APLICATIVO EXCEL UMA FERRAMENTA ADEQUADA PARA AUXILIAR O GERENCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO DE CASO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APLICATIVO EXCEL UMA FERRAMENTA ADEQUADA PARA AUXILIAR O GERENCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO DE CASO"

Transcrição

1 APLICATIVO EXCEL UMA FERRAMENTA ADEQUADA PARA AUXILIAR O GERENCIAMENTO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO DE CASO Fabiane Biava Sales (G-UEM) Rafael Pansanato (G-UEM) José Braz Hercos Junior (UEM) Resumo Neste trabalho, abordou-se sobre a importância das empresas (especialmente as micro e pequenas) para o desenvolvimento de uma região e o alto índice de mortalidade verificado para este segmento, explicado por vários motivos, dentre eles, a falta de preparo gerencial dos empreendedores e, consequentemente, a ausência de controles gerenciais adequados. Dessa forma, o presente estudo de caso consistiu no desenvolvimento de um aplicativo, em planilha eletrônica excel, voltado para o gerenciamento de um pequeno empreendimento do setor de entretenimento. As premissas básicas que norteraram o desenvolvimento do referido aplicativo foram facilidade de manuseio e riqueza das informações geradas. Palavras-chave: micro e pequenas empresas; controles gerenciais; facilidade de manuseio. Introdução Presencia-se um cenário de globalização, no qual países, em maior ou menor intensidade, abrem seus mercados para a livre entrada e saída de bens, serviços e capitais. Aliado a isto, assiste-se a um desenvolvimento acelerado no âmbito da TI Tecnologia da Informação e comunicação. E, neste contexto competitivo, acompanhar as inovações tecnológicas constitui-se em desafios às empresas e a própria sociedade. Nessa linha de raciocínio, há consenso na sociedade sobre a importância das empresas para uma região, no tocante a geração de empregos, renda, recolhimento de tributos, dentre outros. Portanto, o enfraquecimento das empresas implica, naturalmente, no empobrecimento das regiões em que estão inseridas; sendo que o contrário também é verdadeiro. Esta importância acentua-se para o caso das micro e pequenas empresas, que são a maioria no cenário brasileiro (IBGE, 2001) 1, contribuem significativamente para o 1 Segundo o IBGE, no Brasil existem 4,6 milhões de empresas. Desse total, 99% são micro e pequenas empresas-mpes (SEBRAE-NA 2001).

2 2 desenvolvimento econômico de regiões 2 e propiciam uma melhor distribuição dos benefícios gerados (renda, emprego, ). Porém, observa-se nos últimos anos um alto índice de mortalidade 3 para este tipo de empresa, explicado por vários motivos, dentre eles, a falta de preparo gerencial dos empreendedores e, conseqüentemente, a ausência de controles gerenciais adequados para estes empreendimentos. Este trabalho teve por objetivo evidenciar as vantagens que as micro e pequenas empresas podem obter com a implantação de aplicativos gerenciais de fácil interatividade, por meio de planilhas eletrônicas Excel. Justificativa A Adecon-Empresa Junior de Consultoria foi procurada por um empresário do ramo de entrenimento que demonstrou preocupação com falta de controles gerenciais existentes dentro do seu empreendimento. Os parâmetros para tomada de decisões do empresário baseavam-se apenas na movimentação física de caixa, ou seja, na falta ou sobra de caixa ao final dos períodos (dia, mês e ano). Ele não tinha noção de qual era o resultado de seu empreendimento e, muito menos, qual o desempenho de cada um dos produtos ofertados. Portanto, neste primeiro contato, foi identificada a necessidade de implementação de controles gerenciais dentro da empresa. Para dar suporte ao desenvolvimento dos controles gerenciais, a Adecon contou com o apoio de um professor-orientador do quadro da Universidade Estadual de Maringá, que possui domínio técnico e conhece a literatura ligada a área de custos e finanças. Assim, após várias visitas a empresa, desenvolveu-se um aplicativo gerencial por meio do Microsoft Excel. 2 56% dos empregados com carteira (RAIS/TEM-2002); 28% do faturamento do setor privado (SEBRAE-NA- 2000); 20% do PIB (SEBRAE-NA-1991); 2% no valor das exportações (SEBRAE-SP/FUNCEX-1998) 3 Das empresas paulistas, 29% fecham em seu primeiro ano de atividade e 56% não completam o quinto ano de vida. (SEBRAE )

