Tópicos de Física Geral I Cosmologia: o que sabemos sobre a história do universo? Miguel Quartin

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tópicos de Física Geral I Cosmologia: o que sabemos sobre a história do universo? Miguel Quartin"

Transcrição

1 Tópicos de Física Geral I 2016 Cosmologia: o que sabemos sobre a história do universo? Miguel Quartin Instituto de Física, UFRJ Grupo: Astrofísica, Relatividade e Cosmologia (ARCOS) 1

2 Resumo do Seminário Panorama do que sabemos Expansão do universo Big-bang Como descobrimos? Componentes do universo Matéria escura Energia escura Instrumentos satélites, sondas e telescópios modernos 2

3 Panorama do que sabemos 3

4 O universo visível O sol é uma das ~1011 estrelas da Via Láctea A Via Láctea é uma galáxia espiral comum bilhões!!! Pode ser vista facilmente à olho nu à noite em lugares escuros (longe do Rio!) O universo contém mais de 1011 galáxias 1011 x 1011 ~ 1022 estrelas! 4

5 Via Láctea anos-luz anos-luz Sol 5

6 O universo está em expansão Em média, todas as galáxias se afastam das demais A velocidade de expansão é proporcional à distância Lei de Hubble: 6

7 O universo está em expansão 7

8 A Lei de Hubble 8

9 109 anos-luz 2 x 109 anos-luz 9

10 Big Bang! Extrapolando a expansão para o passado... Big Ban g! 10

11 História do Universo Desacoplamento matéria radiação Era Eletrofraca Era de Planck Inflação Nucleosíntese primordial 11 Formação de galáxias

12 O universo está em expansão 12

13 Relatividade Geral A teoria básica da cosmologia é a Relatividade Geral Gravitação Newtoniana Rel. Geral de Einstein Gravidade: força deformação do espaço-tempo 13

14 Relatividade Geral A teoria básica da cosmologia é a Relatividade Geral Gravitação Newtoniana Rel. Geral de Einstein Gravidade: força deformação do espaço-tempo 14

15 Relatividade Geral A teoria básica da cosmologia é a Relatividade Geral Gravitação Newtoniana Rel. Geral de Einstein Gravidade: força deformação do espaço-tempo Órbitas mais precisas Expansão do universo Formação de estruturas Buracos negros Lentes gravitacionais Ondas gravitacionais GPS!!! 15

16 Homogeneidade e Isotropia O Universo é homogêneo e isotrópico nas grandes escalas Menor escala para tal: ~ 300 milhões de anos-luz Isotropia e Homogeneidade 2 conceitos independentes Isotropia ao redor de todos pontos homogeneidade Princípio de Copérnico: não vivemos em um local especial do universo Princípio Cosmológico: em escalas grandes o suficiente o Universo é o mesmo para todos os observadores 16

17 Homogeneidade e Isotropia (2) 6 milhões de anos luz 600 milhões de anos luz 17

18 Como descobrimos? O problema das distâncias 18

19 metros metros O fluxo observado é inversamente proporcional ao quadrado da distância à fonte. 19

20 metros metros O fluxo observado é inversamente proporcional ao quadrado da distância à fonte. 20

21 Ferramentas Observacionais Efeito de Paralaxe Estelar Espectro da luz O desvio para o vermelho (redshift) Supernovas Radiação Cósmica de Fundo 21

22 Paralaxe Estelar 22

23 O Espectro da Luz 23

24 Espectro contínuo Tela fenda Prisma Lâmpada Espectro contínuo + linhas de absorção Fótons reemitidos Tela fenda Gás frio Lâmpada Prisma 24

25 Espectro contínuo Tela Prisma Lâmpada lho e m v er erd e a v let o i v Tela linhas de emissão Prisma Hidrogênio aquecido 25

26 26 Espectro de emissão de alguns elementos conhecidos

27 Efeito Doppler e desvio para o vermelho Desvio para o azul desvio para o vermelho z Desvio para o vermelho 27

28 Efeito Doppler e desvio para o vermelho Espectro de referência Espectro observado desvio para o vermelho 28

29 Hidr ogênio Intensidade relativa Variação de l o l f = 6562,8 A o lobs = 6615 A ,8 = 0, ,8 v = z c = km/seg z= 1 Angstr&o& m = 0, metro Comprimento de onda (angström) 29

30 Vela padrão: supernova do tipo Ia Anã Branca Explosão resultante de uma detonação termonuclear de uma estrela Anã Branca que acreta matéria de uma estrela companheira 30

31 Supernova Supernovae do Tipo Ia 31

32 Supernova 1997ck 4 de abril de de abril de 1997 Uma das supernovas mais distante até hoje descobertas. Afasta-se com ~ 60% da velocidade da luz (= km/s) A luz dessa supernova leva 8 bilhões de anos para chegar a Terra 32

33 33

34 SN do Tipo Ia são Velas-Padrão metros metros 34

35 Diagrama de Hubble dlum(z) 35

36 A Radiação Cósmica de Fundo É uma radiação de corpo negro de microondas (T ~ 3K). Idade do universo na emissão anos Isotrópica! T = 2,73 K 36

37 A Radiação Cósmica de Fundo É uma radiação de corpo negro de microondas (T ~ 3K). Idade do universo na emissão anos Isotrópica! ou quase... 37

38 38

39 Componentes do Universo 39

40 Um universo muito estranho! Elementos pesados 0,03% Neutrinos 0,3% Estrelas 0,5% Hidrogênio livre e Hélio 4% Matéria Escura 24% ± 2% Energia Escura 72% ± 2% 40

41 Um universo muito estranho! Elementos pesados 0,03% Neutrinos 0,3% Estrelas 0,5% Hidrogênio livre e Hélio 4% Matéria Escura 24% ± 2% Energia Escura 72% ± 2% 41

42 Matéria Escura Existem fortes evidências que há muito mais matéria no Universo do que conseguimos enxergar diretamente Essa matéria não EMITE nem ABSORVE luz É chamada portanto de matéria escura Um nome mais apropriado seria matéria invisível Matéria escura causa dois efeitos importantes: Altera a órbita das estrelas e fo gás ao redor da galáxia O sol orbita a Via Láctea com período de 200 milhões de anos Altera a trajetória da luz Lentes Gravitacionais 42

