CONTABILIDADE BÁSICA. Aula 26. Prof.: Marcelo Valverde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTABILIDADE BÁSICA. Aula 26. Prof.: Marcelo Valverde"

Transcrição

1 CONTABILIDADE BÁSICA Aula 26 Prof.: Marcelo Valverde

2 Plano de Ensino da Disciplina: CONTABILIDADE BÁSICA Depreciação É a despesa com a desvalorização do bem tangível em função do uso, do tempo ou da obsolescência. Terminologia: Valor contábil > É a diferença entre custo de aquisição do bem e o valor da sua respectiva depreciação acumulada; Valor residual > É o valor da provável realização do bem após a sua total depreciação; Valor depreciável > Valor do Bem valor residual Métodos de depreciação: 1- Método das cotas constantes ou linear 2- Método da soma dos dígitos

3 Base de cálculo: É o custo de aquisição, incluindo todos os gastos necessários para colocar em o bem em funcionamento. Bens que não sofrem depreciação: Terreno, bens que valorizam com o tempo (obras de arte) Início da depreciação: O cálculo da depreciação do bem se inicia no momento em que o mesmo estiver em condição de uso. Nota: o mês é contado de forma integral. Por exemplo: Se o bem foi adquirido em 10 de dezembro, mas só foi posto em funcionamento em 16 de janeiro. A depreciação será contada a partir de janeiro, contando o mês integralmente. Taxas de depreciação: BEM VIDA ÚTIL TAXA ANUAL Veículo 5 anos 100% / 5 = 20% Imóveis 25 anos 100% / 25 = 4% Máquinas 10 anos 100% / 10 = 10%

4 Exemplo: Uma empresa comprou um carro no valor de R$ ,00 o qual foi entregue no dia 10/02/2015 e imediatamente utilizado pela empresa. O valor residual que a empresa estimou para o bem após a sua vida útil é de R$ ,00. de 5 anos. Determine o valor contábil do bem na data de 31/12/2015 pelo Valor Depreciável = , ,00 = ,00 Método linear: Cálculo da depreciação anual : ( / 5) = 5.000,00 por ano. Cálculo da depreciação do período: (11/12) X 5.000,00 = 4.583,33 Valor contábil do bem em 31/12/2015 = Valor do bem depreciação acumulada = Valor contábil do bem em 31/12/2015 = , ,33 = ,66

5 Exemplo: Uma empresa comprou um carro no valor de R$ ,00 o qual foi entregue no dia 10/02/2015 e imediatamente utilizado pela empresa. O valor residual que a empresa estimou para o bem após a sua vida útil é de R$ ,00. de 5 anos. Determine o valor contábil do bem na data de 31/12/2015 pelo Valor Depreciável = , ,00 = ,00 Método da soma dos dígitos: = 15 (denominador) Depreciação: 1 º ano = 5/15 X = 8.333,33 x (11/12avos) = 7.638,88 Depreciação: 2º ano = 4/15 X = 6.666,67 Depreciação: 3º ano = 3/15 X = 5.000,00 Depreciação: 4º ano = 2/15 X = 3.333,33 Depreciação: 5º ano = 1/15 X = 1.666,67 Valor contábil = valor do bem depreciação acumulada = ,88 = Valor contábil = ,11

6 Exemplo: Uma empresa comprou uma máquina no valor de R$ ,00 o qual foi entregue no dia 20/07/2015 e imediatamente utilizado pela empresa. O valor residual que a empresa estimou para o bem após a sua vida útil é de R$ 4.000,00. de 10 anos. Determine o valor contábil do bem na data de 31/12/2015 pelo Método linear: Cálculo da depreciação anual : Cálculo da depreciação do período: Valor contábil do bem em 31/12/2015 = Valor do bem depreciação acumulada = Valor contábil do bem em 31/12/2015 =

7 Exemplo: Uma empresa comprou uma máquina no valor de R$ ,00 o qual foi entregue no dia 20/07/2015 e imediatamente utilizado pela empresa. O valor residual que a empresa estimou para o bem após a sua vida útil é de R$ 4.000,00. de 10 anos. Determine o valor contábil do bem na data de 31/12/2015 pelo Valor Depreciável = , ,00 = 6.000,00 Método linear: Cálculo da depreciação anual : (6.000 / 10) = 600,00 por ano. Cálculo da depreciação do período: (6/12) X 600,00 = 300,00 Valor contábil do bem em 31/12/2015 = Valor do bem depreciação acumulada = Valor contábil do bem em 31/12/2015 = ,00 300,00 = 9.700,00

8 Exemplo: Uma empresa comprou uma máquina no valor de R$ ,00 o qual foi entregue no dia 20/07/2015 e imediatamente utilizado pela empresa. O valor residual que a empresa estimou para o bem após a sua vida útil é de R$ 4.000,00. de 10 anos. Determine o valor contábil do bem na data de 31/12/2015 pelo Valor Depreciável = Método da soma dos dígitos: Depreciação: 1 º ano = Depreciação: 2º ano = Depreciação: 3º ano = (...) Depreciação: 9º ano = Depreciação: 10º ano = Valor contábil = valor do bem depreciação acumulada = Valor contábil =

9 Exemplo: Uma empresa comprou uma máquina no valor de R$ ,00 o qual foi entregue no dia 20/07/2015 e imediatamente utilizado pela empresa. O valor residual que a empresa estimou para o bem após a sua vida útil é de R$ 4.000,00. de 10 anos. Determine o valor contábil do bem na data de 31/12/2015 pelo Valor Depreciável = , ,00 = 6.000,00 Método da soma dos dígitos: = 55 (denominador) Depreciação: 1 º ano = 10/55 X = 1.090,90 x (6/12avos) = 545,45 Depreciação: 2º ano = 9/55 X = 981,81 Depreciação: 3º ano = 8/55 X = 872,72 (...) Depreciação: 9º ano = 2/55 X = 218,18 Depreciação: 10º ano = 1/55 X = 109,09 Valor contábil = valor do bem depreciação acumulada = ,45 = Valor contábil = 9.454,55

10 Até a próxima aula

Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo.

Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo. Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo. a. Máquina adquirida por $18.000, com vida útil estimada de 15 anos e valor residual $3.000. b. Veículo adquirido por $30.000, com vida

Leia mais

PROCESSOS DE AJUSTES

PROCESSOS DE AJUSTES AULA 11: PROCESSOS DE AJUSTES Disciplina: Contabilidade introdutória Professor: Thaiseany de Freitas Rêgo Mossoró-RN 2017 1 JUSTES Deve ser realizado ao final de cada mês Regime de competência Fato gerador

Leia mais

Relatórios Financeiros e IFRS (CPC) Aula 1

Relatórios Financeiros e IFRS (CPC) Aula 1 Relatórios Financeiros e IFRS (CPC) Aula 1 Objetivos dos Relatórios Financeiros Desem -penho Fluxos de Caixa Posição Financeira e Patrimonial Usuário Externo Propriedade X Gestão Projeção do Futuro Fluxos

Leia mais

A depreciação real de um ativo destes, num determinado período, é a diferença entre o seu valor de aquisição e o seu valor de revenda.

A depreciação real de um ativo destes, num determinado período, é a diferença entre o seu valor de aquisição e o seu valor de revenda. PARTE 7 DEPRECIAÇÃO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Introdução 2. Método Linear 3. Método de Cole ou da Soma dos Dígitos 4. Método Exponencial 5. Exercícios resolvidos 1. Introdução Depreciação significa desvalorização.

Leia mais

22/04/2013 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) DEPRECIAÇÃO, CUSTOS FIXOS E CUSTOS VARIÁVEIS

22/04/2013 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) DEPRECIAÇÃO, CUSTOS FIXOS E CUSTOS VARIÁVEIS ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 DEPRECIAÇÃO, CUSTOS FIXOS E CUSTOS VARIÁVEIS 1 CONCEITO Os Bens Patrimoniais, devido ao uso e pelo desgaste natural

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.9 DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO Conteúdo Item DISPOSIÇÕES GERAIS 1 OBJETIVOS E

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.136/08 Aprova a NBC T 16.9 Depreciação, Amortização e Exaustão. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a internacionalização

Leia mais

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas)

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) Módulo 2 Egbert 1 Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) 2 1. Provisões São contas de natureza credora, que podem representar:

Leia mais

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas)

Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) Módulo 2 Egbert 1 Conteúdo: 11.2 Escrituração de operações típicas (provisões, obtenção e quitação de empréstimos e operações com duplicatas) 2 1. Provisões São contas de natureza credora, que podem representar:

Leia mais

Ativo Imobilizado. Lista de Exercícios 3

Ativo Imobilizado. Lista de Exercícios 3 Ativo Imobilizado Lista de Exercícios 3 1. (CFC 2012) Uma sociedade empresária apresentou os seguintes dados relativos a um bem registrado no Imobilizado da empresa: Descrição Saldos em 31.12.2011 Custo

Leia mais

COM A HP 12 C. 9º encontro

COM A HP 12 C. 9º encontro MATEMÁTICA FINANCEIRA COM A HP 12 C 9º encontro 1 admfreeeork@yahoo.com.br 16 981057062 (Tim, WhatsApp) Blog admfreework.wordpress.com Facebook admfreework 2 3 Leasing = Arrendamento Mercantil Operação

Leia mais

Manual Ativo Fixo. Copyright Todos os direitos reservados. Control Informática. Manual Ativo Fixo

Manual Ativo Fixo. Copyright Todos os direitos reservados. Control Informática. Manual Ativo Fixo Copyright 2013. Todos os direitos reservados. Control Informática. Índice 1-Introdução 1.1-O que é um Ativo? 1.2-O que é Depreciação? 2-Cadastros 2.1-Cadastro de um Grupo 2.2-Cadastro de um Bem 3 3 3 4

Leia mais

Exercícios - Soluções

Exercícios - Soluções Propriedades para Investimento CPC 28/ IAS 40 Exercícios - Soluções EAC 0481 Contabilidade Intermediária II 1 Exercício 1 - Resposta Ativo imobilizado até a conclusão da obra (manutenção da atividade O

Leia mais

Quais são os objetivos do tópico... DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS 6. Imobilizado, Intangível e Impairment.

Quais são os objetivos do tópico... DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS 6. Imobilizado, Intangível e Impairment. USP-FEA Curso de Administração Disciplina: EAC0111-Contabilidade e Análise de Balanço DETALHAMENTO DOS REGISTROS CONTÁBEIS 6., Intangível e Impairment Profa. Dra. Joanília Cia (joanilia@usp.br) 1 Quais

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 428, de 19 de novembro de 2012

RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 428, de 19 de novembro de 2012 Publicada no D.O.U nº 223, de 20/11/2012 Seção 1 p. 140 RESOLUÇÃO NORMATIVA CFA Nº 428, de 19 de novembro de 2012 Cria o Manual de Procedimentos para a Depreciação dos Bens Patrimoniais no âmbito do Sistema

Leia mais

Comentários da prova SEFAZ-PE Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova SEFAZ-PE Disciplina: Contabilidade Geral Professor: Feliphe Araújo Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova SEFAZ-PE ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL - SEFAZ-PE Trago para vocês os comentários da prova da SEFAZ-PE realizado no último

