Educação no período de

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Educação no período de"

Transcrição

1 Educação no período de Profª Tathiane Milaré Revisão Brasil colônia Influência dos jesuítas Reformas de Marquês de Pombal Brasil Império Chegada da Família Real Constituição de 1824 (gratuidade; dever do estado) Lei de 15 de outubro de 1827 (orientação do ensino; descentralização) Brasil República : Diversas Reformas Era Vargas Reformas; Manifesto de 32; Constituição de 34 e Reformas; Constituição de 46; LDB Ditadura Militar 1

2 1942 Decreto-lei 4.073, em 30 de janeiro de 1942 (Lei Orgânica do Ensino Industrial) Decreto-lei 4.048, em 22 de janeiro de 1942, cria o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) Decreto-lei 4.244, em 9 de abril de 1942 (Lei Orgânica do Ensino Secundário) Decreto-lei 6.141, em 28 de dezembro de 1943 (Lei Orgânica do Ensino Comercial) Após 1945 Decreto-lei 8.529, em 02 de janeiro de 1946 (Lei Orgânica do Ensino Primário) Decreto-lei 8.530, em 02 de janeiro de 1946 (Lei Orgânica do Ensino Normal) Decreto-lei e 8.622, em 10 de janeiro de 1946, criam o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC) Decreto-lei 9.613, em 20 de agosto de 1946 (Lei Orgânica do Ensino Agrícola) 2

3 Atividade Grupos de 5 a 6 alunos Elaborar um resumo/esquema com: Objetivos Características Organização Aspectos positivos e negativos de cada reforma proposta para 1) Ensino Técnico; 2) Ensino Secudário; 3) Ensino Primário; 4) Ensino Normal; 5) Ensino no SENAI e SENAC entre 1942 e Contexto Nacional (após 1945) fim da Ditadura Vargas redemocratização institucional do país proletarização; urbanização; industrialização Petrobrás; Eletrobrás Constituição de : Brasil Nacional-desenvolvimentista 3

4 Constituição de 1946 Liberdade de pensamento Art.141, 5º - É livre a manifestação do pensamento, sem que dependa de censura [...] A publicação de livros e periódicos não dependerá de licença do Poder Público.; 7º - É inviolável a liberdade de consciência e de crença [...] Art.168, item VII, é garantida a liberdade de cátedra Art. 173 As ciências, as letras e as artes são livres Art. 174 O amparo à cultura é dever do Estado Constituição de 1946 União legislar sobre as diretrizes e bases da educação nacional Art A educação é direito de todos e será dada no lar e na escola. Deve inspirar-se nos princípios de liberdade e nos ideais de solidariedade humana. Art O ensino dos diferentes ramos será ministrado pelos Poderes Públicos e é livre à iniciativa particular, respeitadas as leis que o regulem. Art A legislação do ensino adotará os seguintes princípios: I - o ensino primário é obrigatório e só será dado na língua nacional; II - o ensino primário oficial é gratuito para todos; o ensino oficial ulterior ao primário sê-lo-á para quantos provarem falta ou insuficiência de recursos; III - as empresas industriais, comerciais e agrícolas, em que trabalhem mais de cem pessoas, são obrigadas a manter ensino primário gratuito para os seus servidores e os filhos destes; IV - as empresas industrias e comerciais são obrigadas a ministrar, em cooperação, aprendizagem aos seus trabalhadores menores, pela forma que a lei estabelecer, respeitados os direitos dos professores; 4

5 Constituição de 1946 Consequência: Criação de projeto em 1947 Muitas discussões e debates (13 anos!) Embates: educação particular X pública; centralização X descentralização LDBEN nº4024 sancionada em 1961 Projeto de 1959 Art. 3º - A educação da prole é direito inalienável e imprescritível da família. Art. 4º - A escola é, fundamentalmente, prolongamento e delegação da família. Art.5º - Para que a família, por si ou pro seus mandatários, possa desobrigar-se do encargo de educar a prole, compete ao Estado oferecer-lhe os suprimentos de recursos técnicos e financeiros indispensáveis, seja estimulando a iniciativa particular, seja proporcionando ensino oficial gratuito ou de contribuição reduzida. 5

6 Projeto de 1959 Art. 6º É assegurado o direito paterno de prover, com prioridade absoluta a educação dos filhos; e dos particulares, de comunicarem a outros os seus conhecimentos, vedado ao Estado exercer ou, de qualquer modo, favorecer o monopólio do ensino. Art. 7º - O Estado outorgará igualdade de condições às escolas oficiais e às particulares: a) pela representação adequada das instituições educacionais nos órgãos de direção de ensino; b) pela distribuição de verbas consignadas para a educação entre as escolas oficiais e as particulares proporcionalmente ao número de alunos atendidos; c) pelo conhecimento, para todos os fins, dos estudos realizados nos estabelecimentos particulares. Projeto de 1959 Art. 70 Além dos recursos orçamentários destinados a manter e expandir o ensino oficial, o Fundo Nacional do Ensino Primário, o do Ensino Médio e do Ensino Superior proporcionarão recursos, previamente fixados, para a cooperação financeira da União com o ensino de iniciativa privada, em seus diferentes graus. Campanha em Defesa da Escola Pública Educadores da velha geração dos pioneiros Centro de atuação e irradiação: Universidade de São Paulo 6

