Integração entre o Revit, o orçamento e o planejamento de obras com uso de Keynotes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Integração entre o Revit, o orçamento e o planejamento de obras com uso de Keynotes"

Transcrição

1 Integração entre o Revit, o orçamento e o planejamento de obras com uso de Keynotes Sergio Leusin, Raquel Canellas e Luciano Capistrano GDP Gerenciamento e Desenvolvimento de Projetos Ltda. A integração entre o REVIT e as atividades de orçamentação e planejamento de execução é facilitada por meio da adoção de sistemas de classificação lançados no campo keynotes. Através de conexões via planilhas ou DBLink é possível manter a integridade de especificações e referencias de custo, respeitando a EAP da obra. Nos exemplos será demonstrado como inserir o sistema de classificação no REVIT, conectá-lo com bases de dados externas e exportar o modelo para sistemas de orçamento e de planejamento (PRIMAVERA, PROJECT ou NAVISWORKS) guardando a integridade destes dados e a possibilidade de retroalimentação. Objetivo de aprendizado: Ao final desta palestra você terá condições de: Objetivo 1 Organizar o modelo REVIT de modo a que seus de objetos virtuais, elementos e materiais garantam interoperabilidade com os aplicativos de orçamento e planejamento. Objetivo 2 Exportar dados de um modelo do REVIT para um sistema de orçamento ou de planejamento respeitando a codificação definida Objetivo 3 Validar o processo representado pelo planejamento através da simulação de execução Sobre o Palestrante: Doutor em Engenharia de Produção, pela COPPE UFRJ, com estágio no LATTS, École des Ponts et Chaussées, Paris. M.Sc. Pela COPPE UFRJ em 1979 e arquiteto pela FAU UFRJ, Professor Titular da Universidade Federal Fluminense, onde atua como professor colaborador nos Programas de Pós-graduação em Engenharia Civil e de Arquitetura e Urbanismo, foi Pró-Reitor de Pós-Graduação da UNIGRANRIO. Sócio gerente da GDP- Gerenciamento e Desenvolvimento de Projetos ( ) desde 2008, empresa dedicada ao desenvolvimento de projetos e gerenciamento de obras com uso de tecnologia BIM, com diversos projetos desde estudos de viabilidade a projetos executivos de universidades e de empreendimentos imobiliários. Foi sócio gerente da PAAL Projeto Arquitetos Associados, onde foi responsável por dezenas de projetos metroviários, de laboratórios e imobiliários entre 1975 e No grupo de pesquisa NITCON e através da Rede de pesquisa Capes/CNPq BIM BRASIL desenvolve pesquisas na área de Novas Aplicações da Tecnologia de Informação, tendo já realizado os projetos do Centro de Referencia e Informação em Habitação; CDCON-Desenvolvimento de Terminologia e Sistema de Classificação de Materiais e Serviços para Construção; Projeto SIGMO, Sistema de Gerenciamento de Obras, baseado em PDA; projetos QUALIPRO, de gestão da qualidade na construção e ONTOARQ, uma ontologia da construção. Desenvolveu também estudos prospectivos sobre a cadeia produtiva da construção para a ABDI/CGEE e projetos sobre Organização e Gerenciamento na Construção. Participante da ABNT/CEE Modelagem de Informação da Construção, colaborando na também na elaboração de outras normas para construção. Sócio fundador do Clube da Qualidade na Construção RJ, do SINDUSCON RIO. Consultor da CAPES, CNPq, FINEP, MDIC, FIESP, ABDI, da CAIXA ECONÔMICA FEDERAL, para os quais desenvolveu estudos setoriais, procedimentos de avaliação de sistemas tecnológicos inovadores e diversas consultorias sobre o tema da inovação.

2 Estrutura de dados para o modelo virtual A integração entre o modelo virtual criado no Revit e as ferramentas de planejamento, incluindo-se o Projetc, Primavera e Navisworks se inicia com um cuidadoso planejamento da estrutura dos componentes BIM neste modelo virtual. Esse modelo virtual da construção deve contemplar as dimensões a serem acompanhadas no planejamento, não bastando ser uma representação 3D da obra construída. A estratégia de execução da obra vai se refletir na organização de dados no modelo e na nomenclatura de componentes, a qual deve estar integrada com a EAP Estrutura Analítica do Projeto adotada no planejamento. O modelo deve atender as necessidades de dados das diversas fases a serem integradas. E o fulcro desta integração é a organização dos dados no modelo, tanto no nível de elementos como dos seus materiais componentes Figura 1: Esquema de associações de dados Na Figura 1: Esquema de associações de dados, vemos que cada elemento no modelo deve estar associado a um serviço e a uma atividade. Nota-se que o conceito de serviço norteia o processo de orçamento, já o planejamento é baseado em atividades. O ponto comum entre serviço e atividade é o produto, ou seja o elemento construído, representado no modelo virtual no REVIT. Para obter o orçamento dos serviços eles serão associados ao volume de materiais e recursos humanos ou técnicos necessários, através de composições unitárias de custo. No 2

3 planejamento também é desejável de associação destes recursos e materiais à cada atividade, mas para efeito do sistema proposto esta será realizada indiretamente, através da associação do serviço. Os elementos no REVIT já trazem uma série de informações relevantes para o planejamento, tais como peso, volume, área, mas elas devem ser complementadas com os dados necessários para a orçamentação e planejamento., com associações através de códigos predefinidos. A associação de serviços a cada elemento, ou camada de componente pode ser feita de modo mais eficaz através do campo Keynote, pois é possível termos um arquivo Keynote.txt personalizado com o sistema de classificação desejado. (ver: Anotate/Tag/ Keynote Settings). No campo keynote será inserido o código do serviço, em geral o código da composição de custo deste serviço (SINAPI, PINI etc.) É possível termos diversos arquivos Keynotes.txt, cada um organizado conforme um sistema de orçamento, ou seja um adequado ao SINAPI, outro conforme a classificação PINI etc. Mas a associação dos elementos a cada código ainda é manual, sendo mais eficiente termos templates de projetos já com estas classificações inseridas nas respectivas famílias de componentes. O desenvolvimento das famílias deve prever também os campos que serão utilizados para a integração com o orçamento e com o planejamento da obra, através da criação dde um parâmetro, a ser associado com o código de atividades previsto para a EAP do projeto. Porém para isso a codificação de atividades deve refletir o particionamento da obra em lotes de serviço, que pode ser variável conforme as características de cada obra. Assim eles podem ser definidos: Em função do local do serviço (nível, lote etc.) Em função do tipo de serviço, em geral associado ao material (alvenaria, revestimento cerâmico etc.) A definição desta codificação exige uma boa integração das equipes de projeto e planejamento, pois não existem regras padronizadas e as demandas das obras são diferenciadas. A Figura 2 mostra um exemplo de codificação, onde o critério para a definição da terminologia dos componentes inclui a referência a sua localização, para facilitar. Mas outros critérios podem ser mais adequados, tais como referencias à tipologia dos serviços e a lotes vinculados a níveis. Associações a materiais (p.ex. revestimento cerâmico), também podem ser convenientes. 3

