TECNOLOGIAS SOCIAIS: experiência do Grupo Inter-Ação para desenvolvimento de tecnologias sociais em comunidades ribeirinhas na Amazônia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TECNOLOGIAS SOCIAIS: experiência do Grupo Inter-Ação para desenvolvimento de tecnologias sociais em comunidades ribeirinhas na Amazônia"

Transcrição

1 TECNOLOGIAS SOCIAIS: experiência do Grupo Inter-Ação para desenvolvimento de tecnologias sociais em comunidades ribeirinhas na Amazônia Maria do Perpétuo Socorro Rodrigues Chaves 1 Talita de Melo Lira 2 Mayara Pereira da Silva 3 Rosa Maria da Silva Nunes 4 Jéssica da Silva Barreto 5 Vânia Lima Medeiros 6 RESUMO Este artigo apresenta a experiência do Grupo Interdisciplinar de Estudos Socioambientais e de Desenvolvimento de Tecnologias Sociais na Amazônia Grupo Inter-Ação, vinculado ao Parque Científico e Tecnológico para Inclusão Social (PCTIS), por meio do Projeto: Desenvolvimento de Tecnologias Apropriadas em Associação com Tecnologias Sociais para Acesso a Bens e Serviços em Comunidades Ribeirinhas na Amazônia, financiado pelo CNPq, implementado em 03 comunidades ribeirinhas do município de Maués/AM. O projeto promove o desenvolvimento de um conjunto de técnicas de pesquisa para produção de tecnologias sociais, entendidas como processos sociais e organizacionais. Para realização deste projeto foi adotado uma modalidade particular de pesquisa participante, Metodologia Inter-Ação. Esta metodologia consiste na valorização dos saberes dos agentes sociais a partir do processo de reflexão crítica acerca das questões socioambientais que atingem cotidianamente as comunidades ribeirinhas considerando os comunitários como agentes sociais protagonistas. Dentre os resultados obtidos, destaca-se: a implantação de tecnologias apropriadas de purificação de água para diminuição do índice de doenças causadas pela água contaminada; produção de mel por meio de técnicas de meliponicultura; melhoria da qualidade da produção de guaraná orgânico, de plantas medicinais e de artesanato nas comunidades ribeirinhas; elaboração de 01 Plano de Desenvolvimento Sustentável Agroecológico Local e fortalecimento da organização comunitária. Parte-se do pressuposto que o desenvolvimento sustentável na Amazônia deve, pois, gerar qualidade de vida e conquista de cidadania, propiciar a gestão e o manejo dos recursos da sociobiodiversidade regional, com o protagonismo das comunidades tradicionais. PALAVRAS-CHAVE: Comunidades ribeirinhas; Tecnologias Sociais; Manejo dos recursos naturais. 1 Pró-reitora de Inovação Tecnológica da UFAM, Docente do Departamento de Serviço Social, Assistente Social, Mestre em Sociologia Rural, Doutora em Política Cientifica e Tecnológica/UNICAMP/CIRED; Bolsista Produtividade CNPq, Lider do Grupo Interdisciplinar de Estudos Sócio-Ambientais e de Desenvolvimento de Tecnologias Apropriadas na Amazônia (Grupo Inter-Ação). Telefones (92) ; celular (92) ; 2 Docente do Departamento de Serviço Social, Assistente Social, Mestre em Serviço Social e Sustentabilidade na Amazônia, Vice-líder do Grupo Interdisciplinar de Estudos Sócio-Ambientais e de Desenvolvimento de Tecnologias Apropriadas na Amazônia (Grupo Inter-Ação). Telefones (92) ; celular (92) ; 3 Assistente Social; Mestranda do Programa Sociedade e Cultura na Amazônia (PPGSCA/UFAM) e Pesquisadora do Grupo Interdisciplinar de Estudos Sócio-Ambientais e de Desenvolvimento de Tecnologias Apropriadas na Amazônia (Grupo Inter-Ação). Telefone: (92) Assistente Social e Pesquisadora do Grupo Interdisciplinar de Estudos Sócio-Ambientais e de Desenvolvimento de Tecnologias Apropriadas na Amazônia (Grupo Inter-Ação). Telefone: (92) Acadêmica de Serviço Social/UFAM; Pesquisadora de Iniciação Científica do Grupo Interdisciplinar de Estudos Sócio-Ambientais e de Desenvolvimento de Tecnologias Apropriadas na Amazônia (Grupo Inter-Ação). Telefone: (92) E- mail: 6 Acadêmica de Serviço Social/UNINORTE; Pesquisadora de Iniciação Científica do Grupo Interdisciplinar de Estudos Sócio-Ambientais e de Desenvolvimento de Tecnologias Apropriadas na Amazônia (Grupo Inter-Ação). Telefone: (92)

