(Ex. vice-presidente do Conselho Executivo) Como se constitui este Agrupamento, como surgiu. Porque surgiu?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "(Ex. vice-presidente do Conselho Executivo) Como se constitui este Agrupamento, como surgiu. Porque surgiu?"

Transcrição

1 Protocolo da entrevista Professora Cristina EC (Ex. vice-presidente do Conselho Executivo) Como se constitui este Agrupamento, como surgiu. Porque surgiu? Os Agrupamentos horizontais apareceram com a possível do decreto-lei 115- A/98 ah a politica era na altura de agrupar as escolas a portanto e assim surgiram os Agrupamentos. Os Agrupamentos de Mirandela surgiram no Nordeste Transmontano e em todo o país, em Mirandela foi assim: surgiram em Mirandela 2 Agrupamentos horizontais e isto porque na altura portanto as EB2 não aceitaram muito bem ficarem com o 1º ciclo e com o pré-escolar a não terem condições nem físicas nem estruturais pelo menos na altura pensavam que não tinham e portanto houve bastantes motivações politicas para que não ficassem com o 1º ciclo e com o pré-escolar então houve a necessidade de se formar os Agrupamentos horizontais em Mirandela constituíram-se 2 Agrupamentos horizontais que funcionou logo no inicio portanto na antiga delegação escolar era lá que funcionavam os 2 Agrupamentos foi uma situação dramática porque foram formados os Agrupamentos sem o mínimo de infra-estruturas com quase nenhum apoio tanto a nível do CAE, a DREN como a nível governamental era preciso formar os Agrupamentos era assim era uma coisa muito á pressa e portanto as pessoas realmente tiveram que trabalhar muito para desenvolver aquilo o computador inteligente. Que papel teve aqui a autarquia? A autarquia também teve um papel fundamental pois foi portanto por um lado era a autarquia com algum interesse da formação dos Agrupamentos e por outro lado portanto a DREN que neste caso era o CAE, houve imensas reuniões prévias para estabelecer a divisão geográfica dos Agrupamentos a e houve também interesse da autarquia neste projecto. O Agrupamento foi iniciativa dos professores ou também houve interesses entre professores, pais e autarcas? 1

2 Houve interesses penso que de todo, os pais não me parece que houvesse muito interesse até porque os pais não estavam muito sensibilizados para este género de estruturas logo no início a havia mais interesses a nível das autarquias e a nível governamental. Houve razões geográficas na constituição do Agrupamento? Constituições geográficas penso que não porque todo o país foi abrangido por estas medidas do regulamento foram constituídos Agrupamentos horizontais em Bragança, Agrupamentos horizontais em Macedo, Agrupamentos horizontais em Mirandela, portanto foi essa quer dizer não é especificamente, foi só constituído em Mirandela não todo o Nordeste a nível do país foi formado os Agrupamentos, não teve razões geográficas por exemplo se quiser perguntar se só queria fazer um Agrupamento e esse Agrupamento fosse só o de Mirandela aí sim, tinha sentido essa questão assim eu penso que não. Na sua opinião quais as razões que justificam a constituição do Agrupamento? Portanto é aquilo que eu já referi realmente por questões políticas na altura era o agrupar escolas e penso que basicamente seria isso e a nível da autarquia política, razões económicas penso que é isso. Houve conflitos de interesses na constituição do Agrupamento? Se houve como se manifestaram? Conflitos de interesses eu também já referi aí com as EB2, porque as EB2 recusavam hoje em dia faz sentido é o que se está a ver é portanto os Agrupamentos verticais têm desde o pré-escolar até ao 2º ciclo e até ao secundário e portanto na altura houve interesses aí, que não aceitavam de maneira nenhuma ficar com o 1º ciclo e com o pré-escolar e daí a formação dos Agrupamentos horizontais. 2

3 Quem liderou a constituição do Agrupamento? A constituição dos Agrupamentos foram liderados portanto pelo CAE não é pela representação da DREN pelas autarquias que contactaram uma lista de professores na altura e arrancaram com esse projecto. Qual a sua opinião acerca da articulação entre professores dos diferentes níveis de ensino? Ora bem, o Agrupamento iniciou-se, surgiu portanto, com as eleições formaramse os órgãos houve portanto o projecto educativo do Agrupamento fez-se o regulamento interno do Agrupamento e só conforme estava previsto no 115-A /98 e aí sim, começou a funcionar o Agrupamento. Depois a nível de articulação entre os vários níveis de ensino portanto havia conselho pedagógico havia o grupo de coordenação de docentes mas penso que essa articulação entre os diversos níveis não se fez porque logo no inicio e as pessoas não se sentiam bem como lidar com essa articulação que esta previsto na lei mas essa articulação nunca se fez, mas não se fez na altura e pela minha experiência também não se fez nem nos Agrupamentos horizontais nem nos verticais pelo que é muito mau no meu ver e essa articulação é que trás benefícios realmente para o ensino quanto a mim. A sua opinião acerca da articulação entre escolas? A articulação entre ciclos eram feitas portanto pelas reuniões do conselho de docentes eram lá discutidos todos os problemas da escola também uma coisa boa que as nossas escolas tinham e nisso temos que lembrar por exemplo que a câmara municipal nesse aspecto apetrechou as escolas pelo menos no nosso Agrupamento com telefone e as colegas contactavam-se umas com as outras quando havia algum problema ou telefonavam para o conselho executivo ou punham os seus problemas nas reuniões mensais do conselho de docentes essa articulação de alguma forma era feita e depois ajudavam muito o facto de as escolas terem telefone ajudou muito pois não havia aquele isolamento que havia antigamente. 3

