Resumo A relação entre as funções hormonais do ovário e da tireoide vem

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resumo A relação entre as funções hormonais do ovário e da tireoide vem"

Transcrição

1 REVISÃO Inter-relações entre as funções hormonais do ovário e da tireoide Interrelations between ovarian and thyroid functions Luiz Felipe Bittencourt de Araújo 1 Renata Grozovsky 2 Denise Pires de Carvalho 3 Mario Vaisman 4 Palavras-chave Glândula tireoide Ovários Saúde da mulher Estrogênios Keywords Thyroid gland Ovary Women s health Estrogens Resumo A relação entre as funções hormonais do ovário e da tireoide vem sendo motivo de interesse da comunidade científica mundial desde o século 19. Ao longo do tempo, diversos estudos objetivaram esclarecer fatos relacionados à interdependência funcional desses sistemas orgânicos. De fato, há evidências da ação direta e indireta do estrogênio na tireoide. Mulheres climatéricas em estado de hipoestrogenismo podem apresentar alterações na função tireoidea. Foram demonstrados efeitos da gonadectomia e da administração de estrogênio na tireoide de animais e de humanos. Por outro lado, alterações da função tireoidea podem causar distúrbios da função reprodutiva feminina. Mulheres portadoras de doenças da tireoide podem apresentar distúrbios menstruais, infertilidade e complicações do ciclo grávido-puerperal. Sendo assim, indicam-se procedimentos para a detecção de distúrbios tireoideos em diversas situações clínicas relacionadas à função reprodutiva feminina. Além disso, a função tireoidea deve ser cuidadosamente avaliada em mulheres com hipotireoidismo durante a gestação ou quando submetidas à estrogenioterapia. Dessa maneira, a função e as doenças da tireoide são assuntos de interesse para o ginecologista. É fundamental a conscientização do profissional que presta assistência à saúde da mulher em relação aos diversos aspectos relacionados às interações entre a tireoide e a função reprodutiva feminina. Abstract Since the 19 th century the interrelation between thyroid and sex organs function is recognized. In fact, there are evidences that estrogens act directly and indirectly on the thyroid gland. Postmenopausal women can show altered thyroid function tests. It has been shown in animals and in humans that gonadectomy and estrogens treatment exert effects on thyroid gland. Also, thyroid dysfunction is associated with reproductive dysfunction in women. Both hyper- and hypothyroidism may result in menstrual disturbances, infertility, abortion and complicated pregnancy. Tests for detection of thyroid disorders should be performed in women in many situations related to reproductive function. Patients with hypothyroidism should be strictly monitored during pregnancy and hormone replacement therapy with estrogens. Thus, thyroid dysfunction should be a point of interest for gynecologists. Practitioners providing health care for women should be aware of the consequences related to the interactions between these two endocrine systems. 1 Doutor em Medicina, pesquisador da Disciplina de Endocrinologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Rio de Janeiro (RJ), Brasil 2 Doutora em Ciências, pesquisadora do Laboratório de Fisiologia Endócrina do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Rio de Janeiro (RJ), Brasil 3 Doutora em Medicina, diretora do Laboratório de Fisiologia Endócrina do Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Rio de Janeiro (RJ), Brasil 4 Doutor em Medicina, professor titular da Disciplina de Endocrinologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Rio de Janeiro (RJ), Brasil

2 Araújo LFB, Grozovsky R, Carvalho DP, Vaisman M Introdução A relação entre as funções hormonais do ovário e da tireoide é conhecida há muito tempo, desde que Von Basedow, em 1840, descreveu o caso de uma mulher com amenorreia associada a um quadro de hipertireoidismo. Alguns anos depois, a publicação do caso de uma menina que desenvolveu puberdade precoce concomitante ao hipotireoidismo teve grande repercussão entre os especialistas em saúde da mulher. A partir desse momento, tornou-se evidente a interdependência funcional entre a tireoide e os órgãos reprodutivos e, ao mesmo tempo, cresceu o interesse da comunidade científica mundial pelo assunto. Experimentos enfocando a relação entre esses órgãos foram desenvolvidos a partir das primeiras décadas do século 20. Acreditava-se que o ginecologista atualizado tinha necessidade de conhecer a correlação entre as glândulas endócrinas, uma vez que o ovário, a que mais o interessa, possui importante relação com a tireoide. Os resultados dos diversos estudos sobre as interações endócrinas realizados àquela época indicavam que a fisiologia reprodutiva feminina dependia, fundamentalmente, da normalidade das concentrações plasmáticas dos hormônios tireoideos. Atualmente, a interação entre os diversos sistemas endócrinos continua sendo assunto amplamente discutido. A evolução da biologia celular possibilitou a elaboração de estudos mais minuciosos e as evidências produzidas no passado tornaram-se conclusões universalmente aceitas. Dessa maneira, novos conceitos se difundiram e a influência do ovário sobre a tireóide, e vice-versa, deixou de ser apenas motivo de pesquisas e ganhou maior importância na prática clínica. Condutas fundamentadas na possível concomitância de distúrbios tireoideos e reprodutivos podem ser adotadas, melhorando, assim, a assistência à saúde feminina. Aspectos epidemiológicos dos distúrbios da tireoide Os distúrbios da tireoide são comuns e acometem indivíduos de ambos os sexos e em todas as partes do mundo. Estima-se que a prevalência de hipotireoidismo clínico e subclínico na população geral varie de 4 a 10%, enquanto a de hipertireoidismo varie de 1 a 1,3%. Os casos de hipotireoidismo subclínico, caracterizado pelo aumento das concentrações do hormônio tíreo-estimulante (TSH) associado a níveis normais de tiroxina livre, são os mais frequentes. 1 Os nódulos da tireoide são, de maneira semelhante às desordens funcionais, comuns nas diversas amostras populacionais. Aproximadamente 3% dos indivíduos apresentam nódulos palpáveis da tireoide. Considerando-se também a presença de lesões não palpáveis, nódulos tireoideanos podem ser detectados com ecografia, em cerca de 19 a 67% das pessoas submetidas a estudo. Dentre as tireoides avaliadas em necrópsias, 50% das amostras apresentam nódulos, apesar de não existirem suspeitas prévias das lesões nos indivíduos afetados. 2 Nos Estados Unidos, o carcinoma da tireoide é o nono tipo mais frequente de neoplasia maligna entre as mulheres. O Instituto Nacional do Câncer Norte-Americano avaliou que a prevalência geral de portadores da doença, naquele país, era de 204 mil a 233 mil pacientes, no início dessa década. Segundo dados da Sociedade Norte-Americana de Câncer (American Cancer Society), cerca de novos casos de câncer de tireoide foram diagnosticados naquele país, em As doenças da tireoide são mais comuns em indivíduos do sexo feminino do que do masculino. O dimorfismo sexual na prevalência dos distúrbios da tireoide pode ser explicado pela influência dos esteroides sexuais ovarianos na glândula. A predisposição para desenvolvê-las é maior no climatério, período da vida em que ocorre a falência funcional ovariana e em que a mulher experimenta um estado sistêmico de hipoestrogenismo. De fato, a prevalência das doenças da tireoide aumenta na pós-menopausa e essas anomalias podem acometer 20% da população feminina nessa fase. 1 A influência dos hormônios sexuais na tireoide A influência dos hormônios sexuais na regulação da função tireoidea vem sendo interesse de pesquisas desde o início do século passado. Os primeiros estudos realizados sobre o assunto concluíram que, em ratas, ocorre atrofia da tireoide, nos dias subsequentes à castração. O quadro histológico seria compatível com o de uma glândula em repouso funcional, na qual os folículos estão aumentados de tamanho, repletos de coloide, com o epitélio fino e achatado. 4 Estudos experimentais Moon e Turner relataram que, em ratas, enquanto a gonadectomia causa depressão da atividade da tireoide com redução da sua taxa diária de secreção, o tratamento com estrogênio evita esse quadro e mantém a produção dos hormônios tireóideos normal. 5 Chen e Walfish observaram aumento das concentrações plasmáticas de triiodotironina (T 3 ) e TSH, em associação à diminuição dos níveis de tiroxina (T 4 ), em ratas castradas tratadas com benzoato de estradiol. 6 Mais recentemente, Böttner 144 FEMINA Março 2009 vol 37 nº 3

