Linha: Andrelândia (MG) - São Paulo (SP)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Linha: Andrelândia (MG) - São Paulo (SP)"

Transcrição

1 Linha: Andrelândia (MG) - São Paulo (SP) 1. Objeto Este projeto refere-se ao transporte rodoviário interestadual de passageiros, na ligação Andrelândia (MG) - São Paulo (SP). A ligação, representada na Figura 1, tem extensão de 388,94 km. Figura 1: Mapa do Itinerário da Linha Andrelândia (MG) São Paulo (SP) Fonte: SIMOV, com dados básicos do Sistema de Gerenciamento de Permissão- SGP

2 2. Caracterização Física da Linha Os quadros abaixo registram as principais características físicas da linha, informando, particularmente, itinerário, seção e acesso. Quadro 1: Itinerário Descritivo Localidade / UF Rodovia(s) Ext* (km) Andrelândia (MG) 0,00 Cachoeira Paulista (SP) BR-383, BR-267, BR-354, MG-158, SP-052, SP ,94 São Paulo (SP) SP-058, BR ,94 * Extensão acumulada. Quadro 2: Seção N Pontos de Seção Ext (km) 001 Andrelândia (MG) São Paulo (SP) 388,94 Quadro 3: Acesso Para Extensão (km) São Paulo (SP) 2,37 3. Estudos de Mercado 3.1 Área de Influência O objeto de estudo é a ligação rodoviária entre Andrelândia e São Paulo, nos estados de Minas Gerais e São Paulo. Informações referentes às cidades que definem a seção da linha são apresentadas no quadro a seguir: Quadro 4: Dados dos Municípios com Sedes Coincidentes com Pontos de Seção (Ano 2000) Município dummy (1) (2) Mov. do Mig. Terminal (3) População (mil) (2) Renda Anual per Capita (2) São Paulo (SP) 2,00 30,24% ,17 Andrelândia (MG) 1,20 5,36% ,79 (1) Fonte: Embratur (2) (3) Fonte: IBGE Fonte: ANTT

3 3.2 Estudos de Demanda O quadro seguinte apresenta a distância entre os municípios e a demanda utilizada no estudo. Como a linha tinha dados no SISDAP, foi utilizada a demanda observada. Quadro 5: Dados de demandas calculada por seção projetadas para a linha. Extensão Seção i - j da Seção Demanda (1) Eq Outros Peso (2) Demanda Op. Corrigida (3) (km) Andrelândia (MG) - São Paulo 388, ,00 * 0 1, ,00 (SP) * Demanda observada no SISDAP (1) (2) (3) Demanda calculada em passageiros/ano. Extensão da seção/extensão da seção principal. Demanda equivalente em passageiros/ano. 4. Dimensionamento de Parâmetros Operacionais 4.1 Cálculo do Tempo de Ciclo Os quadros a seguir contêm elementos de cálculos do tempo de ciclo (TC) da linha Andrelândia (MG) São Paulo (SP). Quadro 6: Tempo de viagem em rodovia TVR Extensão Tipo 1 (km) 388,94 Velocidade 1 (km/h) 70 Extensão Tipo 2 (km) - Velocidade 2 (km/h) 40 Extensão Tipo 3 (km) - Velocidade 3 (km/h) 20 Tempo de Viagem (h) 5,56

4 Quadro 7: Tempo de deslocamentos em acessos TDA Extensão dos acessos principais (km) 2,37 Extensão dos acessos secundários (km) - Velocidade (km/h) 40 Tempo de deslocamento em Acessos (h) 0,06 Quadro 8: Tempo em pontos de seção e de parada TPS Nº Pontos de Seção (unid.) - Tempo em Cada Seção (min.) 10 Nº Pontos de Parada (unid.) 1 Tempo Médio em Cada Ponto (min.) 25 Tempo Gasto em Pontos de Seção e Parada = 0,42h. O tempo de ciclo (TC) é dado pela expressão: resultando em TC = 16,06 h. TC = 2 (TVR + TPS + TDA + TM) (1) Obs: O tempo de manutenção (TM) refere-se ao tempo utilizado para lavagem, abastecimento e deslocamento do veículo da rodoviária à garagem e é igual a 2,00 horas. Também foi incluído um critério de conveniência, importante para os passageiros, que é o horário diurno de partida. Para garantir que o horário de retorno seja sempre durante o dia, fez-se com que o intervalo de tempo entre viagens fosse múltiplo de 12 horas, resultando em um intervalo de tempo entre viagens ajustado de 24 horas. 4.2 Estimativas do Número de Viagens Semanais por Sentido Capacidade do veículo: 46 lugares Demanda anual: 3.847,00 passageiros Demanda semanal por sentido (DSS) é dada por: D DSS = corrigida 104 anual total (2)

5 Logo, no caso em questão, DSS = 36,99 passageiros/semana por sentido. Freqüência semanal por sentido é dada por DSS FSS = lot ref IAP ref (3) Logo, a freqüência semanal por sentido (FSS) para IAP e lotação de referência é 1,32 viagens/semana. 4.3 Estimativas da Frota Na presente ligação a freqüência semanal por sentido (FSS) adotada foi de 2 viagens/semana. Utilizou-se o procedimento descrito na metodologia para calcular a frota operante (FO), estimada em 1 ônibus. 4.4 Estimativa do PMA real A quilometragem percorrida anualmente (KMA) é calculada com a equação 4: KMA = FSS 104 Ext (4) onde Ext é a extensão da linha. KMA = ,52 km O PMA da ligação é: KMA PMA = FO (5) PMA real = ,52 km 4.5 Estimativa do IAP real O índice de aproveitamento real (IAP real ) da linha é calculado com a equação 6: IAP DSS = real FSS LOT (6) IAP real = 40,21%