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Aula 1- Contextualização. Prof.: Marcelo Valverde

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Aula 1- Contextualização. Prof.: Marcelo Valverde Aula 1- Contextualização Prof.: Marcelo Valverde Plano de ensino: Contabilidade de Custo e Gerencial UNIDADE 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS À CONTABILIDADE GERENCIAL 1.1 Contabilidade de

Leia mais

AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL. NOÇÕES DE CONTABILIDADE Profª. Camila Gomes

AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL. NOÇÕES DE CONTABILIDADE Profª. Camila Gomes AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL NOÇÕES DE CONTABILIDADE Profª. Camila Gomes Contas Natureza da Conta Saldo Aumenta Diminui Patrimoniais Ativo Devedora D C Passivo Credora C D PL Credora C D Resultado Receita

Leia mais

BALANCETE ANALÍTICO - ABRIL/2015

BALANCETE ANALÍTICO - ABRIL/2015 Folha : 1 1 ATIVO 4.009.419,95 D 1.629.902,67 2.246.254,36 3.393.068,26 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 955.155,70 D 1.629.902,67 2.246.254,36 338.804,01 D 1.1.1 DISPONIBILIDADES 583.101,30 D 1.627.251,30 2.195.109,54

Leia mais

ISS-Recife Analista de Controle Interno

ISS-Recife Analista de Controle Interno ISS-Recife Pessoal, vou comentar as questões da prova. 71. O princípio contábil que pode representar garantia de inexistência de valores fictícios do ativo e de interesse de grupos de pessoas, em consonância

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I I

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I I UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I I AULA MODELO SOBRE DEPRECIAÇÃO, EXAUSTÃO E AMORTIZAÇÃO Conceito a) Legislação Societária

Leia mais

DEPRECIAÇÃO

DEPRECIAÇÃO 1 de 6 31/01/2015 14:53 DEPRECIAÇÃO Depreciação é a alocação sistemática do valor depreciável de um ativo ao longo da sua vida útil (NBC T 19.1 - Ativo Imobilizado), ou seja, o registro da redução do valor

Leia mais

AQUISIÇÃO DO IMOBILIZADO

AQUISIÇÃO DO IMOBILIZADO ATIVO IMOBILIZADO Ativo imobilizado é o item tangível que: É mantido para uso na produção ou fornecimento de mercadorias ou serviços, para aluguel a outros, ou para fins administrativos; e se espera utilizar

Leia mais

Exaustão. Cálculo da exaustão Forma 1. Quota de exaustão (por un.) = unidades consumidas ou retiradas no período.

Exaustão. Cálculo da exaustão Forma 1. Quota de exaustão (por un.) = unidades consumidas ou retiradas no período. Os recursos naturais (reservas florestais, minas, poços de petróleo) devem estar no ativo pelo custo de aquisição. Também são sujeitos à amortização (transferência do custo para despesa) por meio das quotas

Leia mais

Amortizações. Conceitos Gerais

Amortizações. Conceitos Gerais Amortizações Conceitos Gerais Os imobilizados não se consomem num só exercício, mas no número de anos previsto para a sua vida económica. Desta forma, não parece razoável imputar o custo total ao exercício

Leia mais

PERÍCIA DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL RURAL

PERÍCIA DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL RURAL PERÍCIA DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL RURAL MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO Cálculo IV CONSIDERAÇÕES INICIAIS Razão para uso da depreciação: a) Avaliação de um bem (móvel/imóvel), pelo valor de mercado; b) Representa

Leia mais

CONTEÚDO DA AULA DE HOJE

CONTEÚDO DA AULA DE HOJE CONTEÚDO DA AULA DE HOJE FLUXOS DE CAIXA PARA ORÇAMENTO DE CAPITAL: TOMADA DE DECISÃO FLUXOS DE CAIXA RELEVANTES DETERMINAÇÃO DO INVESTIMENTO INICIAL DETERMINAÇÃO DAS ENTRADAS DE CAIXA OPERACIONAIS DETERMINAÇÃO

Leia mais

PERÍCIA DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL RURAL

PERÍCIA DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL RURAL PERÍCIA DE AVALIAÇÃO DE IMÓVEL RURAL MÉTODOS DE DEPRECIAÇÃO Cálculo IV PERÍCIA AMBIENTAL O PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL; O EXERCÍCIO PROFISSIONAL DO GESTOR AMBIENTAL; AS HABILIDADES CONFERIDAS AO GESTOR AMBIENTAL

Leia mais

Unidade III CONTABILIDADE SOCIETÁRIA. Profa. Divane Silva

Unidade III CONTABILIDADE SOCIETÁRIA. Profa. Divane Silva Unidade III CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Avaliação de Investimentos Permanentes Unidade II 2. A Técnica da Equivalência Patrimonial

Leia mais

Contabilidade. Objeto, objetivo e finalidade. Bens. Conceito de Contabilidade. Conceitos iniciais - Ativo. Contabilidades específicas:

Contabilidade. Objeto, objetivo e finalidade. Bens. Conceito de Contabilidade. Conceitos iniciais - Ativo. Contabilidades específicas: Objeto, objetivo e finalidade Contabilidade Conceitos iniciais - Ativo Objeto: o patrimônio Objetivo: estudo, controle e apuração do resultado Finalidade: Fornecer informações econômicas e financeira sobre

Leia mais

ESTUDO SOBRE O PATRIMÔNIO

ESTUDO SOBRE O PATRIMÔNIO AULA 10: ESTUDO SOBRE O PATRIMÔNIO Disciplina: Contabilidade introdutória Professor: Thaiseany de Freitas Rêgo Mossoró-RN 2017 1 CONCEITO DE PATRIMÔNIO Conjunto de bens pertencentes a uma pessoa ou a uma

Leia mais

Considerando-se apenas as informações apresentadas, apresente o registro contábil relativo à apuração do ICMS no mês de fevereiro de 2017:

Considerando-se apenas as informações apresentadas, apresente o registro contábil relativo à apuração do ICMS no mês de fevereiro de 2017: CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA: QUESTÕES DE REVISÃO 01) Uma Sociedade Empresária que possui um único estabelecimento apresentava, em 31.1.2017, após a apuração do Imposto sobre Circulação de Mercadorias ICMS,

Leia mais

Olá, pessoal! A seguir o artigo sobre exaustão preparado pelo Professor Luciano Rosa!

