inter 5 Manual de Operação Respirador Neonatal, Pediátrico e Adulto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "inter 5 Manual de Operação Respirador Neonatal, Pediátrico e Adulto"

Transcrição

1 Manual de Operação inter 5 Respirador Neonatal, Pediátrico e Adulto Os nomes e logotipos Intermed e inter são marcas registradas da Intermed Equipamento Médico Hospitalar Ltda. São Paulo - Brasil MOP

2

3 Manual de Operação inter 5 Respirador Neonatal, Pediátrico e Adulto! CUIDADO: Leia integralmente este manual antes de utilizar o inter 5 em pacientes. Este equipamento pode sofrer alterações sem prévio aviso ao usuário. Caso não esteja sendo usado um umidificador aquecido, ignore os passos correspondentes ao mesmo. Ao utilizar outros equipamentos, verifique as instruções fornecidas com os mesmos.

4

5 Apresentação 3 Apresentação O presente Manual de Operação contém as informações necessárias para a correta utilização do respirador neonatal, pediátrico e adulto inter 5, marca Intermed. Fabricante: Intermed Equipamento Médico Hospitalar Ltda. Avenida Cupecê, 1786 São Paulo - SP CEP Tel: (11) Fax: (11) Web site: CNPJ: / I.E.: Sugestões, dúvidas ou reclamações: SAT - Serviço de Assistência Técnica: , (11) ou pelo site. Registro do Produto no Ministério da Saúde: Nome técnico: Ventilador Pressão e Volume Nome Comercial: Respirador Neonatal Pediátrico e Adulto inter 5 Registro ANVISA nº: Classificação do Produto NBR IEC /97, NBR IEC /98, IEC 601-1/1988 e IEC /98, ISO 8185/1988 Equipamento Classe I/ Energizado Internamente Tipo B - IPX1 - Operação Contínua Equipamento não adequado ao uso na presença de uma mistura anestésica inflamável com ar, oxigênio ou óxido nitroso. Responsável técnico: Eng. Jorge Bonassa CREA /D Responsável Legal Milton Rubens Salles

6

7 Índice 5 Índice Capítulo 1: Introdução...7 Descrição...8 Capítulo 2: Precauções e Notas...9 Capítulo 3: Controles, Monitores, Indicadores e Alarmes...13 Painel Frontal...14 Controles...15 MODE...15 Alarmes...29 Indicadores Visuais...32 Displays...35 Displays Analógicos...36 Outros Controles...37 Painel Traseiro...38 Conectores e controles do painel traseiro...39 Capítulo 4: Montagem...45 Montagem do Pedestal...46 Montagem do Conjunto...47 Montagem do Circuito Pediátrico e Adulto...49 Montagem da Jarra de Umidificação IM Montagem da Válvula de Exalação...51 Capítulo 5: Operação...53 Preliminares...54 Modo VOLUME ASSIST/CONTR...55 Modo VOLUME SIMV/CPAP/PRESS SUPP...56 Modo TIME CYCLE ASSIST/CONTR...57 Modo TIME CYCLE SIMV/CPAP...58 Modo PRESSURE ASSIST/CONTR/BIPAP...59 Modo PRESSURE SIMV/CPAP/PRESS SUPP...60 Capítulo 6: Solução de Problemas...61

8 Índice 6 Capítulo 7: Limpeza e Esterilização...67 Respirador...Erro! Indicador não definido. Circuito do Paciente / Umidificador...69 LAVAGEM...70 DESINFECÇÃO A SECO...70 DESINFECÇÃO POR IMERSÃO...70 ESTERILIZAÇÃO QUÍMICA POR IMERSÃO...71 AUTOCLAVE...71 ETO - ÓXIDO ETILENO (C 2 H 4 O)...71 Capítulo 8: Acessórios, Partes e Peças...73 ACESSÓRIOS OPCIONAIS...75 Umidificador Misty 3-100/120VAC...75 Umidificador Misty 3-220/240VAC...75 Sensor de Temperatura...75 Jarra de Umidificação IM300* (completa)...75 Capítulo 9: Manutenção Preventiva...79 Teste de Verificação Funcional - TVF...80 Manutenção Preventiva de Rotina...85 Manutenção da Bateria interna:...86 Descarte do Circuito Paciente e outros acessórios:...87 Manutenção Preventiva Anual - MPA...88 Capítulo 10: Especificações...89 Capítulo 11: Garantia...95 Anexo A: Simbologia e Terminologia...97 Simbologia...97 Terminologia...101

9 Capítulo 1: Introdução 7 Capítulo 1: Introdução 1 - INTRODUÇÃO Neste Capítulo: Utilize sempre o Manual de Operação para referência Descrição

10 Capítulo 1: Introdução 8 Descrição O inter 5 é um respirador eletrônico microprocessado que incorpora os mais modernos recursos da ventilação mecânica, para utilização em pacientes neonatais, pediátricos e adultos. O inter 5 incorpora uma válvula de fluxo que responde instantaneamente ao esforço do paciente, minimizando o trabalho respiratório. A possibilidade de programação dos fluxos inspiratório e expiratório independentes durante a modalidade ciclada a tempo, amplia as possibilidades terapêuticas nos pacientes neonatais e pediátricos. O exclusivo sistema de Dupla Válvula de Exalação assegura um completo controle sobre os níveis de pressão durante a ventilação, mesmo em pacientes com a mecânica respiratória deficiente. O inter 5 dispõe de um sistema automático de compensação de PEEP, que suplementa o fluxo na via aérea em caso de vazamento, assegurando uma linha de base estável, sem comprometer a sensibilidade. Esse sistema é particularmente útil na ventilação não invasiva. O funcionamento conjugado das válvulas de exalação e de fluxo permite que o paciente exale durante a fase inspiratória dos ciclos com pressão controlada, reduzindo a necessidade de sedação. O inter 5 permite a ventilação desde recém-nascidos prematuros até pacientes adultos com insuficiência respiratória aguda. Diversos recursos como Ventilação com Pressão Controlada, Pressão Suporte, BIPAP, nebulizador, Insuflação Traqueal de Gás (TGI), Pausa Expiratória para monitoração de auto-peep, ventilação de back up, bateria interna, entre outros, tornam o inter 5 um respirador único. O sistema de monitoração de pressão e alarmes é realizado por meio de um manômetro eletrônico com pontos luminosos dispostos de forma a permitir fácil visualização, mesmo à distância.

11 Capítulo 2: Precauções e Notas 9 Capítulo 2: Precauções e Notas Neste Capítulo: Sempre consulte o Manual de Operação sobre os riscos e cuidados associados ao equipamento. Precauções Cuidado Atenção Notas O inter 5 deve ser manuseado e operado por pessoal qualificado e treinado, sob a supervisão direta de um médico licenciado. É necessária a LEITURA TOTAL DO MANUAL de Operação ANTES de utilizar o inter 5 em pacientes. A utilização do equipamento antes do completo entendimento das suas características e funções resulta em condições de risco para o operador, o paciente e o próprio equipamento. Os parágrafos precedidos das seguintes palavras merecem especial atenção: 2 - PRECAUÇÕES! CUIDADO: Indicam condições que podem afetar adversamente o operador ou o paciente. ATENÇÃO: Indicam condições que podem afetar ou danificar o equipamento ou seus acessórios. NOTA: Indica uma informação adicional para melhor compreensão do funcionamento do equipamento.

12 Capítulo 2: Precauções e Notas 10 CUIDADO:! Antes da primeira utilização e após a utilização em cada paciente ou mais freqüentemente, se necessário, LIMPE o respirador. DESMONTE e ESTERILIZE os acessórios, conforme capítulo 7. RISCO DE EXPLOSÃO: NUNCA use o respirador na presença de gases anestésicos inflamáveis. Perigo de choque elétrico: NUNCA DESMONTE O GABINETE do respirador. Em caso de problemas ou dificuldade, contate a Intermed Utilize sempre GÁS DE GRAU MÉDICO (seco e isento de contaminação) para prevenir danos internos ao respirador e riscos ao paciente. Sempre CONECTE o respirador a uma rede de alimentação elétrica com SISTEMA DE ATERRAMENTO PARA PROTEÇÃO e tomada compatível com o plugue do equipamento. NUNCA INUTILIZE O CONTATO DE ATERRAMENTO NO PLUGUE, Utilize somente o cabo fornecido com o respirador e certifique-se que o mesmo esteja em boas condições. Em caso de dúvida sobre a INTEGRIDADE DO SISTEMA DE ATERRAMENTO, opere o equipamento através de sua bateria interna ou outra bateria externa. O funcionamento deste equipamento pode ser ADVERSAMENTE AFETADO pela operação próximo a equipamentos como APARELHOS cirúrgicos de ALTA FREQÜÊNCIA ou equipamento de terapia por ONDAS CURTAS. NUNCA opere o equipamento ANTES de ajustar os alarmes. Verifique diariamente os alarmes sonoros e visuais para assegurar que os mesmos estejam funcionando adequadamente. Utilize um analisador de oxigênio e um monitor de volume corrente devidamente calibrados para assegurar que os valores ajustados sejam fornecidos ao paciente.

