1B Aula 01. O Iluminismo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1B Aula 01. O Iluminismo"

Transcrição

1 1B Aula 01 O Iluminismo

2 O contexto histórico em que surgiu o Iluminismo O Iluminismo foi acima de tudo uma revolução cultural porque propôs uma nova forma de entender a sociedade e significou uma transformação profunda na forma de pensar. Base da filosofia iluminista Renascimento, Revolução Científica do século XVII. XVIII Século das Luzes Ilustração. França.

3 Renascimento séculos XIV, XV e XVI. Antropocentrismo.

4 Renascimento séculos XIV, XV e XVI. A Revolução das esferas celestes. Aperfeiçoamento do Telescópio.

5 René Descartes ( ). Valorização do pensamento humano. Racionalismo valorização da razão. Penso, logo existo

6 Immanuel Kant ( ). A Ilustração é a saída do homem de sua menoridade.

7 Filósofos iluministas... Acreditavam na razão e no progresso Democracia. Sufrágio universal. Liberdade. Igualdade. Combatiam o misticismo e a ignorância, o absolutismo, a Igreja Católica, a tortura, a pena de morte, a intervenção do Estado na Economia forças que se opunham ao progresso.

8 Século XVIII Século das Luzes Valorização da Ciência e Razão. Características Anti-Absolutismo Anti-Mercantilismo Anti-Clericalismo OPOSIÇÃO OPOSIÇÃO OPOSIÇÃO Poder ilimitado Intervencionismo Influência da Igreja

9 A Humanidade só estará livre no dia em que o último Rei morrer enforcado nas tripas do último padre. Dennis Diderot

10 Com uma das mãos tentaram abalar o trono e com a outra quiseram derrubar os altares. Advogado Séguier

11 John Locke ( ). Valorização da experiência Empirismo. O conhecimento humano deriva da experiência e da reflexão. A mente humana é uma tábula rasa. Tratado do governo civil 1690 condenou o absolutismo monarquia despótica. Influência na Revolução Francesa e Revolução Americana direito à rebelião.

12 França Montesquieu (Charles de Secondat) Divisão dos Poderes Executivo, Legislativo, Judiciário Livro: Espírito das Leis. Cartas Persas dois viajantes persas Rica e Usbeck crítica ás instituições políticas europeias.

13 Voltaire (François-Marie Arouet) Atacou a Igreja Católica. França Condenou o preconceito religioso. Acreditava em Deus, mas afirmava ser possível ter uma religião sem ter que acreditar em uma Igreja. Defendia a tolerância e a liberdade de expressão. Esmagai a infame. Se Deus não existisse seria necessário inventá-lo.

14 Principais teóricos Suiça Jean-Jacques Rousseau. Discurso sobre a origem da desigualdade entre os homens (desigualdade natural ou física e desigualdade moral ou política). Contrato Social (o homem nasce bom, a sociedade o corrompe) defendia um acordo entre os homens para que a segurança e o bem-estar coletivo prevalecessem.

15 Principais teóricos França A divulgação das idéias iluministas se deu através da Enciclopédia (primeira publicação 1751), idealizada por Diderot e D Alembert.

16

17 Os Fisiocratas Iluminismo questionava Economistas fisiocratas Mercantilismo Fisiocracia governo da natureza Contrários à Intervenção do Estado na Economia.

18 François Quesnay Primeiro teórico fisiocrata. França Médico de Luís XV. Obra: Quadro Econômico. A terra era a única fonte de riqueza. (supremacia da agricultura sobre o comércio). A agricultura é a criadora da riqueza. A indústria limita-se a transformar a matéria Fisiocratas representam o pensamento dos partidários de um capitalismo liberal agrário.

19 A ESCOLA CLÁSSICA Inglaterra A Escola de Manchester. Surgiu paralelamente à consolidação da produção capitalista na Inglaterra, a partir da Revolução Industrial. Esses novos teóricos defendiam... -liberdade econômica; -liberdade de mercado; -propriedade privada.

20 Adam Smith Inglaterra Obra: Riqueza das Nações. O trabalho, aliado ao capital, é o fator determinante da riqueza. Se opunha ao mercantilismo. Escreveu sobre a divisão do trabalho e o livre mercado. A economia deveria ser dirigida pelo livre jogo da oferta e da procura de mercado (Laissez-faire, laissez passer).