Olá, pessoal! A seguir o artigo sobre exaustão preparado pelo Professor Luciano Rosa! Olá, pessoal! A seguir o artigo sobre exaustão preparado pelo Professor Luciano Rosa! Uma excelente oportunidade para aprofundar um pouco mais sobre o assunto. Lembre-se de que se o treino difícil, o jogo

Leia mais

Prof. a Germana Chaves

Prof. a Germana Chaves DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTÃO. 1. CONCEITO Depreciações, Amortizações e Exaustões: reduções de valor de ativos, em virtude de desgaste pelo uso, ação da natureza, superação tecnológica, exercício

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO- DVA FLUXOGRAMA 1 3 (1 2) 5 (3 4) 7 (5+6)

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO- DVA FLUXOGRAMA 1 3 (1 2) 5 (3 4) 7 (5+6) DEMONSTRAÇÃO DO VALOR - DVA FLUXOGRAMA 1 3 (1 2) 5 (3 4) 7 (5+6) VENDAS Vendas Operacionais Vendas não Operacionais PDD- Constituição/Reversão VALOR BRUTO VALOR LIQUIDO VALOR TOTAL A DISTRIBUIR 2 4 6 INSUMOS

Leia mais

1) Os valores a seguir foram extraídos dos registros contábeis de uma empresa industrial:

1) Os valores a seguir foram extraídos dos registros contábeis de uma empresa industrial: 1) Os valores a seguir foram extraídos dos registros contábeis de uma empresa industrial: 2) Uma indústria apresentou, no mês de fevereiro de 2013, os seguintes custos de produção: 3) Uma sociedade empresária

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTO E GERENCIAL. Aula 9. Prof.: Marcelo Valverde

CONTABILIDADE DE CUSTO E GERENCIAL. Aula 9. Prof.: Marcelo Valverde CONTABILIDADE DE CUSTO E GERENCIAL Aula 9 Prof.: Marcelo Valverde Plano de Ensino da Disciplina: CONTABILIDADE GERENCIAL UNIDADE 05 Custeio Variável 5.1 Conceito de margem de contribuição 5.2 Custeio variável

Leia mais

ATIVIDADES DE REVISÃO CONTABILIDADE II:

ATIVIDADES DE REVISÃO CONTABILIDADE II: ATIVIDADES DE REVISÃO CONTABILIDADE II: 01) Classifique as contas: Conta contábil Imóvel Imóvel para aluguel Obras de arte Marca Cliente Caixa Impostos a recolher Impostos a recuperar Fornecedores Veículos

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Aula 3 - UNIDADE 2 - CUSTOS PARA AVALIAÇÃO DE ESTOQUES: CUSTEIO POR ABSORÇÃO. 2.1 Custos diretos e custos indiretos

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Aula 3 - UNIDADE 2 - CUSTOS PARA AVALIAÇÃO DE ESTOQUES: CUSTEIO POR ABSORÇÃO. 2.1 Custos diretos e custos indiretos CONTABILIDADE DE CUSTOS Aula 3 - UNIDADE 2 - CUSTOS PARA AVALIAÇÃO DE ESTOQUES: CUSTEIO POR ABSORÇÃO 2.1 Custos diretos e custos indiretos Prof.: Marcelo Valverde CUSTOS Em relação a unidade produzida

Leia mais

Fiscal - Exercícios Contabilidade Exercício Alexandre Américo Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Fiscal - Exercícios Contabilidade Exercício Alexandre Américo Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Fiscal - Exercícios Contabilidade Exercício Alexandre Américo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 101 (ESAF/ANALISTA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO 2010) Durante

Leia mais

PROVA COMENTADA CONTABILIDADE TRE PR

PROVA COMENTADA CONTABILIDADE TRE PR PROVA COMENTADA CONTABILIDADE TRE PR Olá, pessoal. Tudo bem? Comentamos a prova realizada ontem, pela Fundação Carlos Chagas, para o Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Paraná. Uma prova padrão FCC

Leia mais

DECRETO Nº 3.379/2015

DECRETO Nº 3.379/2015 Publicado no Jornal "O Presente" em 24/06/2015, Edição nº 4114, Página nº 29 DECRETO Nº 3.379/2015 SÚMULA: Dispõe sobre a obrigatoriedade de realizar os procedimentos para reavaliação, redução ao valor

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL. Aula 2- Unidade 01. Prof.: Marcelo Valverde

CONTABILIDADE DE CUSTOS E GERENCIAL. Aula 2- Unidade 01. Prof.: Marcelo Valverde E GERENCIAL Aula 2- Unidade 01 Prof.: Marcelo Valverde Plano de Ensino UNIDADE 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS À CONTABILIDADE GERENCIAL 1.1 Contabilidade de Custos x Contabilidade Gerencial

Leia mais

Propriedades para Investimento CPC 28/ IAS 40. Exercícios. EAC 0481 Contabilidade Intermediária II. Professores Ariovaldo dos Santos e Bruno Salotti

