ECONOMIA DO MEIO AMBIENTE E A INDÚSTRIA BRASILEIRA: análise das inter-relações entre as políticas ambientais e a política industrial.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ECONOMIA DO MEIO AMBIENTE E A INDÚSTRIA BRASILEIRA: análise das inter-relações entre as políticas ambientais e a política industrial."

Transcrição

1 ECONOMIA DO MEIO AMBIENTE E A INDÚSTRIA BRASILEIRA: análise das inter-relações entre as políticas ambientais e a política industrial. MAIONE ROCHA BEZERRA ELIANE PINHEIRO DE SOUSA RESUMO Este paper analisa as relações entre as políticas ambiental e industrial relativamente à consecução do desenvolvimento sustentável. Averigua-se a hipótese de que o meio ambiente não é uma restrição ou um problema ao desenvolvimento. Para isso utilizou-se pesquisa indireta e bibliográfica para formular uma base teórica a três níveis: Teoria Neoclássica Ambiental, Teoria do Desenvolvimento e a Economia Industrial. Com base nessas teorias fezse uma análise da política de gestão do meio ambiente para as empresas do setor industrial no Nordeste em comparação com as demais regiões brasileiras buscando diagnosticar os pontos divergentes e os pontos convergentes entre as referidas políticas. Ao final, conclui-se que a promoção do desenvolvimento sustentável é viável a partir da conciliação entre gestão ambiental e política industrial de forma planejada, havendo evidências que apoiaram a hipótese de trabalho. PALAVRAS CHAVES: Meio ambiente, Política Industrial e Desenvolvimento Sustentável. 1 INTRODUÇÃO A política de meio ambiente passou a ser discutida no atual contexto econômico, no momento em que se vivencia a crescente necessidade da promoção de um desenvolvimento sustentável considerando as implicações econômicas e sociais de viabilizá-lo. Este paper analisa a relação entre a gestão ambiental e a política industrial, buscando evidências em torno da hipótese de que o meio ambiente não é uma restrição ou um problema ao desenvolvimento, mas, que a preservação ambiental planejada e ajustada à realidade econômica e social, é uma solução e uma fonte de desenvolvimento. Para tanto, busca-se delinear quais instrumentos poderiam se adequar ao planejamento governamental e que, em conjunto com outras iniciativas de sociedade civil e da área empresarial, poderiam reverter tendências ambientais restritivas à melhoria do bem-estar da população brasileira harmonizando-as num contexto de desenvolvimento sustentável. Para tanto, se utiliza um mix de teorias para embasar este trabalho. São elas: a teoria da Economia Ambiental Neoclássica, que segundo Galbraith (1988, p.288) encara o prejuízo ao ambiente como um defeito do sistema de mercado, assim (...) com a internacionalização das deseconomias externas (...) o defeito do mercado seria eliminado, e o problema estaria assim resolvido. No que se refere à Economia Industrial, esta é respaldada pelo arcabouço teórico neoclássico que justifica a intervenção do Estado como promotor e/ou regulador de distorções na economia, por exemplo, via política industrial, principalmente no sentido de desenvolver a competitividade sistêmica na economia. E a teoria sobre Desenvolvimento que é apresentada em suas várias concepções ao longo do tempo. As discussões sobre a inserção ambiental na análise econômica datam do inicio dos anos 70, a partir de encontros como o Clube de Roma, Conferência de Estocolmo - dada a preocupação com o crescimento da poluição nos grandes centros do denominado Primeiro Mundo e crises como a do choque de oferta do Petróleo (OPEP). Surgem então as primeiras

2 publicações de modelos neoclássicos de equilíbrio geral, considerando explicitamente as inter-relações entre a economia e o meio ambiente. A discussões buscam analisar a viabilidade da continuação, por muito tempo, de crescimento intensivo em energia e recursos naturais e, de seus resultados sobre o meio ambiente. Esses eventos acirraram o debate sobre as inter-relações entre o sistema econômico e o ecossistema. Conduzindo à formação de estruturas institucionais, tanto nas Nações Unidas e em outras organizações internacionais, como em diversos países, aspecto central para o desenvolvimento da economia de meio ambiente. Dessa opção, que deve ser consistente com a política nacional de desenvolvimento sustentável, decorre o objetivo de interagir a política industrial voltada para o desenvolvimento com uma política ambiental que busque a preservação e racionalidade do uso dos recursos naturais. Assim, pretende-se através desse estudo desenvolver uma análise crítica das bases de uma política industrial sustentável diante das restrições e possibilidades de uma gestão ambiental. Um dos resultados mais importantes produzidos na Rio 92 é a chamada Agenda 21, onde estão delimitadas as bases científicas e políticas para cada país e o planeta trilharem o caminho do desenvolvimento sustentável. Desse modo, estabelecem-se os mandamentos desta nova concepção de harmonia entre crescimento e natureza. Pode-se definir sustentabilidade, como sendo a inserção do problema ambiental nos modelos de crescimento econômico. A questão ambiental deixa de ser tratada como uma restrição, e passa a ser interpretada como um ponto importante, avaliado e estrategicamente tratado, com um novo referencial de valores associados, em especial, a um mais harmonioso relacionamento do homem com a natureza e com seus semelhantes. Porém, a questão pode ser avaliada sob dois ângulos, um que prioriza a questão industrial e outro que destaca a questão ambiental em detrimento da primeira. Nesta perspectiva, é visível a necessidade de compatibilizar a política industrial com as demais políticas macroeconômicas, ou seja, políticas articuladas (em termos macroeconômicos) e, não obstante deve complementarmente a política industrial estar articulada a políticas de competição (como política de defesa da concorrência) e políticas regulatórias (como direitos de propriedade autorais, mercado de trabalho, transferência tecnológica e proteção do meio ambiente). Verifica-se, portanto, a necessidade de planejamento para a promoção do desenvolvimento industrial sustentável. Do outro lado, numa outra perspectiva, observa-se a importância de uma estratégia na dimensão geoambiental. Há uma crescente preocupação com a utilização racional e a preservação dos recursos naturais, aliadas à proteção do meio ambiente. Preocupa a questão da preservação do espaço físico (o meio ambiente), e não só isso, mas principalmente, faz-se necessário buscar fontes alternativas de energias e matérias-primas, visando obter delas o aproveitamento máximo. Por ser um tanto recente a institucionalização de ações governamentais sobre o meio ambiente - regulatórias ou penalizadoras - no Brasil, estas ainda são tímidas e/ou muito controversas, até mesmo por causa da dificuldade de avaliação e mensuração dos problemas referentes à degradação ambiental, por isso, estudar e definir as possibilidades das políticas ambiental e industrial atuarem juntas é objeto de estudo deste trabalho. 2 METODOLOGIA E FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Dado o confronto das políticas de desenvolvimento, como a política industrial e a de meio ambiente, surgem dilemas os quais constituem objeto de estudo desse trabalho. Neste capítulo encontram-se os objetivos e justificativa levantada para o estudo e a análise desse trabalho, bem como o método e a fundamentação teórica.

3 2.1 Objetivos, método e justificativa O objetivo principal deste trabalho é o de responder em que medida a política industrial é compatível ou não com a política de meio ambiente. Pretende-se analisar os pontos que se contrapõem e aqueles comuns às duas políticas, no contexto de um planejamento econômico que vise o desenvolvimento sustentável, a partir de suas metas e instrumentos de política para o alcance do objetivo maior da promoção de um desenvolvimento sustentável. O estudo em questão tem importante aplicação no que se refere à parte de avaliação de projetos direcionados à promoção do desenvolvimento sustentável considerando as questões regionais e seus diferentes níveis de desenvolvimento bem como as suas diferentes potencialidades e disponibilidade de recursos naturais. Assim, busca-se responder quais os objetivos e metas que a política industrial no Brasil é capaz de alcançar considerando as restrições impostas pelas questões ambientais. Ou ainda, como o planejamento sustentável da indústria pode ocorrer observando a política de meio ambiente. Utiliza-se como método, uma resenha das evidências empíricas teóricas fundamentada na investigação bibliográfica da literatura disponível, ao lado de um levantamento de dados disponibilizados por instituições e órgãos governamentais, que têm o intuito de subsidiar os formuladores de políticas e de decisão nos organismos públicos, além de instituições de apoio técnico e científico que também fornecem informações sobre o tema, tais como: BNDES, CNI, SEBRAE etc. 2.2 Fundamentação teórica A relação entre desenvolvimento econômico e o meio ambiente guarda características cada vez mais próximas, que ora mostram-se antagônicas e restritivas, ora são convergentes e estão interligadas. E a importância do entendimento dessa relação e da caracterização, como forma de responder aos desafios por ela impostos, induz à investigação das políticas diretamente interligadas a esses fenômenos. Segundo Cavalcanti (1999, p.63): Esse não é um fenômeno cujas implicações se devam menosprezar. Não é por outro motivo que se fala hoje, insistentemente, em desenvolvimento sustentável e se procuram referências para entender os desafios da sustentabilidade e construir-se uma ciência da economia comprometida com os alicerces em que se processa a produção de bens e serviços. Para entender os desafios da sustentabilidade do desenvolvimento a partir da relação entre as políticas aqui avaliadas: ambiental e industrial. Neste trabalho adota-se um conjunto de teorias que envolvem e respaldam a interpretação dessa relação. Com este fim, a presente seção está organizada em três subseções que se seguem. 2.2.a Desenvolvimento Econômico Desenvolvimento econômico apresentou várias concepções no decorrer dos anos no âmbito da teoria econômica. Essas concepções estão claramente dividas ao longo do tempo. Inicialmente a definição de desenvolvimento econômico confundia-se com a de crescimento econômico, onde este era dado como realizado através da acumulação de capital, ou seja, quando a economia crescia em termos de produto, ou aumento da produtividade, observandose os resultados apenas através das variáveis quantitativas da economia. Sobre isso Furtado (1980, p.10) afirma: Ora, na civilização industrial a capacidade inventiva do homem foi progressivamente canalizada para a criação tecnológica, o que explica a formidável força expansiva que a caracteriza. A esse quadro histórico deve-se atribuir o fato de que a visão do desenvolvimento em nossa época se haja circunscrito à lógica dos meios, a qual, do ponto de vista estático, conduz à idéia de eficiência e, do dinâmico, à de

