Redes Ad-Hoc FEUP MPR. » DNS, routing pouco adequados, actualmente» IP Móvel requer rede infraestruturada; HomeAgent na rede fixa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redes Ad-Hoc FEUP MPR. » DNS, routing pouco adequados, actualmente» IP Móvel requer rede infraestruturada; HomeAgent na rede fixa"

Transcrição

1 AdHoc 1 Redes Ad-Hoc FEUP MPR AdHoc 2 Redes Móveis Ad-Hoc Mobilidade IP» DNS, routing pouco adequados, actualmente» IP Móvel requer rede infraestruturada; HomeAgent na rede fixa Pode, no entanto, não haver infraestrutura (cablagem + equimento de rede)» Áreas remotas, reuniões ad-hoc, zonas de desastre» Custo elevado Necessidade de redes ad-hoc Rede Ad-hoc» Rede autoconfigurável» Ligações sem fios A B C» Nós móveis; topologia dinâmica» Rede isolada ou ligada à internet» Usa técnicas de routing: todos os nós encaminham tráfego

2 AdHoc 3 IETF MANET - Mobile Ad-hoc Networking Mobile Router Manet Mobile Devices Mobile IP, DHCP Fixed Network Router End system AdHoc 4 Descoberta de Rotas vs Encaminhamento Descoberta de rotas» Problema encontrar o trajecto de menor custo entre 2 nós» Rede modelizada como um grafo» Factores (de rede) a considerar Estáticos topologia Dinâmicos carga» Preencher tabela de encaminhamento C 4 B 3 9 A 1 D 1 1 E 6 2 F Encaminhamento» Selecção de uma porta de saída para um pacote» A partir do seu endereço de destino e da tabela de encaminhamento

3 AdHoc 5 Cálculo de Rotas em Redes Sem Mobilidade Vector distância» Troca periódica de mensagens com os vizinhos» Mensagem informa quem pode ser encontrado e a que distância» Demora muito tempo a convergir» RIP Estado das ligações» Router informa periodicamente outros routers sobre estado das suas ligações» Cada router fica com imagem completa da rede» Muito tráfego» OSPF Cálculo de Rotas em Redes Ad-Hoc - Características AdHoc 6 N 1 N 2 N 3 N 1 N 2 N 3 N 4 N 5 N 4 N 5 time = t good link 1 time = t 2 weak link Topologia dinâmica» depende da mobilidade dos nós Interferência» comunicação rádio Ligações assimétricas» potências de emissão e atenuações diferentes para os 2 sentidos

4 AdHoc 7 Cálculo de Rotas em Redes Ad-hoc Protocolos de rotas convencionais» construídos para redes fixas não sofrem alterações frequentes; assumem ligações simétricas Mas, em redes Ad-hoc» Topologia dinâmica Mudanças frequentes de topologia de rede ligação e qualidade da ligação maior frequência de refrescamento dos protocolos» Capacidades limitadas dos sistemas sem fios Refrescamento frequente das rotas maior consumo de energia Nó não pode entrar em modo de poupança de energia Largura de banda (pequena) desperdiçada Necessários novos protocolos de rotas redes ad-hoc; 2 tipos» Reactivos» Pró-activos Protocolos de Rotas Reactivos Não tomam a iniciativa de manter as rotas Determinam a rota quando necessário» inundam a rede com um pedido AdHoc 8 Vantagens, desvantagens» Não usam recursos excepto quando necessário» Inundação da rede com pedidos» Atraso no início do envio do tráfego Exemplo AODV (RFC 3561)» AODV - Ad hoc On-Demand Distance Vector (AODV) Routing

5 AdHoc 9 AODV A quer comunicar com B AdHoc 10 AODV A envia um RouteRequest

6 AdHoc 11 AODV B responde com RouteReply AdHoc 12 AODV - Características Decisão de pedido de rota Difusão do pacote de pedido Formato de pacote (ver RFC) Nós intermédios formam rotas para origem Unicast da mensagem de reply Pacote enviado por mesmo caminho Nós intermédios ficam com rotas também para nó B Time-to-live associado à rota, em cada nó Só funciona com ligações simétricas

7 AdHoc 13 Protocolos de Rotas Pró-Activos Rotas construídas usando de tráfego de controlo contínuo Todas as rotas são mantidas Vantagens, desvantagens» Tráfego de controlo constante» Rotas sempre disponíveis Exemplo OLSR (RFC 3626)» OLSR - Optimized Link-State Routing protocol AdHoc 14 OLSR Funções Principais Detecção de ligação a nós vizinhos Encaminhamento / inundação optimizada (MultiPoint Relaying) Envio de mensagens de estado das ligações e cálculo de rotas

8 OLSR Detecção de Ligação a Nós Vizinhos AdHoc 15 Através de mensagens HELLO Todos os nós transmitem periodicamente mensagens HELLO» Mensagens agrupam vizinhos pelo seu estado Um cenário exemplo AdHoc 16 OLSR MultiPoint Relaying (MPR) Nós especiais dentro da rede Introduzidos com o objectivo de» Limitar o número de nós que retransmitem os pacotes» Reduzir o número de retransmissões duplicadas Encaminhamento das mensagens

