CONTABILIDADE BÁSICA. Aula 26. Prof.: Marcelo Valverde

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTABILIDADE BÁSICA. Aula 26. Prof.: Marcelo Valverde"

Transcrição

1 CONTABILIDADE BÁSICA Aula 26 Prof.: Marcelo Valverde

2 Plano de Ensino da Disciplina: CONTABILIDADE BÁSICA Depreciação É a despesa com a desvalorização do bem tangível em função do uso, do tempo ou da obsolescência. Terminologia: Valor contábil > É a diferença entre custo de aquisição do bem e o valor da sua respectiva depreciação acumulada; Valor residual > É o valor da provável realização do bem após a sua total depreciação; Valor depreciável > Valor do Bem valor residual Métodos de depreciação: 1- Método das cotas constantes ou linear 2- Método da soma dos dígitos

3 Base de cálculo: É o custo de aquisição, incluindo todos os gastos necessários para colocar em o bem em funcionamento. Bens que não sofrem depreciação: Terreno, bens que valorizam com o tempo (obras de arte) Início da depreciação: O cálculo da depreciação do bem se inicia no momento em que o mesmo estiver em condição de uso. Nota: o mês é contado de forma integral. Por exemplo: Se o bem foi adquirido em 10 de dezembro, mas só foi posto em funcionamento em 16 de janeiro. A depreciação será contada a partir de janeiro, contando o mês integralmente. Taxas de depreciação: BEM VIDA ÚTIL TAXA ANUAL Veículo 5 anos 100% / 5 = 20% Imóveis 25 anos 100% / 25 = 4% Máquinas 10 anos 100% / 10 = 10%

4 Exemplo: Uma empresa comprou um carro no valor de R$ ,00 o qual foi entregue no dia 10/02/2015 e imediatamente utilizado pela empresa. O valor residual que a empresa estimou para o bem após a sua vida útil é de R$ ,00. de 5 anos. Determine o valor contábil do bem na data de 31/12/2015 pelo Valor Depreciável = , ,00 = ,00 Método linear: Cálculo da depreciação anual : ( / 5) = 5.000,00 por ano. Cálculo da depreciação do período: (11/12) X 5.000,00 = 4.583,33 Valor contábil do bem em 31/12/2015 = Valor do bem depreciação acumulada = Valor contábil do bem em 31/12/2015 = , ,33 = ,66

5 Exemplo: Uma empresa comprou um carro no valor de R$ ,00 o qual foi entregue no dia 10/02/2015 e imediatamente utilizado pela empresa. O valor residual que a empresa estimou para o bem após a sua vida útil é de R$ ,00. de 5 anos. Determine o valor contábil do bem na data de 31/12/2015 pelo Valor Depreciável = , ,00 = ,00 Método da soma dos dígitos: = 15 (denominador) Depreciação: 1 º ano = 5/15 X = 8.333,33 x (11/12avos) = 7.638,88 Depreciação: 2º ano = 4/15 X = 6.666,67 Depreciação: 3º ano = 3/15 X = 5.000,00 Depreciação: 4º ano = 2/15 X = 3.333,33 Depreciação: 5º ano = 1/15 X = 1.666,67 Valor contábil = valor do bem depreciação acumulada = ,88 = Valor contábil = ,11

6 Exemplo: Uma empresa comprou uma máquina no valor de R$ ,00 o qual foi entregue no dia 20/07/2015 e imediatamente utilizado pela empresa. O valor residual que a empresa estimou para o bem após a sua vida útil é de R$ 4.000,00. de 10 anos. Determine o valor contábil do bem na data de 31/12/2015 pelo Método linear: Cálculo da depreciação anual : Cálculo da depreciação do período: Valor contábil do bem em 31/12/2015 = Valor do bem depreciação acumulada = Valor contábil do bem em 31/12/2015 =

7 Exemplo: Uma empresa comprou uma máquina no valor de R$ ,00 o qual foi entregue no dia 20/07/2015 e imediatamente utilizado pela empresa. O valor residual que a empresa estimou para o bem após a sua vida útil é de R$ 4.000,00. de 10 anos. Determine o valor contábil do bem na data de 31/12/2015 pelo Valor Depreciável = , ,00 = 6.000,00 Método linear: Cálculo da depreciação anual : (6.000 / 10) = 600,00 por ano. Cálculo da depreciação do período: (6/12) X 600,00 = 300,00 Valor contábil do bem em 31/12/2015 = Valor do bem depreciação acumulada = Valor contábil do bem em 31/12/2015 = ,00 300,00 = 9.700,00

8 Exemplo: Uma empresa comprou uma máquina no valor de R$ ,00 o qual foi entregue no dia 20/07/2015 e imediatamente utilizado pela empresa. O valor residual que a empresa estimou para o bem após a sua vida útil é de R$ 4.000,00. de 10 anos. Determine o valor contábil do bem na data de 31/12/2015 pelo Valor Depreciável = Método da soma dos dígitos: Depreciação: 1 º ano = Depreciação: 2º ano = Depreciação: 3º ano = (...) Depreciação: 9º ano = Depreciação: 10º ano = Valor contábil = valor do bem depreciação acumulada = Valor contábil =

9 Exemplo: Uma empresa comprou uma máquina no valor de R$ ,00 o qual foi entregue no dia 20/07/2015 e imediatamente utilizado pela empresa. O valor residual que a empresa estimou para o bem após a sua vida útil é de R$ 4.000,00. de 10 anos. Determine o valor contábil do bem na data de 31/12/2015 pelo Valor Depreciável = , ,00 = 6.000,00 Método da soma dos dígitos: = 55 (denominador) Depreciação: 1 º ano = 10/55 X = 1.090,90 x (6/12avos) = 545,45 Depreciação: 2º ano = 9/55 X = 981,81 Depreciação: 3º ano = 8/55 X = 872,72 (...) Depreciação: 9º ano = 2/55 X = 218,18 Depreciação: 10º ano = 1/55 X = 109,09 Valor contábil = valor do bem depreciação acumulada = ,45 = Valor contábil = 9.454,55