2 INTRODUÇÃO A contemporaneidade em seu fluxo dinâmico apresenta-nos um conjunto muito extenso de desafios que trazem consigo a necessidade de serem interpretados para que possam ser enfrentados de maneira eficaz e coerente, por meio da construção de aportes teóricos que permitam refletir de maneira consistente e coerente sobre seus limites. Nasce desta dinâmica a necessidade de enfrentar as inquietações emergentes, que ganham centralidade na representação dos sujeitos sociais e caem no gosto dos debates contemporâneos, fazendo despontar debates e discussões que denotam questões fundamentais no plano societal e/ou local. No entanto, os juízes que procedem à seleção do objeto, precisam possuir duas ordens de filiação uma acadêmica e outra como protagonistas que atuam no território e na história a ser posta em pauta num estudo. A seleção do objeto aqui tratado, o modelo de abordagem, bem como a destinação de seus resultados foram definidos previamente por agentes que possuem as duas ordens de filiações descritas: pesquisadores e comunitários das áreas estudadas. Assim, a abordagem sobre a moldagem de Tecnologias Sociais a partir do desenvolvimento de Tecnologias Apropriadas para acesso a Bens e Serviços Sociais em comunidades ribeirinhas na Amazônia foi tomada não apenas para focalizar e/ou direcionar para a tratativa da tecnologia em si, mas de desvendar a natureza política na sua concepção e na sua instituição sob o prisma das políticas públicas, na condição de direito de cidadania. Deste modo, por crer na relevância do tema e vislumbrando a possibilidade de contribuir para a instauração de um colóquio democrático, o estudo passa a ser visto como a oportunidade de adentrar o campo de debates com o compromisso de ampliar as reflexões necessárias, na medida do possível e dos limites de nossas capacidades. Para tal parte-se de uma abordagem crítica sobre a natureza das tecnologias, por entender que na cena da sociedade erigida sobre as bases do modo de produção capitalista, estas são moldadas segundo interesses econômicos subjugando as necessidades sociais, deixando um legado de exclusão e de depredação no âmbito da questão socioambiental. No contexto amazônico, ao se analisar as Políticas Públicas direcionadas à região, nota-se que são determinadas a partir de lógicas opostas aos interesses e demandas das populações que vivem nessas localidades. Chaves (2001) destaca que as políticas implementadas na Amazônia se deram sob o enfoque do desenvolvimento econômico sem considerar de forma efetiva o desenvolvimento local, as formas de organização social e a vida cultural de suas populações. Esta situação agrava-se ao se focar a ausência ou a precariedade das políticas públicas voltadas para esse segmento da população, tais como educação, saúde e saneamento básico.

3 Diante da complexidade da problemática socioambiental, evidencia-se o caráter insustentável do atual modelo de desenvolvimento econômico regional. No âmbito das questões sociais expressas no cenário regional e local, as dificuldades de acesso a bens e serviços sociais como energia elétrica e água tratada geram sérios riscos à saúde das populações locais. O esforço empreendido pelas instituições e comunidade envolve a busca para montagem de arranjos produtivos locais como forma de enfrentamento das condições de empobrecimento, na otimização do manejo dos recursos locais que visam à redução das perdas na produção. Assim, o processo de construção de uma proposta de ação baseada nos princípios das tecnologias sociais, integrando os conhecimentos técnico-científicos aos saberes tradicionais, apresenta-se como uma metodologia inovadora não apenas de soluções de problemas, mormente aqueles decorrentes das demandas históricas e atuais, devido sua operacionalidade, grau de inserção dos agentes sociais, custo operacional relativamente baixo e impacto social claramente perceptível. Todavia, busca-se potencializar as capacidades e habilidades dos agentes sociais envolvidos, criando um leque de possibilidades de identificar oportunidade para o estabelecimento de Arranjos Produtivos Locais (APL) com empreendimentos solidários. Deste modo, entende-se o tema como relevante, uma vez que se vislumbra a possibilidade de contribuir para a instauração de uma cidadania participativa, o estudo passa a ser visto como a oportunidade de adentrar o campo de debates com o compromisso de ampliar as reflexões necessárias. Para tal, parte-se de uma abordagem crítica sobre a natureza das tecnologias, por entender que na cena da sociedade sobre os moldes da produção capitalista, estas são manifestas segundo interesses econômicos subjugando as necessidades sociais, deixando um legado de exclusão e de destruição no âmbito da questão socioambiental. Mediante a crítica apresentada, parte-se da busca por desvendar o papel das tecnologias sociais que derivam das diversas modalidades de organização sociopolítica na realidade contemporânea na Amazônia. Toma-se como referência, que a diversidade de formas de organização sociocultural das populações amazônicas, as mesmas derivam da relação que estabelecem entre si e com a natureza. O significado desta relação do homem com a natureza, sob os marcos culturais, incide na constituição de tecnologias sociais importantes para a continuidade das formas singulares de produção existente. Na Amazônia o modelo utilizado para elaboração e implementação das Políticas Públicas direcionadas à região, são em sua gênese determinados a partir de lógicas opostas aos interesses e demandas das populações locais, com base no interesse de desenvolver e integrar a região aos demais centros dinâmicos do país e à economia internacional, sem antes refletir sobre as reais consequências dessa atitude a nível global.

