Comentários Tropa. 1. Débito Caixa 860,00 Crédito Receita de Vendas 860, Débito Caixa 820,00 Crédito Banco Conta Movimento 820,00

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comentários Tropa. 1. Débito Caixa 860,00 Crédito Receita de Vendas 860, Débito Caixa 820,00 Crédito Banco Conta Movimento 820,00"

Transcrição

1 Comentários Tropa Prof. Celso Fleming Contabilidade 1) Ao se fazer a auditoria da conta Caixa da Empresa Irmãos Metralhas S/C Ltda., forma identificadas as seguintes irregularidades: 1) Houve uma omissão de escrituração de vendas à vista no valor de $ ) Uma retirada bancária para suprimento de caixa no valor de $ 410 foi escriturada como se fosse um depósito bancário. 3) Houve uma omissão de escrituração de compras à vista no valor de $ ) Uma compra à vista no valor de $ 230 foi escriturada como se fosse venda. 5) Um adiantamento salarial de $ 420 foi escriturado duas vezes. Além das irregularidades supracitadas, ainda havia mais uma, a qual não foi imediatamente identificada. Sabendo-se que o saldo irregular de Caixa no Razão era de $ e na conferência física do numerário existente em cofre apurou-se $ 2.900, marque a opção que justificaria a irregularidade não identificada. Solução: a) Omissão de uma compra à vista no valor de $ 310. b) Duplo registro do recebimento de uma duplicata de $ 105. c) Lançamento de um depósito bancário de $ 155 como se fosse uma retirada. d) Lançamento de uma retirada bancária de $ 155 como se fosse um depósito. e) Desfalque de caixa no valor de $ 310. Primeiramente, com o objetivo de corrigir os erros / omissões, devemos efetuar os lançamentos de ajuste: 1. Débito Caixa 860,00 Crédito Receita de Vendas 860,00 2. Débito Caixa 820,00 Crédito Banco Conta Movimento 820,00 3. Débito Mercadorias 150,00 Crédito Caixa 150,00 4. Débito Receita de Vendas 230,00 Débito Mercadorias 230,00 Crédito Caixa 460,00 5. Débito Caixa 420,00 Crédito Adiantamento Salários 420,00 No Razão: Caixa (S.I) (3)

2 (1) (4) (2) 820 (5) (6) 310 (S.F) (6) Após a realização dos ajustes decorrentes dos erros identificados no enunciado, fica faltando $ 310,00 para totalizar $ (Saldo Final). Tomando-se como base a irregularidade constante na letra d, teríamos o seguinte lançamento de correção: 6. Débito Caixa 310,00 Crédito Banco Conta Movimento 310,00 Alternativa correta D. 2) A Empresa Satélite S/C Ltda., cujo exercício social coincide com o ano calendário, utilizará em suas operações o equipamento XR. No exercício social de 1998, adquire, pela primeira vez, duas unidades do equipamento XR de tal forma que o valor das Despesas de Depreciação dos referidos bens, imediatamente antes do encerramento das contas de resultado, totalizou $ 375, estando tais bens 3,125% depreciados. Em 01/02/99, a empresa adquire mais três unidades do referido bem. Sabendo-se que a taxa anual de depreciação é de 12,5% ao ano e que o saldo, em 30 de abril de 99, da conta Depreciação Acumulada era de $ 1.625, pode-se afirmar que o valor de cada equipamento XR adquirido em 1999 é de: a) $ b) $ c) $ d) $ e) $ Solução: Depreciação Acumulada 375 (31/12/98) 500 (Despesa de depreciação dos XR antigos em 1999) 750 (Despesa de depreciação dos novos XR) 1625 (30/04/99)

3 Como os equipamentos XR existentes em 31/12/1998 estava nesta data depreciado 3,125%, e a taxa de depreciação anual dos ajustões é de12,5%, concluímos que o mesmo foi adquirido ao Custo de R$ 375,00/0,03125 = R$ ,00 Calculado o custo de aquisição dos primeiros equipamentos XR, já podemos calcular a despesa de depreciação destes equipamentos incorridas no ano de 1999 (até 30/04/99, ou seja, para 4 meses): R$ ,00 x 0,125 x 1/3 = R$ 500,00 O saldo da conta Depreciação Acumulada em 30/04/1999 referia-se a depreciação acumulada em 31/12/1998, mais a depreciação dos meses de janeiro, fevereiro, março e abril de 1999 do XR existente em 31/12/1998, mais a depreciação dos meses de fevereiro, março e abril de 1999 dos três novos XR. Deste modo a depreciação dos três novos XR nos meses de fevereiro, março e abril de 1999 foi de R$ 750,00 (R$ 1625 R$ 375 R$ 500) O custo de aquisição dos três novos XR foi de: R$ 750,00 = Y x 0,125 x 3/12 Y = R$ ,00 Logo, cada equipamento XR custou R$ 8.000,00 Resposta correta é a letra E 3) Em março de 1999, houve a seguinte movimentação nos estoques de mercadorias para revenda da Comercial LX Ltda.: Compra de 300 unidades ao preço de $ 0,25 a unidade; Devoluções de 250 unidades das últimas compras, tendo em vista avarias Abatimento referente às últimas compras no valor de $ 10, a fim de evitar novas devoluções Venda de 200 unidades pelo valor total de $ 125, com desconto de 20% na nota fiscal Abatimentos concedidos aos clientes, referentes às últimas vendas no valor de $ 20 na nota fiscal. Considere que: - as compras e as vendas estão sujeitas a ICMS de 20%; - a empresa avalia seus estoque pelo método de custo médio ponderado; - o estoque, em , era de 200 unidades, ao custo unitário de 0,15; - nos cálculos devem ser consideradas duas casas decimais; - o saldo da conta corrente ICMS, em , era devedor de $ 8. Levando-se em conta os dados acima, podemos afirmar que o resultado com Mercadorias no mês de março de 99 foi de: a) $ 26