13 Capítulo 2: Precauções e Notas 11 CUIDADO:! NUNCA tente remover os botões de controle PEEP e INSP PRESS. A montagem inadequada representa risco ao paciente. Em caso de problemas ou dúvidas contate a Intermed Em caso de reposição, utilize sempre ACESSÓRIOS, PARTES E PEÇAS ORIGINAIS, sob risco de comprometer o desempenho do equipamento, a segurança do paciente e/ou usuário e a validade da garantia. Mangueiras e/ou tubos antiestáticos ou eletricamente condutivos não devem ser utilizados em conjunto com o equipamento. NUNCA utilize o respirador em desacordo com as ESPECIFICAÇÕES contidas no manual. Em caso de dúvidas, contate a Intermed Para assegurar a proteção elétrica e evitar risco de fogo mantenha as mesmas especificações (tipo e capacidade) ao substituir os fusíveis. A substituição incorreta dos fusíveis invalida a garantia e representa risco à segurança do operador/paciente e ao funcionamento do equipamento. A capacidade dos fusíveis depende da tensão selecionada: VOLTAGEM FUSÍVEL 100V-120V 400mA / 250V SB 220V-240V 200mA / 250V SB O respirador é um equipamento de suporte de vida. NUNCA confie sua manutenção a pessoal não autorizado. Em caso de problemas ou dificuldade, contate a Intermed Quando o respirador estiver sendo usado em pacientes, um profissional qualificado deve estar de PRONTIDÃO para tomar as ações necessárias sempre que um alarme ou problema ocorrer. Um ALARME indica a ocorrência de uma situação que requer a atenção do operador e NUNCA DEVE SER IGNORADO. Realize o Teste de Verificação Funcional (TVF), especificado no Capítulo 9, ao menos uma vez por mês ou em caso de dúvidas sobre o funcionamento do respirador. Caso sejam detectados problemas durante o TVF, interrompa o uso do equipamento e solicite a 2 - PRECAUÇÕES

14 Capítulo 2: Precauções e Notas 12 Manutenção. ATENÇÃO:! NUNCA ESTERILIZE O RESPIRADOR. Os componentes internos não são compatíveis com as técnicas de esterilização. Siga as instruções para limpeza do equipamento e esterilização dos acessórios, conforme Capítulo 7 deste manual. Agentes ESTERILIZANTES QUE INCORPOREM fenol, cloreto de amônia, dimetil e soluções com concentração maior que 2% de glutaraldeido PODEM CAUSAR DANOS aos componentes plásticos. A MANUTENÇÃO do inter 5 deve ser realizada por Serviço Técnico Autorizado da Intermed. O FILTRO DE AR localizado no painel traseiro deve ser VERIFICADO ANTES DE CADA USO ou periodicamente DURANTE O USO. Retire a água condensada no copo do filtro para evitar que entre no equipamento, comprometendo seu funcionamento. NOTAS:! Os esquemas de circuitos, lista de componentes, descrições técnicas, instruções de ajuste e calibração e demais informações necessárias para manutenção do equipamento poderão ser fornecidos mediante solicitação. O respirador é um equipamento médico que deve ser manuseado e operado por pessoal qualificado e treinado, sob a supervisão direta de um médico.

15 Capítulo 3: Controles, Monitores, Indicadores e Alarmes 13 e Alarmes Capítulo 3: Controles, Monitores, Indicadores Neste Capítulo: É importante estar familiarizado com todos os controles do inter 5. Painel Frontal Controles Alarmes Indicadores Visuais Displays Displays Analógicos Outros Controles Painel traseiro Conectores e controles do painel traseiro 3 - CONTROLES

16 Capítulo 3: Controles, Monitores, Indicadores e Alarmes 14 Painel Frontal INFANT - PEDIATRIC & ADULT VENTILATOR inter 5 INSP FLOW L/min MEAN GAS FAIL INOP 5 LO PRESS HI PRESS 50 ALARMS 0 APNEA s 60 BACK-UP EXP FLOW L/min PEEP PRESSURE cmh2o 4 OFF INSP PRESS/ PS REFER TO OPERATION MANUAL I : E RATIO VOLUME L INSP TIME s SENSITIVITY cmh 2 O INTERMED 10 8 NEBU- LIZER TGI SIGH MANUAL CYCLE EXP HOLD (A.PEEP) INSP PAUSE/ HOLD VOLUME ASSIST CONTR / VOLUME SIMV CPAP PSV / / TIME CYCLE ASSIST / CONTR POWER BATTERY TOTAL RATE bpm SET RATE bpm MODE PRESSURE ASSIST / CONTR / BIPAP PRESSURE SIMV CPAP PSV / / TIME CYCLE SIMV CPAP / Figura Painel Frontal do inter 5

17 Capítulo 3: Controles, Monitores, Indicadores e Alarmes 15 Controles VOLUME ASSIST/ CONTR VOLUME SIMV/ CPAP / PRESS SUPP TIME CYCLE ASSIST CONTR / MODE PRESSURE ASSIST/ CONTR / BIPAP PRESSURE SIMV/ CPAP / PRESS SUPP TIME CYCLE SIMV CPAP / MODE Este controle seleciona os diversos modos de ventilação fornecidos pelo equipamento: 1. Volume Controlado Assistido Controlado SIMV / CPAP 2. Tempo Controlado Assistido Controlado SIMV / CPAP 3. Pressão Controlada, PC a Assistido Controlado SIMV / CPAP Os ciclos respiratórios podem ser classificados em três tipos: Ciclo controlado: É iniciado pelo respirador em função da freqüência respiratória programada, ou na ocorrência de um período de apnéia que ative o sistema de back up. Os ciclos controlados obedecem aos parâmetros ajustados conforme o tipo de ventilação: Volume Controlado, Pressão Controlada ou Tempo Controlado. Ciclo assistido: É iniciado pelo paciente e obedecem aos mesmos parâmetros ajustados para os ciclos controlados. Ciclo espontâneo: É iniciado pelo paciente. Os valores de fluxo, volume e tempo são dependentes da pressão suporte ajustada, da mecânica respiratória e do nível de esforço inspiratório do paciente. 3 - CONTROLES

18 Capítulo 3: Controles, Monitores, Indicadores e Alarmes 16 VOLUME ASSIST/CONTR Nesta modalidade o respirador habilita os ciclos controlados e assistidos, ciclados a volume, com fluxo constante. Devem ser ajustados os seguintes parâmetros: Obrigatórios: PARÂMETRO CONTROLE UNIDADE Volume VOLUME L Freqüência Respiratória SET RATE bpm (respirações por minuto) Fluxo Inspiratório INSP FLOW L/min Sensibilidade Assistida SENSITIVITY cmh 2 O Opcionais: PARÂMETRO CONTROLE UNIDADE Pressão Expiratória PEEP cmh 2 O Pausa Inspiratória INSP PAUSE segundos Suspiro SIGH L Nebulização NEBULIZER / TGI L/min Insuflação Traqueal de Gás NEBULIZER / TGI L/min Tempo de Apnéia - Back up APNEA - BACK UP segundos Ciclos Controlados Ajustada a freqüência respiratória, o respirador calcula janelas de tempo e mantém a freqüência ajustada para os ciclos controlados. Por exemplo, ao ser ajustada uma freqüência de 12 bpm, temos: Tempo ciclo = Tempo Insp. + Tempo Exp. = 60s /Freq. Resp Tempo ciclo = 60/12 = 5 segundos. Neste exemplo, a cada 5 segundos o respirador inicia um ciclo controlado pela abertura do fluxo inspiratório, de acordo com o valor ajustado (INSP FLOW) e pelo fechamento da válvula de exalação. Ao ser atingido o volume ajustado (VOLUME) o respirador cessa o fluxo e abre a válvula de exalação.

19 Capítulo 3: Controles, Monitores, Indicadores e Alarmes 17 NOTA:! Programando-se uma pausa inspiratória (INSP PAUSE), o respirador retarda a abertura da válvula de exalação por um período equivalente a 50% do tempo inspiratório. Ciclos Assistidos O ciclo assistido é idêntico ao ciclo controlado, a não ser pelo fato de ter sido iniciado pelo esforço do paciente. Considerando-se o exemplo anterior se, antes de decorridos os 5 segundos contados a partir do início do ciclo, o paciente exercer um esforço inspiratório suficiente para negativar a pressão da via aérea no nível ajustado de sensibilidade (SENSITIVITY), o respirador iniciará um ciclo respiratório imediatamente, em resposta ao esforço do paciente. A janela de tempo contabilizada pelo respirador é inicializada a partir da ocorrência tanto do ciclo controlado como do assistido. Sempre que o paciente exerce um esforço inspiratório que excede o nível da sensibilidade ajustada, o respirador envia o ciclo assistido. Assim, o paciente pode sincronizar o início dos ciclos respiratórios e exceder a freqüência ajustada. De qualquer forma, o respirador sempre assegura, no mínimo, a freqüência ajustada. VOLUME SIMV/CPAP + PRESS SUPPORT Na modalidade SIMV, o respirador habilita além dos ciclos controlados e assistidos, ciclados a volume, os ciclos espontâneos, que podem ser assistidos pela Pressão Suporte, reduzindo o trabalho respiratório do paciente. Para obter a modalidade CPAP, ajuste a freqüência respiratória em zero. Nesse caso o respirador habilitará apenas os ciclos espontâneos, com ou sem Pressão Suporte. 3 - CONTROLES

