STV 15 SET na figura acima a freqüência das variações do sinal de onda quadrada da câmera mostradas no topo do padrão xadrez é de 0,11 MHz

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "STV 15 SET na figura acima a freqüência das variações do sinal de onda quadrada da câmera mostradas no topo do padrão xadrez é de 0,11 MHz"

Transcrição

1 STV 15 SET FREQÜÊNCIAS DE VÍDEO ASSOCIADAS COM A VARREDURA HORIZONTAL no padrão xadrez da figura acima, o sinal de onda quadrada no topo representa as variações do sinal da câmera do sinal composto de vídeo obtida em uma linha da varredura horizontal pode-se calcular a freqüência desta onda quadrada o cálculo da freqüência das variações do sinal da câmera é muito importante para se concluir quanto a possibilidade do sistema de televisão poder transmitir ou reproduzir a informação de imagem correspondente para se determinar a freqüência de qualquer variação de sinal, o tempo (período) para um ciclo completo deve ser conhecido um ciclo inclui o tempo de um ponto na forma de onda do sinal para o próximo ponto sucessivo que possua a mesma magnitude e direção a freqüência é a recíproca do período por exemplo, o período para a varredura de uma linha horizontal é 1 / s e a freqüência de varredura da linha é de Hz as variações dos sinais da câmera dentro de uma linha horizontal, necessariamente possuem um período mais curto: uma freqüência maior um ciclo completo do sinal da câmera da figura inclui a informação em dois elementos de imagem adjacentes, um branco e outro preto somente após a varredura do segundo quadrado é que o sinal da câmera possui a mesma magnitude e direção como no início do primeiro quadrado para se encontrar a freqüência das variações do sinal da câmera, determina-se quanto tempo decorre para se varrer dois quadrados adjacentes o tempo é o período para um ciclo do sinal da câmera calculo do período de um ciclo completo das variações do sinal da câmera na figura acima: o período para a varredura da linha horizontal será 1 / s ou 63,5 µs incluindo o traço e o retraço o tempo de apagamento horizontal de 0,16 63,5 10,2 µs tempo restante para o traço visível é de 53,3 µs tempo necessário para se varrer todos os elementos de imagem numa linha os 12 quadrados numa linha serão varridos em 53,3 µs tempo T menor será necessário para se varrer dois quadrados: 2 / 12 ou 1 / 6, de 53,3 µs T = 1 / 6 53,3 = 8,8 µs o período para um ciclo completo do sinal de onda quadrada é T, e a freqüência f = 1 T f = 1 T = 1 8,8 µs = 0,11MHz na figura acima a freqüência das variações do sinal de onda quadrada da câmera mostradas no topo do padrão xadrez é de 0,11 MHz INFORMAÇÃO TÍPICA DE IMAGEM quando uma imagem típica for varrida, as áreas distribuídas de claro e escuro não produzem um sinal de onda quadrada simétrica as diferenças de claro e escuro correspondem às mudanças na amplitude do sinal da câmera a freqüência das variações resultantes do sinal da câmera sempre depende do tempo necessário para se varrer áreas adjacentes com diferentes valores de luz quando grandes objetos com um nível de branco, cinza ou preto constante forem varridos, as variações correspondentes do sinal da câmera, terão freqüências menores a razão é o tempo relativamente longo entre as mudanças em amplitude áreas menores de luz e sombra serão varridas com freqüências de vídeo mais altas

2 STV 15 SET os sinais de freqüências mais altas correspondem a variações entre elementos de imagem muito pequenos em uma linha horizontal, especialmente a borda vertical entre uma área branca e uma preta FREQÜÊNCIAS DE VÍDEO ASSOCIADAS COM A VARREDURA VERTICAL no extremo oposto, as variações do sinal que correspondem aos elementos de imagem adjacentes na direção vertical possuem baixas freqüências porque a freqüência de varredura vertical é comparativamente pequena as variações entre uma linha e a próxima correspondem a uma freqüência de aproximadamente 10 khz mudanças menores sobre grandes distâncias na varredura vertical ocorrem em freqüências menores a freqüência muito baixa de 30 Hz corresponde a variações no nível de luz entre dois campos sucessivos FREQÜÊNCIAS DE VÍDEO E INFORMAÇÃO DE IMAGEM a figura abaixo ilustra como o tamanho da informação de imagem se relaciona com as freqüências de vídeo o corpo principal da imagem está na figura (a) em (b) a mesma com somente as grandes áreas de preto e branco estas freqüências de vídeo se estendem até 100 khz os detalhes com bordas e contornos nítidos são preenchidos pelas maiores freqüências de vídeo de 0,1 a 4 MHz mostradas na figura (c) a b c pode-se observar que a cobertura da construção é reproduzida em (b), mas seus detalhes necessitam da reprodução de alta freqüência um exemplo prático: é muito mais fácil observar-se uma imagem nítida de perto do que de longe em uma tomada mostrando apenas o rosto de uma pessoa, até mesmo os fios das sobrancelhas não são tão pequenos com relação às dimensões da imagem esta informação de imagem não necessita de uma freqüência muito alta, e assim a reprodução pode ser nítida e clara em observações a longa distância, os pequenos detalhes da cena serão demasiadamente pequenos para serem reproduzidos observando-se o vídeo em cores, as partes de perto e o fundo parecem bons por causa das freqüências relativamente baixas da informação da imagem de longa distância especificamente, a informação de cores é incluída na imagem de televisão somente para freqüências de vídeo até aproximadamente 0,5 MHz, na maioria dos receptores NÚMERO MÁXIMO DE ELEMENTOS DE IMAGEM considerando-se o padrão em tabuleiro de xadrez, 2ª figura acima, com muito mais quadrados, o número máximo de elementos de imagem pode ser calculado considerando-se cada quadrado como um elemento de imagem o número total de elementos de imagens na área é igual ao número máximo de detalhes numa linha horizontal, multiplicados pelos detalhes numa linha vertical os detalhes horizontais e verticais devem ser considerados separadamente numa imagem de televisão por causa do processo de varredura para detalhes horizontais, o problema está na determinação de quantos elementos correspondem ao limite de alta freqüência do sinal de vídeo de 4MHz o detalhe vertical envolve a questão de quantos elementos podem ser mostrados pelas linhas de varredura DETALHE HORIZONTAL MÁXIMO procedendo da mesma maneira como na seção anterior, pode-se encontrar o número de elementos correspondentes a 4 MHz, chegando-se ao número máximo de elementos de imagem numa linha horizontal e ao tamanho do menor detalhe horizontal possível o período de um ciclo completo para uma variação de sinal de 4 MHz é dado por

