Cristina Nogueira- Silva 1,2, Elisa Pereira 3, Sónia Barata 4, Conceição Alho 4, Filipa Osório 4,5, Carlos Calhaz- Jorge 4,5

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cristina Nogueira- Silva 1,2, Elisa Pereira 3, Sónia Barata 4, Conceição Alho 4, Filipa Osório 4,5, Carlos Calhaz- Jorge 4,5"

Transcrição

1 Cristina Nogueira- Silva 1,2, Elisa Pereira 3, Sónia Barata 4, Conceição Alho 4, Filipa Osório 4,5, Carlos Calhaz- Jorge 4,5 1 Serviço de Ginecologia e Obstetrícia, Hospital de Braga; 2 Escola de Ciências da Saúde, Universidade do Minho; 3 Serviço de Ginecologia e Obstetrícia, Hospital do Espírito Santo - Évora; 4 Departamento de Obstetrícia, Ginecologia e Medicina da Reprodução do Hospital de Santa Maria, Centro Hospitalar Lisboa Norte; 5 Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa 1 de junho de 2013

2 Introdução ü A histerectomia é a cirurgia ginecológica major mais frequentemente realizada nos países desenvolvidos: Histerectomia vaginal Histerectomia abdominal Histerectomia laparoscópica Osler M e col., Hum Reprod, 2011 Canadian InsFtute for Health InformaFon, 2010 Chopin N e col., Hum Reprod, 2009 ü A histerectomia laparoscópica é segura e associa- se a baixa taxa de complicações. Donnez O e col., BJOG, 2009 Karaman Y e col., J Minim Invasive Gynecol, 2007

3 Introdução ü A obesidade é atualmente um importante problema de saúde pública. Portugal: 51% população com excesso de peso ou obesidade 16% das mulheres são obesas Morgan- OrFz F e col., Int J Gynaecol Obstet, 2013 Osler M e col., Hum Reprod, 2011 Chopin N e col., Hum Reprod, 2009 Inquérito Nacional de Saúde 2005/2006, INE, 2009 ü A obesidade foi inicialmente considerada uma contra- indicação relafva para cirurgia laparoscópica. Cirugia bariátrica Apendicectomia Colecistectomia Colectomia esquerda Chopin N e col., Hum Reprod, 2009 Corneille MG e col., Am J Surg, 2007 O Hanlan KA e col., Gynec Oncol, 2006 Leroy J e col., Ann Surg, 2005 Lamvu G e col., Am J Obstet Gynecol, 2004

4 Introdução ü A obesidade é atualmente um importante problema de saúde pública. Portugal: 51% população com excesso de peso ou obesidade 16% das mulheres são obesas Morgan- OrFz F e col., Int J Gynaecol Obstet, 2013 Osler M e col., Hum Reprod, 2011 Chopin N e col., Hum Reprod, 2009 Inquérito Nacional de Saúde 2005/2006, INE, 2009 ü A obesidade foi inicialmente considerada uma contra- indicação relafva para cirurgia laparoscópica. Histerectomia?

5 Introdução ü Histerectomia totalmente laparoscópica (HTL) e índice de massa corporal (IMC): resultados controversos Aumento da morbilidade cirúrgica nas pacientes obesas Morgan- OrFz F e col., Int J Gynaecol Obstet, 2013 Siedhoff MT e col., J Minim Invasive Gynecol, 2012 Holub Z e col., Eur J Gynecol Reprod Biol, 2001 Obesidade não se associa a aumento da taxa de complicações Kondo W e col., J Laparoendosc Adv Surg Tech A, 2012 Park JY e col., Obstet Gynecol, 2012 Chopin N e col., Hum Reprod, 2009 O Hanlan KA e col., Gynec Oncol, 2006 Ostrzenski A, J Reprod Med, 1999

6 ObjeFvo Avaliar o efeito do índice de massa corporal na taxa de complicações das histerectomias totalmente laparoscópicas realizadas no nosso departamento, entre abril de 2009 e março de 2013.

7 Métodos ü Estudo observacional, descrifvo e analífco, com análise retrospefva ü Fonte de informação: processos clínicos das doentes submefdas a HTL entre 1 de abril de 2009 e 31 de março de 2013 ü IMC: Normal (18,5 24,9 kg/m 2 ) Excesso de peso (25 29,9 kg/m 2 ) Obesidade ( 30 kg/m 2 ) Critérios da Organização Mundial de Saúde, Genebra, 1997

8 Métodos ü CaraterísFcas das pacientes: Idade Menarca Menopausa Paridade Antecedentes médicos Antecedentes cirúrgicos abdomino- pélvicos ü CaraterísFcas da cirurgia:

9 Métodos ü CaraterísFcas das pacientes: ü CaraterísFcas da cirurgia: Indicação cirúrgica Fonte de energia Trocar epigástrico Morcelação Peso da peça cirúrgica Tempo operatório Duração do internamento após a cirurgia Variação da hemoglobina e hematócrito

10 Métodos ü Complicações (intra e pós- operatórias; 1, 6 e 12 meses): Complicações Major Complicações Minor Lesão ureteral ou vesical Perfuração intestinal Hemorragia com necessidade de transfusão sanguínea Hematoma da cúpula com necessidade de drenagem cirúrgica ou transfusão sanguínea Complicações anestésicas major Conversão para laparotomia Deiscência da cúpula vaginal Embolia pulmonar Hemorragia sem necessidade de transfusão sanguínea Hematoma (com drenagem espontânea) Lesão iatrogénica da serosa intestinal Infeção (urinária, da cicatriz, pélvica ou outra) ou febre (temperatura > 38ºC nos primeiros 7 dias) Trombose venosa profunda Problemas anestésicos minor Incontinência urinária

