SOBRE OS PROCEDIMENTOS USADOS NOS LABORATÓRIOS DE PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS (176), PESQUISA METALOGRÁFICA (184), MICROSCOPIA ÓPTICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOBRE OS PROCEDIMENTOS USADOS NOS LABORATÓRIOS DE PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS (176), PESQUISA METALOGRÁFICA (184), MICROSCOPIA ÓPTICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA "JÚLIO DE MESQUITA FILHO" FACULDADE DE ENGENHARIA - CÂMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA ÁREA DE MATERIAIS E PROCESSOS DE FABRICAÇÃO SOBRE OS PROCEDIMENTOS USADOS NOS LABORATÓRIOS DE PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS (176), PESQUISA METALOGRÁFICA (184), MICROSCOPIA ÓPTICA (175) e CARACTERIZAÇÃO Docente Responsável: Dr. Juno Gallego - Professor Adjunto Técnico Responsável: Marino Teixeira Caetano Auxiliar Acadêmico ILHA SOLTEIRA (SP) JANEIRO DE 2013

2 1. MEMORIAL DAS ATIVIDADES DE LABORATÓRIO Nestes laboratórios são executadas as seguintes atividades práticas: a) Inspeção visual de peças/amostras para análise macrográfica; b) corte mecânico ou abrasivo de amostras para análise macro/micrográfico; c) embutimento de amostras reduzidas em resina termofixa (baquelite) ou termoplástica (poliéster); d) preparação de superfície por lixamento mecânico; e) polimento de superfície para análise micrográfica; f) revelação da macro/microestrutura para análise metalográfica; g) análise macrográfica ou micrográfica da superfície preparada; h) aplicação de tratamentos térmicos para alteração de propriedades mecânicas; i) aplicação de tratamentos termoquímicos para endurecimento superficial; 2. RELAÇÃO DE EQUIPAMENTOS E INSUMOS De acordo com as atividades executadas, são utilizados os seguintes equipamentos e Insumos nas aulas práticas: a) Inspeção visual de peças/amostras para análise macrográfica: usa-se lupa / lente de baixo aumento;

3 b) corte mecânico ou abrasivo de amostras para análise macro/micrográfico: morsa de bancada (oficina), arco de serra (oficina), disco de corte abrasivo resfriado com água, cortadeira metalográfica; c) embutimento de amostras reduzidas em resina: as amostras são embutidas em resina termofixa (baquelite) por meio de prensa apropriada ou em resina termoplástica (poliéster), usando moldes de silicone flexível. Usam-se baquelite em pó, prensa embutidora, poliéster pré-acelerada, polimetil-etil-cetona (catalizador), moldes de silicone reaproveitáveis; d) preparação de superfície por lixamento mecânico: a superfície da amostra é alisada por lixas de diferentes granulometrias, normalmente da #120 (grossa) até a #600 (fina), sob resfriamento com água controlada na lixadeira manual. Usam-se lixas de grana #120, 220, 320, 400 e 600, lixadeiras manuais com tampo inclinado e controle de água para resfriamento e limpeza; e) polimento de superfície para análise micrográfica: um pano felpudo é montado sobre um disco rotativo montado na politriz, sendo o polimento feito por meio de abrasivo fino em suspensão aquosa (alumina 1 micrometro) depositado no pano. Usam-se panos felpudos reaproveitáveis, alumina em suspensão aquosa e politriz mecânica de disco rotativo com velocidade ajustável; f) revelação da macro/microestrutura para análise metalográfica: esta etapa é concluída por meio de reações químicas promovidas sobre a superfície preparada da amostra, usando-se soluções ácidas ou básicas dependendo do objetivo da análise. A mistura usada é preparada exclusivamente pelo professor. Usa-se normalmente soluções de baixa concentração (2%) de ácido nítrico em etanol, solução aquosa de ácido sulfúrico para identificação de sulfetos em papel fotográfico; solução de hiposulfito de sódio para fixação de manchas em papel fotográfico velado. Cuidados com produtos químicos envolvem uso de capela para exaustão, vidrarias e dispositivos apropriados para manipulação segura das substâncias químicas. g) análise macrográfica ou micrográfica da superfície preparada: é a interpretação do aspecto apresentado pela superfície da amostra, onde é empregada uma lupa (macro) ou um microscópio óptico (micrografia). Imagens são registradas em câmera digital, podendo ser usado um analisador de imagem para determinação de tamanho/área dos detalhes; h) aplicação de tratamentos térmicos para alteração de propriedades mecânicas: peças de diferentes ligas metálicas são introduzidas em forno mufla para a realização de

4 tratamentos térmicos. De acordo com o tipo de resfriamento há uma variação na dureza do material, medida por durometro Vickers ou Rockwell. Usa-se forno mufla até 1100 C, ar, água e óleo como meios de resfriamento; i) aplicação de tratamentos termoquímicos para endurecimento superficial: o aumento da dureza superficial é importante para componentes mecânicos sujeitos ao desgaste. O endurecimento superficial é conseguido por meio de cementação, onde carbono é introduzido na superfície da peça de aço após aquecimento de uma caixa som carvão vegetal aditivado em forno mufla. O tratamento térmico subseqüente é o responsável pelo endurecimento superficial da peça. Usa-se forno mufla até 1100 C, enterrando a peça/amostra em caixa metálica contendo carvão moído e aditivo (5% carbonato de bário), mantendo-se a caixa na temperatura durante várias horas. Após retirada e esfriamento da caixa a peça é removida e tratada termicamente para endurecimento superficial; 3. PROCEDIMENTOS DE LIMPEZA DE LABORATÓRIO A limpeza do ambiente/piso é efetuada pelo pessoal do Setor de Zeladoria. As bancadas e equipamentos são mantidos limpos pelos responsáveis e usuários, mediante as instruções especificadas abaixo: A limpeza das bancadas é de responsabilidade dos usuários do laboratório (servidor, docente e alunos), os quais são orientados verbalmente: Se sujou, limpe com pano úmido (pano seco e vassoura só espalham a sujeira); Não deixe amostras e materiais em cima das bancadas;