4 b) $ 36 c) $ 56 d) $ 66 e) $ 76 Solução: 1) 300 x 0,25 = x 0,2 = 60 ( Mercadoria) 15 (ICMS a recuperar) Débito: Mercadorias R$ 60,00 Débito: C/C ICMS R$ 15,00 Crédito: Caixa ou Bancos R$ 75,00 2) Foram devolvidas 5 / 6 (250 unidades) das unidades adquiridas em 30 / 03. Débito: Caixa ou Bancos R$ 62,50 Crédito: C/C ICMS R$ 12,50 Crédito: Mercadorias R$ 50,00 3) O abatimento sobre compras influenciam o custo das mercadorias, sendo registrado na ficha de controle de estoque. Débito Caixa R$ 10,00 Crédito Abatimentos sobre R$ 10,00 4) (Vendas líquidas de ICMS) Registro da Receita: 20 (ICMS a recolher) Débito: Caixa R$ 100,00 Débito: Desconto incond. concedido R$ 25,00 Crédito: Vendas de Mercadorias R$ 125,00 Registro do ICMS s/vendas: Débito: ICMS sobre Vendas R$ 20,00 Crédito: C/C ICMS R$ 20,00 Débito CMV R$ 24,00 Crédito Mercadoria R$ 24,00 5) O abatimento sobre vendas não influenciam o custo das mercadorias, não sendo registrado na ficha de controle de estoque. O referido abatimento também não afeta a base de cálculo do ICMS. Débito Abatimentos sobre vendas R$ 20,00 Crédito Caixa R$ 20,00

5 Avaliação de Estoques pelo Método do Custo Médio Ponderado Data Entradas Saídas = CMV Saldo x 0,15 = x 0,2 = x 0,18 = x 0,2 = (50) 250 x 0,16 = Abatimento (10) 250 x 0,12 = x 0,12 = x 0,12 = 6 CMV = R$ 24,00 EF = R$ 6,00 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO Receita Bruta de Vendas R$ 125,00 (-) Deduções de Vendas: Desconto incondicional (25) Impostos incidentes s/vendas (20) Abatimentos s / vendas (20) RECEITA LÍQUIDA R$ 60,00 (-) CMV (R$ 24) LUCRO BRUTO R$ 36,00 A alternativa correta é a de letra B 4) Com relação à questão anterior, o saldo da C/C ICMS no final de março de 1999 foi de: a) $ 8,50 devedor b) $ 9,50 devedor c) $ 9,50 credor d) $ 8,50 credor e) $ 8,00 credor Solução: C/C ICMS 8 12, ,5

6 A alternativa correta é a de letra C 5) A Indústria Santos S/A, no ano de X0, contratou um empréstimo de U$ , nas seguintes condições: Data da liberação: 20/05/X0 Taxa de juros simples: 12% a.a. Forma de pagamento do principal acrescido dos juros: cinco parcelas semestrais, iguais e sucessivas, nas seguintes datas: 20/11/X0 20/05/X1 20/11/X1 Datas Taxas de Câmbio (R$/U$) 20/05/X0 1,00 20/11/X0 1,50 30/12/X0 2,00 20/05/X2 20/11/X2 Supondo unicamente esta operação e considerando o mês com 30 dias e o ano com 360 dias, pode-se afirmar que os saldos das contas referentes a BCM (Bancos Conta Movimento) e a despesas Financeiras, em 30/12/X0, em reais, são, respectivamente, a) e b) e c) e d) e e) e Solução: 1. BCM a Empréstimos Obtidos R$ ( U$ x 1.0) 2. Var. Cambial Passiva. a Empréstimos Obtidos R$ (U$ x 0.5)

7 3. Despesa de juros (6% ) Emp. Obtidos (U$ x 1.5) a BCM Despesa de juros a Juros a pagar ( 1% x 40 x ) 20\11\x0 até 30\12\x0 = 40 dias 30 Variação cambial passiva a Empréstimos Obtidos A conta BCM ficou com saldo de R$ (R$ R$ ) Despesas financeiras = Despesa de juros + V. Cambiais Passiva = = R$ Enunciado comum às questões de números 7 a 10: Seja o Balanço Patrimonial, em X3, do 1º exercício social da Industrial DL S/A: ATIVO CIRCULANTE Disponível Aplicações Financeiras Clientes Estoques REAL. A LONGO PRAZO Aplicações Financeiras PERMANENTE Imóveis Depreciação Acumulada (4.000) Equipamentos Deprec. Acumulada (3.000) Despesas Pré-operacionais Amortização Acumulada (2.000) TOTAL PASSIVO CIRCULANTE Fornecedores Provisão P/Impostos de Renda Dividendos a Pagar Financiamentos EXIGIVEL A LONGO PRAZO

