BIOMODULAÇÃO NOS PROCEDIMENTOS PÓS-OPERATÓRIOS EM CIRURGIA PLÁSTICA. Profa. Maria Helena Lourenço Monteiro Pimenta Rossi

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BIOMODULAÇÃO NOS PROCEDIMENTOS PÓS-OPERATÓRIOS EM CIRURGIA PLÁSTICA. Profa. Maria Helena Lourenço Monteiro Pimenta Rossi"

Transcrição

1 BIOMODULAÇÃO NOS PROCEDIMENTOS PÓS-OPERATÓRIOS EM CIRURGIA PLÁSTICA Profa. Maria Helena Lourenço Monteiro Pimenta Rossi

2 A FOTOTERAPIA é considerada uma das maiores revoluções tecnológicas para as ciências humanas

3 FOTOTERAPIA corte, coagulação, ablação LUZ DE ALTA INTENSIDADE FOTOTERAPIA bioestimulação ou bioinibição LUZ DE BAIXA INTENSIDADE

4 FOTOTERAPIA - UMA DAS MAIORES REVOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA AS CIÊNCIAS HUMANAS Grandezas Físicas gerais da Fototerapia Comprimento de onda: nm Densidade de energia: (J/cm 2 ) Densidade de Potência Watt: (t). W/ J/cm 2 ) LAI (Potência > 1 Watts/cm 2 ) LBI (Potência < 1 Watts/cm 2 )

5 FOTOTERAPIA - UMA DAS MAIORES REVOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA AS CIÊNCIAS HUMANAS Interação dos Tecidos com a Luz É necessário que a energia emitida seja absorvida e que haja uma interação com as estruturas moleculares e celulares a que se destina.

6 A LUZ E A TECNOLOGIA FOTOTERAPIA - UMA DAS MAIORES REVOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA AS CIÊNCIAS HUMANAS CARACTERÍSTICAS DA LUZ TIPO DE ENERGIA INDICAÇÕES LUZ LASER Luz de Alta Intensidade LAI Monocromática: uma única cor Coerente: mesma amplitude Colimada: sem desvio de luz Energia Quente Tratamento de lesões vasculares, rejuvenescimento, remoção de lesões pigmentadas, tatuagens e depilação. LUZ PULSADA Luz Intensa Pulsada LIP Policromático Incoerente Não Colimada Energia Quente Tratamento de lesões vasculares, rejuvenescimento, remoção de lesões pigmentadas, tatuagens e depilação. LUZ LASER Luz de Baixa Intensidade LBI Monocromática Coerente Colimada Energia Fria Acne (reparação de tecidos), pós-cirúrgico, estrias, envelhecimento e cicatrização. LEDs Diodo Emissor de Luz Policromático Incoerente Não Colimada Energia Fria Acne (reparação de tecidos), pós cirúrgico, estrias, envelhecimento e cicatrização.

7 Biomodulação nos Procedimentos Pós-Operatórios em Cirurgia Plástica

8 LASERTERAPIA DE BAIXA INTENSIDADE LASER/LED LUZ INFRAVERMELHA 700 A 904nm LASER/LED LUZ VERMELHA (630 a 700nm)

9 BIOMODULAÇÃO NOS PROCEDIMENTOS PÓS- OPERATÓRIOS EM CIRURGIA PLÁSTICA O processo inflamatório é inerente a toda ação cirúrgica.

10 BIOMODULAÇÃO NOS PROCEDIMENTOS PÓS- OPERATÓRIOS EM CIRURGIA PLÁSTICA O médico Cornellius, a 50 a.c, já descrevia a inflamação com quatro sinais clássicos: Rubor é resultado da vasodilatação, Tumor é causado principalmente pelo acúmulo de líquido no local, Calor é resultado do rápido acúmulo de sangue arterial com temperatura mais elevada na região, Dor apresenta a distensão dos tecidos, a estimulação de terminações nervosas livres e a lesão direta tecidual pelo agente agressor.

11 BIOMODULAÇÃO NOS PROCEDIMENTOS PÓS- OPERATÓRIOS EM CIRURGIA PLÁSTICA Com a fototerapia é possível oferecer um pós-operatório mais adequado e menos traumático.

12 BIOMODULAÇÃO NOS PROCEDIMENTOS PÓS- OPERATÓRIOS EM CIRURGIA PLÁSTICA LUZ VERMELHA (630 A 700nm) Indicação: Age na reparação de tecidos moles atuando no aumento da produção de ATP e acelerando o processo de mitose celular. Reduz o tempo de reepitelização e cicatrização de feridas (proliferação de células epiteliais e fibroblastos). Karu,T.I. Photobiology of low laser therapy. London: Harwood, 1989

13 BIOMODULAÇÃO NOS PROCEDIMENTOS PÓS- OPERATÓRIOS EM CIRURGIA PLÁSTICA LUZ INFRAVERMELHA 700 A 904nm Efeito do laser em baixa intensidade na atividade do sistema linfático. LIEVENS - Em 1991 publicou um estudo irradiando com um diodo laser de (Arseniato de gálio e alumínio) GaAs operando em 904 nm em incisões na região abdominal dos animais. Resultados Observou-se que ao irradiar na incisão: O fluxo linfático se refez rapidamente com a regeneração dos vasos linfáticos e uma neovascularização formou-se significativamente nos animais tratados com laser. Já nos animais não irradiados, encontrou-se uma lenta regeneração.

