Laboratório de Física UVV

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Laboratório de Física UVV"

Transcrição

1 1/8 Capacitor de Placas Paralelas Professor: Alunos: Turma: Data: / /20 1: 2: 3: 4: 5: 1.1. Objetivos Determinar a constante dielétrica do ar e do papel através do gráfico Equipamentos Lista de equipamentos necessários para a realização do relatório Capacitor ajustável de placas paralelas; Capacímetro digital; folhas de papel Chamex recortadas em retângulos de ¼ de folha. 2. Apresentação Um capacitor consiste basicamente de duas peças metálicas isoladas espacialmente. A forma e distribuição espacial destas placas mudam de acordo com as intenções do capacitor, possuindo geralmente formas geométricas simples como placas paralelas, cilíndricas e esféricas, além de outras formas menos simétricas como uma fração de disco, muito utilizadas em capacitores variáveis, Figura 1. (a) (b) (c) Figura 1: Capacitores comerciais: (a) Capacitor Variável; (b) Capacitores Eletrolíticos; (c) Capacitores de Placas Paralelas. Um capacitor, independente do tipo, tem como função básica armazenar energia elétrica no campo gerado pelo acúmulo de cargas em suas placas. A razão entre esta carga nas placas e a tensão

2 2/8 necessária para deslocá-las é definida como capacitância: (1) a qual depende exclusivamente de características geométricas do capacitor, como a área das placas, separação entre elas, forma e o material dielétrico empregado como isolante. Para o capacitor de placas paralelas, sua capacitância pode ser facilmente demonstrada como: (2) onde, permissividade elétrica do vácuo; área das placas; distância entre as placas; a contante dielétrica do meio. Neste experimento será explorado Figura 2: Capacitor de Placas Paralelas Cidepe Os valores das constantes dielétricas de cada material são dados na Figura 1. Meio Vácuo Ar Papel 1, , ,5 Água ( ) 78,5 Tabela 1: Constantes dielétricas de diferentes meios. 3. Experimento Neste experimento será empregado um capacitor de placas paralelas como o ilustrado na Figura 2, composto de duas placas metálicas circulares, sendo uma móvel e outra fixada ao corpo do equipamento. Aproveitando que o equipamento ainda não foi ligado, com o auxílio de um paquímetro, meça o diâmetro da placa móvel: : ± (mm) Antes de sua execução, proceda com a calibração a seguir Cuidado com o Capacímetro Durante todo o experimento nunca permita que os terminais do Capacímetro entrem em curto, pois

3 3/8 isto pode danificar o equipamento Calibração do Capacímetro Antes de iniciar o experimento, execute o processo de calibração a seguir: Inicialmente monte o capacitor de placas paralelas com a placa móvel o mais distante possível da placa fixa e de preferência ortogonal a esta, como ilustrado na Figura 3; Coloque o capacímetro na escala de metálicos, traseiros das placas do capacitor; Em seguida gire o botão de ajuste, ADJ indicado na Figura 3, para zera a capacitância medida no capacímetro; e em seguida o conecte aos terminais Figura 3: Capacitor de Placas Paralelas Feito isto, posicione a placa móvel sobre a base do capacitor, Figura 4, e desconecte o capacímetro um dos terminais do capacímetro; Em seguida mova a placa móvel até está encostar na placa fixa; Neste momento verifique se o traço na placa móvel encontra com o zero na escala milimetrada, fixada à base do capacitor; Caso estes não estejam alinhados, ajuste sua posição liberando o parafuso na parte inferior do capacitor, ou chame o seu professor; Após isto separe as placas e reconecte o terminal do capacímetro.

4 4/8 Figura 4:Montagem Experimental para realização da medida. Com isso, o experimento está pronto para iniciar Ar como Dielétrico Neste primeiro experimento será medida a capacitância em função da separação entre as placas utilizando como dielétrico o ar. Inicialmente posicione a placa móvel na posição Em seguida mova a placa móvel para direita em intervalos de 2, abaixo. e religue o capacímetro; e preencha a Tabela Tabela 2: Capacitância em função da separação das placas para dielétrico Ar Papel como Dielétrico Neste segundo experimento será feito o mesmo tipo de medida anterior, no entanto neste momento será empregado papel como dielétrico para o capacitor. Inicialmente separe as folhas em grupos de vinte folhas; Em seguida coloque o primeiro grupo de folhas de papel entre as placas do capacitor e pressione pelas PLACAS do capacitor (não a base plástica), Figura 5-a. Isto interferirá na medida da capacitância, observe o capacímetro; Para realizar a medida segure (não empurre) a base plástica móvel e retire as mão das placas, Figura 5-b. Aguarde até que o capacímetro estabilize e realize a leitura, preenchendo a Tabela 3; A seguir adicione mais um grupo de folhas e repita o procedimento.

5 (a) 5/8 (b) Figura 5: Operação do Capacitor de Placas Paralelas Tabela 3: Capacitância em função da separação das placas para dielétrico Papel. 4. Equações e Expressões Relevantes Nesta seção são apresentados as expressões, equações e definições necessárias para o desenvolvimento do experimento. O Formulário aponta as equações e definições essenciais para o desenvolvimento das expressões na Composição, enquanto que este último apresenta as expressões finais, geralmente, para a resolução do problema apresentado no experimento Formulário (3) Capacitância de um capacitor de Placas Paralelas Composições (4) Capacitância de um capacitor de placas paralelas circulares, de diâmetro ; (5) equação de ajuste a uma reta para a equação (4), onde b deve ser próximo de zero.

