Prefeitura Municipal de Valente-BA. A Prefeitura Municipal de Valente, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prefeitura Municipal de Valente-BA. A Prefeitura Municipal de Valente, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR."

Transcrição

1 ANO DIÁRIO DO MUNICÍPIO DE VALENTE - BAHIA 1 A Prefeitura Municipal de Valente, Estado Da Bahia, Visando a Transparência dos Seus Atos Vem PUBLICAR. LEI N.º 598, DE. Valente - Bahia Gestor: Ismael Ferreira de Oliveira Chefe de Gabinete: Agnaldo de Oliveira Silva Secretario (a) Rodrigo Carneiro de Araújo Aqui a Prefeitura Presta contas à População dos seus Atos Editor: Instituto Nacional de D. em Adm Publica - INDAP Leia o Diário Oficial do Município na Internet ACESSE

2 2 DO MUNICÍPIO DE VALENTE - BAHIA LEI N.º 598, DE. Dispõesobreascompetências,acomposiçãoeofuncionamentodo Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional de Valente, estado da Bahia COMSEA/VALENTE, no âmbito do Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional SISAN e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE VALENTE, Estado da Bahia, Faço saber que a Câmara Municipal aprova e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art. 1º. O Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, órgão de assessoramento imediat ao Prefeito de Valente, Estado da Bahia, integra o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutriciona SISAN, Instituído pela Lei nº , de 15 de setembro, de Art. 2º. O Conselho Municipal de Segurança Alimentar Nutricional Sustentável de Valente, COMSEA/Valente é um órgão colegiado, consultivo e deliberativo, autônomo, de parceria com a Administração Municipal e com a sociedade civil, com vinculação direta ao Gabinete do Prefeito Municipal e suporte das Secretarias afins. Art. 3º. O Conselho Municipal de Segurança Alimentar Nutricional Sustentável de Valente, COMSEA/VALENTE-BA, tem como finalidade propor políticas, programas, projetos e ações que configurem os direitos indissociáveis à segurança e autonomia alimentar e nutricional como parte integrante dos direitos humanos, competindo-lhe ainda: I. Organizar e Coordenar, em articulação com a CAISAN do Município, a Conferência Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, convocadas pelo Chefe do Poder Executivo, com periodicidade não superior a quatro anos, definindo parâmetros de composição, organização e funcionamento da conferência; II. Propor as diretrizes gerais da política de segurança alimentar nutricional sustentável, implementada pelo órgão executor e demais órgãos e entidades do Município, incluindo-se os requisitos orçamentários para sua construção; III. IV. Articular e mobilizar a sociedade civil para implementação de ações voltadas para o combate às causas da miséria e da fome, no âmbito do município e da região; Realizar, incentivar ou patrocinar estudos que fundamentem as propostas ligadas à segurança alimentar e nutricional sustentável; V. Incentivar parcerias que garantam mobilização, racionalização, potencialização e controle social nas ações integrantes da Política e do Plano Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, bem como do uso dos recursos disponíveis; Elaborar, analisar, aprovar e gerenciar a política pública municipal de segurança e autonomia alimentar nutricional, interagindo com as propostas do Conselho de Segurança Alimentar e

3 3 DO MUNICÍPIO DE VALENTE - BAHIA I. Nutricional do Estado da Bahia e o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA; II. III. Contribuir na integração da política municipal conjuntamente com os programas e projetos de combate à fome, garantindo a segurança alimentar instituídos pelos governos Estadual e Federal; Promover e coordenar campanhas de sensibilização e conscientização da opinião pública, com vistas à união e potencialidade dos esforços; IV. Zelar pela realização do Direito Humano à Alimentação Adequada e pela sua efetividade; V. Criar câmaras temáticas para acompanhamento permanente de assuntos e iniciativas fundamentais na área de segurança alimentar nutricional sustentável; VI. VII. Realizar a cada dois anos a Conferência Municipal de Segurança Alimentar Nutricional Sustentável de Valente, Estado da BAHIA. Elaborar o seu Regimento Interno e Plano de Ação. 1. O COMSEA/VALENTE-BA manterá diálogo permanente com a Câmara Intersetorial Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, para proposições das diretrizes e prioridades da Política e do Plano Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, inclusive quanto aos requisitos orçamentários para suas consecução. 2. Na ausência de convocação por parte do Chefe do Poder Executivo no prazo regulamentar, a Conferência Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional será convocada pelo COMSEA/VALENTE- BA. CAPÍTULO II DA COMPOSIÇÃO Art. 4º. Integrará a composição do Conselho Municipal de Segurança Alimentar Nutricional Sustentável de Valente, COMSEA/VALENTE, titulares e suplentes representantes de instituições oficialmente constituídas com sede e atuação no município. 1º. As representações Governamentais do Poder Executivo Municipal serão indicadas e nomeadas pelo (a) Prefeito (a) nas respectivas Secretarias que farão parte do Conselho. 2º. As representações da Sociedade Civil Organizada, também devem ser oficialmente constituídas ou comprovar atuação de no mínimo 02 anos de existência. 3º. Toda eleição das representações da sociedade civil organizada deverá ocorrer em conferências ou eventos públicos, elegendo-se entre si e sem interferência de outros. Art. 5º. O Conselho Municipal de Segurança Alimentar Nutricional Sustentável de Valente, COMSEA/VALENTE, será composto de 12 (doze) Conselheiros e seus respectivos Suplentes, sendo 04 (quatro) representantes do Governo Municipal e 08 (oito) representantes da Sociedade Civil Organizada, nomeados da seguinte forma: 1º. Representantes do Governo Municipal: I. 1 representante da Secretaria Municipal de Assistência Social; II. 1 representante da Secretaria Municipal de Administração e Finanças;