4 1. Tecnologia Social: desvelando conceitos Ao adentrar na discussão sobre as tecnologias sociais, faz-se necessários explicitar o entendimento sobre o significado de tecnologia. O século XIX, período da Revolução Industrial, produziu o fenômeno de tecnificação do homem, isto é, processo em que artesãos acostumados com o trabalho manual foram transformados em trabalhadores nas manufaturas e com o processo de operação das máquinas introduzidas para acelerar o processo produtivo. Segundo Coelho (2011), o trabalhador que antes conhecia todo o processo produtivo, desde a extração da matéria prima até o produto final, passou a conhecer apenas uma pequena parte do processo, o aparecimento das primeiras máquinas ocorre a partir desse marco histórico, que propiciou a analogia da tecnologia com a máquina, perpetuando tal perspectiva (COELHO, 2011, p.20). É possível compreender que a tecnologia alterou significativamente as bases do processo produtivo durante todo o seu processo histórico. Contudo, segundo Coelho (2011) a tecnologia é sempre um resultado do processo de criação do próprio homem e que na sociedade, em uma perspectiva mais ampla, pode gerar impactos sociais positivos e/ou negativos. Segundo Dagnino et al (2004), a relação que a sociedade apresenta com a tecnologia está permeada pela origem do poder tecnocrático que no sistema capitalista funda uma nova organização social, na qual o desenvolvimento tecnológico favorece apenas a uma pequena parcela da população, assim a tecnologia passa a ser entendida como móvel de luta social. Neste sentido, entende-se a necessidade de desvelar os diversos conceitos e compreensões sobre tecnologia para posteriormente explicitar qual a concepção de tecnologia social. Para isso Coelho (2011) apresenta quatro perspectivas para entender tecnologia, quais sejam: o Instrumentalismo, o Determinismo, o Substantivismo e, por fim, a Teoria Crítica. Na perspectiva do Instrumentalismo, a tecnologia passa a ser apreendida como sendo neutra e descontextualizada da realidade na qual está inserida, ou seja, é neutra de valores, podendo ser utilizada indistintamente para operar sob qualquer perspectiva de valor (DAGNINO apud COELHO, 2011, p. 20). Segundo Coelho (2011), no Determinismo, a tecnologia assume características de autonomia e neutralidade. Neutra de valores e autônoma para ser utilizada para fins diversos, por exemplo, uma tecnologia apropriada pelo sistema capitalista de produção também pode ser utilizada em outro modelo de desenvolvimento, contudo há autores (VARGAS, 1983, FIGUEIREDO, 1989) que discordam dessa perspectiva que concerne neutralidade da tecnologia, pois defendem que a mesma

5 tecnologia criada para a absorção do lucro no capitalismo não poderia ser transferida, para ser utilizada no socialismo ou em nova ordem social, pois esta já está permeada de valores (COELHO, 2011, p. 21). Já para o Substantivismo, Coelho (2011) explica que a tecnologia possui autonomia e é portadora de valores, dos quais não podem ser alterados em sociedades diferentes. Segundo a autora está perspectiva não considera as possibilidades e os avanços que a tecnologia trouxe para a sociedade, do contrário leva em consideração apenas o viés negativo. Por fim, a perspectiva da Teoria Crítica, segundo Coelho (2011) parte do entendimento de que há um controle humano sob a tecnologia. Esta é percebida como condicionada a valores e interesses inerentes à ação humana, portanto controlada humanamente, (p.22) de forma que ocorre tanto no momento de sua construção Construção Sociotécnica como na possibilidade de uma adequação a valores e interesses distintos dos originais. De acordo com Barbalho (2009, p ), a tecnologia pode ser tipificada ou subdividida de modo mais específico: Tecnologia Aplicada: é um tipo de tecnologia cuja utilização visa à produção de novos conhecimentos, partindo de um objetivo previamente determinado e em uma área especifica; Tecnologia Emergente: está associada à produção de novos produtos ou serviços, os quais se encontram em fase de teste e com previsão de lançamento no mercado consumidor; Tecnologia de Chave: é a tecnologia que contribui para as ações de uma empresa. Caracteriza-se por possui um elemento diferenciador, o qual contribui para a competitividade e a atratividade da empresa, sendo facilmente aceita no mercado consumidor; Tecnologia de Base: é a tecnologia chave que passou por um processo de envelhecimento, sendo necessária, mas não como condição suficiente para assegurar a vida da empresa justamente por estar disponível no mercado e em várias empresas do mesmo setor; Tecnologia Auxiliar: diz respeito a um tipo especifico de tecnologia que a empresa utiliza para auxiliar em sua produção, por isso seu uso é necessário, porém dispensável para a manutenção das atividades empresariais; Tecnologia do Futuro: são tecnologias que estão em processo de vir a apresentar um salto tecnológico em um futuro próximo devido ao seu potencial de fazer parte da vida cotidiana das pessoas em futuro próximo;