4 inovação técnica causadora do incremento dessa eficiência. A teoria do desenvolvimento tendeu a confundir-se, em conseqüência, com a explicação do comportamento do sistema produtivo que emergiu com a civilização industrial. Os valores são implicitamente considerados como transcendentes à sociedade ou simples epifenômenos. Neste período, onde desenvolvimento econômico e crescimento econômico eram sinônimos, aliado a corrente de pensamento econômico liberal da escola austríaca, onde a intervenção do governo deveria ser mínima, uma vez que a intervenção do Estado era considerada como prejudicial ao perfeito ajustamento do mercado, e suas ações deveriam ser preferencialmente garantir a soberania da nação, os direitos de propriedade e ofertar serviços essenciais 1, as leis de mercado e o aumento da produção estavam acima dos interesses com o social ou da promoção de uma melhor qualidade de vida. Num segundo período, precisamente após os anos 30, depois da Grande Depressão, com a ascensão da teoria keynesiana, voltada ao curto prazo, a ação governamental na economia foi enfatizada como alavanca para o crescimento econômico, como veiculo dinamizador e promotor do desenvolvimento econômico. São exemplos dessa intervenção: a política industrial, que passou a circular entre as opções à disposição dos governantes como meio de intervir na economia, a implementação de projetos de fomento ao emprego e ao desenvolvimento regional etc. E, nesta forma de intervir, viabilizar-se-ia o crescimento econômico concomitantemente a um desenvolvimento econômico. Ou seja, ao passo que a economia desenvolve-se em técnica, ciência e em políticas de mercado deveria-se buscar também melhorar os índices sociais (em termos de saúde, sanitária, segurança etc) e culturais (educação, artes, esportes etc.). A análise econômica não considerava os aspectos e implicações para a economia das inter-relações entre economia e o meio ambiente. Observa-se que a concepção primeira sobre a mecânica da economia, ou seja, o fluxo circular, descreve o processo econômico por intermédio de fluxos ligando empresas e famílias, em um ciclo fechado de circulação contínua. As empresas e as famílias produzem e consomem bens e serviços, e estes, assim como as moedas, circulam sem que se registrem trocas com o meio ambiente. A natureza não apresenta, pois, limitações ao funcionamento do sistema econômico. Tinha-se a hipótese da dádiva gratuita da natureza e da livre disposição de resíduos e rejeitos sem impactos sobre o ambiente. E este pensamento sobre o estado de coisas permaneceu até fins da década de 60 a início da década de 70, a partir de quando começaram a surgir correntes de pensamento da economia ambiental, que se desenvolveram e fortaleceram associações de economistas ambientais. Este período marca o inicio de uma nova concepção sobre desenvolvimento, ou seja, a busca pela sustentabilidade. A exemplo desse movimento pode-se citar: Transcorridas quase duas décadas desde a Conferência de Estocolmo [1972], modificou-se consideravelmente a percepção do mundo em relação aos problemas ambientais, conforme atesta a criação pela Assembléia Geral das Nações Unidas (...) da Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Presidida pela primeira-ministra da Noruega, Gro Brundtland, esta comissão publicou, em 1987, o relatório Nosso futuro comum, que retrata muito bem a mudança de perspectivas. COMISSÃO INTERMINISTERIAL (1991, p.18). Ainda complementando a citação acima a cerca das declarações sobre o meio ambiente de Brundtland tem-se: 1 Tais como saúde, educação, infra-estrutura básica, como habitação, saneamento, energia elétrica, transportes, telecomunicações etc.

5 A partir da falência do conceito de que os recursos ambientais seriam infinitos, eles passaram a ser objeto de gestão (administração), ferramenta através da qual os seres humanos poderão obter o Desenvolvimento Sustentado. O principal objetivo do desenvolvimento é satisfazer as necessidades e as aspirações humanas. Segundo o relatório Nosso futuro comum, perseguindo estes objetivos, no passado, nos preocupamos apenas com os impactos do crescimento econômico sobre o meio ambiente. Agora temos que nos preocupar com os impactos do desgaste ecológico sobre nossas perspectivas econômicas.( BELLIA, 1996, p.64-5). Compreende-se, então, que a percepção de desenvolvimento econômico se refere à promoção e melhoria da qualidade de vida da população de uma nação como um todo, incluindo ainda as gerações futuras. Assim, na ausência de um aumento da acumulação de capital, dar-se-ia um aumento do padrão de vida da população dessa nação, aumentando a oferta e qualidade dos serviços de saúde, da infra-estrutura básica, da cultura, da educação, do meio ambiente e em outros aspectos da economia. Não seria exclusivamente o crescimento do produto nacional ou uma simples acumulação de capital, sem a proliferação desses resultados aos demais segmentos da economia. O crescimento econômico se traduz também por uma acumulação de recursos humanos com alta qualificação, desenvolvimento tecnológico, maior eficiência na alocação dos recursos naturais e uso do meio ambiente, ou seja, a auto-sustentabilidade do desenvolvimento sócio-econômico. Ratificando o texto acima, Barbier (1987) apud (BELLIA, 1996, p.50-1) apresenta um conceito sobre a concepção de desenvolvimento sustentado. (...) o conceito de desenvolvimento econômico sustentável aplicável ao Terceiro Mundo (...) se refere diretamente ao incremento do padrão de vida material dos pobres que estão ao nível do chão, onde pode ser medido quantitativamente em termos do incremento da oferta de alimentos, rendas reais, serviços educacionais, cuidados com a saúde, saneamento e abastecimento d água, estoques de emergência de alimentos e de recursos financeiros, etc., e também indiretamente no que concerne ao crescimento econômico do produto agregado, geralmente nacional. Em temos genéricos, o objetivo primário é reduzir a pobreza absoluta dos pobres do mundo, provendo duradouras e seguros bens vitais para que se minimize o depauperamento dos recursos, a degradação ambiental, as rupturas culturais e a instabilidade social. (BELLIA, 1996, p.50-1). A partir dessa idéia pôde-se inferir que o uso de políticas ambientais tem sua importância na medida em que são os instrumentos a serem utilizados pelo Governo na na busca da sustentabilidade do desenvolvimento. A incorporação e relevância das questões ambientais também estão presentes como fatores determinantes de competitividade, principalmente externa, devido a crescente preocupação com o meio ambiente nas questões econômicas, dado a conscientização da escassez dos recursos naturais e o grau de degradação ao meio físico como resultado das atividades humanas no uso indiscriminada desses recursos e de sua poluição. Podendo esta ser usada até como marketing, na chamada consciência verde, já explorada por algumas empresas. Nas palavras de FURTADO (1980, p.7): Muitas das manifestações mais significativas do que chamamos progresso técnico maior eficiência no uso de recursos não renováveis, efeitos de escala, economias externas, certas modificações na posição competitiva exterior, modificações no comportamento da demanda resultantes da introdução de novos produtos etc. somente podem ser captadas plenamente mediante uma visão global do sistema social, inclusive a percepção das relações deste com o meio físico que controla e com o exterior. Feito este breve histórico acerca das definições sobre desenvolvimento e sua evolução ao longo do tempo, o conceito atual e mais abrangente de desenvolvimento sustentável é aquele que resulta da adoção de estratégias factíveis da interseção entre três grupos de discussão distintos, citados por MUELLER (1998, p.70):

6 Primeiro grupo, onde inclui as alternativas para assegurar a expansão do bem-estar da geração presente que habita nos países industrializados; segundo grupo é composto por alternativas que visam a elevação do bem-estar da geração atual dos que habitam os países em desenvolvimento; e, terceiro grupo engloba as alternativas para a manutenção ou ampliação do bem-estar das gerações futuras. Porém, como ele mesmo continua, não há unanimidade de opinião a esse respeito. O desenvolvimento só é sustentável se resultar de alternativa da área de interseção de todos os três grupos. Só assim haverá pelo menos a manutenção do bem-estar da atual geração dos países industrializados, acompanhada de aumentos de bem-estar dos atuais habitantes dos países em desenvolvimento, tudo isso sem o sacrifício das gerações futuras. (...) Entretanto, alguns rejeitam essa suposição. (...) afirmando que não existiria a área de interseção dos três conjuntos; este também é o ponto de vista de Georgescu-Roegen (1993). Depois, mesmo admitida a interseção, a realidade é dinâmica e as posições dos três conjuntos sofrem mudanças com o tempo. MUELLER (1998, p.70) Como se pode inferir, promover o desenvolvimento sustentável não é algo simples de ser alcançado, e nem tão distante, mas que exige um bom planejamento e excelência em sua execução. A partir do delineamento desses grupos, baseados nas metas e diretrizes para o desenvolvimento sustentável, surgiram hipóteses e teses que conduziram à formação de correntes de pensamento mais estruturadas e cientificamente mais rigorosas, as principais são: a da economia ambiental neoclássica, associada às alternativas do primeiro grupo; e a da economia da sobrevivência 2, que privilegia o longo prazo, e assim, as alternativas do terceiro grupo. Mas, dadas as limitações, este paper enuncia com detalhes apenas a primeira teoria. 2.2.b Teoria do meio ambiente neoclássica Esta teoria descreve que os danos causados a natureza e os problemas de mensuração dos custos dos recursos naturais podem ser resolvidos através da aplicação de preços (taxas) ao uso desses recursos como forma de correção através do mercado. Essa escola enfatiza a posição da atual geração dos habitantes do Primeiro Mundo. A economia ambiental neoclássica assenta-se basicamente nos pressupostos teóricos da teoria do balanço de materiais e da energia, que teve como pioneiros na sua conceituação Ayres & Kneese (1969), citando-os MUELLER (1998) comenta que: Os insumos para o sistema [econômico] são os combustíveis, os alimentos e as matérias que, em parte, são convertidos em bens finais e, em parte, tornam-se resíduos e rejeitos. Exceto no caso de aumentos nos estoques, os bens finais também acabam ingressando na corrente de rejeitos. Assim, em essência, os bens que são consumidos apenas fornecem certos serviços. Sua substância material continua existindo e, ou os mesmo são reaproveitados, ou são descartados no meio-ambiente. Em uma economia fechada (sem exportações e importações) na qual não haja acumulação líquida de estoques (construções e equipamentos, estoques de empresas, bens de consumo durável, ou construção de residências), a quantidade de resíduos inserida no meio ambiente natural é aproximadamente igual ao peso dos combustíveis primários, dos alimentos, das matérias-primas que ingressam no sistema produtivo, adicionado ao do oxigênio tomado da atmosfera. A interpretação desses autores é a de que a matéria e a energia usados pelo sistema econômico não surgem do nada, nem tão pouco desaparecem simplesmente através do uso destes, seja no processo produtivo ou consumindo. São retirados do meio ambiente e ao final 2 A visão analítica dessa corrente se baseia na constatação de que alguns dos materiais fundamentais à manutenção da vida, retirados pelo sistema econômico do ecossistema, existem em quantidades limitadas e vêm decrescendo com o uso; além disse, essa quantidade é fixa, bem como é relativamente reduzida a capacidade do ecossistema de assimilar os resíduos/dejetos dos processos de produção e consumo. Os teóricos dessa corrente enfatizam que o atual padrão de desenvolvimento não seria sustentável, ameaçando a sobrevivência da humanidade em um futuro mais recente.

