CADEIA DE COMERCIALIZAÇÃO DE LIVROS SITUAÇÃO ATUAL E PROPOSTAS PARA DESENVOLVIMENTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CADEIA DE COMERCIALIZAÇÃO DE LIVROS SITUAÇÃO ATUAL E PROPOSTAS PARA DESENVOLVIMENTO"

Transcrição

1 ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 GERÊNCIA SETORIAL 4 CADEIA DE COMERCIALIZAÇÃO DE LIVROS SITUAÇÃO ATUAL E PROPOSTAS PARA DESENVOLVIMENTO Elaboração: GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS William George Lopes Saab Gerente Setorial Luiz Carlos Perez Gimenez - Engenheiro Rodrigo Martins Ribeiro - Estagiário

2 ÍNDICE Dezembro de 1999 INTRODUÇÃO...ERRO! INDICADOR NÃO DEFINIDO. 1. CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO A INDÚSTRIA EDITORIAL O MERCADO BRASILEIRO DE LIVROS NOVOS A INDÚSTRIA GRÁFICA A DISTRIBUIÇÃO LIVRARIAS O COMÉRCIO DE LIVROS NA INTERNET AÇÕES EM CURSO, PROBLEMAS ATUAIS E PROPOSTAS P/DESENVOLVIMENTO CONCLUSÃO...58

3 INTRODUÇÃO O comércio varejista brasileiro vem se defrontando com importantes desafios nos últimos anos, em decorrência não só do processo de globalização da economia, como também da estabilização econômica, o que tem exigido das empresas maior eficiência na operação dos seus negócios. Um dos segmentos que se encontra frente a essas mudanças, seja pela entrada de empresas internacionais, busca de maior eficiência, ou pela introdução de novos conceitos, é o de livrarias. Não se pode abordar, no entanto, as livrarias, sem se considerar toda a cadeia de comercialização, pois é através dela que se consegue analisar suas qualidades e deficiências, e perceber sua importância para o desenvolvimento econômico e social do país. Cabe ressaltar que não existe outra cadeia industrial capaz de produzir e comercializar tantos produtos novos, e que seja um reflexo do mundo real, como a de livros. Além disso, representa uma parcela significativa da atividade cultural. No entanto, essa cadeia se depara com inúmeras dificuldades e desafios. Uma dificuldade é que, para ser eficiente em seus múltiplos aspectos, ela precisa conciliar imperativos comerciais com exigências culturais. Quanto aos desafios, pode-se falar, inicialmente, da grande diversidade de oferta de lazer, que, ao ocupar o tempo das pessoas, pode vir a diminuir o tempo para leitura. Um outro desafio é a possibilidade de diminuição da comercialização do livro físico, já que boa parte do material impresso apresenta potencial de ser reduzido a bytes, o que afetará diferentemente os integrantes dessa cadeia industrial. Quanto ao Brasil, a qualidade do livro brasileiro se encontra entre as melhores do mundo, e a indústria do livro brasileira já consegue bastante atenção da mídia. Eventos realizados, como as Bienais Internacionais do Livro, alcançam grande sucesso de público. Apesar desses aspectos positivos, o livro encontra-se longe de estar democraticamente disponível para toda a população brasileira. Se muito dos entraves, no entanto, fossem adequadamente solucionados, a indústria do livro poderia tornar-se uma importante fonte de rendas e de geração de empregos. Um dos entraves, por exemplo, refere-se à importação de livros, tendo em vista que a produção mundial de títulos é extremamente ativa e a maioria dos títulos publicados no exterior jamais será traduzida para o português. Para os leitores, a sociedade e a democracia brasileira, é importante o acesso de toda a população aos livros e a presença de muitos participantes em todas os elos da cadeia, principalmente daqueles que vêem no livro mais do que um produto meramente comercial. O objetivo deste trabalho é propiciar uma visão panorâmica da cadeia de comercialização de livros e dos seus problemas, no Brasil, consolidando algumas propostas 1.

4 para seu desenvolvimento e procurando contribuir, assim, para que os agentes envolvidos possam encontrar formas de colaborar para o crescimento dessa indústria. Como o mercado de livros usados é considerado residual, sendo, ainda, difícil encontrar informações sobre esse segmento, ele não foi considerado no trabalho. Embora as opiniões emitidas sejam de inteira responsabilidade dos autores, colaboraram, com informações o Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e a Câmara Brasileira do Livro (CBL). Agradece-se, ainda, a cooperação do Sr. Maurício Fanganiello, da Saraiva S.A. Livreiros Editores, do Sr. Rui Campos, da Livraria da Travessa, e do Sr. Felipe Lindoso, da CBL. 1. CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO Pode-se dizer que, saber ler, ter acesso e poder adquirir livros, sobre os mais abrangentes temas, é um direito fundamental de todo cidadão. Nesse sentido, encontram-se, na Constituição brasileira, promulgada em 05/10/88, alguns dispositivos que podem ser referenciados a esse direito. O artigo 3º estabelece que constitui objetivo fundamental da República Federativa do Brasil construir uma sociedade livre, justa e solidária. O artigo 5º, inciso XXVII, por sua vez, determina que aos autores pertence o direito exclusivo de utilização, publicação ou reprodução de suas obras. Já o artigo 150, inciso VI, veda à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios instituir impostos sobre livros, jornais, periódicos e o papel destinado a sua impressão. Não obstante essa preocupação constitucional, o acesso ao livro, no Brasil, se encontra, ainda, circunscrito a locais onde existe concentração de renda e poder. Apesar de depender das segmentações predominantemente editadas no país, da qualidade dos textos disponíveis e das referências culturais do leitor, pode-se afirmar que o livro apresenta diversas características, de acordo com as diversas dimensões da vida social (Quadro 1). Além de apresentar explicações e alternativas para muitos dos dilemas contemporâneos, individualmente, o livro pode contribuir para aumentar a capacidade do leitor em compreender o mundo, decifrar signos e interpretar melhor a grande quantidade de dados e imagens que recebe. Mesmo a literatura de ficção, complementa a formação dos leitores, pelas associações e significados que propicia, além de aumentar a cognição. Quanto à produção do livro, pode-se dizer, sinteticamente, que a cadeia industrial para sua elaboração se inicia na floresta, continua na celulose, nos papéis de impressão, e no trabalho gráfico. Essa cadeia envolve muitos profissionais e empresas, desde os autores, ilustradores, editores, gráficos, distribuidores (que operam no ramo de compra e venda por atacado), até os livreiros (pessoas jurídicas que vendem diretamente ao consumidor) e os crediaristas (pessoas físicas que também vendem diretamente ao consumidor). No que se refere à sua produção, a partir da existência de textos já desenvolvidos, é realizada uma seleção de originais, pelo editor ou por uma comissão editorial, adquirindose o direito autoral sobre a obra. Se o texto for adquirido no exterior, cabe, também, 2.