4 4 DO MUNICÍPIO DE VALENTE - BAHIA I. 1 representante da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Agricultura e Meio Ambiente; II. 1 representante da Secretaria Municipal de Educação, Cultura Esporte e Lazer; 2º. Representantes da Sociedade Civil Organizada: I. 1 representante Institucional da Agricultura Familiar; II. 1 representante de Povos e Comunidades Tradicionais; III. 1 representante de Instituições Sindicais do município; IV. 1 representante da União das Cooperativas ou Organizações Produtivas do Município de Valente; V. 1 representante de Associação e/ou Organização Não Governamental que atua na área de Assistência Técnica e Extensão Rural - ATER; VI. 1 representante de Instituição Religiosa de diferentes expressões de fé, existente no município; VII. 1 representante de Organização que atua com relações de gênero, prioritariamente com mulheres; VIII. 1 representante da Associação Comercial do município. 3º. O Conselho de Segurança Alimentar acompanhará todas as etapas do processo de segurança alimentar nutricional sustentável, dentre elas a produção, a distribuição e o acesso da população aos alimentos; 4º. Os representantes governamentais, da sociedade civil deverão atuar ou prestar relevantes serviços no âmbito municipal em assuntos relacionados com a segurança alimentar; 5º. O COMSEA/Valente será instituído através de Portaria Municipal contendo a indicação dos Conselheiros Governamentais e Não Governamentais com seus respectivos Suplentes. 6º. O mandato dos membros representantes da Sociedade Civil Organizada no COMSEA Valente/BA será de 2 (dois) anos, admitida uma recondução. Art. 6º. Poderão participar do Conselho de Segurança Alimentar Nutricional Sustentável de Valente, COMSEA/VALENTE, observadores, representantes de órgãos ou entidades de ação municipal e regional, sem direito a voto, sempre que a pauta constar assuntos de sua área de atuação ou a juízo de seu presidente. 1º. Entre os convidados já são titulares os membros dos Conselhos Municipais de Saúde, Desenvolvimento Rural Sustentável, Educação, Assistência Social, Criança e Adolescente e Comissão Regional de Segurança Alimentar. Art. 7º. O Conselho Municipal de Segurança Alimentar Nutricional Sustentável de Valente terá um Presidente e um Secretário Geral, ambos eleitos dentre seus membros natos. 1º. O COMSEA/Valente será presidido por um/a Conselheiro/a, representante da Sociedade Civil Organizada, escolhido por seus pares, na reunião de instalação do Conselho. 2º. Na ausência da Presidência será escolhido pelo plenário presente um representante da Sociedade Civil organizada para presidir a reunião. 3º. A Secretaria do COMSEA/Valente poderá ser exercida por qualquer dos Conselheiros natos. Art. 8º. A competência e a forma de atuação dos conselheiros serão estabelecidos no Regimento Interno do Conselho.

5 5 DO MUNICÍPIO DE VALENTE - BAHIA Art. 9º. Os serviços prestados ao município pelos membros do Conselho são considerados de relevante interesse público e, portanto, gratuitos; Art. 10. O COMSEA/Valente, reunir-se-á, ordinariamente, em sessões mensais e extraordinariamente, quando convocado pela Presidência ou, pelo menos, pela metade de seus membros, com antecedência mínima de 5 (cinco) dias. Art. 11. O COMSEA/Valente, elaborará seu Regimento Interno em até 60 (sessenta) dias, a contar da data de sua instalação. Art. 12. Fica constituído o Fundo Municipal de Segurança Alimentar Nutricional, com a finalidade de apoiar com recursos financeiros a realização de trabalhos, pesquisas, projetos, voltados ao desenvolvimento da segurança alimentar e do combate à fome. 1º. O Fundo Municipal de Segurança Alimentar Nutricional será constituído com os seguintes recursos: I. Doações de pessoas físicas e jurídicas; II. Dotações orçamentárias; III. Outras receitas. 2º. O Fundo Municipal de Segurança Alimentar Nutricional será administrado pela Secretaria Municipal de Trabalho, Cidadania e Desenvolvimento Social, sob consulta, deliberação, controle e validação do Conselho Municipal de Segurança Alimentar Nutricional COMSEA/Valente, cabendo a esta secretaria a apresentação de balanços e demais instrumentos de prestações de contas. Art. 13. O Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável terá dotações orçamentárias previstas em lei necessária para a efetiva concretização dos objetivos propostos, bem como a disponibilização pelo Município de pessoal para exercer funções de suporte técnico e administrativo em sua secretaria geral. Art.14. O Conselho Municipal de Segurança Alimentar Nutricional Sustentável poderá receber doações de entidades, instituições e demais interessados na promoção do direito à alimentação e nutrição e em combate à exclusão social. Art. 15. Essa lei entra em vigor na data de sua publicação. Publique-se. Registre-se. Cumpra-se. Prefeito Municipal Gabinete do Prefeito, 02 de dezembro de Ismael Ferreira de Oliveira Prefeito Municipal Certifico para os devidos fins, que a presente Lei foi publicada no Átrio da Prefeitura nesta data. Valente-Ba, em 02 de dezembro de Agnaldo de Oliveira Silva ChefedeGabinetedoPrefeito

Estado do Rio Grande do Norte PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES Gabinete do Prefeito

Estado do Rio Grande do Norte PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES Gabinete do Prefeito Lei nº 345, de 21 de agosto de 2013. Nesta data, 21 de agosto de 2013, SANCIONO a presente Lei. Francisco das Chagas de Oliveira Silva PREFEITO MUNICIPAL Institui o Conselho Municipal de Desenvolvimento

Leia mais

DECRETO Nº , DE 13 DE MARÇO DE

DECRETO Nº , DE 13 DE MARÇO DE DECRETO Nº 22.787, DE 13 DE MARÇO DE 2002 1 Dispõe sobre a regulamentação do Conselho de Recursos Hídricos do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições

Leia mais

DECRETO - Nº , DE 07 DE MAIO DE 2014.

