAS CHUVAS NO SUL DO BRASIL Alice M. Grimm Grupo de Meteorologia - Departamento de Física - Universidade Federal do Paraná

Leia mais

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL

MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL MODELAGEM DA PRODUÇÃO DE SEDIMENTOS USANDO CENÁRIO AMBIENTAL ALTERNATIVO NA REGIÃO NO NOROESTE DO RIO DE JANEIRO - BRAZIL SEDIMENT YIELD MODELING USING AN ALTERNATIVE ENVIRONMENTAL SCENARIO IN NORTHWESTERN

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

VULNERABILIDADE CLIMÁTICA DO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DE EVENTOS EXTREMOS NA ZONA SEMI-ÁRIDA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO

VULNERABILIDADE CLIMÁTICA DO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DE EVENTOS EXTREMOS NA ZONA SEMI-ÁRIDA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO VULNERABILIDADE CLIMÁTICA DO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DE EVENTOS EXTREMOS NA ZONA SEMI-ÁRIDA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO 1 Weber Andrade Gonçalves; Magaly de Fatima Correia 2 ; Lincoln

Leia mais

Parte I. Hidrologia e Hidráulica: conceitos básicos e metodologias. Capítulo 1 Hidrologia Vazão de Enchente

Parte I. Hidrologia e Hidráulica: conceitos básicos e metodologias. Capítulo 1 Hidrologia Vazão de Enchente Parte I e Hidráulica: conceitos básicos e metodologias Capítulo 1 12 Capítulo 1. PRINCIPAIS TERMOS HIDROLÓGICOS Na análise hidrológica aqui apresentada, destaca-se a importância do conhecimento das metodologias

Leia mais

Água, risco e vulnerabilidade: os conceitos de Risco Hídrico e de Vulnerabilidade Hidrossocial

Água, risco e vulnerabilidade: os conceitos de Risco Hídrico e de Vulnerabilidade Hidrossocial Água, risco e vulnerabilidade: os conceitos de Risco Hídrico e de Vulnerabilidade Hidrossocial Alexander Josef Sá Tobias da Costa UERJ / Instituto de Geografia - ajcostageo@gmail.com Estágio da pesquisa:

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

CAPÍTULO 7. ESCOAMENTO SUPERFICIAL. 7.1. Introdução

CAPÍTULO 7. ESCOAMENTO SUPERFICIAL. 7.1. Introdução CAPÍTULO 7. ESCOAMENTO SUPERFICIAL 7.1. Introdução Das fases básicas do ciclo hidrológico, talvez a mais importante para o engenheiro seja a do escoamento superficial, que é a fase que trata da ocorrência

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO À LEGISLAÇÃO PARA O PLANEJAMENTO DA DRENAGEM URBANA. Flávio A. de O. Alves 1 ; Costa, A. R 2.

CONTRIBUIÇÃO À LEGISLAÇÃO PARA O PLANEJAMENTO DA DRENAGEM URBANA. Flávio A. de O. Alves 1 ; Costa, A. R 2. FLÁVIO, A. O. A.; COSTA, A. R. Contribuição à Legislação para o Planejamento da Drenagem Urbana. In: CONGRESSO DE PESQUISA, ENSINO E EXTENSÃO DA UFG COMPEEX, 2006, Goiânia. Anais eletrônicos do XIV Seminário

Leia mais

IT 115 Irrigação e Drenagem Maio / 2007 HIDROLOGIA

IT 115 Irrigação e Drenagem Maio / 2007 HIDROLOGIA HIDROLOGIA CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO À HIDROLOGIA 1.1. Introdução Hidrologia: é a ciência que trata da água na Terra, sua ocorrência, circulação e distribuição, suas propriedades físicas e químicas e sua

Leia mais

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional

Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Projeto de Integração do Rio São Francisco com Bacias Hidrográficas do Nordeste Setentrional Semi-árido Brasileiro - População Eixo Norte PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO SEMI-ÁRIDO E DA BACIA

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI Grizio-orita, E.V. 1 ; Souza Filho, E.E. 2 ; 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Email:edineia_grizio@hotmail.com; 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

Leia mais

Recursos Hídricos. Fig. 1 Distribuição da Água no Planeta

Recursos Hídricos. Fig. 1 Distribuição da Água no Planeta Recursos Hídricos Recursos Hídricos Os recursos hídricos representam a água subterrânea e superficial disponível para qualquer tipo de uso dado pelo Homem numa determinada região. Estes recursos hídricos

Leia mais

Praça Eco Teatral - Projeto para a sede do TeatroSilva

Praça Eco Teatral - Projeto para a sede do TeatroSilva Praça Eco Teatral - Projeto para a sede do TeatroSilva TeatroSilva: Formado em agosto de 2008 por jovens alunos de escolas públicas e moradores dos bairros Tucuruvi, Jaçanã e Jova Rural, periferia de São

Leia mais

USO DE CISTERNAS COMO PREVENÇÃO ÀS SECAS NO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL. Mato Grosso (marciokoetz@yahoo.com.br) Mato Grosso.

