Astronomia Afro Indígena

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Astronomia Afro Indígena"

Transcrição

1 Licenciatura em Ciências da Natureza Disciplina: Astronomia Professor: Sérgio Mittmann dos Santos Astronomia Afro Indígena Alunas: Letícia Zielinski Pricila Munhóz Sheyla Souza Victoria Einsfeld

2

3 Resumo A astronomia cultural dos africanos trazidos como escravos para o Brasil se misturou com a dos nativos do nosso país constituindo novas formas de saber, originado a Astronomia afro indígena. A observação do céu sempre esteve na base do conhecimento de todas as sociedades do passado, os africanos e os indígenas perceberam que os fenômenos celestes estavam relacionados com os da terra, em uma harmoniosa sincronicidade como os seus afazeres. Sincronicidade: é um conceito desenvolvido para definir acontecimentos que se relacionam não por relação causal e sim por relação de significado.

4 Por que Astronomia Afro Indígena? Afro = povo africano Indígena= índios brasileiro BANTOS E SUDANESES + INDÍOS

5 Sudaneses Bantos

6 Conhecimentos e aplicações no cotidiano

7 O nascimento do Sol e da Lua O Sol e a Lua eram considerados do sexo masculino. Sol = Kamé ou rã Lua= Kamyerú ou Kysã

8 SOL LUA Domínio do dia dando o seu calor Domínio da noite dando o frescor Nascer: casa do verão e Por do sol casa do inverno Estrela Vespertina e a Matutina Posições que eram os pontos de retorno do astro Direção em que Direção em que para a direção do ponto cardeal Leste o Sol nasce o Sol desaparece = Leste = Oeste Calendário Solar Vênus = Mulher da Lua Sol lado norte = ventos e brisas Sol lado sul = chuvas Fases da Lua Época do plantio e da colheita Possibilita a vida na Terra

9 As duas mulheres da Lua

10 Estações do ano

11 Calendário Indígena

12 Determinação do meio dia

13 Constelações Para os afro indígenas a visualização das estrelas implicam em importantes épocas do ano. Épocas de extrema importância para a sobrevivência dos grupos como plantações, colheita, caça, pesca e marés.

14 Constelação Cruzeiro do Sul A posição da constelação do Cruzeiro do Sul determinava as estações do ano.

15 Constelação de Arapuca Representa a época de caça de certos animais e controle da estação agrícola.

16 Constelação Anta do Norte Na segunda quinzena de setembro a Anta do Norte surge ao lado Leste, indicando uma estação de transição entre frio e calor para o Sul do Brasil e entre seca e chuva para o Norte do Brasil.

17 Constelação do Homem Velho Na segunda quinzena de dezembro quando o Homem Velho surge totalmente ao anoitecer, no lado Leste, indica o inicio do verão para o Sul do Brasil e o inicio da estação chuvosa para o Norte do Brasil.

18 Constelação do Veado Na segunda quinzena de março, o Veado surge ao anoitecer, ao lado Leste, indicando a transação entre o calor e o frio para o Sul do Brasil e entre chuva e seca para o Norte do Brasil.

19 Constelação do Barco ou da Canoa Para a pesca do Guarijuba, os índios baseavam se nesta constelação, entre as fases da Lua minguante para nova nos meses de outubro e novembro.

20 Constelação da Ema Na segunda quinzena de junho, quando a Ema surge totalmente ao anoitecer, no lado Leste, indica o inicio do inverno para o Sul do Brasil e o inicio da estação da seca para o Norte do Brasil.

21 A Lua e as Marés Os Indígenas observavam atentamente os céus quando as águas dos mares e rios se agitavam, e chegaram a uma conclusão de que a Lua é a principal causadora das marés. Principal regente da vida marinha; Caça, plantio, corte de madeira;

22 Marés

23 Eclipse Lunar O eclipse Lunar representa a Lua sendo devorada pela onça. A cor avermelhada da Lua eclipsada é o seu próprio sangue que a oculta. A Lua só consegue ressurgir em toda a sua plenitude, como Lua cheia, porque o seu irmão mais velho, o Sol, a ressuscita.

24 Eclipse Solar O Eclipse Solar para os indígenas representam uma onça que tenta devorar o Sol.

25 Via Láctea A Via Láctea é um campo de estrelas visíveis no cinturão de nossa Galáxia, que ocupava uma importante posição mitológica para os povos antigos, que viam a Via Láctea como um lugar privilegiado para a morada dos seus Deuses. Para os egípcios representava o Nilo Celeste, para os tupi guarani Caminho da Anta. E muitas etnias africanas chamavam a Via Látea de Caminho das Estrelas, e dizem que organiza o céu fazendo com que o Sol retorne ao lado Leste ao amanhecer.

26 Via Láctea

27 Mitos Afro indígenas O Homem Velho Eclipse Lunar Eclipse Solar Mares As mulheres da Lua Via Láctea

28 Importância em ensinar Astronomia Afro Indígena O valor pedagógico em ensinar a importância da astronomia afro indígena para os alunos do ensino fundamental do Brasil, trata se do valor de uma ciência empírica baseada em elementos sensoriais, como a Via Láctea, e não elementos geométricos e abstratos, e também por fazer alusão a elementos da nossa natureza e história, promovendo a valorização dos saberes antigos e a valorização das diversidades culturais.

29 A comunidade científica conhece muito pouco da astronomia Afro Indígena e a relação que ela tem com o meio ambiente, um patrimônio cultural que pode ser perdido, pela globalização que tende a homogeneizar as culturas, perdendo a nuance da diversidade cultural. Esse risco ocorre pela falta de pesquisas e pela dificuldade em avaliar, validar e proteger esse registros históricos. Há mais interesse de outros países em preservar essa herança histórica do que do próprio país que a abriga.

30 LEI Nº , DE 10 MARÇO DE Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no , de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática História e Cultura Afro Brasileira e Indígena. Art. 26 A. Nos estabelecimentos de ensino fundamental, ensino médio e ensino superior, públicos e privados, torna se obrigatório o estudo da história e cultura afrobrasileira e indígena. 1o O conteúdo programático a que se refere este artigo incluirá diversos aspectos da história e da cultura que caracterizam a formação da população brasileira, a partir desses dois grupos étnicos, tais como o estudo da história da África e dos africanos, a luta dos negros e dos povos indígenas no Brasil, a cultura negra e indígena brasileira e o negro e o índio na formação da sociedade nacional, resgatando as suas contribuições nas áreas social, econômica e política, pertinentes à história do Brasil.

31 Bibliografia &script=sci_arttext cias/co_germanoafonso.pdf 10/05/astronomia afro indigena.html fro indigena.pdf

32 stronomia.pdf OMIA_AFROINDIGENA.pdf os_ga.pdf ult/files/snea2011_m3_mello.pdf

33

NOTA TÉCNICA Nº 006/2009

NOTA TÉCNICA Nº 006/2009 NOTA TÉCNICA Nº 006/2009 Brasília, 01 de abril de 2009. ÁREA: Educação TÍTULO: Implantação das Leis nº 10.639/03 e nº 11.645/08 REFERÊNCIA(S): Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003; Lei nº 11.645/08,

Leia mais

Cidadania e Educação das Relações étnico-raciais.

Cidadania e Educação das Relações étnico-raciais. Cidadania e Educação das Relações étnico-raciais. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.639, DE 9 DE JANEIRO DE 2003. Mensagem de veto Altera a Lei n o 9.394,

Leia mais

Movimentos aparentes dos Astros. Prof. J. Meléndez, baseado no Prof. R. Boczko IAG - USP

Movimentos aparentes dos Astros. Prof. J. Meléndez, baseado no Prof. R. Boczko IAG - USP Movimentos aparentes dos Astros 15 09 2011 Prof. J. Meléndez, baseado no Prof. R. Boczko IAG - USP Movimentos aparentes Movimento diurno (diário) aparente do Sol Movimento anual aparente do Sol Movimento

Leia mais

Movimento dos Planetas

Movimento dos Planetas Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Movimento dos Planetas eclipse.txt Rogemar A. Riffel e-mail: rogemar@ufrgs.br http://www.if.ufrgs.br/~rogemar Sala: N101 Livro texto: Astronomia e Astrofísica Kepler

Leia mais

Introdução à Astronomia Semestre:

Introdução à Astronomia Semestre: Introdução à Astronomia Semestre: 2015.1 Sergio Scarano Jr 22/10/2013 Terra Redonda Fases da Lua associada a disposição relativa entre a Terra, Lua e Sol. Sombra indicavam que a própria Lua não era plana

Leia mais

A história da Astronomia

A história da Astronomia ASTRONOMIA A história da Astronomia Profª Eliana D'Avila OBSERVANDO O CÉU Desde a antiguidade o ser humano observa o céu. As especulações sobre a natureza do Universo devem remontar aos tempos pré-históricos,

Leia mais

Universidade Federal Fluminense

Universidade Federal Fluminense Universidade Federal Fluminense Curso de Formação continuada em Astronomia Para professores de Educação Básica Prof. Dr. Tibério Borges Vale Projeto de Extensão O uso da Astronomia como elemento didático

Leia mais

Movimento dos Planetas

Movimento dos Planetas Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Movimento dos Planetas eclipse.txt Rogério Riffel e-mail: riffel@ufrgs.br http://www.if.ufrgs.br/~riffel Sala: N106 Livro texto: Astronomia e Astrofísica Kepler

Leia mais

Era uma vez o Sol, a Terra e a Lua...

Era uma vez o Sol, a Terra e a Lua... Prática Pedagógica Era uma vez o Sol, a Terra e a Lua... Você conquista os alunos com lendas e histórias. Depois, observa com eles o céu e estuda os fenômenos celestes. Assim, a turma aprende de verdade

Leia mais

2º ano E ESTUDO PARA OBA OLIMPÍADA BRASILEIRA DE ASTRONOMIA

2º ano E ESTUDO PARA OBA OLIMPÍADA BRASILEIRA DE ASTRONOMIA 2º ano E ESTUDO PARA OBA OLIMPÍADA BRASILEIRA DE ASTRONOMIA Wesley e Victor ASTRONAUTA BRASILEIRO Marcos Pontes é um astronauta brasileiro e foi o primeiro a ir ao espaço. Ele foi para o espaço no dia

Leia mais

SESSÕES DE PLANETÁRIO

SESSÕES DE PLANETÁRIO SESSÕES DE PLANETÁRIO Neste documento você encontra a descrição das sessões de planetário disponíveis para as visitas agendadas. Abaixo das descrições estão sinalizados o tempo de duração e a classificação

Leia mais

CALENDÁRIO ASTRONÔMICO JUNHO2017 / JUNHO2018

CALENDÁRIO ASTRONÔMICO JUNHO2017 / JUNHO2018 JUNHO2017 / JUNHO2018 VOCÊ DEVE ESTAR SE PERGUNTANDO POR QUE ESTE CALENDÁRIO NÃO COMEÇA EM JANEIRO, COMO TODOS OS OUTROS. A resposta está na importância de junho para a astronomia. Esse mês marca o Solstício

Leia mais

PREPARAÇÃO PARA A PROVA DE AFERIÇÃO

PREPARAÇÃO PARA A PROVA DE AFERIÇÃO PREPARAÇÃO PARA A PROVA DE AFERIÇÃO 2016-17 CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS PARTE 2: FÍSICA 7º ANO DE ESCOLARIDADE III O Planeta Terra Período de rotação da Terra - É o tempo que a Terra demora a dar uma volta

Leia mais

Astronomia Antiga. Ana Carolina S Frizzera Graduada em história e Bolsista do GOA

Astronomia Antiga. Ana Carolina S Frizzera Graduada em história e Bolsista do GOA Astronomia Antiga Ana Carolina S Frizzera Graduada em história e Bolsista do GOA Arqueoastronomia Arché (antigo) + Astro e Nomos (astronomia ou lei das estrelas); Monumentos megalíticos: Mega (grande)

Leia mais

As Leis 10639/03 e 11645/08: O Ensino de História e Cultura dos Povos Indígenas e dos Afrodescendentes no Brasil UNIDADE 1

As Leis 10639/03 e 11645/08: O Ensino de História e Cultura dos Povos Indígenas e dos Afrodescendentes no Brasil UNIDADE 1 As Leis 10639/03 e 11645/08: O Ensino de História e Cultura dos Povos Indígenas e dos Afrodescendentes no Brasil As Leis 10639/03 e 11645/08: O Ensino de História e Cultura dos Povos Indígenas e dos Afrodescendentes

Leia mais

Telescópios na Escola: observações astronômicas via Internet. Alberto Krone-Martins em nome da Equipe do TnE

Telescópios na Escola: observações astronômicas via Internet. Alberto Krone-Martins em nome da Equipe do TnE Telescópios na Escola: observações astronômicas via Internet Alberto Krone-Martins em nome da Equipe do TnE Telescópios na Escola A importância da Astronomia Astronomia na Escola? O TnE hoje O projeto

Leia mais

CONSTELAÇÕES. Autor: Viviane Lopes da Costa

CONSTELAÇÕES. Autor: Viviane Lopes da Costa CONSTELAÇÕES Autor: Viviane Lopes da Costa Contexto: Esta aula se insere no decorrer do curso de ciências para a 5 a série (3 o ciclo do Ensino Fundamental). Os alunos já deverão ter tido contato com os

Leia mais

ACOMPANHE A PROGRAMAÇÃODE FÉRIAS DO PLANETÁRIO! 18 à 22 de julho de 2016

ACOMPANHE A PROGRAMAÇÃODE FÉRIAS DO PLANETÁRIO! 18 à 22 de julho de 2016 ACOMPANHE A PROGRAMAÇÃODE FÉRIAS DO PLANETÁRIO! 18 à 22 de julho de 2016 Data Horário Sessão/vivência 18/07 (2ª feira) Sessão: Universo na mente das crianças Por meio de imagens reais e animadas podemos

Leia mais

TESTE TIPO Nº1 UNIVERSO GRUPO I

TESTE TIPO Nº1 UNIVERSO GRUPO I TESTE TIPO Nº1 UNIVERSO GRUPO I 1. Exemplos de astros com luz própria são: A. o Sol e a Lua. B. as estrelas e a Lua. C. as estrelas. 2. As galáxias são formadas por: A. apenas estrelas. B. estrelas e planetas.

Leia mais

EXERCÍCIO DE AVALIAÇÃO 2 - A NOME:

EXERCÍCIO DE AVALIAÇÃO 2 - A NOME: EXERCÍCIO DE AVALIAÇÃO 2 - A NOME: 1) Na semana passada (no dia 22 de setembro) ocorreu um eclipse do Sol na região Norte do Brasil. Na cidade de Oiapoque, este eclipse foi um eclipse anular. Escolha qual

Leia mais

Sistema Solar: Terra, Lua e Sol. Emerson Penedo

Sistema Solar: Terra, Lua e Sol. Emerson Penedo Sistema Solar: Terra, Lua e Sol Emerson Penedo emersonpenedo42@gmail.com A Terra é o terceiro planeta mais próximo do Sol, o mais denso e o quinto maior dos oito planetas do Sistema Solar. Forma

Leia mais

EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA: O JOGO MANCALA COMO POSSIBILIDADE

EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA: O JOGO MANCALA COMO POSSIBILIDADE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA: O JOGO MANCALA COMO POSSIBILIDADE José Sávio Bicho de Oliveira 1 Eixo Temático: Etnomatemática e educação para inclusão Resumo: Este

Leia mais

Material de Aperfeiçoamento de Estudos MAE 5ª série 1º Bimestre Professora MaristelA Borges

Material de Aperfeiçoamento de Estudos MAE 5ª série 1º Bimestre Professora MaristelA Borges Material de Aperfeiçoamento de Estudos MAE 5ª série 1º Bimestre Professora MaristelA Borges Um pouco de história da Astronomia A regularidade dos movimentos do Sol e das outras estrelas, da Lua, o aparecimento

Leia mais

Cultura corporal Afro-brasileira. Proª. Juliana da Silva 1ª aula

Cultura corporal Afro-brasileira. Proª. Juliana da Silva 1ª aula Cultura corporal Afro-brasileira Proª. Juliana da Silva 1ª aula Legislação Federal Lei nº 10639/2003 - estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de

Leia mais

1. A planta, o planisfério e o globo terrestre são utilizados para representar, respectivamente:

1. A planta, o planisfério e o globo terrestre são utilizados para representar, respectivamente: SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 6ª Ano

Leia mais

CONGRESSO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO 2016 Educação e Diversidade ISSN X

CONGRESSO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO 2016 Educação e Diversidade ISSN X EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS Viviene de Paulo de Melo Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT Patrícia Onesma Barbosa da Silva Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT Resumo

Leia mais

Telescópios na Escola. Osvaldo Souza Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas USP Instituto de Física - USP

Telescópios na Escola. Osvaldo Souza Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas USP Instituto de Física - USP Telescópios na Escola Osvaldo Souza (osvald.souza@usp.br) Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas USP Instituto de Física - USP Recentemente o sistema educacional brasileiro vem aumentando

Leia mais

ROTEIRO DO PROFESSOR

ROTEIRO DO PROFESSOR VISITAS DE ESTUDO ROTEIRO DO PROFESSOR Para a realização da visita escolar ao Centro Ciência Viva de Constância, o professor pode escolher de entre os seguintes Menus apresentados, tendo em conta o nível

Leia mais

Introdução à Astronomia Semestre:

Introdução à Astronomia Semestre: Introdução à Astronomia Semestre: 2015.1 Sergio Scarano Jr 22/10/2013 Horário de Atendimento do Professor Professor: Sergio Scarano Jr Sala: 119 Homepage: http://www.scaranojr.com.br/ * http://200.17.141.35/scaranojr/

Leia mais

Introdução à Astronomia AGA 210 Prova 1 14/09/2015

Introdução à Astronomia AGA 210 Prova 1 14/09/2015 Introdução à Astronomia AGA 210 Prova 1 14/09/2015 Nome: Identficação USP: 1 - A figura abaixo exibe a configuração geométrica de 2 tipos de eclipses. Identifique cada um deles e assinale no caso do ítem

Leia mais

AFRO- INDÍGENAS. Relações

AFRO- INDÍGENAS. Relações Relações A etnoastronomia dos africanos trazidos como escravos para o Brasil se misturou com a dos nativos do nosso país constituindo novas formas de saber AFRO- INDÍGENAS Por Germano Afonso 72 SCIENTIFIC

Leia mais

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Hipertexto: http://www.astro.if.ufrgs.br Fundamentos de Astronomia e Astrofísica Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Rogemar A. Riffel e-mail: rogemar@ufrgs.br http://www.if.ufrgs.br/~rogemar

Leia mais

Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo

Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo Ciências Físico-Químicas 7.º Ano Terra em Transformação / Terra no Espaço Carlos Alberto da Silva Ribeiro de Melo QUÍMICA TEMAS OBJECTIVOS DE APRENDIZAGEM SITUAÇÕES E EXPERIÊNCIAS EDUCATIVAS AULAS TERRA

Leia mais

Considerações sobre o Ensino da Astronomia em Portugal. Osvaldo de Souza Carlos Martins

Considerações sobre o Ensino da Astronomia em Portugal. Osvaldo de Souza Carlos Martins Considerações sobre o Ensino da Astronomia em Portugal Osvaldo de Souza osouza@astro.up.pt Carlos Martins carlos.martins@astro.up.pt Universidade de São Paulo (Física) Mobilidade na Universidade do Porto

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E ENSINO DE HISTÓRIA DA ÁFRICA: DEZ ANOS DEPOIS COMO FICAMOS? PPGE-PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E ENSINO DE HISTÓRIA DA ÁFRICA: DEZ ANOS DEPOIS COMO FICAMOS? PPGE-PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO 02273 FORMAÇÃO DE PROFESSORES E ENSINO DE HISTÓRIA DA ÁFRICA: DEZ ANOS DEPOIS COMO FICAMOS? Sônia Maria Soares de Oliveira PPGE-PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ- UECE

Leia mais

I Curso Introdução à Astronomia Jan A Terra e a Lua. Daniel R. C. Mello. Observatório do Valongo - UFRJ

I Curso Introdução à Astronomia Jan A Terra e a Lua. Daniel R. C. Mello. Observatório do Valongo - UFRJ I Curso Introdução à Astronomia Jan 2017 A Terra e a Lua Daniel R. C. Mello Observatório do Valongo - UFRJ Nesta aula veremos: O sistema Terra-Lua (dimensões e distâncias) Os Movimentos da Terra, da Lua

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia INSTRUÇÕES Colégio Santa Dorotéia Área de Ciências Humanas Disciplina: Ano: 6º - Ensino Fundamental Professor: Rogério Duarte VERIFIQUE A PUBLICAÇÃO DO GABARITO. O professor estará disponível para esclarecer

Leia mais

O céu pertence a todos

O céu pertence a todos I Curso Introdução à Astronomia Jan 2017 O céu pertence a todos Daniel R. C. Mello Observatório do Valongo - UFRJ Nesta aula veremos: A divisão do céu e o conceito de constelações O conceito de esfera

Leia mais

Conteúdos Ciências Humanas 5º Ano º Bimestre 2º Bimestre 3º Bimestre 4º Bimestre Brasil

Conteúdos Ciências Humanas 5º Ano º Bimestre 2º Bimestre 3º Bimestre 4º Bimestre Brasil Conteúdos Ciências Humanas 5º Ano - 2017 1º Bimestre 2º Bimestre 3º Bimestre 4º Bimestre Projeto: História e Heranças Projeto: História e Heranças Brasil Brasil 1. História da Família e grupos sociais(formação

Leia mais

Astronomia de posição (II)

Astronomia de posição (II) Sistema de coordenadas horizontal, equatorial, eclíptico e galáctico. Determinação de distâncias (métodos clássicos): Eratostenes, Hiparco, Aristarco e Copérnico. Astronomia de posição (II) Gastão B. Lima

Leia mais

Índice. Tabela de Marés 3. Dados Astronómicos 19. Informação Diversa 32

Índice. Tabela de Marés 3. Dados Astronómicos 19. Informação Diversa 32 Índice Tabela de Marés 3 Hora Legal Nota Explicativa Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Dados Astronómicos 19 Nascimento e Ocaso do Sol Nascimento

Leia mais

ROTEIRO DO PROFESSOR

ROTEIRO DO PROFESSOR VISITAS DE ESTUDO ROTEIRO DO PROFESSOR Para a realização da visita escolar ao Centro Ciência Viva de Constância, o professor pode escolher de entre os seguintes Menus apresentados, tendo em conta o nível

Leia mais

EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E JOGOS DE ORIGEM AFRICANA UM PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E JOGOS DE ORIGEM AFRICANA UM PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Sociedade Brasileira de Matemática Matemática na Contemporaneidade: desafios e possibilidades EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E JOGOS DE ORIGEM AFRICANA UM PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

Leia mais

Telescópios na Escola: observações astronômicas via Internet. Osvaldo de Souza (Grupo de Astronomia Sputnik)

Telescópios na Escola: observações astronômicas via Internet. Osvaldo de Souza (Grupo de Astronomia Sputnik) Telescópios na Escola: observações astronômicas via Internet Osvaldo de Souza (Grupo de Astronomia Sputnik) Telescópios na Escola Astronomia na Escola? O TnE hoje O projeto para amanhã Astronomia na Escola

Leia mais

O Sistema Solar é um conjunto de planetas, asteroides. e cometas que giram ao redor do Sol.

O Sistema Solar é um conjunto de planetas, asteroides. e cometas que giram ao redor do Sol. Leandro e João O Sistema Solar é um conjunto de planetas, asteroides e cometas que giram ao redor do Sol. O Sistema Solar é composto por 8 planetas: Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação. Diretrizes Curriculares para Educação das Relações Étnico Raciais

Secretaria Municipal de Educação. Diretrizes Curriculares para Educação das Relações Étnico Raciais Secretaria Municipal de Educação Diretrizes Curriculares para Educação das Relações Étnico Raciais Belo Horizonte 2013 Prefeito de Belo Horizonte Marcio Araujo de Lacerda Secretária Municipal de Educação

Leia mais

ENSINO DOS JOGOS AFRICANOS EM AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: EXPERIÊNCIA NO PIBIB

ENSINO DOS JOGOS AFRICANOS EM AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: EXPERIÊNCIA NO PIBIB ENSINO DOS JOGOS AFRICANOS EM AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: EXPERIÊNCIA NO PIBIB Roseli Arnoud de Souza 1 Joana Luisa Silva Mendonça de Angelo 2 Ângela Pereira Teixeira Victoria Palma 3 O presente trabalho

Leia mais

A Ema. A ilustração a seguir é uma representação dos corpos celestes que constituem a constelação da Ema na percepção indígena.

A Ema. A ilustração a seguir é uma representação dos corpos celestes que constituem a constelação da Ema na percepção indígena. A Ema O surgimento da figura da Ema no céu, ao leste, no anoitecer, na segunda quinzena de junho, indica o início do inverno para os índios do sul do Brasil e o começo da estação seca para os do norte.

Leia mais

XX OBA Material de estudo. Fontes de Pesquisa

XX OBA Material de estudo. Fontes de Pesquisa XX OBA 2017 Conteúdos das Avaliações Material de estudo Fontes de Pesquisa Constituição da Avaliação 7 perguntas de Astronomia; 3 perguntas de Astronáutica. Perguntas Práticas e/ou Observacionais Poderá

Leia mais

Base Nacional Comum. ANDIFES Brasília, abril de 2016 José Fernandes de Lima Conselheiro do CNE

Base Nacional Comum. ANDIFES Brasília, abril de 2016 José Fernandes de Lima Conselheiro do CNE Base Nacional Comum ANDIFES Brasília, abril de 2016 José Fernandes de Lima Conselheiro do CNE Uma Agenda Educacional Para quem? Para que? O que deve ser ensinado? (BNCC) Como ensinar? A construção de uma

Leia mais

A Esfera Celeste MOVIMENTOS APARENTES. Tópicos de Astronomia para Geofísicos AGA103

A Esfera Celeste MOVIMENTOS APARENTES. Tópicos de Astronomia para Geofísicos AGA103 A Esfera Celeste MOVIMENTOS APARENTES Tópicos de Astronomia para Geofísicos AGA103 Enos Picazzio IAGUSP / Ago.2010 Devido à infinitude, tudo parece estar à mesma distância. O horizonte encontra-se com

Leia mais

LOCALIZAÇÃO E COORDENADAS GEOGRÁFICAS. Luiz Fernando Wisniewski

LOCALIZAÇÃO E COORDENADAS GEOGRÁFICAS. Luiz Fernando Wisniewski LOCALIZAÇÃO E COORDENADAS GEOGRÁFICAS Prof.º Luiz Fernando Wisniewski lfw.geografia@gmail.com LOCALIZAÇÃO E COORDENADAS GEOGRÁFICAS Orientação através da rosa dos ventos Paralelos e Meridianos Latitude

Leia mais

Políticas Públicas Para os Remanescentes Quilombolas. Ms. Prof. Maria Aparecida da Silveira

Políticas Públicas Para os Remanescentes Quilombolas. Ms. Prof. Maria Aparecida da Silveira Políticas Públicas Para os Remanescentes Quilombolas 1 Ms. Prof. Maria Aparecida da Silveira É da terra e na terra que desenvolvem todas as atividades da vida, é onde plantam e colhem o fruto de seu trabalho

Leia mais

Você acha que só no nosso planeta há vida? Como você acha que a vida surgiu? Quando e como?

Você acha que só no nosso planeta há vida? Como você acha que a vida surgiu? Quando e como? Atividade: Vida Entregar dia: 11/02/2016 (2 feira) Manuscrito Cabeçalho; Data; Nome O que é vida? O que significa para você estar vivo? O que é um ser vivo? Você acha que só no nosso planeta há vida? Como

Leia mais

A Lua, satélite natural da Terra. Roberto Ortiz EACH/USP

A Lua, satélite natural da Terra. Roberto Ortiz EACH/USP A Lua, satélite natural da Terra Roberto Ortiz EACH/USP Nesta aula veremos: O que são as lunações? Qual é o período de rotação da Lua? A rotação da Lua e suas faces Fases da Lua Horários de nascer e ocaso

Leia mais

Astrofísica Geral. Tema 01: Astronomia Antiga

Astrofísica Geral. Tema 01: Astronomia Antiga ma 01: Astronomia Antiga Outline 1 Curso de Astrofísica 2 Astronomia antes dos gregos 3 Astronomia grega 4 Astronomia nas américas 5 Astronomia pré-telescópio 6 Desenvolvimento dos telescópios 7 Bibliografia

Leia mais

Anais (2016): IV CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO-CÁCERES-MT ISSN EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS

Anais (2016): IV CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO-CÁCERES-MT ISSN EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS Anais (2016): IV CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO-CÁCERES-MT ISSN 2317-5494 1 de 8 Anais (2016): IV CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO-CÁCERES-MT ISSN 2317-5494 EDUCAÇÃO E DIVERSIDADE: RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS

Leia mais

Astrofísica Geral. Tema 02: Noções de Astronomia

Astrofísica Geral. Tema 02: Noções de Astronomia ma 02: Noções de Astronomia Outline 1 Forma e movimentos da rra 2 Constelações 3 Estações do ano 4 Esfera celeste 5 Medidas de tempo 6 Bibliografia 2 / 48 Outline 1 Forma e movimentos da rra 2 Constelações

Leia mais

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011 ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011 Nome: 7.º Ano Turma Nº: Encarregado de Educação: Classificação: Professor: 1. Observe a figura seguinte,

Leia mais

ASTRONOMIA INDÍGENA. Germano B. Afonso (CNPq/UEMS) planetarioindigena@hotmail.com

ASTRONOMIA INDÍGENA. Germano B. Afonso (CNPq/UEMS) planetarioindigena@hotmail.com Anais da 61ª Reunião Anual da SBPC - Manaus, AM - Julho/2009 ASTRONOMIA INDÍGENA Germano B. Afonso (CNPq/UEMS) planetarioindigena@hotmail.com Os conhecimentos astronômicos empíricos dos indígenas, relativos

Leia mais

I. Movimento Aparente e o Sistema Solar. 1º Simpósio do Ensino Médio, Etec Vasco Antonio Venchiarutti, Jundiaí-SP, 21-22/07/2010

I. Movimento Aparente e o Sistema Solar. 1º Simpósio do Ensino Médio, Etec Vasco Antonio Venchiarutti, Jundiaí-SP, 21-22/07/2010 I. Movimento Aparente e o Sistema Solar 1º Simpósio do Ensino Médio, Etec Vasco Antonio Venchiarutti, Jundiaí-SP, 21-22/07/2010 Enos Picazzio IAGUSP / Jul.2010 Devido à infinitude, tudo parece estar à

Leia mais

Agrupamento de Escolas Luís António Verney. Escola EB 2,3 Luís António Verney. Ano lectivo de 2012/13

Agrupamento de Escolas Luís António Verney. Escola EB 2,3 Luís António Verney. Ano lectivo de 2012/13 Tema B- Terra em Transformação Nº aulas prevista s Materiais Constituição do mundo material Substâncias e misturas de substâncias Relacionar aspectos do quotidiano com a Química. Reconhecer que é enorme

Leia mais

Introdução à astronomia O Sistema Solar

Introdução à astronomia O Sistema Solar Introdução à astronomia O Sistema Solar Introdução a astronomia A Lua A Terra Viver na Terra Introdução a Astronomia Astronomia é a ciência que estuda os astros e os fenômenos celestes. Universo é o conjunto

Leia mais

d)cheia 10. Existe relação entre umbra,penumbra,eclipse e sombra?

d)cheia 10. Existe relação entre umbra,penumbra,eclipse e sombra? 1ª aula : Questões 1. Por quê não acontece eclipse em todo lugar no Brasil na mesma hora? 2. O que é umbra? 3. O que é penumbra? 4. O que é sombra? 5. O que é eclipse? 6. Qual a diferença entre eclipse

Leia mais

Maré alta. Nível do mar. Maré baixa

Maré alta. Nível do mar. Maré baixa Introdução à Astronomia Semestre: 2014.1 1 Sergio Scarano Jr 19/05/2014 Observando o Nível do Mar O efeito observado de maré alta e maré baixa. Maré alta Nível do mar Maré baixa Intervalo de Tempo Entre

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAZÃO ESCOLA E.B. 2,3 DE FRAZÃO CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 9º ANO DE ESCOLARIDADE ANO LETIVO 2011/2012

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAZÃO ESCOLA E.B. 2,3 DE FRAZÃO CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 9º ANO DE ESCOLARIDADE ANO LETIVO 2011/2012 AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAZÃO ESCOLA E.B. 2,3 DE FRAZÃO CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 9º ANO DE ESCOLARIDADE ANO LETIVO 2011/2012 Ficha Informativa n.º 2 Sistema Solar Nome: Data: / /2012 INTRODUÇÃO

Leia mais

FORMAÇÃO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA

FORMAÇÃO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA ARGUMENTO 2017 2º ANO E.M. MÓDULO 1 FORMAÇÃO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA DIVERSIDADE ÉTNICA E MISCIGENAÇÃO Três grupos deram origem à população brasileira: O ÍNDIO: provável origem PALEOASIÁTICA, que é classificado

Leia mais

TUENNY NUNES AMARAL ANA BEATRIZ MAGNANELLI 2º ano B

TUENNY NUNES AMARAL ANA BEATRIZ MAGNANELLI 2º ano B 2º ano B TUENNY NUNES AMARAL ANA BEATRIZ MAGNANELLI 2º ano B SISTEMA SOLAR O SISTEMA SOLAR É FORMADO POR OITO PLANETAS QUE GIRAM AO REDOR DO SOL. O NOSSO SISTEMA SOLAR ESTÁ LOCALIZADO EM UMA GALÁXIA CHAMADA

Leia mais

Astronomia de posição (I)

Astronomia de posição (I) Esfera celeste Constelações Bandeira Nacional Ângulos Sistemas de coordenadas esféricas Projeção da esfera no plano Coordenadas terrestres Coordenadas horizontais e equatoriais Astronomia de posição (I)

Leia mais

Lua: fases da Lua, marés e eclipses

Lua: fases da Lua, marés e eclipses Lua: fases da Lua, marés e eclipses As Fases da Lua: Á medida que a Lua vai 'viajando' ao redor da Terra ao longo do mês, ela passa por um ciclo de fases. Pelo contrário de que muitos pensam, a Lua não

Leia mais

Disciplina: Física da Terra e do Universo para Licenciatura em Geociências. Meteorologia. Profa.: Rita Ynoue

Disciplina: Física da Terra e do Universo para Licenciatura em Geociências. Meteorologia. Profa.: Rita Ynoue Disciplina: 1400200 - Física da Terra e do Universo para Licenciatura em Geociências Meteorologia Profa.: Rita Ynoue O que é meteorologia? Estudo dos fenômenos atmosféricos Física newtoniana (mecânica

Leia mais

O MISTÉRIO DAS PLÊIADES

O MISTÉRIO DAS PLÊIADES O MISTÉRIO DAS PLÊIADES Esta constelação possui muitos mistérios ligados ao trabalho das Hierarquias Criadoras. Nesta atividade seguiremos a Sabedoria das Idades para desmistificar esta conexão com o Divino.

Leia mais

tem 4 Pontos Cardeais todo Planeta é um OCIDENTAL (OESTE) gira em torno do SOL LUA

tem 4 Pontos Cardeais todo Planeta é um OCIDENTAL (OESTE) gira em torno do SOL LUA Mapa de Conceitos Astros Iluminados Asteróide, Satélite, Cometa, Planeta, Planeta Anão... (meteoros, galáxias) Astros Luminosos Sol, Estrelas Astros Iluminados não possuem luz própria, recebem a luz de

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual PARECERES DOS RECURSOS SOCIOLOGIA

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual PARECERES DOS RECURSOS SOCIOLOGIA Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE Concurso Público de Ingresso no Magistério Público Estadual PARECERES DOS RECURSOS SOCIOLOGIA 11) A Proposta Curricular de Santa Catarina - Formação

Leia mais

Espaço A Terra, a Lua e forças gravíticas

Espaço A Terra, a Lua e forças gravíticas Espaço A Terra, a Lua e forças gravíticas Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Secundária de Maria Lamas Agrupamento de Escolas Gil Paes Rotação da Terra 4.1 Indicar o período de

Leia mais

O Nosso sistema solar faz parte de uma galáxia. A Via Láctea

O Nosso sistema solar faz parte de uma galáxia. A Via Láctea NÓS E O UNIVERSO 1 O Nosso sistema solar faz parte de uma galáxia A Via Láctea VIA LÁCTEA OUTRAS GALÁXIAS Andrómeda Grande Nuvem de Magalhães Pequena Nuvem de Magalhães SISTEMA SOLAR S M V T M J S U N

Leia mais

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011

ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011 ESCOLA SALESIANA DE MANIQUE TESTE DE AVALIAÇÃO DE CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS ANO LECTIVO 2010/2011 Nome: 7.º Ano Turma Nº: Encarregado de Educação: Classificação: Professor: 1. Observe a figura seguinte,

Leia mais

1. Observe a ilustração de um planeta do Sistema Solar:

1. Observe a ilustração de um planeta do Sistema Solar: Exercitando Ciências Tema: Sistema Solar, Movimentos Terrestres e Estações do Ano Esta lista de exercícios aborda o conteúdo curricular: Sistema Solar, Movimentos Terrestres e Estações do Ano. 1. Observe

Leia mais

1. DO PROCESSO SELETIVO

1. DO PROCESSO SELETIVO EDITAL PTB Nº.08/2016 SELEÇÃO DE CANDIDATOS PARA MATRÍCULA NO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) FUNDAMENTOS PARA O ENSINO DE ASTRONOMIA (turmas 1 e 2) DO IFSP - CÂMPUS PIRITUBA O Câmpus Pirituba

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CEB/CEE/AL Nº82/2010

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CEB/CEE/AL Nº82/2010 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO CEB/CEE/AL Nº82/2010 EMENTA: Estabelece Normas complementares para a Educação das Relações Étnico-raciais e a obrigatoriedade do ensino de História e Cultura Afro-brasileira,

Leia mais

Prof. Eslley Scatena Blumenau, 15 de Agosto de

Prof. Eslley Scatena Blumenau, 15 de Agosto de Grupo de Astronomia e Laboratório de Investigações Ligadas ao Estudo do Universo Prof. Eslley Scatena Blumenau, 15 de Agosto de 2017. e.scatena@ufsc.br http://galileu.blumenau.ufsc.br Medida da Circunferência

Leia mais

1 A partir da análise das duas figuras a seguir, responda ao que se pede.

1 A partir da análise das duas figuras a seguir, responda ao que se pede. 5 Nome: Data: unidade A partir da análise das duas figuras a seguir, responda ao que se pede. Lua Sol Terra Mercúrio Vênus Júpiter ilustrações: Paulo Manzi Marte Saturno Figura A Saturno Júpiter Marte

Leia mais

4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova Final Nacional 5 de Junho de :00

4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova Final Nacional 5 de Junho de :00 4 as Olimpíadas Nacionais de Astronomia Prova Final Nacional 5 de Junho de 2009 15:00 Duração máxima 120 minutos Leia atentamente todas as questões. A questão 1 é de escolha múltipla. Nas restantes questões

Leia mais

Observe como a Lua muda de aspecto durante o mês: ora ela parece maior, ora menor.

Observe como a Lua muda de aspecto durante o mês: ora ela parece maior, ora menor. Larry Landolfi/Photo Researches, Inc./Latinstock Observe como a Lua muda de aspecto durante o mês: ora ela parece maior, ora menor. O que faz com que a Lua mude de aparência no céu? Por que enquanto é

Leia mais

POLÍTICA PÚBLICA ÉTNICO-RACIAL REFLEXÕES NECESSÁRIAS...

POLÍTICA PÚBLICA ÉTNICO-RACIAL REFLEXÕES NECESSÁRIAS... POLÍTICA PÚBLICA ÉTNICO-RACIAL REFLEXÕES NECESSÁRIAS... Manuela Lima 1 Uniube/ Programa de Mestrado em Educação/manuelalima@uberabadigital.com.br Linha de trabalho: Políticas Públicas na Educação. Resumo

Leia mais

ENTRE A ESCOLA PÚBLICA E A PRIVADA ASPECTOS RELEVANTES DO ENSINO NO BRASIL Á LUZ DA LEI FEDERAL DE 2003 E DE 2008 NO LIVRO DIDÁTICO

ENTRE A ESCOLA PÚBLICA E A PRIVADA ASPECTOS RELEVANTES DO ENSINO NO BRASIL Á LUZ DA LEI FEDERAL DE 2003 E DE 2008 NO LIVRO DIDÁTICO ENTRE A ESCOLA PÚBLICA E A PRIVADA ASPECTOS RELEVANTES DO ENSINO NO BRASIL Á LUZ DA LEI FEDERAL 10.639 DE 2003 E 11.645 DE 2008 NO LIVRO DIDÁTICO Jeová Wendel da Silva Guerra Graduando do 5 Período do

Leia mais

Curso de Iniciação à. Astronomia e Astrofísica. Observatório Astronómico de Lisboa. Rui Jorge Agostinho José Manuel Afonso. Janeiro e Junho de 2013

Curso de Iniciação à. Astronomia e Astrofísica. Observatório Astronómico de Lisboa. Rui Jorge Agostinho José Manuel Afonso. Janeiro e Junho de 2013 Curso de Iniciação à Astronomia e Astrofísica do Observatório Astronómico de Lisboa Rui Jorge Agostinho José Manuel Afonso Janeiro e Junho de 2013 Conteúdo Objectivos e Estrutura do Curso.............................

Leia mais

Espaço. 1. Universo. Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes

Espaço. 1. Universo. Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes Espaço 1. Universo Ciências Físico-Químicas 7º Ano Nelson Alves Correia Escola Básica Manuel Figueiredo Agrupamento de Escolas Gil Paes Corpos celestes 1.1 Distinguir vários corpos celestes. Estrela Astro

Leia mais

O Universo no meu bolso. Figuras no céu. Grażyna Stasińska. No. 5. Observatório de Paris ES 001

O Universo no meu bolso. Figuras no céu. Grażyna Stasińska. No. 5. Observatório de Paris ES 001 O Universo no meu bolso Figuras no céu No. 5 ES 001 Grażyna Stasińska Observatório de Paris 2 Esta pintura de 17.000 anos da caverna de Lascaux na França mostra as estrelas do que agora é chamado aglomerado

Leia mais

EXPERIÊNCIA DOCENTE POR MEIO DE PROJETOS NA DISCIPLINA DE DIDÁTICA I E II

EXPERIÊNCIA DOCENTE POR MEIO DE PROJETOS NA DISCIPLINA DE DIDÁTICA I E II EXPERIÊNCIA DOCENTE POR MEIO DE PROJETOS NA DISCIPLINA DE DIDÁTICA I E II Modalidade: ( X ) Ensino ( ) Pesquisa ( ) Extensão Nível: ( ) Médio ( X ) Superior ( ) Pós-graduação Área: ( ) Química ( ) Informática

Leia mais

Ficha de Avaliação Sumativa 1

Ficha de Avaliação Sumativa 1 Ficha de Avaliação Sumativa 1 DISCIPLINA: Física e Química 7 ºAno de escolaridade 2015/2016 Data: Nome: Turma: N.º Classificação: (%) A Docente: E. E: As respostas às questões deste enunciado devem ser

Leia mais

Boletim Informativo Mensal

Boletim Informativo Mensal modalidade presencial Laboratório de Ensino e Pesquisa em Astronomia Boletim Informativo Mensal Abril/2017 Prof. Dr. Antonio Carlos Santana dos Santos Ana Thais De Vasconcelos Feitosa Matheus Duarte Saraiva

Leia mais

Manual do pescador Tremembé

Manual do pescador Tremembé Coordenador Geral Tremembé Deuses do mar Coordenador Geral Fundamentos Legais da Educação Escolar Indígena Coordenador Geral Manual do pescador Tremembé Dicionário do pescador Tremembé Coordenador Geral

Leia mais

MOVIMENTOS SOL TERRA LUA

MOVIMENTOS SOL TERRA LUA MOVIMENTOS SOL TERRA LUA CONSIDERAÇÕES INICIAIS Para entender melhor o que você vai estudar, tenha sempre em mente as seguintes ideias: No período de 24h podemos considerar que Sol, Terra e Lua praticamente

Leia mais

* Maria Julia e Helena

* Maria Julia e Helena * Maria Julia e Helena A constelação Cruzeiro do Sul é uma das mais importantes para os povos do hemisfério Sul. O cruzeiro do Sul é uma constelação formada por cinco estrelas: Rubídea, Pálida, Mimosa,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS ESTUDOS DA CULTURA AFRICANA E AFRO- BRASILEIRA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DO ENSINO FUNDAMENTAL EM TIMOM-MA

A IMPORTÂNCIA DOS ESTUDOS DA CULTURA AFRICANA E AFRO- BRASILEIRA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DO ENSINO FUNDAMENTAL EM TIMOM-MA A IMPORTÂNCIA DOS ESTUDOS DA CULTURA AFRICANA E AFRO- BRASILEIRA NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DO ENSINO FUNDAMENTAL EM TIMOM-MA Maria do Perpétuo Socorro Lima Viana E-mail: socorroviana_@hotmail.com

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia. Introdução à Astronomia. Prof.

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia. Introdução à Astronomia. Prof. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Física Departamento de Astronomia Introdução à Astronomia Prof. Rogério Riffel Por que estudamos astronomia? Por que estudamos astronomia? Para entender

Leia mais

LEANDRO DONIZETE MORAES PRODUTO EDUCACIONAL

LEANDRO DONIZETE MORAES PRODUTO EDUCACIONAL LEANDRO DONIZETE MORAES PRODUTO EDUCACIONAL UMA PROPOSTA DE SEQUÊNCIA DIDÁTICA PARA O ENSINO DE ASTRONOMIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA COM O USO DO SOFTWARE ASTRO 3D Produto educacional apresentado ao programa

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO- BRASILEIROS E INDÍGENAS DA FACULDADE DO NORTE GOIANO (FNG)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO- BRASILEIROS E INDÍGENAS DA FACULDADE DO NORTE GOIANO (FNG) 1-6 CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO NORTE GOIANO FACULDADE DO NORTE GOIANO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS AFRO- BRASILEIROS E INDÍGENAS DA FACULDADE DO NORTE GOIANO (FNG) Porangatu/GO 2015 2-6 SUMÁRIO

Leia mais

Ensino Médio TESTES ALFA TODAS GEOGRAFIA. 3. Em São Francisco, 120 W de GMT são 15:00h. Portanto, em São Paulo, 45 W de GMT, serão:

Ensino Médio TESTES ALFA TODAS GEOGRAFIA. 3. Em São Francisco, 120 W de GMT são 15:00h. Portanto, em São Paulo, 45 W de GMT, serão: Nome: Classe: Nº de Matrícula: Ensino Médio Disciplina: GEOGRAFIA Série: 1ª Bimestre: 1º Data: 15/03/2008 Prova: PE Área: TODAS Versão: ALFA TESTES 1. "Acontece quando a face visível da Lua não recebe

Leia mais