DECRETO - Nº , DE 07 DE MAIO DE 2014. DECRETO - Nº. 2.901, DE 07 DE MAIO DE 2014. Institui a Comissão Municipal de Emprego, no âmbito do Sistema Público de Emprego, e dá providências correlatas. PE. OSWALDO ALFREDO PINTO, Prefeito Municipal

Leia mais

Art. 2º O Conselho Estadual de Cultura tem por competências: II - acompanhar e fiscalizar a execução do Plano Estadual de Cultura;

Art. 2º O Conselho Estadual de Cultura tem por competências: II - acompanhar e fiscalizar a execução do Plano Estadual de Cultura; DECRETO Nº 24.720 DE 3 DE NOVEMBRO DE 2008 Dispõe sobre a composição e o funcionamento do Conselho Estadual de Cultura - CONSEC, de que trata a Lei nº 8.319, de 12 de dezembro de 2005, e dá outras providências.

Leia mais

Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional de Juiz de Fora

Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional de Juiz de Fora 1 Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional de Juiz de Fora REGIMENTO INTERNO O Plenário do Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional de Juiz de Fora/MG, deliberou em assembléia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM JUIZ DE FORA, JULHO DE 2014 REGULAMENTO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS EI Nº 1421/2011 DATA: 15 de fevereiro de 2011 SÚMULA: Cria o Conselho Gestor do Telecentro Comunitário do Município de Sinop/MT e dá outras providências. JUAREZ COSTA, PREFEITO MUNICIPAL DE SINOP, ESTADO

Leia mais

LEI nº (DOE de )

LEI nº (DOE de ) LEI nº 11.046 (DOE de 21.05.2008) Dispõe sobre a Política, cria o Sistema Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DA BAHIA, faço saber que a Assembléia

Leia mais

MINUTA DO PROJETO DE LEI QUE CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL

MINUTA DO PROJETO DE LEI QUE CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL MINUTA DO PROJETO DE LEI QUE CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE TRANSPARÊNCIA E CONTROLE SOCIAL PROJETO DE LEI Nº... Cria o Conselho Municipal de Transparência e Controle Social de São Paulo, estabelecendo suas

Leia mais

I - DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS II - DA COMPOSIÇÃO, DIREITOS E DEVERES DOS MEMBROS

I - DA DEFINIÇÃO E OBJETIVOS II - DA COMPOSIÇÃO, DIREITOS E DEVERES DOS MEMBROS REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PERMANENTE DE ACOMPANHAMENTO DE AÇÕES JUDICIAIS RELEVANTES - COPAJURE DO CONSELHO NACIONAL DOS DIRIGENTES DE REGIMES PRÓPRIOS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL - CONAPREV I - DA DEFINIÇÃO

Leia mais

DECRETO Nº , DE 4 DE DEZEMBRO DE 2014.

DECRETO Nº , DE 4 DE DEZEMBRO DE 2014. DECRETO Nº 18.861, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2014. Cria a Câmara Intersecretarial de Segurança Alimentar e Nutricional (CAISAN), no âmbito do Sistema Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 118, DE 22 DE OUTUBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 118, DE 22 DE OUTUBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 118, DE 22 DE OUTUBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 68ª Reunião Ordinária, realizada no dia 22 de outubro de 2015, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Estado de Alagoas Prefeitura Municipal de São Miguel dos Campos Gabinete do Prefeito

Estado de Alagoas Prefeitura Municipal de São Miguel dos Campos Gabinete do Prefeito Projeto de Lei nº, de de de 2016. Institui o Fórum Municipal de Educação de São Miguel dos Campos e adota outras providências. O Prefeito do Município de São Miguel dos Campos, Estado de Alagoas, no uso

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Nobres CNPJ: / LEI MUNICIPAL Nº 1.282/2013 DE 21 DE OUTUBRO DE 2013.

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Nobres CNPJ: / LEI MUNICIPAL Nº 1.282/2013 DE 21 DE OUTUBRO DE 2013. LEI MUNICIPAL Nº 1.282/2013 DE 21 DE OUTUBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A ATUALIZAÇÃO ESTRUTURAL E ADMINISTRATIVA DO CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DE NOBRES CMAS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Sr. SEBASTIÃO

Leia mais

Cria o Conselho Municipal de Habitação de Interesse Social e dá outras providências.

Cria o Conselho Municipal de Habitação de Interesse Social e dá outras providências. Fone: (77)3621- PROJETO DE LEI Nº 05/2010, DE 26 DE MARÇO DE 2010. Cria o Conselho Municipal de Habitação de Interesse Social e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE COTEGIPE, ESTADO DA BAHIA,

Leia mais

FUNDAÇÃO GAMMON DE ENSINO FACULDADES GAMMON

FUNDAÇÃO GAMMON DE ENSINO FACULDADES GAMMON PROPOSTA DE REFORMULAÇÃO DO REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) DAS, DE 9 DE JUNHO DE 2015. Dispõe sobre a reformulação do Regulamento do Núcleo Docente Estruturante (TCC) das Faculdades Gammon.

Leia mais

Art. 1º. Aprovar o Regulamento relativo à Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel.

Art. 1º. Aprovar o Regulamento relativo à Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel. Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas de Cascavel Av. Tito Muffato, 2317 Bairro Santa Cruz 85806-080 Cascavel PR Fone: (45) 3036-3636 30363806 http://www.univel.br cpe@univel.br RESOLUÇÃO Nº 01 DE JULHO

Leia mais

Decreto Nº 353 DE 04/07/2016

Decreto Nº 353 DE 04/07/2016 Decreto Nº 353 DE 04/07/2016 Publicado no DOE em 5 jul 2016 Institui o Comitê Gestor da Rede para a Simplificação do Registro e da Legalização de Empresas e Negócios do Estado de Minas Gerais - REDESIM-MG.