7 Educação no Período Militar Profª Tathiane Milaré Meta Ensino Primário Matrícula até 4ª série de 100% da população escolar de 7 a 11 anos Matrícula na 5ª e 6ª séries de 70% da população escolar de 12 a 14 anos Ensino Médio Matrícula nas duas primeiras séries do ginásio de 30% da população de 11/12 a 14 anos; Matrícula nas duas últimas séries do ginásio de 50% da população de 13 a 15 anos; Matrícula nas séries do colegial de 30% da população de 15 a 18 anos Ensino Superior Matrícula da metade dos que terminavam o colegial PNE 1962/1970 Dados de 1970 De 7 a 11 anos 73,6% na escola De 7 a 14 anos 68,32% na escola De 13 a 14 anos 32,45% na escola primária; 19,79% na escola média De 15 a 18 anos 6,5% no curso primário; 21,4% no ensino médio 62,24% dos que concluíam o colegial ingressavam no ensino superior 7

8 Contexto 1964 Golpe Militar Acordos MEC-USAID (United States Agency for International Development) Ajustes na LDB Lei 5540 de 1968 Reforma Universitária Formação de Grupo de Trabalho Movimento Estudantil resistência; movimento próprio Lei 5692 de 1971 Ensino Primário e Médio Salário-Educação (1964) Substituição da UNE pelo DCE (1967) Movimento Brasileiro de Alfabetização - MOBRAL (1970) 8

9 Reforma Universitária Indissociabilidade entre pesquisa e ensino Abolição da cátedra Consagração da autonomia universitária Instituição do regime de créditos; matrícula por disciplinas; cursos de curta duração Reforma Universitária Art. 4º As universidades e os estabelecimentos de ensino superior isolados constituir-se-ão, quando oficiais, em autarquias de regime especial ou em fundações de direito público e, quando particulares, sob a forma de fundações ou associações. Abertura indiscriminada de escolas isoladas Expansão do Ensino Superior Transformação em Universidades após Constituição de

10 Lei Grupo de Trabalho instituído em 1970 FE/UnB 60 dias para conclusão dos trabalhos Características Integração vertical dos graus Continualidade-Terminalidade (Formação Geral e Formação Especial) Flexibilidade Racionalização-Concentração (+ resultados custos) Gradualidade de Implantação Valorização do professorado Sentido próprio para o supletivo Atividades LDB 4024/61 Lei 5692/71 Próxima aula... 10

11 Bibliografia ROMANELLI, O.O. História da Educação no Brasil 1930/ ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012 SAVIANI, D. A nova lei da educação: trajetórias, limites e perspectivas- 6.ed. Campinas, SP: Autores Associados, SILVA, R.A. Golpe militar e adequação nacional à internacionalização capitalista ( ). Disponível em: < /periodo_militar_intro.html> Bibliografia NASCIMENTO, M.N.M. Educação e Nacionaldesenvolvimentismo no Brasil. Disponível emhttp:// riodo_nacional_desenvolvimentista_intro.html LDBEN ROMANELLI, O.O. História da Educação no Brasil 1930/ ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012 SAVIANI, D. A nova lei da educação: trajetórias, limites e perspectivas- 6.ed. Campinas, SP: Autores Associados,

Ano de1968: revolução política e cultural mundial. No Brasil, ficou conhecido como o início dos

Ano de1968: revolução política e cultural mundial. No Brasil, ficou conhecido como o início dos ESTER BUFFA ANOS DE CHUMBO NA EDUCAÇÃO Ano de1968: revolução política e cultural mundial. No Brasil, ficou conhecido como o início dos Anos de Chumbo, época do endurecimento da repressão da ditadura militar,

Leia mais

PERMANÊNCIA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: ASPECTOS DA ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL

PERMANÊNCIA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: ASPECTOS DA ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL PERMANÊNCIA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR: ASPECTOS DA ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL Adrian Alvarez Estrada 1 Andressa Benvenutti Radaelli 2 RESUMO: A política de assistência estudantil objetiva a igualdade de oportunidades

Leia mais

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S

A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S A UNIVERSIDADE BRASILEIRA É BRASILEIRA? C A R L O S A L B E R T O S T E I L D E P A R T A M E N T O D E A N T R O P O L O G I A / U F R G S INTRODUÇÃO Identidade: não é um propriedade das coisas, mas das

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA DE IMPERATRIZ

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA DE IMPERATRIZ g LEI N. 0 901/99 Cria o Sistema Municipal dé Ensino do município de Imperatriz e dã outras providências. LUÍZ CARLOS BARBOSA NOLETO, PREFEITO MUNICIPAL DE IMPERATRIZ,, FAÇO SABER A TODOS OS SEUS HABITANTES

Leia mais

Codigo Especificacao Projetos Atividades Oper. Especiais Total

Codigo Especificacao Projetos Atividades Oper. Especiais Total Estado do Parana Programa de Trabalho Folha: 1 Orgao...: 02 GOVERNO MUNICIPAL Unidade Orcamentaria: 02.01 GABINETE DO PREFEITO 04.000.0000.0.000.000 Administracao 31.191,67 31.191,67 04.122.0000.0.000.000

Leia mais

CONTEXTO EDUCACIONAL BRASILEIRO E OS ANOS INICIAIS DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UFSM

CONTEXTO EDUCACIONAL BRASILEIRO E OS ANOS INICIAIS DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UFSM CONTEXTO EDUCACIONAL BRASILEIRO E OS ANOS INICIAIS DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DA UFSM Carla Vargas Pedroso - UFF e UFSM Sandra Lucia Escovedo Selles - UFF Agência Financiadora: CAPES

Leia mais

A Educação no Brasil

A Educação no Brasil A Educação no Brasil Breve histórico A história da educação no Brasil começa em 1549 com a chegada dos primeiros padres jesuítas, inaugurando uma fase que haveria de deixar marcas profundas na cultura

Leia mais

20RG - Expansão e Reestruturação de Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica

20RG - Expansão e Reestruturação de Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica Programa 2031 - Educação Profissional e Tecnológica Número de Ações 200 Ação Orçamentária - Padronizada Setorial 20RG - Expansão e Reestruturação de Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica

Leia mais

Financiamento da Educação Infantil O marco legal, o disponivel e o necessário. 3ª OFICINA DO CAQ DA EI DO SEMIÁRIDO Petrolina, novembro de 2010

Financiamento da Educação Infantil O marco legal, o disponivel e o necessário. 3ª OFICINA DO CAQ DA EI DO SEMIÁRIDO Petrolina, novembro de 2010 Financiamento da Educação Infantil O marco legal, o disponivel e o necessário 3ª OFICINA DO CAQ DA EI DO SEMIÁRIDO Petrolina, novembro de 2010 Estrutura da Exposição Marco legal do Financiamento da educação

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010

EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010 EDUCAÇÃO SUPERIOR NO CONTEXTO DO PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2010 Contribuições para o Plano Municipal de Educação de Palmas Maio 22, 2012 DAS 20 METAS DO PNE, CINCO ESTÃO DIRETAMENTE LIGADAS ÀS INSTITUIÇÕES

Leia mais

A ESCOLA PÚBLICA BRASILEIRA NO LONGO SÉCULO XX (1890-2001) 1

A ESCOLA PÚBLICA BRASILEIRA NO LONGO SÉCULO XX (1890-2001) 1 A ESCOLA PÚBLICA BRASILEIRA NO LONGO SÉCULO XX (1890-2001) 1 Dermeval Saviani 2 /UNICAMP O recurso à categoria século para datar e demarcar os acontecimentos e as fases históricas é uma prática recorrente

Leia mais

A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO BRASIL

A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO BRASIL A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO BRASIL PORCARO, Rosa Cristina A história da educação de jovens e adultos no Brasil é muito recente. Embora venha se dando desde o período do Brasil Colônia,

Leia mais

Sugestões de bibliografias a serem consultadas para estudo :

Sugestões de bibliografias a serem consultadas para estudo : Sugestões de bibliografias a serem consultadas para estudo : Legislação básica geral Constituição Federal /88 Capítulo próprio ( a partir do art.205) Emenda Constitucional 64/2010 ( art.6º) LDBEN 9394/96

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Pronatec. Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e ao Emprego

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Pronatec. Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e ao Emprego MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Pronatec Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e ao Emprego 2011 Definição O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e ao Emprego (Pronatec) é um conjunto de ações

Leia mais

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO -

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - A estrutura a seguir foi desenvolvida com base no escopo da disciplina de Planejamento Estratégico de Comunicação,

Leia mais

Quem foi Carlos Corrêa Mascaro?

Quem foi Carlos Corrêa Mascaro? Associação Nacional de Política e Administração da Educação Universidade de Brasília, Faculdade de Educação, Asa Norte, Brasília, DF 70904-970 Quem foi Carlos Corrêa Mascaro? Por João Gualberto de Carvalho

Leia mais

http://www.sofolha.com.br/download.php

http://www.sofolha.com.br/download.php http://www.sofolha.com.br/download.php http://www.cucafresca.com.br/home/home.php http://www.contmatic.com.br/portal/home Convênio Campanha Cultural A Contmatic visando colaborar com o meio acadêmico firmou

Leia mais

DEMANDA E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

DEMANDA E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES DEMANDA E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR: OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES Nadir Zago - UFSC Introdução Em pesquisas que vimos realizando, temos nos voltado para os processos de escolarização das camadas

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

Pela ampliação da Licença Paternidade

Pela ampliação da Licença Paternidade Pela ampliação da Licença Paternidade Estrutura desta apresentação 1. Campanha Dá licença, eu sou pai! 2. Pesquisa: dados preliminares 3. Ações da campanha 2008-2009 Sobre a Campanha Promoção: Rede Brasileira

Leia mais

Constituição Federal

Constituição Federal Constituição Federal CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL - 1988 COM A INCORPORAÇÃO DA EMENDA 14 Capítulo III Da Educação, da Cultura e do Desporto Seção I Da Educação

Leia mais

RESQUÍCIOS DA DITADURA MILITAR NO ENSINO SUPERIOR

RESQUÍCIOS DA DITADURA MILITAR NO ENSINO SUPERIOR 1 RESQUÍCIOS DA DITADURA MILITAR NO ENSINO SUPERIOR RESUMO Karine Alves dos Santos 1 Universidade Regional do Cariri - URCA. E-mail: karine-alves@hotmail.com Maria Simone Silva dos Santos 2 Universidade

Leia mais

INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS

INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS PRÓ- DE EXTENSÃO INFORMATIVO SOBRE ENTIDADES ESTUDANTIS Olá! Você já deve ter feito uma dessas perguntas: O que são entidades estudantis? Para que servem? Qual a diferença entre um CA e um DA? Como criar

Leia mais

As bases da Reforma Universitária da ditadura militar no Brasil

As bases da Reforma Universitária da ditadura militar no Brasil As bases da Reforma Universitária da ditadura militar no Brasil Alexandre Tavares do Nascimento Lira Resumo: A Reforma Universitária de 1968 no Brasil foi influenciada pela atuação dos consultores norte-americanos

Leia mais

Os impactos do IGC e CPC na vida econômica das IES Privadas. PROF. DR. JAIR DOS SANTOS JÚNIOR jairsantosjr@santosjunior.com.br