11 Métodos ü Análise estausfca SPSS Sta+s+cs, versão 20.0 (IBM, USA) Análise descrifva e inferencial Variáveis quanftafvas: Kolmogorov- Smirnov para análise da normalidade; ANOVA unidirecional/ Kruskal Wallis; teste de Dunn para comparações múlfplas emparelhadas Variáveis qualitafvas: Teste de qui- quadrado Significado estassfco: p< 0,05

12 Resultados HTL n= 262 HTL excluídas n= 36 (13,7%) HTL estudadas n= 226 (86,3%) Normal n= 105 (46,5%) Excesso de Peso n= 80 (35,4%) Obesidade n= 41 (18,1%)

13 Resultados Normal Excesso de peso Obesidade p Peso (Kg) 58,97 ± 5,23 (45 71) 70,20 ± 6,16 * (55 87) 85,15 ± 9,06 * (72 120) < 0,001 Altura (cm) 161,09 ± 6,28 159,96 ± 6,28 158,00 ± 5,32 ns ( ) ( ) ( ) IMC (Kg/m 2 ) 22,51 ± 1,50 (19,0 24,75) 27,28 ± 1,39 * (24,97 29,86) 34,02 ± 3,12* (30,09 43,03) < 0,0001 média ± desvio- padrão; mín máx p < 0.05: * vs. Normal; vs. Excesso de peso; ns: estafsfcamente não significafvo

14 Resultados: CaraterísFcas das Pacientes Normal Excesso de peso Obesidade p Idade (anos) 47,38 ± 8,05 48,90 ± 8,59 50,76 ± 8,66 * < 0,05 Menarca (anos) 12,57 ± 1,76 12,96 ± 4,38 12,37 ± 1,84 ns Idade reprodufva < 0,05 Pré- menopausa, n (%) 90 (85,71%) 60 (75%) 26 (63,41%) Pós- menopausa, n (%) 15 (14,29%) 20 (25%) 15 (36,59%) (anos) 50,27 ± 3,01 51,10 ± 4,23 51,33 ± 2,77 ns Paridade ns Nulíparas, n (%) 21 (20%) 11 (13,75%) 4 (9,76%) MulUparas, n (%) 84 (80%) 69 (86,25%) 37 (90,24%) 1,79 ± 0,75 1,94 ± 0,75 2,16 ± 1,04 ns média ± desvio- padrão; n (%) p < 0.05: * vs. Normal; ns: estafsfcamente não significafvo

15 Resultados: Antecedentes Médicos e Cirúrgicos Normal Excesso de peso Obesidade p Antecedentes Médicos, n (%) Saudável 49 (46,7%) 24 (30%) 6 (14,6%) Com patologia 56 (53,3%) 56 (70%) 35 (85,4%) Cardiovascular 26 (24,8%) 39 (48,8%) 23 (56,1%) < 0,001 Respiratória 5 (4,8%) 1 (1,25%) 3 (7,3%) Endócrina 8 (7,6%) 6 (7,5%) 4 (9,8%) Síndrome depressivo 10 (9,5%) 10 (12,5%) 9 (22%) Outros 21 (20%) 19 (23,75%) 18 (43,9%) Antecedentes Cirúrgicos, n (%) Cirurgia abdominal 25 (23,8%) 20 (25%) 10 (24,4%) ns Cirurgia ginecológica 49 (46,7%) 32 (40%) 17 (41,5%) ns ns: estafsfcamente não significafvo

16 Resultados ü MoFvo da Cirurgia: Normal n (%) Excesso de peso n (%) Obesidade n (%) Útero miomatoso 64 (61,0%) 46 (57,5%) 20 (48,8%) Endometriose 11 (10,5%) 7 (8,8%) 5 (12,2%) Outra patologia benigna 26 (24,8%) 24 (30,0%) 16 (39,0%) p ns Patologia maligna 4 (3,8%) 3 (3,8%) 0 (0,0%) ns: estafsfcamente não significafvo

17 Resultados ü CaraterísFcas da Cirurgia: Normal Excesso de peso Obesidade p Trocar epigástrico 16 (15,24%) 15 (18,75%) 6 (14,63%) ns Morcelação 32 (31,37%) 31 (39,74%) 11 (28,95%) ns Peso da peça operatória (g) 234,64 ± 158,15 (38-722) 262,48 ± 182,41 (34-870) 235,49 ± 154,80 (55-550) ns Energia ns Bipolar, n (%) 95 (96,0%) 70 (90,9%) 38 (92,7%) Outras, n (%) 4 (4,0%) 7 (9,1%) 3 (7,3%) n (%); média ± desvio- padrão; mín máx ns: estafsfcamente não significafvo

18 Resultados ü CaraterísFcas da Cirurgia: Normal Excesso de peso Obesidade p Tempo operatório (min) Variação da hemoglobina (g/dl) Variação do hematócrito (%) Duração do internamento pós- operatório (dias) Alta no 1º dia pós- operatório 73,24 ± 25,91 (35-145) 81,0 ± 25,67 ( ) 91,25 ± 37,70 * (40-180) < 0,05 1,53 ± 0,82 1,61 ± 0,97 1,16 ± 0,54 ns (0,1 3,6) (0,1 4,7) (0,0 2,4) 4,99 ± 2,63 5,15 ± 2,74 4,01 ± 1,83 ns (0,6 11,1) (0,2 13,7) (0,4 6,9) 1,48 ± 0,94 1,53 ± 0,97 1,49 ± 0,78 ns (1-8) (1-8) (1-4) 70 (66,7%) 48 (60%) 27 (65,9%) ns média ± desvio- padrão; mín máx; n (%); p < 0.05: * vs. Normal; ns: estafsfcamente não significafvo