6 6/8 5. Resultados: Capacitor de Placas Paralelas Complete a Tabela 4 com os coeficientes Tabela 2. [ ], em, calculados a partir das medidas da [ ] Tabela 4: Capacitor de Placas Paralelas com Ar Repita o processo para a Tabela 5, com os coeficientes calculados a partir das medidas da Tabela 3. [ ] [ ] Tabela 5: Capacitor de Placas Paralelas com Papel Em seguida faça os gráficos seguir. com estes pontos nas páginas milimetradas a Determine as constantes dielétricas através dos gráficos preenchendo a Tabela 6, a seguir. Ar Papel Tabela 6: Comparação entre as constantes dielétricas

7 Figura 6: Capacitor de Placas Paralelas com Ar 7/8

8 Figura 7: Capacitor de Placas Paralelas com Papel 8/8

Laboratório de Física

Laboratório de Física Laboratório de Física Experimento 04: Capacitor de Placas Paralelas Disciplina: Laboratório de Física Experimental II Professor: Turma: Data: / /20 Alunos (nomes completos e em ordem alfabética): 1: 2:

Leia mais

Laboratório de Física

Laboratório de Física Laboratório de Física Experimento 03 - Trilho de Ar Movimento a Força Constante Disciplina: Laboratório de Física Experimental I Professor: Turma: Data: / /20 Alunos: 1: 2: 3: 4: 5: 1/11 03 - Trilho de

Leia mais

Laboratório de Física

Laboratório de Física Laboratório de Física Experimento 06: Oscilações Disciplina: Laboratório de Física Experimental I Professor: Turma: Data: / /0 Alunos: : : : : : /0 06 Oscilações.. Objetivos Determinar as constantes elásticas

Leia mais

Laboratório de Física

Laboratório de Física Laboratório de Física Experimento 07: Lançamento de Projéteis Disciplina: Laboratório de Física Experimental I Professor: Turma: Data: / /20 Alunos: 1: 2: 3: 4: 5: 1/11 07 - Lançamento de Projéteis 1.1.

Leia mais

Objetivo: Determinar experimentalmente a resistividade elétrica do Constantan.

Objetivo: Determinar experimentalmente a resistividade elétrica do Constantan. Determinação da resistividade elétrica do Constantan Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Curitiba Departamento Acadêmico de Física Física Experimental Eletricidade Prof. Ricardo Canute Kamikawachi

Leia mais

Laboratório de Física

Laboratório de Física Laboratório de Física Experimento 0 - Coeficiente de Atrito no Plano Inclinado Disciplina: Laboratório de Física Experimental I Professor: Turma: Data: / /0 Alunos: : : : : : /0 0 - Coeficiente de Atrito

Leia mais

Laboratório de Física UVV

Laboratório de Física UVV /9 Carga e Descarga de Capacitores Professor: Alunos: Turma: Data: / /20 : 2: 3: 4: 5:.. Objetivos: Levantar as curvas características de carga e descarga de capacitores; Determinar a capacitância através

Leia mais

Verificar as equações para a constante de mola efetiva em um sistema com molas em série e outro com molas em paralelo.

Verificar as equações para a constante de mola efetiva em um sistema com molas em série e outro com molas em paralelo. 74 9.4 Experiência 4: Deformações Elásticas e Pêndulo Simples 9.4.1 Objetivos Interpretar o gráfico força x elongação; Enunciar e verificar a validade da lei de Hooke; Verificar as equações para a constante

Leia mais

Física Experimental II

Física Experimental II Universidade Federal Fluminense - PUVR Física Experimental II 1 Objetivos Experiência: Superfícies Equipotenciais 1. Traçar as linhas equipotenciais do campo elétrico de dois condutores a partir de medidas

Leia mais

MEDIDA DA CARGA DO ELÉTRON MILLIKAN

MEDIDA DA CARGA DO ELÉTRON MILLIKAN MEDIDA DA CARGA DO ELÉTRON MILLIKAN OBJETIVO Estudar o movimento de um corpo em queda em um fluido, considerando a força de arraste. Determinar a carga do elétron. MATERIAL NECESSÁRIO Plataforma com o

Leia mais

Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta

Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta Capacitores e Indutores (Aula 7) Prof. Daniel Dotta 1 Sumário Capacitor Indutor 2 Capacitor Componente passivo de circuito. Consiste de duas superfícies condutoras separadas por um material não condutor

Leia mais

A.L.2.2 CONDENSADOR PLANO

A.L.2.2 CONDENSADOR PLANO A.L.2.2 CONDENSADOR PLANO FÍSICA 12.ºANO BREVE INTRODUÇÃO Os condensadores têm inúmeras aplicações. Há condensadores de várias formas e tamanhos e são estas características geométricas que determinam a

Leia mais

FÍSICA EXPERIMENTAL 3001

FÍSICA EXPERIMENTAL 3001 FÍSICA EXPERIMENTAL 300 EXPERIÊNCIA 6 TRANSFERÊNCIA DE POTÊNCIA. OBJETIVOS.. Objetivo Geral Familiarizar os acadêmicos com fontes de tensão (baterias) na condição de máxima transferência de potência para

Leia mais

And« Física 12. São dispositivos para armazenar energia. Os condensadores são usados, por exemplo, em:

And« Física 12. São dispositivos para armazenar energia. Os condensadores são usados, por exemplo, em: 25042016 CAPACDADE E CONDENSADORES And«CONDENSADORES São dispositivos para armazenar energia. Os condensadores são usados, por exemplo, em: Recetores de radio Dispositivos de armazenamento com flash Desfibrilhadores,

Leia mais

Capacitância e Dielétricos

Capacitância e Dielétricos Capacitância e Dielétricos 1 Um capacitor é um sistema constituído por dois condutores separados por um isolante (ou imersos no vácuo). Placas condutoras Carga elétrica Isolante (ou vácuo) Símbolos Em

Leia mais

Associação de Resistores

Associação de Resistores Associação de Resistores Objetivo: Medir a corrente elétrica e a diferença de potencial em vários ramos e pontos de um circuito elétrico resistivo. Materiais: (a) Três resistências nominadas R 1, R 2 e

Leia mais

GERADORES E RECEPTORES:

GERADORES E RECEPTORES: COLÉGIO ESTADUAL JOSUÉ BRANDÃO 3º Ano de Formação Geral Física IV Unidade_2009. Professor Alfredo Coelho Resumo Teórico/Exercícios GERADORES E RECEPTORES: Anteriormente estudamos os circuitos sem considerar

Leia mais

Objetivo: Determinar a eficiência de um transformador didático. 1. Procedimento Experimental e Materiais Utilizados

Objetivo: Determinar a eficiência de um transformador didático. 1. Procedimento Experimental e Materiais Utilizados Eficiência de Transformadores Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Curitiba Departamento Acadêmico de Física Física Experimental Eletricidade Prof. Ricardo Canute Kamikawachi Objetivo: Determinar

Leia mais

1ª LISTA DE FÍSICA 1º BIMESTRE

1ª LISTA DE FÍSICA 1º BIMESTRE Professor (a): PAULO Disciplina FÍSICA Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015 1ª LISTA DE FÍSICA 1º BIMESTRE 1) Uma descarga elétrica ocorre entre uma nuvem que está a 2.000 m de altura do solo. Isso acontece

Leia mais

EXPERIMENTO 3: CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA

EXPERIMENTO 3: CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA EXPERIMENTO 3: CIRCUITOS DE CORRENTE CONTÍNUA 3.1 OBJETIVOS Verificar experimentalmente as Leis de Kirchhoff 3.2 INTRODUÇÃO Para a resolução de um circuito de corrente contínua (cc), com várias malhas,

Leia mais

Apêndice Efeito Fotoelétrico, Laboratório de Estrutura da Matéria Fis101.

Apêndice Efeito Fotoelétrico, Laboratório de Estrutura da Matéria Fis101. Apêndice Efeito Fotoelétrico, Laboratório de Estrutura da Matéria Fis101. Sobre o aparato instrumental: O kit experimental para estudos do efeito fotoelétrico é composto por um compartimento com uma lâmpada

Leia mais

Universidade de São Paulo

Universidade de São Paulo Universidade de São Paulo Instituto de Física NOTA PROFESSOR 4323202 Física Experimental B Equipe 1)... função... Turma:... 2)... função... Data:... 3)... função... Mesa n o :... EXP 3- Linhas de Transmissão

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo EXPERIMENTO 4

Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo EXPERIMENTO 4 Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo Roteiro para prática experimental EXPERIMENTO 4 Lançamento Horizontal de Projéteis Disciplina: Física Experimental GRUPO DE TRABALHO: Estudante 1

Leia mais

ELETRICIDADE: Cuba Eletrolítica Mapeando Campos Elétricos

ELETRICIDADE: Cuba Eletrolítica Mapeando Campos Elétricos FÍSICA 8 ELETRICIDADE: Cuba Eletrolítica Mapeando Campos Elétricos NOME ESCOLA EQUIPE SÉRIE PERÍODO DATA OBJETIVOS Obter superfícies equipotenciais em uma cuba eletrolítica. Mapear o campo elétrico a partir

Leia mais

Cap. 5. Capacitores e Dielétricos

Cap. 5. Capacitores e Dielétricos Cap. 5. Capacitores e Dielétricos 1 5.1. Definição de Capacitância Um capacitor consiste de dois condutores em oposição, separados por um meio isolante (dielétrico) e possuindo cargas de mesmo módulo mas

Leia mais

25-1 Capacitância. Figura 25-1 Vários tipos de capacitores. Fonte: PLT 709. Me. Leandro B. Holanda,

25-1 Capacitância. Figura 25-1 Vários tipos de capacitores. Fonte: PLT 709. Me. Leandro B. Holanda, 25-1 Capacitância Capacitor é um dispositivo usado para armazenar energia elétrica. As pilhas de uma máquina fotográfica, por exemplo, armazenam a energia necessária para disparar um flash, carregando

Leia mais

SEGUNDA LEI DE NEWTON

SEGUNDA LEI DE NEWTON Experimento 2 SEGUNDA LEI DE NEWTON Objetivo Introdução Verificar a Segunda Lei de Newton a partir da análise do movimento de translação de um corpo sobre um plano horizontal variando-se a força resultante,

Leia mais

Electromagnetismo e Física Moderna. Conhecer um método para a determinação da capacidade eléctrica

Electromagnetismo e Física Moderna. Conhecer um método para a determinação da capacidade eléctrica Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Física 1 Compreender o que é um condensador eléctrico Electromagnetismo e Física Moderna Capacidade e condensadores Conhecer

Leia mais

Laboratório de Física

Laboratório de Física Laboratório de Física Experimento 00: Lei de Ohm, Multímetro e Segurança Disciplina: Laboratório de Física Experimental II Professor: Turma: Data: / /20 Alunos (nomes completos e em ordem alfabética):

Leia mais

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1

LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 LABORATÓRIO ATIVIDADES 2013/1 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO LABORATÓRIO MÓDULO I ELETRICIDADE BÁSICA TURNO NOITE CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL CARGA HORÁRIA EIXO TECNOLÓGICO CONTROLE

Leia mais

Questão 04- A diferença de potencial entre as placas de um capacitor de placas paralelas de 40μF carregado é de 40V.

