SOFTWARE LIVRE PARA BIBLIOTECAS: UMA FERRAMENTA PARA A DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO À INFORMAÇÃO BIBLIOGRÁFICA. Área temática: ACESSO À INFORMAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOFTWARE LIVRE PARA BIBLIOTECAS: UMA FERRAMENTA PARA A DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO À INFORMAÇÃO BIBLIOGRÁFICA. Área temática: ACESSO À INFORMAÇÃO"

Transcrição

1 SOFTWARE LIVRE PARA BIBLIOTECAS: UMA FERRAMENTA PARA A DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO À INFORMAÇÃO BIBLIOGRÁFICA Área temática: ACESSO À INFORMAÇÃO Edwin Hübner Analista de Sistemas Consultor em Automação de Bibliotecas e Sistemas de Informação Roger C. Guilherme Bibliotecário CRB10/1860 Professor Curso de Biblioteconomia FURG Resumo O presente artigo mostra que as iniciativas de automação das bibliotecas brasileiras começaram na década de 1980 e que o CDS/ISIS(Computerized Documentation System - Integrated Set for Information System), através das versões MicroISIS e WinISIS, foi o software que muito contribuiu para que isto acontecesse, que porém proporcionava apenas a entrada de dados e recuperação da informação, levando muitas bibliotecas a adquirir software proprietário para automação dos serviços, mas devido aos altos custos muitas bibliotecas ficaram excluídas deste processo. Mostra ainda o sucesso do software livre nas áreas de software básico. Descreve a diferença entre software livre e software gratuito e relaciona as principais iniciativas de software livre para bibliotecas. Evidencia a importância do ABCD, uma iniciativa da BIREME (Centro Latino Americano e do Caribe em Ciências da Saúde) com apoio da UNESCO e cooperação internacional, no suprimento das necessidades das bibliotecas e centros de documentação, considerando-o um importante instrumento para a democratização do acesso à informação bibliográfica. Descreve seus aspectos tecnológicos como sendo um software Web, moderno e aderente à tecnologia CDS/ISIS. Apresenta as funcionalidades para os diversos serviços da biblioteca. Considera a importância do ABCD enquanto código aberto, sendo um software para bibliotecários. Apresenta o ABCD Brasil, um serviço Web, como espaço para os usuários brasileiros.

2 Palavras-chave: Software-livre, ABCD, CDS/ISIS, Bancos de dados Introdução As preocupações com a informatização das bibliotecas no Brasil começam na década de Até então poucas bibliotecas tinham algum tipo de sistema, se tinham, era na área administrativa, mas não na informatização do catálogo. Historicamente falando, as bibliotecas, em geral, têm aderido com certo atraso às novas tecnologias da informação. As primeiras iniciativas de informatização nas bibliotecas brasileiras, em grande parte, foram através do software chamado CDS/ISIS, uma iniciativa da UNESCO: En 1980 la UNESCO, dentro de las actividades del Programa General de información,.. Por entonces UNESCO disponía de un sistema informatico, diseñado para grandes ordenadores, ordenadores mainframe, cuyas capacidades se acoplaban perfectamente a los planes diseñados. Solamente había que adaptarlo para que funcionase en microordenadores que estuviesen al alcance de las bibliotecas. (HERNÁNDEZ, 2001) A primeira versão desta adaptação de um sistema para bibliotecas feita pela UNESCO chamou-se MINISIS, que foi muito pouco usado no Brasil. Aqui foi usado o MicroISIS, sendo o IBICT o distribuidor oficial deste software para o Brasil, que, de acordo com Hernández, teve início em 1985: La primera versión de MICROISIS... corrió por primera vez en un equipo IBM PC-XT de 150 Kb de memoria y 1OMb de disco duro y fue presentada en una reunión de usuarios de la versión mainframe celebrada en 1985 en Buenos Aires. O MicroISIS evoluiu para uma versão Microsoft Windows, chamada WinISIS. Estes aplicativos, sem dúvida, foram importantes na fase inicial e ajudaram muitas bibliotecas a sair do nível zero na informatização de seus catálogos. O sucesso do CDS/ISIS, não só no Brasil, mas em muitos países pode ser atribuído a dois fatores: um pelo fato de ser distribuído gratuitamente pela UNESCO e outro pela sua consagrada tecnologia em termos de software para gerenciamento de informações textuais, conforme nos mostra Oliveira: [...] com características até então inexistente nos produtos da época. Algumas destas inovações implementadas no CDS/ISIS, até hoje, ou por negligência ou por desconhecimento, não foram consideradas na maioria dos "softwares" do gênero.

3 A partir do final da década de 1980, surgem outros softwares e/ou sistemas, visando a automação das bibliotecas brasileiras, sendo os primeiros grandes sistemas de origem estrangeira, como o VTLS classic (hoje VIRTUA) e o Aleph, bem como iniciativas locais para o desenvolvimento de softwares para bibliotecas. Muitos destes sistemas existentes hoje, sem dúvida, atingiram alto grau de desenvolvimento e atendem às principais necessidades das bibliotecas em termos de automação de seus serviços. No entanto, muitas bibliotecas ainda não tem os seus serviços automatizados, não disponibilizam o acesso via Internet por falta de recursos tecnológicos e financeiros. Vale lembrar que a maioria destes sistemas em uso hoje são do tipo "proprietário", isto é, requerem a aquisição de licença para seu uso, envolvendo custos significativos. Na esfera de software básico, como bancos de dados, sistemas operacionais, servidores Web, Browsers, etc. está se consolidando cada vez mais uma outra prática, chamada de "Software Livre", "Código Aberto" ou "Free, Open Source Software" - FOSS, cuja licença de uso geralmente é a GPL, sigla que significa "GNU Public License". Este conceito também já vem sendo introduzido há algum tempo para software de automação de bibliotecas. Esta pode ser a oportunidade para a tão desejada democratização de acesso à informação bibliográfica. Sem desmerecer outras iniciativas, o destaque neste trabalho será direcionado ao mais novo e promissor lançamento de software livre para bibliotecas, lançado em setembro de 2008 no 3 Congresso Mundial de Usuário s ISIS, o ABCD - Sistema Integrado de Automação de Bibliotecas e Centros de Documentação. Diferença entre software livre e software gratuito O software gratuito ou freeware é uma categoria de programas para computador que permite sua distribuição, instalação e uso de forma gratuita sem que aja alteração em seu estado original ou uso comercial por terceiros. A gratuidade deste tipo de software não o isenta da figura de um proprietário, que muitas vezes lança softwares gratuitos como "amostra grátis" para seus programas comerciais. Os aplicativos MicroISIS e WinISIS são gratuitos, porém não são software livre. O software livre não se opõe ao software comercial, no entanto, confronta com o conceito de software proprietário. Esta tipologia de software permite que o programa possa ser usado, copiado, estudado, modificado e redistribuído sem