6 4.6 Estimativa do p real A relação entre o percurso médio anual da linha (PMA real ) e o PMA de referência (PMA ref ) é dado pela Equação 7: PMA p real = PMA real referência (7) Na ligação em análise: p real = 0,61 5. Indicativos de Viabilidade No quadro abaixo estão os valores calculados de CO e AICT assim como os dados utilizados para a obtenção dos mesmos, para a ligação sob análise. Quadro 9: Valores dos Indicadores Calculados PMA ,52 p 0,61 IAP 40,21% CT pavimento 1 0, CT pavimento 2 0, CT pavimento 3 0, CT linha 0, CO pavimento 1 0, CO pavimento 2 0, CO pavimento 3 0, CO linha 0, AICT -122,32% Observa-se que o CO da linha é maior que o coeficiente tarifário, o que indica que esta linha apresenta déficit econômico. Seu afastamento em relação ao coeficiente tarifário é de -122,32%. Conclui-se, então, que esta linha não tem potencial de exploração autônoma.

7 6. Tipo de Serviço e Tarifa de Referência 6.1 Tipos de Serviço O serviço a ser licitado é o serviço básico correspondente à tabela A com sanitário. 6.2 Tarifa de Referência O quadro 10 apresenta as tarifas da linha Andrelândia (MG) São Paulo (SP), calculadas por seção (distância x coeficiente tarifário). O coeficiente tarifário vigente em Janeiro de 2007, data da elaboração desse estudo, é 0, R$/km para o pavimento tipo I, 0, R$/km para o pavimento tipo II e 0,13649 R$/km para o pavimento tipo III, definido na Resolução nº de 05 de julho de Quadro 10: Tarifa por seção Extensão (km) Preço Nº Seção Máximo Tipo I Tipo II Tipo III (R$) 001 Andrelândia (MG) - São Paulo (SP) 388,94 0,00 0,00 37,31 7. Valor e Vigência do Contrato O valor do contrato será o mesmo do valor estimado para a receita líquida ao longo do período contratual. A receita líquida será estimada em função do coeficiente tarifário proposto, extensão da linha, freqüência mínima estabelecida e IAP da planilha tarifária, excluídos os impostos. O prazo de vigência do contrato será de 15 (quinze) anos, a contar a data de sua assinatura. 8. Conclusões Conclui-se, com base nos resultados do item 5 (Indicativos de Viabilidade), que esta linha não tem potencial de exploração autônoma.

4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional. 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração

4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional. 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração RA DA APRES ENTAÇ ÃO ES STRUTU 1. Embasamento Legal 2. Serviços a licitar 3. Premissas 4. Aspectos Metodológicos do Modelo Funcional 5. Aspectos Metodológicos do Modelo de Remuneração Embasamento Legal

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. RESOLUÇÃO Nº 3.535, DE 10 DE JUNHO DE 2010 DOU de 21 DE JUNHO DE 2010

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. RESOLUÇÃO Nº 3.535, DE 10 DE JUNHO DE 2010 DOU de 21 DE JUNHO DE 2010 AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RESOLUÇÃO Nº 3.535, DE 10 DE JUNHO DE 2010 DOU de 21 DE JUNHO DE 2010 Fixa normas gerais sobre o Serviço de Atendimento ao Consumidor SAC nos serviços de transporte

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 233, DE 25 DE JUNHO DE 2003 DOU de 02 DE JULHO de 2003

RESOLUÇÃO Nº 233, DE 25 DE JUNHO DE 2003 DOU de 02 DE JULHO de 2003 RESOLUÇÃO Nº 233, DE 25 DE JUNHO DE 2003 DOU de 02 DE JULHO de 2003 Regulamenta a imposição de penalidades por parte da ANTT, no que tange ao transporte rodoviário interestadual e internacional de passageiros.

Leia mais

TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO

TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO TREM DE GUARULHOS EXPRESSO AEROPORTO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO 2 Municípios Habitantes PIB (Regional) Comércio e Serviços 39 18,6 milhões 10,5% população Brasileira R$ 244 Bilhões 15,7% PIB Brasileiro

Leia mais

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005

Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005 Relatório Sintético do Levantamento de Auditoria/ 2005 IDENTIFICAÇÃO DA OBRA Caracterização da obra Processo: 4525/2005-6 Ano Orçamento: 2005 UF: PR Nome do PT: Recuperação de Trechos Rodoviários - Divisa

Leia mais

PORTARIA SOF N o 57, DE 10 DE JUNHO DE 2010. (publicada no DOU de 11/06/2010, seção I, página 73)

PORTARIA SOF N o 57, DE 10 DE JUNHO DE 2010. (publicada no DOU de 11/06/2010, seção I, página 73) PORTARIA SOF N o 57, DE 10 DE JUNHO DE 2010. (publicada no DOU de 11/06/2010, seção I, página 73) A SECRETÁRIA DE ORÇAMENTO FEDERAL, tendo em vista a autorização constante do art. 55, inciso III, da Lei

Leia mais

PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO

PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO 1 / 5 PLANILHA DE CUSTO E CÁLCULO TARIFÁRIO DO SISTEMA MUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO A. INSUMOS BÁSICOS Valor A1. Combustível (R$/l) 1,9620 A2. Rodagem (R$/unidade) Pneu Recapagem Câmara Ar Protetor

Leia mais

GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E TRANSPORTES GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS Disciplina: Logística

Leia mais

Plano Municipal de Transporte Coletivo Urbano de Itapoá - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA

Plano Municipal de Transporte Coletivo Urbano de Itapoá - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA Plano Municipal de Transporte Coletivo - SC AUDIÊNCIA PÚBLICA Maio - 2012 1 - Apresentação A Administração Municipal de Itapoá contratou este estudo técnico com o objetivo de melhorar a qualidade do serviço

Leia mais

GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS

GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E TRANSPORTES GESTÃO DE FROTAS E OPERAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGAS Disciplina: Logística

Leia mais

IMPACTOS DAS GRATUIDADES NO CÁLCULO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERESTADUAL DE PASSAGEIROS

IMPACTOS DAS GRATUIDADES NO CÁLCULO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERESTADUAL DE PASSAGEIROS IMPACTOS DAS GRATUIDADES NO CÁLCULO TARIFÁRIO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERESTADUAL DE PASSAGEIROS Resumo Este trabalho tem como objetivo apresentar os possíveis impactos no cálculo tarifário, gerados

Leia mais

Atividade objeto do licenciamento: Código DN 74/04 Descrição Classe F-02-01-1 Transporte rodoviário de resíduos perigosos Classe I.