Questão 04- A diferença de potencial entre as placas de um capacitor de placas paralelas de 40μF carregado é de 40V. COLÉGIO SHALOM Trabalho de recuperação Ensino Médio 3º Ano Profº: Wesley da Silva Mota Física Entrega na data da prova Aluno (a) :. No. 01-(Ufrrj-RJ) A figura a seguir mostra um atleta de ginástica olímpica

Leia mais

1. Objetivo Tem por finalidade estabelecer os procedimentos para a utilização do aparelho de detector de tensão ao contato e por aproximação.

1. Objetivo Tem por finalidade estabelecer os procedimentos para a utilização do aparelho de detector de tensão ao contato e por aproximação. 1/5 1. Objetivo Tem por finalidade estabelecer os procedimentos para a utilização do aparelho de detector de tensão ao contato e por aproximação. 2. Aplicação Distribuição. 3. Documentos de referência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Laboratório de Física Moderna I Efeito Fotoelétrico Determinação da constante de Planck h Objetivo Estudar o efeito fotoelétrico

Leia mais

PRÁTICA 6: COLISÕES EM UMA DIMENSÃO

PRÁTICA 6: COLISÕES EM UMA DIMENSÃO PRÁTICA 6: COLISÕES EM UMA DIMENSÃO Nesta prática, estudaremos o fenômeno da colisão em uma dimensão, fazendo a aproximação de que o sistema é fechado (não há variação de massa) e isolado (não há forças

Leia mais

Primeira Prova 2. semestre de /10/2013 TURMA PROF.

Primeira Prova 2. semestre de /10/2013 TURMA PROF. D Física Teórica II Primeira Prova 2. semestre de 2013 19/10/2013 ALUNO TURMA PROF. ATENÇÃO LEIA ANTES DE FAZER A PROVA 1 Assine todas as folhas das questões antes de começar a prova. 2 - Os professores

Leia mais

Movimento Uniforme (MU)

Movimento Uniforme (MU) Faculdade de Engenharia de Sorocaba Laboratório de Física Física Experimental I EXPERIÊNCIA 02 Nome Número Turma Data Movimento Uniforme (MU) 2.1 Fundamentos Teóricos A cinemática é a parte da física que

Leia mais

Prova de Questões Analítico-Discursivas FÍSICA

Prova de Questões Analítico-Discursivas FÍSICA 1 Um garoto lança horizontalmente uma bola, da altura de 80,0 cm, com a intenção de atingir um buraco situado a 0,0080 km do ponto de lançamento, conforme figura abaixo. Com qual velocidade inicial, em

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 1º SEMESTRE 3º ANO

LISTA DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 1º SEMESTRE 3º ANO Maceió - Alagoas FÍSICA TIO BUBA LISTA DE RECUPERAÇÃO DE FÍSICA 1º SEMESTRE 3º ANO Professor(a): JOÃO CARLO ( BUBA) 01) O campo elétrico gerado em P, por uma carga puntiforme positiva de valor +Q a uma

Leia mais

Princípios de Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti

Princípios de Circuitos Elétricos. Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Princípios de Circuitos Elétricos Prof. Me. Luciane Agnoletti dos Santos Pedotti Resistência, Indutância e Capacitância Resistor: permite variações bruscas de corrente e tensão Dissipa energia Capacitor:

Leia mais

216 Demonstração da Lei de Ampère

216 Demonstração da Lei de Ampère 1 Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Hermes Urébe Guimarães Tópicos Relacionados Campos magnéticos uniformes, indução magnética, força de Lorentz, portadores de carga,

Leia mais

FÍSICA EXPERIMENTAL III

FÍSICA EXPERIMENTAL III FÍSICA EXPERIMENTAL III EXPERIÊNCIA 4 DIODOS 1. OBJETIVOS 1.1. Objetivo Geral Familiarizar os acadêmicos com diodos semicondutores. 1.2. Objetivos Específicos a) Apresentar aos acadêmicos circuitos elétricos

Leia mais

Roteiro do Experimento Radiação de Corpo Negro

Roteiro do Experimento Radiação de Corpo Negro CN Página 1 de 7 INSTRUÇÕES GERAIS: Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho Departamento de Física Laboratório de Física Moderna Roteiro do Experimento Radiação de Corpo Negro 1. Confira

Leia mais

defi departamento de física

defi departamento de física defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Estudo das leis da reflexão e da refracção Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino

Leia mais

Capacitância. Q e V são proporcionais em capacitor. A constante de proporcionalidade é denominada capacitância.