4 nenhuma restrição. Significa dizer também que software livre não é sinônimo de gratuidade, pois o termo "livre" se refere a LIBERDADE, ou seja: Liberdade para execução por qualquer pessoa física ou jurídica (usar) Liberdade para estudá-lo e adaptá-lo às necessidades locais (estudar) Liberdade para distribuir cópias, ajudando assim outras pessoas ou instituições (redistribuir) Liberdade de aperfeiçoá-lo e distribuí-lo para outros, para que toda a comunidade seja beneficiada (modificar), A confiança no software livre não está em uma licença adquirida do fornecedor, mas na comunidade de usuários e desenvolvedores espalhados pelo mundo. Pode-se dizer que normalmente existe um número de desenvolvedores muito maior, dando sua contribuição no software livre do que qualquer fornecedor de software proprietário possa manter. A comunidade de usuários é a grande massa crítica, que divulga em fórum ou lista de discussão qualquer problema encontrado que, então, será corrigido, não por um suporte particular, mas por qualquer desenvolvedor que se considere apto para tanto. O aprendizado que o software livre oferece subliminarmente para seu usuário é bastante expressivo, tendo em vista a facilidade de acesso ao seu código fonte. Geralmente esse tipo de software é distribuído de uma forma pronta para uso, ou seja, a partir da sua instalação ele já está apto para uso, porém, várias instituições necessitam de algumas adaptações para que o sistema se encaixe com seus serviços. Algumas das iniciativas de software livre para bibliotecas Apresentamos a seguir algumas das iniciavas de desenvolvimento de software livre para bibliotecas que já estão em uso no mercado. Sem querer esgotar a lista, os sistemas abaixo são relacionados como exemplos, além do ABCD, que é o objetivo principal deste trabalho, sendo dois de origem nacional e quatro de origem estrangeira. Gnuteca É um sistema de automação de bibliotecas desenvolvido pela SOLIS Cooperativa de Soluções Livres, com apoio da UNIVATES Centro Universitário de Lajeado RS. (Fonte:

5 BIBLIVRE Fruto de um projeto chamado Biblioteca Livre concebido e proposto ao MinC Ministério da Cultura pela SABIN Sociedade de Amigos da Biblioteca Nacional e PEE/COPPE/UFRJ, desenvolvido valendo-se da Lei Rouanet (Lei 8.313/91), contando com o patrocínio da IBM, na primeira fase (Versão 1.0), e do Grupo Itautec, na segunda fase do projeto (versão 2.0). (Fonte: KOHA É considerado o primeiro Sistema Integrado de Bibliotecas de código aberto Criado em 1999 por Katipo Communications para a Horowhenua Library Trust na Nova Zelândia, (Fonte: Greenstone É um software para criar e distribuir coleções de uma Biblioteca Digital. Foi produzido pelo Projeto da Biblioteca Digital da Nova Zelândia, na Universidade de Waikato, (Fonte: Catalis - Software livre utilizando a tecnologia CDS/ISIS. Criado pelo Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas de la República Argentina (CONICET). (Fonte: Open Marcopolo Mantido pela Universidad Nacional de Entre Ríos, na qual abriu o seu código fonte a partir de uma junta de bibliotecários, que acabou batizando o projeto de "Open Marcopolo". Seu sistema de banco de dados é CDS/ISIS. (Fonte: ABCD Sistema Integrado de Automação de Bibliotecas e Centros de Documentação Suas origens e concepção Como já foi dito inicialmente, o CDS/ISIS foi criado pela UNESCO para auxiliar na informatização de bibliotecas com poucos recursos financeiros ou de países em desenvolvimento. Como solução barata, o MicroISIS passou a ser adotado em diversos países como sistema de entrada e recuperação de dados bibliográficos. A evolução do ISIS foi bastante promissora até a chegada da Internet. Com a consolidação da cyber-cultura, programas como o MicroISIS ou Winisis começaram a instigar uma cobrança sobre a sua evolução para a Web. Ferramentas como o Google, acabaram por criar uma nova cultura na sociedade no que diz respeito à forma de pesquisa. As bibliotecas necessitavam colocar

6 seus catálogos on-line, porém aquelas que utilizavam WinISIS, por exemplo, não tinham meios de fazê-lo. Em 1996 a BIREME ensaia seus primeiros passos para a evolução do CDS/ISIS para a Internet, é criado o WXIS ou wwwisis. Um componente desenvolvido com a linguagem C que atua entre o CGI (Common Gateway Interface) e o servidor web, juntamente com o CISIS que é um composto de scripts que executam as operações básicas como: a recuperação de uma faixa de registros, pesquisa, listagem de chaves do dicionário, bloqueio de registros, inclusão e atualização de dados, exclusão de registros e funções de controle: status, geração de dicionário e desbloqueio. Com a criação do WXIS começaram a surgir vários programas CDS/ISIS para web, porém, não passavam de módulos simples de catalogação e ferramentas complementares para publicação de OPACs (Online Public Access Catalog). À medida que a Internet e as linguagens de programação foram evoluindo, os hábitos do usuário final foram sendo alterados. As bibliotecas precisavam alcançar seu usuário pela Internet, mas isto não era impossível com o WinISIS e com a dificuldade de criação de uma ferramenta utilizando os componentes do wwwisis não ser uma das tarefas mais simples para os bibliotecários, estes acabaram adotando softwares comerciais ou gratuitos mais inferiores. Mesmo com a criação destas ferramentas ISIS para a web, foram surgindo alternativas também para a publicação de catálogos em bancos de dados relacionais como o MySQL. Soluções simples através do uso do XML gerado no WinISIS foram realizadas, na Bibliotheca Rio-Grandense (www.bibliotecariograndense.com.br), no Rio Grande do Sul, apesar de não funcionar em tempo real. Em maio de 2006 a UNESCO recebeu um grupo de especialistas da BIREME para ouvir deles uma proposta de um novo software ISIS programado com as linguagens contemporâneas, de código aberto e que fosse compatível com as antigas bases de dados dos tempos do microisis e que mantivesse os recursos da linguagem de formatação e de definição de bases de dados do CDS/ISIS. A proposta foi aprovada e a partir disto dava-se início à construção de um novo sistema integrado para bibliotecas. Já batizado de ABCD por Abel Packer, diretor da BIREME, o programa foi

7 apresentado ao mundo durante o evento conhecido como ISIS III, em setembro de 2008, para que vários usuários do mundo todo pudessem colaborar com críticas e sugestões sobre o sistema. Neste evento também foi lançado um documento chamado Declaração do Rio para o Futuro do ISIS, que visa a abertura do código fonte do CDS/ISIS para que seu desenvolvimento seja contínuo e descentralizado. Desde esta data o software ABCD vem passando por diversas transformações e colaborações para sua melhoria. Informações técnicas e funcionalidades O ABCD foi programado em PHP, que é uma linguagem dinâmica de programação de websites livre e uma das mais utilizadas no mundo por oferecer uma variedade de recursos. O software vem acompanhado do servidor Apache com o PHP5 instalados. Preparado para a propagada web 2.0, o ABCD também tem programações em AJAX para facilitar alguns serviços. O que diferencia este novo programa dos demais feitos com base em wwwisis é que ele contempla todos os serviços de uma biblioteca como especificado na lista abaixo: Módulo do Administrador remotas); Gerenciamento de contas de usuário Gestão da OAI (Protocolo de coleta Processo de criação de bases de dados como era no WinISIS de dados para o Open Archives Initiative; Backup/Restauração Geração/atualização do arquivo Processamento Técnico invertido; Entrada de dados nos formatos Reinicialização da base de dado; MARC 21, CEPAL e outros. Desbloqueio de registro/base de Criação / edição de planilhas dados; Criação e edição de formatos de Manutenção das bases de dados de controle de qualidade mensagens para tradução em outras línguas; Interligação entre arquivos de autoridade Criação de páginas de Ajuda em Gestão do módulo de Aquisições contexto; Importação / Exportação (Isis, MARC, Gestão de Z39.50 (protocolo de XML, etc) pesquisa e recuperação de informação de bases de dados Mudanças globais (semelhantes a SWK SwissArmyKnife)