9 AdHoc 17 OLSR Estado das Ligações Protocolos orientados às ligações, nas redes fixas (OSPF)» todos os nós inundam a rede» com informação sobre o estado das suas ligações OLSR usa mesmo princípio, mas com 2 optimizações» Apenas os nós associados aos MPR (os MPR Selectores) são declarados nas mensagens de estado-das-ligações Diminuição do tamanho da mensagem» Apenas os nós MPR geram mensagens de estado-da-ligação Diminuição do número de nós enviando as mensagens OLSR Estado das Ligações, Exemplo Mensagens que declaram o estado das ligações» Topology Control Messages AdHoc 18

10 AdHoc 19 Protocolos de Routing para Redes Ad-Hoc Flat» Pro-activo FSLS Fuzzy Sighted Link State FSR Fisheye State Routing OLSR Optimised Link State Routing Protocol TBRPF Topology Broadcast Based on Reverse Path Forwarding» Reactivo AODV Ad hoc On demand Distance Vector DSR Dynamic Source Routing Hierárquico CGSR Clusterhead-Gateway Switch Routing HSR Hierarchical State Routing LANMAR Landmark Ad Hoc Routing ZRP Zone Routing Protocol Baseado em posição geográfica DREAM Distance Routing Effect Algorithm for Mobility GeoCast Geographic Addressing and Routing GPSR Greedy Perimeter Stateless Routing LAR Location-Aided Routing

Mobile Communications. RedesAd-hoc

Mobile Communications. RedesAd-hoc Ad-hoc 1 Mobile Communications RedesAd-hoc Manuel P. Ricardo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Ad-hoc 2 Redes Ad-Hoc (Nível 3) Rede autoconfigurável Ligações sem fios Nós móveis topologia

Leia mais

Referências. Roteamento em Redes Ad Hoc (MANETS) Redes Ad hoc: Principais Características. Roteiro

Referências. Roteamento em Redes Ad Hoc (MANETS) Redes Ad hoc: Principais Características. Roteiro Referências Roteamento em Redes Ad Hoc (MANETS) J. Schiller, seção 9.3 Johnson, Malz: Dynamic Source Routing in ad hoc wireless networks, Mobile Computing, (Ed. Imielinski/Koth), Kluwer, 1996. Perkins,

Leia mais

Redes Ad Hoc Móveis (Mobile Ad Hoc Networks - MANETs)

Redes Ad Hoc Móveis (Mobile Ad Hoc Networks - MANETs) Introdução à Computação Móvel Prof. Francisco José da Silva e Silva Prof. Rafael Fernandes Lopes Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação (PPGCC) Universidade Federal do Maranhão (UFMA) Redes

Leia mais

Redes Ad-Hoc. Índice. Introdução às redes ad-hoc. Protocolos de encaminhamento. Encaminhamento em redes ad-hoc Breve Introdução

Redes Ad-Hoc. Índice. Introdução às redes ad-hoc. Protocolos de encaminhamento. Encaminhamento em redes ad-hoc Breve Introdução Redes d-hoc Encaminhamento em redes ad-hoc reve Introdução Índice Introdução às redes ad-hoc Protocolos de encaminhamento rquitectura das redes móveis tradicionais Ligação sem fios de 1 hop para a rede

Leia mais

Redes Mesh. MUM Brasil Outubro de 2008. Eng. Wardner Maia

Redes Mesh. MUM Brasil Outubro de 2008. Eng. Wardner Maia Redes Mesh MUM Brasil Outubro de 2008 Eng. Wardner Maia Introdução Nome: Wardner Maia Engenheiro Eletricista modalidades Eletrotécnica/Eletrônica/Telecomunicações Provedor de Internet Service desde 1995

Leia mais

Roteamento em Redes Móveis Ad Hoc (Mobile Ad hoc NETworks - MANET)

Roteamento em Redes Móveis Ad Hoc (Mobile Ad hoc NETworks - MANET) Roteamento em Redes Móveis Ad Hoc (Mobile Ad hoc NETworks - MANET) Referências J. Schiller, seção 9.3 Johnson, Malz: Dynamic Source Routing in ad hoc wireless networks, Mobile Computing, (Ed. Imielinski/

Leia mais

REDES AD-HOC MARCELO BORGES DE ANDRADE RODRIGO COLLI. Departamento de Engenharia Instituto de Educação Superior de Brasília - IESB

REDES AD-HOC MARCELO BORGES DE ANDRADE RODRIGO COLLI. Departamento de Engenharia Instituto de Educação Superior de Brasília - IESB REDES AD-HOC MARCELO BORGES DE ANDRADE RODRIGO COLLI Departamento de Engenharia Instituto de Educação Superior de Brasília - IESB http://www.iesb.br e-mail: marcelo.andrade@ig.com.br rodrigo.colli@esporte.gov.br

