SOBRE OS PROCEDIMENTOS USADOS NOS LABORATÓRIOS DE PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS (176), PESQUISA METALOGRÁFICA (184), MICROSCOPIA ÓPTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOBRE OS PROCEDIMENTOS USADOS NOS LABORATÓRIOS DE PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS (176), PESQUISA METALOGRÁFICA (184), MICROSCOPIA ÓPTICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO" FACULDADE DE ENGENHARIA - CÂMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ÁREA DE MATERIAIS E PROCESSOS DE FABRICAÇÃO SOBRE OS PROCEDIMENTOS USADOS NOS LABORATÓRIOS DE PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS (176), PESQUISA METALOGRÁFICA (184), MICROSCOPIA ÓPTICA (175) e CARACTERIZAÇÃO Docente Responsável: Dr. Juno Gallego - Professor Adjunto Técnico Responsável: Marino Teixeira Caetano Auxiliar Acadêmico ILHA SOLTEIRA (SP) JANEIRO DE 2013

2 1. MEMORIAL DAS ATIVIDADES DE LABORATÓRIO Nestes laboratórios são executadas as seguintes atividades práticas: a) Inspeção visual de peças/amostras para análise macrográfica; b) corte mecânico ou abrasivo de amostras para análise macro/micrográfico; c) embutimento de amostras reduzidas em resina termofixa (baquelite) ou termoplástica (poliéster); d) preparação de superfície por lixamento mecânico; e) polimento de superfície para análise micrográfica; f) revelação da macro/microestrutura para análise metalográfica; g) análise macrográfica ou micrográfica da superfície preparada; h) aplicação de tratamentos térmicos para alteração de propriedades mecânicas; i) aplicação de tratamentos termoquímicos para endurecimento superficial; 2. RELAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E INSUMOS De acordo com as atividades executadas, são utilizados os seguintes equipamentos e Insumos nas aulas práticas: a) Inspeção visual de peças/amostras para análise macrográfica: usa-se lupa / lente de baixo aumento;

3 b) corte mecânico ou abrasivo de amostras para análise macro/micrográfico: morsa de bancada (oficina), arco de serra (oficina), disco de corte abrasivo resfriado com água, cortadeira metalográfica; c) embutimento de amostras reduzidas em resina: as amostras são embutidas em resina termofixa (baquelite) por meio de prensa apropriada ou em resina termoplástica (poliéster), usando moldes de silicone flexível. Usam-se baquelite em pó, prensa embutidora, poliéster pré-acelerada, polimetil-etil-cetona (catalizador), moldes de silicone reaproveitáveis; d) preparação de superfície por lixamento mecânico: a superfície da amostra é alisada por lixas de diferentes granulometrias, normalmente da #120 (grossa) até a #600 (fina), sob resfriamento com água controlada na lixadeira manual. Usam-se lixas de grana #120, 220, 320, 400 e 600, lixadeiras manuais com tampo inclinado e controle de água para resfriamento e limpeza; e) polimento de superfície para análise micrográfica: um pano felpudo é montado sobre um disco rotativo montado na politriz, sendo o polimento feito por meio de abrasivo fino em suspensão aquosa (alumina 1 micrometro) depositado no pano. Usam-se panos felpudos reaproveitáveis, alumina em suspensão aquosa e politriz mecânica de disco rotativo com velocidade ajustável; f) revelação da macro/microestrutura para análise metalográfica: esta etapa é concluída por meio de reações químicas promovidas sobre a superfície preparada da amostra, usando-se soluções ácidas ou básicas dependendo do objetivo da análise. A mistura usada é preparada exclusivamente pelo professor. Usa-se normalmente soluções de baixa concentração (2%) de ácido nítrico em etanol, solução aquosa de ácido sulfúrico para identificação de sulfetos em papel fotográfico; solução de hiposulfito de sódio para fixação de manchas em papel fotográfico velado. Cuidados com produtos químicos envolvem uso de capela para exaustão, vidrarias e dispositivos apropriados para manipulação segura das substâncias químicas. g) análise macrográfica ou micrográfica da superfície preparada: é a interpretação do aspecto apresentado pela superfície da amostra, onde é empregada uma lupa (macro) ou um microscópio óptico (micrografia). Imagens são registradas em câmera digital, podendo ser usado um analisador de imagem para determinação de tamanho/área dos detalhes; h) aplicação de tratamentos térmicos para alteração de propriedades mecânicas: peças de diferentes ligas metálicas são introduzidas em forno mufla para a realização de

4 tratamentos térmicos. De acordo com o tipo de resfriamento há uma variação na dureza do material, medida por durometro Vickers ou Rockwell. Usa-se forno mufla até 1100 C, ar, água e óleo como meios de resfriamento; i) aplicação de tratamentos termoquímicos para endurecimento superficial: o aumento da dureza superficial é importante para componentes mecânicos sujeitos ao desgaste. O endurecimento superficial é conseguido por meio de cementação, onde carbono é introduzido na superfície da peça de aço após aquecimento de uma caixa som carvão vegetal aditivado em forno mufla. O tratamento térmico subseqüente é o responsável pelo endurecimento superficial da peça. Usa-se forno mufla até 1100 C, enterrando a peça/amostra em caixa metálica contendo carvão moído e aditivo (5% carbonato de bário), mantendo-se a caixa na temperatura durante várias horas. Após retirada e esfriamento da caixa a peça é removida e tratada termicamente para endurecimento superficial; 3. PROCEDIMENTOS DE LIMPEZA DE LABORATÓRIO A limpeza do ambiente/piso é efetuada pelo pessoal do Setor de Zeladoria. As bancadas e equipamentos são mantidos limpos pelos responsáveis e usuários, mediante as instruções especificadas abaixo: A limpeza das bancadas é de responsabilidade dos usuários do laboratório (servidor, docente e alunos), os quais são orientados verbalmente: Se sujou, limpe com pano úmido (pano seco e vassoura só espalham a sujeira); Não deixe amostras e materiais em cima das bancadas;