6 Tecnologia Social: são caracterizadas como produtos, técnicas ou metodologias com possibilidade de reaplicação em contextos distintos dos originais, desenvolvidos a partir da participação e envolvimento da comunidade com potencial de transformação social. Assim, com base nos autores estudados, depreende-se que tecnologia pode ser entendida de acordo com o seu emprego, finalidade ou pelo contexto no qual esta inserida, é importante destacar que esta pesquisa não se ocupa em explicar a cada uma delas, mas apenas ao último tipo de tecnologia apresentada a Tecnologia Social. 2. Tecnologia Social: processo de emergência e consolidação A discussão a respeito da Tecnologia Social (TS) está associada aos pressupostos de uma tecnologia que surge como uma alternativa sustentável e emancipatória. Porém, antes de apresentar o conceito propriamente dito de TS, faz-se necessário compreender o seu processo histórico de emergência, o qual tem sua trajetória decorrente do Movimento da Tecnologia Apropriada. Com base nos estudos de Dagnino (2004), o Movimento de Tecnologias Apropriadas (TA) surgiu na Índia no final do século XIX, onde o desenvolvimento das tecnologias tradicionais nas aldeias estava ocorrendo permeado pela consciência política de lutar contra o domínio britânico, tendo como principal líder Gandhi, pois foi ele quem se dedicou a criar programas visando: [...] à popularização da fiação manual realizada em uma roca de fiar reconhecida como o primeiro equipamento tecnologicamente apropriado, a Charkha, como forma de lutar contra a injustiça social e o sistema de castas que a perpetuava na Índia. Isso despertou a consciência política de milhões de habitantes das vilas daquele país sobre a necessidade da autodeterminação do povo e da renovação da indústria nativa hindu, o que pode ser avaliado pela significativa frase por ele cunhada: Produção pelas massas, não produção em massa (DAGNINO; BRANDÃO; NOVAES, 2004, p. 19) Segundo Dagnino et al (2004), essas primeiras ideias que foram introduzidas por Gandhi na Índia contribuíram para os estudos desenvolvidos pelo economista alemão Schumacher o qual ficou conhecido como o introdutor do conceito de TA e influenciaram a realização de algumas experiências na China, principalmente após a criação do Grupo de Desenvolvimento de Tecnologia Apropriada, em 1973, e a publicação do livro intitulado Small is beautiful: economics as if people mattered, o qual foi traduzido para mais de quinze idiomas. Deve-se a ele também a introdução do termo tecnologia intermediária, que segundo Dagnino (2004, p.20), significa uma tecnologia que em função de seu baixo custo de capital, pequena escala, simplicidade e respeito à dimensão ambiental, seria mais adequada para os países pobres.

7 Assim, o desenvolvimento dessas tecnologias, sejam elas denominadas como apropriadas, tradicionais ou intermediárias, partilham de um significado comum, isto é, são concebidas com a finalidade de superar os problemas sociais e ambientais, pois possuem uma lógica oposta às Tecnologias Convencionais (TC), que de acordo com Dagnino (2004) são tecnologias que a empresa privada desenvolve e utiliza para seu benefício próprio, sendo percebida como imprópria para a realidade dos países periféricos. Percebe-se desse modo que durante a década de 70, o Movimento das Tecnologias Apropriadas foi bastante significativo, tendo conseguido despertar uma consciência política que visava suplantar as desigualdades sociais historicamente produzidas pelo modo de produção e consumo que utiliza os meios tecnológicos de forma a dominar e alienar uma sociedade, diferente da tecnologia apropriada que possui um caráter transformador e emancipatório. Porém, durante o início da década de 80 e com o avanço do neoliberalismo, o movimento foi enfraquecido, o poder dominante obstaculizou o seu desenvolvimento e implementação, e passou a criticar e combater esse movimento (COELHO, 2011, P.45). Segundo Dagnino et al (2004), a partir dos termos de Gandhi, a produção em massa, desfavorece os países ditos pobres e com o incentivo a produção de TC esses países tendem a depender tecnologicamente dos países de economia avançada. Neste sentido, é importante retomar a discussão feita acima sobre a proposta do ecodesenvolvimento elaborada e difundida por Ignacy Sachs, em Segundo Sachs (1968, p.16), o ecodesenvolvimento implica um estilo tecnológico particular, uma vez que, na maioria dos casos, (suas características) não se podem aplicar sem o desenvolvimento de técnicas apropriadas. Depreende-se que Sachs (1968) partilha do entendimento de que os países do Terceiro Mundo não podem ser meros receptores de tecnologia, do contrário a proposta do ecodesenvolvimento, segundo a o autor, defende a necessidade de: [...] dar um voto de confiança à capacidade das sociedades humanas de identificar os seus problemas e de lhes dar soluções originais, ainda que se inspirando em experiências alheias. Reagindo contras as transferências passivas e o espírito de imitação, põe em destaque a autoconfiança (p.18). Assim, pode-se notar que as bases que sedimentaram as primeiras noções de sustentabilidade desenhadas por Sachs estão relacionadas aos princípios difundidos pelo Movimento das Tecnologias Apropriadas, enfraquecido na década de 80 pelas forças dominantes do neoliberalismo, mas que vem sendo retomadas com o advento das então denominadas Tecnologias Sociais. É oportuno enfatizar que os desdobramentos sociopolíticos da TA, segundo Coelho (2011) se configurou apenas como uma estratégia de sobrevivência, e não como um movimento contra

