DESIGUALDADES INTRA E INTER-REGIONAIS EM SANTA CATARINA: UMA ANÁLISE MULTIVARIADA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESIGUALDADES INTRA E INTER-REGIONAIS EM SANTA CATARINA: UMA ANÁLISE MULTIVARIADA"

Transcrição

1 DESIGUALDADES INTRA E INTERREGIONAIS EM SANTA CATARINA: UMA ANÁLISE MULTIVARIADA Jean Max Tavares 1 Sabino da Silva Porto Junior 2 Resumo: O objetivo desse artigo é verificar através de análise de componentes principais, fuzzy cluster e conglomerados espaciais (usando SPSS e TerraView 3.0) se os dados dos municípios catarinenses revelam um Estado homogêneo social e economicamente ou sendo possuidor de desigualdades intra e interregionais. Com dados do Tribunal de Contas do Estado das áreas de infraestrutura pública, urbanização, educação, renda, população e finanças públicas, obtevese os Índices de Desenvolvimento Econômico e de Gestão das Finanças Públicas (IDEGF) e de Urbanidade e de Qualidade de Vida (IUQV). Os resultados indicam que municípios com baixíssimos IDEGF s e IUQV s convivem com municípios com altos índices, que aqueles com boa situação nas finanças públicas, infraestrutura e no nível educacional estão próximos a municípios com uma realidade oposta. Enfim, parece haver um corredor da pobreza na parte central do Estado. Portanto, Santa Catarina também possui desigualdades intraregionais e interregionais. Palavraschave: desigualdades, análise multivariada, Santa Catarina. Abstract: The aim of this article is to verify through of principal components analysis, fuzzy and spatial clusters and with the usage of the softwares SPSS and TerraView 3.0 if the data from the municipal districts from Santa Catarina reveal a State socially and economically homogeneous regarding its geography or if it has intra and interregional inequalities. From data from the Court of Account of the State of Santa Catarina related to the areas of public infrastructure, urbanization, education, income, population and public finances, we obtained two indexes one of Economic Development and Management of Public Finances (IDEGF) and another of Urbanity and Quality of Life (IUQV). The results indicate that the municipal districts with very low IDEGFs and IUQVs live together with municipal districts with high indexes. They also show that municipal districts that present a satisfactory situation regarding their public finances, infrastructure and educational level are also close to municipal districts that live an opposite reality. It also shows a kind of corridor of poverty located in the central part, which is surrounded by developed or under development municipal districts. Therefore, the State of Santa Catarina is also marked with intraregional as well as interregional inequalities. Palavraschave: inequalities, multivariate analysis, Santa Catarina. Introdução A necessidade da nãopadronização de programas sociais e de medidas de estímulo à economia pelos governos estaduais em relação aos municípios que compõe o Estado tem sido uma questão discutida nos meios políticos e acadêmicos em virtude das especificidades de cada região e, em particular, de cada município. Se a estruturação de políticas públicas deve seguir a realidade de cada município ou região, determinar em quais aspectos estas áreas diferemse ou se assemelham 1 Doutorando em Economia (UFRGS). Endereço Eletrônico: 2 Professor de Economia do PPGE/UFRGS. Endereço Eletrônico:

2 constituise num propósito bastante pragmático, o que é possível a partir da análise de uma série de variáveis que reflitam estas condições. Alguns trabalhos desta natureza têm sido feitos para alguns estados, tais como Minas Gerais (Simões, 2004), Rio Grande do Sul (Rose e Leis, 2002), São Paulo (Kageyama e Leone, 1999) e Pará (Ramos, Loch e Oliveira, 2004). Neste artigo, o objeto de análise é o Estado de Santa Catarina, o qual possui 293 municípios. A motivação para este artigo vem do fato de que este Estado costuma ser reconhecido como tendo menos desigualdade social e econômica em seus municípios, o que fortalece a mística de que seria um estado com pouca ou nenhuma pobreza, ou seja, não revelaria regiões extremamente atrasadas em detrimento de outras muito desenvolvidas. Para se ter uma idéia, das 100 cidades brasileiras com maiores IDH s, 27 delas estão no Estado de Santa Catarina e dos 50 municípios do país que apresentam IDH mais alto, o Estado aparece com 16, mais de 1/3 do total (PNUD, 2000). Como a obtenção deste objetivo envolve a análise de um número muito grande variáveis, de âmbito social e econômico, serão utilizadas algumas técnicas estatísticas multivariadas, tais como análise de componentes principais, fuzzy cluster e conglomerados espaciais. Este artigo consiste de três capítulos, exclusive introdução e conclusão. O primeiro trata de uma análise descritiva Estado de Santa Catarina e o segundo capítulo faz uma revisão teórica que serve de embasamento para a parte empírica. A terceira parte mostra os resultados da análise multivariada. Por fim, as considerações finais. 1 O Estado de Santa Catarina Santa Catarina é um estado situado no centro da Região Sul do Brasil, com habitantes distribuídos por 293 municípios. (IBGE, 2002). Tem como municípios mais populosos Joinville, Florianópolis (capital), Blumenau, Criciúma e Chapecó (IBGE, 2002). Geograficamente, Santa Catarina é subdividido oito regiões: Grande Florianópolis, Nordeste, Vale do Itajaí, Planalto Norte, Planalto Serrano, Sul, Meiooeste e Oeste, cujas características são descritas a seguir, a partir de informações da Secretaria do Planejamento do Estado de Santa Catarina e do IBGE, para os anos de 2002 e 2003, respectivamente. As regiões Nordeste e do Vale do Itajaí apresentam os principais municípios do Estado, tanto em termos econômicos quanto populacionais, tais como Joinville (maior município catarinense, tanto em população quanto em PIB) e Jaraguá do Sul, ambos com fortes indústrias do ramo eletrometalmecânico, além de Blumenau, Brusque e Rio do Sul. A região Norte caracterizase como pólo florestal do Estado, com indústrias moveleiras, madeireiras, de papel e papelão. Porém, não tem nenhum município de grande expressão populacional e forte poderio econômico, com exceção de São Bento do Sul (é o maior parque fabril do Estado). O Planalto Serrano tem no turismo rural uma das suas principais fontes de renda, com destaque também para a pecuária e a indústria florestal. Destacamse os municípios de Lages, São Joaquim (terceiro produtor de maçã do Estado) e Urubici (maior produtor de hortaliças do Estado). A região sul destacase na indústria cerâmica, extrativismo e produção de vinhos, sendo Criciúma o principal pólo (com mais de habitantes e possuidor do sexto maior PIB do Estado), segundo dados do IBGE (2003), seguido por Tubarão e Araranguá. No MeioOeste predominam municípios de pequeno e médio porte, cuja atividade econômica está baseada na agroindústria, criação de bovinos e produção de maçã, além de indústrias do pólo metalmecânico, destacandose Joaçaba (possui desenvolvido setor metalmecânico, processamento de madeira e produtos alimentícios), Videira (destaque na criação e abate de aves e de suínos, visto que nela localizase a Perdigão) e Caçador. Por fim, a região Oeste é caracterizada como grande produtora brasileira de grãos, aves e suínos, além do turismo que começa a se fortalecer através suas fontes hidrotermais. Os principais municípios são Chapecó (tida como a capital latinoamericana de produção de aves e centro brasileiro de pesquisas agropecuárias), Concórdia, Xanxerê e São Miguel do Oeste. 2

3 1.1 A motivação da escolha por Santa Catarina Os estudos sobre a desigualdade seja ela em termos econômico ou sociais geralmente refletem uma preocupação dos pesquisadores em mensurar e identificar os seus principais determinantes (e.g. Ramos (1993), Barros e Mendonça (1995)). Na opinião de Rey (1998), a motivação por detrás das pesquisas sobre este tema pode vir de elementos filosóficos e/ou humanos, que induzem a investigação da desigualdade econômica no sentido de que o acesso ao bemestar deveria ser homogêneo a todos numa sociedade, sem razão para ser diferente ou uma motivação de caráter funcional, onde o desenvolvimento econômico ficaria em segundo plano em detrimento do crescimento econômico. Porém, independente da origem motivacional, o objetivo final destes trabalhos é contribuir para a suavização dos efeitos que a desigualdade gera sobre o indivíduo e em toda sociedade, seja pela privação de bens elementares para a sua sobrevivência ou pela limitação a ele imposta quanto à acessibilidade de uma série de bens e serviços existentes. No Brasil, esta questão é ainda mais grave, visto que o país é marcado por profundas desigualdades sociais e econômicas, inclusive tendo regiões com índices comparáveis aos melhores do mundo (São Caetano do Sul teve o maior IDHM do país (0,919), segundo o PNUD (2003), que é semelhante ao da Nova Zelândia. Embora muitos trabalhos sobre desigualdade no Brasil tenham como foco em análises comparativas entre Sudeste e Nordeste (cf. Nogueira e Marinho, 2006), o Nordeste isoladamente (cf. Barreto, Jorge Neto e Tebaldi, 2001) ou no país como um todo (cf. Marinho, Lima e Benegas, 2004), este artigo investiga as desigualdades intra e interregionais porventura existentes em Santa Catarina. O Estado de Santa Catarina possui indicadores que diferem não somente dos demais estados da região Sul como também do restante dos Estados brasileiros. Para Maluf, Mattei e Lins (2004, p.94), essa posição seria objeto de polêmica local em boa medida devido à entusiasmada e excessiva exaltação de hipotéticas especificidades catarinenses. Por exemplo, o Estado possui uma taxa de homicídio doloso para cada 100 mil habitantes de 4,67, sendo bem inferior à média brasileira, que é de 23,52, de acordo com dados da Secretaria Nacional de Segurança Pública (2004). Conforme mencionado anteriormente, das 100 maiores cidades brasileiras com melhor IDH, mais de 25% do total estão em Santa Catarina, PNUD (2000). Mas nem todos os indicadores atestam que o Estado de Santa Catarina realmente tem os seus problemas de desigualdade ou pobreza resolvidos. Segundo dados do PNUD (2000), 16,2% dos seus habitantes estão abaixo da linha da pobreza e o Coeficiente de Gini apresentase em 0,56, ou seja, uma parte da população não usufrui dos benefícios gerados de seu desenvolvimento, refletidos em muitos de seus índices. Ainda neste tema, Silva e Panhoca (2007) afirmam que 24,6% das crianças residentes no Estado vivem abaixo da linha da pobreza e classificadas pela ONU como indigentes. Afirmam inclusive, que embora alguns indicadores de vulnerabilidade não mostrem valores altos na determinação do IDHM, quando desmembrados em grupos de municípios, apontam desigualdades significativas. Portanto, além destes dados como motivação parte desta pesquisa, somase ainda a escassez de trabalhos que abordam as desigualdades intra e interregionais no Estado de Santa Catarina sob o ponto de vista social e econômico. 2 Revisão da Literatura 2.1 Teoria 3