3 3 Desenvolvimento do estudo de caso Caracterização da empresa A empresa analisada atua no setor de entretenimento, trabalhando simultaneamente com vendas e serviços, conforme listados abaixo: Serviços Vendas Consertos Sala de Jogos Locações de DVD Locações de Jogos Acessórios Bomboniere CDs de Jogos Consoles DVDs Internet Desenvolvimento do aplicativo gerencial No desenvolvimento do aplicativo gerencial, o primeiro passo foi a criação de uma estrutura de relatório para apuração do resultado do empreendimento (fig. 1), no qual buscou-se aplicar o conceito de margem de contribuição 4. Foi dada grande ênfase a esta etapa, visto que o objetivo era tornar tal estrutura como padrão para a maioria das planilhas do aplicativo. Assim, tería-se estruturas de planilhas idênticas, com diferenças apenas nas finalidades: Figura 1 - Estrutura padrão de relatório para apuração do resultado do empreendimento. RECEITAS Consertos Locações de DVD Locações de Jogos Sala de Jogos Vendas - Acessórios Vendas - Bomboniere Vendas - CDs de Jogos Vendas - Consoles Vendas - DVDs Novos Vendas - DVDs Usados Vendas - Internet (-) SAÍDAS DE CAIXA (FORNECEDORES) Fornecedores Acessórios Fornecedores Bomboniere Fornecedores CDs de Jogos Fornecedores Consoles Fornecedores DVDs Fornecedores Internet Fornecedores Jogos Fornecedores Oficina (=) MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO (-) DESPESAS CORRENTES Gerais e Administrativas Aluguel Aluguel da Oficina Despesas com Programas / Internet Despesas Manutenção / Limpeza Despesas Propaganda / Divulgação Energia Elétrica Energia Elétrica da Oficina Honorários Contador Materiais de Escritório / Limpeza Publicidade / Condominio Seguros ( Imóvel ) Telefone Funcionários Encargos Salariais Salários Funcionários Vale Transporte / Refeições Bancos Banco (Juros) Banco (Taxas) Banco (Outras) Impostos CPMF Simples Estadual Simples Municipal (=) LUCRO ANTES PRÓ-LABORE (-) Retirada Pró-Labore (=) RESULTADO CORRENTE (-) Amortização de Empréstimos (=) RESULTADO ANTES INVEST. FIXO (-) Compra de móveis/equipamentos (=) RESULTADO FINAL 1 (-) Poupança reposição equipamentos (-) Poupança rescisões contratuais 4 Margem de Contribuição é a diferença entre o preço de venda e o custo variável (=) RESULTADO de cada FINAL produto; 2 é o valor que cada unidade efetivamente traz à empresa de sobra entre sua receita e o Fonte: custo Elaborado que de fato pelo provocou Autor. e que lhe pode ser imputado sem erro. (Martins, 2003) Diferença entre as vendas e todas as despesas variáveis (Horngren, 2000).

4 4 planilhas de alimentação diárias, planilhas mensais e planilhas comparativas (mensais, semestrais e anuais). Isto facilitou sobremaneira a criação de vínculos entre os arquivos. O regime escolhido para apuração do resultado do empreendimento foi o de caixa. Portanto, receitas são registradas apenas no momento em que há entrada de caixa e despesas, nas saídas. Dessa maneira, procurou-se para este relatório padrão: Evidenciar receitas e desembolso com fornecedores, para cada uma das atividades desenvolvidas; Apurar margem de contribuição, cuja fórmula utilizada é: Receitas saídas de caixa com fornecedores; Criar desdobramentos para as saídas de caixa (despesas correntes; retirada de prólabore; amortização de empréstimos; compra de móveis e equipamentos e constituição de poupança para reposição de equipamentos e rescisões contratuais), obtendo-se assim vários resultados intermediários, o que facilita naturalmente a geração de informações; Separar despesas particulares do empreendedor, representadas por pró-labore, das despesas inerentes ao próprio empreendimento. Figura 2 - Planilha de alimentação diária. JANEIRO Total do Mês RECEITAS 0,00 0,00 0,00 0,00 Consertos 0,00 Locações de DVD 0,00 0,00 0,00 0,00 Locações de Jogos 0,00 0,00 0,00 0,00 Sala de Jogos 0,00 0,00 0,00 0,00 Vendas - Acessórios 0,00 Vendas - Bomboniere 0,00 0,00 0,00 0,00 Vendas - CDs de Jogos 0,00 0,00 0,00 0,00 Vendas - Consoles 0,00 Vendas - DVDs Novos 0,00 Vendas - DVDs Usados 0,00 Vendas - Internet 0,00 0,00 (-) SAÍDAS DE CAIXA (FORNECEDORES) 0,00 0,00 0,00 0,00 Fornecedores Acessórios 0,00 Fornecedores Bomboniere 0,00 Fornecedores CDs de Jogos 0,00 Este aplicativo desdobra-se em dois grupos de arquivos. O primeiro grupo caracterizase pelas planilhas de alimentação diárias (fig. 2), com um arquivo para cada ano. A função do usuário é, diariamente, alimentar o sistema com entradas e saídas de caixa para as diversas