5 providenciar sua tradução e revisão. O texto pode ter sido, ainda, já contratado junto a determinado autor. Resolvida a seleção e preparação do texto, procede-se ao trabalho de editoração, que envolve, em alguns casos, a elaboração de desenhos, gráficos e outras ilustrações, e a preparação da capa. Visando assegurar a qualidade do produto, todas essas fases passam por cuidadosas provas e revisões. Após a execução do trabalho gráfico, deve haver a disponibilização de depósito para recebimento dos exemplares impressos e, finalmente, a sua distribuição. Quadro 1 Livros Dimensões Humanas Principais Características Dimensão Política Cultural Educacional Profissional Tecnológica Social Características é um instrumento essencial da civilização ocidental; disponibiliza a herança cultural de outros povos; permite o intercâmbio de informações entre as nações; é uma manifestação da identidade cultural de um país; fomenta o desenvolvimento cultural; permite a conservação do patrimônio cultural; estimula a criação artística; é uma informação que permanece disponível; é um instrumento democrático de formação educacional; permite a transmissão de conhecimento; é um instrumento de qualificação e requalificação profissional; apresenta menores custos, relativamente a outros instrumentos educacionais, como os cursos; fomenta a pesquisa científica; permite a economia de custos com royalties e know-how importados; fomenta a pesquisa social; é um instrumento de promoção social; pode contribuir para a melhoria da qualidade de vida; e é uma opção barata, relativamente a outras atividades de lazer. Esse ciclo de produção do livro, dos originais até chegar às livrarias, é variável. Para algumas obras de referência, pode levar muitos anos. Para as edições mais simples, no entanto, o ciclo costuma transcorrer entre três e quatro meses. Já para os livros didáticos, que necessitam, em geral, de desenhos, gráficos, fotografias, e de revisões cuidadosas de conteúdo, o prazo médio costuma ser de um ano e meio. O custo de produção de livros didáticos e de obras de referência, que em geral são mais altos, pode ser apoiado, inclusive, pela Lei de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet). No que se refere a autores, o Brasil, nos diversos segmentos da indústria editorial, possui bons autores. Na verdade, segundo os editores, a produção de conteúdo não constitui problema, no Brasil. O material didático em circulação nas escolas brasileiras, por exemplo, é majoritariamente elaborado por autores nacionais. A presença dos autores estrangeiros é pequena, e quase inexistente, no ensino fundamental, figurando apenas no ensino superior. 3.

6 Acredita-se, ainda, que não deva existir desperdício de talentos no Brasil, pois, o autor que tenha talento e um pouco de persistência, consegue se lançar. Um dos fatores que contribuem para isso é a intensa competição, entre as editoras, por grandes sucessos, principalmente aquelas que começam a formar seus catálogos. Assim, ter bons autores é um forte fator de concorrência entre as editoras, de onde surge a necessidade de se descobrir talentos e fazer investimento em autores novos. Merece destaque, ainda, que, em muitos casos, já é possível ao escritor brasileiro impor o seu produto e negociá-lo ao máximo com a editora. Um mercado livreiro forte deve estar alicerçado na possibilidade de muitos escritores diferentes terem seus trabalhos avaliados e publicados. Para o desenvolvimento da cultura do país, deve haver a possibilidade de que autores que vendam pouco, ou mesmo os que produzam textos "marginais" ao mercado, consigam ter seus trabalhos publicados. A autoria de um livro é fruto de um longo trabalho, envolvendo pesquisas e atividades que exigem dedicação e saber. Como já vimos, a nossa Constituição estabelece que depende de autorização prévia e expressa do autor, a utilização da sua obra, por quaisquer modalidades, bem como a sua reprodução parcial ou integral. Em 19 de junho de 1998, foi sancionada a Lei nº 9.610, a nova Lei de Direitos Autorais. Segundo ela, os direitos autorais reputam-se, para os efeitos legais, como bens móveis. Além das sanções civis, a reprodução não autorizada de obras constitui um ilícito penal, configurado como crime contra a propriedade intelectual, conforme o art. 184 do Código Penal brasileiro. Quanto ao custo dos direitos autorais, em todo o mundo, em geral, o pagamento do direito autoral aos escritores gira em torno de 10%. Para autores que apresentam grande capacidade de vendagem, esse percentual é, naturalmente, bem maior. No Brasil, o autor recebe de 8,0 a 10,0% do preço de capa, o que corresponde, para as editoras, em torno de 20,0% do faturamento de cada livro. No caso de haver necessidade de tradução da obra, esse percentual pode baixar para 7,0%. Os contratos com autores de livros didáticos são diferenciados, por causa das compras efetuadas pelo governo, e, em geral, possuem maior escala de royalties. A tabela 1, a seguir, apresenta os valores pagos pelas editoras, a título de direitos autorais, no Brasil e no exterior, para o período