Leia mais

REDES MÓVEIS SEM FIO AD HOC

REDES MÓVEIS SEM FIO AD HOC REDES MÓVEIS SEM FIO AD HOC Nelson Soares de Rezende Universidade Federal do Rio de Janeiro Núcleo de Computação Eletrônica Pós-graduação Lato Sensu em Gerência de Redes de Computadores e Tecnologia Internet

Leia mais

ROTEAMENTO BASEADO EM CAMINHOS DE MAIOR GRAU DE CONECTIVIDADE APLICADO AO OLSR

ROTEAMENTO BASEADO EM CAMINHOS DE MAIOR GRAU DE CONECTIVIDADE APLICADO AO OLSR PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ROTEAMENTO BASEADO EM CAMINHOS DE MAIOR GRAU DE CONECTIVIDADE APLICADO

Leia mais

Encaminhamento com QoS para Redes Ad Hoc com rotas estáveis

Encaminhamento com QoS para Redes Ad Hoc com rotas estáveis Encaminhamento com QoS para Redes Ad Hoc com rotas estáveis Tiago Coelho Centro Algoritmi a44048@alunos.uminho.pt António Costa Centro Algoritmi & DI costa@di.uminho.pt Joaquim Macedo Centro Algoritmi

Leia mais

Análise de desempenho de protocolos de roteamento para redes Ad Hoc sem fio

Análise de desempenho de protocolos de roteamento para redes Ad Hoc sem fio Análise de desempenho de protocolos de roteamento para redes Ad Hoc sem fio Fabrício Lira Figueiredo *, Marcel Cavalcanti de Castro, Marcos Antônio de Siqueira, Heloísa Peixoto de Barros Pimentel, Aníbal

Leia mais

Visão geral sobre encaminhamento

Visão geral sobre encaminhamento Encaminhamento IP Resumo Algoritmos Escalabilidade 1 Visão geral sobre encaminhamento Forwarding vs Routing forwarding: processo de seleccionar uma porta de saída baseado no endereço de destino e na tabela

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Roteamento www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Roteamento Roteamento é a técnica que define por meio de um conjunto de regras como os dados originados em

Leia mais

Rede Mesh: topologia e aplicação

Rede Mesh: topologia e aplicação Rede Mesh: topologia e aplicação Tatiana Medeiros Cardoso, Paulo César Furlanetto Marques Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil tati.info@gmail.com,pcesar.marques@terra.com.br

Leia mais

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva

CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO. Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva CONFIGURAÇÃO DE ROTEADORES CISCO Prof. Dr. Kelvin Lopes Dias Msc. Eng. Diego dos Passos Silva ROTEADOR Roteador CISCO 2600: INTERFACES DE UM ROTEADOR - Interface p/ WAN - Interface p/ LAN - Interface p/

Leia mais

Desenvolvimento de uma Ferramenta de Auxílio ao Ensino de Redes de Computadores Roteamento Ad Hoc

Desenvolvimento de uma Ferramenta de Auxílio ao Ensino de Redes de Computadores Roteamento Ad Hoc 1 Desenvolvimento de uma Ferramenta de Auxílio ao Ensino de Redes de Computadores Roteamento Ad Hoc Fernando César Faria Cabral, Luís Augusto Mattos Mendes (Orientador) Departamento de Ciência da Computação

Leia mais

OSPF - Open Shortest Path First. Redes de Comunicação de Dados

OSPF - Open Shortest Path First. Redes de Comunicação de Dados OSPF - Open Shortest Path First Redes de Comunicação de Dados Bibliografia RFC 2328 - OSPF Version 2 http://www.rfc-editor.org/rfc/rfc2328.txt OSPF Design Guide, Cisco Systems http://www.cisco.com/en/us/tech/tk365/technologies_white_paper0

Leia mais

IPv6 A nova versão do Protocolo IP

IPv6 A nova versão do Protocolo IP IPv6 A nova versão do Protocolo IP A internet precisa continuar crescendo... Agenda A Internet e o TCP/IP Entendendo o esgotamento do IPv4 Por que IPv6? O que melhorou? Nova estrutura do IPv6 Técnicas

Leia mais

Protocolo de roteamento para redes wireless mesh

Protocolo de roteamento para redes wireless mesh Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática Pós-Graduação em Ciência da Computação Protocolo de roteamento para redes wireless mesh Márcio Martins Farias Dissertação

Leia mais

Princípios de desenho do nível IP na Internet

Princípios de desenho do nível IP na Internet Princípios de desenho do nível IP na Internet 1. Ter a certeza que funciona. 2. Manter os protocolos simples. 3. Fazer escolhas claras. 4. Tirar proveito da modularidade. 5. Esperar heterogeneidade. 6.

Leia mais

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.!

