OS ECONOMISTAS E AS INTER-RELAÇÕES ENTRE O SISTEMA ECONÔMICO E O MEIO-AMBIENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS ECONOMISTAS E AS INTER-RELAÇÕES ENTRE O SISTEMA ECONÔMICO E O MEIO-AMBIENTE"

Transcrição

1 OS ECONOMISTAS E AS INTER-RELAÇÕES ENTRE O SISTEMA ECONÔMICO E O MEIO-AMBIENTE Charles C. Mueller NEPAMA Departamento de Economia UnB (Abril de 2004) (Este volume é o resultado de um intenso esforço de pesquisa e reflexão pelo autor, tornado possível, em parte, pelos recursos do Programa Pronex, do NEPAMA, ECO-UnB).

2 RESUMO Este volume focaliza as duas principais variantes da economia do meio-ambiente, uma disciplina que apenas recentemente se estabeleceu como ramo da economia. Antes a análise econômica implicitamente considerava a economia um sistema auto contido; a nova disciplina, entretanto, passou a focalizar a economia como um sistema inserido no meioambiente, com o qual se inter-relaciona ativamente. A economia do meio-ambiente se apresenta hoje basicamente em duas principais vertentes: a da economia ambiental neoclássica, e da economia ecológica. A grande diferença entre as duas está nas hipóteses ambientais de cada uma: a economia ambiental neoclássica considera o meio-ambiente essencialmente benigno e volta suas atenções aos efeitos de impactos ambientais causados pelo sistema econômico em termos de bem-estar dos indivíduos em sociedade. Não nega que tais impactos causam danos ao meio-ambiente, com repercussões negativas à sociedade humana; mas considera que esses danos podem ser revertidos sem maiores problemas, desde que se adotem medidas de estímulo de mercado para a remoção dos fatores que os causaram. A economia ecológica, entretanto, rejeita essa postura; para essa corrente, não é ilimitada a capacidade do meio-ambiente de absorver os impactos do sistema econômico. Ela trata o sistema econômico como um ser vivo, que intercambia energia e matéria com seu meio externo; e considera que, atualmente, a escala do sistema econômico, e natureza de seus impactos são tais que se sua expansão continuar nos moldes recentes, a resiliência do meio-ambiente poderá ser seriamente afetada, com conseqüências potencialmente catastróficas. O livro faz uma avaliação crítica abrangente dessas duas vertentes da economia do meio-ambiente.

3 PARTE I. A ECONOMIA E A QUESTÃO AMBIENTAL

4 2 Capítulo 1 Crescimento, desenvolvimento e meio-ambiente Conforme já se mencionou, parcela importante do presente manual está voltado ao exame das duas principais correntes de pensamento da economia ambiental, ressaltando tanto as principais contribuições como os pontos fracos de cada uma delas. Entretanto, para que se tenha uma compreensão mais precisa da essência dos fenômenos que essas correntes de pensamento tratam, este capítulo apresenta um exame das questões e controvérsias que estão na origem da economia do meio-ambiente. Em essência, as mesmas têm a ver com os impactos sobre o meioambiente de um crescimento contínuo da escala da economia mundial. A população humana e a produção material vêm se expandindo, levando, de um lado, a um aumento continuado da extração de recursos naturais do meio-ambiente, e produzindo, do outro lado, volumes cada vez maiores de emanações de resíduos e rejeitos para o meio-ambiente, muitos de elevado potencial nocivo. A questão que se coloca é: será que não existem limites para essa expansão? Será que a economia mundial pode continuar a se expandir indefinidamente sem provocar sérias repercussões ambientais? Associado às avaliações a respeito dessas questões está o enorme desafio de desenhar estruturas institucionais e aparatos de políticas que possam reduzir os impactos ambientais mais nocivos tanto os que ocorrem em nível local como os impactos globais decorrentes da expansão das atividades humanas. Para enfrentar com sucesso a esse desafio, é desejável que se forme um consenso a respeito dos problemas ambientais que mais preocupam, e sobre a natureza dos instrumentos a serem usados para resolvê-los ou amenizá-los. Entretanto, esse consenso está longe de ser alcançado. Como veremos, há formas diferentes de ver essas questões e sugestões distintas de estratégias e políticas para enfrentá-las. Esses distintos pontos de vista não se restringem à análise econômica, mas eles têm impactos importantes sobre a evolução de corrente de pensamento da economia do meio-ambiente. Para que se possa melhor avaliar a situação, bem como para estabelecer uma base factual para o estudo da economia do meio-ambiente, julgamos, pois, necessária a presente discussão introdutória. Ela forma o pano de fundo para o estudo das principais contribuições, e das maiores deficiências das principais correntes de pensamento da economia do meio-ambiente. 1. A escala da economia, o estilo de desenvolvimento e o meio-ambiente 1.1. A escala da economia e o meio-ambiente Começamos fazendo uma analogia biológica: consideramos a sociedade humana um organismo vivo, complexo e multifacetado que, como todo ser vivo, retira energia e matéria de alta qualidade de seu meio externo o meio-ambiente, as emprega para se manter, crescer, evoluir, e as devolve a esse meio externo degradados, na forma de energia dissipada, resíduos e dejetos ou seja, de poluição. Desde o momento em que, nos primórdios dos tempos, o homem se organizou em sociedade, esse fluxo de matéria e energia está na base do funcionamento da economia humana semelhantemente, aliás, ao que acontece com todo o ser vivo. Mas, por muitos milênios isso ocorreu sem maiores problemas; há registros históricos, num âmbito geográfico localizado, de esgotamento de recursos naturais básicos, com dificuldades para um determinado país ou grupo social. Também há registros de poluição e de degradação ambiental intensas, mas também em um domínio muito localizado. 1 1 Isso ocorreu, por exemplo, nas cidades industriais inglesas nos séculos XVIII e XIX.

5 3 Depois da Segunda Guerra Mundial, entretanto, esses problemas começaram a ser sentidos com uma intensidade e uma amplitude cada vez maiores. Recentemente a economia mundial atingiu escala suficientemente elevada para fazer com que o ritmo de extração de recursos naturais e o de emanações de rejeitos, de poluição, se tornassem fonte de crescente preocupação. Na década de 1970 a preocupação mais intensa residia na possível escassez de recursos energéticos; hoje a preocupam mais os possíveis impactos de poluição global que se acumula, especialmente a que vem originando o efeito-estufa as mudanças climáticas geradas por acúmulo crescente de dióxido de carbono e outros gases na atmosfera. Além disso, em nível localizado, a poluição e a emanação e acúmulo de dejetos são motivos de ações defensivas em quase todos os países, envolvendo esforços e recursos econômicos e financeiros cada vez maiores. Essa evolução está associada à expansão recente do sistema econômico global. A partir da década de 1950 essa expansão se acentuou consideravelmente, exigindo quantidades crescentes de recursos naturais e gerando volumes cada vez maiores de emanações ao meioambiente de rejeitos nocivos. A atual preocupação com os impactos ambientais causados pela sociedade humana resulta, pois, da escala elevada da economia mundial dos nossos dias. Enquanto esta era reduzida, os impactos globais da atividade econômica eram pequenos e localizados; com sua ampliação, esses impactos aumentaram significativamente. Em termos muito gerais, a escala (o tamanho, a dimensão) da economia global tem dois componentes básicos: a magnitude da população humana; e o nível de renda per capita médio ou melhor, o nível da produção material por habitante. E esses dois componentes têm fortes relações com a questão ambiental. Com efeito, por mais pobre que seja uma sociedade, se a sua população cresce a uma taxa elevada, aumenta o número de pessoas que requerem alimentos e um mínimo de bens e serviços; aumentam os requerimentos de espaço para abrigar e alimentar essas pessoas; e se ampliam as emissões de resíduos, de rejeitos. Aumenta, pois, sua escala. A degradação ambiental de países pobres superpovoados e de elevado dinamismo demográfico tende a ser qualitativamente diferente da que ocorre nos países ricos, mas ela existe e é preocupante. Inclui, por exemplo, o lixo que se acumula próximo a residências e os dejetos humanos não recolhidos e tratados; a poeira nos aglomerados urbanos; a fumaça da queima de lenha e esterco dentro das residências; a destruição dos solos e das florestas associados à ocupação de terras, a erosão e a degradação das águas causadas por populações de regiões de elevada densidade demográfica e de taxas elevadas de crescimento populacional. Por sua vez, mesmo que tenha população estável (uma população que não cresce), um país cuja renda per capita se expande acentuadamente usa quantidades crescentes de recursos naturais e gera emanações de rejeitos, de poluição, cada vez maiores. Via de regra, o aumento da renda per capita está associado a uma produção material cada vez maior. E, para que esta ocorra, tornam-se necessários cada vez mais recursos naturais. Ademais, os processos de produção e de consumo em expansão, trazem consigo poluição e degradação ambiental crescentes. A ciência e a tecnologia podem amenizar a situação, mas as leis da natureza impedem com que sejam eliminados esses efeitos da expansão da produção material. Em nível global, portanto, os dois elementos da equação a expansão da população e o crescimento da renda per capita vêm resultando em uma escala cada vez maior do sistema econômico, com impactos ambientais negativos, que se tornaram altamente preocupantes. Algebricamente, podemos escrever:

6 4 Y = Y/P x P ; e, (1) DA = Ω(Y) (2), onde Y é o produto real total (o Produto Interno Bruto real) da economia em um dado período (digamos um ano), tomado como indicador da escala da sua produção material no período; P representa a população da economia naquele momento do tempo; e DA, a degradação ambiental que se observa então. A primeira equação que, na verdade, é uma tautologia diz que o produto real total em um dado período é igual à renda per capita da economia no período, multiplicada por sua população. Em essência, essa representação ressalta os dois grandes elementos determinantes da escala. Por sua vez, a equação (2) afirma que a degradação ambiental é uma função Ω da escala da produção material da economia. É importante ressaltar que não há uma relação fixa e estável entre Y e DA. Essa relação pode ser diferente entre países e, dentro de um mesmo país, pode variar ao longo do tempo. A configuração da função Ω(Y) depende da composição da produção e da tecnologia adotada na produção. Existem países com estruturas de demanda que requerem produtos cuja manufatura envolve mais recursos naturais, geram mais poluição e, além disso, produzem mais lixo na etapa do consumo. E, para um determinado nível de produto real, existem tecnologias de produção que são mais eficientes na conversão de materiais básicos (recursos naturais) em produtos, e que causam menos poluição que outras. Assim, para um país em um dado momento, a relação Ω(Y) vai depender da composição da produção que a sociedade demanda, e da tecnologia adotada para gerar essa produção. A figura abaixo ilustra a relação. Ali se vê que a composição da produção e o grau de limpeza das tecnologias usadas na produção determinam a natureza da ligação entre a escala da produção e a degradação ambiental. Dependendo desses dois elementos, uma mesma escala determina uma maior ou menor degradação ambiental. E, alterando a composição da produção e o grau de limpeza das tecnologias usadas, as políticas econômica e ambiental podem, até certo ponto, modificar os impactos de uma dada escala de produção. Escala da Grau de economia Composição limpeza Degradação da das tecnolo- ambiental (Y=Y/P. P) produção gias usadas (DA) Tomando a economia do globo terrestre como um todo, não é válido afirmar que existe uma relação linear e estável entre a degradação ambiental, DA e a escala Y da produção material. É de se esperar que a DA cresça com Y, mas é possível que essa expansão ocorra a taxas decrescentes. Em outros termos se, com o crescimento da economia global, houver transformações na estrutura da demanda no sentido de bens que usem menos recursos naturais escassos e que podem ser produzidos com menores emanações, com menos poluição; e se, ao mesmo tempo, a produção em expansão envolver o emprego crescente de tecnologias que poupam recursos naturais escassos, será possível continuar ampliando a produção (e o padrão de vida da população) com incrementos moderados na degradação ambiental. Entretanto, também pode ocorrer o contrário; a demanda em expansão pode privilegiar produtos intensivos em recursos naturais escassos e as tecnologias podem não evoluir no sentido de uma produção com

7 menor degradação ambiental por unidade de produto. Nesse caso, os impactos do crescimento da produção sobre DA poderão vir a ser dramáticos. A tentação é a de afirmar que, dos dois cenários esboçados no parágrafo anterior, o primeiro é o mais plausível. Entretanto, ao contrário do que parecem crer alguns economistas, não há nenhuma lei, natural ou da economia, que nos garanta que isso aconteça. Há mesmo quem suspeite que o contrário vem ocorrendo. Não é aleatória, entretanto, a relação entre a escala da economia e a degradação ambiental. Os diversos fatores que estabelecem essa relação são, em grande parte, determinados pelo estilo de desenvolvimento da economia. Certos estilos de desenvolvimento fazem com que uma mesma escala produza maiores impactos ambientais negativos em alguns países do que em outros. Essa questão é examinada a seguir Estilos de desenvolvimento e meio-ambiente O ponto que se deseja enfatizar é que o padrão de degradação ambiental de cada país é fortemente afetado por seu estilo de desenvolvimento. 2 E, em larga medida, o estilo de desenvolvimento de uma sociedade resulta da forma como a renda é apropriada pelos seus diferentes segmentos. Essa apropriação afeta a estrutura da demanda e, portanto, se reflete na composição da produção levada a efeito para atender a essa demanda. Influenciando na configuração da estrutura produtiva do país, a estrutura de demanda é, pois, fator na determinação das características das tecnologias empregadas, das intensidades de uso de fatores de produção como a mão-de-obra e o capital; e também afeta a intensidade e os tipos de recursos naturais empregados na produção e a natureza e intensidade de resíduos, rejeitos e poluição que são gerados. Uma melhor compreensão de como o estilo de desenvolvimento se reflete no meioambiente requer, pois, que se esclareçam elementos das caixas da relação, acima, entre a escala da economia e o meio-ambiente. Isso é feito na Figura 1, abaixo; vemos ali o sistema econômico inserido em um meio externo, com o qual interage. Uma vez que a sociedade estabeleça quem demanda e o que é demandado (ou seja, que os bens e serviços os diferentes grupos sociais requerem), a economia tem como principal função a de organizar atividades e alocar recursos para a produção dos bens e serviços demandados. Estabelecem-se, assim, como se produz (com que tecnologias), a partir de que recursos básicos se produz, e onde se localiza a produção. Os elementos que influenciam a configuração de quem (quais os grupos da sociedade) tem mais ou menos força nos mercados e o que é demandado por esses grupos, são denominados fatores dinâmicos do estilo de desenvolvimento. Esses fatores incluem a renda per capita; a distribuição da riqueza, da renda e das oportunidades; a estrutura de gostos e preferências dos que tem mais renda para sustentar demandas; e os hábitos e preferências importados do exterior (importante na atual era da globalização). Como se pode ver na Figura 1, as características do sistema produtivo da economia são determinadas pela natureza dos produtos que a sociedade demanda, pelas tecnologias disponíveis, pela estrutura empresarial, por fatores de ordem espacial, e (com muito peso na era 5 2 Para uma discussão do conceito de "estilo de desenvolvimento" e sua relação com o meio ambiente, ver Sunkel, 1980.

8 da globalização), por influências internacionais. Todos estes configuram os fatores estruturais do estilo de desenvolvimento. FIGURA 1. INTE-RELAÇÕES ENTRE O SISTEMA ECONÔMICO E O MEIO- AMBIENTE 6 RECURSOS NATURAIS COMO INSUMOS ESTADO GERAL DO MEIO AMBIENTE Rejeitos Rejeitos MEIO-AMBIENTE Degradação Degradação SISTEMA ECONÔMICO Produção Consumo Reciclagem Como se produz Onde ocorre a produção A partir de que se produz Quem demanda O que se demanda FATORES ESTRUTURAIS Tipos de produtos gerados Tecnologias Fatores espaciais Estrutura empresarial Fatores e influências internacionais. FATORES DINÂMICOS Renda per capita Distribuição de renda, de riqueza e de oportunidades Gostos e preferências Importação de hábitos de consumo. POLÍTICAS Se, num primeiro momento, os elementos estruturais do estilo de desenvolvimento são determinados pelos fatores dinâmicos, estes por sua vez, acabam sendo afetados pelos elementos estruturais. Do sistema produtivo emanam não apenas os bens e serviços demandados, mas também renda, que é apropriada por diferentes segmentos da sociedade. Assim, no longo prazo, a conformação e mudanças na estrutura produtiva podem alterar a distribuição de renda e da riqueza da economia, modificando os seus fatores dinâmicos. Observa-se, ademais, que políticas públicas podem afetar, tanto os fatores dinâmicos (alterando, por exemplo, a distribuição da renda), como os fatores estruturais (por exemplo, facilitando a importação de tecnologias, ou abrindo a economia para o exterior).

9 A Figura 1 representa o sistema econômico em um dado momento. Como já se indicou, porém, ao longo do tempo a situação tende a se modificar. O funcionamento do sistema produtivo pode, por exemplo, alterar a distribuição de renda, afetando os montantes demandados e a composição da demanda; e essas mudanças requerem ajustes na estrutura produtiva. As políticas públicas também atuam ao longo do tempo, provocando alterações, tanto nos fatores dinâmicos como nos estruturais. Entretanto, exceto em caso de alteração radical na estrutura da sociedade (por exemplo, a provocada por uma revolução), as mudanças, tanto do lado dos fatores dinâmicos como no dos fatores estruturais tendem a ser lentas, graduais. Em suma, o sistema econômico considerado um organismo vivo e complexo não atua em isolamento. Ele interage com o meio-ambiente, do qual extrai recursos naturais fundamentais, e no qual despeja dejetos. Além disso, o sistema econômico funciona num espaço geográfico; e suas incursões nesse espaço tendem a alterá-lo consideravelmente. A economia afeta, pois, o estado geral do meio-ambiente. O estilo de desenvolvimento tem, assim, muito a ver com os impactos ambientais emanados do sistema econômico. Determinando as quantidades e os tipos de bens e serviços a serem produzidos e consumidos, bem como a organização da produção e as tecnologias que esta emprega, afeta, tanto a extração de recursos energéticos e naturais do meio-ambiente, como as emanações de resíduos para o meio-ambiente e as incursões sobre o espaço. É, assim, um fator importante na determinação da degradação que o sistema econômico impõe sobre o meio-ambiente. Em termos da relação (2), acima, o estilo de desenvolvimento é fundamental no estabelecimento dos impactos de um dado nível de Y (produto real) sobre o meio-ambiente. Países com um mesmo nível de Y em um dado ano, vão exibir impactos ambientais distintos, dependendo dos respectivos estilos de desenvolvimento. Diferentes estilos de desenvolvimento geram padrões de consumo e estruturas produtivas distintos e, portanto, impactos ambientais diferentes. A distribuição de renda molda a demanda, o padrão de consumo, a estrutura produtiva e natureza dos resíduos lançados no meio-ambiente. Além disso, determina, em larga medida, as carências que os segmentos mais pobres da sociedade experimentam, e que também produzem consideráveis impactos ambientais e sociais. O meio-ambiente, por sua vez, possui certa resiliência, ou seja, certa capacidade de se auto-regenerar das agressões do sistema econômico. Entretanto, essa resiliência tem limites. Uma agressão muito forte pode produzir mudanças drásticas no meio-ambiente, afetando a sua resiliência. E o comprometimento da resiliência do meio-ambiente pode provocar situações irreversíveis, com efeitos dramáticos sobre o próprio funcionamento do sistema econômico. É o que acontece, por exemplo, em nível de ecossistemas que experimentam o processo de desertificação causada pela ação humana. Os limites da resiliência do meio-ambiente são uma questão que a economia do meioambiente deveria priorizar; mas, como veremos, a escola de pensamento dominante a economia ambiental neoclássica tende a exibir forte otimismo a esse respeito, e focaliza, quase exclusivamente, aspectos do funcionamento do sistema econômico. A economia ecológica a outra corrente de pensamento focalizada enfatiza esses aspectos Essa questão é examinada em maior profundidade em outros capítulos deste volume. 7 Voltando à relação entre a escala da economia e o meio-ambiente, vimos que, dado o seu estilo de desenvolvimento, a evolução da degradação ambiental gerada por uma sociedade vai depender da dinâmica dos dois componentes da escala da economia (Y): a da sua população (P),

