Mundos sucientes e tempo, aula 2 de Aulas Informais de Semântica Formal (Bach 1987) Luiz Arthur Pagani

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Mundos sucientes e tempo, aula 2 de Aulas Informais de Semântica Formal (Bach 1987) Luiz Arthur Pagani"

Transcrição

1 Mundos sucientes e tempo, aula 2 de Aulas Informais de Semântica Formal (Bach 1987) Luiz Arthur Pagani 1

2 Que tipo de estrutura de modelos é apropriada ou adequada para as línguas naturais? (p. 15) gramática universal: estou escrevendo aqui língua natural como se todas as línguas naturais se comportassem da mesma forma com respeito ao tipo de estrutura de modelo que elas exigem. Esta é uma questão muito importante e gigantesca. Não podemos meramente assumir que isto esteja correto. Mas espera-se que, como na sintaxe, onde tentamos desenvolver uma teoria geral da gramática universal no âmbito da qual podemos dar conta da unidade e da diversidade das línguas naturais, na semântica, também procuramos uma teoria universal no âmbito da qual possamos entender línguas naturais como o chinês, o português, o aramaico, o hindu, e assim por diante. (p. 15) 2

3 comecei a fazer a seguinte pergunta: A estrutura de modelos que encontramos para o CP também é adequada para as línguas naturais? E sugeri que não. (p. 15) Vamos continuar a rever este sistema simples para tentar entender o que temos de fazer para que um sistema deste tipo nos permita atingir teorias cada vez mais adequadas para as línguas naturais. (p. 15) predicados de três lugares, como dar: A dá B a C (p. 16) predicados de quatro lugares, como comprar: A compra B de C por D (p. 16) (predicados de qualquer quantidade de lugar) 3

4 interpretação com duas partes: Uma interpretação, no sentido da teoria semântica de teoria de modelos, é uma forma de atribuir denotações de uma determinada estrutura de modelos às expressões de uma língua. Então uma interpretação de uma língua tem duas partes. (p. 17) primeira parte: A primeira é o que chamei de estrutura de modelos, que é constituída apenas pelos objetos necessários para se interpretar a língua. Na interpretação padrão do cálculo de predicados, são necessários dois tipos de objetos, porque trata-se de um sistema extremamente simples. Tudo o que você precisa é de um conjunto de indivíduos, que vou chamar de E, e um conjunto de valores de verdade. Não existe uma maneira padrão para designar este último conjunto, mas ele é simplesmente um conjunto que eu escrevo como 1 e 0. (p. 17) 4

5 segunda parte: Da última vez, também disse alguma coisa sobre a forma como estas coisas estão relacionadas às expressões através da interpretação. Esta é a segunda coisa da qual precisamos: uma forma de atribuir elementos da estrutura de modelos às expressões da língua. Como você pode recordar, quando estamos diante de termos, estes termos estão ligados diretamente ao conjunto de indivíduos se eles são constantes, ou estão ligados indiretamente ao conjunto de indivíduos de acordo com uma atribuição de valores às variáveis. (p. 17) predicados de um lugar: conjuntos de indivíduos predicados de dois lugares: conjuntos de pares ordenados de indivíduos 5

6 (agora) três partes: Então, o que é uma interpretação? Uma interpretação, até agora, precisa de três coisas. Primeiro, precisa de uma certa estrutura de modelos vamos chamar esta estrutura de modelos de M1. M1 vai ser a primeira estrutura de modelos que vamos ver. M1 é a estrutura de modelos de uma interpretação padrão do cálculo de predicados. Além disso, duas coisas são necessárias: primeiro, um conjunto (chamado de G) de atribuições de valores às variáveis, e precisamos também de uma função de avaliação, que vou chamar de D. A função (mapeamento ou procedimento) de avaliação é uma maneira de tomar uma expressão e dizer que signicado ou denotação ela deve ter dentro desta estrutura de modelos. Consequentemente, estas três coisas são parte da interpretação padrão do cálculo de predicados: uma determinada estrutura de modelos, uma determinada atribuição de valores às variáveis e uma função de avaliação. Eis um resumo de uma estrutura de interpretação: M1, D, G. 6

7 D(Correr) = conjunto dos indivíduos que correm (p. 17) [Correr ] D(m) = algum indivíduo do modelo; Murilo, digamos (p. 17) [m] D(Correr(m)) = 1 sse D(m) D(Correr) [Correr(m)] D(Correr(x)) = 1 sse g(x) D(Correr) (p. 18) [Correr(x)] reformulação da semântica do universal: xf denota 1 numa atribuição g sse F denota 1 em toda atribuição g, que é exatamente como g, exceto possivelmente pelo valor que g atribui a x. (p. 18) 7

8 E = {,, } / D(V er) = {,,,,,,, } D(V er(x, y)) D [x,y ] (V er(x, y)) = 1 sse, D(V er) D [x,y ] (V er(x, y)) = 0 D [x,y ] (V er(x, y)) = 1 sse, D(V er) D [x,y ] (V er(x, y)) = 1 D [x,y ] (V er(x, y)) = 1 sse, D(V er) D [x,y ] (V er(x, y)) = 1 D [x,y ] (V er(x, y)) = 1 sse, D(V er) D [x,y ] (V er(x, y)) = 1 D [x,y ] (V er(x, y)) = 1 sse, D(V er) D [x,y ] (V er(x, y)) = 0 D [x,y ] (V er(x, y)) = 1 sse, D(V er) D [x,y ] (V er(x, y)) = 0 8

9 D [x,y ] (V er(x, y)) = 1 sse, D(V er) D [x,y ] (V er(x, y)) = 1 D [x,y ] (V er(x, y)) = 1 sse, D(V er) D [x,y ] (V er(x, y)) = 0 D [x,y ] (V er(x, y)) = 1 sse, D(V er) D [x,y ] (V er(x, y)) = 0 linguística e não ciência: Não faz parte de nossa tarefa sermos capaz de dizer quando determinadas asseverações são verdadeiras ou falsas em relação ao mundo real. (p. 19) línguas naturais CP: diferenças sintáticas: outros tipos de expressão além de constantes, variáveis e predicados diferenças semânticas: outras estruturas de modelos além de indiíduos e conjuntos 9