8 Estatísticas Pacote básico pré-definido para as estatísticas de uso mais frequentes. Gerador de relatórios Ad-hoc, com saída direta para gráficos e exportação para planilhas como o Excel. Gráficos animados em flash. Serviços Geração de impressão (sob demanda ou programados) Impressão de códigos de barras e etiquetas Disseminação seletiva da informação através de perfis Demanda Online por serviços (fotocópias, referência, etc) Empréstimos / Circulação Bancos de dados para a identificação de objetos emprestados e usuários; Definição de políticas ou normas de serviço; Múltiplos formatos de exibição; Calendário pré-definido para o cálculo suspensões, reservas e empréstimos; Atribuição de funções diferentes para diferentes operadores; Definição de recibos de empréstimos e outras impressões; Detecção de inconsistências nas transações; Estatísticas sobre todos os tipos de operações; Empréstimos; Devoluções; Reservas; Verificação de usuário e/ou objeto; Administração de multas; Administração de suspensões; Administração de reservas; Listagens de formulários impressos e s para diferentes ocasiões; OPAC (iah) Editor simples para administração do Site-ABCD; Editor para definição de parâmetro (Def files); Editor para formatos de exibição; Editor para técnicas de indexação (. FST); Serviço Web que conecta o OPAC com o sistema de empréstimos; Editor de atalhos (chamadas para aplicações externas através.pft) Controle de periódicos Kardex (SeCS) Criação de título de acordo com o padrão ISSN; Importação de títulos.iso em formatos MARC/ISSN ou SeCS nativo; Criação de máscaras de frequência para geração automática de novos registros de fascículos; Geração de catálogos coletivos com múltiplas coleções Entrada de novos fascículos,

9 manualmente ou automaticamente através da leitura do código de barras; Exportação do todo ou coleções seletivas Listas de controle de extraviados ou duplicatas Navegação entre as diferentes versões da família de títulos Open Source e CDS/ISIS Como foi dito anteriormente o CDS/ISIS provocou um grande avanço durante seus primeiros anos de vida. Graças à sua criação muitas bibliotecas puderam nos anos de 1980 a 90 informatizar seus acervos, mas os recursos da UNESCO para sua manutenção começaram a ficar escassos e desde 1998 não saiu nenhuma nova versão, sendo a última o WinISIS 1.5. As novas tecnologias foram surgindo, o conceito de software livre criado em 1985 começou a se popularizar no mundo todo, com isso alguns curiosos que não tinham acesso a uma grande corporação de softwares começaram a aprender programação e a trabalhar em casa, colaborando e criando de forma coletiva. No início dos anos 2000 já era grande o número de programadores em linguagens livres e colaborando com grandes softwares. Nesta evolução toda o CDS/ISIS ficou para trás. Para reverter este quadro foi acrescentada na Declaração do Rio para o Futuro do ISIS a seguinte consideração: A Família do Software ISIS foi agora incorporada ao enfoque de Software Livre e de Código Aberto (FOSS), e o suporte às estruturas UNICODE para ser totalmente aberto e multilíngüe, o que melhor se adapta ao mandato especial de promover a auto-suficiência, sustentabilidade e criação de conhecimento compartilhado com bibliotecários e de trabalhadores da informação. Fica claro que o objetivo da abertura do código traz a popularização de sua linguagem e principalmente o fácil alcance para o seu aprendizado por parte dos bibliotecários e demais profissionais da área. Por muitos anos os bibliotecários se mantiveram afastados da área de desenvolvimento de softwares e ferramentas para seu próprio uso, mas esta realidade poderá mudar, uma vez que as linguagens relacionadas ao CDS/ISIS são voltadas basicamente para este tipo de profissional. Além da aprendizagem, uma ferramenta livre como o ABCD, concede o direito do

10 profissional da informação a exercer funções de cunho liberal, isto é, prestando serviços de instalação, consultoria, manutenção e treinamento sem que necessite de comunicação para terceiros. O ABCD como software livre poderá servir como ferramenta de aprendizado e fonte de renda, pois ele pode ser modificado, melhorado, adaptado e principalmente multiplicado seu uso. Blog - ABCD Brasil No Brasil, algumas iniciativas foram surgindo para a disseminação do ABCD, como o blog ABCD Brasil. Apesar do variado número de documentos e informações circulantes a cerca do programa nas listas de discussões e alguns sites, não se tinha um apanhado de textos em língua portuguesa para que os usuários pudessem tirar suas dúvidas ou se informarem melhor sobre o uso do software. Com objetivo não só de dar suporte às questões já citadas, o ABCD Brasil preocupa-se com as traduções do programa em si, afim de trazer aos bibliotecários brasileiros uma terminologia bem próxima aos seus costumes diários. Esta medida deve ser ressaltada, pois a equipe oficial de desenvolvedores do sistema é composta por pessoas de mais de 20 países, ou seja, cada módulo foi originalmente criado no seu idioma natural, necessitando ser traduzido para os demais idiomas. Apesar de existirem alguns brasileiros na equipe, o processo de tradução é muito longo, visto que seu desenvolvimento constante instiga a necessidade de novas traduções sempre. O blog ABCD Brasil oferece aos usuários do ABCD tutoriais para auxiliar nas suas tarefas diárias, noticias e uma série de links com informações sobre outros sistemas. Considerações finais Este trabalho nos apresentou alguns pontos curiosos durante a pesquisa para sua realização. Percebeu-se que a adoção de sistemas com bancos de dados relacional por parte dos bibliotecários se deve à ausência de sistemas integrados para bibliotecas com o uso de bancos de dados textuais, no entanto reforçamos a ideia de que os bancos de dados textuais foram programados para trabalhar com informações, como as manipuladas em uma biblioteca ou centro de

11 informação. Além disso, um banco de dados textual estruturado é capaz de indexar os termos de uma frase muito mais rápido que qualquer outro sistema de bancos de dados. Muitos bibliotecários aceitam como única solução a utilização de bancos de dados por sugestão dos profissionais da informática, que no Brasil não possuem tanta intimidade com bancos de dados textuais. Embora sabemos que o Brasil possui ótimos programadores de softwares e websites, ainda falta muita atenção destes profissionais para estes tipos de ambientes de trabalho como a biblioteca, que acabam por não perceber que ali se trabalha com textos e consequentemente sugerem ao bibliotecário algo que não foi originalmente criado para seu meio. O ABCD, como sistema open source integrado para bibliotecas vem para trazer à tona estes debates e oferecer uma solução completa para este ambiente, que ao decidir pelo seu uso não estará ganhando só um módulo de catalogação, mas uma série de outros serviços subliminarmente agregados. Abstract This paper shows that the efforts for Brazilian libraries automation started in the 1980s and that CDS/ISIS, through its MicroISIS and WinISIS versions, was the software that contributed much to this case, but provided only data entry and information retrieval functions, taking many libraries to acquire proprietary software for automation of their services, but due to high costs many libraries were excluded from this process. It also shows the success of open source software in the areas of basic software. Describes the difference between open source and free software and lists the major initiatives of open source software for libraries. Highlights the importance of ABCD, an initiative of BIREME with support from UNESCO and international cooperation, in supplying the needs of libraries and documentation centers, considering it an important tool for the democratization of access to bibliographic information. Describes the technological aspects as a Web software, modern, and CDS/ISIS compliant. Relates the features for the various services of the library. Considers the importance of ABCD as open source and a