4 Considerada recente visto que, pelo menos formalmente, a Economia Regional tem seu início na década de 50 este novo campo de pesquisa parte da percepção de que a economia não opera num mundo sem dimensões geográficas (Ferreira, 2005, p.13). Além das desigualdades regionais, a Economia Regional teve como um de seus principais focos o estudo de localização dos agentes econômicos provavelmente em razão dos elevados custos de transporte da época e principalmente das firmas, tendo seus primeiros pesquisadores produzidos vários trabalhos a respeito do tema, dentre eles Von Thunen (1826), Weber (1909), Christaller (1933), Losch (1940) e Moses (1958). Tamanho interesse parece ter contribuído para a decisão locacional ter ocupado um lugar importante dentro da própria Economia Regional, constituindose como uma de suas disciplinas. Segundo Brandão (2003 apud Carvalho e Santos 2006), tendo por base o individualismo metodológico, os trabalhos até então desenvolvidos colocavam a região numa posição parecida ao que possui a firma na teoria neoclássica. Porém, a partir da década de 50, são desenvolvidas teorias de desenvolvimento regional levando em conta a crescente importância dos conceitos de indivisibilidade e de rendimentos crescentes para explicar as chamadas economias de aglomeração, conforme será visto a seguir. Dentro dessa nova orientação das pesquisas em Economia Regional, Rolim (1999, p.7) destaca o papel da teoria neoclássica do crescimento regional, que considerando a remuneração dos fatores a partir da produtividade marginal do capital (...) e de livre difusão de tecnologia, aponta para a convergência das rendas regionais (...), sendo o polonês Perroux (1995) e Myrdal (1957) contribuído inicialmente para o desenvolvimento das pesquisas supracitadas, embora este último tenha sua idéia de impossibilidade de convergência entre países ricos e pobres se mostrada equivocada através de inúmeros trabalhos posteriores. Hirschmann (1957) efeitos para frente e para trás, em seguida surgiram os Distritos Industriais, de inicialmente desenvolvidos por Piore e Sobel (1994), sendo o exemplo mais conhecido os Distritos localizados no norte e nordeste da Itália, chamado de Terceira Itália. Outra concepção teórica presente na evolução dos trabalhos em Economia Regional é o denominado de Ambientes Inovadores, desenvolvida pelo então Grupo de Pesquisa Europeu sobre Ambientes Inovadores tradução de Groupe de Recherche Européen sur les Milieux Innovateurs (GREMI, 1990), composto por pesquisadores como Camagni (1992) e Maillat (1995). Em seguida, Michael Storper, junto com Allan Scott (1995), desenvolveram trabalhos junto ao chamado Grupo da Califórnia a partir da associação das idéias constantes na Organização Industrial com o desenvolvimento das regiões. Motivado talvez pelas falhas das linhas de pesquisa anteriores em explicar o porquê de algumas regiões possuírem mais atividade econômica que outras, bem como o fato das firmas mais promissoras estarem instaladas em regiões mais densamente povoadas surge uma nova área ou uma nova extensão da Economia Regional no início dos anos 90 denominada de Nova Geografia Econômica (NEG) preocupada em determinar como se dá o processo de distribuição da atividade econômica no espaço, responsável, em grande parte, pelas desigualdades regionais. A NEG tem praticamente seu início a partir do trabalho de Paul Krugman (1991), até hoje considerado seu maior expoente, além de outros importantes pesquisadores, como Fujita (1988) e Venables (1996) e tem por instrumento base os modelos de equilíbrio geral. Diversas opiniões foram emitidas acerca da NEG com que tange a sua importância. Para Marques (2002, p.2), essa teoria é a mais recente e simultaneamente a mais controversa. Para Oliveira (2005, p.3), afirma que a NGE do ponto de vista teórico não traz grandes inovações às contribuições das teorias formuladas pelos economistas urbanos e regionais. A diferença esta na forma de modelar. De forma contraditória, o próprio Oliveira afirma mais a seguir que esta nova linha de pesquisa é importante porque traz uma contribuição as teorias do crescimento econômico quando considera (...) o espaço, que determina os limites geográficos para a atuação das externalidades e as distâncias e suas implicações nos custos de transporte (...) Em relação a seus principais objetivos, Krugman (1991) afirma que a NEG busca entender por que a atividade econômica se concentra em determinadas localizações e não de maneira 4

5 uniforme e ainda, nos locais em que esta atividade econômica se concentra, quais são os fatores que determinaram o surgimento da mesma. Com a finalidade de alcançar estes objetivos, a NEG considera a mobilidade dos fatores de produção capital e trabalho, os rendimentos crescentes e custos de transporte, originando processos cumulativos que conduzem à concentração geográfica da indústria, formando uma realidade de centro (industrializado)periferia (agrícola). Assim, as empresas industriais tendem a localizarse na região com maior procura para usufruir de economias de escala e minimizar os custos de transporte, afirma Marques (2002, p.5). Para Maciel (2006, p.7), os retornos crescentes fazem com que seja vantajoso concentrar espacialmente a produção de cada bem de forma a aproveitar as economias de escala. Graças ao custo de transporte, as melhores localidades seriam aquelas com bom acesso ao mercado e aos os fornecedores. Sendo assim, a melhor localização darseia nas regiões em que há aglomeração produtiva. Porém, críticas quanto à NEG não faltam, em razão do não entendimento do seu escopo, ou ao sentimento de que o tema invade a campos mais restritos à Geografia. Por exemplo, para Ruiz (2003, p.12) Além das limitações empíricas, os críticos da NGE afirmam que seus modelos possuem outras falhas: no lado da oferta não existe nenhuma interdependência estratégica entre firmas, a formação de preços lembra o comportamento de empresas em setores competitivos, as firmas são totalmente móveis (não possuem nenhum ativos fixos, ou sunk costs), os custos de transporte (iceberg transport costs) são um questionável modo de lidar com sistemas de transporte, e assim por diante. Segundo Marques (2000, p.3), não obstante criticarem a abordagem excessivamente matemática de problemas já tratados pelos geógrafos de uma forma mais descritiva, Martin e Sunley (1996) enaltecem a divulgação dada à "geografia econômica" e a forma como têm sido recuperadas teorias caídas em desgraça à custa da aplicação dos modelos de rendimentos crescentes e concorrência imperfeita surgidos na organização industrial. A afirmação que parece mais adequada ao impacto e a profundidade da NEG pode ser encontrada em Ottaviano e Thisse (2004, p.3), os quais afirmam que this has drawn economic geography and location theory from the periphery to the center of mainstream economic theory. 3 Sobre a Metodologia Em relação às técnicas utilizadas, este artigo faz uso da análise estatística multivariada. Mais particularmente, utilizará análise de componentes principais, fuzzy cluster e análise de conglomerados espaciais, ao invés do uso de regressões (mínimos quadrados ordinários ou quantílicas), e de variáveis tradicionais como a renda, a renda per capita, PIB industrial ou de índices, tais como o de Gini, Theil ou Atkinson, todos utilizados quando se trata da investigação de desigualdades, usados em outros trabalhos (e.g. Marinho, Benegas e Lima, 2002). A escolha pela análise multivariada justificase por referirse a um conjunto de métodos estatísticos que torna possível a análise simultânea de medidas múltiplas para cada indivíduo, objeto ou fenômeno observado (Corrar, Paulo e Dias Filho, 2007, p.2). Logo, esta técnica é capaz de determinar o desempenho conjunto das variáveis analisadas, bem como especificar a importância de cada uma delas, na presença das demais. Aliás, parece não existir um consenso quanto à escolha das variáveis de análise em trabalhos acerca de desigualdades regionais. Quanto a isto, Quadrado, Heinjman e Folmer (2001, p.1) afirmam que a utilização de um único indicador nestes trabalhos tem sido muito criticado (em geral renda per capita), justificando a multidimensionalidade adotada para investigar as desigualdades 5

