Política Empresarial e Direitos Humanos. 1 Introdução 2 Compromisso 3 Aplicação 4 Governação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Política Empresarial e Direitos Humanos. 1 Introdução 2 Compromisso 3 Aplicação 4 Governação"

Transcrição

1 Política Empresarial e Direitos Humanos 1 Introdução 2 Compromisso 3 Aplicação 4 Governação BP 2013

2 Política Empresarial e Direitos Humanos 1. Introdução Distribuímos energia por todo o mundo. Localizamos, desenvolvemos e produzimos fontes de energia essenciais. Transformamos estas fontes em produtos que as pessoas necessitam diariamente. O mundo precisa de energia e esta necessidade está em crescimento. Esta energia será distribuída em diversas formas. É, e sempre será, fundamental para as pessoas e para o progresso em qualquer lugar. Esperamos atingir elevados padrões naquilo que fazemos. Esforçamo-nos por ser um líder em termos de segurança na nossa indústria, um operador de nível mundial, uma empresa responsável e uma excelente entidade patronal. Preocupamo-nos com o impacto das nossas decisões (grandes ou pequenas) naqueles que nos rodeiam. Tal inclui o impacto nos direitos humanos. As nossas acções e operações enquanto empresa podem beneficiar muitos os indivíduos e melhorar as sociedades e comunidades, na nossa função enquanto entidade patronal, investidor, parceiro, vizinho e fornecedor de energia. 2. Compromisso 1. Realizamos os nossos negócios de forma a respeitar os direitos e a dignidade de todas as pessoas, respeitando todos os requisitos legais. 2. Respeitamos os direitos humanos reconhecidos a nível internacional, como estabelecidos na Carta Internacional dos Direitos Humanos e na Declaração da Organização Internacional do Trabalho (OIT) relativa aos Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho 3. Reconhecemos a nossa responsabilidade em respeitar os direitos humanos e evitar a cumplicidade nos abusos dos direitos humanos, como nos Princípios Orientadores das Nações Unidas sobre Empresas e Direitos Humanos. 4. Tratamos todas as pessoas que trabalham para a BP de igual modo e sem discriminação. Os nossos funcionários, pessoal interino e fornecedores têm o direito de trabalhar num ambiente e em condições que respeitem os seus direitos e dignidade. 5. Respeitamos a liberdade de associação. Quando os nossos funcionários pretendem ser representados por sindicatos ou comissões de trabalhadores, nós colaboramos em boa-fé com os organismos que os nossos funcionários escolhem colectivamente para os representar ao abrigo dos quadros legais nacionais. 6. Respeitamos os direitos das pessoas nas comunidades afectadas pelas nossas actividades. Procuramos identificar os impactos negativos nos direitos humanos e tomar as medidas apropriadas para evitar, minimizar e/ou mitigá-los. 7. Procuramos assumir com os fornecedores compromissos contratuais que os incentivem a aderir aos mesmos princípios presentes nesta política. 3. Aplicação 1. Assumimos a nossa responsabilidade em respeitar os direitos humanos através da implementação das secções relevantes dos Princípios Orientadores das Nações Unidas sobre Empresas e Direitos Humanos e da incorporação dos mesmos nos processos e políticas que regem todas as nossas actividades empresariais. 2. Trabalhamos para incorporar os direitos humanos nas avaliações dos impactos social e ambiental conforme adequado. Na avaliação e abordagem dos impactos das nossas operações e relações, consultamos as pessoas que podem ser afectadas, incluindo pessoas indígenas, quando é possível e apropriado, cumprindo os requisitos legais aplicáveis. 3. Quando a BP reconhece que causámos ou contribuímos directamente para impactos negativos nos direitos humanos de terceiros, deve fornecer ou colaborar na Política Empresarial e Direitos Humanos 1

3 resolução dos impactos negativos através de processos legítimos. 4. Continuamos a desempenhar uma função construtiva e progressiva nas iniciativas de várias partes interessadas associadas aos direitos humanos, incluindo os Princípios Voluntários sobre Segurança e Direitos Humanos. Acreditamos que os esforços de várias partes interessadas são um meio eficaz de promoção de padrões razoáveis para uma mudança positiva nas práticas de direitos humanos ao nível operacional. 5. Certificar-nos-emos de que as nossas comunicações com os governos, organismos reguladores e autoridades públicas se encontram em conformidade com os nossos compromissos de direitos humanos, conforme declarado nesta política. 6. Nos casos em que haja um conflito entre um requisito legal e esta Política, procuramos sempre aplicar o padrão mais rigoroso, conforme estipulado nos Princípios Orientadores das Nações Unidas sobre Empresas e Direitos Humanos, sem violar a lei nacional. 4. Governação 1. Esta Declaração aplica-se a todos os funcionários e responsáveis em qualquer entidade totalmente detida pela BP e em joint ventures (JVs) na medida do possível e razoável dado o nível de participação da BP. Nas situações em que a BP não tem um controlo absoluto sobre uma JV, envidaremos todos os esforços ao nosso alcance para garantirmos que as JV e os respectivos parceiros seguem os mesmos princípios. 2. A BP deve registar e comunicar internamente todos os impactos negativos legítimos nos direitos humanos, em conformidade com esta Política. 3. A BP deve comentar anualmente com as partes interessadas a implementação da Política. 2 Política Empresarial e Direitos Humanos

4

5 .