12 software for librarian. Introduces ABCD Brazil, a Web service, as a space for the Brazilian users. Keywords: Open source software, ABCD, CDS/ISIS, Data bases Referências OLIVEIRA, Elysio Mira Soares de. CDS-ISIS Estado da arte. Disponível em <http://www.elysio.com.br/site/artigo2.htm> Acesso em 02/04/2009. HERNÁNDEZ, Adolfo. MicroISIS : Diecinueve años de historia. Madrid, 2001.Disponívelem: <http://www.cindoc.csic.es/isis/historia.htm> Acesso em 02/04/2009. SOFTWARE livre. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. [S.l.]: Wikimedia Foundation, Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/software_livre>. Acesso em: 13 abril ORTEGA, Cristina Dotta. Introdução ao MicroISIS. 2. ed. Brasília: Briquet de Lemos/ Livros, v p. SMET, Egbert de. The ISIS3 Conference : New challenges for a new future of ISIS. Disponível em: <http://www.eventos.bvsalud.org/agendas/isis3 /public/documents/01_isis_challenges_ppt pdf> Acesso em 02/04/2009. SMET, Egbert de. ABCD: a new FOSS library automation solution based on ISIS. Disponível em: <http://www.eventos.bvsalud.org/ agendas/isis3/public/documents/04-abcd_intro_ppt pdf> Acesso em 02/04/2009. ROCHA, Marcus Vinícios; COSTA, Mateus Conrad B. da; Busca por Frases em Bancos de Dados Textuais. Disponível em: <http://homepages.dcc.ufmg.br/ ~nivio/cursos/pa02/seminarios/seminario3/seminario3.html>

Família ISIS Do Microisis ao ABCD

Família ISIS Do Microisis ao ABCD Temática 1: Informação, Conteúdos e Conhecimento na Sociedade da Informação Família ISIS Do Microisis ao ABCD Alisson de Castro info@modalnetworks.com Modal Networks Serviços em Informática Tatiana Lúcia

Leia mais

1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas

1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas A Coordenação de Bibliotecas e a informatização do sistema: onde estamos e o que queremos 1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas

Leia mais

Tiago Rodrigo Marçal Murakami

Tiago Rodrigo Marçal Murakami Tiago Rodrigo Marçal Murakami Bacharel em Biblioteconomia pela USP Estudante de Administração Pública na UFOP Editor do Blog Bibliotecários sem Fronteiras - BSF Responsável pelo RABCI Estrutura e objetivo

Leia mais

AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO. Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação

AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO. Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO / NÃO 1 Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação Registro de sugestões de compra de materiais bibliográficos

Leia mais

PLANO DE ENSINO - Segundo semestre de 2008

PLANO DE ENSINO - Segundo semestre de 2008 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO Curso de Biblioteconomia Professora Ursula Blattmann Telefone - (0xx48) 3721.9304 - Telefax -

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO/ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO I DO OBJETO/ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO I DO OBJETO/ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1 - Aquisição de Sistema de Gerenciamento de Bibliotecas, destinado ao Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal Fluminense (UFF), que compreenda funções

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ABCD (Automação de Bibliotecas e Centros de Documentação)

INTRODUÇÃO AO ABCD (Automação de Bibliotecas e Centros de Documentação) Roger Craveiro Guilherme INTRODUÇÃO AO ABCD (Automação de Bibliotecas e Centros de Documentação) Rio grande, março de 2009 INSTRUTOR ROGER C. GUILHERME 3 Apresentação O CDS/ISIS foi desenvolvido e mantido

Leia mais

Sistema de Gestão Integrada de Bibliotecas Gere todo o ciclo-de-vida de uma ou várias biblioteca

Sistema de Gestão Integrada de Bibliotecas Gere todo o ciclo-de-vida de uma ou várias biblioteca O que é? Sistema de Gestão Integrada de Bibliotecas Gere todo o ciclo-de-vida de uma ou várias biblioteca Open-source Custos reduzidos Compatível com normas bibliográficas UNIMARC, MARC 21, Z39.50, OAI-PMH

Leia mais

COMUNICAÇÃO SOFTWARE LIVRE PARA BIBLIOTECAS, SUA IMPORTÂNCIA E UTILIZAÇÃO: O CASO GNUTECA 1

COMUNICAÇÃO SOFTWARE LIVRE PARA BIBLIOTECAS, SUA IMPORTÂNCIA E UTILIZAÇÃO: O CASO GNUTECA 1 SOFTWARE LIVRE PARA BIBLIOTECAS, SUA IMPORTÂNCIA E UTILIZAÇÃO: O CASO GNUTECA 1 Carlos Eduardo Navarro Ribeiro Edilson Damasio Resumo Este artigo apresenta a importância da utilização de softwares para

Leia mais

Palavras-chave: Repositório de dados; Softwares Livres; Bibliotecas digitais; Documentos eletrônicos; Universidades; Produção acadêmica.

Palavras-chave: Repositório de dados; Softwares Livres; Bibliotecas digitais; Documentos eletrônicos; Universidades; Produção acadêmica. Bibliotecas digitais: possibilidades da utilização de Softwares livres para disponibilização de trabalhos acadêmicos. Cristina Maria de Queiroz Valeria Ferreira de Jesus Lauriano Resumo Com a evolução

Leia mais

SOFTWARES LIVRES GNUTECA E BIBLIVRE PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS: estudo comparativo

SOFTWARES LIVRES GNUTECA E BIBLIVRE PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS: estudo comparativo SOFTWARES LIVRES GNUTECA E BIBLIVRE PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS: estudo comparativo Cenidalva Teixeira 1, Jaciara Almeida 2 Saulo Pimentel 3 1 Doutora, Universidade Federal do Maranhão, São Luis, Ma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA ALINE CRISTINA DE FREITAS ANA CLÁUDIA ZANDAVALLE CAMILA RIBEIRO VALERIM FERNANDO DA COSTA PEREIRA

Leia mais

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário...

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário... Artigo sobre Indicie 1.Introdução....1 2.Como Surgiu....2 3.Para que serve....3 4.Instalação....3 5. Oque ele permite fazer....5 6. Primeiro Cenário....6 7. Segundo Cenário....7 8. Conclusão....8 5. Referencias....9

Leia mais

Aula 01. Introdução ao Linux

Aula 01. Introdução ao Linux Aula 01 Introdução ao Linux Introdução Objetivos aprender a usar um novo sistema aprender a usar uma nova interface Como no Windows navegar pela internet (e-mails, facebook, etc) criar pastas e arquivos

Leia mais

Confrontada com o gabarito oficial e comentada. 75. A denominada licença GPL (já traduzida pra o português: Licença Pública Geral)

Confrontada com o gabarito oficial e comentada. 75. A denominada licença GPL (já traduzida pra o português: Licença Pública Geral) Prova Preambular Delegado São Paulo 2011 Módulo VI - Informática Confrontada com o gabarito oficial e comentada 75. A denominada licença GPL (já traduzida pra o português: Licença Pública Geral) a) Garante

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DÉBORA DE MEIRA PADILHA PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE PERGAMUM NA ESCOLA BÁSICA DR. PAULO FONTES Florianópolis

Leia mais

Consultoria sobre Joomla!