Propriedades para Investimento CPC 28/ IAS 40. Exercícios. EAC 0481 Contabilidade Intermediária II. Professores Ariovaldo dos Santos e Bruno Salotti Propriedades para Investimento CPC 28/ IAS 40 Exercícios EAC 0481 Contabilidade Intermediária II 1 Exercício 1 Suponha que a empresa XYZ adquiriu uma casa em um bairro nobre de uma cidade (perímetro urbano)

Leia mais

BALANCETE ANALÍTICO - JANEIRO/2016

BALANCETE ANALÍTICO - JANEIRO/2016 Folha : 1 1 ATIVO 3.443.483,49 D 2.078.558,03 1.960.407,94 3.561.633,58 D 1.1 ATIVO CIRCULANTE 374.458,65 D 2.078.558,03 1.960.407,94 492.608,74 D 1.1.1 DISPONIBILIDADES 43.272,38 D 1.922.123,75 1.939.257,94

Leia mais

Lista de Exercícios sobre Leasing

Lista de Exercícios sobre Leasing Lista de Exercícios sobre Leasing Ressalva: Em todos os exercícios, foi considerado que as empresas envolvidas adotam as normas CPC/IFRS para publicação Premissa comum: quando necessário, o valor residual

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara X DESAFIO CULTURAL DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS- 2017 Questões de Contabilidade Internacional Prof. Oscar Scherer QUESTÃO 01 Uma Sociedade Empresária, no seu Balanço Patrimonial em 1º.1.2016, possui

Leia mais

AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL. NOÇÕES DE CONTABILIDADE Profª. Camila Gomes

AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL. NOÇÕES DE CONTABILIDADE Profª. Camila Gomes AGENTE DA POLÍCIA FEDERAL Profª. Camila Gomes Balanço Patrimonial Ativo Art. 179. As contas serão classificadas do seguinte modo: III - em investimentos: as participações permanentes em outras sociedades

Leia mais

#$%& "# $ % $ % '( ') *$ Sinal da demanda. Alienação. Ciclo da Administração. Identificar fornecedor. Patrimoniais. Comprar o bem.

#$%& # $ % $ % '( ') *$ Sinal da demanda. Alienação. Ciclo da Administração. Identificar fornecedor. Patrimoniais. Comprar o bem. ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS Materiais Estoques Patrimoniais Instalações Materiais Auxiliares Equipamento Matéria Prima Compras Produto em Processo Produto Acabado Logística Interna Logística Externa Prédios

Leia mais

Seminário. IFRS para PMEs - (Módulo III): Seções: 17,18,20,25 e 27. Outubro Elaborado por: José Hernandez Perez Junior

Seminário. IFRS para PMEs - (Módulo III): Seções: 17,18,20,25 e 27. Outubro Elaborado por: José Hernandez Perez Junior Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

2.1 - Influência dos impostos no fluxo de caixa.

2.1 - Influência dos impostos no fluxo de caixa. 1 Capitulo 2 - Impostos e Depreciação. 2.1 - Influência dos impostos no fluxo de caixa. Os impostos são despesas e devem ser considerados no fluxo de caixa. Podemos classificar os impostos em três grupos:

Leia mais

Prof. Esp. Geovane Camilo dos Santos

Prof. Esp. Geovane Camilo dos Santos Exercício de Fixação 1 Uma companhia aérea possui um avião, cujo valor de custo menos depreciação acumulada é R$ 800.000, sendo que o valor de mercado de um avião usado, nas mesmas condições, é R$ 700.000

Leia mais

Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos

Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos ::: Fonte Do Saber - Mania de Conhecimento ::: adsense1 AS RESPOSTAS ESTÃO DE VERMELHO. O BALANÇO PATRIMONIAL - EXERCÍCIOS 1) Aponte a alternativa em que não

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras 75º edição 1 de Abril de 214 à 31 de março de 215 Balanço Anual Ativos Ativos circulante Caixa Títulos a receber Contas a receber mobiliários Produtos Materia-Prima Trabalhos

Leia mais

Contabilidade Avançada para a CVM. Ativo Imobilizado. Gabriel Rabelo Luciano Rosa

Contabilidade Avançada para a CVM. Ativo Imobilizado. Gabriel Rabelo Luciano Rosa Ativo Imobilizado Gabriel Rabelo Luciano Rosa 8 Ativo Imobilizado: Reconhecimento inicial. Depreciação. Mensuração subseqüente (reavaliação). Gastos subseqüentes e alteração na vida útil. Alienação. ÍNDICE

Leia mais

13/06/14. Introdução. Profº Me. Hugo David Santana.

13/06/14. Introdução. Profº Me. Hugo David Santana. CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Curso de Ciências Contábeis Profº Me. Hugo David Santana. Introdução Nesta aula será apresentado o tratamento contábil dos principais itens relacionados à folha de pagamento, por

Leia mais

Disciplina: Economia Para Engenharia Elétrica (TE142) Cap. III AVALIAÇÃO DE PROJETOS E NEGÓCIOS Capítulo III.a. Depreciação do Ativo Imobilizado

Disciplina: Economia Para Engenharia Elétrica (TE142) Cap. III AVALIAÇÃO DE PROJETOS E NEGÓCIOS Capítulo III.a. Depreciação do Ativo Imobilizado Universidade Federal de Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Economia Para Engenharia Elétrica (TE142) Cap. III AVALIAÇÃO DE PROJETOS E NEGÓCIOS Capítulo III.a. Depreciação

Leia mais

MÉTODOS DE CONVERSÃO - TEMPORAL

MÉTODOS DE CONVERSÃO - TEMPORAL MÉTODOS DE CONVERSÃO - TEMPORAL Método Corrente e Não-Corrente A lógica deste método é de que os itens não-circulantes não são influenciados pelas taxas de câmbio do encerramento do período contábil, já