Política Comercial e de Direitos Humanos. 1 Introdução 2 Comprometimento 3 Entrega 4 Controle

Política Comercial e de Direitos Humanos. 1 Introdução 2 Comprometimento 3 Entrega 4 Controle Política Comercial e de Direitos Humanos 1 Introdução 2 Comprometimento 3 Entrega 4 Controle BP 2013 Política Comercial e de Direitos Humanos 1. Introdução Disponibilizamos energia para o mundo. Encontramos,

Leia mais

ZVEI - Code of conduct sobre a responsabilidade social

ZVEI - Code of conduct sobre a responsabilidade social ZVEI - Code of conduct sobre a responsabilidade social Preâmbulo A Associação Central das Indústrias Electrónicas e Electrotécnicas, associação registada, (ZVEI) e as suas empresas afiliadas reconhecem

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO GRUPO COMPASS

CÓDIGO DE ÉTICA DO GRUPO COMPASS CÓDIGO DE ÉTICA DO GRUPO COMPASS Versão nº 0 Página 1 de 7 Data: 14/12/2009 Código de Ética do Grupo Compass & Global Compact das Nações Unidas Como líder mundial na nossa actividade devemos estabelecer

Leia mais

POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS

POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. São dotados de razão e consciência e devem agir uns para com os outros com espírito de fraternidade.

Leia mais

Telefones celulares e temas relacionados à saúde: Informação aos consumidores. Carta ao Consumidor

Telefones celulares e temas relacionados à saúde: Informação aos consumidores. Carta ao Consumidor Telefones celulares e temas relacionados à saúde: Informação aos consumidores Carta ao Consumidor Introdução Os consumidores de todo o mundo confiam nos telefones celulares para se manterem em contato

Leia mais

Grupo NSG Código de Conduta do Fornecedor

Grupo NSG Código de Conduta do Fornecedor Introdução Grupo NSG Código de Conduta do Fornecedor A intenção do Grupo NSG é desfrutar da mais elevada reputação em todo o mundo, pela maneira profissional, legal e ética de conduzir suas atividades,

Leia mais

Declaração de Direitos Humanos Globais da Microsoft

Declaração de Direitos Humanos Globais da Microsoft Declaração de Direitos Humanos Globais da Microsoft As tecnologias de informação estão a transformar a sociedade a um ritmo acelerado. À medida que a tecnologia evolui, influencia a vida das pessoas de

Leia mais

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos

ISO Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Sistema de gestão para a sustentabilidade de eventos ISO 20121 Objetivo ISO 20121 - Sistemas de gestão de sustentabilidade de eventos. Requisitos e linhas de orientação A ISO 20121 tem como finalidade

Leia mais

Política de Compras da Altranportugal

Política de Compras da Altranportugal Política de Compras da Altranportugal Índice 1. POLÍTICA DE COMPRAS..3 1.1 Expetativas da Altran perante os fornecedores... 3 1.1.1 No âmbito da Segurança e Saúde no Trabalho (SST).... 3 1.1.2 No âmbito

Leia mais

Código de Conduta e Ética Empresarial. Grupo Visium Build

Código de Conduta e Ética Empresarial. Grupo Visium Build Código de Conduta e Ética Empresarial Grupo Visium Build 1 Índice 2 Âmbito 3 Missão e Visão 4 Valores 4 Compromisso com as partes interessadas 5 Cumprimento deste Código 9 2 ÂMBITO Este Código de Conduta

Leia mais

Nosso sonho é ser a Melhor Empresa de bebidas do mundo em um Mundo Melhor

Nosso sonho é ser a Melhor Empresa de bebidas do mundo em um Mundo Melhor Política de Responsabilidade Global de Suprimentos da Ambev Apresentação O quê e Porquê O presente documento define os padrões, expectativas gerais e compromissos cruciais de responsabilidade empresarial

Leia mais

Informações Gerais. Para fornecer materiais ou serviços ao Grupo NSG, exige-se que os fornecedores cumpram este Código de Conduta.

Informações Gerais. Para fornecer materiais ou serviços ao Grupo NSG, exige-se que os fornecedores cumpram este Código de Conduta. Informações Gerais Título da Política Código de Conduta do Grupo NSG (Grupo de Fornecedores) Aprovado Por Comitê Diretor da Política de Aquisição (compras) Data Aprovada 17.06.2009 Âmbito Esta política

Leia mais

COP COMUNICCATION ON PROGRESS PRINCÍPIOS DE DIREITOS HUMANOS

COP COMUNICCATION ON PROGRESS PRINCÍPIOS DE DIREITOS HUMANOS COP COMUNICCATION ON PROGRESS PRINCÍPIOS DE DIREITOS HUMANOS O Capital Humano é o principal ativo da Porto Brasil. A ÉTICA e o RESPEITO ÀS PESSOAS são nossos valores principais. Procuramos orientar e apoiar