21 Thomas Robert Malthus Inglaterra Obras: Princípios de economia política - Ensaio sobre a população Investigou as causas que provocam a miséria da humanidade. A população aumenta numa progressão geométrica enquanto a produção de alimentos aumenta numa progressão aritmética. Defendeu a contenção do aumento da população. O homem só deveria casar-se e ter filhos quando dispusesse de recursos para o sustento deles. Caso contrário, deveria optar pelo celibato e pela castidade.

22 Thomas Robert Malthus Se não for a população contida teremos uma catástrofe Inglaterra

23 DESPOTISMO ESCLARECIDO. D. José I Marquês de Pombal

24 Independência dos EUA Constituição de 1787 Revolução Francesa Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão Independência da América Espanhola Luta contra a dominação metropolitana Revoluções de 1830 e 1848 na França Rompimento definitivo com o Antigo Regime.

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa

História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa História- 2 ano/ Ensino Médio Revolução Francesa 1 A Revolução Francesa representou uma ruptura da ordem política (o Antigo Regime) e sua proposta social desencadeou a) a concentração do poder nas mãos

Leia mais

A Organização da Aula

A Organização da Aula Curso: Ciências Sociais Prof. Me: Edson Fasano Sociedade Capitalista: REVOLUÇÃO FRANCESA A Organização da Aula 1º Bloco: Iluminismo e Independência dos EUA. 2º Bloco: - Antecedentes da Revolução Francesa.

Leia mais

OFICINA DA PESQUISA ÉTICA, POLÍTICA E SOCIEDADE

OFICINA DA PESQUISA ÉTICA, POLÍTICA E SOCIEDADE OFICINA DA PESQUISA ÉTICA, POLÍTICA E SOCIEDADE Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br A FORMAÇÃO DA MORAL OCIDENTAL A FILOSOFIA MODERNA

Leia mais

COLÉGIO SANTO ANDRÉ. EXERCÍCIOS DE HISTÓRIA 8º Ano - 1º TRIMESTRE. PROFª Ms ROSANE T. PETRORÓSSI DE FIGUEIREDO

COLÉGIO SANTO ANDRÉ. EXERCÍCIOS DE HISTÓRIA 8º Ano - 1º TRIMESTRE. PROFª Ms ROSANE T. PETRORÓSSI DE FIGUEIREDO COLÉGIO SANTO ANDRÉ EXERCÍCIOS DE HISTÓRIA 8º Ano - 1º TRIMESTRE PROFª Ms ROSANE T. PETRORÓSSI DE FIGUEIREDO REFLITA A PARTIR DE ESTUDOS EM SALA DE AULA E TAREFAS DIRIGIDAS E RESPONDA ÀS SEGUINTES QUESTÕES

Leia mais

A educação no Iluminismo: o ideal liberal da educação

A educação no Iluminismo: o ideal liberal da educação A educação no Iluminismo: o ideal liberal da educação Edilian Arrais * CONTEXTO HISTÓRICO As revoluções burguesas Até o século XVIII a burguesia ocupou posição secundária na estrutura da sociedade aristocrata,

Leia mais

HISTÓRIA DOS PARTIDOS POLÍTICOS NA REVOLUÇÃO FRANCESA

HISTÓRIA DOS PARTIDOS POLÍTICOS NA REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA DOS PARTIDOS POLÍTICOS NA REVOLUÇÃO FRANCESA Marcos Faber 1ª Edição www.historialivre.com Antecedentes: O Iluminismo O Iluminismo foi um movimento filosófico que defendeu o final dos regimes absolutistas

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda DISCIPLINA: Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA: 06/02/2012. CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br QUESTÕES DE VESTIBULAR e-mail: especifico@especifico.com.br Av. Rio Claro nº 615 Centro

Leia mais

História dos Direitos Humanos

História dos Direitos Humanos História dos Direitos Humanos Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. Os direitos humanos são o resultado de uma longa história, foram debatidos ao longo dos séculos por filósofos e juristas. O início

Leia mais

dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão.

dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão. dóxa e epistéme. sensível e inteligível. fé e razaão. Senso comum... aranha caranguejeira ou aranha-marrom? Epistemologia Moderna e Contemporânea EPISTEMOLOGIA investiga o conhecimento. limites. possibilidades.