5 5 contas criadas. Para algumas atividades, em relação às receitas (entradas de caixa), necessitou-se de criação de botões com vínculos a outras planilhas do arquivo. A totalização mensal ocorre automaticamente. O outro grupo é representado somente por um arquivo, que compõe-se de: a) planilhas mensais (fig. 3): nestas planilhas são evidenciadas mês a mês as receitas obtidas para cada produto ofertado. Também são apresentados os desembolsos com os diversos fornecedores, apurando-se assim a margem de contribuição mensal. A seguir, são deduzidas todas as demais saídas de caixa, desdobradas em despesas correntes; retirada de pró-labore; amortização de empréstimos; compra de Figura 3 - Planilha mensal. Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez RECEITAS 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Consertos 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Locações de DVD 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Locações de Jogos 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Sala de Jogos 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Vendas - Acessórios 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Vendas - Bomboniere 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Vendas - CDs de Jogos 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Vendas - Consoles 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Vendas - DVDs Novos 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Vendas - DVDs Usados 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Vendas - Internet 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 (-) SAÍDAS DE CAIXA (FORNECEDORES) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Fornecedores Acessórios 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 móveis e equipamentos e constituição de poupança para reposição de equipamentos e rescisões contratuais), obtendo-se assim vários resultados intermediários, o que facilita naturalmente a geração de informações. b) planilhas comparativas - mensais, semestrais e anuais (fig. 4): estas planilhas facilitam a avaliação dos resultados alcançados pela empresa e, naturalmente, as medidas corretivas, Figura 4 - Planilha comparativa: mensal, semestral e anual. jan-06 jan-07 var-mês 1-sem sem-2007 var-sem var-ano RECEITAS 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** Consertos 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** Locações de DVD 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** Locações de Jogos 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** Sala de Jogos 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** Vendas - Acessórios 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** Vendas - Bomboniere 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** Vendas - CDs de Jogos 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** Vendas - Consoles 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** Vendas - DVDs Novos 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** Vendas - DVDs Usados 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** Vendas - Internet 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** (-) SAÍDAS DE CAIXA (FORNECEDORES) 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** Fornecedores Acessórios 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** Fornecedores Bomboniere 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 ** 0,00 0,00 **

6 uma vez que são apresentados os valores obtidos no ano atual, comparando-se, mensalmente, semestralmente e anualmente, com os valores obtidos no ano anterior. Na apuração das variações percentuais ocorridas, identificam-se as contas com comportamentos fora da normalidade. 6 c) Gráficos (fig. 5): Os gráficos auxiliam o usuário no entendimento das planilhas, já que facilitam a visualização das informações geradas. Figura 5 Gráfico. Planilha de Desempenho por Segmento (fig. 6): nesta planilha é evidenciado o quanto, em termos percentuais, cada segmento de atuação da empresa contribui para cobertura de despesas correntes. Apresenta também os percentuais obtidos no ano atual, comparando-se, semestralmente, com os percentuais obtidos no ano anterior, possibilitando assim a identificação de segmentos de melhor ou pior desempenho e comportamentos fora da normalidade.