Leia mais

Código de Conduta do Fornecedor da Novelis

Código de Conduta do Fornecedor da Novelis Código de Conduta do Fornecedor da Novelis Introdução A Novelis é o principal produtor mundial de laminados de alumínio e o líder global em reciclagem de alumínio. Ao fornecer uma vantagem material, estimular

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO GRUPO EDF

CÓDIGO DE ÉTICA DO GRUPO EDF CÓDIGO DE ÉTICA DO GRUPO EDF A energia elétrica não é uma mercadoria como outra qualquer. É por isso que sua geração, transmissão, distribuição e comercialização são assuntos do interesse de todos. Desde

Leia mais

NORMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

NORMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NORMAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL Resulta do consenso entre peritos de 90 países e 45 organizações internacionais Processo multi-parte interessada, envolveu 450 peritos de países desenvolvidos e em desenvolvimento

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CÓDIGO DE ÉTICA 1. MENSAGEM DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO O ISQ sendo hoje uma grande organização, com larga implantação nacional e uma presença estabelecida internacionalmente, é fundamental que caracterizemos

Leia mais

A Diretriz FIDI CONTRA CORRUPÇÃO E CONTRA SUBORNO

A Diretriz FIDI CONTRA CORRUPÇÃO E CONTRA SUBORNO A Diretriz FIDI CONTRA CORRUPÇÃO E CONTRA SUBORNO (ANTI-BRIBERY & ANTI-CORRUPTION CHARTER) v. 1.2 JULHO DE 2015 Conduzindo a luta contra a corrupção A FIDI está determinada a liderar o setor de transferências

Leia mais

Política Internacional de Compra de Bem-Estar Animal

Política Internacional de Compra de Bem-Estar Animal Política Internacional de Compra de Bem-Estar Animal Atualizado em: Janeiro 2016 A n o s s a m i s s ã o Simples, responsável, fiável: há mais de 100 anos os valores comerciais tradicionais são o alicerce

Leia mais

1. CARTA DA DIRETORIA

1. CARTA DA DIRETORIA 1. CARTA DA DIRETORIA A ADVANCE EMBALAGENS adota o presente Código de Conduta Empresarial com o objetivo de conduzir seus negócios embasando-se na obediência a princípios éticos e legais no relacionamento

Leia mais

DR. AUGUSTO POMBAL CENTRO POLIVALENTE DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO MAPTSS 26 DE JUNHO DE 2015

DR. AUGUSTO POMBAL CENTRO POLIVALENTE DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO MAPTSS 26 DE JUNHO DE 2015 O REGIME DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS NO ÂMBITO DA CONVENÇÃO E DA RECOMENDAÇÃO SOBRE O TRABALHO DECENTE PARA OS TRBALHADORAS E OS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DR. AUGUSTO POMBAL CENTRO POLIVALENTE DE FORMAÇÃO

Leia mais

Código de Conduta da ERICSSON

Código de Conduta da ERICSSON Código de Conduta da ERICSSON Objetivo Este Código de Conduta foi desenvolvido com o objetivo de proteger os direitos humanos, de promover as condições de emprego justas, as condições de trabalho seguras,

Leia mais

Empresas e Direitos Humanos: desafios e responsabilidades na atualidade. 14 de agosto de 2013 Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social

Empresas e Direitos Humanos: desafios e responsabilidades na atualidade. 14 de agosto de 2013 Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social Empresas e Direitos Humanos: desafios e responsabilidades na atualidade 14 de agosto de 2013 Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social Emergência da agenda de direitos humanos no âmbito do

Leia mais

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis

Projecto Vitalidade XXI. FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares. Conclusões do estudo. A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis Projecto Vitalidade XXI FIPA Federação das Indústrias Agro-Alimentares Conclusões do estudo A Indústria Alimentar e os Estilos de Vida Saudáveis A Percepção das Partes Interessadas e Apresentação dos compromissos

Leia mais

ISO Sistemas de gestão antissuborno

ISO Sistemas de gestão antissuborno ISO 37001 ISO 37001 Sistemas de gestão antissuborno ISO 37001 Suborno é um dos problemas mais destrutivos e complexos de nossa época e, apesar dos esforços em âmbito nacional e internacional para combatê-lo,

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM. Capítulo I Disposições gerais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM. Capítulo I Disposições gerais CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DOS TRABALHADORES DA CMVM Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Objecto No exercício das suas funções, em particular nas relações com os restantes trabalhadores e com a CMVM,

Leia mais

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão

CERTIFICAÇÃO. Sistema de Gestão CERTIFICAÇÃO Sistema de Gestão A Sociedade Central de Cervejas e Bebidas (SCC) tem implementados e certificados os Sistemas de Gestão da Qualidade, Segurança Alimentar e Ambiente, em alinhamento com as

Leia mais

Código de Conduta Empresarial

Código de Conduta Empresarial Código de Conduta Empresarial Prezados Colegas, A Cristal construiu uma empresa global baseada nos valores de honestidade, confiança e respeito. Estes princípios orientam nossa conduta dentro e fora de