8 hegemônico. No entanto, trilhou caminhos para a emergência da Tecnologia Social (TS) como alternativa sustentável (p.46), que passam a preencher as lacunas deixadas pela TA. Feito estas consideração acerca do processo de surgimento das tecnologias sociais, faz-se necessário buscar definir o seu significado, discussão esta que estão sendo organizadas a partir de dois grandes órgãos representativos, o Instituto de Tecnologia Social (ITS) e a Rede de Tecnologia Social (RTS), os quais têm fortalecido o processo de consolidação das TS no Brasil. Segundo o ITS 7 no ano de 2004 foi realizado um mapeamento nacional das TSs produzidas e/ou utilizadas por ONGs e de textos já publicados sobre o assunto, realizado pelo Centro Brasileiro de Referência de Tecnologia Social (CBRTS) em parceria com o Ministério da Ciência e Tecnologia e Inovação (MCTI). O referido mapeamento serviu como subsídio para a realização de amplos e fecundos debates que resultaram na definição dos princípios e parâmetros e no conceito de TS. Assim TS são definidas como conjunto de técnicas e metodologias transformadoras, desenvolvidas e /ou aplicadas na interação com a população e apropriadas por ela, que representam soluções para a inclusão social e melhoria de condições de vida (ITS, 2004, p. 130). Em seguida a RTS 8, organização criada em 2005 e constituída por 600 instituições governamentais e não governamentais, também elaborou um conceito pra definir TS, qual seja: compreende produtos, técnicas e/ou metodologias reaplicáveis, desenvolvidas na interação com a comunidade e que representem efetivas soluções de transformação social. Assim, percebe-se que ambos dialogam no sentido de conceituar a TS levando em consideração características fundamentais como participação da população, potencial transformador e replicabilidade. Lassance Jr. e Pedreira (2004) apontam mais uma característica da TS, a flexibilidade, por entender que sua adaptação possa ser realizada em contextos socioculturais distintos. Segundo o ITS (2004), o entendimento sobre o conceito de TS não se compõe apenas por uma definição, mas também por princípios, parâmetros e implicações (p.130). Importa destacar neste estudo o significado dos princípios e parâmetros referentes à TS, os quais serão utilizados como subsídios para análise das TSs desenvolvidas na Comunidade Ribeirinha Menino Deus, locus desta pesquisa. No que diz respeito aos princípios que fundamentam o conceito de TS o Instituto de Tecnologia Social (ITS, 2004, p 26) destaca quatro princípios, quais sejam: aprendizagem e participação: entendidos como processos que caminham juntos, pois aprender implica em participação e envolvimento, assim como participar implica em aprender; transformação social que implica em 7 Cf. 8 Cf.

9 compreender a realidade de forma sistêmica, na qual diversos elementos se combinam a partir de múltiplas relações que constroem sobre a realidade; respeito às identidades locais, condição sine quo num para uma efetiva transformação social; todo individuo é capaz de gerar conhecimentos e aprender, pois partilha de um conjunto de especificidades e particularidade, isto é, de uma cultura, produz conhecimento e aprende no intercâmbio das relações. Em relação aos parâmetros, elementos fundamentais que possibilitam atribuir a elas o caráter de TS, segundo o ITS (2004, p ) existem sete principais parâmetros que possibilitam atribuir o valor de tecnologia social, são eles: Quanto à sua razão de ser: a TS pretende solucionar demandas sociais concretas, identificadas pela própria população; Em relação aos processos de tomada de decisão: as TS utilizam formas democráticas de tomadas de decisão, as quais enfatizam estratégias direcionadas para a mobilização e participação da população envolvida com um todo; Quanto ao papel da população: as TS estimulam a participação, apropriação e aprendizagem de todo o conjunto de atores sociais envolvidos em seu processo de construção; Em relação à sistemática: a TS requer uma organização no momento do planejamento e sistematização do conhecimento produzindo entre os sujeitos sociais partícipes; Em relação à construção de conhecimento: as TSs propiciam a produção de novos conhecimentos a partir do intercambio de opiniões, vivencias e experiências; Quanto à sustentabilidade: a TS sustenta três dos pilares da sustentabilidade, quais sejam: a sustentabilidade econômica, social e ambiental; Em relação à ampliação de escala: as TSs possibilitam a geração de aprendizagem mutua que reflete no intercambio de experiências, assim permite criar as condições favoráveis para aperfeiçoá-las e multiplicá-las. Assim, ao tomar por base os princípios e parâmetros destacados acima é possível compreender que as TSs assumem um caráter efetivamente transformador, pois suas características são desenvolvidas levando em consideração todo um conjunto de ações afirmativas voltadas para a valorização e respeito aos conhecimentos locais, fortalecendo a autonomia das populações envolvidas e visando à consolidação de alternativas sustentáveis que permitam empoderar esses atores sociais, além de contribuir para emancipação e inclusão social ao fazer estabelecer critérios democráticos de tomadas de decisão.