19 Resultados ü Complicações intra ou pós- operatórias: Normal Excesso de peso Obesidade p Complicações major 2 (1,90%) 2 (2,50%) 0 (0%) Complicações minor 9 (8,57%) 6 (7,50%) 6 (14,63%) Morbilidade global 11 (10,48%) 8 (10%) 6 (14,63%) ns (p=0,719) n (%); ns: estafsfcamente não significafvo

20 Resultados ü Complicações major intra ou pós- operatórias: Normal Excesso de peso Obesidade Complicações major Complicações anestésicas major Conversão para laparotomia Deiscência da cúpula vaginal Lesão ureteral ou vesical Perfuração intesfnal Hemorragia ou hematoma da cúpula com necessidade de transfusão ou drenagem Embolia pulmonar

21 Resultados ü Complicações minor intra ou pós- operatórias: Normal Excesso de peso Obesidade Hemorragia sem necessidade de transfusão sanguínea Lesão iatrogénica da serosa intesfnal Infeciosas Trato urinário inferior Cúpula vaginal Cicatriz umbilical (com ystula) Febre InconFnência urinária Trombose venosa profunda Problemas anestésicos minor

22 Discussão: Limitações Estudo retrospefvo Fonte de informação: processos clínicos

23 Conclusões A duração do internamento após a cirurgia e a diferença entre a hemoglobina e hematócrito pré e pós- operatório são similares, independentemente do IMC. A obesidade prolonga o tempo operatório médio de realização de HTL. A obesidade não aumenta a taxa de complicações das HTL.

24 Conclusões A realização de histerectomia totalmente laparoscópica é segura independentemente do índice de massa corporal.

25 Cristina Nogueira- Silva 1,2, Elisa Pereira 3, Sónia Barata 4, Conceição Alho 4, Filipa Osório 4,5, Carlos Calhaz- Jorge 4,5 1 Serviço de Ginecologia e Obstetrícia, Hospital de Braga; 2 Escola de Ciências da Saúde, Universidade do Minho; 3 Serviço de Ginecologia e Obstetrícia, Hospital do Espírito Santo - Évora; 4 Departamento de Obstetrícia, Ginecologia e Medicina da Reprodução do Hospital de Santa Maria, Centro Hospitalar Lisboa Norte; 5 Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa 1 de junho de 2013

Histerectomia Totalmente Laparoscópica: Análise Retrospetiva de 262 Casos

Histerectomia Totalmente Laparoscópica: Análise Retrospetiva de 262 Casos Histerectomia Totalmente Laparoscópica: Análise Retrospetiva de 262 Casos Total Laparoscopic Hysterectomy: Retrospective Analysis of 262 Cases Cristina NOGUEIRA-SILVA 1,2, Samuel SANTOS-RIBEIRO 3,4, Sónia

Leia mais

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS.

EXAME NACIONAL DE REVALIDAÇÃO D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS. D E D I P L O M A S M É D I C O S EXPEDIDOS POR INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR ESTRANGEIRAS Prova Discursiva LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Verifique se, além deste caderno, você recebeu

Leia mais

Alexandre de Lima Farah

Alexandre de Lima Farah Alexandre de Lima Farah Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais?

VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais? Trocando Idéias XIV - 2009 VaIN II II e III há indicação para tratamentos não- excisionais? Walquíria Quida Salles Pereira Primo Doutorado e Mestrado UnB Professora da Pós-graduação UnB Unidade de Ginecologia

Leia mais

André da Silva Nogueira Profiling de aplicações Web : Estudo comparativo entre aplicações Java Web e aplicações RoR

André da Silva Nogueira Profiling de aplicações Web : Estudo comparativo entre aplicações Java Web e aplicações RoR ˲ ª» ¼ ¼» ¼± Ó ² ± Û ½± ¼» Û²¹»² André da Silva Nogueira Profiling de aplicações Web : Estudo comparativo entre aplicações Java Web e aplicações RoR Outubro de 2014 ˲ ª» ¼ ¼» ¼± Ó ² ± Û ½± ¼» Û²¹»²

Leia mais

ANOMALIAS DO TRATO URINÁRIO UNIDADE DE NEFROLOGIA PEDIÁTRICA HC - UFMG BELO HORIZONTE - BRASIL

ANOMALIAS DO TRATO URINÁRIO UNIDADE DE NEFROLOGIA PEDIÁTRICA HC - UFMG BELO HORIZONTE - BRASIL ANOMALIAS DO TRATO URINÁRIO UNIDADE DE NEFROLOGIA PEDIÁTRICA HC - UFMG BELO HORIZONTE - BRASIL Investigação Imagens Anomalias obstrutivas do trato urinário Obstrução da junção ureteropélvica Obstrução

Leia mais

TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS. Pedro Cordeiro de Sá Filho

TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS. Pedro Cordeiro de Sá Filho TUMORES BENIGNOS DOS OVARIOS Pedro Cordeiro de Sá Filho Videoendoscopia Ginecológica Retorno as atividades Tempo cirúrgico Complicações Custos Cirurgia convencional X Videolaparoscopia Estética Pós-operatório

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA DEPARTAMENTO DE OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA PÓS PARTO HEMORRAGIA PAULO ROBERTO MUNIZ DANTAS Universidade Federal da Paraíba CONSIDERAÇÕES HEMORAGIA PÓS PARTO SITUAÇÃO DRAMÁTICA

Leia mais

Profilaxia da TEV na Cirurgia Bariátrica

Profilaxia da TEV na Cirurgia Bariátrica 2 o Curso Nacional de Circulação Pulmonar SBPT 2009 Profilaxia da TEV na Cirurgia Bariátrica Eloara Vieira Machado Ferreira Doutoranda da Disciplina de Pneumologia UNIFESP/ EPM Setor de Função Pulmonar

Leia mais

Cirurgia lombar falhada

Cirurgia lombar falhada II ENCONTRO DO GRUPO DE ESTUDO ME DICO LEGAL DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA Centro Hospitalar de S. João Faculdade de Medicina Serviço de Ortopedia e Traumatologia Porto Cirurgia

