(Ex. vice-presidente do Conselho Executivo) Como se constitui este Agrupamento, como surgiu. Porque surgiu?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "(Ex. vice-presidente do Conselho Executivo) Como se constitui este Agrupamento, como surgiu. Porque surgiu?"

Transcrição

1 Protocolo da entrevista Professora Cristina EC (Ex. vice-presidente do Conselho Executivo) Como se constitui este Agrupamento, como surgiu. Porque surgiu? Os Agrupamentos horizontais apareceram com a possível do decreto-lei 115- A/98 ah a politica era na altura de agrupar as escolas a portanto e assim surgiram os Agrupamentos. Os Agrupamentos de Mirandela surgiram no Nordeste Transmontano e em todo o país, em Mirandela foi assim: surgiram em Mirandela 2 Agrupamentos horizontais e isto porque na altura portanto as EB2 não aceitaram muito bem ficarem com o 1º ciclo e com o pré-escolar a não terem condições nem físicas nem estruturais pelo menos na altura pensavam que não tinham e portanto houve bastantes motivações politicas para que não ficassem com o 1º ciclo e com o pré-escolar então houve a necessidade de se formar os Agrupamentos horizontais em Mirandela constituíram-se 2 Agrupamentos horizontais que funcionou logo no inicio portanto na antiga delegação escolar era lá que funcionavam os 2 Agrupamentos foi uma situação dramática porque foram formados os Agrupamentos sem o mínimo de infra-estruturas com quase nenhum apoio tanto a nível do CAE, a DREN como a nível governamental era preciso formar os Agrupamentos era assim era uma coisa muito á pressa e portanto as pessoas realmente tiveram que trabalhar muito para desenvolver aquilo o computador inteligente. Que papel teve aqui a autarquia? A autarquia também teve um papel fundamental pois foi portanto por um lado era a autarquia com algum interesse da formação dos Agrupamentos e por outro lado portanto a DREN que neste caso era o CAE, houve imensas reuniões prévias para estabelecer a divisão geográfica dos Agrupamentos a e houve também interesse da autarquia neste projecto. O Agrupamento foi iniciativa dos professores ou também houve interesses entre professores, pais e autarcas? 1

2 Houve interesses penso que de todo, os pais não me parece que houvesse muito interesse até porque os pais não estavam muito sensibilizados para este género de estruturas logo no início a havia mais interesses a nível das autarquias e a nível governamental. Houve razões geográficas na constituição do Agrupamento? Constituições geográficas penso que não porque todo o país foi abrangido por estas medidas do regulamento foram constituídos Agrupamentos horizontais em Bragança, Agrupamentos horizontais em Macedo, Agrupamentos horizontais em Mirandela, portanto foi essa quer dizer não é especificamente, foi só constituído em Mirandela não todo o Nordeste a nível do país foi formado os Agrupamentos, não teve razões geográficas por exemplo se quiser perguntar se só queria fazer um Agrupamento e esse Agrupamento fosse só o de Mirandela aí sim, tinha sentido essa questão assim eu penso que não. Na sua opinião quais as razões que justificam a constituição do Agrupamento? Portanto é aquilo que eu já referi realmente por questões políticas na altura era o agrupar escolas e penso que basicamente seria isso e a nível da autarquia política, razões económicas penso que é isso. Houve conflitos de interesses na constituição do Agrupamento? Se houve como se manifestaram? Conflitos de interesses eu também já referi aí com as EB2, porque as EB2 recusavam hoje em dia faz sentido é o que se está a ver é portanto os Agrupamentos verticais têm desde o pré-escolar até ao 2º ciclo e até ao secundário e portanto na altura houve interesses aí, que não aceitavam de maneira nenhuma ficar com o 1º ciclo e com o pré-escolar e daí a formação dos Agrupamentos horizontais. 2

3 Quem liderou a constituição do Agrupamento? A constituição dos Agrupamentos foram liderados portanto pelo CAE não é pela representação da DREN pelas autarquias que contactaram uma lista de professores na altura e arrancaram com esse projecto. Qual a sua opinião acerca da articulação entre professores dos diferentes níveis de ensino? Ora bem, o Agrupamento iniciou-se, surgiu portanto, com as eleições formaramse os órgãos houve portanto o projecto educativo do Agrupamento fez-se o regulamento interno do Agrupamento e só conforme estava previsto no 115-A /98 e aí sim, começou a funcionar o Agrupamento. Depois a nível de articulação entre os vários níveis de ensino portanto havia conselho pedagógico havia o grupo de coordenação de docentes mas penso que essa articulação entre os diversos níveis não se fez porque logo no inicio e as pessoas não se sentiam bem como lidar com essa articulação que esta previsto na lei mas essa articulação nunca se fez, mas não se fez na altura e pela minha experiência também não se fez nem nos Agrupamentos horizontais nem nos verticais pelo que é muito mau no meu ver e essa articulação é que trás benefícios realmente para o ensino quanto a mim. A sua opinião acerca da articulação entre escolas? A articulação entre ciclos eram feitas portanto pelas reuniões do conselho de docentes eram lá discutidos todos os problemas da escola também uma coisa boa que as nossas escolas tinham e nisso temos que lembrar por exemplo que a câmara municipal nesse aspecto apetrechou as escolas pelo menos no nosso Agrupamento com telefone e as colegas contactavam-se umas com as outras quando havia algum problema ou telefonavam para o conselho executivo ou punham os seus problemas nas reuniões mensais do conselho de docentes essa articulação de alguma forma era feita e depois ajudavam muito o facto de as escolas terem telefone ajudou muito pois não havia aquele isolamento que havia antigamente. 3