7 acabam sendo devolvidos a ele nas mesmas quantidades iniciais, apenas transformados qualitativamente. Essa teoria do balanço de materiais conduziu aos que aceitam a economia ambiental neoclássica a substituir a visão do fluxo circular dos processos de produção e consumo por uma representação linear. Pois, esse princípio do balanço de materiais permite um tratamento simultâneo dos problemas ambientais decorrentes da extração de recursos naturais do meio ambiente, bem como da deposição neste de resíduos e rejeitos. A economia ambiental neoclássica trata separadamente esses dois aspectos. A partir desse principio surgiram dois ramos teóricos: o da teoria da poluição, e o da teoria dos recursos naturais. Seguem: TEORIA DA POLUIÇÃO - Essa teoria emprega modelos de equilíbrio geral estático de economia competitiva, juntamente com a teoria do bem-estar e com a teoria das externalidades de Pigou (1932). As externalidades, antes tratadas como exceções, assumem papel central, e a principal mensagem da teoria é que, com uma correta definição de direitos de propriedade e com instrumentos de internalização dos custos sociais da poluição, a sociedade será levada a um nível ótimo de poluição, definido com base nas preferências dos indivíduos que a compõem, na dotação de recursos e nas alternativas tecnológicas e sua disposição. TEORIA DOS RECURSOS NATURAIS - A teoria ambiental apresenta uma série de desenvolvimentos referentes à extração pelo sistema econômico de recursos naturais do meio ambiente. Essas teorias, em sua maioria, estão assentadas na análise de Hotteling apud (MUELLER 1998), que estão voltadas à determinação de regras para o uso ótimo dos recursos naturais, sejam eles renováveis ou não, e avaliações das limitações e disponibilidade que esses recursos podem exercer para a continuidade do crescimento econômico. Mas, para poder confrontar os complexos problemas associados à inter-relação entre o sistema econômico e o meio ambiente apenas com medidas que têm por base mecanismos de mercado, a economia ambiental neoclássica foi levada a efetuar consideráveis simplificações. Destaca-se, entretanto, a capacidade dessa corrente de conceber instrumentos operacionais para o tratamento de problemas concretos. Assim, tendo por base o prisma da sustentabilidade, contatou-se que a economia ambiental neoclássica privilegia a geração presente das economias de mercado do Primeiro Mundo e das que seguem seus passos. Isso transparece não apenas na forma como as suas teorias vêm sendo aplicadas, mas no próprio arcabouço dessa corrente. Para poder confrontar os complexos problemas associados à inter-relação entre o sistema econômico e o meio ambiente apenas com medidas que têm por base mecanismos de mercado? Para isto a economia ambiental neoclássica foi levada a efetuar consideráveis simplificações. Estas, juntamente com a natureza das questões que a teoria tende avaliar, conformaram marcado viés primeiro-mundista e voltado para o presente, ou para um futuro não muito distante. Pode-se discordar da validade ou da oportunidade das suas recomendações de política e das conclusões de suas análises de custo-benefício, mas há que se reconhecer que essa escola tem sido prolífica em desenvolver aplicações. Esta visão permite precisar o problema de gestão que se coloca ao economista: assegurar o desenvolvimento da esfera produtiva, em interdependência como o conjunto dos seus ambientes, sem reduzir estes a uma pura lógica de mercado que não lhes diz respeito e sem diluir o econômico num biologismo ou num ecologismo onde desapareceria sua especificidade. PASSET (1994, p.24). Percebe-se que René Passet (1994) se refere à questão da co-gestão do desenvolvimento econômico e das questões ambientais e resume bem a essência das correntes de pensamento sobre economia dos recursos naturais.

8 2.2.c Economia industrial aspectos teóricos Postas as questões referentes ao desenvolvimento sustentável e da economia do meio ambiente, não se pode deixar de analisar a importância e os instrumentos de política industrial, último tripé desta fundamentação teórica. Os modelos de desenvolvimento econômico quase que automaticamente se remetem ao processo de industrialização, principalmente quanto se trata de planejamento e, este último, por sua vez, refere-se à dinâmica do processo de crescimento que é determinada pelo setor industrial. A economia industrial está parcialmente inserida no âmbito da Microeconomia, dado pelo estudo da firma, contudo, os primórdios da teoria sobre a indústria dão-se com Alfred Marshall, que salientou a importância de se levar em conta os custos com a produção. No entanto, essas foram as primeiras teorias acerca da indústria. A teoria contemporânea, nas palavras de Anita Kon (1994), teve seu advento com o estudo moderno da competição e do monopólio que começou aproximadamente em 1880, como os trabalhos de Clark, Adams, Ely e Bullock, entre outros. A Microeconomia tradicional preocupa-se particularmente com a determinação de uma posição de equilíbrio da firma nos mercados econômicos. (...) Por sua vez, as análises da Economia Industrial enfatizam particularmente este comportamento individual das firmas e dos mercados, no decorrer de processos de crescimento, concentração, diversificação e fusões, onde não se aplicam as condições de equilíbrio da perfeita competição. A política industrial é o elo que o governo estabelece com o sistema econômico a fim de usar os seus instrumentos como forma de ação para intervir no sistema de modo a promover um crescimento planejado do setor industrial, e assim desenvolver a economia.o embasamento teórico que justifica a política industrial está centrada em várias correntes de pensamento econômico, como segue: (...) existem várias correntes de literatura, desde as que procuram justificar, dentro do arcabouço teórico neoclássico, as intervenções do estado através de política industrial. E como necessárias para corrigir falhas ou imperfeições de mercado, até as de filiação neo-chumpeteriana-evolucionista, que atribuem papel fundamental às ações normativas (policies) em contraposição ao mercado, bem como a características especificas de path dependence, nos processos de acumulação tecnológica e desenvolvimento industrial, como um amplo espectro entre esses dois extremos.. (SUZIGAN, 1996). Diante dessas afirmações, pode-se conceber que o resultado final é a melhoria do bemestar social, dado em virtude do aumento da produtividade, de onde decorre o aumento do salário real e o crescimento da acumulação de capital sem a pressão sobre os preços, o qual é objetivo final das políticas públicas (crescimento com estabilidade econômica) de forma sustentável, que neste caso conta com a colaboração dos objetivos da política industrial. Examinando os pressupostos da política industrial pela ótica da teoria do meio ambiente observa-se que esta está pautada na visão teórica dos neoclássicos sobre a questão ambiental. Com relação a questão da sustentabilidade do desenvolvimento, as propostas da Teoria neoclássica ambiental parecem ser mais abrangentes e realistas, no tocante a solucionar parte dos problemas enfrentados na esfera econômica. Assim, o enfoque teórico adotado se concentrará mais precisamente nos pressupostos, teorias e indicações refutados pela corrente de pensamento teórico neoclássico sobre a economia ambiental uma vez que o objetivo deste trabalho é analisar os aspectos divergentes e convergentes entre as políticas ambiental e industrial, remetendo estas a realidade do contexto brasileiro, do Nordeste e na Paraíba. Considerando as teorias aqui apresentadas, sejam teoria ambiental neoclássica e teoria de desenvolvimento sustentável, elas darão suporte as políticas de meio ambiente e industrial, objetos de avaliação nesta pesquisa. Estas oferecem as trilhas necessárias para a averiguação

9 das hipóteses aqui levantadas: a sustentabilidade do desenvolvimento econômico realça os pontos divergentes ou convergentes entre a política de meio ambiente e a política industrial? 3 ECONOMIA DO MEIO AMBIENTE E POLÍTICA INDUSTRIAL As questões ambientais estão na ordem do dia, principalmente com referência ao planejamento governamental na busca de sustentabilidade econômica. Em cumprimento ao objetivo pretendido neste trabalho, aqui se analisa, duas das muitas variáveis imbricadas para a realização de um desenvolvimento sustentável, ou seja, as relações entre política de meio ambiente e a política industrial, focalizando os pontos em comum, ou ainda, os instrumentos a serem utilizados e metas a serem alcançadas que levem a um ponto de interesse mútuo tanto para as questões ambientais como para o crescimento e competitividade do setor industrial. 3.1 A questão ambiental em uma economia aberta Um dos pontos mais importantes na discussão sobre desenvolvimento é a consideração da atual conjuntura globalizante, e nisto, a questão da sustentabilidade da política de desenvolvimento. Com referência a indústria, um dos pontos relevantes é a busca da competitividade sistêmica, através da política industrial. São muitos os desafios ambientais impostos à economia. Mas, como foi dito antes, destacam-se os problemas relacionados à questão industrial, com a crescente tendência de inserção internacional da economia. Dentre os desafios ambientais estão às restrições comerciais de cunho ambiental e, as tendências das restrições ambientais externas. As restrições comerciais de cunho ambiental podem afetar a divisão internacional de trabalho ao alterarem as vantagens comparativas de alguns países criando barreiras para a entrada em certos mercados. Estas transformações ao nível de comércio internacional estão se dando por duas formas de restrição: barreiras de processo e barreiras de produtos. O fato de tais barreiras poderem ser erguidas unilateralmente resulta em mercados segmentados para estes produtos, eliminando economias de escala e monopolizando tecnologias específicas. Por outro lado, o selo ecológico confere graus de controle ambiental aos produtos de acordo com os processos e materiais adotados na sua produção. Adicionalmente, a reciclagem ou redução de carga tóxica para melhor disposição dos resíduos sólidos (lixo) é uma tendência marcante no controle ambiental dos países desenvolvidos. O controle ambiental é uma das restrições possíveis de ser atenuada num espaço de tempo menor. Pois, produzir com menos risco ambiental é agora sinal de eficiência. Os principais líderes mundiais da indústria já estão se organizando para este fim. Diante destas tendências descritas, exige-se dos países que desejam fixar competitividade no comércio externo que introduzam alterações na sua estrutura industrial de forma a atingirem padrões ambientais compatíveis internacionalmente. Quanto aos acordos globais há duas questões ambientais a nível mundial resultantes das atividades humanas, que tem sido objeto de tentativas de acordos internacionais para seu controle, que são a poluição e a emissão de CO². O comprometimento do Brasil na Rio-92 com estas questões globais indica que o país certamente se fará presente nestes acordos e, assim, será obrigado a cumprir suas exigências. 3.2 A questão ambiental no Brasil No longo prazo, parece inevitável um processo de ajuste no padrão ambiental da economia nacional, de forma a assegurar sua eficiência competitiva, ou seja, a capacidade de expandir participação no comércio internacional. Para isso, mostra-se necessário antecipar mudanças de processo e de produto para que não possam, no futuro, resultar em custos de ajuste economicamente inviáveis.