4 Qual a sua opinião acerca da forma da gestão do Agrupamento face às escolas que integra? Ora bem, a gestão do Agrupamento foi um dos grandes problemas no inicio dos Agrupamentos porque os Agrupamentos conforme eu lhe disse portanto o projecto foi para avante mas sem o mínimo de estruturas principalmente físicas e de recursos humanos e portanto eram os próprios elementos do conselho executivo que tinham que desempenhar funções administrativas digamos tinham a parte pedagógica mas também a parte administrativa e quer dizer não sabiam nada disso e portanto realmente foi um dos grandes problemas dos Agrupamentos. Tanto que funcionaram no aspecto físico não havia instalações para funcionar esses Agrupamentos tanto que funcionavam nas antigas instalações delegações lá os 2 Agrupamentos que foram constituídos em Mirandela pois isso era um drama não havia instalações não havia recursos humanos principalmente não havia funcionários administrativos e portanto se bem que na altura portanto a parte de vencimentos a parte financeira ainda não fossem processados nos Agrupamentos ainda era no antigo CAE que faziam isso, isso levantou muitos, muitos, problemas no inicio do Agrupamento. Que vantagens? Bom, pois o funcionamento do Agrupamento, a ter outras condições e principalmente o Agrupamento depois teve portanto autonomia não só pedagógica mas também financeira e como administrativa e aí já realmente tinha muitas vantagens, quer dizer teve um Agrupamento próprio que era dado ao Agrupamento e que era mediante as escolas e os jardins que tinham era dado uma verba ao Agrupamento que administrava conforme a necessidade das escolas e toda essa autonomia toda essa atitude já era feita pelo próprio Agrupamento quer dizer se era preciso contratar um funcionário administrativo pois o Agrupamento tinha toda a autonomia para o fazer. A partir do momento que teve autonomia financeira e administrativa para o fazer deste aspecto só foram vantagens muito mais vantagens do que inconvenientes quer dizer inconvenientes nessa perspectiva não houve nenhum quer dizer agora se me pergunta inconvenientes as verbas que eram dadas mediante a gestão financeira que era dada não era muito era muito pouco e era preciso fazer uma certa ginástica realmente para contemplar os jardins e as escolas do 1º ciclo. 4

5 Na altura as verbas que eram dadas ao Agrupamento realmente eram muito poucas por exemplo para comprar um computador, um fotocopiador na altura com a verba que era dada pela gestão financeira não chegava quer dizer e foram momentos realmente muito dramáticos. Inconvenientes? Inconvenientes quer dizer, os inconvenientes na gestão quer dizer, só foi realmente tudo isso que houve, antes realmente dos agrupamentos terem essa autonomia, a partir do momento que tiveram que apesar dos recursos financeiros não serem muitos tornou-se tudo mais viável. geográfica? Como se estabelece a comunicação entre as escolas atendendo à distancia Eu penso que já falei sobre isso, essencialmente as escolas têm, são mais unidas, com o telefone quando acontece algum problema, comunicam para o Agrupamento, tem a ver com questões da câmara o Agrupamento comunica para a câmara quer dizer e portanto o assunto é resolvido ou então o professor comunica logo para a câmara porque sempre houve reuniões do Agrupamento do conselho executivo com a câmara a no sentido de haver uma colaboração muito estreita relativamente aos problemas do 1º ciclo e do pré-escolar. O que acha da forma como os professores se integram na administração e gestão do Agrupamento há mais envolvimento ou menos? Eu penso que á mais envolvimento porque os professores integram-se muito bem, até porque havia o projecto educativo comum não é comum ao Agrupamento e automaticamente esse envolvimento tem de ser maior na forma das estruturas do actual do Agrupamento mas depois toda a actividade curricular da escola. organização? Pensa que os professores têm mais apoio no actual modelo de gestão e 5

6 Eu penso que sim, que têm mais apoio, têm mais, conclui-se pois quando se formaram os Agrupamentos de alguma forma as escolas não ficaram tão isoladas e os professores tiveram que encarar a mudança sei que isso na nossa classe é um bocado não é bem aceite essa mudança mas foi a houve necessidade de encarar essa mudança de encarar essa nova realidade e portanto os professores participaram tanto no conselho de docentes como no conselho pedagógico como no projecto educativo penso que sim que se envolveram bastante. professores? A implementação do novo modelo de gestão teve efeitos na relação entre Sim, portanto se houve maior envolvimento entre os professores portanto isso reflecte-se na relação entre professores na troca de ideias. Considera que houve melhorias no processo educativo? Penso que sim quer dizer eu acho que havendo maior envolvimento dos professores surgem outras ideias mas agora a nível de funcionamento a nível de escola não sei se isso resultou muito bem, quer dizer mas deveria ter resultado. Pensa que a implementação do Agrupamento teve reflexos na relação entre escola e a comunidade? Penso que sim até porque por exemplo a nível dos pais, os pais também estavam, como estava previsto no 115-A/98 também estavam representados nos seguintes órgãos, do agrupamento portanto e esses representantes dos pais nos órgãos do agrupamento levavam para a sua comunidade a portanto todas as alterações ou todas as ideias que eram discutidas do projecto educativo. Considera que houve condições para proporcionar a participação de todos os intervenientes no processo educativo? Houve quer dizer condições no inicio não, não houve condições nenhumas, as pessoas é que foram para a frente com esse projecto dos Agrupamentos a vestiram a 6

7 camisola pode-se dizer mesmo no inicio foi um projecto muito difícil também não havia assim muitos onde pudéssemos ir buscar imagens de referencia portanto no inicio não foi nada fácil. Quais foram as mudanças realizadas face á anterior forma organizativa, em não Agrupamento? Quais foram as mudanças realizadas, face à anterior forma organizativa em não Agrupamento quer dizer a mudança foi portanto enquanto por exemplo com os projectos Agrupamentos houve os Agrupamentos, passaram a ter uma gestão pedagógica que abrangia todas as escolas, o projecto educativo comum uma gestão financeira e portanto uma gestão mais significativa as mudanças no fundo foram estas. Globalmente, considera esta nova forma organizativa mais vantajosa ou menos vantajosa do que não Agrupamento? Porquê? Penso que mais vantajosas, se bem que ainda á muito para fazer a nível pedagógico aí os Agrupamentos, e aí é que estão a falhar e na questão pedagógica porque na questão da gestão penso que é fácil, com os recursos humanos penso que é fácil. Principalmente quando se passam a verticais agora na questão pedagógica a nível da articulação entre níveis de ensino que é o grande drama dos Agrupamentos isso não se está a fazer realmente. Como vêem os professores a manutenção do Agrupamento horizontal face aos Agrupamentos verticais? Penso que de uma forma geral é boa, repare até porque justo mais dos Agrupamentos horizontais do que os Agrupamentos verticais porque são mais pequenos é mais que uma família não são tantos docentes e as coisas talvez funcionem melhor eu penso que eles são pela manutenção mas isso penso que não irá ser viável cada manutenção do Agrupamento horizontal este porque os Agrupamentos horizontais não tem sentido nenhum. 7