8 Financiamentos RES. DE EX. FUTUROS Aluguéis Ativos a Vencer PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social Reservas de Capital Reservas de Reavaliação Reserva Legal Reserva Estatutária Reservas P/Contingências Lucros Acumulados TOTAL INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1) Houve realização de Reservas de Reavaliação no valor de ) Receitas Financeiras Aplicações a Curto Prazo = 400 Aplicações a Longo Prazo = 900 3) Despesas Finaceiras Financiamentos a Curto Prazo = Financiamentos a Longo Prazo = ) Na elaboração da Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos, o valor do Lucro Líquido ajustado é de: a) b) c) d) e) ) O valor das Origens de Recursos é de: a) b) c) d) e) ) O valor das Aplicações de Recursos é de: a) b) c) d) e) ) O valor da Variação do Capital Circulante Líquido é de: a) b) c) d) e)

9 Solução: Perceba que não foi fornecido o saldo das contas do exercício anterior, pois estamos diante do balanço do final do primeiro exercício social. A DOAR é um demonstrativo financeiro preocupada com a situação financeira da companhia no curto prazo. Como as receitas e despesas de Longo Prazo não têm reflexo no CCL, por mais que elas tivessem influenciado o resultado do exercício, devem ser expurgadas para fins de DOAR. 1 Composição do Resultado do Exercício: Lucros Acumulados ,00 ( - ) Real. Reserva Reav. (1.000,00) Reserva para contingências 3.000,00 Reserva Estatutária 1.000,00 Reserva Legal 4.000,00 Dividendos ,00 Total ,00 2 Lucro Ajustado: Lucro Líquido do Exercício ,00 ( + ) Depreciação 4.000,00 ( + ) Depreciação 3.000,00 ( + ) Amortização 2.000,00 ( + ) Despesas Financeiras LP* 8.800,00 ( + ) Aumento REF 3.000,00 ( - ) Receitas Financeiras LP (900,00) Total ,00 3 Origens de recursos: Lucro Ajustado Financiamentos a Longo Prazo ,00 1 Capital Social ,00 Reservas de Capital 4.000,00 1 Este valor foi determinado por meio da redução do valor das despesas financeiras de longo prazo (R$ 8.800,00)

10 Total , Aplicações de recursos: Aumento do ARLP ,00 2 Aumento do AP ,00 Dividendos ,00 Total ,00 Cabe ainda lembrar que os aumentos atribuídos ao PELP e ao ARLP por despesas ou receitas financeiras não representaram alteração do CCL, por isso devem ser excluídos. Vejamos, agora, como chegamos as aplicações oriundas do aumento do AP: Imóveis ,00 Equipamentos ,00 Despesas pré-operacionais ,00 ( - ) Reavaliação de ativos (8.000,00) Aumento do AP ,00 4 Variação do Capital Circulante Líquido: Origens - Aplicações = Variação do CCL , ,00 = ,00 Respondendo as questões propostas: a) Líquido Ajustado ; b) Origem ; c) Aplicações ; d) Variação CCL Este valor foi determinado por meio da redução do valor das receitas financeiras de longo prazo (R$ 900,00)

11 This document was created with Win2PDF available at The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only. This page will not be added after purchasing Win2PDF.

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis:

4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA. 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: 4º E 5º PERIODOS CIENCIAS CONTABEIS PROF NEUSA Exercícios: 1- A empresa Brasil S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000

Leia mais

Fluxo de Caixa método direto e indireto

Fluxo de Caixa método direto e indireto Fluxo de Caixa método direto e indireto A empresa Claudio Zorzo S/A apresenta inicialmente os seguintes saldos contábeis: Banco 100.000 Duplicatas a receber 80.000 Financiamentos 80.000 Capital Social

Leia mais

CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO

CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO FATEC-SP CURSO DE TECN OLOGI A DO VÁCUO Prof. Me. Francisco Tadeu Degasperi Janeiro de 2005 Agradeço a colaboração do Tecnólogo Alexandre Cândido de Paulo Foi Auxiliar de Docente do LTV da Fatec-SP Atualmente

Leia mais

EXERCÍCIO PRÁTICO DE TEORIA DA CONTABILIDADE

EXERCÍCIO PRÁTICO DE TEORIA DA CONTABILIDADE EXERCICIO RESOLVIDO Nº DATA FATO 1 9/12/X1 Constituição da empresa com Capital Inicial de R$ 75.000,00, sendo R$ 50.000,00 em dinheiro e o restante em Mercadorias p/revenda. 2 19/12/X1 Compra de um Veículo

Leia mais

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações:

Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: Durante o mês de dezembro a Companhia efetuou as seguintes transações: 1) Antecipação do pagamento de uma duplicata de $ 140.000 a um de seus fornecedores, com 2% de desconto. i 2) Efetuou os seguintes

Leia mais

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo

Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ FAF / DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DOAR e DFC Exercício Elaboração da DOAR e da DFC passo a passo Com base nas demonstrações contábeis que seguem,

Leia mais

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente,

Os valores totais do Ativo e do Patrimônio Líquido são, respectivamente, Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás Exercícios de Contabilidade Professora Niuza Adriane da Silva 1º A empresa XYZ adquire mercadorias para revenda, com promessa de pagamento em 3 parcelas iguais, sendo

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova APO 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 61- De acordo com a 750/93, do Conselho Federal de Contabilidade, foram aprovados os seguintes Princípios Fundamentais de Contabilidade: da Competência; da Prudência; do Denominador

Leia mais

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade:

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade: Olá, pessoal! Como já devem ter visto, dois bons concursos estão na praça: Fiscal do ISS de São Paulo e Auditor Fiscal do Ceará. As bancas são, respectivamente, a Fundação Carlos Chagas (FCC) e a Escola

Leia mais

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II

LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II LEITURA COMPLEMENTAR UNIDADE II A leitura complementar tem como objetivo reforçar os conteúdos estudados e esclarecer alguns assuntos que facilitem a compreensão e auxiliem na elaboração da atividade.