5 Amostras devem ser armazenadas no dessecador ou nas gavetas de amostras; Vidrarias (béqueres, vidro de relógio, pipeta, etc...) devem ser imediatamente limpos após o uso, com água corrente abundante. Deixar a vidraria secando ao ar, sem usar pano ou toalha de papel. Preparação de solução na quantidade estritamente necessária para o experimento. Usar local adequado (capela com ventilação). Evitar excesso/disperdício de reagentes. O lixo comum deve ser descartado na lixeira existente na sala; As lixas usadas podem ser reaproveitadas na oficina mecânica. Deposite-as na caixa de coleta disponibilizada para este fim; Limpe os discos de polimento com água abundante; Resíduos químicos e recipientes usados devem ser estocados para ser posteriormente repassados para a Comissão Gestora de Resíduos da UNESP Ilha Solteira; Prof. Dr. Juno Gallego Professor Responsável

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Faculdade de Engenharia Engenharia Mecânica

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Faculdade de Engenharia Engenharia Mecânica UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Faculdade de Engenharia Engenharia Mecânica Procedimentos do Laboratório de Metalografia Baseado no Procedimento Metalografia para preparação de amostra Juiz de Fora

Leia mais

Palavras chave: tratamento térmico, óleo de palma, caracterização microestrutural

Palavras chave: tratamento térmico, óleo de palma, caracterização microestrutural ESTUDO COMPARATIVO DA VANTAGEM DE UMA TÊMPERA EM ÓLEO DE PALMA SOBRE A TÊMPERA TRADICIONAL EM AÇO AISI 5160. Tatianne Cristine de Oliveira Nunes 1, Vanessa de Nazaré Barroso Amorim 1, Elielson Alves dos

Leia mais

Micrografia [4] de amostras

Micrografia [4] de amostras Micrografia [4] Análise da microestrutura preparação de amostras Etapas: Inspeção preliminar Critérios para análise Extração da amostra (corte) Montagem e identificação da amostra Desbaste (lixamento)

Leia mais

3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 3.1. Material O material adotado no presente trabalho foi um aço do tipo SAE 4140 recebido em forma de barra circular com diâmetro e comprimento de 165 mm e 120 mm,

Leia mais

que tipo de detalhe interessa? eletricamente condutora ou não?

que tipo de detalhe interessa? eletricamente condutora ou não? Preparação de amostras - MEV [9] Configurações MEV: Algumas perguntas sobre a natureza das amostras: orgânica ou inorgânica? se orgânica, tem vida? maciça ou porosa? dura ou macia? frágil ou dúctil? grande

Leia mais

Técnicas de Caracterização de Materiais DEMEC TM049 Prof Adriano Scheid

Técnicas de Caracterização de Materiais DEMEC TM049 Prof Adriano Scheid Técnicas de Caracterização de Materiais DEMEC TM049 Prof Adriano Scheid Análise Metalográfica Análise Metalográfica Histórico Henry Clifton Sorby 1863 observou pela primeira vez uma microestrutura em microscópio.

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MICRO-ESTRUTURAL E MECÂNICA DE UM AÇO BAIXO TEOR DE CARBONO TRATADO EM MEIOS DIVERSOS DE RESFRIAMENTO

CARACTERIZAÇÃO MICRO-ESTRUTURAL E MECÂNICA DE UM AÇO BAIXO TEOR DE CARBONO TRATADO EM MEIOS DIVERSOS DE RESFRIAMENTO CARACTERIZAÇÃO MICRO-ESTRUTURAL E MECÂNICA DE UM AÇO BAIXO TEOR DE CARBONO TRATADO EM MEIOS DIVERSOS DE RESFRIAMENTO A.G.P. FERREIRA 1 ; R.L. SANTOS 2 ; S. A. A. IGREJA 3 ; F.A. GONÇALVES 4 L.S. NASCIMENTO

Leia mais

Normas de segurança e utilização no laboratório (Versão 2: aprovada em Reunião do Departamento de Engenharia Rural em 06/07/2017)

Normas de segurança e utilização no laboratório (Versão 2: aprovada em Reunião do Departamento de Engenharia Rural em 06/07/2017) Normas de segurança e utilização no laboratório (Versão 2: aprovada em Reunião do Departamento de Engenharia Rural em 06/07/2017) A seguir são listadas as normas de segurança e utilização dos Laboratórios

Leia mais

ENSAIO DOS MATERIAIS Professora Silvia M. Higa

ENSAIO DOS MATERIAIS Professora Silvia M. Higa ENSAIO DOS MATERIAIS Professora Silvia M. Higa I. Introdução Os ensaios aplicados aos materiais são de grande importância para avaliar suas propriedades após processos de conformação, soldagem, tratamentos

Leia mais

3. MÉTODOS EXPERIMENTAIS

3. MÉTODOS EXPERIMENTAIS 3. MÉTODOS EXPERIMENTAIS 43 Para a realização dos experimentos, foram realizadas as etapas de definição e preparação das amostras da matéria prima com a variação das propriedades mecânicas (dureza do material),

Leia mais

3URFHGLPHQWR([SHULPHQWDO

3URFHGLPHQWR([SHULPHQWDO 3URFHGLPHQWR([SHULPHQWDO /LJD(VWXGDGD A liga estudada neste trabalho foi produzida pela firma francesa Pechiney Recherche na forma de placas laminadas de dimensões 270 mm de comprimento por 210 mm de largura

Leia mais

DISCOS ABRASIVOS - TECLAGO

DISCOS ABRASIVOS - TECLAGO DISCOS ABRASIVOS - TECLAGO DISCOS DE CORTE - ÓXIDO DE ALUMÍNIO ( AL 2 O 3 ) MODELO DIMENSÕES DUREZA A B C TCM2 1,5 mm *230 mm 19 mm DE 15 á 35 HRC TCM3 1,5 mm *230 mm 19 mm DE 35 á 50 HRC TCM4 1,5 mm *230mm

Leia mais

TÊMPERA EM ÓLEO DE PALMA: UM ESTUDO APLICADO EM AÇO DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA UTILIZADO COMO INSTRUMENTO DE CORTE

TÊMPERA EM ÓLEO DE PALMA: UM ESTUDO APLICADO EM AÇO DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA UTILIZADO COMO INSTRUMENTO DE CORTE TÊMPERA EM ÓLEO DE PALMA: UM ESTUDO APLICADO EM AÇO DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA UTILIZADO COMO INSTRUMENTO DE CORTE Elielson Alves dos Santos 1, Evaldo Júlio Ferreira Soares 1, João Luís Pereira 2, Tatianne

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS: AÇOS E SUAS LIGAS. Os tratamentos térmicos em metais ou ligas metálicas, são definidos como:

TRATAMENTOS TÉRMICOS: AÇOS E SUAS LIGAS. Os tratamentos térmicos em metais ou ligas metálicas, são definidos como: TRATAMENTOS TÉRMICOS: AÇOS E SUAS LIGAS Os tratamentos térmicos em metais ou ligas metálicas, são definidos como: - Conjunto de operações de aquecimento e resfriamento; - Condições controladas de temperatura,

Leia mais

macrografia [3] Os materiais de engenharia: Metálicos Cerâmicos Poliméricos Compósitos Aplicações Propriedades Processamento Estrutura Composição 1>

macrografia [3] Os materiais de engenharia: Metálicos Cerâmicos Poliméricos Compósitos Aplicações Propriedades Processamento Estrutura Composição 1> [3] Os materiais de engenharia: Propriedades Aplicações Metálicos Cerâmicos Poliméricos Compósitos Processamento Estrutura Composição 1> Ordem de grandeza - macrografia Luz: 400-750nm Ref.: ASM Handbook.

Leia mais

Palavras chave: Aço-carbono, Tratamento Térmico, Propriedade Mecânica.

Palavras chave: Aço-carbono, Tratamento Térmico, Propriedade Mecânica. Caracterização Mecânica e Microestrutural de um Aço AISI 1060 submetido a diferentes Meios de Resfriamentos Angela de Jesus Vasconcelos 1, Daniele Cristina de Brito Lima Soares 1, Adriano Matos Mendes

Leia mais

Técnicas de Trabalho com Material Volumétrico

Técnicas de Trabalho com Material Volumétrico Universidade Federal de Goiás Instituto de Química Curso Experimental de Transformações Químicas 2010 Prof. Dr. Anselmo (adaptado, Agustina) Técnicas de Trabalho com Material Volumétrico 1 Objetivo Nesta

Leia mais

Tratamentos Termoquímicos [9]

Tratamentos Termoquímicos [9] [9] Projeto mecânico resistência ao desgaste + tenacidade Visualização das tensões no contato mecânico entre engrenagens cilíndricas de dentes retos (efeito fotoelástico). formação de uma superfície dura

Leia mais

Catálogo de produtos consumíveis para preparação metalográfica

Catálogo de produtos consumíveis para preparação metalográfica www.arotec.com.br Catálogo de produtos consumíveis para preparação metalográfica 2016 segundo semestre Versão 2.1 junho/2016 Sumário Corte... 3 Discos de corte... 3 Líquido refrigerante para corte... 4

Leia mais

TRATAMENTOS EMPREGADOS EM MATERIAIS METÁLICOS

TRATAMENTOS EMPREGADOS EM MATERIAIS METÁLICOS Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS I AT-096 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br TRATAMENTOS EMPREGADOS EM 1 INTRODUÇÃO: Existem

Leia mais

2002 no segmento de tratamento térmico em metais nascida da fusão entre duas empresas com mais de 20 anos no mercado de tratamento térmico.

2002 no segmento de tratamento térmico em metais nascida da fusão entre duas empresas com mais de 20 anos no mercado de tratamento térmico. Empresa A Metal Härte Tratamento Térmico é uma empresa que atua no mercado desde 2002 no segmento de tratamento térmico em metais nascida da fusão entre duas empresas com mais de 20 anos no mercado de

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS DO LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Tópicos de Química Experimental. Débora Alvim/ Willian Miguel

MATERIAIS BÁSICOS DO LABORATÓRIO DE QUÍMICA. Tópicos de Química Experimental. Débora Alvim/ Willian Miguel MATERIAIS BÁSICOS DO LABORATÓRIO DE QUÍMICA Tópicos de Química Experimental Débora Alvim/ Willian Miguel BÉQUER OU BECHER É de uso geral em laboratório: Serve para fazer reações entre soluções Dissolver

Leia mais

5007 Reação do anidrido ftálico com resorcinol para obtenção de fluoresceína

5007 Reação do anidrido ftálico com resorcinol para obtenção de fluoresceína 57 Reação do anidrido ftálico com resorcinol para obtenção de fluoresceína CH H H + 2 + 2 H 2 H C 8 H 4 3 C 6 H 6 2 C 2 H 12 5 (148.1) (11.1) (332.3) Classificação Tipos de reações e classes das substâncias

Leia mais

Moagem Fina à Seco e Granulação vs. Moagem à Umido e Atomização na Preparação de Massas de Base Vermelha para Monoqueima Rápida de Pisos Vidrados

Moagem Fina à Seco e Granulação vs. Moagem à Umido e Atomização na Preparação de Massas de Base Vermelha para Monoqueima Rápida de Pisos Vidrados Moagem Fina à Seco e Granulação vs. Moagem à Umido e Atomização na Preparação de Massas de Base Vermelha para Monoqueima Rápida de Pisos Vidrados G. Nassetti e C. Palmonari Centro Cerâmico Italiano, Bologna,

Leia mais

A Tabela 2 apresenta a composição química do depósito do eletrodo puro fornecida pelo fabricante CONARCO. ELETRODO P S C Si Ni Cr Mo Mn

A Tabela 2 apresenta a composição química do depósito do eletrodo puro fornecida pelo fabricante CONARCO. ELETRODO P S C Si Ni Cr Mo Mn 3 Materiais e Procedimentos Experimentais 3.1 Materiais Utilizados Com o objetivo de se avaliar o efeito do Mn no comportamento do metal de solda depositado, foram produzidos experimentalmente pela CONARCO

Leia mais

Maquinas Termicas - Fornalha

Maquinas Termicas - Fornalha Máquinas Térmicas: Fornalhas Combustão 1 Fornalha Converte energia química do combustível em energia térmica. De acordo com o tipo e a qualidade do combustível disponível, a queima pode ser em suspensão,

Leia mais

MANUAL DE conservação e limpeza

MANUAL DE conservação e limpeza MANUAL DE conservação e limpeza 1 MAnual de conservação e limpeza Uma boa conservação e uma limpeza correta pode aumentar a durabilidade e também a estética do seu móvel. Este manual visa dar dicas e sugestões

Leia mais

Catálogo de produtos consumíveis para preparação metalográfica

Catálogo de produtos consumíveis para preparação metalográfica Catálogo de produtos consumíveis para preparação metalográfica Arotec www.arotec.com.br Matriz Rua São Vicente, 289, Parque Rincão. Cotia/SP CEP 06705-435 Fones: (11) 4613-8600 Central (11) 4613-8619;

Leia mais

1. Descrição Densificador para piso de concreto com baixa resistência, a base de resina epóxi de alta performance, bicomponente,

1. Descrição Densificador para piso de concreto com baixa resistência, a base de resina epóxi de alta performance, bicomponente, Adepox DNS Densificador epóxi. 1. Descrição Densificador para piso de concreto com baixa resistência, a base de resina epóxi de alta performance, bicomponente, utilizado principalmente para estruturar

Leia mais

Complemento das Aulas 13 e 14: Os principais equipamentos presentes em um laboratório

Complemento das Aulas 13 e 14: Os principais equipamentos presentes em um laboratório MATERIAL EXTRA 2 BIMESTRE ENSINO MÉDIO Prof.: Cotrim 1ª Série Data: 18/04/2017 Complemento das Aulas 13 e 14: Os principais equipamentos presentes em um laboratório A execução de experimentos, em um laboratório

Leia mais

Sistema de Gestão de Qualidade ES Especificação Técnica

Sistema de Gestão de Qualidade ES Especificação Técnica Especificação Técnica Código Página 1 TRATAMENTO DE FACHADAS DE CONCRETO APARENTE Sistema adotado Execução de serviços de recomposição e tratamento de fachadas de concreto aparente retornando a condição

Leia mais

Histórico. Histórico. Conceito. Conceito. Requisitos. Requisitos. Composição. Composição. Indicação. Indicação. Tipos. Tipos. Histórico.

Histórico. Histórico. Conceito. Conceito. Requisitos. Requisitos. Composição. Composição. Indicação. Indicação. Tipos. Tipos. Histórico. Disciplina Titulo da aula Expositor Slides 34 Materiais Dentários I Revestimentos odontológicos Prof. Dr. Eclérion Chaves Duração Aproximadamente 1:30 Plano de aula Publicado em: http://usuarios.upf.br/~fo/disciplinas/materiais%20dentarios/materiais1.htm

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

EXERCÍCIOS SOBRE TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS EXERCÍCIOS SOBRE TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS 1. Em que consiste, de uma maneira geral, o tratamento térmico? R: Alterar as microestruturas das ligas metálicas e como conseqüência as propriedades

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DE GESTÃO DE PRODUTOS DE RISCO NOS LABORATÓRIOS

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DE GESTÃO DE PRODUTOS DE RISCO NOS LABORATÓRIOS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DE GESTÃO DE PRODUTOS DE RISCO NOS LABORATÓRIOS SOBRAL - CE ÍNDICE 1. DEFINIÇÃO... 01 2. DERRAMAMENTOS ACIDENTAIS DE PRODUTOS QUÍMICOS... 01 3. DESCARTE DE RESÍDUOS

Leia mais

A superfície polida, geralmente, é avaliada a olho nu, e deve atender à algumas condições:

A superfície polida, geralmente, é avaliada a olho nu, e deve atender à algumas condições: Informativo Técnico 03 Revisão 01 28/03/2016 Pg. 1/5 1. Introdução J.C.Vendramim, Eng.MSc Ato ou efeito de polir, tornar lustroso, friccionado. brunido, lustrado [1], é o conceito para a operação de melhoria

Leia mais

ESTUDO DE COMPOSTOS INTERMETÁLICOS DE Au Al, OBTIDOS POR DIFUSÃO NO ESTADO SÓLIDO, USANDO A MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA (MEV)

ESTUDO DE COMPOSTOS INTERMETÁLICOS DE Au Al, OBTIDOS POR DIFUSÃO NO ESTADO SÓLIDO, USANDO A MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA (MEV) ESTUDO DE COMPOSTOS INTERMETÁLICOS DE Au Al, OBTIDOS POR DIFUSÃO NO ESTADO SÓLIDO, USANDO A MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA (MEV) A. S. S NEVES 1, L. M. M. DIAS 2, M. V. R. da SILVA 3, F. A. de SÁ

Leia mais

PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I

PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I INDÚSTRIAS DE CLORO-ÁLCALIS INTRODUÇÃO INDÚSTRIAS DE CLORO-ÁLCALIS: Na 2 CO 3 SODA CÁUSTICA NaOH CLORO Essas substâncias estão entre as mais importantes das indústrias

Leia mais

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker Tratamento Térmico Profa. Dra. Daniela Becker Bibliografia Callister Jr., W. D. Ciência e engenharia de materiais: Uma introdução. LTC, 5ed., cap 11, 2002. Shackelford, J.F. Ciências dos Materiais, Pearson

Leia mais

Metais. informativo técnico

Metais. informativo técnico Metais informativo técnico METAIS Móveis de metal são uma escolha de materiais para mobília, usados tanto em área interna quanto em área externa. A variedade de ligas metálicas existentes permite o uso

Leia mais

PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I

PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I PROCESSOS QUÍMICOS INDUSTRIAIS I INDÚSTRIAS DE CLORO-ÁLCALIS LCALIS INTRODUÇÃO INDÚSTRIAS DE CLORO-ÁLCALIS: LCALIS: Na 2 CO 3 SODA CÁUSTICA C NaOH CLORO Essas substâncias estão entre as mais importantes

Leia mais

Avaliação da microestrutura e da microdureza do ferro fundido cinzento

Avaliação da microestrutura e da microdureza do ferro fundido cinzento CADERNOS UniFOA ISSN: 809-9475 Edição 28 Agosto de 205 e-issn: 982-86 Avaliação da microestrutura e da microdureza do ferro fundido cinzento Avaliation of microstructure and microhardness of gray cast

Leia mais

PROCESSO DE REUSO DE AREIA DESCARTADA DE FUNDIÇÃO (ADF) NA FABRICAÇÃO DE VIDRO

PROCESSO DE REUSO DE AREIA DESCARTADA DE FUNDIÇÃO (ADF) NA FABRICAÇÃO DE VIDRO PROCESSO DE REUSO DE AREIA DESCARTADA DE FUNDIÇÃO (ADF) NA FABRICAÇÃO DE VIDRO PROF. CARLOS ALBERTO KLIMECK GOUVÊA ALUNO: MATHEUS TICHER INTRODUÇÃO São geradas cerca de 2,8milhões t/ano de ADF no Brasil

Leia mais

Operações Unitárias POLIMEROS

Operações Unitárias POLIMEROS Operações Unitárias POLIMEROS Processo PLÁSTICO são materiais orgânicos poliméricos sintéticos, de constituição macromolecular dotada de grande maleabilidade (que apresentam a propriedade de adaptar-se

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DA VANTAGEM DE UMA TÊMPERA EM ÓLEO DE PALMA SOBRE A TÊMPERA TRADICIONAL EM AÇOS

ESTUDO COMPARATIVO DA VANTAGEM DE UMA TÊMPERA EM ÓLEO DE PALMA SOBRE A TÊMPERA TRADICIONAL EM AÇOS ESTUDO COMPARATIVO DA VANTAGEM DE UMA TÊMPERA EM ÓLEO DE PALMA SOBRE A TÊMPERA TRADICIONAL EM AÇOS E. J. F. Soares 1, e-mail: ejfsoares@oi.com.br Av. Almirante Barroso, 1155, Marco, Belém-PA. CEP: 66093-020

Leia mais

4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico

4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico 4024 Síntese enantioseletiva do éster etílico do ácido (1R,2S)-cishidroxiciclopentano-carboxílico H levedura C 8 H 12 3 C 8 H 14 3 (156,2) (158,2) Classificação Tipos de reação e classes de substâncias

Leia mais

BC-1302 QUÍMICA DOS ELEMENTOS

BC-1302 QUÍMICA DOS ELEMENTOS PRÁTICA 5: Oxigênio e Enxofre Objetivos Preparar o gás oxigênio, por método laboratorial e estudar algumas de suas propriedades. Estudar o enxofre nas suas variações alotrópicas e algumas de suas reações.

Leia mais

Adesivos Estruturais Jet-Weld TM TE-030 TE-031 TE-100 TS-230

Adesivos Estruturais Jet-Weld TM TE-030 TE-031 TE-100 TS-230 Dados Técnicos Agosto/99 Descrição do Produto TE-030 TE-031 TE-100 TS-230 Produto extrusivo, com rápido tempo de cura inicial, utilizado para colagem de madeira. Produto extrusivo com rápido tempo de cura

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS TRATAMENTOS TÉRMICOS REALIZADOS EM AÇO 8640

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS TRATAMENTOS TÉRMICOS REALIZADOS EM AÇO 8640 Congresso Técnico Científico da Engenharia e da Agronomia CONTECC 2016 Rafain Palace Hotel & Convention Center- Foz do Iguaçu - PR 29 de agosto a 1 de setembro de 2016 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE OS TRATAMENTOS

Leia mais

Faculdade SENAI de Tecnologia INFRAESTRUTURA FÍSICA. Unidade : Centro de Formação Profissional José Fagundes Netto

Faculdade SENAI de Tecnologia INFRAESTRUTURA FÍSICA. Unidade : Centro de Formação Profissional José Fagundes Netto INFRAESTRUTURA FÍSICA Unidade : Centro de Formação Profissional José Fagundes Netto Dependências ÁREA (m 2 ) Laboratório de CAD 01 60,00 Laboratório de Redes e Arquitetura de Computadores 01 37,72 Laboratório

Leia mais

MF-431.R-1 - MÉTODO TURBIDIMÉTRICO PARA DETERMINAÇÃO DE SULFATO

MF-431.R-1 - MÉTODO TURBIDIMÉTRICO PARA DETERMINAÇÃO DE SULFATO MF-431.R-1 - MÉTODO TURBIDIMÉTRICO PARA DETERMINAÇÃO DE SULFATO Notas: Revisão aprovada pela Deliberação CECA nº 0102, de 04 de setembro de 1980. Publicada no DOERJ de 18 de setembro de 1980. 1. OBJETIVO

Leia mais

02/05/2016. Normas de laboratório INTRODUÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO:

02/05/2016. Normas de laboratório INTRODUÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE SEGURANÇA NO LABORATÓRIO: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA RIO GRANDE DO NORTE Disciplina: Análise de Alimentos Normas de laboratório INTRODUÇÃO Acidente de trabalho é todo evento: inesperado e indesejável que

Leia mais

Discos de fibra COMBICLICK patenteado sistema refrigerado com troca rápida

Discos de fibra COMBICLICK patenteado sistema refrigerado com troca rápida iscos de fibra COMBICLICK patenteado sistema refrigerado com troca rápida COOL QUICK COMBICLICK TRUST BLUE Redução da carga térmica sobre a ferramenta e a peça trabalhada Alta taxa de remoção e vida útil

Leia mais

AUMENTO DA VIDA ÚTIL DE BOMBAS POR METALIZAÇÃO DE SUPERFÍCIE COM CARBETO DE TUNGSTÊNIO BASE COLBALTO POR MÉTODO HVOF.

AUMENTO DA VIDA ÚTIL DE BOMBAS POR METALIZAÇÃO DE SUPERFÍCIE COM CARBETO DE TUNGSTÊNIO BASE COLBALTO POR MÉTODO HVOF. AUMENTO DA VIDA ÚTIL DE BOMBAS POR METALIZAÇÃO DE SUPERFÍCIE COM CARBETO DE TUNGSTÊNIO BASE COLBALTO POR MÉTODO HVOF Sabrina de Março LOCAL: CN Lubrasil Lubrificantes (setor petroquímico) Piracicaba/SP

Leia mais

LL-SAL DE SELAGEM NF

LL-SAL DE SELAGEM NF Patentes: Italiana, Européia, USA, Canadá e México. DESCRIÇÃO O produto permite a selagem da camada anódica do Alumínio Anodizado e suas ligas, operando num intervalo de temperatura de 26 ºC a 30 ºC. A

Leia mais

Revestimento Níquel Químico

Revestimento Níquel Químico Revestimento Níquel Químico O que é Níquel Químico Propriedades do Níquel Químico É um tipo especial de revestimento que aumenta a resistência à abrasão e corrosão e que não requer corrente elétrica, retificadores

Leia mais

CONTROLE DE REVISÕES - POLIPRENE REV. FL. REV. DATA POR EMISSÃO APROV. DESCRIÇÃO DE REVISÕES 0 12/01/09 RF 01 RF EMISSÃO INICIAL

CONTROLE DE REVISÕES - POLIPRENE REV. FL. REV. DATA POR EMISSÃO APROV. DESCRIÇÃO DE REVISÕES 0 12/01/09 RF 01 RF EMISSÃO INICIAL POLIPRENE - AR BOOK 1/6 FL. REV. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 1 11 12 13 14 15 CONTROLE DE REVISÕES - POLIPRENE 1 26 2 27 3 28 4 29 FL. REV. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 1 11 12 13 14 15 5 3 6 31 7 32 8 33 9 34 1 35 11 36 12

Leia mais

ANÁLISE METALOGRÁFICA DO AÇO INOX 304 SUBMETIDO A DIFERENTES ESFORÇOS MECÂNICOS

ANÁLISE METALOGRÁFICA DO AÇO INOX 304 SUBMETIDO A DIFERENTES ESFORÇOS MECÂNICOS ANÁLISE METALOGRÁFICA DO AÇO INOX 304 SUBMETIDO A DIFERENTES ESFORÇOS MECÂNICOS Anderson D. L. S. 1, Diego R. Marinho. 1, Francisco P. De Araújo Júnior 1, Lucas N. Horiuchi 1, Hugo Leonardo B. O. S. 1,

Leia mais

Meios de Têmpera: Têmpera em água

Meios de Têmpera: Têmpera em água Meios de Têmpera: Têmpera em água A água é o meio de têmpera mais antigo, mais barato e o mais empregado. O processo de têmpera em água é conduzido de diversas maneiras: por meio de imersão, jatos, imersão

Leia mais

Tratamento térmico T4: solubilização e envelhecimento de ligas Al3,5%Cu

Tratamento térmico T4: solubilização e envelhecimento de ligas Al3,5%Cu Tratamento térmico T4: solubilização e envelhecimento de ligas Al3,5%Cu Filipi Damasceno Vianna filipi@pucrs.br Edison Luis Ribeiro zetur@zetur.com.br Lucas Luiz Reckziegel lucakzlz@hotmail.com Porto Alegre,

Leia mais

4023 Síntese do éster etílico do ácido 2-cicclopentanona carboxílico a partir do éster dietílico do ácido adípico

4023 Síntese do éster etílico do ácido 2-cicclopentanona carboxílico a partir do éster dietílico do ácido adípico NP 4023 Síntese do éster etílico do ácido 2-cicclopentanona carboxílico a partir do éster dietílico do ácido adípico NaEt C 10 H 18 4 Na C 2 H 6 C 8 H 12 3 (202,2) (23,0) (46,1) (156,2) Classificação Tipos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO 5S E GESTÃO DE ESTOQUES DE ITENS PARA AULA PRÁTICA: EXPERIÊNCIA NO CAMPUS EXPERIMENTAL DE ITAPEVA.

UTILIZAÇÃO DO 5S E GESTÃO DE ESTOQUES DE ITENS PARA AULA PRÁTICA: EXPERIÊNCIA NO CAMPUS EXPERIMENTAL DE ITAPEVA. UTILIZAÇÃO DO 5S E GESTÃO DE ESTOQUES DE ITENS PARA AULA PRÁTICA: EXPERIÊNCIA NO CAMPUS EXPERIMENTAL DE ITAPEVA. MELHORES PRÁTICAS DE GESTÃO UNESP ÁGUAS DE LINDÓIA/SP SETEMBRO/2010 Introdução O entendimento

Leia mais

Silicone Red 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA. 2. PROPRIEDADES FÍSICAS (Líquido) 3. PROPRIEDADES FÍSICAS (Curado) 4. CARACTERÍSTICAS TÍPICAS

Silicone Red 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA. 2. PROPRIEDADES FÍSICAS (Líquido) 3. PROPRIEDADES FÍSICAS (Curado) 4. CARACTERÍSTICAS TÍPICAS Página: 1/5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Silicone alta temperatura Red Categoria: Adesivos á base de Silicone Nome da empresa: ATB Ind. e Com. de Adesivos Ltda Endereço: Rua

Leia mais

CONHEÇA AS PRINCIPAIS ETAPAS QUÍMICAS NA INDÚSTRIA DE CELULOSE. Processos Químicos Industriais II

CONHEÇA AS PRINCIPAIS ETAPAS QUÍMICAS NA INDÚSTRIA DE CELULOSE. Processos Químicos Industriais II CONHEÇA AS PRINCIPAIS ETAPAS QUÍMICAS NA INDÚSTRIA DE CELULOSE E PAPEL Processos Químicos Industriais II POLPAÇÃO QUÍMICA Os cavacos são cozidos em licores ou lixívias, isto é, em soluções aquosas contendo

Leia mais

Transformações de fase em aços [15]

Transformações de fase em aços [15] [15] Diagrama de equilíbrio transformações muito lentas divergências devido ao processamento industrial Reações / transformações em condições realísticas: resfriamento isotérmico (T-T-T) diagramas resfriamento

Leia mais

DADOS TÉCNICOS. ARCA Retentores

DADOS TÉCNICOS. ARCA Retentores 1 DADOS TÉCNICOS 2 Retentor É um elemento de vedação que tem como principal função reter óleos e graxas no interior de um sistema mecânico, tanto na condição dinâmica ou estática através da interferência

Leia mais

APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução

APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução APÊNDICE A - Calibração do Forno de Redução A calibração do forno de redução Combustol para o conhecimento da temperatura real em seu centro, foi realizada com base num indicador digital de temperatura,

Leia mais

TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS E MICROESTRUTURAS

TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS E MICROESTRUTURAS Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos Departamento de Engenharia de Materiais, Aeronáutica e Automobilística TRANSFORMAÇÕES DE FASES EM METAIS E MICROESTRUTURAS Engenharia e Ciência

Leia mais

Placas de circuito impresso

Placas de circuito impresso Placas de circuito impresso Métodos de produção Vitor Yano Terminologia Layer (camada) Via/blind via/buried via Pad (ilha) Drill/hole (furo) Wire (trilha/pista) Mask (máscara de soldagem) Silk screen (serigrafia)

Leia mais

Tratamentos Termoquímicos [23]

Tratamentos Termoquímicos [23] [23] Projeto mecânico resistência ao desgaste + tenacidade Visualização das tensões no contato mecânico entre engrenagens cilíndricas i de dentes retos (efeito fotoelástico). formação de uma superfície

Leia mais

PFA PTFE POLIAMIDA PU EVA EPOXI

PFA PTFE POLIAMIDA PU EVA EPOXI Ultra Polimeros PEEK Polimeros de Alta-Performance Polimeros de Engenharia PFA PTFE POLIAMIDA PU EVA EPOXI SEMI-CRISTALINO PEEK - Poli(éter-éter-cetona) PEEK é um termoplástico de Ultra Performance que

Leia mais

II INFRAESTRUTURA FÍSICA E INSTALAÇÕES ACADÊMICAS

II INFRAESTRUTURA FÍSICA E INSTALAÇÕES ACADÊMICAS II INFRAESTRUTURA FÍSICA E INSTALAÇÕES ACADÊMICAS 2.1 - Campus Araraquara 2.1.1 - Infraestrutura física (m2) Fase 2 2014 * (acréscimo em m 2 por ano) Descrição (un) (un) (m 2 ) 2014 2015 2016 2017 2018

Leia mais

Disciplina: Projeto de Ferramentais I

Disciplina: Projeto de Ferramentais I Aula 04: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas empregadas 02:

Leia mais

PÓ DE CARVÃO MINERAL PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO TEOR DE ENXOFRE TOTAL PELO PROCESSO DE ESCHKA (GRAVIMETRIA)

PÓ DE CARVÃO MINERAL PARA FUNDIÇÃO - DETERMINAÇÃO DO TEOR DE ENXOFRE TOTAL PELO PROCESSO DE ESCHKA (GRAVIMETRIA) SUMÁRIO Método de Ensaio Folha : 1 de 6 1_ Objetivo 2_ Documentos a consultar 3_ Princípio do método 4_ Definição 5_ Aparelhagem/reagentes 6_ Preparação das soluções 7_ Execução do ensaio 8_ Segurança

Leia mais

Discos Roloc Surface Scotch-Brite Industrial

Discos Roloc Surface Scotch-Brite Industrial 3 Discos Roloc Surface Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Fevereiro/2004 Substitui: Janeiro/2002 Página 1 de 5 Introdução: Os discos Roloc Surface Scotch-Brite, também conhecidos como discos Roloc

Leia mais

3016 Oxidação do ácido ricinoléico a ácido azeláico (a partir de óleo de rícino) com KMnO 4

3016 Oxidação do ácido ricinoléico a ácido azeláico (a partir de óleo de rícino) com KMnO 4 6 Oxidação do ácido ricinoléico a ácido azeláico (a partir de óleo de rícino) com KMnO 4 CH -(CH ) OH (CH ) -COOH KMnO 4 /KOH HOOC-(CH ) -COOH C H 4 O (.) KMnO 4 KOH (.) (6.) C H 6 O 4 (.) Classificação

Leia mais

Informações Técnicas Certified ISO 2008

Informações Técnicas Certified ISO 2008 Informações Técnicas Certified ISO 2008 MANUSEIO Os rolamentos da ZEN são produtos fabricados com a mais alta qualidade, mesmo assim pequenos desvios durante sua operação, como aqueles causados por corrosão,

Leia mais

3M 991UZ Dados Técnicos Setembro/2000

3M 991UZ Dados Técnicos Setembro/2000 3 3M 991UZ Dados Técnicos Setembro/2000 Descrição do Produto: Substitui: Fevereiro/00 Novo produto feito com toda a tecnologia 3M Purple utilizada em produtos PREMIUM e com a qualidade e alta performance

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS NOS LABORATÓRIOS

CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS NOS LABORATÓRIOS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIOS NOS LABORATÓRIOS SOBRAL - CE ÍNDICE Capítulo I Objetivos... 01 Capítulo II Finalidade e Aplicação... 01 Capítulo III Responsabilidades...

Leia mais

Código PE-NOPD-8. Data: 29/04/2011

Código PE-NOPD-8. Data: 29/04/2011 1. Objetivo e campo de aplicação Este padrão tem como finalidade estabelecer a metodologia de descarte de resíduos e efluentes gerados no Laboratório de Macromoléculas e Colóides na Indústria de Petróleo

Leia mais

SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

SEGURANÇA EM LABORATÓRIO Por que devemos nos preocupar com a segurança nos Laboratórios? SEGURANÇA EM LABORATÓRIO Declaração dos Direitos Humanos: Todo ser humano tem direito à vida Preservação da vida Por que os acidentes acontecem?

Leia mais

SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

SEGURANÇA EM LABORATÓRIO SEGURANÇA EM LABORATÓRIO Por que devemos nos preocupar com a segurança nos Laboratórios? Declaração dos Direitos Humanos: Todo ser humano tem direito à vida Preservação da vida 1 Por que os acidentes acontecem?

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO METAL-MECÂNICO APÓS CONFORMAÇÃO A QUENTE

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO METAL-MECÂNICO APÓS CONFORMAÇÃO A QUENTE ANÁLISE DO COMPORTAMENTO METAL-MECÂNICO APÓS CONFORMAÇÃO A QUENTE Autores : Lucas FERREIRA, Mario WOLFART Jr., Gianpaulo Alves MEDEIROS. Diego Rodolfo Simões de LIMA. Informações adicionais: (Bolsista

Leia mais

EFEITO DA VARIAÇÃO DE PRESSÃO NA ETAPA DE COMPACTAÇÃO DA LIGA FE-NI-MO NO PROCESSO DA METALURGIA DO PÓ.

EFEITO DA VARIAÇÃO DE PRESSÃO NA ETAPA DE COMPACTAÇÃO DA LIGA FE-NI-MO NO PROCESSO DA METALURGIA DO PÓ. EFEITO DA VARIAÇÃO DE PRESSÃO NA ETAPA DE COMPACTAÇÃO DA LIGA FE-NI-MO NO PROCESSO DA METALURGIA DO PÓ. J. P. C. Soares 1 ; V. H. C. Alves 1 ; R. C. Lima da Silva 2 ; A. V. R. Gomes 1 ; M. Q. Silva Jr.

Leia mais

BT 0017 BOLETIM TÉCNICO RESINA MC 153 NF BLUE_ ENDURECEDOR W 57.01

BT 0017 BOLETIM TÉCNICO RESINA MC 153 NF BLUE_ ENDURECEDOR W 57.01 BT 0017 BOLETIM TÉCNICO RESINA MC 153 NF BLUE_ ENDURECEDOR W 57.01 Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina MC 153 NF Blue_Endurecedor W 57.01 Resina epóxi

Leia mais

MOLDAGEM DE CASCA SHELL MOLDING. Prof. César Augusto Agurto Lescano, PhD.

MOLDAGEM DE CASCA SHELL MOLDING. Prof. César Augusto Agurto Lescano, PhD. MOLDAGEM DE CASCA SHELL MOLDING Prof. César Augusto Agurto Lescano, PhD. VANTAGENS E DESVANTAGENS DA MOLDAGEM EM AREIA Vantagens 1. A moldagem por areia verde é o mais barato dentre todos os métodos de

Leia mais

Sempre que há a necessidade da construção de componentes específicos ou máquinas complexas sempre será necessário a utilização dos materiais.

Sempre que há a necessidade da construção de componentes específicos ou máquinas complexas sempre será necessário a utilização dos materiais. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS I AT-096 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: Sempre que há a necessidade

Leia mais

3. PROCESSO DE SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO

3. PROCESSO DE SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO 1 3. PROCESSO DE SOLDAGEM COM ELETRODO REVESTIDO O processo de soldagem com eletrodo revestido é um processo no qual a fusão do metal é produzida pelo aquecimento de um arco elétrico, mantido entre a ponta

Leia mais

SEGURANÇA EM LABORATÓRIO

SEGURANÇA EM LABORATÓRIO SEGURANÇA EM LABORATÓRIO Por que devemos nos preocupar com a segurança nos Laboratórios? Declaração dos Direitos Humanos: Todo ser humano tem direito à vida Preservação da vida 1 Por que os acidentes acontecem?

Leia mais

Usinagem I Parte I Aula 5 Serramento, Brochamento e ReHficação. Prof. Anna Carla - MECÂNICA - UFRJ

Usinagem I Parte I Aula 5 Serramento, Brochamento e ReHficação. Prof. Anna Carla - MECÂNICA - UFRJ Usinagem I 2016.1 Parte I Aula 5 Serramento, Brochamento e ReHficação Serramento (Sawing) As vezes referenciadas como operações de corte, e não de corte por usinagem. Como ocorre a rehrada de cavaco, consideramos

Leia mais

BT 0094 BOLETIM TÉCNICO RESINA ALUMINIUM REPAIR_ ENDURECEDOR ALUMINIUM REPAIR

BT 0094 BOLETIM TÉCNICO RESINA ALUMINIUM REPAIR_ ENDURECEDOR ALUMINIUM REPAIR BT 0094 BOLETIM TÉCNICO RESINA ALUMINIUM REPAIR_ ENDURECEDOR ALUMINIUM REPAIR Elaborador: Verificadores: Aprovador: Resina Aluminium Repair_Endurecedor Aluminium

Leia mais

NITRETAÇÃO IÔNICA DE FERRO FUNDIDO NODULAR

NITRETAÇÃO IÔNICA DE FERRO FUNDIDO NODULAR NITRETAÇÃO IÔNICA DE FERRO FUNDIDO NODULAR F. S. Silva 1, W. L. Guesser 2, C. E. Costa 3, L. C. Fontana 4 1,2,3 Depto. de Engenharia Mecânica, 4 Depto. de Física, Centro de Ciências Tecnológicas, Universidade

Leia mais

Tratamentos termoquímicos

Tratamentos termoquímicos Tratamentos termoquímicos BORETAÇÃO Boretação É um tratamento termoquímico no qual o boro é introduzido na superfície do aço por difusão. Apesar de já se saber desde o inicio do século 20 que a difusão

Leia mais

AULA PRÁTICA 4 Série de sólidos

AULA PRÁTICA 4 Série de sólidos SANEAMENTO AMBIENTAL EXPERIMENTAL TH 758 DHS PPGERHA - UFPR AULA PRÁTICA 4 Série de sólidos 1. Série de sólidos Resíduos ou sólidos são todas as matérias suspensas ou dissolvidas na água, provenientes

Leia mais

DIFICULDADES TÉCNICAS

DIFICULDADES TÉCNICAS A TÊMPERA SUPERFICIAL PRODUZ REGIÕES ENDURECIDAS NA SUPERFÍCIE DO COMPONENTE (DE MICROESTRUTURA MARTENSÍTICA) DE ELEVADA DUREZA E RESISTÊNCIA AO DESGASTE, SEM ALTERAR A MICROESTRUTURA DO NÚCLEO. VANTAGENS

Leia mais

1950 siaspeed. Superfície perfeita em alta velocidade

1950 siaspeed. Superfície perfeita em alta velocidade 1950 siaspeed Superfície perfeita em alta velocidade 1950 siaspeed 40-600 Perfil do produto Tipo de grão: grão misturado com cerâmica 40 180 corindo seminobre P220 P600 Alcance do grão: 40 600 Base: papel

Leia mais

7 Desenvolvimento experimental

7 Desenvolvimento experimental 110 7 Desenvolvimento experimental Pode-se dividir o procedimento experimental neste trabalho nas seguintes etapas: 7.1. Caracterização dos materiais utilizados As matérias primas utilizadas para a fabricação

Leia mais

Tratamentos Térmicos

Tratamentos Térmicos Tratamentos Térmicos Têmpera superficial Modifica a superfície: alta dureza superficial e núcleo mole. Aplicação: engrenagens Pode ser «indutivo» ou «por chama» Tratamentos Térmicos Têmpera superficial

Leia mais

Laboratório de Sistemas Térmicos

Laboratório de Sistemas Térmicos Sistemas Térmicos Disciplina: Termodinâmica 1 Armário 2 portas parte inferior c/ 2 prateleiras interna e na parte superior aberto c/ 2 prateleiras, Tampo 25mm e fundo 18mm, (Medidas C x L X P = 1,72 x

Leia mais

siasphere Processos exigentes requerem produtos inovadores

siasphere Processos exigentes requerem produtos inovadores siasphere Processos exigentes requerem produtos inovadores siasphere Processos exigentes requerem produtos inovadores siasphere é um abrasivo estruturado Hightech único. A inovação reside na estrutura

Leia mais

Ciências dos Materiais

Ciências dos Materiais ASSOCIAÇÃO TERESINENSE DE ENSINO ATE FACULDADE SANTO AGOSTINHO FSA DIREÇÃO DE ENSINO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO NUAPE Ciências dos Materiais Profª Esp. Priscylla Mesquita Por que Estudar a Difusão? Materiais

Leia mais