1. Direitos coletivos e direitos individuais: Os dois gêneros sao transindividuais. Os coletivos lato sensu se contrapõem aos individuais.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Direitos coletivos e direitos individuais: Os dois gêneros sao transindividuais. Os coletivos lato sensu se contrapõem aos individuais."

Transcrição

1 1 DIREITO AMBIENTAL PONTO 1: Direitos coletivos e direitos individuais PONTO 2: Conceito, sujeito ativo e passivo PONTO 3: Panorama das Leis mais importantes ambientais PONTO 4: Origem do Direito Ambiental PONTO 5: Análise do art. 225 da Constituição Federal PONTO 6: Competência Ambiental 1. Direitos coletivos e direitos individuais: Coletivos lato sensu coletivos - Difusos. Os dois gêneros sao transindividuais. Os coletivos lato sensu se contrapõem aos individuais. - Coletivos lato sensu : - Coletivos stricto sensu - pessoas determináveis ou determinadas. Esse grupo ou classe pode ser, por exemplo, grupo MC. As pessoas são ligadas entre elas com a parte contraria e sentença beneficia a todos. Tratada no CDC. - Difusos pessoas indeterminadas. Há uma relação nas pessoas determinadas por um objetivo comum. - Individuais: São direitos individuais, mas por terem uma origem comum eles podem ser demandados coletivamente. Há semelhança. Ex: avião que caiu e matou 100 pessoas, cada um tem seu dano, mas como tem origem comum, as pessoas podem litigar de forma homogênea. Para o MP defender os direitos individuais tem que ter uma conveniência social, pois a sociedade não pode pagar ação para defender os individuais. Porém, se for um grupo de hipossuficientes há interesse público e conveniência social.

2 2 2. Conceito, Sujeito ativo e passivo: Art. 225 da CF: Art Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá- lo para as presentes e futuras gerações. Sujeito ativo: a coletividade. São todos. Objeto jurídico tutelado pela norma constituição: é o direito ao meio-ambiente ecologicamente equilibrado, bem ambiental ou meio ambiente qualificado (são sinônimos). É um direito imaterial. A grande diferença desse bem jurídico tutelado para os outros bens, como: a água, flora, animais, é que estes são micro-bens e sua soma compõem o meio ambiente ecologicamente equilibrado que é o macro-bem. art. 3º. Os recursos ambientais estão previstos na Lei de política Nacional do Meio-Ambiente, A propriedade do bem ambiental é da humanidade bens difusos ou coletivos que não são públicos e nem privados, mas são de todos. Já os bens recursos naturais podem ser particulares, públicos ou de todos. Exemplo: os minérios são todos da União bem público. Cachorro/ Gado/ árvores de determinada propriedade são dos donos bem particular. Os peixes/ pássaros são de todos. Sujeito passivo: a coletividade. Pois todos tem direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado. É a chamada Confusão no direito civil: pois todos são sujeitos passivos do meioambiente ecologicamente equilibrado e também todos têm obrigações de preservá-lo, são responsáveis. Defender e preservar não são sinônimos, ambas estão previstas na CF. Esse direito é inter-geracional, pois as pessoas atuais tem direitos, bem comoa s gerações futuras.

3 3 Princípio do desenvolvimento sustentável, o qual diz que devemos entregar o meio ambiente a gerações futuras em iguais ou melhores condições que recebemos. 3. Panorama das Leis mais importantes ambientais: - Lei 4771/65 - Código Florestal. Estabelece o que é área de preservação permanente art. 1º. Art. 3º. APP é diferente de reserva legal (percentual de cada área rural). Há modificações. - Lei 6.938/81 Lei da Política Nacional de Meio Ambiente. É uma das leis mais importantes do direito ambiental. Trouxe uma grande revolução que é a responsabilidade objetiva pelo dano ambiental, ou seja, a responsabilidade objetiva no direito brasileiro não veio do CDC, mas de Histórico de conferência das Nações Unidas: 1ª) 1972 de Estocolmo. A partir desse momento é que se passou a discutir sobre os impactos ambientais da revolução industrial, surge idéia o desenvolvimento sustentável, bem como a Lei 6838/81. 2ª) 1992 Eco ou Rio 92, no Rio de Janeiro. 3ª) 2002 Conferência de Johanesburg, na África do Sul. 4ª) 2022 ocorrerá no Rio de Janeiro novamente. Essa Lei é base da responsabilidade civil. - Lei 7347/85 Lei da Ação Civil Pública, embasou a Constituição de Base da responsabilidade civil. - Lei 9433/97 Lei da Política Nacional de Recursos Híbridos. Elemento mais importante do meio-ambiente. - Lei 9.605/98 Lei dos crimes ambientais e infrações administrativas. Bases da responsabilidade penal.

4 4 - Lei 9.985/00 Lei do Sistema Nacional de Unidade de Conservação (SNUC). - Lei /07 Lei da Política Nacional do Saneamento. - Lei /10 Lei da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Art. 1228, 1º do CC trata da função social da propriedade: 1 o O direito de propriedade deve ser exercido em consonância com as suas finalidades econômicas e sociais e de modo que sejam preservados, de conformidade com o estabelecido em lei especial, a flora, a fauna, as belezas naturais, o equilíbrio ecológico e o patrimônio histórico e artístico, bem como evitada a poluição do ar e das águas. O capitalismo é compatível com desenvolvimento sustentável, bem como com o direito de propriedade com direito ambiental. A nossa lei procura compatibilizar. 4. Origem do Direito Ambiental: Para entender o direito ambiental tem que entender a evolução Evolução de Gaia: A terra tem 4,6 bilhões de anos, se fossem compactadas em 46 anos: - Até os 7 anos, não temos nenhuma informação sobre o Planeta. - Os extintos dinossauros só apareceram depois de 45 anos. - Os mamíferos só surgiram há 8 meses. - Na última semana apareceram os primatas. - O ser humano existe desde as últimas 4 horas. - Na última hora, o homem descobre agricultura. - A Revolução Industrial só começou no último minuto. A nossa realidade atual do direito ambiental é pós-modernidade. Na modernidade surge com a sociedade industrial, a partir do século XVIII, o ideal era crescer cada vez mais, desenvolver ciência e tecnológica. Na pós-modernidade vivemos um período de transição e insegurança. Vivemos uma crise do direito ambiental e da própria sociedade. O ideal é o desenvolvimento sustentável. O limite foi ultrapassado. A natureza não consegue mais agüentar tanta agressão. Não há solução para os problemas ambientais sofridos.