20 Capítulo 3: Controles, Monitores, Indicadores e Alarmes 18 Devem ser ajustados os seguintes parâmetros: Obrigatórios: PARÂMETRO CONTROLE UNIDADE Volume VOLUME L (litros) Freqüência Respiratória SET RATE bpm (respirações por minuto) Fluxo Inspiratório INSP FLOW L/min Sensibilidade Assistida SENSITIVITY cmh 2 O Pressão Suporte INSP PRESS / PS cmh 2 O Opcionais: PARÂMETRO CONTROLE UNIDADE Pressão Expiratória PEEP cmh 2 O Pausa Inspiratória INSP PAUSE segundos Suspiro SIGH L Nebulização NEBULIZER / TGI L/min Insuflação Traqueal de Gás NEBULIZER / TGI L/min Tempo de Apnéia - Back up APNEA - BACK UP segundos Os ciclos controlados e assistidos são idênticos aos descritos anteriormente. Entretanto, durante o modo SIMV/CPAP, o respirador permite apenas a ocorrência de um ciclo assistido durante a janela de tempo. Todo o esforço inspiratório do paciente, na seqüência de um ciclo assistido, dentro da janela de tempo, resulta em um ciclo espontâneo. Ciclos Espontâneos São divididos em ciclos espontâneos sem e com pressão suporte: Ciclo Espontâneo sem Pressão Suporte: podem ocorrer quando o esforço do paciente não atingir o nível de sensibilidade ajustada (SENSITIVITY), ou se a Pressão Suporte (INSP PRESS/PS) for ajustada ao mesmo nível da Pressão Expiratória (PEEP). Nesse caso o respirador aumenta o fluxo para manter a linha de base (PEEP). O fluxo, volume e tempo inspiratório serão função apenas do esforço e da mecânica respiratória do paciente.

21 Capítulo 3: Controles, Monitores, Indicadores e Alarmes 19 Ciclo Espontâneo com Pressão Suporte: ocorrem quando o paciente exercer um esforço suficiente para atingir o nível de sensibilidade programada, e quando a Pressão Suporte (INSP PRESS/PS) for ajustada acima do nível da Pressão Expiratória (PEEP). Ao ser detectado o esforço do paciente, o respirador aumenta o fluxo na via aérea de forma a elevar e manter a pressão na via aérea ao nível da Pressão Suporte ajustada. O fluxo inspiratório será função da diferença entre a pressão suporte e a pressão alveolar. O respirador termina o ciclo quando o fluxo inspiratório decair a 25% do pico de fluxo, abrindo a válvula de exalação e retornando a pressão da via aérea ao nível da PEEP. NOTA:! Se o fluxo na via aérea não decair a 25% do pico de fluxo, por exemplo, devido a vazamentos no circuito, o tempo inspiratório será limitado a 3 segundos. PRESSURE ASSIST/CONTR Nesta modalidade o respirador habilita os ciclos controlados e assistidos, ciclados a tempo, com pressão constante e fluxo de demanda. Devem ser ajustados os seguintes parâmetros: Obrigatórios: PARÂMETRO CONTROLE UNIDADE Tempo Inspiratório INSP TIME segundos Freqüência Respiratória SET RATE bpm (respirações por minuto) Pressão Controlada INSP PRESS / PS cmh 2 O 3 - CONTROLES Sensibilidade Assistida SENSITIVITY cmh 2 O cmh 2 O Opcionais: PARÂMETRO CONTROLE UNIDADE Pressão Expiratória PEEP cmh 2 O Pausa Inspiratória INSP PAUSE segundos Nebulização ou NEBULIZER / TGI L/min Insuflação Traqueal de Gás NEBULIZER / TGI L/min Tempo de Apnéia - Back up APNEA - BACK UP segundos

22 Capítulo 3: Controles, Monitores, Indicadores e Alarmes 20 A modalidade PRESSURE ASSIST/CONTROL difere da modalidade VOLUME ASSIST/CONTROL apenas na forma de controle dos ciclos controlados e assistidos. Nessa modalidade, o ciclo controlado e/ou assistido é iniciado pela abertura do fluxo inspiratório, de forma a elevar a pressão na via aérea até o nível ajustado de Pressão Controlada (INSP PRESS). O respirador manterá o controle da pressão na via aérea pelo período de Tempo Inspiratório (INSP TIME) ajustado. Ao término do Tempo Inspiratório, o respirador cessa o fluxo e abre a válvula de exalação. Durante os ciclos com Pressão Controlada, o volume e o fluxo são dependentes da mecânica respiratória do paciente, do nível de Pressão Controlada e do Tempo Inspiratório ajustado. NOTA:! Os ciclos com Pressão Controlada são controlados como os com Pressão Suporte. Entretanto, a Pressão Suporte atua sobre os ciclos espontâneos e a Pressão Controlada, sobre os controlados e assistidos. Os ciclos com Pressão Suporte são finalizados quando o fluxo inspiratório decai a 25% do pico de fluxo (ciclagem por fluxo) e os com Pressão Controlada, de acordo com o Tempo Inspiratório ajustado (ciclagem por tempo). BIPAP Esta é uma aplicação particular da modalidade Pressão Controlada (PRESSURE ASSIST/CONTR/BIPAP) disponível no inter 5. A modalidade BIPAP permite que o paciente respire espontaneamente em dois níveis distintos de pressão. O inter 5 realiza o controle de pressão, tanto inspiratória como expiratória, simultaneamente através da válvula de fluxo e da válvula de exalação. Assim, se o paciente exercer um esforço inspiratório em ambas as fases, o respirador aumenta o fluxo na via aérea para atender a demanda do paciente. Contrariamente, se o paciente exercer um esforço expiratório, o respirador alivia a pressão ao nível ajustado de Pressão Controlada (INSP PRESS) ou Pressão Expiratória (PEEP). Em ambos os níveis de pressão o paciente poderá respirar espontaneamente.

23 Capítulo 3: Controles, Monitores, Indicadores e Alarmes 21 Essa característica permite, por exemplo, a utilização de Pressão Controlada com Relação Invertida (Tempo Inspiratório maior que Tempo Expiratório) sem a necessidade da sedação do paciente. PRESSURE SIMV/CPAP + PRESS SUPPORT Nesta modalidade, a Pressão Controlada (INSP PRESS) e a Pressão Suporte (PS) são ajustadas pelo controle INSP PRESS/PS apresentando, o mesmo valor. Entretanto, os ciclos espontâneos com Pressão Suporte são finalizados por fluxo e os ciclos assistidos e controlados com Pressão Controlada, finalizados por tempo, conforme apresentado anteriormente. TIME CYCLE ASSIST/CONTR Nesta modalidade o respirador habilita os ciclos controlados e assistidos, ciclados a tempo, limitados a pressão e com fluxos expiratório e inspiratório constantes. Devem ser ajustados os seguintes parâmetros: Obrigatórios: PARÂMETRO CONTROLE UNIDADE Tempo Inspiratório INSP TIME segundos Freqüência Respiratória SET RATE bpm (respirações por minuto) Fluxo Inspiratório INSP FLOW L/min Fluxo Expiratório EXP FLOW L/min L/min Pressão Inspiratória INSP PRESS / PS cmh 2 O 3 - CONTROLES Pressão Expiratória PEEP cmh 2 O Sensibilidade Assistida SENSITIVITY cmh 2 O cmh 2 O Opcionais: PARÂMETRO CONTROLE UNIDADE Pausa Inspiratória INSP PAUSE segundos Nebulização ou NEBULIZER / TGI L/min Insuflação Traqueal de Gás NEBULIZER / TGI L/min Tempo de Apnéia - Back up APNEA - BACK UP segundos

24 Capítulo 3: Controles, Monitores, Indicadores e Alarmes 22 Nessa modalidade, durante a fase expiratória, o respirador mantém o Fluxo Expiratório (EXP FLOW) de forma contínua e a Pressão Expiratória (PEEP) limitada através da válvula de exalação. No início do ciclo controlado e/ou assistido o respirador envia o valor ajustado de Fluxo Inspiratório (INSP FLOW) e fecha a válvula de exalação no valor ajustado de Pressão Inspiratória (INSP PRESS). O respirador mantém a fase inspiratória pelo período de Tempo Inspiratório (INSP TIME) ajustado. Ao término do Tempo Inspiratório, o respirador retorna aos valores de Fluxo Expiratório e Pressão Expiratória. Nessa modalidade a pressão na via aérea é simplesmente limitada, e não controlada. Dependendo dos valores ajustados de Fluxo Inspiratório e Tempo Inspiratório e da mecânica respiratória do paciente, é possível que a pressão na via aérea não atinja o valor pretendido de Pressão Inspiratória. Tanto o Fluxo Expiratório como o Fluxo Inspiratório permanecem constantes nos valores ajustados. Um esforço inspiratório intenso do paciente pode causar a queda de pressão na via aérea caso o fluxo seja insuficiente. NOTA:! 1. Nessa modalidade o respirador não aciona o fluxo de demanda. Programe um Fluxo Expiratório e Inspiratório adequados para atender a demanda do paciente e compensar eventuais vazamentos. A programação de um Fluxo Expiratório elevado minimiza as oscilações de pressão e pode dificultar o início dos ciclos assistidos. 2. Caso tenha sido acionada a pausa inspiratória (INSP PAUSE), o respirador irá retardar a abertura da válvula de exalação, mantendo ambos os fluxos (INSP FLOW e EXP FLOW) fechados por um período equivalente a 50% do Tempo Inspiratório programado.

