Astronomia Afro Indígena

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Astronomia Afro Indígena"

Transcrição

1 Licenciatura em Ciências da Natureza Disciplina: Astronomia Professor: Sérgio Mittmann dos Santos Astronomia Afro Indígena Alunas: Letícia Zielinski Pricila Munhóz Sheyla Souza Victoria Einsfeld

2

3 Resumo A astronomia cultural dos africanos trazidos como escravos para o Brasil se misturou com a dos nativos do nosso país constituindo novas formas de saber, originado a Astronomia afro indígena. A observação do céu sempre esteve na base do conhecimento de todas as sociedades do passado, os africanos e os indígenas perceberam que os fenômenos celestes estavam relacionados com os da terra, em uma harmoniosa sincronicidade como os seus afazeres. Sincronicidade: é um conceito desenvolvido para definir acontecimentos que se relacionam não por relação causal e sim por relação de significado.

4 Por que Astronomia Afro Indígena? Afro = povo africano Indígena= índios brasileiro BANTOS E SUDANESES + INDÍOS

5 Sudaneses Bantos

6 Conhecimentos e aplicações no cotidiano

7 O nascimento do Sol e da Lua O Sol e a Lua eram considerados do sexo masculino. Sol = Kamé ou rã Lua= Kamyerú ou Kysã

8 SOL LUA Domínio do dia dando o seu calor Domínio da noite dando o frescor Nascer: casa do verão e Por do sol casa do inverno Estrela Vespertina e a Matutina Posições que eram os pontos de retorno do astro Direção em que Direção em que para a direção do ponto cardeal Leste o Sol nasce o Sol desaparece = Leste = Oeste Calendário Solar Vênus = Mulher da Lua Sol lado norte = ventos e brisas Sol lado sul = chuvas Fases da Lua Época do plantio e da colheita Possibilita a vida na Terra

9 As duas mulheres da Lua

10 Estações do ano

11 Calendário Indígena

12 Determinação do meio dia

13 Constelações Para os afro indígenas a visualização das estrelas implicam em importantes épocas do ano. Épocas de extrema importância para a sobrevivência dos grupos como plantações, colheita, caça, pesca e marés.

14 Constelação Cruzeiro do Sul A posição da constelação do Cruzeiro do Sul determinava as estações do ano.

15 Constelação de Arapuca Representa a época de caça de certos animais e controle da estação agrícola.

16 Constelação Anta do Norte Na segunda quinzena de setembro a Anta do Norte surge ao lado Leste, indicando uma estação de transição entre frio e calor para o Sul do Brasil e entre seca e chuva para o Norte do Brasil.

17 Constelação do Homem Velho Na segunda quinzena de dezembro quando o Homem Velho surge totalmente ao anoitecer, no lado Leste, indica o inicio do verão para o Sul do Brasil e o inicio da estação chuvosa para o Norte do Brasil.

18 Constelação do Veado Na segunda quinzena de março, o Veado surge ao anoitecer, ao lado Leste, indicando a transação entre o calor e o frio para o Sul do Brasil e entre chuva e seca para o Norte do Brasil.

19 Constelação do Barco ou da Canoa Para a pesca do Guarijuba, os índios baseavam se nesta constelação, entre as fases da Lua minguante para nova nos meses de outubro e novembro.

20 Constelação da Ema Na segunda quinzena de junho, quando a Ema surge totalmente ao anoitecer, no lado Leste, indica o inicio do inverno para o Sul do Brasil e o inicio da estação da seca para o Norte do Brasil.

21 A Lua e as Marés Os Indígenas observavam atentamente os céus quando as águas dos mares e rios se agitavam, e chegaram a uma conclusão de que a Lua é a principal causadora das marés. Principal regente da vida marinha; Caça, plantio, corte de madeira;

22 Marés

23 Eclipse Lunar O eclipse Lunar representa a Lua sendo devorada pela onça. A cor avermelhada da Lua eclipsada é o seu próprio sangue que a oculta. A Lua só consegue ressurgir em toda a sua plenitude, como Lua cheia, porque o seu irmão mais velho, o Sol, a ressuscita.

24 Eclipse Solar O Eclipse Solar para os indígenas representam uma onça que tenta devorar o Sol.

25 Via Láctea A Via Láctea é um campo de estrelas visíveis no cinturão de nossa Galáxia, que ocupava uma importante posição mitológica para os povos antigos, que viam a Via Láctea como um lugar privilegiado para a morada dos seus Deuses. Para os egípcios representava o Nilo Celeste, para os tupi guarani Caminho da Anta. E muitas etnias africanas chamavam a Via Látea de Caminho das Estrelas, e dizem que organiza o céu fazendo com que o Sol retorne ao lado Leste ao amanhecer.

26 Via Láctea

27 Mitos Afro indígenas O Homem Velho Eclipse Lunar Eclipse Solar Mares As mulheres da Lua Via Láctea

28 Importância em ensinar Astronomia Afro Indígena O valor pedagógico em ensinar a importância da astronomia afro indígena para os alunos do ensino fundamental do Brasil, trata se do valor de uma ciência empírica baseada em elementos sensoriais, como a Via Láctea, e não elementos geométricos e abstratos, e também por fazer alusão a elementos da nossa natureza e história, promovendo a valorização dos saberes antigos e a valorização das diversidades culturais.