10 Até a próxima aula

GT Contábil Outubro/2012. Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF

GT Contábil Outubro/2012. Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF GT Contábil Outubro/2012 Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF Última Atualização: outubro/2012 2 ATIVO IMOBILIZADO Visão Geral do Processo Ativo Imobilizado Identificação

Leia mais

10. AQUISIÇÃO DE INVESTIMENTOS COM GOODWILL, QUANDO O VALOR JUSTO É IGUAL AO VALOR PATRIMONIAL

10. AQUISIÇÃO DE INVESTIMENTOS COM GOODWILL, QUANDO O VALOR JUSTO É IGUAL AO VALOR PATRIMONIAL 790 E S A F 9. GANHOS POR COMPRA VANTAJOSA - JUSTO PAGO GANHO POR COMPRA VANTAJOSA CUSTO DE JUSTO 10. AQUISIÇÃO DE INVESTIMENTOS COM GOODWILL, QUANDO O JUSTO É IGUAL AO PATRIMONIAL goodwillvalor justoigual

Leia mais

ANEXO I UTILIZAÇÃO DE SUBCONTAS NA ADOÇÃO INICIAL, AJUSTE A VALOR PRESENTE E AVALIAÇÃO A VALOR JUSTO

ANEXO I UTILIZAÇÃO DE SUBCONTAS NA ADOÇÃO INICIAL, AJUSTE A VALOR PRESENTE E AVALIAÇÃO A VALOR JUSTO ANEXO I UTILIZAÇÃO DE SUBCONTAS NA ADOÇÃO INICIAL, AJUSTE A VALOR PRESENTE E AVALIAÇÃO A VALOR JUSTO EXEMPLO 1 ADOÇÃO INICIAL - DIFERENÇA A SER ADICIONADA Arts. 163 e 164 - Aquisição de terreno em 02/02/2013

Leia mais

CENÁRIO ATUAL DA CONTABILIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

CENÁRIO ATUAL DA CONTABILIDADE PÚBLICA BRASILEIRA CONTABILIDADE PATRIMONIAL APLICADA AO SETOR PÚBLICO: UMA ABORDAGEM PRÁTICA Palestrante:André Ricardo Batista E-mail andrericardo@tce.pe.gov.br Facebook: Andre Ricardo Batista Tel. 081 3181-7677 1 CENÁRIO

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Locações Locações Formas de Financiamento Noções de Leasing Leasing Financeiro vs Leasing Operacional Lançamentos: Leasing Financeiro Contrato Pagamento das rendas

Leia mais

CIRCULAR. Assunto: ORIENTAÇÃO DE GESTÃO DIRIGIDA A PROJECTOS APOIADOS NO ÂMBITO DO SISTEMA DE INCENTIVOS QREN

CIRCULAR. Assunto: ORIENTAÇÃO DE GESTÃO DIRIGIDA A PROJECTOS APOIADOS NO ÂMBITO DO SISTEMA DE INCENTIVOS QREN CIRCULAR N/REFª: 37/11 DATA: 07 Abril 2011 Assunto: ORIENTAÇÃO DE GESTÃO DIRIGIDA A PROJECTOS APOIADOS NO ÂMBITO DO SISTEMA DE INCENTIVOS QREN Exmos. Senhores, Vimos informar que se encontra disponível

Leia mais

André da Silva Nogueira Profiling de aplicações Web : Estudo comparativo entre aplicações Java Web e aplicações RoR

André da Silva Nogueira Profiling de aplicações Web : Estudo comparativo entre aplicações Java Web e aplicações RoR ˲ ª» ¼ ¼» ¼± Ó ² ± Û ½± ¼» Û²¹»² André da Silva Nogueira Profiling de aplicações Web : Estudo comparativo entre aplicações Java Web e aplicações RoR Outubro de 2014 ˲ ª» ¼ ¼» ¼± Ó ² ± Û ½± ¼» Û²¹»²

Leia mais

ANEXO I. Declaração de Trabalho Informal, Autônomo, Prestador de Serviços ou Profissional Liberal

ANEXO I. Declaração de Trabalho Informal, Autônomo, Prestador de Serviços ou Profissional Liberal ANEXO I Declaração de Trabalho Informal, Autônomo, Prestador de Serviços ou Profissional Liberal Eu,, portador do RG.. - e CPF.. -, residente à rua, nº, bairro Cidade -. Declaro sob as penas da lei e para

Leia mais

MODELO DECLARAÇÃO DE TRABALHO INFORMAL. OBS: proibido ser digitado, tem que ser de próprio punho (à mão).

MODELO DECLARAÇÃO DE TRABALHO INFORMAL. OBS: proibido ser digitado, tem que ser de próprio punho (à mão). DE TRABALHO INFORMAL complemento, bairro, cidade/estado), declaro que trabalho informalmente de (especificar ramo de atividade) com renda mensal aproximada no valor de R$ (especificar valor). OBS: reconhecer

Leia mais

Roteiro para elaboração de laudo de avaliação de empresa

Roteiro para elaboração de laudo de avaliação de empresa Roteiro de Laudo de Avaliação A elaboração de um Laudo de Avaliação de qualquer companhia é realizada em no mínimo 5 etapas, descritas sumariamente a seguir: 1ª. Etapa - Conhecimento inicial do negócio

Leia mais

Gestão de Operações. Introdução a Engenharia de Produção

Gestão de Operações. Introdução a Engenharia de Produção Gestão de Operações Introdução a Engenharia de Produção Operações e Produtividade Produção: criação de bens e serviços Gestão de operações: conjunto de atividades que criam os bens e serviços por meio

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 09/2014

NOTA TÉCNICA Nº 09/2014 NOTA TÉCNICA Nº 09/2014 Brasília, 4 de abril de 2014. ÁREA: Contabilidade Municipal TÍTULO: Tratamento Contábil das Despesas do Programa Mais Médicos REFERÊNCIA(S): Portaria SGTES nº 30, de 12/02/2014