4 Qual a sua opinião acerca da forma da gestão do Agrupamento face às escolas que integra? Ora bem, a gestão do Agrupamento foi um dos grandes problemas no inicio dos Agrupamentos porque os Agrupamentos conforme eu lhe disse portanto o projecto foi para avante mas sem o mínimo de estruturas principalmente físicas e de recursos humanos e portanto eram os próprios elementos do conselho executivo que tinham que desempenhar funções administrativas digamos tinham a parte pedagógica mas também a parte administrativa e quer dizer não sabiam nada disso e portanto realmente foi um dos grandes problemas dos Agrupamentos. Tanto que funcionaram no aspecto físico não havia instalações para funcionar esses Agrupamentos tanto que funcionavam nas antigas instalações delegações lá os 2 Agrupamentos que foram constituídos em Mirandela pois isso era um drama não havia instalações não havia recursos humanos principalmente não havia funcionários administrativos e portanto se bem que na altura portanto a parte de vencimentos a parte financeira ainda não fossem processados nos Agrupamentos ainda era no antigo CAE que faziam isso, isso levantou muitos, muitos, problemas no inicio do Agrupamento. Que vantagens? Bom, pois o funcionamento do Agrupamento, a ter outras condições e principalmente o Agrupamento depois teve portanto autonomia não só pedagógica mas também financeira e como administrativa e aí já realmente tinha muitas vantagens, quer dizer teve um Agrupamento próprio que era dado ao Agrupamento e que era mediante as escolas e os jardins que tinham era dado uma verba ao Agrupamento que administrava conforme a necessidade das escolas e toda essa autonomia toda essa atitude já era feita pelo próprio Agrupamento quer dizer se era preciso contratar um funcionário administrativo pois o Agrupamento tinha toda a autonomia para o fazer. A partir do momento que teve autonomia financeira e administrativa para o fazer deste aspecto só foram vantagens muito mais vantagens do que inconvenientes quer dizer inconvenientes nessa perspectiva não houve nenhum quer dizer agora se me pergunta inconvenientes as verbas que eram dadas mediante a gestão financeira que era dada não era muito era muito pouco e era preciso fazer uma certa ginástica realmente para contemplar os jardins e as escolas do 1º ciclo. 4

5 Na altura as verbas que eram dadas ao Agrupamento realmente eram muito poucas por exemplo para comprar um computador, um fotocopiador na altura com a verba que era dada pela gestão financeira não chegava quer dizer e foram momentos realmente muito dramáticos. Inconvenientes? Inconvenientes quer dizer, os inconvenientes na gestão quer dizer, só foi realmente tudo isso que houve, antes realmente dos agrupamentos terem essa autonomia, a partir do momento que tiveram que apesar dos recursos financeiros não serem muitos tornou-se tudo mais viável. geográfica? Como se estabelece a comunicação entre as escolas atendendo à distancia Eu penso que já falei sobre isso, essencialmente as escolas têm, são mais unidas, com o telefone quando acontece algum problema, comunicam para o Agrupamento, tem a ver com questões da câmara o Agrupamento comunica para a câmara quer dizer e portanto o assunto é resolvido ou então o professor comunica logo para a câmara porque sempre houve reuniões do Agrupamento do conselho executivo com a câmara a no sentido de haver uma colaboração muito estreita relativamente aos problemas do 1º ciclo e do pré-escolar. O que acha da forma como os professores se integram na administração e gestão do Agrupamento há mais envolvimento ou menos? Eu penso que á mais envolvimento porque os professores integram-se muito bem, até porque havia o projecto educativo comum não é comum ao Agrupamento e automaticamente esse envolvimento tem de ser maior na forma das estruturas do actual do Agrupamento mas depois toda a actividade curricular da escola. organização? Pensa que os professores têm mais apoio no actual modelo de gestão e 5

6 Eu penso que sim, que têm mais apoio, têm mais, conclui-se pois quando se formaram os Agrupamentos de alguma forma as escolas não ficaram tão isoladas e os professores tiveram que encarar a mudança sei que isso na nossa classe é um bocado não é bem aceite essa mudança mas foi a houve necessidade de encarar essa mudança de encarar essa nova realidade e portanto os professores participaram tanto no conselho de docentes como no conselho pedagógico como no projecto educativo penso que sim que se envolveram bastante. professores? A implementação do novo modelo de gestão teve efeitos na relação entre Sim, portanto se houve maior envolvimento entre os professores portanto isso reflecte-se na relação entre professores na troca de ideias. Considera que houve melhorias no processo educativo? Penso que sim quer dizer eu acho que havendo maior envolvimento dos professores surgem outras ideias mas agora a nível de funcionamento a nível de escola não sei se isso resultou muito bem, quer dizer mas deveria ter resultado. Pensa que a implementação do Agrupamento teve reflexos na relação entre escola e a comunidade? Penso que sim até porque por exemplo a nível dos pais, os pais também estavam, como estava previsto no 115-A/98 também estavam representados nos seguintes órgãos, do agrupamento portanto e esses representantes dos pais nos órgãos do agrupamento levavam para a sua comunidade a portanto todas as alterações ou todas as ideias que eram discutidas do projecto educativo. Considera que houve condições para proporcionar a participação de todos os intervenientes no processo educativo? Houve quer dizer condições no inicio não, não houve condições nenhumas, as pessoas é que foram para a frente com esse projecto dos Agrupamentos a vestiram a 6

7 camisola pode-se dizer mesmo no inicio foi um projecto muito difícil também não havia assim muitos onde pudéssemos ir buscar imagens de referencia portanto no inicio não foi nada fácil. Quais foram as mudanças realizadas face á anterior forma organizativa, em não Agrupamento? Quais foram as mudanças realizadas, face à anterior forma organizativa em não Agrupamento quer dizer a mudança foi portanto enquanto por exemplo com os projectos Agrupamentos houve os Agrupamentos, passaram a ter uma gestão pedagógica que abrangia todas as escolas, o projecto educativo comum uma gestão financeira e portanto uma gestão mais significativa as mudanças no fundo foram estas. Globalmente, considera esta nova forma organizativa mais vantajosa ou menos vantajosa do que não Agrupamento? Porquê? Penso que mais vantajosas, se bem que ainda á muito para fazer a nível pedagógico aí os Agrupamentos, e aí é que estão a falhar e na questão pedagógica porque na questão da gestão penso que é fácil, com os recursos humanos penso que é fácil. Principalmente quando se passam a verticais agora na questão pedagógica a nível da articulação entre níveis de ensino que é o grande drama dos Agrupamentos isso não se está a fazer realmente. Como vêem os professores a manutenção do Agrupamento horizontal face aos Agrupamentos verticais? Penso que de uma forma geral é boa, repare até porque justo mais dos Agrupamentos horizontais do que os Agrupamentos verticais porque são mais pequenos é mais que uma família não são tantos docentes e as coisas talvez funcionem melhor eu penso que eles são pela manutenção mas isso penso que não irá ser viável cada manutenção do Agrupamento horizontal este porque os Agrupamentos horizontais não tem sentido nenhum. 7