7 7 Figura 6 - Planilha - Contribuição líquida por segmento para coberturas das despesas gerais. SEGMENTO 1º Sem/2006 1º Sem/2007 1º Sem/2008 1º Sem/2009 1º Sem/2010 Acessórios #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! Bomboniere #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! CDs de Jogos #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! Consertos #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! Consoles #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! DVDs #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! Internet #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! Jogos #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! (=) % de Cobertura #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! #DIV/0! d) Planilha de controle mensal de caixa (fig. 7): esta planilha permite ao usuário o monitoramento dos recursos de caixa. Possibilita ao mesmo decidir oportunamente sobre aplicação de sobras de caixa e/ou obtenção de novos recursos para cobrir déficits de caixa previstos. Também prevê o controle sobre a constituição de poupanças - para reposição de bens e rescisões contratuais e sua utilização quando necessário. Figura 7 Planilha de controle mensal de caixa. e) Botões interativos: Com objetivo de facilitar o manuseio do aplicativo gerencial, criou-se tela inicial contendo botões que, ao simples clicar do mouse, facilita a interação dos usuários com as diversas planilhas e gráficos criados

8 8 Cabe destacar a facilidade de manuseio deste aplicativo. O único trabalho que cabe ao usuário é a alimentação das planilhas diárias, visto que as demais planilhas e gráficos, ao estarem vinculadas às primeiras, são automaticamente atualizadas, gerando as informações necessárias para tomada de decisões. Mesmo apresentando facilidade de manuseio, alguns usuários foram treinados para adequada utilização do aplicativo. Após treinamento, ainda houve acompanhamento por um período de tempo, objetivando identificar e solucionar possíveis dificuldades. Resultados alcançados Para o desenvolvimento desta ferramenta gerencial, teve-se como premissas básicas a facilidade de manuseio aliada a riqueza de informações geradas. Porém, houve a necessidade de desenvolver-se junto ao empresário trabalho de conscientização sobre a importância de se alimentar o sistema diariamente, de forma confiável e com a todas as operações ocorridas no período. Além disso, cabe ao empresário, à medida que se utiliza do aplicativo gerencial, municiar os consultores juniores sobre dificuldades advindas e/ou sugestões para o aprimoramento do aplicativo gerencial. Nas visitas realizadas à empresa, após desenvolvimento da consultoria, observou-se efetividade na utilização do aplicativo gerencial implementado. Outro aspecto importante a mencionar é que este aplicativo tornou-se base para a construção de outras ferramentas gerenciais mais aprimoradas, utilizadas nas novas consultorias.

9 9 Referências BEDÊ, Marcos Aurélio (Coord.). Sobrevivência e Mortalidade das Empresas Paulistas 1 a 5 anos. Sebrae, São Paulo, outubro de Disponível em:<http: //www.sebraesp.com.br> HORNGREN, Charles T. Inntrodução à Contabilidade Gerencial. 5. ed. Rio de Janeiro, Editora LTC, MARTINS, Elizeu. Contabilidade de Custos. 9. ed. São Paulo: Atlas, ZDANOWICZ, J. E. Fluxo de Caixa. Porto Alegre: DC Luzzatto Editores Ltda, 1986.

Palavras-chave: Controles gerenciais, Informações, Informatização.

Palavras-chave: Controles gerenciais, Informações, Informatização. DESENVOLVIMENTO DE CONTROLES GERENCIAIS EM LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO DELPHI UM ESTUDO DE CASO Jazmín Figari de la Cueva (G-UEM) Vitor Nogame (G-UEM) José Braz Hercos Junior (UEM) Resumo A Adecon-Empresa

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

Balanço de Pagamentos

Balanço de Pagamentos Balanço de Pagamentos Agosto/2015 22 de setembro de 2015 Resumo dos Resultados Em agosto de 2015, o déficit em Transações Correntes foi de US$ 2,5 bilhões, resultado superior ao observado em agosto de

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO O Sr. Fúlvio Oliveira, empresário de uma loja de confecções, está seriamente preocupado com seu negócio. As dívidas não param de crescer. Vamos entender sua situação.

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO 04 APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças, marketing,

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

Controles financeiros Edição de bolso

Controles financeiros Edição de bolso 03 Controles financeiros Edição de bolso A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE-SP nas seguintes áreas: Organização Empresarial Finanças Marketing

Leia mais

Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso

Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso 01 Apuração do lucro líquido no comércio Edição de bolso A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE-SP nas seguintes áreas: Organização Empresarial Finanças

Leia mais

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul

Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul Fluxo de caixa: organize e mantenha as contas no azul O segredo do sucesso da sua empresa é conhecer e entender o que entra e o que sai do caixa durante um dia, um mês ou um ano. 1 Fluxo de caixa: organize

Leia mais

Prezado empreendedor,

Prezado empreendedor, Prezado empreendedor, Caderno do Empreendedor Este é o Caderno do Empreendedor, criado para facilitar o dia-a-dia da sua empresa. Com ele você poderá controlar melhor suas despesas, saber quanto está vendendo