4 Figura 2: Exemplo de codificação de componentes Desenvolvimento do modelo O desenvolvimento prévio de famílias já associadas aos serviços facilita a construção do modelo. Entretanto há que ser considerado o fato de que alguns componentes ou elementos tem múltiplas opções de execução. Por exemplo, argamassa pode ser industrializada de tipos variados ou pose preparada no local de diversas maneiras e cada um desses tipos deve se associado a um determinado código. Deste modo o template de projeto deve considerar os tipos mais comuns adotados pela organização responsável pela obra e serão editados apenas os caso fora do padrão. Uma vez que nas fases preliminares não existe o nível de detalhamento necessário ao planejamento, é comum a substituição de componentes. Por exemplo, uma parede básica vai ser desdobrada em outra que contenha as especificações de revestimentos e nesta constarão os códigos de serviços no campo Keynotes. Já para a associação com as atividades, que segue lógica específica para cada obra, após criados os campos de parâmetros a serem associados à EAP podem ser editadas em bloco, por meio de sincronismo com bancos externos ou link com planilhas Excel. 4

5 Figura 3: Imagem do modelo de demonstração Para demonstração dos recursos apresentamos dois modelos, um simples, de construção convencional padrão MCMV, e otro metálico, de maior porte mas com menor variabilidade de atividades. Exportação de elementos/partes ou lotes de serviços Uma vez desenvolvido o modelo (o que geralmente já teria sido feito ao longo do projeto) deve ser efetuada a exportação da lista de atividades, com respectivos códigos de serviços ou outros que se julguem necessários. No REVIT é montada uma planilha de listagem através do comando View>Shedule>Multicategory Shedule, onde os dados relativos aos códigos de cada elemento, serão associados às atividades. (ver Figura 4) O formato de tabela Multi-category Shedule, permite que sejam listados elementos de diferentes famílias, caso seja utilizado codificação também nos materiais, utilizar a tabela Multi- Category Material Takeoff. 5

6 Figura 4: Listagem da codificação dos elementos Esta lista pode ser exportada em arquivo TXT para facilitar a importação no aplicativo de planejamento, como mostra a Figura 5 Figura 5: Arquivo txt de lista de elementos 6

7 Em geral é conveniente também exportar a quantidade do serviço, talvez sua unidade de medida principal etc. Inserção no Orçamento O orçamento será realizado em aplicativo específico, como o VOLARE, a partir da importação da lista de serviços e suas respectivas quantidades. Neste momento é comum surgirem serviços que não estavam representados no modelo, em geral atividades de suporte ou serviços transitórios, tais como formas, que não foram representados no modelo Elas podem permanecer associadas em grupo ao elemento original ou podem ser criadas entidades temporárias no modelo. O grau de detalhamento do orçamento varia muito, mas é importante a associação dos serviços aos elementos, uma abordagem bem diferente do usual em orçamentos comuns. A exportação do REVIT é feita a partir dos quantitativos de materiais e componentes, com os respectivos códigos oriundos do campo Keynote, como mostra a Figura 6 Figura 6: Quantitativo com codificação 7

8 O orçamento pode retroalimentar os campos de custo dos elementos, facilitando o lançamento deste dado no planejamento. Nesse caso a importação para o modelo pode ser feita via link de ODBC ou via ExcelLink, entre outras ferramentas. Notese que não estaremos atualizando as famílias, mas os elementos... Inserção no Planejamento da execução O arquivo txt com a lista de código de elementos, oriundo do campo de parâmetro específico para a codificação EAP, será importado para o aplicativo de planejamento, permitindo a execução do cronograma rigorosamente de acordo com a lista efetiva de elementos e componentes da obra e seus respectivos quantitativos Isto garante coerência e confiabilidade nos quantitativos considerados. A Figura 7 mostra um exemplo de elemento com seu campo de codificação EAP e Figura 8 mostra a inserção no aplicativo de planejamento dos dados cuja origem foi a planilha da Figura 5. 8

9 Figura 7: Campo de codificação EAP do elemento 9

10 . Figura 8: Listagem de elementos já inseridos no aplicativo de planejamento Importação do modelo e do planejamento para o NAVIS A importação do modelo para o NAVISWORKS Será feita de modo usual. Uma vez importado o modelo devemos associar cada elemento às datas definidas pelo planejamento. É possível que o NavisWorks faça a associação automática dos elementos às atividades do planejamento através do comando >TimeLiner Rules Através deles define-se as regras de associação e deste modo automatiza-se um processo que de outra forma seria manual, unitário e demorado. A Figura 9 mostra o resultado da importação automática. 10

11 Figura 9: Exemplo de importação por elementos Simulação e Validação do processo Uma vez importadas as datas procede-se à simulação da execução, que permite visualizar e ajustar os erros de precedência, ou simular diversos planos de ataque, mediante diferentes planejamentos, que podem ser visualizados ao longo do tempo. Podem ser inseridos equipamentos de apoio para complementar a visão da obra. Figura 10: Exemplo de inserção de equipamento 11

12 A análise de execução será feita passo a passo, com a visualização completa do processo construtivo, como mostra a Figura 11. Figura 11: Exemplo de análise de execução No NAVIS é possível efetuar ajustes e correções com apoio do clash detection, inclusive com regras de clearance e avaliação de compatibilidade de atividades ao longo do tempo, como ilustra a Figura

13 Figura 12: Exemplo de clash detecion Após alguns ciclos de simulação, em que são feitas as correções a cada rodada, é definida a alternativa de execução a ser adotada, com minimizando os erros e otimizando prazos e recursos, compondo um verdadeiro ciclo PDCA Caso seja de interesse é possível retroalimentar o modelo com as datas efetivas, para consolidar um as built, facilitar a montagem de um painel de controle de andamento de obra com dados extraídos automaticamente do REVIT e, após a entrega, ter um histórico completo do processo construtivo. 13

Aplicação do REVIT em estudos de viabilidade.