3 STV 15 SET / = 0,25µs tempo necessário para se varrer dois elementos de imagem adjacentes desde que dois elementos podem ser varridos em 0,25 µs, oito elementos poderão ser varridos em 1 µs finalmente, 8 x 53,3 = 426 elementos de imagem podem ser varridos durante o período de linha ativa inteira de 53,3 µs havendo 426 quadrados na direção horizontal no padrão xadrez anterior, então as variações resultantes do sinal da câmera produzem um sinal de 4 MHz RELAÇÃO DE UTILIZAÇÃO E DETALHE VERTICAL cada linha de varredura pode representar somente um detalhe na direção vertical contudo, uma linha de varredura pode deixar de representar um detalhe vertical completamente além disso, duas linhas podem ficar sobrepostas num elemento de imagem o problema no estabelecimento de detalhes verticais úteis está em se determinar quantos elementos de imagem podem ser reproduzidos para um dado número de linhas de varredura o número de linhas de varredura úteis na representação dos detalhes verticais divididos pelo número total de linhas de varredura visíveis é a relação de utilização cálculos teóricos e testes experimentais mostram que a relação de utilização varia de 0,6 a 0,8 para diferentes imagens com conteúdos de imagem típicos pode-se utilizar 0,7 como uma média agora o número máximo possível de elementos verticais pode ser determinado o número de linhas visíveis é de 525 menos aquelas varridas durante o apagamento vertical com um tempo de apagamento vertical de 8%, o número de linhas apagadas para o quadro inteiro será de 0,08 x 525, ou aproximadamente 42 linhas algumas destas linhas ocorrem durante o retraço vertical, e outras serão varridas no topo ou na parte inferior do quadro, mas todas serão apagadas portanto, = 483 linhas visíveis permanecerão com uma relação de utilização de 0,7 o número de linhas úteis para os detalhes verticais fica: 483 x 0,7 = 338 este valor representa o número de linhas de varredura efetivas portanto, o número máximo de detalhes verticais que podem ser reproduzidos com 483 linhas de varredura visíveis é cerca de 338, com o valor exato dependendo da relação de utilização NÚMERO TOTAL DE ELEMENTOS DE IMAGEM com base nos cálculos anteriores, o número máximo de elementos de imagem possíveis para uma imagem inteira será de 426 x 338, ou cerca de 144 mil este número é independente do tamanho da tela um quadro de um filme de cinema de 35 mm possui cerca 500 mil elementos de imagem o padrão de 16 mm contém um quarto desse valor, ou cerca de 125 mil assim, a reprodução televisada pode possuir aproximadamente a mesma quantidade de detalhes dos filmes de 16 mm COMPONENTE CONTÍNUA DO SINAL DE VÍDEO em adição às contínuas variações de amplitude para elementos de imagem individuais, o valor médio do sinal de vídeo deve corresponder ao brilho médio na cena caso contrário o receptor não poderia seguir as mudanças no brilho como um exemplo da importância do nível de brilho, o sinal alternado da câmera para um elemento de imagem cinza num fundo preto será o mesmo para um branco num fundo cinza, assumindo-se que não haja informação do brilho médio para indicar a mudança no fundo o nível médio de um sinal é a média aritmética de todos os valores instantâneos medidos do eixo zero na figura acima, o nível médio em (a) é maior do que em (b), porque as variações do sinal da câmera possuem maiores amplitudes o valor médio de qualquer variação de sinal para um ciclo completo é sua componente contínua

4 STV 15 SET portanto, a componente contínua em (a) está mais próxima do nível preto do que em (b) embora tenha-se ilustrado aqui para uma linha de varredura (por conveniência), a componente contínua do sinal de vídeo é seu valor médio para quadros completos, já que a informação de fundo do quadro indica o brilho da cena quando o valor médio, ou componente contínua, do sinal de vídeo estiver próximo do nível preto, como em (a), o brilho médio é escuro as mesmas variações de sinal na figura (b) possuem um fundo mais iluminado porque o nível médio está mais distante do nível preto a distância entre o eixo médio e o nível de apagamento é chamada de altura de pedestal do sinal de vídeo, como mostrado na figura (b) o sinal para uma cena clara possui uma altura de pedestal maior do que para uma cena escura observa-se que um nível contínuo incorreto resulta em um brilho errado este efeito está ilustrado na figura abaixo sem a componente contínua, a informação de imagem é excessivamente escura esta imagem exige uma maior altura de pedestal por causa do fundo branco o sinal transmitido possui o nível contínuo médio correto, mas ele pode ser perdido pelo acoplamento capacitivo no amplificador de vídeo em TV monocromática, a componente contínua errada causará somente o brilho incorreto na televisão em cores, a componente contínua é necessária para produzir as cores corretas GAMA E CONTRASTE NA IMAGEM gama é um fator numérico utilizado em televisão e reprodução de vídeo para indicar como valores de luz são expandidos ou comprimidos com referência à figura acima o expoente das equações para as curvas é chamado de gama o valor numérico de gama é igual à inclinação da parte da curva onde ela sobe mais rapidamente uma curva com uma gama menor do que 1 é curvada para baixo, como em (a) a maior inclinação ocorrendo no início e a parte relativamente plana ocorrendo no final quando gama for maior que 1, a curva está curvada para cima, como na figura (b) a curva no início é relativamente plana enquanto que no final é inclinada com um gama de 1, o resultado será uma linha reta, como na figura (c) e a inclinação é constante um gama de 1 implica uma característica linear nenhum dos valores de luz é realçado quando gama for maior do que 1: para as partes brancas da imagem, a imagem reproduzida aparecerá com excesso de contraste porque o aumento no nível do branco será expandido pela inclinação da curva dando ênfase às partes brancas da imagem filmes comerciais mostrados em cinemas escuros possuem esta aparência de alto contraste quando o valor de gama for menor do que 1: para as partes brancas da imagem as mudanças no nível de branco são comprimidas, fazendo com que a imagem pareça mais suave, com as gradações no nível cinza mais evidentes