43 Matéria Escura Curvas de rotação de galáxias Estimativa simples aceleração centrípeta Matéria escura é menos concentrada disco estelar Matéria escura gás astro-ph/

44 Energia Escura velocidade constante desacelerado acelerado 44

45 Energia Escura velocidade constante desacelerado acelerado O universo está acelerado!!! acelerado 45

46 quasar Imagem A Lenteamento Gravitacional Forte Imagem B Galáxia lente Lente Galáxia 1-3 Grupo de Galáxias 5-10 Aglomerado >30 Observador

47 Formação de Arcos Lentes Gravitationais no Aglomerado de Galáxias Abell 2218

48 Cruz de Einstein Anel de Einstein Micro-lenteamento

49 Energia Escura Algumas observações nas maiores escalas estão em conflito com nosso modelo de universo com: matéria convencional + luz + matéria escura As galáxias estão se afastando cada vez mais rápido (aceleração cósmica) A distribuição de galáxias no universo está menos concentrada do que esperávamos As galáxias mais antigas estimamos > 11 bilhões de anos Antigo modelo do Universo idade < 10 bilhões de anos É possível corrigir todos esses problemas adicionando um ingrediente ao nosso modelo a energia escura 49

50 Energia Escura Medidas de distância ao longo do tempo permitem medir velocidade e aceleração Energia Escura é o nome dado à componente (desconhecida) responsável pela aceleração observada 50

51 O Futuro? É muito importante aqui distinguir ciência da filosofia Isso é válido sempre, mas em cosmologia é mais comum a confusão Nosso conhecimento sobre a dinâmica do universo ainda não está sólida o suficiente para termos confiança na sua evolução futura Diferentes teorias prevêm diferentes finais É no momento mais filosofia do que ciência prever o destino do universo Popper teorias científicas tem que ser falseáveis 51

52 Instrumentos 52

53 Alguns Telescópios CFHT - 4m Very Large Telescope (VLT) 4 x 8.2m Telescópios Keck 2 x 8m Hubble 2.4m 53

54 Extremely Large Telescope (E-ELT) 39m inauguração:

55 2020: Euclid Satellite & Large Sinoptic Survey Telescope 55

56 COBE: US$ 600 M, 4 anos WMAP: US$ 200 M, 9 anos

57 57

58 58

59 Última geração: sonda Planck ( ) 59

60 Super-computadores 60

61 Simulações Hidrodinâmicas 61

62 Do que eu não falei Candidatos para Energia Escura (+ cosmologia) Candidatos para Matéria Escura (+ física de partículas) Ondas gravitacionais (próximo prêmio Nobel?) Nucleossíntese (formação dos átomos) Oscilações Acústicas de Bárions Possíveis modificações da teoria de gravitação (relatividade geral)... Muitas outras coisas! 62

63 Cosmologia na UFRJ Grupo de Astrofísica, Relatividade e Cosmologia (ARCOS) Integrantes: Ioav Waga Marcelo Byrro Ribeiro Mauricio Calvão Miguel Quartin Ribamar Reis Sergio Jorás + pos-docs e alunos 63

O Lado Escuro do Universo

O Lado Escuro do Universo O Lado Escuro do Universo Thaisa Storchi Bergmann Departamento de Astronomia, Instituto de Física, UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil Em 400 anos Telescópio Espacial Hubble (2.4m) Telescópio de Galileu (lente

Leia mais

Das Galáxias à Energia Escura: Fenomenologia do Universo

Das Galáxias à Energia Escura: Fenomenologia do Universo Das Galáxias à Energia Escura: Fenomenologia do Universo Martín Makler ICRA/CBPF Fenomenologia Universo do Cosmólogo Teórico: Homogêneo e isotrópico Dominado por matéria/energia escura Universo do Astrônomo:

Leia mais

O LADO ESCURO DO UNIVERSO. Pedro Abreu LIP/IST, Lisboa Escola de Profs no CERN em Língua Portuguesa 2013

O LADO ESCURO DO UNIVERSO. Pedro Abreu LIP/IST, Lisboa Escola de Profs no CERN em Língua Portuguesa 2013 O LADO ESCURO DO UNIVERSO Pedro Abreu LIP/IST, Lisboa Escola de Profs no CERN em Língua Portuguesa 2013 (Heinrich Wilhelm Olbers, 1823) Universo Porque é que o Universo é escuro? E porque era isto um paradoxo?

Leia mais

Matéria Escura no Universo

Matéria Escura no Universo Curso de mestrado em Ensino de Física 1 de junho de 2010 Matéria Escura no Universo Martin Makler ICRA/CBPF Curso de mestrado em Ensino de Física 1 de junho de 2010 O Lado Escuro do Universo Episódio I

Leia mais

Noções de Astronomia e Cosmologia. Aula 15 Cosmologia Parte II

Noções de Astronomia e Cosmologia. Aula 15 Cosmologia Parte II Noções de Astronomia e Cosmologia Aula 15 Cosmologia Parte II Modelo cosmológico atual Parâmetros Cosmológicos São determinados experimentalmente Constante de Hubble Densidade de matéria Idade do universo

Leia mais

Cosmologia 1. Gastão B. Lima Neto Vera Jatenco-Pereira IAG/USP.

Cosmologia 1. Gastão B. Lima Neto Vera Jatenco-Pereira IAG/USP. Aspectos históricos Princípio cosmológico Base teórica Expansão do Universo Lei de Hubble Parâmetros cosmológicos Evolução do Universo Cosmologia 1 Gastão B. Lima Neto Vera Jatenco-Pereira IAG/USP www.astro.iag.usp.br/~aga210

Leia mais

A Radiação Cósmica de Fundo em Microondas e a Origem do Universo

A Radiação Cósmica de Fundo em Microondas e a Origem do Universo A Radiação Cósmica de Fundo em Microondas e a Origem do Universo Carlos Alexandre Wuensche INPE - Divisão de Astrofísica ca.wuensche@inpe.br 67a. Reunião Anual da SBPC UFSCar São Carlos, SP 16/07/2015

Leia mais

O tamanho, idade e conteúdo do Universo: sumário

O tamanho, idade e conteúdo do Universo: sumário O tamanho, idade e conteúdo do Universo: sumário Unidadese métodos de determinação de distâncias Tamanhos no Sistema Solar Tamanho das Estrelas Tamanho das Galáxias Tamanho dos Aglomerados de Galáxias