Leia mais

Informações e orientações para organização do processo decisório

Informações e orientações para organização do processo decisório Informações e orientações para organização do processo decisório Prof. Pedro Paulo H. Wilhelm, Dr. Eng. Prod (Dep. Economia) WILHELM@FURB.BR Prof. Maurício C. Lopes, Msc. Eng. Prod. (Dep. Computação) MCLOPES@FURB.BR

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS

PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS PLANO DE NEGÓCIOS W ARTE "SERRALHARIA E ESQUADRIA RAPOSÃO" Empreendedor(a): WALBER MACEDO DOS SANTOS Maio/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROF: HEBER LAVOR MOREIRA GISELE KARINA NASCIMENTO MESQUITA MARIA SANTANA AMARAL Flor de Lis MATERIAL

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

TÍTULO: O PAPEL DA EDUCAÇÃO CONTÁBIL NA GESTÃO FINANCEIRA DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

TÍTULO: O PAPEL DA EDUCAÇÃO CONTÁBIL NA GESTÃO FINANCEIRA DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS TÍTULO: O PAPEL DA EDUCAÇÃO CONTÁBIL NA GESTÃO FINANCEIRA DE MICRO E PEQUENAS EMPRESAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Indicadores SEBRAE-SP

Indicadores SEBRAE-SP Indicadores SEBRAE-SP Pesquisa de Conjuntura (resultados de julho de 2008) setembro/08 1 Principais destaques Em julho/08 as micro e pequenas empresas (MPEs) apresentaram queda de 3% no faturamento real

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução O que são

Leia mais

Análise de Endividamento do Consumidor

Análise de Endividamento do Consumidor Belo Horizonte - 2015 A Análise Mensal do Endividamento do Consumidor traça o quadro de endividamento e inadimplência dos consumidores da capital. Essas informações são importantes porque englobam dados

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos.

PESQUISA DE JUROS. As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito apresentaram em agosto/2014 comportamentos distintos. Na pessoa física as taxas de juros tiveram uma pequena elevação sendo esta a décima quinta

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS.

ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. ANÁLISE CUSTO - VOLUME - LUCRO COMO FERRAMENTA DE GESTÃO NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Thaisa Rodrigues Marcondes 1, Maria Auxiliadora Antunes 2 ¹ Universidade do Vale do Paraíba/Faculdade de Ciências

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA

PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA FRALDAS DESCARTAVEIS Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA PLANO DE NEGÓCIOS FRALDAS QUARESMA "FRALDAS DESCARTAVEIS" Empreendedor(a): FLÁVIO QUARESMA DE LIMA SILVA Fevereiro/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br

Pequenos Negócios no Brasil. Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br Pequenos Negócios no Brasil Pequenos Negócios no Brasil Clique no título para acessar o conteúdo, ou navegue pela apresentação completa Categorias de pequenos negócios no Brasil Micro e pequenas empresas

Leia mais

Palavras-chaves: : capital de giro, plano de negócio, viabilidade econômica e financeira

Palavras-chaves: : capital de giro, plano de negócio, viabilidade econômica e financeira AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE ECONÔMICA E FINANCEIRA DO REDIMENSIONAMENTO DO INVESTIMENTO EM CAPITAL DE GIRO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS DE PROCESSAMENTO DA MACAXEIRA Pedro Felizardo Adeodato de Paula Pessoa (Embrapa)

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

Tema Nº 3 Primeiros Passos

Tema Nº 3 Primeiros Passos Tema Nº 3 Primeiros Passos Habilidades a Desenvolver: Reconhecer as etapas iniciais do empreendedorismo. Analisar o tipo de negócio, bem como sua viabilidade e demandas de recursos de novos empreendimentos.

Leia mais

EXERCÍCIO 1. Cálculo de número-índice e taxa de câmbio

EXERCÍCIO 1. Cálculo de número-índice e taxa de câmbio CASO PRÁTICO 3: ORÇAMENTO EMPRESARIAL EXERCÍCIO 1. Cálculo de número-índice e taxa de câmbio 1.1 Complete o número-índice correspondente à variação mensal do IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado) e

Leia mais

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS

www.anefac.com.br Rua 7 de abril. 125 - conj. 405 - CEP 01043-000 República - São Paulo-SP - Telefone: 11 2808-320 PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em maio/2014, sendo esta a décima segunda elevação seguida, quinta elevação no ano. Estas elevações podem ser atribuídas

Leia mais

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO

APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO APRESENTAÇÃO NO INSTITUTO DO VAREJO 18 de Agosto de 2006 Demian Fiocca Presidente do BNDES www.bndes.gov.br 1 BRASIL: NOVO CICLO DE DESENVOLVIMENTO Um novo ciclo de desenvolvimento teve início em 2004.