10 De acordo com a afirmação de Coelho (2011) a definição das TS indica que, o seu referencial teórico-metodológico está em fase de construção devido a sua discussão ser recente, ou seja, ainda se encontrar em fase de fundamentação praxiológica (p.47). Apesar disso, todas as definições indicam que as TSs são entendidas como processos sociais e organizacionais que resultam da valorização e potencialização dos recursos locais bem como do empoderamento do modo de vida das populações tradicionais por meio de um processo participativo e criativo que enseje a transformação e emancipação social, isto é, carrega a essência já observada na discussão sobre o Movimento das Tecnologias Apropriadas e a perspectiva do ecodesenvolvimento elaborada por Ignacy Sachs, por ser fundamentalmente associada às reais demandas e necessidades da população e apropriadas às condições naturais e sociais. Corrobora-se com Lassance Jr. e Pedreira (2004) quando afirmam que a TS pode surgir de uma ideia aparentemente simples, que representa um grande potencial de inclusão social, ao contrário das TCs que são visualizadas como grandiosas e que satisfazem as necessidades do mercado, a TS valoriza o social, tendo como pressuposto levar a inclusão social para aqueles que estão excluídos do mercado, pois: Afinal, se os padrões tecnológicos excludentes criam miséria em larga escala e ampliam problemas também milenares, como a fome e a desnutrição, a desigualdade econômica e social, tais tecnologias podem se tornar elos de uma estratégia que se utiliza de seus mais importantes pilares: o envolvimento das pessoas e a sustentabilidade das soluções. (LASSANCE JR. E PEDREIRA, 2004, p.81). Contudo, para Dagnino (2004), a consolidação da TS passa por uma série de posturas ideológicas, uma vez que a TC já está legitimada na sociedade, estando inserida em um ambiente onde o sistema capitalista é o responsável em criar tecnologia de bens e serviços. Assim, contrapor-se a esta situação exige um grande esforço uma vez que a visão que a sociedade tem sobre Ciência e Tecnologia está profundamente ancorada na ótica capitalista ideologicamente reproduzida na sociedade. Neste sentido, Lassance Jr e Pedreira (2004) entendem a necessidade de haver uma intensa organização que invista na difusão dessas tecnologias suficientemente para que possa ensejar grande influência na sociedade e que representem na cena política e econômica transformações que possam efetivá-las como políticas públicas, onde os sujeitos sociais são protagonistas neste processo de consolidação. Sendo assim, as tecnologias sociais são entendidas neste estudo como processos de construção e organização social que visam potencializar os esforços dos agentes sociais locais, a partir da utilização dos recursos locais visando à superação de problemas sociais. Assim, no cenário regional

11 as comunidades ribeirinhas podem vir a se apresentar como um locus privilegiado para o processo de desenvolvimento de Tecnologias Sociais, as quais desenvolveram ao longo das gerações uma peculiar forma de organização sociocultural e política que permitiu produzi-las de forma sustentável. 3. METODOLOGIA Para realizar esta proposta foi adotado um conjunto de métodos, técnicas e instrumentos que tomaram como referência a interdisciplinaridade e uma modalidade particular de pesquisa participante, Metodologia Inter-Ação. Esta metodologia consistiu na valorização dos saberes e habilidades dos agentes sociais a partir do processo de reflexão crítica acerca das questões socioambientais que atingem cotidianamente as comunidades amazônicas considerando os comunitários como agentes sociais protagonistas da sua história, esta metodologia constituiu-se de um caráter integrador na medida em que o lócus da ação são comunidades que vivem basicamente da renda advinda de atividades de subsistência, sob os moldes da agricultura familiar. O Projeto consiste prioritariamente em fornecer informações qualificadas de forma educativa aos comunitários em todas as ações do projeto, tendo como momento crucial a devolução dos resultados da pesquisa de modo didático-pedagógico às comunidades. O conjunto das ações executadas no Projeto foram ordenadas pela finalidade em estabelecer uma relação de cooperação e de articulação entre os saberes dos pesquisadores e dos comunitários, via o estabelecimento de diálogos pertinentes que instituem a comunicação e o relacionamento marcado pela relação de confiança entre os envolvidos no projeto para a criação de canais de participação. Para a execução dos procedimentos metodológicos e operacionais de pesquisa foram implementados as seguintes técnicas e instrumentais técnicos e teórico-práticos visualizado no Quadro 01: Quadro 01: Técnicas e Instrumentais Técnico-Operacionais de Pesquisa Técnicas Instrumentais Técnico-Operacionais 1. Entrevista Semi-estruturada 1.1. Formulário de Infraestrutura; 1.2. Registro Fonográfico. 2. Técnicas de Abordagem Grupal 2.1. Reuniões com dinâmicas de grupo: Sociometria e Memória Coletiva; 3. Conversas Semi-informais; 3.1. Visitas Domiciliares; 3.2. Diálogos Pertinentes entre os envolvidos no projeto.

TRABALHO COMO DIREITO

TRABALHO COMO DIREITO Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 CEP: 05403-000 São Paulo SP Brasil TRABALHO COMO DIREITO () 04/12/2013 1 O direito ao trabalho no campo da Saúde Mental: desafio para a Reforma Psiquiátrica brasileira

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas.