10 Quatro questões se apresentam à indústria brasileira diante das barreiras de natureza ambiental: a) uma vez que tais barreiras sejam adotadas em mercados comuns de interesses comercial para o país, como o Nafta e a CEE, espera-se que os exportadores para estes mercados sobram a mesma imposição; b) no contexto do Mercosul, o Brasil poderá ter que tratar destas questões diretamente, embora a indústria nacional, neste caso, seja a que exigirá padrões harmonizados, na medida em que se percebe (sem evidências mais concretas) que o país está mais avançado no controle ambiental que seus parceiros comerciais; c) embora rechaçadas na Agenda 21 e nas convenções assinadas na Rio-92, ainda não se pode assegurar que estas barreiras não seja levantadas como uma solução imposta pelos países desenvolvidos ao resto do mundo; d) acordos internacionais para controle da fases associadas ao aquecimento global (CO² e CFC, por exemplo) serão fontes de possíveis sanções comerciais. MOTTA (1997) A percepção pelos agentes econômicos dessas restrições a que o Brasil está sujeito, leva a discussão deste processo em relação aos aspectos de competitividade. Para tal, deve-se analisar o papel dos agentes econômicos no processo de barganha que se realiza para definir este padrão ambiental. 3.2.a Definição de um padrão ambiental o papel dos agentes econômicos O principal impacto sobre a competitividade decorrente de um conjunto de restrições ambientais é a elevação dos preços relativos dos recursos naturais e serviços ambientais. Ou seja, a competitividade dos setores "sujos" deteriora-se frente aos setores "limpos", isto implica dizer que esta alteração de preços relativos induzirá a uma mudança estrutural na composição do produto econômico. É, portanto, esperado que estes setores tenham interesses divergentes quanto a estas questões ambientais. As organizações ambientalistas nem sempre atuam nas mesmas questões e quando o fazem nem sempre apresentam as mesmas demandas. No caso brasileiro, a exemplo do resto do mundo, existem grupos que questionam a própria base industrial do crescimento e outros que acreditam ser possível induzir-se uma industrialização limpa. Devido à própria realidade econômica, em termos de renda e emprego, parece predominar no país a segunda corrente. O papel dos consumidores é naturalmente determinado pelo nível de renda. Consumidores de alta renda tendem, a exemplo do primeiro mundo, a adotar padrões de consumo "mais ecológicos". Tal tendência não pode ser acentuada, entretanto, para os consumidores de baixa renda, dado que, na maioria dos casos, produtos ecológicos ainda têm preços mais elevados. Existem duas esferas no campo político onde o governo atua de forma diversa, uma no cenário casuístico, ou seja, no combate a causas de sanções comerciais à indústria brasileira no que se refere a gestão ambiental. Neste cenário a participação do Estado é reativa e apenas possibilita maior eficiência e abrangência ao sistema que já existe em termos de incentivo ao controle ambiental. Não requer dificuldades legais e institucionais para sua implementação. A efetivação da ação governamental através de políticas também é percebida no cenário antecipativo, ou seja, a implementação de políticas que visem antecipar restrições em nível doméstico, dando condições para que a estrutura industrial esteja associada ao padrão ambiental internacional. Neste caso, o Estado assume o papel de pró-ativo e divide o ônus do ajuste ambiental com o próprio setor econômico. 3.2.b Política industrial e política ambiental pontos convergentes Feito o diagnóstico e inserção da política industrial na gestão ambiental, que permeia as bases do desenvolvimento sustentável, passa-se à avaliação das relações causais entre a base natural e a retomada do desenvolvimento brasileiro, tanto a nível interno como internacional. Chama-se atenção para dois pontos importantes para um aperfeiçoamento da gestão ambiental brasileira, são eles:

11 Primeiro, de acordo com os pressupostos teóricos econômicos, o custo do controle ambiental não reduz a eficiência da economia brasileira. Ou melhor, o custo ambiental gerado na exploração ineficiente dos recursos ambientais também faz parte do custo Brasil; e segundo, embora as pressões internacionais, tanto políticas quanto comerciais, imponham ao país restrições de cunho ambiental, o Brasil ainda é um país de megabiodiversidade, que gera significativas externalidades positivas ao resto do mundo e, portanto, é um credor universal. MOTTA (1997) Através disso pode-se constatar que a questão ambiental deixa de ser um problema e torna-se uma solução. Num esforço de conciliação entre as políticas econômicas e ambientais, é necessário um exercício de priorização dos objetivos das ações de política, e isto começa com iniciativas, que devem estar presentes no interior do sistema de planejamento. A ampliação dos instrumentos econômicos deve atuar complementarmente aos já contemplados na legislação ambiental brasileira. Esses instrumentos visam a internacionalização dos custos ambientais no sistema econômico, tais como taxação, certificados comercializáveis de poluição ou de exploração de recursos, sistema depósitoretorno e outros que atuem via preço. Além do aspecto de geração de eficiência, esses instrumentos podem gerar receitas fiscais ou administrativas adicionais para o financiamento da capacitação institucional dos órgãos ambientais, bem como viabilizar políticas compensatórias para aliviar os impactos ambientais sobre os agentes pobres, como por exemplo, a população não assistida por saneamento, ou moradores próximos aos lixões etc. Motta (1997) diz a esse respeito que: O processo de priorização não poderá ser um obstáculo à inserção da questão ambiental nas políticas econômicas tais como:a) as orientações para recursos naturais e infra-estrutura, como as de energia, abastecimento de água, malha viária e outras, B )as tipicamente setoriais, como por exemplo, expansão industrial e agropecuária,c) as de cunho macroeconômico voltadas para estímulos às exportações, geração de emprego e investimento, D) as de conteúdo estrutural como a reforma agrária e as privatizações, e;e) as de objetivo distributivo que estimulam as pequenas empresas, o assentamento urbano e outras. No entanto, cabe aqui mostrar a relação da política ambiental inserida como estratégia industrial e com prioridades setoriais. A implementação de política industrial envolve a gestão coordenada e sincronizada de uma gama de instrumentos e políticas paralelas. Neste trabalho, enfatiza-se a necessidade de coordenação de política industrial e políticas regulatórias (como a política do meio ambiente) na promoção de um desenvolvimento sustentável. Diante dessa máxima, a política industrial é conduzida a atuar, paralelamente ao crescimento econômico, para a defesa do meio ambiente. Villela & Suzigan (1996, p.41) fazem um diagnóstico dos efeitos sobre o setor industrial devido as a implementação de política ambiental, segue: O efeito principal das restrições ambientais a essas industrias é a elevação dos preços relativos dos produtos e serviços intensivos em recursos naturais e ambientais, reduzindo sua competitividade" (op. cit.). O melhor caminho parece ser,a adoção de incentivos econômicos ou de mercado (...) em complemento (e às vezes em substituição) aos mecanismos de controle. Baseados no 'princípio de poluidor pagador' criam-se incentivos via preços (pela imposição de taxas e tarifas) ou quantidades (certificados), ou direitos de propriedade negociáveis visando incorporar nos mercados e nos preços, via custos privados, os custos ambientais incorridos na produção.(...) as empresas que adotem práticas de controle e tecnologia (...) limpas, além de estimular a difusão de tecnologias menos intensivas em recursos ambientais ou menos poluentes, [geram] eficiência em termos de custos operacionais. Estas evidências apóiam a hipótese de que a questão ambiental não deve ser encarada como uma restrição ao desenvolvimento e sim, como uma solução deste, podendo representar mesmo uma fonte de benefícios econômicos e sociais para o Brasil neste novo século, no alcance do desenvolvimento sustentável.

12 3.2.c A urbanização das atividades econômicas no Brasil, o meio ambiente e a política industrial Atualmente, o planejamento governamental tem como meio a implementação de políticas que visam um desenvolvimento sustentável, como objetivo principal, de modo a amenizar e contornar as conseqüências e impactos sobre o meio ambiente, e promova a melhoria de vida. Ao tratar diretamente sobre política industrial e meio ambiente, é necessário inicialmente que sejam feitas referências às implicações e conseqüências decorridas da falta de planejamento e avaliação de projetos que visem a urbanização das atividades econômicas do país, o meio ambiente e a política industrial. Uma dessas implicações diz respeito à importância do planejamento para a área urbana, industrial, agrícola, e outras, mas principalmente ao desenvolvimento das atividades econômicas, como por exemplo, a escolha do local, que levam em conta o estudo do solo, os recursos hídricos, o ar, a vegetação, a fauna local e outros. A simples expansão demográfica e o processo desordenado de ocupação do solo geram vários problemas complicados e graves em relação aos recursos hídricos, ao saneamento básico e ao próprio processo de ocupação do solo. A esse respeito, NOVAES, (1996, p.218) afirma que: Aliada à cultura da invasão, temos a destruição da vegetação nativa como uma das conseqüências mais sérias do crescimento populacional, mas não a única: a degradação do solo e a perda da umidade do ar (que é assegurada basicamente pela presença de vegetação) são exemplos das conseqüências advindas de um crescimento não planejado, sem sustentabilidade. Tudo isto agrava os problemas de emprego, de habitação e de saneamento básico, e traz problemas para a política industrial. Pode-se observar que os mentores da política de meio ambiente terão que fazer um esforço na tentativa de enfrentar problemas como, por exemplo, a questão da disponibilidade e a maior eficiência no uso dos recursos hídricos. Segundo FERNANDEZ & MENEZES (2000, p.9). Parte desse problema pode ser explicado pelo fato de que as operações de captação, estocagem, tratamento e distribuição de água apresentam fortes economias de escala, que conferem aos serviços de abastecimento de água uma estrutura de mercado conhecida na economia como monopólio natural. Isso faz com que esses serviços sejam ofertados por empresas públicas ou pelo setor privado sob regulamentação direta do Estado. (...) O fato é que as estruturas tarifarias não tem garantido os recursos necessários para a expansão dos próprios sistemas de abastecimento, comprometendo, assim, a quantidade, a regularidade e a qualidade desses serviços. Diante desses fatos o governo não pode ficar omisso, pois, isso conduz a adoção de medidas corretivas e regulatórias, a fim de amenizar os custos sociais resultantes da falta de planejamento que produzisse um desenvolvimento sustentável, visando o bem-estar presente sem comprometer o bem-estar futuro. A partir da verificação de fatos como os mencionados anteriormente, o governo passou a adotar medidas como: a proteção de territórios através de leis ambientais e a existência dessas áreas de proteção já determina uma primeira conseqüência para a política industrial, que é a dificuldade de localização de setores industriais. A proposta de política integrada de gerenciamento de recursos hídricos envolve propostas de taxação de qualquer uso da água, de previsão de uso múltiplo dos recursos hídricos, regras novas para concessão do uso de água na irrigação etc. A taxação é considerada como um dos caminhos para a ampliar a consciência sobre a escassez de recursos naturais, tais como os hídricos. A problemática dos recursos hídricos também leva a que o governo integre órgãos como o de Planejamento de Arquitetura, Urbanismo e Meio Ambiente para uma avaliação, planejamento e estudo de projetos com o intuito da aprovação de resoluções que exijam parecer técnico de órgãos vinculados ao meio ambiente antes que seja aprovado qualquer