5 STV 15 SET pode-se atribuir a qualquer componente do sistema de televisão um valor de gama para descrever a forma de sua curva de respostas e características de contraste como um exemplo típico: os tubos de imagem possuem curvas características de controle conforme ilustrado em (b) na figura acima a tensão do sinal de vídeo está sempre na grade de controle do tubo de imagem com a polaridade exigida para fazer as variações do sinal correspondentes às partes brancas da imagem caírem na parte da curva de resposta com uma inclinação acentuada como resultado, a variação na amplitude do sinal de vídeo no nível branco produzirá uma maior mudança na corrente do feixe e no brilho da tela do que em nível mais escuro os tubos de imagem enfatizam as partes brancas da imagem, portanto, com valores típicos de gama de 2,2 até 3,5 filmes comerciais possuem um gama maior do que 1, com um valor médio de 1,5 os amplificadores que utilizam operação linear, como em (c), possuem um gama muito próximo da unidade a resposta em linha reta mostra que o sinal de saída é proporcional ao sinal de entrada nenhum nível de sinal tem ênfase especial um amplificador pode ser projetado para operar sobre a parte curva de sua característica de transferência pelo deslocamento de sua tensão de operação um amplificador não-linear pode se utilizado como um estágio de controle gama um valor gama de 0,4545 compensa o valor de 2,22, dando um gama total de 1

REGULAMENTO TÉCNICO PARA A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS E DE RETRANSMISSÃO DE TELEVISÃO

REGULAMENTO TÉCNICO PARA A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS E DE RETRANSMISSÃO DE TELEVISÃO ANEXO À CONSULTA PÚBLICA N 179, DE 27 DE SETEMBRO DE 1999 REGULAMENTO TÉCNICO PARA A PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS E DE RETRANSMISSÃO DE TELEVISÃO 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

PARTE I SISTEMA DE TV DIGITAL

PARTE I SISTEMA DE TV DIGITAL PARTE I SISTEMA DE TV DIGITAL Sistema de TV Digital 1 INTRODUÇÃO 1.1 Histórico Em julho de 1941, a Comissão Federal de Comunicações Norte-Americana, Federal Communications Commission (FCC), autorizou o

Leia mais

Tensão à entrada do osciloscópio. nº divisões no ecrã 30 V... 3 V... 1,5 div 10 V... 1 V... 0,5 div 0 V... 0 V... 0 div 30 V... 1 V...

Tensão à entrada do osciloscópio. nº divisões no ecrã 30 V... 3 V... 1,5 div 10 V... 1 V... 0,5 div 0 V... 0 V... 0 div 30 V... 1 V... 1 Considere o sinal periódico indicado na fig. 1: +30-10 -30 0 1 2 3 4 5 6 7 Fig. 1. a) Esboce a imagem que observaria num osciloscópio com ecrã de 10 10 divisões, utilizando uma ponta de prova atenuadora

Leia mais

aceitável. A própria imagem nestes monitores apresenta uma qualidade inferior, devido ao baixo contraste. Os LCDs de matriz ativa já apresentam uma

aceitável. A própria imagem nestes monitores apresenta uma qualidade inferior, devido ao baixo contraste. Os LCDs de matriz ativa já apresentam uma Monitores O monitor tem uma importância vital, pois em conjunto com a placa de vídeo forma o principal meio de comunicação entre a máquina e nós. Os factores que diferenciam os inúmeros modelos de monitores

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 VERIFICAÇÃO FUNCIONAL Esta rápida verificação deve ser executada para comprovar se o instrumento está funcionando corretamente. Ligue o instrumento

Leia mais

Criar trabalhos realistas com o preenchimento de malha

Criar trabalhos realistas com o preenchimento de malha Criar trabalhos realistas com o preenchimento de malha Ariel Garaza Díaz Nascido em Montevidéu, Uruguai, Ariel vive e trabalha em Madri, Espanha. Ele é designer profissional desde 1980 e usuário de softwares

Leia mais

Instruçoes para fotos biométricas - República da Eslovênia

Instruçoes para fotos biométricas - República da Eslovênia Instruçoes para fotos biométricas - República da Eslovênia Recomendações do Ministério das Relações Exteriores da República da Eslovênia para as fotos biométricas: o o tamanho da foto: 3,5 x 4,5 cm o o

Leia mais

Aula 2 Aquisição de Imagens

Aula 2 Aquisição de Imagens Processamento Digital de Imagens Aula 2 Aquisição de Imagens Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira mvieira@sc.usp.br EESC/USP Fundamentos de Imagens Digitais Ocorre a formação de uma imagem quando

Leia mais

Notas sobre os instrumentos

Notas sobre os instrumentos 8 ircuitos de corrente alternada Notas sobre os instrumentos A. Precisão de alguns instrumentos: Antes de desperdiçar tempo querendo medir com mais precisão do que os instrumentos permitem, tenha presente

Leia mais

Sistemas de Controlo/Comutação de Matriz Allegiant da Série LTC 8x00 - Integrados

Sistemas de Controlo/Comutação de Matriz Allegiant da Série LTC 8x00 - Integrados CCTV Sistemas de Controlo/Comutação de Matriz Allegiant da Série LTC 8x - Integrados Sistemas de Controlo/Comutação de Matriz Allegiant da Série LTC 8x - Integrados Modelos com um mínimo de 8 câmaras e

Leia mais

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC

Tipos de Medidores MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Tipos de Medidores Medidor não-integrativo; Medidor integrativo; Medidor do valor médio retificado; Medidor de valor de pico; Medidor de valor eficaz. MEDIDOR NÃO-INTEGRATIVO CC Processa o sinal CC sem

Leia mais

ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO

ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO 1 Introdução O osciloscópio é basicamente um dispositivo de visualização gráfico que mostra sinais elétricos no tempo. O osciloscópio pode ser

Leia mais

PRÉ-VESTIBULAR Física

PRÉ-VESTIBULAR Física PRÉ VESTIBULAR Física / / PRÉ-VESTIBULAR Aluno: Nº: Turma: Exercícios Fenômenos Lista de sites com animações (Java, em sua maioria) que auxiliam a visualização de alguns fenômenos: Reflexão e refração:

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída Dispositivos de Entrada e Saída Prof. Márcio Bueno {cgtarde,cgnoite}@marciobueno.com Fonte: Material do Prof. Robson Pequeno de Sousa e do Prof. Robson Lins Dispositivos de Entrada Teclado, Mouse, Trackball,

Leia mais

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA

FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA FÍSICA - 3 o ANO MÓDULO 31 ONDULATÓRIA x = Como pode cair no enem (ENEM) Os radares comuns transmitem micro-ondas que refletem na água, gelo e outras partículas na atmosfera. Podem, assim,

Leia mais

Colégio Jesus Adolescente

Colégio Jesus Adolescente Colégio Jesus Adolescente Ensino Médio 1º Bimestre Disciplina Física Setor B Série 9º ANO Professor Gnomo Lista de Exercício Mensal Capitulo 1 1) A figura a seguir representa, nos instantes t = 0s e t

Leia mais

o tratamento do sinal de vídeo no âmbito da televisão digital

o tratamento do sinal de vídeo no âmbito da televisão digital 1 o tratamento do sinal de vídeo no âmbito da televisão digital é indiscutível o fato de que a televisão tenha se tornado o principal meio de comunicação em massa do ponto de vista técnico, desde o estabelecimento

Leia mais

Uma empresa que já atua há tanto tempo no mercado de maneira tão sólida e vitoriosa precisa portar-se institucionalmente, através dos tempos, de um

Uma empresa que já atua há tanto tempo no mercado de maneira tão sólida e vitoriosa precisa portar-se institucionalmente, através dos tempos, de um Uma empresa que já atua há tanto tempo no mercado de maneira tão sólida e vitoriosa precisa portar-se institucionalmente, através dos tempos, de um modo que justifique e reafirme o seu lugar na vanguarda.

Leia mais

Uma empresa que já atua há tanto tempo no mercado de maneira tão sólida e vitoriosa precisa, através dos tempos, portar-se institucionalmente de um

Uma empresa que já atua há tanto tempo no mercado de maneira tão sólida e vitoriosa precisa, através dos tempos, portar-se institucionalmente de um Uma empresa que já atua há tanto tempo no mercado de maneira tão sólida e vitoriosa precisa, através dos tempos, portar-se institucionalmente de um modo que justifique e reafirme o seu lugar na vanguarda.

Leia mais

- - - - , # %!# %!&2# %! %! #34 %!! 5 %!!# ! / Curso de Osciloscópio 2

- - - - , # %!# %!&2# %! %! #34 %!! 5 %!!# ! / Curso de Osciloscópio 2 - - - -! "#$ %&#'()$ %&*#'+, #!- "#.$ %# % %01 %!# %!&2# %! %! '#34 %! #34 %!! 5 %!!# 67'8 # 6 9 -)!6*! Curso de Osciloscópio 2 !7! ): ;!! )1)!"& " )$ " ) "&)$ % % )# % ) %! *: 67; 67< ==7 < >7=0 6>0?&6=@&>

Leia mais

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt

defi departamento de física www.defi.isep.ipp.pt defi departamento de física Laboratórios de Física www.defi.isep.ipp.pt Estudo de micro-ondas I Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Física Rua Dr. António Bernardino de Almeida, 431

Leia mais

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Assessoria Especial para Modernização da Gestão Central de Compras e Contratações

Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Assessoria Especial para Modernização da Gestão Central de Compras e Contratações Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Assessoria Especial para Modernização da Gestão Central de Compras e Contratações PREGÃO ELETRÔNICO Nº 3/2015 PROCESSO Nº 04300.002982/2013-73 COMPLEMENTAÇÃO

Leia mais

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio Transmissão das Ondas Eletromagnéticas Prof. Luiz Claudio Transmissão/Recebimento das ondas As antenas são dispositivos destinados a transmitir ou receber ondas de rádio. Quando ligadas a um transmissor

Leia mais

TECNOLOGIA RADIOLÓGICA

TECNOLOGIA RADIOLÓGICA TECNOLOGIA RADIOLÓGICA Prof. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Aula 05 Qualidade Radiográfica Agenda Qualidade radiográfica, resolução, velocidade, d curva característica, ti densidade

Leia mais

Conceito Visual. Manual de aplicação de Marca

Conceito Visual. Manual de aplicação de Marca Conceito Visual Conceito Visual Qualidade e Durabilidade Principal característica a ser transmitida na comunicação, os produtos são feitos com alto padrão de qualidade e durabilidade, é o ponto mais forte

Leia mais

O vídeo. O vídeo. Sistemas analógicos de vídeo. O vídeo. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho

O vídeo. O vídeo. Sistemas analógicos de vídeo. O vídeo. 2001 Wilson de Pádua Paula Filho O vídeo O vídeo Interfaces de vídeo Sistemas de televisão: as características do sinal de vídeo são determinadas pelos padrões de televisão principais padrões existentes: televisão em preto-e-branco televisão

Leia mais

LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss

LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss LENTES ESFÉRICAS Fórmula de Gauss. (Unicamp 203) Um objeto é disposto em frente a uma lente convergente, conforme a figura abaixo. Os focos principais da lente são indicados com a letra F. Pode-se afirmar

Leia mais

Manual de Identidade Visual RIO +20

Manual de Identidade Visual RIO +20 Manual de Identidade Visual RIO +20 ÍNDICE Introdução 1. O selo 2. Aplicação principal 2.1. Construção 2.2. Aplicação em cores sólidas 2.3. Tons de cinza 2.4. Versões monocromáticas 2.5. Redução máxima

Leia mais

Antena Escrito por André

Antena Escrito por André Antena Escrito por André Antenas A antena é um dispositivo passivo que emite ou recebe energia eletromagnéticas irradiada. Em comunicações radioelétricas é um dispositivo fundamental. Alcance de uma Antena

Leia mais

Aparelhos de Laboratório de Electrónica

Aparelhos de Laboratório de Electrónica Aparelhos de Laboratório de Electrónica Este texto pretende fazer uma introdução sucinta às características fundamentais dos aparelhos utilizados no laboratório. As funcionalidades descritas são as existentes

Leia mais

Camada Física: Meios de transmissão não guiados

Camada Física: Meios de transmissão não guiados Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Meios de transmissão não guiados Transmissão sem Fio Pessoas cada vez mais dependente das redes; Alguns especialistas afirmam

Leia mais

MFG-4200 GERADOR DE FUNÇÃO DIGITAL MANUAL DE OPERAÇÃO

MFG-4200 GERADOR DE FUNÇÃO DIGITAL MANUAL DE OPERAÇÃO Capa Industria e Comércio Ltda MFG-4200 GERADOR DE FUNÇÃO DIGITAL MANUAL DE OPERAÇÃO ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 01 2. DESCRIÇÃO DOS PAINÉIS... 01 3. DESCRIÇÃO ELÉTRICA... 02 4. ESPECIFICAÇÕES.... 02 5. INSTALAÇÃO...