6 regionais na Hungria (para uma ampla literatura que critica a utilização de um único indicador, veja Quadrado, Heinjman e Folmer, 2001). Outra questão importante relativa aos dados referese a sua dimensão e escala. Para não influenciar os resultados a serem obtidos na análise multivariada, os dados originais serão padronizados, expressando cada observação em termos de variações inerentes ao sistema (autoescalonamento). Tecnicamente, este problema pode ser resolvido mantendose a informação estatística dos dados realizandose uma transformação sobre o conjunto original dos dados de modo que cada variável apresente média zero e variância igual a um (autoescalonamento). Esta transformação (transformação Z) expressa cada observação como o número de desvios padrões da média. Entre as técnicas mais utilizadas em pesquisas sobre desigualdades regionais e que envolvem análise multivariada estão a de análise de componentes principais (Kageyama e Leone, 1999; Lemos et al, 2001 e Crocco et al, 2003), análise de cluster (Nesur, 2001; Silva e Simões, 2004 e Simões et al, 2004) e conglomerados espaciais (Assunção, 2000). Como esta investigação tratase dos 293 municípios catarinenses para um total de 14 variáveis, a análise multivariada parece ser a técnica adequada para os objetivos desta proposta de pesquisa, pois, para Escofier e Pagés (1992), sua utilização tem sido eficaz no tratamento de grandes conjuntos de informações. Além disso, o emprego desta técnica já é comum em estudos sobre economia regional e, principalmente, naqueles que tratam de desigualdades regionais (e.g. Simões, 2005 para uma revisão ampla da literatura). As variáveis foram obtidas junto ao Tribunal de Contas do Estado de Santa Catarina, para o ano de 2000 e foram divididas em 7 blocos: Infraestrutura: abastecimento de água ligado à rede geral, esgoto ligado à rede geral e coleta de lixo (usadas também por Quadrado, Heinjman e Folmer, 2001, Amaral, Lemos e Chein, 2006; Silva, 2007); Educação: taxa de alfabetização de adultos (variável usada por Silva (2007); Inserção urbana % de domicílios urbanos (usada também por Amaral, Lemos e Chein, 2006); Qualidade de vida: IDHM (variável usada por Ramos, Loch e Oliveira (2004); Renda rendimentos per capita (variável usada por Chein, Lemos e Assunção (2005) e por Silva (2007)); População nº de habitantes (variável usada por Amaral, Lemos e Chein, (2006); e Silva (2007)); Finanças públicas representada pelas variáveis: % de despesas correntes em relação às despesas totais, receita de Fundo de Participação dos Municípios per capita, receita de Imposto sobre Serviços per capita e receita de Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços per capita (variáveis similares às usadas por Ramos, Loch e Oliveira (2004)) e Dívida de Curto Prazo para cada R$ 1, Análise de Componentes Principais Como este artigo envolve um grande número de variáveis e fazse necessário uma sintetização das mesmas, será empregada a análise de componentes principais a mais antiga metodologia de análise de dados multivariada, descrita inicialmente por Pearson (1901). Para Silva et al (2005, p.7), a técnica dos componentes principais busca imprimir um tratamento estatístico a um numero relativamente alto de variáveis heterogêneas, que possuam, porém, um grau considerável de aspectos comuns. Segundo Neto e Moita (p.2, 1997), a importância de cada variável utilizada na pesquisa do ponto de vista estatístico pode ser obtida pela análise de componentes principais. a análise de componentes principais também pode ser usada para julgar a importância das próprias variáveis originais escolhidas, ou seja, as variáveis originais com maior peso (loadings) na combinação linear dos primeiros componentes principais são as mais importantes do ponto de vista estatístico (...), as nvariáveis originais geram ncomponentes principais que são obtidos em ordem decrescente de máxima variância, ou seja, a componente 6

7 principal 1 possui mais informação estatística que a componente principal 2 e assim por diante. Ainda de acordo com estes autores, embora a informação estatística presente nas nvariáveis originais seja a mesma dos componentes principais, é comum obter em apenas 2 ou 3 das primeiras componentes principais mais que 90% desta informação. Enfim, a principal finalidade do emprego de análise de componentes principais neste artigo é o de construir com base nas componentes principais responsáveis pela maioria da variabilidade dos dados um ranking de municípios do Estado de Santa Catarina 3.2 Fuzzy Cluster De acordo com Crocco et al (2003, p. 9), a técnica de análise de cluster permite que agrupamentos de regiões possam ser formados de acordo com a similaridade de desempenho nos indicadores utilizados, tal que indivíduos com desempenho próximo aos indicadores da análise fiquem no mesmo grupo. Porém, é comum escutar algumas expressões do tipo talvez você consiga ou que a economia brasileira está estável, que o sujeito está velho para tal emprego ou quando da divulgação da temperatura que o dia estará parcialmente nublado amanhã. O que as palavras em itálico têm em comum são a imprecisão, ou seja, a noção vaga de um conceito, as quais, muitas vezes, tem mais sentido em serem ditas do que os extremos, como, por exemplo, sim ou não. Mas os métodos de classificação usuais partem do conceito de conjuntos tradicionais cuja única opção é a de pertencer ou não pertencer (isto é, sim ou não) e, segundo Parise e Vettorazzi (2005, p.1), conforme os princípios básicos da classificação ou análise de agrupamentos via lógica fuzzy, um indivíduo não pertenceria mais a uma classe apenas, mas pertenceria em maior ou menor grau a várias classes, daí o significado de classificação nebulosa, difusa, imprecisa. As idéias iniciais da lógica fuzzy foram desenvolvidas pelo polonês Jan Lukasiewicz em 1920, estabelecendo conjuntos de graus de pertinência sendo 0, ½ e 1 e, posteriormente, um número infinito de valores entre 0 e 1. Apoiada nestas idéias, a técnica a ser utilizada nesta proposta de pesquisa é a de fuzzy cluster, que também é utilizada por Simões (2003) para identificar complexos industriais espaciais para o Estado de Minas Gerais. Para uma revisão ampla da literatura acerca do uso desta técnica, veja Simões (2003). Neste trabalho, isto significa que um município pode pertencer mais a um grupo de municípios desenvolvidos que ao grupo de municípios em desenvolvimento em razão de algumas variáveis como pode pertencer mais ao grupo de municípios em desenvolvimento que ao grupo de municípios atrasados em virtude de outras variáveis, e não pertencer somente ao grupo de municípios desenvolvidos, em desenvolvimento ou atrasados. 3.3 Conglomerados Espaciais A formação e à análise de conglomerados espaciais é um procedimento realizado para se obter um agrupamento de áreas considerando restrições de contigüidade, o que se denomina, em economia regional, de regionalização. Este procedimento difere dos tradicionais porque agrupa objetos (neste caso municípios) homogêneos que possuem uma localização espacial. (Assunção, 2002). Para Reis (2005, p.45), o objetivo da análise de conglomerados espaciais é dividir um conjunto de n representações geográficas em c conglomerados, desde que as representações de um mesmo conglomerado sejam similares e contíguas entre si e que as representações de conglomerados diferentes sejam dissimilares entre si. Em termos mais práticos, isto significa formar conglomerados espaciais compostos internamente de municípios muito similares com respeito à(s) variável(eis) que se deseja analisar de 7

8 tal forma que os municípios pertencentes a outros conglomerados difiram entre si o máximo possível. Em relação ao emprego da técnica de obtenção de conglomerados espaciais proposta nesta pesquisa, esta consiste basicamente em gerar regiões da mesma forma que as divisões oficiais hoje existentes, com base no conjunto de variáveis utilizadas. As regionalizações são feitas levando em conta critérios de homogeneidade e restrições de contigüidade, através do método baseado em árvores geradoras mínimas (Assunção et. al (2002) para uma revisão ampla da literatura). 4 Resultados Inicialmente, foi feito um estudo individual das variáveis com o emprego de estatística descritiva, conforme se vê na tabela 1. Tabela 1 Análise descritiva das variáveis usada para os 293 Municípios de Santa Catarina Bloco Variáveis Val.Mínimo Val.Máximo Média D.padrão Desp.Correntes/Desp.Totais 67,62 99,700 86,58 6,1 Finanças Públicas (%) Receita de ICMS per capita 42,37 824,90 266,52 127,7 Receita de FPM per capita 44, ,30 427,65 268,73 Receita de ISS per capita 0,03 561,38 15,31 39,4 Dívida de Curto Prazo p/ cada R$ 1, ,7 8,61 24,1 Renda PIB per capita 765, , , ,70 Água Rede Geral 0 96,4 49,80 23,5 Infraestrutura Esgoto Rede Geral 0 97,6 48,70 26,3 Coleta de Lixo 0 99,5 57,40 29,5 Qualidade de Vida IDHM 0,676 0,881 0,791 0,035 População Nº de habitantes Inserção Urbana % de Domicílios Urbanos 2, ,93 25,6 Taxa de Alfabetização de Educação Adultos 77,13 99,09 90,87 3,84 Índice de Educação 0,740 0,978 0,874 0,038 Fonte: Elaboração própria a partir do software SPSS. Os municípios do Estado possuem, em média, um bom nível educacional (mais de 90% dos adultos são alfabetizados). Porém, ainda é praticamente um estado dividido em termos de infraestrutura pública e urbanidade, com pouco mais de 50% dos domicílios sendo localizados na área urbana do município e percentuais bastante insatisfatórios de abastecimento de água e de esgoto ligados à rede geral, além da coleta de lixo. Outra informação importante é que os municípios têm uma dívida de curto prazo superior, em média, a oito vezes o volume arrecadado. Em seguida, foram calculadas as correlações parciais entre as variáveis de maneira a observar a forma de relacionamento das mesmas duas a duas, conforme quadro 1. Através desta matriz de correlações, é possível fazer as observações abaixo. Através desta matriz de correlações, é possível fazer as seguintes observações: 1) Forte correlação positiva entre percentual de domicílios urbanos e abastecimento de água ligado à rede geral (RG), bem como à coleta de lixo (LxC), ou seja, municípios mais urbanizados ofertam mais estes serviços à população, em termos percentuais. Dentre os municípios que comprovam a correlação acima, estão Balneário Camboriú (100% de domicílios urbanos e 73,1% e 85,9% de abastecimento de água e fornecimento de esgoto ligados à rede geral (REg), 8

