PLANO DE ENSINO EMENTA:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE ENSINO EMENTA:"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM DISCIPLINA DE SEMIOTÉCNCIA DE ENFERMAGEM I 2º semestre 2009 CARGA HORÁRIA: 150h/a HORÁRIO: Quartas e quintas-feiras, das 7:30 às 12h. PROFESSORES: Profª MSc. Samanta A. M. Taube. Profª MSc. Shirley Boller, Profª Fernanda de O. F. Dos Santos, Profª Maria Carolina, Profª Nen Nalu A. Mercês. PLANO DE ENSINO EMENTA: Prevenção de infecções em estabelecimentos de saúde, materiais e equipamento de saúde, biossegurança, procedimentos técnicos de conforto, higiene e movimento, teorias de enfermagem. OBJETIVOS: Discutir fundamentos teóricos para a prática de cuidar: teorias de enfermagem, processo de enfermagem e registros em enfermagem; Compreender a finitude humana para promover conforto no processo de morrer; Adotar medidas para a prevenção e controle de infecção nos estabelecimentos de saúde (biossegurança, manipulação de materiais estéreis); Realizar medidas de segurança e proteção ao ser humano cuidado e ao cuidador; Desenvolver conforto e cuidados específicos para manter a integridade da pele (higiene, posicionamento no leito, termorregulação); Compreender a realização do cuidado com feridas (curativos). CONTEÚDO PROGRAMÁTICO: Conteúdo programático Unidade I: Fundamentos teóricos à prática de Enfermagem Processo de enfermagem; Teorias de enfermagem; Finitude humana: o processo de morte e morrer. Unidade II: Prevenção e controle de infecção e biossegurança Unidade de internação, tipos de leito e preparo do leito; Biossegurança: uso de EPI s para precauções baseadas nas vias de transmissão e manipulação de artigos estéreis; Central de Material e Esterilização: processamento de materiais. Procedimentos didáticos leitura de textos, dinâmicas de grupo, estudos de caso, seminário. prática de laboratório e de campo, visita técnica. Avaliação Participação em sala, seminário e avaliação Participação em sala, avaliação da prática de campo, avaliação

2 Unidade III: Segurança e proteção Movimentação do paciente e ergonomia; Aplicação de ações específicas de cuidado: ataduras (contenção e cobertura de feridas) e termoterapia. prática de laboratório e de campo, seminário. Avaliação do seminário, da prática de laboratório e de campo, avaliação Unidade IV: Ações de enfermagem para manter a integridade da pele e o cuidado com feridas. Promoção do conforto e higiene: posicionamento no leito, massagem, ações de higiene. Prevenção e tratamento de feridas: avaliação e ações de cuidado (curativo básico e os especiais); prática de laboratório e de campo, visita técnica, seminários. Participação em sala de aula, seminário, avaliação da prática de laboratório e de campo e avaliação BIBLIOGRAFIA BÁSICA ALMEIDA, M.C.P.; ROCHA, J.S.Y. O saber de enfermagem e sua dimensão prática. 2.ed. São Paulo: Cortez, ANDRADE, D. de; FERREIRA, A.M. Sítio cirúrgico: avaliação e intervenções de enfermagem no pós-operatório. Arq Ciênc Saúde, v.13, n.1, p.27-33, ALFARO-LEFEVRE.R Aplicação do Processo de Enfermagem. 5 ed. Porto Alegre: Artmed, CARPENITO-MOYET, L. J. Diagnósticos de Enfermagem. 10 ed. Porto Alegre: Artmed, CARPENITO-MOYET, L. J. Compreensão do processo de enfermagem: mapeamento de conceitos e planejamento do cuidado para estudantes. Porto Alegre: Artmed, CARPENITO-MOYET, L.J. Planos de cuidado de enfermagem e documentação: diagnósticos de enfermagem e problemas colaborativos. 4.ed. Porto Alegre: Artmed, COUTINHO, R.M.C.; FRIEDLANDER, M.R. Manuseio de material esterilizado: processo ensino-aprendizagem em laboratório de enfermagem e em centro cirúrgico. Acta Paul. Enferm., São Paulo, v.17, n.4, p , DELAY, C. Cuidando de feridas: um guia para as enfermeiras. São Paulo: Atheneu, FIGUEIREDO, M.A. de. Fundamentos do uso de tecnologias na enfermagem. São Caetano do Sul: Yendis, FONTANA, R.T.; LAUTERT, L. A prevenção e o controle de infecções: um estudo de caso com enfermeiras. São Paulo. Rev Bras Enferm, v.59, n.3, p , GOGIA, P.P. Feridas: tratamento e cicatrização. Rio de Janeiro: Revinter, HESS, C. T. Tratamento de feridas e ulceras. 4 ed. Rio de Janeiro: Reichmann e Affonso Editores, HORTA, W.A. Processo de enfermagem. 16ª impressão. São Paulo: EPU, JORGE, S.A.; DANTAS, S.R.P.E. Abordagem multiprofissional do tratamento de feridas. São Paulo: Atheneu, LEME, M.T.C.L. Check-list do controle de infecção hospitalar. Curitiba, LIMA, R.C.; BRETAS, J.R. Estudo comparativo entre séries de graduação em enfermagem: representações dos cuidados ao corpo do cliente. Rev. Acta Paul Enferm, São Paulo, v.19, n.4, p , MACHADO, W. C. A; LEITE, J. L. Eros e Thanatos: A morte sob a óptica da enfermagem. São Paulo: Yendis, MUSSI, F.C. Conforto e lógica hospitalar: análise a partir da evolução histórica do conceito conforto na enfermagem. Rev Acta Paul Enferm, São Paulo, v.18, n.1, p.78-81, NANDA. Diagnósticos de enfermagem da NANDA: definições e classificação. North American Nursing Diagnosis Association. Porto Alegre: Artmed, OLIVEIRA, A.C. Infecções hospitalares: epidemiologia, prevenção e controle. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, OLIVERA, A.S.; GOUVEIA, V.L.C.S. Uso de iodóforo tópico em feridas agudas. Rev Esc Enferm USP, São Paulo, v.42, n.1, p , PIANUCCI, A. Saber cuidar: procedimentos básicos em Enfermagem. 7. ed. São Paulo: Ed. SENAC, 2005.

3 POSSARI, J. F. Centro de material e esterilização. 2 ed. São Paulo: Iátria, RIBEIRO, A. G. Tratamento de feridas. Goiânia: AB, SANTOS, N.C.M. Enfermagem na prevenção e controle da infecção hospitalar. 2.ed. São Paulo: Iatria, SCHULL, P.D. (direção do projeto clinico). Enfermagem básica: teoria e pratica. 3.ed. São Paulo: Rideel, SOUZA, M.S.T.; SANTOS, V.L.C.G. Fatores de risco para o desenvolvimento de úlceras por pressão em idosos institucionalizados. Rev latino-am Enfermagem. v.15, n.5, set./out., Disponível em:<www.eerp.usp.br/rlae>. Acesso em> 10/07/08 SWEARINGEN, P. L.; HOWARD, C.A. Atlas Fotográfico de procedimentos de Enfermagem. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, TAUBE, S.A.M.; MEIER, M.J. O processo de trabalho da enfermeira na central de material e esterilização. Acta Paul Enferm. São Paulo. v.20, n.4, p.470-5, TIMBY, Bárbara K. Conceitos e habilidades fundamentais no atendimento de enfermagem. 8. ed. São Paulo: Artmed, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR BARROS, A.L.B.L. Anamnese e exame físico: avaliação diagnóstica de enfermagem no adulto. Porto Alegre: Artmed, 2002; BOLICK, D. et al. Segurança em controle de infecção. Rio de Janeiro: Reichmann e Affonso Editores, CARPENITO MOYET, L.J. Diagnósticos de enfermagem: aplicação à prática clínica - 11.ed. Porto Alegre: Artmed, 2008; CARRARO, T. E. Enfermagem e assistência: resgatando Florence Nigthingale. 2.ed. Goiânia: AB, GEORGE, J.B. e cols. Teorias de Enfermagem: os fundamentos à prática profissional. 4ªed. Porto Alegre: Artmed, JOHNSON, M. et al. Diagnósticos, resultados e intervenções de enfermagem. Porto Alegre: Artmed, LABRONICI, L. M. A corporeidade propiciando o coexistir da racionalidade e sensibilidade nas práticas de cuidar. (Mestrado em Assistência de Enfermagem). UFSC - Extensão Polo I. MEIER, M. J. A técnica e a tecnologia, mediando o saber-fazer na enfermagem. Curitiba, Dissertação (Mestrado em Tecnologia) - CEFET. MUSSI, N.M.; et al. Técnicas fundamentais de enfermagem. 2.ed. São Paulo: Atheneu, NETTINA, S. M. Prática de Enfermagem. 7. ed. Rio de Janeiro: Guanabara & Koogan, PAES, M. J. Comunicação tem remédio: a comunicação nas relações interpessoais em saúde. São Paulo: Loyola, PIERSON, F. M. Princípios e técnicas de cuidados com o paciente. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara & Koogan, PORTO, C. C. Exame clínico. 5. ed. Rio de Janeiro: Guanabara & Koogan, POTTER, P. A.; PERRY, A.G. Fundamentos de enfermagem. 6 ed. vol. 1 e 2. Rio de Janeiro: Guanbara Koogan, REMEN, R. N. O paciente como ser humano. São Paulo: Summus, SÁ, A.C. de. O cuidado do emocional em saúde. 2.ed. São Paulo: Robe, SILVA, R.C.L.; FIGUEIREDO, N.M.A.; MEIRELES, I.S. Feridas: fundamentos e atualizações em enfermagem. 2.ed. rev. e ampl. São Paulo: Yendis, SILVA, L.D.; PEREIRA, S.R.M.; MESQUITA, A.M.F. Procedimentos de Enfermagem. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, STEFANELLI, M. C. Comunicação com o paciente: teoria e ensino. 2 ed. São Paulo: Robe, TAUBE, S.A.M. O processo de trabalho da enfermeira na central de material e esterilização: uma perspectiva tecnológica aos instrumentos. Curitiba, f. Dissertação (Mestrado em Enfermagem), Setor de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Paraná, TAYLOR, C.; LILLIS, C.; LEMONE, P. Fundamentos de enfermagem. 5.ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

4 DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DE AVALIAÇÃO ATIVIDADE NOTA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DATA Confecção de banners: curativos * Instrumento especifico especiais /10 Seminário Teorias de Enfermagem 05 * Instrumento específico 26/08 Pratica de campo HC Estudo de caso * Ficha de avaliação individual De à 24/09 até 12/11 (quintas-feiras) * Instrumento específico Entrega trabalho escrito: 28/10 3 Avaliações: 2 teóricas e 1 pratica de laboratório 10 (cada) * Prova escrita (questões objetivas e subjetivas) Apresentação oral: 04/11 Avaliação teórica 1: 09/09 Avaliação prática de laboratório: 07/10 Seminários temáticos 05 Avaliação teórica 2: 11/11 * instrumento especifico Seminário 1: 06/08 Seminário 2: 27/08 Seminário 3: 10/09 Seminário 4: 10/09 Seminário 5: 16/09 Portfólio 10 * Avaliação individual do portfólio pelo professor. Seminário 6: 16/09 1ª entrega: 23/09 TOTAL NOTA 100 2ª entrega: 11/11

5 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM DISCIPLINA DE SEMIOTÉCNCIA DE ENFERMAGEM I 2º semestre 2009 CARGA HORÁRIA: 150h/a HORÁRIO: Quartas e quintas-feiras, das 7:30 às 12:30h. PROFESSORES: Profª MSc. Samanta A. M. Taube. Profª MSc. Shirley Boller, Profª Fernanda de O. F. Dos Santos, Profª Maria Carolina. CRONOGRAMA DE AULAS DATA DIA SEM. CONTEÚDOS DOCENTE 29/07 QUA 30/07 QUI Apresentação da disciplina Mapa conceitual 1 (individual) Processo de Enfermagem (aspectos conceituais) Anotação e Processo de Enfermagem (estudo de caso) Todos 05/08 QUA Teorias de enfermagem 06/08 QUI Cuidados de enfermagem com a unidade do paciente (tipos e arrumação de leito). Movimentação do enfermeiro e ergonomia Prática de laboratório Profª Maria Caroline 12/08 QUA Finitude humana: processo de morte e morrer (seminário 01) 13/08 QUI Prevenção de infecção: CME e o processamento de materiais Medidas de controle de infecção: Precauções Baseadas na Via de Transmissão. Profª Maria Caroline 19/08 QUA Prática de laboratório: manipulação de artigos estéreis e uso de luvas Profª Maria Caroline

6 20/08 QUI Visita técnica em uma CM 26/08 QUA Seminários Teorias de Enfermagem Profª Maria Carolina 27/08 QUI O processo de trabalho do enfermeiro no emprego de medidas de conforto (higiene, posicionamento no leito e massagem). (seminário 02) 02/09 QUA Prática de laboratório (higiene, posicionamento no leito e massagem) Profª Samanta, Maria Caroline, Shirley 03/09 QUI Prática de laboratório (higiene, posicionamento no leito e massagem) Profª Samanta, Maria Caroline, Shirley 09/09 QUA Avaliação teórica Cuidado com feridas: aspectos conceituais e de avaliação. 10/09 QUI Cuidado com feridas: ulcera por pressão e escalas preditoras (seminário 03 e 04) Cuidado com feridas: terapêutica 16/09 QUA Cuidado com feridas: ulceras venosas, arteriais e pé diabético (seminário 05 e 06) Prática de Laboratório Profª Shirley Boller Todas 17/09 QUI Prática de laboratório (avaliação de feridas e curativos) Profª Samanta, Maria Caroline 23/09 QUA Prática de laboratório (avaliação de feridas e curativos) Profª Samanta, Maria Caroline, Shirley. 24/09 QUI Pratica de Campo Todos 30/09 QUA Ações específicas de cuidado do enfermeiro: aplicação de termoterapia e ataduras Prof. Maria Caroline

7 Prática de Laboratório 01/10 QUI Pratica de campo Todos 07/10 QUA Prova Prática: laboratório Profª Samanta, Fernanda, Maria Carolina 08/10 QUI Prática de campo Todos 14/10 QUA Apresentação banners 15/10 QUI Prática de campo Todos 21/10 QUA EVINCI /10 QUI EVINCI /10 QUA RECESSO DIA DO SERVIDOR PUBLICO 29/10 QUI Prática de campo Todos 04/11 QUA Apresentação estudos de caso pratica HC Todos 05/11 QUI Prática de campo Todos 11/11 QUA Avaliação teórica Mapa conceitual 2 (individual) 12/11 QUI Prática de campo Todos 18/11 QUA Mapa conceitual 2 (grupal) Encerramento (avaliação disciplina)

PLANO DE ENSINO. I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Campus: Uruguaiana 2. Curso: Enfermagem 3. Componente Curricular: Semiologia e Semiotécnica de Enfermagem

PLANO DE ENSINO. I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Campus: Uruguaiana 2. Curso: Enfermagem 3. Componente Curricular: Semiologia e Semiotécnica de Enfermagem 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Campus: Uruguaiana 2. Curso: Enfermagem 3. Componente Curricular: Semiologia

Leia mais

Componente Curricular: METODOLOGIA DO PROCESSO DE CUIDAR I

Componente Curricular: METODOLOGIA DO PROCESSO DE CUIDAR I CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: METODOLOGIA DO PROCESSO DE CUIDAR I Código: ENF 202 Pré-requisito: Nenhum

Leia mais

A importância do treinamento para a equipe de enfermagem. Enfª Mariângela B Ribeiro

A importância do treinamento para a equipe de enfermagem. Enfª Mariângela B Ribeiro A importância do treinamento para a equipe de enfermagem Enfª Mariângela B Ribeiro Pontos importantes Porquê treinar? Padronização dos processos Segurança na realização dos procedimentos Redução de custos

Leia mais

VI Curso Preparatório para a Prova do Título de Especialista da SOBECC A Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória - SAEP

VI Curso Preparatório para a Prova do Título de Especialista da SOBECC A Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória - SAEP VI Curso Preparatório para a Prova do Título de Especialista da SOBECC A Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória - SAEP Andréa Tamancoldi Couto Enfermeira chefe de seção Centro Cirúrgico

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Recnhecid pela Prtaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seçã 1. Pág. 20 Cmpnente Curricular: ENFERMAGEM NO CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Códig: ENF-219 Pré-requisit: Nenhum

Leia mais

Faculdade da Alta Paulista

Faculdade da Alta Paulista CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Área: Estágio de Enfermagem em Saúde do Adulto I e II Campo de Atuação: Santa Casa de Tupã; Instituto de Psiquiatria de Tupã e Hospital São

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia Preventiva Código: Fisio 212 Pré-Requisito: ------- Período Letivo:

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DEPARTAMENTO DE FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM PLANO DE CURSO DISCIPLINA ENFERMAGEM MÉDICO CIRÚRGICA

Leia mais

Componente Curricular: ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ODONTOLOGIA I PLANO DE CURSO

Componente Curricular: ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ODONTOLOGIA I PLANO DE CURSO CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ODONTOLOGIA I Código: ODO-039 Pré-requisito:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC: DR. JOSÉ LUÍZ VIANA COUTINHO CÓDIGO: 073 EIXO TECNOLÓGICO: HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: QUALIFICAÇÃO: MÓDULO: COMPONENTE CURRICULAR: C.H. SEMANAL: PROFESSOR:

Leia mais

SAE - Sistematização da Assistência de Enfermagem. Prof.: Alessandra Baqui

SAE - Sistematização da Assistência de Enfermagem. Prof.: Alessandra Baqui SAE - Sistematização da Assistência de Enfermagem Prof.: Alessandra Baqui Com Florence Nightingale a enfermagem iniciou sua caminhada para a adoção de uma prática baseada em conhecimentos científicos;

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM ANA FLÁVIA FINALLI BALBO

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM ANA FLÁVIA FINALLI BALBO SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM ANA FLÁVIA FINALLI BALBO Sistematização da Assistência de Enfermagem = Processo de Enfermagem Na década de 50, iniciou-se o foco na assistência holística da

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013 Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Rodrigues de Abreu Código: 135 Município: Bauru/SP Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em Enfermagem

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº 026/2010

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº 026/2010 PARECER COREN-SP CAT Nº 026/2010 Assunto: Indicadores de Qualidade 1. Do fato Solicitado parecer por profissional de enfermagem sobre a definição e construção de indicadores de qualidade na assistência

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: BIOSSEGURANÇA Código: ENF- 307 Pré-requisito: Nenhum Período Letivo: 20.2

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E SAÚDE Código: ENF - 301 Pré-requisito: Nenhum Período

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CAMPUS URUGUAIANA CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CAMPUS URUGUAIANA CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CAMPUS URUGUAIANA CURSO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Universidade Federal do Pampa 2. Campus: Uruguaiana 3. Curso: Enfermagem

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Instituição: Universidade Alto Vale do Rio do Peixe Curso: Enfermagem Professorer: Erci Bohrer; Maria Aparecida Tavares; Dinamar Aparecida Gomes Período/ Fase:

Leia mais

Humanização no atendimento do Profissional Envolvidos Com as Técnicas Radiológicas

Humanização no atendimento do Profissional Envolvidos Com as Técnicas Radiológicas CLEBER FEIJÓ SILVA DANIELA PATRICIA VAZ TAIS MAZZOTTI cleber.feijo@famesp.com.br danielavaz@famesp.combr tamazzotti@terra.com.br Humanização no atendimento do Profissional Envolvidos Com as Técnicas Radiológicas

Leia mais

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 CURSO: Enfermagem DEPARTAMENTO: Ciências Básicas da Saúde DISCIPLINA: Enfermagem em Clínica Médica Cirúrgica I PROFESSORA RESPONSÁVEL:

Leia mais

PAPEL DO ENFERMEIRO NO ENSINO AO AUTOCUIDADO DE ADOLESCENTES COM DOENÇA FALCIFORME. Odete Aparecida de Moura

PAPEL DO ENFERMEIRO NO ENSINO AO AUTOCUIDADO DE ADOLESCENTES COM DOENÇA FALCIFORME. Odete Aparecida de Moura PAPEL DO ENFERMEIRO NO ENSINO AO AUTOCUIDADO DE ADOLESCENTES COM DOENÇA FALCIFORME Odete Aparecida de Moura Autores Odete Aparecida de Moura 1, Ana Paula Pinheiro Chagas Fernandes 2, José Nélio Januário

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE ENFERMAGEM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE ENFERMAGEM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE ENFERMAGEM CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENFERMAGEM EM TERAPIA INTENSIVA EDITAL N.º 01/2014 A Universidade Federal do Pará Campos Belém

Leia mais

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PLANO DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO Disciplina: NFR 510080 - Tópico Especial: Introdução à pesquisa com famílias Professores Responsáveis: Dra. Astrid Eggert Boehs Créditos: 2 Semestre: 2012/2 Ementa: Ementa Objetivos: Ementa:

Leia mais

Faculdade Independente do Nordeste Credenciada pela Portaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada no D.O.U. de 09/07/2001.

Faculdade Independente do Nordeste Credenciada pela Portaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada no D.O.U. de 09/07/2001. CURSO ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: CLÍNICA ODONTOLÓGICA IV Código: ODO-045 Pré-requisito: CLÍNICA

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: BIOSSEGURANÇA Código: ENF- 307 Pré-requisito: Nenhum Período Letivo: 2013.1

Leia mais

Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE):Informatização na Implantação(*)

Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE):Informatização na Implantação(*) Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE):Informatização na Implantação(*) Cristiane Vaucher(**) Enfermeira. Membro do Comitê de Implantação da SAE no INCA IV Jornada de Enfermagem em Oncologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA PLANO DE ENSINO Curso: FISIOTERAPIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FISIOTERAPIA PLANO DE ENSINO Prof MallisonVasconcelos Disciplina: 1614162 Tópicos Especiais em Fisioterapia:

Leia mais

administração. Esse modelo intitulado taylorista, também denominado Racionalidade Gerencial, centrou-se na tarefa visando o máximo de produtividade,

administração. Esse modelo intitulado taylorista, também denominado Racionalidade Gerencial, centrou-se na tarefa visando o máximo de produtividade, TEORIAS ADMINISTRATIVAS NA SAÚDE: A LÓGICA CAPITALISTA QUE SUBORDINA AS TEORIAS ADMINISTRATIVAS Sônia Maria Alves de Paiva 1 Cristiane Aparecida Silveira 2 Elizabeth Laus Ribas Gomes 3 Maísa Crivellini

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATU SENSU EM: PRÁXIS ENFERMAGEM ESTÉTICA

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATU SENSU EM: PRÁXIS ENFERMAGEM ESTÉTICA Faculdade Campo Limpo Paulista CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATU SENSU EM: PRÁXIS ENFERMAGEM ESTÉTICA PROJETO PEDAGÓGICO 2015 Sumário 1. Curso e Área de Conhecimento 2.Objetivo 3.Público-Alvo 4.Coordenador 5.Duração

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM PLANO DE ENSINO Disciplina: Saúde da Criança e do Adolescente Código: 106209 Crédito: 04.07.00

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA LORENA - SP Curso: Enfermagem Disciplina: Enfermagem Cirurgica Ano letivo 2011 Série 3º Carga Horária Total 108 h/a T 54 h/a P 54 h/a Professora: Fabiola Vieira Cunha

Leia mais

EDITAL Nº 01 PRONTO ATENDIMENTO UNINED CONTRATAÇÃO DE ENFERMEIRO

EDITAL Nº 01 PRONTO ATENDIMENTO UNINED CONTRATAÇÃO DE ENFERMEIRO EDITAL Nº 01 PRONTO ATENDIMENTO UNINED CONTRATAÇÃO DE ENFERMEIRO A Unimed Rondonópolis Cooperativa de Trabalho Médico Ltda, no uso de suas atribuições legais, estatutárias, e Regimento interno, Sociedade

Leia mais

COLÉGIO TÉCNICO SANTA MARIA GORETTI O MARKETING COMO GESTÃO EMPRESARIAL. Ana Rosa Freneda Docente Curso Podologia, Desenvolvimento de Novos Negócios.

COLÉGIO TÉCNICO SANTA MARIA GORETTI O MARKETING COMO GESTÃO EMPRESARIAL. Ana Rosa Freneda Docente Curso Podologia, Desenvolvimento de Novos Negócios. Ana Rosa Freneda Docente Curso Podologia, Desenvolvimento de Novos Negócios. TREINAMENTO NÍVEL TÉCNICO NA ÁREA DE CUIDADOS ESPECÍFICOS COM OS PÉS O curso oferece graduação técnica em Podologia, pioneira

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA LORENA - SP Curso: Enfermagem Disciplina: Enfermagem Saúde da Criança e do Adolescente Ano letivo 2011 Série 3º Ano Carga Horária Total h/a T 90 h/a P 54 h/a En. Cl.

Leia mais

Componente Curricular: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO II

Componente Curricular: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO II CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO II Código: ENF - 226 Pré-requisito: ENF

Leia mais

TCC 01 OBJETIVO. UTFPR Campus Pato Branco Bacharelado em química EMENTA ELABORAÇÃO DAS AULAS

TCC 01 OBJETIVO. UTFPR Campus Pato Branco Bacharelado em química EMENTA ELABORAÇÃO DAS AULAS TCC 01 UTFPR Campus Pato Branco Bacharelado em química Professores: Edilson Ferreira da Silva Raquel Dalla Costa da Rocha OBJETIVO Proporcionar ao discente a realização de um trabalho de pesquisa e/ou

Leia mais

Docente: Vera Lúcia Regina Maria

Docente: Vera Lúcia Regina Maria Docente: Vera Lúcia Regina Maria Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Consultora em SAE. Paulínia, Fevereiro, 2010 Maria VLR. Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE): Processo de Enfermagem.[diapositivo].

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÃNDIA ESCOLA TÉCNICA DE SAÚDE CURSO TÉCNICO PRÓTESE DENTÁRIA FICHA DA SUBFUNÇÃO/COMPONENTE CURRICULAR FUNÇÃO: Proteção e prevenção SUBFUNÇÃO: SEGURANÇA NO TRABALHO E BIOSSEGURANÇA

Leia mais

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO

CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 PLANO DE CURSO CURSO DE FISIOTERAPIA Autorizado pela Portaria nº 377 de 19/03/09 DOU de 20/03/09 Seção 1. Pág. 09 Componente Curricular: Fisioterapia em Angiologia Código: Fisio 228 Pré-Requisito: ------- Período Letivo:

Leia mais

PROCESSO DE CUIDAR EM ENFERMAGEM I e II

PROCESSO DE CUIDAR EM ENFERMAGEM I e II PROCESSO DE CUIDAR EM ENFERMAGEM I e II GUIA DO ESTUDANTE JUÍNA, MT 2015 GUIA DO ESTUDANTE Manual elaborado para a instrumentalização dos alunos matriculados nas disciplinas: PROCESSO DE CUIDAR EM ENFERMAGEM

Leia mais

Preparo do enfermeiro-líder para a qualidade da assistência de enfermagem: revisão da literatura

Preparo do enfermeiro-líder para a qualidade da assistência de enfermagem: revisão da literatura Preparo do enfermeirolíder para a qualidade da assistência de enfermagem: revisão da literatura Débora Cristina Fioretti Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Maria Cristina Sanna Docente do Curso

Leia mais

Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 PLANO DE CURSO

Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 PLANO DE CURSO C U R S O O D O N T O L O G I A Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: Diagnóstico Oral Código: ODO-020 Pré-requisito:

Leia mais

Melhor em Casa Curitiba-PR

Melhor em Casa Curitiba-PR Melhor em Casa Curitiba-PR ATENÇÃO DOMICILIAR Modalidade de Atenção à Saúde, substitutiva ou complementar às já existentes, caracterizada por um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção e tratamento

Leia mais

09/02/2006. Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar.

09/02/2006. Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar. 09/02/2006 Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar. Os pacientes que recebem atendimento médico em casa têm agora um regulamento para esses serviços. A Anvisa publicou, nesta segunda-feira

Leia mais

XIX Curso de Especialização em Enfermagem em Estomaterapia, Estomias, Feridas e Incontinências 2013.

XIX Curso de Especialização em Enfermagem em Estomaterapia, Estomias, Feridas e Incontinências 2013. XIX Curso de Especialização em Enfermagem em Estomaterapia, Estomias, Feridas e Incontinências 2013. Público alvo: Enfermeiros com, no mínimo, 2 anos de formados e experiência clínica geral ou específica

Leia mais

A Importância da Comunicação no Processo de Enfermagem: A Visão do Enfermeiro

A Importância da Comunicação no Processo de Enfermagem: A Visão do Enfermeiro A Importância da Comunicação no Processo de Enfermagem: A Visão do Enfermeiro FERREIRA, Grasiela S.G. 1 ; BICUDO, Eliane J. 2 ; CARVALHO,Diane A. 3 ; POSSO,Maria Belen S. 4 ; CHAGAS, Luciene Reginato.

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC: DR. JOSÉ LUÍZ VIANA COUTINHO CÓDIGO: 073 EIXO TECNOLÓGICO: HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: QUALIFICAÇÃO: MÓDULO: COMPONENTE CURRICULAR: C.H. SEMANAL: PROFESSOR:

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA 1/6 PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: SAÚDE DA MULHER CÓDIGO: EMI026 CARGA HORÁRIA TEÓRICA 30H CARGA HORÁRIA PRÁTICA 90H CRÉDITOS 8 VERSÃO CURRICULAR: 2010/2 PERÍODO: 7º DEPTO: EMI PRÉ-REQUISITOS Fundamentos

Leia mais

XX Curso de Especialização em Enfermagem em Estomaterapia, Estomias, Feridas e Incontinências 23.03.2015 a 23.03.2016

XX Curso de Especialização em Enfermagem em Estomaterapia, Estomias, Feridas e Incontinências 23.03.2015 a 23.03.2016 XX Curso de Especialização em Enfermagem em Estomaterapia, Estomias, Feridas e Incontinências 23.03.2015 a 23.03.2016 PÚBLICO ALVO: Enfermeiros com, no mínimo, 2 anos de formados e experiência clínica

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: GERENCIAMENTO EM ENFERMAGEM Código: ENF - 223 Pré-requisito: Nenhum Período

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE RELATÓRIOS DE ENFERMAGEM

UM ESTUDO SOBRE RELATÓRIOS DE ENFERMAGEM UM ESTUDO SOBRE RELATÓRIOS DE ENFERMAGEM RODRIGO DUARTE DE SOUZA Núcleo de Estudos e Pesquisas: Práticas Educativas e Processos de Interação - Mestrando Profa. Dra. Claudia Beatriz de Castro Nascimento

Leia mais

Estratégia Epidemiológica Gestão de Pacientes Crônicos. Diretor Médico do Hospital Quinta D Or

Estratégia Epidemiológica Gestão de Pacientes Crônicos. Diretor Médico do Hospital Quinta D Or Guilherme Villa Novembro de 2013 Estratégia Epidemiológica Gestão de Pacientes Crônicos Diretor Médico do Hospital Quinta D Or A Importância Social do Tema Long-term care services are needed by individuals

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Realização de Punção Venosa Periférica com Cateter sobre Agulha

Procedimento Operacional Padrão (POP) Assistência de Enfermagem Título. Realização de Punção Venosa Periférica com Cateter sobre Agulha Procedimento Operacional Padrão (POP) POP NEPEN/DE/HU Assistência de Enfermagem Título Realização de Punção Venosa Periférica com Cateter sobre Agulha Versão: 01 Próxima revisão: Elaborado por: Vanessa

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec: PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: AMBIENTE E SAÚDE Habilitação Profissional: Qualificação Técnica de Nível Médio de

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.

CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág. CURSO DE ODONTOLOGIA Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: ODONTOLOGIA PRÉ-CLÍNICA I Código: Pré-requisito: ANATOMIA HUMANA

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: AMBIENTE E SAÚDE Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico em Gerência de Saúde FORMA/GRAU:( ) integrado ( X ) subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

Especialização Profissional Técnica de Nível Médio

Especialização Profissional Técnica de Nível Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Especialização Profissional Técnica de Nível Médio Etec: Paulino Botelho Código: 091 Municipio: São Carlos Eixo Tecnológico: AMBIENTE e SAÚDE Habilitação Profissional: Habilitação

Leia mais

DISCIPLINA DE EMERGÊNCIAS EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA 6º ANO

DISCIPLINA DE EMERGÊNCIAS EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA 6º ANO DISCIPLINA DE EMERGÊNCIAS EM ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA 6º ANO - 2012 - Período: 04/06/2012 a 24/06/2012 Coordenador: Prof. Dr. Carga Horária: 3 semanas 120 horas Grupo: 2C OBJETIVOS Os alunos do último

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo Pág. 6. Cronograma de Aulas Pág. 10. Coordenação Programa e metodologia; Investimento 1 SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento 3 4 5 Etapas do Processo Seletivo Pág. 6 Matrícula 8 Cronograma de Aulas Pág. 10 2 PÓS-GRADUAÇÃO DE ENFERMAGEM EM CENTRO

Leia mais

Curso Preparatório à Distância (EAD)

Curso Preparatório à Distância (EAD) Curso Preparatório à Distância (EAD) Ensino à Distância (EAD): um compromisso firmado pela SOBECC CURSO EAD De acordo com a legislação educacional brasileira, Educação à Distância é uma forma de ensino

Leia mais

PANAFTOSA, OPAS-OMS COOPERAÇAO TÉCNICA MAPA-PANAFTOSA

PANAFTOSA, OPAS-OMS COOPERAÇAO TÉCNICA MAPA-PANAFTOSA PANAFTOSA, OPAS-OMS COOPERAÇAO TÉCNICA MAPA-PANAFTOSA Prgrama II Curs de Epidemilgia Aplicada Ri de Janeir, 13 a 24 de julh de 2009 Dia 13: segunda feira Abertura Bas vindas (Dr. Ottrin Csivi, Diretr PANAFTOSA)

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINAS

PROGRAMA DE DISCIPLINAS U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A B A H I A SUPERINTENDÊNCIA ACADÊMICA SECRETARIA GERAL DOS CURSOS PROGRAMA DE DISCIPLINAS DISCIPLINAS CÓDIGO NUT A02 N O M E ESTÁGIO EM ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PLANO DE ENSINO

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PLANO DE ENSINO Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PLANO DE ENSINO I. IDENTIFICAÇÃO DISCIPLINA Métodos e Técnicas de Pesquisa em Ciências CARGA HORÁRIA 72h Sociais CURSO Sociologia e Política

Leia mais

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro

Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro Prof. Carolina Borges e prof. Márcia Redendeiro PRÁTICA ODONTOLÓGICA= FATORES EXTERNOS + FATORES INTERNOS CONHECIMENTO CIENTÍFICO TECNOLOGIAS PRÁTICA ODONTOLÓGICA RECURSOS HUMANOS AMBIENTES RECURSOS HUMANOS

Leia mais

Descritores: Gerenciamento, Enfermagem e Dimensionamento.

Descritores: Gerenciamento, Enfermagem e Dimensionamento. INSTRUMENTO PRÁTICO PARA CLASSIFICAÇÃO DE PACIENTES CONFORME FUGULIN E BRADEN SIMULTANEAMENTE Faria HS¹, Barboza J², Pantano NP², Chagas LF² Hospital de Câncer de Barretos Fundação Pio XII Email: naiti_elle@hotmail.com

Leia mais

ADESÃO DE ADULTOS À TERAPIA EM VOZ NA CLÍNICA DE FONOAUDIOLOGIA

ADESÃO DE ADULTOS À TERAPIA EM VOZ NA CLÍNICA DE FONOAUDIOLOGIA ADESÃO DE ADULTOS À TERAPIA EM VOZ NA CLÍNICA DE FONOAUDIOLOGIA Autores: THAISY SANTANA DA SILVA, ADRIANA DE OLIVEIRA CAMARGO GOMES, ANA NERY BARBOSA DE ARAÚJO, JONIA ALVES LUCENA, ZULINA SOUZA DE LIRA,

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO 11º CURSO DE EXTENSÃO PARA ENFERMEIROS E TÉCNICOS EM ENFERMAGEM.

EDITAL DE SELEÇÃO 11º CURSO DE EXTENSÃO PARA ENFERMEIROS E TÉCNICOS EM ENFERMAGEM. EDITAL DE SELEÇÃO 11º CURSO DE EXTENSÃO PARA ENFERMEIROS E TÉCNICOS EM ENFERMAGEM. A interpretação do presente documento deve ser realizada de forma sistêmica, mediante combinação e concordância dos itens

Leia mais

CAPITAL. 12/05/14 17h Sede do COREN-PI Comemoração do Dia do Enfermeiro Palestra: Entre a teoria e a prática onde está o paciente?

CAPITAL. 12/05/14 17h Sede do COREN-PI Comemoração do Dia do Enfermeiro Palestra: Entre a teoria e a prática onde está o paciente? PROGRAMAÇÃO SEMANA DA ENFERMAGEM COREN-PI CAPITAL 17h Sede do COREN-PI Comemoração do Dia do Enfermeiro Palestra: Entre a teoria e a prática onde está o paciente? 12 a 16 de Maio HOSPITAL DO SATÉLITE Palestra:

Leia mais

Home Care: Serviço Domiciliar em Saúde

Home Care: Serviço Domiciliar em Saúde Home Care: Serviço Domiciliar em Saúde Jaqueline Barth Camargo Lucena (FSG) jbarthc@hotmail.com Prof. Ms. Júlio César Ferro de Guimarães (FSG) Julio.guimaraes@ftsg.edu.br Profa. Ms. Eliana Andrea Severo

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Recursos Naturais Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico em Meio Ambiente FORMA/GRAU:( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

Curso de Pós Graduação em Energia SEMINÁRIOS DE ENERGIA (ENE-105)

Curso de Pós Graduação em Energia SEMINÁRIOS DE ENERGIA (ENE-105) Curso de Pós Graduação em Energia SEMINÁRIOS DE ENERGIA (ENE-105) Prof. Dr. Federico Bernardino Morante Trigoso Prof. Dr. Luis Alberto Martinez Riascos Santo André, SP Setembro de 2012 federico.trigoso@ufabc.edu.br

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Enfermagem Disciplina: Cuidar de Enfermagem nas Emergências e Traumas Carga Horária: 120h Teórica: 60h Prática: 60h Semestre: 2013.2 Período: 7º Professor:

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Autorizado pela Portaria no 135, de 29/01/09, publicada no DOU no 21, de 30/01/09, seção 1, pág.

CURSO DE ENFERMAGEM Autorizado pela Portaria no 135, de 29/01/09, publicada no DOU no 21, de 30/01/09, seção 1, pág. CURSO DE ENFERMAGEM Autorizado pela Portaria no 135, de 29/01/09, publicada no DOU no 21, de 30/01/09, seção 1, pág. Componente Curricular: ENFERMAGEM EM SAÚDE COLETIVA I Código: ENF 207 CH Total: 90horas

Leia mais

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG

QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Unidade Acadêmica: Núcleo de Estudos em Saúde Coletiva - NESC/UFG QUALIDADE NO REPROCESSAMENTO DE ARTIGOS PELO VAPOR SATURADO SOB PRESSÃO. Alline Cristhiane da Cunha MENDONÇA 1 ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA 2 ; Anaclara Ferreira Veiga TIPPLE 3. Unidade Acadêmica: Núcleo

Leia mais

PEDIATRIA CLÍNICA 1. OBJETIVOS

PEDIATRIA CLÍNICA 1. OBJETIVOS PEDIATRIA CLÍNICA PROGRAMA PARA O 6º. ANO DE MEDICINA 2015 Estágio obrigatório em tempo integral, que visa à formação em Pediatria Geral, em estagio prático, sob supervisão docente, com ênfase ao raciocínio

Leia mais

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R As fases do câncer ANTERIOR AO DIAGNÓSTICO RECUPERAÇÃO OU MORTE DIAGNÓSTICO A FASE

Leia mais

Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 PLANO DE CURSO

Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 PLANO DE CURSO C U R S O O D O N T O L O G I A Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: PSICOLOGIA APLICADA A SAÚDE Código: ODO-025 Pré-requisito:

Leia mais

Proposta de Metodologia para Otimização do Desempenho de Estudantes de Nível Técnico

Proposta de Metodologia para Otimização do Desempenho de Estudantes de Nível Técnico Proposta de Metodologia para Otimização do Desempenho de Estudantes de Nível Técnico Graziele Fátima Klein. MsC. Docente da disciplina de Medicina do Trabalho-TECPUCPR. graziele.klein@pucpr.br Resumo Elaine

Leia mais

Fatores que influenciam a realização da atividade diagnóstica nos estágios clínicos de enfermagem

Fatores que influenciam a realização da atividade diagnóstica nos estágios clínicos de enfermagem PESQUISA Fatores que influenciam a realização da atividade diagnóstica nos estágios clínicos de enfermagem Aline Simões Moizés Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Isaac Rosa Marques Docente do Curso

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

PLANO DE CURSO. Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Pré-requisito:

PLANO DE CURSO. Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Pré-requisito: CURSO DE ENFERMAGEM R e c o n h e c i d o p e l a P o r t a r i a n º 2 7 0 d e 1 3 / 1 2 / 1 2 D O U N º 2 4 2 d e 1 7 / 1 2 / 1 2 S e ç ã o 1. P á g. 2 0 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA

Leia mais

Forças impulsoras e restritivas para o trabalho em equipe na Unidade de Terapia Intensiva

Forças impulsoras e restritivas para o trabalho em equipe na Unidade de Terapia Intensiva Forças impulsoras e restritivas para o trabalho em equipe na Unidade de Terapia Intensiva Myrian Karla Ayres Veronez PEIXOTO Lizete Malagoni de Almeida Cavalcante OLIVEIRA Denize Bouttelet MUNARI Programa

Leia mais

SUPORTE NUTRICIONAL. Nutrição Parenteral

SUPORTE NUTRICIONAL. Nutrição Parenteral UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO DISCIPLINA DE NUTROLOGIA SUPORTE NUTRICIONAL Nutrição Parenteral EnfªDanielli Soares Barbosa Equipe Multiprofissional Terapia Nutricional HC-UFTM CONCEITO Solução

Leia mais

Data Conteúdo Docente Leitura Recomendada para avaliação -Apresentação da disciplina

Data Conteúdo Docente Leitura Recomendada para avaliação -Apresentação da disciplina UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE (UFF) ESCOLA DE ENFERMAGEM AURORA DE AFONSO COSTA (EEAAC) DEPARTAMENTO DE ENFERMAGEM MÉDICO-CIRÚRGICO (MEM) Disciplina: ENFERMAGEM NA SAÚDE DO ADULTO E DO IDOSO II 1 Equipe

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC no 433 de 21/10/11 DOU de 24/10/11

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC no 433 de 21/10/11 DOU de 24/10/11 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ESTÉTICA E COSMÉTICA Autorizado pela Portaria MEC no 433 de 21/10/11 DOU de 24/10/11 Componente Curricular: Estética Facial Código: -- Pré-requisito: -- Período Letivo:

Leia mais

Curso: Medicina Ano letivo: 2013 Nome da Disciplina: Saúde Coletiva I Data de início/término da Disciplina: 25/03 a 23/12 Aulas teóricas: 14:00 às

Curso: Medicina Ano letivo: 2013 Nome da Disciplina: Saúde Coletiva I Data de início/término da Disciplina: 25/03 a 23/12 Aulas teóricas: 14:00 às Curso: Medicina Ano letivo: 2013 Nome da Disciplina: Saúde Coletiva I Data de início/término da Disciplina: 25/03 a 23/12 Aulas teóricas: 14:00 às 17:30 hs - Centro de Aulas Aulas práticas: 14:00 às 17:30

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DE TERAPIA NUTRICIONAL - EMTN ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS Enfª Danielli Soares Barbosa Membro do Grupo

Leia mais

H - ÁREA PROFISSIONAL FISIOTERAPIA MÚSCULO ESQUELÉTICA

H - ÁREA PROFISSIONAL FISIOTERAPIA MÚSCULO ESQUELÉTICA H - ÁREA PROFISSIONAL FISIOTERAPIA MÚSCULO ESQUELÉTICA FISIOTERAPIA EM GERIATRIA E GERONTOLOGIA Titulação: Aprimoramento e Especialização Supervisor: José Eduardo Pompeu Características: (duração 12 meses)

Leia mais

Atividade Prática como Componente Curricular)

Atividade Prática como Componente Curricular) PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO: 2008 ANO DO CURSO: 3ºsérie Curso: Odontologia Modalidade:Anual Turno:Integral Centro: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Campus: Cascavel APCC 4 Total Disciplina

Leia mais

Faculdade de Medicina da UFMG Departamento de Clínica Médica. Disciplina CLM 2

Faculdade de Medicina da UFMG Departamento de Clínica Médica. Disciplina CLM 2 Coordenador: Flávio Chaimowicz flaviochz@gmail.com Subcoordenador: Lucas José Campos Machado lucasjcm@gmail.com Carga horária: 75 horas, divididas em aproximadamente 18 aulas de 4 horas. Local das aulas:

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: ENFERMAGEM EM ATENÇÃO A SAÚDE DA MULHER E DO HOMEM II Código: ENF- 213 CH

Leia mais

Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 PLANO DE CURSO

Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 PLANO DE CURSO C U R S O O D O N T O L O G I A Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: ODONTOLOGIA SOCIAL Código: ODO-044 Pré-requisito:

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL CONTROLE DE VISITA HOSPITALAR / ACOMPANHANTES

NORMA PROCEDIMENTAL CONTROLE DE VISITA HOSPITALAR / ACOMPANHANTES 30.01.006 1/13 1. FINALIDADE Estabelecer procedimentos para controlar a entrada de visitas aos clientes internados e de seus respectivos acompanhantes. 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO Todos os colaboradores, clientes,

Leia mais