Leia mais

Lei Municipal N.º 968/2005, de 02 de dezembro de 2005

Lei Municipal N.º 968/2005, de 02 de dezembro de 2005 Lei Municipal N.º 968/2005, de 02 de dezembro de 2005 Leis Municipais - Leis Municipais 2005 LEI MUNICIPAL N.º 968/2005, DE 02 DE DEZEMBRO DE 2005. "Dispõe sobre a reestruturação do Conselho Municipal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Gabinete do Reitor GR Sistema de Arquivo SIARQ/UFRJ Divisão de Gestão Documental e da Informação DGDI

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Gabinete do Reitor GR Sistema de Arquivo SIARQ/UFRJ Divisão de Gestão Documental e da Informação DGDI PORTARIA Nº, de 30 de setembro de 2014. Institui e normatiza o Fórum Permanente UFRJ Acessível e Inclusiva. O Reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, no uso das atribuições conferidas pelo Decreto

Leia mais

II -Propor objetivos e metas para a Política Estadual de Meio Ambiente;

II -Propor objetivos e metas para a Política Estadual de Meio Ambiente; DECRETO N 40.744 DE 25 DE ABRIL DE 2007. Dispõe sobre a organização, competência e funcionamento do Conselho Estadual de Meio Ambiente - CONEMA. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas

Leia mais

LEI Nº , DE 5 DE MARÇO DE 2012.

LEI Nº , DE 5 DE MARÇO DE 2012. LEI Nº 11.226, DE 5 DE MARÇO DE 2012. Institui o Plano Municipal do Livro e da Leitura (PMLL) no Município de Porto Alegre, cria o Conselho Municipal do Livro e da Leitura (CMLL) e dá outras providências.

Leia mais

REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA PARANÁ. Regimento Interno TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS

REDE DE CONTROLE DA GESTÃO PÚBLICA PARANÁ. Regimento Interno TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS TÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DOS OBJETIVOS Art. 1º. A Rede de Controle da Gestão Pública, constituída como espaço colegiado e permanente no âmbito do Estado do Paraná, formada por órgãos/instituições integrantes

Leia mais

DECRETO Nº 239/2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Anti Drogas (COMAD) de Gramado.

DECRETO Nº 239/2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Anti Drogas (COMAD) de Gramado. DECRETO Nº 239/2015 Aprova o Regimento Interno do Conselho Municipal de Anti Drogas (COMAD) de Gramado. NESTOR TISSOT, Prefeito Municipal de Gramado, no uso de suas atribuições legais, de acordo com a

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades

REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO. TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades REGULAMENTO DO COLEGIADO DE CURSO DA FACULDADE FAMETRO TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I - Da Natureza e das Finalidades Art. 1º - O Colegiado de Curso é órgão normativo, deliberativo,

Leia mais

Regimento Interno do Conselho Consultivo

Regimento Interno do Conselho Consultivo Regimento Interno do Conselho Consultivo 2 3 Regimento Interno do Conselho Consultivo REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º - Este Regimento Interno tem por objetivo estabelecer

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE

LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE LEI COMPLEMENTAR Nº 20, DE 04 DE ABRIL DE 2002-06-07 DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO DA FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE ALAGOAS FAPEAL, INSTITUÍDA PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 05, DE 27 DE SETEMBRO

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE DOS CURSOS TÉCNICOS DO IFPE RECIFE, 2014 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA

Leia mais

0,1,67e5,2'2'(6(192/9,0(17262&,$/(&20%$7( )20(

0,1,67e5,2'2'(6(192/9,0(17262&,$/(&20%$7( )20( 0,1,67e5,2'2'(6(192/9,0(17262&,$/(&20%$7( )20(,16758d 21250$7,9$1ž01, '(20'(0$,2'( Divulga orientações aos municípios, Estados e Distrito Federal para constituição de instância de controle social do Programa

Leia mais

5ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL DE MINAS GERAIS MINUTA DE REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I.

5ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL SUSTENTÁVEL DE MINAS GERAIS MINUTA DE REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. MINUTA DE REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - Este regimento tem como objetivo orientar a realização da 5ª Conferência Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável (SANS)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS RESOLUÇÃO N o 14/2013, DE 02 DE JULHO DE 2013 Reedita, com alterações, a Resolução n o 03/2006, de 29 de junho de 2006, que aprovou o Regimento do Centro de Microscopia da UFMG. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte NATUREZA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte NATUREZA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Comitê Estadual de Educação em Direitos Humanos do Rio Grande do Norte, instância

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Conselho Universitário - CONSU

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI. Conselho Universitário - CONSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI Conselho Universitário - CONSU RESOLUÇÃO N.º XXX CONSU, DE XXX DE XXX DE 2014. RESOLVE: Estabelece o Regimento Interno e

Leia mais

LEI MUNICIPAL N 013/97. SÚMULA: Dispõe sobre a Instituição do Conselho Municipal de Saúde e dá outras providencias.

LEI MUNICIPAL N 013/97. SÚMULA: Dispõe sobre a Instituição do Conselho Municipal de Saúde e dá outras providencias. LEI MUNICIPAL N 013/97 SÚMULA: Dispõe sobre a Instituição do Conselho Municipal de Saúde e dá outras providencias. A Câmara Municipal de Carlinda, no uso de suas atribuições legais aprovou e eu, Geraldo

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO E S C O L A D E E N G E N H A R I A K E N N E D Y, F A C U L D A D E S K E N N E D Y E F A C U L D A D E S D E C I Ê N C I A S J U R Í D I C A S P R O F E S S

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO

REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO REGULAMENTO GERAL DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ENGENHARIA QUÍMICA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO Art. 1 o O Colegiado do Curso de Engenharia Química, doravante denominado Colegiado, é um

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE PESQUISA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE PESQUISA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE PESQUISA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento do Conselho de Pesquisa (CoPq), órgão colegiado

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2015.

RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2015. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO CONSUP Nº 51, DE 23 DE DEZEMBRO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FPES

REGIMENTO INTERNO DO FPES REGIMENTO INTERNO DO FPES CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Fórum Paulista de Economia Solidária, doravante denominada FPES, é um espaço de articulação, mobilização, debate, desenvolvimento

Leia mais

Art. 2º São competências do Conselho Municipal de Esporte e Lazer:

Art. 2º São competências do Conselho Municipal de Esporte e Lazer: REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER CAPÍTULO I DO CONSELHO E SUAS ATRIBUIÇÕES Art. 1º O Conselho Municipal de Esporte e Lazer de Carlos Barbosa é um órgão colegiado de caráter, consultivo,

Leia mais

RESOLUÇÃO CEP 11/ de março de 2015

RESOLUÇÃO CEP 11/ de março de 2015 RESOLUÇÃO CEP 11/2015 25 de março de 2015 Aprova o Regulamento da Comissão Própria de Avaliação. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA DA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO, no uso de suas atribuições regimentais,

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO CONSU Nº. 41/2013 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013 A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

Prefeitura Municipal de Rio Claro Estado de São Paulo

Prefeitura Municipal de Rio Claro Estado de São Paulo LEI N 4006 De 15 de dezembro de 2009 (Reorganiza o CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÂO DE RIO CLARO COMERC, criado pelo artigo 261 da Lei Orgânica do Município e dá outras providências) Artigo 1º - O Conselho

Leia mais

PROPOSTA DE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SUPERIOR

PROPOSTA DE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SUPERIOR 2010 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁ PROPOSTA DE REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO SUPERIOR SUMÁRIO SEÇÃO I DA COMPOSIÇÃO Página 03 SEÇÃO II DA COMPETÊNCIA Página 04 SEÇÃO III

Leia mais

CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO. Regulamento Interno CPA Comissão Própria de Avaliação

CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO. Regulamento Interno CPA Comissão Própria de Avaliação CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO REGULAMENTO INTERNO MANTENEDORA ACRTS Associação Cultural de Renovação Tecnológica Sorocabana CNPJ: 45.718.988/0001-67 MANTIDA Faculdade de Engenharia de Sorocaba FACENS

Leia mais

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue:

DECISÃO Nº 265/2009 D E C I D E. aprovar o Regimento Interno do Instituto de Informática, como segue: CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 265/2009 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 17/7/2009, tendo em vista o constante no processo nº 23078.004276/99-63, de acordo com o Parecer nº 213/2009 da

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 696, DE 4 DE JUNHO DE 2012.

LEI COMPLEMENTAR Nº 696, DE 4 DE JUNHO DE 2012. LEI COMPLEMENTAR Nº 696, DE 4 DE JUNHO DE 2012. Cria o Fundo Municipal dos Direitos A- nimais (FMDA) e institui seu Conselho Gestor. O PREFEITO MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

Regimento Interno Conselho de Consumidores Bandeirante Energia S.A.

Regimento Interno Conselho de Consumidores Bandeirante Energia S.A. Regimento Interno Conselho de Consumidores Bandeirante Energia S.A. 1. Da Natureza e Objetivo 1.1. O Conselho de Consumidores da área de concessão da Bandeirante Energia S.A. é um órgão sem personalidade

Leia mais

Lei n o de 28/12/1990

Lei n o de 28/12/1990 Lei n o 8.142 de 28/12/1990 Dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE EM DEFESA DO EMPREENDEDOR

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE EM DEFESA DO EMPREENDEDOR REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM PERMANENTE EM DEFESA DO EMPREENDEDOR 1 CAPÍTULO I Objetivos e Forma de Atuação Art. 1º O Fórum Permanente em Defesa do Empreendedor, constituído por entidades da sociedade civil

Leia mais

ESTATUTO CONSELHO DA MULHER EXECUTIVA DE UBIRATÃ. Capitulo I. Denominação e criação

ESTATUTO CONSELHO DA MULHER EXECUTIVA DE UBIRATÃ. Capitulo I. Denominação e criação ESTATUTO CONSELHO DA MULHER EXECUTIVA DE UBIRATÃ. Capitulo I. Denominação e criação Artigo 1º. O Conselho da Mulher Executiva a Associação Comercial e Empresarial de Ubiratã, é um órgão de expressão da

Leia mais

UNIVERSIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DO ALTO VALE DO ITAJAI. UNIDAVI REGIMENTO DA CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO

UNIVERSIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DO ALTO VALE DO ITAJAI. UNIDAVI REGIMENTO DA CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO UNIVERSIDADE PARA O DESENVOLVIMENTO DO ALTO VALE DO ITAJAI. UNIDAVI REGIMENTO DA CÂMARA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO CAPÍTULO I Da natureza, finalidade e composição Art. 1º. A Câmara de Pesquisa,

Leia mais

Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho Universitário

Professor Jaime Arturo Ramírez Presidente do Conselho Universitário RESOLUÇÃO N o 02/2015, DE 31 DE MARÇO DE 2015 Estabelece o Regimento do Centro Esportivo Universitário, reeditando, com alterações, a Resolução n o 13/1993, de 02 de setembro de 1993. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

NESC/UFG NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA

NESC/UFG NÚCLEO DE ESTUDOS EM SAÚDE COLETIVA REGIMENTO CAPÍTULO I DA PERSONALIDADE, AUTONOMIA E SEDE Art. 1º O Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva é uma entidade de trabalho interdisciplinar, sem fins lucrativos, com finalidades científicas na área