9 respectivamente) e Joinville (96,8% de domicílios urbanos e 94,4% e 95,9% de abastecimento de água e fornecimento de rede de esgoto ligados à rede geral, respectivamente). 2) Forte correlação positiva entre Receita de ICMS per capita e PIB per capita. Por exemplo, o município de Treviso possui R$ 824,29 de Receita de ICMS per capita (RCp), que é mais de três vezes a média do Estado e PIB per capita (PIBp) de R$ ,24 (quatro vezes a média do Estado), embora não seja um município que se destaque economicamente. 3) Forte correlação negativa entre Receita do FMP per capita (RFp) e todas as variáveis relacionadas à infraestrutura e percentual de domicílio urbano (%DU), ou seja, municípios mais dependentes do repasse do FPM possuem menos infraestrutura e são menos urbanizados. Em relação a esta correlação, observase o município de Flor do Sertão, que possui R$ 1.317,60 de receita do FPM per capita (2ª maior participação e quatro vezes a média do Estado) e que possui percentuais ruins de infraestrutura e urbanidade: apenas 35,7% e 0,2% das residências possuem abastecimento de água e fornecimento de rede de esgoto ligados à rede geral, respectivamente. Quadro 1 Matriz de Correlações Parciais RG REg LxC Hab Tal Ind %Du IDH PIBp DCP RFp RSp RMp REg 0,557 LxC 0,802 0,762 Hab 0,451 0,357 0,416 Tal 0,382 0,561 0,542 0,311 Ind 0,462 0,438 0,493 0,361 0,859 %Du 0,760 0,631 0,823 0,404 0,367 0,354 IDH 0,414 0,423 0,500 0,354 0,786 0,852 0,349 PIBp 0,288 0,203 0,222 0,102 0,313 0,426 0,127 0,374 DCP 0,073 0,026 0,021 0,007 0,165 0,136 0,030 0,150 0,055 RFp 0,567 0,539 0,651 0,362 0,388 0,302 0,596 0,294 0,072 RSp 0,257 0,195 0,243 0,348 0,240 0,284 0,213 0,256 0,097 RMp 0,159 0,203 0,255 0,132 0,104 0,128 0,307 0,107 0,676 %DC 0,034 0,072 0,039 0,017 0,182 0,170 0,011 0,182 Fonte: Elaboração própria a partir do software SPSS. 4.1 Análise de componentes principais 0,027 0,154 0,070 0,034 0,190 0,123 0,585 0,106 0,036 0,143 0,055 Em relação à análise de componentes principais e através da matriz de correlações, verificase pela tabela 2 que as duas primeiras componentes principais explicam quase 55% da variabilidade dos dados. A partir da terceira componente, o adicional de variação a cada componente adicional é muito pequeno, justificando a análise somente até duas primeiras. Tabela 2 Total da Variância explicada para as 14 Componentes Principais Componentes Variância Explicada (%) Principais Individual Acumulada 1 0,386 0, ,159 0, ,084 0, ,074 0, ,065 0, ,060 0,827 9

10 7 0,048 0, ,037 0, ,033 0, ,016 0, ,013 0, ,011 0, ,009 0, ,006 1,000 Fonte: Elaboração própria a partir do software SPSS. A tabela 3 apresenta os valores de cada um dos autovetores que correspondem aos coeficientes associados às variáveis das duas primeiras componentes principais. Quanto mais alto o valor absoluto do coeficiente associado a uma variável, maior a importância relativa desta para o componente principal em questão, seja em termos positivos ou negativos. A análise da 1ª componente principal representa o IUQV, com municípios que apresentam elevado percentual de domicílios urbanos, boa dotação de infraestrutura pública (percentuais elevados de domicílios servidos por coleta de lixo, água e esgoto ligados a rede geral), além de um IDHM acima de 0,800. Quanto à análise da 2ª componente principal, a configuração da mesma representa um Índice de Desenvolvimento Educacional, Econômico e de Gestão Pública, sendo estes municípios caracterizados como tendo elevados índices econômicos (alto PIB per capita e alta participação do ICMS e do FPM per capita) e de Gestão Pública (baixos endividamento e participação das despesas correntes em relação à total), embora tenham pequenas populações, infraestrutura abaixo da média estadual e baixa oferta de serviços e de urbanização. As tabelas 4 e 5 relacionam os escores dos 15 melhores e piores municípios para a 1ª e 2ª componentes principais, respectivamente. Para a elaboração dos mesmos, houve uma padronização e um escalonamento dos dados originais. Tabela 3 Matriz dos Coeficientes Principais 293 municípios de Santa Catarina Variáveis Componentes IUQV IDEGF Água Rede Geral 0,344 0,128 Esgoto Rede Geral 0,334 0,090 Coleta de Lixo 0,381 0,150 População 0,245 0,050 Taxa de Alfabetização de Adultos 0,328 0,250 índice de Educação 0,323 0,321 % de Domicílios Urbanos 0,336 0,231 IDHM 0,313 0,312 PIB per capita 0,116 0,371 Dívida de curto prazo para cada R$ 1,00 0,023 0,241 FPM per capita 0,298 0,317 ISS per capita 0,168 0,103 ICMS per capita 0,091 0,517 Despesas Correntes/Despesas Totais 0,053 0,243 Fonte: Elaboração própria a partir do software SPSS. Através da tabela 4, verificase que as regiões Oeste e CentroOeste possuem apenas três cidades dentre os 15 melhores escores (Chapecó e São José do Cedro; Joaçaba, respectivamente). O 10

11 extremo sul do Estado está representado apenas por duas cidades (Criciúma e Tubarão), o centrosul pelo município de Lages e os demais municípios pertencentes ao Nordeste/Litoral do Estado. Isso significa que Santa Catarina parece ser marcado também por desigualdades regionais, sendo que apenas uma porção geográfica contempla a maioria dos municípios que apresentam os melhores indicadores de qualidade de vida e de urbanidade. Esta afirmativa é corroborada pela análise geográfica dos 15 piores escores relacionados na tabela 4, pois 11 deles pertencem a municípios localizados no Oeste catarinense, 2 ao centrosul (Cerro Negro e Bocaina do Sul), 1 ao centronorte (Calmon) e ao centro (Chapadão do Lageado), ou seja, a região Nordeste e o litoral do Estado não possui nenhum município dentre os 15 piores em termos de qualidade de vida e urbanidade. Tabela 4 15 Melhores e Piores Escores dos Municípios na 1ª Componente Principal Municípios Melhores Piores Municípios Escores Escores Florianópolis 3,176 Entre Rios 2,480 Joinvile 3,035 Cerro Negro 2,411 Blumenau 2,617 Flor do Sertão 2,137 Balneário Camboriú 2,303 Jupiá 1,829 Jaraguá do Sul 2,110 Santa Terezinha do Progresso 1,714 São José do Cedro 2,003 Tigrinhos 1,702 Itajaí 1,921 Bocaina do Sul 1,645 São Bento do Sul 1,887 Saltinho 1,645 Criciúma 1,806 Ipuaçi 1,629 Joaçaba 1,788 Coronel Martins 1,614 Chapecó 1,787 Chapadão do Lageado 1,569 Brusque 1,757 São Bernardino 1,551 Lages 1,702 Paial 1,548 Tubarão 1,695 Calmon 1,536 Indaial 1,683 São Miguel da Boa Vista 1,511 Fonte: Elaboração própria a partir do software SPSS. Analisando a tabela 5, verificase, surpreendentemente, que as regiões Oeste e CentroOeste possuem 11 dos 15 municípios com melhores escores na 2ª componente principal, ou seja, alto PIB per capita e baixo grau de endividamento, seguido pela região Central, com os municípios de Iomerê, Pinheiro Preto e Vargem e região Sul (Treviso). Tal observação induz à verificação de desigualdades intraregionais acentuadas, e não somente interregionais. Tabela 5 15 Melhores e Piores Escores dos Municípios na 2ª Componente Principal Municípios Melhores Escores Municípios Piores Escores Itá 3,848 Campo Belo do Sul 4,560 Iomerê 3,275 Cerro Negro 2,087 Treviso 2,920 Lebon Regis 1,979 11

12 Presidente Castelo Branco 2,535 São José 1,968 Cordilheira Alta 2,431 Anita Garibaldi 1,894 Lajeado Grande 2,279 Imaruí 1,887 Cunhataí 2,186 Monte Castelo 1,845 Lacerdópolis 2,163 Timbó 1,829 Ibiam 2,078 Paulo Lopes 1,814 Pineiro Preto 2,071 Ponte Alta do Norte 1,776 Ouro 2,041 Monte Carlo 1,707 Vargem 1,901 Camboriú 1,635 Alto Bela Vista 1,806 Lages 1,634 São João do Oeste 1,739 Garopaba 1,632 Bom Jesus do Oeste 1,729 Curitibanos 1,556 Fonte: Elaboração própria a partir do software SPSS. Por outro lado, observase a partir da tabela 5 que as regiões CentroSul e Central possuem 9 municípios dentre os 15 com melhores escores da 2ª componente principal Índice de Desenvolvimento Econômico e de Gestão de Finanças Públicas (IDEGF), além de três municípios da região Sudeste (Garopaba, Imaruí e Paulo Lopes), dois municípios situados próximo ao litoral (Camboriú e São José) e apenas um na região Nordeste (Timbó). Tal situação aponta para municípios que não estão endividados e possuem percentuais de despesas correntes em relação às despesas totais menores que a média estadual. A visualização das duas principais componentes principais em termos espaciais, com as classes contemplando os diferentes níveis de escores dos municípios foi elaborada conforme as figuras 1 e 2. Percebese pela figura 1 que o nordeste, o litoral e o extremo sul catarinense possuem a maioria dos municípios com os maiores IUQV s, caracterizando uma situação de desigualdade interregião já antes mencionada, o que pode ser visualizado através dos dois triângulos identificados no mapa. Outras regiões possuem municípios isolados, tais como Chapecó (região Oeste) e Lages (CentroSul). 12