Aplicação do REVIT em estudos de viabilidade. . Sergio Leusin GDP Gerenciamento e Desenvolvimento de Projetos Raquel Canellas GDP Gerenciamento e Desenvolvimento de Projetos Apresentação de casos de estudo de viabilidade físico financeira com apoio

Leia mais

O desenvolvimento de um aplicativo de verificação de requisitos através do Revit API

O desenvolvimento de um aplicativo de verificação de requisitos através do Revit API O desenvolvimento de um aplicativo de verificação de requisitos através do Revit API Silvia Maria Soares de Araujo Pereira Fundação Oswaldo Cruz / Universidade Federal Fluminense Sergio Roberto Leusin

Leia mais

BIM: Fundamentos básicos e processo de implantação. Apresentador: Sergio Leusin, Arqtº, D.Sc.

BIM: Fundamentos básicos e processo de implantação. Apresentador: Sergio Leusin, Arqtº, D.Sc. BIM: Fundamentos básicos e processo de implantação Apresentador: Sergio Leusin, Arqtº, D.Sc. A GDP, Gerenciamento e Desenvolvimento de Projetos Ltdª, nasceu da convicção de que o projeto deve ser o protagonista

Leia mais

Pré-Construção Virtual BIM com foco na Compatibilização de Projetos

Pré-Construção Virtual BIM com foco na Compatibilização de Projetos Pré-Construção Virtual BIM com foco na Compatibilização de Projetos Bruno Maciel Angelim FortBIM Engenharia Esta classe mostra o fluxo de trabalho do Autodesk Building Design Suite para pré-construção

Leia mais

Ambiente Autodesk para engenharia multidisciplinar

Ambiente Autodesk para engenharia multidisciplinar Kleber Souza Bastos EngMEX A busca pelo aumento de produtividade e pela melhoria continua de qualidade levou ao largo uso de ferramentas de apoio. Com isso surgiram inúmeras ferramentas para aplicações

Leia mais

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos:

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos: [AUBR-83] BIM na Prática: Implementação de Revit em Escritórios de Arquitetura e Engenharia Paulo Henrique Giungi Galvão Revenda TECGRAF Consultor técnico Revit da Revenda TECGRAF AUBR-83 Dicas e Truques

Leia mais

BIM BUILDING INFORMATION MODELLING UMA TECNOLOGIA PARA O FUTURO IMEDIATO DA CONSTRUÇÃO

BIM BUILDING INFORMATION MODELLING UMA TECNOLOGIA PARA O FUTURO IMEDIATO DA CONSTRUÇÃO BIM BUILDING INFORMATION MODELLING UMA TECNOLOGIA PARA O FUTURO IMEDIATO DA CONSTRUÇÃO PROGRAMA DO EVENTO 13 :30 13:45 Abertura - Dr. Antonio Carlos, diretor SINDUSCON RIO 13:45 14:30 Introdução ao BIM:

Leia mais

Gerenciamento de Arquivos no mercado AEC utilizando o Autodesk Vault + Buzzsaw

Gerenciamento de Arquivos no mercado AEC utilizando o Autodesk Vault + Buzzsaw Gerenciamento de Arquivos no mercado AEC utilizando o Autodesk Vault + Buzzsaw Tiago Marçal Ricotta Brasoftware / quattrod O Autodesk Vault organiza, gerencia e rastreia os processos de criação de dados,

Leia mais

Apresentação do Professor. Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini 20/11/2013

Apresentação do Professor. Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini 20/11/2013 Apresentação do Professor Ferramentas de Software para Gestão de Projetos Prof. Esp. André Luís Belini Formação Acadêmica: Bacharel em Sistemas de Informação Pós graduado em Didática e Metodologia para

Leia mais

Exportação e Importação de Orçamentos

Exportação e Importação de Orçamentos Exportação e Importação de Orçamentos Copyright 2013 By Softplan. Rod. José Carlos Daux, km 1, Nº 10 Centro de Tecnologia Ilhasoft - ParqTec Alfa João Paulo Florianópolis SC CEP 88030-000 Telefone: (48)

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 6 1. OBJETIVO Realizar o gerenciamento dos projetos desde o seu planejamento, desenvolvimento, recebimento, análise crítica, controle e distribuição nas obras. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA Manual

Leia mais

Plantas Industriais. Objetivo de aprendizado. Sobre o Palestrante. AutoCAD Plant 3D - Inovação em projetos de tubulação

Plantas Industriais. Objetivo de aprendizado. Sobre o Palestrante. AutoCAD Plant 3D - Inovação em projetos de tubulação Plantas Industriais Odair Maciel Dedini Indústrias de Base AutoCAD Plant 3D - Inovação em projetos de tubulação Objetivo de aprendizado Ao final desta palestra você terá condições de: Total conhecimento

Leia mais

BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM

BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM Joyce Delatorre Método Engenharia O uso da Tecnologia BIM promete trazer ganhos em todas as etapas no ciclo de vida de um empreendimento.