Leia mais

18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO

18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO 18- PLANILHA DOS METODOS DIRETO E INDIRETO DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA MÉTODO DIRETO Fluxos de caixa das atividades operacionais: Recebimentos de Clientes (+) Pagamento de Fornecedores (-) Pagamento

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

Administração Financeira: princípios,

Administração Financeira: princípios, Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Ana Paula Mussi Szabo Cherobim Antônio Barbosa Lemes Jr. Claudio Miessa Rigo Material de apoio para aulas Administração Financeira:

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

Contabilidade Geral Questões da FCC

Contabilidade Geral Questões da FCC Olá pessoal!!! Contabilidade Geral Questões da FCC Abaixo seguem duas questões comentadas da FCC cobradas no concurso do TRF da 2ª e 3ª região, ambos para o cargo de Analista Contador. Bons estudos, Roberto

Leia mais

Relatório do Plano de Contas

Relatório do Plano de Contas 1 10000 ATIVO 1.01 10001 ATIVO CIRCULANTE 1.01.01 10002 DISPONIVEL 1.01.01.01 10003 CAIXA 1.01.01.01.00001 10004 CAIXA GERAL S 1.01.01.02 10020 BANCO CONTA MOVIMENTO 1.01.01.02.00001 10021 BANCO DO BRASIL

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC

DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DFC A DFC é uma demonstração que tem por finalidade evidenciar as transações ocorridas em determinado período e que provocaram modificações nas disponibilidades da empresa

Leia mais

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos

Pessoal, ACE-TCU-2007 Auditoria Governamental - CESPE Resolução da Prova de Contabilidade Geral, Análise e Custos Pessoal, Hoje, disponibilizo a resolução da prova de Contabilidade Geral, de Análise das Demonstrações Contábeis e de Contabilidade de Custos do Concurso para o TCU realizado no último final de semana.

Leia mais

5 Análise do Balanço Patrimonial

5 Análise do Balanço Patrimonial 5 Análise do Balanço Patrimonial Essa análise tem por finalidade confrontar os dados e valores que constituem o Balanço Patrimonial correspondente ao exercício de 2002, com os do mesmo período de 2001,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Nas questões de 31 a 60, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a folha de respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010 DFC DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA ( Exercícios ) 1. INTRODUÇÃO A Demonstração de Fluxos de Caixa, de acordo com a lei 11.638/2007, passou a ser obrigatória para as companhias abertas, companhias de

Leia mais

Resumindo, teríamos as seguintes companhias obrigadas à elaboração da DFC:

Resumindo, teríamos as seguintes companhias obrigadas à elaboração da DFC: Aula 4 Questões Comentadas e Resolvidas Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). Demonstração do Valor Adicionado. 1.(Analista de Gestão Corporativa-Contabilidade-Empresa de Pesquisa

Leia mais

AULA 8: FLUXO DE CAIXA

AULA 8: FLUXO DE CAIXA AULA 8: FLUXO DE CAIXA E os estudos, na reta final? A pedidos estou colocando a aula de Demonstração do Fluxo de Caixa. Como é uma matéria nova em Contabilidade Geral, estou fazendo uma introdução teórica

Leia mais

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII

Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Como elaborar o fluxo de caixa pelo método indireto? - ParteII Montando o fluxo de caixa pelo método indireto Situações especiais na montagem do fluxo de caixa Caso prático completo Como utilizar os quadros

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte BALANÇO PATRIMONIAL 1. CRITÉRIO DE DISPOSIÇÃO DAS CONTAS NO ATIVO E NO PASSIVO (ART. 178 DA LEI 6.404/76): a. No ativo, as contas serão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez dos elementos

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SERGIPE - CIÊNCIAS CONTÁBEIS QUESTÕES QUESTÕES 01) Fazem parte do grupo de contas do : A) Duplicatas a Receber Caixa Duplicatas a Pagar. B) Terrenos Banco Conta Movimento Credores Diversos. C) Duplicatas a Pagar Caixa Adiantamentos de Clientes.

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS 1. CONCEITOS A Demonstração do Fluxo de Caixa demonstra a origem e a aplicação de todo o dinheiro que transitou pelo Caixa em um determinado período e o resultado desse fluxo (Iudícibus e Marion, 1999).