3 Inter-relações entre as funções hormonais do ovário e da tireoide e Wuttke reforçaram a hipótese de que o tratamento crônico com estradiol reduziria os níveis de T 4 em ratas adultas castradas, mas referiram que o efeito seria variável, de acordo com idade dos animais. 7 É possível que diferenças entre as condições experimentais utilizadas nos experimentos influenciem os resultados. A dose das medicações, a duração dos tratamentos, o grau de avanço tecnológico do momento do estudo e as técnicas escolhidas foram fundamentais para a qualidade dos resultados obtidos até o momento. O tratamento com esteroides sexuais pode induzir alterações na morfologia da tireoide. D Angelo e Fisher observaram alterações morfológicas na tireoide de ratas castradas e submetidas a tratamento com estrogênio injetado por via subcutânea; as alterações observadas foram compatíveis com hiperplasia e ativação glandular. 8 Zayed et al. relataram alterações morfológicas, nas tireoides de cadelas, induzidas pelo tratamento crônico com estradiol e etinilestradiol. Verificaram-se, no epitélio folicular, focos de proliferação celular, estratificação e metaplasia escamosa. Em algumas áreas, o folículo estava completamente preenchido por células escamosas. 9 Araujo et al. realizaram um estudo histomorfométrico da tireoide de ratas castradas tratadas com estrogênio e tamoxifeno, comparando-as com ratas que receberam placebo. Observaramse, nos grupos tratados, alterações morfológicas semelhantes e sugestivas de hiperatividade glandular. 10 Nesses animais, as células foliculares eram altas e o epitélio glandular era do tipo colunar. Os folículos apresentavam pequena superfície e reduzida quantidade de coloide. Nos animais castrados não tratados, utilizados como controle, o aspecto histomorfométrico da tireoide era sugestivo de hipoatividade glandular. As células foliculares eram achatadas e o epitélio escamoso. Os folículos eram grandes e repletos de coloide. 10 Recentes estudos em biologia celular trouxeram valiosa contribuição ao entendimento da relação entre o estrogênio e a tireoide. Segundo Utian, os tecidos ou órgãos nos quais ocorre ação do estrogênio são aqueles em que as células possuem receptores específicos para o hormônio. 11 Dessa maneira, a tireoide pode ser, definitivamente, considerada um dos órgãos suscetíveis à atividade estrogênica, uma vez que a presença de receptores estrogênicos nas células foliculares tem sido confirmada em vários experimentos. 12 Postula-se que o estrogênio desempenhe função regulatória na tireoide e que, em condições de normalidade, tem papel fundamental no crescimento e desenvolvimento da glândula. 12 De fato, a presença 17ß estradiol foi demonstrada na tireoide, em condições fisiológicas, por meio de imunoistoquímica. 13 Há evidências de que o estrogênio tem efeito direto sobre as células foliculares, intermediado pelo receptor estrogênico. 14 Banu et al. acrescentaram que o estrogênio pode atuar diretamente no epitélio tireoideo e estimular a proliferação celular. 12 Araujo et al. observaram diminuição do índice de expressão do antígeno nuclear de proliferação celular (PCNA), associada a aspecto morfológico sugestivo de hipoatividade, na tireoide de ratas castradas, quando comparadas a ratas com gônadas intactas. Paralelamente, constatou-se que o tratamento com estrogênio ou raloxifeno revertia os efeitos da gonadectomia. Assim, ratas castradas tratadas com essas drogas apresentaram índices de PCNA e aspectos morfológicos nas tireoides semelhantes aos das ratas que possuíam gônadas funcionantes. 15 Estudos clínicos A influência do estrogênio na atividade da tireoide foi demonstrada também em estudos clínicos. Bottiglioni et al. observaram uma tendência à depressão da função tireoidea após a menopausa, embora as modificações encontradas não tenham repercussões clínicas importantes. 16 Contraceptivos orais combinados administrados por períodos superiores a seis meses podem induzir alterações da função tireoidea em mulheres usuárias. Embora permaneçam dentro das faixas de normalidade, elevam-se os níveis plasmáticos de TSH, triiodotironina (T 3 ) e tiroxina (T 4 ). O aumento das concentrações totais de T 3 e T 4 seria decorrente do aumento da globulina transportadora de hormônios tireoideos (TBG) induzido pelo estrogênio. Devido ao aumento da capacidade de ligação da TBG, os níveis das frações livres de T 3 e T 4 não se modificam. Considerando-se que os níveis de T 3 e T 4 livres estão inalterados e que, portanto, a necessidade de hormônios tireoideos no organismo não se modificou, a hipótese da retroalimentação negativa é descartada como justificativa para o aumento do TSH. A elevação do TSH é atribuída a um possível efeito inibitório direto do estrogênio na tireoide. 17 Mulheres pós-menopáusicas com hipotireoidismo, quando fazem uso de estrogenioterapia, apresentam redução da concentração plasmática de T 4 livre e aumento de T 4 total, TBG e de TSH. Com o aumento de TBG induzido pelo estrogênio, ocorre aumento da fração de tiroxina ligada à globulina e consequentemente, diminuição de T 4 livre. Com a redução da oferta, a entrada de tiroxina nas células fica mais lenta, resultando em queda da ação periférica do hormônio. A redução dos níveis plasmáticos de T 4 livre é também provocada pelo aumento de sua taxa de metabolização induzi- FEMINA Março 2009 vol 37 nº 3 145

4 Araújo LFB, Grozovsky R, Carvalho DP, Vaisman M do pelo estrogênio. A diminuição de T 4 livre é suficiente para induzir a elevação de TSH, o que pode resultar em aumento da necessidade de tiroxina. Dessa maneira, o efeito do estrogênio na função tireoidea pode interferir no tratamento das pacientes com hipotireoidismo. Mulheres pós-menopáusicas com hipotireoidismo podem necessitar de aumento na dose terapêutica de tiroxina quando submetidas, ao mesmo tempo, à estrogenioterapia. Ademais, o aumento de TSH é de grande relevância clínica, uma vez que pode trazer consequências negativas a mulheres com câncer de tireoide que fazem terapia de supressão dos níveis de TSH com tiroxina. Pacientes eutireoideias, na pós-menopausa, quando tratadas com estrogênio apresentam apenas elevação da concentração total de T 4 e TBG. O TSH e o T 4 livre permanecem inalterados. Essas mulheres têm maior capacidade adaptativa ao aumento de TBG e, portanto, o impacto da estrogenioterapia na função tireoidea é de menor importância clínica. 18 A influência dos distúrbios da tireoide sobre a função reprodutiva feminina O impacto das alterações da função tireoidea sobre a função reprodutiva feminina foi bem estabelecido por diversos estudos e deve ser considerado de relevância na assistência à saúde da mulher. O hipotireoidismo e o hipertireoidismo, que se manifestam na infância, quando não tratados podem causar anomalias do desenvolvimento sexual. Menarca tardia pode ocorrer em pré-púberes com hipertireoidismo. Quadros de hipotireoidismo que acometem meninas podem resultar em casos de puberdade precoce ou tardia, sendo o segundo tipo mais frequente. 19 Mulheres portadoras de desordens funcionais da tireoide apresentam alterações nas concentrações plasmáticas dos hormônios sexuais. Os níveis da globulina transportadora de hormônios sexuais (SHBG) estão diminuídos no hipotireoidismo e aumentados no hipertireoidismo devido a modificações na atividade de síntese dessa proteína no fígado. Em consequência da diminuição da SHBG, no hipotireoidismo há queda das concentrações totais e elevação das frações livres de testosterona e de estradiol. No hipertireoidismo, por sua vez, com o aumento da SHBG, ocorrem incrementos nos níveis plasmáticos de testosterona total e de estradiol total. A concentração de estradiol livre e estrona estão normais ou reduzidos nessa condição. O hormônio folículo estimulante (FSH) pode apresentar níveis basais elevados no hipertireoidismo. A taxa de metabolização de estradiol encontra-se diminuída no hipertireoidismo, da mesma forma como acontece no hipotireoidismo. Os níveis do hormônio luteinizante (LH) elevam-se em ambos os estados, embora, geralmente, permaneçam ainda dentro da faixa de normalidade. 20,21 Os distúrbios da tireoide são associados à infertilidade e a alterações da evolução da gravidez. A anovulação crônica está associada ao hipotireoidismo e ao hipertireoidismo, principalmente nos quadros mais severos. Strickland et al. em estudo com 210 mulheres inférteis, observaram níveis de TSH elevados acima da faixa de normalidade em oito (3,8%) delas. Esse achado demonstra que a incidência de hipotireoidismo em pacientes inférteis é semelhante à da população geral. Entretanto, sete dessas oito pacientes estavam entre as 55 mulheres cujo fator causal para infertilidade era a disfunção ovulatória. 22 É possível que o hipotireoidismo esteja envolvido na patogênese da infertilidade feminina. Contudo, faltam evidências suficientes para considerar que o hipotireoidismo, isoladamente, possa ser a causa da desordem. Ademais, na avaliação de mulheres inférteis com hipotireoidismo, outras causas de anovulação crônica mais frequentes devem ser pesquisadas. De qualquer maneira, todas as mulheres inférteis que buscam tratamento para infertilidade devem ser submetidas à análise da função tireoidea, uma vez que mesmo as alterações mais discretas podem afetar negativamente a evolução da gestação. O hipotireoidismo aumenta o risco de abortamento, óbito fetal intraútero, parto prematuro e anomalias fetais congênitas. Mulheres com hipotireoidismo podem ter suas desordens agravadas durante a gravidez. Gestantes com hipotireoidismo e em tratamento podem ter necessidade de aumento nas doses terapêuticas de tiroxina. Gestações em pacientes com hipertireoidismo também apresentam maior taxa de morbidade. Observa-se, nesses casos, maior incidência de óbito fetal intraútero, recém-nascidos de baixo peso e pré-eclâmpsia. Em todas as situações, o tratamento precoce da gestante com a normalização das concentrações plasmáticas dos hormônios tireoideos melhora a evolução da gravidez e diminui o risco de complicações. 19 A influência dos distúrbios da tireoide na menstruação Tanto o hipotireoidismo quanto o hipertireoidismo podem causar distúrbios menstruais. Sendo assim, devem ser considerados no diagnóstico diferencial de pacientes que apresentam queixa de sangramento uterino anormal. De acordo com Scott e Mussey, a incidência de alterações menstruais em pacientes com hipotireoidismo é de 56% do total de mulheres afetadas. 23 Entretanto, em estudo mais recente realizado por Krassas et al., observou-se menor incidência de ciclos anormais. 23% das mulheres hipotireoideias 146 FEMINA Março 2009 vol 37 nº 3