8 Qual a sua opinião acerca do funcionamento do Agrupamento? Ah isso é uma rasteira e eu como ex. Vice-presidente só tenho a dizer bem quer dizer dentro de muitas limitações dos Agrupamentos horizontais mas penso que funcionou bem. Quais os aspectos que considera menos positivos? Ah menos positivos é na parte pedagógica que é mais de salientar é a parte pedagógica menos positivos também a ver a falta de instalações dos Agrupamentos horizontais, recursos humanos parte financeira mas também essencialmente a parte pedagógica acho que ainda á muito a melhorar. 8

Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos

Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos Entrevista de Estudo E06 Sexo Masculino Profissão - Médico Data 6

Leia mais

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 2

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 2 Sexo Idade Grupo de docência Feminino 40 Inglês (3º ciclo/secundário) Anos de Escola serviço 20 Distrito do Porto A professora, da disciplina de Inglês, disponibilizou-se para conversar comigo sobre o

Leia mais

88 respostas. Resumo. Primeiro Ciclo. Ciclo de escolaridade que frequentas. Se és do 1.º CEB, qual a tua escola? Editar este formulário

88 respostas. Resumo. Primeiro Ciclo. Ciclo de escolaridade que frequentas. Se és do 1.º CEB, qual a tua escola? Editar este formulário 88 respostas Publicar estatísticas luis@aege.pt Editar este formulário Resumo Ciclo de escolaridade que frequentas. 1.º ciclo 36 41% 2.º ciclo 27 31% 3.º ciclo 25 28% Primeiro Ciclo Se és do 1.º CEB, qual

Leia mais

Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates

Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates Respostas dos alunos para perguntas do Ciclo de Debates 1º ano do Ensino Fundamental I O que você gosta de fazer junto com a sua mã e? - Dançar e jogar um jogo de tabuleiro. - Eu gosto de jogar futebol

Leia mais

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Arlindo de Figueiredo Filho. São José dos Campos SP. Agosto de 2011

CENTRO HISTÓRICO EMBRAER. Entrevista: Arlindo de Figueiredo Filho. São José dos Campos SP. Agosto de 2011 CENTRO HISTÓRICO EMBRAER Entrevista: Arlindo de Figueiredo Filho São José dos Campos SP Agosto de 2011 Apresentação e Formação Acadêmica O meu nome é Arlindo de Figueiredo Filho, estou no momento..., completei

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social O tempo e a espera Ministro fala de projetos em andamento e ações do governo para a área educacional Entrevista do ministro publicada na Revista Educação no dia 26 de maio de 2004. Tarso Genro é considerado

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 22

Transcrição de Entrevista n º 22 Transcrição de Entrevista n º 22 E Entrevistador E22 Entrevistado 22 Sexo Masculino Idade 50 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 5

Transcrição de Entrevista nº 5 Transcrição de Entrevista nº 5 E Entrevistador E5 Entrevistado 5 Sexo Feminino Idade 31 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e Telecomunicações E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Transcrição da Entrevista - Entrevistado do grupo amostral constituído por indivíduos com orientação heterossexual 5 (online)

Transcrição da Entrevista - Entrevistado do grupo amostral constituído por indivíduos com orientação heterossexual 5 (online) Transcrição da Entrevista - Entrevistado do grupo amostral constituído por indivíduos com orientação heterossexual 5 (online) [Sexo: homem] Entrevistador: Boa tarde. Entrevistado: olá, boa tarde Entrevistador:

Leia mais

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano

24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano 24 O uso dos manuais de Matemática pelos alunos de 9.º ano Mariana Tavares Colégio Camões, Rio Tinto João Pedro da Ponte Departamento de Educação e Centro de Investigação em Educação Faculdade de Ciências

Leia mais

Mestrado em Ciências da Educação

Mestrado em Ciências da Educação Mestrado em Ciências da Educação Tema : Educação e formação de jovens e adultos pouco escolarizados O Processo de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências na (re) definição de trajectórias

Leia mais

A atratividade da Carreira Docente no Brasil. Fundação Carlos Chagas

A atratividade da Carreira Docente no Brasil. Fundação Carlos Chagas A atratividade da Carreira Docente no Brasil Fundação Carlos Chagas Questões de pesquisa Quais são os fatores relacionados à atratividade das carreiras profissionais? E especificamente da carreira docente?

Leia mais

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Departamento da Educação Pré Escolar Avaliação na educação pré-escolar -Competências -Critérios gerais de avaliação Ano letivo 2013-2014 1 INTRODUÇÃO Para

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA 1 REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA ACTA Nº 26/2006 - DEZEMBRO --- DATA DA REUNIÃO: Sete de Dezembro de dois mil e seis. ------------------------- --- LOCAL DA REUNIÃO: Sala

Leia mais

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI)

Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) Sinopse II. Idosos não institucionalizados (INI) II 1 Indicadores Desqualificação Não poder fazer nada do que preciso, quero fazer as coisas e não posso ; eu senti-me velho com 80 anos. Aí é que eu já

Leia mais

Proc.º C.C. 92/2005 DSJ-CT AVERBAMENTO DE ALTERAÇAO DO NOME DOS PAIS NO ASSENTO DE NASCIMENTO DOS FILHOS PARECER

Proc.º C.C. 92/2005 DSJ-CT AVERBAMENTO DE ALTERAÇAO DO NOME DOS PAIS NO ASSENTO DE NASCIMENTO DOS FILHOS PARECER Proc.º C.C. 92/2005 DSJ-CT AVERBAMENTO DE ALTERAÇAO DO NOME DOS PAIS NO ASSENTO DE NASCIMENTO DOS FILHOS PARECER A Senhora Conservadora do Registo Civil de formula a questão de saber qual o procedimento

Leia mais

Trabalho Final Documento crítico do artigo: LMS em Contexto Escolar: estudo sobre o uso da Moodle pelos docentes de duas escolas do Norte de Portugal

Trabalho Final Documento crítico do artigo: LMS em Contexto Escolar: estudo sobre o uso da Moodle pelos docentes de duas escolas do Norte de Portugal UNIVERSIDADE DE LISBOA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO Trabalho Final Documento crítico do artigo: LMS em Contexto Escolar: estudo sobre o uso da Moodle pelos docentes de duas escolas do Norte de Portugal Autor

Leia mais

Transcrição da entrevista aos Stakeholders realizada no dia 16 de junho de 2014 no âmbito do Mestrado em Educação e Comunicação Multimédia.