13 projeto que implique adensamento demográfico, mudança de gabarito ou sobrecarga sobre infra-estruturas. Esta decisão também terá sua interface com a questão da política industrial, porque vai condicionar a possibilidade de localização de certos empreendimentos. Os órgãos governamentais de interesse com o meio ambiente passaram também a participar das decisões sobre a implantação de infra-estrutura de saneamento e esgotos. Hoje, exige-se a implantação dessa infra-estrutura nos antigos e novos assentamentos de população de baixa renda; e estuda-se o tratamento localizado de esgotos nas novas áreas de assentamento. Com isso tem início a execução do grande programa de despoluição de lagos, bacias, rios e afluentes. Já existem estações de controle da qualidade do ar, um exemplo, é a de Brasília. Esta questão trará também conseqüências para a política industrial, influindo até mesmo na possibilidade de trabalho de acordo com as estações do ano e/ou condições climáticas da região onde estiver localizada a indústria, bem como um maior controle sobre a emissão de gases pelas indústrias. 3.2.d Impedimentos às ações governamentais Algumas questões devem ser colocadas relativas às ações governamentais, seja com relação à política industrial, seja com a política ambiental. A primeira é a extrema dificuldade de lidar com os fenômenos ambientais com a estrutura administrativa que se dispõe no país. O fenômeno ambiental como se sabe não tem fronteiras geográficas, geopolíticas ou administrativas. Ele acontece, pura e simplesmente. No entanto, a estrutura do Estado é fragmentada, o que lhe impõe limites. E este problema se confronta com os objetivos e metas delineadas sejam pela política industrial ou em qualquer outra área. Na visão de empresários que estão atualizados com a gestão ambiental e a interrelação da indústria no que diz respeito à competitividade mundial, as empresas para sobreviverem no mercado globalizado deverão destinar parte de seus investimentos à área ambiental, e nas palavras do empresário Erling LORENTZEN apud NOVAES (1996): A proteção ambiental tornou-se, enfim, valor da empresa, explicitado publicamente como um de seus objetivos principais, a tal ponto que o status e a liberdade da empresa no século XXI dependerão de sua aceitação em assumir responsabilidades ambientais. As questões de política industrial e política de meio ambiente mostram-se imbricadas para o alcance da competitividade a nível mundial da indústria nacional, no alcance de um espaço em um mercado cada vez mais globalizado, revelando a importância da participação de todo o conjunto da economia no sentido desse esforço. Apesar de se diagnosticar que algumas políticas ambientais são entrave às políticas industrial, há de se pensar soluções para esses problemas, haja visto que o combate aos pontos divergente entre essas políticas são menos onerosos do que os efeitos multiplicadores que a ação conjuntas entre elas fomentará sobre a economia e para a sociedade. 4 O CENÁRIO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA E A POLÍTICA AMBIENTAL NORDESTE E BRASIL O diagnóstico apresentado anteriormente indica que sanções comerciais de cunho ambiental afetam as exportações da indústria brasileira. O controle ambiental da indústria no Brasil, por sua vez, ainda é incipiente, principalmente quando comparado aos níveis obtidos nos países mais industrializados. No entanto, a retomada do desenvolvimento brasileiro esta também relacionada à forma de sua inserção no contexto globalizado e a condicionante ambiental mostra-se como uma variável importante à influenciar o referido processo. Este capítulo trata desta problemática e, analisando a indústria brasileira e a legislação ambiental, a

14 política ambiental no Nordeste e as políticas ambiental e industrial no Nordeste em comparação com as demais regiões brasileiras. Baseado no trabalho de Pesquisa Gestão Ambiental na Indústria Brasileira elaborado em parceria pelo BNDES, CNI, SEBRAE (1998) faz-se uma análise empírica sobre as políticas ambientais no âmbito da indústria do Brasil, e em particular faz-se o confronto dos resultados ao nível de Nordeste com o restante do país, buscando situar a região e visualizar a sua posição dentro desse panorama. No entanto, ressalta-se que as informações coletadas foram dadas pelas próprias empresas, o que pode caracterizar viés em algumas informações quanto a real aplicação dos procedimentos de gestão ambiental, contudo, até o momento este estudo feito pelo BNDES, CNI e SEBRAE (1998) parece ser o mais adequado ao objetivo do trabalho. A seguir faz-se a análise das práticas de gestão ambiental na indústria brasileira, no entanto, as informações sobre essas práticas ainda são incipientes na maioria das empresas, devido tanto a sua complexidade e variedade, quanto a sua recente valorização nas atividades econômicas. Um dos primeiros pontos a serem observados na implementação de políticas ambientais está relacionado ao nível de informação por parte das empresas sobre as novas iniciativas de legislação, tais como o Acordo de Montreal, a Agenda 21, a Convenção internacional de comércio e substancias tóxicas, a Comissão de florestas e biodiversidade entre outras. As empresas que detêm um certo nível de conhecimento, também se mostram cientes da lei de crimes ambientais, como da lei de recursos hídricos e de outras iniciativas de projetos e leis ainda em discussão. Desse modo, a política ambiental começa a se inserir no setor industrial e, portanto, traz conseqüências para o mesmo e principalmente, nos setores internacionalizados. Isto revela a crescente preocupação por parte dos setores industriais de implementarem procedimentos de gestão ambiental em suas dependências. 4.1 A política ambiental no Nordeste Ação empresarial Esta seção trata dos tipos de procedimentos ambientais adotados pelas empresas no Nordeste em comparação às demais regiões, e da proporção desses entre os portes das indústrias. A pesquisa sobre gestão ambiental na indústria brasileira revelou que esta prática já é bastante difundida, cerca de 85% das empresas adotam algum tipo de procedimento associado às questões ambientais das suas atividades, e que os tipos de procedimentos variam com o porte da empresa. As principais razões para a adoção destes procedimentos, segundo as grandes e médias empresas são principalmente devido às exigências de licenciamento e a legislação ambiental serem mais importantes que as motivações associadas à redução de custos, isto acontece tanto para as empresas de grupos nacionais como estrangeiros. Conforme mostra o gráfico 1 a redução do uso de matéria-prima por quantidade de produto fabricado ou a substituição de fonte de energia para reduzir os níveis de poluição é mais presente nas indústrias de grande porte, geralmente são multinacionais, e médio porte. Veja ainda no gráfico 2 que 38% das empresas de grande e 30% das empresas de médio porte adotam procedimentos para atingir essa meta. Pode-se explicar esse percentual elevado em comparação aos demais portes por essas empresas disporem de mais recursos para investir em pesquisas e tecnologia. Na região Nordeste, 33% das indústrias adotam esse tipo de procedimento, superior ao todo das regiões, que representa apenas 23%. Com a adoção de alguns procedimentos tais como a redução do uso de matéria-prima por produto produzido ou substituição de determinados insumos, os impactos sobre a indústria podem ser entendidos como benéficos e redutores de custos, uma vez que se busca a utilização eficiente dos insumos, ao passo que o uso de novas tecnologias, redutoras de poluição, garantem ao setor ganhos de mercado. Seus produtos incorporam qualidade, devido à classificação e por carregar a imagem de uma empresa que preserva o meio ambiente

15 e investe em tecnologia. Isto repercute diretamente em sua posição no âmbito da competitividade global. A percentagem das indústrias do Nordeste em relação à percentagem das indústrias das demais regiões que adotam a redução do uso de matéria-prima por produto ou substituem fontes de energia para reduzir o nível de poluição é bastante superior. Isso acontece principalmente devido às exigências de licenciamento e a legislação. Por haver maior fiscalização e controle na região Nordeste, que é menos industrializada que a região Sudeste e Sul, torna-se mais fácil controlar essas indústrias. GRÁFICO 1 - Fontes alternativas de energias e redução de matéria-prima por produto produzido. Percentagem por porte das indústrias - Nordeste e demais regiões (1998)*. Por porte e por região (%) Micro Pequena Média Grande Todos os portes Nordeste Todas as regiões Fonte: Pesquisa gestão ambiental na indústria brasileira. BNDES, CNI E SEBRAE, *Os dados referem-se a ago. e set./ 1998, correspondente à situação observada pelo informante em 1997 e em alguns casos em Além dos redutores de poluição acima analisados outros tipos de procedimentos de gestão ambiental merecem destaque, tais como: o controle do uso de energia, dos ruídos e vibrações, do lixo industrial, entre outros. A relevância desses procedimentos na região Nordeste comparativamente aos percentuais das demais regiões do Brasil pode ser ilustrada através do gráfico 2. Os dados a seguir estão dispostos de modo a comparar o grau de implementação entre os diversos tipos de processos de gestão ambiental nas empresas de acordo com o porte da mesma e entre a região Nordeste e demais regiões. A implementação de um processo não exclui um outro tipo, dependendo da atividade da indústria esta pode adotar um ou todos os tipos, ou ainda adotar um mix desses procedimentos, desde que atenda a regulamentação exigida pelos órgãos competentes para liberalização de licenças ambientais. Dado o porte das indústrias, os tipos de procedimentos mais adotados são o de: reciclagem ou aproveitamento de sucatas, resíduos ou refugos e a disposição adequada de lixo e resíduos sólidos. Essa adesão verifica-se com maior expressividade principalmente pelo pequeno custo de sua implementação em relação aos demais tipos O investimento para a implementação desses tipos de procedimentos de gestão ambiental representam muito pouco em relação às multas e a própria imagem da indústria com relação a degradação do meio ambiente. A exceção a esse conjunto de medidas é encontrada nas empresas de pequeno porte que apresenta uma percentagem maior (38%) na adoção de medidas de controle de ruídos e vibrações conjuntamente com a reciclagem ou reaproveitamento de resíduos sólidos. Na região Nordeste a percentagem de estabelecimentos industriais que adotam procedimentos de gestão ambiental é de modo geral superior se comparado a percentagem das demais regiões. Isso mostra que o setor industrial do Nordeste agrega um número maior de indústrias melhor instruídas com relação à gestão ambiental e a importância dessa para o setor e para a própria indústria diante da competitividade. Também pode-se inferir que a região Nordeste abriga, relativamente ao seu setor industrial, um maior número de empresas de grande porte, que estão melhor preparadas e com maior poder de investimento nesses processos do que as localizadas em outras regiões. A redução do uso ou conservação de