5 Inter-relações entre as funções hormonais do ovário e da tireoide apresentaram um padrão anormal de sangramento, em contraste com 8,4% das pacientes eutireoideias. Ainda assim, a incidência de distúrbios menstruais em mulheres com hipotireoidismo é quase três vezes maior do que em mulheres não afetadas. 21 Há também discordância entre os resultados de estudos antigos em comparação aos mais atuais no que diz respeito à incidência de distúrbios menstruais em mulheres com hipertireoidismo. Benson e Dailey relataram incidência de alterações menstruais em 58,6% das pacientes com a enfermidade. 24 Krassas et al., por outro lado, demonstraram incidência limitada a 21,5% das acometidas pelo hipertireoidismo. 21 As alterações menstruais tendem a ser mais frequentes nos distúrbios tireoideos severos, apresentando quadros clínicos mais exuberantes em comparação a casos leves e subclínicos. A diferença entre os resultados dos estudos antigos e os mais atuais pode ser atribuída ao fato de que as doenças da tireoide passaram a ser diagnosticadas precocemente, ainda em fases menos evoluídas do que no passado. Essa tendência se deve, sobretudo, à evolução e à maior acurácia dos métodos de avaliação da função tireoidea. Além disso, a população tornou-se mais consciente em relação à necessidade de cuidados com a saúde ao mesmo tempo em que encontra mais facilidade de acesso à assistência médica. Por muito tempo, acreditou-se que pacientes com hipoteroidismo tenderiam a apresentar aumento do fluxo menstrual, enquanto nos casos de hipertireoidismo, ocorreria redução do fluxo. Entretanto, de acordo com observações mais atuais, conclui-se que não há uma relação direta de especificidade entre o tipo de distúrbio da tireoide e a característica da alteração menstrual apresentada. Dentre as pacientes com hipotireoidismo, os distúrbios menstruais mais frequentes são a oligomenorreia (ciclos com duração superior a 35 dias), correspondente a 42,5% das alterações menstruais e ao aumento do fluxo menstrual, caracterizado por hipermenorreia ou menorragia, presente em 30% dos casos. Um grupo menor de pacientes (15%) pode apresentar hipomenorreia (diminuição do volume do fluxo menstrual) e outro, amenorreia (12,5%). Os quadros de hiperfluxo menstrual relacionados ao hipotireoidismo são atribuídos a episódios de sangramento disfuncional secundários a ciclos anovulatórios. Distúrbios da hemostasia associados ao hipotireoidismo, como as deficiências dos fatores de coagulação VII, VIII, IX e XI, podem contribuir para os quadros de menorragia e de polimenorreia. 21 Algumas mulheres com hipotireoidismo podem apresentar amenorreia associada à galactorreia em consequência de hiperprolactinemia, uma vez que o hormônio liberador de tireotrofina (TRH) pode induzir a secreção tanto de TSH como de prolactina. 20 Em casos de hipertireoidismo, as alterações menstruais mais comuns são a hipomenorreia em 52% dos casos, a polimenorreia em 32,5% dos casos e a oligomenorreia em 11% das pacientes. Observam-se, ainda, quadros de hipermenorreia em 4,5% dos casos. As alterações menstruais secundárias ao hipertireoidismo são atribuídas à interferência na secreção de gonadotrofinas, no eixo hipotálamo-hipófise, causada pelos hormônios tireoideos em excesso. É possível que a elevação da SHBG observada no hipertireoidismo e as consequentes alterações das concentrações de estradiol também possam contribuir para as alterações menstruais. 21 Considerações finais Indica-se a avaliação da função tireoidea em mulheres que apresentam distúrbios menstruais nas quais tenham sido descartadas lesões nos órgãos genitais. Apesar de não estarem entre as causas mais frequentes de defeitos do ciclo menstrual, os distúrbios da tireoide fazem parte do diagnóstico diferencial. Deve-se ter cautela ao atribuir um quadro de alteração menstrual às desordens tireoideas, sobretudo nos casos leves e menos sintomáticos. A identificação de um distúrbio da tireoide não elimina a necessidade de prosseguir a investigação e afastar outras endocrinopatias, como a síndrome dos ovários policísticos, a hiperprolactinemia ou a falência ovariana prematura. É possível que um quadro de disfunção menstrual consequente a outras doenças seja equivocadamente atribuído a um distúrbio da tireoide coincidente. A avaliação de cada caso deve ser criteriosa uma vez que outras alterações ovulatórias podem ocorrer concomitantemente às doenças da tireoide. Considerando que as características das doenças da tireoide são diversas e inespecíficas, pode ser difícil determinar, na prática clínica, se distúrbios reprodutivos originam-se de alterações da função tireoidea ou se estão relacionados a uma afecção gonadal coexistente. Ademais, as desordens da tireoide são de caráter crônico e desenvolvem-se, na maioria das vezes, de forma insidiosa. Em casos de amenorreia associada à galactorreia em mulheres com hipotireoidismo, deve-se suspeitar de hiperprolactinemia. A dosagem da prolactina basal é fundamental para o diagnóstico. É fato relevante que, nos casos de alterações menstruais secundárias a distúrbios da tireoide, o tratamento e restituição das concentrações plasmáticas dos hormônios tireoideos resulta em normalização dos ciclos. Mesmo nos casos de hiperprolactinemia associada ao hipotireoidismo, o tratamento com tiroxina induz a estabilização dos níveis de prolactina, a regularização dos ciclos menstruais e a supressão da galactorreia. 19,20 FEMINA Março 2009 vol 37 nº 3 147