Leia mais

Plano de Contas Pag.: 1 de 7

Plano de Contas Pag.: 1 de 7 Plano de Contas Pag.: 1 de 7 1 ATIVO 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 ATIVO DISPONIVEL 1.1.1.001 NUMERARIOS 1.1.1.001.0001-0 CAIXA PEQUENO 11110 X 1.1.1.002 BANCOS CONTA MOVIMENTO 1.1.1.002.0001-5 BANCO BRADESCO

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS CONTABILIDADE II

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS CONTABILIDADE II FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS CONTABILIDADE II Professora: Alessandra Vieira Cunha Marques Segundo Semestre/2.010 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades

Leia mais

Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa

Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa 1 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A Necessidade de Capital de Giro é a chave para a administração financeira de uma empresa. Necessidade de

Leia mais

Análise Dinâmica do.capital de Giro

Análise Dinâmica do.capital de Giro Análise Dinâmica do.capital de Giro Questões 12.1 O que são contas cíclicas do giro? Dê exemplos de contas ativas e passivas. 12.2 Desenvolva uma análise comparativa entre as medidas do capital circulante

Leia mais

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto

Vamos, então, à nossa aula de hoje! Demonstração de Fluxo de Caixa (2.ª parte) Método Indireto Olá, pessoal! Aqui estou eu de novo, para continuar o assunto da aula passada: Fluxo de Caixa e Demonstração do Fluxo de Caixa. Assunto da maior importância, que está sendo cobrado nos atuais concursos

Leia mais

Projeções dos Demonstrativos Contábeis. Prof. Isidro

Projeções dos Demonstrativos Contábeis. Prof. Isidro Projeções dos Demonstrativos Contábeis Prof. Isidro Planejamento Financeiro O planejamento financeiro de uma empresa busca determinar suas necessidades de caixa e é feito em dois níveis: Curto prazo (operacional)

Leia mais

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1..

1. INVENTÁRIOS 1.2 INVENTÁRIO PERIÓDICO. AGENTE E ESCRIVÃO DA POLICIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Corrêa. 1.. 1. INVENTÁRIOS 1..1 Periódico Ocorre quando os estoques existentes são avaliados na data de encerramento do balanço, através da contagem física. Optando pelo inventário periódico, a contabilização das

Leia mais

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772

WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 WWW.aplicms.com.br Aula de Apuração do Resultado (ARE) Prof. Pedro A. Silva (67) 3382-9772 Receitas x Despesas Podemos conceituar receitas como todos os recursos, em princípio, provenientes da venda de

Leia mais

FACAPE 2008.2 - CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 3.º PERÍODO PROF. WALDENIR S. F. BRITTO - CONTABIILIDADE BÁSICA

FACAPE 2008.2 - CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 3.º PERÍODO PROF. WALDENIR S. F. BRITTO - CONTABIILIDADE BÁSICA FACAPE 2008.2 - CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 3.º PERÍODO PROF. WALDENIR S. F. BRITTO - CONTABIILIDADE BÁSICA 1 - RESPONDA TODOS OS EXERCICIOS UTILIZANDO OS TRÊS MÉTODOS DE CONTROLE DO ESTOQUE INVENTARIO PERMANENTE.

Leia mais

O mecanismo de débito x crédito.

O mecanismo de débito x crédito. O mecanismo de débito x crédito. Represente os fatos abaixo, utilizando os balanços sucessivos. 1- Os sócios integralizaram capital social, no valor de R$ 1.000.000, em dinheiro. 2- Compra de veículos,

Leia mais

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Ciências Contábeis e Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Auditoria Professor: Wolney Turma: A Programas de Auditoria para contas

Leia mais

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR MATERIAL DE APOIO - PROFESSOR CONTABILIDADE (CUSTOS, GERAL E AVANÇADA) MÓDULO 4: DOAR A Demonstração das Origens e Aplicações de recursos (DOAR) deixou de ser obrigatória por força da lei 11.638/07, a

Leia mais

Introdução. Manual de Orientação ao preenchimento da Nota Fiscal Avulsa NFA Série 3

Introdução. Manual de Orientação ao preenchimento da Nota Fiscal Avulsa NFA Série 3 Introdução A Nota Fiscal Avulsa - foi criada para registrar as vendas de mercadorias, bens ou serviços realizadas pelos Contribuintes do estado de Sergipe aos órgãos e entidades da Administração Pública

Leia mais

Índice de Questões por Assunto:

Índice de Questões por Assunto: Prezados Alunos, Para treinar para as provas da Receita Federal (Auditor e Analista), segue a resolução da prova de Auditor-Fiscal da Receita Federal de 2000. Aproveito a oportunidade para divulgar os

Leia mais

------ Saldo Anterior ------ --------- Movimento no Período --------- ------- Saldo Atual ------- ARMINDO/27/01/2015 15:56 41.401,12 41.

------ Saldo Anterior ------ --------- Movimento no Período --------- ------- Saldo Atual ------- ARMINDO/27/01/2015 15:56 41.401,12 41. 27/01/2015 * * * S. C. C. 32 - SISTEMA DE CONTROLE COOPERATIVISTA * * * PÁG. 1 Código da Conta Descrição da Conta 1.0.0.00.00-7 C I R C U L A N T E E R E A L I Z. A L O N G O 805.210,35 306.096,11 298.659,00

Leia mais

DIAGNÓSTICO FINANCEIRO DE UMA PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA - CTAE

DIAGNÓSTICO FINANCEIRO DE UMA PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA - CTAE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL CTAE DIAGNÓSTICO

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços.