10 `Necessariamente, F ' é verdadeira se e somente se, em todo mundo possível, F for verdadeira. (p. 20) nova estrutura de modelos: indivíduos (E), valores de verdade ({0, 1}) e, agora, mundos possíveis (P ) É possível que esteja chovendo em Pequim é verdadeira só no caso de, em algum mundo possível, ser realmente verdade nesse mundo que está chovendo em Pequim. (p. 21) um mundo possível não é assim tão misterioso. É simplesmente uma maneira de pensar sobre outras formas que o mundo poderia ter, diferentemente do que ele é na realidade. (p. 21) 10

11 suponham que estou vendo aqui alguém cujo nome é Maria e digo `Maria pode falar português'. Talvez nesse exato momento Maria esteja dormindo ou lendo um livro ou falando com alguém em uma outra língua, quem sabe o chinês. O que eu estaria dizendo de acordo com essa maneira de explicar modalidade, de explicar idéias modais como pode e deve e precisa e assim por diante, seria mais ou menos como dizer: `Maria pode falar português' é verdadeira se há algum mundo possível no qual Maria de fato fale português ou esteja falando português naquele momento. (p. 21) 11

12 O que signica dizer `João não deveria caminhar no parque' nesse mundo? O que estou dizendo sugere que a resposta está numa reexão sobre outros mundos possíveis. A sentença 5 é verdadeira se, em todos os `mundos do dever' (todos os mundos que deveriam existir), João não caminha no parque. Na verdade, talvez João esteja caminhando no parque. Gostaríamos de dizer, bom, é verdade que João está caminhando no parque, mas em algum outro tipo de circunstância, mais explicitamente, o tipo de circunstância que deveria existir, João não está caminhando no parque; portanto, estes mundos possíveis estão relacionados à compreensão de estados alternativos que as coisas poderiam assumir. E isto é tudo o que a expressão mundos possíveis signica. (p. 21) 12

13 Nós dizemos que `Maria caminhou no parque' é verdadeira em um certo mundo se há um mundo anterior um mundo que está ordenado anteriormente em relação ao mundo presente e neste mundo anterior, `Maria caminha no parque' é verdadeira. (p. 22) A sentença 12 vai ser verdadeira em um certo tempo t, se e somente se houver um outro tempo posterior t, no qual a sentença 13 é verdadeira. O que signica posterior? Signica que t é um tempo depois de agora. (p. 22) 12. Maria vai caminhar no parque. 13. Maria caminha no parque. 13

14 nossa estrutura de modelos contém não só um conjunto de mundos possíveis, mas também um conjunto de tempos com algum tipo de ordenamento para eles. (p. 22) nova estrutura de modelos: M 2 = E: um conjunto de indivíduos (p. 23) P : T : um conjunto de mundos possíveis um conjunto de tempos, numa relação R de ordenamento entre eles {1, 0}: o conjunto de valores de verdade tempo: instantes sem dimensão ou intervalos densos? 14

15 A relação R é o que se chama de ordenamento simples; isto é, um ordenamento que é transitivo, reexivo e anti-simétrico (p. 24) transitivo: se t acontece antes de t e t acontece antes de t, então t acontece antes de t ; reexivo: todo tempo t acontece antes de (ou simultaneamente a) si mesmo; anti-simétrico: se t acontece antes de t e vice-versa, então t e t são iguais. (Escrevi `antes de' porque precisamos imaginar que isto signique, na verdade, `antes de ou simultaneamente a' como a notação de Montague sugere.) (p. 24) muitas vezes notado como (ou, mais simplesmente, como ) 15

16 transitividade do tempo: se t 1 t 2 e t 2 t 3, então t 1 t 3 t 1 t 2 t 3 ou t 1, t 2 t 3 ou t 1 t 2, t 3 reexividade do tempo: para todo t, t t t não acontece: t anti-simetria do tempo: se t 1 t 2 e t 2 t 1, então t 1 = t 2 não acontece: t 1 t 2 e t 1, t 2 16

17 mundos possíveis: apresentados sem restrições entre eles (p. 24) mas é possível estabelecer relações de acessibilidade entre os mundos possíveis para lidar com lógicas modais denônticas e epistêmicas, por exemplo (p. 24) epistêmica: *eu sei que p, mas eu não sei que eu sei que p (reexivo) volitiva: eu quero que p, mas eu não quero querer que p (não reexivo) p p p p ou p 17

18 Vocês não podem fazer isso (p. 24) vagueza modal: trissecção de ângulo (com régua e compasso): impossibilidade matemática construção de máquina de movimento perpétuo: impossibilidade física aprender uma nova língua em uma semana: impossibilidade cognitiva (epistêmica) tratar desrespeitosamente uma pessoa de idade: impossibilidade moral (deôntica) identidade intermundos: Se Cecília Meireles tivesse nascido homem, ela provelmente não teria sido um poeta tão importante uso de ela, apesar de ter virado homem neste outro mundo (p. 24) mesmos indivíduos em diferentes mundos possíveis (Kripke) contrapartes dos indivíduos em diferentes mundos (Lewis) 18

19 contexto criador-de-mundo, além do condicional (p. 24): sonho imaginação desejo tentativa Se eu fosse dois, eu seria muito mais feliz: uma coisa que são duas?! (p. 25) tempos e mundos independentes (p. 25) problema da sincronia entre os mundos (p. 25) (questão da independência entre mundos e suas propriedades (descritas pela função de interpretação)) uso das línguas naturais para desenvolver teorias (p. 25) (e para contar estórias de cção) 19

Matemática Discreta - 03

Matemática Discreta - 03 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia da Computação Matemática Discreta - 03 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti www.twitter.com/jorgecav

Leia mais

André da Silva Nogueira Profiling de aplicações Web : Estudo comparativo entre aplicações Java Web e aplicações RoR

André da Silva Nogueira Profiling de aplicações Web : Estudo comparativo entre aplicações Java Web e aplicações RoR ˲ ª» ¼ ¼» ¼± Ó ² ± Û ½± ¼» Û²¹»² André da Silva Nogueira Profiling de aplicações Web : Estudo comparativo entre aplicações Java Web e aplicações RoR Outubro de 2014 ˲ ª» ¼ ¼» ¼± Ó ² ± Û ½± ¼» Û²¹»²