14 BIOMODULAÇÃO NOS PROCEDIMENTOS PÓS- OPERATÓRIOS EM CIRURGIA PLÁSTICA LUZ INFRAVERMELHA 700 A 904nm Efeito do laser em baixa intensidade sobre os linfonodos no pós operatório Dra. Luciana Almeida Lopes Pesquisadora do Centro de Pesquisa Fotônica) Ao estimular os linfonodos do local acometido pelo processo inflamatório no pós cirúrgico, ativa-se a DL local diminuindo o edema, e consequentemente, a dor e o desconforto.

15 LASER DE BAIXA INTENSIDADE EM DEISCÊNCIA AGUDA DE SAFENECTOMIA SciELO Ver Bras Cir Cardiovasc 2009; 24(1): Artigo aprovado em 30 de setembro de 2008 Participantes: Nathali Cordeiro Pinto/Mara Helena Corso Pereira, Noedir Antônio Groppo Stolf/Maria Cristina Chavantes Estudo de caso Objetivo: Avaliar a resposta da laserterapia como possibilidade terapêutica em deiscência aguda de safenectomia. 15 dias após OP a paciente apresentava edema e dor. Inicialmente foi realizado o tratamento convencional no ambulatório sem melhora clínica. Material utilizado Diodo Laser (DMC, Brasil) Parâmetros: ë=685nm, Fluência=4,5J/cm2, P=20mW

16 LASER DE BAIXA INTENSIDADE EM DEISCÊNCIA AGUDA DE SAFENECTOMIA 30 dias após OP iniciou-se somente, o Laser de Baixa Intensidade (LBI) pontualmente. - 1ª semana - duas aplicações do LBI com intervalo de 48 horas.

17 BIOMODULAÇÃO NOS PROCEDIMENTOS PÓS- OPERATÓRIOS EM CIRURGIA PLÁSTICA (Figura 1) 1ª sessão (Figura 3) 9ª sessão Nas semanas subsequentes, o LBI foi aplicado apenas uma vez por semana até o fechamento total.

18 ESTUDO DE CASO Objetivo Avaliar a resposta do LBI como possibilidade terapêutica em cicatrização OP de mama. Aplicação após 10 meses do OP e em apenas uma mama. Emissor ë= nm, Fluência=3,5J/cm², P=30mW Diodo Laser (DMC, Brasil)

19 FOTOTERAPIA E A TECNOLOGIA DA EMISSÃO DA LUZ CUIDADOS Nunca irradie diretamente sobre processos tumorais (LIB pode estimulá-los). Nunca irradie diretamente sobre processos infecciosos e altamente infectados (LIB pode exacerbá-lo). Nunca irradie uma lesão sem diagnóstico (pode ser um carcinoma).

20 OBRIGADA!!! Profª Maria Helena Pimenta Rossi

Laser de baixa intensidade

Laser de baixa intensidade Laser de baixa intensidade E sua aplicação na Periodontia Por Carlos Marcelo da Silva Figueredo, DDS, MDSc, PhD cmfigueredo@hotmail.com LASER LASER: Light Amplification by Stimulation Emission of Radiation

Leia mais

Um encontro com o futuro

Um encontro com o futuro Um encontro com o futuro Catálogo de Produtos - PODOLOGIA Ultra Blue IS 600 mw É um equipamento que utiliza tecnologia LED especialmente indicado na podologia para reparação de unhas quebradas ou deformadas,

Leia mais

Protocolos e Indicações Clínicas do Laser de Diodo Cirúrgico

Protocolos e Indicações Clínicas do Laser de Diodo Cirúrgico s e Indicações Clínicas do Laser de Diodo Cirúrgico Nu Profa. Dra. Luciana Almeida Lopes e Prof. Dr. Hermes Pretel São Carlos 2009 Visite nosso site: www.nupen.com.br Nu Melanoplastia Melanoplastia, também

Leia mais

- Tecidos e órgãos linfoides - Inflamação aguda

- Tecidos e órgãos linfoides - Inflamação aguda - Tecidos e órgãos linfoides - Inflamação aguda ÓRGÃOS LINFÓIDES ÓRGÃOS LINFÓIDES PRIMÁRIOS: - Medula óssea - Timo ÓRGÃOS LINFÓIDES SECUNDÁRIOS: - Linfonodos - Placas de Peyer - Tonsilas - Baço ÓRGÃO LINFÓIDE

Leia mais

LASER DE ALTA INTENSIDADE A REVOLUÇÃO NA TECNOLOGIA DO LASER TERAPÊUTICO

LASER DE ALTA INTENSIDADE A REVOLUÇÃO NA TECNOLOGIA DO LASER TERAPÊUTICO LASER DE ALTA INTENSIDADE A REVOLUÇÃO NA TECNOLOGIA DO LASER TERAPÊUTICO geral@btlportugal.pt www.btlportugal.pt Todos os direitos reservados. Apesar de todo o cuidado em fornecer informação precisa e

Leia mais

Métodos: Bolsas térmicas Banhos (frios, quentes, de parafina) Lâmpadas de Infravermelhos Gelo (massagem, saco de gelo) Spray de frio Compressas frias