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis. Prof.: Marcelo Valverde ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 12- Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade III. Análise avançada das demonstrações contábeis 3.1 Análise do

Leia mais

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística

1. Conceitos básicos: Fornecer um maior Nível de Serviço. Ao menor custo logístico possível. Objetivo da Logística CUSTOS LOGÍSTICOS O objetivo de apuração dos Custos Logísticos é o de estabelecer políticas que possibilitem às empresas, simultaneamente, uma redução nos custos e a melhoria do nível de serviço oferecido

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

Do cadastramento da Instituição de Ensino:

Do cadastramento da Instituição de Ensino: DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO E CURSOS DE NÍVEL MÉDIO E SUPERIOR,. NO ÂMBITO DAS PROFISSÕES INSERIDAS NO SISTEMA ONFEA/CREA, PARA CONCESSÃO DE TÍTULOS, ATRIBUIÇÕES

Leia mais

Sistema Brena de Automação Comercial 1 SISTEMA BRENA. de Automação Comercial FISCAL & CONTÁBIL. Manual de Referência do Usuário. www.brena.com.

Sistema Brena de Automação Comercial 1 SISTEMA BRENA. de Automação Comercial FISCAL & CONTÁBIL. Manual de Referência do Usuário. www.brena.com. Sistema Brena de Automação Comercial 1 SISTEMA BRENA de Automação Comercial 02 FISCAL & CONTÁBIL Manual de Referência do Usuário Versão 2015 Sistema Brena de Automação Comercial 2 2. Fiscal 2.1. Gera Nota

Leia mais

Preservação Digital de Património: paradigmas, estratégias e instrumentos no âmbito da DGPC

Preservação Digital de Património: paradigmas, estratégias e instrumentos no âmbito da DGPC Preservação Digital de Património: paradigmas, estratégias e instrumentos no âmbito da DGPC Paulo Ferreira da Costa Divisão do Património Imóvel, Móvel e Imaterial / Departamento dos Culturais 1.º Seminário

Leia mais

O CABES - Centro de Análise de Benefícios ao Estudante atesta ter recebido de. Nome Prontuário Aluno regularmente matriculado (a) no Curso

O CABES - Centro de Análise de Benefícios ao Estudante atesta ter recebido de. Nome Prontuário Aluno regularmente matriculado (a) no Curso FIEO - Fundação Instituto de Ensino para Osasco PROTOCOLO - ALUNOS VETERANOS Deve ser preenchido pelo aluno, carimbado, assinado e datado por funcionário do CABES O CABES - Centro de Análise de Benefícios

Leia mais

PF1=AJUDA PF2=DETALHA PF3=SAI PF7=RECUA PF8=AVANCA PF12=RETORNA

PF1=AJUDA PF2=DETALHA PF3=SAI PF7=RECUA PF8=AVANCA PF12=RETORNA 06/10/08 21:56 M M17163PO USUARIO : ALEXANDRE PAGINA : 1 PREFIXO DA CONTA : 34490.51 CONTA TITULO SISTEMA 34490.51.00 OBRAS E INSTALACOES 34490.51.80 ESTUDOS E PROJETOS FINANCEIRO 34490.51.84 INTEGRACAO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Projeto de Programação Visual Externa - Diversas Agências e Postos Bancários

MEMORIAL DESCRITIVO. Projeto de Programação Visual Externa - Diversas Agências e Postos Bancários MEMORIAL DESCRITIVO Projeto de Programação Visual Externa - Diversas Agências e Postos Bancários FINALIDADE O presente memorial tem por finalidade orientar a elaboração do projeto de programação visual

Leia mais

Preçário BANIF GO IFIC, SA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO

Preçário BANIF GO IFIC, SA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO. Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Preçário BANIF GO IFIC, SA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO Consulte o FOLHETO DE COMISSÕES E DESPESAS Consulte o FOLHETO DE TAXAS DE JURO Data de Entrada em vigor: 01-Out-2011 O Preçário completo BANIF

Leia mais

10.4 SALDO FINANCEIRO DE CAIXA

10.4 SALDO FINANCEIRO DE CAIXA renda e proventos de qualquer natureza, incidente na fonte, sobre rendimentos pagos, a qualquer título, por eles, suas autarquias e pelas fundações que instituírem e mantiverem, bem como de parcelas dos

Leia mais

Gestão de Riscos de Segurança da Informação (Parte 01) Prof. Leonardo Lemes Fagundes

Gestão de Riscos de Segurança da Informação (Parte 01) Prof. Leonardo Lemes Fagundes Gestão de Riscos de Segurança da Informação (Parte 01) Prof. Leonardo Lemes Fagundes A superfície da terra apresenta uma variedade infinita de lugares. Deves fugir de uns e buscar outros. Todavia, deves

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2011. Sistema de Controle Patrimonial

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2011. Sistema de Controle Patrimonial INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2011 Versão: 01 Aprovação em: 22/12/2011 Unidade Responsável: Coordenadoria de Finanças e Patrimônio - CFP SPA: Sistema de Controle Patrimonial I FINALIDADE Estabelecer as diretrizes,

Leia mais

CPC 27 - IMOBILIZADO CPC - 27. Prof. Ms. Maurício F. Pocopetz

CPC 27 - IMOBILIZADO CPC - 27. Prof. Ms. Maurício F. Pocopetz CPC 27 - IMOBILIZADO CPC - 27 Prof. Ms. Maurício F. Pocopetz OBJETIVO É estabelecer o tratamento contábil para ativos imobilizados, de forma que os usuários possam discernir a informação sobre o investimento

Leia mais

Avaliação. As avaliações são realizadas, de acordo com os métodos que melhor se adequam ao imóveis em causa.