Leia mais

De acordo com a Norma 1595/2000 do Conselho Federal de Medicina e a Resolução RDC 96/2008 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária declaro que:

De acordo com a Norma 1595/2000 do Conselho Federal de Medicina e a Resolução RDC 96/2008 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária declaro que: De acordo com a Norma 1595/2000 do Conselho Federal de Medicina e a Resolução RDC 96/2008 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária declaro que: Sou conferencista eventual para Aché, Bayer, GSK, Libbs,

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-1 O USO DA OXIGENIOTERAPIA DOMICILIAR NO PACIENTE DPOC Autora: ROSA, Ana Carolina

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

INFLUÊNCIA DOS HÁBITOS H VIDA NO CÂNCER DE MAMA. Prof. Dr. Henrique Brenelli CAISM - UNICAMP

INFLUÊNCIA DOS HÁBITOS H VIDA NO CÂNCER DE MAMA. Prof. Dr. Henrique Brenelli CAISM - UNICAMP INFLUÊNCIA DOS HÁBITOS H DE VIDA NO CÂNCER DE MAMA Prof. Dr. Henrique Brenelli CAISM - UNICAMP Transtornos depressivos e câncer de mama Incidência população geral: 8% pacientes com ca de mama: 30% Qualidade

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO O objetivo deste Termo de Esclarecimento e Consentimento Informado, utilizado pelo HOSPITAL E MATERNIDADE SANTA JOANA, é esclarecer

Leia mais

HPV. Câncer do Colo do Útero Verrugas Genitais. G u i a d e P ediatria

HPV. Câncer do Colo do Útero Verrugas Genitais. G u i a d e P ediatria HPV Câncer do Colo do Útero Verrugas Genitais G u i a d e P ediatria Você tenta fazer tudo que é possível para proteger sua filha, para garantir que tudo dê certo hoje e amanhã. Ela confia em você. Essa

Leia mais

Temas para o Concurso de Residência Médica do Hospital Regional de Presidente Prudente I - Clínica Médica

Temas para o Concurso de Residência Médica do Hospital Regional de Presidente Prudente I - Clínica Médica Temas para o Concurso de Residência Médica do Hospital Regional de Presidente Prudente I - Clínica Médica 01 Demências; 02 Depressão; 03 Hipertensão Arterial Sistêmica Primária e Secundária; 04 Infecções

Leia mais

a) 138,6 m 2 b) 123,30 m 2 c) 115,5 m 2 d) 11.550 m 2

a) 138,6 m 2 b) 123,30 m 2 c) 115,5 m 2 d) 11.550 m 2 01 (Pucpr 0) A figura mostrada a seguir representa uma embalagem de papelão em perspectiva, construída pelo processo de corte, vinco e cola Determine a quantidade de material para fabricar 500 embalagens,

Leia mais

Atlas de Ressonância em Endometriose Profunda Correlação com Laparoscopia Copyright 2014 by Livraria e Editora Revinter Ltda.

Atlas de Ressonância em Endometriose Profunda Correlação com Laparoscopia Copyright 2014 by Livraria e Editora Revinter Ltda. Atlas de Ressonância em Endometriose Profunda Correlação com Laparoscopia Copyright 2014 by Livraria e Editora Revinter Ltda. ISBN 978-85-372-0596-9 Todososdireitosreservados. É expressamente proibida

Leia mais

Boas Práticas em Cirurgia Bariátrica Contextualizando custo x benefício. Silvana M Bruschi Kelles Unimed BH

Boas Práticas em Cirurgia Bariátrica Contextualizando custo x benefício. Silvana M Bruschi Kelles Unimed BH Boas Práticas em Cirurgia Bariátrica Contextualizando custo x benefício Silvana M Bruschi Kelles Unimed BH Declaração de possíveis conflitos de interesses Consultoria Financiamento para pesquisa Palestras

Leia mais

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 CURSO: Fisioterapia DEPARTAMENTO: Fisioterapia DISCIPLINA: Uroginecologia e Obstetrícia SÉRIE: 3º. Ano PROFESSOR RESPONSÁVEL: Prof. Esp.

Leia mais

HOSPITAL PEQUENO PRÍNCIPE

HOSPITAL PEQUENO PRÍNCIPE 1 HOSPITAL PEQUENO PRÍNCIPE TRATAMENTO DE FERIDA COM EXTRATO HIDROGLICÓLICO DE CALÊNDULA OFFICINALIS PHYTOPLENUS 2% EM PACIENTE COM ONFALOCELE RELATO DE CASO 1. INTRODUÇÃO Nas ultimas décadas houve grande

Leia mais

FISIOTERAPEUTAS! Cura. Diagnóstico Funcional. Bem Estar. Tratamento. Reabilitação. Prevenção O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE

FISIOTERAPEUTAS! Cura. Diagnóstico Funcional. Bem Estar. Tratamento. Reabilitação. Prevenção O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE O SEU MUNICÍPIO TEM MUITO A GANHAR COM A CONTRATAÇÃO DE FISIOTERAPEUTAS! Tudo o que o gestor deve saber sobre fisioterapia e como implantá-la em seu município. Cura Diagnóstico Funcional Bem Estar Qualidade

Leia mais

DE BEM COM O PESO... DE BEM COM A VIDA...