Leia mais

A Descoberta da Radiação Cósmica de Fundo

A Descoberta da Radiação Cósmica de Fundo A Descoberta da Radiação Cósmica de Fundo mailto:ronaldo@astro.iag.usp.br http://www.astro.iag.usp.br/ ronaldo/intrcosm/notas/index.html 21 de junho de 2007 Os Primeiros Passos Relevância do Estudo da

Leia mais

O que vamos estudar? O que é a Via Láctea? Sua estrutura Suas componentes

O que vamos estudar? O que é a Via Láctea? Sua estrutura Suas componentes A Via Láctea O que vamos estudar? O que é a Via Láctea? Sua estrutura Suas componentes A Via-Láctea Hoje sabemos que é a galáxia onde vivemos - Há 100 anos não sabíamos disso! - Difícil estudar estando

Leia mais

Cosmologia. (Parte I) Apresentação por Thays Barreto

Cosmologia. (Parte I) Apresentação por Thays Barreto Cosmologia (Parte I) { Apresentação por Thays Barreto tha.barreto@hotmail.com Parte I Cosmo-o-quê? O Universo; Histórico; O Nascimento da Cosmologia Moderna; O Big Bang; A Evolução do Universo; Evidências

Leia mais

O espaço-tempo curvo na teoria da relatividade geral. Felipe Tovar Falciano

O espaço-tempo curvo na teoria da relatividade geral. Felipe Tovar Falciano O espaço-tempo curvo na teoria da relatividade geral Felipe Tovar Falciano IFCE - 2013 O que é Relatividade? 1685 - Newton "Philosophiae naturalis principia mathematica" A. Einstein (1879-1955) 1890 -

Leia mais

Astrofísica Geral. Tema 22: O Big Bang

Astrofísica Geral. Tema 22: O Big Bang ema 22: O Big Bang Outline 1 Modelos cosmológicos 2 Expansão do universo 3 Big Bang 4 Evidências do Big Bang 5 Bibliografia 2 / 29 Índice 1 Modelos cosmológicos 2 Expansão do universo 3 Big Bang 4 Evidências

Leia mais

Curso de Iniciação à. Astronomia e Astrofísica. Observatório Astronómico de Lisboa. Rui Jorge Agostinho José Manuel Afonso. Janeiro e Junho de 2013

Curso de Iniciação à. Astronomia e Astrofísica. Observatório Astronómico de Lisboa. Rui Jorge Agostinho José Manuel Afonso. Janeiro e Junho de 2013 Curso de Iniciação à Astronomia e Astrofísica do Observatório Astronómico de Lisboa Rui Jorge Agostinho José Manuel Afonso Janeiro e Junho de 2013 Conteúdo Objectivos e Estrutura do Curso.............................

Leia mais

Evolução do Universo Ricardo Moreno, Susana Destua, Rosa M. Ros, Beatriz García

Evolução do Universo Ricardo Moreno, Susana Destua, Rosa M. Ros, Beatriz García Evolução do Universo Ricardo Moreno, Susana Destua, Rosa M. Ros, Beatriz García Colegio Retamar de Madrid, Espanha Space Telescope Science Institute, Estados Unidos Universidad Politécnica de Cataluña,

Leia mais

Introdução a Astronomia...uma breve perspectiva do caminho que realizaremos durante o curso...

Introdução a Astronomia...uma breve perspectiva do caminho que realizaremos durante o curso... Introdução a Astronomia...uma breve perspectiva do caminho que realizaremos durante o curso... I- A Ciência Astronomia-Astrofísica II- Estrutura Hierárquica do Universo III- Escalas de Dimensões e Distâncias

Leia mais

FSC1057: Introdução à Astrofísica. Galáxias Ativas. Rogemar A. Riffel

FSC1057: Introdução à Astrofísica. Galáxias Ativas. Rogemar A. Riffel FSC1057: Introdução à Astrofísica Galáxias Ativas Rogemar A. Riffel Núcleos Ativos de Gal áxias (AGN) Centaurus A Núcleos Ativos de Galáxias (AGN) São galáxias, cujo o núcleo emite uma enorme quantidade

Leia mais

Radiação Cósmica de Fundo

Radiação Cósmica de Fundo Radiação Cósmica de Fundo António Vale, CENTRA / IST 6ª Escola de Astronomia e Gravitação, IST, Setembro 2012 Radiação Cósmica de Fundo (CMB) O que é? Radiação relíquia, emitida após recombinação (~380000

Leia mais

Cosmologia. Sandra dos Anjos

Cosmologia. Sandra dos Anjos Cosmologia Sandra dos Anjos Vimos até aquí, em aulas anteriores, aspectos observacionais que ajudaram a construir modelos físicos que explicam, total ou parcialmente, as observações. Este foi o traçado

Leia mais

1ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos de Física e Química do 7ºAno Data: outubro 2012 Professora: Paula Melo Silva

1ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos de Física e Química do 7ºAno Data: outubro 2012 Professora: Paula Melo Silva Página1 1ª Ficha de Avaliação de Conhecimentos de Física e Química do 7ºAno Ano Letivo: 2012/2013 Data: outubro 2012 Professora: Paula Melo Silva Critérios de Correção 1. 11 pontos 1.1. Opção A 1.2. Opção

Leia mais

Gravitação de Newton

Gravitação de Newton Gravitação de Newton Acção à distância Acção instantânea (contradiz RR) Todos os objectos caem de igual forma Ioannes Philliponus (~600AC): deixe-se cair da mesma altura dois corpos, um muito mais pesado

Leia mais

Astronomia. O nosso Universo

Astronomia. O nosso Universo Astronomia O nosso Universo O sistema solar Distância entre a Lua e a Terra: 384.000 Km (aprox. 1 seg-luz Velocidade da luz (c) : 300.000 Km/s Distância média entre a Terra e o Sol: 146 milhões Km (aprox.