13 Figura 1. Índice de Urbanidade e Qualidade de Vida (IUQV) Santa Catarina. Elaboração própria a partir do software Terraview 3.0 Pela figura 2, é possível verificar que as regiões centro, centrosul e centronorte do Estado estão entre as que possuem os municípios mais endividados e que têm mais despesas correntes em relação às despesas totais, ou seja, possuem uma gestão das finanças públicas em um nível insatisfatório. Observase que poucos municípios estão situados na faixa superior de escores, isto é, poucos se destacam em termos principalmente de gestão das finanças públicas, com destaque para Lauro Miller e Bom Jardim da Serra, no sul e São João do Itaperiú, no nordeste catarinense, além de uma parte significativa do centrooeste, como Ita e Iomerê. 13

14 Figura 2. Índice de Desenvolvimento Econômico e Gestão das Finanças Públicas (IDEGF). Elaboração própria a partir do software Terraview Fuzzy Cluster Através da lógica de Fuzzy Cluster, foi estabelecido três grupos, a saber, 1, 2 e 3, cuja análise das características individuais relacionadas aos dados originais permitiram as seguintes classificações: a) Grupo 1: Municípios Atrasados Possuem pequena população (geralmente até habitantes), infraestrutura pública crítica (água, esgoto e coleta de lixo com cobertura abaixo de 40% dos domicílios), baixou grau de urbanidade (60% dos domicílios estão na zona rural), qualidade de vida abaixo da média estadual, PIB per capita cerca de 60% abaixo da média do Estado, maior grau de endividamento público e de dependência do FPM per capita e gera, em média, 5 vezes menos ISS per capita que os municípios desenvolvidos no Estado. Este grupo pode ser visualizado conforme figura 3. Verificase que a região nordeste e praticamente todo o litoral do Estado quase não possuem municípios que pertençam, na maioria das suas características, ao grupo 1, confirmando, mais uma vez, que tais regiões são realmente diferenciadas em praticamente todos os aspectos das demais. Percebese também que existiria um corredor da pobreza cortando o Estado (marcação no mapa em negrito), no qual haveria uma grande quantidade de municípios com forte presença das características relativas ao grupo 1, além de municípios na parte central da região oeste do Estado. b) Grupo 2: Municípios em Desenvolvimento Também possuem uma pequena população (em média cerca de habitantes), infraestrutura pública atendendo parcialmente à coletividade (cerca de 65% dos domicílios tendo água e esgoto ligados à rede geral e coleta de lixo), bom grau de urbanidade (cerca de 60% dos domicílios estão na zona urbana), qualidade de vida e PIB per capita pouco acima das médias estaduais, baixo nível de endividamento público, relativa dependência do FPM per capita e geram, em média, 2 vezes mais ISS per capita que os municípios atrasados. Este grupo pode ser visualizado conforme a figura 4. 14

15 Figura 3 Mapa do Grupo 1 Municípios atrasados / Estado de Santa Catarina. Elaboração própria a partir do software Terraview

16 Figura 4 Mapa do Grupo 2 Municípios em desenvolvimento / Estado de Santa Catarina. Elaborado própria a partir do software Terraview 3.0 Observase pelo mapa do Grupo 2 que em praticamente todas as regiões do Estado possuem municípios na condição de em desenvolvimento, ou seja, municípios pertencentes ao grupo 2. É possível verificar duas regiões que merecem algum destaque: centrooeste e sul. A primeira possui uma grande quantidade de municípios neste grupo e a segunda, embora em menos quantidade, também alcança uma posição relevante dentro do grupo 2. c) Grupo 3: Municípios Desenvolvidos Possuem uma população superior, em média, a habitantes, infraestrutura pública atendendo quase integralmente a população (cerca de 90% dos domicílios tendo água e esgoto ligados à rede geral e coleta de lixo), alto grau de urbanidade (mais de 80% dos domicílios na zona urbana), qualidade de vida bem acima da média estadual, baixo nível de endividamento público (equivalente aos municípios do grupo 2), pouca dependência do FPM per capita e têm um setor de serviços operante na economia. O grupo 3 pode ser visualizado conforme a figura 5, a qual verificase que a região nordeste e praticamente todo o litoral do Estado possuem municípios ligados ao grupo 3, ou seja, mais desenvolvidos. A região oeste possui apenas 4 municípios neste grupo Chapecó, Xanxerê, São Miguel (estes em menor grau), e São Bernardino; a regiões centrooeste está representada por Concórdia e a região do extremo sul catarinense com os municípios de Araranguá, Criciúma (em menor grau), Içara, Tubarão e Laguna. Percebese que o anteriormente mencionado corredor da pobreza cortando o Estado fica ainda mais evidente neste mapa (conforme marcação no mapa em negrito), onde praticamente não existem municípios inseridos no grupo 3. 16

17 Figura 5 Mapa do Grupo 3 Municípios desenvolvidos / Estado de Santa Catarina Este corredor está circundado por municípios mais relacionados ao grupo 3, o que pode evidenciar algum fenômeno de espacialidade, ou seja, uma situação em que municípios atrasados tem dificuldade de desenvolvimento devida à influência de outros municípios também atrasados e que estão próximos de acordo com qualquer critério de contiguidade. Pela figura 5, verificase ainda que a região nordeste e praticamente todo o litoral do Estado possuem municípios ligados ao grupo 3, ou seja, aos mais desenvolvidos. A região oeste possui apenas 4 municípios neste grupo Chapecó, Xanxerê, São Miguel, e São Bernardino; a regiões centrooeste está representada por Concórdia e a região do extremo sul catarinense com os municípios de Araranguá, Criciúma, Içara, Tubarão e Laguna. 4.3 Conglomerados Espaciais O processo de criação de regiões homogêneas a partir das duas componentes principais utilizadas ao longo do trabalho Índice de Desenvolvimento Econômico e de Gestão das Finanças Públicas (IDEGF) e Índice de Urbanidade e de Qualidade de Vida (IUQV) foram obtidas 13 regiões homogêneas, conforme figura 6 a seguir. 17

18 Figura 6. Mapa dos Conglomerados Espaciais Estado de Santa Catarina. Elaboração própria a partir do software Terraview 3.0 As regiões e suas características podem ser denominadas da seguinte forma: 1 Médio e Alto Vale do Itajaí (pequenos municípios do interior do Estado e pouco desenvolvidos); 2 Bom Jardim da Serra e Treviso (ambos possuem dados de infraestrutura igual à média do Estado, além de pequenas populações); 3 Região de Campos Novos (o município se destaca pela excelente infraestrutura e alto percentual de domicílios urbanos); 4 Região de Joaçaba (com população acima da média estadual, forte economicamente, além de ter índices de infraestrutura o dobro da média estadual e alto percentual de domicílios urbanos); 5 Região de Concórdia (situada no meiooeste, a região é beneficiada pela presença de Concórdia, que tem boa infraestrutura, alto IDHM e baixíssimo endividamento público); 6 Litoral Sul/ExtremoSul (região marcada pelo turismo e por municípios desenvolvidos como Criciúma e Tubarão); 7 Região de Abelardo Luz (municípios com pouca infraestrutura e baixo IDHM, embora com populações próximas à média do Estado); 8 Região de Chapecó/ExtremoOeste (alto nível educacional e de qualidade de vida, baixo endividamento público); 9 Região de Campo Belo do Sul (municípios muito endividados e com baixa qualidade de vida, como por exemplo, Cerro Negro, com o 2º pior IDHM do Estado); 10 Região Nordeste e Litoral CentroNorte (municípios com boas condições de infraestrutura, baixo IDHM, pouco endividamento, renda per capita abaixo da média estadual); 11 Eixo JoinvilleJaraguá do SulBlumenau (municípios com excelente infraestrutura, alta qualidade de vida, renda per capita acima da média estadual e os melhores níveis de endividamento público); 12 Campo Alegre (município com ótima gestão das finanças públicas); 13 Eixo CaçadorCuritibanosLages (grande quantidade de pequenos municípios, os quais são influenciados pelo Eixo, e apresentam baixa infraestrutura e renda per capita). Portanto, pelas duas componentes principais utilizadas neste trabalho para a criação de regiões homogêneas, com a imposição da contigüidade entre os municípios, a regionalização apresentada 18