Avaliação. As avaliações são realizadas, de acordo com os métodos que melhor se adequam ao imóveis em causa. Apresentação A Real Consul uma empresa portuguesa, com uma estrutura de capital inteiramente nacional, que se dedica à consultoria e avaliação imobiliária desde 1995. A empresa combina um alto nível de

Leia mais

Elaborado e apresentado por:

Elaborado e apresentado por: A CONSTRUÇÃO CIVIL E AS REGRAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE - ALTERAÇÕES CONTÁBEIS E TRIBUTÁRIAS: LEIS 11.638/2007, 11.941/2009 e 12.973/2014 UMA VISÃO CONTÁBIL E TRIBUTÁRIA Elaborado e apresentado

Leia mais

Critérios de Avaliação do Ativo Investimentos

Critérios de Avaliação do Ativo Investimentos Critérios de Avaliação do Ativo Investimentos 10.1 - Conceitos Norma da lei societária: III os investimentos em participação no capital social de outras sociedades, ressalvado o disposto nos artigos 248

Leia mais

CAIProposta de Metodologia. simplificada de Avaliação para Registro Contábil

CAIProposta de Metodologia. simplificada de Avaliação para Registro Contábil CAIProposta de Metodologia simplificada de Avaliação para Registro Contábil FUNDAMENTAÇÃO LEGAL Resolução TCEES Nº 221 07 de dezembro de 2010 Art. 2º Para cumprimento do artigo anterior os jurisdicionados

Leia mais

1 - Um sistema do nível gerencial:

1 - Um sistema do nível gerencial: 1 - Um sistema do nível gerencial: Faculdade Câmara Cascudo Admiistração de Sistemas de Informação Professor: Felipe Denis Lista 3 Tipos e Classificação dos Sis Fonte: Laudon & Laudon SI Gerenciais informações

Leia mais

7h30 min às 8h15min Inglês Espanhol Espanhol Biologia Biologia. 9h às 9h45 min História Gramática Geografia Literatura Matemática

7h30 min às 8h15min Inglês Espanhol Espanhol Biologia Biologia. 9h às 9h45 min História Gramática Geografia Literatura Matemática 6º Ano A 7h30 min às 8h15min Inglês Espanhol Espanhol 8h15 min às 9h Filosofia Arte 9h às 9h45 min Gramática Geografia Literatura 10h05 min às 10h50 min Gramática Inglês 10h50 min às 11h35 min Geografia

Leia mais

7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos

7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos 7. Análise da Viabilidade Econômica de Projetos Exemplos de Aplicação de Projetos Cálculo do Valor de um Negócio ou Empresa; Avaliar Viabilidade de Projetos; Projetos para solicitação de Financiamentos.

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL PADRÃO Ref.: FIN-PGP-001_00 Emissão: 22/05/2013 P. 1/14 CARTÃO CORPORATIVO

PROCEDIMENTO GERENCIAL PADRÃO Ref.: FIN-PGP-001_00 Emissão: 22/05/2013 P. 1/14 CARTÃO CORPORATIVO Ref.: FIN-PGP-001_00 Emissão: 22/05/2013 P. 1/14 CARTÃO CORPORATIVO Ref.: FIN-PGP-001_00 Emissão: 22/05/2013 P. 2/14 SUMÁRIO 1. RESUMO DO PROCESSO... 3 2. FLUXOGRAMA... 4 3. OBJETIVO... 5 4. APLICAÇÃO...

Leia mais

Orientação para o envio dos Relatórios da Auditoria Contábil Independente

Orientação para o envio dos Relatórios da Auditoria Contábil Independente Orientação para o envio dos Relatórios da Auditoria Contábil Independente Abril/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 1.1. Área Responsável... 2 1.2. Base Legal... 2 1.3. Abrangência... 2 1.4. Objetivo... 2

Leia mais

4. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E MODELOS DE MENSURAÇÃO DOS RESULTADOS DIVISIONAIS

4. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E MODELOS DE MENSURAÇÃO DOS RESULTADOS DIVISIONAIS CONTABILIDADE GERENCIAL PROFESSOR DANIEL VIEGAS RIBAS FILHO 29 Material desenvolvido pela professora Marisa Gomes da Costa 4. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E MODELOS DE MENSURAÇÃO DOS RESULTADOS DIVISIONAIS

Leia mais

CPC 27 Ativo Imobilizado

CPC 27 Ativo Imobilizado CPC 27 Ativo Imobilizado CONCEITO DE ATIVO IMOBILIZADO A LEI 6.404/76, ARTIGO 179 CONCEITUA ATIVO IMOBILIZADO: OS DIREITOS QUE TENHAM POR OBJETO BENS CORPÓREOS DESTINADOS À MANUTENÇÃO DAS ATIVIDADES DA

Leia mais

Ministério da Cultura

Ministério da Cultura Ministério da Cultura MANUAL DO PROPONENTE: PRORROGAÇÃO DO PERÍODO DE CAPTAÇÃO VERSÃO 1.0 HISTÓRICO DE REVISÃO Data Versão Descrição Autor 26/03/2013 1.0 Criação do documento Aline Oliveira - MINC 3 ÍNDICE

Leia mais

SÓLIDA E CONFIAVEL. Também foi eleita e franquia com mais rápido retorno do investimento no Brasil pelo portal Terra.