Leia mais

ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS.

ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS. ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS. Resumo efetuado a partir do Manual Como Elaborar um plano de negócios SEBRAE/ 2013 Profa. Célia Regina Beiro da Silveira ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIOS PARA O 1º CONCURSO

Leia mais

O que é Fluxo de Caixa?

O que é Fluxo de Caixa? O que é Fluxo de Caixa? O Fluxo de Caixa é um relatório gerencial que informa toda a movimentação de dinheiro (entradas e saídas), sempre considerando um período determinado, que pode ser um dia, uma semana

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

GESTÃO DE CUSTOS E CONTROLES

GESTÃO DE CUSTOS E CONTROLES GESTÃO DE CUSTOS E CONTROLES No fascículo anterior tratamos da importância de desenvolver e treinar os profissionais que trabalham no consultório médico e o quanto são importantes para que a empresa seja

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

Finanças. Contas a Pagar e a Receber

Finanças. Contas a Pagar e a Receber 2 Dicas de Finanças Finanças Você pode achar que falar de finanças é coisa para grandes empresas. Talvez este assunto nem tenha sido tratado com a devida importância mesmo em sua informalidade. Contudo,

Leia mais

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL 1. A PROPOSTA COMERCIAL será constituída de uma Carta Proposta, que trará o valor da CONTRAPRESTAÇÃO PECUNIÁRIA ofertada, através

Leia mais

APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS

APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS APOSTILA DE ANÁLISE DE CUSTOS Prof Fabio Uchôas de Lima São Paulo 2013 Não é permitida a cópia ou reprodução, no todo ou em parte, sem o expresso consentimento deste autor com base na Lei 9.610/92. Contato:

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos

Análise e Avaliação Financeira de Investimentos 1 Análise e Avaliação Financeira de Investimentos O objetivo desse tópico é apresentar uma das metodologias de análise e avaliação financeira de investimentos. A análise de investimentos depende do ramo

Leia mais

Negócios e Informações informatizar para competir. jairolm@sebraesp.com.br

Negócios e Informações informatizar para competir. jairolm@sebraesp.com.br Negócios e Informações informatizar para competir jairolm@sebraesp.com.br O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio Consultorias SEBRAE Mais Programas setoriais Palestras Trilha de aprendizagem

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais 1. Calcule o Valor Presente Líquido do fluxo de caixa que segue, para as taxas de desconto de 8% a.a., 10% a.a.

Leia mais

MÓDULO IX - CUSTOS. A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão

MÓDULO IX - CUSTOS. A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão MÓDULO IX - CUSTOS A gestão de custos como ferramenta de apoio a tomada de decisão 1 Conteúdo Objetivo do custeio Conceito de valor Gestão de Custos versus Gestão Estratégica Componentes básicos de custos

Leia mais

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008).

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 7 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). A administração

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC

Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC Taxas de juros das operações de crédito têm terceira elevação no ano, constata ANEFAC Todas as linhas de crédito para pessoas jurídicas subiram. Para pessoas físicas, houve aumento nos juros do comércio,

Leia mais

REALINHAMENTO DE EMPRESAS

REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS REALINHAMENTO DE EMPRESAS FATORES QUE AFETAM SUA PERFORMANCE GERENCIAMENTO MARGEM DE LUCRO CAPITAL DE GIRO ESCALA DO NEGÓCIO FLUXO DE CAIXA GERENCIAMENTO Objetivo e comando do

Leia mais

EXCENOMIC UMA FERRAMENTA DE AUXÍLIO À ANÁLISE DE INVESTIMENTO

EXCENOMIC UMA FERRAMENTA DE AUXÍLIO À ANÁLISE DE INVESTIMENTO . EXCENOMIC UMA FERRAMENTA DE AUXÍLIO À ANÁLISE DE INVESTIMENTO Eduardo Bonchristiani Filho (UNIFEI) bonchristiani@hotmail.com Leonardo Sousa de Albuquerque Lima (UNIFEI) leopara@yahoo.com.br Edson de