6 Araújo LFB, Grozovsky R, Carvalho DP, Vaisman M Justificam-se os procedimentos para a detecção precoce de distúrbios da tireoide em todas as mulheres grávidas ou que desejam engravidar, especialmente nas que serão submetidas a técnicas de reprodução assistida. Entretanto, essa conduta ainda não é amplamente utilizada. Nos casos em que o diagnóstico da alteração tireoidea está bem estabelecido, as pacientes devem ser cuidadosamente monitoradas durante a gestação já que o tratamento adequado diminui o risco de complicações. 19 As mulheres no climatério são mais suscetíveis às doenças da tireoide. As habituais consultas com o ginecologista representam uma oportunidade para a detecção dessas alterações. Além disso, os sintomas do hipotireoidismo e do hipertireoidismo podem confundir-se com os da síndrome climatérica. Sendo assim, recomenda-se, nessas pacientes, o rastreamento periódico para doenças da tireoide. Segundo a Associação Norte-Americana de Tireoide (American Thyroid Society), todas as mulheres acima de 35 anos devem ser avaliadas a cada cinco anos. 25 Em situações particulares como, por exemplo, durante a terapia hormonal (TH) com estrogênios ou de risco para doenças da tireoide, as pacientes devem ser reavaliadas com maior frequência. A TH pode aumentar a necessidade de tiroxina nas mulheres com hipotireoidismo e, portanto, essas pacientes devem ser reavaliadas 12 semanas após o início da terapia. Essa recomendação é válida especialmente nos casos de câncer de tireoide em que se utiliza a terapia com tiroxina para supressão de TSH. 18 As desordens da tireoide podem ser facilmente diagnosticadas com o auxílio de testes laboratoriais. A dosagem de TSH é considerada método satisfatório para a detecção da maioria dos casos. Nos quadros de hipotireoidismo clínico ou subclínico há elevação das concentrações de TSH. Em contrapartida, o hipertireoidismo se caracteriza por supressão dos níveis plasmáticos de TSH. A dosagem do TSH isolada não é útil para o diagnóstico em casos de hipotireoidismo secundário, de origem central, quando pode apresentar-se diminuída, pouco elevada ou inalterada. 25 Sendo alta a prevalência dos distúrbios da tireoide no sexo feminino, não é incomum que as mulheres, durante o curso de suas vidas, desenvolvam algumas dessas alterações. Por diversas ocasiões, o ginecologista que acompanha sua paciente durante grande parte da sua evolução se depara, em meio aos problemas mais comuns em sua especialidade, com as manifestações das doenças da tireoide. Dessa maneira, a função e as doenças da tireoide são assuntos de seu interesse. É fundamental a conscientização do profissional que presta assistência à saúde da mulher sobre os diversos aspectos relacionados às interações entre a tireoide e a função reprodutiva feminina. Leituras suplementares 1. Surkus MI, Ortiz E, Daniels GH, Sawin CT, Col NF, Cobin RH, et al. Subclinical thyroid disease: scientific review and guidelines for diagnosis and management. JAMA. 2004;291(2): Hollowell JG, Staehling NW, Flanders DW, Hannon WH, Gunter EW, Spencer CA, et al. Serum TSH, T 4, and thyroid antibodies in the United States population (1988 to 1994): National health and nutrition examination survey (NHANES III). J Clin Endocrinol Metab. 2002;87(2): Jemal A, Thomas A, Murray T, Thun M. Cancer statistics CA Cancer J Clin. 2002;52(1): Noach EL. Influence of oestrogens on thyroid function II. Acta Endocrinol. 1955;19: Moon RC, Turner CW. Effect of ovariectomy and replacement therapy upon thyroxine secretion rate of rat. Proc Soc Exp Biol Med. 1960;103: Chen HJ, Walfish PG. Effects of estradiol benzoate on thyroid-pituitary function in female rats. Endocrinology. 1978;103(4): Böttner M, Wuttke W. Chronic treatment with low doses of estradiol affects pituitary and thyroid function in young and middle-aged ovariectomized rats. Biogerontology. 2005;6(4): D Angelo AS, Fisher JS. Influence of estrogen on the pituitary-thyroid system of the female rat: mechanisms and loci of action. Endocrinology. 1969;84(1): Zayed I, Esch E, McConnell RF. Systemic and histopathologic changes in Beagle dogs after chronic daily oral administration of synthetic (ethinylestradiol) or natural (estradiol) estrogens, with special reference to the kidney and thyroid. Toxicol Pathol. 1998;26(6): de Araujo LF, Soares JM Jr, Simões RS, Calió PL, Oliveira-Filho RM, Simões Mde J, et al. Effect of conjugated equine estrogens and tamoxifen administration on thyroid gland histomorphology of the rat. Clinics. 2006;61(4): Utian WH. Biosynthesis and physiologic effects of estrogen and pathophysiologic effects of estrogen deficiency: a review. Am J Obstet Gynecol. 1989;161(6 Pt 2): Banu SK, Govindarajulu P, Aruldhas MM. Testosterone and estradiol differentially regulate TSH-induced thyrocyte proliferation in immature and adult rats. Steroids. 2002;67(7): Mizukami Y, Michigishi T, Nonomura A, Hashimoto T, Noguchi M, Matsubara F. Estrogen and estrogen receptors in thyroid carcinomas. J Surg Oncol. 1991;47(3): Furlanetto TW, Nguyen LQ, Jameson JL. Estradiol increases proliferation and down-regulates the sodium/iodide symporter gene in FRTL-5 cells. Endocrinology. 1999;140(12): Araujo LFB, Grozovsky R, de Campos Pinheiro M, de Carvalho JJ, Vaisman M, Carvalho DP. Raloxifene effects on thyroid gland morphology in ovariectomized rats. Fertil Steril. 2008;90(4): [Epub ahead of print] 16. Bottiglioni F, Aloysio D, Nicoletti G, Mauloni M, Mantuano R, Capelli M. A study of thyroid function in the pre- and post- menopause. Maturitas. 1983;5(2): Weeke J, Hansen AP. Serum TSH and serum T 3 levels during menstrual cycles and during cycles on oral contraceptives. Acta Endocrinol. 1975;79(3): Arafah BM. Increased need for thyroxine in women with hypothyroidism during estrogen theraphy. N Engl J Med. 2001;344(23): Thomas R, Reid RL. Thyroid disease and reproductive dysfunction: a review. Obstet Gynecol. 1987;70(5): Koutras DA. Disturbances of menstruation in thyroid disease. Ann NY Acad Sci. 1997;816: Krassas GE, Pontikides N, Kaltsas T, Papadopoulou P, Paunkovic J, Paunkovic N, et al. Disturbances of menstruation in hypothyroidism. Clin Endocrinol. 1999;50(5): Strickland DM, Whitted WA, Wians FH. Screening infertile women for subclinical hypothyroidism. Am J Obstet Gynecol. 1990;163(1 Pt 1): Scott JC, Mussey E. Menstrual patterns in myxedema. Am J Obstet Gynecol. 1964;90: Benson RC, Dailey ME. The menstrual pattern in hiperthyroidism and subsequent posttherapy hypothyroidism. Surg Gynecol Obstet. 1955;100(1): Ladenson PW, Singer PA, Ain KB, Bagchi N, Bigos ST, Levy EG, et al. American Thyroid Association guidelines for detection of thyroid disfunction. Arch Intern Med. 2000;160(11): FEMINA Março 2009 vol 37 nº 3

Amenorréia Resumo de diretriz NHG M58 (março 2007)

Amenorréia Resumo de diretriz NHG M58 (março 2007) Amenorréia Resumo de diretriz NHG M58 (março 2007) Leusink GL, Oltheten JMT, Brugemann LEM, Belgraver A, Geertman JMA, Van Balen JAM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização

Leia mais

Amenorréia Induzida: Indicações. XIX Jornada de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte XVI Jornada da Maternidade Escola Januário Cicco

Amenorréia Induzida: Indicações. XIX Jornada de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte XVI Jornada da Maternidade Escola Januário Cicco Amenorréia Induzida: Indicações XIX Jornada de Ginecologia e Obstetrícia do Rio Grande do Norte XVI Jornada da Maternidade Escola Januário Cicco I. Amenorréia Amenorréia secundária é um distúrbio que se