10 e a da sua produção (material) per capita (Y/P). A seguir, esboçam-se as tendências recentes das dinâmicas desses dois componentes da escala da economia. 2. A dinâmica demográfica O número de pessoas que, em um dado momento no tempo, habitam o globo terrestre é fator fundamental na determinação dos impactos da sociedade humana sobre o meio-ambiente. Mais importante, porém, são a taxa de crescimento dessa população, e a distribuição geográfica de tal crescimento. Essas questões são examinadas na presente seção; para tal, são focalizados as estimativas e projeções demográficas da Divisão de População das Nações Unidas, resumidas na Tabela 1 adiante. 8 Tabela 1. População Estimada e Projetada para o Mundo, para Grupos de Países em Classificados em Termos de Grau de Desenvolvimento, e de Grandes Áreas Geográficas, 1950 e 2000 (população estimada), e 2050 (população projetada). Taxas Médias Anuais de Crescimento, e População Estimada (milhões de habitantes) Taxa Média Geométrica de Crescimento (% ao ano) MUNDO ,76 0,77 Países Desenvolvidos ,77 0,04 Países em Desenvolvimento ,10 0,91 Mais Pobres ,41 1,84 Outros ,06 0,72 Grandes Regiões África ,56 1,64 Ásia ,94 0,70 América Latina e Caribe ,27 0,78 Europa ,57-0,28 América do Norte ,22 0,70 Oceania ,74 0,79 Fonte: United Nations, Department of Economic and Social Affairs, Population Division, World Population Prospects: the 2002 Revision. United Nations, fevereiro, 2003 (www.unpopulation.org.) Merecem destaque os seguintes aspectos da dinâmica demográfica recente, revelados pelos dados da tabela: 1. Os dados das Nações Unidas mostram que, entre 1950 e 2000 a população do mundo aumentou cerca de 141%, de 2,5 bilhões a quase 6,1 bilhões de habitantes. A taxa média de crescimento nesses 50 anos foi de 1,76% ao ano. No período a população mundial apresentou um incremento de quase 3,6 bilhões de pessoas.

11 2. Olhando para o futuro, a expectativa é a de que, em continuação à tendência observada no período , na primeira metade do século XXI ocorra, em todo o mundo, acentuada e generalizada desaceleração demográfica. Considera-se que a taxa de crescimento da população mundial, que foi de 1,76% na segunda metade do século XX, em média, e que na virada do milênio já havia caído para cerca de 1,2% ao ano, continuará declinando; a média esperada para a primeira metade do século XXI é de cerca de 0,77% ao ano. Não obstante tal desaceleração, porém, no começo do século XIX o mundo ainda registrava um incremento de cerca de 77 milhões de pessoas por ano; e, segundo as Nações Unidas, a população do nosso globo deverá ultrapassar os 8,9 bilhões de pessoas em Se essa projeção se confirmar, ao término da primeira metade do século XXI a população mundial terá tido um incremento de quase três bilhões de pessoas em relação à de Chama a atenção na Tabela 1 a elevada participação da população dos Países em Desenvolvimento (PEDs) na população mundial total. Em 1950 a população dos PEDs totalizava 1,7 bilhões de habitantes, com participação de 67,7% do total mundial; e em 2000 esta ultrapassou a casa dos 4,8 bilhões de pessoas, tendo a sua participação atingido os 80,3%. No mesmo período, a participação dos Países Desenvolvidos (PDs) caiu substancialmente, de 32,3% para 19,7%. O que explica a diferença na evolução demográfica desses dois grupos são as respectivas taxas de crescimento médio anual; enquanto a população dos PDs aumentou a uma taxa média de apenas 0,7% ao ano em média entre 1950 e 2000, a dos PEDs aumentou à elevada taxa média anual de 2,1 %. No grupo dos PEDs, a população dos Países em Desenvolvimento mais Pobres (PDMPs) expandiu-se a elevada taxa média anual de 2,4%, passando de 200 milhões de habitantes em 1950 a 668 milhões em A taxa de crescimento desse grupo mostrou-se bastante elevada, mas o incremento absoluto foi de apenas cerca de 448 milhões de pessoas. Mesmo assim, sua participação relativa aumentou de 7,9% da população mundial em 1950, para 11,0% em A população do grupo dos Outros Países em Desenvolvimento, OPDs teve um aumento absoluto expressivo, passando de 1,5 bilhões, para 4,2 bilhões de pessoas; a taxa de crescimento de sua população foi de 2,06% ao ano em média no período, e sua participação relativa na população mundial aumentou de 59,5% em 1950, para 69,2% em As projeções para o período indicam que essa concentração espacial do crescimento demográfico deverá continuar. Observando as projeções verifica-se que: A população dos Países Desenvolvidos permanecerá virtualmente constante; a taxa de crescimento médio da população dos PDs projetada para o período é de apenas 0,04% ao ano no período. A população dos Países em Desenvolvimento como um todo, por sua vez, deverá crescer à taxa média anual de 0,91%. Pode não parecer muito, mas essa taxa deve ser avaliada com base na população total desse grupo de países, que é enorme em 2000 ela totalizava quase 4,9 bilhões de habitantes. Por isso, as projeções das Nações Unidas são de um crescimento absoluto de mais de 2,8 bilhões de pessoas no período , ou mais de 2,3 vezes a população total da China em

12 Merece atenção especial a projeção de crescimento do grupo de países em desenvolvimento mais pobres (PDMPs). Vimos que, na segunda metade do século passado a taxa de crescimento desse grupo de países, de 2,41% ao ano, foi a mais elevada dentre as dos três grupos de países da Tabela 1. Embora em 1950 a sua população ainda fosse diminuta (200 milhões de pessoas ou 7,9 do total mundial), esse crescimento significou a adição de quase 470 milhões de pessoas, elevando sua participação relativa para 11,0% do total mundial. Além disso, é importante ressaltar que as projeções das Nações Unidas são de um crescimento da população dos PDMPs para o período a uma taxa média anual de 1,84%, quase 2,4 vezes maior do que a taxa estimada para o mundo como um todo (0,77% a.a.). Se concretizada essa previsão, em 2050 o grupo dos países mais pobres deverá ter uma população de quase 1,7 bilhões de pessoas, elevando sua participação relativa na população mundial para 18,7%. A primeira vista esta proporção pode não parecer muito elevada, mas é importante considerar que esse grupo de países continuará a apresentar uma parcela substancial dos miseráveis do nosso planeta. O grupo dos outros países em desenvolvimento (OPDs) deverá, segundo as projeções, crescer a taxa moderada de 0,72% ao ano no período Entretanto, é importante ter-se em vista a base extremamente elevada sobre a qual começa a incidir esse crescimento (cerca de 4,2 bilhões de pessoas em 2000). Assim, a se cumprirem as projeções das Nações Unidas, teremos um incremento absoluto de um pouco mais de 1,8 bilhões de pessoas a sua população ao longo da primeira metade do século XXI. Todavia, tratando-se de países nos quais, em média, a pressão demográfica sobre sua base de recursos é menos intensas do que a do grupo dos mais pobres, é menos grave embora não deixe de ser preocupante a situação esperada para os OPDs. 5. A perspectiva da dinâmica demográfica de grandes grupos populacionais, acima registrada, traduz a média do que deve acontecer em cada um desses grupos. Mas ela esconde variações bastante significativas entre os países que compões tais grupos. Seguem-se alguns exemplos: Chamam a atenção as diferenças entre os dois países mais populosos do mundo, ambos pertencentes ao grupo dos OPDs: a China e a Índia. A China, com política drástica de controle da natalidade, reduziu substancialmente sua taxa de crescimento demográfico para próximo de zero; já a Índia, cuja população recentemente ultrapassou a casa do bilhão de habitantes, vem se mostrando mais complacente em relação à expansão de sua população, que vem crescendo a taxas relativamente elevadas. Na verdade, não há um comportamento uniforme entre os países da Ásia, embora todos registrem nítida tendência de desacelerarão demográfica. Tanto é que a projeção das Nações Unidas para o período é a de uma taxa de crescimento médio de 0,7% ao ano para a Ásia, bem abaixo dos 1,94% ao ano que prevaleceram na segunda metade do século XX. Entretanto, mesmo esses 0,7% ao ano preocupam, dada a imensa base de população sobre a qual incide essa taxa; em 2000 a Ásia já detinha quase 3,7 bilhões de habitantes e a projeção para 2050 é a de um total de mais de 5,2 bilhões de habitantes para a região, que também inclui enormes bolsões de pobreza e miséria. No grupo dos PDs, há um contraste entre países com expectativas de declínio demográfico no período, como o Japão e alguns países da Europa, e o Estados Unidos, que deve apresentar incremento demográfico na primeira metade do século XXI. 10