Leia mais

Exercícios de Óptica Conceitos básicos

Exercícios de Óptica Conceitos básicos COLÉGIO TIRADENTES DA POLÍCIA MILITAR BARBACENA MG POLÍCIA MILITAR DE MINAS GERAIS Exercícios de Recuperação de Física 1ª prova DATA: SOESP: Profª. Eliane Ensino Médio Série 2º Turmas 201-202-203 1ª etapa

Leia mais

Descritivo de produto. Fornecedor. www.pginstruments.com

Descritivo de produto. Fornecedor. www.pginstruments.com Descritivo de produto Fornecedor www.pginstruments.com ESPECTROFOTÔMETRO T90+ DESCRIÇÃO O T90 + é um espectrofotômetro duplo feixe de alto desempenho com largura de banda espectral variável 0.1. 0.2, 0.5,

Leia mais

Medidores de nível de combustível LLS 20160 е LLS-AF 20310

Medidores de nível de combustível LLS 20160 е LLS-AF 20310 Medidores de nível de combustível LLS 20160 е LLS-AF 20310 Conteúdo 1 INTRODUÇÃO... 3 2 DESCRIÇÃO E OPERAÇÃO... 4 2.1 USO DO PRODUTO... 4 2.2 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS... 4 2.2.1 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO OSCILOSCÓPIO MODELO OS-11

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO OSCILOSCÓPIO MODELO OS-11 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO OSCILOSCÓPIO MODELO OS-11 ICEL - Instr. e Comp. Eletro. Ltda www.icel-manaus.com.br icel@icel-manaus.com.br Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar

Leia mais

Instrumentos de Medidas II Osciloscópios

Instrumentos de Medidas II Osciloscópios Instrumentos de Medidas II Nesta prática iremos nos familiarizar com o uso de osciloscópios, mostrando algumas das funcionalidades desses instrumentos. Através de exemplos específicos mostraremos como

Leia mais

Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4

Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4 Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4 ÍNDICE Índice 1 Introdução 2 Equipamentos Utilizados 3 Modelo de Propagação do Sinal 5 Zona de Fresnel 6 Link

Leia mais

GUIA DO TRABALHO SOBRE APARELHOS DE MEDIDA

GUIA DO TRABALHO SOBRE APARELHOS DE MEDIDA GUIA DO TRABALHO SOBRE APARELHOS DE MEDIDA OBJECTIVO Familiarização com os instrumentos a usar nos trabalhos práticos posteriores (osciloscópio, painel didáctico, gerador de sinais, fonte de alimentação

Leia mais

Corrente Continua (DC) vs Corrente Alternada (AC)

Corrente Continua (DC) vs Corrente Alternada (AC) Introdução teórica aula 5: Osciloscópio e Gerador de Sinais Corrente Continua (DC) vs Corrente Alternada (AC) Ao final do século XIX o sistema de distribuição de energia Edison (Edison General Electric)

Leia mais

PORTARIA N o 276, DE 29 DE MARÇO DE 2010.

PORTARIA N o 276, DE 29 DE MARÇO DE 2010. PORTARIA N o 276, DE 29 DE MARÇO DE 2010. O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, tendo em vista o disposto

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO OSCILOSCÓPIO OS-102

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO OSCILOSCÓPIO OS-102 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO OSCILOSCÓPIO OS-102 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do osciloscópio ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...2 2. REGRAS DE SEGURANÇA...3 3. GERAL...5

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE FUNÇÕES MODELO GV-2002

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE FUNÇÕES MODELO GV-2002 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO GERADOR DE FUNÇÕES MODELO GV-2002 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do gerador ÍNDICE 1. Introdução... 01 2. Regras de segurança... 02

Leia mais

Introdução ao estudo dos osciladores

Introdução ao estudo dos osciladores Introdução ao estudo dos osciladores Os receptores de rádio modernos, que você usa em seu lar ou automóvel, contém osciladores. Todo transmissor usa um oscilador para produzir os sinais que transmite,.

Leia mais

Razão de Rejeição a Fonte de Potência (PSRR)

Razão de Rejeição a Fonte de Potência (PSRR) 215 Outra unidade que expressa de forma direta o efeito da CMRR. Pode ser obtida observando que a tensão de offset V CM é expressa por: V CM = V C. 1/CMRR = V C.CMRR -1 Agora como CMRR -1 expressa-lo em

Leia mais

Amplificador de Radiofreqüência

Amplificador de Radiofreqüência Laboratório de Telecomunicações 1 Amplificador de Radiofreqüência Objetivos Comportamentais 1 Identificar um estágio amplificador de radiofreqüência utilizado em um transmissor típico e medir as tensões

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de transmissão - Exemplos práticos Aula-05. Professor: Andrei Piccinini Legg.