Leia mais

Alexandre de Lima Farah

Alexandre de Lima Farah Alexandre de Lima Farah Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

PUBERDADE. Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual

PUBERDADE. Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual Puberdade PUBERDADE Transição entre a infância e a vida adulta Transformações físicas e psíquicas complexas Fase fisiológica com duração de 2 a 5 anos, durante a qual ocorre a maturação sexual Desenvolvimento

Leia mais

Provas de Função Tireoidiana

Provas de Função Tireoidiana Provas de Função Tireoidiana imunologia 1. INTRODUÇÃO Nos últimos 40 anos, ocorreu uma melhora substancial na sensibilidade e especificidade dos testes tireoidianos principalmente com o desenvolvimentos

Leia mais

O que todos deveriam saber

O que todos deveriam saber Tireoide e Infertilidade O que todos deveriam saber Tireoide e Infertilidade O que todos deveriam saber Problemas para engravidar? Sua tireoide pode ser a causa Você sabia que distúrbios não diagnosticados

Leia mais

Prolactina e seus excessos em mulheres não-gestantes. Prolactin and its excess in non pregnant women

Prolactina e seus excessos em mulheres não-gestantes. Prolactin and its excess in non pregnant women Prolactina em mulheres não-gestantes Prolactina e seus excessos em mulheres não-gestantes Cristiane Maria Villar Silva 1 Tania Cristina Andrade 2 RESUMO - A prolactina é um hormônio produzido pela hipófise,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DOS DISTÚRBIOS TIREOIDIANOS EM USUÁRIOS DE UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

CLASSIFICAÇÃO DOS DISTÚRBIOS TIREOIDIANOS EM USUÁRIOS DE UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS CLASSIFICAÇÃO DOS DISTÚRBIOS TIREOIDIANOS EM USUÁRIOS DE UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS Kamila Karoliny Ramos de Lima 1, Josimar dos Santos Medeiros 2. Resumo Entre as principais doenças de evolução

Leia mais

Tireoide e Infertilidade. O quê todos deveriam saber

Tireoide e Infertilidade. O quê todos deveriam saber Tireoide e Infertilidade O quê todos deveriam saber Tireoide e Infertilidade O quê todos deveriam saber Você sabia? Problemas na tireoide podem levar à infertilidade, complicações durante a gravidez, além

Leia mais

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS)

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS) AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS) 1- Hipóteses diagnósticas que devem ser encaminhadas para este ambulatório 1a) Diabetes Mellitus Tipo 1, Tipo

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO 1 UNIVERSIDADE DE CUIABÁ Atividade Presencial: estudo através de Textos e Questionários realizado em sala de aula SOBRE A FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO CADA ESTUDANTE DEVERÁ IMPRIMIR E LEVAR

Leia mais

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa?

Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O que é a Menopausa? Menopausa é a parada de funcionamento dos ovários, ou seja, os ovários deixam

Leia mais

Hipotiroidismo na Grávida

Hipotiroidismo na Grávida 11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 ENDOCRINOLOGIA CLÍNICA Hipotiroidismo na Grávida TERESA DIAS Serviço de Endocrinologia do HSM. Lisboa Luso, Junho de 2010 Hipotiroidismo e Gravidez Prevalência Hipotiroidismo

Leia mais

Hipogonadismo. O que é Hipogonadismo? Causas 25/02/ 2015. Minhavida.com.br

Hipogonadismo. O que é Hipogonadismo? Causas 25/02/ 2015. Minhavida.com.br Hipogonadismo O que é Hipogonadismo? Hipogonadismo é uma doença na qual as gônadas (testículos nos homens e ovários nas mulheres) não produzem quantidades adequadas de hormônios sexuais, como a testosterona

Leia mais

AMENORRÉIA Cynthia Salgado Lucena Caso Clínico/ Abril- 2011

AMENORRÉIA Cynthia Salgado Lucena Caso Clínico/ Abril- 2011 AMENORRÉIA Cynthia Salgado Lucena Caso Clínico/ Abril- 2011 ASPECTOS GERAIS: Mamas presentes/ FSH nl/ útero ausente: Agenesia mülleriana e sínd de resistência completa aos androgênios. Dosar testosterona.

Leia mais

CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA

CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA CONSEQÜÊNCIAS DA HISTERECTOMIA LEIOMIOMA UTERINO - METÁSTESE MÓRBIDA Protocolo de Pesquisa Joselma Lira Alves Maisa Homem de Mello Romeu Carillo Jr Clínica de Homeopatia do HSPM-SP LEIOMIOMA UTERINO Sinonímia

Leia mais

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri.

Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Enfermagem 7º Semestre. Saúde da Mulher. Prof.ª Ludmila Balancieri. Menstruação. É a perda periódica que se origina na mucosa uterina, caracterizada por sangramento uterino, que ocorre na mulher desde

Leia mais

EXAMES PARA DIAGNÓSTICO DE PUBERDADE PRECOCE

EXAMES PARA DIAGNÓSTICO DE PUBERDADE PRECOCE Data: 04/12/2013 NOTA TÉCNICA 242 /2013 Solicitante: Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade Número do processo: 1.0433.13.017726-7/001 Medicamento Material Procedimento Cobertura X EXAMES PARA DIAGNÓSTICO

Leia mais

FOSTIMON Urofolitrofina Humana (FSH) Altamente Purificada Liófilo Injetável

FOSTIMON Urofolitrofina Humana (FSH) Altamente Purificada Liófilo Injetável FOSTIMON Urofolitrofina Humana (FSH) Altamente Purificada Liófilo Injetável FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES - FOSTIMON Fostimon apresenta-se sob a forma de pó branco liofilizado, a ser reconstituído

Leia mais

Quais hormônios regulam a ovogênese?

Quais hormônios regulam a ovogênese? Controle Endócrino da Ovogênese Ciclo Sexual Feminino Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia 1 Quais hormônios regulam a ovogênese? 2 1 CONTROLE HORMONAL DA OVOGÊNESE A ovogênese

Leia mais

AspectosAtuaisno Tratamentoda Infertilidade. Policísticos. Elaine Soares Barbosa R1 Orientadora: Dra Maria Albina

AspectosAtuaisno Tratamentoda Infertilidade. Policísticos. Elaine Soares Barbosa R1 Orientadora: Dra Maria Albina AspectosAtuaisno Tratamentoda Infertilidade nasíndrome Síndromedos Ovários Policísticos Elaine Soares Barbosa R1 Orientadora: Dra Maria Albina Síndromede OváriosPolicísticos(SOP): Anovulação Hiperandrogênica

Leia mais

Gravidez e Doença Tiroideia

Gravidez e Doença Tiroideia Gravidez e Doença Tiroideia Hipotiroidismo Teresa Dias Assistente Hospitalar Graduada em Endocrinologia HSM Assistente Livre FML Caso Clínico 26 anos, gravidez 6 semanas G2, P0; 1 aborto espontâneo Não

Leia mais

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA GLÂNDULAS SEXUAIS GÔNADAS MASCULINAS = TESTÍCULOS GÔNADAS FEMININAS = OVÁRIOS PRODUZEM GAMETAS E HORMÔNIOS SEXUAIS CONTROLE HORMONAL DO SISTEMA TESTÍCULOS

Leia mais

HSPM-SP. Projeto de Pesquisa

HSPM-SP. Projeto de Pesquisa HSPM-SP Projeto de Pesquisa HSPM-SP Conseqüências da Histerectomia Leiomioma uterino-metástase mórbida Dra Joselma Lira Alves Dra Maisa L. H. de Mello Prof. Dr Romeu Carillo Jr Associação Brasileira de

Leia mais

Amenorréia. Profª. Keyla Ruzi

Amenorréia. Profª. Keyla Ruzi Amenorréia Profª. Keyla Ruzi Amenorréia Conceito: ausência de menstruação em uma época na qual ela deveria ocorrer. Exclui-se períodos de amenorréia fisiológica, como na gravidez e lactação, antes da menarca

Leia mais

Relação do exame citológico com a utilização de hormônios

Relação do exame citológico com a utilização de hormônios 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE

Leia mais

Motivações para se Tornar Sexualmente Ativo

Motivações para se Tornar Sexualmente Ativo Motivações para se Tornar Sexualmente Ativo Atividade Sexual Desejo de engravidar Sentir-se mulher ou homem Sentir-se desejável Intimidade / Cumplicidade Desejo de ter filho Expressão/ Afirmação Excitação/

Leia mais

Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo???

Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo??? Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo??? Lembre-se que os seres humanos só podem ter 46 cromossomos, sendo um par sexual, por exemplo: se dois espermatozóides com cromossomo sexual X e

Leia mais

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados.

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados. MÉTODOS HORMONAIS 1 - ANTICONCEPCIONAIS HORMONAIS ORAIS (PÍLULAS) É o método mais difundido e usado no mundo. As pílulas são consideradas um método reversível muito eficaz e o mais efetivo dos métodos

Leia mais

ABORDAGEM DIAGNÓSTICA DAS

ABORDAGEM DIAGNÓSTICA DAS ABORDAGEM DIAGNÓSTICA DAS AMENORRÉIAS PELO MFC Melanie Noël Maia Preceptora do Programa de Residência em MFC da SMS-RJ CF Felippe Cardoso INTRODUÇÃO Uma das causas mais frequentes de consulta médica em

Leia mais

O aumento das concentrações de prolactina pode ocorrer em várias situações, sejam elas fisiológicas ou patológicas.

O aumento das concentrações de prolactina pode ocorrer em várias situações, sejam elas fisiológicas ou patológicas. Hiperprolactinemia A hiperprolactinemia é alteração endocrinológica mais comum que ocorre no sistema nervoso central, sendo mais comum no sexo feminino. Além disso, é uma causa freqüente de infertilidade.

Leia mais

Ciclo Menstrual e Métodos Contraceptivos

Ciclo Menstrual e Métodos Contraceptivos Ciclo Menstrual e Métodos Contraceptivos Hormônios sexuais Controlados pelo FSH e LH: FSH: estimula o desenvolvimento dos folículos ovarianos; LH: responsável pelo rompimento do folículo maduro (ovulação)

Leia mais

A neurohipófise tem comunicação

A neurohipófise tem comunicação A aula de hoje é sobre o eixo hipotálamohipófise - ovário. Porque que nós vamos falar desse eixo? Porque é ele que rege toda a fisiologia hormonal feminina, então pra nós falarmos do ciclo menstrual, nós

Leia mais

Sistema Endócrino: controle hormonal

Sistema Endócrino: controle hormonal Sistema Endócrino: controle hormonal Todos os processos fisiológicos estudados até agora, como digestão, respiração, circulação e excreção, estão na dependência do sistema que fabrica os hormônios. O sistema

Leia mais

Excreção. Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas.

Excreção. Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas. Fisiologia Animal Excreção Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas. Sistema urinario Reabsorção de açucar, Glicose, sais, água. Regula volume sangue ADH: produzido pela

Leia mais

Ciclo Menstrual. Ciclo Menstrual. Ciclo ovariano. Ciclo ovariano 17/08/2014. (primeira menstruação) (ausência de menstruação por 1 ano)

Ciclo Menstrual. Ciclo Menstrual. Ciclo ovariano. Ciclo ovariano 17/08/2014. (primeira menstruação) (ausência de menstruação por 1 ano) CICLO MENSTRUAL Ciclo Menstrual A maioria das mulheres passará por 300 a 400 ciclos menstruais durante sua vida Os ciclos variam entre 21 a 36 dias, em média 28 dias O sangramento dura de 3 a 8 dias A

Leia mais

Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo

Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo Fisiologia Endócrina do Sistema Reprodutivo Profa. Letícia Lotufo Função Reprodutiva: Diferenciação sexual Função Testicular Função Ovariana Antes e durante a gravidez 1 Diferenciação sexual Sexo Genético

Leia mais

(www.gineco.com.br) Com relação às alterações hormonais que ocorrem no ciclo menstrual, é correto afirmar que

(www.gineco.com.br) Com relação às alterações hormonais que ocorrem no ciclo menstrual, é correto afirmar que 01 - (Unicastelo SP) O gráfico representa os níveis de concentração dos diferentes hormônios femininos, no organismo, durante o ciclo menstrual. (www.gineco.com.br) Com relação às alterações hormonais

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO Fixação 1) (UERJ) O gráfico abaixo ilustra um padrão de níveis plasmáticos de vários hormônios durante o ciclo menstrual da mulher. a) Estabeleça

Leia mais

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE

SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE Revista: Carta Capital 28 de Agosto de 2002 SOLUÇÃO PARA A INFERTILIDADE DOIS ESPECIALISTAS DIZEM O QUE É CIÊNCIA E O QUE É MITO, ESCLARECEM AS POSSÍVEIS CAUSAS DO PROBLEMA E AS MELHORES ALTERNATIVAS PARA

Leia mais

As Doenças da Tiróide e a Gravidez

As Doenças da Tiróide e a Gravidez As Doenças da Tiróide e a Gravidez As Doenças da Tiróide e a Gravidez Que efeito tem a gravidez no funcionamento da tiróide? Várias alterações fisiológicas próprias da gravidez obrigam a glândula tiróide

Leia mais

Aliane Bernardes dos Santos 2 e Maria do Carmo Araújo 3

Aliane Bernardes dos Santos 2 e Maria do Carmo Araújo 3 Disc. Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 13, n. 1, p. 63-70, 2012. Recebido em: 10.04.2012. Aprovado em: 03.07.2012. ISSN 2177-3335 FATORES DE RISCO EM MULHERES COM CÂNCER DE MAMA ATENDIDAS

Leia mais

Distúrbios do Ciclo Menstrual

Distúrbios do Ciclo Menstrual Distúrbios do Ciclo Menstrual Departamento de Medicina III Profa. Dra.Maria Bethânia da Costa Chein Distúrbios Menstruais Etiologia Orgânica Funcional - Disfuncional Classificação Orgânica: gravidez, patologias

Leia mais

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu

Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Controle Hormonal da Gametogênese Feminina Ciclo Sexual ou Estral dos Animais Domésticos Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia Instituto de Biociências de Botucatu Ovários Formato

Leia mais

Avaliação Funcional da Hipófise

Avaliação Funcional da Hipófise Avaliação Funcional da Hipófise Dr. Luiz Antônio de Araújo Endoville, Joinville (SC) Dr. Cesar Luiz Boguszewski SEMPR, HC-UFPR, Curitiba (PR) Avaliação Funcional da Hipófise Dr. Cesar Luiz Boguszewski

Leia mais

TAC: INFERTILIDADE CONJUGAL. 12º Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade Belém-PA 31 de maio de 2013 Zeliete Zambon

TAC: INFERTILIDADE CONJUGAL. 12º Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade Belém-PA 31 de maio de 2013 Zeliete Zambon TAC: INFERTILIDADE CONJUGAL 12º Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade Belém-PA 31 de maio de 2013 Zeliete Zambon Brasil Região Metropolitana de Campinas Estado de São Paulo Município

Leia mais

Terapia hormonal de baixa dose. Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN

Terapia hormonal de baixa dose. Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN Terapia hormonal de baixa dose Elvira Maria Mafaldo Soares UFRN/SOGORN Alterações endócrinas no Climatério pg/ml mui/ml mui/ml 150 FSH 80 60 100 50 0-8 -6-4 -2 0 2 4 6 8 anos Menopausa LH Estradiol 40

Leia mais

- CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ

- CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ - CAPÍTULO 12 - RESUMO CICLO MENSTRUAL E GRAVIDEZ No início de cada ciclo menstrual (primeiro dia do fluxo menstrual), a hipófise anterior lança no sangue feminino o FSH (hormônio folículo-estimulante),

Leia mais

Hirsutismo / Hiperandrogenismo na adolescente

Hirsutismo / Hiperandrogenismo na adolescente Hirsutismo / Hiperandrogenismo na adolescente Teresa Borges Unidade de Endocrinologia Pediátrica Centro Hospitalar do Porto Curso Inverno Sociedade Portuguesa de Pediatria Caramulo 24/02/2013 Manifestações

Leia mais

Osteoporose no Paciente Jovem. R4 André Ricardo Fuck Orientadora: Profª Drª Carolina A. M. Kulak