7 Tabela 1 Brasil Pagamento de Direitos Autorais, no País e no Exterior Ano Brasil Exterior Fonte: CBL. (Em US$) Cabe destacar que as editoras, principalmente nos EUA, estão adquirindo, junto aos autores, outros direitos sobre a obra, como os de reprodução eletrônica, filmagem e produção de jogos interativos, visando aumentar seus faturamentos. Deve ser ressaltado, porém, que os autores brasileiros são pouco remunerados, pois grande parte dos livros editados no Brasil apresenta vendagem reduzida. Um dos fatores que piora as condições de remuneração do autor brasileiro, e mesmo dos editores, é a reprografia de suas obras, embora, como já mencionado, a Lei de Direitos Autorais classifique a reprografia não autorizada como crime. Livros com poucas páginas, como os infantis, são os mais prejudicados. Entre as causas do grande número de cópias reprográficas realizadas, têm sido apontadas a falta de acesso ao livro, seja pelo custo elevado do livro brasileiro, ou pelas condições precárias dos acervos das bibliotecas de universidades, que levam os alunos a não criarem o hábito de freqüentá-las. Estima-se que haja uma perda de aproximadamente US$ 200 milhões anuais, gerada pelas cópias reprográficas. Além das perdas de vendas e de seus efeitos na cadeia, isso desestimula a formação de bibliotecas nas universidades. Visando equacionar esse problema, foi criada, em 1992, a ABDR - Associação Brasileira de Direitos Reprográficos, uma entidade arrecadadora de direitos autorais, que representa o autor ou o editor, e arrecada um valor estabelecido, quando se atinge determinado número de cópias reprográficas. O valor arrecadado é revertido para as editoras ou autores, acreditando-se que tal medida possa contribuir para que a indústria produza livros mais baratos. Outros países abordaram de forma séria esse problema, aumentando significativamente o faturamento da cadeia editorial. Na Noruega, por exemplo, a sociedade arrecadadora funciona, atualmente, como um banco para as editoras. Hoje, nesses países, a maior preocupação dos editores e autores é com o que se tem chamado de reprografia cibernética. 5.

8 Uma outra particularidade dos livros refere-se ao código numérico normalizado universal para cada obra, estabelecido pelo ISBN - International Standard Book Number. Essa entidade foi criada, em 1972, pelos ingleses, sendo o seu escritório central internacional situado em Berlim. A ISBN estabelece um prefixo para cada país, editora e título da obra, criando uma codificação única e internacional. No Brasil, o responsável pela administração desses códigos é a Biblioteca Nacional. Um outro aspecto fundamental a ser considerado, quando se analisa o produto livro, em determinado mercado, é aquele ligado ao hábito de leitura da população. Alguns estudos tem sido realizados, com a finalidade de identificar os fatores relacionados à criação do hábito de leitura de uma pessoa e de uma nação. Segundo esses estudos, esse hábito está ligado ao nascimento numa família de leitores; ao fato de se ter passado a juventude num sistema escolar preocupado com o hábito de leitura; ao preço do livro; ao acesso ao livro (que envolve uma distribuição eficiente, divulgação, variedade e quantidade de livrarias, e infra-estrutura e qualidade do acervo de bibliotecas compatíveis com a população a ser atendida); e, finalmente, o valor simbólico que a cultura do país atribui ao livro. Esses dados confirmam algumas das considerações feitas pelos especialistas, como a de que os leitores se formam fundamentalmente na família. Verifica-se, ainda, a valorização da escola como alicerce para a formação de futuros leitores, e a necessidade de estímulo ao contato com livros, na idade escolar. Na escola, os principais aspectos ligados ao desenvolvimento do hábito de leitura são: o estudo de textos, o estudo de literatura, e a freqüência à biblioteca. Além das formas de acesso ao livro, é preciso conhecer, ainda, as motivações de leitura e os objetos e práticas de leituras correntes, considerando a faixa etária, o nível de renda, a escolaridade, o sexo, a região geográfica, a profissão, etc. Considera-se, ainda, que, em se tratando de incentivo à leitura, não há como se massificar, pois não se formam leitores em série, ou seja, só um leitor forma outro leitor. No Brasil, o órgão oficial de promoção da leitura é a Fundação Biblioteca Nacional. No entanto, após se levantar todos esses aspectos, é preciso que se leve em conta que existem múltiplas formas de leitura, e são diversos os objetivos e interesses que levam a pessoa a ler. Deve-se considerar, ainda, que a leitura exige, em geral, para a ampla compreensão do seu conteúdo, um determinado esforço mental, e que não há, na verdade, objetivamente, um vínculo necessário entre a leitura e comportamentos saudáveis positivos, apesar de que, apelos morais tentem mostrar que um leitor é melhor do que um não leitor. Na verdade, a leitura é decorrência de uma vontade de saber, e não promotora dessa vontade. 2. A INDÚSTRIA EDITORIAL Abordando-se, inicialmente, a formação do custo editorial, constata-se que, apesar de alguma variação, um livro novo apresenta equivalência entre os seguintes custos: direito autoral, preparação, papel e serviços gráficos. Os custos de preparação incluem, principalmente, os de tradução, pesquisa, projeto gráfico, composição e revisão editorial. No caso de reedições, naturalmente, os custos principais são os que se referem a direito autoral, papel e serviços gráficos. 6.

9 O custo de uma editora costuma variar entre 25 a 30% do preço de capa, devendo-se, ainda, ser considerados, os custos de distribuição e comercialização. Cabe observar que, para os livros didáticos, a produção do texto costuma ser muito mais cara do que a de outros segmentos. O giro de estoques de livros, no Brasil, é baixo, bem menor que nos EUA, por exemplo, exigindo, assim, custos de capital elevados, para manter os estoques. A editora se caracteriza pela necessidade de ser financiadora durante o ciclo operacional do livro: quando adquire os direitos da obra, adianta o direito autoral, depois, tem os custos de tradução e os custos editoriais de copydesk, composição, revisão, impressão, gráfica, papel, fotolito, etc. Ao vender, deve-se conceder, ainda, um prazo para o livreiro, que, em geral, é de 60 dias. Quanto aos insumos, a atividade editorial está intimamente relacionada com as indústrias de tinta para impressão e de papel, onde são utilizados, principalmente, os papéis revestidos à base de celulose. Alguns principais forne-cedores deste tipo de papel, no Brasil, encontram-se apresentados no Quadro 2. Quadro 2 Brasil Principais fornecedores de papéis para livros Fornecedor Votorantim Bahia Sul Suzano Ripasa Samab Produto Papel offset Papel offset Papel offset Papel offset Papel offset T. Janer Papel offset Fonte: Saraiva S.A. Como será abordado, detalhadamente, no item distribuição, a indústria editorial vende seus produtos para os livreiros, o governo (que distribui para as escolas e bibliotecas) e, também, para os atacadistas, conhecidos como distribuidores. Em alguns casos, no entanto, a editora efetua a venda diretamente ao consumidor. A inadimplência das livrarias, principal canal de comercialização das editoras, varia de acordo com a conjuntura, e de empresa a empresa, apresentando-se, na média, igual a de outros setores. Quanto ao preço ao consumidor final, o livro, no Brasil, é considerado caro, comparativamente ao mercado internacional, mas, principalmente, em relação ao poder aquisitivo médio da população brasileira. Para os editores, são diversos os fatores que tornam elevado o preço do livro nacional, mas, principalmente, a impossibilidade de ganhos de escala na produção, devido às tiragens reduzidas, o que se torna um problema cíclico, pois livros mais baratos possibilitariam maiores tiragens, compensando a menor margem de lucro. 7.