Leia mais

INTRODUÇÃO AO PENSAMENTO

INTRODUÇÃO AO PENSAMENTO Unidade I INTRODUÇÃO AO PENSAMENTO SOCIOLÓGICO Profa. Rita Maciel Introdução ao Pensamento Sociológico Ementa: Unidade I 1. A Sociologia nos diversos campos da vida humana 2. O Renascimento e o novo pensamento

Leia mais

CURSO DE DIREITO PLANO DE AULA (UD-3)

CURSO DE DIREITO PLANO DE AULA (UD-3) CURSO DE DIREITO PLANO DE AULA (UD-3) Disciplina: HISTÓRIA DO DIREITO (Io Período) Professor: M iguel DALADIER Barros I OBJETIVO GERAL: Permitir ao estudante de Direito o conhecimento da evolução histórica

Leia mais

Aula anterior... Revisão Geral de Conteúdo

Aula anterior... Revisão Geral de Conteúdo Aula anterior... Revisão Geral de Conteúdo Reveja esta aula em: http://www.joseferreira.com.br/blogs/sociologia/ Professor: Danilo Borges - Sociologia Aula de hoje... Aprofundamento do problema do trabalho

Leia mais

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Índice Clique sobre tema desejado: A origem dos Estados Nacionais Contexto Histórico: crise feudal (séc. XIV-XVI) Idade Média Idade Moderna transição Sociedade

Leia mais

CIÊNCIA DAS FINANÇAS

CIÊNCIA DAS FINANÇAS CIÊNCIA DAS FINANÇAS A Ciência das Finanças é a disciplina que, pela investigação dos fatos, procura explicar os fenômenos ligados à obtenção e dispêndio do dinheiro necessário ao funcionamento dos serviços

Leia mais

BREVES EXPOSIÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS

BREVES EXPOSIÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS BREVES EXPOSIÇÕES SOBRE OS DIREITOS HUMANOS Kelen Campos Benito 1 Bruno Souza Garcia 2 Resumo: O presente trabalho tem por finalidade discutir os Direitos Humanos que são os Direitos Fundamentais do homem.

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE PINHEIRO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE PINHEIRO

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE PINHEIRO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE PINHEIRO AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE PINHEIRO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE PINHEIRO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS - HISTÓRIA 8º Ano Turma A ANO LECTIVO 2011/2012 Disciplina 1º Período Nº de aulas previstas 38

Leia mais

Luís Francisco Carvalho Departamento de Economia Política Escola de Ciências Sociais e Humanas, ISCTE-IUL 1

Luís Francisco Carvalho Departamento de Economia Política Escola de Ciências Sociais e Humanas, ISCTE-IUL 1 Luís Francisco Carvalho Departamento de Economia Política Escola de Ciências Sociais e Humanas, ISCTE-IUL 1 1. Revisitar as ideias de Friedrich List, procurando uma leitura contextualizada, em termos da

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

Revoluções Burguesas

Revoluções Burguesas Aula 10 Revoluções Burguesas Entende-se por Revoluções Burguesas os processos históricos que consolidam o poder econômico da burguesia, bem como sua ascensão ao poder político. Ao longo dos séculos XVII

Leia mais

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO

SUMÁRIO O MUNDO ANTIGO SUMÁRIO Apresentação Prefácio Introdução 1. Da história da pedagogia à história da educação 2. Três revoluções em historiografia 3. As muitas histórias educativas 4. Descontinuidade na pesquisa e conflito

Leia mais

PROVA DO MESTRADO FILOSOFIA, TEORIA E HISTÓRIA DO DIREITO. Metáfora das cores: Negro (clero), Vermelho (militar, napoleônico), Azul (nobreza).

PROVA DO MESTRADO FILOSOFIA, TEORIA E HISTÓRIA DO DIREITO. Metáfora das cores: Negro (clero), Vermelho (militar, napoleônico), Azul (nobreza). PROVA DO MESTRADO FILOSOFIA, TEORIA E HISTÓRIA DO DIREITO QUESTÃO 1: Sob a perspectiva de Julien Sorel, de que maneira se relacionam os sistemas jurídicos que Stendhal, metaforicamente, associou aos negros,

Leia mais

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia

Sociologia Organizacional. Aula 1. Contextualização. Organização da Disciplina. Aula 1. Contexto histórico do aparecimento da sociologia Sociologia Organizacional Aula 1 Organização da Disciplina Aula 1 Contexto histórico do aparecimento da sociologia Aula 2 Profa. Me. Anna Klamas A institucionalização da sociologia: August Comte e Emile

Leia mais

HG. 11. Renascimento

HG. 11. Renascimento HG. 11 Renascimento Berço Itália depois se espalha Retomada dos ideais greco romanos Antropocentrismo Experimentalismo Naturalismo (controle da natureza) Humanismo Hedonismo (prazer pessoal) Universalismo