Atividade objeto do licenciamento: Código DN 74/04 Descrição Classe F-02-01-1 Transporte rodoviário de resíduos perigosos Classe I. PARECER ÚNICO SUPRAM CM N.º 246/2009 Licenciamento Ambiental Nº 09626/2008/001/2008 PROTOCOLO Nº XXXXX/2009 Empreendimento: CAVO SERVIÇOS E MEIO AMBIENTE S.A. CNPJ: 33.527.268/0024-21 Município: CURITIBA/PR

Leia mais

FORD C-MAX + FORD GRAND C-MAX CMAX_Main_Cover_2014_V3.indd 1-3 23/08/2013 10:01:48

FORD C-MAX + FORD GRAND C-MAX CMAX_Main_Cover_2014_V3.indd 1-3 23/08/2013 10:01:48 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 12,999,976 km 9,136,765 km 1,276,765 km 499,892 km 245,066 km 112,907 km 36,765 km 24,159 km 7899 km 2408 km 76 km 12 14 16 9 10 1 8 12 7 3 1 6 2 5 4 3 11 18 20 21 22 23 24 26 28 30

Leia mais

Coordenação Elisabeth Braga (Superintendente de Gestão SUDEG)

Coordenação Elisabeth Braga (Superintendente de Gestão SUDEG) Missão Diretoria Diretor Geral Bernardo Figueiredo Diretores Ivo Borges de Lima Jorge Luiz Macedo Bastos Mario Rodrigues Júnior Coordenação Elisabeth Braga (Superintendente de Gestão SUDEG) Elaboração

Leia mais

BRASIL FRET e 16º ENCONTRO DAS EMPRESAS DE FRETAMENTO E TURISMO. A nova regulamentação do fretamento interestadual

BRASIL FRET e 16º ENCONTRO DAS EMPRESAS DE FRETAMENTO E TURISMO. A nova regulamentação do fretamento interestadual BRASIL FRET e 16º ENCONTRO DAS EMPRESAS DE FRETAMENTO E TURISMO A nova regulamentação do fretamento interestadual 21 de outubro de 2015 Agência Nacional de Transportes Terrestres Áreas de Atuação: TRANSPORTE

Leia mais

ANTT - AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

ANTT - AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES DIRETORIA PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Estabelece procedimentos para o transporte de bagagens e encomendas nos ônibus utilizados nos serviços de transporte interestadual e internacional de passageiros e para a identificação de seus proprietários

Leia mais

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão

Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências. Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão Modelos de Concessão do Transporte Urbano por Ônibus Práticas e Tendências Belo Horizonte: Verificação Independente dos Contratos de Concessão São Paulo, 15 de agosto de 2014 Agenda 1. Introdução - Belo

Leia mais

Planilha de Cálculo Tarifário 2014

Planilha de Cálculo Tarifário 2014 CPTRANS - Cia. Petropolitana de Trânsito e Transportes Diretoria Técnico-Operacional I - Custo Variável Planilha de Cálculo Tarifário 2014 1 - Combustível = Preço litro diesel 2,2876 x Coeficiente (litros

Leia mais

Onde: T = tarifa CT = custo total P = número de passageiros pagantes

Onde: T = tarifa CT = custo total P = número de passageiros pagantes 1 DEFINIÇÕES - GEIPOT Para o entendimento perfeito dos procedimentos adotados neste documento são conceituados a seguir os termos empregados no cálculo da tarifa dos ônibus urbanos. No âmbito dos transportes

Leia mais

[¹] Soma dos benefícios pagos pelas empresas operadoras por decisão judicial ou que tenham aval do órgão de gerência local.

[¹] Soma dos benefícios pagos pelas empresas operadoras por decisão judicial ou que tenham aval do órgão de gerência local. INSUMOS BÁSICOS Para o cálculo da tarifa é necessário que se conheçam os seguintes dados Preço de um litro de combustível (R$ 2,0853) + Frete (R$ 0,0318) R$ 2,1171 1 Preço de um pneu novo p/ veículo leve

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência:VERSÃO LIMPA 5 a Reunião do GRUPO DE TRABALHO Data: 26 e 27 de outubro de 2006 Processos n 02001.001037/02-98 e 02001.000597/2004-40

Leia mais

MODELO DO CONTRATO DE PERMISSÃO PERMISSÃO PARA EXPLORAÇÃO DO LOTE

MODELO DO CONTRATO DE PERMISSÃO PERMISSÃO PARA EXPLORAÇÃO DO LOTE ANEXO 25 MODELO DO CONTRATO DE PERMISSÃO PERMISSÃO PARA EXPLORAÇÃO DO LOTE SUMÁRIO CLÁUSULA PRIMEIRA - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS...3 Definições...3 Anexos...3 Regime Jurídico do Contrato...4 Alteração do

Leia mais

PASSAGEIRO, CONHEÇA SEUS DIREITOS E DEVERES.