DE BEM COM O PESO... DE BEM COM A VIDA... DE BEM COM O PESO... DE BEM COM A VIDA... INSTITUTO ABESO Dr. Jean Ricardo Nicareta Cirurgia do Aparelho Digestivo Cirurgia Bariátrica Endoscopia Digestiva GUARAPUAVA - PR PORQUE AS PESSOAS GANHARAM PESO

Leia mais

Serviço de Cardiologia, Hospital de Santa Marta Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE

Serviço de Cardiologia, Hospital de Santa Marta Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Efeito da injecção intracoronária de células progenitoras autólogas derivadas da medula óssea no strain global longitudinal em doentes com enfarte agudo do miocárdio com supradesnivelamento de ST Serviço

Leia mais

Câncer de mama diagnóstico precoce mamografia. Vinicius Milani Budel

Câncer de mama diagnóstico precoce mamografia. Vinicius Milani Budel Câncer de mama diagnóstico precoce mamografia Vinicius Milani Budel câncer de mama Sebastiano del Piombo 1520 Florença O martírio de Santa Agatha INCIDÊNCIA NO BRASIL: 52.680 NOVOS CASOS/ANO MORTALIDADE

Leia mais

OBSTETRÍCIA. Questão 1

OBSTETRÍCIA. Questão 1 OBSTETRÍCIA Questão 1 Paciente com 22 semanas de gestação é atendida com diagnóstico de carcinoma ductal infiltrante de mama. Ao exame físico apresenta nódulo irregular, pétreo, com 2cm localizado no quadrante

Leia mais

Procedimento cirúrgico que se caracteriza incisar a parede abdominal e o útero com a finalidade de retirar o feto.

Procedimento cirúrgico que se caracteriza incisar a parede abdominal e o útero com a finalidade de retirar o feto. PROTOCOLO - OBS - 013 DATA: 16/11/2004 PÁG: 1 / 6 1. CONCEITO Procedimento cirúrgico que se caracteriza incisar a parede abdominal e o útero com a finalidade de retirar o feto. 2. TIPOS - Emergência: Ameaça

Leia mais

TORSOPLASTIAS TÍPICAS E ATÍPICAS

TORSOPLASTIAS TÍPICAS E ATÍPICAS TORSOPLASTIAS TÍPICAS E ATÍPICAS Prof. Jorge BINS-ELY, MD PhD Universidade Federal de Santa Catarina Clínica Jane Cirurgia Plástica FLORIANÓPOLIS SC www.sbcp-sc.org.br regional@sbcp-sc.org.br TORSOPLASTIAS

Leia mais

Contracepção Resumo de diretriz NHG M02 (dezembro 2011)

Contracepção Resumo de diretriz NHG M02 (dezembro 2011) Contracepção Resumo de diretriz NHG M02 (dezembro 2011) Anke Brand, Anita Bruinsma, Kitty van Groeningen, Sandra Kalmijn, Ineke Kardolus, Monique Peerden, Rob Smeenk, Suzy de Swart, Miranda Kurver, Lex

Leia mais

Hospital Figueira da Foz. Sala 5. Sala 1. Intervenção cirúrgica com transmissão (TAPP) Hospital

Hospital Figueira da Foz. Sala 5. Sala 1. Intervenção cirúrgica com transmissão (TAPP) Hospital Quinta feira, 5 de Março 2015 Cursos pré Congresso 08:30 13:00 Cirurgia mamária Cancro da mama e tratamento sistémico primário Indicação para quimioterapia neoadjuvante Como monitorizar a resposta com

Leia mais

Diagnóstico de endometriose

Diagnóstico de endometriose Diagnóstico de endometriose Endometriose se caracteriza pelo achado de glândulas e/ou estroma endometrial em locais anormais. Acomete aproximadamente 15% das mulheres em idade fértil tornando-se uma doença

Leia mais

Lesões císticas do pâncreas: abordagem diagnóstica e terapêutica

Lesões císticas do pâncreas: abordagem diagnóstica e terapêutica Lesões císticas do pâncreas: abordagem diagnóstica e terapêutica Gustavo Rêgo Coêlho (TCBC) Serviço de Cirurgia e Transplante de Fígado Hospital das Clínicas - UFC Tumores Cís+cos do Pâncreas Poucos tópicos

Leia mais

05/05/2014 NOTA TÉCNICA

05/05/2014 NOTA TÉCNICA Data: 05/05/2014 NOTA TÉCNICA 82/2014 Medicamento Material Solicitante Juiz Renato Luís Dresch Procedimento 4ª Vara da Fazenda Pública Municipal Cobertura Processo número: 0847203-25.2014 TEMA: Cirurgia

Leia mais

CÂNCER DO COLO DO ÚTERO. Maria da Conceição Muniz Ribeiro

CÂNCER DO COLO DO ÚTERO. Maria da Conceição Muniz Ribeiro CÂNCER DO COLO DO ÚTERO Maria da Conceição Muniz Ribeiro O câncer do colo do útero, também chamado de cervical, demora muitos anos para se desenvolver. As alterações das células que podem desencadear o

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Ciências da Vida - Nutrição AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Fernanda Cristina Guevara 1 Camila Maria Melo 2 Tatiane Vanessa

Leia mais

OBS: considerando a preservação do anonimato na prova, o candidato NÃO poderá assinar ou usar qualquer identificação na prescrição de enfermagem.

OBS: considerando a preservação do anonimato na prova, o candidato NÃO poderá assinar ou usar qualquer identificação na prescrição de enfermagem. QUESTÃO 1 Em 02/02/08, Rodrigo, 10 anos, foi admitido na Unidade de Terapia Intensiva de um Hospital no Rio de Janeiro com relato de quadro febril iniciado há 5 dias, associado à intensa mialgia. Dada

Leia mais

CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR?

CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR? CARCINOMA DO OVÁRIO EM MULHER JOVEM QUANDO CONSERVAR? JP Coutinho Borges, A Santos, A Carvalho, J Mesquita, A Almeida, P Pinheiro Serviço de Ginecologia e Obstetrícia ULSAM Viana do Castelo OBJETIVO Apresentação

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

A presença simultânea, de 2 ou mais conceptos.