Leia mais

Roteiro para divulgação de Beneficiários Reais

Roteiro para divulgação de Beneficiários Reais Comité Nacional de EITI Roteiro para divulgação de Beneficiários Reais -2020 OBJETIVO GERAL De acordo com as Normas de EITI de 2016, requisito 2.5 referente a "Beneficial Ownership" (Beneficiários Reais),

Leia mais

Código de Conduta da SKF. para fornecedores e subcontratantes

Código de Conduta da SKF. para fornecedores e subcontratantes Código de Conduta da SKF para fornecedores e subcontratantes Código de Conduta da SKF para fornecedores e subcontratantes Os fornecedores e subcontratantes da SKF desempenham um papel importante em nossa

Leia mais

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos:

O projecto Potencial C inclui ainda um número limitado de actividades a decorrer fora do país. Objectivos: O projecto Potencial C é uma iniciativa da Agência INOVA e é constituído por um conjunto integrado e abrangente de actividades que, ao longo de 24 meses, procurará estimular a criação de empresas no âmbito

Leia mais

Materiais para uma vida melhor

Materiais para uma vida melhor O Caminho Umicore O Caminho Umicore é a pedra angular de tudo o que fazemos na Umicore. A nossa estratégia a Visão 2015 estabelece os nossos objetivos de negócios e ambições de crescimento para os próximos

Leia mais

O L A. Questionário OLA. Avaliação de Liderança Organizacional. Versão Portuguesa. Instruções Gerais

O L A. Questionário OLA. Avaliação de Liderança Organizacional. Versão Portuguesa. Instruções Gerais O L A Questionário OLA Avaliação de Liderança Organizacional Versão Portuguesa Instruções Gerais O propósito deste instrumento é permitir que organizações descubram como suas práticas e crenças sobre liderança

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Novembro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Finalizar o conteúdo da Disciplina Governança de

Leia mais

Segurança e Saúde Ocupacional. Marine Energy Business Assurance Transport & Infrastructures IFIs, Banks and Investors

Segurança e Saúde Ocupacional. Marine Energy Business Assurance Transport & Infrastructures IFIs, Banks and Investors Segurança e Saúde Ocupacional ENVIRONMENT & SUSTAINABILITY Marine Energy Business Assurance Transport & Infrastructures IFIs, Banks and Investors INNOVATION PERFIL DA EMPRESA RINA SERVICES S.p.A. é a empresa

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Declaração Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável das áreas onde atuamos e das

Leia mais

O Grupo Atlas Copco. Código de Conduta Empresarial

O Grupo Atlas Copco. Código de Conduta Empresarial O Grupo Atlas Copco Código de Conduta Empresarial Índice O Grupo Atlas Copco 1 Primeiro na mente primeiro na escolha 2 Principais valores 3 Relações 4 A sociedade e o ambiente 5 Colaboradores 6 Clientes

Leia mais

PACTO DE AUTARCAS. Anexo à carta CdR 29/2008 EN-CP/MS/EP/if/gc.../...

PACTO DE AUTARCAS. Anexo à carta CdR 29/2008 EN-CP/MS/EP/if/gc.../... PACTO DE AUTARCAS CONSIDERANDO que o Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas confirmou que as alterações climáticas são uma realidade e que a utilização de energia relacionada com actividades

Leia mais

Pacto Global das Nações Unidas Relatório de Comunicação de Progresso (COP Report) Signatário: PATMAR INDÚSTRIA E COMERCIO LTDA

Pacto Global das Nações Unidas Relatório de Comunicação de Progresso (COP Report) Signatário: PATMAR INDÚSTRIA E COMERCIO LTDA Signatário: PATMAR INDÚSTRIA E COMERCIO LTDA Relatório anual referente ao ANO 2012 Para nossos acionistas: Tenho o prazer de confirmar que PATMAR INDUSTRIA E COMERCIO LTDA reafirma o seu apoio das Dez

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 OMS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 OMS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE COPATROCINADOR UNAIDS 2015 OMS ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE COPATROCINADORES UNAIDS 2015 O QUE É A OMS? As novas orientações consolidadas de tratamento da OMS representam mais um salto adiante para uma

Leia mais

Código de ética e conduta empresarial

Código de ética e conduta empresarial 1 INTRODUÇÃO A diretoria da Naspers estabelece a liderança pelo exemplo formulando nossos valores e garantindo que os padrões de ética empresarial, como contido neste Código, estejam integrados nas estratégias

Leia mais

PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO

PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO PLATAFORMA GLOBAL DE DEFESA DA PROFISSÃO SOBRE O INSTITUTO DE AUDITORES INTERNOS The Institute of Internal Auditors (IIA) é a voz global da profissão de auditoria interna, autoridade reconhecida e principal

Leia mais

MANITOWOC. Boletim de Política da Empresa

MANITOWOC. Boletim de Política da Empresa MANITOWOC Política de Ética Global No. 103 Página 1 Boletim de Política da Empresa Assunto: Ética Boletim Original Substitui 103 Datado de 22 de Setembro de 1999 Nº: 103 2 de Dezembro de 2002 EXPIRA: Quando

Leia mais

Este programa tem o patrocínio exclusivo do Millenium BCP.