Leia mais

Luz & Radiação. Roberto Ortiz EACH USP

Luz & Radiação. Roberto Ortiz EACH USP Luz & Radiação Roberto Ortiz EACH USP A luz é uma onda eletromagnética A figura acima ilustra os campos elétrico (E) e magnético (B) que compõem a luz Eles são perpendiculares entre si e perpendiculares

Leia mais

Departamento de Astronomia - Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Departamento de Astronomia - Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Astronomia - Universidade Federal do Rio Grande do Sul FIS02010-A - FUNDAMENTOS DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA A 3.a PROVA - 2012/1 - Turma C NOME: I.Nas questões de 1 a 20, escolhe a alternativa

Leia mais

4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 15 de Abril de :00

4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 15 de Abril de :00 4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 15 de Abril de 2009 15:00 Duração máxima 120 minutos Nota: Ler atentamente todas as questões. Existe uma tabela com dados no final

Leia mais

Superaglomerados de galáxias

Superaglomerados de galáxias Superaglomerados de galáxias O esqueleto do Universo Marcio A.G. Maia Ciência às seis e meia SBPC-RJ 19/10/2005 Olhando à nossa volta Olhando à nossa volta Olhando à nossa volta (um pouco mais longe) Olhando

Leia mais

6 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia

6 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia 6 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 30 de Março de 2011 15:00 Duração máxima 120 minutos Nota: Ler atentamente todas as questões. Existe uma tabela com dados no final

Leia mais

INTRODUÇÃO À GRAVITAÇÃO E À COSMOLOGIA

INTRODUÇÃO À GRAVITAÇÃO E À COSMOLOGIA INTRODUÇÃO À GRAVITAÇÃO E À COSMOLOGIA Victor O. Rivelles Aula 4 Instituto de Física da Universidade de São Paulo e-mail: rivelles@fma.if.usp.br http://www.fma.if.usp.br/~rivelles Escola Norte-Nordeste

Leia mais

Capítulo 4 Resumo. Cosmologia estudo do Universo como um todo.

Capítulo 4 Resumo. Cosmologia estudo do Universo como um todo. ATENÇÃO: esses resumos visam a auxiliar o estudo de cada capítulo, enfatizando os principais pontos levantados em cada trecho do livro Extragalactic Astronomy and Cosmology: an Introduction, de Peter Schneider.

Leia mais

Para perceber porque é que os corpos quentes radiam energia é necessário perceber o que é o calor.

Para perceber porque é que os corpos quentes radiam energia é necessário perceber o que é o calor. A informação do BI dos Corpos Celestes Para perceber porque é que os corpos quentes radiam energia é necessário perceber o que é o calor. Para perceber o espectro estelar (que é mais complicado que o do

Leia mais

O Lado Escuro do Universo. Marcio A.G. Maia

O Lado Escuro do Universo. Marcio A.G. Maia O Lado Escuro do Universo Marcio A.G. Maia Palestra no MAST 7 de maio de 2011 1 As descobertas do último século que abalaram as fundações da Astronomia A expansão do Universo (1923-29) A matéria escura

Leia mais

Capítulo 1 Resumo. Trata-se de uma introdução ao estudo da Astronomia Extragaláctica. Seção 1.2 Sumário dos capítulos seguintes.

Capítulo 1 Resumo. Trata-se de uma introdução ao estudo da Astronomia Extragaláctica. Seção 1.2 Sumário dos capítulos seguintes. ATENÇÃO: esses resumos visam a auxiliar o estudo de cada capítulo, enfatizando os principais pontos levantados em cada trecho do livro Extragalactic Astronomy and Cosmology: an Introduction, de Peter Schneider.

Leia mais

Centro galáctico. Diâmetro da Galáxia AL

Centro galáctico. Diâmetro da Galáxia AL Centro galáctico Diâmetro da Galáxia 100.000 AL Centro Galáctico imagem no Infra-vermelho do Centro Galáctico O centro galáctico, observado desde a Terra, é obscurecido pela alta concentração de pó do

Leia mais

Evolução de Estrelas em Sistemas Binários

Evolução de Estrelas em Sistemas Binários Evolução de Estrelas em Sistemas Binários Binárias: novas, novas recorrentes Supernova tipo Ia Nucleossíntese Sandra dos Anjos IAG/USP www.astro.iag.usp.br/~aga210/ Agradecimentos: Prof. Gastão B. Lima

Leia mais

4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova Final Nacional 5 de Junho de :00

4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova Final Nacional 5 de Junho de :00 4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova Final Nacional 5 de Junho de 2009 15:00 Duração máxima 120 minutos Leia atentamente todas as questões. A questão 1 é de escolha múltipla. Nas restantes questões

Leia mais

Grandes estruturas no Universo. Roberto Ortiz EACH/USP

Grandes estruturas no Universo. Roberto Ortiz EACH/USP Grandes estruturas no Universo Roberto Ortiz EACH/USP A luz se propaga com velocidade finita. Portanto, quanto mais distante olhamos, há mais tempo foi gerada a imagem... Olhar para longe significa olhar

Leia mais

Indicadores de distancia extragalácticos e lei de Hubble

Indicadores de distancia extragalácticos e lei de Hubble Indicadores de distancia extragalácticos e lei de Hubble Capitulo 3 3.1.1 Indicadores de Distancia: A determinação de distancia das galáxias é um problema que ainda esta em aberto e de sua solução dependem

Leia mais

Quantidades Básicas da Radiação

Quantidades Básicas da Radiação Quantidades Básicas da Radiação Luminosidade e Brilho Luminosidade = energia emitida por unidade de tempo. Brilho = fluxo de energia(energia por unidade de tempo e por unidade de superfície) Luminosidade

Leia mais

Aglomerados de galáxias

Aglomerados de galáxias Aglomerados de galáxias I O grupo Local A figura 1 mostra a Galáxia que tem uma extensão de 200000 Anos Luz. O Sol esta localizado no braço de Orion a 26000 Anos Luz de distancia do Centro Galáctico. O

Leia mais

Espaço. 1. Universo. Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes

Espaço. 1. Universo. Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes Espaço 1. Universo Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes Corpos celestes 1.1 Distinguir vários corpos celestes. Estrela Astro

Leia mais

Galáxias Ativas, Quasares e Buracos Negros Supermassivos

Galáxias Ativas, Quasares e Buracos Negros Supermassivos Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia Galáxias Ativas, Quasares e Buracos Negros Supermassivos Rogério Riffel riffel@ufrgs.br Núcleo Ativo de Galáxia

Leia mais

O universo das Galáxias. Hugo Vicente Capelato Divisão de Astrofísica Inpe

O universo das Galáxias. Hugo Vicente Capelato Divisão de Astrofísica Inpe O universo das Galáxias Hugo Vicente Capelato Divisão de Astrofísica Inpe Uma galáxia chamada Via Láctea (A Galáxia!) Qual é a natureza da Via Láctea??? Antiguidade Grega: Galaxias Kyklos = circulo