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 100, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Define os procedimentos de indicação dos representantes do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA LEI Nº 14788

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA LEI Nº 14788 LEI Nº 14788 A CÂMARA MUNICIPAL DE CURITIBA, CAPITAL DO ESTADO DO PARANÁ, aprovou e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte lei: Art. 1º A Lei nº 12.313, de 3 de julho de 2007, passa a vigorar com

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO

REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS DE ASSESSORAMENTO O Conselho de Administração da BM&FBOVESPA (respectivamente o Conselho e a Companhia ) será assessorado por quatro comitês permanentes: Auditoria; Governança

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE MICROSCOPIA E MICROANÁLISE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

REGIMENTO DO NÚCLEO DE MICROSCOPIA E MICROANÁLISE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA REGIMENTO DO NÚCLEO DE MICROSCOPIA E MICROANÁLISE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO E FINALIDADE Art.1º O Núcleo de Microscopia e Microanálise (NMM) caracteriza-se pela reunião

Leia mais

9. ORGANIZAÇÂO ADMINISTRATIVA

9. ORGANIZAÇÂO ADMINISTRATIVA 9. ORGANIZAÇÂO ADMINISTRATIVA 9.1 Estrutura Organizacional, Instâncias de Decisão e Organograma Institucional e Acadêmico (conforme Estatuto e Regimento Geral). O Instituto Federal de Ciência e Tecnologia

Leia mais

MINUTA EM CONSTRUÇÃO

MINUTA EM CONSTRUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR UNIVERSITÁRIO MINUTA EM CONSTRUÇÃO RESOLUÇÃO POLÍTICA DE AÇÕES AFIRMATIVAS E PROMOÇÃO DA IGUALDADE ÉTNICO-RACIAL Institui a Política de Ações Afirmativas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB Pró-Reitoria de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação PPG Avenida Silveira Martins, nº Cabula

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB Pró-Reitoria de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação PPG Avenida Silveira Martins, nº Cabula UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB Pró-Reitoria de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação PPG Avenida Silveira Martins, nº 2555 - Cabula REGIMENTO DO COMITÊ INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Capítulo

Leia mais

PORTARIA MPA/MMA Nº 7, DE 1º DE SETEMBRO DE 2015.

PORTARIA MPA/MMA Nº 7, DE 1º DE SETEMBRO DE 2015. PORTARIA MPA/MMA Nº 7, DE 1º DE SETEMBRO DE 2015. Cria o Comitê Permanente de Gestão e do Uso Sustentável dos Recursos Pelágicos CPG Pelágicos Sudeste e Sul. OS MINISTROS DE ESTADO DA PESCA E AQUICULTURA

Leia mais

CONSIDERANDO a Resolução 172 de 04 de Dezembro de 2014 do CONANDA resolve:

CONSIDERANDO a Resolução 172 de 04 de Dezembro de 2014 do CONANDA resolve: BA-Itagibá, 01 de Abril de 2015. Resolução nº. 001/CMDCA/2015 Dispõe sobre a CONVOCAÇÃO da Conferência Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente e outras Providências. O Conselho Municipal dos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal dos Direitos Da Mulher CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO, ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS.

REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal dos Direitos Da Mulher CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO, ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS. REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal dos Direitos Da Mulher CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO, ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS. Art. 1 - O Conselho Municipal dos Direitos da Mulher CMDM de Rio do Sul, criado através

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I. Natureza, Finalidade e Composição

COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I. Natureza, Finalidade e Composição COLÉGIO ESTADUAL DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO DO SISTEMA CONFEA/CREA - CIE-MG ESTATUTO CAPÍTULO I Natureza, Finalidade e Composição Art. 1º - O Colégio Estadual de Instituições de Ensino do CREA-MG (CIE-MG)

Leia mais

ESTATUTO DA AAPCEU. ART. 2º - A ASSOCIAÇÃO tem sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais.

ESTATUTO DA AAPCEU. ART. 2º - A ASSOCIAÇÃO tem sede e foro na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais. ESTATUTO DA AAPCEU TÍTULO I - DA ENTIDADE Capítulo Único - Da Denominação, Sede e Objeto ART. 1º - A Associação dos Aposentados e Pensionistas da Caixa dos Empregados da Usiminas, doravante denominada

Leia mais

RESOLUÇÃO CEAFI N. 01/2015, de 13 de agosto de 2015.

RESOLUÇÃO CEAFI N. 01/2015, de 13 de agosto de 2015. RESOLUÇÃO CEAFI N. 01/2015, de 13 de agosto de 2015. Altera o Regimento Interno da Comissão Especial de Acompanhamento e Fiscalização dos Programas de Bolsas da Secretaria de Estado da Educação de Santa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 17/2016. aprovar o Regimento da Câmara de Pesquisa e Pós-Graduação para os Campi UFV- Florestal e Rio Paranaíba.