USO DE CISTERNAS COMO PREVENÇÃO ÀS SECAS NO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL. Mato Grosso (marciokoetz@yahoo.com.br) Mato Grosso. USO DE CISTERNAS COMO PREVENÇÃO ÀS SECAS NO RIO GRANDE DO SUL, BRASIL Marcio Koetz 1, Rodrigo Couto Santos 2, Normandes Matos da Silva 3, Christian Dias Cabacinha 4, Wendy Carniello Ferreira 5 1 Professor

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FISIOGRÁFICA E AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA REPRESA DE CHAPÉU D UVAS NAS VAZÕES DO RIO PARAIBUNA

CARACTERIZAÇÃO FISIOGRÁFICA E AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA REPRESA DE CHAPÉU D UVAS NAS VAZÕES DO RIO PARAIBUNA CARACTERIZAÇÃO FISIOGRÁFICA E AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA REPRESA DE CHAPÉU D UVAS NAS VAZÕES DO RIO PARAIBUNA Ricardo Neves de Souza Lima 1 ; Vívian Gemiliano Pinto 2 ; Israel de Almeida Nogueira* 3, Beatriz

Leia mais

Validação das observações feitas com o pluviômetro de garrafa PET na cidade de Belém-PA.

Validação das observações feitas com o pluviômetro de garrafa PET na cidade de Belém-PA. Validação das observações feitas com o pluviômetro de garrafa PET na cidade de Belém-PA. Silvia Letícia Alves Garcêz¹, Maria Aurora Santos da Mota². ¹Estudante de Graduação da Universidade Federal do Pará,

Leia mais

X-006 - ASPECTOS DA EVOLUÇÃO DA URBANIZAÇÃO E DOS PROBLEMAS DE INUNDAÇÃO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

X-006 - ASPECTOS DA EVOLUÇÃO DA URBANIZAÇÃO E DOS PROBLEMAS DE INUNDAÇÃO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS X-006 - ASPECTOS DA EVOLUÇÃO DA URBANIZAÇÃO E DOS PROBLEMAS DE INUNDAÇÃO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Iria Fernandes Vendrame (1) Professora Adjunto no Departamento de Hidráulica do Instituto Tecnológico de

Leia mais

Estudo do comportamento hidrológico do Rio São Francisco e seus principais afluentes 1

Estudo do comportamento hidrológico do Rio São Francisco e seus principais afluentes 1 Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental v.11, n.6, p.615 622, 2007 Campina, PB, UAEAg/UFCG http://www.agriambi.com.br Protocolo 124.06 03/10/2006 Aprovado em 22/06/2007 Estudo do comportamento

Leia mais

Consumo de água na cidade de São Paulo. Cláudia Cristina dos Santos 1 Augusto José Pereira Filho 2

Consumo de água na cidade de São Paulo. Cláudia Cristina dos Santos 1 Augusto José Pereira Filho 2 Consumo de água na cidade de São Paulo Cláudia Cristina dos Santos 1 Augusto José Pereira Filho 2 1 Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE Caixa Postal 515 - CEP 12245-970 São José dos Campos SP,

Leia mais

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO

INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO INUNDAÇÕES NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTES EM GOIÂNIA-GO FLOODS IN PERMANENT PRESERVATION AREAS IN GOIÂNIA-GO Thalyta Lopes Rego Mestranda em Geografia, Universidade Federal de Goiás Instituto de

Leia mais

Montagem de SPDA e Aterramento

Montagem de SPDA e Aterramento Executamos obras com uma equipe especializada e experiente, qualificada na área de sistem as de SPDA e aterramento. O SPDA e o aterramento é de fundamental importância para a proteção de pessoas e de sistemas

Leia mais

UNIDADE 1 A BACIA HIDROGRÁFICA

UNIDADE 1 A BACIA HIDROGRÁFICA UNIDADE 1 A BACIA HIDROGRÁFICA 1 CURRÍCULO RESUMIDO Raquel Finkler Bióloga pela Universidade de Caxias do Sul (1999). Mestre em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal de Santa Catarina (2002).