5 Amostras devem ser armazenadas no dessecador ou nas gavetas de amostras; Vidrarias (béqueres, vidro de relógio, pipeta, etc...) devem ser imediatamente limpos após o uso, com água corrente abundante. Deixar a vidraria secando ao ar, sem usar pano ou toalha de papel. Preparação de solução na quantidade estritamente necessária para o experimento. Usar local adequado (capela com ventilação). Evitar excesso/disperdício de reagentes. O lixo comum deve ser descartado na lixeira existente na sala; As lixas usadas podem ser reaproveitadas na oficina mecânica. Deposite-as na caixa de coleta disponibilizada para este fim; Limpe os discos de polimento com água abundante; Resíduos químicos e recipientes usados devem ser estocados para ser posteriormente repassados para a Comissão Gestora de Resíduos da UNESP Ilha Solteira; Prof. Dr. Juno Gallego Professor Responsável

4.Materiais e métodos

4.Materiais e métodos 4.Materiais e métodos 4.1. Material em estudo O material em estudo, de procedência sueca (Sandvik), foi adquirido como chapa laminada a quente de 3mm de espessura, recebendo posteriormente tratamento térmico

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA ENGENHARIA MECÂNICA INDUSTRIAL Análise dos Parâmetros que Influenciaram a Falha dos Parafusos Calibrados Aço1045 A do Acoplamento de Engrenagem da Mesa Giratória ria do Laminador

Leia mais

Laboratório rio de Polímeros e Materiais

Laboratório rio de Polímeros e Materiais Laboratório rio de Polímeros e Materiais 26 Novembro Novembro 2003 de Mecânica Panorâmica Geral Introdução Este laboratório, criado no ano lectivo de 1989/90, possui vários equipamentos de ensaio de materiais.

Leia mais

SIMULAÇÃO DO PROCESSO DE SOLDAGEM COM ARAME TUBULAR PARA DEPOSIÇÃO DE REVESTIMENTOS DUROS À BASE DE DIFERENTES CARBONETOS

SIMULAÇÃO DO PROCESSO DE SOLDAGEM COM ARAME TUBULAR PARA DEPOSIÇÃO DE REVESTIMENTOS DUROS À BASE DE DIFERENTES CARBONETOS XV Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 29/09 a 03/10/2008 - Curitiba PR Paper CRE08-CM09 SIMULAÇÃO DO PROCESSO DE SOLDAGEM COM ARAME TUBULAR PARA DEPOSIÇÃO DE REVESTIMENTOS DUROS

Leia mais

Metalografia não Destrutiva pelo Método de Réplicas.

Metalografia não Destrutiva pelo Método de Réplicas. Metalografia não Destrutiva pelo Método de Réplicas. 1 Conceito: As propriedades das ligas metálicas e suas transformações estão intimamente ligadas ao seu estado metalúrgico ou microestrutural. O exame

Leia mais

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA 4:1 é um composto epóxi bi-componente com carga metálica, característica de massa na cor preta, pode ser aplicado com espátula, cura a frio, substituindo de maneira muito

Leia mais

PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS DE CERÂMICAS PARA OBSERVAÇÃO MICROESTRUTURAL

PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS DE CERÂMICAS PARA OBSERVAÇÃO MICROESTRUTURAL 1 PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS DE CERÂMICAS PARA OBSERVAÇÃO MICROESTRUTURAL O. M. M. Silva 1, S. A. Baldacim 1, C. Santos 2, Salgado, E.G.C 1, F. C. L. Melo 1 1 CTA-IAE- Divisão de Materiais - Pça. Mar. do Ar

Leia mais

José Hernandes Marangoni Simone Aparecida de Oliveira

José Hernandes Marangoni Simone Aparecida de Oliveira UNESP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CÂMPUS DE ILHA SOLTEIRA FEIS José Hernandes Marangoni Simone Aparecida de Oliveira Assistente de Suporte Acadêmico II É uma descrição detalhada

Leia mais

LONA DE FREIO PEÇAS ESPECIAIS

LONA DE FREIO PEÇAS ESPECIAIS GAXETAS SECAS MANTA E TECIDO DE FIBRA CERÂMICA GAXETAS IMPREGNADAS FITAS CORTIÇA J U N T A E S P I R A L A D A FELTRO J U N T A D E V E D A Ç Ã O PAPELÃO HIDRAÚLICO F I T A P A T E N T E T E F L O N JUNTA

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS GERADOS EM LABORATÓRIOS DE ENSINO E PESQUISA: PROCEDIMENTOS GERAIS. Patricia Busko Di Vitta. pabusko@iq.usp.