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0401 01 IDENTIFICAÇÃO Título: CONTABILIDADE E EFICIÊNCIA NA ADMINISTRAÇÃO DO NEGÓCIO Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: ACOMPANHAMENTO CONTÁBIL O QUE É : Este é

Leia mais

Bancos financiam crescentemente a produção

Bancos financiam crescentemente a produção Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nota do dia 25 de julho de 2007 Fontes: Bacen, IBGE e CNI Elaboração: Febraban Bancos financiam crescentemente a produção Pessoa Jurídica O crédito destinado

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o, DE DE DE 2009 Estabelece a metodologia de cálculo e os procedimentos do repasse final da Energia Livre após o encerramento do prazo

Leia mais

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS

IMA Institute of Management Accountants PESQUISA DE JUROS PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em outubro/2013, sendo esta a sexta elevação no ano. Esta elevação pode ser atribuída à última elevação da Taxa de Juros

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

Conjuntura - Saúde Suplementar

Conjuntura - Saúde Suplementar Conjuntura - Saúde Suplementar 25º Edição - Abril de 2014 SUMÁRIO Conjuntura - Saúde Suplementar Apresentação 3 Seção Especial 5 Nível de Atividade 8 Emprego 9 Emprego direto em planos de saúde 10 Renda

Leia mais

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda GESTÃO FINANCEIRA Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro Módulo Financeiro Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre todos os itens do Módulo Financeiro. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no todo ou em partes do material

Leia mais

PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA GERENCIAL: um estudo sobre as pequenas e médias indústrias automobilísticas de Taubaté

PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA GERENCIAL: um estudo sobre as pequenas e médias indústrias automobilísticas de Taubaté PLANEJAMENTO FINANCEIRO COMO FERRAMENTA GERENCIAL: um estudo sobre as pequenas e médias indústrias automobilísticas de Taubaté Ailton da Silva, Paulo César Ribeiro Quintairos, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

ESTUDO DE CASO MULTIGRAF LTDA (Controles Financeiros)

ESTUDO DE CASO MULTIGRAF LTDA (Controles Financeiros) UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 1. Introdução Em 31 de dezembro de 2014 a SANEAGO operava os sistemas de abastecimento de água e coleta e/ou tratamento de esgoto de 225 dos 246 municípios do Estado de Goiás,

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

Planejamento Financeiro. Aula 6. Contextualização. Orçamento. Organização da Aula. Instrumentalização. Profa. Claudia Abramczuk

Planejamento Financeiro. Aula 6. Contextualização. Orçamento. Organização da Aula. Instrumentalização. Profa. Claudia Abramczuk Planejamento Financeiro Aula 6 Contextualização Profa. Claudia Abramczuk Orçamento Ferramenta para o sucesso empresarial Tomada de decisão Exposição de hipóteses Sistema de autorização, meio de planejamento,

Leia mais

Resultados 2014 Fevereiro, 2015

Resultados 2014 Fevereiro, 2015 Resultados Fevereiro, 2015 Destaques do e Afluência na região SE/CO em de 69% da MLT 1 (vs. 102% em ) Hidrologia Nível de reservatórios das usinas da AES Tietê encerraram em 34,7% vs. 51,1% em Rebaixamento

Leia mais

04 Os números da empresa

04 Os números da empresa 04 Os números da empresa Além de conhecer o mercado e situar-se nele, o empreendedor tem de saber com clareza o que ocorre com os números de sua empresa. Neste capítulo conheça os principais conceitos,

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO INSTRUMENTO DE CONTROLE GERENCIAL: UM ESTUDO REALIZADO EM MICROEMPRESAS DA CIDADE DE CHAPECÓ, SANTA CATARINA

FLUXO DE CAIXA COMO INSTRUMENTO DE CONTROLE GERENCIAL: UM ESTUDO REALIZADO EM MICROEMPRESAS DA CIDADE DE CHAPECÓ, SANTA CATARINA FLUXO DE CAIXA COMO INSTRUMENTO DE CONTROLE GERENCIAL: UM ESTUDO REALIZADO EM MICROEMPRESAS DA CIDADE DE CHAPECÓ, SANTA CATARINA Elizandra Lazarin elilazarin@unochapeco.edu.br Unochapeco Rodrigo Barichello

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS POUSADA BOUGAINVILLE "EDNA MARIA" Empreendedor(a): EDNA MARIA DE OLIVEIRA