16 energia por quantidade de produto fabricado é o procedimento de maior relevância na região, isso pode acontecer devido a diversidade e os recursos naturais encontrados mais abundantemente no Nordeste. GRÁFICO 2 - Procedimentos de gestão ambiental Implementação de procedimentos de gestão ambiental no Nordeste e demais regiões e por porte (1998) % de Redução do uso (conservação) de energia por quant. de prod. fabricado Controle de ruídos e vibrações Disposição adequada de resíduos sólidos ou lixo da atividade industrial Reciclagem ou aproveitamento de sucatas, resíduos ou refugos (%) percentagem Micro Pequena Média Grande Todos os portes Nordeste Todas as regiões Fonte: Pesquisa gestão ambiental na indústria brasileira. BNDES, CNI E SEBRAE, *Os dados referem-se a ago. e set./ 1998, correspondente à situação observada pelo informante em 1997 e em alguns casos em A região Nordeste ainda é carente de indústrias de reciclagem ou que reutilizam esses materiais. Isto a coloca em posição inferior em relação as demais regiões. Uma explicação para tal, pode ser encontrada na falta de políticas governamentais estaduais ou municipais na região voltada para a questão. Para a região esse é um ponto extremamente importante, pois as empresas de reciclagem não só amenizam o problema do desemprego no Nordeste, ao empregar principalmente mão-de-obra não especializada (catadores), mas inclusive eleva sobremaneira a renda da região, reduzindo também os problemas ambientais causados pela pobreza Política ambiental e política industrial Nordeste e demais regiões A implementação conjunta das políticas industrial e ambiental pode ser vista como forma de incentivo e promoção de investimentos ambientais por parte das indústrias brasileiras ou pode ser percebida como planejamento e estratégia governamental para o alcance da indústria nacional na competitividade internacional. Neste contexto, consideram-se as dimensões ambiental e industrial como pontos relevantes a sustentabilidade do desenvolvimento. Daí decorrem a importância do planejamento e implementação das políticas ambientais e industriais no alcance de metas tais como: o aumento da produtividade sem o aumento da poluição e/ou uso de recursos naturais, o aumento da competitividade das empresas nacionais face as multinacionais, o ganho de parcelas do mercado etc. A conciliação entre os objetivos e métodos das duas políticas pode resultar em avanços para o setor industrial nacional através de promoção do mesmo no mercado internacional. Vale ressaltar que o referido mercado apresenta-se bastante articulado e exigente quanto à qualidade do 3 No entanto, não cabe aqui, até mesmo devido a variável em discussão no trabalho, tratar-se mais detidamente sobre o assunto, mas este é certamente um ponto relevante a ser analisado.

17 produto, bem como sobre os impactos ambientais causados devidos os processos de produção desses bens. Nos dois anos pesquisados, 1996 e 1997, somente cerca de 11% das empresas utilizaram recursos governamentais para financiar seus investimentos ambientais. Ressalte-se que, as indústrias da região Nordeste somam o maior percentual das empresas que foram beneficiadas através desses recursos. Os dados da tabela 1 mostram a alocação desses recursos governamentais entre o percentual de estabelecimentos industriais por região e por alguns setores. Constata-se que no ano de 1996, 21% dos estabelecimentos industriais da região Nordeste que efetivaram algum investimento ambiental conseguiram financiamento governamental para menos de 10% do valor desses investimentos. No ano de 1997, esse percentual decresceu para 11% dos estabelecimentos industriais que conseguiram financiar parte de seus investimentos ambientais. No entanto, elevou-se de 4% para 7% os estabelecimentos da região Nordeste que financiaram mais de 50% de seus investimentos ambientais, o que é um salto relevante do ponto de vista da ação conjunta entre as políticas industrial e ambiental. Em 1997, a região Nordeste foi a que teve o maior percentual de estabelecimentos beneficiados com incentivos ao setor industrial no tocante ao investimento em projetos ambientais. A região Sudeste é a que guarda o maior percentual dos estabelecimentos que efetuaram algum tipo de investimento ambiental, mas sem financiamento por parte do governo. Com relação a percentagem dos estabelecimentos por setor da indústria que obtiveram financiamento com recursos governamentais em 1997, apenas os setores de Metalurgia, Produtos Alimentares, Química e Produtos Farmacêuticos e Veterinários e de Couros e Peles, tiveram financiamento de mais de 50% de seus investimentos ambientais. Isso se deve às características dessas atividades. Estes setores apresentam no processo de produção o uso de matérias-primas que impactam no meio ambiente de modo bastante agressivo e com conseqüências bastante negativas ao meio físico. A metalurgia é uma empresa de grande porte, poluidora do ar, da água e do solo por ocasião do lançamento de gases e fumaças, do despejo de dejetos industriais em rios, da extração mineral e outras conseqüências. No setor de Couros e Peles, durante todo o processo de curtição, secagem e as lavagens muitos produtos químicos e resíduos são utilizados e jogados fora, poluindo e degradando o meio ambiente. Isto acontece igualmente nas indústrias Química e Farmacêutica. Na indústria de alimentos, as agressões ao meio ambiente se fazem presente através do uso intensivo de recursos naturais, como o solo e as matérias-primas entre outros. TABELA 1 Financiamento com recursos Governamentais Brasil (1998)* Percentagem dos estabelecimentos industriais que financiaram parte de seus investimentos ambientais Menos de 10% Mais de 50% Nenhuma Por região (%) Norte e Centro-Oeste Nordeste Sudeste Sul Todas as regiões Por setor (%) Metalúrgica Material Elétrico e de Comunicação Mobiliário Química e Produtos Farmacêuticos e Veterinários Couros e Peles Vestuário, Calçados e Artefatos de Tecido Produtos Alimentares ANO Fonte: Pesquisa gestão ambiental na indústria brasileira. BNDES, CNI E SEBRAE, 1998.

18 Compreende-se dessa análise que o governo tem trabalhado em promover ações que visam conciliar as estratégias de política industrial com política ambiental, no entanto, observa-se que ainda são tímidas e insuficientes para a sustentabilidade do setor industrial brasileiro no que diz respeito às exigências a proteção ao meio ambiente com harmonia com o desenvolvimento e expansão do setor industrial. Mas, observa-se que já existe um esforço nesse sentido e que os primeiros passos demonstram que há inter-relação entre essas duas políticas na busca de objetivos diferentes que, no entanto, têm seus focos de ações interligados para o alcance de suas metas como a preservação ambiental (objetivo da política ambiental) e maior desenvolvimento do setor industrial (objetivo de política industrial). Para o alcance desses objetivos e metas o governo atua como elo entre essas duas vertentes, estabelecendo canais de comunicação entre o setor industrial e os organismos governamentais ambientais responsáveis pela condução das políticas e instrumentos de cunho ambiental. No Brasil os vários tipos de relacionamento entre o setor industrial e os órgãos ambientais se dão principalmente por meio da fiscalização, do licenciamento ambiental, dos acordos entre as partes (termo de compromisso ou ajuste de conduta), medidas compensatórias, da contestação de sanções além de outras formas. GRÁFICO 3 - Política ambiental no Brasil (1998)* INSTRUMENTOS GOVERNAMENTAIS DE AÇÃO E POLÍTICA AMBIENTAL Norte e Centro-oeste Nordeste Sudeste Sul Todas as regiões Assessorias as empr. a implem. Proced. de gestao ambiental e identif. tecnol.ambient.adeq uadas Continuar com aplicação de multas quando do não atendimento da legislação ambiental Divulgar cadastros de empresas com boas práticas ambientais Criar incentivos fiscais p/ invest. Ambientais Ampliar as linhas de crédito subsidiado p/ invest. Ambientais (%) Por região c Fonte: Pesquisa gestão ambiental na indústria brasileira. BNDES, CNI E SEBRAE, *Os dados referem-se a ago. e set./1998, correspondente à situação observada pelo informante em 1997 e em alguns casos em As ações do governo no que cerne a política ambiental não se refere apenas à concessão de licenças ou fiscalização das normas e regulamentações ambientais. O Governo utiliza-se também de outros instrumentos de ação e política ambiental tais como: assessoria às empresas a implementarem procedimentos de gestão ambiental e identificarem tecnologias adequadas, a punição através da aplicação de multas quando do não atendimento da legislação ambiental, a divulgação de cadastros de empresas com boas práticas ambientais, criação de incentivos fiscais para investimentos ambientais bem como a ampliação de linhas de crédito subsidiado para estes investimentos. Entre os instrumentos governamentais de ação e política ambiental o que apresenta uma maior percentagem entre os estabelecimentos industriais é a assessoria as empresas. Nesse caso, a região Nordeste se destaca das demais regiões, pois, um elevado percentual dos estabelecimentos da região recorrem a esse tipo de apoio por parte do governo (75%). Esse dado é relevante pois demonstra que as industrias na região Nordeste estão buscando interagir com o processo de preservação ambiental. E a explicação da ocorrência desse fato está relacionado à busca da inserção da indústria nordestina no mercado globalizado, onde a

19 adoção de procedimentos de gestão ambiental são requisitos essenciais nessa fase em que a tônica do desenvolvimento sustentável é ponto determinante para a conquista de mercado entre os países desenvolvidos e para o ganho de maior competitividade. A aplicação de multas como forma corretiva ao não atendimento da legislação ambiental é uma das ações com menor percentagem entre as demais implementadas pelo governo. Haja vista, a dificuldade de mensuração e valorização dessas infrações, a própria cobranças dessas multas e a fiscalização são deficientes. É possível ainda levantar a hipótese de que o Estado estivesse buscando agir mais na promoção de soluções de cunho ambiental referentes ao setor industrial do que assumindo o papel de simples regulador e inspetor de ações contra o meio ambiente. Ele recorre ao uso desses instrumentos em última instância como forma educativa e de punição aos transgressores do meio ambiente. A divulgação de cadastros de empresas com boas práticas ambientais atua como forma de incentivo e reconhecimentos ao esforço e ações empresariais no sentido de colaboração com o governo no que tange a política ambiental. Esse tipo de ação acontece principalmente entre os estabelecimentos industriais da região Norte e Centro-oeste (38%). Em seguida encontra-se a região Nordeste que aparece com 31% dos estabelecimentos beneficiados por esse incentivo de divulgação do cadastro de suas empresas em virtude da adoção de boas praticas ambientais. A política de incentivos fiscais e ampliação de linhas de crédito subsidiado para investimentos ambientais ainda é um tanto tímido no Brasil, o governo tem procurado incentivar a iniciativa privada na realização desses investimentos, mas nas regiões Norte, Centro-oeste e Nordeste é maior a ação do governo nesse sentido. No Nordeste, 48% dos estabelecimentos se beneficiaram desses incentivos fiscais, é a maior percentagem entre as regiões. E quanto a concessão de crédito subsidiado as regiões Norte, Centro-oeste e Nordeste detêm o mesmo percentual, 39% dos estabelecimentos que recorreram a esses incentivos e foram contemplados. CONSIDERAÇÕES FINAIS Diante do contexto político da indústria brasileira aqui exposto pode-se inferir através da análise empírica das políticas ambiental e industrial que elas estão inter-relacionadas, confirmando uma das hipóteses levantas no trabalho, ao se identificar ações do governo que subsidiam a implantação de medidas de gestão ambiental no setor industrial, e o uso de outros instrumentos e ações que objetivam conciliar as questões que envolvem o setor industrial brasileiro com a política ambiental de forma a conduz ao desenvolvimento sustentável. No Brasil, começa-se a ver que são tomados os primeiros passos nessa direção, mas que ainda há muito por se fazer porque a conscientização da problemática é uma conquista de longo prazo. O governo terá que investir mais em educação, e incluir nesta, a educação ambiental. Outra ação a ser intensificada pelo governo brasileiro é a de incentivos à novas tecnologias para reduzir o uso de energias e o uso de fontes alternativas de energia e insumos. Implantar mais centrais de planejamento para os setores industriais, investir em estruturas que permitam as empresas processarem de forma alternativa seus dejetos e resíduos. Investir em saneamento básico, promover incentivos a ações como reciclagem de resíduos são outras medidas importantes a serem consideradas como relevantes. As políticas ambientais ainda estão sendo germinadas, uma vez que a natureza de sua ação guarda alguns problemas como, por exemplo, a de mensuração dos impactos ambientais, uma avaliação sobre determinadas áreas, a dimensionalização do uso dos recursos, etc. Mas, já é possível visualizar ações nesse sentido, e principalmente como forma de atenuar agraves ao meio ambiente.