Capacitância. Q e V são proporcionais em capacitor. A constante de proporcionalidade é denominada capacitância. apacitância Dois condutores (chamados de armaduras) carregados formam um capacitor ue, uando carregado, faz com ue os condutores tenham cargas iguais em módulo e sinais contrários. Q e V são proporcionais

Leia mais

Departamento de Física e Química Laboratório de Física Experimental ll Velocidade do Som em Metais

Departamento de Física e Química Laboratório de Física Experimental ll Velocidade do Som em Metais Departamento de Física e Química Laboratório de Física Experimental ll Velocidade do Som em Metais 1. Introdução A propagação das ondas mecânicas através de um meio material se dá pela transmissão das

Leia mais

Química Geral Experimental - Aula 5

Química Geral Experimental - Aula 5 Química Geral Experimental - Aula 5 Título da Prática: Construção e calibração do densímetro. Objetivos: Construir e utilizar um densímetro de baixo custo; Determinar a densidade de líquidos puros e soluções;

Leia mais

CONDENSADOR PLANO. Manuela Assis Mª João Carvalhal. Aceite para publicação em 24 de Novembro de 2011.

CONDENSADOR PLANO. Manuela Assis Mª João Carvalhal. Aceite para publicação em 24 de Novembro de 2011. CONDENSADOR PLANO Manuela Assis Mª João Carvalhal Aceite para publicação em 24 de Novembro de 2011. Física, 12º ano Manuela Assis e Mª João Carvalhal 7 de setembro de 2011 CONDENSADOR PLANO Objetivos Enquadramento

Leia mais

Prática II INSTRUMENTOS DE MEDIDA

Prática II INSTRUMENTOS DE MEDIDA Prática II INSTRUMENTOS DE MEDIDA OBJETIVOS Medidas de massa e comprimentos (diâmetros, espessuras, profundidades, etc.) utilizando balança, paquímetro e micrômetro; Estimativa de erro nas medidas, propagação

Leia mais

Lab.04 Osciloscópio e Gerador de Funções

Lab.04 Osciloscópio e Gerador de Funções Lab.04 Osciloscópio e Gerador de Funções OBJETIVOS Capacitar o aluno a utilizar o osciloscópio e o gerador de funções; Usar o osciloscópio para observar e medir formas de onda de tensão e de corrente.

Leia mais

INDUÇÃO MAGNÉTICA (2)

INDUÇÃO MAGNÉTICA (2) INDUÇÃO MAGNÉTICA Material Utilizado: - uma bobina de campo (l = 750 mm, n = 485 espiras / mm) (PHYWE 11006.00) - um conjunto de bobinas de indução com número de espiras N e diâmetro D diversos (N = 300

Leia mais

MEDIDAS DE RESISTÊNCIAS COM A PONTE DE WHEATSTONE

MEDIDAS DE RESISTÊNCIAS COM A PONTE DE WHEATSTONE EXPEIÊNCIA 03 MEDIDAS DE ESISTÊNCIAS COM A PONTE DE WHEATSTONE 1. OBJETIVOS a) Medir as resistências de resistores e de associações de resistores. b) Estabelecer experimentalmente a relação entre a resistência

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO setembro de 2015 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento 1. INTRODUÇÃO Este multímetro tem uma alta sensibilidade

Leia mais

Apostila de Física 36 Capacitores

Apostila de Física 36 Capacitores Apostila de Física 36 Capacitores 1.0 Definições Na presença de um condutor neutro, um condutor eletrizado pode armazenar mais cargas elétricas com o mesmo potencial elétrico. Capacitor ou condensador

Leia mais

Linearidade e o Princípio da Superposição; Equivalente Thevenin e a Máxima Transferência de Potência

Linearidade e o Princípio da Superposição; Equivalente Thevenin e a Máxima Transferência de Potência NotasdeAula LabCircuitos1 2011/8/11 13:46 page 17 #25 LINEARIDADE E O PRINCÍPIO DA SUPERPOSIÇÃO; EQUIVALENTE THEVENIN E A MÁXIMA TRANSFERÊNCIA DE POTÊNCIA 17 Linearidade e o Princípio da Superposição;

Leia mais

2.2 Segunda Lei de Newton

2.2 Segunda Lei de Newton 50 CAPÍTULO 2. SÉRIE A 2.2 Segunda Lei de Newton 2.2.1 Material Necessário 01 trilho de ar 120 cm com polia no fim do curso; 01 carrinho para trilho de ar; 01 pino para carrinho para interrupção de sensor;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO 22 4.2 Experimento 2: Resistência e Resistores, Voltagem, Corrente e Lei de Ohm 4.2.1 Objetivos Fundamentar os conceitos de resistência e resistor. Conhecer o código de cores, utilizado para especificar

Leia mais

Figura 1. Duas partículas de diferentes massas perfeitamente apoiadas pelo bastão = (1)

Figura 1. Duas partículas de diferentes massas perfeitamente apoiadas pelo bastão = (1) PRÁTICA 13: CENTRO DE MASSA Centro de massa (ou centro de gravidade) de um objeto pode ser definido como o ponto em que ele pode ser equilibrado horizontalmente. Seu significado físico tem muita utilidade

Leia mais

MULTITESTE. Objetivo. Conhecer o funcionamento do multiteste (multímetro) básico. 8.1 Introdução

MULTITESTE. Objetivo. Conhecer o funcionamento do multiteste (multímetro) básico. 8.1 Introdução 8aula Multiteste 43 8aula MULTITESTE Objetivo Conhecer o funcionamento do multiteste (multímetro) básico. 8.1 Introdução O Multímetro básico permite fazer medidas de resistência elétrica, diferença de

Leia mais

Letras em Negrito representam vetores e as letras i, j, k são vetores unitários.