25 Capítulo 3: Controles, Monitores, Indicadores e Alarmes 23 TIME CYCLE SIMV/CPAP Nessa modalidade o respirador habilita os ciclos espontâneos além dos ciclos controlados e assistidos, obedecendo a mesma lógica descrita na modalidade VOLUME SIMV/CPAP. Entretanto, os ciclos espontâneos são caracterizados apenas pela manutenção do Fluxo Expiratório (EXP FLOW), que deve ser ajustado de forma a atender a demanda inspiratória do paciente. SENSITIVITY cmh 2 O SENSITIVITY cmh 2 O Esse controle determina o nível de esforço inspiratório do paciente necessário para: Iniciar os ciclos assistidos em todas as modalidades; Iniciar os ciclos espontâneos com pressão suporte nas modalidades - VOLUME SIMV/CPAP/PRESS SUPP - PRESSURE SIMV/CPAP/PRESS SUPP Contabilizar os ciclos espontâneos na freqüência respiratória total (TOTAL RATE) na modalidade TIME CYCLE SIMV/CPAP. O indicador visual (led) correspondente é ativado sempre que o esforço do paciente atingir o nível de sensibilidade ajustado. ESCALA: 1 a 10 cmh 2 O 3 - CONTROLES

26 Capítulo 3: Controles, Monitores, Indicadores e Alarmes 24 VOLUME L INSP TIME s VOLUME - INSP. TIME Este controle possui duas funções, dependendo do modo respiratório selecionado. a) Ajuste da duração da fase inspiratória, indicada no display, e acionamento do led INSP TIME nos seguintes modos: Pressão Controlada: - PRESSURE ASSIST/CONTR/BIPAP - PRESSURE SIMV/CPAP/PSV Tempo Controlado: - TIME CYCLE ASSIST/CONTR - TIME CYCLE SIMV/CPAP A b) Ajuste do valor do volume corrente, indicado no display, e acionamento do led VOLUME no seguinte modo: Volume Controlado - VOLUME ASSIST/CONTROL - VOLUME SIMV/CPAP/PRESS SUPP O display VOLUME pode indicar duas situações de alerta: 1) Display VOLUME piscando: A modalidade Volume Controlado (VOLUME ASSIST/CONTR ou VOLUME SIMV/CPAP/PRESS SUPP) ainda não foi acionada. Para ativar a modalidade Volume Controlado a partir das outras modalidades cicladas a tempo (PRESSURE e TIME CYCLE), gire totalmente o botão VOLUME no sentido anti-horário até que o display pare de piscar e mude a indicação mínima de tempo (0.19) para volume (0.02). Ajuste o valor requerido. 2) Display VOLUME indicando H.FL : O ajuste de volume corrente (VOLUME) e fluxo inspiratório (INSP FLOW) resultou em um tempo inspiratório menor que 100 millisegundos. Aumente o volume ou diminua o fluxo para aumentar o tempo inspiratório. ESCALA DE TEMPO (modalidades PRESSURE e TIME CYCLE): 0.10 a 3.00 segundos ESCALA DE VOLUME (modalidade VOLUME): 20 ml a 2000 ml (0.02 a 2.00 litros)

27 Capítulo 3: Controles, Monitores, Indicadores e Alarmes 25 SET RATE bpm SET RATE Este controle determina: A freqüência mínima dos ciclos controlados e/ou assistidos fornecidos pelo respirador na modalidade assistida/controlada (ASSIST/CONTR) A freqüência total dos ciclos controlados e assistidos na modalidade SIMV. A programação de freqüência zero permite a modalidade CPAP com a chave de modo na posição SIMV/CPAP. ESCALA: 0 a 150 bpm (respirações por minuto) PEEP PEEP! Este controle determina o nível de pressão durante a fase expiratória ou a pressão constante mantida nas vias aéreas no modo CPAP. Gire o botão observando a leitura da pressão na escala do manômetro eletrônico. ESCALA: 0 a 30 cmh 2 O CUIDADO: Manobras utilizando PEEP superior a 30 cmh 2 O devem ser feitas somente por profissional médico com conhecimento e experiência no protocolo de ventilação de pacientes. 3 - CONTROLES INSP PRESS/ PS INSP PRESS / PS No modo Tempo Controlado (TIME CYCLE ASSIST/CONTR, TIME CYCLE SIMV/CPAP), este controle determina o limite de alta pressão durante a fase inspiratória. Dependendo da própria mecânica respiratória do paciente e dos parâmetros ajustados (fluxo e tempo inspiratórios), a pressão inspiratória resultante pode situar-se abaixo do limite pretendido.

28 Capítulo 3: Controles, Monitores, Indicadores e Alarmes 26 Portanto um aumento da pressão inspiratória só será verificado com o aumento do tempo inspiratório e/ou fluxo. Reduza o limite INSP.PRESS. girando o botão no sentido anti-horário até observar que limite coincide com a máxima pressão inspiratória. No modo Pressão Controlada (PRESSURE ASSIST/CONTROL, PRESSURE SIMV/CPAP) este controle determina o nível de pressão a ser mantido na via aérea durante a fase inspiratória. O respirador aumenta automaticamente o Fluxo Inspiratório na via aérea para atingir e manter o nível de Pressão Inspiratória (INSP PRESS/PS) ajustado. Nos modos Pressão e Volume Controlado (PRESSURE SIMV/CPAP, VOLUME SIMV/CPAP) este controle ajusta o nível de pressão de suporte nos ciclos espontâneos. ESCALA: 0 a 70 cmh 2 O INSP FLOW L/min INSP FLOW - L/min Este controle ajusta o nível de fluxo constante durante a fase inspiratória dos ciclos controlados e assistidos nos modos ciclados por Tempo e por Volume (TIME CYCLE e VOLUME). ESCALA: 4 a 120 L/min EXP FLOW L/min EXP FLOW - L/min Este controle ajusta o nível de fluxo durante a fase expiratória ou CPAP na modalidade ciclada por tempo (TIME CYCLE). ESCALA: 0 a 40 L/min NEBULIZER / TGI NEBU- LIZER TGI Pressionando-se esta tecla nos modos Volume Controlado e Pressão Controlada (VOLUME, PRESSURE), têm-se as seguintes opções: Desligada

29 Capítulo 3: Controles, Monitores, Indicadores e Alarmes 27 NEBULIZER: Pressionada com um toque, um fluxo contínuo de 6 L/min é liberado durante a fase inspiratória na saída de nebulização localizada no painel traseiro. Utilize este fluxo para acionar o nebulizador conectado no circuito do paciente. Nas modalidades cicladas a volume, o fluxo de 6 L/min é descontado do cálculo de volume para evitar um aumento do volume corrente. TGI (Insuflação Traqueal de Gás): Pressionada por 5 segundos, ativa um fluxo contínuo de 6 L/min sincronizado com a fase expiratória na mesma saída do nebulizador. Utilize esse fluxo através de um cateter posicionado na carina do paciente para promover a "lavagem" do CO 2 retido nas vias aéreas durante a exalação. NOTA:! No modo ciclado a tempo (TIME CYCLE), o fluxo de 6 L/min é acionado continuamente, permanecendo acesos os leds NEBULIZER e TGI. SIGH SIGH Esta tecla habilita o suspiro automático somente nos modos ciclados a volume (VOLUME). Quando pressionada, o respirador envia um suspiro no ciclo seguinte e, a partir de então, uma vez a cada 7 minutos ou uma vez a cada 100 respirações, o que ocorrer primeiro. Quando um ciclo do tipo suspiro é liberado: - O volume corrente aumenta 50%; - O tempo inspiratório aumenta 50%; - O tempo expiratório aumenta 50%. 3 - CONTROLES MANUAL CYCLE MANUAL CYCLE Esta tecla libera um ciclo controlado no modo selecionado. O respirador ignora este comando se a tecla for pressionada durante a fase inspiratória ou antes que o tempo mínimo de exalação tenha passado. EXP HOLD (A.PEEP) EXP HOLD Esta tecla permite a execução da pausa expiratória manual. A pausa é mantida enquanto a tecla estiver pressionada (máximo 10 segundos).

Manual de Operação. Os nomes e logotipos Intermed e Inter são marcas registradas da Intermed Equipamento Médico Hospitalar Ltda.

Manual de Operação. Os nomes e logotipos Intermed e Inter são marcas registradas da Intermed Equipamento Médico Hospitalar Ltda. Os nomes e logotipos e Inter são marcas registradas da Equipamento Médico Hospitalar Ltda. São Paulo Brasil 2002 Misturador de Ar e O 2 CUIDADO: Leia integralmente este manual antes de utilizar o. Este

Leia mais

Manual de Operação. Ventilador Pulmonar Neonatal

Manual de Operação. Ventilador Pulmonar Neonatal Manual de Operação Ventilador Pulmonar Neonatal Os nomes e logotipos Intermed e inter são marcas registradas da Intermed Equipamento Médico Hospitalar Ltda. São Paulo - Brasil - 2002 MOP 806.00257 Manual

Leia mais

TAKAOKA MONTEREY SMART

TAKAOKA MONTEREY SMART TAKAOKA MONTEREY SMART OPERAÇÃO NO RECÉM-NASCIDO O Monterey Smart é um respirador microprocessado desenvolvido para atender pacientes adultos, infantis e neonatais em terapia intensiva e transporte intra

Leia mais

Manual de Operação. Os nomes e logotipos Intermed e Inter são marcas registradas da Intermed Equipamento Médico Hospitalar Ltda.