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS CPC. CPC 27 Ativo Imobilizado e Depreciação. Principais Considerações no Pronunciamento Técnico CPC 27

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS CPC. CPC 27 Ativo Imobilizado e Depreciação. Principais Considerações no Pronunciamento Técnico CPC 27 Principais Considerações no Pronunciamento Técnico CPC 27 O Ponto chave a ser considerado com o Pronunciamento Técnico CPC 27 referente a contabilização dos ativos imobilizado, são exatamente o reconhecimento

Leia mais

MÉTODOS DE CONVERSÃO

MÉTODOS DE CONVERSÃO MÉTODOS DE CONVERSÃO TEMPORAL COM CORREÇÃO MONETÁRIA INTEGRAL (economias hiperinflacionárias) CPC- Comitê de Pronunciamentos Contábeis (Brasil) Segundo o CPC 02, itens 14 e 43: 14. Se a moeda funcional

Leia mais

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA

CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA CURSO DE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Professor Humberto Fernandes de Lucena www.editoraferreira.com.br 2. 2.1 Conceito O Patrimônio, sendo o objeto da Contabilidade, define-se como o conjunto formado pelos

Leia mais

MÉTODOS DE CONVERSÃO TAXA CORRENTE

MÉTODOS DE CONVERSÃO TAXA CORRENTE MÉTODOS DE CONVERSÃO TAXA CORRENTE Dados para exercício sobre o Método de Conversão Taxa Corrente A multinacional FASB/IASB, subsidiária de empresa Norte-Americana, iniciou suas operações no Brasil em

Leia mais

LIVRO: MANUAL DE CONTABILIDADE PÚBLICA UM ENFOQUE NA CONTABILIDADE MUNICIPAL. VALMOR SLOMS KI, 2ª ED. 2009, ED. ATLAS, SP.

LIVRO: MANUAL DE CONTABILIDADE PÚBLICA UM ENFOQUE NA CONTABILIDADE MUNICIPAL. VALMOR SLOMS KI, 2ª ED. 2009, ED. ATLAS, SP. Com base no Balanço Patrimonial encerrado em 31 de dezembro de 2010 e na Lei de Orçamento Anual (LOA) para o exercício financeiro de 2011, efetue os registros contábeis e apure os Balanços Orçamentário,

Leia mais

Contabilidade Orçamentária e Patrimonial

Contabilidade Orçamentária e Patrimonial Contabilidade Orçamentária e Patrimonial EVOLUÇÃO LEGAL 4320/64 LRF NBCT S ENFOQUES DA CONTABILIDADE EFEITOS NO PATRIMÔNIO IMPACTO NO FLUXO DE CAIXA RECEITAS E DESPESAS (BASE MODIFICADA) Contabilidade

Leia mais

Recurso de Contabilidade Geral APOFP-SP/2010

Recurso de Contabilidade Geral APOFP-SP/2010 Elias Cruz Toque de Mestre www.editoraferreira.com.br Devido ao e-mail recebido de um aluno, elaboramos esta aula especial em atendimento a solicitação, devido ao prazo para o recurso: Mestre, Tenho acompanhado

Leia mais

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira Contabilidade é a ciência que estuda, registra, controla e interpreta os fatos ocorridos no patrimônio das entidades com fins lucrativos ou não. Objetivos

Leia mais

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 27 DO QUESITO DE DIVULGAÇÃO POR EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO NO SETOR DE COMÉRCIO.

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 27 DO QUESITO DE DIVULGAÇÃO POR EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO NO SETOR DE COMÉRCIO. ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 27 DO QUESITO DE DIVULGAÇÃO POR EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO NO SETOR DE COMÉRCIO. Autores: Me. Luiz Fernando Lemos Jaina Mello Longoni Kienen Vanessa Oliveira

Leia mais

NÍVEL DE CONFORMIDADE DO TRATAMENTO DADOS AO GRUPO ATIVO IMOBILIZADO AS ORIENTAÇÕES DADAS PELO CPC-27: um estudo nos maiores bancos brasileiros.

NÍVEL DE CONFORMIDADE DO TRATAMENTO DADOS AO GRUPO ATIVO IMOBILIZADO AS ORIENTAÇÕES DADAS PELO CPC-27: um estudo nos maiores bancos brasileiros. HUM@NÆ Questões controversas do mundo contemporâneo v. 10, n. 1, 2016 NÍVEL DE CONFORMIDADE DO TRATAMENTO DADOS AO GRUPO ATIVO IMOBILIZADO AS ORIENTAÇÕES DADAS PELO CPC-27: um estudo nos maiores bancos

Leia mais

DEPRECIAÇÕES E AMORTIZAÇÕES

DEPRECIAÇÕES E AMORTIZAÇÕES Docente: Margarida Ramos Pereira Fiscalidade DEPRECIAÇÕES E AMORTIZAÇÕES 16 de Abril de 2012 André Gaspar, nº38109 Francisco Nogueira, nº 38184 Joana Encarnação, nº 38203 João Verdasca, nº 38204 Vasco

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais

CORE/RO Conselho Regional dos Representantes Comerciais do Estado de Rondonia CNPJ: /

CORE/RO Conselho Regional dos Representantes Comerciais do Estado de Rondonia CNPJ: / Conselho Regional dos Representantes Comerciais do Estado de Rondonia CNPJ: 84.646.397/0001-83 Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO Especificação ATIVO CIRCULANTE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA CRÉDITOS A

Leia mais

Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = , , , ,00

Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = , , , ,00 p. 86 Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = 13.400,00 + 2.400,00 + 10.500,00 + 5.300,00 = = 31.600,00 Gabarito: B Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo,