Consultoria sobre Joomla! Consultoria sobre Joomla! Joomla! (pronuncia-se djumla) é um CMS (Content Management System) desenvolvido a partir do Mambo. É escrito em PHP e roda no servidor web Apache ou IIS e banco de dados MySQL.

Leia mais

CONHECENDO O SOFTWARE LIVRE

CONHECENDO O SOFTWARE LIVRE CONHECENDO O SOFTWARE LIVRE Reinaldo Candido da Costa 1 * Rosaria Ferreira Otoni dos Santos* Resumo O presente artigo busca instigar a reflexão dos usuários dos meios de comunicação e disseminação da informação

Leia mais

Conteúdo SOFTWARE LIVRE. Terminologia. Histórico de Software Livre. Terminologia: Software livre. Terminologia: Software livre

Conteúdo SOFTWARE LIVRE. Terminologia. Histórico de Software Livre. Terminologia: Software livre. Terminologia: Software livre Conteúdo SOFTWARE LIVRE SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Histórico de Software Livre Terminologia Fases do Licença de Software Livre

Leia mais

O SID e a Tecnologia

O SID e a Tecnologia O SID e a Tecnologia A evolução da automação na Biblioteca do INPE 1966-1969: o início 1966 : Criação da Biblioteca: modelo digital stricto sensu ( a dedo, ou seja, manual...) Modelo manual Cadastramento

Leia mais

MIGRAÇÃO DO MÓDULO DE CIRCULAÇÃO DO BANCO DE DADOS BIBLIOGRÁFICOS DA USP - DEDALUS, DO SOFTWARE ALEPH 300 PARA O ALEPH 500: RELATO DE EXPERIÊNCIA

MIGRAÇÃO DO MÓDULO DE CIRCULAÇÃO DO BANCO DE DADOS BIBLIOGRÁFICOS DA USP - DEDALUS, DO SOFTWARE ALEPH 300 PARA O ALEPH 500: RELATO DE EXPERIÊNCIA MIGRAÇÃO DO MÓDULO DE CIRCULAÇÃO DO BANCO DE DADOS BIBLIOGRÁFICOS DA USP - DEDALUS, DO SOFTWARE ALEPH 300 PARA O ALEPH 500: RELATO DE EXPERIÊNCIA Adriana Domingos Santos 1, Ana Maria de Castro Badiali

Leia mais

PREPARATÓRIO RIO PARA CAIXA ECONÔMICA

PREPARATÓRIO RIO PARA CAIXA ECONÔMICA PREPARATÓRIO RIO PARA CAIXA ECONÔMICA O que é Software Livre? Software Livre (Free Software) é o software disponível com a permissão para qualquer um usá-lo, copiá-lo, e distribuí-lo, seja na sua forma

Leia mais

Informatização e software para bibliotecas comunitárias

Informatização e software para bibliotecas comunitárias Informatização e software para bibliotecas comunitárias Lorena Tavares de Paula Diante da configuração social, na qual o acesso ao computador tornou-se um elemento presente na vida cotidiana de um número

Leia mais

PROJETO PARA INFORMATIZAÇÃO DA BIBLIOTECA DO COLÉGIO VISÃO UNIDADE KOBRASOL COM A IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE PHL

PROJETO PARA INFORMATIZAÇÃO DA BIBLIOTECA DO COLÉGIO VISÃO UNIDADE KOBRASOL COM A IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE PHL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA CIN5329 - AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS PROESSORA URSULA BLATTMANN ALEXANDRE PEDRO DE OLIVEIRA ANDRÉ ALEXANDRE

Leia mais

Introdução 13/06/2012. Software Livre

Introdução 13/06/2012. Software Livre Software Livre Introdução Software Livre, software de código aberto ou software aberto é qualquer programa de computador cujo código-fonte deve ser disponibilizado para permitir o uso, a cópia, o estudo

Leia mais

Curso de Joomla na Prática

Curso de Joomla na Prática Curso de Joomla na Prática Joomla! (pronuncia-se djumla) é um CMS (Content Management System) desenvolvido a partir do Mambo. É escrito em PHP e roda no servidor web Apache ou IIS e banco de dados MySQL.

Leia mais

Como é o desenvolvimento de Software?

Como é o desenvolvimento de Software? Como é o desenvolvimento de Software? Fases do Desenvolvimento Modelo Cascata Define atividades seqüenciais Outras abordagens são baseadas nesta idéia Especificação de Requisitos Projeto Implementação

Leia mais

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social.

Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Software Livre e proprietário: Coexistência de diferentes formas de Licenciamento, interoperabilidade e eficiência na inclusão digital e social. Palestrante: Paulo Cesar Alves 19/09/2005 Agenda Formulação

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GNUTECA: software livre para gerenciamento de bibliotecas

UTILIZAÇÃO DO GNUTECA: software livre para gerenciamento de bibliotecas UTILIZAÇÃO DO GNUTECA: software livre para gerenciamento de bibliotecas Ana Rafaela Sales de Araújo (UFC) Gabriela de Oliveira Bezerra (UFC) RESUMO Apresenta uma breve avaliação do sistema gnuteca. Objetiva

Leia mais

SOFTWARE LIVRE PARA BIBLIOTECAS, SUA IMPORTÂNCIA E UTILIZAÇÃO: O CASO GNUTECA

SOFTWARE LIVRE PARA BIBLIOTECAS, SUA IMPORTÂNCIA E UTILIZAÇÃO: O CASO GNUTECA SOFTWARE LIVRE PARA BIBLIOTECAS, SUA IMPORTÂNCIA E UTILIZAÇÃO: O CASO GNUTECA Edilson Damasio* * Carlos Eduardo Navarro Ribeiro** RESUMO: Este artigo apresenta a importância da utilização de softwares

Leia mais

PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE PERGAMUM NA ESCOLA BÁSICA Dr. PAULO FONTES

PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE PERGAMUM NA ESCOLA BÁSICA Dr. PAULO FONTES Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências da Educação Curso de Biblioteconomia CIN5018 Informatização em Unidades de Informação Professora: Ursula Blattmann PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE

Leia mais

MOODLE é o acrónimo de "Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem;

MOODLE é o acrónimo de Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment. Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem; MOODLE é o acrónimo de "Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment Software livre, de apoio à aprendizagem; Executado em um AVA - Ambiente Virtual de Apresendizagem; A expressão designa ainda

Leia mais

O que é software livre

O que é software livre O que é software livre Publicado por brain em Sáb, 2006-03-25 17:12. :: Documentação [http://brlinux.org/linux/taxonomy/term/13] por Augusto Campos Este artigo responde a diversas dúvidas comuns de novos

Leia mais

Introdução 12/06/2012. Software Livre

Introdução 12/06/2012. Software Livre Software Livre Introdução Software Livre, software de código aberto ou software aberto é qualquer programa de computador cujo código-fonte deve ser disponibilizado para permitir o uso, a cópia, o estudo

Leia mais

Sandra Lopes Coelho (UFF. SDC. Coordenadora de Bibliotecas)

Sandra Lopes Coelho (UFF. SDC. Coordenadora de Bibliotecas) Projeto de modernização do sistema de automação das bibliotecas da Universidade Federal Fluminense: uma questão de oportunidade... 1 INTRODUÇÃO Sandra Lopes Coelho (UFF. SDC. Coordenadora de Bibliotecas)

Leia mais

São programas de computador com a função de interagir a maquina com o usuário. Licenciados Livres - Gratuitos ou uso limitados 18/10/2010 1

São programas de computador com a função de interagir a maquina com o usuário. Licenciados Livres - Gratuitos ou uso limitados 18/10/2010 1 Softwares São programas de computador com a função de interagir a maquina com o usuário Tipos : Licenciados Livres - Gratuitos ou uso limitados 18/10/2010 1 Licenciados São software autorizados, cedidos

Leia mais

Software Livre Introdução ao Linux

Software Livre Introdução ao Linux Software Livre Introdução ao Linux Instituto Granbery 06/03/2004 Carlos de Castro Goulart Departamento de Informática-UFV goulart@dpi.ufv.br Parte I - Software Livre O que é Software Livre? Vantagens da

Leia mais

São programas de computador utilizados para realizar diversas tarefas É a parte lógica do computador, o que faz o computador realmente funcionar.