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.! Laboratório wireshark Número de sequencia: syn syn ack ack Cisco Packet Tracer Roteador trabalha em dois modos de operação: - Modo Normal - símbolo > - Modo Root - símbolo # ##################################################################

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Encaminhamento IPv4 Encaminhamento estático e encaminhamento dinâmico. Protocolos de encaminhamento: RIP, RIPv2, EIGRP e OSPF. Sistemas autónomos e redistribuição

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

Uma Métrica de Roteamento Baseada na Taxa da Fila Aplicada às Wireless Mesh Networks com Tráfego VoIP

Uma Métrica de Roteamento Baseada na Taxa da Fila Aplicada às Wireless Mesh Networks com Tráfego VoIP XVI Workshop de Gerência e Operação de Redes e Serviços 149 Uma Métrica de Roteamento Baseada na Taxa da Fila Aplicada às Wireless Mesh Networks com Tráfego VoIP Cleverton Juliano Alves Vicentini 1, Mauro

Leia mais

FACULDADE FARIAS BRITO CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO SAMUEL ALVES SOARES SIMULAÇÃO DE ALGORITMOS DE ROTEAMENTO UNICAST UTILIZANDO O SIMULADOR NS-2

FACULDADE FARIAS BRITO CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO SAMUEL ALVES SOARES SIMULAÇÃO DE ALGORITMOS DE ROTEAMENTO UNICAST UTILIZANDO O SIMULADOR NS-2 FACULDADE FARIAS BRITO CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO SAMUEL ALVES SOARES SIMULAÇÃO DE ALGORITMOS DE ROTEAMENTO UNICAST UTILIZANDO O SIMULADOR NS-2 Fortaleza 2009 1 SAMUEL ALVES SOARES SIMULAÇÃO DE ALGORITMOS DE

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Aula 6:, roteamento broadcast e multicast, protocolos IPv6 e ICMP Prof. Silvana Rossetto 5 de maio de 2010 1 Roteamento intra-as na Internet (RIP) Roteamento intra-as na Internet

Leia mais

Estudo de Protocolos de Roteamento em Redes Ad Hoc. Guilherme Venícius Brignoni

Estudo de Protocolos de Roteamento em Redes Ad Hoc. Guilherme Venícius Brignoni Estudo de Protocolos de Roteamento em Redes Ad Hoc Guilherme Venícius Brignoni Florianópolis, Julho de 2005 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA E ESTATÍSTICA CURSO DE CIÊNCIAS

Leia mais

Proposta De Uma Métrica de Roteamento Para Redes Wireless Mesh com Tráfego Voip

Proposta De Uma Métrica de Roteamento Para Redes Wireless Mesh com Tráfego Voip XV Workshop de Gerência e Operação de Redes e Serviços 147 Proposta De Uma Métrica de Roteamento Para Redes Wireless Mesh com Tráfego Voip Cleverton Juliano Alves Vicentini 1, Roberson Cesar Alves de Araujo

Leia mais

Métricas de Roteamento para Redes em Malha Sem Fio

Métricas de Roteamento para Redes em Malha Sem Fio UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Diego Passos Métricas de Roteamento para Redes em Malha Sem Fio Niterói 2007 Diego Passos Métricas de Roteamento

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

Tabela de roteamento

Tabela de roteamento Existem duas atividades que são básicas a um roteador. São elas: A determinação das melhores rotas Determinar a melhor rota é definir por qual enlace uma determinada mensagem deve ser enviada para chegar

Leia mais

Camada de Rede. BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação

Camada de Rede. BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação Prof. Reinaldo Silva Fortes www.decom.ufop.br/reinaldo 2011/02 Camada Nome 5 Aplicação 4 Transporte

Leia mais

RESUMO: MANET EXTENSION OF OSPF USING CDS FLOODING

RESUMO: MANET EXTENSION OF OSPF USING CDS FLOODING UFRJ - UNIVERSIDADE FEDERAL DE RIO DE JANEIRO COPPE - COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ENGENHARIA PEE - PROGRAMA DE ENGENHARIA ELÉTRICA GTA - GRUPO DE TELE-INFORMATICA E AUTOMAÇÃO CPE 825 - ROTEAMENTO

Leia mais

Camada de Rede. BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação

Camada de Rede. BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação BCC361 Redes de Computadores Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Ciência da Computação Prof. Reinaldo Silva Fortes www.decom.ufop.br/reinaldo 2012/02 Camada Nome 5 Aplicação 4 Transporte

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Protocolos de Roteamento Módulo - V Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes de Computadores

Leia mais

Análise de Protocolos de Roteamento Baseada no Modelo de Bateria de Rakhmatov-Vrudhula

Análise de Protocolos de Roteamento Baseada no Modelo de Bateria de Rakhmatov-Vrudhula Análise de Protocolos de Roteamento Baseada no Modelo de Bateria de Rakhmatov-Vrudhula José Athayde Torres Costa Neto e Marco Aurélio Spohn Resumo Simuladores de redes frequentemente adotam um modelo de

Leia mais

FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA - PIBIC Análise de Protocolos de Roteamento para Redes Mesh Glaucia Melissa Medeiros Campos

FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA - PIBIC Análise de Protocolos de Roteamento para Redes Mesh Glaucia Melissa Medeiros Campos Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretariado de Estado da Educação e Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROPEG Departamento

Leia mais

Implementação e Análise de Impacto em Redes Sem Fios Manet

Implementação e Análise de Impacto em Redes Sem Fios Manet Implementação e Análise de Impacto em Redes Sem Fios Manet Diego Thetinski Rodrigues 1 André Peres 2 Resumo. O presente trabalho tem como seu principal objetivo a implementação de redes wireless Manet,

Leia mais

Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes

Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes Protocolos Roteados (Routed Protocols) 2 Protocolos Roteáveis e Roteados Routable and Routed Protocols Um protocolo roteado

Leia mais

Protocolos em Redes de Dados. Enquadramento histórico. Modo de funcionamento FEC. Antecedentes IP Switching Tag Switching. Exemplo de.

Protocolos em Redes de Dados. Enquadramento histórico. Modo de funcionamento FEC. Antecedentes IP Switching Tag Switching. Exemplo de. Multiprotocol Label Switching Aula 07 FCUL 2005-20056 Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento IP. Aplicações: Aumentar o desempenho. Engenharia de tráfego.

Leia mais

Aula 08 MPLS 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. Enquadramento. Modo de funcionamento. Antecedentes MPLS.

Aula 08 MPLS 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. Enquadramento. Modo de funcionamento. Antecedentes MPLS. Aula 08 FCUL 2004-2005 Multiprotocol Label Switching Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento IP. Aplicações: Aumentar o desempenho. Engenharia de tráfego.

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

A Internet e o TCP/IP

A Internet e o TCP/IP A Internet e o TCP/IP 1969 Início da ARPANET 1981 Definição do IPv4 na RFC 791 1983 ARPANET adota o TCP/IP 1990 Primeiros estudos sobre o esgotamento dos endereços 1993 Internet passa a ser explorada comercialmente

Leia mais

Redes Mesh: uma aplicação no município de Santarém/Pa.

Redes Mesh: uma aplicação no município de Santarém/Pa. Redes Mesh: uma aplicação no município de Santarém/Pa. Camila Queiroz Bessa milabessa24@hotmail.com Instituto de Estudos Superiores da Amazônia - IESAM Endereço: Avenida Gov. José Malcher, 1148 - Nazaré

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Cap. 4 Roteamento e Mobilidade

Cap. 4 Roteamento e Mobilidade Redes sem Fio e Slide 1 Sistemas Móveis de Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Cap. 4 Roteamento e Mobilidade Prof. Marcelo Moreno moreno@ice.ufjf.br Slide 2 Redes sem Fio e Sistemas Móveis de IETF RFC

Leia mais

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 05 -OSPF, IS-IS, IGRP e EIGRP p.4. Sub-redes to tipo NBMA NBMA

Sumário. Protocolos em Redes de Dados- Aula 05 -OSPF, IS-IS, IGRP e EIGRP p.4. Sub-redes to tipo NBMA NBMA Sumário Protocolos em Redes de Dados - Aula 05 - OSPF, IS-IS, IGRP e EIGRP Luís Rodrigues ler@di.fc.ul.pt OSPF. Suporte para diferentes tipos de redes. Encaminhamento hierárquico no OSPF. IS-IS. IGRP.

Leia mais

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP Revisão: Endereços IP são números de 32 bits, geralmente representados em notação decimal (xxx.xxx.xxx.xxx). Cada número decimal (xxx) representa oito bits em binário, e por isso,

Leia mais

Comunicação Segura em uma Rede Mesh Aplicada a Smart Grids

Comunicação Segura em uma Rede Mesh Aplicada a Smart Grids Comunicação Segura em uma Rede Mesh Aplicada a Smart Grids Alexandre Silva Rodrigues 1, Tiago Antonio Rizzetti 1 1 Colégio Técnico Industrial de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) CEP

Leia mais

Comunicação de Dados IV. Gabarito da Lista de Exercícios 2

Comunicação de Dados IV. Gabarito da Lista de Exercícios 2 omunicação de Dados IV Gabarito da Lista de Exercícios ) Na topologia abaixo, considerando que as redes estão interligadas através de pontes transparentes, indique as informações armazenadas em cache nas

Leia mais

Micro-Mobilidade IP. Micro-Mobilidade IP. Sumário. As soluções CIP, HAWAII, TIMIP, hmip. Introdução à micro-mobilidade IP

Micro-Mobilidade IP. Micro-Mobilidade IP. Sumário. As soluções CIP, HAWAII, TIMIP, hmip. Introdução à micro-mobilidade IP Micro-Mobilidade IP Micro-Mobilidade IP As soluções CIP, HAWAII, TIMIP, hmip FEUP, Abril 00 Pedro Vale Estrela pedro.estrela@inesc.pt Sumário Introdução à micro-mobilidade IP IP clássico MIP clássico Micro-Mobilidade