20 É possível promover um desenvolvimento sustentável balizado pelas políticas industrial e ambiental na medida em que elas podem e devem operar conjuntamente. Na verdade elas não são contraditórias em seus objetivos, bastando vontade política e planejamento para que essas ações se realizem na esfera econômica. BIBLIOGRAFIA 1- BELLIA, J. IN: CES Conselho Econômico Social. Ambiente, emprego e desenvolvimento. Bhalla, A.S. (trad.) Lisboa Porugal: Gráfica Maiadouro, 1994, 287 p. 2- BNDES Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social, CNI Confederação Nacional da Indústria, SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio as Micro e Pequenas Empresas. Pesquisa gestão ambiental na indústria brasileira. Rio de Janeiro; (p.17, 22, 29, 35, 39, 58,) CARRERA FERNANDEZ, José, MENEZES, Wilson F. Avaliação contingente e a estimativa da função de demanda por água potável. IN: Revista econômica do Nordeste REN, Fortaleza, v.31, n.1, p.8-35, jan.-mar CAVALCANTI, Clovis. Condicionantes Biofísicos da Economia e suas implicações quanto à noção de desenvolvimento sustentável. IN: ROMERO, Ademar Ribeiro, REYDON, Baastian Philip & LEONARDI, Maria Lúcia Azevedo (org.). Economia do meio ambiente: teorias, política e a gestão de espaços regionais. 2ª ed. Campinas: Editora Universitária Estadual de Campinas, COMISSÃO INTERMINISTERIAL. Comunicação da comissão sobre o ambiente e o emprego: realização de uma Europa sustentável. Bruxelas Bélgica: Serviço das publicações oficiais das comunidades européias. 1997, 36 p. Arquivo em PDF. Disponível em: < > Acesso em: 12 jan FURTADO, Celso. Pequena introdução ao desenvolvimento: enfoque interdisciplinar. São Paulo: Companhia Editora NACIONAL, 1980, 161p. 6- GALBRAITH, John Kenneth. A economia e o interesse público. São Paulo: PIONEIRA, (coleção novos umbrais), p IPEA Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada. O Brasil na virada do milênio: trajetória do crescimento e desafios do desenvolvimento. Brasília, IPEA, KON, Anita. Economia industrial. São Paulo: NOBEL, 1994, 212p. 9- MEYER STAMER, Jörg. Competitividade sistêmica: Quais os seus fatores e como se relacionam. Ela pode funcionar no Brasil? IN: MATHIEU, Hans (org. ). A nova política industrial: o Brasil no novo paradigma. São Paulo: Editora Marco Zero: ILDESFES, FINEP, 1996, p MOTTA, Ronaldo Serroa da. Desafios ambientais da economia brasileira. Rio de Janeiro: IPEA, ago (texto para discussão, 509). 11- MUELLER, Charles C. Avaliação das duas correntes da economia ambiental: a escola neoclássica e a economia da sobrevivência. IN: Revista de economia política, v.18, n.2 (70), p , abr. jan NOVAES, Washington. Política Industrial e Meio Ambiente. IN: FONTES, José Augusto Sá, SOARES, Rosa Maria Sales de Melo (org.). Padrões tecnológicos, trabalho e dinâmica espacial. Brasília: Editora Universitária UNB: 1996, p PASSET, René. A co-gestão do desenvolvimento econômico e da biosfera. IN: RAYNANT, Claude, ZANONI, Magda (org.). Cadernos de desenvolvimento e meio ambiente: sociedades, desenvolvimento e meio ambiente. Curitiba: Editora Universitária Federal do Paraná, n.1, 1994, p PASSOS, Carlos de Faro (org.). Política industrial e desenvolvimento econômico: I conferência internacional. São Paulo, PLANEF Consultores associados, 1990, 164p. 14- SANDRONI, Paulo. Novíssimo dicionário de economia: São Paulo: Editora Best Seller, SILVA, Ricardo, BRAVO, Maria Alice M. P. Comércio exterior e meio ambiente. IN: Revista do BNDES, Rio de Janeiro, v.1, n.1, p , jan SUSIGAN, Wilson. Experiência histórica de política industrial no Brasil. IN: Revista de economia política, v. 16, n.1(61) p. 5-20, jan.-mar VILLELA, Aníbal V., SUZIGAN, Wilson. Elementos para discussão de uma política industrial para o Brasil. Brasília: IPEA, mar (texto para discussão, 421).

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues INTRODUÇÃO O desenvolvimento da sociedade De forma desordenada e sem planejamento Níveis crescentes de poluição

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Capítulo 1: Introdução à Economia

Capítulo 1: Introdução à Economia 1 Capítulo 1: Introdução à Economia Conceito de Economia Problemas Econômicos Fundamentais Sistemas Econômicos Curva (Fronteira de Possibilidades de Produção. Conceito de Custos de Oportunidade Análise

Leia mais

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP

PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP PROPOSTA PARA O AVANÇO DO MODELO DE GESTÃO DA SABESP OUTUBRO, 2002 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS UNIVERSITÁRIOS DA SABESP - APU INTRODUÇÃO A Associação

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Competitividade e Tecnologias Limpas

Competitividade e Tecnologias Limpas Competitividade e Tecnologias Limpas Carlos Eduardo Frickmann Young Instituto de Economia/UFRJ Email: young@ie.ufrj.br A grande vantagem das tecnologias limpas está na possibilidade de reverter um custo

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria.

Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria. Políticas públicas de meio ambiente na implementação de procedimentos de controle e gestão ambiental na indústria. Edson José Duarte 1 Universidade Federal de Goiás/Campos catalão Email: edsonduartte@hotmail.com

Leia mais

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD I. O PROBLEMA DE DESENVOLVIMENTO E PROBLEMAS IMEDIATOS ENFOCADOS A conversão da floresta primária na Amazônia ameaça a biodiversidade e libera estoques

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial;

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; AMBIENTALISMO NO MUNDO GLOBALIZADO 1 O Ano Passado 2 Degradação do meio ambiente A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; A mobilização da sociedade com objetivo de conter

Leia mais

Como obter produção e consumo sustentáveis?

Como obter produção e consumo sustentáveis? Como obter produção e consumo sustentáveis? Meiriane Nunes Amaro 1 O conceito de produção e consumo sustentáveis (PCS) 2 vem sendo construído há duas décadas, embora resulte de um processo evolutivo iniciado

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO

TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO TRATADO ALTERNATIVO SOBRE COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL [12] PREÂMBULO 1. O comércio internacional deve ser conduzido de forma a melhorar o bem estar social, respeitando a necessidade de promover

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta

2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia. Declaração Conjunta 2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia Rio de Janeiro, 22 de dezembro de 2008. Declaração Conjunta Sumário Os empresários europeus e brasileiros apóiam com entusiasmo a Parceria Estratégica Brasil-

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos

Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos 80483 Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos Estratégia Ambiental do Grupo do Banco Mundial 2012 2022 THE WORLD BANK ii Rumo a um Mundo Verde, Limpo e Resiliente para Todos Resumo Executivo

Leia mais

Uma proposição de política cambial para a economia brasileira +

Uma proposição de política cambial para a economia brasileira + Uma proposição de política cambial para a economia brasileira + Fernando Ferrari Filho * e Luiz Fernando de Paula ** A recente crise financeira internacional mostrou que a estratégia nacional para lidar

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

Introdução Metodológica + Conceitos de Política Ambiental e Instrumentos de Gestão + Implementação

Introdução Metodológica + Conceitos de Política Ambiental e Instrumentos de Gestão + Implementação Introdução Metodológica + Conceitos de Política Ambiental e Instrumentos de Gestão + Implementação Sequencia Tendências Conceitos de Política Ambiental Instrumentos Caso Brasileiro Implementação Caso Gestor

Leia mais

Inovar para competir. Competir para crescer.

Inovar para competir. Competir para crescer. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 sumário Plano Brasil Maior...7 Dimensões do Plano...8 Dimensão Estruturante...11

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

A tendência do homem à mecanização, transformando as matérias-primas em bens úteis, gerando resíduos inúteis para o meio;

A tendência do homem à mecanização, transformando as matérias-primas em bens úteis, gerando resíduos inúteis para o meio; OS IMPACTOS AMBIENTAIS E A BIODIVERSIDADE 1 A poluição A introdução no meio ambiente de qualquer matéria ou energia que venha alterar as propriedades físicas, químicas ou biológica que afete a saúde das

Leia mais

Ingrid Maria Furlan Öberg

Ingrid Maria Furlan Öberg Desenvolvimento Sustentável Gestão Ambiental Ingrid Maria Furlan Öberg Relação Homem x Ambiente no modelo de desenvolvimento da sociedade moderna NATUREZA Fonte de recursos ilimitados Depósito de resíduos

Leia mais

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO [16] TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO Florestas Naturais são ecossistemas dominados por árvores ou arbustos, em forma original ou quase original, através de regeneração natural.