13 No grupo dos mais pobres (os PDMPs ) também existem contrastes; alguns países deste grupo deverão apresentar crescimento muito elevado, mas outros terão crescimento quase nulo. Isso é discutido em mais detalhe no próximo item Têm merecido atenção especial os impactos da epidemia de AIDS sobre a dinâmica demográfica dos países da África ao sul do Saara a maioria do grupo dos mais pobres. Só para exemplificar, espera-se que o aumento de mortalidade provocada pela epidemia nos sete países mais afetados na região, todos localizados no sul do continente, faça as suas populações permanecerem virtualmente inalteradas no período (ela deverá passar 74 milhões de pessoas em 2000, para apenas 78 milhões em 2050). A expectativa é, inclusive, que países como a África do Sul, Botswana, Lesoto e Swaziland terão declínios absolutos de suas populações. Em contraste, os países do grupo menos afetados pela epidemia da AIDS deverão apresentar crescimento demográficos expressivo, o que explica a taxa de 1,8% ao ano empregada nas projeções das Nações Unidas para a primeira metade do corrente século. São as seguintes as questões que se colocam em face a esse panorama da dinâmica demográfica mundial: 1. Terá o nosso globo a capacidade de, por volta de 2050, alimentar os seus quase 9 bilhões de habitantes? Será possível esperar uma melhora na nutrição das camadas mais pobres dessa população, particularmente nos países em desenvolvimento? 2. Poderão as cidades absorver vários bilhões de pessoas em condições adequadas de saúde, educação, habitação, emprego e segurança? A expectativa é a de que, em 2050 bem mais da metade da população mundial esteja residindo em cidades. 3. Qual o impacto dessa expansão demográfica sobre o consumo de energia e de outros recursos naturais? E sobre a poluição? Em outros termos, terá o nosso globo condições de absorver o estresse causado pelo crescimento econômico necessário para atender minimamente às aspirações dos habitantes dos países em desenvolvimento? Ou seja, será que em 2050 o sistema econômico global terá condições de oferecer padrões de vida aceitáveis a quase 9 bilhões de habitantes sem impor profunda e irreversível degradação ambiental? Essas questões são focalizadas em maior detalhe adiante. Antes examinaremos os elementos da dinâmica demográfica, com o objetivo de estabelecer uma base analítica mínima para uma avaliação desta Elementos da dinâmica demográfica As projeções do crescimento demográfico de grupos de países, examinadas acima, não foram feitas mediante mera extrapolação de tendências recentes. Elas se apoiaram, ao invés, em hipóteses sobre a evolução de variáveis demográficas básicas que afetam a magnitude e a evolução no tempo das taxas de crescimento demográfico. A demografia desenvolveu bases teóricas que nos permitem ter certas expectativas sobre as mudanças desses variáveis em face a estágios do desenvolvimento de sociedades de diferentes tipos. O diagrama que se segue apresenta um esboço simplificado dos principais fatores que afetam a taxa de crescimento demográfico de um dado país ou região.

14 12 Fecundidade NATALIDADE Serviços de Saúde e de Saneamento MORTALIDADE VARIAÇÃO DEMOGRÁFICA MIGRAÇÃO LÍQUIDA (imigração emigração) Em um dado período, a variação líquida da população de um país, ou seja, a variação do estoque de pessoas que habitam o país, é determinada pelas entradas e pelas saídas desse estoque no período. As entradas no estoque se originam, de um lado, dos nascimentos; e do outro, da imigração, ou seja, das pessoas de fora do país que para ele se deslocam e lá passam a residir. Por sua vez, as saídas do estoque são determinadas, de um lado, pelos que morrem, e do outro, pelos que saem do país, indo residir em outros lugares. Os nascimentos a natalidade são determinados pela taxa de fecundidade (alguns a denominam de taxa de fertilidade), que reflete o comportamento reprodutivo do país (ver adiante). A mortalidade, por sua vez, tem muito a ver com as condições de saúde e sanitárias do país. Já a imigração e a emigração que ocorre em um dado período que estão representados como migração líquida no diagrama, dependem de um complexo de fatores internos e externos (que não será detalhado aqui). Seguese a conceituação dos elementos que compõem a taxa de variação demográfica de um país. A taxa de fecundidade (de fertilidade): trata-se do número de nascimentos vivos que, em média, se estima que uma mulher de um país ou região tem ao longo de sua vida reprodutiva (para fins estatísticos esta se situa entre os 15 e 49 anos de idade, em média). Refere-se a um dado momento do tempo. Se considerarmos um dado ano, veremos que a taxa de fecundidade de diversos países tende a ser muito diferente. E o mesmo tende a ocorrer para um determinado país ao longo do tempo. Em termos de grandes regiões do mundo, por exemplo, no período a taxa de fertilidade da Europa foi de 1,7 crianças por mulher, enquanto na África essa taxa alcançou 6,0, na Ásia 3,2 e na América do Sul, 2,9 crianças por mulher em condições de reproduzir. 3 Note-se que, na Europa, a média dos nascimentos por mulher nem mesmo repõe a unidade básica responsável por sua ocorrência (o casal). Isso não obstante, a população desse continente não vem experimentando declínio como se vê na Tabela 1, no período a taxa média anual de crescimento da população européia foi de 0,57%. Isso ocorre em razão da imigração, ou seja, das pessoas que ingressaram na Europa oriundas de outros continentes. Já na África ao sul do Saara, a taxa de fertilidade (6,0 nascimentos por mulher) é muito maior que a necessária para substituir o casal; esse é um fator na alta taxa de crescimento de sua população, a despeito da também elevada (e crescente, em virtude da epidemia de AIDS) taxa de mortalidade do continente. Essa é uma das razões porque a dinâmica demográfica dessa região vem causando preocupação. 3 Dados demográficos de World Resources Institute, World Resources Nova Iorque: Oxford University Press, 1994, cap. 16, Tabela 15.2.

15 13 Um outro aspecto a ser ressaltado é que, ao longo do tempo, a taxa de fecundidade de um determinado país ou região tende a declinar. Na Europa, por exemplo, a taxa de fertilidade caiu de 2,2 nascimentos vivos por mulher entre 1970 e 1975 para os já mencionados 1,7 entre 1990 e Na América do Sul a fertilidade declinou entre esses anos, de 4,6 a 2,9 nascimentos por mulher; na Ásia o declínio foi de 5,1 a 3,2 nascimentos. A África, entretanto, apresentou declínio de fecundidade insignificante entre esses períodos, de 6,6 a apenas 6,0 nascimentos vivos por mulher. A evolução da fecundidade no Brasil. O Brasil repete esse mesmo padrão. Os dados da Tabela 2, a seguir, mostram que, em um dado ano, a fecundidade é maior nas regiões mais pobres que nas mais desenvolvidas; e que, entre 1960 e 2000 a taxa de fertilidade declinou acentuadamente em todas as regiões, e assim, no país como um todo. Tabela 2. Brasil e Grandes Regiões Taxa de Fecundidade, Grandes Regiões Brasil 6,3 5,8 4,4 2,9 2,3 Norte 8,6 8,2 6,4 4,2 3,2 Nordeste 7,4 7,5 6,2 3,7 2,6 Sudeste 6,3 4,6 3,5 2,4 2,1 Sul 5,9 5,4 3,6 2,5 2,2 Centro-Oeste 6,7 6,4 4,5 2,7 2,2 Fonte: IBGE, Censo Demográfico 2000 Fecundidade e mortalidade infantil: Resultados preliminares da amostra. Rio de Janeiro: IBGE, Tomando o país como um todo, entre 1960 e 2000 a taxa de fecundidade caiu de 6,3 para 2,3 filhos por mulher. Essa redução ocorreu inicialmente de forma lenta, de 6,3 para 4,4 filhos por mulher em 1980, mas deste último ano a 1991 e queda se acentuou; nesse período a taxa de fecundidade passou de 4,4 e para 2,3 filhos. E uma evolução semelhante ocorreu em todas as grandes regiões do país, embora tenham se mantidas as diferenças nos níveis da taxa de fertilidade entre elas em cada ano. As diferenças entre as regiões têm a ver com diferenças nos seus graus de desenvolvimento. Como no resto do mundo, para um dado ano a fecundidade é maior nas regiões mais pobres que nas mais desenvolvidas. Em 1960, por exemplo, as taxas de fecundidade das regiões Norte e Nordeste foram de 8,6 e 7,4 filhos por mulher, enquanto que as das regiões Sudeste e Sul foram de 6,3 e 5,9 filhos por mulher, respectivamente. Semelhantemente, em 2000 as taxas de fecundidade das regiões Norte e Nordeste foram 3,2 e 2,6 filhos por mulher, e as das regiões Sudeste e Sul foram de 2,1 e 2,2 filhos por mulher, respectivamente. Todas as regiões experimentaram forte declínio de fecundidade, mas as diferenças se mantiveram. Terão os movimentos observados nas taxas de fecundidade, não só no Brasil como em todo o mundo, sido obras do acaso? Esta questão é discutida a seguir. Determinantes no declínio da taxa de fertilidade. As reduções ao longo do tempo da taxa de fecundidade, têm sido determinadas por fatores como:

16 Aumentos de renda per capita, da urbanização, do acesso à contracepção e a programas de planejamento familiar ou de saúde reprodutiva, e da educação da mulher. Influíram, também, fatores religiosos, culturais e tradições. Um fator importante está no fato de que as famílias no meio rural dos países pobres necessitam ter muitos filhos. Isso porque é alta a probabilidade de alguns morrerem; o casal quer ter a certeza de que um número suficiente de filhos sobreviverá para ajudar nos trabalhos do campo e para prover o seu sustento na velhice. Com o desenvolvimento da economia, com a urbanização, com a melhoria de padrão de vida e com o desenvolvimento da previdência social isso cessa de ocorrer. Ocorrendo essas mudanças, um casal típico passa a desejar menos filhos; ademais, nas cidades é bem maior o acesso à educação e tendem a ser disponíveis mais informações sobre como realizar controle da natalidade. O momento demográfico. Suponhamos, apenas para raciocinar, que em um país de elevada fecundidade (digamos, de 5,5 nascimentos por mulher, em média), esta subitamente caísse para um nível inferior a 2,1 nascimentos por mulher (o nível de reposição do casal). Suponhamos ainda, que não haja movimentos migratórios e que a taxa de mortalidade permaneça constante. A demografia demonstra que, apesar dessa drástica redução da taxa de fecundidade, a população do país continuaria a aumentar por algum tempo. Isto porque países de elevada fecundidade geralmente têm populações jovens; ou seja, exibem uma estrutura de idade da população com elevada proporção de mulheres em idade reprodutiva. Assim, mesmo que se reduzisse drasticamente a fecundidade, por algum tempo ainda permaneceria elevada a proporção de mulheres em condições de ter filhos. Mesmo que estas tivessem apenas por volta de 2 filhos, em média, como são numericamente expressivas, manteriam a população crescendo por um período ainda substancial. Seriam necessárias algumas décadas para que a população fosse envelhecendo e houvesse um declínio apreciável na proporção de mulheres em idade de procriar. Só então o país passaria a experimentar redução expressiva na taxa de crescimento demográfico. Esse fenômeno recebe a denominação de momento demográfico. A taxa de natalidade: a taxa de fecundidade e a participação das mulheres em idade de procriar na população determinam a taxa de natalidade de um país ou região. Trata-se da proporção do número de nascidos em um período de tempo em relação à população total. É evidente que, com a queda da taxa de fecundidade e com o envelhecimento da população, diminui a taxa de natalidade; a procriação humana se reduz e, portanto, os nascimentos diminuem. Mas, na melhor das circunstâncias, este tende a ser um fenômeno gradual, que se desenrola ao longo de muitos anos. Taxa de mortalidade: compreende o número de mortos anuais de um país ou região, como proporção de sua população total. Nos últimos 150 anos quase todos os países registraram um acentuado declínio de suas taxas de mortalidade. Para se ter uma idéia, na Europa de 1800 a expectativa de vida o número de anos que, em média, uma pessoa nascida em um dado ano num país ou região, pode esperar viver era de cerca de 35 anos apenas. Cem anos depois a esperança de vida ainda era de cerca de 50 anos um aumento de apenas 15 anos em um século. Mas as subsequentes reduções de mortalidade fizeram a esperança de vida dos países industrializados alcançar 66 anos em 1950, e cerca de 75 anos em Esse forte aumento da esperança de vida tem a ver, não só com melhorias de padrão de vida, propiciados por aumentos de renda per capita, mas de forma muito especial, com melhorias da nutrição, com avanços na medicina, com o melhor acesso da população a serviços de saúde, com a descoberta de vacinas e 14 4 Idem, ibidem, p. 29.

17 a realização de campanhas de vacinação bem sucedidas, e com crescentes investimentos na provisão de água tratada e em saneamento básico. Na verdade, avanços da medicina e de práticas na área da saúde pública fizeram com que a mortalidade dos países em desenvolvimento também caísse rapidamente, levando suas esperanças de vida a aumentar mais que a evolução das suas rendas per capita permitiria prever cerca de meio século atrás. Para se ter uma idéia, se em 1950 a esperança de vida dos países em desenvolvimento ainda era de cerca de 40 anos, em 1995 já havia alcançado os 62 anos. A taxa de crescimento vegetativo da população. Compreende a diferença entre a taxa de natalidade de um país ou região, em um dado ano, e a sua taxa de mortalidade nesse mesmo ano. Essa taxa deve, evidentemente, ser calculada sem computar a migração líquida do país ou região no ano. Uma migração líquida positiva (imigração maior que a emigração) faz a taxa de crescimento da população ser mais elevada que a taxa de crescimento vegetativo. O contrário ocorre em país ou região com migração líquida negativa. No período a taxa média de crescimento demográfico dos países desenvolvidos era de apenas 0,48%, graças a uma combinação de taxas de fecundidade e de mortalidade muito reduzidas. Vimos que nesses países, há muito tempo a taxa de crescimento vem apresentando gradual, mas contínua desaceleração, como resultado de reduções moderadas, mas persistentes, nas taxas de fecundidade e de mortalidade, sendo que a desaceleração das primeiras foi mais intensa. Nos países em desenvolvimento, porém, a taxa de fecundidade só passou a declinar mais acentuadamente nas três últimas décadas do século XX. Entretanto, a taxa de mortalidade começou a cair sensivelmente já na década de 1950, graças a ampla difusão da vacinação e de programas de saúde pública e de investimentos em saneamento básico. Como as taxas de natalidade se mantiveram elevadas, as taxas de crescimento demográfico passaram a experimentar fortes aumentos. Teve início, naqueles países, o processo de transição de elevadas para reduzidas taxas de crescimento a transição demográfica. Esse fenômeno é examinado a seguir. A transição demográfica. A evolução no tempo das variáveis demográficas que caracterizam a transição demográfica é ilustrada na Figura 2, abaixo. Ali vemos uma trajetória típica de países em desenvolvimento mais avançados, como o Brasil. Observam-se três fases distintas: A fase inicial (até o ano T o, no gráfico) em que, tanto a taxa de natalidade como a de mortalidade são elevadas e o crescimento vegetativo da população não é muito alto. Em T o começam a ser sentidos os efeitos sobre a taxa de mortalidade de programas de saúde pública, de vacinação e de saneamento básico. Além disso, ocorrem mudanças na economia: a industrialização se intensifica, se aprofunda a diversificação produtiva e se acelera a urbanização. Em conseqüência, a taxa de mortalidade passa a declinar rapidamente. Como a taxa de natalidade experimenta reduções muito mais lentas, ocorre um forte aumento na taxa de crescimento vegetativo (a diferença entre as duas taxas). Taxas de natalidade e de mortalidade Figura 2 - Transição Demográfica 15

18 16 Natalidade Mortalidade T o T 1 T 2 Tempo (anos) A segunda fase: esta se inicia em T 1 e, ao seu final terá se completada a transição demográfica. Nesta fase, a taxa de fecundidade passa a registrar fortes reduções, levando a um contínuo declínio da taxa de natalidade. Em razão do fenômeno do momento demográfico, inicialmente esse declínio é reduzido; isso estaria ocorrendo, por exemplo, no momento T 1. Com o tempo, entretanto, o declínio da taxa de natalidade se acentua, aproximando-se outra vez da taxa de mortalidade, que se reduziu rapidamente já em T o. Quando isto acontece, a taxa de crescimento vegetativo passa a diminuir consideravelmente. Na Figura 2, a segunda fase chega ao fim em T 2, quando as duas taxas se estabilizam, registrando quando muito, apenas reduções graduais. Observe-se que no momento T 2 a taxa de natalidade será apenas um pouco maior que a da mortalidade, o que faz com que o crescimento vegetativo da população seja relativamente reduzido. No Brasil, a segunda fase teve início após a II Guerra Mundial. A taxa de mortalidade experimentou acentuada redução, fazendo a taxa de crescimento vegetativo da população alcançar níveis altíssimos (esta chegou a cerca de 3% em 1950). Vimos que, por volta do fim de meados da década de 1960 começou a ocorrer firme queda da taxa de fecundidade e, depois, da taxa de natalidade. Em conseqüência, houve contínua redução na taxa de crescimento vegetativo, que no período 1991/2000 se situou em apenas 1,63% ao ano (conforme dados dos Censos Demográficos). E a tendência dessa queda é de continuar. Na verdade, a transição demográfica no Brasil ainda não se concluiu; projeções do IBGE estimam que, por volta de 2020, a taxa de crescimento da população do país atingirá cerca de 0,7% ao ano menos da metade da taxa para década de População, pobreza e meio-ambiente Por que os padrões de crescimento demográfico dos países em desenvolvimento tendem a ser considerados ameaça ao meio-ambiente? Isso acontece essencialmente porque quase todos os países com taxas elevadas de crescimento demográfico são pobres. Além disso, alguns destes exibem consideráveis densidades demográficas. Nessas circunstâncias, o crescimento demográfico implica em acentuada expansão na demanda de alimentos, combustíveis e outros bens e serviços, resultando em substancial pressão sobre o meio ambiente. Junto com o avanço recente da urbanização nos países em desenvolvimento, isso também implica na aglomeração de segmentos mais pobres da população em espaços limitados, com igualmente forte comprometimento do meio-ambiente. Com efeito, em países densamente povoados o aumento na demanda por alimentos geralmente conduz à adoção de processos de ocupação, abertura e uso descontrolados de terras, com cultivos de zonas inadequadas (encostas de montanha, ecossistemas frágeis), resultando em crescente degradação de solos, perda de fertilidade, erosão e, no limite, em desertificação. Em