Métodos: Bolsas térmicas Banhos (frios, quentes, de parafina) Lâmpadas de Infravermelhos Gelo (massagem, saco de gelo) Spray de frio Compressas frias Daniel Gonçalves Objectivos: Aliviar dor Alterar o processo de cicatrização dos tecidos Alterar as propriedades plásticas dos tecidos conectivos (músculo, tendão, ligamento e cápsula articular) Métodos:

Leia mais

Processo Inflamatório e Lesão Celular. Professor: Vinicius Coca

Processo Inflamatório e Lesão Celular. Professor: Vinicius Coca Processo Inflamatório e Lesão Celular Professor: Vinicius Coca www.facebook.com/profviniciuscoca www.viniciuscoca.com O que é inflamação? INFLAMAÇÃO - Inflamare (latim) ação de acender, chama FLOGOSE phlogos

Leia mais

Efeitos da laserterapia de baixa potência no processo de cicatrização de feridas cirúrgicas

Efeitos da laserterapia de baixa potência no processo de cicatrização de feridas cirúrgicas Efeitos da laserterapia de baixa potência no processo de cicatrização de feridas cirúrgicas Laíza Flores Terra 1 laiza.terra@hotmail.com Dayana Priscila Maria Mejia² Pós-graduação em Procedimentos Estéticos

Leia mais

INFLAMAÇÃO & REPARO TECIDUAL

INFLAMAÇÃO & REPARO TECIDUAL UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UnB PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOLOGIA MOLECULAR INFLAMAÇÃO & REPARO TECIDUAL Mestranda: Diane Oliveira Sumário 1) Inflamação 1.1- Visão geral 1.2- Inflamação Aguda Estímulos

Leia mais

Reparação. Regeneração Tecidual 30/06/2010. Controlada por fatores bioquímicos Liberada em resposta a lesão celular, necrose ou trauma mecânico

Reparação. Regeneração Tecidual 30/06/2010. Controlada por fatores bioquímicos Liberada em resposta a lesão celular, necrose ou trauma mecânico UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ COORDENAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINA DE PATOLOGIA VETERINÁRIA Reparação Prof. Raimundo Tostes Reparação Regeneração: reposição de um grupo de células destruídas

Leia mais

09/03/2015. Profa. Esp. Elaine Cristina Sabino Ovalle

09/03/2015. Profa. Esp. Elaine Cristina Sabino Ovalle Profa. Esp. Elaine Cristina Sabino Ovalle 1 2 3 4 5 6 7 8 9 -A luz de wood é um método de observação para diagnóstico de determinadas superfícies, através de uma luz fluorescente, possibilitando um preciso

Leia mais

O Laser e. suas Aplicações

O Laser e. suas Aplicações O Laser e suas Aplicações Laser: o que é? Sigla em inglês: Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation Dispositivo que produz luz com as seguintes características: Monocromática Coerência espacial

Leia mais

Capítulo 2 Aspectos Histológicos

Capítulo 2 Aspectos Histológicos 5 Capítulo 2 Aspectos Histológicos Alguns conceitos básicos sobre histologia humana, a caracterização dos tecidos, a regeneração e reparação dos mesmos em lesões e a cicatrização de feridas são aspectos

Leia mais

EFEITOS DO LASER DE BAIXA INTENSIDADE NO PROCESSO DE CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS CUTÂNEAS: REVISÃO DE LITERATURA

EFEITOS DO LASER DE BAIXA INTENSIDADE NO PROCESSO DE CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS CUTÂNEAS: REVISÃO DE LITERATURA EFEITOS DO LASER DE BAIXA INTENSIDADE NO PROCESSO DE CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS CUTÂNEAS: REVISÃO DE LITERATURA Batista,F.M.A 1,2, Andrade, E. B², Carvalho, C.C 3, Santos, I.N.P 1, Mesquita,M.H.R 1, Lima,

Leia mais

01/08/16. Introdução. Hipotermoterapia. Conceito. Hipotermoterapia. Crioterapia X Inflamação. Efeitos sobre a Temperatura Corporal

01/08/16. Introdução. Hipotermoterapia. Conceito. Hipotermoterapia. Crioterapia X Inflamação. Efeitos sobre a Temperatura Corporal Hipotermoterapia Prof. Coca Introdução Hipocrates indicava a Crioterapia, com a finalidade de analgesia pos-cirurgica ou tratamento convencional. Tredelemburguer observou que o gelo poderia ser lesivo.