Leia mais

MÉTODO ÁREAS DE ATUAÇÃO DIFERENCIAIS / TECNOLOGIA TECNOLOGIA BIM

MÉTODO ÁREAS DE ATUAÇÃO DIFERENCIAIS / TECNOLOGIA TECNOLOGIA BIM MÉTODO ÁREAS DE ATUAÇÃO DIFERENCIAIS / TECNOLOGIA TECNOLOGIA BIM Método Engenharia O futuro em construção 40 anos de experiência 6 milhões de m² construídos em projetos realizados no Brasil e no exterior

Leia mais

Sistema para Gestão de Empreendimentos SGE. Módulo de Gestão de Custos -1-

Sistema para Gestão de Empreendimentos SGE. Módulo de Gestão de Custos -1- Módulo de Gestão de Custos -1- A crescente necessidade das empresas, em melhorar o desempenho dos seus projetos, leva automaticamente a uma melhor gestão dos processos de Controle de Custo. O vem para

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO SISTEMA CONSTRUTIVO DE GESSO ACARTONADO,"DRYWALL"

GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO SISTEMA CONSTRUTIVO DE GESSO ACARTONADO,DRYWALL GERENCIAMENTO DE CUSTOS NO SISTEMA CONSTRUTIVO DE GESSO ACARTONADO,"DRYWALL" Maria de Fátima Gouvêa POUBEL Arquiteta, Professora de Edificações, Mestranda em Engenharia de Produção, pela Universidade Federal

Leia mais

Sergio Leusin / Luciano Capistrano GDP_ Gerenciamento e Desenvolvimento de Projetos

Sergio Leusin / Luciano Capistrano GDP_ Gerenciamento e Desenvolvimento de Projetos Sergio Leusin / Luciano Capistrano GDP_ Gerenciamento e Desenvolvimento de Projetos Demonstração de template para desenvolvimento de projetos para pedido de licenciamento, com automação de cálculos de

Leia mais

BIM Um Processo integrado de projeto

BIM Um Processo integrado de projeto BIM Um Processo integrado de projeto Metodologia BIM de projeto, planejamento e controle de obras, com integração com BD externos Minimização de riscos de projeto, inclusive os derivados da NBR 15.575

Leia mais

Projeto de Engenharia TC022 Introdução a Engenharia Prof. Dr. Sergio Scheer

Projeto de Engenharia TC022 Introdução a Engenharia Prof. Dr. Sergio Scheer 27/maio/2013 Projeto de Engenharia TC022 Introdução a Engenharia Prof. Dr. Sergio Scheer Projeto Projeto é a essência da Engenharia. Visa a elaboração de: um novo produto, sistema ou processo, ou a sua

Leia mais

Como consolidar dados nas planilhas utilizando o comando CONSOLIDAR do Excel

Como consolidar dados nas planilhas utilizando o comando CONSOLIDAR do Excel Como consolidar dados nas planilhas utilizando o comando CONSOLIDAR do Excel! Como utilizar o comando Consolidar do Excel?! Quais são os diferenciais em relação ao cálculo aritmético normal?! Quais são

Leia mais

Planilhas orçamentárias: visão prática

Planilhas orçamentárias: visão prática Capítulo 13 Planilhas orçamentárias: visão prática Sumário: 13.1 Considerações iniciais 13.2 Elaboração da planilha base do orçamento 13.3 Relação dos insumos que serão utilizados e a pesquisa de preços

Leia mais

Autodesk Revit Architecture para arquitetura de interiores Arq. Flávia Maritan BIMrevit.com

Autodesk Revit Architecture para arquitetura de interiores Arq. Flávia Maritan BIMrevit.com Autodesk Revit Architecture para arquitetura de interiores Arq. Flávia Maritan BIMrevit.com Apresentar ferramentas e recursos utilizados para desenvolvimento de projetos de arquitetura de interiores com

Leia mais

MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES

MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES MANUAL DE DESCRIÇÃO E FUNÇÕES TÍTULO DO CARGO: Diretor Comercial Garantir as melhores condições de rentabilidade para a empresa, na prospecção, desenvolvimento, contratação de obras e serviços. Superior

Leia mais

Aplicações do AutoCAD Plant 3D em Energias Renováveis

Aplicações do AutoCAD Plant 3D em Energias Renováveis Aplicações do AutoCAD Plant 3D em Energias Renováveis Diogenes Paranhos Andritz Hydro Inepar do Brasil S.A. Glycon Barros / Breno Miranda / Phillip Morais - Fluenge Engenharia de Fluídos Benefícios práticos

Leia mais

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler

Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Tecnologia em Gestão Pública Desenvolvimento de Projetos - Aula 9 Prof. Rafael Roesler Introdução Objetivos da Gestão dos Custos Processos da Gerência de Custos Planejamento dos recursos Estimativa dos

Leia mais

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de projetos. cynaracarvalho@yahoo.com.br Gerenciamento de projetos cynaracarvalho@yahoo.com.br Projeto 3URMHWR é um empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma seqüência clara e lógica de eventos, com início, meio e fim, que se destina

Leia mais

Atualização Volare 17 Release 010

Atualização Volare 17 Release 010 Atualização Volare 17 Release 010 Principais novidades do Volare 17: Release 010 CORREÇÕES: Ao trazer um item da base SINAPI ou SICRO2 DNIT para o orçamentos. Ele não estava deixando adicionar componentes

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 QUANTIFICAÇÃO BASEADA EM MODELAGEM BIM: VALIDAÇÃO E FOMENTO DE PRÁTICA PROJETUAL A PARTIR DA MODELAGEM DA CASA BAETA. Diogo Humberto Muniz¹;Rodrigo Luiz Minot Gutierrezr 2 1, 2 Universidade de Uberaba

Leia mais

São mais de 20 anos no mercado

São mais de 20 anos no mercado São mais de 20 anos no mercado No mercado há mais de 20 anos, o CEM é um software de cálculo de esquadrias equipado com recursos de alta tecnologia que otimiza processos e alcança os melhores resultados.