Manual de Operação. Os nomes e logotipos Intermed e Inter são marcas registradas da Intermed Equipamento Médico Hospitalar Ltda. Os nomes e logotipos e Inter são marcas registradas da Equipamento Médico Hospitalar Ltda. São Paulo Brasil 2011 O ventilador deve ser manuseado e operado apenas por profissionais devidamente capacitados.

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

Divinolândia 19 de agosto de 2013

Divinolândia 19 de agosto de 2013 Divinolândia 19 de agosto de 2013 Prezados senhores interessados Esta comissão de Julgamento de Licitação do Conderg Hospital Regional de Divinolândia, esclarece através deste, alterações feita no Edital

Leia mais

A empresa se reserva no direito de fazer alterações sem prévio aviso. Produto produzido por Eletroppar - CNPJ. 02.748.434/0001-08

A empresa se reserva no direito de fazer alterações sem prévio aviso. Produto produzido por Eletroppar - CNPJ. 02.748.434/0001-08 As imagens deste manual são meramente ilustrativas. A empresa se reserva no direito de fazer alterações sem prévio aviso. Produto produzido por Eletroppar - CNPJ. 02.748.434/0001-08 P27130 - Rev. 1 1 Índice

Leia mais

4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar

4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar 4 Confiabilidade Metrológica do Ventilador Pulmonar A metrologia avançou muito na área industrial e científica, mas, apesar de sua óbvia importância, sua aplicação ainda é incipiente na área da saúde.

Leia mais

mudanças em qualquer uma dos ajustes nas janelas do paciente ou do ventilador sejam implementadas.

mudanças em qualquer uma dos ajustes nas janelas do paciente ou do ventilador sejam implementadas. 1- DESCRIÇÃO O xlung é um simulador virtual da interação paciente-ventilador pulmonar que incorpora os principais recursos do suporte ventilatório a diferentes configurações de aspectos demográficos, de

Leia mais

Manual de Operação. misty 3. Umidificador Aquecido

Manual de Operação. misty 3. Umidificador Aquecido Manual de Operação misty 3 Umidificador Aquecido O nome e logomarca Intermed são marcas registradas da Intermed Equipamento Médico Hospitalar Ltda. São Paulo - Brasil - 2002 MOP 806.00067 MARÇO/2009 Manual

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEGÔHMETRO DIGITAL MODELO MG-3100

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEGÔHMETRO DIGITAL MODELO MG-3100 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEGÔHMETRO DIGITAL MODELO MG-3100 Leia cuidadosamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do megôhmetro ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides 1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides CONTROLE DE FLUSHING AUTOMÁTICO LCF 12 Modo Periódico e Horário www.lubing.com.br (19) 3583-6929 DESCALVADO SP 1. Instalação O equipamento deve

Leia mais

Connect-i Manual do Usuário - Português

Connect-i Manual do Usuário - Português Connect-i Manual do Usuário - Português Connect-i Manual do Usuário Contronics Automação Ltda. Rua Tenente Silveira, 225 Ed. Hércules - 10 andar Centro - Florianópolis - SC, 88010-300 Brasil Fone: (48)

Leia mais

Adenda ao Manual do Operador

Adenda ao Manual do Operador Opção NeoMode Introdução Esta adenda mostra como utilizar a opção de software NeoMode no Ventilador Puritan Bennett 840. Consulte o Manual de referência técnica e do operador do sistema do ventilador Puritan

Leia mais

BOLETIM DE GARANTIA. (N o 05 / 2013) LED do TIMER pisca frequência de 1Hz / segundo. LED do TIMER pisca freqüência de 1Hz / segundo.

BOLETIM DE GARANTIA. (N o 05 / 2013) LED do TIMER pisca frequência de 1Hz / segundo. LED do TIMER pisca freqüência de 1Hz / segundo. BOLETIM DE GARANTIA (N o 05 / 2013) Código de erro do Cassete e Piso-Teto No. TIPO DESCRIÇÃO Flash Blink Código Nota 1 Falha 2 Falha 3 Falha 4 Falha 5 Falha 6 Falha Placa acusa erro no sensor de temperatura

Leia mais

Decibelímetro Modelo SL130

Decibelímetro Modelo SL130 Manual do Usuário Decibelímetro Modelo SL130 Introdução Parabéns pela sua compra do Decibelímetro SL130 Extech. Desenhado para montagem em parede, mesa, ou montagem em tripé, este medidor está de acordo

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO A EQUIPEL assegura ao proprietário deste aparelho garantia de 01 ano contra qualquer defeito de peça ou de fabricação desde que,

Leia mais

SOLUTION. Painel Convencional de Alarme de Incêndio. SOLUTION - Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio. Revisão 1.1 Maio de 2006

SOLUTION. Painel Convencional de Alarme de Incêndio. SOLUTION - Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio. Revisão 1.1 Maio de 2006 SOLUTION Painel Convencional de Alarme de Incêndio TABELA DE CONTEÚDO Capitulo 1: Descrição do Produto... 2 1.1: Características...2 1.2: Especificações...2 Capitulo 2: Lógica de Detecção e Alarme de Incêndios...

Leia mais

Instruções de uso. Painel de Alarme

Instruções de uso. Painel de Alarme Painel de Alarme ATENÇÃO: Para sua segurança, não instale ou opere este equipamento sem antes ler as instruções contidas neste manual. Caso haja alguma dificuldade na instalação e/ou operação deste equipamento,

Leia mais

DETECTOR DE VAZAMENTO DE GÁS ITDVGH 6000

DETECTOR DE VAZAMENTO DE GÁS ITDVGH 6000 DETECTOR DE VAZAMENTO DE GÁS ITDVGH 6000 Incorporado com avançada tecnologia de detecção de vazamentos, o ITDVGH 6000 é o nosso novo produto com as funções de fácil operação, função estável e aparência

Leia mais

Ventiladores Achieva. Manual do Usuário

Ventiladores Achieva. Manual do Usuário Ventiladores Achieva Manual do Usuário Copyright 1998 Nellcor Puritan Bennett Inc., Minneapolis MN - EUA Todos os direitos reservados. Nellcor Puritan Bennett é uma marca registrada e Achieva é uma marca

Leia mais

ITEM QUANT. UNIDADE DESCRIÇÃO

ITEM QUANT. UNIDADE DESCRIÇÃO ANEXO I DO OJETO O objeto desta licitação é a Locação de Equipamentos Médicos, para utilização nos setores da UTI, Centro Cirúrgico e Berçário e outros que por ventura necessitarem dos referidos equipamentos,

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO. Responsável Técnico: Juan Goro Moriya Moriya C.R.E.A-SP n.º 0600.289.359

INSTRUÇÕES DE USO. Responsável Técnico: Juan Goro Moriya Moriya C.R.E.A-SP n.º 0600.289.359 Painel de Alarme Moriya Modelos 800.200 - Painel de Alarme para Oxigênio 800.201 - Painel de Alarme para Ar Comprimido 800.202 - Painel de Alarme para Vácuo 800.203 - Painel de Alarme para Óxido Nitroso

Leia mais

CONTROLADOR DE TEMPERATURA TRES-S TS MANUAL DE INSTRUÇÕES TS01-TS03-TS05-TS08-TS12

CONTROLADOR DE TEMPERATURA TRES-S TS MANUAL DE INSTRUÇÕES TS01-TS03-TS05-TS08-TS12 CONTROLADOR DE TEMPERATURA TRES-S TS MANUAL DE INSTRUÇÕES TS01-TS03-TS05-TS08-TS12 INSTALAÇÃO DO CONTROLADOR DE TEMPERATURA Atenção: A Montagem e manutenção devem ser realizadas apenas por profissionais

Leia mais

MESA DMX 512 MANUAL DE OPERAÇÃO

MESA DMX 512 MANUAL DE OPERAÇÃO MESA DMX 512 MANUAL DE OPERAÇÃO 1 - INSTRUÇÕES INICIAIS IMPORTANTE LEIA COM ATENÇÃO!. Certifique-se de que a voltagem no equipamento é compatível com a tensão da rede elétrica. Este equipamento foi desenvolvido

Leia mais

CPAP/OS - ventilação com pressão contínua em vias aéreas / Ventilação com Pressão de Suporte.