8 Qual a sua opinião acerca do funcionamento do Agrupamento? Ah isso é uma rasteira e eu como ex. Vice-presidente só tenho a dizer bem quer dizer dentro de muitas limitações dos Agrupamentos horizontais mas penso que funcionou bem. Quais os aspectos que considera menos positivos? Ah menos positivos é na parte pedagógica que é mais de salientar é a parte pedagógica menos positivos também a ver a falta de instalações dos Agrupamentos horizontais, recursos humanos parte financeira mas também essencialmente a parte pedagógica acho que ainda á muito a melhorar. 8

Plano Trabalho 2016/2017 Alia Raichande Setembro 2016

Plano Trabalho 2016/2017 Alia Raichande Setembro 2016 Plano Trabalho 2016/2017 O que é uma Associação Pais? As associações de pais são organizações de direito privado, autónomas e independentes, sem fins lucrativos, que baseiam o seu trabalho no voluntariado

Leia mais

Autonomia e Gestão Novos Desafios

Autonomia e Gestão Novos Desafios Autonomia e Gestão Novos Desafios Francisco Oliveira Reforço da participação das famílias e comunidades na direcção estratégica da Escola Reforçar a liderança das Escolas Reforço da autonomia das Escolas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Quadriénio 2009/2013 ÍNDICE PREÂMBULO...3 Artigo 1º OBJECTO E ÂMBITO...4 Artigo 2º -COMPOSIÇÃO...4 Artigo 3º -QUADRO DE COMPETÊNCIAS...4 Artigo

Leia mais

Manual. Representantes dos pais e encarregados de educação da turma e da sala

Manual. Representantes dos pais e encarregados de educação da turma e da sala Manual Representantes dos pais e encarregados de educação da turma e da sala Reuniões de Turma As reuniões com os diretores de turma (no 2.º e 3.º ciclos do ensino básico e no ensino secundário) ou com

Leia mais

Respostas da entrevista A - Diretora. Tema: Compreender o processo de autoavaliação do agrupamento e perspetivar oportunidades de melhoria.

Respostas da entrevista A - Diretora. Tema: Compreender o processo de autoavaliação do agrupamento e perspetivar oportunidades de melhoria. Respostas da entrevista A - Diretora Tema: Compreender o processo de autoavaliação do agrupamento e perspetivar oportunidades de melhoria. Pergunta de partida: Com vista à promoção da melhoria das práticas

Leia mais

PLANO DE INTERVENÇÃO

PLANO DE INTERVENÇÃO DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES EQUIPA INTERDISCIPLINAR PLANO DE INTERVENÇÃO ANOS LECTIVOS 2009/2010 e 2010/2011 ÍNDICE Nota Introdutória.. 3 Parte I - Caracterização..4 1.1 Caracterização do Ambiente Interno.4

Leia mais

REGIMENTO DOS REPRESENTANTES DOS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO

REGIMENTO DOS REPRESENTANTES DOS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO REGIMENTO DOS REPRESENTANTES DOS PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO O direito de participação dos pais na vida da Escola processa-se de acordo com o disposto na Lei de Bases do Sistema Educativo,

Leia mais

1. O despacho normativo n.º 13/2014, de 15 de setembro, regulamenta dois processos:

1. O despacho normativo n.º 13/2014, de 15 de setembro, regulamenta dois processos: Aplicação do Despacho Normativo n.º 13/2014, de 15 de setembro, à avaliação dos alunos que frequentam os estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo 1. O despacho normativo n.º 13/2014, de 15 de

Leia mais

Anexo IV. Guião de entrevista

Anexo IV. Guião de entrevista Anexo IV Guião de entrevista 72 Guião de entrevista 0. Apresentação e explicação da entrevista I. Ela e o passado: trajectória de vida Origem social e percepção da vida passada O que faziam os seus pais

Leia mais

BALANÇO DO ANO LECTIVO

BALANÇO DO ANO LECTIVO BALANÇO DO ANO LECTIVO 1 - PERÍODO A QUE SE REFERE O presente balanço aborda toda a actividade do Agrupamento Vertical de Escolas do Baixo Barroso, desde o dia 15 de Setembro de 26 a 12 de Julho de 27.

Leia mais

III. Sistema de Monitorização

III. Sistema de Monitorização III. Sistema de Monitorização 159 De acordo com as orientações elaboradas para a execução das Cartas Educativas, na Carta Educativa do Concelho de Almeida prevê-se a concepção e operacionalização de um

Leia mais

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA

REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA 1 REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DA CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA ACTA Nº 3/2007 - JANEIRO --- DATA DA REUNIÃO: Vinte e nove de Janeiro de dois mil e sete. ------------------ --- LOCAL DA REUNIÃO: Sala

Leia mais

Programa Eco-Escolas. Direcção Regional do Ambiente. III Encontro Regional de Eco-Escolas Calheta 2 de Outubro de 2009

Programa Eco-Escolas. Direcção Regional do Ambiente. III Encontro Regional de Eco-Escolas Calheta 2 de Outubro de 2009 Programa Eco-Escolas Direcção Regional do Ambiente III Encontro Regional de Eco-Escolas Calheta 2 de Outubro de 2009 Programa Eco-EscolasEscolas A metodologia do Programa Eco-Escolas envolve a adopção

Leia mais

Nenhum a Menos: Integração de um Povo que viveu debaixo das Estrelas... Comunicação Maria Helena Carvalho Dias Pereira

Nenhum a Menos: Integração de um Povo que viveu debaixo das Estrelas... Comunicação Maria Helena Carvalho Dias Pereira Nenhum a Menos: Integração de um Povo que viveu debaixo das Estrelas... Comunicação Maria Helena Carvalho Dias Pereira Nenhum a Menos: Integração de um Povo que viveu debaixo das Estrelas Objectivo da

Leia mais

Anexo 1. Ficha de Actividades B2

Anexo 1. Ficha de Actividades B2 Anexo 1 Ficha de Actividades B2 FICHA DE ACTIVIDADES B2 Designação MONTAGEM E EXECUÇÃO DE UM DISPOSITIVO DE ENTREVISTAS DE GRUPO (FOCUS GROUP) PARA RECOLHA DE OPINIÕES DE PROFESSORES, ALUNOS, PAIS, PESSOAL

Leia mais

IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola.

IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola. IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola. Ex.mo/a Senhores/as Este questionário faz parte dum estudo que pretendemos realizar no âmbito da conclusão da etapa de Licenciatura, do

Leia mais

Agrupamento de Escolas nº 2 de Évora

Agrupamento de Escolas nº 2 de Évora Agrupamento de Escolas nº 2 de Évora RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO PLANO ANUAL E PLURIANUAL DE ATIVIDADES 2011/2012 PLANO ANUAL E PLURIANUAL DE ATIVIDADES 2011/2012 RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO Pré-escolar e 1º

Leia mais

Comissão de Acompanhamento da Implementação do Projeto Educativo do Agrupamento

Comissão de Acompanhamento da Implementação do Projeto Educativo do Agrupamento Ano Letivo 2015 / 2016 Comissão de Acompanhamento da Implementação do Projeto Educativo do Agrupamento INTRODUÇÃO Esta comissão é constituída por três docentes dos diversos níveis de ensino do Agrupamento,

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 103/VIII

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 103/VIII PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 103/VIII COMBATE AOS MAUS TRATOS E ABUSO SEXUAL SOBRE MENORES E REFORÇO DAS MEDIDAS DE APOIO ÀS COMISSÕES DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS Os direitos humanos continuam a ser

Leia mais

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES

Uma Escola de Cidadania Uma Escola de Qualidade RIA - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES REGULAMENTO INTERNO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES JANEIRO 2014 Índice Capítulo I... 1 Disposições Gerais... 1 Introdução... 1 Artigo 1.º --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Escola Secundária de Sacavém. Parecer do Conselho Geral da Escola Secundária de Sacavém sobre a resolução de Ministros nº44/2010, de 14 de Junho.

Escola Secundária de Sacavém. Parecer do Conselho Geral da Escola Secundária de Sacavém sobre a resolução de Ministros nº44/2010, de 14 de Junho. Parecer do Conselho Geral da Escola Secundária de Sacavém sobre a resolução de Ministros nº44/2010, de 14 de Junho. O Conselho Geral da Escola Secundária de Sacavém reuniu extraordinariamente a um de Julho

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ANÁLISE DA QUALIDADE GERAL E ESPECÍFICA DOS SERVIÇOS E INFRAESTRUTURAS EQUIPA DE AVALIAÇÃO INTERNA Novembro de 2007 1 PB RESULTADO DO INQUÉRITO AOS FUNCIONÁRIOS

Leia mais

CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia

CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO Pais/Encarregados de Educação CAF Estrutura Comum de Avaliação para a Qualidade Total das Administrações da União Europeia Agrupamento de Escolas de Arganil 2º/3º CEB e Secundário

Leia mais

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente

Auto-Regulação e Melhoria das Escolas. Auto-avaliação - uma PRIORIDADE. Auto-avaliação do Agrupamento de Escolas de Gil Vicente Agrupamento de Escolas de Auto-Regulação e Melhoria das Escolas Auto-avaliação - uma PRIORIDADE Equipa de Avaliação Interna 2009/2010 1 Agrupamento de Escolas de Enquadramento legal Justificação Novo Paradigma

Leia mais

Reunião Conselho Municipal de Educação 1 Julho 2011, às 18h00

Reunião Conselho Municipal de Educação 1 Julho 2011, às 18h00 Reunião Conselho Municipal de Educação 1 Julho 2011, às 18h00 Ordem de Trabalhos 1. Aprovação da Acta nº 12 da reunião de 23 de Março 2011 2. Informações sobre o Sistema Educativo Local a) Direcção Regional

Leia mais

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO 1. ÁREAS DE INTERVENÇÃO 1.1. IMPLEMENTAR A ORGANIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO CURRICULAR - Aprimorar ação educativa. Otimizar o desempenho de funções de coordenação. Valorizar a centralidade da escola e do

Leia mais

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA

AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA AGRUPAMENTO ESCOLAS SANTOS SIMÕES PLANO DE MELHORIA SETEMBRO 2014 Enquadramento O presente documento surge na sequência do processo de Avaliação Externa realizada ao Agrupamento de Escolas Santos Simões

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro. Despacho n.º..

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro. Despacho n.º.. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Gabinete do Ministro Despacho n.º.. Sem prejuízo do regime de autonomia, administração e gestão dos estabelecimentos públicos da educação pré-escolar e dos ensinos básico

Leia mais

* Sempre que se trate de um Objectivo Estratégico, previsto no Projecto Educativo, é obrigatório referenciar o respectivo Código.

* Sempre que se trate de um Objectivo Estratégico, previsto no Projecto Educativo, é obrigatório referenciar o respectivo Código. Projecto/Serviços/ Código N.ºA1/A2 Actividade Nº 1 Reuniões de docentes do pré-escolar, 1º e 2º Ciclos. A1 Promover a sequencialidade coerente e estruturada entre a educação préescolar, o 1º Ciclo e o

Leia mais

Plano de Melhoria. Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral

Plano de Melhoria. Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral Agrupamento de Escolas Joaquim Inácio da Cruz Sobral julho 2015 Introdução O presente Plano de Melhoria insere-se no âmbito do Relatório elaborado pela Equipa de Avaliação Externa da IGEC, em resultado

Leia mais

LISTA DE PRESENÇAS. Data 18 de Novembro de 2005

LISTA DE PRESENÇAS. Data 18 de Novembro de 2005 Data 18 de Novembro de 2005 ASSUNTO: Eleição de um Representante das IPSS que desenvolvem trabalho na área da Educação para a constituição do Conselho Municipal de Educação de Ponte de Sor LISTA DE PRESENÇAS

Leia mais

NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/00876 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Minho A.1.a.