Leia mais

PRIMAVERA RISK ANALYSIS

PRIMAVERA RISK ANALYSIS PRIMAVERA RISK ANALYSIS PRINCIPAIS RECURSOS Guia de análise de risco Verificação de programação Risco rápido em modelo Assistente de registro de riscos Registro de riscos Análise de riscos PRINCIPAIS BENEFÍCIOS

Leia mais

Sobre os Palestrantes ANDRÉ WENDLER EMPRESA WENDLER PROJETOS /CAMPINAS-SP SITE: http://www.wendlerprojetos.com.br/

Sobre os Palestrantes ANDRÉ WENDLER EMPRESA WENDLER PROJETOS /CAMPINAS-SP SITE: http://www.wendlerprojetos.com.br/ Demonstrar o fluxo de trabalho e Gestão de Orçamento REVIT/BIM da Construtora FA OLIVA com o Escritório de Engenharia Wendler Projetos para projetos de alvenaria estrutural. Apresentadores: Marcelo Antoniazzi

Leia mais

Apresentação. O acompanhamento dos planos de ação que vierem a seguir a ferramenta é de responsabilidade da unidade autora e executora da proposta.

Apresentação. O acompanhamento dos planos de ação que vierem a seguir a ferramenta é de responsabilidade da unidade autora e executora da proposta. Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado do Ceará Secretaria Especial de Planejamento e Gestão FERRAMENTA PARA ELABORAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DE PLANOS DE AÇÃO 1 Apresentação Com o objetivo de oferecer

Leia mais

COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 08/2011

COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 08/2011 SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Rodovia Prefeito Américo Gianetti, s/n Edifício Gerais - Bairro Serra Verde CEP: 31630-901 - Belo Horizonte - MG COMUNICADO SIAD - PORTAL DE COMPRAS 08/2011

Leia mais

4 Um Exemplo de Implementação

4 Um Exemplo de Implementação 4 Um Exemplo de Implementação Neste capítulo será discutida uma implementação baseada na arquitetura proposta. Para tanto, será explicado como a arquitetura proposta se casa com as necessidades da aplicação

Leia mais

Tabela e Gráficos Dinâmicos Como estruturar dinamicamente dados no Excel

Tabela e Gráficos Dinâmicos Como estruturar dinamicamente dados no Excel Tabela e Gráficos Dinâmicos Como estruturar! Para que serve a Tabela e o Gráfico Dinâmico?! Como criar uma Tabela Dinâmica?! Como criar um Gráfico Dinâmico?! Como podemos atualizar dos dados da Tabela

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS ARQUITETÔNICOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho,

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO OBJETIVO DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO Fornecer diretrizes para a elaboração e apresentação de orçamentos que compõem o Projeto Executivo. FINIÇÕES O orçamento executivo abrange a elaboração dos elementos

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Sites

Processo de Desenvolvimento de Sites ANEXO 4 METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO PROCERGS MDP Processo de Desenvolvimento de Sites O processo de desenvolvimento de sites foi definido com base nas características deste produto e na forma de trabalho

Leia mais

MODELO DE ORIENTAÇÃO PARA OPERAÇÃO DO SOFTWARE Autoria: InfoQuality Informática e Qualidade Ltda.

MODELO DE ORIENTAÇÃO PARA OPERAÇÃO DO SOFTWARE Autoria: InfoQuality Informática e Qualidade Ltda. MODELO DE ORIENTAÇÃO PARA OPERAÇÃO DO SOFTWARE Autoria: InfoQuality Informática e Qualidade Ltda. 1. A ORGANIZAÇÃO Para realizar cadastros e consultas referentes às Diretrizes Organizacionais: Manutenção/Organização/Registro

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

Definição da estrutura analítica de projeto (WBS) WBS de uma Casa. Por que uma WBS?

Definição da estrutura analítica de projeto (WBS) WBS de uma Casa. Por que uma WBS? Definição da estrutura analítica de projeto (WBS) Instrumento utilizado para representação do escopo; Uma árvore orientada à tarefa ou a produto, dividida em hardware, software, serviço, dados e outras

Leia mais

CAMINHOS. PARA A GESTÃO PARA OS PROFISSIONAIS PARA A TECNOLOGIA

CAMINHOS. PARA A GESTÃO PARA OS PROFISSIONAIS PARA A TECNOLOGIA CAMINHOS. PARA A GESTÃO PARA OS PROFISSIONAIS PARA A TECNOLOGIA Alguns conceitos GESTÃO PROFISSIONAIS TECNOLOGIA 2D Gestão de Informação documental (digital 2D ou impressa) ESCRITORIO DE ARQUITETURA EMPRESA

Leia mais

Documentação de Projeto Executivo em BIM

Documentação de Projeto Executivo em BIM Jano Quintanilha Felinto GDP Gerenciamento e Desenvolvimento de Projetos Apresentação das oportunidades de extração e apresentação de informações e documentação de projeto executivo e seus desafios no

Leia mais

AUTOR(ES): LEONARDO ROSOLEN HYPOLITO, ALAN AUGUSTO PAVANI, RODRIGO BIASI GASCH, RODRIGO MAGENTA DE LIMA

AUTOR(ES): LEONARDO ROSOLEN HYPOLITO, ALAN AUGUSTO PAVANI, RODRIGO BIASI GASCH, RODRIGO MAGENTA DE LIMA TÍTULO: PLANEJAMENTO DE CONSTRUTORAS DE PEQUENO PORTE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO MAUÁ DE TECNOLOGIA AUTOR(ES):

Leia mais

Trabalho Interdisciplinar. MS Project

Trabalho Interdisciplinar. MS Project Aula Prática: Introdução ao Microsoft Project Professional MS Project Como vimos em nossas aulas, a EAP Estrutura Analítica do Projeto é o primeiro passo para criar um cronograma de um projeto estruturado.