19 aproximase da divisão oficial do Estado em termos regionais, com exceção das regiões 2, 4, 12 e 13. Considerações Finais Pela análise de componentes principais, duas componentes explicavam sozinhas mais de 55% da variabilidade dos dados, denominadas de Índice de Desenvolvimento Econômico e de Gestão das Finanças Públicas (IDEGF) e Índice de Urbanidade e de Qualidade de Vida (IUQV). Percebese que esta homogeneidade não é tão acentuada quanto se esperava, pois municípios com baixíssimos IDEGF e IUQV, ou seja, municípios que possuem menos infraestrutura, baixo nível educacional e alto grau de endividamento público estão relativamente próximos a municípios que apresentam altos índices, tais como Blumenau, Jaraguá do Sul, Urussanga e São Ludgero. Além disso, o Estado é marcado por municípios que possuem uma boa gestão das finanças públicas e boa participação do ICMS na sua receita mas que não possuem boa infraestrutura e nível educacional, mas também por municípios que possuem uma boa rede de atendimento à população em termos de água, esgoto e coleta de lixo mas que economicamente e em termos de gestão das finanças públicas deixam a desejar em relação a outros municípios no Estado. Quanto à análise de fuzzy cluster, foram denominados três grupos de pertencimento, a saber, os dos municípios desenvolvidos (grupo 3), em desenvolvimento (grupo 2) e os atrasados (grupo 1). Percebese que a região nordeste, litoral e extremo sul catarinense está predominantemente inserido no grupo 3, enquanto que a região oeste tinha municípios que mais se encaixavam no perfil do grupo 1. Existe também uma espécie de corredor da pobreza no Estado, localizado na parte central e que é cercado por município ou desenvolvidos ou em desenvolvimento, merecendo a atenção de políticas públicas específicas. O grupo 2, municípios em desenvolvimento, possui representantes em todo o Estado, mas principalmente na região sul e centronorte. Com a imposição da contigüidade entre os municípios e o uso das duas componentes principais, IDEGF E IUQV, a criação de regiões homogêneas com o uso do software Terraview 3.0 gerou 13 regiões no Estado, as quais foram bastante próximas às oficiais, o que confirma a potencialidade das componentes e também a diversidade em Santa Catarina. Portanto, apesar do Estado possuir o 2º maior IDH do Brasil, perdendo apenas para o Distrito Federal, Santa Catarina é marcado também por desigualdades em vários aspectos tanto intraregionais quanto interregionais. Referências Bibliográficas ASSUNÇÃO, R., LAGE, J., REIS, E. Análise de conglomerados espaciais via árvore geradora mínima. Rio de Janeiro: Revista Brasileira de Estatística, v.63, n.220, p.724, BARRETO, F.A.F.D.; JORGENETO, Paulo M.; TEBALDI, E. Desigualdade de Renda e Crescimento Econômico no Nordeste Brasileiro. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 32, p , BARROS, R. P.; MENDONÇA, R. S. P de. Os determinantes da desigualdade no Brasil / The determinants of the inequality in Brazil. Brasília; IPEA; jul p. ilus, tab. (Texto para Discussao, 377). IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico 2000: caracterização da população e dos domicílios: resultado do universo. Rio de Janeiro, CAMAGNI. Innovation Networks: Spatial Perspectives, Belhaven, London, New York, CARVALHO, Fernanda F.; SANTOS, Valdeci M. A SUDENE e as Novas Teorias do Desenvolvimento Regional

20 CHEIN, Flávia.; LEMOS, M. B.; ASSUNCÃO, J. J. Desenvolvimento desigual: evidências para o Brasil. In: XXXIII Encontro Nacional de Economia, 2005, Natal. Anais XXXIII Encontro Nacional de Economia, CHRISTALLER, Walter. Die zentralen Örte in Süddeutschland: Eine ökonomischgeographische Untersuchung über die Gesetzmässigkeit der Verbreitung und Entwiclung der Siedlungen mit stadischen Funktiionnen. Jena, Gustav Fischer Verlag, CORRAR, L. J. (Org.); PAULO, E. (Org.); DIAS FILHO, J. M. (Org.). Análise Multivariada para os Cursos de Administração, Ciências Contábeis e Economia. 1. ed. São Paulo: Atlas, v p. CROCCO, M.A.; GALINARI, R.; SANTOS, F.; LEMOS, M.B.; SIMÕES, R. Metodologia de identificação de arranjos produtivos locais potenciais. Belo Horizonte: UFMG/Cedeplar, (Texto para discussão, 212). ESCOFIER, B.; PAGÉS, J. Análisis factoriales simples y multiples: objetivos, métodos e interpretación. Bilbao: Ed. Universidad Del Pais Vasco, 1992, 285 p. FUJITA, Masahisa. A Monopolistic Competition Model of Spatial Agglomeration. Regional Science and Urban Economics 18 (February), 87124, HIRSCHMAN, A. The strategy of economic development. New Haven: Yale University Press, ISARD, Walter (1960) e BRAMHALL, David F. Methods of Regional Analysis: An Introduction to Regional Science. Cambridge, Massachusetts: M.I.T. JOHNSON, R. Applied multivariate statistical Analysis. 3. ed. London: PrenticeHall, p. 641, KAGEYAMA, Â. e LEONE, E.T. Uma tipologia dos municípios paulistas com base em indicadores sociodemográficos. Texto para Discussão. IE/Unicamp, Campinas, n.66, jan KRUGMAN, Paul. Geography and trade. Massachusetts: The MIT Press,1991. LEMOS, Mauro et al. A dinâmica da competitividade das regiões metropolitanas rasileiras. In: XXIX Encontro Nacional de Economia. Salvador: ANPEC, Anais do XXIX Encontro Nacional de Economia. Salvador, LÖSCH, August. The economics of location. Yale United Press: New Haven, MAILLAT, D. Milieux Innovateurs et Dynamique Territoriale. In RALLET, A. & TORRE, A. Économie Industrielle et Économie Spatiale, Ed. Economica, Paris, MALUF, L. A.; MATTEI, L.; LINS, H. N.. Contribuição aos estudos sobre desenvolvimento socioeconômico em Santa Catarina: comportamento do IDS entre 1991 e MARAVALLE, M. e SIMEONE, B. A spanning tree heuristic for regional clustering. Comm Statistical Theory Methods. n.22, p ,

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 328 REDES E POLARIZAÇÃO URBANA E FINANCEIRA: UMA EXPLORAÇÃO INICAL PARA O BRASIL

TEXTO PARA DISCUSSÃO N 328 REDES E POLARIZAÇÃO URBANA E FINANCEIRA: UMA EXPLORAÇÃO INICAL PARA O BRASIL TEXTO PARA DISCUSSÃO N 328 REDES E POLARIZAÇÃO URBANA E FINANCEIRA: UMA EXPLORAÇÃO INICAL PARA O BRASIL Marco Crocco Ricardo Machado Ruiz Anderson Cavalcante Março de 2008 Ficha catalográfica 333.73981

Leia mais

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI

A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI A POSIÇÃO DO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS (SP) EM RELAÇÃO AO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO (IDH) E AO ÍNDICE DE GINI Roland Anton Zottele 1, Friedhilde M. K. Manulescu 2 1, 2 Faculdade de Ciências

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Indicadores sócio-econômicos. Campos Gerais. Paraná.

PALAVRAS-CHAVE Indicadores sócio-econômicos. Campos Gerais. Paraná. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO

Leia mais

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL

ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL ÍNDICE PAULISTA DE VULNERABILIDADE SOCIAL O Estado de São Paulo, especialmente nos grandes centros urbanos, apresenta enormes desigualdades sociais, com áreas de alto padrão de qualidade de vida e outras

Leia mais

Relatório Metodológico da Tipologia dos Colegiados de Gestão Regional CGR. O presente relatório tem por objetivo apresentar uma tipologia dos CGR

Relatório Metodológico da Tipologia dos Colegiados de Gestão Regional CGR. O presente relatório tem por objetivo apresentar uma tipologia dos CGR Relatório Metodológico da Tipologia dos Colegiados de Gestão Regional CGR Apresentação O presente relatório tem por objetivo apresentar uma tipologia dos CGR Colegiados de Gestão Regional do Brasil segundo

Leia mais

1. Introdução. 2. Metodologia

1. Introdução. 2. Metodologia Mapeando a Mestre em Estatística Prefeitura Municipal do Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Finanças Departamento de Estudos e Pesquisas. Introdução O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS

A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Título: A DEMANDA POR SAÚDE PÚBLICA EM GOIÁS Projeto de pesquisa: ANÁLISE REGIONAL DA OFERTA E DA DEMANDA POR SERVIÇOS DE SAÚDE NOS MUNICÍPIOS GOIANOS: GESTÃO E EFICIÊNCIA 35434 Autores: Sandro Eduardo

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues

Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA. Adma Figueiredo. Eloisa Domingues. Ivete Rodrigues Ao dormir, todos somos vulneráveis. William Shakespeare NOTA TÉCNICA Tipologia da Vulnerabilidade Social na Bacia Hidrográfica do São Francisco, Brasil Adma Figueiredo Geógrafa IBGE Eloisa Domingues Geógrafa

Leia mais

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 *

RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * RESULTADOS DO ÍNDICE DE VULNERABILIDADE SOCIAL DO PARANÁ - 2010 * Os resultados aqui apresentados foram extraídos do Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros, elaborado pelo Instituto

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Regiões Metropolitanas do Brasil

Regiões Metropolitanas do Brasil Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia IPPUR/UFRJ CNPQ FAPERJ Regiões Metropolitanas do Brasil Equipe responsável Sol Garson Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Juciano Martins Rodrigues Regiões Metropolitanas

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

IBEU da Região Metropolitana de Goiânia

IBEU da Região Metropolitana de Goiânia IBEU da Região Metropolitana de Goiânia Marina Lemes Landeiro 1 Recentemente as 15 principais regiões metropolitanas brasileiras foram contempladas com o livro e também e-book Índice de Bem-estar Urbano

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Este artigo é uma breve resenha da tese de mestrado em economia de Albernaz,

Este artigo é uma breve resenha da tese de mestrado em economia de Albernaz, AMELHORIA DA QUALIDADE DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: UM DESAFIO PARA O SÉCULO XXI Introdução ANGELA ALBERNAZ* Este artigo é uma breve resenha da tese de mestrado em economia de Albernaz, 2002, 1 cujo objetivo

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO DE GEOGRAFIA SÉRIE: 7º ANO PROFESSOR: MAGDA e ROSI

Leia mais

BRASIL REGIONALIZAÇÕES. Mapa II

BRASIL REGIONALIZAÇÕES. Mapa II BRASIL REGIONALIZAÇÕES QUESTÃO 01 - Baseado na regionalização brasileira, apresentados pelos dois mapas a seguir, é INCORRETO afirmar que: Mapa I Mapa II A B D C a. ( ) O mapa II apresenta a divisão do

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CNPq/FAPERJ/CAPES ---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO COORDENAÇÃO LUIZ CÉSAR DE QUEIROZ RIBEIRO EQUIPE RESPONSÁVEL ANDRÉ RICARDO SALATA LYGIA GONÇALVES