RESOLUÇÃO Nº 17/2016. aprovar o Regimento da Câmara de Pesquisa e Pós-Graduação para os Campi UFV- Florestal e Rio Paranaíba. RESOLUÇÃO Nº 17/2016 O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, órgão máximo de deliberação no plano didático-científico da Universidade Federal de Viçosa, no uso de suas atribuições legais, considerando

Leia mais

11ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA PARANÁ GARANTIA DE DIREITOS NO FORTALECIMENTO DO SUAS

11ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA PARANÁ GARANTIA DE DIREITOS NO FORTALECIMENTO DO SUAS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO OBJETIVO, TEMÁRIO Art. 1º A 11ª Conferência Municipal de Assistência Social será presidida pelo Presidente do Conselho Municipal de Assistência Social CMAS e realizada em

Leia mais

MANTENEDORA: FACULDADES INTEGRADAS BRASILEIRAS MANTIDA: INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BOITUVA - FIB REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE

MANTENEDORA: FACULDADES INTEGRADAS BRASILEIRAS MANTIDA: INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BOITUVA - FIB REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE MANTENEDORA: FACULDADES INTEGRADAS BRASILEIRAS MANTIDA: INSTITUTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DE BOITUVA - FIB REGULAMENTO DO NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE REGULAMENTO CAPÍTULO I Das

Leia mais

ASSOCIAÇÃO UNIFICADA PAULISTA DE ENSINO RENOVADO OBJETIVO ASSUPERO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO RIO GRANDE DO NORTE - IESRN

ASSOCIAÇÃO UNIFICADA PAULISTA DE ENSINO RENOVADO OBJETIVO ASSUPERO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO RIO GRANDE DO NORTE - IESRN ASSOCIAÇÃO UNIFICADA PAULISTA DE ENSINO RENOVADO OBJETIVO ASSUPERO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO RIO GRANDE DO NORTE - IESRN COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INTERNA CPA REGULAMENTO INTERNO CPA/IESRN A

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MATO GROSSO DO SUL (Neabi)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MATO GROSSO DO SUL (Neabi) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MATO GROSSO DO SUL (Neabi) CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente

Leia mais

Centro da Memória da Eletricidade no Brasil MEMÓRIA DA ELETRICIDADE ESTATUTO. CAPÍTULO I. Da Denominação, Objeto, Sede e Duração.

Centro da Memória da Eletricidade no Brasil MEMÓRIA DA ELETRICIDADE ESTATUTO. CAPÍTULO I. Da Denominação, Objeto, Sede e Duração. Centro da Memória da Eletricidade no Brasil MEMÓRIA DA ELETRICIDADE ESTATUTO CAPÍTULO I. Da Denominação, Objeto, Sede e Duração. Art. 1º - O Centro da Memória da Eletricidade no Brasil - MEMÓRIA DA ELETRICIDADE

Leia mais

Capítulo I DO PROGRAMA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Capítulo I DO PROGRAMA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI Nº 2.598 DE 21 DE MAIO DE 2015. Dispõe sobre o Programa Municipal de Habitação de Interesse Social PMHIS, cria o Fundo Municipal e Habitação de Interesse Social FMHIS, revoga a Lei Municipal n 2.235,

Leia mais

Procuradoria Geral do Município

Procuradoria Geral do Município LEI Nº 2.336, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2010 Cria o Conselho Municipal da Cidade de Petrolina CONCIDADE/Petrolina, o Fundo Municipal de Habitação de Interesse Social FMHIS, e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

Lei do Estado de Pernambuco nº , de

Lei do Estado de Pernambuco nº , de Lei do Estado de Pernambuco nº 13.490, de 01.07.2008 Cria o Conselho Estadual das Cidades do Estado de Pernambuco ConCidades-PE, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Faço saber

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE BIOLOGIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE BIOLOGIA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE BIOLOGIA Regimento Administrativo de Equipamentos Multiusuários Capítulo I A Plataforma Multiusuário de Microscopia Eletrônica do Instituto

Leia mais

REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA

REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA REGIMENTO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS CAPÍTULO I FINALIDADE E COMPETÊNCIA Art. 1º - A Secretaria de Relações Institucionais SERIN, criada pela Lei nº 10.549, de 28 de dezembro de 2006, tem

Leia mais

PORTARIA N.º 1.900, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013.

PORTARIA N.º 1.900, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013. REVOGADA PELA PORTARIA N.º 465, DE 03 DE MARÇO DE 2016 PUBLICADA NO DJE DE 03.03.2016 EDIÇÃO 5694 PÁG. 76. http://diario.tjrr.jus.br/dpj/dpj-20160303.pdf PORTARIA N.º 1.900, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2013.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 085/2010-COU, DE 9 DE JULHO DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº 085/2010-COU, DE 9 DE JULHO DE 2010. RESOLUÇÃO Nº 085/2010-COU, DE 9 DE JULHO DE 2010. Aprova a criação e o Regulamento do Núcleo de Formação Docente e Prática de Ensino (Nufope), da Universidade Estadual do Oeste do Paraná. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI 1 REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNINOVAFAPI Outubro/2005 Atualizado em jan.2013 2 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. A Comissão Própria de Avaliação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Engenharia Agrícola R E S O L U Ç Ã O N.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Engenharia Agrícola R E S O L U Ç Ã O N. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS AVANÇADO EM JANDAIA DO SUL Colegiado do Curso de Engenharia Agrícola R E S O L U Ç Ã O N.º 01/2015 Regimentar o Núcleo Docente Estruturante NDE do Curso de Engenharia

Leia mais

REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSO

REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSO REGULAMENTO COLEGIADO DE CURSO MANTIDA PELA INSTITUIÇÃO PAULISTA DE ENSINO E CULTURA - IPEC TUPÃ SP 2016 LICENCIATURA EM PEDAGOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ELEIÇÃO SEÇÃO I DA NATUREZA E COMPOSIÇÃO

Leia mais

Regimento Interno da Comissão Nacional dos Pontos de Cultura

Regimento Interno da Comissão Nacional dos Pontos de Cultura Regimento Interno da Comissão Nacional dos Pontos de Cultura Capítulo I Da Comissão Nacional dos Pontos de Cultura (CNPdC) Artigo 1º A Comissão Nacional dos Pontos de Cultura (CNPdC) é um colegiado autônomo,

Leia mais

DECRETO Nº 032 DE 28 DE AGOSTO DE Institui a Comissão Municipal de Emprego no âmbito do Sistema Público de Emprego e dá providências correlatas.