PASSAGEIRO, CONHEÇA SEUS DIREITOS E DEVERES. PASSAGEIRO, CONHEÇA SEUS DIREITOS E DEVERES. O que é a ANTT? A Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT regula e fiscaliza a prestação de serviços de transportes terrestres de passageiros em todo

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERESTADUAL E INTERNACIONAL DE PASSAGEIROS

REGULAMENTAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERESTADUAL E INTERNACIONAL DE PASSAGEIROS REGULAMENTAÇÃO DO TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERESTADUAL E INTERNACIONAL DE PASSAGEIROS Francisco Giusepe Donato Martins Denise de Torres de Mesquita da Silveira Silva José Ricardo Tavares Louzada Pedro Antonio

Leia mais

CONCORRÊNCIA EMTU/SP Nº 014/2013

CONCORRÊNCIA EMTU/SP Nº 014/2013 CONCORRÊNCIA EMTU/SP Nº 014/2013 ANEXO 01 DETALHAMENTO DO OBJETO, DO SISTEMA E DAS CONDIÇÕES DA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS ANEXO 01 1 DETALHAMENTO DO OBJETO 1. O OBJETO da PERMISSÃO compreende os serviços

Leia mais

1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário

1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1 INSUMOS BÁSICOS un Custo Unitário 1.1 Preço de um litro de combustível R$ 1,9563 1.2 Preço de um pneu novo para veículo micro R$ 491,3400 1.3 Preço de um pneu novo para veículo leve R$ 927,4700 1.4 Preço

Leia mais

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE

As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras. Diretoria de Engenharia - DE As condições de acessibilidade e mobilidade nas cidades receptoras Diretoria de Engenharia - DE Cidades candidatas e seus aeroportos Aeroportos da INFRAERO primeira e última imagem que o turista estrangeiro

Leia mais

Prefeitura Municipal de Rio do Sul. Secretaria de Administração

Prefeitura Municipal de Rio do Sul. Secretaria de Administração Secretaria de Administração Concessão do Serviço de Transporte Público Coletivo Urbano de Passageiros Custo do Passageiro Transportado Audiência Pública Introdução Ronaldo Gilberto de Oliveira Consultor

Leia mais

TEXTO FINAL. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

TEXTO FINAL. O CONGRESSO NACIONAL decreta: TEXTO FINAL Substitutivo do Senado Federal ao Projeto de Lei da Câmara nº 310, de 2009 (nº 1.927, de 2003, na Casa de origem), que institui o Regime Especial de Incentivos para o Transporte Coletivo Urbano

Leia mais

81ª Reunião do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito

81ª Reunião do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito 81ª Reunião do Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Públicos de Transporte Urbano e Trânsito REITUP Desoneração do Transporte Público Marcos Bicalho dos Santos Guarulhos/SP, 9 de agosto de 2013 Estrutura

Leia mais

TREM DE ALTA VELOCIDADE - TAV

TREM DE ALTA VELOCIDADE - TAV Encontro Econômico Brasil - Alemanha 2009 Cooperação para o Crescimento e Emprego Idéias e Resultados TREM DE ALTA VELOCIDADE - TAV Secretaria de Política Nacional de Transportes / MT - Engº Marcelo Perrupato

Leia mais

Apresentação sobre a Reestruturação do Setor de Transportes no Brasil, com Ênfase para o Modal Rodoviário

Apresentação sobre a Reestruturação do Setor de Transportes no Brasil, com Ênfase para o Modal Rodoviário MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES Reestruturação do Setor de ESTRUTURA Transportes DE Apresentação sobre a Reestruturação do Setor de Transportes no, com

Leia mais

DECOPE Possíveis Impactos da Lei 12.619

DECOPE Possíveis Impactos da Lei 12.619 Possíveis Impactos da Lei 12.619 Introdução Custos do TRC Comportamento dos Custos Produtividade no TRC Exemplos COMPLEXIDADE da escolha de um Preço FRETE $ FRETE x Qtde Vendida CUSTOS RECEITA Concorrentes

Leia mais

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009

Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Gargalos no Sistema de Transporte de Cargas no Brasil Bruno Batista Diretor Executivo da CNT Brasília, Abril de 2009 Panorama do Transporte Composição da Matriz de Transportes comparação outros países

Leia mais

Anexo 8 Demandas Anuais e Frota de Referência. Anexo 8 Demandas Anuais e Frota de Referência

Anexo 8 Demandas Anuais e Frota de Referência. Anexo 8 Demandas Anuais e Frota de Referência Anexo 8 Demandas Anuais e Frota de Referência 1 Sumário 1 INTRODUÇÃO... 3 2 DEMANDA DE REFERÊNCIA... 3 2.1 Evolução da Demanda Diária... 5 2.2 Demanda na Rede de Metrô na Hora de Pico... 6 2.3 Demanda

Leia mais

Guia Prático. MDF-e. Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais. 2014 JL Assessoria Contábil e Jurídica

Guia Prático. MDF-e. Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais. 2014 JL Assessoria Contábil e Jurídica Guia Prático MDF-e Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais 2014 JL Assessoria Contábil e Jurídica Entenda o que é: O Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e) é o documento emitido e armazenado

Leia mais

Projeto Concessão dos Terminais Rodoviários

Projeto Concessão dos Terminais Rodoviários Superintendência de Parcerias e Concessões - SUPARC Projeto Concessão dos Terminais Rodoviários Merlong Solano Nogueira Secretário de Governo Viviane Moura Bezerra Superintendente SUPARC Agosto de 2015

Leia mais

Sistema de Transporte Coletivo de Curitiba

Sistema de Transporte Coletivo de Curitiba Comissão de Análise da Tarifa - Decreto nº. 358/2013 Sistema de Transporte Coletivo de Curitiba Resumo Mar/13 URBS Urbanização de Curitiba S/A A URBS foi criada através de Lei Municipal, em Agosto de 1963

Leia mais

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº XX, DE XX DE XX DE 2015

RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº XX, DE XX DE XX DE 2015 RESOLUÇÃO ARES-PCJ Nº XX, DE XX DE XX DE 2015 Estabelece os procedimentos e a metodologia de cálculo das tarifas a serem observados pelos prestadores dos serviços públicos de abastecimento de água e de