São programas de computador utilizados para realizar diversas tarefas É a parte lógica do computador, o que faz o computador realmente funcionar. São programas de computador utilizados para realizar diversas tarefas É a parte lógica do computador, o que faz o computador realmente funcionar. Quais são eles? Vários outros programas 1 Sistema Básico

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1. Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis

IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1. Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1 Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis Resumo Descreve a implantação da Biblioteca Virtual

Leia mais

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar

A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS. A decisão de automatizar A ESCOLHA DE SISTEMA PARA AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS A decisão de automatizar 1 A decisão de automatizar Deve identificar os seguintes aspectos: Cultura, missão, objetivos da instituição; Características

Leia mais

Sistemas Operacionais: Aplicativos. Prof. Rafael J. Sandim

Sistemas Operacionais: Aplicativos. Prof. Rafael J. Sandim Sistemas Operacionais: Aplicativos Prof. Rafael J. Sandim Aplicativos Programa de computador que desempenha uma tarefa específica; Em geral ligada ao processamento de dados; Podem ser divididos em duas

Leia mais

Software Livre. para concursos. Questões comentadas

Software Livre. para concursos. Questões comentadas Software Livre para concursos Questões comentadas Prefácio Hoje, qualquer instituição, seja ela pública ou privada, necessita utilizar programas de computadores para auxiliar os seus processos, gerando

Leia mais

SENADO FEDERAL Secretaria Especial do Interlegis SINTER Subsecretaria de Tecnologia da Informação SSTIN. Produto I: ATU SAAP

SENADO FEDERAL Secretaria Especial do Interlegis SINTER Subsecretaria de Tecnologia da Informação SSTIN. Produto I: ATU SAAP Produto I: ATU SAAP Documento de projeto do novo sistema. Modelo de Dados, Casos de Usos e Interface Gráfica do Sistema Pablo Nogueira Oliveira Termo de Referência nº 129275 Contrato Número 2008/000988

Leia mais

ez Flow Guia do Usuário versão 1.0 experts em Gestão de Conteúdo

ez Flow Guia do Usuário versão 1.0 experts em Gestão de Conteúdo ez Flow Guia do Usuário versão 1.0 Conteúdo 1. Introdução... 3 2 1.1 Público alvo... 3 1.2 Convenções... 3 1.3 Mais recursos... 3 1.4. Entrando em contato com a ez... 4 1.5. Direitos autorais e marcas

Leia mais

As etapas de automação

As etapas de automação As etapas de automação NEGREIROS, Leandro Ribeiro. Sistemas eletrônicos de gerenciamento de documentos arquivísticos: um questionário para escolha, aplicação e avaliação. Dissertação (mestrado em Ciência

Leia mais

Software de gerenciamento de impressoras

Software de gerenciamento de impressoras Software de gerenciamento de impressoras Este tópico inclui: "Usando o software CentreWare" na página 3-10 "Usando os recursos de gerenciamento da impressora" na página 3-12 Usando o software CentreWare

Leia mais

Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Requisito Descrição 6.1 - Produtos de Hardware 6.1.1. GRUPO 1 - IMPRESSORA TIPO I (MONOCROMÁTICA 20PPM - A4) 6.1.1.1. TECNOLOGIA DE IMPRESSÃO 6.1.1.1.1.

Leia mais

SOFTWARE LIVRE NO SETOR PÚBLICO

SOFTWARE LIVRE NO SETOR PÚBLICO SOFTWARE LIVRE NO SETOR PÚBLICO Marco Túlio dos Santos(mtuliods@hotmail.com) Thales Macieira(monteiro_macieira@yahoo.com.br) Richardson Mendes(richardsonmendes407@gmail.com) Resumo: O artigo a seguir tem

Leia mais

AtoM Access to Memory

AtoM Access to Memory AtoM Access to Memory Casa de Oswaldo Cruz Serviço de Tecnologias da Informação(STI) AtoM O que é? AtoM é uma abreviatura de Access to Memory. Funciona em ambiente WEB, é multilíngue e pode ser usado em

Leia mais

Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento

Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento Cenário atual de uso e das ferramentas de software livre em Geoprocessamento Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Conceitos GIS e Software Livre Ferramentas: Jump Qgis Thuban MapServer

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação 08 - Licenças, Tipos de Softwares, Tradutores. Linguagens de Máquina, de Baixo Nível e de Alto Nível Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br Software Livre GPL BSD Software

Leia mais

Software Livre e GIS: Quais são as alternativas?

Software Livre e GIS: Quais são as alternativas? Software Livre e GIS: Quais são as alternativas? Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Conceitos GIS e Software Livre Ferramentas: Thuban Qgis Jump MapServer O Futuro das Tecnologias

Leia mais

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Tipos de Software (Básico) Tipos de Software. Curso Conexão Noções de Informática

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Tipos de Software (Básico) Tipos de Software. Curso Conexão Noções de Informática Curso Conexão Noções de Informática Aula 2 Arquitetura de Computadores (Software) Agenda Introdução; Tipos de Software; Básico; Aplicativo; Livre; Proprietário. Pirataria de Software; Demos, Freewares

Leia mais

HISTÓRICO. Horário de funcionamento. De 2ª feira a 6ª feira das 8:00 h às 22:00 h Sábados, das 8:00 h às 13:00 h. Espaço físico

HISTÓRICO. Horário de funcionamento. De 2ª feira a 6ª feira das 8:00 h às 22:00 h Sábados, das 8:00 h às 13:00 h. Espaço físico HISTÓRICO A Biblioteca central da Faculdade de Medicina de Petrópolis e Faculdade Arthur Sá Earp Neto foi criada em 17 de agosto de 1967, tendo sido o seu acervo inicial constituído de obras de referência

Leia mais

Construindo sítios profissionais com Mambo

Construindo sítios profissionais com Mambo 23/09/06 Construindo sítios profissionais com Mambo Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Software Livre Conceitos de CMS Mambo Configuração do Mambo Novidades Referências 2 O que é software

Leia mais

Positivo Network Manager 4

Positivo Network Manager 4 Positivo Network Manager 4 O gerenciamento eficiente de informações e de tecnologia da informação (TI) é um fator reconhecidamente crítico na maioria das organizações. As informações e as tecnologias que

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

Integração ERP/WMS e vantagens com a adoção de software livre

Integração ERP/WMS e vantagens com a adoção de software livre Integração ERP/WMS e vantagens com a adoção de software livre Filipi Damasceno Vianna (PUCRS) filipi@em.pucrs.br Resumo Este trabalho visa mostrar a importância da integração entre sistemas de ERP 1 e