Leia mais

Emprego Industrial Março de 2015

Emprego Industrial Março de 2015 Emprego Industrial Março de 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO No mês de março de 2015, o saldo de empregos em Santa Catarina cresceu em relação ao estoque de fevereiro (3.948 postos e variação de 0,2%). A indústria

Leia mais

A DIFERENCIAÇÃO DA RENDA DO TRABALHO NAS REGIÕES SUL E SUDESTE DO BRASIL

A DIFERENCIAÇÃO DA RENDA DO TRABALHO NAS REGIÕES SUL E SUDESTE DO BRASIL A DIFERENCIAÇÃO DA RENDA DO TRABALHO NAS REGIÕES SUL E SUDESTE DO BRASIL Amarildo Hersen (Economista, Mestre em Desenvolvimento Regional e Agronegócio, docente UNICENTRO) e-mail: amarildohersen@yahoo.com.br.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A QUALIDADE DE VIDA SOB A ÓTICA DAS DINÂMICAS DE MORADIA: A IDADE ENQUANTO UM FATOR DE ACÚMULO DE ATIVOS E CAPITAL PESSOAL DIFERENCIADO PARA O IDOSO TRADUZIDO NAS CONDIÇÕES DE MORADIA E MOBILIDADE SOCIAL

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO TERCEIRO SETOR EM BELO HORIZONTE 2006

DIAGNÓSTICO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO TERCEIRO SETOR EM BELO HORIZONTE 2006 DIAGNÓSTICO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DO TERCEIRO SETOR EM BELO HORIZONTE 2006 José Irineu Rangel Rigotti João Francisco de Abreu Rafael Liberal Ferreira Luciene Marques da Conceição Alisson Eustáquio Gonçalves

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA NOTA TÉCNICA Perfil de A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG

DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG DESIGUALDADE AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE SALINAS MG BRENO FURTADO LIMA 1, EDUARDO OLIVEIRA JORGE 2, FÁBIO CHAVES CLEMENTE 3, GUSTAVO ANDRADE GODOY 4, RAFAEL VILELA PEREIRA 5, ALENCAR SANTOS 6 E RÚBIA GOMES

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério

A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA. www.tiberiogeo.com.br A Geografia Levada a Sério A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA 1 Início de nossa urbanização Segundo o Censo 2010 aponta que aproximadamente 85% é urbano; Nossa economia estava voltada para a exportação; As primeiras ocupações urbanas se deram

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões

Pobreza e Prosperidade. Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades. Compartilhada nas Regiões Pobreza e Prosperidade Compartilhada nas Regiões Metropolitanas Brasileiras: Balanço e Identificação de Prioridades Aude-Sophie Rodella Grupo Sectorial da Pobreza Brasilia, June 2015 No Brasil, a pobreza

Leia mais

Informativo Mensal de Emprego

Informativo Mensal de Emprego Informação e Análise do Mercado de Trabalho SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO SETOR DE INFORMAÇÃO E ANÁLISE DO MERCADO DE TRABALHO Informativo

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES.

OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES. OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES. Fausto Brito Marcy R. Martins Soares Ana Paula G.de Freitas Um dos temas mais discutidos nas Ciências Sociais no Brasil é o verdadeiro significado,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde

Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde Escola Nacional de Saúde Pública Fundação Oswaldo Cruz Segmentação de Mercados na Assistência à Saúde Autores: Luís Otávio Farias Clarice Melamed VI Encontro Nacional de Economia da Saúde Nova Friburgo,

Leia mais

Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional. Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum

Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional. Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum Abril de 2011 2 CONISUD Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional abril de 2011

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

Comunicado da. Presidência

Comunicado da. Presidência Número 7, agosto de 2008 Comunicado da Presidência Pobreza e riqueza no Brasil metropolitano Realização: Assessoria Técnica da Presidência 2 1. Apresentação 1 A economia brasileira, ao longo dos últimos

Leia mais

A Importância do Fortalecimento Fiscal dos Municípios

A Importância do Fortalecimento Fiscal dos Municípios A Importância do Fortalecimento Fiscal dos Municípios Maria Cristina Mac Dowell Diretora-Geral Adjunta Escola de Administração Fazendária Esaf/MF maria-macdowell.azevedo@fazenda.gov.br macdowell.azevedo@fazenda.gov.br

Leia mais

ANEXO 2 - INDICADORES EDUCACIONAIS 1

ANEXO 2 - INDICADORES EDUCACIONAIS 1 ES R O D A C I D N I 2 O X E N A EDUCACIONAIS 1 ANEXO 2 1 APRESENTAÇÃO A utilização de indicadores, nas últimas décadas, na área da educação, tem sido importante instrumento de gestão, pois possibilita

Leia mais

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras

Avaliação Econômica. O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Avaliação Econômica O Processo de Seleção de Diretores nas Escolas Públicas Brasileiras Objeto da avaliação: adoção de diferentes mecanismos para a seleção de diretores de escolas públicas brasileiras

Leia mais

DETERMINANTES DA POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: ANÁLISE DA ECONOMIA BRASILEIRA ENTRE 1994 E 2014. RESUMO

DETERMINANTES DA POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: ANÁLISE DA ECONOMIA BRASILEIRA ENTRE 1994 E 2014. RESUMO DETERMINANTES DA POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: ANÁLISE DA ECONOMIA BRASILEIRA ENTRE 1994 E 2014. Cleber Yutaka Osaku 1 ; Alexandre de Souza Correa 2. UFGD/FACE - Caixa Postal - 364 - Dourados/MS,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO 5 Amanda dos Santos Galeti Acadêmica de Geografia - UNESPAR/Paranavaí amanda_galeti@hotmail.com Kamily Alanis Montina Acadêmica

Leia mais

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços?

Nº 19 Novembro de 2011. A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? Nº 19 Novembro de 2011 A Evolução da Desigualdade de Renda entre os anos de 2000 e 2010 no Ceará e Estados Brasileiros Quais foram os avanços? GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL Jonas Irineu dos Santos Filho Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves O consumo de proteína animal no mundo

Leia mais

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres O TERRITÓRIO BRASILEIRO 6. Fronteiras Terrestres Até o começo do século XVII, os colonizadores se concentraram em cidades fundadas na região litorânea do Brasil, principalmente no Nordeste. A principal

Leia mais

Relatório de Categorização MTur - Ministério do Turismo Categorização dos municípios das regiões turísticas do mapa do turismo brasileiro

Relatório de Categorização MTur - Ministério do Turismo Categorização dos municípios das regiões turísticas do mapa do turismo brasileiro Relatório de Categorização MTur - Ministério do Turismo Categorização dos municípios das regiões turísticas do mapa do turismo brasileiro Parâmetros da consulta: SUL / Santa Catarina Resumo da Seleção

Leia mais

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense Nº 23 Março 2012 Perfil da Raça da População Cearense Análise a partir dos dados do Censo Demográfico 2010 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

Leia mais

3 O Panorama Social Brasileiro

3 O Panorama Social Brasileiro 3 O Panorama Social Brasileiro 3.1 A Estrutura Social Brasileira O Brasil é um país caracterizado por uma distribuição desigual de renda. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios

Leia mais

HETEROGENEIDADE ESTRUTURAL NO SETOR DE SERVIÇOS BRASILEIRO

HETEROGENEIDADE ESTRUTURAL NO SETOR DE SERVIÇOS BRASILEIRO HETEROGENEIDADE ESTRUTURAL NO SETOR DE SERVIÇOS BRASILEIRO João Maria de Oliveira* 2 Alexandre Gervásio de Sousa* 1 INTRODUÇÃO O setor de serviços no Brasil ganhou importância nos últimos tempos. Sua taxa

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES

DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES DESENVOLVIMENTO SÓCIO-ECONÔMICO E CAPITAL SOCIAL NO BRASIL: EM BUSCA DE CORRELAÇÕES Sylvio Bandeira de Mello e Silva Programa de Pós-graduação em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Social/UCSAL

Leia mais

Perfil Municipal - Rio Bom (PR)

Perfil Municipal - Rio Bom (PR) Caracterização do Território Área: 177,4 km² u Densidade Demográfica: 20,0 hab/km² Altitude da Sede: 680 m Ano de Instalação: 1.964 Distância à Capital: 284,5 km Microrregião: Faxinal Mesorregião: Norte

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica CARACTERÍSTICAS DA ANÁLISE DESCRITIVA EM ESTUDOS SOBRE EMPREENDEDORISMO

18º Congresso de Iniciação Científica CARACTERÍSTICAS DA ANÁLISE DESCRITIVA EM ESTUDOS SOBRE EMPREENDEDORISMO 18º Congresso de Iniciação Científica CARACTERÍSTICAS DA ANÁLISE DESCRITIVA EM ESTUDOS SOBRE EMPREENDEDORISMO Autor(es) MARÍLIA DE OLIVEIRA FOGAÇA Orientador(es) MARIA IMACULADA DE LIMA MONTEBELO Apoio

Leia mais

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RURAL NOS MUNICÍPIOS DO CENTRO- SUL PARANAENSE NO PERÍODO DE 2000 A 2010

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RURAL NOS MUNICÍPIOS DO CENTRO- SUL PARANAENSE NO PERÍODO DE 2000 A 2010 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO RURAL NOS MUNICÍPIOS DO CENTRO- SUL PARANAENSE NO PERÍODO DE 2000 A 2010 Juliana Paula Ramos 1, Maria das Graças de Lima 2 RESUMO:

Leia mais

Estudo Comparativo 1991-2000

Estudo Comparativo 1991-2000 Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Planejamento e Gestão Estratégica - SEMPLA Departamento de Estudos e Pesquisas Setor de Estatística e Informações DESENVOLVIMENTO HUMANO EM NATAL Estudo

Leia mais

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS

ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS 1 ELABORAÇÃO DE INDICADORES SOCIAIS Ernesto Friedrich de Lima Amaral 28 de setembro de 2011 Universidade Federal de Minas Gerais Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia Departamento de Sociologia e Antropologia