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA Ano Letivo 2014/2015 I - AVALIAÇÃO: Escola Secundária com 3º Ciclo do Ensino Básico de Amora 1. Domínios de avaliação, parâmetros e ponderações I Domínio dos Conhecimentos

Leia mais

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo

A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo A Revoluções Burguesas na Inglaterra: o surgimento do Parlamentarismo Parlamento Inglês -Rainha Elizabeth I (1558-1603) maior exemplo de poder absoluto na Inglaterra daquele tempo; - Maquiavélica; - Enquanto

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA SURGIMENTO DO MUNDO MODERNO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA SURGIMENTO DO MUNDO MODERNO EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA SURGIMENTO DO MUNDO MODERNO 01) O Estado moderno, que representou o fim das concepções políticas medievais, encontrou vários teóricos. Entre eles merecem destaque Maquiavel,

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 094/2015-CONSET/SEHLA/G/UNICENTRO, DE 11 DE AGOSTO DE 2015. Altera os Anexos I e II, da Resolução Nº 133/2012- CONSET/SEHLA/G/UNICENTRO, de 23 de novembro de 2012, e aprova o relatório final.

Leia mais

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão.

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Programa UNIDADE 1: UNIDADE 2 Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Funções do administrador no mundo contemporâneo. Arquitetura Organizacional. UNIDADE 3

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

DUAS CONCEPÇÕES DA FILOSOFIA POLÍTICA MODERNA: HOBBES E LOCKE

DUAS CONCEPÇÕES DA FILOSOFIA POLÍTICA MODERNA: HOBBES E LOCKE DUAS CONCEPÇÕES DA FILOSOFIA POLÍTICA MODERNA: HOBBES E LOCKE BERNARDO GOYTACAZES DE ARAUJO. SÉRGIO LUNA. Membros do Centro de Pesquisas Estratégicas da UFJF. Acadêmicos do Curso de Filosofia da UFJF.

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia

Nome: nº. Recuperação Final de História Profª Patrícia 1 Conteúdos selecionados: Nome: nº Recuperação Final de História Profª Patrícia Lista de atividades 8º ano Apostila 1: O Absolutismo; Revoluções Inglesas e colonização da América do Norte Apostila 2: Revolução

Leia mais

Renascimento Cultural

Renascimento Cultural Renascimento Cultural Séculos XIV ao XVII Prof. Dieikson de Carvalho Renascimento Cultural Contexto histórico Transição da Idade Média para Idade Moderna. Século XIV ao XVII. Resultado do Renascimento

Leia mais

FUVEST E UNICAMP ABSOLUTISMO

FUVEST E UNICAMP ABSOLUTISMO 1. (Unicamp 94) A respeito do Estado Moderno, o pensador político inglês John Locke (1632-1704) escreveu: "Considero poder político o direito de fazer leis para regular e preservar a propriedade". (Citado

Leia mais

Teoria do comércio Internacional

Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Teoria do comércio Internacional Surgimento de uma economia global; Comércio + ou - = conflito armado; Estado nacional moderno e a economia internacional moderna surgem

Leia mais

5ª. Apostila de Filosofia FILOSOFIA MODERNA

5ª. Apostila de Filosofia FILOSOFIA MODERNA 1 5ª. Apostila de Filosofia FILOSOFIA MODERNA A História da Filosofia A História da Filosofia não é apenas um relato histórico, mas as transformações do pensamento humano ocidental, ou seja, o percurso

Leia mais

A Era das Revoluções. Autor: Eric Hobsbawm. Editora: Paz e Terra.

A Era das Revoluções. Autor: Eric Hobsbawm. Editora: Paz e Terra. Objetivos: - EXPLICAR as características do Antigo Regime. - IDENTIFICAR o conjunto de causas sociais, econômicas e políticas da Revolução Francesa. - IDENTIFICAR as etapas do processo revolucionário francês

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

O nascimento da sociologia. Prof. Railton Souza

O nascimento da sociologia. Prof. Railton Souza O nascimento da sociologia Prof. Railton Souza Áreas do Saber MITO RELIGIÃO ARTES FILOSOFIA CIÊNCIA SENSO COMUM CIÊNCIAS NATURAIS OU POSITIVAS ASTRONOMIA FÍSICA QUÍMICA BIOLOGIA MATEMÁTICA (FERRAMENTA

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

A CRISE DO SISTEMA FEUDAL

A CRISE DO SISTEMA FEUDAL A CRISE DO SISTEMA FEUDAL O DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA FEUDAL NA EUROPA OCIDENTAL O apogeu do feudalismo ocorre entre os séculos IX e XIII; 4. CAUSAS PARA O DESENVOLVIMENTO DO FEUDALISMO Fim das invasões

Leia mais

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO CONTEXTO No final da Idade Média (séculos XIV e XV), ocorreu uma forte centralização política nas mãos dos reis. A burguesia comercial ajudou muito neste processo, pois interessa

Leia mais

A Escola Inglesa. Em toda a Europa, até o século VII, o louco era precioso para Deus e bem tratado pelo discurso e práticas religiosa.