Leia mais

APLICAÇÕES DA DERIVADA

APLICAÇÕES DA DERIVADA Notas de Aula: Aplicações das Derivadas APLICAÇÕES DA DERIVADA Vimos, na seção anterior, que a derivada de uma função pode ser interpretada como o coeficiente angular da reta tangente ao seu gráfico. Nesta,

Leia mais

Associação de Professores de Matemática PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) 2013 2ªFASE

Associação de Professores de Matemática PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) 2013 2ªFASE Aociação de Profeore de Matemática Contacto: Rua Dr. João Couto, n.º 7-A 1500-36 Liboa Tel.: +351 1 716 36 90 / 1 711 03 77 Fax: +351 1 716 64 4 http://www.apm.pt email: geral@apm.pt PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

Leia mais

AULA 5 QUANTIFICADORES, PREDICADOS E VALIDADE

AULA 5 QUANTIFICADORES, PREDICADOS E VALIDADE Disciplina: Matemática Computacional Prof. Diana de Barros Teles AULA 5 QUANTIFICADORES, PREDICADOS E VALIDADE Quantificadores: são frases do tipo para todo, ou para cada, ou para algum, isso é, frases

Leia mais

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s

Cálculo numérico. ln 1 = 0. Representação numérica. Exemplo. Exemplos. Professor Walter Cunha. ln 1. I s Representação numérica Cálculo numérico Professor Walter Cunha Um conjunto de ferramentas ou métodos usados para se obter a solução de problemas matemáticos de forma aproximada. Esses métodos se aplicam

Leia mais

Variáveis Aleatórias Contínuas

Variáveis Aleatórias Contínuas Variáveis aleatórias contínuas: vamos considerar agora uma lista de quantidades as quais não é possível associar uma tabela de probabilidades pontuais ou frequências tempo de duração de uma chamada telefônica

Leia mais

A linguagem da Lógica Proposicional (Capítulo 1)

A linguagem da Lógica Proposicional (Capítulo 1) A linguagem da Lógica Proposicional (Capítulo 1) LÓGICA APLICADA A COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Alfabeto 3. Fórmulas bem formadas (FBF) 4. Exemplos

Leia mais

Noções de Lógica - Teoria e Exercícios

Noções de Lógica - Teoria e Exercícios ALUNO(A) C O L É G I O PROFESSOR (A) Alan Jefferson Série 1º ano Noções de Lógica - Teoria e Exercícios PROPOSIÇÃO Chama-se proposição ou sentença toda oração declarativa que pode ser classificada em verdadeira

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

Linguagem algorítmica: Portugol

Linguagem algorítmica: Portugol Programação de Computadores I Aula 03 Linguagem algorítmica: Portugol José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2011-1 1/34 Introdução I Lógica A lógica é usada

Leia mais

Linguagem C: Estruturas de Controle. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Linguagem C: Estruturas de Controle. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Linguagem C: Estruturas de Controle Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Estrutura de Controle e de Fluxo Comandos de Seleção: O comando if; Ifs Aninhados; A escada if-else-if; A expressão condicional;

Leia mais

Lógica Matemática e Computacional 5 FUNÇÃO

Lógica Matemática e Computacional 5 FUNÇÃO 5 FUNÇÃO 5.1 Introdução O conceito de função fundamenta o tratamento científico de problemas porque descreve e formaliza a relação estabelecida entre as grandezas que o integram. O rigor da linguagem e

Leia mais

ANÁLISE MATEMÁTICA II

ANÁLISE MATEMÁTICA II ANÁLISE MATEMÁTICA II Acetatos de Ana Matos Noções Básicas de Funções em R n Topologia DMAT Noções Básicas sobre funções em n Introdução Vamos generalizar os conceitos de limite, continuidade e diferenciabilidade,

Leia mais

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos CAPÍTULO 10 Modelagem e repota de itema dicreto 10.1 Introdução O itema dicreto podem er repreentado, do memo modo que o itema contínuo, no domínio do tempo atravé de uma tranformação, nete cao a tranformada

Leia mais

EQUAÇÃO DO 1º GRAU. 2 melancias + 2Kg = 14Kg 2 x + 2 = 14

EQUAÇÃO DO 1º GRAU. 2 melancias + 2Kg = 14Kg 2 x + 2 = 14 EQUAÇÃO DO 1º GRAU EQUAÇÃO: Para resolver um problema matemático, quase sempre devemos transformar uma sentença apresentada com palavras em uma sentença que esteja escrita em linguagem matemática. Esta

Leia mais

Números complexos são aqueles na forma a + bi, em que a e b são números reais e i é o chamado número imaginário.

Números complexos são aqueles na forma a + bi, em que a e b são números reais e i é o chamado número imaginário. 10. NÚMEROS COMPLEXOS 10.1 INTRODUÇÃO Números complexos são aqueles na forma a + bi, em que a e b são números reais e i é o chamado número imaginário. O número a é denominado parte real do número complexo

Leia mais

Descrição Formal de Linguagens -Sumário - Descrição Formal de Linguagens. -Overview- -Overview- - Fundamentos das Linguagens de Programação -

Descrição Formal de Linguagens -Sumário - Descrição Formal de Linguagens. -Overview- -Overview- - Fundamentos das Linguagens de Programação - Descrição Formal de Linguagens Linguagens de Programação Ciência da Computação DIN UEM CTC Prof. Jucimar Aula 4 Descrição Formal de Linguagens -Sumário - 1. Fundamentos de Linguagens de Programação 2.