5 5 A ciência não é mais a dona da verdade, pois há verdades a partir de diferentes leituras dos fatos. Foi a partir da segunda metade do Séc. XX que emergem as preocupações ambientais. A revolução industrial é um marco na destruição da natureza, porque com ela o homem passou a ter os meios não uma cidade, mas um planeta. Pode explorar recursos minerais em Área de Preservação Permanente, desde que tenha licença ambiental. O que não pode são coisas absurdas, por exemplo, destruir, incendiar, maltratar. Aquecimento global ou efeito estufa: ao redor da terra existem gases de efeito estufa que são benefícios porque o sol manda radiação e reflete na terra, restringindo os raios solares, mantendo temperatura estável na terra, se não ficaria muito quente. Eles filtram. Se fossem em muita quantidade não passariam os raios. Portanto, precisa ter equilíbrio. Como há quantidade superior de gases decorrentes da terra não consegue retornar, ficando como se fosse uma estufa, por isso, temos problema de aquecimento. Síntese da nova visão uma visão antropocêntrica (visão onde o homem é o centro e comanda a natureza, não se preocupando com ela) passando para uma visão ecocêntrica, no qual o homem integra o meio-ambiente. Porém, não é a visão ecocêntrica que prevalece - Decisão do STJ em 2004: "Não sou daqueles que são radicais na preservação do meio ambiente. Penso que o meio ambiente deve servir ao homem". No estado de natureza não tínhamos geração de direito, no estado liberal tivemos a primeira geração, direitos negativos direito liberdade, igualdade, entre outros. indivíduos. Socialismo trouxe os direitos de segunda geração direitos positivos destinados aos

6 6 O estado social traz os direitos da terceira geração são voltados ao gênero humano. - Liberdade (1ª geração) Igualdade (2ª geração) Fraternidade 3º geração). Direitos humanos fundamentais são: essenciais; reconhecido pelo direito positivo; sem ele não há vida; ou a vida não seria vivida com dignidade. Ex: saúde, vida, direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado. 5. Análise do art. 225 da Constituição Federal: O legislador colocou essas matérias na CF não originalmente constitucionais porque são muito importantes. Art. 225, 1º - Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao Poder Público: I - preservar e restaurar os processos ecológicos essenciais e prover o manejo ecológico das espécies e ecossistemas; (Regulamento) TRATA DA BIODIVERSIDADE. II - preservar a diversidade e a integridade do patrimônio genético do País e fiscalizar as entidades dedicadas à pesquisa e manipulação de material genético; III - definir, em todas as unidades da Federação, espaços territoriais e seus componentes a serem especialmente protegidos, sendo a alteração e a supressão permitidas somente através de lei, vedada qualquer utilização que comprometa a integridade dos atributos que justifiquem sua proteção; IV - exigir, na forma da lei, para instalação de obra ou atividade potencialmente causadora de significativa degradação do meio ambiente, estudo prévio de impacto ambiental, a que se dará publicidade; V - controlar a produção, a comercialização e o emprego de técnicas, métodos e substâncias que comportem risco para a vida, a qualidade de vida e o meio ambiente; VI - promover a educação ambiental em todos os níveis de ensino e a conscientização pública para a preservação do meio ambiente; VII - proteger a fauna e a flora, vedadas, na forma da lei, as práticas que coloquem em risco sua função ecológica, provoquem a extinção de espécies ou submetam os animais a crueldade. Inciso III - espaços territoriais: reserva legal, área de preservação permanente e todas de unidades de preservação previstas pela lei do SNUC. Essas unidades especiais podem ser instituídas por ato do Poder Público Executivo ou Legislativo, ou seja, por decreto ou lei. Porém, alteração para menos somente poderá ser feita através de lei Lei Ordinária. A CF trata de estudo de impacto ambiental, ou seja, um ato dentro do licenciamento ambiental este é tratado pela Lei 9638/81, Resoluções do CONAMA.

7 7 Inciso IV: Todas as atividades potencialmente poluidoras estão sujeitas a licença ambiental. Estudo de impacto ambiental é feito quando uma atividade é possível ser grande causadora de impacto ambiental. Será dada publicidade, salvo questão sigilosa, por exemplo, estudo de impacto ambiental de um Presídio, Usina Nuclear. Inciso VI - Diferenciação entre educação ambiental e conscientização pública a educação ambiental é para os níveis de ensino e a conscientização pública é para toda coletividade. Inciso VII Observar submeter os animais a crueldade. 2º - Aquele que explorar recursos minerais fica obrigado a recuperar o meio ambiente degradado, de acordo com solução técnica exigida pelo órgão público competente, na forma da lei. Explorar recursos minerais depende de autorização da União, pois pertence a União. Quem explorar tem que recuperar o meio ambiente degradado. Nota-se que a interferência humana na natureza é necessária. O dano ambiental é socialmente justificável. Não pode haver é dano ambiental sem autorização legal, sem licença ambiental, com autoridade competente. Trata-se de jogo de interesses. 3º - As condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas físicas ou jurídicas, a sanções penais e administrativas, independentemente da obrigação de reparar os danos causados. A CF prevê a responsabilidade da pessoa jurídica. Temos a tríplice responsabilidade: civil, penal e administrativa que são independentes entre si. Não se trata de bis in idem. 4º - A Floresta Amazônica brasileira, a Mata Atlântica, a Serra do Mar, o Pantanal Mato-Grossense e a Zona Costeira são patrimônio nacional, e sua utilização far-se-á, na forma da lei, dentro de condições que assegurem a preservação do meio ambiente, inclusive quanto ao uso dos recursos naturais.