Letras em Negrito representam vetores e as letras i, j, k são vetores unitários. Lista de exercício 3 - Fluxo elétrico e Lei de Gauss Letras em Negrito representam vetores e as letras i, j, k são vetores unitários. 1. A superfície quadrada da Figura tem 3,2 mm de lado e está imersa

Leia mais

Física Experimental II

Física Experimental II Universidade Federal Fluminense - PUVR Física Experimental II Experiência: Campo Magnético da Terra 1 Objetivos 1. Estudar conceitos básicos do campo magnético produzido por uma bobina. 2. Calcular a componente

Leia mais

CAMPO MAGNÉTICO EM CONDUTORES

CAMPO MAGNÉTICO EM CONDUTORES CAMPO MAGNÉTICO EM CONDUTORES Introdução A existência do magnetismo foi observada há cerca de 2500 anos quando certo tipo de pedra (magnetita) atraía fragmentos de ferro, que são conhecidos como ímãs permanentes.

Leia mais

Eletrostática: Capacitância e Dielétricos

Eletrostática: Capacitância e Dielétricos Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Santa Catarina Campus São José Área de Telecomunicações ELM20704 Eletromagnetismo Professor: Bruno Fontana da Silva 2014-2 Eletrostática:

Leia mais

Noções Básicas de Física Arquitectura Paisagística PRINCÍPIO DE ARQUIMEDES (1)

Noções Básicas de Física Arquitectura Paisagística PRINCÍPIO DE ARQUIMEDES (1) INTRODUÇÃO Força de impulsão PRINCÍPIO DE ARQUIMEDES O desenho da Figura 1a mostra um corpo de densidade ρ, submerso num líquido de densidade ρ líquido. As setas representam as forças que actuam nas diferentes

Leia mais

Quarta Lista - Capacitores e Dielétricos

Quarta Lista - Capacitores e Dielétricos Quarta Lista - Capacitores e Dielétricos FGE211 - Física III Sumário Um capacitor é um dispositivo que armazena carga elétrica e, consequentemente, energia potencial eletrostática. A capacitância C de

Leia mais

estudos 3º trimestre. Matemática-Física-Química Orientação de estudos

estudos 3º trimestre. Matemática-Física-Química Orientação de estudos estudos 3º trimestre. Roteiro de Matemática-Física-Química O roteiro foi montado especialmente para reforçar os conceitos dados em aula. Com os exercícios você deve fixar os seus conhecimentos e encontrar

Leia mais

Guia de Aulas Práticas de Eletrônica Analógica e Digital AULA PRÁTICA 05 CIRCUITOS A DIODOS. 1. OBJETIVOS: Estudar diversas aplicações para os diodos

Guia de Aulas Práticas de Eletrônica Analógica e Digital AULA PRÁTICA 05 CIRCUITOS A DIODOS. 1. OBJETIVOS: Estudar diversas aplicações para os diodos AULA PRÁTICA 05 CIRCUITOS A DIODOS 1. OBJETIVOS: Estudar diversas aplicações para os diodos 2. PRÉ-REQUISITOS: Capítulo 2 do livro texto. 3. RESUMO TEÓRICO: O diodo, apesar de ser o dispositivo semicondutor

Leia mais

Aterramento e fornecimento de força. Aterramento na estrutura do chassi IMPORTANTE!

Aterramento e fornecimento de força. Aterramento na estrutura do chassi IMPORTANTE! Efetue todo o aterramento da carroceria na estrutura do chassi na longarina esquerda. O aterramento na longarina direita fará com que ocorra perda de tensão pois o polo negativo da bateria está conectado

Leia mais

GrandezasElétricase Principais Dispositivos

GrandezasElétricase Principais Dispositivos GrandezasElétricase Principais Dispositivos Vasos comunicantes podem ser uma analogia. Site Condutores, Isolantes e Semicondutores Lei de Ohm Resistor Resistor Um resistor é um componente que fornece

Leia mais

Determinação experimental de

Determinação experimental de Determinação experimental de 1. Introdução Neste experimento, utilizaremos um paquímetro, uma régua e uma fita métrica para fazer medidas de dimensões. Com estas medidas, será possível estimar experimentalmente

Leia mais

ROTEIRO PARA PROVA DE TÉCNICO DE LABORATÓRIO DE FÍSICA

ROTEIRO PARA PROVA DE TÉCNICO DE LABORATÓRIO DE FÍSICA Atividade 1: (máximo de 100 pontos) A) Montagem do Equipamento (20 pontos): nessa etapa será avaliado a montagem do kit experimental de acordo com os procedimentos experimentais abaixo; B) Execução do

Leia mais

Fundamentos do Eletromagnetismo - Aula IX

Fundamentos do Eletromagnetismo - Aula IX Fundamentos do Eletromagnetismo - Aula IX Prof. Dr. Vicente Barros Conteúdo 11 - Energia eletrostática e capacitância. Conteúdo 12- Capacitores. Antes uma revisão Existe o famoso triângulo das equações

Leia mais

CEUNSP -Laboratório de Física 1 - Mecânica Experiência 1: Mesa de Força 1 Dr. Cláudio S. Sartori

CEUNSP -Laboratório de Física 1 - Mecânica Experiência 1: Mesa de Força 1 Dr. Cláudio S. Sartori CEUNSP -Laboratório de Física - Mecânica Experiência : Mesa de Força LABORATÓRIO DE FÍSICA I: Experiência : MESA DE FORÇA tripés (5). alinhador para dinamômetro (6). perfil universal com fixador (7). 6