Leia mais

CRIOTERAPIA. Prof. Msc. Carolina Vicentini

CRIOTERAPIA. Prof. Msc. Carolina Vicentini CRIOTERAPIA Prof. Msc. Carolina Vicentini MODALIDADE VERSÁTIL e BAIXO CUSTO TERAPIA POR RESFRIAMENTO SUPERFICIAL (CRIOTERAPIA) TERMÓLISE e DIMINUIÇÃO DO MOVIMENTO MOLECULAR CRIOTERAPIA (os benefícios terapêuticos

Leia mais

Reparo Tecidual: Regeneração e Cicatrização. Processos Patológicos Gerais Profa. Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes

Reparo Tecidual: Regeneração e Cicatrização. Processos Patológicos Gerais Profa. Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Reparo Tecidual: Regeneração e Cicatrização Processos Patológicos Gerais Profa. Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Reparo Tecidual Ferida (lesão) 3 processos envolvidos no reparo: 1.Hemostasia

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA LASERTERAPIA EM CIRURGIA BUCOMAXILOFACIAL

CONTRIBUIÇÃO DA LASERTERAPIA EM CIRURGIA BUCOMAXILOFACIAL CONTRIBUIÇÃO DA LASERTERAPIA EM CIRURGIA BUCOMAXILOFACIAL BARBOSA (UFPB, Colaborador), Danilo B. M. FALCÃO (UFPB, Colaborador), Paulo G. C. B. RODRIGUES (UFPB, Vice-coordenador) Fabiano G. RODRIGUES (UFPB,

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

WORKSHOP ONLINE MICROAGULHAMENTO

WORKSHOP ONLINE MICROAGULHAMENTO WORKSHOP ONLINE MICROAGULHAMENTO ÍNDICE O que são fatores de Crescimento Angiogênese e Colagenogênese Regeneração Celular x Envelhecimento Peptídeos Principais Fatores de Crescimento Como acessar o curso

Leia mais

Programa de Tratamento Antiacne c/ Laser (LPTL + TL + TL + TL = 4 sessões) R$ 500,00 Programa de Tratamento c/ Peeling Cristal (LPPT + PT + PT + T =

Programa de Tratamento Antiacne c/ Laser (LPTL + TL + TL + TL = 4 sessões) R$ 500,00 Programa de Tratamento c/ Peeling Cristal (LPPT + PT + PT + T = PROTOCOLOS FACIAIS Efeito Cinderela (LPT + Laser + Peeling de Cristal) R$ 420,00 Limpeza de Pele Acneica R$ 120,00 Limpeza de Pele Acneica c/ Laser e Tratamento R$ 200,00 Limpeza de Pele Acneica c/ Peeling

Leia mais

INFLAMAÇÃO. Prof a Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Processos Patológicos Gerais

INFLAMAÇÃO. Prof a Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Processos Patológicos Gerais INFLAMAÇÃO Prof a Adriana Azevedo Prof. Archangelo P. Fernandes Processos Patológicos Gerais Para quê serve? A INFLAMAÇÃO é uma resposta do tecido à lesão, ela procura conter e isolar a lesão e preparar

Leia mais

D E P I L A Ç Ã O A LASER C

D E P I L A Ç Ã O A LASER C A LASER D E P I L A Ç Ã O C l í n i c a B e r g m a n n DEPILAÇÃO As pessoas sempre tiveram um desejo natural de remover pelos indesejáveis. Há muitos séculos, mulheres do Antigo Egito, da Grécia e do

Leia mais

Introdução. Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação.

Introdução. Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação. L.A.S.E.R. Introdução Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação. Introdução Em 1900 o físico alemão Max Planck apresentou uma explanação

Leia mais

Veterinária. TheraVet. Manual do Usuário

Veterinária. TheraVet. Manual do Usuário Veterinária TheraVet Manual do Usuário O TheraVet é um equipamento fabricado com a mais alta tecnologia e todos os equipamentos são testados individualmente. Este produto deve ser utilizado pelo profissional

Leia mais

Cloridrato do Ácido 5-Aminolevulinico

Cloridrato do Ácido 5-Aminolevulinico Cloridrato do Ácido 5-Aminolevulinico CAS Number: 5451-09-2 Uso de Terapia Fotodinâmina (PDT) associado ao ALA Atenção Farmacêuticos Magistrais, conheçam esta inovação que a Biovital traz para o mercado,

Leia mais

Elight + IPL + Rádiofrequência + Laser Díodo_02

Elight + IPL + Rádiofrequência + Laser Díodo_02 Elight + IPL + Rádiofrequência + Laser Díodo_02 1. ELIGHT (IPL COM RÁDIOFREQUÊNCIA, 8 FILTROS) 2. RÁDIOFREQUÊNCIA TRIPOLAR CORPO & ROSTO 3. LASER DÍODO CORPO & ROSTO Elimina celulite e gordura localizada

Leia mais

Dentista Laserterapia

Dentista Laserterapia Caderno de Questões Prova Objetiva Dentista Laserterapia SRH Superintendência de Recursos Humanos DESEN Departamento de Seleção e Desenvolvimento de Pessoal 01 Em 1989, Karu revisou, em seus estudos,

Leia mais

NOVO BHS 156 CRIOFREQUÊNCIA Full 2017

NOVO BHS 156 CRIOFREQUÊNCIA Full 2017 NOVO BHS 156 CRIOFREQUÊNCIA Full 2017 - CRIOfrequência - (HIMFU) ultracavitação MULTIFOCAL high intensity multifocal ultrasound O uso de novas tecnologias, nos proporcionou fazer um equipamento mais inteligente,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA CIENTÍFICA

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA CIENTÍFICA PROGRAMAÇÃO PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA CIENTÍFICA 07 Dia 03 de novembro Sala 01 08h30-08h40 08h40-10h00 08h40-09h15 09h45-10h00 10h00-10h30 10h30-12h00 10h30-11h00 11h00-11h15 12h00-13h00 13h00-14h45 13h00-13h30