Este programa tem o patrocínio exclusivo do Millenium BCP. Duração: 15-20 semanas Público-Alvo: 18-30 anos Descrição: Com o apoio e orientação de professores e voluntários/consultores de negócio, o programa Start-Up fornece uma formação empreendedora a alunos

Leia mais

Declaração do Citi de princípios do fornecedor

Declaração do Citi de princípios do fornecedor Declaração do Citi de princípios do fornecedor O Citi e o setor privado mundial têm uma enorme oportunidade de tratar dos desafios éticos, sociais e ambientais mundiais por meio das nossas operações principais

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DE FORNECEDORES

CÓDIGO DE ÉTICA DE FORNECEDORES CÓDIGO DE ÉTICA DE FORNECEDORES A Malwee está comprometida com a atuação ética. Por essa razão, necessita garantir que, todos com quem realiza negócios, incluindo fornecedores, indústrias, prestadores

Leia mais

CONTROLO DE QUALIDADE EVOLUÇÃO DA CERTIFICAÇÃO. Docente: Dr. José Carlos Marques. Discente: Vitalina Cunha N.º

CONTROLO DE QUALIDADE EVOLUÇÃO DA CERTIFICAÇÃO. Docente: Dr. José Carlos Marques. Discente: Vitalina Cunha N.º EVOLUÇÃO DA CERTIFICAÇÃO Docente: Dr. José Carlos Marques Discente: Vitalina Cunha N.º 2010607 Funchal, 24 de Abril de 2008 EVOLUÇÃO DA CERTIFICAÇÃO A certificação de uma empresa consiste no reconhecimento

Leia mais

Princípios e critérios para a produção de carvão vegetal utilizado na produção de ferro gusa para a cadeia produtiva do aço sustentável brasileiro.

Princípios e critérios para a produção de carvão vegetal utilizado na produção de ferro gusa para a cadeia produtiva do aço sustentável brasileiro. Princípios e critérios para a produção de carvão vegetal utilizado na produção de ferro gusa para a cadeia produtiva do aço sustentável brasileiro. Introdução ao documento: Os Princípios e Critérios (P&C)

Leia mais

CODE FOR ETHICAL CONDUCT CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA

CODE FOR ETHICAL CONDUCT CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA Caro Parceiro, CODE FOR ETHICAL CONDUCT CÓDIGO DE CONDUTA ÉTICA A dedicação da Ipsen em melhorar a saúde e a qualidade de vida dos doentes requer os mais elevados padrões éticos. As ações e comportamentos

Leia mais

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)?

O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O que é o programa Liderança Para a Mudança (LPM)? O Liderança para a Mudança é um programa de aprendizagem activa para o desenvolvimento dos enfermeiros como líderes e gestores efectivos num ambiente

Leia mais

Código de conduta de fornecedores

Código de conduta de fornecedores Código de conduta de fornecedores Código de Conduta de Fornecedores 1 Caro fornecedor: A Cargill atua no mercado de maneira ética e responsável. Ser confiável implica ter integridade em todas as relações

Leia mais

POLÍTICA DE VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE E NÃO DISCRIMINAÇÃO

POLÍTICA DE VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE E NÃO DISCRIMINAÇÃO POLÍTICA DE VALORIZAÇÃO DA DIVERSIDADE E NÃO DISCRIMINAÇÃO A Petrol Industrial S/A está entre aquelas empresas que estão preocupadas com as questões trabalhistas, procurando adotar os Princípios de Direito

Leia mais

CARTA DO CLIENTE A NOSSA MISSÃO

CARTA DO CLIENTE A NOSSA MISSÃO CARTA DO CLIENTE A NOSSA MISSÃO Disponibilizamos recrutamento, selecção e recursos humanos relacionados da mais alta qualidade que apoiarão o crescimento de uma função pública de classe mundial. OS NOSSOS

Leia mais

Diploma legal. Convindo regulamentar tais procedimentos; 1 / 7

Diploma legal. Convindo regulamentar tais procedimentos; 1 / 7 O Decreto n.º 13/10, de 10 de Fevereiro faz a regulamentação ao Decreto-Lei n.º 17/09, de 26 de Junho (que regula a Formação do Pessoal Angolano no Sector Petrolífero) nomeadamente do recrutamento, integração,

Leia mais

Comércio de madeira e produtos derivados A implementação das novas regras europeias

Comércio de madeira e produtos derivados A implementação das novas regras europeias Comércio de madeira e produtos derivados A implementação das novas regras europeias Lisboa, 11 Dezembro 2012 1. Introdução e Enquadramento 2. Imposições do regulamento 3. Exemplos de aplicação 4. Próximos

Leia mais

Recomendação de políticas Equilíbrio entre direitos humanos e segurança pública

Recomendação de políticas Equilíbrio entre direitos humanos e segurança pública Recomendação de políticas Equilíbrio entre direitos humanos e segurança A oportunidade Essencial à dignidade pessoal e ao desenvolvimento do potencial humano, a liberdade de expressão é um direito humano