A Escola Inglesa. Em toda a Europa, até o século VII, o louco era precioso para Deus e bem tratado pelo discurso e práticas religiosa. A Escola Inglesa Em toda a Europa, até o século VII, o louco era precioso para Deus e bem tratado pelo discurso e práticas religiosa. Mas a partir do século XVII, número de loucos e miseráveis aumentaram

Leia mais

A Organização da Aula

A Organização da Aula Curso: Ciências Sociais Prof. Ms: Edson Fasano Sociedade Capitalista: Revoluções Inglesas. A Organização da Aula 1º Bloco: A Inglaterra do século XVI; 2º Bloco: - A Revolução Puritana e Gloriosa; 3º Bloco:

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2

Educação Matemática. Prof. Andréa Cardoso 2013/2 Educação Matemática Prof. Andréa Cardoso 2013/2 UNIDADE I Educação Matemática e Ensino Vozes isoladas alertam sobre os perigos da neglicência aos conhecimentos matemáticos. Fala do franciscano Roger Bacon

Leia mais

Leis Morais Lei da Igualdade. Sandra Veiga 01/04/2015

Leis Morais Lei da Igualdade. Sandra Veiga 01/04/2015 Leis Morais Lei da Igualdade Sandra Veiga Sandra Veiga A Idade Moderna Contexto da França Pré-revolucionária 1- Crise econômica: A França era basicamente agrária e semifeudal, aliada ao crescimento demográfico

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 À procura de solução para a crise: 1787 Luís XVI convocação dos conselheiros para criação de novos impostos Acabar com a isenção fiscal do Primeiro e Segundo Estados CONSEQUÊNCIA

Leia mais

Sociologia: ciência da sociedade

Sociologia: ciência da sociedade Sociologia: ciência da sociedade O QUE É SOCIOLOGIA? Sociologia: Autoconsciência crítica da realidade social. Ciência que estuda os fenômenos sociais. A Sociologia procura emancipar o entendimento humano

Leia mais

Palestra realizada no auditório da Secretaria de Economia e Planejamento do Governo do Estado de São Paulo no dia 05/06/2009.

Palestra realizada no auditório da Secretaria de Economia e Planejamento do Governo do Estado de São Paulo no dia 05/06/2009. Palestra realizada no auditório da Secretaria de Economia e Planejamento do Governo do Estado de São Paulo no dia 05/06/2009. Palestrante: Profa. Dra. Gisele Mascarelli Salgado. GISELLE MASCARELLI SALGADO:

Leia mais

Roteiro: Locke: contexto histórico, metodologia, natureza humana e estado de natureza

Roteiro: Locke: contexto histórico, metodologia, natureza humana e estado de natureza Gustavo Noronha Silva José Nailton Silveira de Pinho Juliana Gusmão Veloso Kátia Geralda Pascoal Fonseca Walison Vasconcelos Pascoal Roteiro: Locke: contexto histórico, metodologia, natureza humana e estado

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO SANTA CECÍLIA

COLÉGIO VICENTINO SANTA CECÍLIA COLÉGIO VICENTINO SANTA CECÍLIA Série: 2º ano do Ensino Médio - PROF. Emerson Guimarães - Exercícios de revisão Iluminismo e Revolução Inglesa 1. As grandes revoluções burguesas do século XVIII refletem,

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

JUSTIÇA SOCIAL. Resumo

JUSTIÇA SOCIAL. Resumo JUSTIÇA SOCIAL Adlana Costa Monteiro* Diego Ferreira Santos* Fábio Fernandes do Nascimento* Juliana Bicalho* Lúcio Moroni Borges* Tânia Lúcia Vilaça Santos... um dos argumentos mais poderosos em favor

Leia mais

Declaração Universal dos. Direitos Humanos

Declaração Universal dos. Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Ilustrações gentilmente cedidas pelo Fórum Nacional de Educação em Direitos Humanos Apresentação Esta é mais uma publicação da Declaração Universal dos Direitos