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 - NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 - NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC T 16 - NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.10 AVALIAÇÃO E MENSURAÇÃO DE ATIVOS E PASSIVOS EM ENTIDADES DO SETOR PÚBLICO Conteúdo

Leia mais

ITG 1000 PME s Giovana Garcia

ITG 1000 PME s Giovana Garcia ITG 1000 PME s Giovana Garcia Você bem preparado para o futuro da profissão. 1 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. X RESOLUÇÃO CFC

Leia mais

ANEXO IV UTILIZAÇÃO DE SUBCONTAS NA ADOÇÃO INICIAL DIFERENÇA NA DEPRECIAÇÃO ACUMULADA EXEMPLO 1

ANEXO IV UTILIZAÇÃO DE SUBCONTAS NA ADOÇÃO INICIAL DIFERENÇA NA DEPRECIAÇÃO ACUMULADA EXEMPLO 1 ANEXO IV UTILIZAÇÃO DE SUBCONTAS NA ADOÇÃO INICIAL DIFERENÇA NA DEPRECIAÇÃO ACUMULADA PREMISSAS DO EXEMPLO: EXEMPLO 1 DIFERENÇA A SER ADICIONADA Arts. 68, 163 e 164 - Aquisição de equipamento em 02/01/2013

Leia mais

c. Propriedade em construção ou desenvolvimento por conta de terceiros.

c. Propriedade em construção ou desenvolvimento por conta de terceiros. CPC 28 (IAS 40) Pós-Teste 1 1. Identifique, nas situações abaixo, se os imóveis deveriam ser classificados como propriedades para investimento: a. Terrenos mantidos para valorização de capital a longo

Leia mais

Aula Nº 9 Depreciação Conceitos e Métodos

Aula Nº 9 Depreciação Conceitos e Métodos Aula Nº 9 Depreciação Conceitos e Métodos Objetivos da aula: Esta aula tem por objetivo apresentar conceitos de Ativo Imobilizado, Depreciação, Amortização e Exaustão e os métodos de depreciação para calcular

Leia mais

Imobilizado e Perda de Recuperabilidade Impairment

Imobilizado e Perda de Recuperabilidade Impairment Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

ATIVO NÃO CIRCULANTE - IMOBILIZADO -

ATIVO NÃO CIRCULANTE - IMOBILIZADO - ATIVO NÃO CIRCULANTE - IMOBILIZADO - (Cap 11 CPCs 27) Prof. Renê Coppe Pimentel Material e conteúdo padronizados elaborados por professores da FEA/USP Renê Coppe Pg. 1 ATIVO NÃO CIRCULANTE - IMOBILIZADO

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA I 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS

CONTABILIDADE BÁSICA I 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS CONTABILIDADE BÁSICA I 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS UNIDADE I PANORAMA GERAL DA CONTABILIDADE 1) O que é contabilidade e qual o seu objetivo? 2) Onde a contabilidade pode ser aplicada? 3) Quais são os usuários

Leia mais

Palestra do Projeto Saber Contábil: CPC 27 Ativo Imobilizado e sua aplicação

Palestra do Projeto Saber Contábil: CPC 27 Ativo Imobilizado e sua aplicação Palestra do Projeto Saber Contábil: CPC 27 Ativo Imobilizado e sua aplicação Instrutor Prof. Marcelo Muzy do Espirito Santo Vice Coordenador CEDFC São Bernardo Sindcont SP 18/05/2017 CPC 27 Ativo Imobilizado

Leia mais

COMENTÁRIOS: CONTABILIDADE GERAL ISS JUNDIAÍ

COMENTÁRIOS: CONTABILIDADE GERAL ISS JUNDIAÍ COMENTÁRIOS: CONTABILIDADE GERAL ISS JUNDIAÍ A seguir, os comentários da Prova de Auditor Fiscal do ISS Jundiaí! Vislumbramos, a princípio, duas possibilidades de recursos. A questão 58, se confirmado

Leia mais

Contabilidade Patrimonial no Setor Público

Contabilidade Patrimonial no Setor Público Contabilidade Patrimonial no Setor Público Instrutor: WESMEY SILVA Maio de 2016 1 Conteúdo Programático 1. CONCEITOS INICIAIS 1.1.Patrimônio Público 1.2.Despesa: Enfoque Orçamentário X Enfoque Patrimonial

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CONTABILIDADE AVANÇADA 1/2017 Exercício de Fixação 1

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS ESCOLA DE GESTÃO E NEGÓCIOS CONTABILIDADE AVANÇADA 1/2017 Exercício de Fixação 1 Exercício de Fixação 1 Questão 1: (Auditor Fiscal da Receita Estadual SEFAZ-RJ, 2014): Determinada empresa comercial apresentava as seguintes informações referentes ao primeiro semestre de 2013: Sabe-se

Leia mais

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS- PARTE II

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS- PARTE II OPERAÇÕES COM MERCADORIAS- PARTE II Impostos nas operações com mercadorias Comércio Indústria Prestadora de serviços Contribuinte de ICMS Contribuinte de ICMS/ IPI Não é contribuinte do ICMS nem do IPI

Leia mais

Comentários da prova de Contador do Tribunal de Justiça (TJ) do Piauí Disciplina: Contabilidade Geral e de Custos Professor: Feliphe Araújo

Comentários da prova de Contador do Tribunal de Justiça (TJ) do Piauí Disciplina: Contabilidade Geral e de Custos Professor: Feliphe Araújo Comentários da prova de Contador do Tribunal de Justiça (TJ) do Piauí Disciplina: Professor: Feliphe Araújo Olá amigos, Comentários da prova TJ Piauí ANÁLISE DA PROVA DE CONTABILIDADE GERAL E DE CUSTOS