Leia mais

José Arthur Bezerra Silva Francisco Giusepe Donato Martins Tribunal de Contas da União

José Arthur Bezerra Silva Francisco Giusepe Donato Martins Tribunal de Contas da União UMA ANÁLISE CONCEITUAL DA ESSENCIALIDADE E DA EQUIDADE NO ÂMBITO DA REGULAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERESTADUAL DE PASSAGEIROS José Arthur Bezerra Silva Francisco Giusepe Donato

Leia mais

INDENIZAÇÃO CONTRATUAL EXIGIDA PELA LEI 11.445 INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS

INDENIZAÇÃO CONTRATUAL EXIGIDA PELA LEI 11.445 INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS INDENIZAÇÃO CONTRATUAL EXIGIDA PELA LEI 11.445 UMA ABORDAGEM PARA O TRANSPORTE INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS Pelas disposições da Lei 11.445 as concessões em caráter precário, as que estiverem com prazo

Leia mais

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DE SOROCABA

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DE SOROCABA SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DE SOROCABA REFERÊNCIA METODOLÓGICA DE CÁLCULO DA TARIFA TÉCNICA PLANILHA DE CUSTO 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Qualidade dos Transportes Públicos Suburbanos no Município de Rio Claro-SP

Qualidade dos Transportes Públicos Suburbanos no Município de Rio Claro-SP UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP CAMPUS DE RIO CLARO-SP INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS E CIÊNCIAS EXATAS - IGCE Qualidade dos Transportes Públicos Suburbanos no Município de Rio Claro-SP

Leia mais

São Paulo 16 de Abril de 2015. Empresa Anfitriã: Usiminas

São Paulo 16 de Abril de 2015. Empresa Anfitriã: Usiminas Encontro Rodoviário ANUT Impactos da Nova Lei do Motorista e o Movimento dos 00 Caminhoneiros São Paulo 16 de Abril de 2015 Empresa Anfitriã: Usiminas Realização: Agenda do Encontro 1 -Apresentação ANUT

Leia mais

A Realidade Encontrada Imagens do Portal do Cidadão do TCE-PE

A Realidade Encontrada Imagens do Portal do Cidadão do TCE-PE TRANSPORTE ESCOLAR A Realidade Encontrada Imagens do Portal do Cidadão do TCE-PE A Realidade Encontrada Imagens do Portal do Cidadão do TCE-PE A Realidade Encontrada Resumo -Alunos sendo transportados

Leia mais

Resolução Normativa RESOLVE CAPÍTULO I

Resolução Normativa RESOLVE CAPÍTULO I Resolução Normativa SÚMULA: Dispõe sobre os parâmetros de ocupação do solo para a Zona Especial de Controle de Gabarito no Município de Guarapuava. O CONCIDADE, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DA CIDADE DE SOROCABA PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS

SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DA CIDADE DE SOROCABA PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS PLANILHA PARA COMPOSIÇÃO DE DADOS - PREÇOS DE INSUMOS PLANILHA DE CÁLCULO - TARIFA TÉCNICA SISTEMA (LOTE 1 E LOTE 2) Data de Referência: - Dia, Mês e Ano Vigente 01/06/14 Base Inicial Ano Vigente - Ano

Leia mais

DOS PROCEDIMENTOS QUANTO À OCORRÊNCIA DE SINISTROS COM VEÍCULOS... 8. DO RECEBIMENTO DE BENS DOADOS PELA Receita Federal do Brasil (RFB)...

DOS PROCEDIMENTOS QUANTO À OCORRÊNCIA DE SINISTROS COM VEÍCULOS... 8. DO RECEBIMENTO DE BENS DOADOS PELA Receita Federal do Brasil (RFB)... Manual de Frota 2 SUMÁRIO DO CONTRATO DE MOTORISTAS TERCEIRIZADOS... 3 DAS SOLICITAÇÕES DE VEÍCULOS OFICIAIS... 4 DO ABASTECIMENTO... 5 Do Abastecimento de veículos de outros órgãos... 6 DA MANUTENÇÃO

Leia mais

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ANEXO VIII MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS Este Anexo tem por objetivo orientar a elaboração do Plano de Negócios, que compõe a proposta comercial da proponente. O documento deve corresponder

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM LOCAÇÃO DE ÔNIBUS (SRP)

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA EM LOCAÇÃO DE ÔNIBUS (SRP) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de MG Câmpus São João del-rei Diretoria de Administração e Planejamento ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA: CONTRATAÇÃO DE

Leia mais

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Proposta de Plano de Trabalho Plano Setorial de Mitigação e Adaptação às Mudanças Climáticas OBJETIVOS Ministério das Cidades Estimar as emissões de gases de efeito estufa (GEEs) e os locais (GELs) produzidos

Leia mais

LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO

LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO MUNICIPAL Art. 30 Compete ao Município: CAPÍTULO II Da Competência do Município VI organizar e prestar, diretamente ou sob regime de

Leia mais

SENADO FEDERAL Comissão de Serviços de Infra-Estrutura. Brasília, 09 de Julho de 2009

SENADO FEDERAL Comissão de Serviços de Infra-Estrutura. Brasília, 09 de Julho de 2009 SENADO FEDERAL Comissão de Serviços de Infra-Estrutura MODERNIZAÇÃO E EXPANSÃO DA INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA RIA Brasília, 09 de Julho de 2009 MODERNIZAÇÃO E EXPANSÃO DA INFRA-ESTRUTURA AEROPORTUÁRIA

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Contratação de empresas especializadas na prestação de serviço de transporte executivo e transporte rodoviário de passageiros com carro de passeio, ônibus e van, no âmbito municipal,