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO 2014-2015 1. Enquadramento. O Plano Estratégico apresentado para o ano letivo 2014-2015 e elaborado nos termos do

Leia mais

Contributos que trouxe o Plano de Matemática na escola enquanto comunidade

Contributos que trouxe o Plano de Matemática na escola enquanto comunidade Contributos que trouxe o Plano de Matemática na escola enquanto comunidade Categoria Subcategoria Unidade de Contexto Unidade de Registo - Sensibilizou para a importância da disciplina - Sensibilizou para

Leia mais

ACORDO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICIPIO DE PENACOVA E O AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PENACOVA

ACORDO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICIPIO DE PENACOVA E O AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PENACOVA 1 Entre: Acordo de colaboração MUNICÍPIO DE PENACOVA, primeiro outorgante, pessoa colectiva n.º 506 657 957, aqui representada pelo Vice-Presidente da Câmara Municipal, Ernesto Fonseca Coelho; AGRUPAMENTO

Leia mais

Nota Justificativa. Considerando que:

Nota Justificativa. Considerando que: Projeto de Regulamento Municipal para Funcionamento do Programa de Atividades de Animação e de Apoio à Família Acordo de Colaboração para a Educação Pré-Escolar Considerando que: Nota Justificativa - A

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CONCURSO ESCOLAS VERDES

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CONCURSO ESCOLAS VERDES RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO CONCURSO ESCOLAS VERDES Fe RESÍDUOS DO NORDESTE, EIM, S.A. Julho de 2014 INTRODUÇÃO A Empresa Intermunicipal Resíduos do Nordeste, EIM, S.A (adiante designada por Resíduos do

Leia mais

O que faz e o que pensa o gestor escolar

O que faz e o que pensa o gestor escolar O que faz e o que pensa o gestor escolar Pesquisa mostrou que esses profissionais ainda se preocupam muito mais com a burocracia que com o pedagógico Cinthia Rodrigues Outubro de 2009 Os diretores de escolas

Leia mais

TÍTULO VIII PODER LOCAL

TÍTULO VIII PODER LOCAL TÍTULO VIII PODER LOCAL CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 235.º Autarquias locais 1. A organização democrática do Estado compreende a existência de autarquias locais. 2. As autarquias locais são pessoas

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ALMADA. (Regimento aprovado reunião 08_07_2014)

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ALMADA. (Regimento aprovado reunião 08_07_2014) CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ALMADA ( aprovado reunião 08_07_2014) A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86, de 14 de outubro, com a redação que lhe foi dada pela Lei nº 115/97, de 19 de

Leia mais

Divisão Municipal de Cultura, Educação e Turismo :: Câmara Municipal de Benavente. Grau de Ensino Estabelecimentos Turmas N.

Divisão Municipal de Cultura, Educação e Turismo :: Câmara Municipal de Benavente. Grau de Ensino Estabelecimentos Turmas N. Divisão Municipal de Cultura, Educação e Turismo :: Câmara Municipal de Benavente ÁREAS DE INTERVENÇÃO DA AUTARQUIA Informação 3º período letivo 2013/2014 1.REDE ESCOLAR Grau de Ensino Estabelecimentos

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Gestão e Qualidade (GGQ) 1 Índice I Disposições Legais...3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

ANO LETIVO 2016/2017. CALENDARIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE INÍCIO DO ANO LETIVO Dia Hora Atividades Local/Sala Observações

ANO LETIVO 2016/2017. CALENDARIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE INÍCIO DO ANO LETIVO Dia Hora Atividades Local/Sala Observações AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CIDADE DO ENTRONCAMENTO 170586 ANO LETIVO 2016/2017 CALENDARIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE INÍCIO DO ANO LETIVO Dia Hora Atividades Local/Sala Observações 29- Agosto 15.00 1 e 2-Set. Todo

Leia mais

NCE/10/00981 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/00981 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/00981 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a.

Leia mais

AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA AO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA A realidade da escola de 1º ciclo contempla especificidades, quer por razões históricoculturais quer pela tradição de monodocência, quer ainda pela especificidade da

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3ºCICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário ao Pessoal Não Docente

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3ºCICLO DE LOUSADA. Avaliação Interna. Questionário ao Pessoal Não Docente ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3ºCICLO DE LOUSADA Avaliação Interna Questionário ao Pessoal Não Docente O pessoal dos serviços de administração e gestão da escola e o pessoal auxiliar de acção educativa e guardas-nocturnos

Leia mais

Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos

Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Carta de Missão 2013/2017 Maria Guilhermina Cruz de Pina Madeira Barros Ramos Compromissos Objetivos Estratégias Metas/Critérios de sucesso C1 Sucesso escolar

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014 CALENDARIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE INÍCIO DO ANO LETIVO

ANO LETIVO 2013/2014 CALENDARIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE INÍCIO DO ANO LETIVO 3-set. (3ª feira) Agrupamento de Escolas Cidade do Entroncamento - 170586 ANO LETIVO 2013/2014 CALENDARIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE INÍCIO DO ANO LETIVO Dia Hora Atividades Local/Sala Observações Lançamento

Leia mais

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE

PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE ESCOLA SECUNDÁRIA DO RESTELO 402679 PADRÕES de DESEMPENHO DOCENTE 2010-2011 Desp.n.º 16034-2010, ME (20 Out.) VERTENTE PROFISSIONAL, SOCIAL E ÉTICA Compromisso com a construção e o uso do conhecimento

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ)

Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) Regulamento Interno de Funcionamento do Gabinete de Apoio à Qualidade (GAQ) 1 Índice I Disposições Legais... 3 Artigo 1º - Objecto e âmbito de aplicação... 3 II Modelo Organizacional... 3 Artigo 2º - Definição

Leia mais

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma.é nomeado/eleito na primeira reunião de Pais e Encarregados de Educação da Turma; Tem participação nos Conselhos de Turma; É a