Leia mais

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto

Código de Ética Empresarial da Metro do Porto Código de Ética Empresarial da Metro do Porto MP-848057/09 V1.0 Índice A. A EMPRESA Enquadramento Missão Visão Valores B. CÓDIGO Âmbito de Aplicação Acompanhamento C. PRINCÍPIOS ORIENTADORES DO RELACIONAMENTO

Leia mais

Conferência Internacional do Trabalho

Conferência Internacional do Trabalho Conferência Internacional do Trabalho PROTOCOLO À CONVENÇÃO 29 PROTOCOLO À CONVENÇÃO SOBRE TRABALHO FORÇADO, 1930, ADOTADA PELA CONFERÊNCIA EM SUA CENTÉSIMA TERCEIRA SESSÃO, GENEBRA, 11 DE JUNHO DE 2014

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta INTRODUÇÃO O Código de Ética e conduta da Damasco Penna é dirigido à todos os colaboradores, estagiários e membros da administração para servir de referência da atuação pessoal

Leia mais

Obrigações de controlo de fornecedor externo. Reclamações de clientes

Obrigações de controlo de fornecedor externo. Reclamações de clientes Obrigações de controlo de fornecedor externo Reclamações de clientes Nota importante: No caso de fornecedores regulamentados, o fornecedor tem de cumprir todos os requisitos específicos definidos pelo

Leia mais

COP- Arrow Serviços de Tecnologia Ltda.

COP- Arrow Serviços de Tecnologia Ltda. COP- Arrow Serviços de Tecnologia Ltda. Período coberto pela sua Comunicação de Progresso (COP) De: 02/02/2016 A: 31/12/2016 Declaração de Apoio 02/02/2015 Aos participantes do Pacto Global: Tenho o prazer

Leia mais

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG

Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis. Paula Trindade LNEG Estratégias para as Compras Públicas Sustentáveis Paula Trindade LNEG Conferência Compras Públicas Sustentáveis LNEG, 25 Março 2010 Muitas organizações têm experiências em compras sustentáveis! Mas sem

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

Código de conduta do fornecedor

Código de conduta do fornecedor Código de conduta do fornecedor The Hershey Company tem um longo histórico na operação com altos padrões éticos e com integridade. Alcançamos isso conciliando nosso forte desejo por um crescimento lucrativo

Leia mais

Código de Conduta dos Fornecedores da TCS. Julho 2016

Código de Conduta dos Fornecedores da TCS. Julho 2016 Código de Conduta dos Fornecedores da TCS Julho 2016 Código de Conduta dos Fornecedores da TCS O Grupo Tata tem sido sempre um exemplo perfeito do verdadeiro espírito ético nos negócios em suas interações

Leia mais

Processo de geração de valor do Bradesco. Limites dos Aspectos Materiais (G4-20 e G4-21)

Processo de geração de valor do Bradesco. Limites dos Aspectos Materiais (G4-20 e G4-21) Processo de geração de valor do Limites dos Aspectos Materiais (G-20 e G-21) Matriz de Relevância A definição dos temas a serem abordados no Relatório Anual 201 baseou-se na nova Matriz de Relevância do,

Leia mais

MANITOWOC. Boletim da Política da Empresa. Actividade Internacional Práticas Comerciais Corruptas e Operações com Pessoas Não dos Estados Unidos

MANITOWOC. Boletim da Política da Empresa. Actividade Internacional Práticas Comerciais Corruptas e Operações com Pessoas Não dos Estados Unidos MANITOWOC Boletim da Política da Empresa Assunto: Actividade Internacional Práticas Comerciais Corruptas e Operações com Pessoas Não dos Estados Unidos Boletim Original Substitui 114 Datado de 22 de Setembro

Leia mais

Unidade de Informação Financeira. Guia de preenchimento da Declaração de Identificação de Pessoas Designadas ( DIPD )

Unidade de Informação Financeira. Guia de preenchimento da Declaração de Identificação de Pessoas Designadas ( DIPD ) Unidade de Informação Financeira Guia de preenchimento da Declaração de Identificação de Pessoas Designadas ( DIPD ) Índice 1. Objectivo da Declaração de Identificação de Pessoas Designadas (DIPD)... 3

Leia mais

Sonae Sierra Brasil Código de Conduta

Sonae Sierra Brasil Código de Conduta Sonae Sierra Brasil Código de Conduta INTRODUÇÃO O Que é Nosso Código de Conduta? Nosso Código de Conduta estabelece e promove os aspectos fundamentais de comportamento ético que, na opinião da nossa Companhia,

Leia mais

ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO

ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO ACORDO-QUADRO SOBRE STRESS NO TRABALHO (Acordo assinado em 8 de Outubro de 2004, em Bruxelas, entre a Confederação Europeia de Sindicatos (CES) e as Associações Patronais Europeias) 1. Introdução O stress

Leia mais

Programa de monitorização do respeito pelos Direitos Humanos no Grupo EDP Quadro Ruggie