8 8 Patrimônio Nacional quer dizer que tem grande importância ao Brasil, mas não quer dizer que são bem público. 5º - São indisponíveis as terras devolutas ou arrecadadas pelos Estados, por ações discriminatórias, necessárias à proteção dos ecossistemas naturais. 6º - As usinas que operem com reator nuclear deverão ter sua localização definida em lei federal, sem o que não poderão ser instaladas. Para ter usina nuclear tem que estar definida a localização por lei federal. Art A ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, tem por fim assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da justiça social, observados os seguintes princípios: I - soberania nacional; II - propriedade privada; III - função social da propriedade; IV - livre concorrência; V - defesa do consumidor; VI - defesa do meio ambiente, inclusive mediante tratamento diferenciado conforme o impacto ambiental dos produtos e serviços e de seus processos de elaboração e prestação; VII - redução das desigualdades regionais e sociais; VIII - busca do pleno emprego; IX - tratamento favorecido para as empresas brasileiras de capital nacional de pequeno porte. IX - tratamento favorecido para as empresas de pequeno porte constituídas sob as leis brasileiras e que tenham sua sede e administração no País. A proteção do meio ambiente está dentro da ordem econômica brasileira. 6. Competência Ambiental: - Princípio da Subsidiariedade: nada deverá ser feito por um ente de nível superior se puder ser realizado pelo de nível inferior. - No licenciamento: IBAMA atua em caráter supletivo (art. 10 da LPNMA). - Regra geral: o licenciamento se dá em razão da abrangência do impacto, não em virtude da titularidade do bem atingido. Art. 21. Compete à União: XVIII - planejar e promover a defesa permanente contra as calamidades públicas, especialmente as secas e as inundações; XIX - instituir sistema nacional de gerenciamento de recursos hídricos e definir critérios de outorga de direitos de seu uso; XX - instituir diretrizes para o desenvolvimento urbano, inclusive habitação, saneamento básico e transportes urbanos;

9 XXIII - explorar os serviços e instalações nucleares de qualquer natureza e exercer monopólio estatal sobre a pesquisa, a lavra, o enriquecimento e reprocessamento, a industrialização e o comércio de minérios nucleares e seus derivados, atendidos os seguintes princípios e condições: d) a responsabilidade civil por danos nucleares independe da existência de culpa. 9 A União não é responsável pelo desenvolvimento urbano, são apenas instituídas diretrizes nacionais, quem executa é o Município. A responsabilidade objetiva na CF. Art. 22. Compete privativamente à União legislar sobre: IV - águas, energia, informática, telecomunicações e radiodifusão; XII - jazidas, minas, outros recursos minerais e metalurgia; XXVI - atividades nucleares de qualquer natureza. Não quer dizer que só União pode legislar sobre águas, mas apenas nos aspectos gerais, pois os Municípios e Estados também podem legislar sobre águas. Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios: III - proteger os documentos, as obras e outros bens de valor histórico, artístico e cultural, os monumentos, as paisagens naturais notáveis e os sítios arqueológicos; IV - impedir a evasão, a destruição e a descaracterização de obras de arte e de outros bens de valor histórico, artístico ou cultural; V - proporcionar os meios de acesso à cultura, à educação e à ciência; VI - proteger o meio ambiente e combater a poluição em qualquer de suas formas; VII - preservar as florestas, a fauna e a flora; IX - promover programas de construção de moradias e a melhoria das condições habitacionais e de saneamento básico; XI - registrar, acompanhar e fiscalizar as concessões de direitos de pesquisa e exploração de recursos hídricos e minerais em seus territórios. Proteção ao patrimônio cultural, paisagens naturais especiais e sítios arqueológicos. Poderia resumir em preservação do meio ambiente. Parágrafo único: Leis complementares fixarão normas para a cooperação entre a União e os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, tendo em vista o equilíbrio do desenvolvimento e do bem-estar em âmbito nacional. existe essa LC. A lei complementar vai fixar as normas de cooperação entre todos entes porém, não no caso. Regra: todos deverão atuar diante de um fato ambiental, e o que atuar primeiro seguirá

10 10 O princípio geral é de que sempre vai atuar quem estiver mais próximo do fato e se o que tiver menor hierarquia puder resolver deverá fazê-lo. Se impacto for local a responsabilidade, como regra, será do Município. Se o impacto for regional, como regra, a competência é do Estado e se o impacto for nacional ou inter-regional a competência é da União. A competência não decorre da localidade do bem, mas do tamanho do impacto. Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: VI - florestas, caça, pesca, fauna, conservação da natureza, defesa do solo e dos recursos naturais, proteção do meio ambiente e controle da poluição; (natural) VII - proteção ao patrimônio histórico, cultural, artístico, turístico e paisagístico; (cultural) VIII - responsabilidade por dano ao meio ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico. 1º No âmbito da legislação concorrente, a competência da União limitar-se-á a estabelecer normas gerais. 2º A competência da União para legislar sobre normas gerais não exclui a competência suplementar dos Estados. 3º Inexistindo lei federal sobre normas gerais, os Estados exercerão a competência legislativa plena, para atender a suas peculiaridades. 4º A superveniência de lei federal sobre normas gerais suspende a eficácia da lei estadual, no que lhe for contrário. Art. 30. Compete aos Municípios: VIII - promover, no que couber, adequado ordenamento territorial, mediante planejamento e controle do uso, do parcelamento e da ocupação do solo urbano; IX - promover a proteção do patrimônio histórico-cultural local, observada a legislação e a ação fiscalizadora federal e estadual.

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL 1. NOMENCLATURA DA DISCIPLINA JURÍDICA Direito ambiental, direito do meio ambiente, direito do desenvolvimento sustentável, direito verde, direito ecológico, direito de

Leia mais

DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL

DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL DIREITO NO BRASIL CONTEXTO NACIONAL Ordenamento Jurídico; O meio ambiente na constituição federal; Política Nacional do Meio Ambiente; SISNAMA; Responsabilidades civil; Responsabilidade penal ambiental;

Leia mais

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Rodolfo Torres Advogado Assessor Jurídico do INEA Especialista em Direito Ambiental pela PUC/RJ Fiscalização: noções gerais Manifestação do

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E DIREITO: UM OLHAR SOBRE O ARTIGO 225 DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E DIREITO: UM OLHAR SOBRE O ARTIGO 225 DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E DIREITO: UM OLHAR SOBRE O ARTIGO 225 DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL GOMES, Alessandro. alefot@bol.com.br Resumo: O texto que se segue parte de uma rápida passagem

Leia mais

II) Conceito de meio ambiente. Art. 3º, I da Lei da Política Nacional de Meio Ambiente (Lei 6.938/81).