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. QUESTÕES COMENTADAS Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. 01. (FCC Analista Contabilidade TRT 24ª Região 2011) Considere: ATIVO CIRCULANTE Companhia X Companhia

Leia mais

SOFTWARE DE GESTÃO ESCOLAR

SOFTWARE DE GESTÃO ESCOLAR SOFTWARE DE GESTÃO ESCOLAR Apresentação O Escolinha 4, apresenta-se como uma rica aplicação de gestão de escolas, trazendo consigo inúmeras vantagens de modos a deixar os gestor de instituições de educação

Leia mais

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC

Contabilidade Avançada Fluxos de Caixa DFC Contabilidade Avançada Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Prof. Dr. Adriano Rodrigues Normas Contábeis: No IASB: IAS 7 Cash Flow Statements No CPC: CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Fundamentação

Leia mais

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL

Contabilidade Geral Correção da Prova 2 Analista Técnico Controle e Fiscalização - Susep 2010 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL CONTABILIDADE GERAL 1 - A legislação vigente sobre as sociedades anônimas estabelece o que deve ser computado na determinação do resultado do exercício. Diz a lei que devem ser incluídas as receitas e

Leia mais

Sumário. 1 Introdução. 2 Questões resolvidas 2.1 DFC

Sumário. 1 Introdução. 2 Questões resolvidas 2.1 DFC Sumário 1 Introdução... 1 2 Questões resolvidas... 1 2.1 DFC... 1 2.1.1 Concurso para AFRF 2003 prova de contabilidade avançada Questão 22... 1 2.1.2 Concurso para AFRF 2003 prova de contabilidade avançada

Leia mais

Através deste layout, você poderá gerar arquivos para serem importados nos Módulos Contabilidade e Escrita Fiscal do Domínio Contábil.

Através deste layout, você poderá gerar arquivos para serem importados nos Módulos Contabilidade e Escrita Fiscal do Domínio Contábil. Página 1 de 17 Layout 19 Através deste layout, você poderá gerar arquivos para serem importados nos Módulos Contabilidade e Escrita Fiscal do Domínio Contábil. Faça isto 1. O arquivo está dividido em 3

Leia mais

CONTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1. Breve comentário sobre o plano de contas

CONTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1. Breve comentário sobre o plano de contas CONTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL 1. Breve comentário sobre o plano de contas A contabilidade das empresas que tem como objeto social a atividade imobiliária, ou seja, a construção de unidades imobiliárias

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 12 O ciclo operacional da empresa é de 100 dias. 13 O ciclo operacional é apurado mediante a soma da idade

PROVA OBJETIVA. 12 O ciclo operacional da empresa é de 100 dias. 13 O ciclo operacional é apurado mediante a soma da idade De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO

TERMO DE COMPROMISSO TERMO DE COMPROMISSO O CENTRO DE ESTUDOS OCTÁVIO DIAS DE OLIVEIRA FACULDADE UNIÃO DE GOYAZES FIRMA O PRESENTE TERMO DE COMPROMISSO COM A AGÊNCIA GOIANA DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS PÚBLICOS AGANP. O Centro

Leia mais

ETEP TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 2012 PÓS MÉDIO

ETEP TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 2012 PÓS MÉDIO 2012 TÉCNICO EM CONTABILIDADE MÓDULO 3 INFORMÁTICA 3 PÓS MÉDIO 1 AULA 1 Verificação de Erros cometidos no Domínio Escrita Fiscal Para verificar o que já foi realizado no domínio escrita fiscal (e também

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS CONTABILIDADE AVANÇADA PROF FÁBIO BRUSSOLO CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS CONCEITO É uma técnica contábil que consiste na unificação das

Leia mais

Luciano Silva Rosa Contabilidade 22

Luciano Silva Rosa Contabilidade 22 Luciano Silva Rosa Contabilidade 22 SUSEP 2010 sugestões de recursos Olá, colegas Abaixo, algumas sugestões de recursos da prova de contabilidade geral do concurso da SUSEP, aplicado pela ESAF. Prova 2.

Leia mais

DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa. Professor: Eduardo José Zanoteli, M.Sc.

DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa. Professor: Eduardo José Zanoteli, M.Sc. DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Regime de Caixa Regime de Competência X DFC: Objetivo/finalidade Permitir que investidores, credores e outros usuários avaliem:

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004.

Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004. Analista CNMP Contabilidade Pessoal, a seguir comentamos as questões referentes ao cargo de Analista área Contabilidade do CNMP. Tomei como base o Caderno de Prova Tipo 004. De maneira geral, foi uma prova

Leia mais

Plano de Contas - Modelo

Plano de Contas - Modelo Plano de Contas - Modelo Ativo Passivo Contas De Compensação Passivas (CCP) Contas De Resultado Despesas Operacionais (DO) Provisão para o Imposto Sobre a Renda e Contribuição Social (PR) Participações

Leia mais

IESP - MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTROLADORIA ORÇAMENTO EMPRESARIAL - PROF. MANUEL SOARES DA SILVA Aluno (a):...matr.:...

IESP - MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTROLADORIA ORÇAMENTO EMPRESARIAL - PROF. MANUEL SOARES DA SILVA Aluno (a):...matr.:... IESP - MBA EM GESTÃO FINANCEIRA E CONTROLADORIA ORÇAMENTO EMPRESARIAL - PROF. MANUEL SOARES DA SILVA Aluno (a):...matr.:... ORÇAMENTO GERAL PARA O ANO DE 2012 EMPRESA: HAMPTON FREEZE, INC. Dados: a partir

Leia mais

9.2 Elenco de Contas. 9.1 Conceito

9.2 Elenco de Contas. 9.1 Conceito PLANO DE CONTAS NOTA: Nos capítulos 1 a 8, você estudou as noções básicas da Contabilidade; conheceu a estrutura do Patrimônio (ponto de partida para o entendimento desta Ciência); aprendeu a registrar

Leia mais

A Inovação Aprendizagem e crescimento dos funcionários treinando-os para melhoria individual, numa modalidade de aprendizagem contínua.