Osteoporose no Paciente Jovem. R4 André Ricardo Fuck Orientadora: Profª Drª Carolina A. M. Kulak Osteoporose no Paciente Jovem R4 André Ricardo Fuck Orientadora: Profª Drª Carolina A. M. Kulak Incomum em jovens e geralmente devido causa secundária Critérios densitométricos da ISCD e SBDens: Homens

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

PROGRAMA CIENTÍFICO PRELIMINAR SEXTA-FEIRA 16 DE MARÇO DE 2012

PROGRAMA CIENTÍFICO PRELIMINAR SEXTA-FEIRA 16 DE MARÇO DE 2012 PROGRAMA CIENTÍFICO PRELIMINAR SEXTA-FEIRA 16 DE MARÇO DE 2012 SALÃO ALTAMIRANDO SANTANA (180) SALÃO DOMINGOS COUTINHO (60) 08h00-10h00 Sessão 1: Uso dos implantes hormonais em ginecologia Coordenadores:

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

FISIOLOGIA DO EIXO HIPOTÁLAMO - HIPÓFISE OVÁRIO. Rosy Ane de Jesus Pereira Araujo Barros

FISIOLOGIA DO EIXO HIPOTÁLAMO - HIPÓFISE OVÁRIO. Rosy Ane de Jesus Pereira Araujo Barros FISIOLOGIA DO EIXO HIPOTÁLAMO - HIPÓFISE OVÁRIO Rosy Ane de Jesus Pereira Araujo Barros CICLO MENSTRUAL A menstruação é um sangramento genital periódico e temporário na mulher. É um importantes marcador

Leia mais

21.GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas

21.GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas X COD PROTOCOLOS DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA ( ) 21.01 Abscesso e Cisto da Glândula de Bartholin ( ) 21.02 Acompanhamento das Gestantes Vacinadas Inadvertidamente (GVI) com a Vacina Dupla Viral (sarampo

Leia mais

PATOLOGIAS FETAIS E TRATAMENTO CLÍNICO INTRA-UTERINO. arritmias cardíacas. hipo e hipertireoidismo. defeitos do tubo neural

PATOLOGIAS FETAIS E TRATAMENTO CLÍNICO INTRA-UTERINO. arritmias cardíacas. hipo e hipertireoidismo. defeitos do tubo neural 13. TERAPÊUTICA FETAL MEDICAMENTOSA Entende-se por terapêutica fetal medicamentosa ou clínica, quando nos valemos da administração de certos medicamentos específicos, visando o tratamento de alguma patologia

Leia mais

Reposição hormonal também é coisa de homem

Reposição hormonal também é coisa de homem Reposição hormonal também é coisa de homem Ondas de calor, suor intenso, sensação repentina de frio, náusea, palpitações, irritabilidade, mudanças de humor. Os sintomas são de uma mulher na menopausa.

Leia mais

Distúrbios da glândula tireóide Resumo de diretriz NHG M31 (julho 2013)

Distúrbios da glândula tireóide Resumo de diretriz NHG M31 (julho 2013) Distúrbios da glândula tireóide Resumo de diretriz NHG M31 (julho 2013) Van Lieshout J, Felix-Schollaart B, Bolsius EJM, Boer AM, Burgers JS, Bouma M., Sijbom M. traduzido do original em holandês por Luiz

Leia mais

Acetoflux EMS S/A. comprimido. 10 mg

Acetoflux EMS S/A. comprimido. 10 mg Acetoflux EMS S/A comprimido 10 mg I- IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO ACETOFLUX acetato de medroxiprogesterona APRESENTAÇÕES Comprimido de 10 mg em embalagens contendo 5 ou 14 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO

Leia mais

Estratégias de preservação da fertilidade em pacientes com câncer. Iúri Donati Telles de Souza Especialista em Reprodução Humana USP Ribeirão Preto

Estratégias de preservação da fertilidade em pacientes com câncer. Iúri Donati Telles de Souza Especialista em Reprodução Humana USP Ribeirão Preto Estratégias de preservação da fertilidade em pacientes com câncer de mama Iúri Donati Telles de Souza Especialista em Reprodução Humana USP Ribeirão Preto Câncer de mama e fertilidade Por que? Como o tratamento

Leia mais

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 É preciso dosar e repor vitamina D no pré-natal? A dosagem de vitamina D pelos métodos mais amplamente disponíveis é confiável?

Leia mais

Provera acetato de medroxiprogesterona

Provera acetato de medroxiprogesterona I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Provera Nome genérico: acetato de medroxiprogesterona Provera acetato de medroxiprogesterona APRESENTAÇÃO Provera 10 mg em embalagens contendo 14 comprimidos.

Leia mais

Armadilhas no diagnóstico da Hiperprolactinemia. Julia Appel - Endocrinologista

Armadilhas no diagnóstico da Hiperprolactinemia. Julia Appel - Endocrinologista Armadilhas no diagnóstico da Hiperprolactinemia Julia Appel - Endocrinologista Introdução A hiperprolactinemia é a alteração endócrina mais comum do eixo hipotálamo-hipofisário. Indicações dosagem: Alterações

Leia mais

GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO

GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO GAMETOGÊNESES O processo de formação de gametas, na maioria dos animais, se dád através s da meiose e recebe a denominação de gametogênese..

Leia mais

Gravidez e Tiroideia TERESA DIAS. Centro Hospitalar Lisboa Norte Serviço de Endocrinologia do HSM

Gravidez e Tiroideia TERESA DIAS. Centro Hospitalar Lisboa Norte Serviço de Endocrinologia do HSM Gravidez e Tiroideia TERESA DIAS Centro Hospitalar Lisboa Norte Serviço de Endocrinologia do HSM Lisboa, Fevereiro 2010 HIPOTIROIDISMO E GRAVIDEZ Hipotiroidismo e Gravidez Prevalência Hipotiroidismo sub-clínico

Leia mais

TIREÓIDE. O que é tireóide?

TIREÓIDE. O que é tireóide? TIREÓIDE O que é tireóide? A tireóide é uma glândula em forma de borboleta, situada no pescoço, logo abaixo do ossinho do pescoço, popularmente conhecido como gogó. A tireóide produz um hormônio capaz

Leia mais

Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você!

Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você! CANAL MÉDICO Médico, este é um canal de comunicação dedicado exclusivamente a você! A equipe do canal médico do laboratório Alvaro, é formada por bioquímicos, biomédicos e médicos com grande experiência

Leia mais

Sistema endócrino I. As células produtoras de hormônios estão geralmente reunidas em órgãos denominados glândulas endócrinas.

Sistema endócrino I. As células produtoras de hormônios estão geralmente reunidas em órgãos denominados glândulas endócrinas. RESUMO DE AULA Sistema endócrino I O funcionamento e equilíbrio fisiológico do corpo humano dependem em parte da comunicação entre as células por meio de mensageiros químicos denominados de hormônios.

Leia mais

Câncer de Tireóide. O segredo da cura é a eterna vigilância

Câncer de Tireóide. O segredo da cura é a eterna vigilância Câncer de Tireóide Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O câncer de tireóide é um tumor maligno de crescimento localizado dentro da glândula

Leia mais

Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU)

Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU) Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU) Material distribuído exclusivamente por profissionais de saúde às pacientes usuárias de SIU, a título de orientação.

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

Hormônio do Crescimento

Hormônio do Crescimento Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Hormônio do Crescimento O Hormônio do Crescimento Humano é um dos muitos hormônios que tem sua produção

Leia mais

CONGRESSO BRASILEIRO DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. SÃO PAULO, 2001.

CONGRESSO BRASILEIRO DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. SÃO PAULO, 2001. CONGRESSO BRASILEIRO DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. SÃO PAULO, 2001. AVALIAÇÃO CLÍNICO-LABORATORIAL DO EIXO HIPOTÁLAMO-HIPÓFISE- OVARIANO. Lucas Vianna Machado Prof. Titular de Ginecologia da Faculdade

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

ZOOLOGIA E HISTOLOGIA ANIMAL

ZOOLOGIA E HISTOLOGIA ANIMAL ZOOLOGIA E HISTOLOGIA ANIMAL Sistema Endócrino Prof. Fernando Stuchi Introdução Os mensageiros químicos do corpo (hormônios) são produzidos pelas glândulas endócrinas ou glândulas de secreção interna,

Leia mais

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O QUE É ANDROPAUSA? Problemas hormonais surgidos em função da idade avançada não são exclusivos das mulheres. Embora a menopausa seja um termo conhecido

Leia mais

Anomalias do Desenvolvimento Sexual. Luciana M. Barros Oliveira Dep. Biorregulação ICS UFBA

Anomalias do Desenvolvimento Sexual. Luciana M. Barros Oliveira Dep. Biorregulação ICS UFBA Anomalias do Desenvolvimento Sexual Luciana M. Barros Oliveira Dep. Biorregulação ICS UFBA Introdução Anomalias do desenvolvimento sexual (ADS) = genitália ambígua Prevalência no Brasil:? É menino ou menina?