Leia mais

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1

Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional. n=1 Sociedade Brasileira de Matemática Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional MA Números e Funções Reais Avaliação - GABARITO 3 de abril de 203. Determine se as afirmações a seguir são verdadeiras

Leia mais

Equação do 1º Grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior

Equação do 1º Grau. Maurício Bezerra Bandeira Junior Maurício Bezerra Bandeira Junior Introdução às equações de primeiro grau Para resolver um problema matemático, quase sempre devemos transformar uma sentença apresentada com palavras em uma sentença que

Leia mais

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Modo: indicativo O modo indicativo expressa um fato de maneira definida, real, no presente, passado ou futuro, na frase afirmativa, negativa ou interrogativa. Presente Presente Passado (=Pretérito) Pretérito

Leia mais

Álgebra Booleana. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola

Álgebra Booleana. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola Álgebra Booleana Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola Histórico George Boole (1815-1864) Considerado um dos fundadores da Ciência da Computação, apesar de computadores não existirem em seus dias.

Leia mais

Aula 16 Mudança de Variável em Integrais Múltiplas

Aula 16 Mudança de Variável em Integrais Múltiplas Aula 16 Mudança de Variável em Integrais Múltiplas MA211 - Cálculo II Marcos Eduardo Valle Departamento de Matemática Aplicada Instituto de Matemática, Estatística e Computação Científica Universidade

Leia mais

Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior

Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior Informática no Ensino de Matemática Prof. José Carlos de Souza Junior http://www.unifal-mg.edu.br/matematica/?q=disc jc Aula 02 ATIVIDADE 01 Para poupar esforço de digitação, você pode usar o tradicional

Leia mais

ARTES VISUAIS PROVA DE CRIAÇÃO. 2 a Etapa HABILIDADE ESPECÍFICA II SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Duração da prova: DUAS HORAS E 30 MINUTOS.

ARTES VISUAIS PROVA DE CRIAÇÃO. 2 a Etapa HABILIDADE ESPECÍFICA II SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Duração da prova: DUAS HORAS E 30 MINUTOS. ARTES VISUAIS - HABILIDADE ESPECÍFICA II - PROVA DE CRIAÇÃO - 2 a Etapa ARTES VISUAIS 2 a Etapa HABILIDADE ESPECÍFICA II PROVA DE CRIAÇÃO SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO. Leia atentamente as instruções que se

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CAMPOS CONSERVATIVOS NO PLANO E NO ESPAÇO. CURVAS PARAMETRIZADAS, INTEGRAIS DE LINHA (COM RESPEITO A COMPRIMENTO DE ARCO).

LISTA DE EXERCÍCIOS DE CAMPOS CONSERVATIVOS NO PLANO E NO ESPAÇO. CURVAS PARAMETRIZADAS, INTEGRAIS DE LINHA (COM RESPEITO A COMPRIMENTO DE ARCO). LISTA DE EXERCÍCIOS DE CAMPOS CONSERVATIVOS NO PLANO E NO ESPAÇO. CURVAS PARAMETRIZADAS, INTEGRAIS DE LINHA (COM RESPEITO A COMPRIMENTO DE ARCO. PROFESSOR: RICARDO SÁ EARP OBS: Faça os exercícios sobre

Leia mais

LEVEZA QUE FERE: A POESIA DE WASSILY CHUCK 1

LEVEZA QUE FERE: A POESIA DE WASSILY CHUCK 1 LEVEZA QUE FERE: A POESIA DE WASSILY CHUCK 1 O outro lado do vento 2010, 136p. 1 Professora Associada da Faculdade de Letras/UFG.

Leia mais

Rafael Siqueira 0 SUCESSO. é apenas seu! 5 passos para conquistar o caminho para o seu Sucesso!

Rafael Siqueira 0 SUCESSO. é apenas seu! 5 passos para conquistar o caminho para o seu Sucesso! 0 SUCESSO é apenas seu! 5 passos para conquistar o caminho para o seu Sucesso! 0 SUCESSO é apenas seu! 5 passos para conquistar o caminho para o seu Sucesso! Versão 1.0 Introdução: Acredito que o processo

Leia mais

Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês

Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês Sete Motivos Importantes Para Usar Áudio Para Melhorar As Suas Habilidades Em Inglês Oi! Meu nome é David. Atualmente estou em Imperatriz, Maranhão ajudando pessoas como você aprenderem inglês. Já faz

Leia mais

Roteiro para o Primeiro Laboratório de Cálculo Numérico

Roteiro para o Primeiro Laboratório de Cálculo Numérico Roteiro para o Primeiro Laboratório de Cálculo Numérico Prof. Dr. Waldeck Schützer April 7, 2008 Nesta aula de laboratório, vamos ter o nosso primeiro contato com um programa de computador dedicado ao

Leia mais

Aula 2 Modelagem de Sistemas. Introdução Modelo de Base Lógica de 1ª Ordem. Concorrentes

Aula 2 Modelagem de Sistemas. Introdução Modelo de Base Lógica de 1ª Ordem. Concorrentes Aula 2 Modelagem de Sistemas Introdução Modelo de Base Lógica de 1ª Ordem Concorrentes 1 Aula 2 Modelagem de Sistemas Introdução Modelo de Base Lógica de 1ª Ordem Concorrentes 2 Constituição dos Sistemas

Leia mais

Novas Tecnologias no Ensino da Matemática

Novas Tecnologias no Ensino da Matemática UFF Novas Tecnologias no Ensino da Matemática 1 Novas Tecnologias no Ensino da Matemática Humberto José Bortolossi http://www.professores.uff.br/hjbortol/ Lista 8 ATIVIDADE 1 Uma outra maneira de se poupar

Leia mais

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 15

5910170 Física II Ondas, Fluidos e Termodinâmica USP Prof. Antônio Roque Aula 15 Ondas (continuação) Ondas propagando-se em uma dimensão Vamos agora estudar propagação de ondas. Vamos considerar o caso simples de ondas transversais propagando-se ao longo da direção x, como o caso de

Leia mais

UMA DEFESA DO NECESSÁRIO A POSTERIORI

UMA DEFESA DO NECESSÁRIO A POSTERIORI Maria Bouça UMA DEFESA DO NECESSÁRIO A POSTERIORI Dissertação de Mestrado em Filosofia da Linguagem e da Consciência apresentada à Faculdade de Letras de Lisboa 1999 INTRODUÇÃO O tema desta dissertação

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Conceitos básicos de algoritmos

Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação. Conceitos básicos de algoritmos Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Computação Conceitos básicos de algoritmos Prof. Renato Pimentel 1 Computação Dados Informações vindas de usuários ou de outras máquinas; Processamento transformação