Leia mais

Software de sistema Software aplicativo

Software de sistema Software aplicativo SOFTWARE O que é Software? Software, logicial ou programa de computador é uma sequência de instruções a serem seguidas e/ou executadas, na manipulação, redireccionamento ou modificação de um dado/informação

Leia mais

AULA 1 PHP O QUE É APACHE FRIENDS

AULA 1 PHP O QUE É APACHE FRIENDS O QUE É PHP Se você já programa PHP, aconselho que pule para o capítulo 7 desse livro. Pois até esse capitulo iremos abordar algoritmos em PHP até a construção de uma classe com seus métodos e atributos

Leia mais

Apresentação do produto Versão Premium 9.0 (GMPE)

Apresentação do produto Versão Premium 9.0 (GMPE) Apresentação do produto Versão Premium 9.0 (GMPE) Qual a importância que o relacionamento com os clientes tem para a sua empresa? Goldmine CRM é para as empresas que atribuem importância máxima à manutenção

Leia mais

Enciclopédias digitais colaborativas

Enciclopédias digitais colaborativas Enciclopédias digitais colaborativas Telma Johnson Panorama geral A emergência de um novo modelo de produção coletiva de enciclopédias gratuitas online, baseadas na filosofia do voluntariado e do livre

Leia mais

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO GBD Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos) Aplicativos SGBD Dados (arquivos) O acesso/gerenciamento

Leia mais

A melhor ferramenta para criar e gerenciar Nota Fiscal Eletrônica

A melhor ferramenta para criar e gerenciar Nota Fiscal Eletrônica A melhor ferramenta para criar e gerenciar Nota Fiscal Eletrônica Gestor NFe Características Tecnologia Diferenciais Como Instalar e Licenciar Custos Contatos Características O objetivo do Gestor NFe é

Leia mais

Jan.2012. Características Gerais do Sistema:

Jan.2012. Características Gerais do Sistema: Jan.2012 Características Gerais do Sistema: O Software Global Cartórios traz um conceito novo em uma plataforma inovadora que reúne todas as especialidades em um único sistema. O Global Cartórios é um

Leia mais

O Gnuteca e o OpenBiblio: avaliação de softwares livres para a automação de bibliotecas

O Gnuteca e o OpenBiblio: avaliação de softwares livres para a automação de bibliotecas O Gnuteca e o OpenBiblio: avaliação de softwares livres para a automação de bibliotecas The Gnuteca and the OpenBiblio: evaluation of Open Source systems for libraries automation AUTORES Antonio Marcos

Leia mais

SERVIÇO DE REFERÊNCIA E INFORMAÇÃO: DO TRADICIONAL AO ON-LINE.

SERVIÇO DE REFERÊNCIA E INFORMAÇÃO: DO TRADICIONAL AO ON-LINE. 1 SERVIÇO DE REFERÊNCIA E INFORMAÇÃO: DO TRADICIONAL AO ON-LINE. LIDIANE DOS SANTOS CARVALHO (lidianebiblio@hotmail.com) ELAINE R. DE OLIVEIRA LUCAS (lani@udesc.br) Contextualiza as Bibliotecas Universitárias

Leia mais

Implantação de um sistema de informação para apoio a gestão de uma empresa de pequeno porte utilizando ferramentas open source

Implantação de um sistema de informação para apoio a gestão de uma empresa de pequeno porte utilizando ferramentas open source 978 Implantação de um sistema de informação para apoio a gestão de uma empresa de pequeno porte utilizando ferramentas open source Keoma Gomes de Souza 1, Carlos Mário Dal Col Zeve 2 1 Acadêmico do Curso

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04 Prof. André Lucio Competências da aula 3 Servidor de DHCP. Servidor de Arquivos. Servidor de Impressão. Aula 04 CONCEITOS

Leia mais

Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM

Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM Perguntas Técnicas Frequentes Segurança do Código CLARiSUITE Um guia para soluções de rede CLARiSUITE TM Visão geral Segurança, integridade e estabilidade da infraestrutura de TI são as principais preocupações

Leia mais

Primeiro Encontro de Usuários do Pergamum na UFF: MóduloCirculação. 23 julho 2014

Primeiro Encontro de Usuários do Pergamum na UFF: MóduloCirculação. 23 julho 2014 Primeiro Encontro de Usuários do Pergamum na UFF: MóduloCirculação 23 julho 2014 AFASTAMENTOS: A inclusão e exclusão de afastamentos é restrita às chefias. A versão atual está permitindo ao auxiliar fazer

Leia mais

MANUAL DE BASES DE DADOS CEU CASA DO ESTUDANTE UNIVERSITÁRIO UFSC

MANUAL DE BASES DE DADOS CEU CASA DO ESTUDANTE UNIVERSITÁRIO UFSC 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA-UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO-CED CURSO DE BIBLIOTECONOMIA PROFESSORA: Ursula Blattmann DISCIPLINA: CIN 5046 GERENCIADOR DE BASES DE DADOS CDS/ISIS MANUAL

Leia mais

FUNCIONALIDADES DE UM SOFTWARE LIVRE DE AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS: uma avaliação do Biblivre

FUNCIONALIDADES DE UM SOFTWARE LIVRE DE AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS: uma avaliação do Biblivre FUNCIONALIDADES DE UM SOFTWARE LIVRE DE AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS: uma avaliação do Biblivre Jorge Luiz Cativo Alauzo Danielle Lima Silva Tatiana Brandão Fernandes Jorge Luiz Cativo Alauzo jorge.cativo@inpa.gov.br

Leia mais

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com.

CRManager. CRManager. TACTIUM CRManager. Guia de Funcionalidades. Versão 5.0 TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades. www.softium.com. Tactium Tactium CRManager CRManager TACTIUM CRManager Guia de Funcionalidades 1 O TACTIUM CRManager é a base para implementar a estratégia de CRM de sua empresa. Oferece todo o suporte para personalização

Leia mais

Biblioteca digital: novo paradigma da informação

Biblioteca digital: novo paradigma da informação Biblioteca digital: novo paradigma da informação Murilo Bastos da Cunha Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Brasília, DF E-mail: murilobc@unb.br Introdução A Internet está revolucionando

Leia mais

BIREME / OPAS / OMS. Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde

BIREME / OPAS / OMS. Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde BIREME / OPAS / OMS Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde Acesso às fontes de informação da Biblioteca Virtual em Saúde Versão 2 São Paulo - Março 2008 Copyright Março

Leia mais

Guia de vendas Windows Server 2012 R2

Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Guia de vendas Windows Server 2012 R2 Por que Windows Server 2012 R2? O que é um servidor? Mais do que um computador que gerencia programas ou sistemas de uma empresa, o papel de um servidor é fazer com

Leia mais

Fórum de Software Livre. Capacitação em Software Livre 2014 Nelson Luiz Cesário UNESP/FCAV Jaboticabal/SP

Fórum de Software Livre. Capacitação em Software Livre 2014 Nelson Luiz Cesário UNESP/FCAV Jaboticabal/SP Fórum de Software Livre Capacitação em Software Livre 2014 Nelson Luiz Cesário UNESP/FCAV Jaboticabal/SP Objetivos Capacitar o servidor a realizar operações básicas e intermediárias de edição de documentos