Leia mais

CAPÍTULO 7 As revoluções inglesas, 105 CAPÍTULO 8 O iluminismo e a construção de novos paradigmas, 115 CAPÍTULO 9 A Revolução Industrial, 134

CAPÍTULO 7 As revoluções inglesas, 105 CAPÍTULO 8 O iluminismo e a construção de novos paradigmas, 115 CAPÍTULO 9 A Revolução Industrial, 134 CAPÍTULO 7 As revoluções inglesas, 105 CAPÍTULO 8 O iluminismo e a construção de novos paradigmas, 115 CAPÍTULO 9 A Revolução Industrial, 134 CAPÍTULO 10 A Independência dos EUA, 149 CAPÍTULO 11 A Revolução

Leia mais

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: A Revolução Francesa

INTEIRATIVIDADE FINAL CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA. Conteúdo: A Revolução Francesa Conteúdo: A Revolução Francesa Habilidades: Reconhecer nas origens e consequências da Revolução Francesa de 1789, os elementos fundamentais da formação política e social contemporânea para a história contemporânea.

Leia mais

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos No dia 10 de dezembro de 1948, a Assembléia Geral das Nações Unidas adotou

Leia mais

OS CONTRATUALISTAS E A QUESTÃO DO ESTADO

OS CONTRATUALISTAS E A QUESTÃO DO ESTADO OS CONTRATUALISTAS E A QUESTÃO DO ESTADO Thomas Hobbes (1588-1679) As teorias acerca dos fundamentos do Estado moderno começam a receber formulações mais completas a partir do século XVII com o pensador

Leia mais

O APOGEU DO ANTIGO REGIME

O APOGEU DO ANTIGO REGIME O APOGEU DO ANTIGO REGIME Cada nação europeia viveu uma experiência política e econômica diferenciada durante o Antigo Regime Europeu. Veremos agora o apogeu do absolutismo em diferentes Estados. O Caso

Leia mais

Cap. 12- Independência dos EUA

Cap. 12- Independência dos EUA Cap. 12- Independência dos EUA 1. Situação das 13 Colônias até meados do séc. XVIII A. As colônias inglesas da América do Norte (especialmente as do centro e norte) desfrutavam da negligência salutar.

Leia mais

LIBERDADE, IGUALDADE E FRATERNIDADE NA CONSTRUÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS

LIBERDADE, IGUALDADE E FRATERNIDADE NA CONSTRUÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS LIBERDADE, IGUALDADE E FRATERNIDADE NA CONSTRUÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS Giuseppe Tosi * * Professor do Departamento de Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos da Universidade Federal

Leia mais

CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito. Aula 03. Prof. Milton Correa Filho

CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito. Aula 03. Prof. Milton Correa Filho CEAP Curso de Direito Disciplina Introdução ao Direito Aula 03 E Prof. Milton Correa Filho 1.Motivação: O que é o que é (Gonzaguinha) -Dialógo de Antigona 2.Apresentação dos slides 3.Tira duvidas 4.Avisos

Leia mais

FILOSOFIA. a) Tales de Mileto; b) Anaximandro de Mileto; c) Pitágoras de Samos; d) Anaxímenes de Mileto; e) Zenão de Eléia

FILOSOFIA. a) Tales de Mileto; b) Anaximandro de Mileto; c) Pitágoras de Samos; d) Anaxímenes de Mileto; e) Zenão de Eléia FILOSOFIA 01 - Nem a água nem algum dos elementos, mas alguma substancia diferente, ilimitada e dela, nascem os céus e os mundos neles contidos. In Fundamentos da Filosofia. O texto acima se refere à busca

Leia mais

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno* * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós- Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O 1 - INTRODÇÃO 1789 a Bastilha (prisão) foi invadida pela população marca

Leia mais

NICOLAU MAQUIAVEL (1469-1527) 1. Contexto Histórico

NICOLAU MAQUIAVEL (1469-1527) 1. Contexto Histórico NICOLAU MAQUIAVEL (1469-1527) 1. Contexto Histórico Maquiavel viveu no período do Fim da Idade Média e início da era moderna (século XVI). Neste período a Europa como palco de grandes transformações culturais,

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes

Escola de Formação Política Miguel Arraes Escola de Formação Política Miguel Arraes Curso de Formação, Capacitação e Atualização Política dos Filiados, Militantes e Simpatizantes Módulo II História da Formação do Capitalismo Aula 1 Liberalismo,

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade.