Leia mais

PLANILHA GERAL - CIRURGIA I - 1º 2014

PLANILHA GERAL - CIRURGIA I - 1º 2014 PLANILHA GERAL - CIRURGIA I - 1º 2014 Dia Data Hora Professor Sala Conteúdo 7:05 FERNANDA 204 D Apresentação da Disciplina - Formação de Grupos Ambiente cirúrgico, instalações e equipamentos, paramentação

Leia mais

FACULDADE DO CENTRO OESTE PINELLI HENRIQUES- FALCOPH/ BIOCURSOS PÓS GRADUAÇÃO EM PROCEDIMENTOS ESTÉTICOS E PRÉ PÓSOPERATÓRIO JAQUELINE FREITAS CABRAL

FACULDADE DO CENTRO OESTE PINELLI HENRIQUES- FALCOPH/ BIOCURSOS PÓS GRADUAÇÃO EM PROCEDIMENTOS ESTÉTICOS E PRÉ PÓSOPERATÓRIO JAQUELINE FREITAS CABRAL FACULDADE DO CENTRO OESTE PINELLI HENRIQUES- FALCOPH/ BIOCURSOS PÓS GRADUAÇÃO EM PROCEDIMENTOS ESTÉTICOS E PRÉ PÓSOPERATÓRIO JAQUELINE FREITAS CABRAL O LASER COMO RECURSO TERAPÊUTICO NO PÓS OPERATÓRIO

Leia mais

APLICAÇÃO DE DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL (DLM)NO PÓS-OPERATÓRIO DE CIRURGIAS PLÁSTICAS 1

APLICAÇÃO DE DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL (DLM)NO PÓS-OPERATÓRIO DE CIRURGIAS PLÁSTICAS 1 APLICAÇÃO DE DRENAGEM LINFÁTICA MANUAL (DLM)NO PÓS-OPERATÓRIO DE CIRURGIAS PLÁSTICAS 1 Alice Luisa Pletsch 2, Ketney Da Costa Koslosky 3, João Felipe Peres Rezer 4. 1 Trabalho desenvolvido na Disciplina

Leia mais

Protocolo Pós-Cirúrgico Corporal La Vertuan.

Protocolo Pós-Cirúrgico Corporal La Vertuan. www.lavertuan.com.br A cirurgia plástica busca proporcionar a cada indivíduo sua satisfação pessoal, a harmonia com seu corpo. Os tempos modernos transformam a beleza estética em "objeto de desejo. O Brasil

Leia mais

21/03/2012. A variação molecular atua: fatores de crescimento hormônios adesão celular movimentação alterações funcionais

21/03/2012. A variação molecular atua: fatores de crescimento hormônios adesão celular movimentação alterações funcionais Tecido Conjuntivo Tecido responsável pela resposta inflamatória e por todo o processo de reparo que ocorre após a agressão. Contém vasos sangüíneos, linfáticos e líquido intersticial chamado de sistema

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: Patologia Geral Código: ODO-010 Pré-requisito: - Período Letivo:

Leia mais

UM POUCO DE HISTÓRIA. Medicina do Treino Desportivo UM POUCO DE HISTÓRIA UM POUCO DE HISTÓRIA. José Gomes Pereira Curso COP, 29 de Novembro de 2014

UM POUCO DE HISTÓRIA. Medicina do Treino Desportivo UM POUCO DE HISTÓRIA UM POUCO DE HISTÓRIA. José Gomes Pereira Curso COP, 29 de Novembro de 2014 Medicina do Treino Desportivo Tratamento de lesões da pele através do frio (A.W.Pusey,1908) Tratamento com redução da temperatura dos tecidos, sem causar a sua destruição. (Zagrobelny et al. 1999; Jezierski

Leia mais

Um encontro com o futuro

Um encontro com o futuro Um encontro com o futuro Catálogo de Produtos - ESTÉTICA Elite O Elite é a solução mais completa de fototerapia mundial com excelente performance no tratamento de acne, manchas na pele, olheiras, marcas

Leia mais

PROGRAMA III CONGRESSO IBERO-AMERICANO FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL SAÚDE E BEM-ESTAR LOCAL: ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE- POLITÉCNICO DO PORTO

PROGRAMA III CONGRESSO IBERO-AMERICANO FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL SAÚDE E BEM-ESTAR LOCAL: ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE- POLITÉCNICO DO PORTO LOCAL: ESCOLA SUPERIOR DE SAÚDE- POLITÉCNICO DO PORTO PROGRAMA III CONGRESSO IBERO-AMERICANO FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL SAÚDE E BEM-ESTAR Organização Apoios 936 461 629 252 119 626 geral@workapt.com

Leia mais

PULPOPATIAS 30/08/2011

PULPOPATIAS 30/08/2011 Funções da polpa PULPOPATIAS Produtora Nutrição Sensorial Protetora Biologicamente, é a dentina que forma a maior parte do dente e mantém íntima relação com a polpa dental, da qual depende para sua formação

Leia mais

Aplicação da Terapia Fotodinâmica e Laserterapia em Implantodontia

Aplicação da Terapia Fotodinâmica e Laserterapia em Implantodontia Aplicação da Terapia Fotodinâmica e Laserterapia em Implantodontia Juliana Marotti 1, Pedro Tortamano Neto 2, Dieter Weingart 3 1 Doutoranda do Departamento de Prótese da Faculdade de Odontologia da USP,