Leia mais

Multiprotocol Label Switching. Protocolos em Redes de Dados- Aula 08 -MPLS p.4. Motivação: desempenho. Enquadramento histórico

Multiprotocol Label Switching. Protocolos em Redes de Dados- Aula 08 -MPLS p.4. Motivação: desempenho. Enquadramento histórico Multiprotocol Label Switching Protocolos em Redes de Dados - Aula 08 - MPLS Luís Rodrigues ler@di.fc.ul.pt DI/FCUL Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento

Leia mais

O protocolo IP. Protocolos em Redes de Dados- Aula 02 -Os protocolos IP p.4. Endereço rede e endereço "físico" Classes de endereços

O protocolo IP. Protocolos em Redes de Dados- Aula 02 -Os protocolos IP p.4. Endereço rede e endereço físico Classes de endereços O protocolo IP Protocolos em Redes de Dados - Aula 02 - Os protocolos IP Corresponde ao nível rede do modelo OSI. Executa-se sobre os mais diversos protocolos do nível de comunicação de dados. Em cada

Leia mais

3 Interligação de redes (Camada de rede)

3 Interligação de redes (Camada de rede) 3 Interligação de redes 3 Interligação de redes (Camada de rede) 1/84 3.3 Conceitos de Routing 3.3 Conceitos de encaminhamento 2/84 Redes datagramas Redes de datagramas O modelo da Internet Não há estabelecimento

Leia mais

Roteamento em redes wireless OSPF x ibgp. Danton Nunes, InterNexo Ltda., São José dos Campos, SP danton.nunes@inexo.com.br

Roteamento em redes wireless OSPF x ibgp. Danton Nunes, InterNexo Ltda., São José dos Campos, SP danton.nunes@inexo.com.br Roteamento em redes wireless OSPF x ibgp Danton Nunes, InterNexo Ltda., São José dos Campos, SP danton.nunes@inexo.com.br O Problema Sistema de Roteamento dinâmico em rede com segmentos: * terrestre, *

Leia mais

Princípios de desenho do nível IP na Internet

Princípios de desenho do nível IP na Internet Princípios de desenho do nível IP na Internet 1. Ter a certeza que funciona. 2. Manter os protocolos simples. 3. Fazer escolhas claras. 4. Tirar proveito da modularidade. 5. Esperar heterogeneidade. 6.

Leia mais

Redes de Computadores I Conceitos Básicos

Redes de Computadores I Conceitos Básicos Redes de Computadores I Conceitos Básicos (11 a. Semana de Aula) Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2011.02 v1 2011.11.03 (baseado no material de Jim Kurose e outros) Algoritmos

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados Comunicação de Dados Roteamento Prof. André Bessa Faculade Lourenço Filho 22 de Novembro de 2012 Prof. André Bessa (FLF) Comunicação de Dados 22 de Novembro de 2012 1 / 26 1 Introdução 2 Roteamento na

Leia mais

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta Ebook Exclusivo Protocolo OSPF O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t E s pec i a li s ta em S e rv i ços G e r e n c i a do s Segurança de de Perímetro Sumário Introdução P.3 Ententendendo o Protocolo

Leia mais

Segurança em Redes Mesh: Tendências, Desafios e Aplicações

Segurança em Redes Mesh: Tendências, Desafios e Aplicações Capítulo 2 Segurança em Redes Mesh: Tendências, Desafios e Aplicações Elisangela Santana Aguiar¹, Antônio Jorge Gomes Abelém 2, Douglas Brito Damalio 2, Rafael Lopes Gomes² e Billy Anderson Pinheiro 3.

Leia mais

Lógica Fuzzy para Melhorar o Desempenho do Protocolo AODV em Redes Ad Hoc Veiculares

Lógica Fuzzy para Melhorar o Desempenho do Protocolo AODV em Redes Ad Hoc Veiculares Lógica Fuzzy para Melhorar o Desempenho do Protocolo AODV em Redes Ad Hoc Veiculares Antonio Sérgio de Sousa Vieira Laboratório de Redes de Computadores (LARCES) Universidade Estadual do Ceará (UECE) Fortaleza,

Leia mais

Implementação do protocolo AODVjr no simulador NS2

Implementação do protocolo AODVjr no simulador NS2 Implementação do protocolo AODVjr no simulador NS2 Celso Brito Nº25074 1/16 1. Índice: 1. Índice:...2 2. Introdução:...3 3. Software utilizado foi Network Simulator 2:...4 4. Protocolo AODV:...5 4.1 O

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA UM MODELO DE SEGURANÇA PARA REDES MÓVEIS AD HOC RICARDO STACIARINI PUTTINI ORIENTADOR: RAFAEL TIMÓTEO DE SOUSA JÚNIOR

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Protocolos de Roteamento e Protocolos TCP/UDP em Redes Ad-Hoc

Protocolos de Roteamento e Protocolos TCP/UDP em Redes Ad-Hoc Protocolos de Roteamento e Protocolos TCP/UDP em Redes Ad-Hoc Este trabalho é um survey de diversas pesquisas realizadas em redes ad-hoc focadas nos assuntos de protocolos de roteamento e de transporte.