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS Valdir Frigo Denardin * Glaucia Vinter ** Resumo A preocupação

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DOS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA OBTENÇÃO DA CERTIFICAÇÃO ISO 14000 PELAS EMPRESAS Valdir Frigo Denardin * Glaucia Vinter ** Resumo A preocupação

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Profª: Cristiane M. Zanini

GESTÃO AMBIENTAL. Profª: Cristiane M. Zanini GESTÃO AMBIENTAL Profª: Cristiane M. Zanini Afinal, O que é Gestão Ambiental? A novíssima área de conhecimento e trabalho intitulada "Gestão Ambiental" vem causando muita confusão entre os especialistas

Leia mais

mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira

mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira Brasília, junho de 2009 mudança do clima uma contribuição da indústria brasileira Brasília, junho de 2009 Este é um documento em progresso. A CNI

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Relatório de Atividades em Inovação e Meio Ambiente 2010

Relatório de Atividades em Inovação e Meio Ambiente 2010 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DE INOVAÇÃO Relatório de Atividades em Inovação e Meio Ambiente 2010 Tecnologia, comércio e desenvolvimento sustentável A criação

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS Alice Viana Soares Monteiro Secretária de Estado de Compras Governamentais sob o aspecto da Sustentabilidade Compra Pública Sustentável ou Licitação

Leia mais

PROJETO DE LEI N /2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte lei:

PROJETO DE LEI N /2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono a seguinte lei: PROJETO DE LEI N /2009 Institui a Política sobre Mudança do Clima do Estado da Bahia e dá outras providencias. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu sanciono

Leia mais

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça

Resíduo Zero e alternativas à incineração. TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça Resíduo Zero e alternativas à incineração TATIANA BARRETO SERRA Promotora de Justiça SÃO PAULO 28/05/2015 Desequilíbrio: padrões de produção e consumo dos séculos XX e XXI Necessidades do consumidor Melhorias

Leia mais

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Página 1 de 8. Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Página 1 de 8 LEI Nº 3325, de 17 de dezembro de 1999 Dispõe sobre a educação ambiental, institui a política estadual de educação ambiental, cria o Programa estadual de Educação Ambiental e complementa

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial BRICS Monitor A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial Outubro de 2011 Núcleo de Desenvolvimento, Comércio, Finanças

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

PRESERVAÇÃO AMBIENTAL: nicho de geração de empregos

PRESERVAÇÃO AMBIENTAL: nicho de geração de empregos PRESERVAÇÃO AMBIENTAL: nicho de geração de empregos MAIONE ROCHA BEZERRA ELIANE PINHEIRO DE SOUSA RESUMO Este trabalho discute a inter-relação entre emprego, meio ambiente e desenvolvimento sustentável

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Documento de Trabalho SESSÃO TEMÁTICA INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Indicador de importância das prioridades (Resultado

Leia mais

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A.

Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Sustentabilidade aplicada aos negócios: um estudo de caso da empresa Natura S.A. Autoria: Silas Dias Mendes Costa 1 e Antônio Oscar Santos Góes 2 1 UESC, E-mail: silas.mendes@hotmail.com 2 UESC, E-mail:

Leia mais

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental

Câmara Municipal de. Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental Câmara Municipal de Projeto de Lei nº /2008, que institui a Política Municipal de Educação Ambiental PROJETO DE LEI Nº /2008 Dispõe sobre a Política Municipal de Educação Ambiental e dá outras providências.

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

IT 179 Saneamento Básico

IT 179 Saneamento Básico 2. AÇÕES GOVERNAMENTAIS E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A Organização das Nações Unidas (ONU), formada por quase todos os países do mundo, realiza reuniões para discutir sobre temas importantes para a humanidade

Leia mais

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014.

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil na Comissão de Assuntos Econômicos, no Senado Federal Página 1 de 8 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL O presente documento tem por objetivo

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO ESTADO DO PIAUÍ Governador do Estado do Piauí: Dr. Francisco de Assis de Moraes Souza Vice- Governador do Estado do Piauí: Dr. Osmar Ribeiro de Almeida Júnior Secretário

Leia mais

Utilização sustentável dos recursos naturais

Utilização sustentável dos recursos naturais Utilização sustentável dos recursos naturais O conceito de desenvolvimento sustentável, segundo a declaração da Conferência da ONU sobre o Meio Ambiente e desenvolvimento do Rio de Janeiro, em 1992, diz

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE LEI Nº 354/2014 Dispõe sobre a Política Municipal de Saneamento Básico, cria o Conselho Municipal de Saneamento Básico e o Fundo Municipal de Saneamento de Básico, e dá outras providências. A Prefeita

Leia mais

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625

A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE. Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 A EMPRESA COMO MODELO DE SUSTENTABILIDADE Barbara Augusta PAULETO¹ RGM 071257 Fabiane Aparecida RODRIGUES¹ RGM 072625 Renato Francisco Saldanha SILVA² Ailton EUGENIO 3 Resumo Muitas empresas mostram ser

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

ROTEIRO DE ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO Ensino Médio. Professor: ANTÔNIO CARLOS Disciplina: Geografia Série: 2ª

ROTEIRO DE ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO Ensino Médio. Professor: ANTÔNIO CARLOS Disciplina: Geografia Série: 2ª ROTEIRO DE ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO Ensino Médio Professor: ANTÔNIO CARLOS Disciplina: Geografia Série: 2ª Conceitos e conteúdos enfocados: Desenvolvimento e Sustentabilidade; Economia Verde;

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Carlos Henrique R. Tomé Silva 1 Durante dez dias, entre 13 e 22 de julho de

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL.

DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. DISCIPLINA: SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL AULA 01 => HISTÓRICO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. PROBLEMÁTICA: REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E INTENSIFICAÇÃO DAS ATIVIDADES ANTRÓPICAS LINHA DO TEMPO:

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar Introdução EDSON MANOEL DA SILVA O projeto de Educação Ambiental realizado na Escola Antônio Firmino, rede municipal

Leia mais

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Projeto Nobrecel de Troca de Combustível na Caldeira de Licor Negro (Nobrecel fuel switch in black liquor boiler Project) Introdução: O objetivo deste relatório é o

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA

PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA PRÁTICAS AMBIENTAIS DAS EMPRESAS DO SETOR AUTOMOTIVO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA Solidia Elizabeth dos Santos 1 Co-autores: Prof. Dr. Cleverson V. Andreoli 2 Prof. Dr. Christian L. da Silva 3 RESUMO

Leia mais

Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável

Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável 2 Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável Fevereiro de 2011 1 2 Plataforma por uma Economia Inclusiva, Verde e Responsável 1Apresentação Esta plataforma expressa a visão e os objetivos

Leia mais

TRATADO SOBRE RESÍDUOS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE RESÍDUOS PREÂMBULO [23] TRATADO SOBRE RESÍDUOS PREÂMBULO Considerando que: 1. Os recursos naturais da Terra são limitados e devem ser utilizados de forma responsável, socialmente justa e ambientalmente sustentável. 2. A

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG RECICLAGEM E CIDADANIA: UMA VISÃO SOCIO AMBIENTAL DOS CATADORES DE RESIDUOS SOLIDOS NO MUNICIPIO DE GARANHUNS

Leia mais

PROPRIEDADE REGISTRADA. Mundo Insustentável. Desenvolvimento Sustentável

PROPRIEDADE REGISTRADA. Mundo Insustentável. Desenvolvimento Sustentável Mundo Insustentável x Desenvolvimento Sustentável Resumo da Insustentabilidade no Mundo Contemporâneo 50% dos 6,1 bilhões de habitantes do planeta vivem com menos de US$2 por dia e um terço está abaixo

Leia mais

O organizador. Thesaurus Editora 2008. Revisão: Fundação Alexandre Gusmão - FUNAG

O organizador. Thesaurus Editora 2008. Revisão: Fundação Alexandre Gusmão - FUNAG Thesaurus Editora 2008 O organizador Amado Luiz Cervo Professor emérito da Universidade de Brasília e Pesquisador Sênior do CNPq. Atua na área de relações internacionais e política exterior do Brasil,

Leia mais

X Encontro de Extensão

X Encontro de Extensão 5CCADCFSPEX01 Construindo novas relações: Projeto de Educação Ambiental com estudantes de ensino público na cidade de Areia - PB Jaciara Bomfim dos Santos (1); Thiago Bernardino de Sousa Castro (2); Josilene

Leia mais

Relatório PIBIC Aluno: Guilherme de França Teixeira Prof. Orientadora: Andrea Ribeiro Hoffmann. Meio Ambiente no Mercosul

Relatório PIBIC Aluno: Guilherme de França Teixeira Prof. Orientadora: Andrea Ribeiro Hoffmann. Meio Ambiente no Mercosul Relatório PIBIC Aluno: Guilherme de França Teixeira Prof. Orientadora: Andrea Ribeiro Hoffmann Meio Ambiente no Mercosul 1 Introdução e Objetivos O Mercado Comum do Cone Sul foi criado em 1992 com a ratificação

Leia mais

3. Mercados Incompletos

3. Mercados Incompletos 3. Mercados Incompletos Externalidades são, na verdade, casos especiais clássicos de mercados incompletos para um patrimônio ambiental. Um requerimento chave para se evitar falhas de mercado é a de que

Leia mais

Agenda Comum para uma Agricultura Sustentável

Agenda Comum para uma Agricultura Sustentável Agenda Comum para uma Agricultura Sustentável Contribuições das Federações de Pequenos Agricultores da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) (Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Escola Básica e Secundária de Velas Ano Lectivo 2010/2011 MATRIZ DA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ao abrigo do Decreto-Lei N.º74/2004, de 26 de Março com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei

Leia mais

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa:

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: NOSSO PLANETA O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: Interações entre atmosfera, terra sólida, oceanos e a biosfera resultaram no desenvolvimento de uma grande e complexa variedade

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

Curso de Desenvolvimento. sustentável.

Curso de Desenvolvimento. sustentável. 50 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 17 Curso de Desenvolvimento Sustentável Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras proferidas sobre

Leia mais

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO

A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO A FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA SOB A ÓTICA DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Bruna Medeiros David de Souza Advogada. Pós-graduanda em Direito Civil pela Faculdade de Direito Milton Campos. A função social da

Leia mais

WWDR4 Resumo histórico

WWDR4 Resumo histórico WWDR4 Resumo histórico Os recursos hídricos do planeta estão sob pressão do crescimento rápido das demandas por água e das mudanças climáticas, diz novo Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento

Leia mais

Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental. 1. Evolução do movimento ambientalista. Décadas de 60 e 70. Década de 80.

Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental. 1. Evolução do movimento ambientalista. Décadas de 60 e 70. Década de 80. Módulo 2 Panorama mundial da questão ambiental 1. Evolução do movimento ambientalista Durante os últimos 30 anos tem se tornado crescente a preocupação da sociedade com a subsistência, mais precisamente

Leia mais

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar

Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar GEOGRAFIA 1ª Série Meio Ambiente Global Conteúdo Complementar http://karlacunha.com.br/tag/charges Geografia - 1ª Série Prof. Márcio Luiz Conferência do Clube de Roma Considero que um dos documentos mais

Leia mais

GESTÃO NO SERVIÇO PÚBLICO

GESTÃO NO SERVIÇO PÚBLICO GESTÃO NO SERVIÇO PÚBLICO Susan Dignart Gestora Governamental - MT Cuiabá MT, dezembro de 2008 GESTÃO o que é? Muitas interpretações... Gestão = Administração: organizar os meios para atingir fins; Políticas

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Fixa normas para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas

Leia mais