10 Outros fatores devem ser elencados, tais como o alto custo dos insumos e de impressão, e o chamado custo Brasil, no que se refere, principalmente, aos juros praticados no país e aos problemas relativos à logística de distribuição. O preço do livro, como é fácil perceber, influencia muito o consumo de livros, porém, pode ser apontado como um grande entrave para a sua maior difusão. O problema torna-se mais relevante, ainda, quando o seu uso é destinado à educação. No país, uma alternativa mais barata, como os pocket books, beneficia, geralmente, os clássicos, os títulos de domínio público, e não os lançamentos recentes, como nas indústrias americana e européia. Para o livro tornar-se mais barato, destacam-se, dentre os fatores fundamentais, a melhoria da distribuição de renda no país, de modo a incorporar consumidores potenciais de livros, permitindo, assim, maiores tiragens, e a valorização da educação. A compra de exemplares de livros, para as bibliotecas públicas do país, permitiria, também, o aumento da tiragem, e contribuiria, conseqüentemente, para a diminuição do preço final da edição. No que se refere à fixação de preços, as editoras estabelecem o preço de venda e, a partir daí, concedem descontos para os distribuidores e livreiros. Em alguns países, o preço de capa é tabelado e impresso no próprio livro, como ocorre, por exemplo, na França, nos EUA, na Itália e na Grã-Bretanha. No modelo inglês do preço mínimo, por exemplo, o livro sai da editora com preço fixo, e tem percentuais máximos de reajuste e desconto fixados para as etapas seguintes do comércio, ou seja, para os distribuidores e livreiros. Na Espanha, o desconto máximo permitido sobre o preço de venda é de 5%. Portugal e França também limitam o desconto. Neste último país, só é permitido um desconto maior do que o percentual estabelecido, quando decorrem pelo menos dois anos de lançamento da edição e o livro já está há seis meses, pelo menos, nos estoques das livrarias. Nos EUA, apesar da indicação do preço de capa, o conflito gerado pelos descontos é muito grande. Algumas cadeias vendem best sellers com prejuízo, como chamariz para a venda de outros produtos. Essa política de desconto tem levado muitos livreiros, os independentes, principalmente, a passarem por dificuldades. No Brasil, não é usual haver a devolução de livros pelas livrarias. Quando acontece, a troca é feita pelo preço de capa e há uma intensa negociação. Nos EUA, as editoras vendem um lote de livros para as livrarias, mas, caso os títulos não tenham saída em três meses, o livreiro pode trocá-los por outros. As devoluções implicam em custos para as editoras, e essa prática ocasionou muitas dificuldades para a indústria editorial americana, principalmente, para as pequenas empresas, pois ocorre a devolução de muitos títulos que não fazem sucesso, tendo em vista que as livrarias concentram seu marketing nos best sellers e, são necessários em torno de 100 livros para se fazer um mostruário, onde se coloque em destaque determinado livro. Cabe ressaltar, ainda, a figura do editor, que é essencial na definição do perfil da editora. O editor é, na verdade, o intermediário entre a obra intelectual e a comercial, e cabe a ele dosar, com habilidade, o foco da editora, entre aquela eminentemente comercial, e a que apresenta apenas credibilidade, do ponto de vista cultural. Assim, como a figura do editor é central, a sucessão empresarial é importante, e pode mudar o perfil de uma editora, principalmente, quanto à formação de seu catálogo. Os bons catálogos levam anos para serem consolidados, e representam o sucesso ou não da empresa. 8.

11 O baixo investimento necessário à instalação de uma pequena editora, facilita a sua entrada no mercado, atuando, primordialmente, em nichos específicos de mercado. No Brasil, calcula-se que as pequenas editoras já representem 10% do mercado editorial, mas seus livros são difíceis de serem encontrados nas livrarias, pois, atualmente, existem mais editoras do que livrarias, no País. Visando reduzir custos, expandir vendas, uniformizar a divulgação, e solucionar os problemas de distribuição, para poderem competir com as grandes editoras, os pequenos editores estão procurando se unir em associações. A despeito do aumento do número de pequenas editoras, porém, favorecido pelo uso da editoração eletrônica, o mercado mundial passa por um processo de concentração em torno dos grandes conglomerados de mídia, ou seja, o setor de comunicação está se integrando como um todo: TV s, jornais, editoras, etc. No Brasil, acredita-se que o mercado editorial tenha ingressado na fase mais competitiva de sua história, esperando-se que continue o movimento de concentração, já iniciado, e a busca por maior escala de produção. Além disso, já se verifica a entrada de concorrentes internacionais, em função, basicamente, do faturamento significativo do segmento de didáticos e do potencial do mercado brasileiro, se comparado, principalmente, ao crescimento vegetativo dos mercados já desenvolvidos. Alguns exemplos dessa internacionalização podem ser citados, quais sejam: a Editora Saraiva, que tinha 15% do seu capital em propriedade de capital estrangeiro, vendeu mais 2,6% ao International Financial Corporation (IFC), órgão financeiro do Banco Mundial; as editoras de livros didáticos Ática e Scipione foram compradas pelo Grupo Abril e por um dos maiores grupos de comunicação da Europa, o Havas, da França; a Siciliano abriu o capital de sua rede de livrarias e vendeu 35% de suas ações para o grupo financeiro norte-americano Darby Overseas Investments; e o Shopping Ática, que pertencia à Editora Ática, foi vendido para a empresa francesa Fnac. O mercado brasileiro é bastante peculiar, exigindo conhecimento da sua cultura, hábitos e preferências. Essas especificidades impõem uma adaptação dos modelos existentes às condições de demanda do país. Os que temem a possibilidade de desnacionalização da indústria apontam, principalmente, como implicação negativa, a que se refere à possível redução do número de lançamentos de autores nacionais. Quanto à integração vertical, na maioria dos casos, as editoras brasileiras não atuam de forma integrada, isto é, contratam com terceiros, tanto a impressão (indústria gráfica), quanto a distribuição. A verticalização da indústria gráfica não é considerada necessária, e possui vantagens e desvantagens, dependendo da visão empresarial. Podese dizer que a tendência é de que as editoras não possuam gráficas, pois os negócios são considerados diferentes. A tabela 2 apresenta alguns dados sobre o desempenho operacional do setor editorial, no Brasil, em Tabela 2 Brasil Setor Editorial Serviços Gráficos

12 Impressão de livros Títulos Participação (%) Exemplares Participação (%) Valor Participação (%) Gráfica própria , , ,2 Gráfica de terceiros , , ,1 Gráfica no exterior 985 2, , ,7 Total , , ,0 Fonte: CBL. Uma outra novidade, no mercado, é a terceirização da produção editorial, delegando-se o projeto integral do livro a outra empresa, ou seja, em vez de confiar a revisão, o projeto da capa, dentre outras tarefas, para empresas ou pessoas diferentes, o livro é entregue a uma empresa, que cuidará de tudo. Estima-se, conforme a CBL, que sejam mais de os títulos que saem mensalmente das gráficas de todo o país, sendo que, cerca de 1250 títulos, são novos. As grandes editoras, como a Record lançam em torno de 30 livros por mês, e as médias editoras em torno de 10 livros/mês. O país possui cerca de títulos já existentes, conforme o CBP Catálogo Brasileiro de Publicações, embora não se tenha uma book in print inteiramente confiável no Brasil. As tiragens traduzem um conjunto de variáveis, como o conteúdo da obra, os custos de produção, o público alvo, o momento do lançamento, etc. Nos Estados Unidos, os mega best-sellers podem alcançar tiragens de mais de um milhão de exemplares. O foco num público de interesse específico, no entanto, pode facilitar a produção de livros de baixa tiragem, com o apoio de novas tecnologias. No Brasil, já são considerados livros com grande público os que atingem 30 mil cópias. A tiragem padrão, de 3 mil exemplares, vem diminuindo ainda mais. De fato, a novidade é que dá impulso à indústria, pois vai ao encontro das necessidades da mídia, do varejo e dos consumidores, com seus interesses diversificados. Tendo em vista que não há significativo aumento do número de novos leitores, o que se pretende é que o mesmo público leitor compre mais títulos. Ao ter que investir em produtos novos, que demorarão ou não serão reimpressos, a rentabilidade das editoras fica prejudicada. Assim, a diversificação da produção tem sido uma estratégia das editoras, para garantir presença no mercado, e um grande desafio da indústria editorial encontra-se no fato de que, a cada ano, torna-se necessário publicar mais livros, para garantir a mesma vendagem. A redução do tamanho das tiragens responde também aos altos custos de estocagem e de encalhe. Os títulos considerados populares são os que mais vendem, pois são apoiados, ainda, em intensa propaganda. Esses títulos ajudam a indústria a editar livros com pequenas tiragens. Nos EUA, às vezes, vendem-se livros best sellers a preços bem baratos, pois, o que se pretende é divulgar uma futura obra cinematográfica. No que se refere à apresentação do livro, no Brasil, predomina a capa mole. Não se criou, no país, mercado para pocket books, que, por serem edições mais baratas, atingem um público diferente. 10.

13 O pocket book, nos EUA, alcança momentos diferentes do público, e o leitor não guarda o pocket, ou seja, é um consumo, pode-se dizer, descartável. Enquanto os pocket books não são editados nos EUA, os holandeses atuam nesse nicho, pois os americanos vendem o direito de edição do pocket, em inglês, no exterior, quase ao mesmo tempo do lançamento da primeira edição americana. Dessa forma, essas edições podem ser encontradas, com preços mais acessíveis, nos aeroportos do resto do mundo. No que se refere à segmentação, o livro pode ser caracterizado como um produto destinado a lazer, cultura e educação. Conforme a predominância de cada uma destas destinações, o produto livro possui características distintas, e vai atingir diferentes mercados, permitindo, dessa forma, a especialização de editoras e livrarias. formas: Considerando-se outras variáveis, os livros podem ser segmentados de diferentes pela apresentação: capa dura, capa mole, pocket, etc. Nos EUA, visando beneficiar-se de diferentes fases do produto e de mercado, a segmentação, pela apresentação, varia de acordo com o tempo decorrido do lançamento. Tem-se, assim, inicialmente, a capa dura, para o lançamento inicial, o trade, com a capa mole (que predomina no Brasil), e o mass market (pocket); pelo conteúdo: com as suas divisões básicas, como livros de ficção, livros de não ficção, livros de espiritualidade, livros didáticos, etc. A partir dessas divisões básicas, há, ainda, outras subdivisões, como livros de ensaio, biografias, romances, livros de atividades, e outros. pela idade do público a que se destinam: livros infantis, infanto-juvenis, etc. Tradicionalmente, no entanto, o mercado editorial é segmentado em: - obras gerais: ficção, ensaios, biografias; - didáticos: de ensino fundamental, ou médio, e outros; - científicos, técnicos e profissionais - especializados: religiosos, culinária, etc. Alguns desses mercados de livros são restritos a um pequeno número de editoras, principalmente, aqueles que necessitam de grandes tiragens. No entanto, algumas das grandes editoras costumam atuar em mais de um mercado. A segmentação das editoras é feita, em geral, segundo a segmentação dos livros apresentada acima. No entanto, as editoras podem ser referidas, ainda, como grandes, médias e pequenas editoras, comerciais, universitárias, religiosas, etc. A formação do mercado editorial nacional foi baseada em editoras que concentravam suas atividades no mercado de livros didáticos, técnicos e profissionais, e surgiram a partir de livrarias. Encarando-se, atualmente, a atividade, como um negócio, tem sido destacado o profissionalismo que vem ocorrendo na área editorial brasileira, nos últimos anos, com cada vez mais planejamento e profissionalização, como, por exemplo, nos lançamentos dos best sellers. 11.

14 A participação da indústria editorial no PIB brasileiro cresceu 42,1%, de 1990 a 1998, mas ainda representa apenas 0,27% do mesmo, conforme a tabela 3 a seguir: Tabela 3 Brasil Participação da Indústria Editorial no PIB Brasileiro Ano Faturamento (US$) (a) PIB brasileiro (US$ milhões) (b) Faturamento/PIB (em %) , , , , , , , , ,27 Fonte: CBL (a) e Revista Conjuntura Econômica, FGV, outubro/99 (b). Quanto à geração de empregos, tanto permanentes quanto temporários, observase uma redução do número de postos de trabalho, ao longo dos anos, conforme apresentada na tabela 4 a seguir, justificada, principalmente, pela busca de maior produtividade e terceirização de muitas atividades. Tabela 4 Brasil Indústria Editorial Empregos Gerados Ano Permanentes Temporários Fonte: CBL. Gráfico 1 Brasíl Indústria Editorial Evolução dos Empregos Gerados

15 Permanentes Temporários Estima-se, no Brasil, a existência de aproximadamente editoras, sendo que, filiadas à CBL, são 400 empresas, das quais 10% podem ser consideradas grandes. A CBL considera, como comerciais, as que editam, pelo menos, cinco livros, anualmente, e cuja atividade principal seja a edição. As editoras estão concentradas, principalmente, em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Porto Alegre e Curitiba. Nas regiões Sul, especialmente Porto Alegre, e Nordeste, encontram-se, também, editoras voltadas para a produção regional. As únicas editoras de capital aberto são a Editora Saraiva e a Editora Melhoramentos. Nenhuma editora possui mais do que 7,0% do mercado. Algumas editoras, mesmo as de pequeno porte, possuem livrarias. Nesse sentido, merece destaque a Editora Saraiva, com a sua rede de livrarias e a Siciliano. As principais editoras brasileiras, segundo o segmento em que se destacam, são: Livros didáticos - Editoras Ática-Scipione, FTD, Ibep Nacional, Saraiva-- Atual, Editora do Brasil e Editora Moderna; Obras gerais - Editoras Record - Bertrand Brasil Civilização Brasileira, Cia das Letras, Rocco, Objetiva e Globo; Livros religiosos - Editoras Vozes, Paulinas, Paulus, Quadrante e Sociedade Bíblica Brasileira; e Livros técnico-científicos Editoras Forense (livros jurídicos), Revista dos Tribunais (livros jurídicos), Atlas (livros de administração, economia, finanças e contabilidade), Campus, Melhoramentos e Guanabara Koogan. Tomando-se o faturamento como paradigma, as maiores editoras brasileiras, em 1997, foram as apresentadas pela tabela 5 seguinte: Tabela 5 Brasil Maiores Editoras, por Faturamento 1997 (US$ milhões) 13.

16 Editora Faturamento Ática / Scipione 242,0 FTD 129,0 Saraiva 81,8 Moderna 78,0 Record 29,0 Cia. das Letras 21,5 Siciliano 13,0 Rocco 11,7 Nova Fronteira 10,0 Ediouro 9,4 Fonte: Norton. A título comparativo, e utilizando o mesmo parâmetro de faturamento, são apresentadas, a seguir, na tabela 6, as maiores editoras do mundo, em 1997: 14.

17 Tabela 6 Mundo Maiores Editoras, por Faturamento 1997 (US$ bilhões) Editora Faturamento Bertelsmann 4,7 Warner Books 3,7 Simon & Schuster 2,1 Pearson 1,7 Reader s Digest 1,6 Random House 1,5 Group de la Cité 1,4 Planet 1,3 Hacjette 1,2 Reed Books 1,1 Fonte: Financial Times. Observa-se, presentemente, algumas mudanças no controle do capital de algumas editoras brasileiras. A Editora Abril, por exemplo, que só trabalhava com livros de coleções, adquiriu, recentemente, a Editora Ática-Scipione. 3. O MERCADO BRASILEIRO DE LIVROS NOVOS Não se dispõe de números exatos de quanto representam as vendas do mercado editorial, como um todo. Estima-se, no entanto, que seja em torno de 4,3 bilhões de dólares, considerando-se os livros importados. Um valor, que pode ser considerado como uma boa aproximação, estabelece, para esse mercado, o dobro do faturamento das editoras. Com esses números, o Brasil constitui-se num mercado, para livros, de dimensões representativas. Em 1998, o faturamento das editoras atingiu, aproximadamente US$ 2,1 bilhões, representando um aumento de 13%, em relação a A evolução do faturamento, no setor editorial brasileiro, é apresentada na tabela 7, a seguir: 15.

18 Tabela 7 Brasil Setor Editorial Evolução do Faturamento Ano Faturamento (US$) Variação (%) Fonte: CBL. Gráfico 2 Brasil Setor Editorial Evolução do Faturamento Observando-se a série temporal da tabela 7, atesta-se que o mercado editorial brasileiro apresentou-se bastante dinâmico. Comparando-se o faturamento de 1998 com o de 1990, o crescimento acumulado foi de 131,1%. A média das variações de crescimento anual do faturamento, nos últimos cinco anos, foi de cerca de 19%. Outros números 16.

19 confirmam esse bom desempenho do setor, como, por exemplo, a média das variações de crescimento anual do número de títulos e de exemplares produzidos, nos últimos cinco anos, que foi de 8,6% e 11,2%, respectivamente. Os principais fatores, que têm influenciado de maneira positiva o mercado editorial brasileiro, nos últimos anos, são a estabilização monetária, promovida pelo Plano Real, com a conseqüente entrada de significativa parcela da população no mercado consumidor, em virtude do aumento do seu poder aquisitivo, e a maior preocupação com os investimentos na área de educação, como se verifica pelo aumento da compra de livros didáticos, pelo governo. Para salientar a relação entre estabilização econômica e aumento de venda de livros, destaca-se o desempenho do setor editorial em 1986, ano em que foi implantado o Plano Cruzado. A queda expressiva de faturamento, ocorrida em 1992, deveu-se à diminuição nas compras de livros, por parte da FAE (Fundação e Assistência ao Estudante), atual FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação). Essa queda foi mais significativa no número de produção e venda de exemplares, por se tratarem de poucos títulos, com grandes tiragens e preços baixos. Quanto ao número de exemplares, o total vendido, entre 1990 e 1998, aumentou cerca de 93%. Ressalte-se, apenas, a queda do número de exemplares vendidos, em 1997, bem como de exemplares produzidos, em A evolução do mercado editorial brasileiro, quanto ao número de exemplares produzidos e vendidos, é apresentada na tabela 8, a seguir: 17.

20 Tabela 8 Brasil Indústria Editorial Evolução do Nº de Exemplares Produzidos e Vendidos Ano Exemplares Produzidos Variação (%) Exemplares Vendidos Variação (%) Fonte: CBL. Gráfico 3 Brasil Indústria Editorial Evolução do Nº de Exemplares Produzidos e Vendidos Exemplares Produzidos Exemplares Vendidos O número total de títulos produzidos, entre 1990 e 1998, aumentou, aproximadamente, 121%. Nesse item, o mercado editorial brasileiro tem evoluído da seguinte forma (tabela 9): 18.

Revisão da Lei de Direitos Autorais:

Revisão da Lei de Direitos Autorais: Revisão da Lei de Direitos Autorais: uma ameaça à Educação A possível reforma da Lei Federal 9610/98 para flexibilizar os direitos autorais pode colocar em xeque 15 mil vagas de empregos em centenas de

Leia mais

DESEMPENHO RECENTE DO COMÉRCIO VAREJISTA

DESEMPENHO RECENTE DO COMÉRCIO VAREJISTA ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Dezembro/98 N o 20 DESEMPENHO RECENTE DO COMÉRCIO VAREJISTA O comércio é a ponta da cadeia produtiva e é o primeiro

Leia mais

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica Desafios para a Indústria Eletroeletrônica 95 O texto aponta as características das áreas da indústria eletroeletrônica no país e os desafios que este setor tem enfrentado ao longo das últimas décadas.

Leia mais

Institui a Política Nacional do Livro O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Institui a Política Nacional do Livro O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Leyes del Libro Libro Brasil Lei Nº 10.753, de 30 De outubro de 2003 Institui a Política Nacional do Livro O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

Construindo sonhos, publicando ideias!

Construindo sonhos, publicando ideias! Construindo sonhos, publicando ideias! Co-edições/Editora Ideia! Construindo sonhos, publicando ideias! o QUE FAZEMOS POR VOCÊ Alguns tipos de publicações realizadas pela Editora Ideia Ideia é uma editora

Leia mais

APRESENTAÇÃO PARA INVESTIDORES 1T08

APRESENTAÇÃO PARA INVESTIDORES 1T08 APRESENTAÇÃO PARA INVESTIDORES 1T08 Agenda Visão Geral e Desempenho Consolidado Editora Saraiva Livraria Saraiva 2 Governança Corporativa Nível 2 de Governança Corporativa da Bovespa Primeira empresa no

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

Educação e Mão de Obra para o Crescimento

Educação e Mão de Obra para o Crescimento Fórum Estadão Brasil Competitivo: Educação e Mão de Obra para o Crescimento Maria Alice Setubal Presidente dos Conselhos do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária Cenpece

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Nicola Minervini Santa Catarina, 02-05/12/2014 Sumario Desafios da empresa Ferramentas para a competitividade O porque das alianças Formas de alianças

Leia mais

Apresentação para Investidores 1S10

Apresentação para Investidores 1S10 Apresentação para Investidores 1S10 1 Agenda 1. Visão Geral e Desempenho Consolidado 2. Livraria Saraiva 3. Editora Saraiva 2 Governança Corporativa Nível 2 de Governança Corporativa da Bovespa Primeira

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

SHOPPING CENTERS Evolução Recente

SHOPPING CENTERS Evolução Recente ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Maio/98 N o 16 SHOPPING CENTERS Evolução Recente Este informe apresenta a evolução recente da indústria de shopping

Leia mais

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento

versa A solução definitiva para o mercado livreiro. Aumente a eficiência de seu negócio Tenha uma solução adequada para cada segmento Aumente a eficiência de seu negócio O Versa é um poderoso software de gestão de negócios para editoras, distribuidoras e livrarias. Acessível e amigável, o sistema foi desenvolvido especificamente para

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PONTA GROSSA

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO PONTA GROSSA FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE JANEIRO DE 2014 PONTA GROSSA Este relatório, referente ao mês de Janeiro de 2014, da Pesquisa Conjuntural

Leia mais

PRODUÇÃO E VENDAS DO SETOR EDITORIAL BRASILEIRO

PRODUÇÃO E VENDAS DO SETOR EDITORIAL BRASILEIRO CÂMARA BRASILEIRA DO LIVRO SINDICATO NACIONAL DE EDITORES DE LIVROS PRODUÇÃO E VENDAS DO SETOR EDITORIAL BRASILEIRO RELATÓRIO 2008 1 EQUIPE TÉCNICA Profa. Dra. Leda Maria Paulani - Coordenadora Leonardo

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade IV DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Trade Marketing é confundido por algumas empresas como um conjunto de ferramentas voltadas para a promoção e a comunicação dos produtos. O

Leia mais

E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET

E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 - AO2 GERÊNCIA SETORIAL DE COMÉRCIO E SERVIÇOS Data: Junho/2000 N o 15 E-BUSINESS: O USO CORPORATIVO DA INTERNET INTRODUÇÃO As empresas que, de alguma forma, estão envolvidas

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

O consumo mundial de papel e papelcartão (P&PC) deve atingir em 2007 cerca de 380 milhões de toneladas. Consumo Global de P&PC CONSUMO GLOBAL DE P&PC

O consumo mundial de papel e papelcartão (P&PC) deve atingir em 2007 cerca de 380 milhões de toneladas. Consumo Global de P&PC CONSUMO GLOBAL DE P&PC 32 o Fórum Anave Tendências do Mercado de Papel Suzano - Apresentação Institucional Antonio Maciel Neto Outubro de 2007 Reunião com Magistral mar/07 0 O mercado de papel hoje O consumo mundial de papel

Leia mais

Sebastião Macedo Pereira

Sebastião Macedo Pereira BNDES e o Segmento Editorial e Livrarias Sebastião Macedo Pereira Procult - Objetivos Objetivos específicos Promover o fortalecimento e a consolidação da cadeia produtiva editorial no País, o desenvolvimento

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Seus serviços vão além das fronteiras?