Leia mais

Disciplina: Metrologia Sistema de Medição Micrômetro

Disciplina: Metrologia Sistema de Medição Micrômetro Disciplina: Metrologia Sistema de Medição Micrômetro Profª: Janaina Fracaro de Souza Gonçalves Micrômetro Micrômetro: tipos e usos Jean Louis Palmer apresentou, pela primeira vez, um micrômetro para requerer

Leia mais

Teo. 9 - Capacitância

Teo. 9 - Capacitância Teo. 9 - apacitância 9. Introdução Uma das importantes aplicações da Eletrostática é a possibilidade de construir dispositivos que permitem o armazenamento de cargas elétricas. Esses dispositivos são chamados

Leia mais

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO

MANUAL DO CONSUMIDOR VENTILADOR DE TETO VENTILADOR DE TETO MODELO: Obrigado por adquirir o. Antes de utilizar o seu produto leia atentamente este manual de instruções. Após a leitura guarde-o em local seguro para consultas futuras. Este aparelho

Leia mais

Manual de Instruções. Máquina de Costura Galoneira Industrial SM-500-5Z SM-500-Z SM-500 W500

Manual de Instruções. Máquina de Costura Galoneira Industrial SM-500-5Z SM-500-Z SM-500 W500 Manual de Instruções Máquina de Costura Galoneira Industrial Máquina de Costura Galoneira Industrial SM-500-5Z SM-500-Z SM-500 W500 1 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. A. LUBRIFICAÇÃO COM ÓLEO. B. LUBRIFICAÇÃO COM

Leia mais

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 5: Divisores de tensão. Alunos: 2-3-

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 5: Divisores de tensão. Alunos: 2-3- Campus SERRA COORDENADORIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Disciplinas: Circuitos em Corrente Contínua Turma: AN1 Professor: Vinícius Secchin de Melo Roteiro para experiências de laboratório AULA 5: Divisores

Leia mais

Atividade experimental: Movimento uniforme de uma bolha de ar

Atividade experimental: Movimento uniforme de uma bolha de ar Atividade experimental: Movimento uniforme de uma bolha de ar É muito difícil observar um movimento puramente uniforme em uma situação cotidiana, como no deslocamento de um veículo, ou mesmo no deslocamento

Leia mais

Experiência 05: TRANSITÓRIO DE SISTEMAS RC

Experiência 05: TRANSITÓRIO DE SISTEMAS RC ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

Análise da composição de capacitores comerciais

Análise da composição de capacitores comerciais Roteiro Experimental n 3 COMPONENTES DA EQUIPE: NOTA: Data: / / 1. OBJETIVOS: Conhecer diversos tipos de capacitores comerciais; Analisar a influência dos materiais na fabricação de capacitores; Comparar

Leia mais

Física Experimental II (2014.1)

Física Experimental II (2014.1) Física Experimental II (2014.1) Calendário 19/02 Tratamento de dados experimentais 26/02 NÃO HAVERÁ AULA 05/30 Recesso de Carnaval 12/03 Experimento 01 Instrumentos de Medida 19/03 Experimento 02 Elementos

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo EXPERIMENTO 12

Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo EXPERIMENTO 12 Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo Roteiro para prática experimental EXPERIMENTO 12 Princípio de Conservação do Momento Linear e Colisões Disciplina: Física Experimental GRUPO DE TRABALHO:

Leia mais

SOLUÇÃO ANALÍTICA E NUMÉRICA DA EQUAÇÃO DE LAPLACE

SOLUÇÃO ANALÍTICA E NUMÉRICA DA EQUAÇÃO DE LAPLACE 15 16 SOLUÇÃO ANALÍTICA E NUMÉRICA DA EQUAÇÃO DE LAPLACE 3. Todos os dispositivos elétricos funcionam baseados na ação de campos elétricos, produzidos por cargas elétricas, e campos magnéticos, produzidos

Leia mais

TRABALHO 1 Leis de Kirchhoff, Equivalente de Thévenin e Princípio de Sobreposição

TRABALHO 1 Leis de Kirchhoff, Equivalente de Thévenin e Princípio de Sobreposição GUIA DE LABORATÓRIO Análise de Circuitos - LEE TRABALHO 1 Leis de Kirchhoff, Equivalente de Thévenin e Princípio de Sobreposição INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo EXPERIMENTO 3

Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo EXPERIMENTO 3 Faculdade de Tecnologia de Mogi Mirim Arthur de Azevedo Roteiro para prática experimental: EXPERIMENTO 3 Determinação da aceleração da gravidade local utilizando o plano inclinado por fuso Disciplina:

Leia mais

FÍSICA EXPERIMENTAL 3001

FÍSICA EXPERIMENTAL 3001 FÍSICA EXPERIMENTAL 300 EXPERIÊNCIA 7 CALIRAÇÃO DE UM TERMISTOR. OJETIVOS.. Objetivo Geral Familiarizar os acadêmicos com o dispositivo conhecido como termistor (termômetro que usa medidas de resistência

Leia mais

Experimento 4. Resistência interna

Experimento 4. Resistência interna Experimento 4 Resistência interna Objetivos a - Determinar a resistência interna de uma fonte de tensão. b - Obter a curva característica para a fonte de tensão. c - Determinar a resistência da carga para

Leia mais

PRINCÍPIO DE ARQUIMEDES

PRINCÍPIO DE ARQUIMEDES NTRODUÇÃO Força de impulsão RNCÍO DE ARQUMEDES O desenho da Figura 1a mostra um corpo de densidade ρ, submerso num de densidade ρ. As setas representam as forças que actuam nas diferentes partes do corpo;

Leia mais

O CAPACITOR. -q E = V

O CAPACITOR. -q E = V MINISTÉRIO D EDUÇÃO SERETRI DE EDUÇÃO PROFISSIONL E TENOLÓGI INSTITUTO FEDERL DE EDUÇÃO, IÊNI E TENOLOGI DE SNT TRIN MPUS DE SÃO JOSÉ URSO TÉNIO INTEGRDO EM TELEOMUNIÇÕES Disciplina: nálise de ircuitos

Leia mais

( 1) FIS Projeto de Apoio Eletromagnetismo. 5ª Lista de Problemas Tema: Capacitores. Ceq. = k. ΔV é igual para os dois capacitores e sendo.