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS GERADOS EM LABORATÓRIOS DE ENSINO E PESQUISA: PROCEDIMENTOS GERAIS. Patricia Busko Di Vitta. pabusko@iq.usp. GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS GERADOS EM LABORATÓRIOS DE ENSINO E PESQUISA: PROCEDIMENTOS GERAIS Patricia Busko Di Vitta pabusko@iq.usp.br Setor Técnico de Tratamento de Resíduos Instituto de Química

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica NORMAS GERAIS PARA USO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CÂMPUS GOVERNADOR

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS

IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS PRÁTICA N o. 02 IDENTIFICAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DE GRUPOS FUNCIONAIS: Parte 1: ALDEÍDOS E CETONAS OBJETIVOS: Esta prática tem como objetivo a identificação e confirmação de grupos funcionais de aldeídos e

Leia mais

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO

SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO 1 SIMULAÇÃO E AVALIAÇÃO DO EFEITO ESTUFA A PARTIR DA ADIÇÃO DA CO 2 EM UM SISTEMA FECHADO Diego Oliveira Cordeiro 1 diegoocordeiro@gmail.com Janduir Egito da Silva 1 jaduires@yahoo.com Cláudia Laís Araújo

Leia mais

ESPECIALISTA RECONHECIDO DESDE 1901

ESPECIALISTA RECONHECIDO DESDE 1901 ESPECIALISTA RECONHECIDO DESDE 1901 A HISTÓRIA O que começou há um século atrás como um simples laboratório de polimento de móveis e uma oficina na garagem do fundador Frank Meguiar Jr, agora já dura há

Leia mais

Relatório Final de Atividades ANÁLISE DAS PROPRIEDADES METALOGRÁFICAS DE FIXADORES EMPREGADOS EM VEÍCULOS DA DÉCADA DE 40 E 60

Relatório Final de Atividades ANÁLISE DAS PROPRIEDADES METALOGRÁFICAS DE FIXADORES EMPREGADOS EM VEÍCULOS DA DÉCADA DE 40 E 60 Relatório Final de Atividades ANÁLISE DAS PROPRIEDADES METALOGRÁFICAS DE FIXADORES EMPREGADOS EM VEÍCULOS DA DÉCADA DE 40 E 60 Pedro Luiz Avallone Relatório Final de Atividades de Iniciação Científica

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Atuar na manipulacao de substancias para composicao de formulas magistrais e fitoterapicas.

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Atuar na manipulacao de substancias para composicao de formulas magistrais e fitoterapicas. (s15h PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000055 - FARMACIA Nivel: Superior Area Profissional: 0014 - FARMACIA Area Atuacao: 0295 - MANIPULACAO FORMULAS/FARMACIA Atuar na manipulacao

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Curso de Tecnologia em Cerâmica Trabalho de Conclusão de Curso

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Curso de Tecnologia em Cerâmica Trabalho de Conclusão de Curso UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Curso de Tecnologia em Cerâmica Trabalho de Conclusão de Curso DESENVOLVIMENTO de Esmalte Brilhante para Porcelanato Giovana Baldessar Zanardo Fernando Marco Bertan

Leia mais

METALOGRAFIA PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS

METALOGRAFIA PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS METALOGRAFIA PREPARAÇÃO DE AMOSTRAS Uma abordagem pratica Versão-3.0 Regis Almir Rohde Outubro de 2010 Introdução Metalografia 2 Este procedimento prescreve os conceitos gerais aplicados na preparação

Leia mais

UFU 2010/1 ABERTAS (1ª FASE = ENEM)

UFU 2010/1 ABERTAS (1ª FASE = ENEM) UFU 2010/1 ABERTAS (1ª FASE = ENEM) 1-Leia o texto a seguir. Com o passar do tempo, objetos de prata escurecem e perdem seu brilho em decorrência da oxidação desse metalpelo seu contato com oxigênio e

Leia mais

Objetivo: Desenvolver percepção para as questões ambientais numa empresa.

Objetivo: Desenvolver percepção para as questões ambientais numa empresa. EXERCÍCIO 3 Módulo 3 Questões ambientais de uma empresa Objetivo: Desenvolver percepção para as questões ambientais numa empresa. Muitos gerentes têm difi culdades em reconhecer as questões ambientais

Leia mais

Areia de fundição -M etalografia F-1

Areia de fundição -M etalografia F-1 F-1 PERMEABILIDADE E COMPACTAÇÃO 1.662.001 1.680.001 1.660.001 1.680.002 F-2 Martelete para Confecção de Corpo de Prova, com escala graduada para medição da compactabilidade. Disponível nas versões para

Leia mais

CINZA. É o resíduo inorgânico que permanece após a queima da matéria orgânica, que é transformada em CO 2, H 2 O e NO 2.

CINZA. É o resíduo inorgânico que permanece após a queima da matéria orgânica, que é transformada em CO 2, H 2 O e NO 2. CINZA É o resíduo inorgânico que permanece após a queima da matéria orgânica, que é transformada em CO 2, H 2 O e NO 2. A cinza é constituída principalmente de: Grandes quantidades: K, Na, Ca e Mg; Pequenas

Leia mais

Questão 1. Considere as reações envolvendo o sulfeto de hidrogênio representadas pelas equações seguintes:

Questão 1. Considere as reações envolvendo o sulfeto de hidrogênio representadas pelas equações seguintes: ONSTANTES onstante de Avogadro = 6, x 1 mol 1 onstante de Faraday (F) = 9,65 x 1 4 mol 1 Volume molar de gás ideal =,4 L (NTP) arga elementar = 1,6 x 1 19 onstante dos gases (R) = 8,1 x 1 atm L K 1 mol

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU SECRETARIA MUNICIPAL DO PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU SECRETARIA MUNICIPAL DO PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU SECRETARIA MUNICIPAL DO PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 003/2013 - ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 005/2013 AQUISIÇÃO DE MATERIAL DE CONSUMO

Leia mais

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Procedimentos e normas de segurança em laboratórios escolares parte 1

AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Procedimentos e normas de segurança em laboratórios escolares parte 1 AULA PRÁTICA DE QUÍMICA GERAL Procedimentos e normas de segurança em laboratórios escolares parte 1 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL - 3º ANO DO ENSINO MÉDIO OBJETIVO Propor e explicar procedimentos padrão

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUA DETERGÊNCIA INDUSTRIAL CONSUMÍVEIS p/ RESTAURAÇÃO E HOTELARIA DETERGENTES TÊXTEIS

TRATAMENTO DE ÁGUA DETERGÊNCIA INDUSTRIAL CONSUMÍVEIS p/ RESTAURAÇÃO E HOTELARIA DETERGENTES TÊXTEIS Manutenção auto lavagem auto shampoo automóvel PRODUTO NO.: FORUSAUTO SHAMP Produto: Shampoo Automóvel Categoria: Lavagem AUTO COD: Q067 Descrição: Detergente alcalino altamente concentrado, adequado para

Leia mais

O uso de látex líquido para remoção de fuligem do fogo e da impressão digital. Desenvolvimento com ninhidrina

O uso de látex líquido para remoção de fuligem do fogo e da impressão digital. Desenvolvimento com ninhidrina O uso de látex líquido para remoção de fuligem do fogo e da impressão digital. Desenvolvimento com ninhidrina Susan Wright Clutter,1 M.F.S.; Robert Bailey1; Jeff C. Everly,1 B.S.; and Karl Mercer,1 B.S.

Leia mais

Laboratórios de Pesquisa da Biologia

Laboratórios de Pesquisa da Biologia Laboratórios de Pesquisa da Biologia 1 - Laboratório de Biologia e Ecologia Animal (B 1.01) Conta com um espaço físico de 12m x 12m (144m²) phmetro ou medidor de ph: é um aparelho usado para medição de

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para a Indústria de Cimento

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para a Indústria de Cimento Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Tintas A WEG Tintas fornece tecnologia em tintas para diversos tipos de ambientes agressivos. São produtos com maior retenção de cor e brilho,

Leia mais

Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso

Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso Como fazer a escolha correta do detergente enzimático e quais os cuidados para o uso Enfa. Dra. ROSA AIRES BORBA MESIANO Coordenadora de Controle e Monitoramento de saneantes Gerência Geral de Saneantes

Leia mais

Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias - QUÍMICA

Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias - QUÍMICA Natal, 04 de abril de 2011 Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias - QUÍMICA No final do século XVIII, o cientista francês Antoine-Laurent de Lavoisier, considerado o pai da química moderna

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA II (EM307) 2º Semestre 2005/06. 4. Processamento de Materiais Cerâmicos

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA II (EM307) 2º Semestre 2005/06. 4. Processamento de Materiais Cerâmicos MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA II (EM307) 2º Semestre 2005/06 4. Processamento de Materiais Cerâmicos F. Jorge Lino Alves 1 Resumo 4. Processamento de Materiais Cerâmicos Processos utilizados na fabricação

Leia mais

PRE PRINT CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE DE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

PRE PRINT CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE DE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRE PRINT CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UNIVERSIDADE DE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2009 ANÁLISE DO SISTEMA DE FABRICAÇÃO DA CHAPA

Leia mais

Reacções de precipitação

Reacções de precipitação Precipitados Reacções de precipitação Introdução teórica O interesse das reacções de precipitação manifesta-se em diversos domínios, nomeadamente a nível geológico, biológico e industrial. Já ouviste falar

Leia mais

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO

OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE DOCUMENTO Página 1 de 12 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 14/05/09 19/12/09 Emissão inicial Estruturação geral Emissão Aprovada N/A OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE MELHORIAS NO PROCESSO DE TRATAMENTO TÉRMICO PARA ALÍVIO DE TENSÕES DE COMPONENTES DE COLUNA DE DIREÇÃO

IMPLEMENTAÇÃO DE MELHORIAS NO PROCESSO DE TRATAMENTO TÉRMICO PARA ALÍVIO DE TENSÕES DE COMPONENTES DE COLUNA DE DIREÇÃO ILHA SOLTEIRA XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Paper CRE05-TC08 IMPLEMENTAÇÃO DE MELHORIAS NO PROCESSO DE TRATAMENTO TÉRMICO

Leia mais

COLÉGIO SANTA CLARA. Aluno: ano Nº Professor(a): Maria Paula

COLÉGIO SANTA CLARA. Aluno: ano Nº Professor(a): Maria Paula COLÉGIO SANTA CLARA Disciplina:Ciências Ficha nº: Data: / / Trimestre Aluno: ano Nº Professor(a): Maria Paula Como produzir um relatório de aula prática Durante a aula prática, você deve anotar cuidadosamente

Leia mais

Dicas de conservação e limpeza

Dicas de conservação e limpeza Dicas de conservação e limpeza No uso diário de seus armários, alguns cuidados devem ser tomados a fim de prolongar a vida útil do produto. Água Tome cuidado particular em torno da pia, do forno e dos

Leia mais

O Secretário de Vigilância Sanitária d Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando:

O Secretário de Vigilância Sanitária d Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando: título: Portaria nº 27, de 18 de março de 1996 ementa não oficial: Aprova o regulamento técnico sobre embalagens e equipamentos de vidro e cerâmica em contato com alimentos, conforme Anexo da presente

Leia mais

APÊNDICE A. Laboratory of Separation and Reaction Engineering

APÊNDICE A. Laboratory of Separation and Reaction Engineering APÊNDICE A Laboratory of Separation and Reaction Engineering LCM Laboratory of Catalysis and Materials Associate Laboratory LSRE/LCM, Faculdade de Engenharia, Universidade do Porto, Rua Dr. Roberto Frias,