DECRETO Nº 032 DE 28 DE AGOSTO DE Institui a Comissão Municipal de Emprego no âmbito do Sistema Público de Emprego e dá providências correlatas. DECRETO Nº 032 DE 28 DE AGOSTO DE 2015. Institui a Comissão Municipal de Emprego no âmbito do Sistema Público de Emprego e dá providências correlatas. JOSÉ CARLOS SILVA PINTO, Prefeito do Município de

Leia mais

REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO

REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO REDE PETRO - BACIA DE CAMPOS REGIMENTO INTERNO CAPITULO I DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Art. 1º - A Organização Administrativa corresponde à estrutura da REDE PETRO-BC que tem como finalidade garantir

Leia mais

Construção da Politica Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil

Construção da Politica Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil Construção da Politica Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil Assembleia Ordinária CONSEA-Rio 12 de julho de 2016 Juliana Casemiro Nutricionista Sanitarista Professora Adjunta DNS/INU/UERJ

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 009, DE 08 DE NOVEMBRO DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº 009, DE 08 DE NOVEMBRO DE 2012. Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Câmpus Porto Alegre RESOLUÇÃO Nº 009, DE 08 DE NOVEMBRO

Leia mais

PPLE - Partido Popular de Liberdade de Expressão

PPLE - Partido Popular de Liberdade de Expressão COMISSÃO EXECUTIVA MUNICIPAL do PPLE Nome do Município/UF Vice- Geral Organização Jurídico Finanças Formação Comunicação Secretária da Mulher da Juventude A Comissão Executiva será eleita pelo Diretório,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MATO GROSSO CONSELHO ESCOLAR REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MATO GROSSO CONSELHO ESCOLAR REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MATO GROSSO CONSELHO ESCOLAR REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º O Conselho Escolar da ESP/MT tem por finalidade

Leia mais

DIRETORIA DE ENSINO, PEQUISA E EXTENSÃO MARÍLIA Sumário. Capitulo I- Da Organização... 03

DIRETORIA DE ENSINO, PEQUISA E EXTENSÃO MARÍLIA Sumário. Capitulo I- Da Organização... 03 DIRETORIA DE ENSINO, PEQUISA E EXTENSÃO MARÍLIA 2014 Sumário Capitulo I- Da Organização... 03 Capitulo II Das Reuniões da Diretoria de Ensino, Pesquisa e Extensão... 06 Capitulo III Das Disposições Transitórias...

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE BARRA MANSA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE: LEI Nº 2406, de 18 de setembro de 1991 I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

A CÂMARA MUNICIPAL DE BARRA MANSA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE: LEI Nº 2406, de 18 de setembro de 1991 I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES A CÂMARA MUNICIPAL DE BARRA MANSA APROVA E EU SANCIONO A SEGUINTE: LEI Nº 2406, de 18 de setembro de 1991 Dispõe sobre a Política Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO

REGIMENTO INTERNO DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO REGIMENTO INTERNO DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO Art. 1º - O Conselho Municipal de Acompanhamento e Controle Social do Fundo de Manutenção Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos

Leia mais

GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO

GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO GOVERNANÇA NA FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL 1. INTRODUÇÃO 1.1 As disposições contidas a seguir foram extraídas de documentos e de deliberações que regulam a atuação da Fundação Banco do Brasil, cuja consulta,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARROCAS CNPJ nº / Rua Pedro Esmeraldo Pimentel, 295 CEP Barrocas - Bahia

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARROCAS CNPJ nº / Rua Pedro Esmeraldo Pimentel, 295 CEP Barrocas - Bahia LEI Nº 169/2009 Cria a Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Lazer, altera e dá nova redação aos artigos 7º e 11º da Lei Municipal nº 001/2001 e 5º do artigo 1º da Lei Municipal nº 165/2009 e dá outras

Leia mais

REGIMENTO DA CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA JUVENTUDE E DESPORTO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA

REGIMENTO DA CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA JUVENTUDE E DESPORTO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA REGIMENTO DA CONFERÊNCIA DE MINISTROS DA JUVENTUDE E DESPORTO DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Aprovado na VII Reunião da Conferência de Ministros da Juventude e do Desporto da Comunidade

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MARABÁ GABINETE DO VEREADOR CORONEL ARAÚJO

CÂMARA MUNICIPAL DE MARABÁ GABINETE DO VEREADOR CORONEL ARAÚJO 1 PROJETO DE LEI N 019 /2013 AFA Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal da Juventude e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE MARABÁ, Estado do Pará, no uso de suas atribuições, faz saber

Leia mais

PROINFÂNCIA Fórum Nacional dos Membros do Ministério Público da Infância e Adolescência REGIMENTO INTERNO

PROINFÂNCIA Fórum Nacional dos Membros do Ministério Público da Infância e Adolescência REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Da natureza, da finalidade e da sede Art. 1º - O PROINFÂNCIA Fórum Nacional dos Membros do Ministério Público da Infância e Adolescência - é uma instância de integração, discussão

Leia mais

ESTADO DO ESPIRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACRUZ PROJETO DE LEI Nº. XXXX

ESTADO DO ESPIRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACRUZ PROJETO DE LEI Nº. XXXX ESTADO DO ESPIRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACRUZ PROJETO DE LEI Nº. XXXX DISPÕE SOBRE O PLANO MUNICIPAL DE APOIO E INCENTIVO À CIÊNCIA E TECNOLOGIA NO MUNICÍPIO DE ARACRUZ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 444, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 444, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014 PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 444, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014 Aprova o Regimento Interno da Comissão Gestora do Sistema Integrado de Comércio Exterior - SISCOMEX, criada pelo Decreto nº 660, de 25 de setembro

Leia mais