( 1) FIS Projeto de Apoio Eletromagnetismo. 5ª Lista de Problemas Tema: Capacitores. Ceq. = k. ΔV é igual para os dois capacitores e sendo. FIS1053 - Projeto de Apoio Eletromagnetismo 5ª Lista de Problemas Tema: Capacitores 1ª Questão: Dois capacitores, de capacitância C1=4μF e C=1 μf, estão ligados em série a uma bateria de 1 V. Os capacitores

Leia mais

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Ricardo Cassiano Fagundes

Grupo: Ederson Luis Posselt Geovane Griesang Ricardo Cassiano Fagundes Curso: Ciências da computação Disciplina: Física aplicada a computação Professor: Benhur Borges Rodrigues Relatório experimental 02: Medida de tensão contínua e medida de tensão alternada; Grupo: Ederson

Leia mais

Removendo a tampa de acesso à placa do sistema

Removendo a tampa de acesso à placa do sistema As opções de memória e de interfaces previamente instaladas podem ser facilmente removidas usando o procedimento exposto nas páginas seguintes. 1 Desligue a impressora. 1 2 Desconecte o cabo de alimentação.

Leia mais

PASSO 2 PASSO 1 PASSO 4 PASSO 3. Guia de. Vitrine Padrão. // A vitrine possui

PASSO 2 PASSO 1 PASSO 4 PASSO 3. Guia de. Vitrine Padrão. // A vitrine possui Guia de Montagem Vitrine Padrão PASSO 1 PASSO 2 A Lilica Ripilica e Tigor T. Tigre fecharam uma parceria com a Revista Vogue. Será lançada uma edição especial encartada na Vogue Kids de abril. Por esta

Leia mais

CAPITULO 1 0 CAPACITORES Campo Elétrico:

CAPITULO 1 0 CAPACITORES Campo Elétrico: CAPITULO 10 CAPACITORES O capacitor, assim como o indutor, são componentes que exibem seu comportamento característico quando ocorrem variações de tensão ou corrente no circuito em que se encontram. Alem

Leia mais

4ª LISTA DE EXERCÍCIOS POTENCIAL ELÉTRICO

4ª LISTA DE EXERCÍCIOS POTENCIAL ELÉTRICO 4ª LISTA DE EXERCÍCIOS POTENCIAL ELÉTRICO 1. As condições típicas relativas a um relâmpago são aproximadamente as seguintes: (a) Diferença de potencial entre os pontos de descarga igual a 10 9 V; (b) Carga

Leia mais

Roteiro 25 Interferência sonora e batimento sonoro

Roteiro 25 Interferência sonora e batimento sonoro Roteiro 25 Interferência sonora e batimento sonoro 1 INTRODUÇÃO A interferência sonora consiste em um recebimento de duas ou mais ondas de fontes diferentes. Neste caso, teremos uma região do espaço na

Leia mais

3.2 Hidrostática Material Necessário Objetivo Procedimentos Primeira Procedimento. 01 Balança. 01 barbante.

3.2 Hidrostática Material Necessário Objetivo Procedimentos Primeira Procedimento. 01 Balança. 01 barbante. 3.2. HIDROSTÁTICA 63 3.2 Hidrostática 3.2.1 Material Necessário 01 Balança. 01 barbante. 01 Régua milimetrada. 01 Dinamômetro. 02 Proveta de 250 ml. 01 Densímetro. 01 Tripé. 01 Haste de sustentação. 01

Leia mais

Roteiro-Relatório da Experiência N o 04 TEOREMAS DE THÉVENIN E NORTON

Roteiro-Relatório da Experiência N o 04 TEOREMAS DE THÉVENIN E NORTON Roteiro-Relatório da Experiência o 04 TEOREMS DE ÉVEI E ORTO 1. COMPOETES D EQUIPE: LUOS OT 1 2 3 Data: / / : hs 2. OJETIVOS: 2.1. Determinar experimentalmente os circuitos equivalentes de Thévenin e orton

Leia mais

Manual Montagem FMRX1

Manual Montagem FMRX1 1 PY2MG Manual Montagem FMRX1 Receptor Superheteródino FM 1,5 a 110MHz 2 PY2MG Siga as instruções passo a passo para ter sucesso na montagem. Não tenha pressa e ao colocar os componentes, seja cuidadoso.

Leia mais

Sistema de monitorização da pressão dos pneus (TPMS)

Sistema de monitorização da pressão dos pneus (TPMS) Instrução n.º Versão Peça N.º 31330604 1.7 31414189, 31201481 Sistema de monitorização da pressão dos pneus (TPMS) Página 1 / 9 Ferramentas especiais T9513035 Ferramenta TPMS Número de ferramenta: T9513035

Leia mais