Leia mais

Por que o gerenciamento de ativos de software é tão difícil e como simplificá-lo

Por que o gerenciamento de ativos de software é tão difícil e como simplificá-lo DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Melhores práticas de gerenciamento de ativos de software JUNHO DE 2013 Por que o gerenciamento de ativos de software é tão difícil e como simplificá-lo John Fulton CA IT Business Management

Leia mais

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto

Introdução a Informática. Prof.: Roberto Franciscatto Introdução a Informática Prof.: Roberto Franciscatto 6.1 ARQUIVOS E REGISTROS De um modo geral os dados estão organizados em arquivos. Define-se arquivo como um conjunto de informações referentes aos elementos

Leia mais

Apache + PHP + MySQL

Apache + PHP + MySQL Apache + PHP + MySQL Fernando Lozano Consultor Independente Prof. Faculdade Metodista Bennett Webmaster da Free Software Foundation fernando@lozano.eti.br SEPAI 2001 O Que São Estes Softwares Apache: Servidor

Leia mais

A REALIDADE VIRTUAL APLICADA AO CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS

A REALIDADE VIRTUAL APLICADA AO CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS A REALIDADE VIRTUAL APLICADA AO CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS Gláucio Alves Oliveira; Ildeberto de Genova Bugatti Resumo O trabalho utilizou técnicas de integração entre tecnologia de Realidade

Leia mais

IV SEMINÁRIO HISPANO-BRASILEIRO DE PESQUISA EM INFORMAÇÃO, DOCUMENTAÇÃO E SOCIEDADE SOFTWARES LIVRE PARA ANÁLISE DE INFORMAÇÃO ESTRUTURADA

IV SEMINÁRIO HISPANO-BRASILEIRO DE PESQUISA EM INFORMAÇÃO, DOCUMENTAÇÃO E SOCIEDADE SOFTWARES LIVRE PARA ANÁLISE DE INFORMAÇÃO ESTRUTURADA IV SEMINÁRIO HISPANO-BRASILEIRO DE PESQUISA EM INFORMAÇÃO, DOCUMENTAÇÃO E SOCIEDADE SOFTWARES LIVRE PARA ANÁLISE DE INFORMAÇÃO ESTRUTURADA SOB A ÓTICA DO CONHECIMENTO ABERTO Lillian Alvares, Kira Tarapanoff

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 01 Prof. André Lucio Competências do modulo Introdução ao sistema operacional Windows Instalação e configuração do sistema

Leia mais

Especificação do KAPP-PPCP

Especificação do KAPP-PPCP Especificação do KAPP-PPCP 1. ESTRUTURA DO SISTEMA... 4 1.1. Concepção... 4 2. FUNCIONALIDADE E MODO DE OPERAÇÃO... 5 3. TECNOLOGIA... 7 4. INTEGRAÇÃO E MIGRAÇÃO DE OUTROS SISTEMAS... 8 5. TELAS E RELATÓRIOS

Leia mais

Banco de Dados. Professor: Rômulo César. romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

Banco de Dados. Professor: Rômulo César. romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Banco de Dados Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos)

Leia mais

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1. POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1.1. Objetivos Nas últimas décadas as bibliotecas passaram por mudanças

Leia mais

Alfresco Content Management

Alfresco Content Management Alfresco Content Management Alfresco é um sistema ECM (Enterprise Content Management) também conhecido como GED (Gestão Eletrônica de Documentos) em nosso mercado de porte corporativo para atender a empresas

Leia mais

Software Livre, Redes Sociais e Segurança na Internet. Alexandro Silva alexos@ngsecurity.com.br

Software Livre, Redes Sociais e Segurança na Internet. Alexandro Silva alexos@ngsecurity.com.br Segurança na Internet Alexandro Silva alexos@ngsecurity.com.br 1 Alexandro Silva penguim.wordpress.com Professor da Graduação e Pós-Graduação da Unijorge Atua no mercado OpenSource a mais de 10 anos Membro

Leia mais

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II)

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) A seguir vamos ao estudo das ferramentas e aplicativos para utilização do correio

Leia mais

Uso de software livre para implementação de provedores de serviços OAI-PMH: caso do provedor de serviços Sabiia

Uso de software livre para implementação de provedores de serviços OAI-PMH: caso do provedor de serviços Sabiia Uso de software livre para implementação de provedores de serviços OAI-PMH: caso do provedor de serviços Sabiia Anderson Hirata Isaque Vacari Introdução A iniciativa de Acesso Aberto promove a interoperabilidade

Leia mais

Solução completa de gerenciamento online de embalagens

Solução completa de gerenciamento online de embalagens Solução completa de gerenciamento online de embalagens WebCenter O WebCenter é uma poderosa plataforma baseada na web para gerenciamento de embalagens que administra seu processo de negócios e aprova ciclos

Leia mais

Rev@Odonto: o catálogo de revistas eletrônicas da área de odontologia

Rev@Odonto: o catálogo de revistas eletrônicas da área de odontologia Rev@Odonto: o catálogo de revistas eletrônicas da área de odontologia Telma de Carvalho Diretora Técnica SDO/FOUSP VI ENCONTRO INTERNACIONAL DE EDITORES E AUTORES DE PERIÓDICOS CIENTÍFICOS DA ÁREA DE ODONTOLOGIA.

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 03 CONCEITOS DE SOFTWARE

INFORMÁTICA APLICADA AULA 03 CONCEITOS DE SOFTWARE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 03 CONCEITOS DE SOFTWARE Profª Danielle Casillo SUMÁRIO O que é software? Software x Hardware

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA CONTROLE DA CIRCULAÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA CONTROLE DA CIRCULAÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB PARA CONTROLE DA CIRCULAÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO Marcos Vinicius Mendonça Andrade 1 Sandra Lopes Coelho 2 1 Bibliotecário, Universidade Federal Fluminense, Niterói,

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário

Ministério do Desenvolvimento Agrário Capítulo 1 Ministério do Desenvolvimento Agrário Instituição: Sítio: Caso: Responsável: Palavras- Chave: Ministério do Desenvolvimento Agrário www.mda.gov.br Plano de Migração para Software Livre Paulo

Leia mais

Licenças Livres. Terry Laundos Aguiar

Licenças Livres. Terry Laundos Aguiar Licenças Livres Terry Laundos Aguiar "Quando nos referimos a software livre, estamos nos referindo a liberdade e não a preço." Licença GPL Licenças de Softwares Comprar um software, geralmente, é como

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Introdução a Computação - CSTA. Classificação / Licenciamento de Software

Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Introdução a Computação - CSTA. Classificação / Licenciamento de Software Universidade Tuiuti do Paraná Faculdade de Ciências Exatas Introdução a Computação - CSTA Classificação / Licenciamento de Software MATERIAL PARA ESTUDO PRIMEIRO BIMESTRE Componentes de um Sistema Computacional

Leia mais

6. PROGRAMAS DE GESTÃO DOCUMENTAL MAIS UTILIZADOS EM PORTUGAL

6. PROGRAMAS DE GESTÃO DOCUMENTAL MAIS UTILIZADOS EM PORTUGAL 6. PROGRAMAS DE GESTÃO DOCUMENTAL MAIS UTILIZADOS EM PORTUGAL CDS/ISIS CDS/ISIS (Computerized Documentation System/Integrated Set of Information System) é um software desenvolvido pela UNESCO que permite

Leia mais