Leia mais

Endereços IP. Endereços são usados para encaminhar pacotes pela rede. Endereço IP é hierárquico com 2 partes:

Endereços IP. Endereços são usados para encaminhar pacotes pela rede. Endereço IP é hierárquico com 2 partes: Endereços IP Endereços são usados para encaminhar pacotes pela rede Na Internet, endereços são únicos e atribuídos pela Internet Assigned Numbers Authority (IANA) Endereço IP é hierárquico com 2 partes:

Leia mais

É aluno regular do curso de mestrado na FEEC (Faculdade de Engenharia Elétrica e Computação) da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).

É aluno regular do curso de mestrado na FEEC (Faculdade de Engenharia Elétrica e Computação) da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). Protocolos de Roteamento e Protocolos TCP / UDP em Redes Ad-Hoc Este trabalho é um survey de diversas pesquisas realizadas em redes ad-hoc focadas nos assuntos de protocolos de roteamento e de transporte.

Leia mais

ANÁLISE DE QUEIMADAS NA REGIÃO AMAZÔNICA ATRAVÉS DE REDES SENSORIAIS

ANÁLISE DE QUEIMADAS NA REGIÃO AMAZÔNICA ATRAVÉS DE REDES SENSORIAIS ANÁLISE DE QUEIMADAS NA REGIÃO AMAZÔNICA ATRAVÉS DE REDES SENSORIAIS Márcio M. Farias, Alex G. de Souza, Diego S. Wanzeller e Afonso J. F. Cardoso. Ciência da Computação Universidade da Amazônia UNAMA

Leia mais

UMA NOVA MÉTRICA DE ROTEAMENTO PARA REDES WIRELESS MESH COM TRÁFEGO VOIP

UMA NOVA MÉTRICA DE ROTEAMENTO PARA REDES WIRELESS MESH COM TRÁFEGO VOIP CLEVERTON JULIANO ALVES VICENTINI UMA NOVA MÉTRICA DE ROTEAMENTO PARA REDES WIRELESS MESH COM TRÁFEGO VOIP Dissertação de Mestrado submetida ao Programa de Pós-Graduação em Informática da Pontifícia Universidade

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

MLSD: Um Protocolo de Divulgação de Estados dos Enlaces para Redes em Malha Sem Fio Infraestruturadas

MLSD: Um Protocolo de Divulgação de Estados dos Enlaces para Redes em Malha Sem Fio Infraestruturadas Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Exatas e da Natureza Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Informática Daniel Charles Ferreira Porto MLSD: Um Protocolo de Divulgação

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento Santo André, Q011 1 Roteamento Princípios de Roteamento O que é... Sistemas Autônomos Roteamento Interno e Externo Principais Tipos de Algoritmos Distance-Vector

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

Protocolos de Roteamento Interno (Interior Routing Protocols)

Protocolos de Roteamento Interno (Interior Routing Protocols) Introdução A Internet e' uma colecao de redes interconectadas, e os pontos de ligacao sao os roteadores. Estes, por sua vez, estao organizados de forma hierarquica, onde alguns roteadores sao utilizados

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Fernanda Andrade Oliveira. Estudo sobre Redes Ad-Hoc Móveis com Suporte à Descoberta de Serviços

Fernanda Andrade Oliveira. Estudo sobre Redes Ad-Hoc Móveis com Suporte à Descoberta de Serviços Fernanda Andrade Oliveira Estudo sobre Redes Ad-Hoc Móveis com Suporte à Descoberta de Serviços Vitória-ES 28 de março de 2011 Fernanda Andrade Oliveira Estudo sobre Redes Ad-Hoc Móveis com Suporte à Descoberta

Leia mais

Protocolos de Roteamento

Protocolos de Roteamento Protocolos de Roteamento Em um sistema de troca de mensagens (comutação de mensagens), roteamento é o processo de escolha do caminho pelo qual iremos enviar os datagramas. Pode ser dividido em: Roteamento

Leia mais

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em 2º Pacote Formação em Redes de Computadores Formação em Redes de Computadores Exposição dos conteúdos por um docente do ISEL do grupo de redes de comunicações Formação adequada a vários níveis de experiência

Leia mais

Sistemas Informáticos Cisco Certified Networking Academy (v5.0)

Sistemas Informáticos Cisco Certified Networking Academy (v5.0) Sistemas Informáticos Cisco Certified Networking Academy (v5.0) Enquadramento Geral Objetivos do Percurso Dotar os formandos de conhecimentos iniciais de Routing e Switching Preparar para os exames de

Leia mais

MANAGEMENT INFORMATION BASE (MIB) DE GERENCIAMENTO DE CONFIANÇA EM REDES AD-HOC BEATRIZ CAMPOS SANTANA

MANAGEMENT INFORMATION BASE (MIB) DE GERENCIAMENTO DE CONFIANÇA EM REDES AD-HOC BEATRIZ CAMPOS SANTANA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA MANAGEMENT INFORMATION BASE (MIB) DE GERENCIAMENTO DE CONFIANÇA EM REDES AD-HOC BEATRIZ CAMPOS SANTANA ORIENTADOR: RAFAEL