A Inovação Aprendizagem e crescimento dos funcionários treinando-os para melhoria individual, numa modalidade de aprendizagem contínua. Balanced Score Card A Tecnologia da Informação é considerada fundamental para os vários setores, tanto no nível operacional como estratégico. Muitas das razões para Tecnologia da Informação fazer parte

Leia mais

Bloco Contábil e Fiscal

Bloco Contábil e Fiscal Bloco Contábil e Fiscal Contabilidade e Conciliação Contábil Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos Contabilidade e Conciliação Contábil, que fazem parte do Bloco Contábil

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA MASAKAZU HOJI ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA EDITORA ATLAS Livro de Exercícios 9ª Edição VERSÃO DIGITAL (2010) SUMÁRIO Apresentação... 4 EXERCÍCIOS PROPOSTOS... 5 1 Introdução à administração

Leia mais

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 54 RELATÓRIO ANUAL GERDAU 2011 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RESUMIDAS Gerdau S.A. e Metalúrgica Gerdau S.A. Em 31 de dezembro de 2011 e 2010 GERDAU S.A. e empresas controladas BALANÇOS PATRIMONIAIS CONSOLIDADOS

Leia mais

CONTAJURIS ASSESSORIA EMPRESARIAL S/C LTDA

CONTAJURIS ASSESSORIA EMPRESARIAL S/C LTDA CONTAJURIS ASSESSORIA EMPRESARIAL S/C LTDA Rua Sady de Marco, 52-D Bairro Jardim Itália Chapecó SC www.contajuris.com.br - Fone: 49 3323-1573 / 3323-0388 Assunto: Arrendamento Mercantil de Bens Aspectos

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

CONHEÇA O GOOGLE APPS

CONHEÇA O GOOGLE APPS CONHEÇA O GOOGLE APPS O QUE É GOOGLE APPS? É um serviço do Google baseada na internet (web), que utiliza o seu domínio de internet (Ex: empresa.com) em diversas aplicações tais como: Google mail Google

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB BV2010) Índice OBJETIVO Item ALCANCE

Leia mais

Demonstrativo do Fluxo de Caixa. Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento

Demonstrativo do Fluxo de Caixa. Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento Demonstrativo do Fluxo de Caixa Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento Fluxo de Caixa Caixa = caixa em espécie, dinheiro em banco e investimentos de curto prazo.

Leia mais

ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento

ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento TAX ABDE Associação Brasileira de Desenvolvimento Ativo diferido de imposto de renda da pessoa jurídica e de contribuição social sobre o lucro líquido aspectos fiscais e contábeis Outubro de 2014 1. Noções

Leia mais

IMES-FAFICA Administração Financeira e Análise de Investimentos 1ª Prova Bimestral

IMES-FAFICA Administração Financeira e Análise de Investimentos 1ª Prova Bimestral IMES-FAFICA Administração Financeira e Análise de Investimentos 1ª Prova Bimestral NOME: RA: PARTE A - Testes 1. As quatro áreas básicas de finanças são,,, e. Finanças Corporativas trata das decisões financeiras

Leia mais

PROGRAMA ESTRUTURANTE NOSSAS CIDADES PREFEITURA PARCEIRA AÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA PROJETO: EQUIPAMENTAÇÃO DE SALAS VERDES NOS MUNICÍPIOS

PROGRAMA ESTRUTURANTE NOSSAS CIDADES PREFEITURA PARCEIRA AÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA PROJETO: EQUIPAMENTAÇÃO DE SALAS VERDES NOS MUNICÍPIOS PROGRAMA ESTRUTURANTE NOSSAS CIDADES PREFEITURA PARCEIRA AÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA PROJETO: EQUIPAMENTAÇÃO DE SALAS VERDES NOS MUNICÍPIOS PROPONENTE Secretaria Estadual do Meio Ambiente INTRODUÇÃO

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE AUDITORIA

NOÇÕES GERAIS DE AUDITORIA onilzo farias / onilzo@ig.com.br / onilzo.bangu@click21.com.br / 12/04/04 /1 FACULDADES MACHADO DE ASSIS FAMA DISCIPLINA: AUDITORIA PROFESSOR: ONILZO FARIAS* EXERCÍCIOS BIBLIOGRAFIA BÁSICA: CURSO BÁSICO

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 (R2) Demonstração dos Fluxos de Caixa Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB BV2010) Índice OBJETIVO Item ALCANCE

Leia mais

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva

Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL. Profa. Divane Silva Unidade III CONTABILIDADE COMERCIAL Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Operações com Mercadorias 2. Resultado Bruto com Mercadorias (RCM) 3. Custo das Mercadorias

Leia mais

PLANO DE CONTAS Critérios Para Elaboração

PLANO DE CONTAS Critérios Para Elaboração PLANO DE CONTAS Critérios Para Elaboração Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Codificação 3. Abertura de Contas Novas 4. Manual de Contas 5. Estrutura e Classificação Das Contas Patrimoniais 6. Modelo