CPAP/OS - ventilação com pressão contínua em vias aéreas / Ventilação com Pressão de Suporte. SERVOVENTILADOR COLOR MS: 10229820103 OCP: TÜV Rheinland... DESCRITIVO Servoventilador pulmonar microprocessado eletrônico para insuficiência respiratória de paciente adulto a neonatal em UTI. Reúne ventilação

Leia mais

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final)

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) 1 - INTRODUÇÃO: CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) Trata-se de uma sistema de alarme de incêndio para utilização onde há somente acionadores manuais e sirenes convencionais, não

Leia mais

Controlador de Garra Pneumática MTS Fundamental

Controlador de Garra Pneumática MTS Fundamental Controlador de Garra Pneumática MTS Fundamental Manual Title Manual Additional do Information Produto be certain. 100-238-337 A Informações sobre Direitos Autorais Informações sobre Marca Registrada 2011

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES REANIMADOR MANUAL (AMBÚ) PROTEC

MANUAL DE INSTRUÇÕES REANIMADOR MANUAL (AMBÚ) PROTEC MANUAL DE INSTRUÇÕES REANIMADOR MANUAL (AMBÚ) PROTEC PSM 559-15 Página 1 de 14 Código 008058_Vs 07 IMPORTANTE! Parabéns pela aquisição do Reanimador Manual, um produto para saúde com design moderno e tecnologia

Leia mais

ST 160 ST 160 0 # Manual de Referência e Instalação

ST 160 ST 160 0 # Manual de Referência e Instalação ST 160 ST 160 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 # Manual de Referência e Instalação Descrições 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 # 3 2 Número Descrição 1 Indicador de modo 2 Antena 3 Matriz do Teclado 4 Parafuso Especificações

Leia mais

TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA

TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA 3. CARACTERÍSTICAS 3.1 Central de alarme microprocessada com 4 setores expansível para 8 ou 12 setores; 3.2 Acompanha dois transmissores (mod. TSN); 3.3 Acionamento

Leia mais

Instruções de Uso CIRCUITO CPAP NASAL PARA OXIGÊNOTERAPIA N o 0

Instruções de Uso CIRCUITO CPAP NASAL PARA OXIGÊNOTERAPIA N o 0 Instruções de Uso CIRCUITO CPAP NASAL PARA OXIGÊNOTERAPIA N o 00 CIRCUITO CPAP NASAL PARA OXIGÊNOTERAPIA N o 0 Indicação, Finalidade, Uso e Aplicação Destina-se para pacientes infantis em necessidade de

Leia mais

Medidor de Resistência de Isolamento Analógico Modelo ITMG 800. Manual do Usuário

Medidor de Resistência de Isolamento Analógico Modelo ITMG 800. Manual do Usuário Medidor de Resistência de Isolamento Analógico Modelo ITMG 800 Manual do Usuário 1. Sumário O novo estilo de Verificador de Resistência de Isolamento Analógico é IT801A. Seu design é moderno e conta com

Leia mais

INTERMED Inter GMX Slim Manual de Operação cód. 806.00222 Rev. 06

INTERMED Inter GMX Slim Manual de Operação cód. 806.00222 Rev. 06 Manual de Operação Os nomes e logotipos Intermed e Inter são marcas registradas da Intermed Equipamento Médico Hospitalar Ltda. São Paulo - Brasil - 2002 MOP 806.00222 Manual de Operação CUIDADO: Leia

Leia mais

Motocicleta Elétrica para Crianças TF-840

Motocicleta Elétrica para Crianças TF-840 Motocicleta Elétrica para Crianças TF-840 Manual para Instalação e Operação Design de simulação de motocicleta Funções para frente e para trás Função de reprodução de música na parte frontal O produto

Leia mais

Leia atentamente antes de usar

Leia atentamente antes de usar Leia atentamente antes de usar MANUAL DE INSTRUÇÕES www.btcmail.com.br PURIFICADOR DE ÁGUA Obrigado por adquirir produtos POLAR. O PURIFICADOR DE ÁGUA POLAR reúne design, qualidade, praticidade e garantia

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEGÔHMETRO DIGITAL MODELO MG-3055 rev. 01

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEGÔHMETRO DIGITAL MODELO MG-3055 rev. 01 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEGÔHMETRO DIGITAL MODELO MG-3055 rev. 01 Leia cuidadosamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do megôhmetro ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 155ED +55 (16) 3383

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 155ED +55 (16) 3383 bambozzi A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 3383 3818 Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

Ventilador. Alta performance em ventilação mecânica

Ventilador. Alta performance em ventilação mecânica Ventilador Alta performance em ventilação mecânica Design moderno, leveza e praticidade Massimus possui autonomia de bateria de até 12 horas e independência de rede de gases para seu funcionamento, tornando

Leia mais

Manual de. Operação MANUAL DE OPERAÇÃO SERVOVENTILADOR CARMEL

Manual de. Operação MANUAL DE OPERAÇÃO SERVOVENTILADOR CARMEL Manual de Operação MANUAL DE OPERAÇÃO SERVOVENTILADOR CARMEL Código do Equipamento: 201050035 Nº. Registro MS: 10229820091 Manual Código: 204010259_002 Data: (JUL/2006) O presente manual de Operação contém

Leia mais

Manual de Operação MANUAL DE OPERAÇÃO VENTILADOR DENVER

Manual de Operação MANUAL DE OPERAÇÃO VENTILADOR DENVER Manual de Operação MANUAL DE OPERAÇÃO VENTILADOR DENVER Código do Equipamento: 201050034 Nº Registro MS: 10229820085 Manual Código: 204010145_005 Data: (SET/2006) Código do manual: 204010145_005 2 O presente

Leia mais

BLOCKGAS. Sistema de Monitoração e Alarme de vazamento de gás SB330. Este módulo é parte integrante do sistema de detecção de gás SB330.

BLOCKGAS. Sistema de Monitoração e Alarme de vazamento de gás SB330. Este módulo é parte integrante do sistema de detecção de gás SB330. Este módulo é parte integrante do sistema de detecção de gás. É composto por um circuito inteligente (microcontrolado) que recebe o sinal gerado por um sensor eletrônico de gás, processa sua calibração

Leia mais

Ventiladores para adultos e pediátricos. Guia de configuração rápida. Português

Ventiladores para adultos e pediátricos. Guia de configuração rápida. Português Ventiladores para adultos e pediátricos Guia de configuração rápida Português Configuração Utilização não invasiva Cabo de alimentação CA Máscara Stellar 2 Tubos de ar 3 4 5 1 Umidificador aquecido H4i

Leia mais

Manual de Instruções. Estação de Solda HK-936B

Manual de Instruções. Estação de Solda HK-936B Manual de Instruções Estação de Solda HK-936B Para sua segurança, leia este Manual de Instruções atenciosamente antes da operação deste equipamento. Mantenha-o sempre ao seu alcance para consultas futuras.

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções Modelo: Purifik air Parabéns! Você acaba de adquirir o extraordinário purificador de ar Purifik Air. Ele lhe trará grande prazer e melhorará a qualidade de ar para você. Como com qualquer

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA [REV.01 14032012] Obrigado por adquirir o ventilador Eros Cadence, um produto de alta tecnologia, seguro e eficiente. É muito importante ler atentamente este manual de instruções, as informações contidas

Leia mais

Máx Unid Padrão. Mín 1 / 0.1 0/0 0/0 0/0 0/0 100 / 6.9 100 / 6.9 100 / 6.9 999 150.0 / 302 5.0/9 2 -50.0 / -58 0.1/1 1 / 0.

Máx Unid Padrão. Mín 1 / 0.1 0/0 0/0 0/0 0/0 100 / 6.9 100 / 6.9 100 / 6.9 999 150.0 / 302 5.0/9 2 -50.0 / -58 0.1/1 1 / 0. PCT6 plus CONTROLADOR DIGITAL DE PRESSÃO PARA CENTRAIS DE REFRIGERAÇÃO Ver. PCT6VT74. DESCRIÇÃO O PCT6 plus é um controlador de pressão para ser utilizado em centrais de refrigeração que necessitem de

Leia mais

Manual do usuário. Central de alarme de incêndio Slim

Manual do usuário. Central de alarme de incêndio Slim Manual do usuário Central de alarme de incêndio Slim Central de alarme de incêndio Slim Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul. Este manual é válido apenas para

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO MÁQUINA DE LAVAR LOUÇA LAVA RÁPIDO

MANUAL DE OPERAÇÃO MÁQUINA DE LAVAR LOUÇA LAVA RÁPIDO MANUAL DE OPERAÇÃO MÁQUINA DE LAVAR LOUÇA LAVA RÁPIDO 1 1. AVISOS Leia este manual cuidadosamente antes de instalar e operar o equipamento. A operação da máquina deve estar de acordo com as instruções

Leia mais

Temporizador NT240. TEMPORIZADOR PROGRAMÁVEL - MANUAL DE INSTRUÇÕES V2.0x A INTRODUÇÃO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SAÍDAS DO TEMPORIZADOR

Temporizador NT240. TEMPORIZADOR PROGRAMÁVEL - MANUAL DE INSTRUÇÕES V2.0x A INTRODUÇÃO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS SAÍDAS DO TEMPORIZADOR TEMPORIZADOR PROGRAMÁVEL - MANUAL DE INSTRUÇÕES V2.0x A INTRODUÇÃO O temporizador programável tem como função básica monitorar o tempo e acionar sua saída de acordo com programação previamente realizada

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Central de Iluminação de Emergência 12 V(cc), 20 A, com Capacidade de 240 W. Código AFB240 A central de iluminação de emergência é alimentada pela rede elétrica predial (110 ou 220 volts) e também possui

Leia mais

Manual de Operação MANUAL DE OPERAÇÃO VENTILADOR DENVER

Manual de Operação MANUAL DE OPERAÇÃO VENTILADOR DENVER Manual de Operação MANUAL DE OPERAÇÃO VENTILADOR DENVER Código do Equipamento: 201050034 Nº Registro MS/ANVISA: 10229820085 Manual Código: 204010145_006 Data: (SET/2008) O presente manual de Operação contém

Leia mais

ANALISADOR DE BATERIAS. Português. manual do usuário

ANALISADOR DE BATERIAS. Português. manual do usuário ANALISADOR DE BATERIAS Português manual do usuário Anotações: 2 05.112.092 revisão: F índice considerações gerais... 5 precauções importantes... 5 introdução... 5 principais características... 6 instalação...

