Inteligência Computacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inteligência Computacional"

Transcrição

1 Inteligência Computacional INTRODUÇÃO ÀS REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Renato Dourado Maia Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes Claros

2 Motivação Básica A mente humana, diferente dos computadores digitais, possui uma habilidade notável para processar e armazenar informação imprecisa, parcial, ambígua e pouco estruturada. 2/38

3 Reflexões Iniciais Como o cérebro processa informações? Como o cérebro é organizado? Quais são os mecanismos envolvidos no funcionamento cerebral? Essas são algumas das diversas perguntas que representam grandes desafios para a ciência... 3/38

4 O Cérebro O cérebro é especialista em desempenhar funções importantes, tais como reconhecimento de padrões, controle motor, percepção, inferência, intuição, adivinhações, etc. Entretanto, o cérebro também é preconceituoso, lento, impreciso, realiza generalizações incorretas e, é, geralmente, incapaz de explicar suas próprias ações (embora esse seja um requisito cultural e não funcional). 4/38

5 O Sistema Nervoso Todos os organismos multicelulares possuem algum tipo de sistema nervoso, cuja complexidade e organização varia de acordo com o tipo de animal. O sistema nervoso, por meio de entradas sensoriais, fornece ao organismo informações sobre o estado dos ambientes externo e interno. A informação de entrada é processada, comparada com o conhecimento já adquirido e transformada em ações apropriadas ou absorvidas sob a forma de novo conhecimento. 5/38

6 O Sistema Nervoso O sistema nervoso pode ser organizado em diferentes níveis: Moléculas, sinapses, neurônios, camadas, mapas e sistemas. Uma estrutura facilmente identificável no sistema nervoso é o neurônio, especialista em processamento de sinais. Dependendo das condições de operação, os neurônios são capazes de gerar um sinal, mais especificamente um potencial elétrico, que é utilizado para transmitir informação a outras células. 6/38

7 O Sistema Nervoso Rede Neural Neurônio Cérebro Sinapse O Sistema Nervoso Panorama Geral. 7/38

8 O Sistema Nervoso A Visão da Engenharia Estímulo Sensores Cérebro + Redes Periféricas Atuadores Resposta 8/38

9 Os Neurônios Naturais Os neurônios são considerados as unidades básicas de processamento do cérebro. Em termos fisiológicos, um neurônio é uma célula que possui a função específica de receber, processar e enviar informação a outras partes do organismo. No âmbito das Redes Neurais artificiais, modelos simplificados dos neurônios biológicos, os neurônios artificiais, constituem as unidades básicas de processamento. 9/38

10 Os Neurônios Naturais Os neurônios biológicos estão conectados uns aos outros por meio de conexões sinápticas. Acredita-se que a capacidade das sinapses serem moduladas é a principal base para todos os processos cognitivos, tais como percepção, raciocínio e memória. Sendo assim, algumas informações essenciais sobre neurônios, sinapses e organização estrutural são importantes para o projeto de RNA. Como nosso tempo é curto, veremos apenas os conceitos biológicos particularmente interessantes para o projeto de RNA... 10/38

11 Os Neurônios Naturais. Os neurônios naturais podem possuir diversas formas e diferentes tamanhos. 11/38

12 Os Neurônios Naturais. Os neurônios naturais podem possuir diversas formas e diferentes tamanhos. 12/38

13 Neurônio Natural Simplificado. O processamento de informações tem natureza eletroquímica. 13/38

14 Os Neurônios Naturais A natureza do processamento de informações nos neurônios é eletroquímica: A transmissão de impulsos nervosos dentro do neurônio é um processo de natureza elétrica: Os sinais viajam através dos axônios em forma de potenciais de ação potenciais elétricos breves. A transmissão sináptica é efetivada por meio de um processo de natureza química, realizado pela ação de neurotransmissores. 14/38

15 Os Neurônios Naturais Transmissão de impulsos: As mensagens fluem dos dendritos para o axônio, passando pelo corpo. O disparo do axônio depende da soma dos impulsos recebidos. Um neurônio dispara quando a soma supera um determinado valor, chamado limiar de ação ou limiar de ativação. 15/38

16 Os Neurônios Naturais Uma sinapse é a região de contato entre dois neurônios, na qual há a transmissão de impulsos de um neurônio para outro, do axônio para os dendritos. A comunicação entre dois neurônios pode ter dois efeitos: Excitatório: Um neurônio transmite um sinal estimulante para outro. Inibitório: Um neurônio transmite um sinal inibitório para outro. 16/38

17 Os Neurônios Naturais Quando um impulso chega à sinapse, estimula a liberação de substâncias químicas os neurotransmissores. Os neurotransmissores são recebidos por receptores pós-sinápticos localizados nos dendritos, modificando o PPS potencial pós-sináptico. Há diversos tipos de neurotransmissores, sendo que cada um deles provoca um efeito diferente. Simulação 1 Simulação 2 Simulação 3 17/38

18 Sinapses em Neurônios Naturais. 18/38

19 "Neural Impulses: The Action Potential in Action" from the Wolfram Demonstrations Project 19/38

20 Os Neurônios Naturais Um neurônio pode ser entendido como um dispositivo capaz de receber estímulos de diversos outros neurônios e propagar sua única saída, uma função dos estímulos recebidos e do estado interno, a vários outros neurônios. Diversos neurônios interconectados geram uma estrutura em rede conhecida como rede neural. 20/38

21 Os Neurônios Naturais Um agrupamento de neurônios interconectados pode exibir comportamentos complexos e uma capacidade de processamento de informação que não pode ser predita tomando-se cada neurônio individualmente. Duas características marcantes das redes neurais são a representação distribuída de informação e o seu processamento paralelo. 21/38

22 Revisitando a Motivação Básica O cérebro processa informações de forma diferente dos computadores convencionais: Cérebro: Neurônios têm velocidade de processamento muitas vezes menor do que a de qualquer gate digital. Processador: Processamento extremamente rápido e preciso na execução de sequências de instruções. 22/38

23 Uma Pergunta Pertinente... Como o cérebro consegue ser tão eficiente? 23/38

24 Tentando Responder A eficiência do cérebro é devida ao alto grau de paralelismo no processamento: O cérebro tem aproximadamente 100 bilhões de neurônios. Como cada neurônio possui entre 100 e conexões, o cérebro possui cerca de 60 trilhões de conexões! Cada pessoa pode dedicar conexões para armazenar cada segundo de experiência (65 anos possuem dois bilhões de segundos). Durante os dois primeiros anos de vida, um milhão de conexões são formadas por segundo! 24/38

25 Tentando Responder O cérebro não roda programas! Ele controla o comportamento com o objetivo de garantir a sobrevivência! Características incríveis do cérebro: Adaptabilidade por intermédio de aprendizado. Comportamento sensível ao contexto. Tolerância a erro. Capacidade de operar com conhecimento parcial. Grande capacidade de memória (acessada por conteúdo). Capacidade de processamento paralelo e em tempo real. 25/38

26 Tentando Responder O cérebro é capaz de perceber regularidades no meio e gerar abstrações que capturam a estrutura destas regularidades, possibilitando a predição de observações futuras e o planejamento de ações visando o atendimento de múltiplos objetivos. 26/38

27 Tentando Responder De aorcdo com uma pqsieusa de uma uinrvesriddae ignlsea, não ipomtra em qaul odrem as lrteas de uma plravaa etãso: a úncia csioa iprotmatne é que a piremria e útmlia lrteas etejasm no lgaur crteo. O rseto pdoe ser uma ttaol bçguana que vcoê pdoe andia ler sem pborlmea. Isso orcroe pqorue nós não lmeos cdaa lrtea isladoa, mas a plravaa cmoo um tdoo. 27/38

28 Encontre o <5> que fica acima do <+>, à direita do vazio, abaixo do <3> e à esquerda do 28/38

29 Encontre o <5> que fica acima do <+>, à direita do vazio, abaixo do <3> e à esquerda do 29/38

30 Conhecemos o Cérebro? Já está disponível um conhecimento avançado da arquitetura fisiológica do cérebro, mas ainda é um mistério o mecanismo fundamental empregado por ele para realizar computação de alto nível. O romantismo deve ser deixado de lado: RNA não imitam o cérebro! Elas na verdade utilizam o cérebro com inspiração, tendo como base o conhecimento sobre como pensamos que o cérebro funciona! 30/38

31 Conhecemos o Cérebro? Simulações em computadores digitais de modelos matemáticos de redes neurais podem ajudar a extrair conhecimento acerca do desempenho e do potencial de processamento do cérebro. Síntese Computacional de Fenômenos Naturais! 31/38

32 Aprendizagem e Memória Em geral, a aprendizagem global é resultado de alterações locais nos neurônios. Existem diversas formas de modificações possíveis em um neurônio: Dendritos podem nascer ou serem removidos. Alguns dendritos podem esticar ou encolher, permitindo ou eliminando, respectivamente, a conexão com outras células. Novas sinapses podem ser criadas. Sinapses podem sofrer alterações Sinapses também podem ser removidas Todo neurônio pode morrer e também se regenerar. 32/38

33 Aprendizagem e Memória Toda essas adaptações estruturais envolvem, de forma direta ou indireta, a modificação de sinapses. Sendo assim, a aprendizagem via modulação sináptica é o mecanismo mais importante para as redes neurais, sejam elas biológicas ou artificiais, podendo depender de mecanismos de adaptação de neurônios individuais e de redes neurais como um todo. 33/38

34 Aprendizagem e Memória Assim como a aprendizagem, a memória também é resultado de um processo adaptativo das sinapses. Ela é resultado de variações da eficiência sináptica de alguns neurônios ocasionadas pela atividade neural. Essas alterações resultam em caminhos novos ou facilitados de desenvolvimento e transmissão de sinais através dos circuitos neurais. 34/38

35 Aprendizagem e Memória Um dos resultados de um processo de aprendizagem é a criação de um padrão de conexões sinápticas mais permanente, resultando na memorização (aprendizagem) de uma determinada experiência. A diferença entre aprendizagem e memória é sutil: A aprendizagem pode ser vista como o processo adaptativo que resulta em uma mudança da eficiência e estrutura sináptica, enquanto a memória pode ser interpretada como o resultado desse processo adaptativo. 35/38

36 O que é uma Rede Neural Artificial? 36/38

37 O que é uma Rede Neural Artificial? Veremos na próxima aula! 37/38

38 Importante Esta apresentação foi baseada no material disponível no site do Laboratório Virtual em Computação Natural e nos materiais desenvolvidos pelo professor Fernando José Von Zuben, do Departamento de Engenharia da Computação e Automação Industrial da Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação da UNICAMP: 38/38

Inteligência Computacional

Inteligência Computacional Inteligência Computacional INTRODUÇÃO ÀS REDES NEURAIS ARTIFICIAIS Renato Dourado Maia Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros Fundação Educacional Montes Claros Na Aula Passada... O que é uma

Leia mais

É a parte da Física que estuda os fenômenos relacionados com a luz e sua interação com meios materiais quando as dimensões destes meios é muito maior

É a parte da Física que estuda os fenômenos relacionados com a luz e sua interação com meios materiais quando as dimensões destes meios é muito maior É a parte da Física que estuda os fenômenos relacionados com a luz e sua interação com meios materiais quando as dimensões destes meios é muito maior que o comprimento de onda da luz. LUZ Onda eletromagnética,

Leia mais

Interação Humano-Computador. Percepção Humana

Interação Humano-Computador. Percepção Humana nteração umano-omputador Percepção umana Percepção Perceber a informação apresentada na interface Através dos sinais e que a constituem nteração umano-omputador 2 Percepção ores Volume Perspectivas/profundidade

Leia mais

18/09/2016 TIPOGRAFIA. Professora: Teresa Poças

18/09/2016 TIPOGRAFIA. Professora: Teresa Poças TIPOGRAFIA Professora: Teresa Poças e-mail: tpocas@gmail.com 1 Houve vários modos de se escrever ao longo da história. Por exemplo, antes da invenção da imprensa, era preciso um escriba por livro, escrito

Leia mais

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL REDES NEURAIS Caracterização Intuitiva: Em termos intuitivos, Redes Neurais Artificiais (RNAs) são modelos matemáticos inspirados nos princípios de funcionamento dos neurônios biológicos

Leia mais

Introdução às Redes Neurais Artificiais

Introdução às Redes Neurais Artificiais Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Introdução às Redes Neurais Artificiais DCA0121 Inteligência Artificial Aplicada Heitor Medeiros 1 Tópicos

Leia mais

Aula 1 Introdução - RNA

Aula 1 Introdução - RNA Aula 1 Introdução - RNA Sumário 1- Conceitos Iniciais; 2- Neurônio Biológico; 3- Neurônio Artificial; 4- Funções de Ativação; 5- Comparação Neurônio Biológico e Artificial. 1- Conceitos Iniciais - Computadores

Leia mais

serotonina (humor) dopamina (Parkinson) serotonina (humor) dopamina (Parkinson) Prozac inibe a recaptação da serotonina

serotonina (humor) dopamina (Parkinson) serotonina (humor) dopamina (Parkinson) Prozac inibe a recaptação da serotonina Redes Neurais O modelo biológico O cérebro humano possui cerca 100 bilhões de neurônios O neurônio é composto por um corpo celular chamado soma, ramificações chamadas dendritos (que recebem as entradas)

Leia mais

O formador residente:

O formador residente: Direcção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas de Abraveses O formador residente: Fernandes 2009 / 2010 1 As línguas são infinitas e a infância finita. No percurso conducente a falantes

Leia mais

IV - SISTEMA NERVOSO

IV - SISTEMA NERVOSO Capítulo 3: Parte 1 1 IV - SISTEMA NERVOSO HISTOFISIOLOGIA DAS CÉLULAS NERVOSAS INTRODUÇÃO A capacidade de um organismo sobreviver e se manter em equilíbrio depende de sua habilidade em responder à variações

Leia mais

RITMO, FORMA E MEMORIZAÇÃO NO ATO DE LER

RITMO, FORMA E MEMORIZAÇÃO NO ATO DE LER RITMO, FORMA E MEMORIZAÇÃO NO ATO DE LER Lucinea Aparecida de Rezende 1 Aprendemos a ler no período inicial de alfabetização e parece que continuamos a ler, indefinidamente, do mesmo jeito e no mesmo ritmo.

Leia mais

Inailson Reis Brito¹; Diego Sousa de Lima²; Antonio Leonardo de Sousa Silva³

Inailson Reis Brito¹; Diego Sousa de Lima²; Antonio Leonardo de Sousa Silva³ GESTALT E ÓPTICA NO ENSINO DE FÍSICA: UMA RELAÇÃO ATRAVÉS DE EXPERIMENTOS NA TEORIA DA FORMA E NA ILUSÃO DE ÓPTICA, REALIZADOS EM UMA ESCOLA ESTADUAL DE BRAGANÇA-PA, AMAZÔNIA, BRASIL Inailson Reis Brito¹;

Leia mais

Aspectos Anatômicos: CÉREBRO E TDAH

Aspectos Anatômicos: CÉREBRO E TDAH Entendendo o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) Parte I Aspectos Anatômicos: CÉREBRO E TDAH Ft. Alline Camargo Fisioterapeuta graduada pela Universidade de Sorocaba (UNISO) (CREFITO-3/228939-F)

Leia mais

3 Redes Neurais Artificiais

3 Redes Neurais Artificiais 3 Redes Neurais Artificiais 3.1. Introdução A capacidade de implementar computacionalmente versões simplificadas de neurônios biológicos deu origem a uma subespecialidade da inteligência artificial, conhecida

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LUZ ONDA PARTÍCULA PROPAGAÇÃO EFEITO FOTOÉLETRICO

DEFINIÇÃO DE LUZ ONDA PARTÍCULA PROPAGAÇÃO EFEITO FOTOÉLETRICO DEFINIÇÃO DE LUZ ONDA PROPAGAÇÃO PARTÍCULA EFEITO FOTOÉLETRICO FONTES DE LUZ Primária Corpo luminoso Secundária Corpo iluminado Incandescente Quente Luminescente Fria Fluorescente c / agente Fosforescente

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO

FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO HUMANO Controle do funcionamento do ser humano através de impulsos elétricos Prof. César Lima 1 Sistema Nervoso Função: ajustar o organismo animal ao ambiente. Perceber e

Leia mais

O surgimento do sistema nervoso está associado ao aumento da complexidade e do tamanho dos animais.

O surgimento do sistema nervoso está associado ao aumento da complexidade e do tamanho dos animais. INTRODUÇÃO O surgimento do sistema nervoso está associado ao aumento da complexidade e do tamanho dos animais. Atua na coordenação das múltiplas atividades do organismo, na integração das diversas partes

Leia mais

Principais correntes psicológicas do Século XX. Profª Bianca Werner Psicologia

Principais correntes psicológicas do Século XX. Profª Bianca Werner Psicologia Principais correntes psicológicas do Século XX Profª Bianca Werner Gestalt A da Forma Representantes: Ernest Mach (1888-1916) Cristian Von Ehrenfels (1859 1932) Desenvolveram a psicofísica estudando as

Leia mais

CONSTRUÇÕES DO CÉREBRO E DESCONSTRUÇÕES DA REALIDADE

CONSTRUÇÕES DO CÉREBRO E DESCONSTRUÇÕES DA REALIDADE CONSTRUÇÕES DO CÉREBRO E DESCONSTRUÇÕES DA REALIDADE Madalena Grimaldi UFRJ, Departamento de Técnicas e Representação Transtechnology Research Group, Plymouth University arqgrimaldi@uol.com.br Resumo Este

Leia mais

13/08/2016. Movimento. 1. Receptores sensoriais 2. Engrama motor

13/08/2016. Movimento. 1. Receptores sensoriais 2. Engrama motor Movimento 1. Receptores sensoriais 2. Engrama motor 1 Movimento Componentes Celulares e Funcionamento do Sistema Nervoso 2 O Sistema nervoso desempenha importantes funções, como controlar funções orgânicas

Leia mais

Sistema Nervoso Cap. 13. Prof. Tatiana Setembro / 2016

Sistema Nervoso Cap. 13. Prof. Tatiana Setembro / 2016 Sistema Nervoso Cap. 13 Prof. Tatiana Setembro / 2016 Função Responsável pela comunicação entre diferentes partes do corpo e pela coordenação de atividades voluntárias ou involuntárias. Neurônios A célula

Leia mais

Apresentação da Neurociência Computacional

Apresentação da Neurociência Computacional Apresentação da Neurociência Computacional O objetivo principal da neurociência computacional é explicar como os sinais elétricos e químicos nas células e redes de células interconectadas do cérebro são

Leia mais

Tese: São os neurónios que nos permitem responder aos estímulos que provêm do meio ambiente, processar informações e agir.

Tese: São os neurónios que nos permitem responder aos estímulos que provêm do meio ambiente, processar informações e agir. Tese: São os neurónios que nos permitem responder aos estímulos que provêm do meio ambiente, processar informações e agir. Sistema nervoso O sistema nervoso é um amplo mecanismo de conexão; tem como função

Leia mais

Introdução ao estudo de neurofisiologia

Introdução ao estudo de neurofisiologia Introdução ao estudo de neurofisiologia Introdução ao estudo de neurofisiologia Peixe Réptil Ave Boi Humano Por que os cérebros são diferentes entre as espécies? Introdução ao estudo de neurofisiologia

Leia mais

Dra Nadia Bossa PALESTRA DISTÚRBIOS DE ATENÇÃO E DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM

Dra Nadia Bossa  PALESTRA DISTÚRBIOS DE ATENÇÃO E DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM Dra Nadia Bossa PALESTRA DISTÚRBIOS DE ATENÇÃO E DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM Dra Nadia Bossa O cérebro é constituído de vários circuitos neuronais, denominados sistemas funcionais. Esses sistemas são

Leia mais

O que é uma lesão neurológica???????

O que é uma lesão neurológica??????? PLASTICIDADE NEURAL O que é uma lesão neurológica??????? Sistema Nervoso Central (SNC) Sistema Nervoso Periférico (SNP) Estruturas cerebrais Recuperação funcional? Como ocorre? Quais são as bases fisiológicas?

Leia mais

INTELIGÊNCIA COMPUTACIONAL

INTELIGÊNCIA COMPUTACIONAL Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A Inteligência Computacional (IC), denominada originalmente de Inteligência Artificial (IA), é uma das ciências

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana NEURÔNIOS E SINAPSES. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais)

Anatomia e Fisiologia Humana NEURÔNIOS E SINAPSES. DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) Anatomia e Fisiologia Humana NEURÔNIOS E SINAPSES DEMONSTRAÇÃO (páginas iniciais) 1ª edição novembro/2006 NEURÔNIOS E SINAPSES SUMÁRIO Neurônios... 04 O neurônio conduzindo informação... 05 Impulso nervoso:

Leia mais

POTENCIAL DE MEMBRANA E POTENCIAL DE AÇÃO

POTENCIAL DE MEMBRANA E POTENCIAL DE AÇÃO POTENCIAL DE MEMBRANA E POTENCIAL DE AÇÃO AULA 3 DISCIPLINA: FISIOLOGIA I PROFESSOR RESPONSÁVEL: FLÁVIA SANTOS Potencial de membrana Separação de cargas opostas ao longo da membrana plasmática celular

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EMENTAS º PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EMENTAS º PERÍODO CURSO: ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EMENTAS - 2016.2 2º PERÍODO DISCIPLINA: CÁLCULO I DISCIPLINA: FÍSICA I Estudo do centro de Massa e Momento Linear. Estudo da Rotação. Estudo de Rolamento, Torque

Leia mais

Inteligência Artificial. Conceitos Gerais

Inteligência Artificial. Conceitos Gerais Inteligência Artificial Conceitos Gerais Inteligência Artificial - IA IA é um campo de estudo multidisciplinar e interdisciplinar, que se apóia no conhecimento e evolução de outras áreas do conhecimento.

Leia mais

Introdução à Redes Neurais. Prof. Matheus Giovanni Pires EXA 868 Inteligência Artificial Não-Simbólica B Universidade Estadual de Feira de Santana

Introdução à Redes Neurais. Prof. Matheus Giovanni Pires EXA 868 Inteligência Artificial Não-Simbólica B Universidade Estadual de Feira de Santana Introdução à Redes Neurais Artificiais Prof. Matheus Giovanni Pires EXA 868 Inteligência Artificial Não-Simbólica B Universidade Estadual de Feira de Santana 2 Introdução Redes Neurais Artificiais (RNAs)

Leia mais

Fisiologia Humana Sistema Nervoso. 3 ano - Biologia I 1 período / 2016 Equipe Biologia

Fisiologia Humana Sistema Nervoso. 3 ano - Biologia I 1 período / 2016 Equipe Biologia Fisiologia Humana Sistema Nervoso 3 ano - Biologia I 1 período / 2016 Equipe Biologia ! Função: processamento e integração das informações.! Faz a integração do animal ao meio ambiente! Juntamente com

Leia mais

RECONHECIMENTO DE TRAJETÓRIA COM REDES NEURAIS

RECONHECIMENTO DE TRAJETÓRIA COM REDES NEURAIS 1 RECONHECIMENTO DE TRAJETÓRIA COM REDES NEURAIS Giovanni Crestan Leonardo Enomoto Araki Thiago Antonio Grandi De Tolosa Wânderson de Oliveira Assis Wilson Carlos Siqueira Lima Júnior IMT Instituto Mauá

Leia mais

Letramento, Leitura e Interpretação

Letramento, Leitura e Interpretação Letramento, Leitura e Interpretação Alessandra Mara Sicchieri Pedagoga e Psicopedagoga, Formada em Letras. Tutora de Pró-Letramento-MEC. 27/04/2011 e 28/04/2011 LEITURA DE MUNDO POEMA: O QUE É LETRAMENTO?

Leia mais

AMBIENTAÇÃO. SABENDO QUE ÉRA POSSÍVEL, ELE FOI LÁ E FEZ! Edio Schrader

AMBIENTAÇÃO. SABENDO QUE ÉRA POSSÍVEL, ELE FOI LÁ E FEZ! Edio Schrader AMBIENTAÇÃO SABENDO QUE ÉRA POSSÍVEL, ELE FOI LÁ E FEZ! Edio Schrader Como o empreendedorismo e a inovação podem mudar a sua vida! SORTE NÃO, SUCESSO SIM! UMA HISTÓRIA DE SUCESSO O JEITO SIMPLES DE SER

Leia mais

CURSO: ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EMENTAS º PERÍODO

CURSO: ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EMENTAS º PERÍODO CURSO: ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE FÍSICA DISCIPLINA: REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ENGENHARIA

Leia mais

Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 02

Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 02 Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 02 Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação POR QUE APRENDER CONCEITOS

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES BÁSICAS DAS SINAPSES E DAS SUBSTÂNCIAS TRANSMISSORAS

ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES BÁSICAS DAS SINAPSES E DAS SUBSTÂNCIAS TRANSMISSORAS ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES BÁSICAS DAS SINAPSES E DAS SUBSTÂNCIAS TRANSMISSORAS AULA 4 DISCIPLINA: FISIOLOGIA I PROFESSOR RESPONSÁVEL: FLÁVIA SANTOS Divisão sensorial do sistema nervoso Receptores

Leia mais

Geração de Vantagens Competitivas pela Transformação de Informações em Ações. Turn Information into Knowledge... Turn Knowledge into Action...

Geração de Vantagens Competitivas pela Transformação de Informações em Ações. Turn Information into Knowledge... Turn Knowledge into Action... Geração de Vantagens Competitivas pela Transformação de Informações em Ações Rio de Janeiro, 04 de Abril de 2007. 0 A MKM Consulting Competitiveness Global Strategies Turn Information into Knowledge...

Leia mais

SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES

SISTEMA NERVOSO FUNÇÕES SISTEMA NERVOSO SISTEMA NERVOSO Sempre vivo com eletricidade, o SN é a principal rede de comunicação e coordenação do corpo. É tão vasta e complexa que numa estimativa reservada, todos os nervos de um

Leia mais

Conceitos Básicos INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO E SUAS APLICAÇÕES

Conceitos Básicos INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO E SUAS APLICAÇÕES FACULDADE DOS GUARARAPES INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO E SUAS APLICAÇÕES Conceitos Básicos Prof. Rômulo César romulodandrade@gmail.com romulocesar@faculdadeguararapes.edu.br www.romulocesar.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Papel das Sinapses no processamento de informações

Papel das Sinapses no processamento de informações Papel das Sinapses no processamento de informações Impulsos Nervosos Pequenas correntes elétricas passando ao longo dos neurônios Resultam do movimento de íons (partículas carregadas eletricamente) para

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Eng. Química Disciplina: FACOM39017 (Alg. Prog. de Computadores) Fundamentos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Eng. Química Disciplina: FACOM39017 (Alg. Prog. de Computadores) Fundamentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Eng. Química Disciplina: FACOM39017 (Alg. Prog. de Computadores) Fundamentos Diariamente, executamos diversas operações, isto é, processamos

Leia mais

Programação de Computadores I - PRG1 Engenharia Elétrica

Programação de Computadores I - PRG1 Engenharia Elétrica Programação de Computadores I - PRG1 Engenharia Elétrica Edilson Hipolito da Silva edilson.hipolito@ifsc.edu.br - http://www.hipolito.info Aula 03 - Conceitos: Hardware, Software, Sistema Operacional Roteiro

Leia mais

AULA 01: APRESENTAÇÃO

AULA 01: APRESENTAÇÃO ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I AULA 01: APRESENTAÇÃO Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação QUAIS OS OBJETIVOS DESSA DISCIPLINA?

Leia mais

AT1-3 Aula sobre leitura Prof. Camila Höfling Inglês Instrumental SI

AT1-3 Aula sobre leitura Prof. Camila Höfling Inglês Instrumental SI Olá a todos! AT1-3 Aula sobre leitura Prof. Camila Höfling Inglês Instrumental SI Neste primeiro contato, gostaria que você, aluno, se concentrasse nas propostas de atividades a seguir. Não pule nenhuma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Data: 05/07/2017 Currículo de Cursos Hora: 17:30:22

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Data: 05/07/2017 Currículo de Cursos Hora: 17:30:22 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Data: 05/07/2017 Currículo de Cursos Hora: 17:30:22 Curso: Nível: Grau Conferido: Turno: Tipo: Modalidade: Funcionamento: Documento de Autorização: Engenharia da

Leia mais

ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL DO SISTEMA NERVOSO

ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL DO SISTEMA NERVOSO Ciências Morfofuncionais II ORGANIZAÇÃO FUNCIONAL DO SISTEMA NERVOSO Professora: Ms. Grazielle V. P. Coutinho Qual a importância de tantos estudos sobre o Sistema Nervoso? DIVISÕES PARA O ESTUDO DO SN

Leia mais

ORATÓRIA A ARTE DE FALAR EM PÚBLICO

ORATÓRIA A ARTE DE FALAR EM PÚBLICO ORATÓRIA A ARTE DE FALAR EM PÚBLICO Daniel Garcia Formação GESTÃO EM MARKETING MBA em Recursos Humanos Atuação Consultoria e desenvolvimento de equipe Desenvolvimento de competências do relacionamento

Leia mais

Inteligência Artificial. Aula 1 Prof. Nayat Sánchez Pi

Inteligência Artificial. Aula 1 Prof. Nayat Sánchez Pi Inteligência Artificial Aula 1 Prof. Nayat Sánchez Pi Curso: Inteligência Artificial Página web: http://nayatsanchezpi.com Material: Livro texto: Inteligência Artiicial, Russell & Norvig, Editora Campus.

Leia mais

Automação Inteligente de Processos e Sistemas

Automação Inteligente de Processos e Sistemas Automação Inteligente de Processos e Sistemas Prof. Dr. Ivan Nunes da Silva USP/EESC/SEL insilva@sc.usp.br 3 de agosto de 203. Sistemas Inteligentes Conjunto de ferramentas computacionais que tentam simular

Leia mais

Redes Neurais Artificiais (RNA) Definições. Prof. Juan Moisés Mauricio Villanueva

Redes Neurais Artificiais (RNA) Definições. Prof. Juan Moisés Mauricio Villanueva Redes Neurais Artificiais (RNA) Definições Prof. Juan Moisés Mauricio Villanueva jmauricio@cear.ufpb.br 1 Conteúdo 1. 2. 3. 4. 5. 6. Introdução Modelos básicos e regras de aprendizagem Rede neural de retro

Leia mais

TECIDO NERVOSO. Detectar, transmitir e processar as informações geradas por estímulos sensoriais do ambiente interno e externo

TECIDO NERVOSO. Detectar, transmitir e processar as informações geradas por estímulos sensoriais do ambiente interno e externo TECIDO NERVOSO TECIDO NERVOSO Detectar, transmitir e processar as informações geradas por estímulos sensoriais do ambiente interno e externo Coordenação das funções dos órgãos especializados SN somático

Leia mais

GÊNESE E PROPAGAÇÃO DO POTENCIAL DE AÇÃO

GÊNESE E PROPAGAÇÃO DO POTENCIAL DE AÇÃO GÊNESE E PROPAGAÇÃO DO POTENCIAL DE AÇÃO Comunicação entre os neurônios no sistema nervoso Introdução Mesmo para um simples reflexo é necessário que o SN, colete, distribua e integre a informação que

Leia mais

Unidade 1: Tecnologias da Informação e Comunicação Conceitos Introdutórios. Tecnologias da Informação e Comunicação

Unidade 1: Tecnologias da Informação e Comunicação Conceitos Introdutórios. Tecnologias da Informação e Comunicação Agrupamento Campo Aberto - Beiriz Tecnologias da Informação e Comunicação Unidade 1: Tecnologias da Informação e Comunicação Áreas de Aplicação das TIC n n n Computação l l Informática Burótica Comunicação

Leia mais

Classificação Linear. André Tavares da Silva.

Classificação Linear. André Tavares da Silva. Classificação Linear André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Roteiro Introduzir os o conceito de classificação linear. LDA (Linear Discriminant Analysis) Funções Discriminantes Lineares Perceptron

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Entrada e Saída Slide 1 Entrada e Saída Dispositivos Externos E/S Programada Organização e Arquitetura de Computadores I Sumário E/S Dirigida por Interrupção

Leia mais

LEITURA E PREDIÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ DEPARTAMENTO DE LETRAS CCHL INGLÊS TÉCNICO E CIENTÍFICO PROF. WELLINGTON BORGES

LEITURA E PREDIÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ DEPARTAMENTO DE LETRAS CCHL INGLÊS TÉCNICO E CIENTÍFICO PROF. WELLINGTON BORGES LEITURA E PREDIÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ DEPARTAMENTO DE LETRAS CCHL INGLÊS TÉCNICO E CIENTÍFICO PROF. WELLINGTON BORGES Vimos na aula anterior que as informações não verbais nos textos nos ajudam

Leia mais

Aula 12: Memória: Barramentos e Registradores

Aula 12: Memória: Barramentos e Registradores Aula 12: Memória: Barramentos e Registradores Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Memória: Barramentos e Registradores FAC 1 / 34

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Pós-Graduação em Ciência da Computação Inteligência Artificial Aprendizagem (Redes Neurais) Prof. a Joseana Macêdo Fechine Régis

Leia mais

Aprendizado de Máquina (Machine Learning)

Aprendizado de Máquina (Machine Learning) Ciência da Computação Aprendizado de Máquina (Machine Learning) Aula 03 Aprendizado Supervisionado / : Modelo MCP e Perceptron Max Pereira Neurônio Booleano de McCulloch- Pitts (Modelo MCP) Proposto em

Leia mais

Organização de Sistemas Computacionais Processadores: Organização da CPU

Organização de Sistemas Computacionais Processadores: Organização da CPU Universidade Paulista UNIP Curso: Ciências da Computação Turma: CCP30 Turno: Noturno Disciplina: Arquitetura de Computadores Professor: Ricardo Loiola Alunos: Thiago Gomes dos Santos Matrícula: C63873-0

Leia mais

Exercícios de Coordenação Nervosa

Exercícios de Coordenação Nervosa Exercícios de Coordenação Nervosa 1. Observe a estrutura do neurônio abaixo e marque a alternativa correta: Esquema simplificado de um neurônio a) A estrutura indicada pelo número 1 é o axônio. b) A estrutura

Leia mais

Redes Neurais Artificial

Redes Neurais Artificial Redes Neurais Artificial Tópicos: Introdução ao estudo de RNA sua origem e inspiração biológica Características gerais das RN e descrição do neurônio artificial Aprendizado de RN e tipos de Aprendizado

Leia mais

SINAPSE E TRANSMISSÃO SINÁPTICA

SINAPSE E TRANSMISSÃO SINÁPTICA SINAPSE E TRANSMISSÃO SINÁPTICA Prof. João M. Bernardes Uma vez que o sistema nervoso é composto por células distintas, torna-se necessário que os neurônios estejam conectados de alguma forma, a fim de

Leia mais

Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício.

Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício. Para uma análise do livro didático de química proposto pela SEED, por meio de processos cognitivistas, primeiro faremos um pequeno exercício. A CLASSIFICAÇÃO DOS OBJETIVOS EDUCACIONAIS Seu estudo é de

Leia mais

TECIDO NERVOSO (parte 2)

TECIDO NERVOSO (parte 2) TECIDO NERVOSO (parte 2) Profª Patrícia Mendes Disciplina: Histologia Geral e Embriologia Curso: Medicina Veterinária www.faculdadevertice.com.br Propagação do impulso nervoso A membrana do axônio permite

Leia mais

Introdução à IA. Ronaldo C. Pra3 CMCC ronaldo.pra3@ufabc.edu.br

Introdução à IA. Ronaldo C. Pra3 CMCC ronaldo.pra3@ufabc.edu.br Introdução à IA Ronaldo C. Pra3 CMCC ronaldo.pra3@ufabc.edu.br IA Inteligência Inteligência Muito dibcil! O que é inteligência? Inteligência O que é inteligência? Nossas mentes contêm processos que nos

Leia mais

AULA 03: FUNCIONAMENTO DE UM COMPUTADOR

AULA 03: FUNCIONAMENTO DE UM COMPUTADOR ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I AULA 03: FUNCIONAMENTO DE UM COMPUTADOR Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação O QUE É UM COMPUTADOR?

Leia mais

Regulação nervosa e hormonal nos animais

Regulação nervosa e hormonal nos animais HOMEOSTASIA Todos os seres vivos são sistemas abertos As trocas que os organismos estabelecem com o meio conduzem a mudanças constantes nos deus componentes No entanto, os seres vivos possuem mecanismos

Leia mais

Bioeletricidade. Bioeletrogênese. Atividade elétrica na célula animal

Bioeletricidade. Bioeletrogênese. Atividade elétrica na célula animal Bioeletricidade Bioeletrogênese Atividade elétrica na célula animal Existência da eletricidade em tecido animal histórico 2600 anos a.c. Século XVIII Luigi Galvani (rã/eletricidade animal) Século XIX Koelliker

Leia mais

Redes Neurais Artificiais Sistemas Inteligentes Especialização em Automação Industrial SISTEMAS INTELIGENTES PROFESSOR FLÁVIO MURILO

Redes Neurais Artificiais Sistemas Inteligentes Especialização em Automação Industrial SISTEMAS INTELIGENTES PROFESSOR FLÁVIO MURILO Redes Neurais Artificiais Sistemas Inteligentes Especialização em Automação Industrial 1 Redes Neurais - Definição O que é Rede Neural ou Rede Neuronal Artificial (RNA)? É um modelo computacional que objetiva

Leia mais

Neurofisiologia. Profª Grace Schenatto Pereira Núcleo de Neurociências NNc Bloco A4, sala 168 Departamento de Fisiologia e Biofísica ICB-UFMG

Neurofisiologia. Profª Grace Schenatto Pereira Núcleo de Neurociências NNc Bloco A4, sala 168 Departamento de Fisiologia e Biofísica ICB-UFMG Neurofisiologia Profª Grace Schenatto Pereira Núcleo de Neurociências NNc Bloco A4, sala 168 Departamento de Fisiologia e Biofísica ICB-UFMG www.nnc.icb.ufmg.br link: apoio à graduação ciências biológicas

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR BACHARELADO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. 1º Período

MATRIZ CURRICULAR BACHARELADO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. 1º Período MATRIZ CURRICULAR BACHARELADO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO 1º Período Código Disciplina CHT 1 CHP 2 CH Total Pré-requisitos Dados I 40 40 80 - Cálculo I 80-80 - Fundamentos da Computação 40-40 - Fundamentos

Leia mais

GRADE CURRICULAR E CORPO DOCENTE. Fase 1 Carga horária total: 360h

GRADE CURRICULAR E CORPO DOCENTE. Fase 1 Carga horária total: 360h Ciência da Computação CÂMPUS LAGES Instrumentos Regulatórios (Resolução CEPE e CONSUP ou Portaria de reconhecimento do curso pelo MEC) RESOLUÇÃO CEPE/IFSC Nº 39, DE 13 DE AGOSTO DE 2014. RESOLUÇÃO CONSUP/IFSC

Leia mais

Introdução à Programação de Computadores Fabricação Mecânica

Introdução à Programação de Computadores Fabricação Mecânica Introdução à Programação de Computadores Fabricação Mecânica Edilson Hipolito da Silva edilson.hipolito@ifsc.edu.br - http://www.hipolito.info Aula 03 - Conceitos: Hardware, Software, Sistema Operacional

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos Ao final desta apostila,

Leia mais

Organização geral. Organização geral SISTEMA NERVOSO. Organização anatómica. Função Neuromuscular. Noções Fundamentais ENDÓCRINO ENDÓCRINO

Organização geral. Organização geral SISTEMA NERVOSO. Organização anatómica. Função Neuromuscular. Noções Fundamentais ENDÓCRINO ENDÓCRINO TP0 Função Neuromuscular TP1 Apresentação T1 (29/IX) Aspectos fundamentais da estrutura e funcionamento do sistema nervoso TP2 Aspectos fundamentais da estrutura e funcionamento do sistema nervoso (cont.)

Leia mais

Inteligência Artificial

Inteligência Artificial Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Pós-Graduação em Ciência da Computação Inteligência Artificial Aprendizagem (Redes Neurais - Complementar) Prof. a Joseana Macêdo

Leia mais

Arquitetura e organização de computadores

Arquitetura e organização de computadores Arquitetura e organização de computadores 3º. Semestre - Sistemas de informação Prof. Emiliano S. Monteiro Classificação de computadores Grande porte: Supercomputadores e Mainframes Médio porte: Minicomputadores

Leia mais

Coordenação nervosa e hormonal COORDENAÇÃO NERVOSA. Prof. Ana Rita Rainho. Interação entre sistemas. 1

Coordenação nervosa e hormonal COORDENAÇÃO NERVOSA. Prof. Ana Rita Rainho. Interação entre sistemas.  1 COORDENAÇÃO NERVOSA Prof. Ana Rita Rainho Interação entre sistemas www.biogeolearning.com 1 Sistema Nervoso Estímulo (sensorial) Receptor sensorial Integração da informação Resposta (motora) Efector Sistema

Leia mais

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA REVISÃO DE ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Arquitetura X Organização Arquitetura - Atributos de um Sistema Computacional como visto pelo programador, isto é a estrutura

Leia mais

Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores

Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores Ciência da Computação Arq. e Org. de Computadores Processadores Prof. Sergio Ribeiro Composição básica de um computador eletrônico digital: Processador Memória Memória Principal Memória Secundária Dispositivos

Leia mais

Previsão de Vazões utilizando Redes Neurais Artificiais MLP e NSRBN

Previsão de Vazões utilizando Redes Neurais Artificiais MLP e NSRBN Previsão de Vazões utilizando Redes Neurais Artificiais MLP e NSRBN Alan Caio Rodrigues MARQUES 1, Gelson da Cruz JUNIOR 2, Cassio Dener Noronha VINHAL 3 Escola de Engenharia Elétrica e de Computação 1

Leia mais

Memória. Dr. Fábio Agertt

Memória. Dr. Fábio Agertt Dr. Fábio Agertt O que é? Memória O termo memória tem sua origem etmológica no latim memoriam e significa a faculdade de reter e readquirir idéias, imagens, expressões e conhecimentos Função cerebral superior

Leia mais

Sumário. 5 - Gestalt. Gestalt. Organização. As linhas são paralelas? Os círculos centrais são iguais? Gestalt

Sumário. 5 - Gestalt. Gestalt. Organização. As linhas são paralelas? Os círculos centrais são iguais? Gestalt Sumário 5 - Gestalt Estágio Curricular Supervisionado em Física I Gestalt Conceitos Fundadores da Gestalt e suas idéias O Fenômeno Fi Piaget e a Gestalt Vygotsky e a Gestalt Bibliografia 14-mar-2009 www.fisica-interessante.com

Leia mais

Histórico e Aplicações de Inteligência Artificial. Inteligência. Inteligência. Inteligência. É Inteligente? É Inteligente?

Histórico e Aplicações de Inteligência Artificial. Inteligência. Inteligência. Inteligência. É Inteligente? É Inteligente? Inteligência Artificial Histórico e Aplicações de Inteligência Artificial Esta fornece um breve relato histórico sobre Inteligência Artificial e sua evolução ao longo dos anos bem como uma visão geral

Leia mais

TECIDO NERVOSO HISTOLOGIA NUTRIÇÃO UNIPAMPA

TECIDO NERVOSO HISTOLOGIA NUTRIÇÃO UNIPAMPA TECIDO NERVOSO HISTOLOGIA NUTRIÇÃO UNIPAMPA TECIDO NERVOSO: DISTRIBUIÇÃO SNP Gânglios e Nervos SNC SNP Gânglios e Nervos DIVISÕES ESQUEMÁTICAS DO SISTEMA NERVOSO TECIDO NERVOSO Nervos: constituídos por

Leia mais

Grade Curricular do Curso de Graduação em Engenharia de Computação

Grade Curricular do Curso de Graduação em Engenharia de Computação Grade Curricular do Curso de Graduação em Engenharia de Computação Currículo 6 Aprovado pelo CDI em 30/05/16 - Carga Horária - Carga Horária Núcleo Básico 1.280h Carga Horária Núcleo Profissionalizante

Leia mais

Tecido Nervoso 15/10/2016. Neurônios. Neurônios. Definições e funções. Localização. Componentes. Células da Glia ou neuróglia

Tecido Nervoso 15/10/2016. Neurônios. Neurônios. Definições e funções. Localização. Componentes. Células da Glia ou neuróglia FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS - FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Tecido Nervoso Definições e funções Tecido que constitui o sistema nervoso; Função: - Receber e transmitir estímulos;

Leia mais

Sistemas Especialistas. Sistemas de Informação/Ciências da Computação UNISUL Aran Bey Tcholakian Morales, Dr. Eng. (Apostila 6)

Sistemas Especialistas. Sistemas de Informação/Ciências da Computação UNISUL Aran Bey Tcholakian Morales, Dr. Eng. (Apostila 6) Sistemas Especialistas Sistemas de Informação/Ciências da Computação UNISUL Aran Bey Tcholakian Morales, Dr. Eng. (Apostila 6) Sistemas Baseados em Conhecimento Os Sistemas Especialistas (SE) e os Sistemas

Leia mais

Fundamentos das Redes Neurais: exemplos em Java

Fundamentos das Redes Neurais: exemplos em Java Fundamentos das Redes Neurais: exemplos em Java Recife 2008 Copyringt by 2007 Mêuser Valença Impresso no Brasil Printed in Brazil Editor Tarcísio Pereira Diagramação Maria do Carmo de Oliveira Capa Valeska

Leia mais

Protótipo de Software para Reconhecimento de Impressões Digitais

Protótipo de Software para Reconhecimento de Impressões Digitais Protótipo de Software para Reconhecimento de Impressões Digitais Aluno: Alex Sandro da Silva Orientador: Paulo de Tarso Mendes Luna Semestre - 99/1 Roteiro da Apresentação INTRODUÇÃO CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

Aula 06 - Máquina Multinível e Von Neumann

Aula 06 - Máquina Multinível e Von Neumann Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Instalação e Organização de Computadores Aula 06 - Máquina Multinível e Von Neumann Prof. Diego Pereira

Leia mais

Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto

Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto Prof. João Ronaldo Tavares de Vasconcellos Neto A habilidade mais marcante do sistema nervoso baseiam-se nas interações entre os neurônios conectados. O grande número de neurônios e interações entre estas

Leia mais

Biologia. (5168) Tecido Muscular / (5169) Tecido Nervoso. Professor Enrico Blota.

Biologia. (5168) Tecido Muscular / (5169) Tecido Nervoso. Professor Enrico Blota. Biologia (5168) Tecido Muscular / (5169) Tecido Nervoso Professor Enrico Blota www.acasadoconcurseiro.com.br Biologia TECIDO MUSCULAR / TECIDO NERVOSO TECIDO MUSCULAR O tecido muscular é composto pelas

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES AULA 03 PROFº RITIELLE SOUZA DISTRIBUIÇÃO LÓGICA DISTRIBUIÇÃO LÓGICA Arquitetura de Von Neumann Uma unidade central de processamento recebe informações através de uma unidade

Leia mais

Redes Neurais: MLP. Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação

Redes Neurais: MLP. Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Redes Neurais: MLP DCA0121 Inteligência Artificial Aplicada Heitor Medeiros 1 Tópicos Redes diretas de múltiplas

Leia mais

Tabela de Pré-Requisitos. Interdisciplinar 36 Não há

Tabela de Pré-Requisitos. Interdisciplinar 36 Não há Nome da UC Categoria CH Total Pré-Requisitos Álgebra Linear Eletiva 72 Geometria Analítica Álgebra Linear Computacional Eletiva 72 Cálculo Numérico Álgebra Linear II Eletiva 72 Álgebra Linear Algoritmos

Leia mais