II) Conceito de meio ambiente. Art. 3º, I da Lei da Política Nacional de Meio Ambiente (Lei 6.938/81). I) Princípios do Direito Ambiental 1.1 Princípio do Desenvolvimento Sustentável (Art. 170, CF, e Art. 41º, I, da Lei 6.938/81). 1.2 Princípio da Função-Sócio Ambiental da Propriedade (Art. 6º, da Lei 11.428/06).

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

A Administração Pública e o Desenvolvimento Sustentável

A Administração Pública e o Desenvolvimento Sustentável 56 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 17 A Administração Pública e o Desenvolvimento Sustentável Marcia Correia Hollanda 1 1. ASPECTOS GERAIS DO CONCEITO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL A ideia de reorganizar

Leia mais

1. Objetivo geral da política nacional do meio ambiente

1. Objetivo geral da política nacional do meio ambiente Romeu Thomé e Leonardo de Medeiros Garcia entes da federação é justificada pela sobreposição de interesses acerca do tema. Cabe, portanto, à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios implementar

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - SNUC Lei 9.985 de

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO

CONSTITUIÇÃO FEDERAL TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 21- Compete à União: TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO I - Manter relações com Estados estrangeiros e participar de organizações internacionais; II - Declarar a guerra e celebrar

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 01/2012/GT PROJETOS DE LEI E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL/COMITE DE MEIO AMBIENTE CMA 1

NOTA TÉCNICA Nº 01/2012/GT PROJETOS DE LEI E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL/COMITE DE MEIO AMBIENTE CMA 1 NOTA TÉCNICA Nº 01/2012/GT PROJETOS DE LEI E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL/COMITE DE MEIO AMBIENTE CMA 1 Em, 16 de maio de 2012. 1. Referência Projeto de Lei Complementar n. 117/2011 que altera dispositivos da

Leia mais

UMA VISÃO DO INTERIOR DO SUDESTE DO BRASIL: A BACIA DO RIO GRANDE

UMA VISÃO DO INTERIOR DO SUDESTE DO BRASIL: A BACIA DO RIO GRANDE UMA VISÃO DO INTERIOR DO SUDESTE DO BRASIL: A BACIA DO RIO GRANDE Bergson Cardoso Guimarães Ministério Público do Estado de Minas Gerais Câmara dos Deputados 16.06.2015 UMA VISÃO DO INTERIOR DO SUDESTE

Leia mais

Constituição Federal de 1988

Constituição Federal de 1988 EMISSÕES ATMOSFÉRICAS PALESTRANTE: ENG. JOSÉ ANTONIO MONTEIRO FERREIRA McLEOD FERREIRA CONSULTORIA TÉCNICA E COMERCIAL S/C LTDA. mcleodferreira@uol.com.br Constituição Federal de 1988 Art. 170: A ordem

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014 SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011 Ricardo Carneiro Junho/2014 Constituição da República Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal

Leia mais

OAB 138º - 1ª Fase Módulo I - Noite Disciplina: Direito Ambiental Professora Juliana Lettiere Data: 29/04/2009

OAB 138º - 1ª Fase Módulo I - Noite Disciplina: Direito Ambiental Professora Juliana Lettiere Data: 29/04/2009 TEMAS ABORDADOS EM AULA OAB 138º - 1ª Fase Módulo I - Noite Disciplina: Direito Ambiental Professora Juliana Lettiere Data: 29/04/2009 2ª Aula: Competência em Matéria Ambiental, Princípios, Política Nacional

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER HUMANO 1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DIREITO FUNDAMENTAL AO SER RESUMO HUMANO Luísa Arnold 1 Trata-se de uma apresentação sobre a preocupação que o homem adquiriu nas últimas décadas em conciliar o desenvolvimento

Leia mais

Prefeitura da Estancia de Atibaia Estado de Sáo Paulo

Prefeitura da Estancia de Atibaia Estado de Sáo Paulo Prefeitura da Estancia de Atibaia Estado de Sáo Paulo -Proc. n 9 35.005/09 DECRETO N : 5.994 de 06 de outubro de 2009 Estabelece procedimentos de controle ambiental para a utilizacao de produtos e subprodutos

Leia mais

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Texto Atualizado Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação

Leia mais

LEI Nº 14.675/2009 CÓDIGO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

LEI Nº 14.675/2009 CÓDIGO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE LEI Nº 14.675/2009 CÓDIGO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE ELABORAÇÃO DO CÓDIGO ESTADUAL 2007: Determinação do Sr. Governador do Estado à FATMA Fundação do Meio Ambiente de Santa Catarina para a elaboração de

Leia mais

AULA 04. O art.225, 1º, III, da Constituição, assim dispõe: 1º - Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao Poder Público:

AULA 04. O art.225, 1º, III, da Constituição, assim dispõe: 1º - Para assegurar a efetividade desse direito, incumbe ao Poder Público: Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Ambiental / Aula 04 Professora: Luiz Oliveira Castro Jungstedt Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 04 CONTEÚDO DA AULA: Sistema Nacional de Unidades

Leia mais

No Brasil temos a Lei 6.938/81de Política Nacional do Meio Ambiente, trata de modo genérico do Meio Ambiente

No Brasil temos a Lei 6.938/81de Política Nacional do Meio Ambiente, trata de modo genérico do Meio Ambiente 1. Introdução O primeiro grande marco dessa preocupação foi a - Conferência de Estocolmo (em 1972), na qual foi feita a - "Declaração sobre o Meio Ambiente". Foi aqui nessa conferencia que se falou pela

Leia mais

Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências.

Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. LEI Nº 6.938, DE 31 DE AGOSTO DE 1981 Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Faço saber

Leia mais

1. O Direito Ambiental Internacional. Antonio Esteves da Rocha e Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Relume Dumará. 1999, p.86.