Leia mais

Manual de Instruções. Ar Condicionado Portátil PH 10Air 10KHR

Manual de Instruções. Ar Condicionado Portátil PH 10Air 10KHR Manual de Instruções Ar Condicionado Portátil PH 10Air 10KHR Informações iniciais Antes de ligar este produto, é muito importante ler atentamente todas as informações e instruções contidas neste manual,

Leia mais

3 Ventilador Pulmonar

3 Ventilador Pulmonar 3 Ventilador Pulmonar Neste capítulo são descritos fundamentos teóricos que ajudam a melhor entender o funcionamento dos ventiladores pulmonares (VP), também chamados de ventiladores mecânicos. Discute-se

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SCANNER DE INJEÇÃO ELETRÔNICA LINHA HONDA E YAMAHA

MANUAL DO USUÁRIO SCANNER DE INJEÇÃO ELETRÔNICA LINHA HONDA E YAMAHA MANUAL DO USUÁRIO SCANNER DE INJEÇÃO ELETRÔNICA LINHA HONDA E YAMAHA MANUAL DE INSTRUÇÕES SCANNER DE INJEÇÃO ELETRÔNICA LINHA HONDA E YAMAHA O EQUIPAMENTO Com a entrada da Injeção Eletrônica de Combustível

Leia mais

Desumidificador. Desidrat Plus IV Desidrat Plus V

Desumidificador. Desidrat Plus IV Desidrat Plus V Desumidificador Desidrat Plus IV Desidrat Plus V Obrigado por escolher esse produto. Por favor, leia esse manual de instrução antes de usar o aparelho. Índice: Introdução do Produto... 1 Instrução de Uso...

Leia mais

UMIDIFICADOR FISHER & PAYKEL MR850

UMIDIFICADOR FISHER & PAYKEL MR850 UMIDIFICADOR FISHER & PAYKEL MR850 O umidificador F&P servo controlado modelo MR850 é utilizado para uso em unidades de tratamento intensivo adulto, pediatrico e neonatal sendo utilizado para umidificar

Leia mais

Manual de Instalação e Operação

Manual de Instalação e Operação Manual de Instalação e Operação ATCP Engenharia Física Rua Lêda Vassimon, n 735-A - Ribeirão Preto - SP / Brasil CEP 14026-567 Telefone: +55 (16) 3289-9481 www.atcp.com.br Manual de Instalação e Operação

Leia mais

ANÁLISE DE DEFEITOS. Antes de chamar o serviço de manutenção, confira os seguintes pontos.

ANÁLISE DE DEFEITOS. Antes de chamar o serviço de manutenção, confira os seguintes pontos. 6 ANÁLISE DE DEFEITOS Antes de chamar o serviço de manutenção, confira os seguintes pontos. Inoperante O fusível de proteção está queimado ou o disjuntor desarmou. A pilha do controle remoto está fraca.

Leia mais

MANUAL DO OPERADOR CONCENTRADOR DE OXIGÊNIO EVERFLO

MANUAL DO OPERADOR CONCENTRADOR DE OXIGÊNIO EVERFLO MANUAL DO OPERADOR CONCENTRADOR DE OXIGÊNIO EVERFLO Chave de Símbolos Siga as Instruções para utilização Alimentação de CA Peça aplicada de tipo BF Número do modelo Equipamento de Classe II Número de série

Leia mais

Retificador No Break duo

Retificador No Break duo Retificador No Break duo Manual do Usuário ccntelecom.com.br O Retificador No Break duo O Retificador No Break duo é um equipamento desenvolvido para facilitar a alimentação e organização de redes de dados

Leia mais

ÍNDICE. 1.0 Introdução. 2.0 Descrição. 3.0 Instalação e Aplicação. 4.0 Programação. 5.0 Características Técnicas. 6.0 Principais Problemas e Soluções

ÍNDICE. 1.0 Introdução. 2.0 Descrição. 3.0 Instalação e Aplicação. 4.0 Programação. 5.0 Características Técnicas. 6.0 Principais Problemas e Soluções ÍNDICE 1.0 Introdução 2.0 Descrição 3.0 Instalação e Aplicação 4.0 Programação 5.0 Características Técnicas 6.0 Principais Problemas e Soluções Termo de Garantia 5 6 9 16 18 18 21 4 1.0 Introdução A TRANSSEN

Leia mais

Biopdi. Equipamentos médicos e odontológicos. Manual do Usuário Cicladora Térmica com cesta

Biopdi. Equipamentos médicos e odontológicos. Manual do Usuário Cicladora Térmica com cesta Biopdi Equipamentos médicos e odontológicos Manual do Usuário Cicladora Térmica com cesta São Carlos Abril de 2014 INSTRUÇÕES DE USO Você acaba de adquirir um equipamento desenvolvido especialmente para

Leia mais

SUMÁRIO 2.1 CUIDADOS INICIAIS...7 2.2 ATIVAÇÃO...7 2.3 DESCRIÇÃO DOS CONTROLES MLM-500...8 2.3.1 PAINEL FRONTAL...8 2.3.2 PAINEL TRASEIRO...

SUMÁRIO 2.1 CUIDADOS INICIAIS...7 2.2 ATIVAÇÃO...7 2.3 DESCRIÇÃO DOS CONTROLES MLM-500...8 2.3.1 PAINEL FRONTAL...8 2.3.2 PAINEL TRASEIRO... SUMÁRIO SEÇÃO 1 DADOS GERAIS 1.1 INTRODUÇÃO...3 1.2 APRESENTAÇÃO...3 1.3 ASSISTÊNCIA TÉCNICA...4 1.4 INSPEÇÃO NO ATO DO RECEBIMENTO...4 1.5 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MISTURADOR DE LINHAS DE MICROFONE MLM-500...4

Leia mais

Manual do usuário IPR 8000

Manual do usuário IPR 8000 Manual do usuário IPR 8000 IPR 8000 Porteiro residencial Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. O porteiro residencial IPR 8000 possui saída para fechadura

Leia mais

MS TECNOPON CÂMARAS CLIMÁTICAS

MS TECNOPON CÂMARAS CLIMÁTICAS CÂMARAS CLIMÁTICAS MS TECNOPON Prezado Cliente: MS TECNOPON Instrumentação Agradecemos V.S.a. pela confiança depositada em nossa Empresa, no momento da aquisição deste aparelho. Estamos certos de que lhe

Leia mais

Fone: 0800 707 5700. Manual de Instruções. Bloco Digestor DQO Microprocessado Mod.: 25439

Fone: 0800 707 5700. Manual de Instruções. Bloco Digestor DQO Microprocessado Mod.: 25439 Fone: 0800 707 700 Manual de Instruções Bloco Digestor DQO Microprocessado Mod.: 9 Fone: 0800 707 700 ÍNDICE. INTRODUÇÃO. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS. FUNCIONAMENTO. Instalação. Programando o timer (tempo).

Leia mais

Manual do usuário LUME 1000 LUME 2000

Manual do usuário LUME 1000 LUME 2000 Manual do usuário LUME 1000 LUME 2000 LUME 1000 e LUME 2000 Central de iluminação de emergência Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul. As centrais de iluminação

Leia mais

Pulmonetic Systems. Manual do Operador Ventilador Pulmonar LTV 1200. P/N 18247, Rev. 01

Pulmonetic Systems. Manual do Operador Ventilador Pulmonar LTV 1200. P/N 18247, Rev. 01 Pulmonetic Systems Manual do Operador Ventilador Pulmonar LTV 1200 P/N 18247, Rev. 01 Histórico de Revisão do Documento Nível de Revisão do Documento Data da Revisão Rev 01, ECO 3681 Março de 2006 Informações

Leia mais

Manual de Instalação & Programação. Preparar a porta conforme instruções adicionais (incluídas) antes de

Manual de Instalação & Programação. Preparar a porta conforme instruções adicionais (incluídas) antes de Manual de Instalação & Programação Para iniciar Preparar a porta conforme instruções adicionais (incluídas) antes de instalar a unidade. IMPORTANTE: Leia todas as instruções antes de iniciar a instalação.

Leia mais

Refrigerador BRO80 GUIA RÁPIDO. Características Gerais. Comece por aqui. Frost Free. Informação Ambiental

Refrigerador BRO80 GUIA RÁPIDO. Características Gerais. Comece por aqui. Frost Free. Informação Ambiental GUIA RÁPIDO Comece por aqui Se você quer tirar o máximo proveito da tecnologia contida neste produto, leia o Guia Rápido por completo. Refrigerador BRO80 Frost Free Seu refrigerador usa o sistema Frost

Leia mais

Manual do usuário 602 DUO

Manual do usuário 602 DUO Manual do usuário K 602 402 602 DUO Índice 1. Produto 4 2. Instalação 5 2.1. Instalação da bateria...5 2.2. Recarga da bateria...6 2.3. Duração da bateria em uso e em repouso...7 2.4. Conexão na linha

Leia mais

MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-400

MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-400 *Imagens meramente ilustrativas MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-400 Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. DADOS TÉCNICOS MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-400 Modelo Tensão nominal Frequência Corrente nominal Diâmetro

Leia mais

TF-830 MOTOCICLETA. Leia cuidadosamente antes do uso

TF-830 MOTOCICLETA. Leia cuidadosamente antes do uso TF-830 MOTOCICLETA Leia cuidadosamente antes do uso Leia este manual cuidadosamente antes de usar este produto. O manual o informará como operar e montar o produto de uma forma correta para que nenhuma

Leia mais

AP4/AP4D CENTRAL DE ALARME PARTICIONADA MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Compatec Sistemas Eletrônicos Ltda Indústria Brasileira www.compatec.com.