Leia mais

Métodos de Física Teórica II Prof. Henrique Boschi IF - UFRJ. 1º. semestre de 2010 Aula 2 Ref. Butkov, cap. 8, seção 8.2

Métodos de Física Teórica II Prof. Henrique Boschi IF - UFRJ. 1º. semestre de 2010 Aula 2 Ref. Butkov, cap. 8, seção 8.2 Métodos de Física Teórica II Prof. Henrique Boschi IF - UFRJ 1º. semestre de 2010 Aula 2 Ref. Butkov, cap. 8, seção 8.2 O Método de Separação de Variáveis A ideia central desse método é supor que a solução

Leia mais

Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR

Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR INTRODUÇÃO Você está cansado de falsas promessas uma atrás da outra, dizendo

Leia mais

EXERCÍCIOS LÓGICA DE PRIMEIRA ORDEM - MODELOS

EXERCÍCIOS LÓGICA DE PRIMEIRA ORDEM - MODELOS EXERCÍCIOS LÓGICA DE PRIMEIRA ORDEM - MODELOS Lógica Prof. Tacla (UTFPR/Curitiba) assuntos: expressividade LP x LPO; modelos Conceituais 1. Explique a diferença em expressividade da Lógica Proposicional

Leia mais

Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com 18/09/2013. 2 Semestre de 2013 SIN-NA7

Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com 18/09/2013. 2 Semestre de 2013 SIN-NA7 Alessandro Almeida www.alessandroalmeida.com 18/09/2013 2 Semestre de 2013 SIN-NA7 Planejamento do Projeto: Parte 2_Declaração de Escopo Se preparando para que tudo dê certo... Iniciação Planejamento Execução

Leia mais

SIMULADO DE PORTUGUÊS

SIMULADO DE PORTUGUÊS SIMULADO DE PORTUGUÊS Professora: Fabyana Muniz Texto I O desafio da qualidade É uma conquista civilizatória para o Brasil ter a imensa maioria das crianças em idade escolar com acesso às salas de aula,

Leia mais

Banco de Dados Capítulo 2: Modelo Relacional. Bach. em Ciência da Computação UFPB/CCT Cláudio Baptista, PhD baptista@dsc.ufpb.br

Banco de Dados Capítulo 2: Modelo Relacional. Bach. em Ciência da Computação UFPB/CCT Cláudio Baptista, PhD baptista@dsc.ufpb.br Banco de Dados Capítulo 2: Modelo Relacional Bach. em Ciência da Computação UFPB/CCT Cláudio Baptista, PhD baptista@dsc.ufpb.br 2.1 Histórico Modelo Relacional Foi introduzido por Codd (1970) Tornou-se

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Mestrado em Estatística

Universidade Federal de Pernambuco Mestrado em Estatística Universidade Federal de Pernambuco Mestrado em Estatística Lista 4 de Exercícios de Amostragem Prof. Cristiano Ferraz 1. Em relação ao plano amostral de Bernoulli: a) Explique como retirar uma amostra

Leia mais

Marés, fases principais da Lua e bebês

Marés, fases principais da Lua e bebês Maré, fae principai da ua e bebê CADERNO BRASIEIRO DE ENSINO DE FÍSICA, FORIANÓPOIS, V.0, N. 1: P.10-9, ABR. 003 Fernando ang da Silveira Univeridade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Intituto de Fíica

Leia mais

Atividade 4 Movimento circular uniforme.

Atividade 4 Movimento circular uniforme. Modellus Atividade 4 Movimento circular uniforme. Amarrou-se uma pedra a um fio e pôs-se a rodar com movimento circular uniforme. As equações do movimento, para um sistemas de coordenadas com origem no

Leia mais

Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos.

Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos. 3 COMANDOS CONDICIONAIS E DE LAÇO Nesta aula serão apresentados alguns comandos de condição, repetição e gráficos. 3.1 COMANDOS CONDICIONAIS 3.1.1 Comando IF Como o próprio nome já indica, estes comandos

Leia mais

CONFLITO DE SER MÃE EMPREENDEDORA

CONFLITO DE SER MÃE EMPREENDEDORA 1 CONFLITO DE SER MÃE EMPREENDEDORA Quando nos tornamos mãe, sem dúvida nenhuma é a melhor coisa desse mundo. Nossos filhos nascem, curtimos muito eles, nos dedicamos exclusivamente e chega uma hora que

Leia mais

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo

Números Complexos. Capítulo 1. 1.1 Unidade Imaginária. 1.2 Números complexos. 1.3 O Plano Complexo Capítulo 1 Números Complexos 11 Unidade Imaginária O fato da equação x 2 + 1 = 0 (11) não ser satisfeita por nenhum número real levou à denição dos números complexos Para solucionar (11) denimos a unidade

Leia mais

2.3 Aplicações das Leis de Newton

2.3 Aplicações das Leis de Newton 2.3-1 2.3 Aplicações das Leis de Newton 2.3.1 Movimento tridimensional de um projétil (se despreza quaisquer efeitos do ar) Nesta seção retomamos a análise do movimento de um projétil, visando a obter

Leia mais

Experimento. Guia do professor. Duplicação do Cubo. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Experimento. Guia do professor. Duplicação do Cubo. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação geometria e medidas Guia do professor Experimento Duplicação do Cubo 1. 2. 3. Objetivos da unidade Experimentalmente, obter a aresta de um cubo, que possui o dobro do volume de um outro cubo de arestas

Leia mais

CPV 82% de aprovação na ESPM

CPV 82% de aprovação na ESPM CPV 8% de aprovação na ESPM ESPM NOVEMBRO/009 Prova E matemática x + y y x 1. O valor da expressão + 6 : x + y para x 4 e y 0,15 é: a) 0 b) 1 c) d) e) 4 Temos x + y y x + 6 : x + y. Uma costureira pagou

Leia mais

Uma função f de domínio A e contradomínio B é usualmente indicada por f : A B (leia: f de A em B).