Leia mais

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Nos termos do Contrato de Concessão, bem como dos regulamentos administrativos impostos pelo Poder Concedente, compete à ECO101 Concessionária

Leia mais

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema

Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Mais de 100 mil km percorridos Maior parte da extensão de rodovias avaliadas tem problema Estudo da CNT mostra que 57,3% têm alguma deficiência no estado geral; 86,5% dos trechos são de pista simples e

Leia mais

Assunto: Prorrogação do contrato de concessão dos Transportes Urbanos de Guimarães

Assunto: Prorrogação do contrato de concessão dos Transportes Urbanos de Guimarães Assunto: Prorrogação do contrato de concessão dos Transportes Urbanos de Guimarães 1. ENQUADRAMENTO No dia 2 de Março de 2001, a Câmara Municipal de Guimarães e a sociedade Transurbanos de Guimarães -

Leia mais

8 Evolução da tarifa de ônibus em Porto Alegre

8 Evolução da tarifa de ônibus em Porto Alegre Gráfico da evolução percentual da tarifa decretada, da tarifa calculada com IPK fixo e do IGPM acumulado desde o Plano Real 8 Evolução da tarifa de ônibus em Porto Alegre Tarifa IPK Ano Mês Var. Var. Tarifa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2014. CONSIDERANDO o art. 731 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002, que Institui o Código Civil ;

RESOLUÇÃO Nº 4.282, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2014. CONSIDERANDO o art. 731 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002, que Institui o Código Civil ; Dispõe sobre as condições gerais relativas à venda de bilhetes de passagem nos serviços regulares de transporte terrestre interestadual e internacional de passageiros regulados pela Agência Nacional de

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Concessão de Vale Transporte.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Concessão de Vale Transporte. Concessão de Vale Transporte. 23/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 4 5. Informações Complementares...

Leia mais

FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA

FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA PREFEITURA MUNICIPAL DE CHAPECÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES CÁLCULO TARIFÁRIO SERVIÇOS PÚBLICOS DE TRANSPORTE COLETIVO URBANO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO FLUXO DE CAIXA PARA DETERMINAÇÃO DA TARIFA

Leia mais

Transporte Coletivo da Região Metropolitana de São Paulo: Imagem em Queda desde 1999.

Transporte Coletivo da Região Metropolitana de São Paulo: Imagem em Queda desde 1999. Transporte Coletivo da Região Metropolitana de São Paulo: Imagem em Queda desde 1999. Autor 001: Helcio Raymundo R&B Engenharia e Arquitetura Ltda. Rua Marques de Cascais, 178 047-030 - Brooklin São Paulo

Leia mais

Unidade Gestora do Projeto da Copa. Unidade d Gestora do Projeto da Copa MOBILIDADE URBANA

Unidade Gestora do Projeto da Copa. Unidade d Gestora do Projeto da Copa MOBILIDADE URBANA Unidade d Gestora do Projeto da Copa MOBILIDADE URBANA PLANO DE GOVERNANÇA POPULAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS 1.802.014 Hab População/ bairros de Manaus DISTRIBUIÇÃO DA FROTA DE VEÍCULOS EM MANAUS Automóveis

Leia mais

REGULAMENTO DO TRANSPORTE COLETIVO RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DO ESTADO DO PARANÁ

REGULAMENTO DO TRANSPORTE COLETIVO RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE PASSAGEIROS DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I DA COMPETÊNCIA Art. 01 O serviço público de transporte coletivo rodoviário intermunicipal de passageiros será executado pelo Estado ou outorgado na forma deste Regulamento, através de empresas

Leia mais

GULLIVER DEMONSTRAÇÕES - REGRAS DE UTILIZAÇÃO

GULLIVER DEMONSTRAÇÕES - REGRAS DE UTILIZAÇÃO GULLIVER DEMONSTRAÇÕES - REGRAS DE UTILIZAÇÃO Gulliver Demonstração de Mini-autocarros Eléctricos em Frotas de Transporte Público Urbano - é uma experiência com dois mini-autocarros eléctricos que podem

Leia mais

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES JULHO 2015 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS URBANO Fonte: Pesquisa de mobilidade 2012 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS

Leia mais

2 REVISÃO NOVA CONTRATAÇÃO 29/10/2014 JL - NG 1 ATENDIMENTO À RAT 320JL1_GTFZ-3-13 14/10/2013 SP MR RT 0 EMISSÃO INICIAL 30-11-2012 SP MR RT

2 REVISÃO NOVA CONTRATAÇÃO 29/10/2014 JL - NG 1 ATENDIMENTO À RAT 320JL1_GTFZ-3-13 14/10/2013 SP MR RT 0 EMISSÃO INICIAL 30-11-2012 SP MR RT 2 REVISÃO NOVA CONTRATAÇÃO 29/10/2014 JL - NG 1 ATENDIMENTO À RAT 320JL1_GTFZ-3-13 14/10/2013 SP MR RT 0 EMISSÃO INICIAL 30-11-2012 SP MR RT Rev. Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo Empresa contratada

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Subtipos:

IDENTIFICAÇÃO. Subtipos: Ministério do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Coordenação Geral de Regionalização Inventário da Oferta Turística uf:

Leia mais

SISAUT/FC Sistema de Controle de Transporte Fretado Contínuo de Passageiros

SISAUT/FC Sistema de Controle de Transporte Fretado Contínuo de Passageiros SISAUT/FC Sistema de Controle de Transporte Fretado Contínuo de Passageiros O que é o SISAUT/FC? MANUAL DO USUÁRIO O SISAUT/FC é o sistema por meio do qual são feitos os requerimentos para as autorizações

Leia mais

COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ

COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ COMPANHIA DE TRÂNSITO E TRANSPORTE DE MACAPÁ SISTEMA DE TRANSPORTE DE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE MACAPÁ DEMONSTRATIVO DOS VALORES E PERCENTUAIS DOS ITENS ELENCADOS NO CUSTO TARIFÁRIO 20% COMBUSTÍVEL 48%