1. O Direito Ambiental Internacional. Antonio Esteves da Rocha e Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Relume Dumará. 1999, p.86. DIREITO AMBIENTAL: ORIGENS, DESENVOLVIMENTO E OBJETIVOS Virgínia Totti Guimarães Especialista em Advocacia Pública pela UERJ. Pósgraduanda em Direito Ambiental pela PUC-Rio. Integrante do Setor de Direito

Leia mais

O CONTÉUDO DO CAPÍTULO XI DA CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO AMAZONAS CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO AMAZONAS... CAPÍTULO XI DO MEIO AMBIENTE

O CONTÉUDO DO CAPÍTULO XI DA CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO AMAZONAS CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO AMAZONAS... CAPÍTULO XI DO MEIO AMBIENTE O CONTÉUDO DO CAPÍTULO XI DA CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO AMAZONAS. CONSTITUIÇÃO DO ESTADO DO AMAZONAS... CAPÍTULO XI DO MEIO AMBIENTE MEIO AMBIENTE Art. 229. Todos têm direito ao meio ambiente equilibrado,

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO MEIO AMBIENTE

CARACTERÍSTICAS DO MEIO AMBIENTE MEIO AMBIENTE Conceito: Art. 3º, I da Lei 6938/81 apresenta um conceito meramente biológico que reproduz o conceito de ecossistema conjunto de condições, leis, regras, influências e interações de ordem

Leia mais

A Legislação Brasileira e a Responsabilidade Social das Empresas. Cartilha Meio Ambiente. Segunda Edição

A Legislação Brasileira e a Responsabilidade Social das Empresas. Cartilha Meio Ambiente. Segunda Edição A Legislação Brasileira e a Responsabilidade Social das Empresas Cartilha Meio Ambiente Segunda Edição LSA Social Cartilha - Meio Ambiente Lopes da Silva & Associados - Sociedade de Advogados tem orgulho

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA RESOLUÇÃO N o 376, DE 24 DE OUTUBRO DE 2006 Dispõe sobre a nova composição das Câmaras Técnicas do Conselho Nacional do Meio Ambiente-

Leia mais

1.Histórico DIREITO AMBIENTAL. 1.2 As grandes tragédias. 2.1 Art 225 da CF. 1.1 Isso pode ser notado pelas seguintes situações históricas

1.Histórico DIREITO AMBIENTAL. 1.2 As grandes tragédias. 2.1 Art 225 da CF. 1.1 Isso pode ser notado pelas seguintes situações históricas 1.Histórico DIREITO AMBIENTAL Profa Tais Martins Os institutos que caracterizam o Direito Ambiental adotados no Brasil têm uma inquestionável e direta influência das respostas que a Comunidade Internacional

Leia mais

Mineração e Áreas Protegidas

Mineração e Áreas Protegidas Márcio Silva Pereira Salvador, 08.06.2010 Rua da Assembléia, 66-17 Andar - Centro - Rio de Janeiro / RJ - CEP: 20011-000 tel: (55 21) 2114-1700 - fax: (55 21) 2114-1717 - http://www.svmfa.com.br I. Recursos

Leia mais

Legislação Ambiental

Legislação Ambiental Legislação Ambiental Ação Civil Pública Agrotóxicos Poluição Mineração Crimes Ambientais Desapropriação Educação Ambiental Estações Ecológicas e Áreas de Proteção Ambiental Florestas Temas Infrações Adm.

Leia mais

CAPÍTULO I Da Política Municipal do Meio Ambiente

CAPÍTULO I Da Política Municipal do Meio Ambiente LEI Nº 4366 DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE PROTEÇÃO, CONTROLE E CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E DE MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM-ES. A Câmara Municipal de Cachoeiro de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 Publicado em: 03/07/2015 O CONSELHO FEDERAL DE BIOLOGIA CFBio, Autarquia Federal, com personalidade jurídica de direito público, criado pela Lei nº 6.684, de 03

Leia mais

A COEXISTÊNCIA DA PROPRIEDADE PRIVADA NA RESERVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL.

A COEXISTÊNCIA DA PROPRIEDADE PRIVADA NA RESERVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. A COEXISTÊNCIA DA PROPRIEDADE PRIVADA NA RESERVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Vanylton Bezerra dos Santos 1 As áreas protegidas detêm uma contribuição vital em relação à conservação dos recursos naturais

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Mensagem de Veto Regulamento Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional

Leia mais

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água Maria de Fátima Chagas 23 de novembro de 2009 23 de novembro de 2009 Campo Grande - MS A Água e Meio Ambiente -

Leia mais

Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste

Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste Ambiente Jurídico para PSA em Pernambuco KLAUS MACIEL Recife, 2010 Contextualização Global Política Nacional de Biodiversidade (Decreto n 4339/2002) Política

Leia mais

DECRETO N.º 21.120 DE 20 DE JUNHO DE 2000.

DECRETO N.º 21.120 DE 20 DE JUNHO DE 2000. DECRETO N.º 21.120 DE 20 DE JUNHO DE 2000. Regulamenta a Lei N.º 4.335, de 16 de dezembro de 1981, modificada pela Lei 6.757, de 08 de julho de 1999, que dispõe sobre a prevenção e controle da poluição

Leia mais

Obrigações Legais Ambientais

Obrigações Legais Ambientais Obrigações Legais Ambientais 2015 PROGRAME-SE PARA CUMPRIR AS OBRIGAÇÕES DE NATUREZA AMBIENTAL EM 2015 Alguns dos principais prazos para cadastros, registros, pagamentos de taxas e outras obrigações de

Leia mais

Licenciamento Ambiental de Sistemas de Esgotos Sanitários

Licenciamento Ambiental de Sistemas de Esgotos Sanitários Prefeitura Municipal de Santo André Licenciamento Ambiental de Sistemas de Esgotos Sanitários Seminário Nacional sobre Licenciamento Ambiental de Sistemas de Tratamento de Esgoto Sanitário Serviço Municipal

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 9.795, DE 27 DE ABRIL DE 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras

Leia mais

Legislação Ambiental PNMA - POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