Leia mais

Roteiro 2: (Planilhas Eletrônicas) - Função procv / manipulação de formulários

Roteiro 2: (Planilhas Eletrônicas) - Função procv / manipulação de formulários Roteiro 2: (Planilhas Eletrônicas) - Função procv / manipulação de formulários Objetivos Explorar funções de procura e referência; Explorar ferramentas para controle de formulários em planilhas; Importar

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

REVIT ARQUITECTURE 2013

REVIT ARQUITECTURE 2013 REVIT ARQUITECTURE 2013 O Revit 2013 é um software de Tecnologia BIM, que em português significa Modelagem de Informação da Construção. Com ele, os dados inseridos em projeto alimentam também um banco

Leia mais

Engenharia de Software II: Desenvolvendo o Orçamento do Projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Desenvolvendo o Orçamento do Projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Desenvolvendo o Orçamento do Projeto Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Criação do Plano de Gerenciamento de Custos do Projeto Estimar os Custos Determinar

Leia mais

DECLARAÇÕES DE PRODUTO

DECLARAÇÕES DE PRODUTO CERTIFICADO DE ORIGEM ON LINE FIERGS MANUAL DE OPERAÇÕES DECLARAÇÕES DE PRODUTO Inovação tecnológica através do uso de Ferramenta de WEB para maximização da qualidade e eficiência no atendimento, com redução

Leia mais

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos

Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos Instituto Brasileiro de Engenharia de Custos 1º Fórum Brasileiro de Custos de Obras Públicas Metodologia de Cálculo Orientação Técnica para Cálculo do Preço de Referência em Licitações de Obras Públicas

Leia mais

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica

PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica INSTITUTO BRASILEIRO DE AUDITORIA DE OBRAS PÚBLICAS IBRAOP INSTITUTO RUI BARBOSA IRB / COMITÊ OBRAS PÚBLICAS PROC-IBR-EDIF 046/2015 Análise de Projeto de Estrutura Metálica Primeira edição válida a partir

Leia mais

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007 1 Inicie um novo Antes de começar um novo, uma organização deve determinar se ele se enquadra em suas metas estratégicas. Os executivos

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROCESSO BIM NA CONSTRUTORA. Eng.Fernando Augusto Correa da Silva

IMPLANTAÇÃO DO PROCESSO BIM NA CONSTRUTORA. Eng.Fernando Augusto Correa da Silva IMPLANTAÇÃO DO PROCESSO BIM NA CONSTRUTORA Eng.Fernando Augusto Correa da Silva BIM SINCO IMPLANTAÇÃO BIM CASOS DE SUCESSO SINCO ENGENHARIA 27 Anos no mercado da construção Civil Área de atuação: Incorporação

Leia mais

Projeto 4D: Gerenciamento e Simulação de projetos industriais com o Autodesk Navisworks

Projeto 4D: Gerenciamento e Simulação de projetos industriais com o Autodesk Navisworks Projeto 4D: Gerenciamento e Simulação de projetos industriais com o Autodesk Navisworks Diego de Oliveira Potapczuk teewe Serão apresentadas as soluções desenvolvidas pela teewe sobre a plataforma do Navisworks,

Leia mais

Gestão de Custos. Conteúdo. Planejamento Integrado. Gestão de Custos. Conceitos Básicos de Gestão de Custos Integraçãoda Gestãode Custoscom o

Gestão de Custos. Conteúdo. Planejamento Integrado. Gestão de Custos. Conceitos Básicos de Gestão de Custos Integraçãoda Gestãode Custoscom o Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Construção e Estruturas Especialização em Gerenciamento de Obras Planejamento Integrado Gestão de Custos Prof. Dayana Bastos Costa Conteúdo

Leia mais

TC042 CONSTRUÇÃO CIVIL IV AULA 5

TC042 CONSTRUÇÃO CIVIL IV AULA 5 TC042 CONSTRUÇÃO CIVIL IV AULA 5 DURAÇÃO DAS ATIVIDADES Como estimar a duração das atividades ou serviços? Existem duas formas básicas: Determina-se a quantidade de dias e a partir deste parâmetro compõe-se

Leia mais

MANUAL DO PVP SUMÁRIO

MANUAL DO PVP SUMÁRIO Manual PVP - Professores SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 6 2 ACESSANDO O PVP... 8 3 TELA PRINCIPAL... 10 3.1 USUÁRIO... 10 3.2 INICIAL/PARAR... 10 3.3 RELATÓRIO... 10 3.4 INSTITUIÇÕES... 11 3.5 CONFIGURAR... 11

Leia mais

Programa de Remuneração Variável 2011

Programa de Remuneração Variável 2011 Programa de Remuneração Variável 2011 Sistema de Gestão É o conjunto de processos que permite traduzir as estratégias em ações alinhadas em todos os níveis de forma a garantir o alcance da Missão e Visão,

Leia mais

Implementation of BIM (Building Information Modeling) in the Brazilian Real Estate Market. Eng. Fernando Correa Diretor da Sinco Engenharia

Implementation of BIM (Building Information Modeling) in the Brazilian Real Estate Market. Eng. Fernando Correa Diretor da Sinco Engenharia Implementation of BIM (Building Information Modeling) in the Brazilian Real Estate Market Eng. Fernando Correa Diretor da Sinco Engenharia 27 Anos no mercado da construção Civil Área de atuação: Incorporação

Leia mais

CURSOS DE BIM EM BELO HORIZONTE

CURSOS DE BIM EM BELO HORIZONTE CURSOS DE BIM EM BELO HORIZONTE Cursos de BIM em Belo Horizonte O SindusCon-SP reconhecido como pioneiro na difusão da Tecnologia BIM (Modelagem da Informação da Construção) no Brasil, preparou um curso

Leia mais

Version Notes (Notas da versão) Versão 4.11.1.7-26-02-2013

Version Notes (Notas da versão) Versão 4.11.1.7-26-02-2013 Florianópolis, 26 de fevereiro de 2013. Abaixo você confere as características e funcionalidades da nova versão 4.11.1.7 do Channel. Para quaisquer dúvidas ou na necessidade de maiores esclarecimentos,

Leia mais

MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB

MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB CNS LEARNING MANUAL DO GERENCIADOR ESCOLAR WEB Versão Online 13 Índice ÍNDICE... 1 VISÃO GERAL... 2 CONCEITO E APRESENTAÇÃO VISUAL... 2 PRINCIPAIS MÓDULOS... 3 ESTRUTURAÇÃO... 3 CURSOS... 4 TURMAS... 4