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.996, DE 18 JUNHO DE 2014. Mensagem de veto Conversão da Medida Provisória nº 638, de 2014 Altera as Leis n os 12.715, de

Leia mais

COLETA de LIXO. Recolher e transportar resíduos e encaminhá-lo:

COLETA de LIXO. Recolher e transportar resíduos e encaminhá-lo: COLETA de LIXO Conceituação: Recolher e transportar resíduos e encaminhá-lo: 1. A uma estação de transbordo ou 2. À usina de triagem ou 3. Sítio de destinação final. 1 Coleta Deve ser efetuada em cada

Leia mais

MUNICÍPIO DE IJUÍ PODER EXECUTIVO

MUNICÍPIO DE IJUÍ PODER EXECUTIVO METODOLOGIA PLANILHA DE CUSTOS O presente documento tem por finalidade descrever a metodologia utilizada para o cálculo do preço do quilometro rodado das linhas de transporte escolar para o ano de 2.014,

Leia mais

ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida

ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida CONCORRÊNCIA PÚBLICA N ##/2013 CONCESSÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO DE PASSAGEIROS DO MUNICÍPIO DE RIO DO SUL ANEXO VIII Cálculo da Tarifa de Remuneração Máxima Admitida novembro-13 A presente

Leia mais

NOVO DECRETO DE DIÁRIAS DE VIAGEM. Decreto nº. 45.618, de 09 de junho de 2011

NOVO DECRETO DE DIÁRIAS DE VIAGEM. Decreto nº. 45.618, de 09 de junho de 2011 NOVO DECRETO DE DIÁRIAS DE VIAGEM Decreto nº. 45.618, de 09 de junho de 2011 Belo Horizonte, agosto de 2011 Agenda Diretrizes da Alteração Organização da Norma Alterações Principais Outras Alterações O

Leia mais

ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI

ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI ESTUDO DOS CUSTOS DO SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS DE CRICIÚMA STPP/CRI abril/2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRICIÚMA 2 ASTC SISTEMA DE TRANSPORTE PÚBLICO DE PASSAGEIROS ESTUDO DOS CUSTOS

Leia mais

ESQUEMAS DE PARTICIPACÍON PÚBLICA Y PRIVADA EN EL DISEÑO, FINANCIACIÓN, CONSTRUCCIÓN, OPERACIÓN Y GESTIÓN

ESQUEMAS DE PARTICIPACÍON PÚBLICA Y PRIVADA EN EL DISEÑO, FINANCIACIÓN, CONSTRUCCIÓN, OPERACIÓN Y GESTIÓN ESQUEMAS DE PARTICIPACÍON PÚBLICA Y PRIVADA EN EL DISEÑO, FINANCIACIÓN, CONSTRUCCIÓN, OPERACIÓN Y GESTIÓN José Kalil Neto jkalil@metrosp.com.br Bogotá Colombia 08 y 09 de septiembre de 2008 MAPA DO TRANSPORTE

Leia mais

SECRETARIA DE TRANSPORTES

SECRETARIA DE TRANSPORTES COMITÊS TÉCNICOS DA ALAMYS 18ª Reunião Intermediária PROJETOS DE MOBILIDADE PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Julio Lopes SECRETÁRIO GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MAIO 2013 Nossas Metas Copa das Confederações

Leia mais

Help RentaVision FRETE - NTC

Help RentaVision FRETE - NTC Help RentaVision FRETE - NTC Introdução O RentaVision foi desenvolvido com o intuito de ser uma ferramenta precisa para ser utilizada na montagem de Tabelas de Preços de transporte rodoviário de forma

Leia mais

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE

MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE 2014 3ª Edição MANUAL DE CÁLCULO DA TARIFA DE ÔNIBUS DE PORTO ALEGRE Porto Alegre, Março de 2014 BRASIL,, Manual de Cálculo da Tarifa de Ônibus de

Leia mais

Tarifário para 2013. Tarifário para 2013

Tarifário para 2013. Tarifário para 2013 Tarifário para 2013 Novembro de 2012 Página 1 de 12 Índice Tarifas de Abastecimento... 3 Tarifas de Saneamento... 4 Outros serviços de abastecimento... 5 Outros serviços de saneamento... 6 Processos de

Leia mais

Diretoria de Planejamento de Transporte e de Gestão Corporativa APRESENTAÇÃO SMT 09 02 2012 RT DT/SPT 09/12

Diretoria de Planejamento de Transporte e de Gestão Corporativa APRESENTAÇÃO SMT 09 02 2012 RT DT/SPT 09/12 MOBILIDADE (e ACESSIBILIDADE) URBANA NO CONTEXTO DO PLANO ESTRATÉGICO SP2040 Superintendência de Planejamento de Transporte Diretoria de Planejamento de Transporte e de Gestão Corporativa planejamento@sptrans.com.br

Leia mais

O setorial/seccional de gestão de pessoas tem como data limite de entrega do vale-transporte ao servidor, até o 8º dia de cada mês.

O setorial/seccional de gestão de pessoas tem como data limite de entrega do vale-transporte ao servidor, até o 8º dia de cada mês. Vale-Transporte Conceito O vale-transporte é um benefício que o Estado antecipa aos servidores para efetiva utilização em despesas de deslocamento residência-trabalho e vice-versa. Caracterização/Particularidades

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CESPE/UnB ANTT/2013 Um dos objetivos do Plano Nacional de Logística e Transportes (PNLT) é a adequação da atual matriz de transportes de cargas no No que concerne à utilização

Leia mais

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências.