Leia mais

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011

Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Plano Agrupamento Plano de Acção do Departamento do 1.º Ciclo 2010 / 2011 Prioridades Objectivos Estratégias ACÇÕES METAS AVALIAÇÃO P.1. Obj. 1 E.1 Ao 3.º dia de ausência do aluno, efectuar contacto telefónico,

Leia mais

ANO LETIVO 2017/2018. CALENDARIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE INÍCIO DO ANO LETIVO Dia Hora Atividades Local/Sala Observações

ANO LETIVO 2017/2018. CALENDARIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE INÍCIO DO ANO LETIVO Dia Hora Atividades Local/Sala Observações AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CIDADE DO ENTRONCAMENTO 170586 ANO LETIVO 2017/2018 CALENDARIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE INÍCIO DO ANO LETIVO Dia Hora Atividades Local/Sala Observações 29- agosto 1 e 4-set. Reunião

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MOGADOURO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS Quadriénio 2009-2013 Segundo o artigo 68º do Regulamento Interno, aprovado em 4 de Janeiro de 2011, para o quadriénio 2009/2013,

Leia mais

Grupo Disciplinar: Educação Física (260)

Grupo Disciplinar: Educação Física (260) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS POETA JOAQUIM SERRA Departamento de Expressões RELATÓRIO FINAL DO COORDENADOR DE GRUPO 2013-14 Grupo Disciplinar: Educação Física (260) I Dimensão Organizacional 1. ASPETOS ORGANIZATIVOS

Leia mais

CENTRO DE FORMAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS DO CONCELHO DA AMADORA (CFAECA) REGULAMENTO INTERNO

CENTRO DE FORMAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS DO CONCELHO DA AMADORA (CFAECA) REGULAMENTO INTERNO CENTRO DE FORMAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO DE ESCOLAS DO CONCELHO DA AMADORA (CFAECA) REGULAMENTO INTERNO Princípios gerais Artigo 1.º (Centro de Formação da Associação de Escolas do Concelho da Amadora) 1. O Centro

Leia mais

Plano Anual de Atividades

Plano Anual de Atividades Plano Anual de Atividades ANO LECTIVO 2011 / 2012 Índice Introdução -------------------------------------------------------------------------------------------- 2 Procedimentos adoptados -----------------------------------------------------------------------

Leia mais

Contrato n.º 250/2009 educação pessoal município cláusula

Contrato n.º 250/2009 educação pessoal município cláusula Contrato n.º 250/2009 educação pessoal município cláusula Ministério da Educação e Município de Monção Quinta-feira, 13 de Agosto de 2009 156 SÉRIE II ( páginas 32780 a 32782 ) TEXTO : Contrato n.º 250/2009

Leia mais

PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PLANO DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ANO LECTIVO 2010/2011 Introdução O Plano do Departamento de Línguas tem como pressupostos o Projecto Educativo em vigor da Escola Secundária da Baixa da Banheira cujos

Leia mais

República de Moçambique Ministério da Educação e Cultura INSTITUTO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

República de Moçambique Ministério da Educação e Cultura INSTITUTO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO República de Moçambique Ministério da Educação e Cultura INSTITUTO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO Síntese Final do I Fórum Nacional de Consulta sobre a Transformação Curricular do Ensino Secundário

Leia mais

Protocolo de Cooperação Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais do Conselho de Almeida

Protocolo de Cooperação Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais do Conselho de Almeida Página1 Protocolo de Cooperação 2010 Rede de Bibliotecas Escolares e Municipais do Conselho de Almeida Página2 A Rede de Bibliotecas de Almeida, adiante designada RBA, foi criada por protocolo assinado

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO NO ÂMBITO DA COMPONENTE DE APOIO À FAMILIA NA ESCOLA BÁSICA DO 1º CICLO N.º 1, AREIAS, SETÚBAL Considerando que: a) O Despacho n.º 14 460/2008, da Ministra da Educação, de 15 de

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 Universidade de Aveiro e Universidade do Porto Fernando Almeida (UA) Helena Sant Ovaia (UP) Geomateriais e Recursos Geológicos 1.

Leia mais

PROJETO TURMAIS. o comportamento na sala de aula e nos diferentes espaços escolares, e consequentemente o sucesso educativo dos alunos.

PROJETO TURMAIS. o comportamento na sala de aula e nos diferentes espaços escolares, e consequentemente o sucesso educativo dos alunos. PROJETO TURMAIS 1. Enquadramento O reforço das medidas de combate à indisciplina é, sem dúvida alguma, um dos aspetos que mais contribui para o sucesso escolar/social dos nossos educandos. Tendo em conta

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÉVORA

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÉVORA Página 1 de 10 REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÉVORA Julho de 2015 Página 2 de 10 A Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, diploma que estabelece, entre outros, o regime jurídico das autarquias

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS Relatório de avaliação Final. Melhorar os processos de comunicação interna para otimizar a gestão escolar.

ESCOLA SECUNDÁRIA FERREIRA DIAS Relatório de avaliação Final. Melhorar os processos de comunicação interna para otimizar a gestão escolar. Relatório de avaliação Final AÇÃO DE MELHORIA N.º 1 Final ano letivo 2012-2013 Melhorar os processos de comunicação interna para otimizar a gestão escolar. Renovar a campanha de divulgação e utilização

Leia mais

Protocolo Anual. Componente de Apoio à Família (CAF) 1º Ciclo

Protocolo Anual. Componente de Apoio à Família (CAF) 1º Ciclo Câmara Municipal de Alpiarça Agrupamento de Escolas José Relvas de Alpiarça Protocolo Anual Componente de Apoio à Família (CAF) 1º Ciclo Ano Letivo 2014/2015 Estabelecimentos de Ensino: EB1/JI de Alpiarça

Leia mais

Unidade de Saúde Pública

Unidade de Saúde Pública Unidade de Saúde Pública ULS Matosinhos Programa Nacional de Saúde Escolar Saúde Escolar Prevenir e Atuar Observatório local de acidentes escolares e peri-escolares Sensibilização da comunidade escolar

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Despacho Normativo n.º xx/2012 O Decreto-Lei n.º 41/2012, de 21 de fevereiro, na redação que confere ao Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores

Leia mais

Instrumento de Registo (Artigo 10º, ponto 1 1 e 2 do Decreto Regulamentar n.º 2/2010)

Instrumento de Registo (Artigo 10º, ponto 1 1 e 2 do Decreto Regulamentar n.º 2/2010) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE S. JOÃO DA PESQUEIRA Instrumento de Registo (Artigo 10º, ponto 1 1 e 2 do Decreto Regulamentar n.º 2/2010) Ficha de Registo Avaliação do Desempenho Docente do Ensino Básico e

Leia mais

Regulamento de Cooperação CAPÍTULO I. Da Natureza, Objecto e Objectivos da RBA. Artigo 1º. Natureza. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º.