Uma função f de domínio A e contradomínio B é usualmente indicada por f : A B (leia: f de A em B). Instituto de Ciências Exatas - Departamento de Matemática Cálculo I Profª Maria Julieta Ventura Carvalho de Araujo Capítulo : Funções.- Definições Sejam A e B dois conjuntos não vazios. Uma função f de

Leia mais

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44)

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Autora: Tell Aragão Colaboração: Marise Lins Personagens Menina Zé Bonitinho +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Leia mais

Capítulo 1 - Conectivos lógicos e quantificadores

Capítulo 1 - Conectivos lógicos e quantificadores Capítulo 1 - Conectivos lógicos e quantificadores A linguagem matemática usual combina o português com outros símbolos que têm um significado específico em Matemática. Neste capítulo 1 recordar-se-á, de

Leia mais

Disciplina : Termodinâmica. Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE

Disciplina : Termodinâmica. Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE Curso: Engenharia Mecânica Disciplina : Aula 5 ANÁLISE DA MASSA E ENERGIA APLICADAS A VOLUMES DE CONTROLE Prof. Evandro Rodrigo Dário, Dr. Eng. Vazão mássica e vazão volumétrica A quantidade de massa que

Leia mais

A transformada de Laplace pode ser usada para resolver equações diferencias lineares com coeficientes constantes, ou seja, equações da forma

A transformada de Laplace pode ser usada para resolver equações diferencias lineares com coeficientes constantes, ou seja, equações da forma Introdução A tranformada de Laplace pode er uada para reolver equaçõe diferencia lineare com coeficiente contante, ou eja, equaçõe da forma ay + by + cy = ft), para a, b, c R Para io, a equação diferencial

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP Diciplina: Mecânica do Fluido Aplicada Lita de Exercício Reolvido Profeor: 1 de 11 Data: 13/0/08 Caruo 1. Um menino, na tentativa de melhor conhecer o fundo do mar, pretende chegar a uma profundidade de

Leia mais

Capítulo 4 - Funções. Funções (funções parciais) e aplicações (funções totais).

Capítulo 4 - Funções. Funções (funções parciais) e aplicações (funções totais). Capítulo 4 - Funções Neste capítulo abordaremos um dos conceitos matemáticos mais importantes: o conceito de função. Falaremos em particular: de funções (funções parciais) e aplicações (funções totais);

Leia mais

Função. Definição formal: Considere dois conjuntos: o conjunto X com elementos x e o conjunto Y com elementos y. Isto é:

Função. Definição formal: Considere dois conjuntos: o conjunto X com elementos x e o conjunto Y com elementos y. Isto é: Função Toda vez que temos dois conjuntos e algum tipo de associação entre eles, que faça corresponder a todo elemento do primeiro conjunto um único elemento do segundo, ocorre uma função. Definição formal:

Leia mais

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS NOME: N O :

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA PROF. CARLINHOS NOME: N O : ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS FUNÇÕES PROF. CARLINHOS NOME: N O : 1 FUNÇÃO IDÉIA INTUITIVA DE FUNÇÃO O conceito de função é um dos mais importantes da matemática.

Leia mais

Representação de Conhecimento. Lógica Proposicional

Representação de Conhecimento. Lógica Proposicional Representação de Conhecimento Lógica Proposicional Representação de conhecimento O que éconhecimento? O que érepresentar? Representação mental de bola Representação mental de solidariedade Símbolo como

Leia mais

Programação de Computadores em C. Primeira edição

Programação de Computadores em C. Primeira edição Programação de Computadores em C Primeira edição Programação de Computadores em C Primeira edição Carlos Camarão Universidade Federal de Minas Gerais Doutor em Ciência da Computação pela Universidade

Leia mais

Programação Orientada a Objetos Classes Abstratas Técnico em Informática. Prof. Marcos André Pisching, M.Sc.

Programação Orientada a Objetos Classes Abstratas Técnico em Informática. Prof. Marcos André Pisching, M.Sc. Classes Abstratas Técnico em Informática, M.Sc. Classes Abstratas 2 Classes Abstratas Abstração Devemos considerar as qualidades e comportamentos independentes dos objetos a que pertencem, isolamos seus

Leia mais

Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Junior Condez Aluno (a): Série: 1ª Data: / / 2015. LISTA DE FÍSICA II

Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Junior Condez Aluno (a): Série: 1ª Data: / / 2015. LISTA DE FÍSICA II Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Junior Condez Aluno (a): Série: 1ª Data: / / 2015. LISTA DE FÍSICA II Obs: A lista somente será aceita com os cálculos. 1) Duas bolas de dimensões desprezíveis

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos. Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas

Linguagens Formais e Autômatos. Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas Linguagens Formais e Autômatos Alfabetos, Palavras, Linguagens e Gramáticas Cristiano Lehrer, M.Sc. Introdução (1/3) A Teoria das Linguagens Formais foi originariamente desenvolvida na década de 1950 com

Leia mais

Banco de Dados Lista de Exercícios 01

Banco de Dados Lista de Exercícios 01 Banco de Dados Lista de Exercícios 01 Prof. Anderson Rocha & Prof. André Santanché Campinas, 24 de Setembro de 2012 Nome: RA: 1 Observações Este lista contem 20 exercícios e contempla os seguintes assuntos

Leia mais

Conceitos Importantes:

Conceitos Importantes: Conceitos Importantes: Variáveis: Por Flávia Pereira de Carvalho, 2007 i O bom entendimento do conceito de variável é fundamental para elaboração de algoritmos, consequentemente de programas. Uma variável

Leia mais

2 A Programação Básica

2 A Programação Básica 2 A Programação Básica 2.1 A Entrada de Dados Para um computador poder cumprir as ordens que um programador criou, ele precisa conhecer algumas informações iniciais. Assim como o ensinamento de uma criança

Leia mais

DÉCIMA SEGUNDA LISTA DE EXERCÍCIOS Cálculo III MATEMÁTICA DCET UESC Humberto José Bortolossi http://www.arbelos.kit.net.