A presença simultânea, de 2 ou mais conceptos. PROTOCOLO - OBS - 017 DATA: 10/01/2005 PÁG: 1 / 4 1. CONCEITO - PRENHEZ MÚLTIPLA A presença simultânea, de 2 ou mais conceptos. - GEMELIDADE MONOZIGÓTICA: fecundação de 1 óvulo com 1 espermatozóide, que

Leia mais

BENEFÍCIOS DOS ADVOGADOS

BENEFÍCIOS DOS ADVOGADOS ESPÍRITO SANTO SAÚDE CONDIÇÕES Check-Up Hospital da Luz / Clínica Parque dos Poetas / Centro Clínico da Amadora Consultas > 45 anos < 45 anos Menopausa > 38 anos < 38 anos Consulta de Oftalmologia Consulta

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde

Pesquisa Nacional de Saúde Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional de Saúde 21/08/15 Histórico INVESTIGAÇÃO DO TEMA SAÚDE... 1998 2003 2008 2013 PNAD Características da PNS Pesquisa Domiciliar

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 CURSO: Fisioterapia DEPARTAMENTO: Fisioterapia DISCIPLINA: Fisioterapia Uroginecológica e Obstetrica SÉRIE: 4º. Ano PROFESSOR RESPONSÁVEL:

Leia mais

cateter de Swan-Ganz

cateter de Swan-Ganz cateter de Swan-Ganz Dr. William Ganz Dr. Jeremy Swan A introdução, por Swan e Ganz, de um cateter que permitia o registro de parâmetros hemodinâmicos na artéria pulmonar a partir de 1970 revolucionou

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

Risco de Morrer em 2012

Risco de Morrer em 2012 Risco de morrer 2012 23 de maio de 2014 Risco de Morrer em 2012 As duas principais causas de morte em 2012 foram as doenças do aparelho circulatório, com 30,4% dos óbitos registados no país, e os tumores

Leia mais

30/07/2013. Rudolf Krawczenko Feitoza de Oliveira Grupo de Circulação Pulmonar / UNIFESP - EPM. PIOPED (n=117) ICOPER (n=2.210)

30/07/2013. Rudolf Krawczenko Feitoza de Oliveira Grupo de Circulação Pulmonar / UNIFESP - EPM. PIOPED (n=117) ICOPER (n=2.210) Rudolf Krawczenko Feitoza de Oliveira Grupo de Circulação Pulmonar / UNIFESP - EPM * Kenneth. Chest 2002;2:877 905. PIOPED (n=7) ICOPER (n=2.20) RIETE (n=3.39) Dispneia 73% 82% 83% Taquicardia 70% ND ND

Leia mais

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo

Hemoglobinopatias. Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias Dra. Débora Silva Carmo Hemoglobinopatias O que é hemoglobina É a proteína do sangue responsável em carregar o oxigênio para os tecidos Qual é a hemoglobina normal? FA recém-nascido AA

Leia mais

Investigador português premiado nos EUA

Investigador português premiado nos EUA Investigador português premiado nos EUA DOENÇA DE CROHN O INVESTIGADOR Henrique Veiga-Femandes, que estuda o papel de células na defesa contra infeções intestinais, recebeu o prémio Sénior Research Award,

Leia mais

EXAME ADMISSIONAL Ficha Clínica página 1

EXAME ADMISSIONAL Ficha Clínica página 1 Nome: Nome da Mãe EXAME ADMISSIONAL Ficha Clínica página 1 1.Dados Pessoais Data nascimento: Cargo: RG / órgão emissor / Endereço atual: Esta ficha clínica foi elaborada para seu exame admissional e servirá

Leia mais

Cirurgia de Urgência, Emergência e Trauma Perspectiva de um país em desenvolvimento

Cirurgia de Urgência, Emergência e Trauma Perspectiva de um país em desenvolvimento Cirurgia de Urgência, Emergência e Trauma Perspectiva de um país em desenvolvimento Dr. Fernando Machado Departamento de Emergencia Hospital de Clínicas Montevideo - Uruguay Peculiaridades da cirurgía

Leia mais

Hipertensão, saúde do trabalhador e atenção primária

Hipertensão, saúde do trabalhador e atenção primária Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Medicina Programa de Saúde Urbana, Ambiente e Desigualdades Hipertensão, saúde do trabalhador e atenção primária Francisco Arsego de Oliveira Serviço

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

ROTINAS E TÉCNICAS DE ENFERMAGEM Relação de POPs

ROTINAS E TÉCNICAS DE ENFERMAGEM Relação de POPs ROTINAS E TÉCNICAS DE ENFERMAGEM Relação de POPs AFERIÇÕES 21.001 Aferição da Altura Corporal Pacientes acima de 2 anos 21.002 da Frequência Respiratória 21.003 de Peso Corporal Pacientes acima de 2 anos

Leia mais

EDUCAÇÃO E TREINAMENTO EM SERVIÇO PARA ATENDENTES DE ENFERMAGEM

EDUCAÇÃO E TREINAMENTO EM SERVIÇO PARA ATENDENTES DE ENFERMAGEM TREVIZAN, M.A.; FÁVERO, N.; NUTI, E. Educação e treinamento em serviço para atendentes de enfermagem. Revista de Enfermagem EERP-USP, v.01, n.2, p.63-69, 1973. EDUCAÇÃO E TREINAMENTO EM SERVIÇO PARA ATENDENTES

Leia mais

02 de Agosto de 2015 (Domingo)

02 de Agosto de 2015 (Domingo) 02 de Agosto de 2015 (Domingo) Horário Programação 8:00: 08:30 Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:45 10:10 MESA REDONDA: AFECCOES VASCULARES FREQUENTES NA PRATICA DIARIA DO CIRURGIAO 8:45-9:00