Leia mais

Departamento de Astronomia - Instituto de Física Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Departamento de Astronomia - Instituto de Física Universidade Federal do Rio Grande do Sul Departamento de Astronomia - Instituto de Física Universidade Federal do Rio Grande do Sul FIS2010 - FUNDAMENTOS DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA A 2.a PROVA 2012/1 - TURMA C - Profa. Maria de Fátima Saraiva

Leia mais

Estrutura da Matéria Prof. José Antonio Souza

Estrutura da Matéria Prof. José Antonio Souza Estrutura da Matéria Prof. José Antonio Souza Aula 1 Estrutura do Universo Interações fundamentais O Universo geocentrismo vs heliocentrismo Nicolau Copérnico Tycho Brahe Galileu e Galilei Ptolomeu afirmava

Leia mais

Mecânica Quântica. Corpo negro: Espectro de corpo negro, catástrofe do ultravioleta, Leis de Rayleigh e Jeans, Hipótese de Planck

Mecânica Quântica. Corpo negro: Espectro de corpo negro, catástrofe do ultravioleta, Leis de Rayleigh e Jeans, Hipótese de Planck Mecânica Quântica Corpo negro: Espectro de corpo negro, catástrofe do ultravioleta, Leis de Rayleigh e Jeans, Hipótese de Planck...numa reunião em 14/12/1900, Max Planck apresentou seu artigo Sobre a teoria

Leia mais

COSMOLOGIA. O Universo em grande escala e a dinâmica do Universo como um todo

COSMOLOGIA. O Universo em grande escala e a dinâmica do Universo como um todo COSMOLOGIA O Universo em grande escala e a dinâmica do Universo como um todo Cosmologia é a parte da Astronomia que estuda as estruturas e evolução do Universo. A homogeneidade do Universo é a primeira

Leia mais

Fundamentos de Astronomia e Astrofísica. Estrelas. Rogério Riffel.

Fundamentos de Astronomia e Astrofísica. Estrelas. Rogério Riffel. Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Estrelas Rogério Riffel http://astro.if.ufrgs.br Propriedades Estrelas são esferas autogravitantes de gás ionizado, cuja fonte de energia é a transmutação de elementos

Leia mais

A idade do universo, a constante de Hubble e a expansão acelerada

A idade do universo, a constante de Hubble e a expansão acelerada A idade do universo, a constante de Hubble e a expansão acelerada Domingos S.L. Soares Departamento de Física, ICEx, UFMG C.P. 702 30123-970, Belo Horizonte 25 de junho de 2009 Resumo O conceito de um

Leia mais

Thaisa Storchi Bergmann Instituto de Física, UFRGS, Porto Alegre, RS, Brazil Membro ABC, TWAS, Prêmio L Oreal/UNESCO Mulheres na Ciência 2015

Thaisa Storchi Bergmann Instituto de Física, UFRGS, Porto Alegre, RS, Brazil Membro ABC, TWAS, Prêmio L Oreal/UNESCO Mulheres na Ciência 2015 Thaisa Storchi Bergmann Instituto de Física, UFRGS, Porto Alegre, RS, Brazil Membro ABC, TWAS, Prêmio L Oreal/UNESCO Mulheres na Ciência 2015 Introdução: Buracos Negros (BN) BNs estelares e supermassivos

Leia mais

Cosmologia: a estrutura do nosso universo. MSc Rodrigo Nemmen FIS2207 Fundamentos de Astronomia Dez. 2006

Cosmologia: a estrutura do nosso universo. MSc Rodrigo Nemmen FIS2207 Fundamentos de Astronomia Dez. 2006 Cosmologia: a estrutura do nosso universo MSc Rodrigo Nemmen FIS2207 Fundamentos de Astronomia Dez. 2006 Qual o modelo cosmológico padrão atual para a evolução do universo? Evolução e composição do universo

Leia mais

Introdução à Astrofísica. Lição 27 No reino das Galáxias

Introdução à Astrofísica. Lição 27 No reino das Galáxias Introdução à Astrofísica Lição 27 No reino das Galáxias Chegamos em uma parte do curso onde iremos, de uma maneira mais direta, revisar o que vimos até agora e olhar para novos conceitos. Iremos tratar

Leia mais

Colisões de galáxias. Gastão B. Lima Neto IAG/USP

Colisões de galáxias. Gastão B. Lima Neto IAG/USP Colisões de galáxias Gastão B. Lima Neto IAG/USP AGA extensão junho / 2008 O que são galáxias? Do grego, Galaxias Kyklos = círculo leitoso (γαλαξίας =galaxias = leite). Segundo a mitologia grega, leite

Leia mais

COSMOLOGIA. Victor O. Rivelles

COSMOLOGIA. Victor O. Rivelles COSMOLOGIA Victor O. Rivelles rivelles@fma.if.usp.br Instituto de Física Universidade de São Paulo http://www.fma.if.usp.br/ rivelles/ CURSO DE VERÃO DO IFUSP - 2006 COSMOLOGIA p. 1/40 Cosmologia é o estudo

Leia mais

Introdução à Astrofísica. Espectroscopia. Rogemar A. Riffel

Introdução à Astrofísica. Espectroscopia. Rogemar A. Riffel Introdução à Astrofísica Espectroscopia Rogemar A. Riffel Radiação de Corpo Negro Corpo negro: corpo que absorve toda a radiação que incide sobre ele, sem refletir nada; - Toda a radiação emitida pelo

Leia mais

OS PRIMEIROS MODELOS COSMOLÓGICOS MODERNOS. Anderson Moraes

OS PRIMEIROS MODELOS COSMOLÓGICOS MODERNOS. Anderson Moraes OS PRIMEIROS MODELOS COSMOLÓGICOS MODERNOS Anderson Moraes Modelos Cosmológicos modernos. Einstein De Sitter Lemaitre Friedmam Eddington COSMOLOGIA Cosmologia é o estudo em larga escala do Universo, sua

Leia mais

Curso de Introdução à Astronomia e Astrofísica ESTRELAS AULA 1. Flavio D Amico estas aulas são de autoria de Hugo Vicente Capelato