AP4/AP4D CENTRAL DE ALARME PARTICIONADA MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Compatec Sistemas Eletrônicos Ltda Indústria Brasileira www.compatec.com. SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE COMPATEC ALARMES PARA SUA SEGURANÇA MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO suporte@compatec.com.br fone:(54)4009 4711 Compatec Sistemas Eletrônicos Ltda Indústria Brasileira

Leia mais

LASERTECK ALINHADOR PORTÁTIL DIGITAL MODELO LTA 550 MANUAL DE USO

LASERTECK ALINHADOR PORTÁTIL DIGITAL MODELO LTA 550 MANUAL DE USO LASERTECK ALINHADOR PORTÁTIL DIGITAL MODELO LTA 550 MANUAL DE USO 2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 CARACTERÍSTICAS GERAIS DO EQUIPAMENTO... 3 3 CARACTERÍSTICAS DOS ÂNGULOS DE MEDIÇÕES... 4 3.1 CAMBER /

Leia mais

A L A R M E S P A R A S U A S E G U R A N Ç A MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO CENTRAL DE ALARME PARTICIONADA AP2/AP2D

A L A R M E S P A R A S U A S E G U R A N Ç A MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO CENTRAL DE ALARME PARTICIONADA AP2/AP2D COMPATEC A L A R M E S P A R A S U A S E G U R A N Ç A MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO CENTRAL DE ALARME PARTICIONADA AP2/AP2D ÍNDICE Apresentação...3 Conheçendo a central...3 Características Gerais...4

Leia mais

MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-250

MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-250 *Imagens meramente ilustrativas MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-250 Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. DADOS TÉCNICOS MÁQUINA DE SOLDA MIG/MAG-250 Modelo Tensão nominal Frequência Corrente nominal Tensão

Leia mais

Ressuscitador Manual Reutilizável Besmed

Ressuscitador Manual Reutilizável Besmed DISTRIBUIDOR NO BRASIL J.G Moriya Repres. Imp. e Exp. Comercial Ltda. Rua Colorado, 279/291 Vila Carioca CEP: 04225-050 São Paulo SP Tel.: (0xx11) 2914.9716 Fax: (0xx11) 2914.1943 C.N.P.J.: 67.882.621/0001-17

Leia mais

Termostatos Digitais para Fancoil Série T6000

Termostatos Digitais para Fancoil Série T6000 Instruções de Instalações Data de Publicação Série T2000 1º de Julho de 2003 Termostatos Digitais para Fancoil Série T6000 Aplicação IMPORTANTE: Utilize o Termostato Digital para Fancoils da Série T6000

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Temporizador Automático / Relógio Programador de Horário Para Acionamento Automático de Sirenes e Outros Equipamentos Código: AFKITPROG 2 O REGISTRADOR ELETRÔNICO DE PONTO REP O Relógio Acionador Automático

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TERMÔMETRO DIGITAL MODELO TD-890

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TERMÔMETRO DIGITAL MODELO TD-890 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TERMÔMETRO DIGITAL MODELO TD-890 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... - 1-2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

Ventiladores para adultos e pediátricos. Guia de preparação rápida. Português

Ventiladores para adultos e pediátricos. Guia de preparação rápida. Português Ventiladores para adultos e pediátricos Guia de preparação rápida Português Configuração Utilização não invasiva Cabo eléctrico CA Máscara Stellar 2 Tubagem de ar 3 4 5 1 Cabo eléctrico CA Clipe de fixação

Leia mais

Manual do usuário Vídeo Porteiro Sem Fio VPV-800

Manual do usuário Vídeo Porteiro Sem Fio VPV-800 Manual do usuário Vídeo Porteiro Sem Fio VPV-800 Atenção: Antes de operar o equipamento, leia o manual do usuário, qualquer dano causado decorrente de utilização errônea do mesmo implicará na perda imediata

Leia mais

Respire fundo. E drible a Fibrose Cística.

Respire fundo. E drible a Fibrose Cística. MANUAL DO NEBULIZADOR Respire fundo. E drible a Fibrose Cística. Veja como utilizar e cuidar corretamente do seu Compressor e Nebulizador. Eu sou o compressor. Eu sou o Nebulizador, sou o grande goleador.

Leia mais

Índice. 1. Características técnicas

Índice. 1. Características técnicas Termo de garantia A ELETROPPAR - Indústria Eletrônica Ltda., localizada na rua Carlos Ferrari nº 2651, Distrito Industrial, Garça/SP, CEP 17400-000, CNPJ 02.748.434/0001-08, IE 315.026.341.111 garante

Leia mais

CENTRAL DE ALARME COM FIO AW-201

CENTRAL DE ALARME COM FIO AW-201 CENTRAL DE ALARME COM FIO AW201 CARACTERÍSTICAS DO APARELHO Central de alarme de 1 setor com fio; Caixa plástica com alojamento para bateria selada de 7 A/H; Carregador de bateria incorporado; Tempo de

Leia mais

RT1400. Display IRIG-B. Manual de Instruções

RT1400. Display IRIG-B. Manual de Instruções RT1400 Display IRIG-B Manual de Instruções Código do firmware: 07vrr Documento: rt1400.fw07-manual-pt-v02 Reason Tecnologia S.A. Todos os direitos reservados. Os produtos Reason são melhorados continuamente.

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES ASPIRADOR DE PÓ 800 W COM CABO TELESCÓPICO Equipamento somente para uso doméstico. Obrigado por escolher um produto com a marca Tramontina. Por favor, leia o Manual de Instruções por

Leia mais

Leia completamente as Instruções antes de operar o aparelho

Leia completamente as Instruções antes de operar o aparelho Leia completamente as Instruções antes de operar o aparelho Copyright 2007 Projecta Anytek. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste manual poderá ser copiada, fotocopiada, traduzida ou reproduzida

Leia mais

Método correto de preparação de moedas para contagem

Método correto de preparação de moedas para contagem Apresentação Unimax MX faz contagem de somente um tipo de moeda cada vez, em alta velocidade (ao redor de 1500 moedas/m) enquanto outros modelos de contadora (conhecidas como classificadoras) contam e

Leia mais

Guia de Instalação Live TIM Blue Box

Guia de Instalação Live TIM Blue Box Guia de Instalação Live TIM Blue Box O que há na caixa Blue Box Cabo de rede Ethernet Cabo A/V Controle Remoto Cabo HDMI Guia de instalação Fonte de Energia bivolt 110/220v Antena e cabo Pilhas AAA O Live

Leia mais

Número de Série. No caso de qualquer dúvida ou reclamação, por favor, relate o número de série. Conformidade

Número de Série. No caso de qualquer dúvida ou reclamação, por favor, relate o número de série. Conformidade AquaTREND III-H5 Umidificador de acoplamento rápido para aparelhos TREND MANUAL DO USUÁRIO Número de Série Todo aparelho da HOFFRICHTER GmbH é fornecido com um número de série, que garante que o produto

Leia mais

Verifique se todos os itens descritos no Kit de Rastreamento estão presentes na embalagem do produto.

Verifique se todos os itens descritos no Kit de Rastreamento estão presentes na embalagem do produto. APRESENTAÇÃO DO PRODUTO Com o intuito de fornecer ao mercado um dispositivo de rastreamento seguro e confiável, com base na mais alta tecnologia de rastreamento de veículos, seguindo rígidos padrões de

Leia mais

PT-700. Manual de Instruções

PT-700. Manual de Instruções PT-700 Manual de Instruções Parabéns!!! Você acaba de adquirir um produto para a sua segurança e conforto com a ótima qualidade Protection. O Alarme para Piscina Protection, PT-700, foi desenvolvido para

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA ESTAÇÃO DE RETRABALHO SMD - MODELO TS-870D rev.01

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA ESTAÇÃO DE RETRABALHO SMD - MODELO TS-870D rev.01 MANUAL DE INSTRUÇÕES DA ESTAÇÃO DE RETRABALHO SMD - MODELO TS-870D rev.01 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...1 2. ESPECIFICAÇÕES...1

Leia mais

PRESSURIZADOR PL - 9 MANUAL DE INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO, FUNCIONAMENTO E GARANTIA. ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR 0800 0 17 28 44 www.lorenzetti.com.

PRESSURIZADOR PL - 9 MANUAL DE INSTRUÇÕES DE INSTALAÇÃO, FUNCIONAMENTO E GARANTIA. ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR 0800 0 17 28 44 www.lorenzetti.com. PRESSURIZADOR ATENDIMENTO AO CONSUMIDOR 0800 0 17 28 44 www.lorenzetti.com.br Lorenzetti S.A. Indústrias Brasileiras Eletrometalúrgicas Av. Presidente Wilson, 1230 - CEP 03107-901 Mooca - São Paulo - SP

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA [M00 11112011] 1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA É muito importante que você leia atentamente todas as instruções antes de utilizar o produto, pois elas garantirão sua segurança. Condições de Instalação

Leia mais

COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº. 018 / 772836-2012 / 2014

COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº. 018 / 772836-2012 / 2014 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº. 018 / 772836-2012 / 2014 A Associação de Combate ao Câncer do Brasil Central, entidade privada sem fins lucrativos da área da saúde, inscrita no CNPJ/MF sob o nº. 25.438.409/0001-15,

Leia mais