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

02/06/2010. Derrame Pleural. Sarcoidose

02/06/2010. Derrame Pleural. Sarcoidose Doenças Restritivas São aquelas nas quais a expansão do pulmão é restringida por causa de alterações no parênquima pulmonar ou por causa de doenças da pleura, da parede torácica ou do aparelho neuromuscular

Leia mais

Profº André Montillo

Profº André Montillo Profº André Montillo www.montillo.com.br Sistema Imunológico Simples: Não Antecipatório / Inespecífico Sistema Imune Antígeno Específico: Antecipatório Sistema Imunológico Simples: Não Antecipatório /

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao(à) médico (a)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao(à) médico (a) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

REAÇÕES CUTÂNEAS X DOENÇAS INFECCIOSAS E/OU INFECTO CONTAGIOSAS COMO DESTINGUIR?

REAÇÕES CUTÂNEAS X DOENÇAS INFECCIOSAS E/OU INFECTO CONTAGIOSAS COMO DESTINGUIR? REAÇÕES CUTÂNEAS X DOENÇAS INFECCIOSAS E/OU INFECTO CONTAGIOSAS COMO DESTINGUIR? CUIDADOS COM O PACIENTE, SEUS ACESSÓRIOS E PROFISSIONAIS ENVOLVIDOS NO TRATAMENTO ALEXANDRE DE S. BARROS Enfermeiro - Radioterapia

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

LASER. Prof. Gabriel Villas-Boas

LASER. Prof. Gabriel Villas-Boas LASER Prof. Gabriel Villas-Boas INTRODUÇÃO O termo Laser constitui-se numa sigla que significa: Amplificação da Luz por Emissão Estimulada da Radiação. Esta radiação é constituída por ondas eletromagnéticas,

Leia mais

POSTPARTUM DEEP OSCILLATION PERSONAL POSTPARTUM

POSTPARTUM DEEP OSCILLATION PERSONAL POSTPARTUM POSTPARTUM DEEP OSCILLATION PERSONAL POSTPARTUM Seguro e altamente eficaz no da dor dos seios pós parto e dos canais de leite tapados. Alivio de dor, cicatrização mais rápida e melhoria da ferida cirúrgica

Leia mais

Mecânica Quântica. Corpo negro: Espectro de corpo negro, catástrofe do ultravioleta, Leis de Rayleigh e Jeans, Hipótese de Planck

Mecânica Quântica. Corpo negro: Espectro de corpo negro, catástrofe do ultravioleta, Leis de Rayleigh e Jeans, Hipótese de Planck Mecânica Quântica Corpo negro: Espectro de corpo negro, catástrofe do ultravioleta, Leis de Rayleigh e Jeans, Hipótese de Planck...numa reunião em 14/12/1900, Max Planck apresentou seu artigo Sobre a teoria

Leia mais

Inflamação aguda e crônica. Profa Alessandra Barone

Inflamação aguda e crônica. Profa Alessandra Barone e crônica Profa Alessandra Barone Inflamação Inflamação Resposta do sistema imune frente a infecções e lesões teciduais através do recrutamento de leucócitos e proteínas plasmáticas com o objetivo de neutralização,

Leia mais

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL

DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL DISCIPLINA DE PATOLOGIA GERAL INFLAMAÇÃO CRÔNICA PARTE 4 http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2013 INFLAMAÇÃO CRÔNICA Inflamação de duração prolongada na qual a inflamação

Leia mais

4.2. Avaliação do processo de cicatrização em modelo in vivo

4.2. Avaliação do processo de cicatrização em modelo in vivo Resultados 60 4.2. valiação do processo de cicatrização em modelo in vivo 4.2.1. valiação do tamanho da Lesão pós o procedimento cirúrgico as lesões do lado direito foram tratadas com o peptídeo 4 na concentração

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem. Título: Avaliação do paciente com feridas causadas por animais peçonhentos

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem. Título: Avaliação do paciente com feridas causadas por animais peçonhentos Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Hospital Universitário Professor Polydoro Ernani de São Thiago do HU/UFSC Título: Avaliação do paciente com feridas causadas por animais

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Laserterapia aplicada à implantodontia: análise comparativa entre diferentes protocolos de irradiação

Laserterapia aplicada à implantodontia: análise comparativa entre diferentes protocolos de irradiação Laserterapia aplicada à implantodontia: análise comparativa entre diferentes protocolos de irradiação Laser therapy applied to dental implants: a comparative analysis of different irradiation protocols

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA

PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA PATOLOGIA E CLÍNICA CIRÚRGICA HÉRNIAS RENATO LINHARES SAMPAIO INTRODUÇÃO CONCEITO É A PROTRUSÃO, INSINUAÇÃO OU PASSAGEM DE UM ÓRGÃO OU PARTE DELE, DE SUA CAVIDADE ORIGINAL PARA OUTRA VIZINHA, ATRAVÉS DE

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico (a)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico (a) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico (a)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico (a) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

CAPÍTULO SUMÁRIO. CAPÍTULO 1 Histórico da implantodontia dentária: da antiguidade aos dias de hoje 1. CAPÍTULO 2 Anatomia maxilar e mandibular 13