19 muitos desses países observa-se, também, a abertura indiscriminada de áreas virgens, com rápida eliminação da vegetação nativa e conseqüente alteração de habitas e destruição de biodiversidade. Em tese, esses processos podem ser controlados, mas, em situações de rápida expansão demográfica e de acentuada pobreza isso se torna virtualmente impossível. Como esperar que haja controle da degradação da natureza com uma população pobre que cresce rapidamente e que depende fundamentalmente de recursos naturais para sobreviver? Como se mencionou, tem se verificado nos países em desenvolvimento forte tendência a urbanização. Esse fato se torna óbvio quando se observa que quase todas as cidades de mais de 10 milhões de habitantes de nosso planeta estão em países em desenvolvimento. 5 Acontece que essa crescente concentração de população vem ocorrendo em países com baixa capacidade de investimento em infra-estrutura social, o que acaba provocando formidáveis impactos ambientais. Com efeito, a pobreza, as desigualdades distributivas e a concentração de população nas grandes cidades de muitos dos países em desenvolvimento vêm ocasionando dois tipos de problemas ambientais: a poluição, a congestão de veículos e a degradação resultante dos padrões de consumo de um grupo relativamente pequeno de pessoas de renda média e alta, favorecidas em termos de acesso aos bens e serviços; e problemas ambientais resultantes da carência de serviços básicos para as camadas de baixa renda. A congestão e a poluição causadas por automóveis e outros veículos, e a degradação gerada pelo lixo são geralmente problemas ocasionados pelo primeiro grupo. A congestão humana, a precária situação sanitária, o acúmulo de lixo doméstico nas vizinhanças das residências, a degradação de terras marginais, juntamente com as doenças e os acidentes oriundos dessas condições constituem as conseqüências ambientais dos grandes bolsões de pobreza em áreas urbanas com serviços públicos inadequados. Nas grandes cidades brasileiras, por exemplo, mesmo nas mais prosperas uma proporção considerável da população enfrenta condições de vida precárias. A degradação associada à pobreza é altamente visível ali. Os problemas ambientais urbanos comuns aos países industrializados a poluição do ar e da água são exacerbados por um crescimento demográfico desordenado que vem gerando problemas do seguinte tipo: 6 A existência de grandes quantidades de pobres, amontoados em moradias inadequadas, situadas geralmente em terrenos ilegais ou semi-legais, tais como áreas de encostas, áreas sujeitas a enchentes ou localidades que apresentam elevados índices de poluição. Muitas vezes é apenas em tais lugares que os mais pobres têm condições de erguer ou alugar suas moradias; essa população pode se alojar em tais lugares exatamente porque os mesmos não possuem estrutura sanitária e outros serviços básicos, e porque apresentam altos riscos de saúde e de segurança, o que os tornam indesejáveis para os segmentos mais prósperos da população urbana. Nesses assentamentos os domicílios são geralmente precários, pequenos e habitados por muitas pessoas; além disso, não apresentam isolamento contra ruídos e variações de temperatura, são vulneráveis à sujeira e aos ratos e insetos e têm acesso limitado a serviços básicos. Muitas vezes a água utilizada pelos moradores é de baixa qualidade e de difícil acesso, a coleta do lixo ocorre raramente e o esgotamento sanitário é deficiente. Ademais, a elevada 17 5 Como, por exemplo, a Cidade do México, São Paulo, Rio de Janeiro, Shangai, Beijing, Bombaim, Calcutá, Nova Deli, Manila, Lagos, entre outras. 6 Para maiores detalhes, ver Mueller, 1997, p

20 concentração de população propicia o contágio de doenças, contágio esse facilitado pelos baixos níveis de resistência dos indivíduos, causados por desnutrição e por estados de saúde precários. Por último, os habitantes das aglomerações de baixa renda localizadas próximas a rodovias movimentadas e a zonas industriais também enfrentam níveis especialmente elevados de poluição atmosférica. As aglomerações urbanas de baixa renda são frágeis do ponto de vista ambiental, e a concentração da população contribui para sua degradação. Além do mais, tendem a ser perigosas. Vez por outra ocorrem desastres e tragédias; cidades como o Rio de Janeiro e São Paulo têm registrado tais calamidades com alguma freqüência com vítimas que, na sua maioria, pertencem às camadas mais pobres da população. Sendo ilegais, ou estando em desacordo com o zoneamento urbano, não há investimento público e os assentamentos pobres apresentam consideráveis déficits de serviços básicos necessários a uma vida saudável e adequada. Sua infra-estrutura urbana é precária (faltam ruas pavimentadas, áreas verdes e sistemas de drenagem), e muitas vezes os assentamentos estão sujeitos a alagamentos e a infestados com lixo, tornando-se criadouros de ratos, insetos e outros transmissores de doenças. E, dada a grande concentração de população, é elevada a incidência de acidentes. Tendem a se verificar problemas decorrentes de hábitos inadequados de higiene nos assentamentos pobres. Isso acontece onde é elevada a concentração de migrantes recém chegados da zona rural, portadores de doenças infecciosas e com deficiências educacionais. A higiene pessoal precária, o lixo doméstico que se acumula próximo às casas e a falta de condições sanitárias, criam condições propícias para a disseminação de doenças, algumas tipicamente rurais. 7 Finalmente os ambientes físicos e sociais inadequados das zonas de concentração de populações urbanas de baixa renda são propício a acidentes domésticos e de rua, à alienação, ao estresse e à instabilidade social. Nessas zonas tendem a ser elevados o desemprego e o subemprego, assim como os índices de criminalidade e violência. O padrão acima delineado longe está de ser exclusivo do Brasil; ele é representativo do que acontece na maioria das grandes metrópoles do Terceiro Mundo. Na verdade, em muitas as condições são mais difíceis que as do nosso país. 2.3 Perspectivas globais de redução da pobreza No final da década de 1980 a Comissão do Meio-ambiente e Desenvolvimento das Nações Unidas introduziu o conceito de desenvolvimento sustentável, que acabou tendo forte repercussão. Para a Comissão, o desenvolvimento sustentável requer que se cumpram, simultaneamente, as três seguintes condições básicas: De acordo com a OMS, a intensa migração do campo para a cidade no Brasil foi um fator na transformação da esquistossomose em doença urbana (OMS, 1988, p. 25). Obviamente isso também foi causado pelas condições precárias de saneamento de assentamentos pobres, favorecendo o estabelecimento do vetor da esquistossomose nas zonas urbanas. 8 Ver United Nations, 1987.

As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero

As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero Fausto Brito José Alberto Magno de Carvalho Cássio Maldonato Turra Bernardo Lanza Queiroz Nas três primeiras décadas da segunda metade do século

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro?

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro? População mundial Leia as manchetes abaixo: População mundial superará 9,2 bilhões em 2050, estima ONU BBC Brasil Casais ricos burlam lei do filho único na China BBC Brasil A população mundial atingiu

Leia mais

Ambiente e. Sustentabilidade. Carlos Machado de Freitas

Ambiente e. Sustentabilidade. Carlos Machado de Freitas Saúde, Ambiente e Sustentabilidade ORIGEM DA VIDA NO PLANETA (4,5 bilhões a 600 milhões de anos atrás) DOS HOMINÍDEOS AOS HUMANOS (4,4 milhões à 100 mil anos atrás) FIM DA ERA GLACIAL E DOMESTICAÇÃO DA

Leia mais

A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs

A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs A dinâmica econômica e demográfica dos BRICs José Eustáquio Diniz Alves 1 O acrônimo BRIC (tijolo em inglês), formado pelas letras iniciais dos nomes de quatro países de dimensões continentais Brasil,

Leia mais

As regiões com maior e menor crescimento previsto para 2050

As regiões com maior e menor crescimento previsto para 2050 Introdução: O aumento da população ficará na história da Humanidade como o facto mais extraordinário do século XX. Há quarenta anos estimava-se a população em cerca de 3000 milhões de pessoas. Daí em diante

Leia mais

2011/2012 Geografia 8º Ano de escolaridade

2011/2012 Geografia 8º Ano de escolaridade 2011/2012 Geografia 8º Ano de escolaridade O aumento da população ficará na história da Humanidade como o facto mais extraordinário do século XX. Há cerca de cinquenta anos estimava-se a população em cerca

Leia mais

Matéria da Recuperação. Industrialização Urbanização População

Matéria da Recuperação. Industrialização Urbanização População Disciplina: Geografia Roteiro de Recuperação Ano / Série: 7º Professor (a): Gabriel Data: / / 2013 Matéria da Recuperação Industrialização Urbanização População 1- A função urbana de uma cidade diz respeito

Leia mais

CRESCIMENTO POPULACIONAL. Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros

CRESCIMENTO POPULACIONAL. Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros CRESCIMENTO POPULACIONAL Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros O que é Crescimento Populacional? O crescimento populacional é a mudança positiva do número de indivíduos de uma população dividida por

Leia mais

CORREÇÃO TAREFAS. Aulas 1 4 Pág. 24-31

CORREÇÃO TAREFAS. Aulas 1 4 Pág. 24-31 CORREÇÃO TAREFAS Aulas 1 4 Pág. 24-31 Paginas 24 e 25 1. a) População absoluta é a população total de um determinado local. b) População relativa é a densidade demográfica, ou seja, média de habitantes

Leia mais

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação Nome: n o : Ensino: Fundamental Ano: 7 o Turma: Data: Professor(a): Maria Silvia Geografia Exercícios de recuperação 1) Para a geografia, qual é o conceito de região? 2) Entre os aspectos utilizados para

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

CIÊNCIAS DO AMBIENTE Professora: Márcia M. Rios Ribeiro Bolsista doutoranda: Nara Wanderley Pimentel Monitor: Leandro Vaz

CIÊNCIAS DO AMBIENTE Professora: Márcia M. Rios Ribeiro Bolsista doutoranda: Nara Wanderley Pimentel Monitor: Leandro Vaz CIÊNCIAS DO AMBIENTE Professora: Márcia M. Rios Ribeiro Bolsista doutoranda: Nara Wanderley Pimentel Monitor: Leandro Vaz Universidade Federal de Campina Grande UFCG CRESCIMENTO POPULACIONAL CRESCIMENTO

Leia mais

População é o conjunto de habitantes de um determinado lugar em um determinado tempo;

População é o conjunto de habitantes de um determinado lugar em um determinado tempo; INTRODUÇÃO À GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO 1 Aspectos teóricos e metodológicos da geografia da população População é o conjunto de habitantes de um determinado lugar em um determinado tempo; A importância de

Leia mais

WWDR4 Resumo histórico

WWDR4 Resumo histórico WWDR4 Resumo histórico Os recursos hídricos do planeta estão sob pressão do crescimento rápido das demandas por água e das mudanças climáticas, diz novo Relatório Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento

Leia mais

CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL

CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL GEOGRAFIA CRESCIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL 1. ASPECTOS GERAIS O Brasil atualmente apresenta-se como o quinto país mais populoso do mundo, ficando atrás apenas da China, Índia, Estados Unidos e Indonésia.

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

CRESCIMENTO POPULACIONAL. Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros

CRESCIMENTO POPULACIONAL. Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros CRESCIMENTO POPULACIONAL Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros O que é Crescimento Populacional? O crescimento populacional é a mudança positiva do número de indivíduos de uma população dividida por

Leia mais

Mudanças climáticas devem forçar a migração de milhões de pessoas.