29 A comunidade científica conhece muito pouco da astronomia Afro Indígena e a relação que ela tem com o meio ambiente, um patrimônio cultural que pode ser perdido, pela globalização que tende a homogeneizar as culturas, perdendo a nuance da diversidade cultural. Esse risco ocorre pela falta de pesquisas e pela dificuldade em avaliar, validar e proteger esse registros históricos. Há mais interesse de outros países em preservar essa herança histórica do que do próprio país que a abriga.

30 LEI Nº , DE 10 MARÇO DE Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei no , de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática História e Cultura Afro Brasileira e Indígena. Art. 26 A. Nos estabelecimentos de ensino fundamental, ensino médio e ensino superior, públicos e privados, torna se obrigatório o estudo da história e cultura afrobrasileira e indígena. 1o O conteúdo programático a que se refere este artigo incluirá diversos aspectos da história e da cultura que caracterizam a formação da população brasileira, a partir desses dois grupos étnicos, tais como o estudo da história da África e dos africanos, a luta dos negros e dos povos indígenas no Brasil, a cultura negra e indígena brasileira e o negro e o índio na formação da sociedade nacional, resgatando as suas contribuições nas áreas social, econômica e política, pertinentes à história do Brasil.

31 Bibliografia &script=sci_arttext cias/co_germanoafonso.pdf 10/05/astronomia afro indigena.html fro indigena.pdf

32 stronomia.pdf OMIA_AFROINDIGENA.pdf os_ga.pdf ult/files/snea2011_m3_mello.pdf

33

ENTRELAÇAMENTO DO CURRÍCULO DE CONHECIMENTOS

ENTRELAÇAMENTO DO CURRÍCULO DE CONHECIMENTOS PREFEITURA MUNICIPAL DE PAULÍNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ENTRELAÇAMENTO DO CURRÍCULO DE CONHECIMENTOS O foco do trabalho com conhecimentos o é o aluno entender a sociedade em que vive. Assim,

Leia mais

As Constelações Indígenas Brasileiras

As Constelações Indígenas Brasileiras 1 As Constelações Indígenas Brasileiras A observação do céu esteve na base do conhecimento de todas as sociedades antigas, pois elas foram profundamente influenciadas pela confiante precisão do desdobramento

Leia mais

GABARITO DA PROVA OLÍMPICA DO NÍVEL II DA II OBA

GABARITO DA PROVA OLÍMPICA DO NÍVEL II DA II OBA 1. A astronomia estuda tudo que está fora da Terra, como por exemplo, os planetas, as estrelas, os cometas, as galáxias, as constelações, os movimentos destes corpos, etc. Para observar estes corpos basta

Leia mais

ASTRONOMIA NO BRASIL. Ícones brasileiros da Astronomia e centros de pesquisa

ASTRONOMIA NO BRASIL. Ícones brasileiros da Astronomia e centros de pesquisa ASTRONOMIA NO BRASIL Ícones brasileiros da Astronomia e centros de pesquisa 1 BANDEIRA NACIONAL Qual a relação da bandeira nacional com a astronomia?? 2 ESTRELAS DA BANDEIRA NACIONAL [2] 3 VIRGEM (VIRGINIS),

Leia mais

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV

AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Ciências AUTORES: NANCY MARTINS DE SÁ STOIANOV Graduada em História e Pedagogia, Doutora em Filosofia e Metodologia de Ensino, Autora da Metodologia ACRESCER. REGINALDO STOIANOV Licenciatura Plena em Biologia,

Leia mais

I Olimpíada Brasileira de Astronomia Brasil, 22 de agosto de 1998. Nível 1 GABARITO OFICIAL

I Olimpíada Brasileira de Astronomia Brasil, 22 de agosto de 1998. Nível 1 GABARITO OFICIAL I Olimpíada Brasileira de Astronomia Brasil, 22 de agosto de 1998. Nível 1 GABARITO OFICIAL Questão 1 a) (VALOR: 0,2 pts) Quais os planetas do Sistema Solar que têm sistema de anéis? R: Saturno, Júpiter,

Leia mais

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES

MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MANUAL SERVIÇOS AMBIENTAIS NO CORREDOR ETNOAMBIENTAL TUPI MONDÉ CADERNO DE ATIVIDADES MÓDULO I Corredor Etnoambiental Tupi Mondé Atividade 1 Conhecendo mais sobre nosso passado, presente e futuro 1. No

Leia mais

Cultura. patrimônio. Materiale Imaterial; e diversidade cultural no Brasil

Cultura. patrimônio. Materiale Imaterial; e diversidade cultural no Brasil Cultura Materiale Imaterial; patrimônio e diversidade cultural no Brasil A diversidade cultural engloba as diferenças culturais que existem entre as pessoas, como a linguagem, danças, vestimenta, tradições

Leia mais

1- Durante o dia conseguimos ver apenas o brilho do Sol e não conseguimos ver o brilho de outras estrelas. Explique por que isso acontece.

1- Durante o dia conseguimos ver apenas o brilho do Sol e não conseguimos ver o brilho de outras estrelas. Explique por que isso acontece. Atividade de Estudo - Ciências 5º ano Nome: 1- Durante o dia conseguimos ver apenas o brilho do Sol e não conseguimos ver o brilho de outras estrelas. Explique por que isso acontece. 2- Cite uma semelhança

Leia mais

Oficina de CNII/EF Material do Aluno. Tema: Sistema Solar. Prezado Aluno,

Oficina de CNII/EF Material do Aluno. Tema: Sistema Solar. Prezado Aluno, Tema: Sistema Solar Prezado Aluno, Nesta oficina, você desenvolverá atividades que abordam a constituição do Sistema Solar, os movimentos dos astros, os fenômenos celestes e sua relação com o planeta Terra.