Curso de Introdução à Astronomia e Astrofísica ESTRELAS AULA 1. Flavio D Amico estas aulas são de autoria de Hugo Vicente Capelato Curso de Introdução à Astronomia e Astrofísica ESTRELAS AULA 1 Flavio D Amico damico@das.inpe.br estas aulas são de autoria de Hugo Vicente Capelato A Constelação de Orion e as 3 Marias super Betelgeuse:

Leia mais

A Galáxia. Roberto Ortiz EACH/USP

A Galáxia. Roberto Ortiz EACH/USP A Galáxia Roberto Ortiz EACH/USP A Galáxia (ou Via-Láctea) é um grande sistema estelar contendo cerca de 2 x 10 11 estrelas, incluindo o Sol, ligadas gravitacionalmente. As estrelas (e demais componentes)

Leia mais

TESTE TIPO Nº1 UNIVERSO GRUPO I

TESTE TIPO Nº1 UNIVERSO GRUPO I TESTE TIPO Nº1 UNIVERSO GRUPO I 1. Exemplos de astros com luz própria são: A. o Sol e a Lua. B. as estrelas e a Lua. C. as estrelas. 2. As galáxias são formadas por: A. apenas estrelas. B. estrelas e planetas.

Leia mais

INTRODUÇÃO À RELATIVIDADE GERAL - Aula 3 p. 1

INTRODUÇÃO À RELATIVIDADE GERAL - Aula 3 p. 1 INTRODUÇÃO À RELATIVIDADE GERAL - Aula 3 Victor O. Rivelles Instituto de Física Universidade de São Paulo rivelles@fma.if.usp.br http://www.fma.if.usp.br/ rivelles/ XXI Jornada de Física Teórica 2006 INTRODUÇÃO

Leia mais

Sistemas Binários e Buracos Negros

Sistemas Binários e Buracos Negros Sistemas Binários e Buracos Negros Seminário 3 Joseana Souza da Silva Paula Adriana Ramos da Silva Viviane Aparecida Cunha William Douglas dos Reis Porto Alegre Novembro, 2013 Sumário I. Introdução II.

Leia mais

Segundo astrônomos, buraco negro no centro de nossa galáxia está atraindo nuvem de gás e poeira cósmica que envolve uma jovem estrela.

Segundo astrônomos, buraco negro no centro de nossa galáxia está atraindo nuvem de gás e poeira cósmica que envolve uma jovem estrela. Segundo astrônomos, buraco negro no centro de nossa galáxia está atraindo nuvem de gás e poeira cósmica que envolve uma jovem estrela. Estrela é atraída por buraco negro no centro da Via Láctea, diz estudo

Leia mais

Noções de Astronomia e Cosmologia. Aula 14 Cosmologia Parte I

Noções de Astronomia e Cosmologia. Aula 14 Cosmologia Parte I Noções de Astronomia e Cosmologia Aula 14 Cosmologia Parte I Cosmologia Cosmologia (cosmo- + -logia): s. f. Ciência das leis que regem o universo (Dicionário Priberam da Língua Portuguesa) É o estudo da

Leia mais

Hannes Alfvén Cosmologia do Plasma

Hannes Alfvén Cosmologia do Plasma ALUNO: Thiago Grasiano Mendes de Sá Hannes Alfvén Cosmologia do Plasma Hannes Olof Gösta Alfvén foi um importante físico que nasceu na Suécia, em 30 de maio de 1908 e que foi um dos pioneiros do campo

Leia mais

Astrofísica Geral. Tema 12: A morte das estrelas

Astrofísica Geral. Tema 12: A morte das estrelas ma 12: A morte das estrelas Outline 1 Evolução e morte estelar 2 Cadáveres estelares 3 Supernovas 4 Bibliografia 2 / 22 Outline 1 Evolução e morte estelar 2 Cadáveres estelares 3 Supernovas 4 Bibliografia

Leia mais

AULA 1. ESCALAS DE DISTÂNCIA e de tamanho NO UNIVERSO

AULA 1. ESCALAS DE DISTÂNCIA e de tamanho NO UNIVERSO AULA 1 ESCALAS DE DISTÂNCIA e de tamanho NO UNIVERSO CONSTELAÇÃO DE Orion Estrelas são os componentes mais básicos do universo. O universo observável contém tantas estrelas quanto grãos de areia somando

Leia mais

Supernovas e a Energia Escura

Supernovas e a Energia Escura Supernovas e a Energia Escura Josh Frieman Fermilab e Universidade de Chicago 2 Componentes do Universo ENERGIA ESCURA MATÉRIA ESCURA MATÉRIA NORMAL Matéria Escura: mantém galáxias juntas Energia Escura:

Leia mais

A SIMPLIFIED GRAVITATIONAL MODEL TO ANALYZE TEXTURE ROUGHNESS

A SIMPLIFIED GRAVITATIONAL MODEL TO ANALYZE TEXTURE ROUGHNESS A SIMPLIFIED GRAVITATIONAL MODEL TO ANALYZE TEXTURE ROUGHNESS Introdução Um padrão de textura é definido como uma função da variação espacial nas intensidades dos pixels Um dos mais importantes atributos

Leia mais

Fundamentos de Astronomia AGA-0215

Fundamentos de Astronomia AGA-0215 Fundamentos de Astronomia AGA-0215 Profª. Dra. Silvia Rossi sala G-301 (rossi@astro.iag.usp.br) Monitor: Henrique Reggiani sala F-312 (hreggiani@usp.br) Site da disciplina http://www.astro.iag.usp.br/~aga0215diurno/

Leia mais

CIAA Divisão de Astrofísica (DAS INPE) José Roberto Cecatto.