Leia mais

TÍTULO: PARÂMETROS PARA ESTIMATIVA DE CUSTO - PROJETOS DE INTERESSE SOCIAL

TÍTULO: PARÂMETROS PARA ESTIMATIVA DE CUSTO - PROJETOS DE INTERESSE SOCIAL TÍTULO: PARÂMETROS PARA ESTIMATIVA DE CUSTO - PROJETOS DE INTERESSE SOCIAL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO INSTITUTO MAUÁ

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico. Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA

Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico. Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA Programa de Capacitação em Gestão do PPA Curso PPA: Elaboração e Gestão Ciclo Básico Elaboração de Planos Gerenciais dos Programas do PPA Brasília, abril/2006 APRESENTAÇÃO O presente manual tem por objetivo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA Cássia Regina Batista Clarissa Kellermann de Moraes Ivan Mário da Silveira Márcia Dietrich Santiago Proposta

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE MODERNIZAÇÃO E INFORMÁTICA SACI LIVRE SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE CONTEÚDO INSTITUCIONAL

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado de Roraima. AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado de Roraima. AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos AGIS Gerenciamento Eletrônico de Documentos 1 SUMÁRIO 1. Definições 3 1.1 Apresentação 3 1.2 Disposição do Sistema 3 2. Acessando o Sistema 4 2.1 Procedimento para regularizar o primeiro acesso 4 2.2 Procedimento

Leia mais

Módulo de Usuário 04 Orientações para o Uso 05 Acessando as Salas 06 Dentro do Ambiente das Salas 08 (1) Outros Usuários 09 (2) Seus Dados 09 (3)

Módulo de Usuário 04 Orientações para o Uso 05 Acessando as Salas 06 Dentro do Ambiente das Salas 08 (1) Outros Usuários 09 (2) Seus Dados 09 (3) O recurso das Salas Virtuais é parte da estratégia adotada pelo Órgão Gestor da Política Nacional de Educação Ambiental para estimular e fortalecer a participação de grupos, coletivos e colegiados no processo

Leia mais

Inventário 2014 Manual de Procedimentos

Inventário 2014 Manual de Procedimentos Inventário 2014 Manual de Procedimentos O Inventário anual de bens móveis Conforme está previsto na legislação vigente (Instrução Normativa 205/88), é obrigatório aos gestores das Unidades responsáveis

Leia mais

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância 5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância O capítulo anterior apresentou uma discussão sobre a inclusão dos chamados learning services no processo

Leia mais

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil.

Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. Leia dicas infalíveis para aumentar a produtividade do seu time e se manter competitivo no mercado da construção civil. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01 PROMOVA A INTEGRAÇÃO ENTRE AS ÁREAS DE SUA

Leia mais

Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos

Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos Implementação utilizando as melhores práticas em Gestão de Projetos Objetivo dessa aula é mostrar a importância em utilizar uma metodologia de implantação de sistemas baseada nas melhores práticas de mercado

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME ANITA OLIVEIRA LACERDA - anitalic@terra.com.br PEDRO AUGUSTO CESAR DE OLIVEIRA SÁ - pedrosa@npd.ufes.br 1. INTRODUÇÃO O Light Steel Frame (LSF) é um sistema

Leia mais

UNICO... 3. Clientes/Fornecedores/Técnicos/Transportadoras/Vendedores... 5. Produtos... 6. Serviços... 6. Outros... 6. Vendas... 7. Notas Fiscais...

UNICO... 3. Clientes/Fornecedores/Técnicos/Transportadoras/Vendedores... 5. Produtos... 6. Serviços... 6. Outros... 6. Vendas... 7. Notas Fiscais... Sumário UNICO...... 3 Cadastros... 4 Clientes/Fornecedores/Técnicos/Transportadoras/Vendedores... 5 Produtos...... 6 Serviços...... 6 Outros...... 6 Vendas... 7 Notas Fiscais... 7 Estoque...8 Financeiro......

Leia mais

MONITORAMENTO 2008. Este documento visa indicar as alterações no módulo do monitoramento para o exercício 2008.

MONITORAMENTO 2008. Este documento visa indicar as alterações no módulo do monitoramento para o exercício 2008. MONITORAMENTO 2008 O Módulo de Monitoramento no SIGPlan apresenta algumas alterações em relação aos anos anteriores. Estes ajustes visam incorporar a estrutura do PPA 2008 2011 e facilitar o acesso e a

Leia mais

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB PROJETOS DE INFRAESTRUTURA URBANA DRENAGEM CANAIS RESERVATÓRIOS MICRODRENAGEM OU DRENAGEM SUPERFICIAL OBRAS

Leia mais

VERIFIQUE SE SEUS SITES ESTÃO PRONTOS PARA O BLACK FRIDAY 11 MANEIRAS DE ACABAR COM OS PROBLEMAS DE DESEMPENHO

VERIFIQUE SE SEUS SITES ESTÃO PRONTOS PARA O BLACK FRIDAY 11 MANEIRAS DE ACABAR COM OS PROBLEMAS DE DESEMPENHO VERIFIQUE SE SEUS SITES ESTÃO PRONTOS PARA O BLACK FRIDAY 11 MANEIRAS DE ACABAR COM OS PROBLEMAS DE DESEMPENHO COMO SE PREPARAR PARA OS PROBLEMAS DE PICO DE TRÁFEGO DURANTE O ANO Os problemas de desempenho

Leia mais

PLANEJAMENTO E PROJETOS. Lílian Simão Oliveira

PLANEJAMENTO E PROJETOS. Lílian Simão Oliveira PLANEJAMENTO E GERENCIAMENTO DE PROJETOS Lílian Simão Oliveira Contexto Gerentes lutam com projetos assustadores e com prazos finais difíceis de serem cumpridos Sistemas não satisfazem aos usuários Gastos

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Manual das planilhas de Obras

Manual das planilhas de Obras Manual das planilhas de Obras Detalhamento dos principais tópicos para uso das planilhas de obra Elaborado pela Equipe Planilhas de Obra.com Conteúdo 01. Pedidos... 3 Pedido de material detalhado;... 3