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS PARA ÁGUAS PLUVIAIS NBR 10844

DIMENSIONAMENTO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS PARA ÁGUAS PLUVIAIS NBR 10844 ÁREA DE CONTRIBUIÇÃO DADOS PLUVIOMÉTRICOS Localidade: Praça XV Ângulo de inclinação da chuva: θ = 60,0 Tipo: Coberturas s/ extravazamento Período de Retorno: T = 25 anos Intensidade pluviométrica*: i =

Leia mais

SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA

SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA SANEAMENTO - DESAFIOS ÀREAS: RURAL e URBANA Caxias do Sul Rio Grande do Sul 96 km POA região nordeste, altitude média 760 m População: 404.187 hab.ibge 2010 território: 165.731,00 ha; urbano: 13.344,00

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Atlas de saneamento Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Guido Mantega INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ Gisele dos Santos Alves (1); Célia Maria Paiva; Mônica Carneiro Alves Xavier (1) Aluna do curso de graduação em Meteorologia - UFRJ e-mail:

Leia mais

Maria Amélia Zazycki 2, Afranio Almir Righes 3 e Galileo Adeli Buriol 4 RESUMO

Maria Amélia Zazycki 2, Afranio Almir Righes 3 e Galileo Adeli Buriol 4 RESUMO Disciplinarum Scientia. Série: Naturais e Tecnológicas, Santa Maria, v. 14, n. 2, p. 223-234, 2013. Recebido em: 15.04.2014. Aprovado em: 12.05.2014. ISSN 2176-462X RESUMO 1 Trabalho Final de Graduação

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO HIDROMORFOLÓGICA DA BACIA DO VALE DO ITAJAÍ

CARACTERIZAÇÃO HIDROMORFOLÓGICA DA BACIA DO VALE DO ITAJAÍ CARACTERIZAÇÃO HIDROMORFOLÓGICA DA BACIA DO VALE DO ITAJAÍ Francisco F. N. Marcuzzo 1 ; Murilo R. D. Cardoso 2 ; Ricardo Pinto Filho 3 ; Vanessa Romero 4 RESUMO A bacia do Vale do Itajaí se encontra em

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A BIOMAS DO MUNDO SAVANAS E DESERTOS 2011 Aula VI AS PRINCIPAIS FORMAÇÕES VEGETAIS DO PLANETA SAVANAS As savanas podem ser encontradas na África, América do Sul e Austrália sendo

Leia mais

O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL

O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL O AGENTE DA MOBILIDADE URBANA NO SISTEMA MUNICIPAL DE DEFESA CIVIL Autores: Carlos Aparecido de Lima - carlosaparecido@emdec.com.br José Eduardo Vasconcellos - eduardovasconcellos@emdec.com.br Carlos Roberto

Leia mais

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado

NBR 7480/1996. Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado NBR 7480/1996 Barras e fios de aço destinados a armaduras para concreto armado OBJETIVO Fixar as condições exigíveis na encomenda, fabricação e fornecimento de barras e fios de aço destinados a armaduras

Leia mais

DISPONIBILIDADE DE ÁGUA E USO DA TERRA NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO AGUAPEÍ MATO GROSSO/BRASIL

DISPONIBILIDADE DE ÁGUA E USO DA TERRA NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO AGUAPEÍ MATO GROSSO/BRASIL DISPONIBILIDADE DE ÁGUA E USO DA TERRA NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO AGUAPEÍ MATO GROSSO/BRASIL Anderson Ritela¹, Ivaniza de Lourdes Lazzarotto Cabral², Célia Alves de Souza³ ¹Doutorando em Geografia pela

Leia mais

Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA

Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA 413 Eixo Temático ET-08-011 - Recursos Hídricos NOVAS TECNOLOGIAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO DA CAPTAÇÃO DA ÁGUA DE CHUVA Maria Isabel Cacimiro Xavier Estudante de Graduação em Gestão Ambiental, IFPB,

Leia mais

reuso e utilização de água de chuva

reuso e utilização de água de chuva Definições Legislação sobre reuso e utilização de água de chuva FABIANO GENEROSO Biólogo Especialista em Técnicas Avançadas em Análises Clínicas - USP Especialista em Parasitologia Médica - USP Especialista

Leia mais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais

Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Tema 2 - Reabilitação e Reforços de Estruturas Estudo do Efeito de Punção em Lajes Lisas e Cogumelo Mediante a Utilização de Normas Técnicas e Resultados Experimentais Leandro Carvalho D Ávila Dias 1,a