DÉCIMA SEGUNDA LISTA DE EXERCÍCIOS Cálculo III MATEMÁTICA DCET UESC Humberto José Bortolossi http://www.arbelos.kit.net. DÉCIMA SEGUNDA LISTA DE EXERCÍCIOS Cálculo III MATEMÁTICA DCET UESC Humberto José Bortolossi http://www.arbelos.kit.net A regra da cadeia (Entregar os exercícios [16] e [18] até o dia 06/08/2003) [01]

Leia mais

Aula 05 Raciocínio Lógico p/ INSS - Técnico do Seguro Social - Com Videoaulas

Aula 05 Raciocínio Lógico p/ INSS - Técnico do Seguro Social - Com Videoaulas Aula 05 Raciocínio Lógico p/ INSS - Técnico do Seguro Social - Com Videoaulas Professor: Arthur Lima AULA 05: RESUMO Caro aluno, Para finalizar nosso curso, preparei um resumo de toda a teoria vista nas

Leia mais

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares

Chapter 2. 2.1 Noções Preliminares Chapter 2 Seqüências de Números Reais Na Análise os conceitos e resultados mais importantes se referem a limites, direto ou indiretamente. Daí, num primeiro momento, estudaremos os limites de seqüências

Leia mais

Função E. Excel 2007 Avançado. Sintaxe: Onde: Objetivo : 22 anos ou mais e casadas maiores de 21 anos.

Função E. Excel 2007 Avançado. Sintaxe: Onde: Objetivo : 22 anos ou mais e casadas maiores de 21 anos. Função E É utilizada para testar se os argumentos envolvidos são ou não verdadeiros, o resultado desta função retornará verdadeiro somente se todos os argumentos que compõem a função são verdadeiros, basta

Leia mais

CPV seu Pé Direito no INSPER

CPV seu Pé Direito no INSPER CPV seu Pé Direito no INSPER INSPER Resolvida 5/novembro/0 Prova A (Verde) ANÁLISE quantitativa e lógica 0 Por um terminal de ônibus passam dez diferentes linhas A mais movimentada delas é a linha : quatro

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação ESCOLA Lógica de Programação 1 Escola Alcides Maya - Primeiro Módulo Sumário Lógica de Programação 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 Definições básicas... 4 1.2 Necessidade do uso da lógica...

Leia mais

Algoritmos I Aula 13 Java: Tipos básicos, variáveis, atribuições e expressões

Algoritmos I Aula 13 Java: Tipos básicos, variáveis, atribuições e expressões Algoritmos I Aula 13 Java: Tipos básicos, variáveis, atribuições e expressões Professor: Max Pereira http://paginas.unisul.br/max.pereira Ciência da Computação Primeiro Programa em Java public class OlaPessoal

Leia mais

e à Linguagem de Programação Python

e à Linguagem de Programação Python Introdução a Algoritmos, Computação Algébrica e à Linguagem de Programação Python Curso de Números Inteiros e Criptografia Prof. Luis Menasché Schechter Departamento de Ciência da Computação UFRJ Agosto

Leia mais

Arquivos de Textos no C - Básico

Arquivos de Textos no C - Básico OpenStax-CNX module: m47676 1 Arquivos de Textos no C - Básico Joao Carlos Ferreira dos Santos This work is produced by OpenStax-CNX and licensed under the Creative Commons Attribution License 3.0 TRABALHANDO

Leia mais

Você, no entanto, pode nos ajudar!

Você, no entanto, pode nos ajudar! Este livro pode ser adquirido por educação, negócios, vendas ou uso promocional. Embora toda precaução tenha sido tomada na preparação deste livro, o autor não assume nenhuma responsabilidade por erros

Leia mais

1 Título. 2 Aptidão. 3 Descrição do Problema. 4 Lógica Fuzzy. Estudo e desenvolvimento de simuladores de aterrizagem de aeronaves utilizando lógica

1 Título. 2 Aptidão. 3 Descrição do Problema. 4 Lógica Fuzzy. Estudo e desenvolvimento de simuladores de aterrizagem de aeronaves utilizando lógica 1 Título fuzzy. Estudo e desenvolvimento de simuladores de aterrizagem de aeronaves utilizando lógica 2 Aptidão Um Automatic Landing System (ALS) pode ser denominado como um meio para guiar e controlar

Leia mais

CAPÍTULO 6 - Testes de significância

CAPÍTULO 6 - Testes de significância INF 16 CAPÍTULO 6 - Tete de ignificância Introdução Tete de ignificância (também conhecido como Tete de Hipótee) correpondem a uma regra deciória que no permite rejeitar ou não rejeitar uma hipótee etatítica

Leia mais

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.

Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel. Matemática Essencial Equações do Primeiro grau Matemática - UEL - 2010 - Compilada em 18 de Março de 2010. Prof. Ulysses Sodré Matemática Essencial: http://www.mat.uel.br/matessencial/ Resumo: Notas de

Leia mais

Aula 02 Excel 2010. Operações Básicas

Aula 02 Excel 2010. Operações Básicas Aula 02 Excel 2010 Professor: Bruno Gomes Disciplina: Informática Básica Curso: Gestão de Turismo Sumário da aula: 1. Operações básicas; 2. Utilizando Funções; 3. Funções Lógicas; 4. Gráficos no Excel;

Leia mais

x + y + 1 (2x 4y) = 10. (x 3) 5 y 2 + (x 3) 4 y 4 (x 2 6x + 9 + y 6 ) 3

x + y + 1 (2x 4y) = 10. (x 3) 5 y 2 + (x 3) 4 y 4 (x 2 6x + 9 + y 6 ) 3 1 Lista 2 de Cálculo Diferencial e Integral II Funções de Várias Variáveis e Diferenciação Parcial 1. Determine, descreva e represente geometricamente o domínio das funções abaixo: (a) f(x, y) = xy 5 x

Leia mais

Problemas Gregos. Série Cultura

Problemas Gregos. Série Cultura Problemas Gregos Série Cultura Objetivos 1. Descrever os três famosos problemas gregos, duplicação do cubo, quadratura do círculo e trissecção de ângulos, e contar um ouço da sua história; Problemas Gregos

Leia mais

GDQ. Gerador Dinâmico De Questionário. Página 1 de 91. Logus Tecnologia. Todos os direitos reservados.