Leia mais

CAPÍTULO 5. Materiais e Métodos 97. Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro

CAPÍTULO 5. Materiais e Métodos 97. Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro Materiais e Métodos 97 CAPÍTULO 5 Errar é humano. Botar a culpa nos outros, também. Millôr Fernandes (76 anos), humorista brasileiro Toda a empresa precisa ter gente que erra, que não tem medo de errar

Leia mais

Manual de Instrucoes. Carro Termico. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio

Manual de Instrucoes. Carro Termico. o futuro chegou a cozinha. refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Manual de Instrucoes Carro Termico o futuro chegou a cozinha refrigeracao coccao linha modular exposicao distribuicao apoio Obrigado por ter adquirido Equipamentos ELVI É com satisfação que entregamos

Leia mais

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E DICAS PARA UMA PINTURA EFICIENTE DE PISO Sempre que desejamos fazer uma pintura de piso, Industrial ou não, devemos ter em mente quais são os objetivos

Leia mais

Perguntas frequentes sobre banhos ultrassônicos

Perguntas frequentes sobre banhos ultrassônicos Perguntas frequentes sobre banhos ultrassônicos O que é e como funciona um banho ultrassônico? Um banho ultrassônico é composto basicamente por três partes: gerador, transdutor e tanque. O sinal elétrico

Leia mais

1. Procedimento de limpeza inicial 2. Limpando Diariamente 3. Lavando uma ou duas vezes por semana 4. Enxaguando 5. Remoção de Manchas

1. Procedimento de limpeza inicial 2. Limpando Diariamente 3. Lavando uma ou duas vezes por semana 4. Enxaguando 5. Remoção de Manchas 1. Procedimento de limpeza inicial 2. Limpando Diariamente 3. Lavando uma ou duas vezes por semana 4. Enxaguando 5. Remoção de Manchas 6. Sistema de Manutenção Reduzida 7. Polindo 8. Lustrando 9. Dicas

Leia mais

Desenvolvimento de Selos Mecânicos de Alta Precisão em Metal Duro

Desenvolvimento de Selos Mecânicos de Alta Precisão em Metal Duro Desenvolvimento de Selos Mecânicos de Alta Precisão em Metal Duro O desenvolvimento de peças e componentes mecânicos através da metalurgia do pó vem sendo crescentemente utilizado. Destes materiais, o

Leia mais

PLASTEEL CERÂMICO PINTÁVEL BRANCO

PLASTEEL CERÂMICO PINTÁVEL BRANCO PLASTEEL CERÂMICO PINTÁVEL BRANCO PLASTEEL CERÂMICO PINTÁVEL BRANCO é um revestimento cerâmico bicomponente, na cor branca, ideal para promover proteção pintável às superfícies contra corrosão, abrasão

Leia mais

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Projeto de Reuso de Água Eng. Juliano Saltorato Fevereiro 2008 1) Identificação da Empresa: Endereço completo

Leia mais

Experimento 4 Cromatografia de papel

Experimento 4 Cromatografia de papel Experimento 4 Cromatografia de papel Objetivo Estudo da cromatografia de papel como método de separação e caracterização. Temas abordados Misturas homogêneas, técnicas de separação, forças intermoleculares,

Leia mais

Reprocessamento e Caracterização de Compósitos Termoplásticos PPS/Fibra de Carbono

Reprocessamento e Caracterização de Compósitos Termoplásticos PPS/Fibra de Carbono Universidade do Vale do Paraíba UNIVAP Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo FEAU Curso de Engenharia de Materiais Reprocessamento e Caracterização de Compósitos Termoplásticos PPS/Fibra de

Leia mais

NORMAS INTERNAS DO LABORATÓRIO DE ZOOLOGIA. A Coordenação Pedagógica do Curso de Ciências Biológicas, no uso de suas atribuições legais,

NORMAS INTERNAS DO LABORATÓRIO DE ZOOLOGIA. A Coordenação Pedagógica do Curso de Ciências Biológicas, no uso de suas atribuições legais, Ciências Biológicas: Autorizado pela Portaria nº 23 de 10/01/2007 Mantida pela A.E.S.P. Av. Presidente Vargas, 725 Centro Tel.: (67)3437-3804 Ponta Porã MS Home Page: www.magsul-ms.com.br E-mail: magsul@terra.com.br

Leia mais

MECÂNICA (SUBÁREA: PROCESSOS DE FABRICAÇÃO, MECÂNICA, TRATAMENTO TÉRMICO DE MATERIAIS, ENSAIOS DESTRUTIVOS E NÃO DESTRUTIVOS) GABARITO

MECÂNICA (SUBÁREA: PROCESSOS DE FABRICAÇÃO, MECÂNICA, TRATAMENTO TÉRMICO DE MATERIAIS, ENSAIOS DESTRUTIVOS E NÃO DESTRUTIVOS) GABARITO CONCURSO PÚBLICO DOCENTE IFMS EDITAL Nº 002/2013 CCP IFMS MECÂNICA (SUBÁREA: PROCESSOS DE FABRICAÇÃO, MECÂNICA, TRATAMENTO TÉRMICO DE MATERIAIS, ENSAIOS DESTRUTIVOS E NÃO DESTRUTIVOS) Uso exclusivo do

Leia mais

1ªsérie 1º período Q U Í M I C A

1ªsérie 1º período Q U Í M I C A 2.1 Dados: densidades a 25 C (g/cm 3 ): polietileno = 0,91 a 0,98; água = 1,0; poliestireno = 1,04 a 1,06; policloreto de vinila = 1,5 a 1,42. QUESTÃO 1 A morte da cantora Amy Winehouse mostrou que não

Leia mais

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA

SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA SÉRIE: 2º ano EM Exercícios de recuperação final DATA / / DISCIPLINA: QUÍMICA PROFESSOR: FLÁVIO QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA QUESTÃO 01 Em uma determinada transformação foi constatado que poderia ser representada

Leia mais

Limpeza de vidraria de laboratório

Limpeza de vidraria de laboratório LIMPEZA E MANUSEIO - VIDRARIAS E EQUIPAMENTOS Profa. Dra. Márcia Justino Rossini Mutton FCAV/UNESP Departamento de Tecnologia Limpeza de vidraria de laboratório Lavar a vidraria imediatamente após o uso.