Leia mais

Gestão Integrada de Águas Urbanas

Gestão Integrada de Águas Urbanas Recursos Hídricos na Região Sudeste: Segurança Hídrica, Riscos, Impactos e Soluções São Paulo, 20-21 de novembro de 2014 Gestão Integrada de Águas Urbanas Prof. Carlos E. M. Tucci Rhama Consultoria Ambiental

Leia mais

Extremos da variabilidade do clima e impactos na sociedade : A seca e crise hídrica de 2014-15 no Sudeste do Brasil

Extremos da variabilidade do clima e impactos na sociedade : A seca e crise hídrica de 2014-15 no Sudeste do Brasil Extremos da variabilidade do clima e impactos na sociedade : A seca e crise hídrica de 2014-15 no Sudeste do Brasil J. Marengo, C. Nobre, M Seluchi, A. Cuartas, L. Alves, E. Mendiondo CEMADEN, Brasil jose.marengo@cemaden.gov.br

Leia mais

CARTA-CIRCULAR 2.826 --------------------

CARTA-CIRCULAR 2.826 -------------------- CARTA-CIRCULAR 2.826 -------------------- Divulga relacao de operacoes e situacoes que podem configurar indicio de ocorrencia dos crimes previstos na Lei n. 9.613, de 03.03.98, e estabelece procedimentos

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

MAPA DE INUNDAÇÃO COMO FERRAMENTA AO CONTROLE DE INUNDAÇÕES: o caso de Maceió- AL. FLOOD MAP AS A TOOL TO CONTROL OF FLOODS: the case of Maceió- AL

MAPA DE INUNDAÇÃO COMO FERRAMENTA AO CONTROLE DE INUNDAÇÕES: o caso de Maceió- AL. FLOOD MAP AS A TOOL TO CONTROL OF FLOODS: the case of Maceió- AL MAPA DE INUNDAÇÃO COMO FERRAMENTA AO CONTROLE DE INUNDAÇÕES: o caso de Maceió- AL Gustavo José Callado Fernandes de Lima¹ Resumo: As enchentes ou inundações se manifestam de forma mais acentuada nas grandes

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1ª PARTE (ÁGUA SUBTERRÂNEA) 1- Como pode ser classificado um manancial de abastecimento? 2- De que são constituídos

Leia mais

II-152 AVALIAÇÃO DA POSSIBILIDADE DE USO DA ÁGUA DE CHUVA NO CAMPUS BARIGUI DA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ

II-152 AVALIAÇÃO DA POSSIBILIDADE DE USO DA ÁGUA DE CHUVA NO CAMPUS BARIGUI DA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ II-152 AVALIAÇÃO DA POSSIBILIDADE DE USO DA ÁGUA DE CHUVA NO CAMPUS BARIGUI DA UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ Ana Paula Matias Schatzmann (1) Graduanda em Engenharia Ambiental pela Universidade Tuiuti do

Leia mais

5 Modelos Estruturais

5 Modelos Estruturais 5 Modelos Estruturais 5.1 Introdução Neste capítulo, os modelos estruturais utilizados para avaliação do conforto humano serão descritos segundo suas características geométricas e físicas referentes aos

Leia mais

Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA

Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA Instruções Técnicas Licenciamento Prévio para Destinação Final de RESIDUOS DE FOSSA SÉPTICA DISA INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO: As instruções necessárias para o preenchimento da folha de rosto deste formulário,

Leia mais

BACIA DO RIO DAS VELHAS

BACIA DO RIO DAS VELHAS BACIA DO RIO DAS VELHAS A bacia hidrográfica do rio das Velhas está localizada na região central do estado de Minas Gerais, entre as coordenadas 17 o 15 e 20 o 25 S - 43 o 25 e 44 o 50 W, apresentando

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011

INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 INSTRUÇÃO TÉCNICA DPO Nº 5, de 10/11/2011 1. Objeto. 2. Referências. OUTORGA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS UHE / PCH / CGH 3. Obtenção de outorgas junto ao. 4. Fluxograma dos procedimentos para uso

Leia mais

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht

Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem. Bertold Brecht Do rio que tudo arrasta se diz que é violento Mas ninguém diz violentas as margens que o comprimem Bertold Brecht Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 3 Usinas Hidrelétricas

Leia mais

Influência de padrões morfométricos sobre as ocorrências de inundações na bacia do Córrego Cobiça, Cachoeiro de Itapemirim-ES

Influência de padrões morfométricos sobre as ocorrências de inundações na bacia do Córrego Cobiça, Cachoeiro de Itapemirim-ES nais XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 3 a 8 de abril de 03, INPE Influência de padrões morfométricos sobre as ocorrências de inundações na bacia do Córrego

Leia mais