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. REVOLUÇÃO FRANCESA REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. 1789 Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. Influência: Iluminista. DIVISÃO SOCIAL 1º

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Análise de informação do manual. Filmes educativos

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES. Análise de informação do manual. Filmes educativos ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES 3º C.E.B. DISCIPLINA: História ANO: 8º ANO LECTIVO 2010/2011 COMPETÊNCIAS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ACTIVIDADES ESTRATÉGIAS AULAS PREVISTAS INSTRUMENTOS DE

Leia mais

A CRISE DO ANTIGO REGIME A INDEPENDÊNCIA DOS EUA. A Independência dos EUA

A CRISE DO ANTIGO REGIME A INDEPENDÊNCIA DOS EUA. A Independência dos EUA A Independência dos EUA Definição: Movimento que inspirado nos princípios iluministas determinou o fim do domínio da Inglaterra sobre as chamadas 13 colônias americanas (atualmente EUA); que teve início

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO MAX WEBER é a ÉTICA PROTESTANTE Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2013 A Importância da teoria sociológica de Max Weber A obra do sociólogo alemão Max Weber para análise

Leia mais

Conhecimento e Desigualdade

Conhecimento e Desigualdade Conhecimento e Desigualdade Marcos Cavalcanti CRIE Centro de Referência em Inteligência Empresarial Programa de Engenharia de Produção - COPPE/UFRJ marcos@crie.coppe.ufrj.br Segundo a OCDE o conhecimento

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

Exercícios de sala Aulas 19 e 20 Aula 22 Aula 21

Exercícios de sala Aulas 19 e 20 Aula 22 Aula 21 Exercícios de sala Aulas 19 e 20 As 95 Teses de Lutero são o documento considerado como marco inicial da Reforma religiosa na Alemanha. O componente político, da submissão da Igreja aos poderes temporais,

Leia mais

Total aulas previstas

Total aulas previstas ESCOLA BÁSICA 2/3 DE MARTIM DE FREITAS Planificação Anual de História do 7º Ano Ano Lectivo 2011/2012 LISTAGEM DE CONTEÚDOS TURMA Tema 1.º Período Unidade Aulas Previas -tas INTRODUÇÃO À HISTÓRIA: DA ORIGEM

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

Tarefa Net 9º ano História. 2º Bimestre

Tarefa Net 9º ano História. 2º Bimestre Tarefa Net 9º ano História 2º Bimestre 1. Há 70 anos o mundo assistiu ao começo da Guerra Civil Espanhola, cujo saldo de 600 mil mortos provocou comoção internacional, mas não evitou a instalação de uma

Leia mais

Aula 24 Reforma e contrarreforma

Aula 24 Reforma e contrarreforma FB MED, M3, 3 ANO e ANUAL. Aula 24 Reforma e contrarreforma DeOlhoNoEnem H3 - Associar as manifestações culturais do presente aos seus processos históricos.(análise das diversas práticas protestantes)

Leia mais

o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14

o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14 SuMÁRIo UNIDADE I O ADVENTO DO MUNDO MODERNO: POLÍTICA E CULTURA... 12 Capítulo 1 o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14 A fragmentação do poder na sociedade feudal...

Leia mais

HISTÓRIA. 37 Associe as civilizações da Antigüidade Ocidental, listadas na Coluna A, às características que as identificam, apresentadas na Coluna B.

HISTÓRIA. 37 Associe as civilizações da Antigüidade Ocidental, listadas na Coluna A, às características que as identificam, apresentadas na Coluna B. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Ocidental, listadas na Coluna A, às características que as identificam, apresentadas na Coluna B. 1 2 COLUNA A Grega Romana COLUNA B ( ) Incorporou e

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 221, DE 26 DE JULHO DE 2011

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 221, DE 26 DE JULHO DE 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 221, DE 26 DE JULHO DE 2011 O Presidente, Substituto, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas

Leia mais

www.boscotorres.com.br Prof. Bosco Torres CE_07_Adam Smith e David Ricardo 1

www.boscotorres.com.br Prof. Bosco Torres CE_07_Adam Smith e David Ricardo 1 ADAM SMITH e DAVID RICARDO DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 1 Principais

Leia mais

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 8 Ano Prof.: TONHAO Disciplina HISTÓRIA Aluno (a):. No.