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II AGLOMERANTES ACAL 1. Definição. Generalidades. Características Gerais. Classificação. 2. Aglomerantes

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS

PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS 3 PROCESSO SELETIVO 2006 QUESTÕES OBJETIVAS QUÍMICA 01 - O dispositivo de segurança que conhecemos como air-bag utiliza como principal reagente para fornecer o gás N 2 (massa molar igual a 28 g mol -1

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE AUSTENITA RETIDA

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE AUSTENITA RETIDA 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO ALEXANDRE PASCHOALIN ANDERSON LUÍS JACINTHO INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE

Leia mais

Grill e Sanduicheira Crome Inox

Grill e Sanduicheira Crome Inox Ari Jr 06-12-2012 12/11 939-09-05 781431 REV.0 SOMENTE PARA USO DOMÉSTICO Grill e Sanduicheira inox www.britania.com.br 0800-417644 Ari Jr 06-12-2012 Diogo Thamy 06-12-2012 06-12-2012 Grill e Sanduicheira

Leia mais

2.2.1 PRENSAGEM. Alteração do comportamento de um ligante com a adição de plastificante. PVA com PEG

2.2.1 PRENSAGEM. Alteração do comportamento de um ligante com a adição de plastificante. PVA com PEG PVA com PEG Alteração do comportamento de um ligante com a adição de plastificante Prensagem de Al 2 O 3 : ligante + plastificante PVA + PEG Alteração do comportamento de um ligante com a adição de plastificante

Leia mais

Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3

Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3 Atividade prática Estudo das misturas: fases e componentes Parte 3 9º ano do Ensino Fundamental/1º ano do Ensino Médio Objetivo Vivenciar conceitos importantes sobre a classificação dos diversos tipos

Leia mais

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE QUÍMICA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Num laboratório químico, havia três frascos que continham, respectivamente, um alcano, um álcool e um alqueno. Foram realizados experimentos que envolviam

Leia mais

LOTE 1 - MATERIAL DE LIMPEZA ITEM QUANT. UN. ESPECIFICAÇÃO MARCA

LOTE 1 - MATERIAL DE LIMPEZA ITEM QUANT. UN. ESPECIFICAÇÃO MARCA LOTE 1 - MATERIAL DE LIMPEZA 1 300 UN 2 200 L 3 100 UN 4 20 UN 5 2 UN 6 200 UN 7 200 UN 8 300 UN 9 250 UN 10 500 UN Água sanitária 1Lt, desinfetante e alvejante. Álcool Etílico Hidratado, 1Lt, mínimo de

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES

MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES As chapas de policarbonato alveolares, possuem em um dos lados, tratamento contra o ataque dos raios ultravioletas,

Leia mais

Noções básicas de Segurança em Laboratório. Professora Mirian Maya Sakuno

Noções básicas de Segurança em Laboratório. Professora Mirian Maya Sakuno Noções básicas de Segurança em Laboratório Professora Mirian Maya Sakuno Laboratório labor = trabalho + oratorium = lugar de concentração Uso inadequado do laboratório PERIGO!!! Regras básicas Não... não

Leia mais

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 09 Síntese do cloreto de pentaaminoclorocobalto(iii)

QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier. Prática 09 Síntese do cloreto de pentaaminoclorocobalto(iii) UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE QUÍMICA DQMC QIE0001 Química Inorgânica Experimental Prof. Fernando R. Xavier Prática 09 Síntese do cloreto

Leia mais

LANÇAMENTO MARÇO 2015 CHUMBADOR QUÍMICO WIT-P 200

LANÇAMENTO MARÇO 2015 CHUMBADOR QUÍMICO WIT-P 200 LANÇAMENTO MARÇO 2015 CHUMBADOR QUÍMICO WIT-P 200 Descrição do produto O Chumbador Químico WIT-P 200 possui excelente propriedade de fixação e ancoragem em substratos maciços e ocos, com rápido tempo

Leia mais

RECUPERAÇÃO TÉRMICA DE AREIA DESCARTADA DE FUNDIÇÃO (ADF)

RECUPERAÇÃO TÉRMICA DE AREIA DESCARTADA DE FUNDIÇÃO (ADF) RECUPERAÇÃO TÉRMICA DE AREIA DESCARTADA DE FUNDIÇÃO (ADF) Luís Renato de Souza Resumo Este documento tem como principal objetivo apresentar e detalhar aos leitores uma solução para o reaproveitamento da

Leia mais

Stratus Compostos Estruturais Ltda.

Stratus Compostos Estruturais Ltda. Stratus Compostos Estruturais Ltda. Especificações técnicas para bandejamento elétrico composto por leitos de cabos, eletrocalhas, eletrodutos e conduletes em fibra de vidro junho de 2013 Stratus Compostos

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE USO, CONSERVAÇÃO E LIMPEZA DO SISTEMA REIKI

MANUAL PRÁTICO DE USO, CONSERVAÇÃO E LIMPEZA DO SISTEMA REIKI MANUAL PRÁTICO DE USO, CONSERVAÇÃO E LIMPEZA DO SISTEMA REIKI ÍNDICE 03 - Apresentação do Sistema REIKI de Envidraçamento Panorâmico 04 - O alumínio e suas aplicações 05 - O vidro e suas aplicações 06

Leia mais

FISPQ LIMPA PORCELANATO. FICHA DE SEGURANÇA de produtos químicos

FISPQ LIMPA PORCELANATO. FICHA DE SEGURANÇA de produtos químicos LIMPA PORCELANATO CARACTERÍSTICA DO PRODUTO: É um limpador alcalino especialmente formulado para limpeza leve e pesada em pisos tratados com acabamentos acrílicos, pisos não tratados como porcelanato.

Leia mais

Poder Judiciário Federal Tribunal Regional Eleitoral/ES

Poder Judiciário Federal Tribunal Regional Eleitoral/ES R E C I C L E Poder Judiciário Federal Tribunal Regional Eleitoral/ES TEXTO DA CAMPANHA 2 Quando você joga a sorte com o seu lixo, depositando-o despreocupadamente em qualquer lixeira, misturando seus

Leia mais

Construção. Adesivo epóxi de baixa viscosidade para reparos e injeção em trincas e fissuras estruturais no concreto. Descrição do produto

Construção. Adesivo epóxi de baixa viscosidade para reparos e injeção em trincas e fissuras estruturais no concreto. Descrição do produto Ficha do Produto Edição 22/05/13 Sikadur 43 Adesivo epóxi de baixa viscosidade para reparos e injeção em trincas e fissuras estruturais no concreto Construção Descrição do produto é um adesivo estrutural

Leia mais

Prova de gás sulfídrico (H 2 S) em pescados

Prova de gás sulfídrico (H 2 S) em pescados Página 1 de 5 1 Escopo Este método tem como objetivo determinar a presença de gás sulfídrico, proveniente da degradação de proteínas do pescado. 2 Fundamentos O método fundamenta-se na decomposição de

Leia mais

Anexo I. Papel higiénico, virgem, branco, 2 folhas, rolo de 120 (±15%) metros, soluvél, suave e resistente.

Anexo I. Papel higiénico, virgem, branco, 2 folhas, rolo de 120 (±15%) metros, soluvél, suave e resistente. P001 P002 Papel higiénico em rolo, 20 m, branco, folha dupla Papel higiénico em rolo, 40 m, branco, folha dupla Papel higiénico, virgem, branco, 2 folhas, rolo 20(±5%) metros, solúvel, macio, absorvente

Leia mais

Sistemas Tintométricos Acabamentos Preparação Polimento Thinners e Diluentes. Defeitos de Pintura. Causas, prevenção e correção.

Sistemas Tintométricos Acabamentos Preparação Polimento Thinners e Diluentes. Defeitos de Pintura. Causas, prevenção e correção. Sistemas Tintométricos Acabamentos Preparação Polimento Thinners e Diluentes Defeitos de Pintura, prevenção e correção. Para garantir maior produtividade e qualidade total na aplicação de tintas e vernizes

Leia mais

Química Geral Experimental - Aula 10

Química Geral Experimental - Aula 10 Química Geral Experimental - Aula 10 Título da Prática: Reações Químicas (Parte l) Objetivos: Determinar a concentração exata (padronizar) de soluções aquosas diluídas de ácidos e bases fortes utilizando

Leia mais

Novos produtos semiindustriais

Novos produtos semiindustriais Novos produtos semiindustriais Patrik Boura - Czech Development Agency, Praga Eu tenho a honra de compartilhar com vocês os resultados que nós atingimos desde o ano passado, e eu acredito que vai trazer

Leia mais

LABORATÓRIO DE ANÁLISES E PATOLOGIA CLÍNICA ROTEIRO DE INSPEÇÃO RDC 302/05

LABORATÓRIO DE ANÁLISES E PATOLOGIA CLÍNICA ROTEIRO DE INSPEÇÃO RDC 302/05 LABORATÓRIO DE ANÁLISES E PATOLOGIA CLÍNICA ROTEIRO DE INSPEÇÃO RDC 302/05 Data da inspeção: Equipe: Pessoa contactada: I - DA ORGANIZAÇÃO - DADOS CADASTRAIS Identificação da Unidade: Nome do estabelecimento:

Leia mais

MINISTERIO DE AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL DIRECÇÃO GERAL DE ENGENHARIA E DESENVOLVIENTO RURAL LABORATÓRIO NACIONAL DOS SOLOS, ÁGUA E PLANTAS

MINISTERIO DE AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL DIRECÇÃO GERAL DE ENGENHARIA E DESENVOLVIENTO RURAL LABORATÓRIO NACIONAL DOS SOLOS, ÁGUA E PLANTAS REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU MINISTERIO DE AGRICULTURA E DESENVOLVIMENTO RURAL DIRECÇÃO GERAL DE ENGENHARIA E DESENVOLVIENTO RURAL LABORATÓRIO NACIONAL DOS SOLOS, ÁGUA E PLANTAS É sabido que agricultura sem

Leia mais

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Extrutop Código interno: AGM215 e AGM216 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

3.1 - ÁGUA PURIFICADA

3.1 - ÁGUA PURIFICADA ANEXO 3 INSUMOS INERTES 3.1 - ÁGUA PURIFICADA H 2 O;18 Água para preparação de medicamentos não estéreis. É obtida por destilação, troca iônica ou outro processo adequado que garanta as especificações

Leia mais

Tel: ( 21 ) 2596-8369 ( 21 ) 2597-2304 E-mail: percon@acessopercon.com.br. Janelas de Inspeção Fluke Comprometimento com a sua Segurança

Tel: ( 21 ) 2596-8369 ( 21 ) 2597-2304 E-mail: percon@acessopercon.com.br. Janelas de Inspeção Fluke Comprometimento com a sua Segurança Janelas de Inspeção Fluke Comprometimento com a sua Segurança Sobre a PerCon Tecnologia: Empresa fundada em 2004 por um profissional que atuou mais de 20 anos como gerente para américa latina em uma multinacional

Leia mais

Peças técnicas em feltro

Peças técnicas em feltro Peças técnicas em feltro A ARTE NA PRODUÇÃO DE PEÇAS TÉCNICAS DE FELTRO Nascida há mais de 50 anos, a Artenafex é hoje reconhecida como uma empresa especializada em buscar soluções para os mais diversos

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA.

MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA. MF-613.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DE METAIS EM PARTÍCULAS EM SUSPENSÃO NO AR POR ESPECTROMETRIA DE ABSORÇÃO ATÔMICA COM CHAMA. Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 3.967, de 16 de janeiro de 2001

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CAMPUS ANISIO TEIXEIRA-INSTITUTO MULTIDICIPLINAR EM SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE LABORATÓRIOS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CAMPUS ANISIO TEIXEIRA-INSTITUTO MULTIDICIPLINAR EM SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE LABORATÓRIOS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CAMPUS ANISIO TEIXEIRA-INSTITUTO MULTIDICIPLINAR EM SAÚDE COORDENAÇÃO GERAL DE LABORATÓRIOS NORMAS INTERNAS DO LABORATÓRIO DE BIOTECNOLOGIA E GENÉTICA

Leia mais

Linha Dynabrade de Lixadeiras com Aspiração

Linha Dynabrade de Lixadeiras com Aspiração Reorder No. D08.16 Linha Dynabrade de Lixadeiras com Aspiração Alta Eficiência na Aspiração de Resíduos de Lixamento Modelos de 2", 3" e 5" de Diâmetro (51 mm, 76 mm e 127 mm) Saia de aspiração para sucção

Leia mais

1. Identificação do Produto e da Empresa

1. Identificação do Produto e da Empresa 1. Identificação do Produto e da Empresa Produto: Ecodeck Tipo de produto: Composto Polímero-Madeira (WPC Wood-Plastic Composite) Empresa: Indústria e Comércio de Molduras Santa Luzia Ltda Endereço: Rodovia

Leia mais

LIMPEZA MANUAL MOLHADA

LIMPEZA MANUAL MOLHADA GLOSSÁRIO LIMPEZA MANUAL ÚMIDA - Realizada com a utilização de rodos, mops ou esfregões, panos ou esponjas umedecidas em solução detergente, com enxágue posterior com pano umedecido em água limpa. No caso

Leia mais

Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita)

Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita) Matriz - Prova de recuperação modular- Cursos profissionais Física e Química- Módulo Q3- Reações Químicas Duração da Prova: 90 min (prova escrita) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

O que acontece com o teu Lixo?

O que acontece com o teu Lixo? VIDRARIA FABRICANTE DE PAPEL COMPOSTAGEM O que acontece com o teu Lixo? Cada um tem seu próprio rumo... O orgânico.. O compost O compostagem de residuos umido reproduz o processo natural de decomposição

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO MONTAGEM E OPERAÇÃO DA FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA

MEMORIAL DESCRITIVO MONTAGEM E OPERAÇÃO DA FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA MEMORIAL DESCRITIVO MONTAGEM E OPERAÇÃO DA FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA 1. INTRODUÇÃO Este memorial descritivo se destina a orientar a montagem e a operação do sistema de tratamento de efluentes denominado

Leia mais

Exercícios de ph Turma Evolução

Exercícios de ph Turma Evolução . A forma dos fios do cabelo (liso ou ondulado) se deve à forma das estruturas proteicas da queratina. Promovendo reações químicas nas ligações dissulfeto (RSSR) presentes na proteína, é possível alterar

Leia mais

ELIMINAÇÃO DE RESÍDUOS PERIGOSOS PRODUZIDOS NA FCUL

ELIMINAÇÃO DE RESÍDUOS PERIGOSOS PRODUZIDOS NA FCUL ELIMINAÇÃO DE RESÍDUOS PERIGOSOS PRODUZIDOS NA FCUL "A gestão do resíduo constitui parte integrante do seu ciclo de vida, sendo da responsabilidade do respetivo produtor. (Decreto Lei n.º 178/2006 de 5

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE CERVEJAS

CONTROLE DE QUALIDADE CERVEJAS CONTROLE DE QUALIDADE CERVEJAS PRINCIPAIS ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DA CERVEJA MATÉRIAS-PRIMAS ÁGUA MALTE CEREAIS (ARROZ E MILHO) LÚPULO EXTRATO DE ALTA MALTOSE AÇÚCAR ADITIVOS Água - Sabor - Odor - Cor

Leia mais

Ano letivo 2012/2013 Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica

Ano letivo 2012/2013 Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Ano letivo 2012/2013 Mestrado Integrado em Engenharia Mecânica Supervisor: Teresa Margarida Guerra Pereira Duarte Monitor: Catarina Spratley Vieira Mendes Equipa: 1M3_04 João Pedro Oliveira Souto nº 120504005

Leia mais