Transcrição da entrevista aos Stakeholders realizada no dia 16 de junho de 2014 no âmbito do Mestrado em Educação e Comunicação Multimédia. Transcrição da entrevista aos Stakeholders realizada no dia 16 de junho de 2014 no âmbito do Mestrado em Educação e Comunicação Multimédia. Q1. Na sua opinião, quais são as principais motivações que podem

Leia mais

Ana Maria Bettencourt

Ana Maria Bettencourt 16 17 Entrevista Ana Maria Bettencourt Ana Maria Bettencourt Tendo optado por mudar o mundo através da educação, Ana Maria Bettencourt fala de uma escola onde a responsabilidade pelas aprendizagens está

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

Advocacy Global: Mobilizacao para a reuniao da ONU sobre DCNTs. Cristina Parsons Perez, PhD Directora de Advocacy

Advocacy Global: Mobilizacao para a reuniao da ONU sobre DCNTs. Cristina Parsons Perez, PhD Directora de Advocacy Advocacy Global: Mobilizacao para a reuniao da ONU sobre DCNTs Cristina Parsons Perez, PhD Directora de Advocacy Cenario Global da Mobilizacao das DCNTs O Problema/Oportunidade/Solucoes O Movimento Advocacy

Leia mais

Entrevista 2.21- Vera

Entrevista 2.21- Vera Entrevista 2.21- Vera (Bloco A - Legitimação da entrevista onde se clarificam os objectivos do estudo, se contextualiza a realização do estudo e participação dos sujeitos e se obtém o seu consentimento)

Leia mais

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1

Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Como a comunicação e a educação podem andar de mãos dadas 1 Entrevista com Ricardo de Paiva e Souza. Por Flávia Gomes. 2 Flávia Gomes Você acha importante o uso de meios de comunicação na escola? RICARDO

Leia mais

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS QUE OPORTUNIDADES PÓS-LICENCIATURA ESPERAM? EXPECTATIVAS QUE INQUIETAÇÕES TÊM OS ALUNOS DE DC? MADALENA : M QUAL É A TUA PERSPECTIVA DO MERCADO

Leia mais

- Então, pai, há alguma notícia importante nos jornais? - Nada de especial. Há muitas notícias sobre a política nacional e internacional e algumas

- Então, pai, há alguma notícia importante nos jornais? - Nada de especial. Há muitas notícias sobre a política nacional e internacional e algumas - Então, pai, há alguma notícia importante nos jornais? - Nada de especial. Há muitas notícias sobre a política nacional e internacional e algumas curiosidades. Se quiseres, depois deixo-te ler. - Tu sabes

Leia mais

Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro

Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Questionário: Imagens do (Ensino) Português no Estrangeiro Pretende se com este questionário conhecer a sua opinião sobre o (Ensino do) Português no Estrangeiro. Não existem respostas certas ou erradas.

Leia mais

Direcção Regional de Educação do Centro. Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim. Escola EB 2.3/S Eng. Dionísio Augusto Cunha.

Direcção Regional de Educação do Centro. Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim. Escola EB 2.3/S Eng. Dionísio Augusto Cunha. Direcção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas de Canas de Senhorim Escola EB 2.3/S Eng. Dionísio Augusto Cunha Regulamento Da PAP (Prova de Aptidão Profissional) Cursos Profissionais (Portaria

Leia mais

A Cartografia, o Cadastro e as Infra-estruturas de Informaçã. Rui Pedro Julião Subdirector-Geral do IGP rpj@igeo.pt. Portugal

A Cartografia, o Cadastro e as Infra-estruturas de Informaçã. Rui Pedro Julião Subdirector-Geral do IGP rpj@igeo.pt. Portugal A Cartografia, o Cadastro e as Infra-estruturas de Informaçã ção o Geográfica em Rui Pedro Julião Subdirector-Geral do IGP rpj@igeo.pt Portugal Tópicos Enquadramento Portugal Instituto Geográfico Português

Leia mais

R-47/06 (A4) Dos elementos disponíveis, destacam-se os seguintes aspectos:

R-47/06 (A4) Dos elementos disponíveis, destacam-se os seguintes aspectos: R-47/06 (A4) Assunto: Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública. Regimes especiais de aposentação. Exercício do direito à negociação colectiva e do direito de participação dos trabalhadores da

Leia mais

EDITAL. 5- Os prazos para candidatura, selecção, seriação, matrícula, inscrição e reclamação são os fixados no anexo 1;

EDITAL. 5- Os prazos para candidatura, selecção, seriação, matrícula, inscrição e reclamação são os fixados no anexo 1; EDITAL 1- Faz-se público que está aberto concurso, de 3 de Julho a 19 de Setembro de 2008, para admissão ao Curso de Formação Especializada em Ensino da Língua Estrangeira (Inglês e Francês) na Educação

Leia mais

Transcrição da participante 3 (EXS)

Transcrição da participante 3 (EXS) Transcrição da participante 3 (EXS) Pergunta: Então vamos então começar Não sei se tem mais alguma dúvida que queira colocar relativamente ao trabalho? Alguma coisa? Resposta: Não nada esteja à vontade

Leia mais

Encontro Nacional de Profissionais de Sociologia Vendas Novas 2006 3 de Março. O Estágio como ponte para o emprego

Encontro Nacional de Profissionais de Sociologia Vendas Novas 2006 3 de Março. O Estágio como ponte para o emprego Encontro Nacional de Profissionais de Sociologia Vendas Novas 2006 3 de Março O Estágio como ponte para o emprego Emília Rodrigues Araújo Boa tarde a todos Quero, em primeiro lugar, saudar esta iniciativa

Leia mais

Tema C.2 - Projectos de desenvolvimento

Tema C.2 - Projectos de desenvolvimento Tema C.2 - Projectos de desenvolvimento Origem Unidade de sentido Tema C.2- O Futuro - Projectos de desenvolvimento Tema C.2.1 - O Futuro - Projectos de desenvolvimento - Formação futura 1.14 Ainda não

Leia mais

Colóquio "Desigualdades e Desemprego"

Colóquio Desigualdades e Desemprego Observatório das Desigualdades Colóquio "Desigualdades e Desemprego" Rosário Mauritti (rosario.mautitti@iscte.pt) ISCTE, 11 de Novembro de 2009 A precariedade laboral: uma definição um fenómeno complexo

Leia mais

SÉRGIO LUIZ MESSIAS DA SILVA PESQUISA POR SMS UM NOVO CONCEITO

SÉRGIO LUIZ MESSIAS DA SILVA PESQUISA POR SMS UM NOVO CONCEITO SÉRGIO LUIZ MESSIAS DA SILVA PESQUISA POR SMS UM NOVO CONCEITO Trabalho apresentado no 4º Congresso Brasileiro de Pesquisa Mercado, Opinião e Mídia em 2010. SÃO PAULO MARÇO DE 2010 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...

Leia mais

Na Internet Gramática: atividades

Na Internet Gramática: atividades Na Internet Gramática: atividades Dica: Antes de fazer as atividades abaixo, leia os documentos Modo subjuntivo geral e Presente do subjuntivo, no Banco de Gramática. 1. No trecho a seguir, extraído da

Leia mais

4 A resenha de filme na visão dos usuários do gênero

4 A resenha de filme na visão dos usuários do gênero 4 A resenha de filme na visão dos usuários do gênero Neste capítulo, apresentamos a análise dos dados oriundos do contato estabelecido com leitores, editores e críticos, a fim de conhecermos sua visão

Leia mais

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5)

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA Assim: 9; com ref. às fontes: 12-13 EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Autores: André Sequeira 1º - A1 20110039 João Almeida 1º - A1 20110309

Leia mais

1.º DE MAIO: Trabalhadoras exigem licença de parto de noventa dias

1.º DE MAIO: Trabalhadoras exigem licença de parto de noventa dias 1.º DE MAIO: Trabalhadoras exigem licença de parto de noventa dias Sexta, 01 Maio 2015 00:00 Acessos: 172 O COMITÉ Nacional da Mulher (COMUTRA), da Organização dos Trabalhadores de Moçambique-Central Sindical

Leia mais

Uma das ideias saídas do debate refere se à necessidade de se estabelecerem compromissos sociais locais. Pode explicar nos melhor este conceito?

Uma das ideias saídas do debate refere se à necessidade de se estabelecerem compromissos sociais locais. Pode explicar nos melhor este conceito? Licenciado em História pela Universidade do Porto e Doutorado em Ciências da Educação pela Universidade de Lisboa, Joaquim Azevedo é uma das mais conhecidas e respeitadas personalidades da área da Educação

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SOCIAIS SERVIÇO DE ESTATÍSTICAS DO MERCADO DE TRABALHO

DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E SOCIAIS SERVIÇO DE ESTATÍSTICAS DO MERCADO DE TRABALHO Instrumento de notação do Sistema Estatístico Nacional (Lei n.º /008, de 3 de Maio), de resposta obrigatória. Registado no INE sob o n.º 0000, válido até 3 de Dezembro de 04. DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICAS

Leia mais

A FORMAC AO DE PROFESSORES NO BRASIL: PROBLEMAS E PERSPECTIVAS

A FORMAC AO DE PROFESSORES NO BRASIL: PROBLEMAS E PERSPECTIVAS 1 A FORMAC AO DE PROFESSORES NO BRASIL: PROBLEMAS E PERSPECTIVAS Paini, Leonor Dias * Greco, Eliana Alves ** Amblard, Viviane Maria Lauer Bressan *** RESUMO: Este trabalho objetiva refletir sobre a situacionalidade

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão do PPA. Planos Gerenciais dos Programas do PPA

Programa de Capacitação em Gestão do PPA. Planos Gerenciais dos Programas do PPA Programa de Capacitação em Gestão do PPA Planos Gerenciais dos Programas do PPA 1 Sumário Conceitos Roteiro Sugerido Aspectos Importantes Exercício Validação e Envio do Plano 2 Conceito PLANO GERENCIAL

Leia mais

1- CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS 2- CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS 3- LÍNGUAS E HUMANIDADES 4- ARTES VISUAIS

1- CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS 2- CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS 3- LÍNGUAS E HUMANIDADES 4- ARTES VISUAIS OFERTA DO COLÉGIO (2010/2011) CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS Vocacionados para o prosseguimento de estudos a nível superior. Têm a duração de 3 anos de escolaridade. Conferem um diploma de conclusão do

Leia mais

RIO DE JANEIRO. Edição do Autor. O conteúdo desta obra é de

RIO DE JANEIRO. Edição do Autor. O conteúdo desta obra é de Antônio Carlos ALÉM DO AMOR JANEIRO RIO DE Edição do Autor 2013 O conteúdo desta obra é de responsabilida de do autor. Edição do Autor Impressão e encadernação: Portal PerSe (www.perse.com.br) Uma jovem

Leia mais

EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: NOVOS DESAFIOS À FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOCENTE

EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: NOVOS DESAFIOS À FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOCENTE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: NOVOS DESAFIOS À FORMAÇÃO PROFISSIONAL DOCENTE Resumo HENRIQUES, Cecília Machado - UFSM ceciliamhenriques@yahoo.com.br AIMI, Daniela da Silva UFSM daniaimi@gmail.com FELDKERCHER,

Leia mais

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007

OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA OBSERVAÇÃO E ANÁLISE DA RETENÇÃO NO ENSINO BÁSICO NO ANO LECTIVO DE 2006/2007 RELATÓRIO FINAL ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO

Leia mais

Relatório de Avaliação da Acção de Formação

Relatório de Avaliação da Acção de Formação Relatório de Avaliação da Acção de Formação Este relatório resulta da análise de um questionário online administrado a todos os formandos de forma anónima. O questionário continha questões fechadas, que

Leia mais

Universidades. Já há mais. superioresem Portugal que são dados. de 170 cursos. só em inglês ATUALPÁGS.4ES

Universidades. Já há mais. superioresem Portugal que são dados. de 170 cursos. só em inglês ATUALPÁGS.4ES Universidades Já há mais de 170 cursos superioresem Portugal que são dados só em inglês ATUALPÁGS.4ES Universidades portuguesas já têm mais de 1 70 cursos em inglês Internacionalização. Atrair novos estudantes

Leia mais

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br Alô, alô Quero falar com o Marcelo. Momento. Alô. Quem é? Marcelo. Escuta aqui. Eu só vou falar uma vez. A Adriana é minha. Vê se tira o bico de cima dela. Adriana? Que Adriana? Não se faça de cretino.

Leia mais

Áustria Viena. Foi uma grande surpresa o facto de todos os alunos andarem descalços ou de pantufas.

Áustria Viena. Foi uma grande surpresa o facto de todos os alunos andarem descalços ou de pantufas. Áustria Viena Foi uma grande surpresa o facto de todos os alunos andarem descalços ou de pantufas. Apenas fui assistir a uma aula, que acabou por não ser dada devido à presença dos alunos estrangeiros

Leia mais

Parte 1 Código / Área Temática. Educação Especial

Parte 1 Código / Área Temática. Educação Especial NOME DO CURSO: O Ensino de Língua Portuguesa como segunda língua para estudantes surdos e/ou com deficiência auditiva Nível: Especialização Modalidade: Presencial Parte 1 Código / Área Temática Código

Leia mais

Relatório Final de Actividade. Ano Lectivo 2010/2011

Relatório Final de Actividade. Ano Lectivo 2010/2011 Relatório Final de Actividade Ano Lectivo 2010/2011 A) DESENVOLVIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNAÇÃO: (+) APOIAR_MEDIAÇÃO DE CONFLITOS RESPONSÁVEIS: LICÍNIO PEREIRA E MARTHA FERNANDES LOCAL: ESCOLA EB 2,3 DIOGO

Leia mais

DIA da INTERNET MAIS SEGURA 2012

DIA da INTERNET MAIS SEGURA 2012 AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS ORDEM DE SANT IAGO SETÚBAL PROJETO SEGURA NET DIA da INTERNET MAIS SEGURA 2012 Proposto/dinamizado por: Docentes do Quadro do Agrupamento do grupo 110 Helena Romano e Paula

Leia mais

O dentista que virou dono de restaurante chinês 1

O dentista que virou dono de restaurante chinês 1 O dentista que virou dono de restaurante chinês 1 O cirurgião dentista Robinson Shiba, proprietário da rede China In Box, em 1992 deixava de exercer sua profissão como dentista para inaugurar a primeira

Leia mais

C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES

C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 2º e 3º C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES (401547) ANÁLISE DOS RESULTADOS ESCOLARES MATEMÁTICA 1º Período 2012/2013 Análise efectuada em reunião da Área Disciplinar de Matemática

Leia mais

Entrevista sobre o Programa Clube dos Jornalistas

Entrevista sobre o Programa Clube dos Jornalistas Entrevista sobre o Programa Clube dos Jornalistas Questões 1. Qualidade A - Na sua opinião, o que pode ser considerado qualidade em televisão em referência aos programas de debates? Indique 3 atributos

Leia mais

Crianças e Jovens: A sua relação com as Tecnologias e os Meios de Comunicação

Crianças e Jovens: A sua relação com as Tecnologias e os Meios de Comunicação Crianças e Jovens: A sua relação com as Tecnologias e os Meios de Comunicação O projecto O CIES-ISCTE (Centro de Investigação e Estudos de Sociologia), em colaboração com a PT. COM Comunicações Interactivas,

Leia mais

Disciplina:francês Aulas por semana: 4. 7.º anos

Disciplina:francês Aulas por semana: 4. 7.º anos Disciplina:francês Aulas por semana: 4 7.º anos Competências: competências comunicativas da receção e produção adequadas ao ano de escolaridade (Falar, Escrever, Ler, Ouvir) domínio das ferramentas linguísticas

Leia mais

Manual de Utilização. Monitorização Intercalar (Sistema I-MERITUS)

Manual de Utilização. Monitorização Intercalar (Sistema I-MERITUS) 1. Introdução O processo de monitorização intercalar que ocorre a meio de cada semestre visa fomentar o diálogo entre alunos e docentes com vista à detecção e prevenção de situações que poderão prejudicar

Leia mais

REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO

REGULAMENTO DAS VISITAS DE ESTUDO DGEstE - Direção-Geral de Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Alentejo Agrupamento de Escolas de Moura código n.º 135471 Escola Básica de Moura nº 1 (EB23) código n.º 342294 REGULAMENTO

Leia mais

ESTUDO DE RECEPÇÃO DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES (ISCTE/ERC) A CRIANÇA/ADOLESCENTE DO ESTUDO E A FAMÍLIA

ESTUDO DE RECEPÇÃO DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES (ISCTE/ERC) A CRIANÇA/ADOLESCENTE DO ESTUDO E A FAMÍLIA ESTUDO DE RECEPÇÃO DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PORTUGUESES (ISCTE/ERC) Questionário Pai / Mãe / Encarregado/a de Educação Nota: Não deve escrever o nome e/ou morada em nenhuma das páginas deste questionário

Leia mais

CONTRIBUTOS PARA ELABORAÇÃO E CONCRETIZAÇÃO DE UM PROJECTO DE PESQUISA CIENTÍFICA 1. Marcos Olímpio Gomes dos Santos 2

CONTRIBUTOS PARA ELABORAÇÃO E CONCRETIZAÇÃO DE UM PROJECTO DE PESQUISA CIENTÍFICA 1. Marcos Olímpio Gomes dos Santos 2 CONTRIBUTOS PARA ELABORAÇÃO E CONCRETIZAÇÃO DE UM PROJECTO DE PESQUISA CIENTÍFICA 1 Marcos Olímpio Gomes dos Santos 2 RESUMO O autor sistematiza neste texto alguns contributos para a elaboração de um projecto

Leia mais

gettyimages.pt Guia do site área de Film

gettyimages.pt Guia do site área de Film gettyimages.pt Guia do site área de Film Bem-vindo à área de Film do novo site gettyimages.pt. Decidimos compilar este guia, para o ajudar a tirar o máximo partido da área de Film, agora diferente e melhorada.

Leia mais

CARTA EDUCATIVA DO CONCELHO DE GONDOMAR

CARTA EDUCATIVA DO CONCELHO DE GONDOMAR 2007 MUNICÍPIO DE GONDOMAR CARTA EDUCATIVA DO CONCELHO DE GONDOMAR A Educação no Coração de Gondomar CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR - Pelouro da Educação CARTA EDUCATIVA DO CONCELHO DE GONDOMAR Câmara Municipal

Leia mais

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste LEITURA DA ENTREVISTA 2 E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste trabalho que estou a desenvolver. Como lhe foi explicado inicialmente, esta entrevista está

Leia mais

SISTEMA DE CARREIRAS E REMUNERAÇÃO

SISTEMA DE CARREIRAS E REMUNERAÇÃO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA SISTEMA NACIONAL DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS SISTEMA DE CARREIRAS E REMUNERAÇÃO 1 SISTEMA DE CARREIRAS E REMUNERAÇÃO (SCR) O SCR, aprovado por Decreto

Leia mais

PARECER. Importa, por isso, emiti-lo. Nota prévia

PARECER. Importa, por isso, emiti-lo. Nota prévia PROPOSTA DE DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 6/IX - ALTERAÇÃO AO REGIME DE CRIAÇÃO, AUTONOMIA E GESTÃO DAS UNIDADES ORGÂNICAS DO SISTEMA EDUCATIVO REGIONAL, APROVADO PELO DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

Manual de Identidade Visual da Marca Fiat

Manual de Identidade Visual da Marca Fiat Manual de Identidade Visual da Marca Fiat Conceito A construção de um logo...é Em última instância o reflexo da integração da empresa que simboliza. Seu efeito depende consideravelmente da sua exposição

Leia mais

As leis da economia não mudaram

As leis da economia não mudaram C a d e r n o s L i n k a opinião de... As leis da economia não mudaram O problema é o de conseguir uma coordenação das políticas macro-económicas, tendo em conta também que os mecanismos de interligação

Leia mais

Protocolo da Entrevista a Dinis

Protocolo da Entrevista a Dinis Protocolo da Entrevista a Dinis 1 Então conte-me lá o que lhe aconteceu de importante desde que se licenciou Já lá vão uns anitos! Acabei o curso em Janeiro de 94, o curso de Design de equipamentos da

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013 Julho de 2013 www.mosteiroecavado.net eb23@mosteiroecavado.net Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Durante o ano letivo 2012/2013,

Leia mais

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular ACORDO DE COLABORAÇÃO Programa Atividades de Enriquecimento Curricular Primeiro: Município de Cascais titular do cartão de identificação de pessoa coletivo número 505187531, com sede na Praça 5 de Outubro,

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. MiniDeputados Escola Secundária de Montemor-o-Novo

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. MiniDeputados Escola Secundária de Montemor-o-Novo NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto MiniDeputados Escola Secundária de Montemor-o-Novo Elodie Beco João Martins Patrícia Ramos Patrícia Raposo Dezembro de 2011 1 Dar

Leia mais

Planejar, administrar, desenvolver e implementar banco de dados e sistemas integrados de informacao.

Planejar, administrar, desenvolver e implementar banco de dados e sistemas integrados de informacao. PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 000053 - ENGENHARIA DA COMPUTACAO Nivel: Superior Area Profissional: INFORMATICA Area de Atuacao: BANCO DE DADOS/INFORMATICA Planejar, administrar,

Leia mais

Entrevista a Jean-Pierre Contzen

Entrevista a Jean-Pierre Contzen Entrevista a Jean-Pierre Contzen Investigador em diversos domínios da Ciência, Presidente do Instituto de Estudos Avançados das Nações Unidas, Professor Convidado do Instituto Superior Técnico e Conselheiro

Leia mais

GESTÃO DE MÉTRICAS. Sistema de Gestão de Métricas

GESTÃO DE MÉTRICAS. Sistema de Gestão de Métricas GESTÃO DE MÉTRICAS 2010 Sistema de Gestão de Métricas SUMÁRIO Sumá rio Introduçá o 1 Processos de Nego cios 2 Instáláçá o 3 Operáçá o 4 Mánutençá o 29 Informáço es de contáto 41 INTRODUÇÃO Introduçá o

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede 1. Identificação DEPARTAMENTO: Pré-Escolar PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES - PROPOSTA DE ACTIVIDADES ANO LECTIVO - 2010 / 2011 Coordenador(a):

Leia mais

Ensinar Ciência. Porquê? Como?

Ensinar Ciência. Porquê? Como? Ensinar Ciência Porquê? Como? É incontestável que a Ciência hoje em dia, devido à sua natureza e sobretudo ao seu desenvolvimento, deixou de ser um assunto meramente de cientistas, e diz respeito aos cidadãos

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

Nº2 JUNHO 2002 PAREDES DIVISÓRIAS DE PAINÉIS LEVES

Nº2 JUNHO 2002 PAREDES DIVISÓRIAS DE PAINÉIS LEVES Nº2 JUNHO 2002 PAREDES DIVISÓRIAS DE PAINÉIS LEVES Catarina Aguiar Bentes A monografia apresentada foi realizada no âmbito da cadeira de Tecnologias da Construção de Edifícios do 11º Mestrado em Construção

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

Agrupamento de Escolas Alves Redol. Gabinete Do Aluno. Regulamento

Agrupamento de Escolas Alves Redol. Gabinete Do Aluno. Regulamento Gabinete Do Aluno Regulamento 2012-2013 Preâmbulo A disciplina, entendida como a interiorização de um conjunto de regras básicas do saber - estar e ser -, merece particular atenção por parte de todos os

Leia mais

RELAÇÃO DA ESCOLA COM A AULA DE MÚSICA: TRÊS ESTUDOS DE CASO EM ESCOLAS DE PORTO ALEGRE - RS E SALVADOR - BA

RELAÇÃO DA ESCOLA COM A AULA DE MÚSICA: TRÊS ESTUDOS DE CASO EM ESCOLAS DE PORTO ALEGRE - RS E SALVADOR - BA RELAÇÃO DA ESCOLA COM A AULA DE MÚSICA: TRÊS ESTUDOS DE CASO EM ESCOLAS DE PORTO ALEGRE - RS E SALVADOR - BA por Jusamara Souza, Liane Hentschke, e Alda de Oliveira Resumo Este projeto teve como objetivo

Leia mais

Temas de Tese 2015-2016

Temas de Tese 2015-2016 Temas de Tese 2015-2016 Os temas de tese aqui apresentados serão orientados por mim, Prof. Paulo Ferreira (alguns com co-orientação de outros docentes) Existem outros temas de tese nas quais sou co-orientador

Leia mais

Plano de Marketing de IV (Ivo Vieira) como independente para presidente da Junta de freguesia da Lapa

Plano de Marketing de IV (Ivo Vieira) como independente para presidente da Junta de freguesia da Lapa Escola Superior de Gestão de Santarém Marketing I Plano de Marketing de IV (Ivo Vieira) como independente para presidente da Junta de freguesia da Lapa Docente: Dr. Vitor Antunes Discente: Ivo Vieira nº

Leia mais

Grandes Opções do Plano 2011-2014

Grandes Opções do Plano 2011-2014 Grandes Opções do Plano 2011-2014 Plano Plurianual de Investimentos 2011-2014 Apesar da apresentação efectuada pelo Grupo Águas de Portugal no segundo semestre de 2009 das possibilidades de constituição

Leia mais

2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES. Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES

2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES. Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES , 0 2013/2014 Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES PLANO DE ATIVIDADES O AGRUPAMENTO... 3 IDENTIFICAÇÃO E CARATERIZAÇÃO DAS ESCOLAS... 3 Freguesia de Gulpilhares / Valadares... 3 Freguesia

Leia mais

O processo de planejamento participativo da unidade escolar

O processo de planejamento participativo da unidade escolar O processo de planejamento participativo da unidade escolar Pedro GANZELI 1 Resumo: Nos últimos anos, com o avanço das políticas educacionais que postulam a descentralização, a gestão da unidade escolar

Leia mais

NÃO ESCOLARIZEM A EXPRESSÃO DRAMÁTICA! UMA REFLEXÃO SOBRE A VIVÊNCIA DESTA FORMA DE EXPRESSÃO ENQUANTO ACTIVIDADE AUTÊNTICA

NÃO ESCOLARIZEM A EXPRESSÃO DRAMÁTICA! UMA REFLEXÃO SOBRE A VIVÊNCIA DESTA FORMA DE EXPRESSÃO ENQUANTO ACTIVIDADE AUTÊNTICA França, A., & Brazão, P. (2009). Não escolarizem a Expressão Dramática! - uma reflexão sobre a vivência desta forma de expressão enquanto actividade autêntica. In L. Rodrigues, & P. Brazão (org), Políticas

Leia mais

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil

Exercícios de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil Sugestão: estes exercícios devem ser feitos depois de estudar a Unidade 5 por completo do livrotexto Muito Prazer Unidade 5 I Querer + verbo Achar + que Eu quero Eu acho Você/ ele/ ela quer Você/ ele/

Leia mais

Master Leon 2005. Pepu Hernadez (Ex- Estudiantes) Mário Pesquera (Seleccionador nacional) Ricard Casas (Pamesa Valência) Mais defesa.

Master Leon 2005. Pepu Hernadez (Ex- Estudiantes) Mário Pesquera (Seleccionador nacional) Ricard Casas (Pamesa Valência) Mais defesa. Pepu Hernadez (Ex- Estudiantes) Mário Pesquera (Seleccionador nacional) Ricard Casas (Pamesa Valência) Mais defesa. Mário Silva 1 Filosofia: No basquetebol moderno não faz sentido defender da mesma forma

Leia mais

Ano Letivo 2011/2012. Ata de Reunião nº 3. Aos quinze dias do mês de novembro de dois mil e onze, reuniu o Grupo de

Ano Letivo 2011/2012. Ata de Reunião nº 3. Aos quinze dias do mês de novembro de dois mil e onze, reuniu o Grupo de Ano Letivo 2011/2012 Ata de Reunião nº 3 Aos quinze dias do mês de novembro de dois mil e onze, reuniu o Grupo de Trabalho da Rede Concelhia de Bibliotecas Escolares, pelas catorze horas, no auditório

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

Enquadramento legal da participação dos Pais na Escola

Enquadramento legal da participação dos Pais na Escola Enquadramento legal da participação dos Pais na Escola (In, http://www.casadoprofessor.pt/ver.php?fich=enqlegal Dezembro de 2004) 1. O enquadramento legal sobre o envolvimento dos pais na vida da escola,

Leia mais

Cadernos d. Introdução

Cadernos d. Introdução R E C E N S Ã O C R Í T I C A D O L I V R O : A P R E N D E R F O R A D A E S C O L A P E R C U R S O S D E F O R M A Ç Ã O E X P E R I E N C I A L CÁRMEN CAVACO Introdução Foi de facto uma boa descoberta

Leia mais

Articulação entre níveis escolares

Articulação entre níveis escolares 1 A Articulação entre níveis escolares Nota introdutória: A articulação entre níveis escolares, ou a sua falta, tem sido identificada como uma das variáveis organizacionais que condicionam o sucesso escolar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FÓRUM DE COORDENADORES DE GRADUAÇÃO Sugestões e Críticas ao SIE em 4 de abril de 2012

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FÓRUM DE COORDENADORES DE GRADUAÇÃO Sugestões e Críticas ao SIE em 4 de abril de 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ FÓRUM DE COORDENADORES DE GRADUAÇÃO Sugestões e Críticas ao SIE em 4 de abril de 2012 01 Para ajuste de matrícula de um aluno é necessário abrir uma janela de busca, então

Leia mais