Legislação Ambiental PNMA - POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Legislação Ambiental PNMA - POLÍTICA NACIONAL DO MEIO AMBIENTE Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues O QUE É GESTÃO AMBIENTAL? "O controle apropriado do meio ambiente

Leia mais

Curso: Noções Básicas da Legislação Ambiental Brasileira

Curso: Noções Básicas da Legislação Ambiental Brasileira Secretaria de Estado do Meio Ambiente INSTITUTO GEOLOGICO Curso: Noções Básicas da Legislação Ambiental Brasileira Geógrafo: Rogério Rodrigues Ribeiro Seção de Monumentos Geológicos 1 Sistema Jurídico

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIAS DO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS NATURAIS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIAS DO AMBIENTE Docência assistida: Prof.º Fábio Remy de Assunção Rios

Leia mais

SUMÁRIO. Sumário. Coleção Sinopses para Concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15

SUMÁRIO. Sumário. Coleção Sinopses para Concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Sumário Coleção Sinopses para Concursos... 13 Guia de leitura da Coleção... 15 Capítulo 1 PROPEDÊUTICA DO DIREITO AMBIENTAL... 17 1. Conceito de Direito Ambiental... 17 2. Objetivo do Direito Ambiental...

Leia mais

TERCER ENCUENTRO REGIONAL DE LA ROAVIS

TERCER ENCUENTRO REGIONAL DE LA ROAVIS TERCER ENCUENTRO REGIONAL DE LA ROAVIS San José, Costa Rica 11 y 12 de diciembre del 2013 Vania Tuglio Fiscal Criminal SP, Brasil GECAP Grupo Especial de Combate aos Crimes Ambientais Lei 9.605\98 Art.

Leia mais

Sistema SOMA / SEMACE

Sistema SOMA / SEMACE Sistema SOMA / SEMACE SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO BRASÍLIA/DF MAGDA KOKAY FARIAS ANTONIO FERREIRA FIGUEIREDO SEMACE SUA CRIAÇÃO ANTECEDENTES SUDEC

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

Luiz Carlos Aceti Júnior Especialista em Direito Empresarial Ambiental Pós-graduado em Direito das Empresas. www.aceti.com.br

Luiz Carlos Aceti Júnior Especialista em Direito Empresarial Ambiental Pós-graduado em Direito das Empresas. www.aceti.com.br Luiz Carlos Aceti Júnior Especialista em Direito Empresarial Ambiental Pós-graduado em Direito das Empresas A Responsabilidade Ambiental Tutela Administrativa Tutela Criminal Tutela Cível Copyright Proibida

Leia mais

Lei n o 10.165, de 25 de novembro de 2013. Publicado no DOE, em 26/11/2013

Lei n o 10.165, de 25 de novembro de 2013. Publicado no DOE, em 26/11/2013 Lei n o 10.165, de 25 de novembro de 2013. Publicado no DOE, em 26/11/2013 Dispõe sobre a Política Estadual de Pagamento por Serviços Ambientais, autoriza instituir o Fundo Estadual de Pagamento por Serviços

Leia mais

O uso eficiente de energia e investimentos sustentáveis: uma nova realidade

O uso eficiente de energia e investimentos sustentáveis: uma nova realidade O uso eficiente de energia e investimentos sustentáveis: uma nova realidade Luiz Gustavo Escorcio Bezerra lbezerra@mfra.com.br 29 de maio de 2015 O USO EFICIENTE DE ENERGIA E INVESTIMENTOS SUSTENTÁVEIS:

Leia mais

Grupo de Trabalho Interinstitucional Preservação e Restauração de APP - GTI APP -

Grupo de Trabalho Interinstitucional Preservação e Restauração de APP - GTI APP - Grupo de Trabalho Interinstitucional Preservação e Restauração de APP - GTI APP - Portaria MMA 354/06 APP: Conceito e Legislação GTI APP: Composição e Escopo Proposta de plano de trabalho APP Conceito

Leia mais

LEI MUNICIPAL N.º 2.690, DE 21 DE MAIO 2002

LEI MUNICIPAL N.º 2.690, DE 21 DE MAIO 2002 Dispõe sobre a Política Municipal do Meio Ambiente, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE FARROUPILHA RS, FAZ SABER que a Câmara Municipal de Vereadores aprovou e ele sanciona a seguinte L

Leia mais

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA

MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola MONITORAMENTO AMBIENTAL E O MONITORAMENTO DA AMBIÊNCIA Mariana

Leia mais

4º SEMINÁRIO REGIONAL SUL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PROGRAMA LIXO NOSSO DE CADA DIA

4º SEMINÁRIO REGIONAL SUL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PROGRAMA LIXO NOSSO DE CADA DIA 4º SEMINÁRIO REGIONAL SUL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PROGRAMA LIXO NOSSO DE CADA DIA Daniela Kramer Frassetto Assessora de Gabinete CME/MPSC cme@mpsc.mp.br Realidade do Planeta e do Brasil A manutenção do aumento

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS. ABORDAGEM JURÍDICA: Proteção dos Recursos Hídricos

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS. ABORDAGEM JURÍDICA: Proteção dos Recursos Hídricos FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ANDRÉ DE OLIVEIRA FERNANDES RAFAELA DE SANTANA LIMA ABORDAGEM JURÍDICA: Proteção dos Recursos Hídricos FEIRA DE SANTANA - BA 2009 ABORDAGEM JURÍDICA: Proteção dos Recursos

Leia mais

TOTAL - FISCAL 899.545 TOTAL - SEGURIDADE 0 TOTAL - GERAL 899.545

TOTAL - FISCAL 899.545 TOTAL - SEGURIDADE 0 TOTAL - GERAL 899.545 ORGAO : 32000 - MINISTERIO DE MINAS E ENERGIA UNIDADE : 32314 - EMPRESA DE PESQUISA ENERGETICA - EPE ANEXO I PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1, 00 0750 APOIO ADMINISTRATIVO

Leia mais

AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Prof.Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Faculdade de Engenharia de Sorocaba Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento

Leia mais

Introdução Metodológica + Conceitos de Política Ambiental e Instrumentos de Gestão + Implementação