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de transmissão - Exemplos práticos Aula-05. Professor: Andrei Piccinini Legg. UFSM-CTISM Comunicação de Dados - Exemplos práticos Aula-05 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Meio de é o caminho físico entre o transmissor e o receptor. Como visto numa aula anterior

Leia mais

MANUAL DO PRODUTO MANUAL DO PRODUTO MODELO DFOL

MANUAL DO PRODUTO MANUAL DO PRODUTO MODELO DFOL DETECTOR DE FUMAÇA ÓTICO LINEAR MODELO DFOL PARA MÉDIOS E GRANDES SISTEMAS IDEAL PARA GALPÕES ALCANCE DE 20 A 100 METROS ÁREA DE COBERTURA MÁXIMA 14x100M² ECONOMIA NA INSTALAÇÃO EM GRANDES ÁREAS ONDE SE

Leia mais

Indução Eletromagnética

Indução Eletromagnética BC-009 Fenômenos Eletromagnéticos Experimento 4 # Indução Eletromagnética Professor: Data: / / Introdução e Objetivos No experimento 3, analisamos o campo magnético gerado por correntes elétricas. Observamos

Leia mais

Circuitos RC em Regime Alternado Sinusoidal

Circuitos RC em Regime Alternado Sinusoidal 2º Laboratório de Bases de Engenharia II 2005/2006 Circuitos RC em Regime Alternado Sinusoidal Para este laboratório, as alíneas a) da Experiência 1 e da Experiência 2 devem ser calculadas préviamente,

Leia mais

guia de aplicação da marca

guia de aplicação da marca guia de aplicação da marca Sumário 03 apresentação A marca mek Usos incorretos 04 a marca principal 12 o que não fazer 05 06 07 08 09 10 11 cores da marca variações - aplicações sobre fundos nas cores

Leia mais

E.2 Instrumentos e técnicas de medida II

E.2 Instrumentos e técnicas de medida II E.2 Instrumentos e técnicas de medida II E.2.1 Preparação O osciloscópio é um elemento essencial na gama de instrumentos de medida utilizados em laboratórios de electrónica. A função essencial do osciloscópio

Leia mais

Transmissão de Dados

Transmissão de Dados T 1 Transmissão de Dados FEUP/DEEC/RCD 2002/03 MPR/JAR T 2 Terminologia e Conceitos Meios de transmissão A transmissão de sinais, sob a forma de ondas electromagnéticas, é suportada em meios de transmissão

Leia mais

Sensores Ultrasônicos

Sensores Ultrasônicos Sensores Ultrasônicos Introdução A maioria dos transdutores de ultra-som utiliza materiais piezelétricos para converter energia elétrica em mecânica e vice-versa. Um transdutor de Ultra-som é basicamente

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ONDAS, Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica

FUNDAMENTOS DE ONDAS, Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica FUNDAMENTOS DE ONDAS, RADIAÇÕES E PARTÍCULAS Prof. Emery Lins Curso Eng. Biomédica Questões... O que é uma onda? E uma radiação? E uma partícula? Como elas se propagam no espaço e nos meios materiais?

Leia mais

Monitor Serie E11 E2011P. Monitor LED LCD

Monitor Serie E11 E2011P. Monitor LED LCD Monitor Serie E2011P Monitor LED LCD Setembro 2011 Introdução de Produto: Conceito Monitor que compartilha praticidade, conforto e custo benefício Publico Alvo Empresas e pessoas que procuram por um produto

Leia mais

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital 6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital Neste capítulo, os modelos desenvolvidos serão utilizados para a avaliação da cobertura de sistemas de TV digital na cidade de São Paulo. Partindo dos limiares

Leia mais

Roteiro 23 Difração e Interferência de ondas bidimensionais num meio líquido

Roteiro 23 Difração e Interferência de ondas bidimensionais num meio líquido Roteiro 23 Difração e Interferência de ondas bidimensionais num meio líquido 1 INTRODUÇÃO As ondas podem sofrer o efeito de diversos fenômenos, dentre eles estão a difração e a interferência. A difração

Leia mais

Cátia Homem, 9 de Janeiro de 2008 Página 1

Cátia Homem, 9 de Janeiro de 2008 Página 1 Escola Secundária Vitorino Nemésio Física e Química A Componente de física 11º ano Actividade Laboratorial 2.1 Osciloscópio Nome: Turma: Nº: Classificação: docente: 1. Questão problema: Perante o aumento

Leia mais

- - - - - - - - Site do Inmetro - - - - - - - - 27/09/2016 06/03/2012 FIT - FLEXTRONICS INSTITUTO DE TECNOLOGIA TEMPO E FREQUÊNCIA

- - - - - - - - Site do Inmetro - - - - - - - - 27/09/2016 06/03/2012 FIT - FLEXTRONICS INSTITUTO DE TECNOLOGIA TEMPO E FREQUÊNCIA - - - - - - - - Site do Inmetro - - - - - - - - Acreditação Nº 474 Data da Acreditação 27/09/2010 Data de Validade do Certificado Última Revisão do Escopo Razão Social Nome do Laboratório Situação 27/09/2016

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Tecnologista Sênior Padrão I TEMA: CADERNO DE PROVAS

Leia mais

MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO

MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO TRABALHO PRÁTICO MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO Objectivo Este trabalho tem como objectivo a familiarização com alguns dos equipamentos e técnicas de medida

Leia mais

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS

REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS REPRESENTAÇÃO FASORIAL DE SINAIS SENOIDAIS Neste capítulo será apresentada uma prática ferramenta gráfica e matemática que permitirá e facilitará as operações algébricas necessárias à aplicação dos métodos

Leia mais

Características das Imagens de SAR

Características das Imagens de SAR Características das Imagens de SAR Natural Resources Ressources naturelles Canada Canada Características das Imagens de SAR - Tópicos - Elementos de interpretação Tonalidade Textura Artefatos em imagens

Leia mais

COFFEE BREAK!!: CRIAÇÃO DE UM CARTAZ COM INKSCAPE

COFFEE BREAK!!: CRIAÇÃO DE UM CARTAZ COM INKSCAPE COFFEE BREAK!!: CRIAÇÃO DE UM CARTAZ COM INKSCAPE O Inkscape (http://www.inkscape.org/) é uma aplicação de Software Livre para desenho e edição electrónica de imagem vectorial. É uma ferramenta para edição

Leia mais

(*) Republicado por ter saído com incorreção do original no item 10 Disposições Gerais e Transitórias.

