MATEMÁTICA FINANCEIRA NA GESTÃO FLORESTAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MATEMÁTICA FINANCEIRA NA GESTÃO FLORESTAL"

Transcrição

1 Uiversidade de São Paulo - Escola Superior de Agriculura 'Luiz de Queiroz' MATEMÁTICA FINANCEIRA NA GESTÃO FLORESTAL Avaliação de Projeos Floresais (Técicas de Maemáica Fiaceira) Prof. Luiz Carlos Esraviz Rodriguez Aposila para uso exclusivo dos aluos da disciplia LCF685 Ecoomia de Recursos Floresais. É proibida qualquer ciação do odo ou pare dese maerial sem a prévia auorização do auor. Piracicaba São Paulo - Brasil Maio - 26

2 CONTEÚDO 1. JUROS JUROS SIMPLES ERSUS JUROS COMPOSTOS COMPONENTES DA TAXA DE JUROS LINHA DE TEMPO FINAL DE UM ANO FÓRMULAS BÁSICAS DE JUROS SÉRIES DE PAGAMENTOS SÉRIES FINITAS alor fuuro de uma série aual fiia alor presee de uma série aual fiia alor fuuro de uma série periódica fiia alor presee de uma série periódica fiia SÉRIES PERPÉTUAS alor presee de uma série aual perpéua alor presee de uma série periódica perpéua FUNDO DE ACUMULAÇÃO DE CAPITAL FÓRMULA DE CÁLCULO DA PRESTAÇÃO DE UM FINANCIAMENTO PLANILHA DE AMORTIZAÇÃO TAXAS DE JUROS EFETIA ERSUS NOMINAL CAPITALIZAÇÃO CONTÍNUA COM TAXAS INSTANTÂNEAS RELAÇÃO ENTRE INFLAÇÃO E JUROS REAIS ACRÉSCIMO E ABATIMENTO DE JUROS ÁRORE DE DECISÃO PARA FÓRMULAS DE JUROS COMPOSTOS...3 PARTE II. CRITÉRIOS DE AALIAÇÃO DE PROJETOS PARTE III. APLICAÇÕES FLORESTAIS Baseado os capíulos iiciais de: Guer, Joh E. e Harry L. Haey Jr Esseials of Foresry Ivesme Aalysis, OSU Book Sores Ic., Corvalis, 154 pp.

3 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal 1 1. Juros Os juros são resposáveis pelo equilíbrio ere ofera e demada de capial. É o reoro obido a parir de ivesimeos produivos de capial. Pode ser imagiado como uma reda paga pelo usuário de uma cera quaia moeária àquele que de uma forma ou de oura cede o seu direio de uso dessa quaia. A axa de juros expressa um valor emporal. Pode ser defiida como uma reda (a forma de uma axa perceual) por um deermiado período de empo (geralmee um ao). Assim, uma axa de 1% a.a. pode sigificar que uma reda de R$,1 será paga para cada R$1, ao fial de um ao, oalizado R$1,1. Desa forma, R$1, o começo do ao e R$1,1 o fial do mesmo ao são valores equivalees a juros de 1% a.a. Da mesma forma como R$1, o começo do ao e R$1,2 o fial são valores equivalees a juros de 2% a.a Juros Simples versus Juros Composos Os dois ipos de juros, simples e composo, diferem quao a forma como os juros são pagos o processo de acumulação. O juro simples é pago aualmee com base somee o pricipal iicial. O juro composo aparece quado o pagameo de juros se dá de forma acumulaiva em adição ao pricipal iicial. O seguie exemplo ilusra essa difereça: Exemplo I: Quais são os gahos sobre uma soma pricipal iicial de R$1, reida durae rês aos a uma axa de juros aual de 1% (a) assumido-se juros simples? (b) assumido-se juros composos? Juros Simples (R$) Juros Composos (R$) Ao 1 Ao 2 Ao 3 Ao 1 Ao 2 Ao 3 Pricipal , Juro aual ,1 Pricipal + juros ,1 Os gahos a juros simples são de R$3,. Os gahos a juros composos são de R$33,1. A difereça de R$3,1 se deve à forma como ocorre a acumulação dos juros. Recomeda-se o uso de juros composos a aálise de ivesimeos com vida superior a um período de capialização, pois a maioria das oporuidades de gaho de reda se baseia em juros composos. São exemplos os cerificados de depósio bacário, cadereas de poupaça, ec.

4 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal Compoees da Taxa de Juros Uma axa de juros é ormalmee dividida em rês pares. O mais comum é ecorar essas axas um compoee devido à preferêcia emporal, um ao risco e ouro à ecessidade de correção moeária, apesar desses compoees ão serem facilmee ideificados a práica. Por exemplo, uma axa de juros de 12% a.a. pode ser resulado de uma axa que expressa preferêcia emporal (digamos 3% a.a.), mais uma pare pelo risco de iadimplêcia (digamos 2% a.a.), e oura pare por coa da reposição devida a alerações o poder de roca da moeda (digamos 7% a.a.). Assumido um ível geral de preços cosae e uma siuação sem riscos, a preferêcia emporal expressa (em ermos perceuais) o cosumo adicioal ecessário para que um idivíduo se mosre idiferee ere possuir uma deermiada quaia hoje e uma quaia maior o fuuro. Quao maior a axa de preferêcia emporal, mais o idivíduo valoriza o cosumo presee em oposição à possibilidade de obeção de fuuras graificações. O compoee de preferêcia emporal é freqüeemee chamado de juro puro ou sem risco. É a axa média gaha em capiais ivesidos, livre siuações imprevisíveis e de riscos de iadimplêcia. Algus ivesimeos ão são ão seguros e apreseam um grade risco de iadimplêcia. A exploração perolífera, por exemplo, apresea um risco muio maior do que uma caderea de poupaça. As isiuições de emprésimo compesam o risco acresceado um exra à axa pura. Quao mais arriscado o ivesimeo, maior esse acréscimo. Por exemplo, uma isiuição de crédio pode empresar a uma axa de 12% a.a. o caso de fiaciameos segurados e a uma axa de 15% a.a. o caso de fiaciameos comus. A difereça de 3% a.a. expressa o risco da úlima aleraiva. O ouro compoee de uma axa de juros, a correção moeária, deve ser icluída o cálculo quado se aecipa a ocorrêcia de uma redução o poder de compra da moeda. De oura forma, as isiuições de emprésimo ão seriam adequadamee compesadas pelo uso do diheiro que empresam. Por exemplo, se uma deermiada quaia em diheiro é fiaciada a 1% a.a. e a iflação média aual é de 1% a.a., o omador do emprésimo eria obido um fiaciameo iseo de juros. Nauralmee, o omador gosaria desse egócio. Os fiaciadores, por ouro lado, ão. Nese caso, se cosiderada a iflação, a axa de emprésimo real deveria ser acrescida dos 1% a.a. referees à iflação. As axas correes de emprésimo ormalmee refleem os rês compoees acima ciados. Uma axa de juros real iclui preferêcia emporal e risco, mas ão iclui a iflação. A esimação da axa de juros apropriada será reomada uma próxima seção, assim como os procedimeos adequados para raar da iflação. No presee momeo, cosideraremos que a axa de juros refleirá preferêcia emporal e risco, e poderá, depededo do coexo, icluir os efeios da iflação.

5 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal Liha de empo Todos os ivesimeos possuem uma dimesão emporal que pode ser represeada visualmee como uma liha de empo. Uma liha de empo é simplesmee um diagrama que represea o empo ao logo de um eixo horizoal. As receias são mosradas acima dessa liha com um sial posiivo (+) e os cusos abaixo da liha com um sial egaivo (-). O seguie exemplo ilusra a cosrução de uma liha de empo. Exemplo II: Uma liha de empo para uma deermiada oporuidade de ivesimeo que apresea um pagameo iicial de R$5., um cuso aual de R$8, e uma receia ao fial de 4 aos de R$3. poderia ser represeada da seguie forma: Receias +R$3. Aos Cusos -R$5 -R$8 -R$8 -R$8 -R$8 A uilidade de uma liha de empo aumea com a complexidade do problema de ivesimeo aalisado. As lihas de empo auxiliam o aalisa a visualização das ier-relações ere os valores e o seu fluxo ao logo do empo. O arifício que permiirá a comparação de valores ocorredo em diferees isaes o empo é o juro composo Fial de um ao No Exemplo II e ao logo dese rabalho, assume-se que os cusos e receias ocorrem o fim de cada iervalo de empo básico. Algus aalisas preferem cosiderar que os cusos ocorrem o começo e as receias o fim. Cosiderar que os pagameos ocorrem o fim de cada ao ou período simplifica cosideravelmee os cálculos. De oura forma algus ajuses eriam que ser feios as fórmulas.

6 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal 4 2. Fórmulas Básicas de Juros Todos os problemas evolvedo juros composos, podem ser divididos em duas caegorias: problemas evolvedo um úico pagameo ou problemas evolvedo séries de pagameos. Ao corário dos problemas evolvedo o pagameo de uma úica quaia, as séries evolvem vários pagameos ocorredo em iervalos regulares. As séries podem aida ser classificadas como fiias ou perpéuas, auais ou periódicas. Séries fiias apreseam um úlimo pagameo. Séries perpéuas coiuam idefiidamee. Séries auais apreseam pagameos auais, de fao ocorredo a iervalos idêicos à periodicidade da axa de juros usada a aálise. Séries periódicas apreseam pagameos separados por iervalos de dois ou mais aos. O cohecimeo das fórmulas básico permiirá a aálise e o eedimeo dos mais complexos problemas. Fórmula de juros composos. O desevolvimeo da fórmula de juros composos fudamea a obeção de odas as ouras fórmulas de juros. O Exemplo I mosrou o efeio de se colocar R$1 a juros composos. O pricipal de R$1 aumea para R$11 quado os juros são adicioados ao fial do primeiro ao. Ao fial do segudo ao o pricipal mais os juros acumulados crescem para R$121, e ao fial do erceiro ao para R$133,1. Numa siuação livre de risco, o pricipal de R$1 a 1% a.a. de juros, é equivalee a R$11 o fial de um ao, R$121 ao fial de dois aos, ec. Uma forma de se observar esse processo é mosrado a seguir ode é o pricipal, I são os juros e i represea a axa de juros. Noe a acumulação de juros sobre juros: 1 ao + I + ( i ) ( 1 + i ) R$1 ( 1 +,1 ) 2 ao ( i ) 1 ( 1 + i ) ( 1 + i ) ( 1 + i ) ( 1 + i ) ² R$1 ( 1 +,1 ) ² 3 ao ( i ) 2 ( 1 + i ) ( 1 + i ) ²( 1 + i ) ( 1 + i ) ³ R$1 ( 1 +,1 ) ³ R$11, R$121, R$133,1

7 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal 5 Em ermos gerais eríamos: ( 1 + i ) (1) ode, valor iicial (pricipal) i axa de juros (decimal) úmero de períodos de capialização dos juros valor do pricipal depois de períodos Com o aumeo de, é evidee que calcular os valores fuuros ao a ao ão resula em um méodo muio eficiee. Felizmee calculadoras e plailhas elerôicas esão dispoíveis para simplificar esa arefa. Exemplo III: Se R$1 são deposiados uma isiuição a juros de 8% a.a., durae 4 aos, qual será o valor ao fial de 4 aos? O valor de ( 1 +,8 ) 4 é 1,3649. Subsiuido esse valor a Equação 1 da fórmula de juros composos eremos: ( 1 + i ) 4 $1 (1.8) 4 4 $1 (1,3649 ) R$136,49 A axa de juros é geralmee expressa como uma axa aual. Ou seja, uma axa de 1% a.a. sigifica 1% ao ao. Se o período de capialização dos juros é meor do que um ao, a axa por período é ecorada dividido-se a axa aual pelo úmero de períodos de capialização o ao. Da mesma forma, o úmero de períodos de capialização é ecorado muliplicado-se o úmero de aos pelo úmero de períodos de capialização o ao. Iso é equivalee a uma mudaça a fórmula de (1+i) para (1+i/m) m, ode m é igual ao úmero de períodos de capialização o ao. Exemplo I: Assuma que o fiaciameo de uma peça de maquiaria será paga em dois aos. Se a axa é de 12% a.a., qual a axa mesal e o úmero de períodos de capialização? (1+i/m ).m ( 1 +,12 / 12 ) ( 1,1 ) 24 Desa forma, exisem 24 períodos de capialização (meses) e a axa de juros é de 1% ao mês.

8 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal 6 Exercício 1: ocê em R$1. que podem ser ivesidos a uma axa de juros de 5,5% a.a. Qual será o valor desse capial daqui a 1 aos? Exercício 2: Se você empresa R$3 por 6 aos a 1% de juros a.a., quao você receberá se os juros forem acumulados aualmee? E semesralmee? Exercício 3: Supoha um depósio de R$5 uma caderea de poupaça por 4 aos, a 8% de juros a.a., acumulados aualmee. (a) Qual será o valor do capial e dos juros ao fial dos 4 aos? (b) De quao seria o moae se os juros fossem acumulados rimesralmee? (c) Explique a difereça ere os ies (a) e (b). Fórmula para o cálculo do valor descoado. A fórmula de juros composos pode ser modificada para se resolver ouras quesões. Reveredo a fórmula, eremos meios de calcular o valor presee (iicial) de um valor fuuro. Iso é: se, o ( 1 + i ) dividido-se ambos os lados por ( 1 + i ), eremos: ( 1 + i) ( 1 + i) ( 1 + i) ( 1 + i) (2) Esa fórmula é cohecida como fórmula de descoo ou de valor presee de uma soma simples. O procedimeo para cálculo do valor presee de uma soma fuura é deomiado descoar, ou seja, o iverso da acumulação. Exemplo : A 7% de juros a.a., qual o valor presee de um cerificado de depósio cuja mauração ocorrerá em 5 aos, ao valor de R$1.? 1 o ( 1+ i) 1 ( 1+ 7, ) 1. 5 R$1.(,71299) R$ 7.129,9

9 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal 7 Exercício 4: A 8% de juros a.a., qual o valor presee de uma oa promissória de R$1., resgaável em 6 aos se a axa de juros for capializada aualmee? A cada 6 meses? A cada 3 meses? Exercício 5: Supoha a exisêcia de um arredameo cujo pagameo, que será feio daqui à 3 aos, esá orçado em R$5,. À uma axa de juros aual de 6% a.a., qual o seu valor hoje? Exercício 6: ocê possui uma plaação de Pius que lhe rederá R$8., após 5 aos. À 9% de juros a.a., você poderia vedê-la hoje por R$6.? Exercício 7: Um alhão de Pius produzirá um reoro líquido de R$1.25 ao fial de uma roação de 3 aos. Quao um ivesidor poderá gasar o plaio para ver seu capial remuerado em 5% a.a.? E em 1% a.a.? Taxa de juros e período de empo. Se o valor presee ( ), valor fuuro ( ), e período de empo () são cohecidos, a fórmula de juros composos pode ser alerada para se ecorar a axa de juros (i). Da mesma forma, se,, e i são cohecidos, poderá ser ecorado. Se, (1+i) dividido-se por ( 1 + i) emos, ( 1+ i) (3) Exemplo I: Uma casa foi comprada por R$3., e revedida 5 aos depois por R$ 44.8,. Qual a axa de crescimeo apreseado pelo valor da casa? (1 + i) 5 i 8% ( 1+ i) R$44.8 1,46933 R$3. R$44.8 i 5 1 R$3. i,8

10 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal 8 Exemplo II: Uma cera quaidade de madeira valedo R$5. esá se valorizado à uma axa de 8% ao ao. A essa axa de crescimeo, quaos aos serão ecessários para que essa madeira aija o valor de R$ 99.95,? (1 + i) R$99.95 (1 +,8) 1,999 log1,8 log1,999 R$5. log1,999 9aos log1,8 Regra do 72. O período de empo para que uma quaidade dobre de valor pode ser aproximadamee obida dividido-se 72 pela axa (perceual) de juros. Por exemplo, a madeira do Exemplo II dobrará de valor em aproximadamee 72/8 ou 9 aos. Aleraivamee, para que um valor dobre em 12 aos seria ecessária uma axa de juros de aproximadamee 72/12 ou 6% a.a. Exercício 8: Supoha a exisêcia de um alhão floresal com madeira para serraria avaliada em R$475 quaro aos arás. Hoje, o seu valor é de R$646; qual a axa aual de crescimeo desse valor? Exercício 9: Se emos um volume de madeira avaliada em R$255/ha hoje e esperamos que em 1 aos o seu valor aija R$865/ha, qual é a axa esperada aual de crescimeo desse valor? Exercício 1: Um proprieário de serraria possui R$3., uma coa bacária rededo 9% a.a.. Quao empo ele erá que esperar para que essa quaia seja de R$5. e possa eão comprar uma peça para sua empresa? Exercício 11: A 8% de juros rimesrais, quao empo eremos que esperar para que uma promissória de R$2, dobre de valor?

11 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal 9 3. Séries de Pagameos As fórmulas aé agora esudadas podem ser usadas para resolver qualquer problema de juros composos. Ereao, o úmero de cálculos ecessários ora seu uso proibiivo quado esamos raado de séries de pagameo. Imposos auais sobre bes, amorizações, e prêmios de seguros são exemplos de séries regulares e periódicas de pagameo. Fórmulas específicas para séries periódicas regulares reduzem sigificaivamee o úmero de cálculos ecessários. Como viso aeriormee, uma série pode ser fiia ou perpéua, aual ou periódica. Agruparemos iicialmee as séries periódicas em fiias e perpéuas Séries fiias Muios fluxos de pagameos apreseam uma duração defiida. No caso de um ivesimeo, é freqüeemee desejável calcular-se ao o valor fial como o valor iicial desse fluxo alor fuuro de uma série aual fiia O cuso aual de se capiar uma plaação de árvores de aal serve de exemplo como uma série de pagameos aual fiia. O cuso da capia ocorre a cada ao ao logo de oda roação. Para se ecorar o cuso oal da capia a ser gasa quado do core das árvores, cada cuso aual deve ser levado para o fim da roação a uma axa apropriada de juros. Sedo a igual ao valor do pagameo (cuso da capia), emos: pagameo o ao a pagameo do ao -1 a (1+i) pagameo do ao -2 a (1+i) 2 primeiro pagameo a (1+i) -1 Graficamee, essa série é ilusrada a Figura 1. (1+i) -1 (1+i) 2 (1+i) Pagameo aual $a $a $a $a Ao Figura 1: alor fuuro de uma série aual fiia.

12 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal 1 No fuuro, a soma dos pagameos ( ) é : a + a (1+i) + a (1+i) a (1+i) -1 Muliplicado ambos os lados da expressão por (1+i), emos (1+i) a (1+i) + a (1+i) 2 + a (1+i) a (1+i) e subraido-se a seguda equação da primeira, obém-se: (1+i) - a (1+i) - a Faorado, [1 + i - 1] a [(1+i) - 1] Dividido ambos os lados por i, a[( 1+ i) 1] i (4) A equação (4) calcula do alor Fuuro de uma Série Aual Fiia. Exemplo III: A 1% a.a. de juros, qual o valor fuuro dos cusos com capia de R$5, por ao acumulados depois de 8 aos? 8 a[( 1+ i) 1] 5, [( 1+ 1, ) 1] 57, 18 i 1, Exercício 12: A 7% de juros a.a., qual é o valor acumulado de R$1,5 cobrado como imposo erriorial por ha depois de 15 aos? 25 aos? 5 aos? Exercício 13: Uma mia de cascalho é descobera as erras da Cia XYZ durae aividades de plaio. A Cia XYZ compra R$1. de cascalho por ao o mercado comum para coservar suas esradas de acesso. Se a mia for explorada para subsiuir as compras, de quao será a ecoomia ao fial de 5 aos, quado a mia esiver esgoada? Assuma 9% a.a. como cuso do capial. Exercício 14: A poda de árvores de aal cusa em média R$6, por ha por ao do erceiro ao oiavo ao uma roação de 8 aos. A 9,5% de juros a.a., qual o valor acumulado desses cusos?

13 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal alor presee de uma série aual fiia É ão ecessário cohecer o valor presee de uma série aual fiia quao o seu valor fuuro. Se o valor fuuro é cohecido, o valor presee pode ser calculado descoado-se o valor fuuro aé o iício da série. O valor presee ( ), porao, é 1 igual ao valor fuuro ( ) vezes ( 1+ ), ou i ( 1+ i) Sabedo que emos, a[( 1+ i) 1] i a[( 1+ i) 1] i a[( 1+ i) 1] ( 1 + i) i ( 1 + i) A equação (5) calcula o alor Presee de uma Série Aual Fiia. (5) Exemplo IX: Qual o valor presee dos R$5,/ha/ao as capias do Exemplo III? (i 1%, 8 ). 8 a[( 1+ i) 1] 5, [( 1+ 1, ) 1] 26, 67 8 i ( 1 + i) 1, ( 1+ 1, ) O valor fuuro era de R$57,18. Cofere? 1 Coferido: ( 1+ i) , (, ), Exercício 15: A 11,5% de juros a.a., qual o valor presee de R$3, por ha de imposos errioriais a serem pagos durae 15 aos? 25 aos? 5 aos? Exercício 16: Os cusos auais de proeção cora icêdios para um alhão de pius são de R$,25 por ha. Se a roação é de 8 aos e a axa de juros é de 8% a.a., qual é o valor iicial dessa série de cusos para uma roação? Exercício 17: O pagameo de R$1, pelo arredameo para caça de 1 ha por ao uma área oal de 3. ha oaliza ao fial de 25 aos, assumido-se 9% de juros a.a. Esses pagameos apreseam um valor presee de.

14 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal 12 Exercício 18: Uma empresa madeireira em a opção de arredar 5. ha para paso a R$2, por ha por ao durae 5 aos ou aceiar um pagameo iicial úico de R$4.. A 8% de juros a.a., qual a aleraiva mais ieressae? alor fuuro de uma série periódica fiia Uma série periódica fiia difere de uma série aual fiia porque os iervalos ere pagameos evolvem dois ou mais períodos de capialização. As receias proveiees de uma roação de Pius coduzida vezes para produzir madeira para celulose, sem desbases iermediários, e com uma idade de roação de aos, serve como exemplo de uma série periódica fiia. Para se ecorar o valor fuuro dessa série, assume-se que : a quaia periodicamee paga (receia com core) úmero de pagameos (roações) iervalo ere pagameos (aos em cada roação) Assim, ao fial de roações o pagameo do ao será a o pagameo do ao (-1) será a (1+i) o pagameo do ao (-2) será a (1+i) 2 o primeiro pagameo será a (1+i) - Graficamee: (1+i) - (1+i) 2 (1+i) Pagameos periódicos $a $a $a $a Ao (-2) (-1) Figura 2. alor fuuro de uma série periódica fiia. No fuuro, a soma dos pagameos ( ) é : a + a (1+i) + a (1+i) a (1+i) - Muliplicado ambos os lados por (1+i), obém-se (1+i) a (1+i) + a (1+i) 2 + a (1+i) a (1+i) Subraido-se a seguda expressão da primeira, resula: (1 + i) - a (1 + i) - a

15 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal 13 Faorado, [ (1 + i) - 1] a [(1 + i) - 1] Dividido ambos os lados por [(1 + i) - 1], resula ( 1+ i) 1 a ( 1+ i) 1 ( 6 ) A equação (6) calcula do alor Fuuro de uma Série Periódica Fiia. Exemplo X: A 9% a.a. de juros, uma plaação que produz R$1. de receia líquida por ha a cada 25 aos apresea um valor fuuro de ao fial da quia roação. ( + i) a + i + $1 (, ) ( 1 ) 1 ( 1+ 9, ) , 89 Exercício 19: A 8,5% de juros a.a., 4 ha de árvores de aal produzem R$2. de receias líquidas por ha a cada 9 aos apreseado um valor fuuro de o fial da 4ª roação. Exercício 2: Um cosulor floresal se defroa com um problema de compra de um camihão. Preede coiuar com o seu camihão aual por mais 3 aos, quado vedê-lo poderá ober um ovo a um cuso líquido de R$5.. Se rocar o camihão pelo mesmo preço a cada 3 aos durae os próximos 3 aos, qual seria o valor fuuro a 8% de juros a.a. logo após a úlima compra? Assuma que o úlimo camihão é comprado 3 aos aes do fial do período. Exercício 21: Um viveirisa plaa uma variedade orameal que fica proa para ser vedida em 5 aos. A receia líquida por ha o fim desse período é de R$7. A 8% de juros a.a., qual o valor fuuro ao fial de 25 aos para um ha? alor presee de uma série periódica fiia Como vimos, o valor presee de uma série pode ser ecorado descoado-se o valor fuuro aé o iício da série. No presee caso, represea o úmero oal de períodos de capialização ere o iício e o fim da série de pagameos:

16 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal 14 Da fórmula (6), ( 1 + i) a ( 1+ i) 1 a ( + i) 1 1 [( 1+ i) 1] ( 1 i) 1 ( 1 + i) a [( 1+ i) 1] [(1 + i) 1]( 1+ i) (7) A fórmula (7) calcula o alor Presee de uma Série de Periódica Fiia. Exemplo XI: Cosiderado juros de 9% a.a., qual o valor presee das primeiras quaro roações de um alhão floresal que produz R$5. de receia líquida a cada 3 aos? 12 (1 +,9) 1 R$5. 3 [(1 +,9) 1](1 + 1+,9) ,62 Prova Perceual alor Presee 1ª roação R$5. 1 / (1,9) ,5 92,5 2ª roação R$5. 1 / (1,9) 6 284, 7, 3ª roação R$5. 1 / (1,9) 9 21,5,5 4ª roação R$5. 1 / (1,9) 12 1,5,4 4.75,5 Exercício 22: Um plaio de 4 hecares de árvores de aal resula em uma receia líquida de R$2.5 por ha ao fim de cada roação de 8 aos. A juros de 1% a.a., qual é o valor presee de cico roações? Exercício 23: Um alhão floresal poderá receber desbases a cada 5 aos e produzir madeira para serraria a um valor de R$1.5. A juros de 9,5% a.a., qual o valor presee de uma seqüêcia de 1 desbases?

17 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal 15 Exercício 24: Qual o valor presee o Exercício 23, se mais 1 cores fossem possíveis? 3.2. Séries Perpéuas A produção coíua de uma floresa coduzida de forma suseada é um exemplo familiar aos floresais de um recurso capaz de gerar receias idefiidamee. Obviamee, o valor fial dessa série ão pode ser calculado. Mas, o valor presee pode ser esimado alor presee de uma série aual perpéua Se a floresa de maejo suseado, ou ouro recurso qualquer, produz um reoro aual, o valor presee dessa série perpéua é ecorado aravés da seguie fórmula: a i (8) A fórmula (8) calcula o alor Presee de uma Série Aual Perpéua e pode ser obida a parir da fórmula (5) para cálculo do valor presee de uma série aual fiia. a[( 1+ i) 1] i( 1+ i) Fazedo e recohecedo que (1+i) - 1 (1+ i), emos a [( 1+ i) 1] i ( 1 + i) a i Exemplo XII: A juros de 8% a.a., qual o valor presee de uma floresa de maejo suseado que produz um reoro líquido de R$1. por ao? 1. $ , Ierpreação aleraiva: Se R$12.5 forem deposiados em uma coa a 8% a.a. de juros, R$1. poderão ser reirados da coa ao fial de cada ao idefiidamee. Iso porque a. i a R$12.5.,8 R$1. Exercício 25: Qual o valor de um bem de capial capaz de produzir R$ 6 por ao, cosiderado uma axa de 8% a.a.?

18 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal 16 Exercício 26: Espera-se a cobraça de uma pea baseada em uma mula perpéua de R$ 2 por hecare por ao. Qual o valor dessa pea se cosiderada uma axa de 6% a.a.? alor presee de uma série periódica perpéua Uma vez que a produção a maioria das propriedades floresais ocorre a iervalos maiores do que um ao (quado do core o fial de um ciclo floresal ou de uma roação), é freqüeemee desejável esimar-se o alor Presee de uma série periódica perpéua de receias. As receias de uma plaação de Pius coduzida em roações seguidas de aos cada, sem desbases iermediários serve como exemplo. O valor presee dessa série pode ser ecorada assumido-se primeiramee que : a pagameo periódico iervalo ere os pagameos periódicos Assim: valor presee ( ) a do pagameo do ao ( 1+ i) a do pagameo do ao 2 2 ( 1+ i) a do pagameo do ao ( 1 + i) Graficamee: (1+i) - (1+i) -2 (1+i) -3 (1+i) - Pagameos $a $a $a $a Aos 2 3 Figura 3. alor Presee de uma série periódica perpéua. O valor presee ( ) dessa soma de pagameos pode ser represeada por: a a a a L + ( 1+ i) ( 1+ i) ( 1+ i) ( 1 i) 2 3 +

19 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal 17 a Uma vez que cada ermo é o ermo precedee muliplicado por a ( 1+ i) expressão assume a forma de uma série geomérica. A fórmula geral de uma série geomérica é: m b ( 1 r ) S ( 1 r) Se fizermos: S a b ( 1+ i) 1 r ( 1+ i) m e subsiuirmos: a 1 1 ( 1 + i) ( 1 + i) 1 1 ( 1 + i) Uma vez que a ( 1+ ) i, a ( 1 + i) 1 1 ( 1 + i) a ( 1 + i) 1 1 ( 1 + i) Muliplicado umerador e deomiador por ( 1 + i ) a [( 1 + ) 1 ] i (9) A fórmula (9) calcula o alor Presee de uma Série Periódica Perpéua. Exemplo XIII: A 9% a.a. de juros, qual é o valor presee de um hecare de erra, o qual se coduzem sucessivas roações de uma mesma aividade floresal cuja receia líquida a cada 4 aos é de R$3.?

20 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal [( 1+ 9, ) 1] 986, 4 Exercício 27: Qual o valor de um alhão floresal de 8 ha que produz R$6/ha de receia líquida a cada 25 aos, se cosiderados juros de 7% a.a.? Exercício 28: Quao você pagaria por um hecare de erra cuja melhor aleraiva de uso é produzir árvores de aal em roações de 9 aos, com uma receia líquida a época de core de R$2.5/ha e um cuso de oporuidade do seu capial de 9,5% a.a.? A fórmula para o cálculo do alor Presee de uma série periódica perpéua, assume que os pagameos são feios o fim do período de pagameo. Se os pagameos são feios o iício do período de pagameo basa icluir a fórmula o primeiro pagameo: a a+ ( 1 + ) 1 Exemplo XIa: Resolva o Exemplo XIII cosiderado esa ova fórmula [( 1+ 9, ) 1] , 4 Exercício 29: Quao valeria o mesmo hecare de árvores de aal o Exercício 28 se o projeo fosse avaliado imediaamee aes de um core? Exercício 3: Qual o valor de um alhão floresal de 4 hecares que resula uma receia líquida de $3/ha a cada 3 aos e que esá preses para ser explorado? Use uma axa de 4,5% a.a.. Um alhão floresal de idade uiforme esará o iício ou fim de uma roação somee (1/r) % do empo, ode r é igual ao iervalo da roação (se r 5 eríamos iício ou fim em 2% do empo). Na maior pare do empo o alhão esará em alguma idade iermediária, digamos o ao k. Podemos dizer eão que a chace de esarmos ieressados em ecorar um valor iermediário de uma série periódica perpéua é basae grade. A fórmula para esse cálculo é: k a( 1+ i) ode k é igual ao úmero de aos após o úlimo pagameo. ( 1+ i) 1 i

21 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal 19 Uma vez que o próximo pagameo a será recebido em (-k) aos, o umerador [a (1+i) k ] capializa esse próximo pagameo aé o ao k da próxima roação. Depois o deomiador raz uma série perpéua dessas quaias composas para o seu valor presee. A seguie liha de empo ilusra esse processo: (1+i) k (1+i) k (1+i) k Pagameos $a $a $a $a Aos k k 2 k 3 k 4 Figura 4: alor presee de uma série periódica um ao iermediário. Exemplo XIb: Qual o valor presee do alhão do Exemplo XIII se a idade das árvores fosse 3 aos? Lembre-se que a uma axa de 9% a.a. o valor presee da série de receias líquidas de R$3. a cada 4 aos era de R$986,4. 3. ( 1 +, 9) (, ) , 24 3 Exercício 31: Aos 4 aos, qual o valor presee do projeo descrio o Exercício 28? Exercício 32: Um alhão floresal de 1 ha com 5 aos de idade deve produzir uma receia líquida de R$1.45 quao aigir o seu ciclo fial de 6 aos, e assim coiuar idefiidamee. Qual o valor presee desse projeo a uma axa de 7% a.a.? 3.3. Fudo de Acumulação de Capial Um fudo de acumulação é um ipo de coa ode, a iervalos regulares, se realizam depósios com o objeivo de acumular durae um cero iervalo de empo uma quaia fial de capial. O capial é acumulado dessa maeira com um propósio específico. Geralmee se refere à reposição de uma peça de equipameo. Esse fudo é uma variação da fórmula para séries auais fiias. Diferem porque ese caso o valor fuuro é cohecido, resumido-se o problema à ecorar a quaia a que deve ser deposiada regularmee à axa de juros i para que se acumule a quaia

22 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal 2 fuura desejada. A fórmula pode ser usada para pagameos semaais, mesais, rimesrais, ec. A fórmula do fudo de acumulação é obida a parir da equação (4) para cálculo do alor Fuuro de uma Série Aual Fiia : ( 1+ i) 1 a i Muliplicado ambos os lados por i e dividido por (1+i) -1, obemos:. i ( 1 i) 1 i a ( 1+ i) 1 + i ( 1+ i) 1. i a ( 1+ i) 1 ( 1 ) Exemplo X: O cuso de reposição de um equipameo de baldeação de oras é esimado em R$2. em 4 aos, quado eão esse equipameo apreseará um valor ulo (valor de sucaa ). Se o madeireiro formar um fudo de amorização, quao deposiar aualmee se a axa paga pela coa remuerada for de 5% de juros a.a.? a $2. 5, ( +, ) 4. 64, A Figura 5 ilusra esse exemplo com 4 aualidades. (1+,5) 3 (1+,5) 2 (1+,5) , , , ,2 Pagameos 4.64,2 4.64,2 4.64,2 4.64, ,82 Aos Figura 5: Acumulação de um fudo de acumulação com quaro pagameos. Exercício 33: Um equipameo o valor de R$25. precisa ser reposo em 6 aos, quado o aual erá que ser abadoado. Calcule o valor aual de reposição para uma axa de 6% a.a.. Exercício 34: Se você plaejasse rocar o seu carro aual que vale R$8. por um de valor semelhae daqui a 5 aos, cosiderado depósios em uma coa remuerada que paga 6% a.a., qual seria o valor aual de reposição

23 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal 21 ecessário? Cosidere um valor de reveda do seu carro velho de R$1.. Exercício 35: Refaça o exercício 34 cosiderado presações mesais e juros mesais Fórmula de Cálculo da Presação de um Fiaciameo Esa é oura variação da fórmula de séries fiias auais. É largamee uilizada para o cálculo do valor das parcelas de um fiaciameo. Desa forma, o valor iicial, a axa de juros i, e o úmero de pagameos são cohecidos. O problema é ecorar o valor da presação a. A fórmula é obida a parir da equação (5) para cálculo do alor Presee de uma série fiia aual. ( 1+ i) 1 a i( 1+ i) Muliplicado-se ambos os lados por i (1+i) e dividido-se por [(1+i) -1], obemos: i ( 1 + i) ( 1+ i) 1 i ( 1 + i) a ( 1+ i) 1 i( 1 + i) ( 1+ i) 1 i ( 1 + i) a ( 1+ i) 1 (11) Exemplo XI: Qual o pagameo aual regular para um emprésimo de R$1., se a axa de juros é de 12% a.a. e o prazo é de 5 aos para pagar? 5,12(1 +,12) a R$ 1. $ (1 +,12) 1 Exercício 36: Supoha que uma pá carregadeira o valor de R$ 3. foi fiaciada a uma axa de 12% a.a.. Qual seria o valor da presação para quiar ese fiaciameo em 5 aos? E se os pagameos fossem mesais? Exercício 37: Cosidere pagameos auais para o caso de um emprésimo de R$35. pagáveis em 2 aos a uma axa de 8% a.a., e calcule o valor da presação. Exercício 38: Se você ivesse empresado R$4.5, qual seria o valor da presação mesal se a axa fosse de 12% a.a. e o emprésimo pudesse ser amorizado em dois aos e meio?

24 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal 22 Exercício 39: Uma quaia de R$11.7 foi empresada para compra de um loe de leha em 15 pagameos mesais. Supodo juros de 2,5 % ao mês, qual o valor da presação? 3.5. Plailha de Amorização A amorização se refere à liquidação de um fiaciameo aravés de presações regulares. Para imposos e ouros propósios, os coribuies gosariam de saber que pare do pagameo se desia ao pagameo de juros e que pare se refere ao pagameo do pricipal. Por serem os juros geralmee compuados sobre o saldo devedor, esa porção será maior durae os períodos iiciais e meor os úlimos períodos. Uma plailha de amorização pode ser cosruída para se mosrar a evolução do capial pricipal e dos juros: 1. Calcular a presação usado a equação (11): i( 1+ i) a ( 1+ i) 1 2. Calcular a pare correspodee aos juros do pagameo muliplicado-se o valor da quaia a ser saldada pela axa de juros. Para o primeiro pagameo eríamos:. i 3. Subrair os juros calculados o passo 2, do valor da presação obido o passo 1 para que se possa ober o valor do pricipal. 4. Subrair a porção pricipal da quaia sedo fiaciada para se ober o saldo devedor. 5. Repeir os passos 2 a 4 para os pagameos subsequees. Exemplo XII: Cosrua um plailha de amorização de um fiaciameo de R$7. referee a compra de uma camioee. Assuma 36 pagameos mesais a 1% de juros mesais. 1. alor da presação:

25 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal 23 36,1(1 +,1) a R$ (1 +,1) 1 a R$232,47 2. Juros o primeiro pagameo R$ 7. (,1 ) R$ 7, 3. Pricipal o primeiro pagameo R$232,47 - R$7, R$162,47 4. Saldo devedor após o primeiro pagameo. R$7. - R$162,47 R$6.837,53 5. A plailha complea ficaria assim: Pagameo Juros ( R$ ) Pricipal ( R$ ) Saldo Devedor ( R$ ) 1 7, 162, ,5 2 68,37 164, , ,73 165, , ,8 167, , ,4 169, ,9 6 61,71 17,79 6.,3 7 6, 172, ,8 8 58,28 174, , ,54 175, , ,78 177, , , 179,5 5.12, ,2 181, , ,39 183, , ,56 184, , ,71 186, , ,84 188, , ,96 19,54 4.5,5 18 4,5 192, , ,13 194, , ,18 196, , ,22 198, , ,24 2, , ,23 22, , ,21 24, ,81

26 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal ,17 26, , ,1 28,4 2.22, ,2 21, , ,92 212, , ,79 214, , ,64 216, ,47 219, , ,28 221,22 97, ,7 223,43 683, ,84 225,66 458, ,58 227,92 23,2 36 2,3 23,2, O úlimo pagameo difere do pagameo mesal devido ao acúmulo de arredodameos. Exercício 4: Supoha que R$18. são empresados para a compra de um equipameo. Cosrua um programa de amorização assumido 5 pagameos mesais iguais a uma axa de 12 % ao mês. 3.6 Taxas de Juros Efeiva versus Nomial É práica comum especificar a axa de juros em ermos auais. Quado os juros são capializados diária, mesal, rimesral, ou semesralmee, mas apreseados em ermos auais, surge o problema de expressar a axa efeiva. Se a axa aual é calculada aravés da muliplicação da axa periódica pelo úmero de períodos sujeios à capialização para cada ao, diz-se que a axa é omial aual. A axa que realmee capializa os juros gahos ou pagos é chamada de axa efeiva aual. A fórmula para cálculo da axa efeiva é apreseada da seguie forma: i (1 + i/m) m -1 ode, i axa omial aual a forma decimal. i axa efeiva aual a forma decimal. m úmero de períodos sujeios à capialização por ao. Exemplo XIII: Os juros de um carão de crédio são cobrados a uma axa de 1,5% ao mês. Qual a axa aual omial e a efeiva de juros? Taxa omial aual: 1,5% ao mês x 12 meses por ao 18% Taxa efeiva aual :

27 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal i 1+ 18, 12 1 (, 1 15) 1 12,19562 ou 19,56% a.a. Exercício 41: Se juros forem cobrados a uma axa de 1% ao mês, calcule as axas efeivas e omiais auais. Exercício 42: A axa omial é de 1% a.a. Qual a axa efeiva aual se os juros forem acumulados rimesralmee? Uma aálise deve sempre cosiderar juros efeivos, pois eses são os juros que acabam sedo realmee pagos. Por exemplo: se juros de 1,5% (axa omial aual de 18%) são capializados mesalmee, eão 1,5% é a axa efeiva e deve ser usada uma aálise com os período de empo medidos em meses. Se o período de empo iver que ser medido em aos, a axa de juros efeiva a ser usada deveria correspoder a 19,56% a.a., e ão os 18% de juros omiais auais Capialização coíua com axas isaâeas A fórmula de juros composos (1+ r) pode ser modificada, para cosiderar a capialização isaâea (um grade úmero de períodos de capialização dero do ao), da seguie forma: ( ) r r r lim [ ( 1+ / ) ] [lim 1+ 1 / r ] e ode: alor o ao ; alor o ao ; r axa de juros omial aual; e aos de capialização à axa de juros r. A modificação resula o ermo ere colchees, que por defiição correspode ao úmero aural [ e lim x (1+1/x) x ]. Para uma capialização coíua, porao, a axa aual efeiva é : r e r - 1 ode, r axa decimal aual efeiva r axa decimal omial isaâea (capializada coiuamee) que resula a axa efeiva e 2,71828 (úmero de Neper, base do logarimo aural ou eperiao) r / Exemplo XIX: O Las Naioal Bak paga 5,25% capializados isaaeamee em cadereas de depósios especiais. Qual a axa aual efeiva? r 2, ,525-1,539 ou 5,39% a.a. Exercício 43: Para axas omiais de 1% e 2% a.a., quais as respecivas axas efeivas auais se os juros forem acumulados isaaeamee?

28 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal Relação ere iflação e juros reais A iflação mede um aumeo geeralizado dos preços das mercadorias e dos serviços. Reflee, porao, a perda de valor da moeda ou a dimiuição do seu poder aquisiivo. Se os valores expressos em um deermiado fluxo de caixa ão sofrem perda de poder aquisiivo cosidera-se que a sua avaliação foi usada uma moeda de valor cosae. Caso corário, se o período de aálise esá sujeio aos efeios da iflação, observam-se valores medidos em moeda corree. Diversos ídices são uilizados para acompahar periodicamee a evolução dos preços das mercadorias e serviços. Os rês idicadores mais usados para medir a iflação o Brasil são o INPC do IBGE (Isiuo Brasileiro de Geografia e Esaísicas), o IPC da FIPE (Fudação Isiuo de Pesquisas Ecoômicas) e o IGP da FG (Fudação Geúlio argas). O Quadro 1 apresea a siuação desses ídices e de ouros idicadores de variação o mês de abril de 24. Quadro 1: ariações perceuais de algus idicadores ecoômicos INPC/IBGE IPC/FIPE Dez/93 1 ariações Perceuais Ju/94 1 ariações Perceuais Mês Ídice No mês No ao 12 meses Mês Ídice No mês No ao 12 meses Jaeiro/ ,17,38,38 4,85 Jaeiro/6 266,8559,5,5 4,46 Fevereiro/6 2.6,14,23,61 4,63 Fevereiro/6 266,7868 -,2,48 4,6 Março/6 2.67,16,27,89 4,15 Março/6 267,1731,14,62 3,4 IGP-M/FG Abril/6 2.61,29,12 1, 3,34 Abril/6 267,254,1,63 2,57 Ago/94 1 ariações Perceuais Mês Ídice No mês No ao 12 meses Jaeiro/6 338,83,92,92 1,74 Fevereiro/6 338,128,1,93 1,45 Março/6 337,339 -,23,7,36 INPC - Ídice Nacioal de Preços ao Cosumidor IPC - Ídice de Preços ao Cosumidor IGP-M - Ídice Geral de Preços do Mercado Abril/6 335,921 -,42,27 -,92 Ouros idicadores Nome Ou Nov Dez Ja Fev Mar Abr 12 meses IPCA/IBGE (%),75,55,36,59,41,43,21 4,63 IC/DIEESE (%) -,38,19,72,12,52 -,6 3,26 CUB/Sidusco (%) -,36,1,16,32 -,18,5 3,46 TR (%),21,1929,2269,2326,725,273,855 - TJLP (%),7783,7783,7783,727,727,727,655 - Poupaça (%),711,6939,728,7338,5729,783, CUB - Cuso Uiário Básico; DIEESE - Deparameo Iersidical de Esaísica e Esudos Socioecoômicos IC - Ídice do Cuso de ida; TR Taxa Referecia; Sidusco Sidicao da Idúsria da Cosrução.; TJLP Taxa de Juros de Logo Prazo Foes: A variação de um mesmo ídice, decorrido um cero período de empo, pode ser expressa a forma de uma axa de variação. A esa axa de variação deomia-se axa de iflação. Se os valores de um fluxo de caixa são medidos em valores cosaes, dizemos que usamos valores deflacioados e a axa de juros a aálise

29 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal 27 refleirá juros reais. Os juros reais expressam remueração sobre valores calculados em moeda cosae (reirado o efeio da iflação). Se os valores forem medidos em moeda corree, a axa de juros da aálise rará embuido um efeio iflacioário. Desa forma a axa de juros oal poderia ser decomposa em duas axas: uma para expressar a variação do valor da moeda (iflação) e oura para refleir a variação real dos ivesimeos. O efeio combiado da variação real e da variação iflacioária resula em uma axa de variação omial. Cosiderado uma axa omial de variação i, uma axa de iflação j e uma axa real de juros r, é possível expressar a decomposição e a relação ere as rês axas da seguie forma 1 : (1+i) (1+r) x (1+j) r (i-j) / (1+j) ou aida: i r + j + rj Noa-se que a soma simples da axa de iflação e da axa real ão resula a axa omial, pois é aida ecessário somar o ermo rj que expressa a parcela dos juros reais corrigidos pela iflação Exemplo XX: Cosidere o adiameo da aquisição de um equipameo que esava programada para abril/25 e que só foi efeuada em abril/26. Digamos que o INPC possa ser uilizado para refleir a variação o preço dessa máquia. O recurso ão uilizado para comprar o equipameo em abril de 25 foi aplicado em CDBs (cerificados de depósio bacário) que rederam 12% omiais o período de um ao. A decisão de adiar a compra do equipameo foi um bom egócio? Houve gaho real ao opar pela aplicação? De acordo com a variação do INPC apreseada o Quadro 1 o preço do equipameo aumeou em 3,34% a.a.. Sabedo-se que a aplicação redeu omialmee 12% a.a., aplica-se a fórmula para r que permie cocluir que houve gaho real igual a: r (,12 -,334) / (1 +,334),838 (i.é 8,38% a.a.) Exercício 44: Um deermiado ivesimeo floresal redeu 21% a.a. A iflação o mesmo período foi de 17,3% a.a.. Qual foi a axa real de reoro? Exercício 45: Uma caderea de poupaça que paga correção moeária mais,5% ao mês recebeu como aplicação o produo da veda de um alhão floresal para leha. A variação o ídice de iflação do mês foi de 2% e o preço por eséreo de leha aumeou de R$ 12, para R$ 12,35 esse mesmo período. Foi um bom egócio er vedido a madeira? 1 Para maior clareza cosidere C o valor iicial corrigido moeariamee pela axa de correção moeária do período (axa de iflação); e N como o valor corrigido C aplicado a uma axa r. Desa forma, eríamos: N C (1+r) (1+j) (1+r) ou aida (1+i) (1+j) (1+r) que resula a equação de Fisher (1+i) (1+j) (1+r)

30 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal 28 Exercício 46: Um produor floresal, o mês de abril de 1999, fez os seus cálculos para egociar a veda de suas árvores para uma empresa produora de celulose. O preço exigido pelo produor para começar a egociação omou como referêcia o valor recebido pelo seu viziho um ao aes, corrigido pela variação do INPC o período, mais uma axa de juros reais de 4% a.a. Qual foi o preço exigido pelo produor, sabedo-se que o valor recebido pelo viziho em abril de 1998 foi de R$ 9,15/s? Qual foi a axa real efeivamee recebida pelo produor, sabedo-se que ele fechou o corao de veda a R$ 9,8/s? 3.9. Acréscimo e Abaimeo de Juros A discussão precedee sobre presações de um fiaciameo foi baseada a premissa de que os juros são pagos somee sobre o saldo devedor. Dois ouros méodos de se ober os pagameos de um fiaciameo que são algumas vezes empregados por empresadores merecem meção. Exemplos ilusrarão ambos os processos. Exemplos XXI: Supoha que você irá ober um fiaciameo a uma axa aual de acréscimo de 1%. Se o emprésimo é de R$1. por um ao, os juros cobrados são de R$1. Acresceado-se R$1 de juros aos R$1. do pricipal obém-se uma quaia oal a ser paga de R$1.1. Assumido-se que o pagameo será saldado em 12 presações, o pagameo mesal será de R$ R$91,67. As axas auais ao omiais como efeivas dese exemplo são cosideravelmee maiores do que 1% da axa de acréscimo esipulada. A axa omial aual pode ser ecorada a parir da fórmula para cálculo da presação de um fiaciameo. Da fórmula (11), i( 1+ i) a i i a + i ( 1+ ) ( 1 ) 1 ( 1+ i) 1 Subsiuido : 12 91, 67 i( 1 + i) 12 1., ( 1+ i) 1 12 i( 1 + i), ( 1+ i) 1

31 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal 29 O faor para 12 aos e 1,5% a.a. de juros é,9168. A axa omial aual é aproximadamee 1,5% x 12 18%. A axa efeiva esse caso é quase o dobro da axa de acréscimo. i ( 1 + i / m) m - 1 i ( 1 +,18 / 12 ) 12-1 i 19,56% a.a. Exemplo XXII: Novamee, assuma um emprésimo de R$1. a ser pago em 12 presações mesais. Desa vez, o empresador uiliza uma axa de descoo de 1% a.a. para um fiaciameo de R$1.111,11. O pagameo pelo fiaciameo para um ao é de R$1.111,11 x,1 R$111,11. Depois de deduzir os R$111,11 de pagameo pelo fiaciameo dos seus R$1.111,11 você receberá a quaia requerida: R$1.. O seu pagameo mesal é de R$92,59 ($1.111,11 dividido por 12 meses). A fórmula (11), de recuperação do capial, é ambém usada para se ecorar a axa omial aual para essa axa de descoo de 1%. Para 12 eríamos a a i( 1 + i) ( 1+ i) 1 i( 1 + i) ( 1+ i) , 59 i( 1 + i) ( 1+ i) 1 12 i( 1 + i), ( 1+ i) 1 Taxa de juros Muliplicador Difereça Razão ere as difereças 1,5%,9168 -,9259,91 2,%,9456,297,31 A axa mesal é de 1,5% + (,5 x,31) 1,655% e a axa omial aual é 1,655 x 12 19,86%. A axa efeiva aual represea um acréscimo de 21%.

32 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal Árvore de Decisão para Fórmulas de Juros Composos A árvore de decisão para fórmulas de juros composos (Figura 6) forece um resumo das fórmulas. A árvore de decisão é usada respodedo-se a uma série de perguas aé culmiar com a fórmula apropriada. O seguie exemplo ilusra o processo: qual o cuso acumulado, com juros, de um imposo erriorial aual uma plaação de Pius para uma úica roação? Começado pelo ó de decisão à esquerda da árvore, pergua-se se a siuação requer um pagameo aual ou um valor fuuro ou presee. Nese poo, o problema se refere a um cuso aual acumulado de um imposo - um valor fuuro. Em seguida, esá se lidado com uma soma simples ou com uma série de pagameos? Imposos auais referem-se a uma série de pagameos. Iso leva a oura pergua: é uma série perpéua ou fiia? Uma úica roação é obviamee fiia. Os pagameos são feios (ou recebidos) aualmee ou periodicamee? Imposos são pagos aualmee. Fialmee, deseja-se um valor fuuro ou presee? Por se raar de um valor acumulado deseja-se um valor fuuro. Desa forma, o valor fuuro de uma série aual fiia é igual a: a ( i ) i Para ouros problemas, esse processo se repee aé se chegar a uma das fórmulas lisadas.

33 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal 31 Figura 6: Árvore de Decisão para Fórmulas de Juros Composos Número de Iervalo de Iervalo ere No. o Pagameos Tempo Pagameos alor Fórmula Texo Um Fuuro ( 1 + i ) (1) Presee / ( 1 + i ) (2) Fiia Aual Periódica Fuuro Presee Série Presee a[( 1+ i) 1] i a [( 1+ i) 1] i ( 1 + i) ( 1+ i) 1 Fuuro a ( 1+ i) 1 a [( 1+ i) 1] [(1 + i) 1]( 1+ i) (4) (5) (6) (7) Perpéua a Aual Presee (8) i a Periódica Presee [( 1 + i) 1 ] (9) Foe: Adapado de Guer & Haey (1984).

34 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal 32 PARTE II CRITÉRIOS DE AALIAÇÃO DE PROJETOS Baseado em: Klemperer, W. David Fores Resource Ecoomics ad Fiace, McGraw- Hill, Ic., New York, p Rodriguez, Luiz C.E Tópicos de Ecoomia Floresal. Documeos Floresais, Piracicaba (12):39-49.

35 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal Alocação de Capial Ivesidores alocam os seus recursos moeários visado a maximização do valor dos bes de capial (recursos capazes de gerar bes de cosumo e/ou serviços) à sua disposição. Admiisradores, por exemplo, procuram aumear o valor da empresa para os acioisas. O proprieário de um camihão procura fazer com que o seu ivesimeo ão apeas lhe permia comprar ouro camihão quado do érmio da vida úil do seu ivesimeo, como a parir dele espera ambém remuerar o seu rabalho e, se possível, aumear a froa e expadir os egócios. Toda aividade produiva, porao, evolve a alocação de capial em um processo que se espera remuerará adequadamee os ivesimeos. Obviamee, projeos floresais ão fogem à regra. Precisamos, ereao, ser mais claros e defiir melhor o ermo adequadamee. Para isso vamos reformular o osso problema a forma de uma pergua: Como aalisar o desempeho de um ivesimeo em um projeo floresal? É imporae dispor de aleraivas e de algum criério que classifique essas diferees oporuidades de ivesimeo exisees. Para aalisar e classificar essas diferees aleraivas usaremos écicas de maemáica fiaceira para avaliar o reoro sobre o capial. Com o objeivo de preparar a base para a discussão dos problemas floresais reservados para a pare fial dese curso, faremos um reiameo iicial uma plailha elerôica básica, de uilização basae simples e flexível, que os permiirá esudar os pricipais criérios de avaliação de projeos. A parir desa fase, as aividades esarão ceradas a uilização de plailhas elerôicas especialmee desevolvidas. Cópias dessas plailhas acompaham esa aposila. No próximo iem, de forma basae resumida, são apreseadas as fórmulas básicas. Para maiores dealhes, e uma excelee discussão dos prós e coras de cada méodo, recomeda-se a leiura de Klemperer (1996). Ouras foes básicas a área floresal são Guer & Haey (1984) e Rodriguez (1991). 2. Criérios de Avaliação de Projeos com Horizoes Regulares Dere os criérios mais cohecidos emos: o alor Presee Líquido (PL), a Taxa Iera de Reoro (TIR), e a Razão Beefício/Cuso (B/C). Todos esses criérios se apreseam implemeados a plailha MaFi_5.xls. O PL pode ser ierpreado como o valor máximo a pagar por um projeo, dadas ceras receias, cusos e uma axa de reoro esperados. A axa de reoro ou axa míima aceiável (TMA) deve ser esabelecida pelo ivesidor. Como criério

36 Maemáica Fiaceira a Gesão Floresal 34 poderíamos, porao, defiir que a escolha recairia sobre os projeos com mais alo PL. A fórmula do PL pode ser assim apreseada: ode, R PL ( 1 + i) C ( 1 i) + R receia o ao, C cuso o ao, e i axa (real e efeiva) míima aceiável de reoro A Taxa Iera de Reoro (TIR) de um projeo é aquela que ora o valor presee da receias meos o valor presee dos cusos igual a zero, ou seja PL. Nese caso, o criério esabelece preferêcia por projeos apreseado TIR superior à Taxa Míima Aceiável (TMA) de reoro esabelecida pelo ivesidor. Reescrevedo a fórmula do PL, eríamos: R ( 1 + TIR) ( 1 + C TIR) ale lembrar que uma TIR é úica ( ou iera ) e exclusiva do projeo sedo aalisado e ão deve ser cofudida com a TMA. A Razão Beefício/Cuso (B/C) de um projeo é o resulado da divisão do valor presee das receias pelo valor presee dos cusos, calculados à Taxa Míima Aceiável (TMA) de reoro esabelecida pelo ivesidor. Essa razão é às vezes ambém chamada de ídice de lucraividade: B / C R ( 1 + i) C ( 1 + i) De acordo com ese criério, projeos apreseado B/C maior do que 1 seriam preferidos aos demais. Noa-se as rês fórmulas acima uma grade similaridade ere criérios. A plailha MaFi_5.xls permie uma aálise mais dealhada dessas semelhaças o gráfico que acompaha cada aálise. Exemplo XXIII: Em um hecare de erra o agrese Paraibao gasa-se R$ 325 para implaar o culivo da Algaroba. Os cusos auais de maueção são cosiderados desprezíveis. A parir do 8 o. ao de idade esperase uma reirada aual de 25 s/ha de leha. No 12 o. ao é feio o core raso do plaio com produção de leha esimada em 3 s/ha.

CAP. 6 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÃO DE RISCO

CAP. 6 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÃO DE RISCO CAP. 6 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS EM SITUAÇÃO DE RISCO 1. APRESENTAÇÃO Nese capíulo serão abordados vários méodos que levam em coa o uso das probabilidades a aálise de ivesimeos. Eses méodos visam subsidiar

Leia mais

Métodos de Amortização

Métodos de Amortização Méodos de Amorização Rui Assis Egeheiro Mecâico IST rassis@rassis.com www.rassis.com Fevereiro de 2006 Reviso em Seembro de 20 Méodos de Amorização Irodução Na perspeciva coabilísica, a amorização referese

Leia mais

conceito de análise de investimento

conceito de análise de investimento 1. coceio de aálise de ivesimeo Aálise de Ivesimeos Prof. Uério Cruz O coceio de aálise de ivesimeo pode hoje ser um cojuo de écicas que permiem a comparação ere resulados de omada de decisões referees

Leia mais

1. Um capital de $80.000,00 é aplicado à taxa de 2,5% ao mês durante um trimestre. Determine o valor dos juros acumulados neste período.

1. Um capital de $80.000,00 é aplicado à taxa de 2,5% ao mês durante um trimestre. Determine o valor dos juros acumulados neste período. MATEMÁTIA FINANEIRA RESOLUÇÃO DOS EXERÍIOS I. UROS SIMPLES. Um capial de $8., é aplicado à axa de 2,5% ao mês durae um rimesre. Deermie o valor dos juros acumulados ese período. i..,25 8. 3 6., 2. Um egociae

Leia mais

Comparando Fluxos de Caixa Em Moedas Diferentes

Comparando Fluxos de Caixa Em Moedas Diferentes Trabalho Apreseado o II SEGeT II Simpósio de Excelêcia em Gesão e Tecologia promovido pela Associação Educacioal Dom Bosco (AEDB) Comparado Fluxos de Caixa Em Moedas Diferees Marcelo Heriques de Brio -

Leia mais

FUNDO DE COMÉRCIO * Pedro Schubert

FUNDO DE COMÉRCIO * Pedro Schubert FUNDO DE COMÉRCIO * Pedro Schuber Esa maéria que ão em bibliografia e o seu coceio o ambiee coábil refere-se aos bes iagíveis e os auores ficam com os ies iagíveis possíveis de serem regisrados pela coabilidade

Leia mais

MÉTODO PARA ANÁLISE DE INVESTIMENTOS: ALTERNATIVA PARA CLASSIFICAÇÃO DE PROJETOS COM PRAZO E VOLUME DE RECURSOS DIFERENTES.

MÉTODO PARA ANÁLISE DE INVESTIMENTOS: ALTERNATIVA PARA CLASSIFICAÇÃO DE PROJETOS COM PRAZO E VOLUME DE RECURSOS DIFERENTES. ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 09 a 11 de ouubro de

Leia mais

DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DAS PROPRIEDADES DINÂMICAS DE TRANSDUTORES DE PRESSÃO PIEZORRESISTIVOS

DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DAS PROPRIEDADES DINÂMICAS DE TRANSDUTORES DE PRESSÃO PIEZORRESISTIVOS DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DAS PROPRIEDADES DINÂMICAS 15 DETERMINAÇÃO EXPERIMENTAL DAS PROPRIEDADES DINÂMICAS DE TRANSDUTORES DE PRESSÃO PIEZORRESISTIVOS Evaldo Ferezi Luiz Carlos Felicio EESC-USP, Av.

Leia mais

2 Métodos de previsão de vendas de itens de estoque 2.1 Introdução

2 Métodos de previsão de vendas de itens de estoque 2.1 Introdução 8 Méodos de previsão de vedas de ies de esoque. Irodução A previsão de demada é processo comum o plaejameo das empresas e poderá ser basae úil o corole de esoques e egociações de preços. Ao se rabalhar

Leia mais

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança.

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança. Matemática Fiaceira Deixar de cosumir hoje, visado comprar o futuro pode ser uma boa decisão, pois podemos, durate um período de tempo, ecoomizar uma certa quatia de diheiro para gahar os juros. Esses

Leia mais

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com

Analise de Investimentos e Custos Prof. Adilson C. Bassan email: adilsonbassan@adilsonbassan.com Aalise de Ivestimetos e Custos Prof. Adilso C. Bassa email: adilsobassa@adilsobassa.com JUROS SIMPLES 1 Juro e Cosumo Existe juro porque os recursos são escassos. As pessoas têm preferêcia temporal: preferem

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA E O EFEITO ESTUFA

MODELAGEM MATEMÁTICA E O EFEITO ESTUFA a MODELAGEM MATEMÁTICA E O EFEITO ESTUFA Âgela Maria Loureção Gerolômo 1 UEL Uiversidade Esadual de Lodria agela-maemaica@uol.com.br Rodolfo Eduardo Verua 2 UEL Uiversidade Esadual de Lodria rodolfoverua@yahoo.com.br

Leia mais

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a.

JUROS SIMPLES. 1. Calcule os juros simples referentes a um capital de mil reais, aplicado em 4 anos, a uma taxa de 17% a.a. JUROS SIMPLES 1. Calcule os juros simples referetes a um capital de mil reais, aplicado em 4 aos, a uma taxa de 17% a.a. 2. Calcule o capital ecessário para que, em 17 meses, a uma taxa de juros simples

Leia mais

Escola de Engenharia de Lorena - USP Cinética Química Capítulo 03 Métodos Cinéticos

Escola de Engenharia de Lorena - USP Cinética Química Capítulo 03 Métodos Cinéticos Escola de Egeharia de Lorea - USP iéica Química aíulo 03 Méodos iéicos Irodução O esudo ciéico, usualmee, é feio a arir de dados exerimeais coleados durae a evolução de uma reação química. Eses dados coleados

Leia mais

ASPECTOS FINANCEIROS DA PRODUÇÃO DE TECA NO ESTADO DE MATO GROSSO

ASPECTOS FINANCEIROS DA PRODUÇÃO DE TECA NO ESTADO DE MATO GROSSO ASPECTOS FINANCEIROS DA PRODUÇÃO DE TECA NO ESTADO DE MATO GROSSO Humbero Âgelo 1, Versides Sebasião de Moraes e Silva 2, Álvaro Nogueira de Souza 1, Adré Corazza Gao 3 1 Eg. Floresal, Dr., Depo. de Egeharia

Leia mais

Juros Compostos 2016

Juros Compostos 2016 Juros Composos 2016 1. (G1 - ifal 2016) Em 2000, cero país da América Laia pediu um emprésimo de 1 milhão de dólares ao FMI (Fudo Moeário Ieracioal) para pagar em 100 aos. Porém, por problemas políicos

Leia mais

Técnicas de Previsão

Técnicas de Previsão Técicas de Previsão Prof. Ferado Auguso Silva Maris www.feg.uesp.br/~fmaris fmaris@feg.uesp.br 1 Sumário 1. Coceios 2. Eapas de um Modelo de Previsão 1. Objeivos 2. Colea e aálise de dados 3. Seleção da

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião

Curso de preparação para a prova de matemática do ENEM Professor Renato Tião Porcenagem As quaro primeiras noções que devem ser assimiladas a respeio do assuno são: I. Que porcenagem é fração e fração é a pare sobre o odo. II. Que o símbolo % indica que o denominador desa fração

Leia mais

Sistemas Dinâmicos. Sistema massa-mola-atrito. O que é um sistema? Sistemas Lineares e Invariantes no Tempo

Sistemas Dinâmicos. Sistema massa-mola-atrito. O que é um sistema? Sistemas Lineares e Invariantes no Tempo Sisemas Diâmicos Sisemas Lieares e Ivariaes o Tempo O que é um sisema? Sisema massa-mola-ario Um sisema é um objeco ou grupo de objecos que ieragem com o mudo. Essa ieracção é represeada aravés de eradas

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

Juros Simples e Compostos

Juros Simples e Compostos Juros Simples e Compostos 1. (G1 - epcar (Cpcar) 2013) Gabriel aplicou R$ 6500,00 a juros simples em dois bacos. No baco A, ele aplicou uma parte a 3% ao mês durate 5 6 de um ao; o baco B, aplicou o restate

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA DE SOBREVIVÊNCIA: UM ESTUDO COM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA

ANÁLISE ESTATÍSTICA DE SOBREVIVÊNCIA: UM ESTUDO COM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA ANÁLISE ESTATÍSTICA DE SOBREVIVÊNCIA: UM ESTUDO COM PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA Kelly Araúo César Uiversiae Caólica e Brasília Resumo Ese rabalho apresea a aálise esaísica e sobrevivêcia. Essa esima o

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b

JUROS COMPOSTOS. Questão 01 A aplicação de R$ 5.000, 00 à taxa de juros compostos de 20% a.m irá gerar após 4 meses, um montante de: letra b JUROS COMPOSTOS Chamamos de regime de juros compostos àquele ode os juros de cada período são calculados sobre o motate do período aterior, ou seja, os juros produzidos ao fim de cada período passam a

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA INTRODUÇÃO MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 1 1 Itrodução à Egeharia Ecoômica A egeharia, iserida detro do cotexto de escassez de recursos, pode aplicar

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

Capitulo 9 Resolução de Exercícios

Capitulo 9 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Empréstimos a Curto Prazo (Juros Simples) Taxa efetiva liear i l i ; Taxa efetiva expoecial i Empréstimos a Logo Prazo Relações Básicas C k R k i k ; Sk i Sk i e i ; Sk Sk Rk ; Sk i Sk R k ;

Leia mais

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios

O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios O Fluxo de Caixa Livre para a Empresa e o Fluxo de Caixa Livre para os Sócios! Principais diferenças! Como uilizar! Vanagens e desvanagens Francisco Cavalcane (francisco@fcavalcane.com.br) Sócio-Direor

Leia mais

OS IMPACTOS MACROECONÔMICOS DOS INVESTIMENTOS BRASILEIROS DIRETOS NO EXTERIOR

OS IMPACTOS MACROECONÔMICOS DOS INVESTIMENTOS BRASILEIROS DIRETOS NO EXTERIOR 54 OS IMPACTOS MACROECONÔMICOS DOS INVESTIMENTOS BRASILEIROS DIRETOS NO EXTERIOR Rubes Auguso Mirada Maria da Silva Borges Araújo 2 RESUMO A globalização produiva em gerado imporaes debaes sobre as implicações

Leia mais

Capitulo 10 Resolução de Exercícios

Capitulo 10 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com pricipal e juros simples corrigidos S C i I Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com apeas o pricipal corrigido e juros simples.

Leia mais

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS

PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS PARECER SOBRE A PROVA DE MATEMATICA FINANCEIRA CAGE SEFAZ RS O coteúdo programático das provas objetivas, apresetado o Aexo I do edital de abertura do referido cocurso público, iclui etre os tópicos de

Leia mais

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO A parte fiaceira disciplia todas as áreas de uma orgaização que esteja direta ou idiretamete ligadas à tomada de decisão. Todo profissioal

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

ANÁLISE DO EFEITO DO PESO DOS VEÍCULOS NAS ESTRADAS

ANÁLISE DO EFEITO DO PESO DOS VEÍCULOS NAS ESTRADAS ANÁLISE DO EFEITO DO PESO DOS VEÍCULOS NAS ESTADAS Luciao Bruo Faruolo 1, Divisão de Isrumeos de Medição de Massa, Direoria de Merologia Legal, Isiuo de Nacioal de Merologia, Normalização e ualidade Idusrial,

Leia mais

Capitulo 3 Resolução de Exercícios

Capitulo 3 Resolução de Exercícios S C J J C i FORMULÁRIO Regime de Juros Compostos S C i C S i S i C S LN C LN i 3.7 Exercícios Propostos ) Qual o motate de uma aplicação de R$ 00.000,00 aplicados por um prazo de meses, a uma taxa de 5%

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações.

Cálculo Financeiro Comercial e suas aplicações. Matemática Fiaceira Uidade de Sorriso - SENAC M, Prof Rikey Felix Cálculo Fiaceiro Comercial e suas aplicações. Método Algébrico Parte 0 Professor Rikey Felix Edição 0/03 Matemática Fiaceira Uidade de

Leia mais

Valoração econômica de sistemas de uso-da-terra mediante valor presente liquido (VPL), no distrito de José Crespo e Castillo, Perú

Valoração econômica de sistemas de uso-da-terra mediante valor presente liquido (VPL), no distrito de José Crespo e Castillo, Perú Archivos Laioamericaos de Producció Aimal (Arch. Laioam. Prod. Aim.) www.alpa.org.ve/ojs.idex/php Valoração ecoômica de sisemas de uso-da-erra mediae valor presee liquido (VPL), o disrio de José Crespo

Leia mais

Capitulo 2 Resolução de Exercícios

Capitulo 2 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Regime de Juros Simples S C J S 1 C i J Ci S C (1 i) S 1 C i Juro exato C i 365 S C 1 i C i 360 Juro Comercial 2.7 Exercícios Propostos 1 1) Qual o motate de uma aplicação de R$ 100.000,00 aplicados

Leia mais

TEORIA DE VALORES EXTREMOS PARA CÁLCULO DE VaR *

TEORIA DE VALORES EXTREMOS PARA CÁLCULO DE VaR * TEORIA DE VALORES ETREMOS PARA CÁLCULO DE VaR * Luiz Alvares Rezede de Souza ** (lalvares@usp.br) Marcos Eugêio da Silva *** (medsilva@usp.br) Julho de 999 Resumo É cohecido o fao de que disribuições de

Leia mais

12 Integral Indefinida

12 Integral Indefinida Inegral Indefinida Em muios problemas, a derivada de uma função é conhecida e o objeivo é enconrar a própria função. Por eemplo, se a aa de crescimeno de uma deerminada população é conhecida, pode-se desejar

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS

INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS Tipo de Prova: Exame 1ª Época Daa de realização: 4 de juho de 2014 Duração: 120 miuos Nome: Nº de aluo: Turma: GRUPO 1 CLASSIFICAÇÃO GRUPO 2 GRUPO 3 GRUPO 4 GRUPO 5 TOTAL Aee as

Leia mais

AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY

AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY APOSTILA EDIÇÃO: 2-2011 AUTOR: MAURÍCIO ROBERTO CURY www.mauriciocury.com ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 3 2. JUROS SIMPLES 5 2.1 Coceitos e Cálculos 5 2.2 Descoto Simples 8 2.2.1 Descoto Simples Bacário 8 2.2.2

Leia mais

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE

TAXA DE JUROS NOMINAL, PROPORCIONAL, EFETIVA E EQUIVALENTE ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. JUROS SIMPLES 3 2.1 Coceitos e Cálculos 3 2.2 Descoto Simples 6 2.2.1 Descoto Simples Bacário 6 2.2.2 Descoto Simples Racioal 8 3. JUROS COMPOSTOS 9 3.1 Coceitos e Cálculos 9

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada

Matemática Financeira Aplicada Séries Periódicas Uiformes Séries Uiformes Postecipadas 0 1 2 3 4 Séries Uiformes Atecipadas 0 1 2 3 4-1 Séries Uiformes Diferidas (atecipada/postecipada) carêcia 0 c c+1 c+2 c+3 Valor Presete das Séries

Leia mais

Exercícios Propostos

Exercícios Propostos Exercícios Propostos Ateção: Na resolução dos exercícios cosiderar, salvo eção e cotrário, ao coercial de 360 dias. 1. Calcular o otate de ua aplicação de $3.500 pelas seguite taxas de juros e prazos:

Leia mais

1. Na figura seguinte está representada parte do gráfico de uma função g, de domínio R e contínua em

1. Na figura seguinte está representada parte do gráfico de uma função g, de domínio R e contínua em PROVA ESCRITA DE MATEMÁTICA A.º E 00 Fevereiro 8 Duração da prova: 90 miuos VERSÃO Grupo I Para cada uma das cico quesões dese grupo, seleccioe a resposa correca de ere as aleraivas que lhe são apreseadas

Leia mais

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA

PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - 0 - PROFESSOR: SEBASTIÃO GERALDO BARBOSA Setembro/203 UNESPAR/Paraavaí - Professor Sebastião Geraldo Barbosa - - TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCIEIRA

Leia mais

Testando a existência de efeitos lead-lag entre os mercados acionários norte-americano e brasileiro

Testando a existência de efeitos lead-lag entre os mercados acionários norte-americano e brasileiro SEGeT Simpósio de Excelêcia em Gesão e Tecologia 2 Tesado a exisêcia de efeios lead-lag ere os mercados acioários ore-americao e brasileiro Oávio Reiro de Medeiros Professor Tiular da Uiversidade de Brasília

Leia mais

TIR Taxa Interna de Retorno LCF Economia de Recursos Florestais 2009

TIR Taxa Interna de Retorno LCF Economia de Recursos Florestais 2009 TIR Taxa Inerna de Reorno LCF 685-Economia de Recursos Floresais 2009 TIR: Taxa Inerna de Reorno AT Taxa Inerna de Reorno (TIR)de um projeo é aquela que orna o valor presene das receias menos o valor presene

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL Daa da Avaliação: 3/2/200 Dados do Plano Nome do Plano: CEEEPREV CNPB: 20.020.04-56 Parocinadoras: Companhia Esadual de Geração e Transmissão de Energia Elérica CEEE-GT Companhia Esadual

Leia mais

Função definida por várias sentenças

Função definida por várias sentenças Ese caderno didáico em por objeivo o esudo de função definida por várias senenças. Nese maerial você erá disponível: Uma siuação que descreve várias senenças maemáicas que compõem a função. Diversas aividades

Leia mais

Faculdade de Engenharia. Análise Matemática 2 MIEEC 2015/2016

Faculdade de Engenharia. Análise Matemática 2 MIEEC 2015/2016 aculdade de Egeharia Aálise Maemáica 2 MEEC 25/26 ucioameo aculdade de Egeharia Teórico-práicas exposição e discussão da maéria resolução de exercícios Trabalho exra-aula resolução dos exercícios proposos

Leia mais

Equivalência de capitais a juros compostos

Equivalência de capitais a juros compostos Comercial e Fiaceira Equivalêcia de capitais a juros compostos Dois capitais são equivaletes se comparados em uma mesma data, descotados ou capitalizados por uma mesma taxa de juros produzem um mesmo valor

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

MAT302 - Cálculo 2. INTEGRAIS Integral Indefinida pág. 403. Bibliografia: Cálculo volume I, 5 edição. James Stewart Prof.

MAT302 - Cálculo 2. INTEGRAIS Integral Indefinida pág. 403. Bibliografia: Cálculo volume I, 5 edição. James Stewart Prof. MAT - Cálculo Biliografia: Cálculo volume I, 5 edição. James Sewar Prof. Valdecir Boega INTEGRAIS Iegral Idefiida pág. 4 Aé aqui, osso prolema ásico era: ecorar a derivada de uma fução dada. A parir de

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA

= + 3. h t t. h t t. h t t. h t t MATEMÁTICA MAEMÁICA 01 Um ourives possui uma esfera de ouro maciça que vai ser fundida para ser dividida em 8 (oio) esferas menores e de igual amanho. Seu objeivo é acondicionar cada esfera obida em uma caixa cúbica.

Leia mais

UM MODELO HIERÁRQUICO PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS A HIERARCHICAL MODEL TO AGRICULTURAL COMMODITIES PRICES FORECAST

UM MODELO HIERÁRQUICO PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS A HIERARCHICAL MODEL TO AGRICULTURAL COMMODITIES PRICES FORECAST Revisa Produção Olie v.0,.4, dez. 200 ISSN: 676-90 www.producaoolie.org.br UM MODELO HIERÁRQUICO PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE COMMODITIES AGRÍCOLAS A HIERARCHICAL MODEL TO AGRICULTURAL COMMODITIES PRICES

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

INTERPRETANDO CORRETAMENTE O PASSADO PODEM-SE GERAR PREVISÕES ÚTEIS PARA O FUTURO.

INTERPRETANDO CORRETAMENTE O PASSADO PODEM-SE GERAR PREVISÕES ÚTEIS PARA O FUTURO. MÓDUO - MODEOS DE PREVISÃO E ESTIMATIVA DE DEMANDA Baseado em Chopra, Suil e Meidl, Peer, Gereciameo da Cadeia de Suprimeos, Preice Hall, São Paulo, 23. Quao se deve fabricar os próximos dias? Quais os

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013 CIRCULAR Nº.640, DE 4 DE MARÇO DE 20 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela dos aivos ponderados pelo risco (RWA), relaiva ao cálculo do capial requerido para o risco operacional mediane abordagem

Leia mais

2.4. Grandezas Nominais e Reais

2.4. Grandezas Nominais e Reais 2.4. Gradezas Nomas e Reas rcpas varáves macroecoómcas (IB, C, G, I, X, Q,...): sedo agregações, são ecessaramee valores moeáros Calculadas a preços correes / em valor / em ermos omas, Mas eressa, frequeemee,

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios

Matemática Financeira I 3º semestre 2013 Professor Dorival Bonora Júnior Lista de teoria e exercícios www/campossalles.br Cursos de: dmiistração, Ciêcias Cotábeis, Ecoomia, Comércio Exterior, e Sistemas de Iformação - telefoe (11) 3649-70-00 Matemática Fiaceira I 3º semestre 013 Professor Dorival Boora

Leia mais

TESTE DE HIPÓTESES COM DUAS AMOSTRAS TESTE DE HIPOTESES DA DIFERENÇA ENTRE DUAS MÉDIAS POPULACIONAIS

TESTE DE HIPÓTESES COM DUAS AMOSTRAS TESTE DE HIPOTESES DA DIFERENÇA ENTRE DUAS MÉDIAS POPULACIONAIS TESTE DE HIPÓTESES COM DUAS AMOSTRAS TESTE DE HIPOTESES DA DIFERENÇA ENTRE DUAS MÉDIAS POPULACIONAIS A hipóese ula (Ho) usualmee esaa é a e que as uas amosras eham sio obias e populações om méias iguais,

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

CÁLCULO DO BALANÇO ENTRE ATIVIDADES REPETITIVAS PARA USO EM PROGRAMAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS.

CÁLCULO DO BALANÇO ENTRE ATIVIDADES REPETITIVAS PARA USO EM PROGRAMAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. CÁLCULO DO BALANÇO ENTRE ATIVIDADES REPETITIVAS PARA USO EM PROGRAMAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Carlos Luciao Sa Aa Vargas Mesrado do Programa de Pós-graduação em Egeharia de Produção a UFSC Praça

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS

INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS Tipo de Prova: Exame 1ª Época Daa de realização: 30 de maio de 2013 Duração: 120 miuos Nome: Nº de aluo: Turma: Classificação Aee as seguies idicações: A prova pode ser realizada

Leia mais

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem

VII Equações Diferenciais Ordinárias de Primeira Ordem VII Equações Difereciais Ordiárias de Primeira Ordem Itrodução As equações difereciais ordiárias são istrumetos esseciais para a modelação de muitos feómeos proveietes de várias áreas como a física, química,

Leia mais

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples:

M = C (1 + i) n. Comparando o cálculo composto (exponencial) com o cálculo simples (linear), vemos no cálculo simples: PEDRO ORBERTO JUROS COMPOSTOS Da capitalização simples, sabemos que o redimeto se dá de forma liear ou proporcioal. A base de cálculo é sempre o capital iicial. o regime composto de capitalização, dizemos

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

Data Saldo Devedor Amortização Juros Prestação 0 100.000 ----- ----- ----- 1 80.000 20.000 2.000 22.000 2 60.000 20.000 1.600 21.

Data Saldo Devedor Amortização Juros Prestação 0 100.000 ----- ----- ----- 1 80.000 20.000 2.000 22.000 2 60.000 20.000 1.600 21. Sistema de Amortização Costate (SAC) MATEMÁTICA FINANCEIRA BANRISUL PEDRÃO AULA 11/EXTRA AMORTIZAÇÃO Os empréstimos e fiaciametos são operações fiaceiras muito comus, e as formas mais utilizadas para o

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

Resposta no tempo de sistemas de primeira e de segunda ordem só com pólos

Resposta no tempo de sistemas de primeira e de segunda ordem só com pólos Resposa o empo de sisemas de pimeia e de seguda odem só com pólos Luís Boges de Almeida Maio de Iodução Esas oas apeseam, de foma sumáia, o esudo da esposa o empo dos sisemas de pimeia e de seguda odem

Leia mais

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase

Sistemas não-lineares de 2ª ordem Plano de Fase EA93 - Pro. Von Zuben Sisemas não-lineares de ª ordem Plano de Fase Inrodução o esudo de sisemas dinâmicos não-lineares de a ordem baseia-se principalmene na deerminação de rajeórias no plano de esados,

Leia mais

2. Referencial Teórico

2. Referencial Teórico 15 2. Referencial Teórico Se os mercados fossem eficienes e não houvesse imperfeições, iso é, se os mercados fossem eficienes na hora de difundir informações novas e fossem livres de impedimenos, índices

Leia mais

MA12 - Unidade 10 Matemática Financeira Semana 09/05 a 15/05

MA12 - Unidade 10 Matemática Financeira Semana 09/05 a 15/05 MA12 - Unidade 10 Matemática Financeira Semana 09/05 a 15/05 Uma das importantes aplicações de progressões geométricas é a Matemática Financeira. A operação básica da matemática nanceira é a operação de

Leia mais

Aula 02 - Relações de Equivalência

Aula 02 - Relações de Equivalência MATEMÁTICA FINANCEIRA Aula 02 - Relações de Equivalêcia Prof. Waderso S. Paris, M.Eg. prof@croosquality.com.br Relação etre P e F F 0 0 P Relação etre P e F Demostração da relação: Pricipal + juros = P

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

Economia e Finanças Públicas Aula T21. Bibliografia. Conceitos a reter. Livro EFP, Cap. 14 e Cap. 15.

Economia e Finanças Públicas Aula T21. Bibliografia. Conceitos a reter. Livro EFP, Cap. 14 e Cap. 15. Economia e Finanças Públicas Aula T21 6.3 Resrição Orçamenal, Dívida Pública e Susenabilidade 6.3.1 A resrição orçamenal e as necessidades de financiameno 6.3.2. A divida pública 6.3.3 A susenabilidade

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada.

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada. TÍTULO : DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS 29 Página 1 de 7 CIRCULAR Nº.8 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela do Parimônio de Referência Exigido (PRE) referene ao risco operacional (P OPR ), de

Leia mais

CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA

CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA CAPÍTULO 2 MATEMÁTICA FINANCEIRA A Matemática Financeira se preocupa com o valor do dinheiro no tempo. E pode-se iniciar o estudo sobre o tema com a seguinte frase: NÃO SE SOMA OU SUBTRAI QUANTIAS EM DINHEIRO

Leia mais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais 1. Calcule o Valor Presente Líquido do fluxo de caixa que segue, para as taxas de desconto de 8% a.a., 10% a.a.

Leia mais