SÓLIDA E CONFIAVEL. Também foi eleita e franquia com mais rápido retorno do investimento no Brasil pelo portal Terra. LIGADO EM VOCÊ A EMPRESA A é a única Franqueadora no Brasil que constituiu uma franquia que trabalha 24 horas alavancando o seu negócio. Melhor ainda, você tem controle e poder de conferência sobre sua

Leia mais

EDITAL DE APOIO A INICIATIVAS DE JOVENS PELA PROTEÇAO DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA DURANTE A COPA DO MUNDO DE 2014

EDITAL DE APOIO A INICIATIVAS DE JOVENS PELA PROTEÇAO DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA DURANTE A COPA DO MUNDO DE 2014 EDITAL DE APOIO A INICIATIVAS DE JOVENS PELA PROTEÇAO DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA DURANTE A COPA DO MUNDO DE 2014 INTRODUÇÃO Esse edital é fruto de uma parceria entre a Childhood Brasil e a OAK Foundation

Leia mais

IS - INSTRUÇÃO DE SERVIÇO

IS - INSTRUÇÃO DE SERVIÇO INSTRUÇÃO DE SERVIÇO: Controle dos seguros dos veículos da frota da empresa. OBJETIVO: Controlar os seguros de todos os veículos da frota da empresa. APLICAÇÃO: Contabilidade, Financeiro, Logística, Unidades

Leia mais

TABELA DE PREÇOS Março de 2014

TABELA DE PREÇOS Março de 2014 TABELA DE S Março de 2014 Avenida Moema, 300-12º andar - Moema - CEP 04077-020 - São Paulo - SP Tel: (11) 2344-2299 - Fax (11) 2344-2298 - vendas@fraiha.com.br / www.fraiha.com.br fls. 43 INFORMAÇÕES GERAIS

Leia mais

Rotina CONOR/SUNOT/CGE n.º 028/2014 Rio de Janeiro, 24 de março de 2014.

Rotina CONOR/SUNOT/CGE n.º 028/2014 Rio de Janeiro, 24 de março de 2014. Rotina CONOR/SUNOT/CGE n.º 028/2014 Rio de Janeiro, 24 de março de 2014. Trata a presente rotina dos procedimentos contábeis para registro dos Ajustes de Avaliação Patrimonial, objeto da Resolução CFC

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO - INTEGRADO

ADMINISTRAÇÃO - INTEGRADO EDITAL DE EXAMES FI ADMINISTRAÇÃO - INTEGRADO 07:30 às 09:00 Disciplina: Sociologia - Sala 7 Matemática - Sala 7 09:00 às 10:30 Disciplina: História - Sala 7 Redação e Literatura) - Sala 7 10:30 às 12:00

Leia mais

OS NOVOS CRITERIOS DE CONTABILIZAÇÃO DO ATIVO IMOBILIZADO

OS NOVOS CRITERIOS DE CONTABILIZAÇÃO DO ATIVO IMOBILIZADO OS NOVOS CRITERIOS DE CONTABILIZAÇÃO DO ATIVO IMOBILIZADO Kleber da Silva Garcia Univás -Pouso Alegre/MG Danilo Dias Presses Acadêmico do Curso Ciências Contábeis Univás - Pouso Alegre/MG RESUMO O ativo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAPIRACA SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO, EMPREGO, RENDA E QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAPIRACA SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO, EMPREGO, RENDA E QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAPIRACA SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO, EMPREGO, RENDA E QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL SECRETARIA DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO E SERVIÇOS/CASA INTEGRADA DO TRABALHO-SINE VAGAS DISPONÍVEIS

Leia mais

OTA - White Label. Conteúdos: Aéreo, Hotel, Carro e Seguro

OTA - White Label. Conteúdos: Aéreo, Hotel, Carro e Seguro WOOBA SISTEMAS DE INFORMÁTICA 2012 MANUAL de Configuração OTA - White Label Conteúdos: Aéreo, Hotel, Carro e Seguro Introdução Este manual foi desenvolvido no intuito de facilitar a integração do White

Leia mais

Relato Financeiro. Norma Contabilística e de Relato Financeiro 9 Locações. Mestrado em Contabilidade e Fiscalidade Empresarial

Relato Financeiro. Norma Contabilística e de Relato Financeiro 9 Locações. Mestrado em Contabilidade e Fiscalidade Empresarial Mestrado em Contabilidade e Fiscalidade Empresarial Relato Financeiro Norma Contabilística e de Relato Financeiro 9 Locações Coimbra, fevereiro de 2015 Docente: Doutora Cristina Góis Discente: Isabel Gaspar

Leia mais

!"#!$% %" & ' ( )*+,)-. / 0123144 56789 :;667

Leia mais

http://www.lgncontabil.com.br/

http://www.lgncontabil.com.br/ ATIVO IMOBILIZADO Considerações Gerais Sumário 1. Conceito 2. Classificação Contábil Das Contas do Ativo Imobilizado 3. Imobilizado em Operação 3.1 - Terrenos 3.2 - Edificações 3.3 - Instalações 3.4 -

Leia mais

Etec Professor Horácio Augusto da Silveira

Etec Professor Horácio Augusto da Silveira Etec Professor Horácio Augusto da Silveira 1. Química - (Base Nacional Comum Ensino Médio) Ciências com habilitação em Química (LP) Ciências da Natureza com habiltação em Química ( LP) Ciências Exatas

Leia mais

Autor: Eng. Antônio Lúcio de Andrade Moreira

Autor: Eng. Antônio Lúcio de Andrade Moreira Autor: Eng. Antônio Lúcio de Andrade Moreira Engenheiro Civil graduado pela FUMEC - Belo Horizonte/MG 1992; Diretor da empresa AM Projetos e Sistemas; Atuações como Perito Judicial na Justiça Estadual

Leia mais

PROJETO MOVIMENTE CRONOGRAMAS DE ATIVIDADES

PROJETO MOVIMENTE CRONOGRAMAS DE ATIVIDADES PROJETO MOVIMENTE O projeto MOVIMENTE pretende desenvolver o espírito de liderança, responsabilidade e respeito para com o próximo, fazendo com que os estudantes tornem-se totalmente responsáveis por seus

Leia mais

Núcleo Rotary de Desenvolvimento Comunitário NRDC Bairro Guaíra Três de Maio RS

Núcleo Rotary de Desenvolvimento Comunitário NRDC Bairro Guaíra Três de Maio RS I - ABERTURA GERAL Três de Maio, próspero município, com 24 mil habitantes, predominantemente descendentes de alemães, italianos e poloneses, na região noroeste do Rio Grande do Sul, foi emancipado em

Leia mais

CORRESPONDENTE CAIXA AQUI NEGOCIAL

CORRESPONDENTE CAIXA AQUI NEGOCIAL CORRESPONDENTE CAIXA AQUI NEGOCIAL Renovação de Crédito Consignado Modelo Automatizado VERSÃO 2.0 Julho 2014 ÍNDICE 1. CADASTRO DE CLIENTES... 3 2. SIMULAÇÃO DA OPERAÇÃO... 6 3. SOLICITAÇÃO DA PROPOSTA

Leia mais

PATRIMÔNIO E CONTROLE INTERNO DE ACORDO COM AS NORMAS BRASILEIRAS DE AO SETOR PÚBLICO NBCASP. Palestrante: Prof. Milton Mendes Botelho

PATRIMÔNIO E CONTROLE INTERNO DE ACORDO COM AS NORMAS BRASILEIRAS DE AO SETOR PÚBLICO NBCASP. Palestrante: Prof. Milton Mendes Botelho PATRIMÔNIO E CONTROLE INTERNO DE ACORDO COM AS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBCASP. Palestrante: Prof. Milton Mendes Botelho Conselheiro do CRCMG e Membro da Academia

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I V - CADERNO DE EXERCÍCIOS Imobilizações ANO LECTIVO 2004/2005 1º SEMESTRE Exercício 29 A empresa Sempre a dever,

Leia mais

ABC das Finanças. Aprendizagem Rápida e Fácil em Finanças. José Carlos Lucentini. Novatec

ABC das Finanças. Aprendizagem Rápida e Fácil em Finanças. José Carlos Lucentini. Novatec ABC das Finanças Aprendizagem Rápida e Fácil em Finanças José Carlos Lucentini Novatec Capítulo 1 Constituição do balanço patrimonial A distância não é o mais importante, mas o primeiro passo a ser dado.

Leia mais

4a. Depreciação do Ativo Imobilizado

4a. Depreciação do Ativo Imobilizado 4a. Depreciação do Ativo Imobilizado 4a. Depreciação do Ativo Imobilizado Balanço Patrimonial: ATIVO PASSIVO Circulante Circulante Realiz. Longo Prazo Exigível a Longo Prazo Permanente Patrimônio Líquido

Leia mais

PROCESSO DE CONVERGÊNCIA DA CONTABILIDADE PÚBLICA MUNICIPAL. Parte 2 Procedimento Contábil da Depreciação

PROCESSO DE CONVERGÊNCIA DA CONTABILIDADE PÚBLICA MUNICIPAL. Parte 2 Procedimento Contábil da Depreciação PROCESSO DE CONVERGÊNCIA DA CONTABILIDADE PÚBLICA MUNICIPAL Parte 2 Procedimento Contábil da Depreciação Como visto na parte 1, ao concluir a identificação e o respectivo registro de cada bem permanente

Leia mais

ARRENDAMENTO MERCANTIL LEASING

ARRENDAMENTO MERCANTIL LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL LEASING LÚCIA HELENA BRISKI YOUNG De acordo com as Leis 6.099/74, art. 1º, e 7.132/83, considera-se arrendamento mercantil o negócio jurídico realizado entre pessoa jurídica, na

Leia mais

PIS-COFINS: receita bruta - o debate entre o direito e o fato contábil - Lei 12.973/14. Classificação contábil de imóveis e suas repercussões

PIS-COFINS: receita bruta - o debate entre o direito e o fato contábil - Lei 12.973/14. Classificação contábil de imóveis e suas repercussões PIS-COFINS: receita bruta - o debate entre o direito e o fato contábil - Lei 12.973/14 Classificação contábil de imóveis e suas repercussões Lei das S/A - 1976 - Circulante - Realizável a longo prazo ATIVO

Leia mais

12 PLANILHAS DE CUSTO E DIFERIMENTO PARA EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL.

12 PLANILHAS DE CUSTO E DIFERIMENTO PARA EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. 12 PLANILHAS DE CUSTO E DIFERIMENTO PARA EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. I Introdução 1 Comentários Gerais As planilhas a seguir descritas foram desenvolvidas com base na legislação aplicável às empresas

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 10.462

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 10.462 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 10.462 Regulamenta critérios para operação e manutenção de reservatórios de água potável superiores e inferiores (cisternas), de estabelecimentos

Leia mais

Apartir da identificação das falhas poderão ser processadas modificações racionalizantes em todo o sistema.

Apartir da identificação das falhas poderão ser processadas modificações racionalizantes em todo o sistema. Gráficos Os gráficos podem ser divididos em dois grupos: Gráficos Informacionais Gráfico é a representação de dados sobre uma superfície plana, através de diferentes formas, de modo a facilitar a visualização

Leia mais

Apresentação 4T11 & 2011. Abril, 2012

Apresentação 4T11 & 2011. Abril, 2012 Apresentação Resultados 4T11 & 2011 Abril, 2012 Destaques & Eventos Recentes Balanço do ano de 2011 Processo de integração da Agre: SAP; Revisão orçamentária; Processo contábil de combinação de negócios

Leia mais

Importância dos Fluxos de Caixa na Avaliação Econômica

Importância dos Fluxos de Caixa na Avaliação Econômica Importância dos Fluxos de Caixa na Avaliação Econômica O fluxo de caixa resume as entradas e as saídas efetivas de dinheiro ao longo do horizonte de planejamento do projeto, permitindo conhecer sua rentabilidade

Leia mais

Software. Módulo do GDM que funciona em plataforma Web Gerenciamento de Manutenção

Software. Módulo do GDM que funciona em plataforma Web Gerenciamento de Manutenção Software Módulo do GDM que funciona em plataforma Web Gerenciamento de Manutenção GDM Web O GDM Web é um módulo do GDM que funciona em plataforma Web (Intranet ou Internet) e amplia a utilização do GDM,

Leia mais

Plano de Contas Pag.: 1 de 7

Plano de Contas Pag.: 1 de 7 Plano de Contas Pag.: 1 de 7 1 ATIVO 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 ATIVO DISPONIVEL 1.1.1.001 NUMERARIOS 1.1.1.001.0001-0 CAIXA PEQUENO 11110 X 1.1.1.002 BANCOS CONTA MOVIMENTO 1.1.1.002.0001-5 BANCO BRADESCO

Leia mais

Anexo em 31 de Dezembro de 2014 Anexo 31 de Dezembro de 2014

Anexo em 31 de Dezembro de 2014 Anexo 31 de Dezembro de 2014 Anexo 31 de Dezembro de 2014 Associação Escola 31 de Janeiro 1 Índice 1- IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE... 3 2- REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS... 3 3 - PRINCIPAIS POLÍTICAS

Leia mais

PLANOS CURRICULARES DOS CURSOS PROFISSIONAIS

PLANOS CURRICULARES DOS CURSOS PROFISSIONAIS PLANOS CURRICULARES DOS CURSOS PROFISSIONAIS TÉCNICO DE CONTABILIDADE Componentes de Economia 200 Contabilidade Geral e Analítica 600 Direito das Organizações 240 Cálculo Financeiro e Estatística Aplicada

Leia mais

GESTÃO DE BENS INTEGRANTES DO ATIVO MUNICIPAL

GESTÃO DE BENS INTEGRANTES DO ATIVO MUNICIPAL GESTÃO DE BENS INTEGRANTES DO ATIVO MUNICIPAL Heraldo da Costa Reis Coordenador do CEIF ENSUR/IBAM As seguintes questões nos foram encaminhadas para estudos e avaliações, tendo em vista as NBC Ts 16.9

Leia mais

Engenharia de Software II: Definindo Projeto I. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Definindo Projeto I. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Definindo Projeto I Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Definição de Projeto, Operação, Programa e Portfólio. Stakeholders. O que é Gerenciamento de

Leia mais

Redes de computadores N Laboratório 01. Luiza Eitelvein 181375

Redes de computadores N Laboratório 01. Luiza Eitelvein 181375 Redes de computadores N Laboratório 01 Luiza Eitelvein 181375 Exercícios 1) a) Teorema de Shannon : MCs = B log₂(1+s/n) 40 db = 10 log(s/n) 4 = log(s/n) S/N = 10⁴ MCs = 3100 log₂(1+10000) = 3100 ( (log

Leia mais

ATIVO IMOBILIZADO (Aspectos Societários e Fiscais)

ATIVO IMOBILIZADO (Aspectos Societários e Fiscais) ATIVO IMOBILIZADO (Aspectos Societários e Fiscais) contato@agmcontadores.com.br 2015 Janeiro-2015 2 BALANÇO PATRIMONIAL (Nova Composição do Ativo) CIRCULANTE 2014 2013 Disponibilidades Direitos Realizáveis

Leia mais

RECUPERÇÃO DE DADOS. Análise da la informação que mais valoram os clientes. Junho 2011

RECUPERÇÃO DE DADOS. Análise da la informação que mais valoram os clientes. Junho 2011 RECUPERÇÃO DE DADOS Análise da la informação que mais valoram os clientes Junho 2011 1 ÍNDICE 1. Introdução... 3 2. Classificação dos tipos de dados... 4 3. Classificação por zona geográfica... 5 3.1.

Leia mais

Design Disruptivo a serviço de um mundo melhor v

Design Disruptivo a serviço de um mundo melhor v Design Disruptivo a serviço de um mundo melhor v Design como ferramenta de negócios ! CONFIDENTIAL MATERIAL CONFIDENCIAL WARNING* * Este material contido em nossa apresentação e qualquer material ou *

Leia mais

Modelos de Sistemas Leitura: Sommerville; Pressman

Modelos de Sistemas Leitura: Sommerville; Pressman Modelos de Sistemas Leitura: Sommerville; Pressman Auxiliadora Freire Fonte: Engenharia de Software 8º Edição / Ian Sommerville 2007 Slide 1 Objetivos Explicar por que é importante modelar o contexto de

Leia mais

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro:

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro: Juro Simples Juro: é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Capital: qualquer valor expresso em moeda e disponível

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

GESTÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES. Introdução aos estudos da Administração da Produção

GESTÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES. Introdução aos estudos da Administração da Produção GESTÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Introdução aos estudos da Administração da Produção 1 Introdução aos estudos da Administração da Produção UNIDADE I Evolução Histórica Objeto de estudo: ambiente, contexto

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I

GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I FACULDADE CAPIVARI - FUCAP GESTÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA I Prof. Msc. Fabiano Pires de Oliveira 1 CAPITULO 5 CRITERIOS PARA ANALISE DE PROJETOS Critérios mais utilizados no mercado: Fluxo de Caixa VPL

Leia mais

Editorial. Um abraço e até a próxima! Stella Cintra Diretora-presidente

Editorial. Um abraço e até a próxima! Stella Cintra Diretora-presidente Editorial O mês de julho foi marcado por grandes acontecimentos. Um deles foi a comemoração dos 2 anos do projeto Marc Romano. Desejamos aos alunos, professores, voluntários e coordenação do projeto nossos

Leia mais

F e r n a n d o P r i o s t e L a n d P r o M a d a l e n a F e r n a n d e s L a n d c o b a J o s é R e n a t o M a c h a d o S e r p e n

F e r n a n d o P r i o s t e L a n d P r o M a d a l e n a F e r n a n d e s L a n d c o b a J o s é R e n a t o M a c h a d o S e r p e n L E VA N TA M E N TO S P L A N I A LT I M É T R I C O S P O R L A S E R S C A N PA R A P R O J E TO S E X E C U T I V O S E C A DA S T R O D E R O D O V I A S F e r n a n d o P r i o s t e L a n d P r

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA I ANÁLISE DE INVESTIMENTOS. Prof. Edson de Oliveira Pamplona Prof. José Arnaldo Barra Montevechi OBJETIVO

ENGENHARIA ECONÔMICA I ANÁLISE DE INVESTIMENTOS. Prof. Edson de Oliveira Pamplona Prof. José Arnaldo Barra Montevechi OBJETIVO ENGENHARIA ECONÔMICA I ANÁLISE DE INVESTIMENTOS Prof. Edson de Oliveira Pamplona Prof. José Arnaldo Barra Montevechi 2000 OBJETIVO Capacitar os participantes a analisar a viabilidade econômica e financeira

Leia mais

Soluções Inteligentes

Soluções Inteligentes Soluções Inteligentes APRESENTAÇÃO A TOPO INTELLIGENCE iniciou suas atividades na cidade de Barreiras em 2008, oferecendo a mais completa solução em gerenciamento de informações para atender todos os segmentos.

Leia mais

Renda Extra, Trabalho em casa, Envio de currículo e solicitação de pessoal, Aquisição de Espaço publicidade, Aquisição de Créditos para compra

Renda Extra, Trabalho em casa, Envio de currículo e solicitação de pessoal, Aquisição de Espaço publicidade, Aquisição de Créditos para compra Renda Extra, Trabalho em casa, Envio de currículo e solicitação de pessoal, Aquisição de Espaço publicidade, Aquisição de Créditos para compra programada, Cestas básica e outros. Trabalho e Renda para

Leia mais

PORTARIA CONJUNTA Nº 703, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014

PORTARIA CONJUNTA Nº 703, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 PORTARIA CONJUNTA Nº 703, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 Dispõe sobre procedimentos e requisitos gerais para mensuração, atualização, reavaliação e depreciação dos bens imóveis da União, autarquias, e fundações

Leia mais

Educação Física Educação Física (LP) História Estudos Sociais com Habilitação em História (LP) Filosofia (LP) História (LP)

Educação Física Educação Física (LP) História Estudos Sociais com Habilitação em História (LP) Filosofia (LP) História (LP) Educação Física Educação Física (LP) História Estudos Sociais com Habilitação em História (LP) Filosofia (LP) História (LP) Língua Portuguesa e Literatura Letras com Habilitação em Lingua Portuguesa (LP)

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Habilitação Profissional: habilitação Profissional técnica de nível médio de técnico em administração

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Habilitação Profissional: habilitação Profissional técnica de nível médio de técnico em administração Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEc de Ribeirão Pires Código: 141 Município: Ribeirão Pires/Mauá Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: habilitação Profissional técnica

Leia mais

A CONTABILIDADE DA MATRIZ E DA FILIAL UMA PROPOSTA DE CONTROLE GERENCIAL

A CONTABILIDADE DA MATRIZ E DA FILIAL UMA PROPOSTA DE CONTROLE GERENCIAL A CONTABILIDADE DA MATRIZ E DA FILIAL UMA PROPOSTA DE CONTROLE GERENCIAL ABSTRACT Branch office operations expand a busines s ability to attract new markets by providing products or services at locations

Leia mais

Por favor, entre em contato com nosso Departamento de Contabilidade para solicitar uma cópia do seu informe de rendimento através do fone

Por favor, entre em contato com nosso Departamento de Contabilidade para solicitar uma cópia do seu informe de rendimento através do fone CREDENCIADOS Como proceder para obter o informe de rendimento para declaração do imposto de renda? Assunto Imposto de Renda Por favor, entre em contato com nosso Departamento de Contabilidade para solicitar

Leia mais

Configuração da Impressora no modo Configuração Direta :

Configuração da Impressora no modo Configuração Direta : Configuração de Impressoras de Talões / Cozinha Existem duas formas possíveis de configuração das impressoras de talões / cozinha : 1. Configurar diretamente pelas portas. 2. Configurar a impressora no

Leia mais

TAX TAX COMPLIANCE. Controles do Fisco x Contribuinte. 10 de junho de 2013

TAX TAX COMPLIANCE. Controles do Fisco x Contribuinte. 10 de junho de 2013 TAX TAX COMPLIANCE Controles do Fisco x Contribuinte 10 de junho de 2013 Sistemas de Fiscalização/Arrecadação da RFB Sistemas da RFB: HARPIA - Sistema de inteligência artificial desenvolvido pela Secretaria

Leia mais

Serviços de Family Office

Serviços de Family Office www.switzerland-family-office.com/br/servicos-do-family-office/ Serviços de Family Office Um family office profissional pode oferecer a seus clientes um amplo leque de serviços diferentes. Nesta página

Leia mais

Art. 5º. Ficam revogadas as disposições em contrário.

Art. 5º. Ficam revogadas as disposições em contrário. PROJETO DE LEI Nº 004/2014. DISPÕE SOBRE: AUTORIZA O PODER EXECUTIVO A DOAR TERRENO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PICUI - PB Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono

Leia mais

Campanha Para Citroën C4 Picasso: Banner Interstitial 1

Campanha Para Citroën C4 Picasso: Banner Interstitial 1 Campanha Para Citroën C4 Picasso: Banner Interstitial 1 Laura Silva RATTO 2 Marcela Noéli Fernandes CALÓ 3 Juliana Cabrillano GUIMARÃES 4 Prof. Dra. Paula Renata Camargo de JESUS 5 Universidade Presbiteriana

Leia mais

3ª DIVISÃO DE LEVANTAMENTO PROJETO DE MAPEAMENTO DO ESTADO DA BAHIA

3ª DIVISÃO DE LEVANTAMENTO PROJETO DE MAPEAMENTO DO ESTADO DA BAHIA 3ª DIVISÃO DE LEVANTAMENTO DO ESTADO DA BAHIA 1º Ten QEM João Alberto Batista de Carvalho 1º Ten QEM Raphael Luiz França Greco ESTADO DA BAHIA População: 15.044.137 Área(km²): 564.733,177 Número de Municípios:

Leia mais