CAPÍTULO SUMÁRIO. CAPÍTULO 1 Histórico da implantodontia dentária: da antiguidade aos dias de hoje 1. CAPÍTULO 2 Anatomia maxilar e mandibular 13 CAPÍTULO SUMÁRIO CAPÍTULO 1 Histórico da implantodontia dentária: da antiguidade aos dias de hoje 1 I Período antigo (a.c. a 1000 d.c.)... 1 A Localização geográfica... 1 B Materiais utilizados... 1 C

Leia mais

TÍTULO: USO DO PLASMA SANGUÍNEO EM GEL NA CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: USO DO PLASMA SANGUÍNEO EM GEL NA CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: USO DO PLASMA SANGUÍNEO EM GEL NA CICATRIZAÇÃO DE FERIDAS CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao(à) médico (a)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao(à) médico (a) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

Caracterização de uma radiação electromagnética

Caracterização de uma radiação electromagnética Caracterização de uma radiação electromagnética Todas as radiações electromagnéticas são caracterizadas pela sua frequência e comprimento de onda. A frequência é o número de vezes que uma onda se repete

Leia mais

The ultimate laser technology

The ultimate laser technology DepilSHRSaçãso a Laser SHLR (Super HairLazerL Removal), máquina de última geração. DepilaçãoLL a Laser sem dor, para todo o tipo de peles e pêlos. Laser SHR The ultimate laser technology Depilação a Laser

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CÂMPUS DE ARAÇATUBA - FACULDADE DE ODONTOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CÂMPUS DE ARAÇATUBA - FACULDADE DE ODONTOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CÂMPUS DE ARAÇATUBA - FACULDADE DE ODONTOLOGIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA X INTEGRAL NOTURNO PLANO DE ENSINO Disciplina: Departamento:

Leia mais

1. Introdução. Pós Graduando em Procedimentos Estéticos e Pré e Pós Operatório 2

1. Introdução. Pós Graduando em Procedimentos Estéticos e Pré e Pós Operatório 2 1 O uso do laser de baixa intensidade para acelerar o processo de reparo tecidual objetivando prevenir ou melhorar as sequelas decorrentes de queimadura: uma revisão bibliográfica Keitiane Monteiro de

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

TROCANDO IDÉIAS XX. MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia?

TROCANDO IDÉIAS XX. MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia? TROCANDO IDÉIAS XX MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia? Gutemberg Almeida ISSVD UFRJ ABPTGIC Carcinoma Microinvasor IA1 - Invasão do estroma < 3 mm em profundidade e < 7 mm em extensão IA2 - Invasão

Leia mais

APLICAÇÃO DA LASERTERAPIA NA SENSIBILIDADE DENTÁRIA APÓS O CLAREAMENTO DENTAL EM CONSULTÓRIO

APLICAÇÃO DA LASERTERAPIA NA SENSIBILIDADE DENTÁRIA APÓS O CLAREAMENTO DENTAL EM CONSULTÓRIO APLICAÇÃO DA LASERTERAPIA NA SENSIBILIDADE DENTÁRIA APÓS O CLAREAMENTO DENTAL EM CONSULTÓRIO Kaiza de Sousa Santos(1); Nayla Fernandes Dantas Muniz(2); Camila Lima de Oliveira(3); Douglas Benicio Barros

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico (a) assistente, o Dr.(a),

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

EFEITOS DO LED E LASER EM ÚLCERAS VENOSAS: REVISÃO NARRATIVA DA LITERATURA EFFECTS OF LED AND LASER IN VENOUS ULCERS : NARRATIVE LITERATURE REVIEW

EFEITOS DO LED E LASER EM ÚLCERAS VENOSAS: REVISÃO NARRATIVA DA LITERATURA EFFECTS OF LED AND LASER IN VENOUS ULCERS : NARRATIVE LITERATURE REVIEW 34 EFEITOS DO LED E LASER EM ÚLCERAS VENOSAS: REVISÃO NARRATIVA DA LITERATURA EFFECTS OF LED AND LASER IN VENOUS ULCERS : NARRATIVE LITERATURE REVIEW GUEDES, Juliana Santos 1 ; CALDAS, Ransmiler da Silva

Leia mais

INFECÇÃO EM CIRURGIA. Prof. Gustavo Santos

INFECÇÃO EM CIRURGIA. Prof. Gustavo Santos INFECÇÃO EM CIRURGIA Prof. Gustavo Santos "i sing and play the guitar and i'm a walking, talking bacterial infection" - Kurt Cobain INTRODUÇÃO Incidência sempre temível Imaginologia fundamental para o

Leia mais

PARECER COREN-SP 009 /2014 CT PRCI n /2012 Ticket n :

PARECER COREN-SP 009 /2014 CT PRCI n /2012 Ticket n : PARECER COREN-SP 009 /2014 CT PRCI n 102679/2012 Ticket n : 294.825 Ementa: Utilização do Laser de Baixa Intensidade (LBI) pelo enfermeiro. 1. Do fato Enfermeiras solicitam parecer acerca da utilização

Leia mais

Eficácia da laserterapia como recurso fisioterapêutico em úlceras do pé diabético

Eficácia da laserterapia como recurso fisioterapêutico em úlceras do pé diabético 1 Eficácia da laserterapia como recurso fisioterapêutico em úlceras do pé diabético Naylla Morais de Souza 1 naylla.morais@gmail.com Dayana Priscila Maia Mejia² Pós-graduação em Fisioterapia em Ortopedia

Leia mais

APLICAÇÃO DE LASERTERAPIA EM ÚLCERA DE PRESSÃO EM PACIENTES COM LESÃO MEDULAR UM RELATO DE CASO.