Leia mais

PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL

PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL PROPEDÊUTICA BÁSICA DO CASAL INFÉRTIL Profa. Márcia Mendonça Carneiro Departamento de Ginecologia e Obstetrícia FM-UFMG Ambulatório de Dor Pélvica Crônica e Endometriose HC- UFMG G INFERTILIDADE Incapacidade

Leia mais

PRINCÍPIOS DE GENÉTICA MÉDICA

PRINCÍPIOS DE GENÉTICA MÉDICA PRINCÍPIOS DE GENÉTICA MÉDICA Conceitos Genética / Genômica Doença genética Hereditariedade Congênito DNA / Gene / Locus / Alelo Homozigoto / Heterozigoto Cromossomos Autossomos Sexuais Dominante / Recessivo

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Disciplina de Ginecologia. Amenorréia Primária. Diagnóstico Etiológico

Universidade Federal de Pernambuco Disciplina de Ginecologia. Amenorréia Primária. Diagnóstico Etiológico Universidade Federal de Pernambuco Disciplina de Ginecologia Amenorréia Primária Diagnóstico Etiológico Prof. Sabino Pinho Otto Dix (1891 1969) Amenorréia Conceito: É a ausência temporária ou definitiva

Leia mais

Provera acetato de medroxiprogesterona

Provera acetato de medroxiprogesterona I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Provera Nome genérico: acetato de medroxiprogesterona Provera acetato de medroxiprogesterona APRESENTAÇÃO Provera 10 mg em embalagens contendo 14 comprimidos.

Leia mais

Sangramento vaginal Resumo de diretriz NHG M28 (terceira revisão, agosto 2014)

Sangramento vaginal Resumo de diretriz NHG M28 (terceira revisão, agosto 2014) Sangramento vaginal Resumo de diretriz NHG M28 (terceira revisão, agosto 2014) Meijer LJ, Bruinsma ACA, Pameijer AS, Hehenkamp WJK, Janssen CAH, Burgers JS, Opstelten W, De Vries CJH traduzido do original

Leia mais

PATOLOGIAS DOS APARELHOS REPRODUTORES. Mª Cristina Marques

PATOLOGIAS DOS APARELHOS REPRODUTORES. Mª Cristina Marques PATOLOGIAS DOS APARELHOS REPRODUTORES Mª Cristina Marques 2010 - APARELHO REPRODUTOR FEMININO: Alterações da função ovárica no período fértil - Insuficiência ovárica - Alterações do ciclo menstrual - Quistos

Leia mais

Revised American Thyroid Association Management Guidelines for Patients with Thyroid Nodules and Differentiated Thyroid Cancer.

Revised American Thyroid Association Management Guidelines for Patients with Thyroid Nodules and Differentiated Thyroid Cancer. Conduta no NT Resultado citológico diagnóstico ou suspeito de CTP cirurgia é recomendada. (A) Nódulos parcialmente císticos com aspirados repetidamente não diagnósticos observação rigorosa ou cirurgia

Leia mais

PROTOCOLO PROGRAMA DE TRATAMENTO COM HORMÔNIO DO CRESCIMENTO (PTGH HBDF)

PROTOCOLO PROGRAMA DE TRATAMENTO COM HORMÔNIO DO CRESCIMENTO (PTGH HBDF) SES/HBDF/UNIDADE DE ENDOCRINOLOGIA PROTOCOLO PROGRAMA DE TRATAMENTO COM HORMÔNIO DO CRESCIMENTO (PTGH HBDF) COORDENAÇÃO: Dra. Adriana Claudia Lopes Carvalho Furtado CRM-DF: 8917 Dra. Norma Sueli Marino

Leia mais

Demora aproximadamente 40 semanas e é dividida em trimestres.

Demora aproximadamente 40 semanas e é dividida em trimestres. Demora aproximadamente 40 semanas e é dividida em trimestres. Primeiro trimestre 0 a 13 semanas (começo no primeiro dia do último período). Após o óvulo ter sido fertilizado na trompa de falópio, é transportado

Leia mais

Clinical Chemistry. A função da tireóide durante a gravidez: Quem e como devemos rastrear?

Clinical Chemistry. A função da tireóide durante a gravidez: Quem e como devemos rastrear? A função da tireóide durante a gravidez: Quem e como devemos rastrear? Ann M. Gronowski, Moderator 1,*, James Haddow, Expert 2, Sarah Kilpatrick, Expert 3, John H. Lazarus, Expert 4 and Roberto Negro,

Leia mais

DIAGNÓSTICO HORMONAL

DIAGNÓSTICO HORMONAL CITOLOGIA HORMONAL DIAGNÓSTICO HORMONAL ação dos hormônios ovarianos sobre epitélio vaginal permite avaliar a ação estrogênica deve ser realizada em material de parede vaginal dados clínicos: idade, DUM,

Leia mais

Este folheto fala de vida sexual, fertilidade e gravidez durante o seu tratamento. São informações que deverá consultar antes do tratamento iniciar,

Este folheto fala de vida sexual, fertilidade e gravidez durante o seu tratamento. São informações que deverá consultar antes do tratamento iniciar, Este folheto fala de vida sexual, fertilidade e gravidez durante o seu tratamento. São informações que deverá consultar antes do tratamento iniciar, para que possa ponderar, junto com o seu médico oncologista,

Leia mais

Este medicamento pode interromper a menstruação por período prolongado e/ou causar sangramentos intermenstruais severos

Este medicamento pode interromper a menstruação por período prolongado e/ou causar sangramentos intermenstruais severos Acetoflux acetato de medroxiprogesterona FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Comprimidos de 10 mg: Caixa com 5 e 14 comprimidos. Uso adulto - Uso oral COMPOSIÇÃO Cada comprimido contém: acetato de medroxiprogesterona...

Leia mais

Fisiologia da glândula Tireóide

Fisiologia da glândula Tireóide Universidade Federal do Espírito Santo PSICOLOGIA Fisiologia da glândula Tireóide Élio Waichert Júnior Localização anatômica Secreta 3 Hormônios: Tiroxina (T4) Triiodotironina (T3) Calcitonina Prof. Élio

Leia mais

Atualização em Farmacoterapia. Ocitocina tópica

Atualização em Farmacoterapia. Ocitocina tópica Atualização em Farmacoterapia 1 Ocitocina tópica Benefício no tratamento da atrofia vaginal em mulheres pósmenopausa, restaurando epitélio vaginal, sem efeitos adversos e alterações hormonais sistêmicas

Leia mais

ANOMALIAS CROMOSSÔMICAS SEXUAIS

ANOMALIAS CROMOSSÔMICAS SEXUAIS ANOMALIAS CROMOSSÔMICAS SEXUAIS As anomalias cromossômicas sexuais ocorrem em virtude de meioses atípicas durante o processo da gametogênese, isto é, a produção de gametas (espermatozoide e óvulo). Especificamente

Leia mais

Raniê Ralph GO. 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual

Raniê Ralph GO. 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual Fisiologia O ciclo menstrual para ocorrer depende de uma série de intercomunicações entre diversos compartimentos femininos. Todo o ciclo menstrual

Leia mais

Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Síndromes que Causam Obesidade Prof. Carlos Castilho de Barros

Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Síndromes que Causam Obesidade Prof. Carlos Castilho de Barros Bases Moleculares da Obesidade e Diabetes Síndromes que Causam Obesidade Prof. Carlos Castilho de Barros http://wp.ufpel.edu.br/obesidadediabetes/ Fígado Estômago e Intestino delgado Localização Córtex

Leia mais