(*) Republicado por ter saído com incorreção do original no item 10 Disposições Gerais e Transitórias. (*) Republicado por ter saído com incorreção do original no item 10 Disposições Gerais e Transitórias. ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 67, DE 12 DE NOVEMBRO DE 1998 REGULAMENTO TÉCNICO PARA EMISSORAS DE RADIODIFUSÃO

Leia mais

Do local onde está, Paulo não vê Pedro, mas escuta-o muito bem porque, ao passarem pela quina do barranco, as ondas sonoras sofrem

Do local onde está, Paulo não vê Pedro, mas escuta-o muito bem porque, ao passarem pela quina do barranco, as ondas sonoras sofrem Lista de exercícios -Fenômenos Física Dudu 1-Pedro está trabalhando na base de um barranco e pede uma ferramenta a Paulo, que está na parte de cima (ver figura). Além do barranco, não existe, nas proximidades,

Leia mais

Questão 1 Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1 Questão 2. Resposta. Resposta ATENÇÃO: Escreva a resolução COMPLETA de cada questão no espaço a ela reservado. Não basta escrever apenas o resultado final: é necessário mostrar os cálculos ou o raciocínio utilizado. Utilize g 10 m/s

Leia mais

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 2: Osciloscópio e curvas do diodo. Alunos: 2-3-

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 2: Osciloscópio e curvas do diodo. Alunos: 2-3- Campus SERRA COORDENADORIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Disciplinas: ELETRÔNICA BÁSICA e ELETRICIDADE GERAL Professores: Vinícius Secchin de Melo Wallas Gusmão Thomaz Roteiro para experiências de laboratório

Leia mais

Filtragem Espacial. (Processamento Digital de Imagens) 1 / 41

Filtragem Espacial. (Processamento Digital de Imagens) 1 / 41 Filtragem Espacial (Processamento Digital de Imagens) 1 / 41 Filtragem Espacial Filtragem espacial é uma das principais ferramentas usadas em uma grande variedade de aplicações; A palavra filtro foi emprestada

Leia mais

Manual de uso da Marca do Governo Municipal de Londrina. Núcleo de Comunicação - 2013

Manual de uso da Marca do Governo Municipal de Londrina. Núcleo de Comunicação - 2013 1 Manual de uso da Marca do Governo Municipal de Londrina Núcleo de Comunicação - 2013 2 Índice 1 - Introdução 04 2 - Marca do Governo Municipal 05 3 - Zona de exclusão 06 4 - Reduções mínimas 07 5 - Variantes

Leia mais

CAMPO MAGNÉTICO. Definição de B

CAMPO MAGNÉTICO. Definição de B Em 1822, durante uma aula experimental, o professor de física dinamarquês Hans Christian Oersted descobriu que uma corrente elétrica passando por um fio deslocava a agulha de uma bússola que estava por

Leia mais

Monitor USB LED. e1649fwu 15,6. Simplificando a vida.

Monitor USB LED. e1649fwu 15,6. Simplificando a vida. Monitor e1649fwu 15,6 Simplificando a vida. Monitor Amplie sua área de trabal ho com apenas uma conexão. Conectou, ligou! Tela de 15,6 pronta para o que a sua imaginação mandar. Sem precisar de cabo de

Leia mais

RECOMENDAÇÃO TÉCNICA PARA ILUMINAÇÃO DO CAMPO DE JOGO Rev_0

RECOMENDAÇÃO TÉCNICA PARA ILUMINAÇÃO DO CAMPO DE JOGO Rev_0 Objetivo Este documento tem a intenção de orientar e recomendar o uso e o seguimento de alguns padrões de qualidade e de desempenho envolvidos no produto Iluminação do Gramado para os estádios de futebol

Leia mais

Princípios da Ultrassonografia

Princípios da Ultrassonografia Princípios da Ultrassonografia Ana Paula Araujo Costa Es pecialista em Residênica Médico-Veterinária (Diagnóstico por Imagem) Mes tranda em Ciência Animal Conceitos Gerais Exame altamente interativo Interpretação

Leia mais

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO CAVALCANTI SENSOR DE VELOCIDADE Hudson Pinheiro de Andrade

Leia mais

Todas as medições efectuadas no osciloscópio são basicamente medições de comprimentos nesta matriz.

Todas as medições efectuadas no osciloscópio são basicamente medições de comprimentos nesta matriz. Ciências Experimentais P5: Osciloscópio. Sensibilidade, resolução e erro máximo do aparelho. 1. Objectivos Iniciação ao osciloscópio. Estimativas de sensibilidade, resolução e erro máximo do aparelho.

Leia mais

EXTERNATO MATER DOMUS. RUA PASCAL, 1403 CAMPO BELO SP CEP 04616/004 - Fone: 5092-5825

EXTERNATO MATER DOMUS. RUA PASCAL, 1403 CAMPO BELO SP CEP 04616/004 - Fone: 5092-5825 EXTERNATO MATER DOMUS RUA PASCAL, 1403 CAMPO BELO SP CEP 04616/004 - Fone: 5092-5825 MATÉRIA: FÍSICA PROFESSORA: RENATA LEITE QUARTIERI ALUNO: Nº Série: 3º TURMA: Única DATA: / /2015 ASSINATURA DO PAI/RESP.

Leia mais

ANÁLISE DE CIRCUITOS E FORMAS DE ONDA

ANÁLISE DE CIRCUITOS E FORMAS DE ONDA ANÁLISE DE CIRCUITOS E FORMAS DE ONDA Aldo Lopes ECCEL ELETRÔNICA www.eccel.com.br Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução total ou parcial sem prévia autorização por escrito do autor. COPYRIGHT

Leia mais

2.1.2 Definição Matemática de Imagem

2.1.2 Definição Matemática de Imagem Capítulo 2 Fundamentação Teórica Este capítulo descreve os fundamentos e as etapas do processamento digital de imagens. 2.1 Fundamentos para Processamento Digital de Imagens Esta seção apresenta as propriedades

Leia mais

ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA

ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469 engenharia@cp.com.br

Leia mais

Fuvest 2005 2ª fase FÍSICA

Fuvest 2005 2ª fase FÍSICA Fuvest 2005 2ª fase FÍSICA 1. Procedimento de segurança, em auto-estradas, recomenda que o motorista mantenha uma distância de 2 segundos do carro que está à sua frente, para que, se necessário, tenha

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Sumário Apresentação 3 Logotipo - Versões Cromáticas 4 Diagrama de Construção, Área de Reserva e Redução 5 Convivência com Outras Marcas 6 Patrocínio 7 Aplicações sobre Fundos 8 Aplicações Incorretas 9

Leia mais

ANÁLISE DA PROPAGAÇÃO DE SINAIS DE TV DIGITAL NA CIDADE DE UBERLÂNDIA - MG

ANÁLISE DA PROPAGAÇÃO DE SINAIS DE TV DIGITAL NA CIDADE DE UBERLÂNDIA - MG ANÁLISE DA PROPAGAÇÃO DE SINAIS DE TV DIGITAL NA CIDADE DE UBERLÂNDIA - MG Tiago Nunes Santos, Gilberto Arantes Carrijo Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Elétrica, Uberlândia-MG.