PLANO DE NEGÓCIOS POUSADA BOUGAINVILLE EDNA MARIA Empreendedor(a): EDNA MARIA DE OLIVEIRA PLANO DE NEGÓCIOS POUSADA BOUGAINVILLE "EDNA MARIA" Empreendedor(a): EDNA MARIA DE OLIVEIRA Dezembro/2013 SUMÁRIO 1 SUMÁRIO EXECUTIVO 1.1 Resumo dos principais pontos do plano de negócio 1.2 Empreendedores

Leia mais

especificamente para facilitar o trabalho de escritórios contábeis e/ou consultorias tributárias, auxiliando na escolha da melhor forma de tributação

especificamente para facilitar o trabalho de escritórios contábeis e/ou consultorias tributárias, auxiliando na escolha da melhor forma de tributação Programa desenvolvido especificamente para facilitar o trabalho de escritórios contábeis e/ou consultorias tributárias, auxiliando na escolha da melhor forma de tributação (Simples/Presumido/Real) para

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA

PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS CASTELO BRANCO CONSULTORIA E ASSESSORIA CONTÁBIL LTDA Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

COMO ADMINISTR OS CUSTOS DE SUA EMPRESA

COMO ADMINISTR OS CUSTOS DE SUA EMPRESA 45 AR COMO ADMINISTR OS CUSTOS DE SUA EMPRESA 1 A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE nas mais diversas áreas: organização empresarial, finanças,

Leia mais

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional Gráfico 1 Produção da construção civil e PIB Variações anuais % 1 8 6 4 2-2 -4 1999 2 21 22 23 24 25 26 27 28 Construção civil PIB A indústria

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE PREÇO

CONSIDERAÇÕES SOBRE PREÇO Formação de preço CONSIDERAÇÕES SOBRE PREÇO O preço se define a partir do público a quem se dirige o produto e como a empresa se coloca em relação aos produtos e serviços dos concorrentes. Por isso, depende

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31/12/2014 e 31/12/2013

BALANÇO PATRIMONIAL EM 31/12/2014 e 31/12/2013 Registro no Cartório de Títulos e Documentos em 02/10/1934. Sob o nº 1.152, Livro "A" nº 6. BALANÇO PATRIMONIAL EM 31/12/2014 e 31/12/2013 2014 2013 Variação ATIVO ATIVO CIRCULANTE Caixa - - - Banco do

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria Importância da formação do preço. A intensificação da concorrência entre as marcenarias, indústria de móveis em série e lojas de móveis modulares exige, por parte dos Marceneiros, a apuração eficaz das

Leia mais

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1

ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 ANEFAC IMA Institute of Management Accountants 1 PESQUISA DE JUROS As taxas de juros das operações de crédito voltaram a ser elevadas em setembro/2013, sendo esta a quinta elevação no ano. Esta elevação

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

SINCOR-SP 2016 FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2016 FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS FEVEREIRO 2016 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Estatísticas dos Corretores de SP... 6 3. Análise macroeconômica...

Leia mais

SHOPPING POPULAR DE CANOAS/RS

SHOPPING POPULAR DE CANOAS/RS SHOPPING POPULAR DE CANOAS/RS Análise Econômica e Financeira Este relatório, elaborado pela Projeobra Engenharia Ltda., apresenta a análise econômica e financeira da implantação de um Shopping Popular

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS Resumo A proposta deste trabalho é realizar um estudo de programação linear para definir a viabilidade da produção, assim

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO 1 O sucesso do Plano Real na economia brasileira Denis de Paula * RESUMO Esse artigo tem por objetivo evidenciar a busca pelo controle inflacionário no final da década de 1980 e início da década de 1990,

Leia mais

1. Estruturação da Matriz Orçamentária. O Gerenciamento Matricial de Despesas por Carlos Alexandre Sá

1. Estruturação da Matriz Orçamentária. O Gerenciamento Matricial de Despesas por Carlos Alexandre Sá O Gerenciamento Matricial de Despesas por Carlos Alexandre Sá Nos processos tradicionais, quando um executivo prepara o orçamento do departamento sob sua responsabilidade, age como somente o seu centro

Leia mais

ADMINSTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTO EMPRESARIAL

ADMINSTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTO EMPRESARIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO ECONÔMICO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTO EMPRESARIAL DISCENTES: SUELEN MARTINS SYLVIA CERQUEIRA ADMINSTRAÇÃO FINANCEIRA

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1

ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS 1 Jéssica Schreiber Boniati 2, Eusélia Pavéglio Vieira 3. 1 Trabalho de conclusão de curso apresentado ao curso

Leia mais