Leia mais

COMPANHEIRO DE TODOS OS DIAS

COMPANHEIRO DE TODOS OS DIAS Instituto de Educação infantil e juvenil Verão, 2012. Londrina, de. Nome: Ano: TEMPO Início: Término: Total: Edição I MMXII fase 3 Grupo B COMPANHEIRO DE TODOS OS DIAS Questão 1 O calendário que segue

Leia mais

14 TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO - 2009/1 - SESC ESTALEIRO SÓ INSOLAÇÃO E VENTOS Movimentação Solar Leste Oeste MORRO Topografia acentuada N Terreno A=53 ha Ventos Predominantes de inverno (SUDOESTE) Ventos

Leia mais

Níve v l e 4 Prof. Alex Samyr

Níve v l e 4 Prof. Alex Samyr Nível 4 Prof. Alex Samyr - Origem e desenvolvimento - Origem do universo - Teoria do Big-Bang É a mais antiga das ciências (desde os pré-históricos) Desde a antiguidade o céu é usado como: MAPA, RELÓGIO

Leia mais

O Tempo, Passatempos,

O Tempo, Passatempos, O Tempo, Passatempos, E o Tempo que não passa Clique aqui e leia esse estudo 1. NÓS E AS NOSSAS MEDIDAS... Medimos o tempo, Medimos a vida, Medimos os outros... O período para o cristão não é o ano,

Leia mais

3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome:

3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: 3 o ano Ensino Fundamental Data: / / Revisão de História e Geografia Nome: Leia este texto para responder às questões de 1 a 4. Quando eu nasci, meu pai logo se encarregou de registrar este acontecimento.

Leia mais

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história

Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Projeto - A afrodescendência brasileira: desmistificando a história Tema: Consciência Negra Público-alvo: O projeto é destinado a alunos do Ensino Fundamental - Anos Finais Duração: Um mês Justificativa:

Leia mais

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando:

O Conselho Estadual de Educação do Estado da Paraíba, no uso de suas atribuições e considerando: GOVERNO DA PARAÍBA Secretaria de Estado da Educação e Cultura Conselho Estadual de Educação RESOLUÇÃO Nº 198/2010 REGULAMENTA AS DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O

Leia mais

DESCRIÇÃO DOS ROTEIROS. Roteiro 1. Roteiro 2

DESCRIÇÃO DOS ROTEIROS. Roteiro 1. Roteiro 2 DESCRIÇÃO DOS ROTEIROS Roteiro 1 Indicação de faixa etária: para todos os públicos Sessão de Planetário: Pode ser escolhida qualquer uma das sessões disponíveis em nossa programação. Exposição: Será realizada

Leia mais

Movimentos da Terra. 4) Número de aulas: São seis etapas que serão divididas em aulas a critério do professor.

Movimentos da Terra. 4) Número de aulas: São seis etapas que serão divididas em aulas a critério do professor. Movimentos da Terra 1) Objetivo Geral Aplicar os conhecimentos sobre os movimentos da Terra e da Lua para o cotidiano, e mais especificamente, para a economia de energia elétrica como o horário de verão

Leia mais

Extensivo noite - Aulas 01 e 02

Extensivo noite - Aulas 01 e 02 1. (Unesp 2011) A figura 1 mostra um quadro de Georges Seurat, grande expressão do pontilhismo. De forma grosseira podemos dizer que a pintura consiste de uma enorme quantidade de pontos de cores puras,

Leia mais

A GARANTIA DO ENSINO DA LÍNGUA TERENA E ARTES E CULTURA TERENA NO MUNICÍPIO DE AQUIDAUANA

A GARANTIA DO ENSINO DA LÍNGUA TERENA E ARTES E CULTURA TERENA NO MUNICÍPIO DE AQUIDAUANA A GARANTIA DO ENSINO DA LÍNGUA TERENA E ARTES E CULTURA TERENA NO MUNICÍPIO DE AQUIDAUANA Arcenio Francisco Dias Neste artigo iremos apresentar o ensino da Língua Terena e Artes e Cultura Terena no município

Leia mais

Christiano Nogueira a [cnogueir@pr.gov.br] Daniel Kurt Lottis b [lottis@ufpr.br] Lúcia Hiar Loss b [lucialoss@yahoo.com.br] L

Christiano Nogueira a [cnogueir@pr.gov.br] Daniel Kurt Lottis b [lottis@ufpr.br] Lúcia Hiar Loss b [lucialoss@yahoo.com.br] L OS FUNDAMENTOS EM ASTRONOMIA PARA ATIVIDADES DE ENSINO EM UM PLANETÁRIO POR FUTUROS PROFESSORES DE FÍSICA. Christiano Nogueira a [cnogueir@pr.gov.br] Daniel Kurt Lottis b [lottis@ufpr.br] Lúcia Hiar Loss

Leia mais

Carta do Chefe índio Seattle ao Grande Chefe de Washington, Franklin Pierce, em 1854, em resposta à proposta do Governo norte-americano de comprar grande parte das terras da sua tribo Duwamish, oferecendo

Leia mais

Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores

Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores Insígnia de Competência de Astrónomo Alguns apontamentos para Exploradores 1 Conhecer a influência do sol, terra e lua nas estações do ano (exs: culturas, flores, frutos, árvores, entre outros) 2 Conhecer

Leia mais

Viagem Cultural Rosário São Paulo 8ª série

Viagem Cultural Rosário São Paulo 8ª série Viagem Cultural Rosário São Paulo 8ª série Aprendizagem é mais do que aquisição ou apreensão da rede de determinados corpos de conhecimentos conceituais, selecionados socialmente como relevantes e organizados

Leia mais

Olha pro céu! (uma brevissima introdução à astronomia para crianças de todas as idades) Helder da Rocha

Olha pro céu! (uma brevissima introdução à astronomia para crianças de todas as idades) Helder da Rocha Pedra de Sto. Antônio (Fagundes, PB) e constelações de Sagitário e Coroa Austral 20o. Encontro para a Nova Consciência Campina Grande, PB, 2011 Olha pro céu! (uma brevissima introdução à astronomia para

Leia mais

Mecânica do Sistema Solar

Mecânica do Sistema Solar Mecânica do Sistema Solar IFSP Vicente Barros Mais informações em Click to edit Masterhttp://astro.if.ufrgs.br/index.htm subtitle style Curiosidades - Posição da ISS http://spotthestation.nasa.gov/ Nosso

Leia mais

Aula 04 Medidas de tempo

Aula 04 Medidas de tempo Aula 04 Medidas de tempo O que é tempo? Os fenômenos astronômicos são periódicos e regulares: tornaram-se os primeiros relógios. E foram os relógios mais precisos até a construção dos relógios atômicos

Leia mais

CÉU MITOS ESTAÇÕES TUPI-GUARANI 46 SCIENTIFIC AMERICAN BRASIL ESPECIAL ETNOASTRONOMIA

CÉU MITOS ESTAÇÕES TUPI-GUARANI 46 SCIENTIFIC AMERICAN BRASIL ESPECIAL ETNOASTRONOMIA Com astronomia própria, índios brasileiros definiam o tempo de colheita, a contagem de dias, meses e anos, a duração das marés, a chegada das chuvas. Desenhavam no céu histórias de mitos, lendas e seus

Leia mais

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011. Correntes marítimas

COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011. Correntes marítimas COLÉGIO SÃO JOSÉ PROF. JOÃO PAULO PACHECO GEOGRAFIA 1 EM 2011 Correntes marítimas Correntes marítimas Nas aulas anteriores aprendemos sobre a importância do Sol em nossas vidas. Revimos os movimentos da

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO : ENGENHARIA CIVIL GEODÉSIA AULA 04. Professora : Thaís Prado Avancini

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO : ENGENHARIA CIVIL GEODÉSIA AULA 04. Professora : Thaís Prado Avancini UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO : ENGENHARIA CIVIL GEODÉSIA AULA 04 Professora : Thaís Prado Avancini Base Astronômica dos Calendários Desde a antiguidade movimento aparente dos astros serviu de referência

Leia mais

REPRESE TAÇÃO SIMPLIFICADA DAS FASES DA LUA

REPRESE TAÇÃO SIMPLIFICADA DAS FASES DA LUA FASES DA LUA O ASPECTO DA LUA SE MODIFICA DIARIAMENTE. Mas isso se deve tão somente a posição relativa da Lua, Terra e Sol. A cada dia o Sol ilumina a Lua sob um ângulo diferente, à medida que ela se desloca

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 5 EDUCAÇÃO INFANTIL

Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S. Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 5 EDUCAÇÃO INFANTIL Colégio Nossa Senhora da Soledade C O N T E Ú D O S Eu vim para servir (cf.mc10,45) Grupo 5 EDUCAÇÃO INFANTIL Prezado(a) aluno(a): Novo ano, novas expectativas, novos desejos, novos anseios e um novo caminho

Leia mais

Unidade 5 O Universo e seus astros

Unidade 5 O Universo e seus astros Sugestões de atividades Unidade 5 O Universo e seus astros 6 CIÊNCIAS 1 Céu e constelações A Constelação do Cruzeiro de Sul é representada na bandeira do Brasil e na bandeira de outros países, como Austrália,

Leia mais

1. Completa os espaços em branco de forma a obter afirmações verdadeiras.

1. Completa os espaços em branco de forma a obter afirmações verdadeiras. Agrupamento de Escolas Anselmo de Andrade Teste de Ciências Físico - Químicas 7.º Ano Ano Lectivo 08/09 Duração do Teste: 70 minutos Data: 05 / 01 / 09 Prof. Dulce Godinho Nome N.º Turma Prof. Classificação

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: CONSTRUÇÃO DO MAPA FÍSICO DO CONTINENTE AFRICANO

RELATO DE EXPERIÊNCIA: CONSTRUÇÃO DO MAPA FÍSICO DO CONTINENTE AFRICANO RELATO DE EXPERIÊNCIA: CONSTRUÇÃO DO MAPA FÍSICO DO CONTINENTE AFRICANO Jéssica Natali de Oliveira Keli Cristina Balbino (bolsistas PIBID - CAPES) Isabela Candeloro Campoi (coord.) Ricardo Tadeu Caires

Leia mais

ENEM 2015 Caderno Amarelo. Resolução da Prova de História

ENEM 2015 Caderno Amarelo. Resolução da Prova de História ENEM 2015 Caderno Amarelo Resolução da Prova de História 05. Alternativa (C) Feminismo Guerra Fria Movimentos Sociais O livro O Segundo Sexo, de Simone de Beauvoir, foi um marco importante para o movimento

Leia mais

(RE)PENSANDO SOBRE O ENSINO DA TEMÁTICA AFRICANA

(RE)PENSANDO SOBRE O ENSINO DA TEMÁTICA AFRICANA (RE)PENSANDO SOBRE O ENSINO DA TEMÁTICA AFRICANA FRITZEN, Vanessa Mestranda em Letras - Literatura Comparada Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões vane.fritzen@gmail.com Resumo:

Leia mais

Áreas de conhecimento: Língua Portuguesa, História e Temas Transversais.

Áreas de conhecimento: Língua Portuguesa, História e Temas Transversais. Projeto Bolsa Escola pública e Universidade na Alfabetização Faculdade Morumbi Sul E.E. Prof.ª Maria JAnnuzzi Mascari Série: 4ª série H PIC Professor Responsável: Tiago Aquilano Aluna Pesquisadora: Milena

Leia mais

CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS MISSIONÁRIAS DA IMACULADA CONCEIÇÃO COLÉGIO SANTA CLARA PROJETO: AFRICANIDADE BRASILEIRA

CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS MISSIONÁRIAS DA IMACULADA CONCEIÇÃO COLÉGIO SANTA CLARA PROJETO: AFRICANIDADE BRASILEIRA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS MISSIONÁRIAS DA IMACULADA CONCEIÇÃO COLÉGIO SANTA CLARA PROJETO: AFRICANIDADE BRASILEIRA SANTARÉM 2010 I- IDENTIFICAÇÃO: COLÉGIO SANTA CLARA DIRETORA: Irmã Gizele Maria Pereira Marinho

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

www.google.com.br/search?q=gabarito

www.google.com.br/search?q=gabarito COLEGIO MÓDULO ALUNO (A) série 6 ano PROFESSOR GABARITO DA REVISÃO DE GEOGRAFIA www.google.com.br/search?q=gabarito QUESTÃO 01. a) Espaço Geográfico RESPOSTA: representa aquele espaço construído ou produzido

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ - REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ - REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ - REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE CONCURSO VESTIBULAR PROCESSO SELETIVO 2012 - INSCRITOS POR CURSO E GRUPOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA (CCET) - SÃO

Leia mais

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes

1º ano. I. O Surgimento do Estado e a Organização de uma Sociedade de Classes Africana: África como berço da humanidade Capítulo 1: Item 1 Européia Capítulo 1: Item 2 Asiática Capítulo 1: Item 2 Americana Capítulo 1: Item 3 Arqueologia Brasileira Capítulo 1: Item 4 A paisagem e

Leia mais

HINÁRIO NOVA DIMENSÃO

HINÁRIO NOVA DIMENSÃO HINÁRIO NOVA DIMENSÃO Tema 2012: Flora Brasileira Rabo de Galo (Worsleya rayneri) Padrinho Alfredo Alfredo Gregório de Melo 1 www.hinarios.org 2 01 BRILHANTES PEDRAS FINAS Marcha - Valsa Ao pai eterno

Leia mais

Figura 1 - O movimento da Lua em torno da Terra e as diferentes fases da Lua

Figura 1 - O movimento da Lua em torno da Terra e as diferentes fases da Lua Estudo do Meio Físico e Natural I Movimentos reais e aparentes dos astros J. L. G. Sobrinho Centro de Ciências Exactas e da Engenharia Universidade da Madeira A Lua e a Terra A Lua está a sempre visível

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1B

CADERNO DE EXERCÍCIOS 1B CADERNO DE EXERCÍCIOS 1B Ensino Fundamental Ciências da Natureza II Habilidade da Questão Conteúdo Matriz da EJA/FB 1 Biomas brasileiros H18 2 Problemas ambientais H19 3 Cadeia alimentar H24 4 Evolução

Leia mais

As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano.

As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano. PROFESSORA NAIANE As estações do ano acontecem por causa da inclinação do eixo da Terra em relação ao Sol. O movimento do nosso planeta em torno do Sol, dura um ano. A este movimento dá-se o nome de movimento

Leia mais

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses

Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Elementos de Astronomia Movimento Anual do Sol, Fases da Lua e Eclipses Rogemar A. Riffel Sol, Terra e Lua Movimento Diurno do Sol Relembrando a aula passada De leste para oeste; O círculo diurno do Sol

Leia mais

Sul da Bahia-BA. Praia do Espelho e Trancoso

Sul da Bahia-BA. Praia do Espelho e Trancoso Sul da Bahia-BA Praia do Espelho e Trancoso Roteiro de viagem sugerido Sul da Bahia - BA Duração: 5 dias e 4 noites. DIA 1 - Porto Seguro / Praia do Espelho Recepção de nosso anfitrião no aeroporto de

Leia mais

Gabarito dos exercícios do livro Ciências cap. 5 e 6

Gabarito dos exercícios do livro Ciências cap. 5 e 6 COLÉGIO MARIA IMACULADA QI 05 ch. 72 LAGO SUL BRASÍLIA DF E-MAIL: cmidf@cmidf.com.br SITE: www.cmidf.com.br 6ºano 1º PERÍODO Gabarito dos exercícios do livro Ciências cap. 5 e 6 p. 74 Respostas: 1. Lua

Leia mais

ATIVIDADE DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D

ATIVIDADE DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D Nome: n.º 3ª série Barueri, / / 2009 Disciplina: ESTUDOS SOCIAIS 1ª POSTAGEM ATIVIDADE DE ESTUDOS SOCIAIS 3ª S SÉRIES A-B-C-D Querido aluno, segue a orientação para esta atividade. - Ler com atenção, responder

Leia mais

* curiosidades: Terra e universo*

* curiosidades: Terra e universo* Museu de Topografia prof. Laureano ibrahim Chaffe Departamento De GeoDésia UFRGS Julho/2009 * curiosidades: Terra e universo* Texto original de: http://www.sabetudo.net/curiosidades_terra_e_universo.htm

Leia mais

Anais da 64ª Reunião Anual da SBPC São Luís, MA Julho/2012

Anais da 64ª Reunião Anual da SBPC São Luís, MA Julho/2012 Anais da 64ª Reunião Anual da SBPC São Luís, MA Julho/2012 EXAMINANDO O CONHECIMENTO INDÍGENA SOBRE AGRUPAMENTOS DE ESTRELAS NO CÉU Priscila Faulhaber 1 O presente trabalho é elaborado no âmbito da antropologia

Leia mais

( ) Saber História consiste em memorizar o maior número possível de fatos ocorridos no passado.

( ) Saber História consiste em memorizar o maior número possível de fatos ocorridos no passado. 1 (UFPE) A necessidade de um conhecimento histórico-sociológico é antiga e universal. Nessa perspectiva, o historiador Pierre Vilar afirma que "uma humanidade - global ou parcial - que não tenha nenhuma

Leia mais

EFEMÉRIDES DO MÊS DE ABRIL DE 2014

EFEMÉRIDES DO MÊS DE ABRIL DE 2014 EFEMÉRIDES DO MÊS DE ABRIL DE 2014 POSIÇÃO GEOGRÁFICA: LATITUDE: -8.1º LONGITUDE: -34.9º LATITUDE: 8º 0 48.1 Sul LONGITUDE: 34º 51 3.4 Oeste CALENDÁRIO DO CÉU COM OS HORÁRIOS DE VISIBILIDADE DOS OBJETOS

Leia mais

O Ensino da Astronomia

O Ensino da Astronomia O Ensino da Astronomia Os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) indicam o estudo da Astronomia no 3o e 4o ciclos do Ensino Fundamental, na área de Ciências Naturais, no eixo temático "Terra e Universo"

Leia mais

O Mistério dos Maias. O que aconteceu com os Maias?

O Mistério dos Maias. O que aconteceu com os Maias? O Mistério dos Maias O que aconteceu com os Maias? O que aconteceu com os Maias? A cultura dos Maias do Período Clássico era muito avançada. A sociedade Maia era muito estável. Eles desenvolveram arte,

Leia mais

Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009.

Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009. Detetives do passado: escravidão no século 19. Rio de Janeiro: Núcleo de Documentação, História e Memória-NUMEM/UNIRIO, 2009. A carta de alforria trazia as seguintes informações: identidade do dono [...],

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DAS LEIS 10.639/03 E 11.645/08 NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA NO RECÔNCAVO

IMPLEMENTAÇÃO DAS LEIS 10.639/03 E 11.645/08 NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA NO RECÔNCAVO IMPLEMENTAÇÃO DAS LEIS 10.639/03 E 11.645/08 NAS ESCOLAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA NO RECÔNCAVO ELIANE FÁTIMA BOA MORTE DO CARMO 1 Introdução Após a promulgação da lei 10.639/03 e 11.645/08, passando a ser oficialmente

Leia mais

ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091

ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 ÓRBITA ILUMINADA HU F 152/ NT4091 INTRODUÇÃO Trata-se de um modelo científico de trabalho, representando o Sol, a Terra e a Lua, e mostrando como estes se relacionam entre si. Foi concebido para mostrar

Leia mais

LATITUDE, LONGITUDE E GPS

LATITUDE, LONGITUDE E GPS LATITUDE, LONGITUDE E GPS Anselmo Lazaro Branco* ENTENDA O QUE É LATITUDE, LONGITUDE, E COMO FUNCIONA UM APARELHO DE GPS. GPS O GPS é um aparelho digital de localização, que determinada a posição exata

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015 SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA MANTENEDORA DA PUC MINAS E DO COLÉGIO SANTA MARIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO II ETAPA LETIVA GEOGRAFIA 5. o ANO/EF - 2015 Caro(a) aluno(a), É tempo de conferir os conteúdos estudados

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS CULTURA, MEMÓRIA E TEORIAS EM EDUCAÇÃO: O Ensino da História e Cultura dos Povos Indígenas nas Escolas Municipais de Barra do Bugres/MT Ederval Pereira de Souza 1 Resumo: Nesse projeto de pesquisa pretendo

Leia mais

SUMÁRIO VOLUME 1 CIÊNCIAS

SUMÁRIO VOLUME 1 CIÊNCIAS SUMÁRIO VOLUME 1 "Dentro de você existe um universo em permanente construção" Paulo Roberto Gaefte Capítulo 1 Astronomia 05 (Eclipses lunar e solar; Constelações; Relógio estelar; Relógio solar; Asteroides,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 05/12 CAEPE

RESOLUÇÃO Nº 05/12 CAEPE RESOLUÇÃO Nº 05/12 CAEPE REVOGA A PORTARIA N.º 26/10 E DISPÕE SOBRE AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DE GRADUAÇÃO DOS CURSOS SUPERIORES DA FACULDADE DE TECNOLOGIA TECBRASIL FTECBRASIL O de Conselho de Administração,

Leia mais

NOTAS MÍNIMAS NO ENEM 2012, ENTRE OS CANDIDATOS CONVOCADOS, CONSIDERANDO ATÉ A ÚLTIMA CHAMADA.

NOTAS MÍNIMAS NO ENEM 2012, ENTRE OS CANDIDATOS CONVOCADOS, CONSIDERANDO ATÉ A ÚLTIMA CHAMADA. Administração Matutino Administração Noturno Agronomia Biomedicina A. C. 656.01 A 1 582.98 A 2 623.08 A. C. 630.01 A 1 595.10 A 2 633.89 A 3 451.66 A. C. 582.74 A 1 591.39 A 2 577.87 A 3 506.48 A. C. 629.86

Leia mais

Histórias e Culturas Afro-Brasileira, Indígena e Africana

Histórias e Culturas Afro-Brasileira, Indígena e Africana MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- Brasileira UNILAB Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão Área de Ciências da Natureza e Matemática EDITAL

Leia mais

Rua Ângelo Provenzano, 705 B. Canudos Novo Hamburgo/RS

Rua Ângelo Provenzano, 705 B. Canudos Novo Hamburgo/RS Rua Ângelo Provenzano, 705 B. Canudos Novo Hamburgo/RS Coordenadora do LIE: Shanna Bortolotti Costa O TRABALHO NÃO COMEÇARIA, SEM ESTA PESSOA... Irmão Cláudio Despertar a noção de igualdade entre as diferentes

Leia mais

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA

LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA LUGARES E PAISAGENS DO PLANETA TERRA AS ÁGUAS DE SUPERFÍCIE Os rios são cursos naturais de água doce. Eles podem se originar a partir do derretimento de neve e de geleiras, de um lago ou das águas das

Leia mais

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792

ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 28 ÀGORA, Porto Alegre, Ano 3, jan/jun.2012. ISSN 2175-3792 FORMAÇÃO DE PROFESSORES A PARTIR DA LEI 10.639/03: UMA EXPERIÊNCIA NO PROJETO DE EDUCAÇÃO ANTIRRACISTA NO COTIDIANO ESCOLAR, DESENVOLVIDO PELA

Leia mais

UM FILHO FAVORITO QUE SE TORNA UM ESCRAVO

UM FILHO FAVORITO QUE SE TORNA UM ESCRAVO Bíblia para crianças apresenta UM FILHO FAVORITO QUE SE TORNA UM ESCRAVO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Byron Unger; Lazarus Adaptado por: M. Kerr; Sarah S. Traduzido por: Judith Menga Produzido

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO: SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

MEMORIAL DESCRITIVO: SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA MEMORIAL DESCRITIVO: SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA IRATI NOV/2014 Durante o ano letivo de 2014 foram desenvolvidas diversas atividades referentes aos temas: Cultura Afro-Brasileira e Africana, Cultura Indígena,

Leia mais

Numerologia. 0- Zero Representa o círculo o símbolo do universo, o infinito, o início e o fim.

Numerologia. 0- Zero Representa o círculo o símbolo do universo, o infinito, o início e o fim. Numerologia Números- Nume ou Númen, s. m. (latim númen) Divindade, poder celestial. Cada um dos deuses do paganismo, Gênio. Inspiração. Nume tutelar espírito protetor. Na astronomia já se fazia referencia

Leia mais

A conquista do Sertão. Expedições de apresamento

A conquista do Sertão. Expedições de apresamento A conquista do Sertão Expedições de apresamento As bandeiras contribuíram para a expansão do território em direção ao interior, porém houve muitas mortes de nativos. O principal alvo era as missões dos

Leia mais

Cemtec - MS Centro de Monitoramento de Tempo, do Clima e dos Recursos Hídricos

Cemtec - MS Centro de Monitoramento de Tempo, do Clima e dos Recursos Hídricos (Cemtec MS) Previsão do tempo PARA OS DIAS: 27 de maio (quarta-feira) a 29 de maio (sexta-feira) Chuva em Campo Grande para o mês de MAIO (até dia 26 às 13 h): 77,6 mm (estação do Inmet) A Normal Climatológica

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Coordenação de Diversidade SECAD/MEC Professora Leonor Araujo A escola é apontada como um ambiente indiferente aos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 020 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº. 020 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº. 020 DE 25 DE FEVEREIRO DE. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o

Leia mais

Rotação. Movimentos da Terra. Translação. Estações do Ano. Movimento aparente do Sol. Trópicos: limites da trajetória do Sol

Rotação. Movimentos da Terra. Translação. Estações do Ano. Movimento aparente do Sol. Trópicos: limites da trajetória do Sol Movimentos da Terra Rotação 14 movimentos; Rotação; Translação. Sucessão de dias e noites; Desvio das correntes marítimas; Atração gravitacional; Necessidade de fusos horários. Translação Estações do Ano

Leia mais

Elementos de Astronomia

Elementos de Astronomia Elementos de Astronomia Astronomia Antiga, Esfera Celeste, Coordenadas e Movimento Diurno dos Astros Rogemar A. Riffel Sala 1316 e-mail: rogemar@ufsm.br http://www.ufsm.br/rogemar/ensino.html Por que estudar

Leia mais

EFEMÉRIDES DO MÊS DE OUTUBRO DE 2014

EFEMÉRIDES DO MÊS DE OUTUBRO DE 2014 EFEMÉRIDES DO MÊS DE OUTUBRO DE 2014 POSIÇÃO GEOGRÁFICA: LATITUDE: -8.1º LONGITUDE: -34.9º LATITUDE: 8º 0 48.1 Sul LONGITUDE: 34º 51 3.4 Oeste CALENDÁRIO DO CÉU COM OS HORÁRIOS DE VISIBILIDADE DOS OBJETOS

Leia mais

Co-Autora: FERREIRA, Anne de Matos Souza- Pedagoga IFMT e-mail: anne.souza@plc.ifmt.edu.br. GT 19 Relações Raciais e Educação

Co-Autora: FERREIRA, Anne de Matos Souza- Pedagoga IFMT e-mail: anne.souza@plc.ifmt.edu.br. GT 19 Relações Raciais e Educação A IMPLEMENTAÇÃO DA LEI Nº 10.639/03 SOB A ÓTICA DAS GESTORAS DAS ESCOLAS ESTADUAIS DO MUNICÍPIO DE ARAPUTANGA-MT. Autora: MOREIRA, Rosana Antônia- Professora da Rede Municipal de Araputanga e-mail: rosantonia_2@hotmail.com

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores AÇÃO EDUCADORA: EXPERIÊNCIAS COM A AFROBRASILIDADE NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Maria De Jesus

Leia mais

ENSINO MÉDIO 01 - PLANETA TERRA FORMA E MOVIMENTO

ENSINO MÉDIO 01 - PLANETA TERRA FORMA E MOVIMENTO ENSINO MÉDIO 01 - PLANETA TERRA FORMA E MOVIMENTO QUESTÃO 01 - Sobre as características gerais dos movimentos terrestres, julgue os itens: a) É incorreto dizer que o Sol nasce a leste e se põe a oeste,

Leia mais

EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS MÓDULOS IV e V. Profa. Dra. Sueli Saraiva (colaboradora)

EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS MÓDULOS IV e V. Profa. Dra. Sueli Saraiva (colaboradora) EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS MÓDULOS IV e V Profa. Dra. Sueli Saraiva (colaboradora) EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS I MÓDULO IV Discutir sobre a educação das relações étnico-raciais na escola,

Leia mais

AMÉRICA PRÉ-COLOMBIANA

AMÉRICA PRÉ-COLOMBIANA Unidade 3 (2014) O CONTINENTE AMERICANO AMÉRICA PRÉ-COLOMBIANA Col. Santa Clara Prof. Marcos América do Norte: - Área = 55% - Países = 03 - Possessão/território = 1 América Central: - Área = 2% - Países

Leia mais

Projeto Cultura Afro e Indígena do IF SERTÃO PE Campus Petrolina

Projeto Cultura Afro e Indígena do IF SERTÃO PE Campus Petrolina Projeto Cultura Afro e Indígena do IF SERTÃO PE Campus Petrolina EDIVANIA GRANJA DA SILVA OLIVEIRA * O Instituto Federal do Sertão Pernambucano IF SERTÃO PE Campus Petrolina tem como meta favorecer uma

Leia mais

Ciências Humanas. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

Ciências Humanas. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo Ciências Humanas baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE CIÊNCIAS HUMANAS Elementary School 2 K5 Conteúdos Gerais Conteúdos Específicos Habilidades

Leia mais

Elementos Climáticos CLIMA

Elementos Climáticos CLIMA CLIMA Elementos Climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade, do

Leia mais

Atividade Geografia 5º ano Unidade 1

Atividade Geografia 5º ano Unidade 1 1. Encontre no caça palavras alguns astros do sistema solar. A S D F G B N J R M E R C U R I O E W G Y U I O P W T E R R A H X Z Y O C A D G H J E W T Y U E R T Y U I S P A F E R B A R A I E D S F R G

Leia mais

Sobre as representações do ambiente no ensino das estações

Sobre as representações do ambiente no ensino das estações Sobre as representações do ambiente no ensino das estações On the representations of the environment in the teaching of the seasons Daniella M. Cunha Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte daniella.fisica@gmail.com

Leia mais

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010

Introdução À Astronomia e Astrofísica 2010 CAPÍTULO 5 LUA E SUAS FASES. ECLIPSES. Lua. Fases da Lua. Sombra de um Corpo Extenso. Linha dos Nodos. Eclipses do Sol. Eclipses da Lua. Temporada de Eclipses. Saros. Recapitulando a aula anterior: Capítulo

Leia mais

Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei

Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 01- Estamos apenas começando Deus criou, eu cuidarei O velho testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

AFRICANIDADES. Cuti, um dos mais significativos poetas de origem africana da atualidade,

AFRICANIDADES. Cuti, um dos mais significativos poetas de origem africana da atualidade, AFRICANIDADES COMO VALORIZAR AS RAÍZES AFRO NAS PROPOSTAS PEDAGÓGICAS Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva 1 escreveu: Cuti, um dos mais significativos poetas de origem africana da atualidade, Quem conhece

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA E CULTURA AFRO- BRASILEIRA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA E CULTURA AFRO- BRASILEIRA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA E CULTURA AFRO- BRASILEIRA ÁREA DO CONHECIMENTO Educação. NOME DO CURSO Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em História e Cultura Afro-Brasileira. AMPARO

Leia mais

Prof. Franco Augusto

Prof. Franco Augusto Prof. Franco Augusto Astros São corpos que giram no espaço, classificados de acordo com a luminosidade. Iluminados ou opacos não possuem luz própria, recebendo luz das estrelas. São os planetas, asteroides,

Leia mais

BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA

BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA MARIANE CECHINEL GONÇALVES 1 KARINA GRAZIELA JOCHEM 2 VANESSA RIBAS CÚRCIO 3 ANGELA PAULA DE OLIVEIRA 4 MÁRCIA

Leia mais