Introdução Metodológica + Conceitos de Política Ambiental e Instrumentos de Gestão + Implementação Introdução Metodológica + Conceitos de Política Ambiental e Instrumentos de Gestão + Implementação Sequencia Tendências Conceitos de Política Ambiental Instrumentos Caso Brasileiro Implementação Caso Gestor

Leia mais

FICHA TÉCNICA PROGRAMA DE DEFESA DA MATA ATLÂNTICA ALINHAMENTO ESTRATÉGICO OBJETIVO ESTRATÉGICO ESTRATÉGIA INICIATIVA ESTRATÉGICA

FICHA TÉCNICA PROGRAMA DE DEFESA DA MATA ATLÂNTICA ALINHAMENTO ESTRATÉGICO OBJETIVO ESTRATÉGICO ESTRATÉGIA INICIATIVA ESTRATÉGICA FICHA TÉCNICA PROGRAMA DE DEFESA DA MATA ATLÂNTICA ALINHAMENTO ESTRATÉGICO OBJETIVO ESTRATÉGICO ESTRATÉGIA INICIATIVA ESTRATÉGICA Promover a Defesa do Meio Ambiente Aperfeiçoar e estruturar a atuação do

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

República Federativa do Brasil Presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Vice-Presidente José Alencar Gomes da Silva

República Federativa do Brasil Presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Vice-Presidente José Alencar Gomes da Silva República Federativa do Brasil Presidente Luiz Inácio Lula da Silva Vice-Presidente José Alencar Gomes da Silva Ministério do Meio Ambiente Ministra de Estado Marina Silva Secretário-Executivo Claudio

Leia mais

COMUNICADO nº 10/2014. Aos: Senhores Prefeitos, Assessores Jurídicos, Secretários dos Municípios e Executivos de Associações de Municípios.

COMUNICADO nº 10/2014. Aos: Senhores Prefeitos, Assessores Jurídicos, Secretários dos Municípios e Executivos de Associações de Municípios. COMUNICADO nº 10/2014 Aos: Senhores Prefeitos, Assessores Jurídicos, Secretários dos Municípios e Executivos de Associações de Municípios. Referente: Área de Preservação Permanente - APP em área urbana

Leia mais

RECOMENDAQA0 PROURB N 04/2014

RECOMENDAQA0 PROURB N 04/2014 MINISTERIO PUBLICO DO DISTRITO FEDERAL E TERRITORIOS PROMOTORIA DE JUSTIcA DE DEFESA DA ORDEM URBANISTICA RECOMENDAQA0 PROURB N 04/2014 Recomenda ao Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Distrito Federal

Leia mais

O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a Seguinte Lei.

O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado de Mato Grosso do Sul, faz saber que a Câmara Municipal aprovou e ele sanciona a Seguinte Lei. LEI MUNICIPAL Nº. 947/2010 Institui a Política Municipal de Meio Ambiente, cria o Conselho e Fundo Municipal de Meio Ambiente e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Ribas do Rio Pardo, Estado

Leia mais

1. Legislação empresarial:

1. Legislação empresarial: 1 DIREITO EMPRESARIAL PONTO 1: Legislação empresarial PONTO 2: Conceitos de Direito Empresarial PONTO 3: Excluídos do Regime Jurídico Empresarial PONTO 4: Espécies de Empresário PONTO 5: Gênero de Sociedades

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO CEMA nº 088, 27 de agosto de 2013. Estabelece critérios, procedimentos e tipologias para o licenciamento ambiental municipal de atividades, obras e empreendimentos que causem ou possam causar

Leia mais

DECRETO Nº 3.796-N, DE 27 DE DEZEMBRO DE 1994

DECRETO Nº 3.796-N, DE 27 DE DEZEMBRO DE 1994 DECRETO Nº 3.796-N, DE 27 DE DEZEMBRO DE 1994 Institui Área de Proteção Ambiental do Pico do Goiapaba-Açu, nos Municípios de Fundão e Santa Teresa e dá outras Providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA MINERAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DA MINERAÇÃO Ministério de Minas e Energia Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral UNIDADES DE CONSERVAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DA MINERAÇÃO II ENCONTRO DE GERENTES DE EXPLORAÇÃO MINERAL Desafios das

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos C W M C O M U N I C A Ç Ã O WALTEMIR DE MELO ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS CRÍTICOS

Leia mais

CIÊNCIA POLÍTICA E TEORIA GERAL DO ESTADO

CIÊNCIA POLÍTICA E TEORIA GERAL DO ESTADO CIÊNCIA POLÍTICA E TEORIA GERAL DO ESTADO Unidade I - Democracia, Representação e Interesse Público: Democracia; A democracia direta e indireta; A democracia liberal; Virtudes e vícios da democracia; Conteúdo

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba

APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba FRENTE MOBILIZA CURITIBA 1ª Oficina Meio Ambiente e Plano Diretor APP s Urbanas e o Plano Diretor de Curitiba Incidência e Regularização Fundiária de APP s Urbanas na Lei 12.651/12 Prof. Dr. José Gustavo

Leia mais

Sustentabilidade Ambiental na Extração de Rochas Ornamentais

Sustentabilidade Ambiental na Extração de Rochas Ornamentais Sustentabilidade Ambiental na Extração de Rochas Ornamentais Edimundo Almeida da Cruz Geógrafo, Analista Ambiental (GCA-SLM-IEMA) Contato: edimundo-cruz@hotmail.com IEMA-CLM: (27) 3636-2580, 3636-2583

Leia mais

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS

ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS ESTUDO ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM ÁREAS URBANAS Roseli Senna Ganem Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO I DO PODER LEGISLATIVO Seção II Das Atribuições do Congresso Nacional Art. 49. É da competência exclusiva

Leia mais

Produção cultural: Fundação Juscelino Kubitschek / PMN Mulher. Editoração: Myrian Massarollo. Texto: Regina Célia Martinez

Produção cultural: Fundação Juscelino Kubitschek / PMN Mulher. Editoração: Myrian Massarollo. Texto: Regina Célia Martinez Produção cultural: Fundação Juscelino Kubitschek / PMN Mulher Editoração: Myrian Massarollo Texto: Regina Célia Martinez Projeto gráfico e diagramação: Aline Massarollo Edição digital, 2015 Meio ambiente