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas. TÍTULO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTRATÉGIA PARA O CONHECIMENTO E A INCLUSÃO SOCIAL AUTORES: Chateaubriand, A. D.; Andrade, E. B. de; Mello, P. P. de; Roque, W. V.; Costa, R. C. da; Guimarães, E. L. e-mail:

Leia mais

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal.

Palavras-chave: Escola, Educação Física, Legitimidade e cultura corporal. A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA MUNICIPAL RECANTO DO BOSQUE: LIMITES E POSSIBILIDADES PARA UMA INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DO SUBPROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DA ESEFFEGO/UEG.

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS

PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS PESQUISA-AÇÃO COMO ESTRATÉGIA PARA A EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: DESAFIOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA QUE BUSCA TRANSFORMAR REALIDADES SOCIAIS Adriana Do Amaral - Faculdade de Educação / Universidade Estadual de

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global

Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global Rede de Áreas Protegidas, Turismo e Inclusão Social: de uma perspectiva da América do Sul para uma perspectiva global (texto extraído da publicação IRVING, M.A.; BOTELHO, E.S.; SANCHO, A.; MORAES, E &

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Plan International e IIDAC com recursos do Fundo União Europeia

Plan International e IIDAC com recursos do Fundo União Europeia INSTITUTO INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO DA CIDADANIA TERMO DE REFERÊNCIA No. 012/2015 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. PROJETO Pontes para o Futuro 2. RECURSOS

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos

Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Rede de Produção de Plantas Medicinais, Aromáticas e Fitoterápicos Atores envolvidos Movimentos Sociais Agricultura Familiar Governos Universidades Comunidade Científica em Geral Parceiros Internacionais,

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo Temático: Administração, Habitação e Relações Humanas;

Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo Temático: Administração, Habitação e Relações Humanas; 1 COOPERATIVISMO TAMBÉM SE APRENDE DA ESCOLA Luiza Maria da Silva Rodrigues 1 Edaiana Casagrande Santin 2 Área de conhecimento: Economia Doméstica Eixo Temático: Administração, Habitação e Relações Humanas;

Leia mais

A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família

A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família A economia solidária como estratégia de inclusão produtiva no Programa Bolsa Família Adriane Vieira Ferrarini Docente e pesquisadora do Programa de Pós graduação em Ciências Sociais da Unisinos Estelamaris

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

Extensão Universitária na Amazônia: Ações Sócio-Educativas de Arte e Cultura nas Comunidades Ribeirinhas dos Municípios de Coari e Carauari

Extensão Universitária na Amazônia: Ações Sócio-Educativas de Arte e Cultura nas Comunidades Ribeirinhas dos Municípios de Coari e Carauari Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Extensão Universitária na Amazônia: Ações Sócio-Educativas de Arte e Cultura nas Comunidades Ribeirinhas

Leia mais

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências.

LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA - e adota outras providências. LEI Nº 13.558, de 17 de novembro de 2005 Procedência: Governamental Natureza: PL. 332/05 DO. 17.762 de 17/11/05 Fonte: ALESC/Div. Documentação Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental - PEEA

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1

AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 AÇÃO INTERDISCIPLINAR PARA A EMANCIPAÇÃO SOCIAL DE COMUNIDADES VULNERÁVEIS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA (2012) 1 DALCIN, Camila Biazus 2 ; GUERRA, Leonardo Rigo 3 ; VOGEL, Gustavo Micheli 4 ; BACKES, Dirce

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS

PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS PROTEÇÃO INTEGRAL EM REDES SOCIAIS ENCONTRO DE GRUPOS REGIONAIS DE ARTICULAÇÃO- ABRIGOS - SÃO PAULO O QUE É UMA REDE DE PROTEÇÃO SOCIAL? sistemas organizacionais capazes de reunir indivíduos e instituições,

Leia mais

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo

Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Educação ambiental crítica e a formação de professores de pedagogia em uma faculdade municipal no interior do estado de São Paulo Eliane Aparecida Toledo Pinto Docente da Faculdade Municipal de Filosofia,

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO

ESTÁGIO DOCENTE DICIONÁRIO ESTÁGIO DOCENTE Ato educativo supervisionado realizado no contexto do trabalho docente que objetiva a formação de educandos que estejam regularmente frequentando cursos e/ou programas de formação de professores

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015)

Edital de Seleção. Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário. (Turma 2015) Edital de Seleção Curso de Formação Inicial Continuada em Manejo Florestal Comunitário (Turma 2015) Belém Pará Novembro de 2014 Realização Página 2 de 9 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3.

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO.

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. Betânia Maria Oliveira de Amorim UFCG betânia_maria@yahoo.com.br Polliany de Abrantes Silva UFCG pollianyabrantes_psico@hotmail.com

Leia mais

Organizações de defesa do cidadão

Organizações de defesa do cidadão Organizações de defesa do cidadão Denise Catarina Silva Mangue Ser cidadão na sociedade da informação Em 1976, o inglês T. H. Marshall um dos principais pensadores contemporâneos envolvidos na discussão

Leia mais

INSTITUIÇÕES APRENDENTES: EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS EM COMUNIDADES LOCAIS.