Leia mais

ABDOMINOPLASTIA CIRCUNFERENCIAL E CONVENCIONAL PÓS GRANDE PERDA PONDERAL: EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UFPR NOS ÚLTIMOS DOIS ANOS

ABDOMINOPLASTIA CIRCUNFERENCIAL E CONVENCIONAL PÓS GRANDE PERDA PONDERAL: EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UFPR NOS ÚLTIMOS DOIS ANOS ABDOMINOPLASTIA CIRCUNFERENCIAL E CONVENCIONAL PÓS GRANDE PERDA PONDERAL: EXPERIÊNCIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UFPR NOS ÚLTIMOS DOIS ANOS CIRCUMFERENTIAL AND CONVENTIONAL ABDOMINOPLASTY AFTER MASSIVE

Leia mais

Avaliação Semanal Correcção

Avaliação Semanal Correcção Avaliação Semanal Correcção 1. Mulher de 32 anos, caucasiana. Antecedentes pessoais e familiares irrelevante. 11 Gesta, 11 Para, usa DIU. Recorreu ao S.U. por dor abdominal de início súbito, localizada

Leia mais

RM MAMÁRIA: quando indicar?

RM MAMÁRIA: quando indicar? RM MAMÁRIA: quando indicar? Lucio De Carli Serviço de Diagnóstico por Imagem da Mama Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS e-mail: luciodc@terra.com.br RM MAMÁRIA - indicações - Incoerência EF x MG

Leia mais

46º Congresso de Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal Direto ao ponto 24 a 26 de abril 2013

46º Congresso de Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal Direto ao ponto 24 a 26 de abril 2013 46º Congresso de Ginecologia e Obstetrícia do Distrito Federal Direto ao ponto 24 a 26 de abril 2013 Mesa redonda 6 (G): tumores ovarianos em situações especiais. Walquiria Quida S. Pereira Primo (DF)

Leia mais

Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática.

Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática. Paciente de 89 anos, vem à consulta médica relatando nauseas e vômitos há 2 dias. Previamente à consulta encontravase bem, assintomática. Faz tratamento para hipertensão arterial e insuficiência cardíaca

Leia mais

3. Cópia dos resultados dos principais exames clínicos e os relacionados à obesidade Hemograma Glicemia Colesterol Triglicérides T3 T4 TSH

3. Cópia dos resultados dos principais exames clínicos e os relacionados à obesidade Hemograma Glicemia Colesterol Triglicérides T3 T4 TSH Cirurgia de Obesidade Mórbida Documentação Necessária Para solicitar a análise de Cirurgia de Obesidade ao Economus, é imprescindível o envio da relação completa dos documentos descritos abaixo: 1. Solicitação

Leia mais

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Autores: Liza Batista Siqueira¹, Paulo César Brandão Veiga Jardim², Maria Virgínia Carvalho³,

Leia mais

A CIRURGIA BARIÁTRICA COMO ALTERNATIVA NO TRATAMENTO DA OBESIDADE

A CIRURGIA BARIÁTRICA COMO ALTERNATIVA NO TRATAMENTO DA OBESIDADE A CIRURGIA BARIÁTRICA COMO ALTERNATIVA NO TRATAMENTO DA OBESIDADE 2013 Nara Saade de Andrade Psicóloga graduada pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Charlisson Mendes Gonçalves Mestrando

Leia mais

"ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA"

ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA "ANÁLISE DO CUSTO COM MEDICAMENTOS E DO RISCO CARDIOVASCULAR EM PACIENTES MORBIDAMENTE OBESOS ANTES E APÓS A REALIZAÇÃO DA CIRURGIA BARIÁTRICA" SHOSSLER ¹, T.S.; FREITAS ¹, G.; LOPES ², E.; FRASNELLI ¹,

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS

OBJETIVOS GERAIS OBJETIVOS ESPECÍFICOS OBJETIVOS GERAIS O Programa de Residência Médica opcional de Videolaparoscopia em Cirurgia do Aparelho Digestivo (PRMCAD) representa modalidade de ensino de Pós Graduação visando ao aperfeiçoamento ético,

Leia mais

La Salete Martins. Hospital Santo António, CHP Porto

La Salete Martins. Hospital Santo António, CHP Porto Registos da transplantação em Portugal transplante pancreático La Salete Martins Unidade de Transplante Reno-Pancreático Hospital Santo António, CHP Porto Portugal Reunião SPT, Curia, de 27/11 a 28/11/2009

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 176/2002

PORTARIA NORMATIVA N 176/2002 PORTARIA NORMATIVA N 176/2002 O PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA DOS SERVIDORES DO ESTADO DE GOIÁS- IPASGO, no uso de suas atribuições legais, RESOLVE: Art. 1 - Regulamentar o atendimento

Leia mais

Doença falciforme: Infecções

Doença falciforme: Infecções Doença falciforme: Infecções Célia Maria Silva Médica Hematologista da Fundação Hemominas celia.cmaria@gmail.com Eventos infecciosos Importância Incidência Faixa etária mais acometida (6m - 5a) Internações

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

Programa de Atendimento Especial à Gestante com Diabetes do Hospital Universitário da Universidade Federal da Paraíba (PAGU- UFPB)

Programa de Atendimento Especial à Gestante com Diabetes do Hospital Universitário da Universidade Federal da Paraíba (PAGU- UFPB) Programa de Atendimento Especial à Gestante com Diabetes do Hospital Universitário da Universidade Federal da Paraíba (PAGU- UFPB) FILIZOLA 1, Rosália Gouveia MENDONÇA 2, Roberta A. S. Pereira MOREIRA

Leia mais

Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória (SAEP) Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc

Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória (SAEP) Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória (SAEP) Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc É a realização da prática de enfermagem de modo sistemático (organizado e planejado). Com o objetivo

Leia mais

TRIAGEM PEDIÁTRICA O QUE APRENDEMOS?