Mudanças climáticas devem forçar a migração de milhões de pessoas. Mudanças climáticas devem forçar a migração de milhões de pessoas. Natureza já está dando o troco para o consumo descontrolado de recursos. Artigo da 'Science' alerta para necessidade de criar políticas

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ POLÍTICA E SOCIEDADE NO BRASIL CONTEMPORÂNEO A DINAMICA POPULACIONAL A PARTIR DA DECADA DE 1960 NO BRASIL Thaís Schmidt Salgado Vaz de Castro thaissalgado@hotmail.com; Felipe José

Leia mais

Dimensão econômica. Quadro econômico

Dimensão econômica. Quadro econômico Dimensão econômica Quadro econômico Dimensão econômica 42 Produto interno bruto per capita O Produto Interno Bruto per capita indica a renda média da população em um país ou território e sua variação é

Leia mais

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo

PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO. desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo Geografia urbana Costa, 2002 1 PROCESSO DE METROPOLIZAÇÃO! As porções do território ocupadas pelo homem vão desigualmente mudando de natureza e de composição, exigindo uma nova definição. As noções de

Leia mais

VIDA LONGA - Idosas conversam em Tóquio: com alto índice de desenvolvimento humano, o Japão têm a maior expectativa de vida, com 83,5 anos

VIDA LONGA - Idosas conversam em Tóquio: com alto índice de desenvolvimento humano, o Japão têm a maior expectativa de vida, com 83,5 anos 1 de 7 31/01/2014 23:22 Aumentar a fonte Diminuir a fonte Demografia e IDH Márcia Nogueira Tonello VIDA LONGA - Idosas conversam em Tóquio: com alto índice de desenvolvimento humano, o Japão têm a maior

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo I Informações Gerais Impactos das Mudanças Climáticas As mudanças climáticas impõem

Leia mais

Demografia. A palavra demografia possui origem grega e. significa demo, povo e grafia, descrição. Podemos então afirmar que a mesma é a ciência

Demografia. A palavra demografia possui origem grega e. significa demo, povo e grafia, descrição. Podemos então afirmar que a mesma é a ciência Demografia A palavra demografia possui origem grega e significa demo, povo e grafia, descrição. Podemos então afirmar que a mesma é a ciência geográfica que estuda os. Sua área de estudo envolve as estatísticas,

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares.

ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. ODS 1 - Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares. 1.1 Até 2030, erradicar a pobreza extrema para todas as pessoas em todos os lugares, atualmente medida como pessoas vivendo com

Leia mais

AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE

AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE NEVES, Daniela 1 TEIXEIRA, Flávia 2 RESUMO: O Meio Ambiente está sendo destruído, o que acabou ocasionando o aquecimento global que tem sido provocado pela destruição de

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária *

Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária * Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária * Olga Collinet Heredia UNISINOS Palavras chaves: estrutura etária, população ativa, envelhecimento. INTRODUÇÃO Modificações na dinâmica demográfica

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada Pretendida do Brasil Junho, 2015 Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 7º Disciplina: Geografia. Pré Universitário Uni-Anhanguera

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 7º Disciplina: Geografia. Pré Universitário Uni-Anhanguera Pré Universitário Uni-Anhanguera Questão 01) A distribuição da população pela superfície do planeta é desigual, orientada por fatores históricos, econômicos ou naturais. No caso do Brasil, conclui-se que

Leia mais

DEMOGRAFIA E RECURSOS NATURAIS: AS INFLUÊNCIAS DO PENSAMENTO MALTHUSIANO

DEMOGRAFIA E RECURSOS NATURAIS: AS INFLUÊNCIAS DO PENSAMENTO MALTHUSIANO 1 DEMOGRAFIA E RECURSOS NATURAIS: AS INFLUÊNCIAS DO PENSAMENTO MALTHUSIANO Francisco Albertino Ribeiro dos Santos 1 Antônio Wilton Cajado de Sousa 2 Everton José Amaral Pereira 3 Rafael Rebelo Lopes 4

Leia mais

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década 1 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PROFESSOR BAHIA TEXTO DE CULTURA GERAL FONTE: UOL COTIDIANO 24/09/2008 Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década Fabiana Uchinaka Do UOL Notícias

Leia mais

Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes. Resenha Desenvolvimento

Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes. Resenha Desenvolvimento Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes Resenha Desenvolvimento Luiz Fernando Neiva Liboreiro 14 de dezembro de 2006 Objetivos do Milênio da ONU: metas distantes Resenha Desenvolvimento Luiz Fernando

Leia mais

Geografia Professor André 2ª série / 2º trimestre

Geografia Professor André 2ª série / 2º trimestre Geografia Professor André 2ª série / 2º trimestre TEMA - URBANIZAÇÃO BRASILEIRA E MUNDIAL. 1. (Ibmec-RJ) Esta é uma clássica definição sobre as chamadas cidades globais: As cidades globais são os principais

Leia mais

Também conhecido como densidade populacional ou população relativa. É a medida expressa pela relação entre a população e a superfície do território.

Também conhecido como densidade populacional ou população relativa. É a medida expressa pela relação entre a população e a superfície do território. Também conhecido como densidade populacional ou população relativa. É a medida expressa pela relação entre a população e a superfície do território. É geralmente expressa em habitantes por quilômetro quadrado

Leia mais

Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil

Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil José Eustáquio Diniz Alves i As eleições de 2 nem começaram de fato, mas já existe uma grande quantidade de textos circulando na

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO GEOGRAFIA / /2012 ALUNO: N.º TURMA EXERCÍCIOS DE REVISÃO FONTES DE ENERGIA Fontes renováveis: eólica, marés, solar, biomassa. Fontes não renováveis: combustíveis fósseis e radioativos. Fontes mais utilizadas

Leia mais

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica

BIOVESTIBA.NET BIOLOGIA VIRTUAL Profº Fernando Teixeira UFRGS. ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica UFRGS ECOLOGIA Conceitos e Sucessão Ecológica 1. (Ufrgs 2014) Considere as seguintes afirmações sobre conceitos utilizados em ecologia. I. Nicho ecológico é a posição biológica ou funcional que um ecossistema

Leia mais

Economia Internacional

Economia Internacional Economia Internacional A abertura de novos mercados criou condições para que a produção econômica mundial crescesse em mais de 150% desde 1980, com a poluição aumentando no mesmo ritmo. Amplo consenso

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia Dia Mundial da População 11 julho de 15 1 de julho de 15 Envelhecimento da população residente em e na União Europeia Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto Nacional de Estatística

Leia mais

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pela ONU, parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar

Leia mais

Agenda de. Desenvolvimento. Pós-2015

Agenda de. Desenvolvimento. Pós-2015 Agenda de Desenvolvimento Pós-2015 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável O INÍCIO: ANO 2000 Combate a inimigos históricos da humanidade: Pobreza e fome Desigualdade de gênero Doenças transmissíveis

Leia mais

A emergência de um novo mundo no século XXI?

A emergência de um novo mundo no século XXI? A emergência de um novo mundo no século XXI? José Eustáquio Diniz Alves 1 A economia mundial deve crescer cerca de 4 vezes nos próximos 40 anos. Isto quer dizer que o Produto Interno Bruto (PIB) terá o

Leia mais

CONCEITOS POPULACIONAIS PROFº CLAUDIO FRANCISCO GALDINO GEOGRAFIA

CONCEITOS POPULACIONAIS PROFº CLAUDIO FRANCISCO GALDINO GEOGRAFIA CONCEITOS POPULACIONAIS PROFº CLAUDIO FRANCISCO GALDINO GEOGRAFIA Oferecimento Fábrica de Camisas Grande Negão AQUELA QUE TRAZ EMOÇÃO. PARA VOCÊ E SEU IRMÃO!!! ESTUDO DA POPULAÇÃO P/ GEOGRAFIA - objetivo

Leia mais

A tendência do homem à mecanização, transformando as matérias-primas em bens úteis, gerando resíduos inúteis para o meio;

A tendência do homem à mecanização, transformando as matérias-primas em bens úteis, gerando resíduos inúteis para o meio; OS IMPACTOS AMBIENTAIS E A BIODIVERSIDADE 1 A poluição A introdução no meio ambiente de qualquer matéria ou energia que venha alterar as propriedades físicas, químicas ou biológica que afete a saúde das

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 13 GEOGRAFIA URBANA: CONCEITOS E PROCESSOS

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 13 GEOGRAFIA URBANA: CONCEITOS E PROCESSOS GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 13 GEOGRAFIA URBANA: CONCEITOS E PROCESSOS Como pode cair no enem Os 10 maiores aglomerados urbanos Leia o texto e observe o quadro abaixo: O terceiro milênio se inicia com

Leia mais

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI

EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI 1. Coloque V para verdadeiro e F para falso: EXERCÍCIOS ON LINE DE GEOGRAFIA 7º 2º TRI ( ) a população economicamente ativa compreende a parcela da população que está trabalhando ou procurando emprego.

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20

Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20 Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20 INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas realizará em junho de 2012, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre

Leia mais

Demografia. População (milhões de habitantes) 1

Demografia. População (milhões de habitantes) 1 DEMOGRAFIA Em 2002, a população dos 38 Estados e territórios do espaço Caribe chega a quase 250 milhões de habitantes, com uma densidade populacional de 47 habitantes/km², representando 4% da população

Leia mais

capítulo 1: Um olhar mais próximo ao nosso mundo de 7 bilhões de habitantes

capítulo 1: Um olhar mais próximo ao nosso mundo de 7 bilhões de habitantes iv capítulo 1: Um olhar mais próximo ao nosso mundo de 7 bilhões de habitantes CAPÍTULO um Um olhar mais próximo ao nosso mundo de 7 bilhões de habitantes O marco dos 7 bilhões vem assinalado por vitórias,

Leia mais

* Trabalho Apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006.