Leia mais

Plano Aeroviário Nacional -PAN -

Plano Aeroviário Nacional -PAN - Plano Aeroviário Nacional -PAN - Objetivo Nortear, orientar, integrar e induzir o Planejamento Estratégico da Infra- Estrutura Aeroportuária Pública de Interesse Nacional. 2 Crescimento da Demanda por

Leia mais

TRABALHO INFANTIL E POBREZA DA POPULAÇÃO FEMININA BRASILEIRA: UMA DISCUSSÃO DA INTER-RELAÇÃO ENTRE ESTES DOIS FATORES

TRABALHO INFANTIL E POBREZA DA POPULAÇÃO FEMININA BRASILEIRA: UMA DISCUSSÃO DA INTER-RELAÇÃO ENTRE ESTES DOIS FATORES 1 CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X TRABALHO INFANTIL E POBREZA DA POPULAÇÃO FEMININA BRASILEIRA:

Leia mais

ipea A ESCOLARIDADE DOS PAIS E OS RETORNOS À EDUCAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO 1 INTRODUÇÃO 2 DADOS

ipea A ESCOLARIDADE DOS PAIS E OS RETORNOS À EDUCAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO 1 INTRODUÇÃO 2 DADOS A ESCOLARIDADE DOS PAIS E OS RETORNOS À EDUCAÇÃO NO MERCADO DE TRABALHO Lauro Ramos* Maurício Cortez Reis** 1 INTRODUÇÃO O conjunto de evidências empíricas apresentadas por Ferreira e Veloso (23) mostra

Leia mais

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz

Estudo Estratégico n o 5. Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz Estudo Estratégico n o 5 Desenvolvimento socioeconômico na metrópole e no interior do Rio de Janeiro Adriana Fontes Valéria Pero Camila Ferraz PANORAMA GERAL ERJ é o estado mais urbano e metropolitano

Leia mais

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil

O Sonho de ser Empreendedor no Brasil O Sonho de ser Empreendedor no Brasil Marco Aurélio Bedê 1 Resumo: O artigo apresenta os resultados de um estudo sobre o sonho de ser Empreendedor no Brasil. Com base em tabulações especiais elaboradas

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Aliança / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,06% ao ano, passando de 37.188 para 37.415 habitantes.

Leia mais

A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA

A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA A REDE URBANA NO VALE DO PARAÍBA: ESTAGNAÇÃO ECONÔMICA DO MUNÍCIPIO DE REDENÇÃO DA SERRA RODRIGO ALEXANDRE PEREIRA CALDERARO 1 e EVÂNIO DOS SANTOS BRANQUINHO 2 calderaro.ro@gmail.com; evanio.branquinho@unifal-mg.edu.br

Leia mais

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE

URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE URBANIZAÇÃO LUGAR É A BASE. DA REPRODUÇÃO DA VIDA E PODE SER ANALISADO PELA TRÍADE HABITANTE- IDENTIDADE-LUGAR. OBJETIVOS ESPECÍFICOS A. Caracterizar o fenômeno da urbanização como maior intervenção humana

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo

Censo Demográfico 2010. Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Censo Demográfico 2010 Características Gerais dos Indígenas: Resultados do Universo Rio de Janeiro, 10 de agosto de 2012 Identificação da população indígena nos Censos Demográficos do Brasil 1991 e 2000

Leia mais

Autora: Arimá Viana Barroso. Natal RN 2 0 0 3. Chefe do Setor de Estatística e Informações

Autora: Arimá Viana Barroso. Natal RN 2 0 0 3. Chefe do Setor de Estatística e Informações Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Planejamento e Gestão Estratégica - SEMPLA Departamento de Estudos e Pesquisas Setor de Estatística e Informações Chefe do Setor de Estatística e Informações

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS DO DISTRITO INDUSTRIAL DO CHÁCARAS REUNIDAS

INDUSTRIALIZAÇÃO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS DO DISTRITO INDUSTRIAL DO CHÁCARAS REUNIDAS INDUSTRIALIZAÇÃO EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP: UMA ANÁLISE DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS DO DISTRITO INDUSTRIAL DO CHÁCARAS REUNIDAS Gustavo Andreiev Nunes Serra 1, Adriane Aparecida Moreira de Souza 2 Universidade

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

Situação Geográfica e Demográfica

Situação Geográfica e Demográfica Guarulhos História A memória é a base para a construção da identidade, da consciência do indivíduo e dos grupos sociais de um determinado local. A maioria das fontes de memória de Guarulhos traz que sua

Leia mais

Dimensão social. Educação

Dimensão social. Educação Dimensão social Educação 218 Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 36 Taxa de escolarização Representa a proporção da população infanto-juvenil que freqüenta a escola. Descrição As variáveis

Leia mais

Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender?

Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender? Desenvolvimento e Subdesenvolvimento: O que é preciso saber para começar entender? PIB - Produto Interno Bruto. Ele representa o montante de todas as riquezas do país, quanto maior o PIB, mais alto o nível

Leia mais

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL

INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA O ENFRENTAMENTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM ÁREAS URBANAS: UM ESTUDO DE CASO NO MUNICÍPIO DE BELÉM, PARÁ, BRASIL Priscila da Silva Batista Instituto Tecnológico, Universidade

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015

ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 ESTUDO TÉCNICO N.º 03/2015 Ações de Inclusão Produtiva segundo Censo SUAS 2013: uma análise sob diversos recortes territoriais. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

11.3.7. Condições de Vida da População. 11.3.7.1. Introdução

11.3.7. Condições de Vida da População. 11.3.7.1. Introdução 11.3.7. Condições de Vida da População 11.3.7.1. Introdução Integram essa área de estudo para o meio socioeconômico, oito municípios, a saber: Apiaí, Barra do Chapéu, Itapirapuã Paulista e Ribeira, em

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

Rio de Janeiro. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio de Janeiro (1991, 2000 e 2010)

Rio de Janeiro. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado do Rio de Janeiro (1991, 2000 e 2010) Rio de Janeiro Em, no estado do Rio de Janeiro (RJ), moravam 16 milhões de pessoas, onde 8,9% (1,4 milhões) tinham 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 92 municípios, dos quais sete (7,6%)

Leia mais

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará

Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará Entenda o que é IDH Secretaria de Saúde Pública do Pará O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado pela ONU, parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar

Leia mais

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza).

É o estudo do processo de produção, distribuição, circulação e consumo dos bens e serviços (riqueza). GEOGRAFIA 7ª Série/Turma 75 Ensino Fundamental Prof. José Gusmão Nome: MATERIAL DE ESTUDOS PARA O EXAME FINAL A GEOGRAFIA DO MUNDO SUBDESENVOLVIDO A diferença entre os países que mais chama a atenção é

Leia mais

CDLS CATARINENSES CDL E-MAIL DA CDL FONE

CDLS CATARINENSES CDL E-MAIL DA CDL FONE CDLS CATARINENSES CDL E-MAIL DA CDL FONE CDL Abdon Batista: executivo@abdonbatista.cdl-sc.org.br (49) 3545-1003 CDL Abelardo Luz: executivo@abelardoluz.cdl-sc.org.br (49) 3445-4296 CDL Agrolândia executivo@agrolandia.cdl-sc.org.br

Leia mais

Santa Catarina. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Santa Catarina (1991, 2000 e 2010)

Santa Catarina. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Santa Catarina (1991, 2000 e 2010) Santa Catarina Em 21, no estado de Santa Catarina (SC), moravam 6,3 milhões de pessoas, onde parcela relevante (6,9%, 43,7 mil) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 293 municípios,

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Santos, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 281,35 km² IDHM 2010 0,840 Faixa do IDHM Muito Alto (IDHM entre 0,8 e 1) (Censo 2010) 419400 hab. Densidade

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28

RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 RENDA, POBREZA E DESIGUALDADE NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 no Estado do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL JANEIRO DE 2014 Nº28 PANORAMA GERAL Na última década, o Brasil passou por profundas mudanças

Leia mais

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe Caracterização dos Territórios de Identidade Território 15 - Bacia do Jacuípe Municípios Dados Gerais Quantidade de Área Total (km 2 População Total Densidade ) municípios Demográfica 14 10.605,76 237.237

Leia mais

Análise Setorial de Emprego

Análise Setorial de Emprego Análise Setorial de Emprego Maio de 2015 Ficha Técnica Governador do Estado de Minas Gerais Fernando Pimentel Secretário de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social André Quintão Secretária Adjunta

Leia mais

INTRODUÇÃO... 02. 5. Dinâmica da Renda... 21. 6. Dinâmica dos Incentivos Fiscais... 25

INTRODUÇÃO... 02. 5. Dinâmica da Renda... 21. 6. Dinâmica dos Incentivos Fiscais... 25 Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia SUDAM Assessoria Técnica da Superintendência População, PIB, Emprego e Renda no Estado do Acre: Evolução no Período 2000 a 2013. Dr. Paulo Roberto Correia

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 30/2013 Evolução das transferências constitucionais e do Programa Bolsa Família entre os anos 2005 e 2012: uma análise comparativa MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME

Leia mais

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros

PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009. Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros 1 of 5 11/26/2010 2:57 PM Comunicação Social 26 de novembro de 2010 PNAD - Segurança Alimentar 2004 2009 Insegurança alimentar diminui, mas ainda atinge 30,2% dos domicílios brasileiros O número de domicílios

Leia mais

Evolução demográfica 1950-2010

Evolução demográfica 1950-2010 Evolução demográfica 195-1 37 A estrutura etária da população brasileira em 1 reflete as mudanças ocorridas nos parâmetros demográficos a partir da segunda metade do século XX. Houve declínio rápido dos

Leia mais