TRIAGEM PEDIÁTRICA O QUE APRENDEMOS? TRIAGEM PEDIÁTRICA O QUE APRENDEMOS? Rita Carneiro, Cláudio Alves Unidade Funcional Urgência/UCIEP. Chefe de Serviço: Helena Almeida Departamento de Pediatria. Directora: Helena Carreiro TRIAGEM PEDIÁTRICA

Leia mais

CARDIOPATIAS CONGÉNITAS CIA

CARDIOPATIAS CONGÉNITAS CIA CARDIOPATIAS CONGÉNITAS CIA A CIA consiste num tipo de cardiopatia congénita do tipo não cianótica, em que há um defeito do septo inter-auricular originando uma comunicação anómala que proporciona a passagem

Leia mais

Licenciatura em Ciências da Nutrição. Memória final de curso. Elaborado por Ana Sofia Geadas Joaquim. Aluno nº 200691317

Licenciatura em Ciências da Nutrição. Memória final de curso. Elaborado por Ana Sofia Geadas Joaquim. Aluno nº 200691317 Licenciatura em Ciências da Nutrição Memória final de curso Elaborado por Ana Sofia Geadas Joaquim Aluno nº 200691317 Orientador: Professora Doutora Ana Rito Barcarena Outubro 2010 Universidade Atlântica

Leia mais

Copyright Medical Port 2015 PROGRAMA DE PERDA DE PESO!

Copyright Medical Port 2015 PROGRAMA DE PERDA DE PESO! PROGRAMA DE PERDA DE PESO Agenda O método holístico de Perda de Peso Apresentação do corpo clínico Diferentes programas de perda de peso Unidades de saúde O Método holístico de Perda de Peso The importance

Leia mais

HELMA PINCHEMEL COTRIM FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

HELMA PINCHEMEL COTRIM FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Doença Hepática Gordurosa Não-Alcoólica, Obesos Graves & Cirurgia Bariátrica HELMA PINCHEMEL COTRIM FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA A prevalência de obesidade é crescente nos últimos

Leia mais

MEIOS AUXILIARES DE DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICA: O ESTADO DA ARTE Maria Ana Pires (Porto)

MEIOS AUXILIARES DE DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICA: O ESTADO DA ARTE Maria Ana Pires (Porto) SEXTA-FEIRA DIA 28/03/2014 VI ENCONTRO DE ANESTESIA PEDIÁTRICA - SALA ARIANE 08,30h - ABERTURA 09,00h - A ANESTESIA PEDIÁTRICA EM AMBULATÓRIO Fernanda Barros (Porto) MEIOS AUXILIARES DE DIAGNÓSTICO E TERAPÊUTICA:

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

Nº: 05/DSMIA DATA: 21/02/06. Consultas de Vigilância de Saúde Infantil e Juvenil ACTUALIZAÇÃO DAS CURVAS DE CRESCIMENTO

Nº: 05/DSMIA DATA: 21/02/06. Consultas de Vigilância de Saúde Infantil e Juvenil ACTUALIZAÇÃO DAS CURVAS DE CRESCIMENTO Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Para: Contacto na DGS: Consultas de Vigilância de Saúde Infantil e Juvenil ACTUALIZAÇÃO DAS CURVAS DE CRESCIMENTO Todos os estabelecimentos

Leia mais

XVI Congresso Português de Reumatologia Vilamoura, 2 a 5 de Maio 2012

XVI Congresso Português de Reumatologia Vilamoura, 2 a 5 de Maio 2012 S. Ramiro 1, 2, P. Machado 3, 4, R. Roque 1, H. Santos 5, J. Polido-Pereira 6, D. Peixoto 7, C. Duarte 3, FM Pimentel-Santos 8, C. Silva 5, J. E. Fonseca 6,8, F. Teixeira 7, A. Marques 3, F. Araújo 9,

Leia mais

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS Resolução da Diretoria Colegiada RDC no 57, de 16 de dezembro de 2010. Determina o Regulamento Sanitário para Serviços que desenvolvem atividades relacionadas

Leia mais

Dieta, Nutrição e Prevenção do Câncer. Instituto Adriana Garófolo IAG www.nutricancer.com.br

Dieta, Nutrição e Prevenção do Câncer. Instituto Adriana Garófolo IAG www.nutricancer.com.br Dieta, Nutrição e Prevenção do Câncer Instituto Adriana Garófolo IAG www.nutricancer.com.br Epidemiologia sexo masculino : pulmão, próstata, estômago, cólon e reto, boca e faringe, fígado, esôfago e bexiga

Leia mais

A MULHER ATLETA GRUPO DE MEDICINA ESPORTIVA DO I.O.T. WAGNER CASTROPIL

A MULHER ATLETA GRUPO DE MEDICINA ESPORTIVA DO I.O.T. WAGNER CASTROPIL A MULHER ATLETA GRUPO DE MEDICINA ESPORTIVA DO I.O.T. WAGNER CASTROPIL PIERRE DE COUBERTIN-1925 ESPORTE TEM QUE SER PARA HOMEM E INDIVIDUAL... A TRAIÇÃO DO IDEAL OLÍMPICO, PELA PERMISSÃO DA PARTICIPAÇÃO

Leia mais

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável

Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Entenda tudo sobre a Síndrome do Intestino Irritável Apesar de ainda não existir cura definitiva para esse problema de saúde crônico, uma diferenciação entre essa patologia e a sensibilidade ao glúten

Leia mais

Nutrientes. Manutenção/funcionamento do organismo. Alimentos. Energia

Nutrientes. Manutenção/funcionamento do organismo. Alimentos. Energia Por que devemos ingerir alimentos? Nossa vida é mantida por um número enorme de reações químicas, cujos reagentes são obtidos por meio da alimentação e respiração. Existe uma integração entre os sistemas

Leia mais