Leia mais

CONTABILIDADE GERENCIAL. Aula 16. Prof.: Marcelo Valverde

CONTABILIDADE GERENCIAL. Aula 16. Prof.: Marcelo Valverde CONTABILIDADE GERENCIAL Aula 16 Prof.: Marcelo Valverde Plano de Ensino da Disciplina: CONTABILIDADE GERENCIAL UNIDADE 5 - CUSTEIO VARIÁVEL 5.1 Conceito de margem de contribuição 5.2 Custeio variável 5.3

Leia mais

Depreciação Aspecto Societário e Fiscal: Um Estudo de Caso dos Impactos na Empresa MBS

Depreciação Aspecto Societário e Fiscal: Um Estudo de Caso dos Impactos na Empresa MBS Depreciação Aspecto Societário e Fiscal: Um Estudo de Caso dos Impactos na Empresa MBS Vivian Barbosa Monteiro 1 Prof. Msc. Ricardo Pereira Rios 2 RESUMO De acordo com as normas contábeis vigentes referentes

Leia mais

PROVISÃO PARA DEVEDORES DUVIDOSOS (PDD)

PROVISÃO PARA DEVEDORES DUVIDOSOS (PDD) 5 AJUSTES ESPECIAIS INTRODUÇÃO No processo de apuração de resultados contábeis podemos classificar as despesas, também, em: a. Despesas Documentadas: estas despesas são facilmente contabilizáveis, pois

Leia mais

A contabilidade na olivicultura

A contabilidade na olivicultura A contabilidade na olivicultura Manuel Brito Senior Partner da DFK Portugal E-mail: manuel.brito@dfk.com.pt Miguel Palma Audit Supervisor na DFK Portugal E-mail: miguel.palma@dfk.com.pt Beja, 25 de Fevereiro

Leia mais

Ativos Intangíveis Reconhecimento e Mensuração

Ativos Intangíveis Reconhecimento e Mensuração Anápolis, 30 de Junho de 2016. Acadêmico: Adriano Batista dos Santos Ativos Intangíveis Reconhecimento e Mensuração Um ativo intangível deve ser reconhecido apenas se: a) for provável que os benefícios

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade III CONTABILIDADE

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade III CONTABILIDADE Prof. Jean Cavaleiro Unidade III CONTABILIDADE Objetivos Praticar os conceitos até aqui discutidos. Enxergar a aplicação da legislação vigente na prática. Exercício completo Vimos em unidades anteriores

Leia mais

Prova AFRFB/2009 Contabilidade Parte II

Prova AFRFB/2009 Contabilidade Parte II Prova AFRFB/2009 Contabilidade Parte II Elias Cruz Toque de Mestre www.editoraferreira.com.br Já de posse do Edital ESAF Nº 01, de 14 de janeiro de 2010, que altera/anula questões da Prova AFRFB 2009,

Leia mais

Manual de Ativo Imobilizado

Manual de Ativo Imobilizado Manual de Ativo Imobilizado Este manual foi cuidadosamente elaborado pela ELPIS INFORMÁTICA, com a intenção de garantir ao usuário, todas as orientações necessárias para que possa usufruir ao máximo de

Leia mais

8.000 ATIVO CIRCULANTE

8.000 ATIVO CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO Ativo X0 X1 Receita de Vendas 8.000 ATIVO CIRCULANTE 500 2.150 (-) CPV -5.000 Caixa 100 1.000 Lucro Bruto 3.000 Bancos 200 100 (-) Despesas financeiras -1.500

Leia mais

2 Os estoques são apresentados na seguinte ordem do balanço patrimonial:

2 Os estoques são apresentados na seguinte ordem do balanço patrimonial: FUCAMP Fundação Carmelitana Mário Palmério FACIHUS Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Curso: Disciplina Ano Letivo: Semestre: Ciências Auditoria Aplicada 2015 1º Contábeis 1 Os estoques são classificados

Leia mais

PARECER TÉCNICO N.º 01/2017 DO CONSELHO FISCAL DO SINDIFISCAL- TO SOBRE A PRESTAÇÃO DE CONTAS DE 2016

PARECER TÉCNICO N.º 01/2017 DO CONSELHO FISCAL DO SINDIFISCAL- TO SOBRE A PRESTAÇÃO DE CONTAS DE 2016 PARECER TÉCNICO N.º 01/2017 DO CONSELHO FISCAL DO SINDIFISCAL- TO SOBRE A PRESTAÇÃO DE CONTAS DE 2016 Certificamos, como membros do conselho fiscal do SINDIFISCAL- TO (Sindicato dos Auditores Fiscais da

Leia mais

Unidade IV ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade IV ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 20 RESOLUÇÃO DE UM EXERCÍCIO COMPLETO 5 Resolução de um exercício completo elaborado conforme a legislação em vigor. Todos os demonstrativos contábeis já

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO SUBCONTROLADORIA DE INTEGRAÇÃO DE CONTROLES AUDITORIA GERAL

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO SUBCONTROLADORIA DE INTEGRAÇÃO DE CONTROLES AUDITORIA GERAL PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO SUBCONTROLADORIA DE INTEGRAÇÃO DE CONTROLES AUDITORIA GERAL ÓRGÃO/ENTIDADE: TÍTULO DO TRABALHO: Análise contábil das operações, saldos

Leia mais

XXXX xxxxxxx Assembleia da República n.º 124/2011

XXXX xxxxxxx Assembleia da República n.º 124/2011 Aprova o novo Modelo 32 - "Mapa de Depreciações e Amortizações", e as respetivas instruções de preenchimento Nos termos do artigo 130.º do Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas (CIRC),

Leia mais