Regulamento de Cooperação CAPÍTULO I. Da Natureza, Objecto e Objectivos da RBA. Artigo 1º. Natureza. Artigo 2º. Objecto. Artigo 3º. Regulamento de Cooperação A rede de Bibliotecas de Arraiolos adiante designada RBA, foi criada pelo acordo de cooperação número oitenta e cinco de dois mil e onze e pelo protocolo assinado entre a Câmara

Leia mais

GUIÃO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO

GUIÃO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO GUIÃO PARA A ELABORAÇÃO DO PROJECTO CURRICULAR DE AGRUPAMENTO Após a aprovação no último Conselho Pedagógico de 13 de Outubro de 2010, das líneas orientadoras para a definição das opções estratégicas do

Leia mais

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA EB1/PE DE ÁGUA DE PENA 2010 2014 1.Introdução 2.Enquadramento legal 3.Diagnóstico avaliação do projecto anterior 4.Identificação de prioridades de intervenção 5.Disposições finais 6.Avaliação 1.Introdução

Leia mais

Encontros Temáticos Autonomia das Escolas e Avaliação do Desempenho Docente Parte II Autonomia das Escolas

Encontros Temáticos Autonomia das Escolas e Avaliação do Desempenho Docente Parte II Autonomia das Escolas REGIME JURÍDICO DE AUTONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO Decreto-lei nº 75/2008 de 22 de Abril Maio de 2008 Disposições transitórias e finais (Cap. VIII) [artigos 60º-72º] Disposições transitórias Conselho

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S. João dos Montes

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S. João dos Montes Missão do Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e S. João dos Montes Assegurar a prestação de um serviço público de qualidade na educação, partindo do reconhecimento das condições objectivas do

Leia mais

A Professora X disponibilizou-se para conversar comigo sobre o processo de avaliação do desempenho docente que ocorreu no ano letivo

A Professora X disponibilizou-se para conversar comigo sobre o processo de avaliação do desempenho docente que ocorreu no ano letivo Sexo Idade Grupo de Anos de Escola docência serviço Feminino 52 420 -Geografia 31 Distrito do Porto A Professora X disponibilizou-se para conversar comigo sobre o processo de avaliação do desempenho docente

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N. EMNOP 16 de Dezembro de 2008

CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N. EMNOP 16 de Dezembro de 2008 CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL N SECUNDÁRIO DE EDUCAÇÃO EMNOP 16 de Dezembro de 2008 1 Legislação de referência Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º

Leia mais

Critérios de Avaliação Jardim de Infância

Critérios de Avaliação Jardim de Infância CASA DE INFÂNCIA DE SANTO ANTÓNIO Departamento Curricular de Creche e Jardim de Infância Critérios de Avaliação Jardim de Infância Horta 2016/2017 2 Critérios de Avaliação Jardim de Infância A avaliação

Leia mais

Apresentação dos resultados da autoavaliação e das ações de melhoria. Melhorar as organizações públicas através da autoavaliação

Apresentação dos resultados da autoavaliação e das ações de melhoria. Melhorar as organizações públicas através da autoavaliação Apresentação dos resultados da autoavaliação e das ações de melhoria Melhorar as organizações públicas através da autoavaliação Enquadramento Equipa de autoavaliação Representantes do PD José Bentes Guerreiro

Leia mais

Fundação Escola Gest ESCOLA PROFISSIONAL DE HOTELARIA DE MANTEIGAS Centro De Férias Da Sicó - Senhora De Fátima Manteigas

Fundação Escola Gest ESCOLA PROFISSIONAL DE HOTELARIA DE MANTEIGAS Centro De Férias Da Sicó - Senhora De Fátima Manteigas ESTATUTOS DA EPHM Artigo 1.º A Escola Profissional de Hotelaria de Manteigas, adoptou esta designação aquando da sua criação, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 26/89 de 21 de Janeiro, por Contrato Programa

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL COMISSÃO PERMANENTE DE ASSUNTOS SOCIAIS

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL COMISSÃO PERMANENTE DE ASSUNTOS SOCIAIS COMISSÃO PERMANENTE DE ASSUNTOS SOCIAIS RELATÓRIO E PARECER AO PROJECTO DE DECRETO-LEI QUE REGULAMENTA OS CONSELHOS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO E APROVA O PROCESSO DE ELABORAÇÃO DA CARTA EDUCATIVA, TRANSFERINDO

Leia mais

Instituto dos Pupilos do Exército

Instituto dos Pupilos do Exército Instituto dos Pupilos do Exército Normas dos Órgãos de Conselho INDICE SECÇÃO I Conselho Geral... 2 Artigo 1º Conselho Geral... 2 Artigo 2º Composição... 2 Artigo 3º Atribuições... 3 Artigo 4º Funcionamento...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ESTARREJA 2º ANO DE ESCOLARIDADE /2011 FORMAÇÃO CÍVICA TEMA: SUSTENTABILIDADE NA TERRA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ESTARREJA 2º ANO DE ESCOLARIDADE /2011 FORMAÇÃO CÍVICA TEMA: SUSTENTABILIDADE NA TERRA TEMA: SUSTENTABILIDADE NA TERRA SUB-TEMA: A água no planeta TERRA aspectos do seu consumo e respectivos impactes. Actividades/questões-problema a desenvolver com os alunos e respectivas famílias em trabalho