CIAA Divisão de Astrofísica (DAS INPE) José Roberto Cecatto. CIAA - 2011 Divisão de Astrofísica (DAS INPE) José Roberto Cecatto Email: jrc@das.inpe.br Nascimento Visão humana Estrutura: Interior e fonte de energia, Atmosfera (Camadas) Campos magnéticos do Sol Regiões

Leia mais

Curso de Extensão Universitária - IAG/USP 13/janeiro/2004 As Ferramentas do Astrônomo

Curso de Extensão Universitária - IAG/USP 13/janeiro/2004 As Ferramentas do Astrônomo Curso de Extensão Universitária - IAG/USP 13/janeiro/2004 As Ferramentas do Astrônomo Prof a. Jane Gregorio-Hetem LUZ & RADIAÇÃ ÇÃO O que estuda a Astronomia? características da LUZ proveniente dos astros

Leia mais

COSMOLOGIA, QUINTESSÊNCIA E ACELERAÇÃO DO UNIVERSO*

COSMOLOGIA, QUINTESSÊNCIA E ACELERAÇÃO DO UNIVERSO* COSMOLOGIA, QUINTESSÊNCIA E ACELERAÇÃO DO UNIVERSO* José Ademir Sales Lima (IAG/USP) I. PRELÚDIO DE UMA NOVA REVOLUÇÃO CIENTÍFICA? Em 1998, as medidas de distância e velocidade de afastamento das Supernovas

Leia mais

Radiação Eletromagnética

Radiação Eletromagnética Radiação Eletromagnética Informação em Astronomia Exceto por alguns corpos no Sistema Solar, não temos acesso direto aos astros. Informação chega à Terra (observador) via: meteoritos raios cósmicos radiação

Leia mais

Estrelas. Carlos Alberto Bielert Neto Felipe Matheus da S. Silva

Estrelas. Carlos Alberto Bielert Neto Felipe Matheus da S. Silva Estrelas Carlos Alberto Bielert Neto Felipe Matheus da S. Silva Nesta apresentação há slides em branco que contem dicas sobre a aula sobre estrelas. Estas dicas são resultados das perguntas realizadas

Leia mais

Compreendendo o Universo através das galáxias. Marcio A.G. Maia

Compreendendo o Universo através das galáxias. Marcio A.G. Maia Compreendendo o Universo através das galáxias Marcio A.G. Maia Ciclo de Palestras do LNCC FIQUE POR DENTRO" 30 de agosto de 2010 Paisagem Noturna -1 Grande Nuvem de Magalhães Pequena Nuvem de Magalhães

Leia mais

A Teoria de Cordas e a Unificação das Forças da Natureza p. 1/29

A Teoria de Cordas e a Unificação das Forças da Natureza p. 1/29 A Teoria de Cordas e a Unificação das Forças da Natureza Victor O. Rivelles Instituto de Física Universidade de São Paulo rivelles@fma.if.usp.br http://www.fma.if.usp.br/ rivelles/ Simpósio Nacional de

Leia mais

SUPERNOVA A MORTE CATASTRÓFICA DE GRANDES ESTRELAS. Alaor Chaves Departamento de Física-UFMG

SUPERNOVA A MORTE CATASTRÓFICA DE GRANDES ESTRELAS. Alaor Chaves Departamento de Física-UFMG SUPERNOVA A MORTE CATASTRÓFICA DE GRANDES ESTRELAS Alaor Chaves Departamento de Física-UFMG alaor@fisica.ufmg.br O que são supernovas Supernovas são objetos celestes pontuais com luz extremamente intensa

Leia mais

Astrofísica Geral. Tema 16: Forma da Via Láctea

Astrofísica Geral. Tema 16: Forma da Via Láctea ema 16: Forma da Via Láctea Outline 1 Forma e dimensões 2 Componentes da Galáxia 3 Anatomia da Galáxia 4 Bibliografia 2 / 37 Outline 1 Forma e dimensões 2 Componentes da Galáxia 3 Anatomia da Galáxia 4

Leia mais

Cœlum Australe. Jornal Pessoal de Astronomia, Física e Matemática - Produzido por Irineu Gomes Varella

Cœlum Australe. Jornal Pessoal de Astronomia, Física e Matemática - Produzido por Irineu Gomes Varella Cœlum Australe Jornal Pessoal de Astronomia, Física e Matemática - Produzido por Irineu Gomes arella Criado em 1995 Retomado em Junho de 212 Ano I Nº 28 - Janeiro de 213 ESTIMANDO O DIÂMETRO DAS GALÁXIAS

Leia mais

Astrobiologia. Origem do Universo - Cosmologia Prof. Pieter Westera

Astrobiologia. Origem do Universo - Cosmologia Prof. Pieter Westera Astrobiologia Origem do Universo - Cosmologia Prof. Pieter Westera pieter.westera@ufabc.edu.br http://professor.ufabc.edu.br/~pieter.westera/ A Origem do Universo Cosmologia wikipedia: Cosmologia (do grego

Leia mais

Gravitação Universal, Trabalho e Energia. COLÉGIO SÃO JOSÉ FÍSICA - 3º ano Livro Revisional Capítulos 5 e 6

Gravitação Universal, Trabalho e Energia. COLÉGIO SÃO JOSÉ FÍSICA - 3º ano Livro Revisional Capítulos 5 e 6 Gravitação Universal, Trabalho e Energia COLÉGIO SÃO JOSÉ FÍSICA - 3º ano Livro Revisional Capítulos 5 e 6 UNIVERSO Andrômeda - M31. Galáxia espiral distante cerca de 2,2 milhões de anos-luz, vizinha da

Leia mais

FSC1057: Introdução à Astrofísica. Estrelas. Rogemar A. Riffel

FSC1057: Introdução à Astrofísica. Estrelas. Rogemar A. Riffel FSC1057: Introdução à Astrofísica Estrelas Rogemar A. Riffel Propriedades Estrelas são esferas autogravitantes de gás ionizado, cuja fonte de energia é a transformação de elementos através de reações nucleares,

Leia mais

Questionário de Revisão do Capítulo 1

Questionário de Revisão do Capítulo 1 Questionário de Revisão do Capítulo 1 1) Os elementos básicos da matéria que formam o nosso planeta são: a. Átomos e moléculas compostos por fótons, nêutrons e quarks. b. Átomos e moléculas compostos por

Leia mais

INICIAÇÃO À ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA CURSO DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA. Rui Jorge Agostinho José Manuel Afonso

INICIAÇÃO À ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA CURSO DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA. Rui Jorge Agostinho José Manuel Afonso CURSO DE ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA NO OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE LISBOA INICIAÇÃO À ASTRONOMIA E ASTROFÍSICA MÓDULO: CA IAA Rui Jorge Agostinho José Manuel Afonso Janeiro e Junho de 2017 Conteúdo Objectivos

Leia mais

Galáxias: Via Láctea. 1a parte: propriedades gerais. Sandra dos Anjos IAGUSP. Histórico: Modelos da Galáxia

Galáxias: Via Láctea. 1a parte: propriedades gerais. Sandra dos Anjos IAGUSP. Histórico: Modelos da Galáxia Galáxias: Via Láctea 1a parte: propriedades gerais Histórico: Modelos da Galáxia Estrutura, Forma e Dimensões da Via-Láctea - Bojo, Disco, Halo e Barra - A Região Central Sandra dos Anjos IAGUSP www.astro.iag.usp.br/aga210/

Leia mais

Os fundamentos da Física Volume 3 1. Resumo do capítulo

Os fundamentos da Física Volume 3 1. Resumo do capítulo Os fundamentos da Física Volume 1 Capítulo 0 Física Nuclear AS FORÇAS FUNDAMENTAIS DA NATUREZA Força nuclear forte Mantém a coesão do núcleo atômico. Intensidade 10 8 vezes maior do que a força gravitacional.