INSTITUIÇÕES APRENDENTES: EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS EM COMUNIDADES LOCAIS. INSTITUIÇÕES APRENDENTES: EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS EM COMUNIDADES LOCAIS. Ana Lícia de Santana Stopilha Professora Assistente da Universidade do Estado da Bahia Campus XV Doutoranda em Difusão do Conhecimento

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ESTADO DO CEARÁ SECITECE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE PROJETO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ

Leia mais

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011.

LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. 1 LEI Nº. 2.510, DE 23 DE MAIO DE 2011. Institui a Política Municipal de Educação Ambiental, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG

UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO UPE FACULDADE DE CIÊNCIAS, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DE GARANHUNS FACETEG RECICLAGEM E CIDADANIA: UMA VISÃO SOCIO AMBIENTAL DOS CATADORES DE RESIDUOS SOLIDOS NO MUNICIPIO DE GARANHUNS

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Educação Física do Centro Universitário Estácio Radial de São Paulo busca preencher

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS A IV CONFERÊNCIA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE EM NOSSA SALA DE AULA Mary Lucia da Silva Doutora em Ciências- Química Analítica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia POLÍTICA PÚBLICA E SUSTENTABILIDADE NO AMAZONAS: UM ESTUDO SOBRE OS PROGRAMAS E/OU PROJETOS DESENVOLVDOS PELA SDS/AM

Leia mais

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão:

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão: proteção do meio ambiente, e convênio firmado para viabilização do pagamento de bolsa a acadêmica Letícia Croce dos Santos. As atividades executadas no projeto de extensão compreendem dentre outras iniciativas:

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD

2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD Instrumento de Solicitação de Manifestação de Interesse- Qualificação de Parceiros para a Implementação de Projetos de Inclusão Produtiva 2007 PRODOC BRA 05/028 MDS/PNUD 1. OBJETO DO INSTRUMENTO CONVOCATÓRIO

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA RESUMO DE LIMA,Claudia Barbosa 1 GONÇALVES, Danielle Balbino Souto 2 HERMENEGILDO, Raquel do Nascimento 3 LIMA,

Leia mais

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PLANO DE GESTÃO

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PLANO DE GESTÃO UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PLANO DE GESTÃO (2011-2015) Cruz das Almas-BA 2011 Sumário Apresentação Justificativa Diretrizes Objetivos Metas e Estratégias Metodologia

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UNIVERSIDADE

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA

OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA OS SIGNIFICADOS DA DOCÊNCIA NA FORMAÇÃO EM ALTERNÂNCIA - A PERSPECTIVA DOS PROFISSIONAIS DAS ESCOLAS FAMILIA AGRÍCOLA SILVA, Lourdes Helena da - UFV GT: Educação Fundamental /n.13 Agência Financiadora:

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC.

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. Neusa Maria Zangelini - Universidade do Planalto Catarinense Agência Financiadora: Prefeitura de Lages/SC

Leia mais

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social

INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO. Programa de Responsabilidade Social INESUL / FAEC FACULDADE EDUCACIONAL DE COLOMBO Programa de Responsabilidade Social APRESENTAÇÃO 2 O equilíbrio de uma sociedade em última instância, é formada pelo tripé: governo, família e empresa. Esperar

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Brasília, 25 de novembro de 2009 1 POLÍTICA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO,

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 Juliano Varela de Oliveira 2 Cada cidade possui suas peculiaridades referentes às condições de sobrevivência

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007

A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM. Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJOVEM Síntese da proposta de Ação Comunitária de seus desafios 2007 A AÇÃO COMUNITÁRIA NO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Dimensão formativa do programa voltada à educação para a cidadania

Leia mais

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação.

Em março de 1999, passaram a integrar o grupo, representantes da Secretaria do Tesouro Nacional e do Ministério da Educação. PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO FISCAL PNEF 1 Antecedentes Historicamente, a relação fisco e sociedade, foram pautadas pelo conflito entre a necessidade de financiamento das atividades estatais e o retorno

Leia mais

Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento. Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011.

Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento. Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011. Coordenação Geral de Promoção ao Etnodesenvolvimento Reunião Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Brasília, 01 de julho de 2011. Mapa Visão e Missão Funai Mapa Estratégico: Proteger e promover

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO

REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO REFLEXÕES ACERCA DO PAPEL DO PEDAGOGO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: ARTICULANDO OS SABERES DO DOCENTE E DO PEDAGOGO BACHETI, Luciane Serrate Pacheco, FERNANDES, Márcia Alessandra de Souza, SILVA, Maria Izabel

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas

Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais. 14º Encontro Nacional do Congemas Entre o Suas e o Plano Brasil sem Miséria: Os Municípios Pactuando Caminhos Intersetoriais 14º Encontro Nacional do Congemas CRAS como unidade de gestão local do SUAS 14º Encontro Nacional do Congemas

Leia mais

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária

Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Relatório da Plenária Estadual de Economia Solidária Nome da Atividade V Plenária Estadual de Economia Solidária de Goiás Data 28 a 30 de agosto de 2012 Local Rua 70, 661- Setor Central -Sede da CUT Goiás

Leia mais