GDQ. Gerador Dinâmico De Questionário. Página 1 de 91. Logus Tecnologia. Todos os direitos reservados. GDQ Gerador Dinâmico De Questionário Página 1 de 91 ÍNDICE I. CONCEITO... 3 A. O CONTEÚDO DAS QUESTÕES... 3 B. ESCOLHA DAS QUESTÕES... 5 C. FORMULAÇÃO DAS QUESTÕES... 5 D. VANTAGENS DOS QUESTIONÁRIOS...

Leia mais

Dependência funcional

Dependência funcional Dependência funcional Dependência funcional: Dados dois conjuntos de atributos A e B de uma entidade, diz-se que: B é funcionalmente dependente de A ou A determina B ou B depende de A, se a cada valor

Leia mais

Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi. Parte 1 Versão 0.9. [Folha 1] Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense

Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi. Parte 1 Versão 0.9. [Folha 1] Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense [Folha 1] Cálculo I -A- Humberto José Bortolossi Departamento de Matemática Aplicada Universidade Federal Fluminense Parte 1 Versão 0.9 Parte 1 Cálculo I -A- 1 Conteúdo do curso [Folha 2] Apresentação

Leia mais

Porque Você Nunca Irá Ter Sucesso Online!

Porque Você Nunca Irá Ter Sucesso Online! Porque Você Nunca Irá Ter Sucesso Online! Trazido Até Si Por www.mentesmilionarias.com Porque Você Nunca Vai Ter Sucesso Online "Fazendo Marketing Até Ao Topo" Termos e Condições Aviso Legal O escritor

Leia mais

Seja D R. Uma função vetorial r(t) com domínio D é uma correspondência que associa a cada número t em D exatamente um vetor r(t) em R 3

Seja D R. Uma função vetorial r(t) com domínio D é uma correspondência que associa a cada número t em D exatamente um vetor r(t) em R 3 1 Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire Cálculo Vetorial Texto 01: Funções Vetoriais Até agora nos cursos de Cálculo só tratamos de funções cujas imagens

Leia mais

MC-102 Aula 19 Registros

MC-102 Aula 19 Registros MC-102 Aula 19 Registros Instituto de Computação Unicamp 4 de Maio de 2015 Roteiro 1 Registros 2 Redefinição de tipos (Instituto de Computação Unicamp) MC-102 Aula 19 4 de Maio de 2015 2 / 17 Registros

Leia mais

SENTIDOS DA PALAVRA AMOR EM UM SONETO DE CAMÕES 1

SENTIDOS DA PALAVRA AMOR EM UM SONETO DE CAMÕES 1 SENTIDOS DA PALAVRA AMOR EM UM SONETO DE CAMÕES 1 ADILSON VENTURA DA SILVA Departamento de Estudos Linguísticos e Literários Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Estrada do Bem Querer, km 4 Centro

Leia mais

Indutor e Capacitor. Prof. Mário Henrique Farias Santos, M.Sc. 31 de Julho de 2009

Indutor e Capacitor. Prof. Mário Henrique Farias Santos, M.Sc. 31 de Julho de 2009 Indutor e Capacitor Prof. Mário Henrique Farias Santos, M.Sc. 3 de Julho de 2009 Introdução A partir deste momento introduziremos dois elementos dinâmicos de circuitos: indutor e capacitor. Porque são

Leia mais

O Problema do Encontro de Dois Móveis. Condigital: Mídias Digitais para a Educação

O Problema do Encontro de Dois Móveis. Condigital: Mídias Digitais para a Educação O Problema do Encontro de Dois Móveis Condigital: Mídias Digitais para a Educação CONTEXTO Já dizia o poeta: A vida é a arte do encontro, ainda que existam tantos desencontros pela vida. Vinícius tinha

Leia mais

5.3.6 Impressão de Dados Variáveis Para concluir essa fase de testes práticos, resolveu-se testar uma solução para um tipo de produto gráfico que

5.3.6 Impressão de Dados Variáveis Para concluir essa fase de testes práticos, resolveu-se testar uma solução para um tipo de produto gráfico que 105 5.3.6 Impressão de Dados Variáveis Para concluir essa fase de testes práticos, resolveu-se testar uma solução para um tipo de produto gráfico que está se tornando cada vez mais disseminado e requisitado

Leia mais

Figura 13.1: Um exemplo de árvore de diretório.

Figura 13.1: Um exemplo de árvore de diretório. 13. Árvores W. Celes e J. L. Rangel Nos capítulos anteriores examinamos as estruturas de dados que podem ser chamadas de unidimensionais ou lineares, como vetores e listas. A importância dessas estruturas

Leia mais

Dificuldades de Modelos de PNL. Onde está a solução ótima? Outro exemplo: Condição ótima Local vs. Global. 15.053 Quinta-feira, 25 de abril

Dificuldades de Modelos de PNL. Onde está a solução ótima? Outro exemplo: Condição ótima Local vs. Global. 15.053 Quinta-feira, 25 de abril 15.053 Quinta-feira, 25 de abril Teoria de Programação Não-Linear Programação Separável Dificuldades de Modelos de PNL Programa Linear: Apostilas: Notas de Aula Programas Não-Lineares 1 2 Análise gráfica

Leia mais

Representação de Conhecimento

Representação de Conhecimento Representação de Conhecimento Jomi Fred Hübner Departamento de Automação e Sistemas http://www.das.ufsc.br/~jomi/das6607 PPGEAS 2010/3 Conhecimento o que é? como representá-lo? como obtê-lo? para que serve?

Leia mais

Manual do VBScript. Listagem 1 Recuperando espaço livre em disco com o VBScript

Manual do VBScript. Listagem 1 Recuperando espaço livre em disco com o VBScript Manual do VBScript Este artigo é derivado do System Administration Scripting Guide, um novo livro que será publicado como parte do Windows.NET Server Resource Kit. Quando combinado a tecnologias como a

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

Capítulo I Posturas Fruitivas e Prestadias no Coaching e Mentoring

Capítulo I Posturas Fruitivas e Prestadias no Coaching e Mentoring Capítulo I Posturas Fruitivas e Prestadias no Coaching e Mentoring Nós vamos iniciar essa jornada de quatro dias mergulhando nesta complexidade que é a Formação em Coaching e Mentoring, acho que essas

Leia mais