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 8 Ano Prof.: TONHAO Disciplina HISTÓRIA Aluno (a):. No. Orientações: -Responder manuscrito; -Cópias de colegas, entrega com atraso, letra ilegível, deixar de responder alguma questão e o não cumprimento de orientações passadas pelo professor, acarretará no

Leia mais

População é o conjunto de habitantes de um determinado lugar em um determinado tempo;

População é o conjunto de habitantes de um determinado lugar em um determinado tempo; INTRODUÇÃO À GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO 1 Aspectos teóricos e metodológicos da geografia da população População é o conjunto de habitantes de um determinado lugar em um determinado tempo; A importância de

Leia mais

FIEB (Fundação Instituto de Educação de Barueri) - Escola Maria Theodora. Profa. Agnes Sociologia 2º. Médio

FIEB (Fundação Instituto de Educação de Barueri) - Escola Maria Theodora. Profa. Agnes Sociologia 2º. Médio 1 FIEB (Fundação Instituto de Educação de Barueri) - Escola Maria Theodora Profa. Agnes Sociologia 2º. Médio # Estado Nacional e poder político * Importância do poder: questões relativas ao Estado, povo,

Leia mais

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO

HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO Postado em Nov 19, Publicado por UFLA Júnior Categoria Notícias Vamos falar um pouco sobre a história da Administração. Seu surgimento, evolução e idéias durante o

Leia mais

MODALIDADES DE PESQUISA: UM ESTUDO INTRODUTÓRIO

MODALIDADES DE PESQUISA: UM ESTUDO INTRODUTÓRIO MODALIDADES DE PESQUISA: UM ESTUDO INTRODUTÓRIO Maria Adelia Teixeira Baffi Mestre em Educação - UFRJ Professora Titular - FE/UCP http://www.pedagogiaemfoco.pro.br Uma das preocupações básicas dos pesquisadores,

Leia mais

Refletir sobre a evolução do Lazer na sociedade ocidental, de uma perspectiva do tempo e atividades.

Refletir sobre a evolução do Lazer na sociedade ocidental, de uma perspectiva do tempo e atividades. HISTÓRICO DO LAZER Objetivo Refletir sobre a evolução do Lazer na sociedade ocidental, de uma perspectiva do tempo e atividades. 1. Da Grécia Antiga aos dias de hoje Os humanos sempre brincaram em toda

Leia mais

PERÍODO Início da Idade Moderna Século XVI ONDE COMEÇOU? ALEMANHA QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS? a ruptura ( rompimento) e a divisão da Igreja

PERÍODO Início da Idade Moderna Século XVI ONDE COMEÇOU? ALEMANHA QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS? a ruptura ( rompimento) e a divisão da Igreja A REFORMA RELIGIOSA A REFORMA, FOI UM MOVIMENTO RELIGIOSO EM OPOSIÇÃO À IGREJA CATÓLICA PERÍODO Início da Idade Moderna Século XVI ONDE COMEÇOU? ALEMANHA QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS? a ruptura ( rompimento)

Leia mais

8º ANO 1º PERÍODO 2012-2013 TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI E.1. O EXPANSIONISMO EUROPEU

8º ANO 1º PERÍODO 2012-2013 TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI E.1. O EXPANSIONISMO EUROPEU 8º ANO 1º PERÍODO 2012-2013 TEMA E EXPANSÃO E MUDANÇA NOS SÉCULOS XV E XVI E.1. O EXPANSIONISMO EUROPEU -Da crise económica à recuperação:. As dificuldades do séc. XIV;. A Europa no séc. XV. - Origens

Leia mais

IDADE MODERNA I Renascimento Cultural Absolutismo Reforma Expansão Marítima. Prof.ª. Maria Auxiliadora

IDADE MODERNA I Renascimento Cultural Absolutismo Reforma Expansão Marítima. Prof.ª. Maria Auxiliadora IDADE MODERNA I Renascimento Cultural Absolutismo Reforma Expansão Marítima Prof.ª. Maria Auxiliadora Mudanças no final da Idade Média Política - Nobreza e Clero perdem o poder - Rei centraliza o poder

Leia mais

ANÁLISE GEOGRÁFICA DA RELAÇÃO SOCIEDADE/NATUREZA

ANÁLISE GEOGRÁFICA DA RELAÇÃO SOCIEDADE/NATUREZA ANÁLISE GEOGRÁFICA DA RELAÇÃO SOCIEDADE/NATUREZA BIANCHI, Aline Barrim Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Ciências Naturais e Exatas CCNE Curso de Geografia Licenciatura email: alinebarrim@gmail.com

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 130, DE 7 DE AGOSTO DE 2008.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 130, DE 7 DE AGOSTO DE 2008. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 130, DE 7 DE AGOSTO DE 2008. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais