A moderna imagem do pâncreas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A moderna imagem do pâncreas"

Transcrição

1 Capítulo 5 A moderna imagem do pâncreas Manoel de Souza Rocha Introdução Muito se tem falado dos avanços dos métodos de diagnóstico por imagem, mas em poucas áreas do organismo esse avanço foi tão significativo quanto no pâncreas. Até os meados da década de 1970, a avaliação do pâncreas por métodos de imagem (radiológicos) se resumia às radiografias simples do abdome em busca de calcificações com padrão de pancreatite crônica e aos estudos contrastados do estômago e do duodeno, nos quais se tentava observar sinais indiretos de aumento pancreático. Passados 30 anos, hoje podemos visualizar o parênquima pancreático, o ducto principal e, às vezes, até ductos secundários normais. Além disso, os métodos de diagnóstico por imagem são cada vez mais utilizados na obtenção de material anatomopatológico que permita um diagnóstico definitivo. Todo este contínuo avanço dos métodos de diagnóstico por imagem torna necessária uma integração entre os gastroenterologistas e os radiologistas para que se indiquem os exames mais adequados e para que a interpretação das imagens se faça com base nos dados clínicos do paciente. Nesta apresentação vamos destacar os progressos de cada um dos métodos de diagnóstico por imagem utilizados na avaliação do pâncreas. A ultra-sonografia (US) pela sua disponibilidade e pelo seu baixo custo costuma ser o primeiro método de diagnóstico por imagem utilizado na avaliação de pacientes com sintomatologia abdominal.

2 Gastroenterologia: da Patogenia à Prática Clínica Embora a localização retroperitoneal do pâncreas e a interposição de vísceras ocas preenchidas por gás entre o pâncreas e a parede abdominal representem problemas para o exame de US, o método muitas vezes consegue observar perfeitamente o parênquima pancreático e definir se há dilatação ductal pancreática. Outro ponto importante do exame ultra-sonográfico é a sua capacidade de avaliação das vias biliares, freqüentemente também alteradas em doenças que acometem a cabeça do pâncreas. Os exames de US, quando bem realizados, permitem a definição do padrão textural de massas pancreáticas, definindo-as como sólidas, císticas ou mistas. A utilização do Doppler aprimora o exame ultra-sonográfico do pâncreas avaliando o padrão de vascularização das lesões, bem como estudando a eventual repercussão sobre as estruturas vasculares adjacentes. A grande limitação do exame ultrasonográfico é o seu caráter operadordependente. Ao contrário do que ocorre com os outros métodos de diagnóstico por imagem, um exame de US não pode ser discutido posteriormente por diferentes profissionais e as suas imagens são de difícil interpretação. Ressonância magnética A ressonância magnética (RM) vem sendo cada vez mais utilizada na avaliação do abdome em decorrência da melhoria das seqüências, que progressivamente vêm diminuindo o seu tempo de aquisição e os artefatos gerados pela movimentação das estruturas abdominais. A avaliação do pâncreas pela RM inclui seqüências que avaliam o parênquima antes e após a administração endovenosa de meio de contraste paramagnético e seqüências de colangiopancreatografia por RM (CPRM). A CPRM é um tipo de seqüência de RM na qual se obtém uma imagem de colangiopancreatografia sem a utilização de meio de contraste. As imagens de CPRM são extremamente ponderadas em T2. Como se sabe, as estruturas com conteúdo líquido de fluxo lento ou estáticas se apresentam com hipersinal em T2. Programando-se a aquisição das imagens para o hipocôndrio direito e acentuando-se ao máximo a ponderação em T2, só aparecerão nessas imagens os ductos biliares e pancreáticos e os segmentos intestinais que tenham líquido no seu interior. Desta forma se obtém um estudo ductal biliar e pancreático sem nenhum caráter invasivo e sem a utilização de nenhum meio de contraste. Entretanto, deve-se destacar que a CPRM deve ser vista como parte de um exame mais completo de RM, o qual deve incluir as seqüências com meio de contraste endovenoso para melhor avaliação das estruturas parenquimatosas e das suas relações com as estruturas vasculares adjacentes. 74

3 Manoel de Souza Rocha Tomografia computadorizada Nos últimos anos, a tomografia computadorizada (TC) apresentou um grande avanço tecnológico com o desenvolvimento da metodologia de múltiplas camadas de detectores (TC multislice). Esta metodologia consiste em um aprimoramento da TC helicoidal. Atualmente existem tomógrafos multislices com até 64 camadas de detectores. Esses equipamentos permitem a aquisição extremamente rápida de imagens muito finas. Tais imagens podem ser apresentadas em diferentes planos (coronal, sagital e oblíquos) com a mesma resolução das imagens transversais axiais. Com isso. a TC multislice passa a ter as mesmas vantagens da US e da RM de visualizar o pâncreas e as suas relações com as estruturas adjacentes sob os mais diversos planos. Um exame de TC de boa qualidade depende também da administração endovenosa de meio de contraste iodado, fundamental para a identificação de lesões focais pancreáticas e para a tentativa de caracterização da sua natureza. As imagens de TC podem ser processadas para gerarem imagens de angiotomografia e de colangiopancreatografia, facilitando o reconhecimento pelo clínico das relações de eventuais lesões parenquimatosas do pâncreas com as estruturas vasculares e ductais. Com tais aprimoramentos, a TC permanece como o método de diagnóstico por imagem mais utilizado na avaliação das doenças do pâncreas. endoscópica A ultra-sonografia endoscópica (USE) é um método que permite uma visão extremamente detalhada do pâncreas e das estruturas adjacentes. Entretanto, a USE é um método com um campo de visão mais limitado e deve ser vista como um método complementar a estudos mais panorâmicos como a US, RM e TC. A USE tem sido utilizada na avaliação das relações de massas pancreáticas com estruturas vasculares na tentativa de definir a ressecabilidade de tais massas. Uma grande vantagem da USE é a possibilidade de utilizá-la para as biópsias de lesões focais pancreáticas ou de estruturas adjacentes como linfonodos. Como desvantagem, deve-se citar o fato de que este é um método ainda de acesso restrito no nosso meio. Tomografia por emissão de pósitrons A tomografia por emissão de pósitrons (PET) é um método de diagnóstico por imagem do corpo inteiro que avalia o grau de metabolismo das diversas estruturas através do consumo de uma substância 75

4 Gastroenterologia: da Patogenia à Prática Clínica análoga à glicose, a 18-fluorodesoxiglicose (18-FDG). Nos últimos anos, a PET desenvolveu-se, de modo significativo, particularmente com a introdução dos equipamentos de PET-CT, nos quais são obtidas, quase que simultaneamente, imagens de TC e de PET. Tais imagens podem ser fundidas de tal forma que uma área de maior metabolismo identificada na PET pode ter a sua localização anatômica definida pelas imagens de TC. Deve-se destacar que essas imagens de TC não são equivalentes às de um exame específico de TC. Além disso, deve-se mencionar também que a identificação de uma área de maior metabolismo à PET não significa uma lesão de natureza neoplásica, pois processos inflamatórios infecciosos também costumam apresentar aumento de metabolismo identificável à PET. Pacientes com doenças pancreáticas podem apresentar alterações do metabolismo da glicose que dificultam a avaliação de exames de PET. Embora ainda não esteja definitivamente documentado o valor da PET na avaliação do pâncreas, esta é uma metodologia em evolução e que pode ser utilizada em alguns casos selecionados, particularmente na pesquisa de lesões metastáticas a distância. Arteriografia Com o desenvolvimento dos diversos métodos de diagnóstico por imagem não invasivos, cada vez menos se utilizam os estudos angiográficos na avaliação de doenças pancreáticas. A técnica tem sido reservada agora para os casos em que possa ser utilizada em manobras terapêuticas, como, por exemplo, na embolização de pseudo-aneurismas diagnosticados pelos outros métodos. operatória Dentre os métodos de diagnóstico por imagem para avaliação do pâncreas, não se pode deixar de mencionar a ultra-sonografia intraoperatória (USIO). A USIO é mais utilizada na pesquisa de pequenos tumores pancreáticos neuroendócrinos e no auxílio ao cirurgião nas nodulectomias quando se procura determinar as relações do nódulo com o ducto pancreático principal. Este método permite também a identificação de pequenas metástases hepáticas, às vezes não perceptíveis aos métodos pré-operatórios. Conclusão Conhecendo-se as características dos diferentes métodos de diagnóstico por imagem que podem ser utilizados na avaliação do pâncreas, deve-se destacar que cabe ao clínico, se possível em conjunto com o radiologista, verificar qual método mais bem se aplica ao caso específico em estudo. A escolha desse método deve considerar as questões de disponibi- 76

5 Manoel de Souza Rocha lidade e de custo, mas sobretudo deve-se valorizar a resolutibilidade do método, ou seja, a capacidade de esclarecer o maior número possível de questionamentos que o clínico tenha. Referências bibliográficas 1. Talamonti MS, Denham W. Staging and surgical management of pancreatic and biliary cancer and inflammation. Radiol Clin North Am 2002; 40: Kalra MK, Maher MM, Mueller PR et al. Stateof-the-art imaging of pancreatic neoplasms. Br J Radiol 2003; 76: Harris JP, Nelson RC. Abdominal imaging with multidetector computed tomography: state of the art. J Comput Assist Tomogr 2004; 28:S17- S Hartmann D, Schilling D, Bassler B et al. ERCP and MRCO in the differentiation of pancreatic tumors. Dig Dis 2004; 22: Imbriaco M, Megibow AJ, Ragozzino A, et al. Value of the single-phase technique in MDCT assessment of pancreatic tumors. AJR Am J Roentgenol 2005; 184: Li H, Zeng MS, Zhou KR et al. Pancreatic adenocarcinoma: the different CT criteria for peripancreatic major arterial and venous invasion. J Comput Assist Tomogr 2005; 29: Keppke AL, Miller FH. Magnetic resonance imaging of the pancreas: the future is now. Semin Ultrasound CT MR 2005; 26: Matos C, Bali MA, Delhaye M et al. Magnetic resonance imaging in the detection of pancreatitis and pancreatic neoplams. Best Pract Res Clin Gastroenterol 2006; 20: Pamuklar E, Semelka RC. MR imaging of the pancreas. Magn Reson Imaging Clin N Am 2005; 13: Foley WD, Kerimoglu U. Abdominal MDCT: liver, pancreas, and biliary tract. Semin Ultrasound CT MR 2004; 25:

PET/CT no estadiamento do câncer de esôfago e gástrico. Quando indicar?

PET/CT no estadiamento do câncer de esôfago e gástrico. Quando indicar? PET/CT no estadiamento do câncer de esôfago e gástrico. Quando indicar? ESÔFAGO ESÔFAGO - AVALIAÇÃO DO TUMOR PRIMÁRIO ULTRASSONOGRAFIA ENDOSCÓPICA É o método de escolha ESTADIAMENTO TUMORAL extensão do

Leia mais

Alessandro Bersch Osvaldt

Alessandro Bersch Osvaldt Tratamento Cirúrgico das Neoplasias Papilares Mucinosas Intraductais (IPMN) Alessandro Bersch Osvaldt Grupo de Vias Biliares e Pâncreas Neoplasias Císticas do Pâncreas Pseudopapilar SólidoCístico (3,4%)

Leia mais

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve.

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve. 24 de Outubro de 2006. Professor Amphilophio. Tomografia computadorizada do abdome e da pelve TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Adenocarcinoma de Pâncreas Bruno Sérgio de Souza Bernardes Sólidos: Tumores do Pâncreas Classificação

Leia mais

PET- TC aplicações no Tórax

PET- TC aplicações no Tórax PET- TC aplicações no Tórax Disciplina de Pneumologia InCor- HCFMUSP Prof. Dr. Mário Terra Filho 1906 1863 Eisenberg 1992 (J. Kavakama) RxTC- Sec XIX-XX Lyons-Petrucelli 1978 Sec XIX PET- Sec XX-XXI PET

Leia mais

Alta morbidade e mortalidade nas cirurgias pancreáticas

Alta morbidade e mortalidade nas cirurgias pancreáticas Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem LESÕES CÍSTICAS DE PÂNCREAS 02/07/2009 Matheus Gonzalez Lopes R3 Contexto Atual Prevalência crescente

Leia mais

Dr. Jefferson Mazzei Radiologista Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho

Dr. Jefferson Mazzei Radiologista Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho Dr. Jefferson Mazzei Radiologista Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho Objetivo da aula; Diagnóstico, estadiamento, acompanhamento, prevenção e pesquisa clínica; Limitações do método. Definição

Leia mais

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS

Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT. Segundo diretrizes ANS Diretrizes ANS para realização do PET Scan / PET CT Segundo diretrizes ANS Referencia Bibliográfica: Site ANS: http://www.ans.gov.br/images/stories/a_ans/transparencia_institucional/consulta_despachos_poder_judiciari

Leia mais

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4

Avaliação por Imagem do Pâncreas. Aula Prá8ca Abdome 4 Avaliação por Imagem do Pâncreas Aula Prá8ca Abdome 4 Obje8vos 1. Entender papel dos métodos de imagem (RX, US, TC e RM) na avaliação de lesões focais e difusas do pâncreas. 2. Revisar principais aspectos

Leia mais

Estadiamento dos Tumores do Tubo Digestivo

Estadiamento dos Tumores do Tubo Digestivo Liga Acadêmica de Gastro-Cirurgia - 2010 Estadiamento dos Tumores do Tubo Digestivo Giuseppe D Ippolito EPM DDI Setor do Abdome Hospital São Luiz scoposl@uol.com.br Câncer do Esôfago, Estômago e Cólon

Leia mais

ESTUDO PARAMÉTRICO DE ENTERORRESSONÂNCIA MAGNÉTICA: ENSAIO ICONOGRÁFICO PARAMETRIC STUDIES OF MR ENTEROGRAPHY : AN ICONOGRAPHIC ESSAY

ESTUDO PARAMÉTRICO DE ENTERORRESSONÂNCIA MAGNÉTICA: ENSAIO ICONOGRÁFICO PARAMETRIC STUDIES OF MR ENTEROGRAPHY : AN ICONOGRAPHIC ESSAY ESTUDO PARAMÉTRICO DE ENTERORRESSONÂNCIA MAGNÉTICA: ENSAIO ICONOGRÁFICO PARAMETRIC STUDIES OF MR ENTEROGRAPHY : AN ICONOGRAPHIC ESSAY Rosângela F. de Souza 1, Maria Elisa de C. Braga 2, Patrícia F. Cauduro

Leia mais

A IMAGIOLOGIA NA PATOLOGIA PANCREÁTICA 5º ANO

A IMAGIOLOGIA NA PATOLOGIA PANCREÁTICA 5º ANO 5º ANO SUMÁRIO Métodos de imagem (MI) Pancreatite aguda (PA) Pancreatite crónica (PC) Tumores do pâncreas MÉTODOS DE IMAGEM Ecografia ( ECO ) Tomografia computorizada ( TC ) Ressonância magnética ( RM

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME PROTOCOLO DE ABDOME TOTAL POSIÇÃO DORSAL: Paciente em decúbito dorsal, entrando primeiro com a cabeça, apoiada sobre o suporte reto, braços elevados acima da cabeça.

Leia mais

Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR SUSPEITA DE METÁSTASE HEPÁTICA

Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR SUSPEITA DE METÁSTASE HEPÁTICA Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR SUSPEITA DE METÁSTASE HEPÁTICA Painel de Especialistas em Imagem Gastrintestinal: Robert L. Bree, Médico 1 ; Frederick Leslie Greene, Médico

Leia mais

Hérnias da parede abdômino-pélvica: aspectos tomográficos

Hérnias da parede abdômino-pélvica: aspectos tomográficos Hérnias da parede abdômino-pélvica: aspectos tomográficos / D Ippolito G et al. Artigo de Revisão Hérnias da parede abdômino-pélvica: aspectos tomográficos Giuseppe D Ippolito 1, George de Queiroz Rosas

Leia mais

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1

Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal. Aula Prá:ca Abdome 1 Como escolher um método de imagem? - Dor abdominal Aula Prá:ca Abdome 1 Obje:vos Entender como decidir se exames de imagem são necessários e qual o método mais apropriado para avaliação de pacientes com

Leia mais

Pancreatite Crônica. Ana Catarina Gadelha de Andrade. Residente de 3º Ano

Pancreatite Crônica. Ana Catarina Gadelha de Andrade. Residente de 3º Ano UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA DISCIPLINA DE GASTROENTEROLOGIA, HEPATOLOGIA E ENDOSCOPIA PEDIÁTRICA Pancreatite Crônica Ana Catarina Gadelha de Andrade Residente de 3º Ano

Leia mais

Radiographics Nov 2005. Abril 2007

Radiographics Nov 2005. Abril 2007 Radiographics Nov 2005 Abril 2007 INTRODUÇÃO Aumento da detecção lesões quisticas pâncreas (Eco, TC, RM) Aumento do número de cirurgias pancreáticas Muitas lesões quisticas do pâncreas são benignas Importância

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II 1 O SEMESTRE DE 2015 PROFESSORES: Andréa de Lima Bastos Giovanni Antônio Paiva de Oliveira 1. EMENTA: Procedimentos, Protocolos,

Leia mais

Principais características

Principais características Tomografia Computadorizada com Multidetectores Philips Brilliance 64 Reunião Abdome DDI 17/6/2009 Carlos Matsumoto MDCT X SDCT Principais características Cortes mais rápidos < artefatos de movimentos Melhor

Leia mais

TUMORES NEUROENDÓCRINOS

TUMORES NEUROENDÓCRINOS TUMORES NEUROENDÓCRINOS MEDICINA NUCLEAR Inês Lucena Sampaio Serviço de Medicina Nuclear do IPO-Porto TNE: DEFINIÇÃO The North American Neuroendocrine Tumor Society (NANETS) (NANETS Guidelines, The Pathologic

Leia mais

Nódulo Adrenal Incidental: Benigno ou Maligno?

Nódulo Adrenal Incidental: Benigno ou Maligno? Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem Nódulo Adrenal Incidental: Benigno ou Maligno? Fernando Ferreira R3 Incidentaloma Nódulos descobertos

Leia mais

Lesões císticas do pâncreas: abordagem diagnóstica e terapêutica

Lesões císticas do pâncreas: abordagem diagnóstica e terapêutica Lesões císticas do pâncreas: abordagem diagnóstica e terapêutica Gustavo Rêgo Coêlho (TCBC) Serviço de Cirurgia e Transplante de Fígado Hospital das Clínicas - UFC Tumores Cís+cos do Pâncreas Poucos tópicos

Leia mais

Gastroenteroanastomose

Gastroenteroanastomose HM Cardoso Fontes Serviço o de Cirurgia Geral Sessão Clínica 31/03/05 Gastroenteroanastomose em Tumores Irressecáveis de Cabeça de Pâncreas Diego Teixeira Alves Rangel Estatísticas HM Cardoso Fontes Johns

Leia mais

Avaliação por ressonância magnética das massas pélvicas

Avaliação por ressonância magnética das massas pélvicas valiação por ressonância magnética das massas pélvicas / Souza LRMF et al. rtigo Original valiação por ressonância magnética das massas pélvicas Luís Ronan Marquez Ferreira de Souza 1, Salomão Faintuch

Leia mais

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NA DETECÇÃO DO CÂNCER MAMÁRIO OCULTO

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NA DETECÇÃO DO CÂNCER MAMÁRIO OCULTO RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NA DETECÇÃO DO CÂNCER MAMÁRIO OCULTO Lima R.V., Martins G., Sano R.S., Zanatta W., Lima S.S., Mendonça M.H.S. Med Imagem Hospital Beneficência Portuguesa - São Paulo - Brasil INTRODUÇÃO

Leia mais

QUANDO SOLICITAR A RM DE PRÓSTATA COMO PARTE DO DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO? DR.PÚBLIO VIANA

QUANDO SOLICITAR A RM DE PRÓSTATA COMO PARTE DO DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO? DR.PÚBLIO VIANA QUANDO SOLICITAR A RM DE PRÓSTATA COMO PARTE DO DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO? DR.PÚBLIO VIANA RM NO CA PROSTÁTICO Estadiamento loco-regional Detecção tumoral Pesquisa de recidiva local pósprostatectomia

Leia mais

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES BENIGNOS ( classificação de Christensen & Ishate A) TUMORES BENIGNOS VERDADEIROS 1) De origem epitelial adenoma papilar ( papiloma)

Leia mais

CLÍNICA UNIVERSITÁRIA DE RADIOLOGIA HOSPITAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA DIRECTOR: PROF. DOUTOR FILIPE CASEIRO ALVES

CLÍNICA UNIVERSITÁRIA DE RADIOLOGIA HOSPITAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA DIRECTOR: PROF. DOUTOR FILIPE CASEIRO ALVES CLÍNICA UNIVERSITÁRIA DE RADIOLOGIA HOSPITAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA DIRECTOR: PROF. DOUTOR FILIPE CASEIRO ALVES Moderadora: Dr.ª Cristina Marques Catarina Fontes Ruivo 2 de Fevereiro de 2011 Massas

Leia mais

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 50 Outubro 2013 ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 50 Outubro 2013 ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano V Edição 50 Outubro 2013 ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS ÍNDICE DE RESISTIVIDADE NO DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS MAMÁRIOS AUTOR Dr.

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Imagem da Semana: Radiografia e tomografia computadorizada (TC) Figura 1: Radiografia de abdome em incidência anteroposterior, em ortostatismo (à esquerda) e decúbito dorsal (à direita) Figura 2: Tomografia

Leia mais

Daros, K A C e Medeiros, R B

Daros, K A C e Medeiros, R B 1 ESTUDO DAS FONTES DE RUÍDO DA IMAGEM PARA FINS DE OTIMIZAÇÃO DAS DOSES NA TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DE CRÂNIO E ABDOME ADULTO Daros, K A C e Medeiros, R B Universidade Federal de São Paulo São Paulo

Leia mais

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC

Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS BENIGNOS Prof. Dr. Jorge Eduardo F. Matias Cirurgia do Aparelho Digestivo Departamento de Cirurgia UFPR - HC DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DOS NÓDULOS HEPÁTICOS

Leia mais

DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR

DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR DISCIPLINA DE RADIOLOGIA UFPR MÓDULO ABDOME AULA 2 AVALIAÇÃO INTESTINAL POR TC E RM Prof. Mauricio Zapparoli Neste texto abordaremos protocolos de imagem dedicados para avaliação do intestino delgado através

Leia mais

CÂNCER DE ENDOMÉTRIO

CÂNCER DE ENDOMÉTRIO Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR CÂNCER DE ENDOMÉTRIO Painel de Especialistas em Imagem Ginecológica: Hedvig Hricak, Médica, PhD 1 ; Ellen Mendelson, Médica 2 ; Marcela Böhm-Vélez,

Leia mais

Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário

Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário VIII Congresso de Pneumologia e Tisiologia do Estado do Rio de Janeiro Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Ciências Médicas Hospital Universitário

Leia mais

Data: 07/12/2012. Medicamento X Material Procedimento Cobertura. TEMA: Pet CT no câncer de colon e no câncer gástrico

Data: 07/12/2012. Medicamento X Material Procedimento Cobertura. TEMA: Pet CT no câncer de colon e no câncer gástrico NT 43/2012 Solicitante: Ilma Dra Jacqueline de Souza Toledo e Dutra Juíza de Direito do 2º JESP do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre Numeração: 0162231-94.2012.8.13.0525 Data: 07/12/2012 Medicamento

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Câncer do pâncreas Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Diagnóstico A tomografia helicoidal com dupla fase é o melhor exame de imagem para diagnosticar e estadiar uma suspeita de carcinoma

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO HEPATOCARCINOMA

DIAGNÓSTICO DO HEPATOCARCINOMA Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia Curitiba, Abril de 2006 DIAGNÓSTICO DO HEPATOCARCINOMA MÁRIO REIS ÁLVARES DA SILVA Hospital de Clínicas de Porto Alegre Universidade Federal do Rio

Leia mais

02 de Agosto de 2015 (Domingo)

02 de Agosto de 2015 (Domingo) 02 de Agosto de 2015 (Domingo) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:45 10:10 MESA REDONDA: AFECCOES VASCULARES FREQUENTES NA PRATICA DIARIA DO CIRURGIAO 8:45-9:00

Leia mais

GUIA PET-CT DEPARTAMENTO DE MEDICINA MOLECULAR TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE POSITRÕES COM TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA MEDICINA DE EXCELÊNCIA E INOVAÇÃO

GUIA PET-CT DEPARTAMENTO DE MEDICINA MOLECULAR TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE POSITRÕES COM TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA MEDICINA DE EXCELÊNCIA E INOVAÇÃO GUIA PET-CT TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE POSITRÕES COM TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA DEPARTAMENTO DE MEDICINA MOLECULAR MEDICINA DE EXCELÊNCIA E INOVAÇÃO TOMOGRAFIA POR EMISSÃO DE POSITRÕES COM TOMOGRAFIA COMPUTORIZADA

Leia mais

Introdução à Neuroimagem

Introdução à Neuroimagem FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Introdução à Neuroimagem Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Neuroimagem Técnicas de Imagem

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS PROMOVE CURSO DE TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA

FACULDADES INTEGRADAS PROMOVE CURSO DE TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA 2 FACULDADES INTEGRADAS PROMOVE CURSO DE TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA ANATOMIA DO PÂNCREAS Orientando: MÁRCIA DA SILVA LIMA Orientador: Esp. GLÊICIO OLIVEIRA VALGAS BRASÍLIA 2013 3 MÁRCIA DA SILVA LIMA CURSO

Leia mais

ESTUDO RETROSPECTIVO DE CIRURGIAS DESCOMPRESSIVAS DA COLUNA TORACOLOMBAR REALIZADAS APÓS RESSONÂNCIA MAGNÉTICA

ESTUDO RETROSPECTIVO DE CIRURGIAS DESCOMPRESSIVAS DA COLUNA TORACOLOMBAR REALIZADAS APÓS RESSONÂNCIA MAGNÉTICA ESTUDO RETROSPECTIVO DE CIRURGIAS DESCOMPRESSIVAS DA COLUNA TORACOLOMBAR REALIZADAS APÓS RESSONÂNCIA MAGNÉTICA JULIANY G. QUITZAN¹, NATÁLIA LEONEL FERREIRA¹, EMERSON GONÇALVES MARTINS SIQUEIRA¹, ISADORA

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

Avaliação do perfil das indicações da ressonância nuclear magnética de mama em pacientes de um serviço de radiologia em Itajaí (SC)

Avaliação do perfil das indicações da ressonância nuclear magnética de mama em pacientes de um serviço de radiologia em Itajaí (SC) 135 Artigo Original Avaliação do perfil das indicações da ressonância nuclear magnética de mama em pacientes de um serviço de radiologia em Itajaí (SC) Evaluation of the profile indications from breast

Leia mais

Setor de PET/CT & Medicina Nuclear PET/CT (FDG) Agradecimento a Dra. Carla Ono por ceder material científico

Setor de PET/CT & Medicina Nuclear PET/CT (FDG) Agradecimento a Dra. Carla Ono por ceder material científico PET/CT (FDG) Agradecimento a Dra. Carla Ono por ceder material científico EMENTA 1. PET/CT com FDG: Conceitos básicos 2. PET/CT-FDG no CA de Pulmão e NPS: a. Indicações aprovadas pela ANS b. Bases científicas

Leia mais

Sérgio Altino de Almeida

Sérgio Altino de Almeida Project and Uses of PET Scan LAS ANS SYMPOSIUM 2005 Sérgio Altino de Almeida Hospital Samaritano - Clínica Radiológica Luiz Felippe Mattoso Rio de Janeiro - Junho - 2005 Geração e Interpretação das Imagens

Leia mais

DIRETRIZES PARA CARCINOMA UROTELIAL DO TRATO URINÁRIO SUPERIOR

DIRETRIZES PARA CARCINOMA UROTELIAL DO TRATO URINÁRIO SUPERIOR DIRETRIZES PARA CARCINOMA UROTELIAL DO TRATO URINÁRIO SUPERIOR M. Rouprêt, R. Zigeuner, J. Palou, A. Boehle, E. Kaasinen, M. Babjuk, R. Sylvester, W. Oosterlinck Eur Urol 2011 Apr;59(4):584-94 Introdução

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DOR ABDOMINAL NO QUADRANTE INFERIOR ESQUERDO

AVALIAÇÃO DE DOR ABDOMINAL NO QUADRANTE INFERIOR ESQUERDO Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR AVALIAÇÃO DE DOR ABDOMINAL NO QUADRANTE INFERIOR ESQUERDO Painel de Especialistas em Imagem Gastrintestinal: Dennis M. Balfe, Médico 1 ; Marc

Leia mais

Diagnóstico da esteatose hepática pela tomografia computadorizada de abdome com meio de contraste intravenoso *

Diagnóstico da esteatose hepática pela tomografia computadorizada de abdome com meio de contraste intravenoso * http://dx.doi.org/10.1590/s0100-39842013000300005 Monjardim RF et al. TC ARTIGO com contraste ORIGINAL no diagnóstico ORIGINAL da esteatose ARTICLE hepática Diagnóstico da esteatose hepática pela tomografia

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014 PORTARIA 13/2014 Dispõe sobre os parâmetros do exame PET-CT Dedicado Oncológico. O DIRETOR-PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL-IPERGS, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

Radiologia Brasileira ISSN 0100-3984 versão impressa

Radiologia Brasileira ISSN 0100-3984 versão impressa Radiologia Brasileira ISSN 0100-3984 versão impressa Radiol Bras v.37 n.3 São Paulo maio/jun. 2004 RELATO DE CASO Resolução espontânea de lesão em alça de balde do menisco medial: relato de caso e revisão

Leia mais

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Nobeschi, Leandro; Bernardes, Wilson; Favero, Nilze DIAGNÓSTICO E PREVENÇÃO

Leia mais

Anatomia do abdome superior DEPARTAMENTO DE DIAGNÓSTICO POR IMAGEM(H.U. H.U.-UNOESTE) UNOESTE) DR.FÁBIO VINICIUS DAVOLI BIANCO ESTÔMAGO CÁRDIA FUNDO CORPO CANAL PILÓRICO Relações anatômicas Fundo hemicúpula

Leia mais

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada

Introdução. Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada Introdução Metabolismo dos pigmentos biliares: Hemoglobina Biliverdina Bilirrubina Indireta (BI) ou nãoconjugada BI + Albumina Hepatócitos Bilirrubina Direta (BD) ou conjugada Canalículos biliares Duodeno

Leia mais

Contribuição da tomografia helicoidal no estadiamento pré-operatório do carcinoma gástrico

Contribuição da tomografia helicoidal no estadiamento pré-operatório do carcinoma gástrico Artigo Original Contribuição da tomografia helicoidal no estadiamento pré-operatório do carcinoma gástrico Contribution of abdominal helical tomography in the preoperative staging of gastric carcinoma

Leia mais

Protocolo abdome. Profº Cláudio Souza

Protocolo abdome. Profº Cláudio Souza Protocolo abdome Profº Cláudio Souza Abdome Quando falamos em abdome dentro da tomografia computadorizada por uma questão de radioproteção e também financeira o exame é dividido em, abdome superior e inferior

Leia mais

29/10/09. E4- Radiologia do abdome

29/10/09. E4- Radiologia do abdome Radiologia do abdome 29/10/09 Milton Cavalcanti E4- Radiologia do abdome INTRODUÇÃO O câncer de colo uterino é uma das maiores causas de morte entre mulheres, principalmente nos países em desenvolvimento.

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

Caso Clínico. Andrea Canelas

Caso Clínico. Andrea Canelas Caso Clínico Andrea Canelas 28-06 06-2006 Identificação Sexo: Idade: 79 anos Raça: a: Caucasiana Naturalidade: Coimbra História da doença a actual Seguida na consulta de Gastro desde Novembro de 2005:

Leia mais

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado 2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado Neste capítulo são apresentados os tipos de dados utilizados neste trabalho e a anatomia do fígado, de onde foram retiradas todas as heurísticas adotadas para segmentação

Leia mais

RM MAMÁRIA: quando indicar?

RM MAMÁRIA: quando indicar? RM MAMÁRIA: quando indicar? Lucio De Carli Serviço de Diagnóstico por Imagem da Mama Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS e-mail: luciodc@terra.com.br RM MAMÁRIA - indicações - Incoerência EF x MG

Leia mais

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO

O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio. Maria de Fátima Dias Gaui CETHO O Que solicitar no estadiamento estádio por estádio Maria de Fátima Dias Gaui CETHO Introdução Objetivo: Definir a extensão da doença: Estadiamento TNM (American Joint Committee on Cancer ). 1- Avaliação

Leia mais

Reconstrução de Imagens em Radiologia Médica. M.Sc. Walmor Cardoso Godoi http://www.walmorgodoi.com

Reconstrução de Imagens em Radiologia Médica. M.Sc. Walmor Cardoso Godoi http://www.walmorgodoi.com Reconstrução de Imagens em Radiologia Médica M.Sc. Walmor Cardoso Godoi http://www.walmorgodoi.com Agenda 1. Reconstrução Tomográfica em TC e MN 1. Retroprojeção e Filtros 2. Visualização Científica na

Leia mais

Radiologia do câncer de pulmão *

Radiologia do câncer de pulmão * Barcellos ATUALIZAÇÃO MG Radiologia do câncer de pulmão * MAYSA GOMES BARCELLOS 1 A avaliação do paciente com câncer de pulmão envolve a detecção de aumento linfonodal mediastinal, invasão das estruturas

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ANÁLISE ANÁTOMO-PATOLÓGICA NO CÂNCER GÁSTRICO. Luíse Meurer

SISTEMATIZAÇÃO DA ANÁLISE ANÁTOMO-PATOLÓGICA NO CÂNCER GÁSTRICO. Luíse Meurer SISTEMATIZAÇÃO DA ANÁLISE ANÁTOMO-PATOLÓGICA NO CÂNCER GÁSTRICO Luíse Meurer MANEJO DO CÂNCER GÁSTRICO: PAPEL DO PATOLOGISTA prognóstico Avaliação adequada necessidade de tratamentos adicionais MANEJO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PET/CT NO DIAGNÓSTICO PRECOCE DO CÂNCER THE IMPORTANCE OF PET / CT DIAGNOSTIC EARLY CANCER

A IMPORTÂNCIA DO PET/CT NO DIAGNÓSTICO PRECOCE DO CÂNCER THE IMPORTANCE OF PET / CT DIAGNOSTIC EARLY CANCER Centro de Imagem e Saúde CIMAS São Paulo SP A IMPORTÂNCIA DO PET/CT NO DIAGNÓSTICO PRECOCE DO CÂNCER THE IMPORTANCE OF PET / CT DIAGNOSTIC EARLY CANCER Juliana Thaina Lopes Pinéo Fone: (85)8737-6812 Endereço:

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DO EXAME ULTRASSONOGRÁFICO DO ABDOME

SISTEMATIZAÇÃO DO EXAME ULTRASSONOGRÁFICO DO ABDOME Introdução SISTEMATIZAÇÃO DO EXAME ULTRASSONOGRÁFICO DO ABDOME Wagner Iared; José Eduardo Mourão; David C. Shigueoka A ultrassonografia é provavelmente o método de imagem mais frequentemente solicitado

Leia mais

Tema: Uso do pet scan em pacientes portadores de câncer

Tema: Uso do pet scan em pacientes portadores de câncer Data: 27/11/2012 Nota Técnica 23/2012 Medicamento Material Procedimento X Cobertura Solicitante: Bruna Luísa Costa de Mendonça Assessora do Juiz da 2ª Vara Cível Numeração Única: 052512020931-3 Tema: Uso

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Cavernomas: O Diagnóstico em Imagens

Cavernomas: O Diagnóstico em Imagens Cavernomas: O Diagnóstico em Imagens Prof. Dr. Emerson L. Gasparetto Professor Adjunto de Radiologia da UFRJ Dr. Diogo Goulart Correa Mestrando em Radiologia pela UFRJ Julho, 2014 Conhecendo o Cavernoma

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS FRATURAS ZIGOMÁTICO-ORBITÁRIAS POR TOMOGRAFIAS COMPUTADORIZADAS OU RADIOGRAFIAS CONVENCIONAIS - RELATO DE CASO CLÍNICO

DIAGNÓSTICO DAS FRATURAS ZIGOMÁTICO-ORBITÁRIAS POR TOMOGRAFIAS COMPUTADORIZADAS OU RADIOGRAFIAS CONVENCIONAIS - RELATO DE CASO CLÍNICO DIAGNÓSTICO DAS FRATURAS ZIGOMÁTICO-ORBITÁRIAS POR TOMOGRAFIAS COMPUTADORIZADAS OU RADIOGRAFIAS CONVENCIONAIS - RELATO DE CASO CLÍNICO DIAGNOSIS OF THE ZYGOMATIC ORBITAL FRACTURE BY COMPUTED TOMOGRAPHY

Leia mais

PELE - MELANOMA PREVENÇÃO

PELE - MELANOMA PREVENÇÃO PREVENÇÃO Use sempre um filtro solar com fator de proteção solar (FPS) igual ou superior a 15, aplicando-o generosamente pelo menos 20 minutos antes de se expor ao sol e sempre reaplicando-o após mergulhar

Leia mais

SÍNDROME DE MOUNIER-KUHN (TRAQUEOBRONCOMEGALIA): RELATO DE CASO

SÍNDROME DE MOUNIER-KUHN (TRAQUEOBRONCOMEGALIA): RELATO DE CASO Subespecialidade: Tórax / Tipo de trabalho: Relato de caso SÍNDROME DE MOUNIER-KUHN (TRAQUEOBRONCOMEGALIA): RELATO DE CASO Autores: Baptista RM, Nogueira HA, Nothaft MA, Coelho FH Apresentador: Dr. Rodrigo

Leia mais

ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA

ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA ACADEMIA NACIONAL DE MEDICINA PESQUISA DE LINFONODO SENTINELA NA CIRURGIA DO CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Guilherme Pinto Bravo Neto, TCBC-RJ Prof. Adjunto Departamentoamento de Cirurgia FM UFRJ Coordenador

Leia mais

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo?

NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014. O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? NEWS: ARTIGOS CETRUS Ano VI Edição 59 Outubro 2014 O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? O novo BI-RADS Ultrassonográfico (Edição 2013) - O que há de novo? AUTORA Dra. Patrícia

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

Maximizar eficiência da dose para criação de imagens de pacientes pediátricos

Maximizar eficiência da dose para criação de imagens de pacientes pediátricos Maximizar eficiência da dose para criação de imagens de pacientes pediátricos Introdução A criação de imagens radiográficas dos pacientes pediátricos apresenta vários desafios únicos comparativamente à

Leia mais

ESTADIAMENTO DE TUMOR MALIGNO TESTICULAR

ESTADIAMENTO DE TUMOR MALIGNO TESTICULAR Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR ESTADIAMENTO DE TUMOR MALIGNO TESTICULAR Painel de Especialistas em Imagem Urológica: Martin I. Resnick, Médico 1 ; E. Stephen Amis, Jr.,

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

XIX Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br

XIX Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen. www.digimaxdiagnostico.com.br XIX Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen www.digimaxdiagnostico.com.br Caso 1 Paciente feminino, 20 anos de idade. QP: paciente com história de perda auditiva neurossensorial profunda, bilateral,

Leia mais

ESTADIAMENTO PRÉ-TRATAMENTO DO CÂNCER COLORRETA L

ESTADIAMENTO PRÉ-TRATAMENTO DO CÂNCER COLORRETA L Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR ESTADIAMENTO PRÉ-TRATAMENTO DO CÂNCER COLORRETA L Painel de Especialistas em Imagem Gastrintestinal: Alec J. Megibow, Médico, Mestre em Saúde

Leia mais

Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr

Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr Caso 1 Paciente fumante crônico, 61 anos, bom estado geral. Diagnosticado tumor de LSD de 3,7 cm,

Leia mais

Dr. Adriano Czapkowski. Ano 2 - Edição 13 - Setembro/2010

Dr. Adriano Czapkowski. Ano 2 - Edição 13 - Setembro/2010 NEWS artigos CETRUS Ano 2 - Edição 13 - Setembro/2010 Importância da Artéria Epigástrica Inferior Dr. Adriano Czapkowski Graduado pela Faculdade de Medicina de Jundiaí Médico coordenador do curso de 2

Leia mais

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu

Intestino Delgado. Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Intestino Delgado Bárbara Andrade Silva Allyson Cândido de Abreu Irrigação do Intestino Delgado Duodeno Artérias duodenais Origem Irrigação Duodeno proximal Duodeno distal Anastomose Jejuno e íleo

Leia mais

Protocolos de hipófise e órbitas

Protocolos de hipófise e órbitas Protocolos de hipófise e órbitas Profº Claudio Souza Hipófise e sela turca Indicações O exame da sela tem por objetivo a avaliação dos adenomas que acometem a hipófise e as patologias que afetam a integridade

Leia mais

Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET-CT)

Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET-CT) Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Biociências Departamento de Biofísica Biofísica Biomédica III BIO10016 Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET-CT) Franciele Giongo e Luíza Fortes

Leia mais

LETÍCIA RIGO Médica Nuclear letirigo3@hotmail.com

LETÍCIA RIGO Médica Nuclear letirigo3@hotmail.com LETÍCIA RIGO Médica Nuclear letirigo3@hotmail.com Câncer de mama caracteristicamente apresenta captação variável pelo FDG, em relação a outras malignidades. EfeitoWarburg Regulaçãodo metabolismoda glicose

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

Palavras-chave: Ressonância magnética. Joelho. Artroscopia.

Palavras-chave: Ressonância magnética. Joelho. Artroscopia. Revista Baiana de Saúde Pública ARTIGO ORIGINAL CONCORDÂNCIA ENTRE ARTROSCOPIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA PARA AVALIAÇÃO DAS LESÕES DO JOELHO Umberto Paulo de Castro Alves Filho a Liomar Couto Leal a Aloísio

Leia mais

A Medicina Nuclear no Diagnóstico dos Tumores Gastroenteropancreáticos

A Medicina Nuclear no Diagnóstico dos Tumores Gastroenteropancreáticos VI Encontro Nacional das Tecnologias da Saúde A Medicina Nuclear no Diagnóstico dos Tumores Gastroenteropancreáticos Andreia Rodrigues 1 Drª. Patrícia Cirne Silva 2 Escola Superior de Tecnologia da Saúde

Leia mais

Prezado(a) Colega, Conte com o que há de mais moderno em medicina diagnóstica. Lâmina Medicina Diagnóstica

Prezado(a) Colega, Conte com o que há de mais moderno em medicina diagnóstica. Lâmina Medicina Diagnóstica Diagnóstico INTEGRADO em Ortopedia Prezado(a) Colega, Mais uma vez, o Lâmina Medicina Diagnóstica vem reafirmar seu compromisso com a inovação e com a qualidade dos serviços prestados em saúde preventiva.

Leia mais

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952.

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952. 1 SPCC - Hospital São Marcos Clínica de Ginecologia e Mastologia UICC União Internacional Contra o Câncer - TNM 6ª edição ESTADIAMENTO DOS TUMORES DE MAMA HISTÓRIA DO TNM O sistema TNM para a classificação

Leia mais

Curso Continuado de Abdome. scoposl@uol.com.br

Curso Continuado de Abdome. scoposl@uol.com.br Curso Continuado de Abdome Como Laudar um Exame Giuseppe D Ippolito Escola Paulista de Medicina Setor de Abdome scoposl@uol.com.br 2010 Curso ministrado em 2 anos (+ profundidade e repetitivo) 2010: Digestivo

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

Pâncreas: Vascularização e Inervação

Pâncreas: Vascularização e Inervação Universidade de Rio Verde UniRV Faculdade de Medicina de Rio Verde Famerv Liga de Acadêmica de Anatomia Humana - LiAAna Pâncreas: Vascularização e Inervação Ligantes: Janayna Matumoto Mota Thiago Huei

Leia mais