Leia mais

Objectivo. Material necessário. Procedimento experimental. Siga o procedimento para cada uma das alíneas. A alínea 3.1deve ser feita com a

Objectivo. Material necessário. Procedimento experimental. Siga o procedimento para cada uma das alíneas. A alínea 3.1deve ser feita com a Electrónica P1 - Osciloscópio. Objectivo Iniciação ao osciloscópio Material necessário 1 osciloscópio, 1gerador de sinais, 1 fonte de tensão. Procedimento experimental Siga o procedimento para cada uma

Leia mais

Padrões da Marca de Bandeira Maestro

Padrões da Marca de Bandeira Maestro ORIENTAÇÕES DA MARCA Padrões da Maestro Versión 8.0 Abril 2015 Maestro A Maestro pode aparecer apenas nas versões aprovadas. A escolha da versão depende da aplicação, das restrições orçamentárias, das

Leia mais

Existe uma serie de nomenclatura e parâmetros que caracterizam e diferenciam as ondas eletromagnéticas.

Existe uma serie de nomenclatura e parâmetros que caracterizam e diferenciam as ondas eletromagnéticas. Teoria básica das ondas eletromagnéticas Geração de ondas eletromagnéticas Um condutor elétrico que esteja sobre a influência dum campo magnético variável gera uma corrente elétrica. Esta corrente elétrica

Leia mais

IPS. Menor borda. Maior diversão. Série. Monitor AOC Série IPS. O melhor da inovação para a sua vida. 21,5 IPS Modelo i2269 VW. 23 IPS Modelo i2369 VM

IPS. Menor borda. Maior diversão. Série. Monitor AOC Série IPS. O melhor da inovação para a sua vida. 21,5 IPS Modelo i2269 VW. 23 IPS Modelo i2369 VM 21,5 IPS Modelo i2269 VW 23 IPS Modelo i2369 VM Série IPS Monitor AOC Série IPS O melhor da inovação para a sua vida. Menor borda. Maior diversão. 23 3D IPS Modelo D2369 VH/BS Tecnologia IPS. Imagens perfeitas

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Logomarca da CBC / Logo de Formação de Atletas Comunicação & Marketing Índice 1 Logomarca da CBC 1.1 Elementos da Logomarca 1.2 Significado 1.3 A Marca 1.4 Variantes de cor

Leia mais

CENTRAL DE ALARME SEM FIO AS-321

CENTRAL DE ALARME SEM FIO AS-321 CENTRAL DE E SEM FIO AS- CARACTERÍSTICAS DO APARELHO - Central de alarme sem fio com setor misto ( com e/ou sem fio ); - Caixa plástica com alojamento para bateria selada de 7 A/H; - Carregador de bateria

Leia mais

O Radar Meteorológico

O Radar Meteorológico O Radar Meteorológico Demilson Quintão PY2UEP Bauru, 2014 1 Previsão Meteorológica 1-Climática: indica tendência das estações em escalas regionais, continentais, globais. 2-Previsão Meteorológica comum

Leia mais

Digitalizar Processos ou Documentos Físicos

Digitalizar Processos ou Documentos Físicos Sistema Eletrônico de Informações Digitalizar Processos ou Documentos Físicos Prepare os documentos para digitalização: Verificar todas as folhas do processo que serão digitalizadas. As folhas não podem

Leia mais

> Para mais informações www.contrinex.com.br

> Para mais informações www.contrinex.com.br > Para mais informações www.contrinex.com.br 126 : 1 4 Sensores de proximidade ultra-sônicos Destaques: - Sensores compactos prontos para ligar - Comprimentos curtos - Ajuste através de aprendizagem, potenciômetro

Leia mais

A marca. Versão beta 28 / 04/ 2010

A marca. Versão beta 28 / 04/ 2010 A marca O símbolo transmite brasilidade e a fluidez da Eletrobras, além de representar a evolução constante e o movimento contínuo e dinâmico da empresa rumo ao futuro. Em suas cores, temos o azul, representando

Leia mais

Caderno Normativo. Manual de identidade gráfica

Caderno Normativo. Manual de identidade gráfica Manual de identidade gráfica A Marca A forma desta marca parte do conceito estilizado de placas de pedra dispostas de forma a desenharem entre si as letras: JM, não de uma forma muito evidente mas tendo

Leia mais

Laboratório de Circuitos Elétricos 1 2015/2. Experiência N o 02: Medidas AC

Laboratório de Circuitos Elétricos 1 2015/2. Experiência N o 02: Medidas AC Laboratório de Circuitos Elétricos 1 2015/2 Experiência N o 02: Medidas C I - Objetivos Familiarização com os equipamentos de laboratório: gerador de funções, osciloscópio e multímetro. II - Introdução

Leia mais

EXP. 5 - DIFRAÇÃO DA LUZ POR FENDAS

EXP. 5 - DIFRAÇÃO DA LUZ POR FENDAS Capítulo 5 EXP. 5 - DIFRAÇÃO DA LUZ POR FENDAS 5.1 OBJETIVOS Estudo da figura de difração da luz por uma fenda fina em função da largura da fenda. Estudo da figura de interferência e da figura de difração

Leia mais

Topografia Aplicada a Terraplenagem

Topografia Aplicada a Terraplenagem Topografia Aplicada a Terraplenagem ALTIMETRIA Nivelamento Geométrico Método das Visadas Extremas PLANIMETRIA Malha Regular PLANIMETRIA IMPLANTAÇÃO DA MALHA REGULAR Equipamentos: 1 Teodolito (Utilizado

Leia mais

TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA

TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA Uma das grandes dificuldades que os técnicos enfrentam na reparação de circuitos eletrônicos é esta: os fenômenos que ocorrem nos componentes eletrônicos são abstratos; ou

Leia mais