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. LEI COMPLENTAR Nº 136, DE 15 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito Municipal de Nova Mutum, Estado

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA O REGISTRO NO FRETAMENTO RODOVIÁRIO INTERMUNICIPAL DE TRANSPORTE COLETIVO DE PASSAGEIROS (Decreto n.º 29.912, de 12/05/89, alterado pelos Decretos nº. 31.105, de 27/12/89 e

Leia mais

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 ÍNDICE Capítulo I...5 Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5 Capítulo II...5 Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRATEÚS PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU

Leia mais

Regulação do Transporte Aéreo

Regulação do Transporte Aéreo 10º Seminário de Relações de Consumo Regulação do Transporte Aéreo Marcelo Guaranys Diretor-Presidente São Paulo, 12 de agosto de 2013 Sumário Dados do Setor Regulação do Transporte Aéreo Serviços Aéreos

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

EMISSÃO E GESTÃO DE CONHECIMENTO DE TRANSPORTE ELETRONICO ITR TR 0106

EMISSÃO E GESTÃO DE CONHECIMENTO DE TRANSPORTE ELETRONICO ITR TR 0106 EMISSÃO E GESTÃO DE CONHECIMENTO DE TRANSPORTE ELETRONICO ITR TR 0106 Sumario 1 O que e CTe? 2 Acesso ao sistema 3 Cadastros Pessoa Motorista Proprietario Veiculo Tributação 4 Emissão do conhecimento 5

Leia mais

APRESENTAÇÃO PARA O SENADO FEDERAL

APRESENTAÇÃO PARA O SENADO FEDERAL APRESENTAÇÃO PARA O SENADO FEDERAL 1 - CENÁRIO DE SETEMBRO DE 2011. 105 CONTRATOS DE PROJETOS DE ENGENHARIA PARA MANUTENÇÃO ESTRUTURADA COM GESTÃO DEFICIENTE. TODOS INCOMPLETOS E NENHUM SE TRANSFORMOU

Leia mais

Esfera Fiscal. Subfunção Administração Geral

Esfera Fiscal. Subfunção Administração Geral Governo do do Amazonas Secretaria de de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN Sistema de Planejamento, Orçamento e Gestão do do Amazonas SPLAM Pág. 3 de 2001 - da 25000 - Secretaria de de Infraestrutura

Leia mais

Plano de Outorga: Sistema Integrado de Transporte Coletivo Urbano de Rio do Sul

Plano de Outorga: Sistema Integrado de Transporte Coletivo Urbano de Rio do Sul Plano de Outorga: Sistema Integrado de Transporte Coletivo Urbano de Rio do Sul 1. OBJETO DO PLANO DE OUTORGA: O presente Plano de Outorga tem por objetivo a outorga para prestação e exploração dos serviços

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO DE LONGA DISTÂNCIA NACIONAL PLANO ALTERNATIVO N 236 - LD

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO DE LONGA DISTÂNCIA NACIONAL PLANO ALTERNATIVO N 236 - LD PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO DE LONGA DISTÂNCIA NACIONAL PLANO ALTERNATIVO N 236 - LD 1. EMPRESA Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. EMBRATEL. 2. NOME DO PLANO Plano PAS 236 LDN 3. MODALIDADE DO

Leia mais

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com.

Consórcio Fênix Rua Cândido Ramos nº550 - CEP 88090.800 Capoeiras - Florianópolis/SC - Brasil CNPJ 19.962.391/0001-53 sac@consorciofenix.com. 1 2 CONSÓRCIO FÊNIX PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE MOBILIDADE URBANA - SMMU MANUAL DOS USUÁRIOS DO SISTEMA SIM MODALIDADE POR ÔNIBUS DIREITOS E DEVERES DAS PARTES ENVOLVIDAS

Leia mais

Modelos de Concessão de Transporte Urbano por Ônibus. Apresentador: Carlos Henrique R.Carvalho Pesquisador do IPEA.

Modelos de Concessão de Transporte Urbano por Ônibus. Apresentador: Carlos Henrique R.Carvalho Pesquisador do IPEA. Modelos de Concessão de Transporte Urbano por Ônibus Apresentador: Carlos Henrique R.Carvalho Pesquisador do IPEA. Concessão de Transporte Urbano por Ônibus Intervenção do estado sobre a atividade de transporte

Leia mais

10/6/2009. Mister Way Tarifador

10/6/2009. Mister Way Tarifador Mister Way Tarifador 1 Como funciona a tarifação A tarifação telefônica funciona através de bilhetes que são enviados da central telefônica para um computador. 2 Bilhetes As informações envidas no bilhete

Leia mais

TARIFÁRIO PARA 2013 CARTAGUA, ÁGUAS DO CARTAXO, S.A.

TARIFÁRIO PARA 2013 CARTAGUA, ÁGUAS DO CARTAXO, S.A. CARTAGUA, ÁGUAS DO CARTAXO, S.A. TARIFÁRIO PARA 2013 O presente tarifário está de acordo com o adicional ao protocolo aprovado relativo à aplicação do tarifário dos serviços de água e saneamento do Cartaxo

Leia mais

Metrô Leve de Goiânia. Clique para editar o estilo do subtítulo mestre

Metrô Leve de Goiânia. Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Metrô Leve de Goiânia Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Novembro 2011 Agenda Escolha do modal Requisitos para o projeto Referências internacionais Desenvolvimento urbano de Goiânia Estudo

Leia mais

RDC 2013/11190 (9600), RDC 2013/11192 (9600), RDC 2013/11193 (9600) e RDC 2013/11194 (9600). Respostas aos questionamentos 1 a 16

RDC 2013/11190 (9600), RDC 2013/11192 (9600), RDC 2013/11193 (9600) e RDC 2013/11194 (9600). Respostas aos questionamentos 1 a 16 RDC 2013/11190 (9600), RDC 2013/11192 (9600), RDC 2013/11193 (9600) e RDC 2013/11194 (9600). Respostas aos questionamentos 1 a 16 Questionamento 1: Com relação ao edital do RDC 2013/11190 (9600) é de Questionamento

Leia mais