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO DO ESTADO CAPÍTULO II DA UNIÃO Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre:

Leia mais

IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO

IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO IMÓVEIS PRIVADOS EM UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DE DOMÍNIO PÚBLICO Agosto de 204 Compensação de Reserva Legal Compensação em processos de Licenciamento Essa licença não vale para fotos e ilustrações, que permanecem

Leia mais

20/05/2010 PRINCÍPIOS DA GESTÃO AMBIENTAL O QUE É GESTÃO? GESTÃO AMBIENTAL PÚBLICA E EMPRESARIAL GESTÃO AMBIENTAL FUNÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL

20/05/2010 PRINCÍPIOS DA GESTÃO AMBIENTAL O QUE É GESTÃO? GESTÃO AMBIENTAL PÚBLICA E EMPRESARIAL GESTÃO AMBIENTAL FUNÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL O QUE É GESTÃO? Gestão significa o Ato de Gerir, Gerenciar; é sinônimo de Ação Humana de Administrar, de Controlar ou de Utilizar alguma coisa para obter o máximo de Benefício Social, o que se pode traduzir

Leia mais

EVOLUÇÃO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL RELATIVA AOS EMPREENDIMENTOS SILVICULTURAIS. Anna Cristina Valle Quintão. Orientador:

EVOLUÇÃO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL RELATIVA AOS EMPREENDIMENTOS SILVICULTURAIS. Anna Cristina Valle Quintão. Orientador: 1 EVOLUÇÃO DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL RELATIVA AOS EMPREENDIMENTOS SILVICULTURAIS Anna Cristina Valle Quintão Orientador: INTRODUÇÃO Este documento objetivou o estudo das normas legais e administrativas advindas

Leia mais

LEI Nº 3106/2010, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010.

LEI Nº 3106/2010, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010. LEI Nº 3106/2010, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2010. CRIA A SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE, ABRE CRÉDITO ESPECIAL, REVOGA A LEI Nº 2689/2006, DE 23-05-2006, EXTINGUE O CARGO DE DIRETOR DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL

Leia mais

ESTRUTURA ADMINISTRATIVA BRASILEIRA E OS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO AMBIENTAL

ESTRUTURA ADMINISTRATIVA BRASILEIRA E OS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO AMBIENTAL ESTRUTURA ADMINISTRATIVA BRASILEIRA E OS CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO AMBIENTAL OLIVEIRA, Edivandro Araújo de. 1 Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva - FAIT RESUMO O presente trabalho tem

Leia mais

PRINCIPAIS ARTIGOS EXIGIDOS - 1ª FASE OAB

PRINCIPAIS ARTIGOS EXIGIDOS - 1ª FASE OAB PRINCIPAIS ARTIGOS EXIGIDOS - 1ª FASE OAB 2ª www.provadaordem.com.br comercial@provadaordem.com.br (48) 3424 5197 PRINCIPAIS ARTIGOS EXIGIDOS NA 1ª FASE OAB A presente apostila foi criada com o objetivo

Leia mais

Prefeitura Municipal de Canaã dos Carajás Uma Cidade para Todos Adm.: 2005-2008

Prefeitura Municipal de Canaã dos Carajás Uma Cidade para Todos Adm.: 2005-2008 LEI Nº 132/2006 Dispõe sobre a POLÍTICA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação e dá outras providências. O Prefeito do Município de Canaã dos Carajás, Estado do Pará,

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FCEI 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR/REQUERENTE

ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FCEI 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR/REQUERENTE ORIENTAÇÕES PARA PREENCHIMENTO DO FCEI 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR/REQUERENTE Empreendedor/requerente pessoa física ou jurídica responsável pelos empreendimentos ou atividades objeto do requerimento.

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO INTENSIVO III Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data: 09.12.2009 Aula nº 06 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Lei 4771/65 Art. 2 Consideram-se de preservação permanente, pelo só efeito desta

Leia mais

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS RELATIVAS ÀS FUNÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO Art. 129. São funções institucionais do Ministério Público: I- promover,

Leia mais

Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio

Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio Unidades de Conservação no âmbito da Lei Estadual 20.922/13 e a Mineração. Carlos Leite Santos Tales Peche Socio 0 Junho/2013 Introdução A contribuição da Vale no processo de conservação e preservação

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176

RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176 RESOLUÇÃO CONAMA n o 379, de 19 de outubro de 2006 Publicada no DOU nº 202, de 20 de outubro de 2006, Seção 1, página 175 e 176 Cria e regulamenta sistema de dados e informações sobre a gestão florestal

Leia mais

Regime jurídico das empresas estatais

Regime jurídico das empresas estatais Prof. Márcio Iorio Aranha Regime jurídico das empresas estatais 1) Submissão aos princípios gerais da Administração Pública (art. 37, caput legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência)

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: NORMALIZAÇÃO E AUDITORIAS AMBIENTAIS PROF a : NAZARÉ FERRÃO TURMA: 8-DADM

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: NORMALIZAÇÃO E AUDITORIAS AMBIENTAIS PROF a : NAZARÉ FERRÃO TURMA: 8-DADM 1 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: NORMALIZAÇÃO E AUDITORIAS AMBIENTAIS PROF a : NAZARÉ FERRÃO TURMA: 8-DADM RESPONSABILIDADES PROVENIENTES DE ACIDENTES AMBIENTAIS

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO Prefeitura Municipal de Imperatriz

ESTADO DO MARANHÃO Prefeitura Municipal de Imperatriz Prefeitura Municipal de Imperatriz DECRETO MUNICIPAL N 031/2003 Dispõe sobre a regulamentação, composição e funcionamento do Conselho Municipal do Meio Ambiente COMMAM, no município de Imperatriz. O PREFEITO

Leia mais

A EMPRESA A ECO SUSTENTARE Gestão Ambiental

A EMPRESA A ECO SUSTENTARE Gestão Ambiental A EMPRESA A ECO SUSTENTARE Gestão Ambiental realiza trabalhos de consultoria e assessoria ambiental envolvendo as áreas de Direito Ambiental; Licenciamento Ambiental; Gerenciamento de Resíduos; Projetos

Leia mais