* Trabalho Apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006. DEMOGRAFIA E EDUCAÇÃO NO BRASIL: AS DESIGUALDADES REGIONAIS* FERNANDA R. BECKER UERJ Resumo: A População brasileira está se transformando, passando por mudanças significativas nas últimas décadas. Estas

Leia mais

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias

O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias O Envelhecimento Populacional e as Repercussões na Política de Saúde e nas Famílias Daiana de Aquino Hilario Machado * RESUMO: Neste artigo estaremos discutindo sobre as repercussões do envelhecimento

Leia mais

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE INDICADORES DEMOGRÁFICOS E SOCIAIS E ECONÔMICOS DO NORDESTE Verônica Maria Miranda Brasileiro Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais

Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br

Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br Natal 29/02/2012 1 Considerações Gerais; Principais conceitos demográficos; Gráficos de indicadores sociais; Estrutura das populações mundiais:

Leia mais

ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY

ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY ANÁLISE DA INCIDÊNCIA DE DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA NA REGIÃO DE JACARAÍPE E NOVA ALMEIDA, SERRA, ES. DEVAIR VIAL BRZESKY Importância da água para a vida: Higiene pessoal. Preparação dos alimentos.

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE

OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 44 44 OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO BRASIL OBJETIVO REDUZIR A MORTALIDADE NA INFÂNCIA pg44-45.qxd 9/9/04 15:40 Page 45 45 4 " META 5 REDUZIR EM DOIS TERÇOS, ENTRE

Leia mais

VOLUME 1o. VOLUME 2o.

VOLUME 1o. VOLUME 2o. Programação Anual 1 ạ Série 1 ọ 2 ọ 1. A ciência geográfica Lugar, território e espaço 2. Astronomia Assim teve início a Astronomia Qual a origem do Universo? 3. Fusos horários Resolução de problemas com

Leia mais

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial;

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; AMBIENTALISMO NO MUNDO GLOBALIZADO 1 O Ano Passado 2 Degradação do meio ambiente A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; A mobilização da sociedade com objetivo de conter

Leia mais

SAÚDE AMBIENTAL E DESASTRES. Mara Lúcia Oliveira Saúde e Ambiente

SAÚDE AMBIENTAL E DESASTRES. Mara Lúcia Oliveira Saúde e Ambiente SAÚDE AMBIENTAL E DESASTRES Mara Lúcia Oliveira Saúde e Ambiente PROBLEMAS AMBIENTAIS LOCAIS Contaminação atmosférica (industrial e doméstica) Contaminação acústica Contaminação dos mananciais Abastecimento

Leia mais

4 SETOR EXTERNO. ipea

4 SETOR EXTERNO. ipea 4 SETOR EXTERNO RESTRIÇÕES EXTERNAS AO CRESCIMENTO ECONÔMICO Tradicionalmente, as restrições ao crescimento da economia brasileira são consideradas como limites impostos pela deterioração incontornável

Leia mais

Retratos da Sustentabilidade no Mundo

Retratos da Sustentabilidade no Mundo Retratos da Sustentabilidade no Mundo Haroldo Mattos de Lemos Presidente, Instituto Brasil PNUMA Vice-Presidente, Comitê Técnico 207 da ISO (ISO 14000) Presidente, Conselho Técnico da ABNT Presidente,

Leia mais

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R:

1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão concentradas as grandes parcelas dessas águas? R: Data: / /2014 Bimestre: 3 Nome: 6 ANO Nº Disciplina: Geografia Professor: Geraldo Valor da Atividade: 2,0 (Dois) Nota: GRUPO 6 1 (0,5) Dos 3% de água doce que estão na superfície terrestre, onde estão

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE. Saneamento é saúde!

Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE. Saneamento é saúde! Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE Saneamento é saúde! Ordem na casa! Proteger o meio ambiente é dever de todos. E começar pelo saneamento pode ser uma boa alternativa Você já deve ter ouvido falar

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - AGENDA 21- (MÓDULO 3) Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues INTRODUÇÃO O desenvolvimento da sociedade De forma desordenada e sem planejamento Níveis crescentes de poluição

Leia mais

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...

Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro... Educação é a chave para um desenvolvimento duradouro...enquanto os líderes mundiais se preparam para um encontro em Nova York ainda este mês para discutir o progresso dos Objetivos de Desenvolvimento do

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais

Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais Mudanças Socioambientais Globais, Clima e Desastres Naturais (ENSP/FIOCRUZ) Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres (CEPEDES) Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) AS MUDANÇAS SOCIOAMBIENTAIS

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

Dinâmica demográfica e qualidade de vida da população brasileira Parte II

Dinâmica demográfica e qualidade de vida da população brasileira Parte II Dinâmica demográfica e qualidade de vida da população brasileira Parte II A nova Pirâmide Etária do Brasil; Crescimento horizontal devido às migrações; É um tipo de gráfico que representa os dados sobre

Leia mais

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37

Município D 8.902 545 6,12 Município E 231.977 3.544 1,53 Município F 93.655 1.280 1,37 01 - Os problemas ambientais estão na ordem do dia dos debates científicos, das agendas políticas, da mídia e das relações econômicas. Até muito recentemente, ao se falar de meio ambiente, as instituições

Leia mais

CENÁRIOS DA POPULAÇÃO PAULISTA dos anos 90 ao futuro

CENÁRIOS DA POPULAÇÃO PAULISTA dos anos 90 ao futuro SÃO PAULO EM PERSPECTIVA, 13(1-2) 1999 CENÁRIOS DA POPULAÇÃO PAULISTA dos anos 90 ao futuro BERNADETTE CUNHA WALDVOGEL Estatística e Demógrafa, Gerente de Indicadores e Estudos Populacionais da Fundação

Leia mais

Pobreza e sobrevivência na infância

Pobreza e sobrevivência na infância Pobreza e sobrevivência na infância Mário Francisco Giani Monteiro Lívia Pereira Coelho Palavras-chave: População e Saúde; Saúde Coletiva; Saúde e Pobreza; Mortalidade na Infância. Resumo Nos países em

Leia mais

Uma análise das condições de vida da população brasileira

Uma análise das condições de vida da população brasileira Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais SÍNTESE DE INDICADORES SOCIAIS 2013 Uma análise das condições de vida da população brasileira 29 de

Leia mais

Tábua completa de mortalidade para o Brasil 2013. Breve análise da mortalidade nos períodos 2012 2013 e 1980 2013

Tábua completa de mortalidade para o Brasil 2013. Breve análise da mortalidade nos períodos 2012 2013 e 1980 2013 Tábua completa de mortalidade para o Brasil 2013 Breve análise da mortalidade nos períodos 2012 2013 e 1980 2013 Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão Miriam

Leia mais

A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo

A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo Projeções da Fundação Seade para a trajetória até 2050 indicam que o grupo populacional com mais de 60 anos será triplicado e o com mais

Leia mais

Comunicado da. Presidência

Comunicado da. Presidência Número 7, agosto de 2008 Comunicado da Presidência Pobreza e riqueza no Brasil metropolitano Realização: Assessoria Técnica da Presidência 2 1. Apresentação 1 A economia brasileira, ao longo dos últimos

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

GEOGRAFIA. Estão corretos apenas os itens. A) I e III. B) I e IV. C) II e IV. D) I, II e III. E) II, III e IV.

GEOGRAFIA. Estão corretos apenas os itens. A) I e III. B) I e IV. C) II e IV. D) I, II e III. E) II, III e IV. GEOGRAFIA 11) Ao ler o mapa do estado do Rio Grande do Sul, podese reconhecer diferentes paisagens que se configuram por apresentarem significativas relações entre os elementos que as compõem. Dentre os

Leia mais

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO VI CRESCIMENTO ECONÔMICO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO 1. Crescimento Econômico Conceitua-se crescimento econômico como "o aumento contínuo do Produto Interno Bruto (PIB) em termos globais e per capita,

Leia mais

Cidades resilientes: os exemplos de Beijing e Xangai

Cidades resilientes: os exemplos de Beijing e Xangai Cidades resilientes: os exemplos de Beijing e Xangai Wang Yan, Cai Jianming Institute of Geographical Sciences and Natural Resources Research (IGSNRR), Chinese Academy of Sciences (CAS), Beijing Wangy.08b@igsnrr.ac.cn

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

População Mundial. Prof. R O C H A

População Mundial. Prof. R O C H A População Mundial Prof. R O C H A Crescimento da População Conceitos Demográficos População absoluta Número total de habitantes Densidade demográfica ou população relativa número de habitantes por Km²,

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 3ª Ano Tema da aula: Crescimento populacional: tendências e dilemas Objetivo da aula: contextualizar

Leia mais

CONSUMOS DE ÁGUA CONSUMOS DE ÁGUA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA

CONSUMOS DE ÁGUA CONSUMOS DE ÁGUA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA - ETA CONSUMOS DE ÁGUA Componentes da demanda de água de uma população Doméstico Comercial Industrial Público Especial Perdas Desperdícios Principais fatores influenciam a demanda VOLUME DE ÁGUA A SER TRATADA

Leia mais

Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas. Uma questão estratégica

Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas. Uma questão estratégica Gestão de Serviços Ambientais nas Empresas Uma questão estratégica Ética Ambiental ÉTICA. Do grego ETHOS, que significa modo de ser, caráter. Forma de agir do Homem em seu meio social. O comportamento

Leia mais

Censo Demográfico 2010 e a Diversidade Social. Ana Lucia Saboia IBGE 27 de setembro de 2011

Censo Demográfico 2010 e a Diversidade Social. Ana Lucia Saboia IBGE 27 de setembro de 2011 Censo Demográfico 2010 e a Diversidade Social Ana Lucia Saboia IBGE 27 de setembro de 2011 Censo Demográfico 2010 Brasil População: 190 755 799 habitantes Brasil - População e taxa média geométrica de

Leia mais

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG

Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010. Sistema Nacional de Informações de Gênero SNIG Diretoria de Pesquisas - Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Indicadores Sociais Estatísticas de Gênero Uma análise dos resultados do Censo Demográfico 2010 Sistema Nacional de Informações

Leia mais

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina NOTA DE IMPRENSA Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina Relatório de desenvolvimento humano 2007/2008 estabelece o caminho

Leia mais