Os impactos do IGC e CPC na vida econômica das IES Privadas. PROF. DR. JAIR DOS SANTOS JÚNIOR jairsantosjr@santosjunior.com.br ENADE CPC IGC Os impactos do IGC e CPC na vida econômica das IES Privadas PROF. DR. JAIR DOS SANTOS JÚNIOR jairsantosjr@santosjunior.com.br Contexto ENADE CPC IGC O nascimento dos indicadores (2008) Portaria

Leia mais

Palavras-chave: Política de formação; Reformas educacionais; Formação de professores;

Palavras-chave: Política de formação; Reformas educacionais; Formação de professores; A POLÍTICA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARFOR: O PAPEL DOS FÓRUNS ESTADUAIS PERMANENTE DE APOIO A FORMAÇÃO DOCE Edinilza Magalhães da Costa Souza UFPA Resumo

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFMS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFMS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DO IFMS O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul, de acordo com as atribuições previstas no seu Estatuto e Regimento Geral e em consonância

Leia mais

Cenários contemporâneos em Educação. Prof.ª Dr.ª Cíntia Bueno Marques

Cenários contemporâneos em Educação. Prof.ª Dr.ª Cíntia Bueno Marques Cenários contemporâneos em Educação Prof.ª Dr.ª Cíntia Bueno Marques Composição de cenários Avaliação e Regulação da Educação Ações planejadas de reposicionamento Reflexos e movimentos culturais Educação

Leia mais

2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL

2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL 2. BREVE EVOLUÇÃO HISTÓRICA DO SISTEMA EDUCACIONAL 2.1 ASPECTOS FUNDAMENTAIS ATÉ A PRIMEIRA METADE DO SÉCULO 20 Os analistas da educação brasileira afirmam que somente no final do Império e começo da República

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Estudo Técnico n.º 3/12 Planejamento Governamental na Área de Educação Núcleo de Educação, Cultura, Ciência e Tecnologia e Esporte Claudio Riyudi Tanno Maio/2012 Endereço na Internet: http://www.camara.gov.br/internet/orcament/principal/

Leia mais

Orçamento das universidades e a

Orçamento das universidades e a Orçamento das universidades e a agenda de CT&I em São Paulo: qual saída? Ricardo T. Neder Professor do IGCE de Rio Claro da Unesp 66 Gestores universitários e de institutos públicos de pesquisa têm buscado

Leia mais

SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO

SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO SEMINÁRIOS TRANSDISCIPLINARES HISTÓRIA E PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO AS PERSPECTIVAS POLÍTICAS PARA UM CURRÍCULO INTERDISCIPLINAR: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Professor Doutor Carlos Henrique Carvalho Faculdade

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE CIDADES E AGRONEGÓCIOS

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE CIDADES E AGRONEGÓCIOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EXECUTIVO EM GESTÃO DE CIDADES E AGRONEGÓCIOS ÁREA DO CONHECIMENTO Administração NOME DO CURSO Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em MBA Executivo em Gestão

Leia mais

CAPES E CNPQ: AGÊNCIAS DE FOMENTO E DESENVOLVIMENTO PARA A PÓS-GRADUAÇÃO BRASILEIRA

CAPES E CNPQ: AGÊNCIAS DE FOMENTO E DESENVOLVIMENTO PARA A PÓS-GRADUAÇÃO BRASILEIRA CAPES E CNPQ: AGÊNCIAS DE FOMENTO E DESENVOLVIMENTO PARA A PÓS-GRADUAÇÃO BRASILEIRA Samara Maria Viana da Silva UFPI samaraviana85@hotmail.com Maria do Amparo Borges Ferro UFPI amparoferro@uol.com.br RESUMO

Leia mais

AS REPERCURSSÕES DA POLÍTICA EDUCACIONAL BRASILEIRA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR

AS REPERCURSSÕES DA POLÍTICA EDUCACIONAL BRASILEIRA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR AS REPERCURSSÕES DA POLÍTICA EDUCACIONAL BRASILEIRA PARA A INCLUSÃO ESCOLAR Lissandra Mendes Fraga 1 RESUMO Neste estudo analisa-se a não efetivação pelo Estado de direitos sociais básicos oriundos das

Leia mais

EDITAL PROPPEX nº 06/15 INSCRIÇÃO PARA CONCESSÃO DE AUXÍLIOS PARA CAPACITAÇÃO DOCENTE E TÉCNICO-ADMINISTRATIVA

EDITAL PROPPEX nº 06/15 INSCRIÇÃO PARA CONCESSÃO DE AUXÍLIOS PARA CAPACITAÇÃO DOCENTE E TÉCNICO-ADMINISTRATIVA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO PROPPEX EDITAL PROPPEX nº 06/15 INSCRIÇÃO PARA CONCESSÃO DE AUXÍLIOS PARA CAPACITAÇÃO DOCENTE E TÉCNICO-ADMINISTRATIVA A Pró-Reitoria de Pós-Graduação,

Leia mais

Mapa do Mercado de Trabalho no Brasil

Mapa do Mercado de Trabalho no Brasil Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestăo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Departamento de Emprego e Rendimento Estudos e Pesquisas Informaçăo Demográfica

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA. Conselho Geral

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA. Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Conselho Geral DEFINIÇÃO DAS LINHAS ORIENTADORAS DO PLANEAMENTO E EXECUÇÃO, PELO DIRETOR, DAS ATIVIDADES NO DOMÍNIO DA AÇÃO SOCIAL ESCOLAR (2013-14) De acordo com o Decreto-Lei

Leia mais

A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA UNIFAL-MG E A DESIGUALDADE SOCIOESPACIAL ENTRE OS ALUNOS ALFENENSES

A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA UNIFAL-MG E A DESIGUALDADE SOCIOESPACIAL ENTRE OS ALUNOS ALFENENSES A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA UNIFAL-MG E A DESIGUALDADE SOCIOESPACIAL ENTRE OS ALUNOS ALFENENSES Larissa da Silva Barbosa lariibarbosa@ig.com.br Geografia Bacharelado - UNIFAL-MG INTRODUÇÃO

Leia mais

Do cadastramento da Instituição de Ensino:

Do cadastramento da Instituição de Ensino: DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO E CURSOS DE NÍVEL MÉDIO E SUPERIOR,. NO ÂMBITO DAS PROFISSÕES INSERIDAS NO SISTEMA ONFEA/CREA, PARA CONCESSÃO DE TÍTULOS, ATRIBUIÇÕES

Leia mais

OFICINA Plano Municipal de Educação

OFICINA Plano Municipal de Educação OFICINA Plano Municipal de Educação 6º Fórum Extraordinário UNDIME Florianópolis, 26 a 30 de maio de 2014 HISTÓRICO 1932 Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova 1934 - Constituição Federal, Art. 150 1962

Leia mais

POLO 19 POLO 17 POLO 18 POLO 22 POLO 24 POLO 21 POLO 25. E.M. Nilcelina S. Ferreira

POLO 19 POLO 17 POLO 18 POLO 22 POLO 24 POLO 21 POLO 25. E.M. Nilcelina S. Ferreira 17 19 18 E.M. Nilcelina S. Ferreira 20 22 21 23 24 25 5 Metas para a Gestão Democrática META 1 a. garantir a autonomia políticod i d á t i c o - p e d a g ó g i c a e administrativa às instituições educacionais

Leia mais

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA EXTRANGEIRA NAS ESCOLAS DE ENSINO MEDIO.

O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA EXTRANGEIRA NAS ESCOLAS DE ENSINO MEDIO. O ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA EXTRANGEIRA NAS ESCOLAS DE ENSINO MEDIO. Déborha Maria Bezerra Barreto Silva (UEPB) deborha_maria@hotmail.com Mayara Nascimento Lopes (UEPB) malopeslinda@hotmail.com Rickison

Leia mais

Estado: ESPIRITO SANTO RESPONSABILIDADES GERAIS DA GESTAO DO SUS

Estado: ESPIRITO SANTO RESPONSABILIDADES GERAIS DA GESTAO DO SUS PLANILHA DE PACTUAÇÃO DAS - TCG Data da Validação: 31/03/2010 Data da Homologação: 12/04/2010 Revisão Nº:001 Pedido de Revisão: 30/03/2010 Portaria: 2.846 Data da Publicação: 25/11/2008 Estado: ESPIRITO

Leia mais

Graduação: Filosofia e Teologia Especialização: Comportamento Organizacional (Inbrape) Antropologia Organizacional (UC Mestrado em Administração da Educação (Unesp) Doutorado em Administração da Educação

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA

A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA A FORMAÇÃO DO PROFESSOR PARA ATUAÇÃO EM EAD NOS CURSOS DE PEDAGOGIA DE SANTA CATARINA Zuleide Demetrio Minatti 1 Nilson Thomé 2 UNIPLAC. Resumo: Na atualidade observa-se o crescimento da demanda por cursos

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

O Lugar da Educação Infantil nas Políticas para a Primeira Infância. Rio de Janeiro/RJ Setembro/2015

O Lugar da Educação Infantil nas Políticas para a Primeira Infância. Rio de Janeiro/RJ Setembro/2015 SEMINÁRIO NACIONAL CURRÍCULO E AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: POLÍTICAS PARA A PRIMEIRA INFÂNCIA O Lugar da Educação Infantil nas Políticas para a Primeira Infância Rio de Janeiro/RJ Setembro/2015 Secretaria

Leia mais

Opinião N16 PROUNI: LIMITES, AVANÇOS E DESAFIOS EM UMA DÉCADA DE EXISTÊNCIA

Opinião N16 PROUNI: LIMITES, AVANÇOS E DESAFIOS EM UMA DÉCADA DE EXISTÊNCIA Opinião N16 PROUNI: LIMITES, AVANÇOS E DESAFIOS EM UMA DÉCADA DE EXISTÊNCIA WILSON MESQUITA DE ALMEIDA 1 No Brasil, o modelo de ensino superior que se tornou dominante é um modelo empresarial, originado

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA E MANIFESTO DE CÓRDOBA ESTUDO COMPARADO ENTRE BRASIL E ARGENTINA KÁTIA CILENE DA COSTA

REFORMA UNIVERSITÁRIA E MANIFESTO DE CÓRDOBA ESTUDO COMPARADO ENTRE BRASIL E ARGENTINA KÁTIA CILENE DA COSTA REFORMA UNIVERSITÁRIA E MANIFESTO DE CÓRDOBA ESTUDO COMPARADO ENTRE BRASIL E ARGENTINA KÁTIA CILENE DA COSTA No século XVI a instituição universitária começa a marcar presença na América Latina, primeiro

Leia mais

Ensino fundamenta - responsabilidade só dos Municípios?

Ensino fundamenta - responsabilidade só dos Municípios? Ensino fundamenta - responsabilidade só dos Municípios? O que prevê a legislação e qual tem sido a participação estadual, municipal e privada na oferta de educação básica no RJ? Nicholas Davies, prof.

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

ATUAÇÃO DO MACROCAMPO PARTICIPAÇÃO ESTUDANTIL EM SOCIOLOGIA NO SEVERINO CABRAL

ATUAÇÃO DO MACROCAMPO PARTICIPAÇÃO ESTUDANTIL EM SOCIOLOGIA NO SEVERINO CABRAL ATUAÇÃO DO MACROCAMPO PARTICIPAÇÃO ESTUDANTIL EM SOCIOLOGIA NO SEVERINO CABRAL PRISCYLLA K. O. SILVA (UFCG), JOSÉ WILTON DE FREITAS RAMOS (UFCG), SILMARA S. ALVES (UFCG), SUZIANE S. ALBUQUERQUE (UFCG).

Leia mais

O QUE VOU SER QUANDO CRESCER?

O QUE VOU SER QUANDO CRESCER? O QUE VOU SER QUANDO CRESCER? O QUE VOU SER QUANDO CRESCER? Cartilha Educativa Elaborada no Projeto de Extensão: Cartilha e Artigos Coordenação: Profª Emiliana Debetir Centro de Ciências da Administração

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2 º SEMESTRE DE 2015

PROCESSO SELETIVO 2 º SEMESTRE DE 2015 1 Processo Seletivo 2015.2 Edital FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC RIO PROCESSO SELETIVO 2 º SEMESTRE DE 2015 SENAC RJ FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC RIO O SENAC Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial,

Leia mais

TOTAL - FISCAL 48.333.886 TOTAL - SEGURIDADE 21.890.000 TOTAL - GERAL 70.223.886

TOTAL - FISCAL 48.333.886 TOTAL - SEGURIDADE 21.890.000 TOTAL - GERAL 70.223.886 UNIDADE : 26101 - MINISTERIO DA EDUCACAO 0910 OPERACOES ESPECIAIS: GESTAO DA PARTICIPACAO EM ORGANISMOS INTERNACIONAIS 500.000 OPERACOES ESPECIAIS 12 212 0910 00B9 CONTRIBUICAO A ORGANIZACAO DAS NACOES

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL: O PERCURSO HISTÓRICO E ALGUNS DESAFIOS DA ATUALIDADE

EDUCAÇÃO INFANTIL: O PERCURSO HISTÓRICO E ALGUNS DESAFIOS DA ATUALIDADE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 EDUCAÇÃO INFANTIL: O PERCURSO HISTÓRICO E ALGUNS DESAFIOS DA ATUALIDADE Marta Chaves 1 ; Janice Carina Groth 2 ; Eliana Cláudia Graciliano 3 RESUMO: Este

Leia mais

LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS HISTÓRIA MANUAL DO CANDIDATO AO PROCESSO SELETIVO 2009/1

LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS HISTÓRIA MANUAL DO CANDIDATO AO PROCESSO SELETIVO 2009/1 APRESENTAÇÃO A Faculdade Saberes foi credenciada pelo MEC, por meio da Portaria nº. 2.418, de 09 de novembro de 2001, publicada no Diário Oficial da União (DOU), em 13/11/01. Seu primeiro Curso de Graduação

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES

SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES SUBCHEFIA DE ASSUNTOS PARLAMENTARES PROJETO DE LEI Institui o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego - PRONATEC; altera as Leis n os 7.998, de 11 de janeiro de 1990, que regula o Programa

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

Rua da Educação. Municipalino:

Rua da Educação. Municipalino: Todas as crianças e adolescentes tem direito à educação e devem freqüentar a escola. As diretrizes para a área da educação são dadas pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) Lei 9394 de

Leia mais

HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO

HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO A vida escolar do município tem sua possível iniciação nos idos de 1925/1928, quando os pioneiros do povoado, para que seus filhos não crescessem sem escola, buscavam propiciar aulas

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica. Conselho Escolar e o financiamento da educação no Brasil

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica. Conselho Escolar e o financiamento da educação no Brasil Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Conselho Escolar e o financiamento da educação no Brasil Brasília - DF Junho de 2006 Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação

Leia mais

OS DESAFIOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL NO RIO GRANDE DO SUL

OS DESAFIOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL NO RIO GRANDE DO SUL OS DESAFIOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL NO RIO GRANDE DO SUL Sonia Maria Nogueira Balzano 1 1. O DIREITO À EDUCAÇÃO INFANTIL SEGUNDO A LEGISLAÇÃO BRASILEIRA EM 50 ANOS: PERÍODO 1961/2011 Para analisar os desafios

Leia mais

A verdade é como o ninho de cobra. Se reconhece não pela vista mas pela mordedura. (Mia Couto).

A verdade é como o ninho de cobra. Se reconhece não pela vista mas pela mordedura. (Mia Couto). O TRABALHO DOCENTE E A PRODUÇÃO DO CONHECIMENTO Uma análise de sua historicidade Maria Ciavatta* A verdade é como o ninho de cobra. Se reconhece não pela vista mas pela mordedura. (Mia Couto). SEMINÁRIO

Leia mais

O ENSINO TÉCNICO-PROFISSIONALE AS TRANSFORMAÇÕES DO ESTADO- NAÇÃO BRASILEIRO NO SÉCULO XX

O ENSINO TÉCNICO-PROFISSIONALE AS TRANSFORMAÇÕES DO ESTADO- NAÇÃO BRASILEIRO NO SÉCULO XX O ENSINO TÉCNICO-PROFISSIONALE AS TRANSFORMAÇÕES DO ESTADO- NAÇÃO BRASILEIRO NO SÉCULO XX Domingos Leite Lima Filho CEFET-PR O presente trabalho analisa o processo de constituição do ensino técnico-profissional

Leia mais

INFORMAÇÃO Nº 0086/2015-GTE 1

INFORMAÇÃO Nº 0086/2015-GTE 1 PROCESSO : CF-2297/2014 INTERESSADO : Confea ASSUNTO : Estudos sobre o PRONATEC ORIGEM : Comissão de Educação e Atribuição Profissional CEAP (Deliberação n 766/2014-CEAP) INFORMAÇÃO Nº 0086/2015-GTE 1

Leia mais

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades de propriedade intelectual

Leia mais

DEMONSTRATIVO DA DESPESA POR ÓRGÃO E FUNÇÕES Anexo 9 - Lei 4.320/64 TOTAL GERAL: UF: MINAS GERAIS MUNICÍPIO: GUARANESIA FOLHA: 1 ORÇAMENTO 2009

DEMONSTRATIVO DA DESPESA POR ÓRGÃO E FUNÇÕES Anexo 9 - Lei 4.320/64 TOTAL GERAL: UF: MINAS GERAIS MUNICÍPIO: GUARANESIA FOLHA: 1 ORÇAMENTO 2009 FOLHA: 1 CÓDIGO DESCRIÇÃO Legislativa Judiciaria Essencial a Justica 646.000.00 565.180.00 646.000.00 565.180.00 FOLHA: 2 CÓDIGO DESCRIÇÃO Administracao Defesa Nacional Seguranca Publica 1.583.973.00 61.132.00

Leia mais

14. EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

14. EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS 14. EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS 14.1 ORGANIZAÇÃO GERAL DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS. OBJETIVOS GERAIS A educação de jovens e adultos é uma modalidade do ensino fundamental e do ensino médio, dando

Leia mais

COSTA, Luis Antonio (UFOP-Brasil) luis01mascat@yahoo.com.br ARAUJO, Regina M. B. (UFOP-Brasil) regina.magna@hotmail.com

COSTA, Luis Antonio (UFOP-Brasil) luis01mascat@yahoo.com.br ARAUJO, Regina M. B. (UFOP-Brasil) regina.magna@hotmail.com O CURRÍCULO DA EJA DO ENSINO MÉDIO: AS PESQUISAS DIVULGADAS ENTRE OS ANOS DE 2003 2012 Eixo: Pesquisa e Práticas Educacionais COSTA, Luis Antonio (UFOP-Brasil) luis01mascat@yahoo.com.br ARAUJO, Regina

Leia mais

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL NO BRASIL (1946-1961) Ao longo do tempo, na sociedade brasileira, as leis sempre atenderam às estratégias

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL NO BRASIL (1946-1961) Ao longo do tempo, na sociedade brasileira, as leis sempre atenderam às estratégias LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL NO BRASIL (1946-1961) Milton Cleber Pereira Amador 1 Ao longo do tempo, na sociedade brasileira, as leis sempre atenderam às estratégias de dominação das elites e isso não foi diferente

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOCIO-ECONÔMICO

QUESTIONÁRIO SOCIO-ECONÔMICO QUESTIONÁRIO SOCIO-ECONÔMICO SAE/Nº. Nome: Nº. de matrícula: Curso: Endereço: Contato: Fone Fixo ( ) Celular ( ) E-mail: PREZADO (A) ALUNO (A) ESTE QUESTIONÁRIO TEM COMO OBJETIVO CONHECER OS ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS

Leia mais

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades

II A realização dos direitos fundamentais nas cidades DIREITO À CIDADE UM EXEMPLO FRANCÊS Por Adriana Vacare Tezine, Promotora de Justiça (MP/SP) e Mestranda em Direito Urbanístico na PUC/SP I Introdução A determinação do governo francês de proibir veículos

Leia mais

A EDUCAÇÃO NAS CONSTITUIÇÕES FEDERAIS E EM SUAS EMENDAS DE 1824 A 2010*

A EDUCAÇÃO NAS CONSTITUIÇÕES FEDERAIS E EM SUAS EMENDAS DE 1824 A 2010* A EDUCAÇÃO NAS CONSTITUIÇÕES FEDERAIS E EM SUAS EMENDAS DE 1824 A 2010* Nicholas Davies O objetivo deste texto é sistematizar as disposições educacionais contidas nas Constituições federais e em suas emendas

Leia mais

Projeto A Vez do Mestre. Mudanças no Ensino Médio

Projeto A Vez do Mestre. Mudanças no Ensino Médio UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS Projeto A Vez do Mestre Mudanças no Ensino Médio Marcus dos Santos Moreira RIO DE JANEIRO, JULHO

Leia mais

PLS nº. 174/2009 sobre a criação do SESTUR (Serviço Social do Turismo) e SENATUR (Serviço Nacional de Aprendizagem do Turismo)

PLS nº. 174/2009 sobre a criação do SESTUR (Serviço Social do Turismo) e SENATUR (Serviço Nacional de Aprendizagem do Turismo) PLS nº. 174/2009 sobre a criação do SESTUR (Serviço Social do Turismo) e SENATUR (Serviço Nacional de Aprendizagem do Turismo) Audiência Pública na Comissão de Assuntos Econômicos Criação de duas novas

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR

PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR A Política previdenciária brasileira está organizada em pública e privada. A primeira se subdivide em: Regime Geral da Previdência Social RGPS - abrange a população do setor

Leia mais

REFORÇO DO QUADRO DE ACÇÃO DA COREIA

REFORÇO DO QUADRO DE ACÇÃO DA COREIA TORNAR PRIORITÁRIO O ENSINO INCLUSIVO, DE QUALIDADE E EQUITATIVO E A APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA REFORÇO DO QUADRO DE ACÇÃO DA COREIA MAIO DE 2015 RECOMENDAÇÕES DA SOCIEDADE CIVIL AFRICANA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTES ESCOLARES. Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTES ESCOLARES. Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DE TRANSPORTES ESCOLARES Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro, estabelece o quadro de atribuições e competências das autarquias locais, relativamente à Educação, em especial

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS EM ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS: ALGUMAS PONDERAÇÕES

A IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS EM ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS: ALGUMAS PONDERAÇÕES A IMPLANTAÇÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS EM ESCOLAS ESTADUAIS DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS: ALGUMAS PONDERAÇÕES Inajara Ramos 1, Lislene Nagaroto 2, Luciana Alves 3, Vera Lúcia Catoto Dias 4, Ana Maria

Leia mais

O correto preenchimento de todos os campos deste formulário é de crucial importância para nossa empresa.

O correto preenchimento de todos os campos deste formulário é de crucial importância para nossa empresa. FORMULÁRIO DE CADASTRO DE TRABALHADOR PARA O e - Social Nº de Controle Prezado Colaborador; O correto preenchimento de todos os campos deste formulário é de crucial importância para nossa empresa. Deste

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 031/07 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 031/07 CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 031/07 CONSUNI APROVA O REGULAMENTO QUE NORMATIZA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. A Presidente do Conselho Universitário CONSUNI do Centro Universitário de Jaraguá

Leia mais

Direitos no Brasil: necessidade de um choque de cidadania

Direitos no Brasil: necessidade de um choque de cidadania Direitos no Brasil: necessidade de um choque de cidadania Venceslau Alves de Souza Doutorando no Programa de Ciências Sociais da PUC-SP e Mestre em Ciências Sociais 164 Como sugere o título, Cidadania

Leia mais

MANUAL DO PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO

MANUAL DO PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO MANUAL DO PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO Este manual tem por objetivo servir como instrumento básico de orientação para o desenvolvimento das atividades do Programa de Crédito Educativo (PCE) junto a Comunidade

Leia mais

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL GLOSSÁRIO EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAC DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL RIO DE JANEIRO NOVEMBRO/2009 AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Ações educativas destinadas ao desenvolvimento de competências necessárias

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO MARANHÃO-IESMA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR DO SUL DO MARANHÃO-UNISULMA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Especialização em Metodologia do Ensino Superior Imperatriz

Leia mais

Política Nacional de Educação Infantil. Secretaria de Educação Básica Ministério da Educação

Política Nacional de Educação Infantil. Secretaria de Educação Básica Ministério da Educação Política Nacional de Educação Infantil Secretaria de Educação Básica Ministério da Educação Principais Marcos Normativos Constituição Federal - 1988 Lei de Diretrizes e Bases (LDB) - 1996 Estatuto da Criança

Leia mais

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2013

Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2013 Programa 0902 - Operações Especiais: Financiamentos com Retorno 0029 - Financiamento aos Setores Produtivos da Região Centro-Oeste Número de Ações 11 serviços, visando ao desenvolvimento econômico e social

Leia mais

EDITAL PRE Nº 003/2015 PROCESSO SELETIVO PARA TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (PSTV) PERÍODO LETIVO 2015.1

EDITAL PRE Nº 003/2015 PROCESSO SELETIVO PARA TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (PSTV) PERÍODO LETIVO 2015.1 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE ENSINO EDITAL PRE Nº 003/2015 PROCESSO SELETIVO PARA TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (PSTV) PERÍODO LETIVO 2015.1 O presente Edital

Leia mais

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN

PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN PROVA SIMULADA SOBRE A LEI DE DIRETRIZES E BÁSICAS DA EDUCAÇÃO NACIONAL LDBEN 1. A Lei de Diretrizes e Bases, Lei nº. 9394/96, em seu artigo 3º enfatiza os princípios norteadores do ensino no Brasil. Analise-os:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE ENSINO EDITAL PRE Nº 028/2014

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE PRÓ-REITORIA DE ENSINO EDITAL PRE Nº 028/2014 EDITAL PRE Nº 028/2014 (Reopção de Curso para alunos no âmbito da UFCG câmpus de Campina Grande, Cajazeiras, Sousa, Patos, Cuité, Sumé e Pombal - Período Letivo para ingresso: 2014.2) 1. Pelo presente

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE ÁREA DO CONHECIMENTO Educação. NOME DO CURSO Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Educação Ambiental e Sustentabilidade.

Leia mais

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG EDITAL DE SELEÇÃO PARA INGRESSO DE ALUNOS EM CURSOS OFERTADOS PELO SENAC

PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG EDITAL DE SELEÇÃO PARA INGRESSO DE ALUNOS EM CURSOS OFERTADOS PELO SENAC PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE - PSG EDITAL DE SELEÇÃO PARA INGRESSO DE ALUNOS EM CURSOS OFERTADOS PELO SENAC O SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL ADMINISTRAÇÃO REGIONAL DO PARÁ, SENAC/PA, no uso

Leia mais

PNE - ENSINO SUPERIOR - GRADUAÇÃO

PNE - ENSINO SUPERIOR - GRADUAÇÃO ESTUDO PNE - ENSINO SUPERIOR - GRADUAÇÃO George de Cerqueira Leite Zarur Consultor Legislativo da Área XV Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia ESTUDO DEZEMBRO/2004 Câmara dos Deputados Praça

Leia mais

República de Moçambique Ministério da Educação e Cultura

República de Moçambique Ministério da Educação e Cultura Programa Russo de Ajuda à Educação para o Desenvolvimento (READ) República de Moçambique Ministério da Educação e Cultura Moscovo, Rússia 30 de Setembro 2 de Outubro de 2009 Primeira Conferência Global

Leia mais

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica

15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME. Política Nacional de Educação Infantil. Mata de São João/BA Junho/2015. Secretaria de Educação Básica 15º FÓRUM NACIONAL DA UNDIME Política Nacional de Educação Infantil Mata de São João/BA Junho/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores urbanos e rurais

Leia mais