Leia mais

Primeiros passos das Planilhas de Obra v2.6

Primeiros passos das Planilhas de Obra v2.6 Primeiros passos das Planilhas de Obra v2.6 Instalação, configuração e primeiros passos para uso das planilhas de obra Elaborado pela Equipe Planilhas de Obra.com Conteúdo 1. Preparar inicialização das

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICIOS: UM SISTEMA PARA PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DO FLUXO DE ATIVIDADES DO PROCESSO DE PROJETOS

COORDENAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICIOS: UM SISTEMA PARA PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DO FLUXO DE ATIVIDADES DO PROCESSO DE PROJETOS COORDENAÇÃO DE PROJETOS DE EDIFICIOS: UM SISTEMA PARA PROGRAMAÇÃO E CONTROLE DO FLUXO DE ATIVIDADES DO PROCESSO DE PROJETOS José Francisco Pontes ASSUMPÇÃO Professor da UFSCar, Rod. Washington Luís, km

Leia mais

Abaixo seguem algumas telas do software, com as descrições das etapas para inclusão das informações e visualização dos resultados:

Abaixo seguem algumas telas do software, com as descrições das etapas para inclusão das informações e visualização dos resultados: Cálculo de CUSTOS Geração de Orçamento rápido no CALDsoft7 O software de planificação em caldeiraria CALDsoft7 possibilita à sua empresa o cadastro de materiais padrão, dimensões de chapa, espessuras bem

Leia mais

4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos

4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos 4 Metodologia de Gerenciamento Integrado de Riscos Neste capitulo iremos apresentar a metodologia escolhida para a elaboração do estudo de caso que incorpora a análise quantitativa dos riscos financeiros.

Leia mais

COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE MONTE CARLO

COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA METODOLOGIA DE MONTE CARLO COMO AVALIAR O RISCO DE UM PROJETO ATRAVÉS DA O que é risco? Quais são os tipos de riscos? Quais são os tipos de análises? Qual a principal função do Excel para gerar simulações aleatórias? O que é distribuição

Leia mais

REGULAMENTO SINDUSCON PREMIUM ETAPA LITORAL NORTE 2013. 1ª edição

REGULAMENTO SINDUSCON PREMIUM ETAPA LITORAL NORTE 2013. 1ª edição REGULAMENTO SINDUSCON PREMIUM ETAPA LITORAL NORTE 2013 1ª edição 1 DA INSTITUIÇÃO DA PREMIAÇÃO 1.1 O Sinduscon Premium Etapa Litoral Norte 1ª edição instituído pelo SINDUSCON RS, Sindicato das Indústrias

Leia mais

SINAENCO VIABILIZAÇÃO DE INOVAÇÃO EM OBRAS PÚBLICAS

SINAENCO VIABILIZAÇÃO DE INOVAÇÃO EM OBRAS PÚBLICAS SINAENCO VIABILIZAÇÃO DE INOVAÇÃO EM OBRAS PÚBLICAS 25 de março de 2010 Objetivo do projeto Desenvolver condições para incentivar as empresas executoras de obras públicas a promoverem inovações. Propor

Leia mais

Experiências BIM: Projeto Executivo no Mercado Imobiliário.

Experiências BIM: Projeto Executivo no Mercado Imobiliário. Experiências BIM: Projeto Executivo no Mercado Imobiliário. Palestrantes: Luísa Konzen e Naiara Braghirolli A sessão tem como objetivo mostrar os benefícios e dificuldades enfrentados na implantação e

Leia mais

Estratégias: Workflow, Melhores Práticas. De Working Views aos desenhos finais

Estratégias: Workflow, Melhores Práticas. De Working Views aos desenhos finais Estratégias: Workflow, Melhores Práticas. De Working Views aos desenhos finais Renato Carvalheira RAF Arquitetura Projetos de Arquitetura, Edificações e Construção Civil Objetivo do aprendizado Ao final

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos Práticas de Melhoria de Valor (VIP Value Improvement Practices) DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

Gestão do custo do projeto

Gestão do custo do projeto Nome: N. Série: Gestão do custo do projeto A gestão do custo é representada pelos processos necessários para cumprimento do orçamento. São eles o Planejamento dos Recursos, a Estimativa dos Custos, o Orçamento

Leia mais

Usando o MS Project 2010 em Gerenciamento de Projetos

Usando o MS Project 2010 em Gerenciamento de Projetos Darci Prado Usando o MS Project 2010 em Gerenciamento de Projetos SEÇÃO A: CONHECIMENTOS BÁSICOS SEÇÃO A-1: PLANEJAMENTO DE UM PROJETO 1. Uso do Computador em Gerenciamento de Projetos: o MS-Project........................

Leia mais

Experiência do uso de REVIT em Projeto de Estrutura

Experiência do uso de REVIT em Projeto de Estrutura REVIT em Projeto de Estrutura Angelo Ricardo Rech REFE engenharia Descrição do processo de implantação e treinamento no uso do Revit Structure, e relato das vantagens alcançadas no uso diário profissional.

Leia mais

Sistema de Planejamento

Sistema de Planejamento Sistema de Planejamento Copyright 2013 by Softplan Rod. José Carlos Daux, km 1, Nº 10 Centro de Tecnologia Ilhasoft - ParqueTecAlfa João Paulo CEP 88030-000 Florianópolis SC Telefone: (48) 3027-8000 Homepage:

Leia mais

)HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR

)HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR 6LPXODomR GH6LVWHPDV )HUUDPHQWDV &RPSXWDFLRQDLV SDUD 6LPXODomR #5,6. Simulador voltado para análise de risco financeiro 3RQWRV IRUWHV Fácil de usar. Funciona integrado a ferramentas já bastante conhecidas,

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 2- Teste Estático e Teste Dinâmico Aula 3 Teste Estático SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. Definição... 3 2. Custo Versus Benefício...

Leia mais

Tema UFPel 2.0 WP Institucional Guia de Opções de Personalização

Tema UFPel 2.0 WP Institucional Guia de Opções de Personalização Tema UFPel 2.0 WP Institucional Guia de Opções de Personalização Sumário 1. Configurações Iniciais...2 1.1. Configurando o Menu Personalizado...2 1.2. Configurando os Widgets...3 2. Localize o nome de

Leia mais