Leia mais

Questionário às Atividades de Enriquecimento Curricular. Ano letivo 2015/2016

Questionário às Atividades de Enriquecimento Curricular. Ano letivo 2015/2016 Questionário às Atividades de Enriquecimento Curricular Ano letivo 2015/2016 Nota Introdutória O questionário eletrónico Atividades de Enriquecimento Curricular 2015/2016 foi remetido às escolas públicas

Leia mais

Educação Inclusiva e Educação Especial. A importância da liderança. Abril, Data e Local

Educação Inclusiva e Educação Especial. A importância da liderança. Abril, Data e Local Educação Inclusiva e Educação Especial A importância da liderança Abril, 2015 Data e Local ROTEIRO O planeamento da Educação Especial. Os procedimentos de referenciação e avaliação. A homologação de programas

Leia mais

AÇÕES DE ACOMPANHAMENTO

AÇÕES DE ACOMPANHAMENTO AÇÕES DE ACOMPANHAMENTO IV Encontro dos Centros de Formação Desportiva Carcavelos - 2017 Acompanhar (Validar o que está feito) Centros de Formação Desportiva Candidatar (Responder aos requisitos) Avaliar

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Mafra

Agrupamento de Escolas de Mafra CARTA DE MISSÃO (Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto) Nome da Diretora Maria de Jesus Azevedo dos Santos Roxo Geraldes Pires Escalão 6º Escola : Agrupamento de Escolas de Mafra Grupo de Recrutamento

Leia mais

PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO

PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO PROJETO DE APOIO À EDUCAÇÃO FÍSICA NO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO 25-Set-2012 1. FUNDAMENTAÇÃO DO PROJETO Garantir o cumprimento do Currículo do 1º Ciclo, no que respeita à área da Expressão e Educação Físico-Motora;

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL DE MOGADOURO

AGENDA 21 LOCAL DE MOGADOURO AGENDA 21 LOCAL DE MOGADOURO Resultados da primeira reunião do Fórum Participativo Realizada no dia 2 de Junho de 2006 4 de Agosto de 2006 Versão para o Grupo Coordenador Equipa Técnica Na realização do

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA CONTRADITÓRIO AO RELATÓRIO DA IGE EB 2,3 DE SILVARES JANEIRO DE 2008

AVALIAÇÃO EXTERNA CONTRADITÓRIO AO RELATÓRIO DA IGE EB 2,3 DE SILVARES JANEIRO DE 2008 EB 2,3 DE SILVARES JANEIRO DE 2008 A decisão de submeter o Agrupamento ao processo de Avaliação Externa assenta na ideia e estratégia do Projecto Educativo que delineámos. Sendo a Qualidade o leitmotiv

Leia mais

Índice. Plano de Acção para a Matemática

Índice. Plano de Acção para a Matemática Índice 1 Introdução... 2 2 Identificação do Agrupamento / Escola... 2 3 Coordenador do projecto e professores que integram a equipa responsável pela sua execução:... 2 4 Diagnóstico dos resultados dos

Leia mais

AEDLV - Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Plano de Melhoria do Agrupamento

AEDLV - Agrupamento de Escolas e Jardins de Infância D. Lourenço Vicente. Plano de Melhoria do Agrupamento Plano de Melhoria do Agrupamento dezembro 2013 1. Introdução O Plano de Melhoria que neste momento se apresenta, constitui um instrumento de suporte à programação e à implementação das ações de melhoria

Leia mais

Escola Secundária de Rio Tinto

Escola Secundária de Rio Tinto UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Faculdade de Educação e Psicologia Luísa Pereira Agrupamento de Escolas de Rio Tinto nº 3 Escola Secundária de Rio Tinto 27 de fevereiro de 2013 2 Turma Delta (TD) Projeto

Leia mais

I Ciclo de Seminários Regionais PNPSE março/abril 2017

I Ciclo de Seminários Regionais PNPSE março/abril 2017 I Ciclo de Seminários Regionais PNPSE março/abril 2017 Compromisso com a União Europeia metas sucesso escolar 4 anos reduzir insucesso escolar para metade Compromisso com a União Europeia metas sucesso

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE OURIQUE

AGRUPAMENTO VERTICAL DE OURIQUE AGRUPAMENTO VERTICAL DE OURIQUE Relatório de Reflexão Critica do Plano Anual de Atividades Ano Letivo 2011/2012 1ºPeríodo Índice Índice 2 Introdução 3 Grau execução e de satisfação 4 Participação dos agentes

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo

Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo Regimento do Departamento Curricular do 1º Ciclo 2013-2017 O departamento curricular do 1º ciclo, nos termos do Regulamento Interno, aprova o seguinte regimento, definindo as respetivas regras de organização

Leia mais

Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves

Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves Escola Básica 2,3/S Dr. Azevedo Neves 5º e 6º ano Professor Hugo Costa 2010/2011 1 Índice Introdução...2 Intervenientes...3 Metodologia:...5 Divulgação...5 Selecção...5 Cronologia...5 Calendarização...6

Leia mais

E d ri rdt a. Exmo. Sr. Delegado Regional da Inspeccao Geral da Educacao Dr. Pedro Teixeira Pinto Av. 24 de Julho, n Lisboa

E d ri rdt a. Exmo. Sr. Delegado Regional da Inspeccao Geral da Educacao Dr. Pedro Teixeira Pinto Av. 24 de Julho, n Lisboa E d ri rdt a DIRECCAO REGIONAL DE EDUCA.0.0 DE LISBOA E VALE DO TEJO,Addr!a soda '5e Weir(' COD. 346767,1GRUPAMENTO DE ESCOLAS AQUILINO RIBEIRO OEIRAS Exmo. Sr. Delegado Regional da Inspeccao Geral da

Leia mais

Agrupamento de Escolas Poeta Joaquim Serra RELATÓRIO FINAL. Plano de Ação da EB Rosa dos Ventos julho 2014

Agrupamento de Escolas Poeta Joaquim Serra RELATÓRIO FINAL. Plano de Ação da EB Rosa dos Ventos julho 2014 Agrupamento de Escolas Poeta Joaquim Serra RELATÓRIO FINAL Plano de Ação da EB Rosa dos Ventos julho 2014 Relatório Intermédio de Auto-avaliação do Plano de Ação de Estabelecimento da EB Rosa dos Ventos

Leia mais