Leia mais

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6

Bacharelado CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Parte 6 Bacharelado em CIÊNCIAS CONTÁBEIS Parte 6 1 NBC TG 16 - ESTOQUES 6.1 Objetivo da NBC TG 16 (Estoques) O objetivo da NBC TG 16 é estabelecer o tratamento contábil para os estoques, tendo como questão fundamental

Leia mais

RESIDÊNCIA EM CIRURGIA GERAL SANTA CASA DE LONDRINA 2011. Prova de Seleção para Residência Médica em Cirurgia Geral / 2011. Edital de Convocação

RESIDÊNCIA EM CIRURGIA GERAL SANTA CASA DE LONDRINA 2011. Prova de Seleção para Residência Médica em Cirurgia Geral / 2011. Edital de Convocação RESIDÊNCIA EM CIRURGIA GERAL SANTA CASA DE LONDRINA 2011 Prova de Seleção para Residência Médica em Cirurgia Geral / 2011 Edital de Convocação A Irmandade Santa Casa de Londrina faz saber que realizará

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II Professora: Alessandra Vieira Cunha Marques 1 AMBIENTE FINANCEIRO E CONCEITOS FINACEIROS Atividades

Leia mais

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS: INVENTÁRIO PERMANENTE INTRODUÇÃO

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS: INVENTÁRIO PERMANENTE INTRODUÇÃO OPERAÇÕES COM MERCADORIAS: INVENTÁRIO PERMANENTE INTRODUÇÃO Se tiver dúvidas sobre um dos assuntos estudados até aqui, procure o professor, o colega, qualquer contador que conheça, Não fique pra trás!!!!

Leia mais

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa

3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 3. Pronunciamento Técnico CPC 03 Demonstração dos Fluxos de Caixa Aplicação 1 - As instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010

DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010 PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM DELIBERAÇÃO CVM Nº 641 DE 07/10/2010 DOU de 08/10/2010 Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03(R2) do Comitê de Pronunciamentos Contábeis - CPC sobre

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

Instalação do Portal PMS Ambiente : Controladoria Data da publicação : 18/11/09 Países : Brasil Autor Wilker Valladares

Instalação do Portal PMS Ambiente : Controladoria Data da publicação : 18/11/09 Países : Brasil Autor Wilker Valladares Instalação do Portal PMS Ambiente : Controladoria Data da publicação : 18/11/09 Países : Brasil Autor Wilker Valladares O objetivo deste documento é capacitar o analista a instalar e configurar o Portal

Leia mais

ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO

ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO ÍNDICE BANCO IBI S.A. BANCO MÚLTIPLO Relatório da Administração 3 Balanços Patrimoniais 3 Demonstração de Resultados 4 Demonstração das Mutações 5 Demonstração das Origens 5 Notas Explicativas 6 Diretoria

Leia mais

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga CONTABILIDADE GERENCIAL ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA ATRAVÉS DE ÍNDICES Importância da Análise Através de Indicadores. Visa obter através

Leia mais

www.editoraatlas.com.br

www.editoraatlas.com.br www.editoraatlas.com.br 6278curva.indd 1 04/04/2011 11:11:12 Equipe de Professores da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da USP Contabilidade Introdutória Manual do Professor Coordenação

Leia mais

1. Ambiente e Arranjos Institucionais 2. Regulação Econômico-Prudencial 3. Características do Mercado Produto Demanda Oferta (padrão de competição)

1. Ambiente e Arranjos Institucionais 2. Regulação Econômico-Prudencial 3. Características do Mercado Produto Demanda Oferta (padrão de competição) Dez anos de regulamentação A necessidade de uma reforma institucional na saúde suplementar do Brasil por Denise Alves Baptista APRESENTAÇÃO Dez anos de regulamentação A necessidade de uma reforma institucional

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avaliação de Empresas O Valor Patrimonial das Empresas Em situações específicas: Utilização Determinar o valor de liquidação de uma empresa em condição de concordata ou falência; Avaliação de ativos não

Leia mais

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 18

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 18 UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 18 COMO FAZER RAPIDAMENTE PROJEÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Projeção do Balanço, Resultado e do Caixa integrados Qual o melhor método para uma projeção rápida Finalidades

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS EXRCÍCIOS DIVERSOS SUMÁRIO EXERCÍCIOS EXTRAÍDOS DOS EXAMES DE SUFICIÊNCIA...2 EXERCÍCIOS EXTRAÍDOS DE CONCURSOS PÚBLICOS...33 QUESTÕES DE CONSOLIDAÇÃO...46 QUESTÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC)

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 1 de 5 31/01/2015 14:52 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) A Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) passou a ser um relatório obrigatório pela contabilidade para todas as sociedades de capital aberto

Leia mais

Contabilidade Tópicos Avançados Aula 02 FLUXO DOS CAIXAS Professores: Francisco Velter & Luiz Roberto Missagia AULA 02 FLUXO DOS CAIXAS

Contabilidade Tópicos Avançados Aula 02 FLUXO DOS CAIXAS Professores: Francisco Velter & Luiz Roberto Missagia AULA 02 FLUXO DOS CAIXAS AULA 02 FLUXO DOS CAIXAS Esta aula consta no item 14 do Edital para AFRFB e acreditamos que pelo menos 1 questão sobre o assunto será cobrada na prova. 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 6.404, de 30 de outubro de

Leia mais