Leia mais

Origem, evolução e morte das estrelas

Origem, evolução e morte das estrelas Origem, evolução e morte das estrelas As estrelas formam-se a partir de nuvens de gás e poeiras, Instabilidades de diversa ordem podem levar ao colapso gravitacional de zonas mais densas... http://www.physics.unc.edu/

Leia mais

A expansão do Universo. Roberto Ortiz EACH/USP

A expansão do Universo. Roberto Ortiz EACH/USP A expansão do Universo Roberto Ortiz EACH/USP O problema da distância A distância às galáxias pode ser determinada se considerarmos que um objeto nela localizado tem a mesma luminosidade que um objeto

Leia mais

Introdução à Cosmologia Física. Site:

Introdução à Cosmologia Física. Site: Introdução à Cosmologia Física Site: http://disciplinas.stoa.usp.br/course/view.php?id=7127 Livro-texto Vejam "links" na página da disciplina! Outros livros -> Biblioteca do IFUSP e/ou do IAG Avaliação

Leia mais

A Escala Astronômica de Distâncias

A Escala Astronômica de Distâncias mailto:ronaldo@astro.iag.usp.br 8 de junho de 2006 1 Introdução Paralaxe - O Indicador Fundamental Vizinhança Solar Paralaxe Estatística A Galáxia 2 Padrão da Curva de Luz Relação Período-Luminosidade

Leia mais

Buracos negros e gravitação Karenn Liège

Buracos negros e gravitação Karenn Liège Buracos negros e gravitação Buracos negros e gravitação Karenn Liège Objetivos Enfatizar a importância da Teoria Gravitacional nas descobertas cosmológicas principalmente as relacionadas aos Buracos Negros.

Leia mais

Espectro Eletromagnético. Professor Leonardo

Espectro Eletromagnético. Professor Leonardo Espectro Eletromagnético VÉSPERA- VERÃO 2010 EFEITO FOTO ELÉTRICO VÉSPERA- VERÃO 2010 VÉSPERA- VERÃO 2010 Efeito Fotoelétrico Problemas com a Física Clássica 1) O aumento da intensidade da radiação incidente

Leia mais

A gravitação universal de Newton nos diz que dois corpos se atraem se suas massas são positivas e se repelem se elas são negativas.

A gravitação universal de Newton nos diz que dois corpos se atraem se suas massas são positivas e se repelem se elas são negativas. 1. Marque a resposta certa: Os livros "Commentariolus", "Philosophiae Naturalis Principia Mathematica", "Harmonice mundi", "De Revolutionibus Orbium Coelestium", "Astronomia nova aitologetos", "Dialogo

Leia mais

Aula 10 Relatividade. Física 4 Ref. Halliday Volume4. Profa. Keli F. Seidel

Aula 10 Relatividade. Física 4 Ref. Halliday Volume4. Profa. Keli F. Seidel Aula 10 Relatividade Física 4 Ref. Halliday Volume4 ...RELATIVIDADE RESTRITA Sumário A relatividade das distâncias Contração do Espaço Transformada de Lorenz A transformação das velocidades Relembrando...

Leia mais

10 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia

10 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia 10 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova da eliminatória regional 18 de março de 2015 15:00 (Continente e Madeira) / 14:00 (Açores) Duração máxima 120 minutos Notas: Leia atentamente todas as questões.

Leia mais

As curvas da luz. Vitor Cardoso (IST, Portugal)

As curvas da luz. Vitor Cardoso (IST, Portugal) As curvas da luz Vitor Cardoso (IST, Portugal) Relatividade Restrita Sonoras Ondas Precisam de um meio para se propagarem De água Efeito Doppler Que acontece se a fonte estiver parada e o observador se

Leia mais

A Origem do Universo

A Origem do Universo A Origem do Universo Cosmologia wikipedia: Cosmologia (do grego κοσμολογία, κόσμος="cosmos"/"ordem"/"mundo" + -λογία="discurso"/"estudo") é o ramo da astronomia que estuda a origem, estrutura e evolução

Leia mais

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Outono, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: ALBERT EINSTEIN

Instituto de Educação Infantil e Juvenil Outono, 2015. Londrina, Nome: Ano: Tempo Início: Término: Total: ALBERT EINSTEIN Instituto de Educação Infantil e Juvenil Outono, 2015. Londrina, Nome: de Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 4 MMXV grupo B ALBERT EINSTEIN Imagens de supernova podem ajudar a testar teoria de Einstein

Leia mais

Universo Competências a atingir no final da unidade

Universo Competências a atingir no final da unidade Universo Competências a atingir no final da unidade Constituição e origem do Universo. Como é constituído globalmente o Universo. Saber mencionar e distinguir objectos celestes como galáxia, supernova,

Leia mais

CAPÍTULO 7 COSMOLOGIA

CAPÍTULO 7 COSMOLOGIA INPE-7177-PUD/38 CAPÍTULO 7 COSMOLOGIA Carlos Alexandre Wuensche ** INPE São José dos Campos 2003 7-2 COSMOLOGIA LISTA DE FIGURAS...5 LISTA DE TABELAS...7 7.1. INTRODUÇÃO...9 7.1.1 UMA PERSPECTIVA HISTÓRICA...9

Leia mais

Fé Cristã e Ciência Contemporânea

Fé Cristã e Ciência Contemporânea Fé Cristã e Ciência Contemporânea Cosmologia e Expansão do Universo - o Mistério da Criação - Aula 5 eba@ibcu.org.br Roberto Covolan Out/Nov 2012 Fé Cristã e Ciência Contemporânea (novembro) DIA 04.11

Leia mais