Leia mais

Roteamento na Internet

Roteamento na Internet Roteamento na Internet IntraAS RIP OSPF InterAS BGP RIP Protocolo de informação de roteamento (Routing Information Protocol) Definido nas RFCs 1058 (versão 1) e 2453 (versão 2) RIPng IPv6 Protocolo de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores por fldotti@inf.pucrs.br Redes de Computadores Nível de Rede Algoritmos de Roteamento - Link State Protocolo OSPF Redes de Computadores 2 Algoritmos de Roteamento - Link State Redes

Leia mais

!" #!$ %& ' ' 1 Introdução

! #!$ %& ' ' 1 Introdução !" #!$ %& ' ' ( Abstract: This paper presents the design and evaluation of a wireless mesh communication infrastructure that supports supervision and control of energy transmission systems in the context

Leia mais

ZILMAR SOUSA SILVA CONSTRUINDO ROTEADORES WI-MESH COM GNU/LINUX E OLSR

ZILMAR SOUSA SILVA CONSTRUINDO ROTEADORES WI-MESH COM GNU/LINUX E OLSR ZILMAR SOUSA SILVA CONSTRUINDO ROTEADORES WI-MESH COM GNU/LINUX E OLSR LAVRAS MG 2011 ZILMAR SOUSA SILVA CONSTRUINDO ROTEADORES WI-MESH COM GNU/LINUX E OLSR Monografia apresentada à Universidade Federal

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF

Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Protocolos de Roteamento RIP e OSPF Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br http://mesonpi.cat.cbpf.br/naj Resumo Este trabalho aborda alguns protocolos de roteamento, especificamente

Leia mais

Exercícios de Fixação TCP/IP

Exercícios de Fixação TCP/IP Capítulo 2 Endereço de Rede Exercícios de Fixação TCP/IP a) (V) Os pacotes IP são datagramas não-confiáveis b) (F) Os endereços do tipo 127.x.x.x são utilizados em redes do tipo Intranet c) (F) Os endereços

Leia mais

Redes de Computadores II INF-3A

Redes de Computadores II INF-3A Redes de Computadores II INF-3A 1 ROTEAMENTO 2 Papel do roteador em uma rede de computadores O Roteador é o responsável por encontrar um caminho entre a rede onde está o computador que enviou os dados

Leia mais

CAMADA DE TRANSPORTE

CAMADA DE TRANSPORTE Curso Técnico de Redes de Computadores Disciplina de Fundamentos de Rede CAMADA DE TRANSPORTE Professora: Juliana Cristina de Andrade E-mail: professora.julianacrstina@gmail.com Site: www.julianacristina.com

Leia mais

Soluções de QoS em redes Ad Hoc sem fio: uma análise quantitativa

Soluções de QoS em redes Ad Hoc sem fio: uma análise quantitativa Soluções de QoS em redes Ad Hoc sem fio: uma análise quantitativa Fabrício L. Figueiredo Diretoria de Redes de Telecomunicações, Redes Ad Hoc sem fio. fabricio@cpqd.com.br Heloísa P. B. Pimentel Diretoria

Leia mais

Redes de Computadores Aula 3. Aleardo Manacero Jr.

Redes de Computadores Aula 3. Aleardo Manacero Jr. Redes de Computadores Aula 3 Aleardo Manacero Jr. O protocolo RM OSI 1 Camada de Rede Forma de ligação Endereçamento de máquinas Controle de rotas Controle de tráfego Forma de ligação Circuito Virtual

Leia mais

Tecnologias de Redes Informáticas 2ª Avaliação de Frequência (D) 60 minutos * 18.1.2012

Tecnologias de Redes Informáticas 2ª Avaliação de Frequência (D) 60 minutos * 18.1.2012 1 1. Esta teste serve como avaliação de frequência. 2. Leia as perguntas com atenção antes de responder. 3. Escreva as suas respostas apenas na folha de respostas que é dada em separado. 4. Entregue apenas

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Natalia Castro Fernandes

Natalia Castro Fernandes UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E DE COMPUTAÇÃO Análise de Ataques e Mecanismos de Segurança em Redes Ad Hoc Autora: Natalia Castro Fernandes Orientador:

Leia mais

O protocolo IP. classe do endereço. Aula 02. Corresponde ao nível rede do modelo OSI. Executa-se sobre os mais diversos protocolos do nível de

O protocolo IP. classe do endereço. Aula 02. Corresponde ao nível rede do modelo OSI. Executa-se sobre os mais diversos protocolos do nível de Aula 02 Os protocolos FCUL Corresponde ao nível rede do modelo OSI. Executa-se sobre os mais diversos protocolos do nível de comunicação de dados. Em cada passo, é necessário fazer uma tradução entre o

Leia mais