Programa de monitorização do respeito pelos Direitos Humanos no Grupo EDP Quadro Ruggie Programa de monitorização do respeito pelos Direitos Humanos no Grupo EDP Quadro Ruggie Guia de monitorização de impactos Nº Direitos Humanos Guia de monitorização de impactos Aplicá vel à EDP Temas incluídos

Leia mais

TEMA 3 TRABALHO DESIGUAL? NOVAS FORMAS DE DESIGUALDADE E A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

TEMA 3 TRABALHO DESIGUAL? NOVAS FORMAS DE DESIGUALDADE E A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO TEMA 3 TRABALHO DESIGUAL? NOVAS FORMAS DE DESIGUALDADE E A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO O TRABALHO DIGNO, A JUSTIÇA SOCIAL E O FUTURO DO TRABALHO OIT: MISSÃO Desenvolve o seu trabalho no âmbito da redução da

Leia mais

princípios deontológicos mais idóneos, íntegros e honestos;

princípios deontológicos mais idóneos, íntegros e honestos; A nossa Visão A Fábrica do Chocolate Hotel, Restaurante e Museu, ao preservar a memória do chocolate na comunidade vianense, tem como visão ser uma referência nacional e internacional no que respeita à

Leia mais

O Código de Fornecedor do Smiths de Ética nos Negócios

O Código de Fornecedor do Smiths de Ética nos Negócios O Código de Fornecedor do Smiths de Ética nos Como uma empresa global, o Grupo Smiths interage com clientes, acionistas e fornecedores em todo o mundo. Estas partes interessadas, juntamente com as outras

Leia mais

Associe-se à indústria global de fertilizantes

Associe-se à indústria global de fertilizantes Associe-se à indústria global de fertilizantes Associação Internacional da Indústria de Fertilizantes O que é a Associação Internacional da Indústria de Fertilizantes (IFA)? uma associação empresarial

Leia mais

ONU ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS

ONU ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS 1. A Antecessora da ONU Sociedade das Nações A Sociedade das Nações era também conhecida como Liga das Nações Foi idealizada a partir dos 14 Pontos de Wilson Foi criada na

Leia mais

Medida de apoio à inovação

Medida de apoio à inovação Medida de apoio à inovação Programa de Desenvolvimento Rural 2014-2020 Maria Pedro Silva Organização: Apoio Institucional: Grupos Crescimento Valor Acrescentado Rentabilidade Económica Inovação Capacitação

Leia mais

Os direitos da criança - No contexto internacional. Director do ILPI Njal Hostmaelingen MJDH, workshop interno, Luanda, 27 de Junho 2016

Os direitos da criança - No contexto internacional. Director do ILPI Njal Hostmaelingen MJDH, workshop interno, Luanda, 27 de Junho 2016 Os direitos da criança - No contexto internacional Director do ILPI Njal Hostmaelingen MJDH, workshop interno, Luanda, 27 de Junho 2016 Programa História e enquadramento legal Desenvolvimentos internacionais

Leia mais

2015 P. 1 de 6. Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Linha de ética

2015 P. 1 de 6. Procedimento para a Comunicação de Irregularidades Linha de ética P. 1 de 6 Procedimento para a Aprovado em reunião do Conselho Fiscal de 3.12. P. 2 de 6 1. INTRODUÇÃO A Galp Energia, SGPS, S.A. (doravante Galp ) baseia o exercício da sua atividade em princípios de lealdade,

Leia mais

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social

Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72. Política de Responsabilidade Social Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Município de Piracaia PIRAPREV CNPJ: 10.543.660/0001-72 Política de Responsabilidade Social Dezembro de 2011 1 PREÂMBULO O IPSPMP-PIRAPREV, sendo uma

Leia mais

Código de Ética e de Conduta da Altranportugal

Código de Ética e de Conduta da Altranportugal Código de Ética e de Conduta da Altranportugal Índice 1. Codigo de Ética e de Conduta... 3 1.1. Introdução...3 1.1.1. Âmbito de Aplicação e Objetivos... 3 1.1.2. Cumprimento... 4 2. Relações com os Grupos

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária.

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária. PROGRAMA DE ACÇÃO A diversidade e complexidade dos assuntos integrados no programa de acção da OMA permitirá obter soluções eficazes nos cuidados primários de saúde, particularmente na saúde reprodutiva

Leia mais

Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional

Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional Código de Ética e Padrões de Conduta Profissional Samba Investimentos Página1 Este manual de operações estabelece princípios e regras de conduta aplicáveis a todos colaboradores da Samba Investimentos

Leia mais

Cursos de Formação COTHN / SGS

Cursos de Formação COTHN / SGS ACÇÃO DE FORMAÇÃO Organização da emergência / Plano de emergência interno Permitir identificar situações de emergência e a elaborar um Plano de Emergência Interno. Curso Reconhecido pela ACT para Renovação

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR Código de Conduta do Fornecedor Introdução: Na qualidade de retalhista de vestuário internacional, líder e em expansão, a Primark encontra-se empenhada em adquirir produtos

Leia mais

V. Sustentabilidade Do Investimento

V. Sustentabilidade Do Investimento Pelo seu histórico, Portugal é um País de gente dada ao descobrimento e desenvolvimento de rotas comerciais, por tal, Portugal pode possicionar-se na Europa como um alavancador de sinergias de investimento

Leia mais

O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007

O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007 O Processo de Certificação do Sistema de Gestão da Inovação, Desenvolvimento e Inovação (IDI) NP 4457:2007 Aveiro 21 de Abril de 2010 Rita Cunha-Porto rita.porto@apcer.pt Agenda Apresentação APCER O papel

Leia mais

Política Internacional de Compra de Café

Política Internacional de Compra de Café Política Internacional de Compra de Café Versão: Julho 2016 A n o s s a m i s s ã o Simples, responsável e fiável: há mais de 100 anos os valores comerciais tradicionais são o alicerce do sucesso económico

Leia mais

OPERADOR ECONÓMICO AUTORIZADO QUESTIONÁRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO

OPERADOR ECONÓMICO AUTORIZADO QUESTIONÁRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO OPERADOR ECONÓMICO AUTORIZADO QUESTIONÁRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Maputo Fevereiro de 2016 ANTECEDENTES Elaborado a partir de um modelo de Quadro de Normas SAFE O requerente utiliza os detalhes no QAA para

Leia mais

Proposta para o programa de 1 milhão de painéis solares até 2030

Proposta para o programa de 1 milhão de painéis solares até 2030 Proposta para o programa de 1 milhão de painéis solares até 2030 Brasilia, 8 de novembro de 2016 Sumário executivo A Rede de Mulheres Brasileiras Lideres pela Sustentabilidade levou à Paris 2015 - UN Conference

Leia mais

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC)

Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Título Norma de Responsabilidade Socioambiental Gestor Departamento de Planejamento, Orçamento e Controle (DPOC) Abrangência Agências, Departamentos, Empresas Ligadas e Unidades no Exterior Sinopse Diretrizes

Leia mais

PROJETO DE PARECER. PT Unida na diversidade PT 2013/0027(COD) da Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos Internos

PROJETO DE PARECER. PT Unida na diversidade PT 2013/0027(COD) da Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos Internos PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos Internos 2013/0027(COD) 2.9.2013 PROJETO DE PARECER da Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos

Leia mais

Reflexão Estrutura e Comunicação Organizacional

Reflexão Estrutura e Comunicação Organizacional Reflexão Estrutura e Comunicação Organizacional O módulo de Estrutura e Comunicação Organizacional (ECO), leccionado pelo formador Carlos Pedro Alves Guedes, com total de cinquenta horas. Nesta UFCD abordamos

Leia mais

Acidentes Rodoviários como Acidente de Trabalho Breve Revisão

Acidentes Rodoviários como Acidente de Trabalho Breve Revisão Acidentes Rodoviários como Acidente de Trabalho Breve Revisão J. Martins, P. Laranjeira, M. Rebelo, M. Lopes CIICESI, ESTG, Politécnico do Porto ICSLM Congress 24-11-2016, Covilhã, Portugal INTRODUÇÃO

Leia mais

Código de Conduta. Orientações referentes aos valores e ética

Código de Conduta. Orientações referentes aos valores e ética Código de Conduta Orientações referentes aos valores e ética Introdução O propósito deste Código é criar uma cultura corporativa sólida e preservar a integridade do grupo Aura Light, ajudando não só colaboradores,

Leia mais

Gestão Integrada de Recursos Hídricos

Gestão Integrada de Recursos Hídricos Gestão Integrada de Recursos Hídricos 1. O que é GIRH? 2. Porque GIRH? 3. Princípios 4. Usuários 5. O Processo 6. Políticas 7. Instituições 1. O que é a GIRH? (1 de 3) A base da Gestão Integrada de Recursos

Leia mais

DOCUMENTO SÍNTESE UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA

DOCUMENTO SÍNTESE UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA IE13255 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA P. O. Box 3243, Addis Ababa, ETHIOPIA Tel.: (251-11) 5182402 Fax: (251-11) 5182400 Website: www.au.int CONFERÊNCIA DA CUA/AFCAC/AFRAA DE TRANSPORTES

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação nas Empresas

Introdução aos Sistemas de Informação nas Empresas Introdução aos Sistemas de Informação nas Empresas Esse capitulo estuda o referencial do conhecimento de SI necessário aos usuários finais das empresas e abordagem revista sobre desdobramentos-chaves no

Leia mais

CÓDIGO DEONTOLÓGICO. Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7

CÓDIGO DEONTOLÓGICO. Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7 CÓDIGO DEONTOLÓGICO Entrada em Vigor: xx-08-2012 Página: 1/7 ÍNDICE I- ÂMBITO E VIGÊNCIA... 3 II- RESUMO... 3 III- PRINCÍPIOS E REGRAS... 3 3.1. Organização e Funcionamento Internos... 3 3.2. Prestação

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS

PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. CARACTERIZAÇÃO DA ENTIDADE 3 3. IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS 5 4. CONTROLO E ACOMPANHAMENTO

Leia mais