APLICAÇÃO DE LASERTERAPIA EM ÚLCERA DE PRESSÃO EM PACIENTES COM LESÃO MEDULAR UM RELATO DE CASO. APLICAÇÃO DE LASERTERAPIA EM ÚLCERA DE PRESSÃO EM PACIENTES COM LESÃO MEDULAR UM RELATO DE CASO. MAYARA CRISTINA MORELLO DA SILVA DAYANE DOS SANTOS VERONESE FACULDADE ASSIS GURGACZ CASCAVEL - PARANÁ BRASIL

Leia mais

FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL COM PATRICIA FROES (NOV 2017) - LISBOA

FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL COM PATRICIA FROES (NOV 2017) - LISBOA FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL COM PATRICIA FROES (NOV 2017) - LISBOA Esta é uma formação bastante completa na área de corporal e facial que está estruturada sob uma perspetiva de revolução de conceitos

Leia mais

- termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um. - Considerado aneurisma dilatação de mais de 50% num segmento vascular

- termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um. - Considerado aneurisma dilatação de mais de 50% num segmento vascular Doenças Vasculares Aneurisma A palavra aneurisma é de origem grega e significa Alargamento. - termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um segmento vascular. - Considerado aneurisma dilatação

Leia mais

Resolução CNRM Nº 11, de 10 de agosto de 2005

Resolução CNRM Nº 11, de 10 de agosto de 2005 Resolução CNRM Nº 11, de 10 de agosto de 2005 Dispõe sobre conteúdos do Programa de Residência Médica de Cirurgia Geral e Cirurgia Geral Programa Avançado. O Presidente da Comissão Nacional de Residência

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais

NERVITON MEGA Ômega Vitaminas + 8 Minerais

NERVITON MEGA Ômega Vitaminas + 8 Minerais M.S. 6.6969.0023.001-6 NERVITON MEGA Ômega 3 + 13 Vitaminas + 8 Minerais NERVITON MEGA é um produto inovador no Brasil, pois possui em sua fórmula o óleo de peixe ( ÔMEGA 3 ) e diversas vitaminas e minerais

Leia mais

TESTE DE AVALIAÇÃO. 02 novembro 2013 Duração: 30 minutos. Organização NOME: Escolha, por favor, a resposta que considera correta.

TESTE DE AVALIAÇÃO. 02 novembro 2013 Duração: 30 minutos. Organização NOME: Escolha, por favor, a resposta que considera correta. TESTE DE AVALIAÇÃO 02 novembro 2013 Duração: 30 minutos NOME: Escolha, por favor, a resposta que considera correta. 1. São indicação para a realização de RM todas as situações, excepto: ( 1 ) Mulher com

Leia mais

Trauma. Primeiros Socorros. Trauma. Trauma. Trauma. Trauma. Conceito. Objetivos: Classificação Mecanismos. Mecanismos. Energia

Trauma. Primeiros Socorros. Trauma. Trauma. Trauma. Trauma. Conceito. Objetivos: Classificação Mecanismos. Mecanismos. Energia Primeiros Socorros Objetivos: Conceito Acontecimentos não previstos e indesejáveis que, de forma mais ou menos violenta, atingem indivíduos neles envolvidos, produzindo-lhes alguma forma de lesão ou dano.

Leia mais

ADENOMA PLEOMÓRFICO: DESAFIOS DO TRATAMENTO A Propósito de Um Caso Clínico

ADENOMA PLEOMÓRFICO: DESAFIOS DO TRATAMENTO A Propósito de Um Caso Clínico Serviço de Radioterapia Directora de Serviço: Dra. Gabriela Pinto ADENOMA PLEOMÓRFICO: DESAFIOS DO TRATAMENTO A Propósito de Um Caso Clínico Rita da Costa Lago / Darlene Rodrigues / Joana Pinheiro / Lurdes

Leia mais

Funções: distribuição de substâncias (nutrientes, gases respiratórios, produtos do metabolismo, hormônios, etc) e calor.

Funções: distribuição de substâncias (nutrientes, gases respiratórios, produtos do metabolismo, hormônios, etc) e calor. Funções: distribuição de substâncias (nutrientes, gases respiratórios, produtos do metabolismo, hormônios, etc) e calor Componentes: Vasos sanguíneos, Coração, Sangue http://www.afh.bio.br/cardio/cardio3.asp

Leia mais

FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL COM PATRICIA FROES (NOV 2016) - PORTO

FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL COM PATRICIA FROES (NOV 2016) - PORTO FISIOTERAPIA DERMATOFUNCIONAL COM PATRICIA FROES (NOV 2016) - PORTO Esta é uma formação bastante completa na área de corporal e facial que está estruturada sob uma perspetiva de revolução de conceitos

Leia mais