Seus serviços vão além das fronteiras? Seus serviços vão além das fronteiras? Negócios Internacionais Oportunidades para o setor de serviços Globalização Transformações de ordem política, econômica e cultural mundial Mais intensidade nas últimas

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

Guia de Codificação para Livros

Guia de Codificação para Livros Guia de Codificação para Livros 1. Introdução A GS1 e as Agências Internacionais do ISBN e ISSN elaboraram diretrizes para ajudar os editores na compreensão das funcionalidades do Sistema GS1 para o setor

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

O MERCADO E PERSPECTIVAS

O MERCADO E PERSPECTIVAS Sell Book O MERCADO E PERSPECTIVAS MERCADO E PERSPECTIVA BRASIL VAREJO FRANQUIAS PIB: projeção de 3% para 2013; Desemprego em baixa (inferior a 6% em 2013); Crescimento do consumo da classe média; Aumento

Leia mais

Guia para Boas Práticas

Guia para Boas Práticas Responsabilidade Social Guia para Boas Práticas O destino certo para seu imposto Leis de Incentivo Fiscal As Leis de Incentivo Fiscal são fruto da renúncia fiscal das autoridades públicas federais, estaduais

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado 2 o Trimestre/2006 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco da Banda Larga Introdução Você está recebendo a nova edição do Barômetro Cisco da Banda Larga,

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato de máquinas têxteis; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O setor representado pela ABIMAQ gera mais

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Divisão Alimentícia I. PRODUTOS

Divisão Alimentícia I. PRODUTOS Divisão Alimentícia I. PRODUTOS No segmento alimentício a Saggio oferece uma linha de produtos solúveis, instantâneos e outros produtos diferenciados, verdadeiras especialidades, aliando a mais moderna

Leia mais

2º. - A cada ano, o Plano Nacional do Livro e Leitura será revisado e adequado às disponibilidades orçamentárias do exercício seguinte.

2º. - A cada ano, o Plano Nacional do Livro e Leitura será revisado e adequado às disponibilidades orçamentárias do exercício seguinte. Minuta de Decreto de Regulamentação da Lei do Livro - 10.753/03. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, alínea "a", da Constituição, e tendo em vista

Leia mais

Passaporte para o Empreendedorismo

Passaporte para o Empreendedorismo Passaporte para o Empreendedorismo Enquadramento O Passaporte para o Empreendedorismo, em consonância com o «Impulso Jovem», visa através de um conjunto de medidas específicas articuladas entre si, apoiar

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS

POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS POLÍTICAS PÚBLICAS EM PROL DA ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO EM MINAS GERAIS TRINDADE, Jéssica Ingrid Silva Graduanda em Geografia Universidade Estadual de Montes Claros Unimontes jessica.ingrid.mg@hotmail.com

Leia mais

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires

Princípios e Conceitos de Marketing. Prof. Felipe A. Pires Princípios e Conceitos de Marketing Prof. Felipe A. Pires O que é Marketing? É a execução de um conjunto de atividades comerciais, tendo como objetivo final a troca de produtos ou serviços entre produtores

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

Perguntas e respostas sobre o preço fixo.

Perguntas e respostas sobre o preço fixo. Perguntas e respostas sobre o preço fixo. Rafael Martínez Alés, consultor editorial, Espanha 1. O que é preço fixo ou o único dos livros? Que um mesmo livro seja vendido ao mesmo preço em todo o território

Leia mais

COMPETITIVIDADE NO SETOR FLORESTAL

COMPETITIVIDADE NO SETOR FLORESTAL COMPETITIVIDADE NO SETOR FLORESTAL 15/03/2012 Joésio D. P. Siqueira Vice-Presidente STCP 1/29 A STCP Conquistas recentes Clientes de 38 países das Américas, África, Europa, Ásia e Oceania 17 escritórios

Leia mais

Inovação no Brasil nos próximos dez anos

Inovação no Brasil nos próximos dez anos Inovação no Brasil nos próximos dez anos XX Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas XVIII Workshop ANPROTEC Rodrigo Teixeira 22 de setembro de 2010 30/9/2010 1 1 Inovação e

Leia mais

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente

A Importância do Marketing nos Serviços da. Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente A Importância do Marketing nos Serviços da Área de Saúde - Estratégias utilizadas para fidelizar o cliente Hellen Souza¹ Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS RESUMO Este artigo aborda a importância

Leia mais

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo

Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo BRIEFING DE PRODUTO Modelo de Briefing de Produto - Roteiro de Coleta de Informações - Completo Modelo Extraído dos livros: Tudo o que você queria saber sobre propaganda e ninguém teve paciência para explicar

Leia mais

Simulação Industrial de Pequenas e Médias empresas (Sind PME 4.0)

Simulação Industrial de Pequenas e Médias empresas (Sind PME 4.0) Simulação Industrial de Pequenas e Médias empresas (Sind PME 4.0) Caro participante, Você está prestes a assumir a administração de uma empresa virtual. Aproveite esta oportunidade para desenvolver as

Leia mais

Apresentação ao Shopping

Apresentação ao Shopping Apresentação ao Shopping O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua rede de franquias Você Sabia? Há trinta anos os Estados Unidos adotaram um modelo inovador

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga

Lei 12.485/2011. SeAC Serviço de Acesso condicionado. Lei da TV Paga Lei 12.485/2011 SeAC Serviço de Acesso condicionado Lei da TV Paga Segundo a Anatel, o serviço de TV por assinatura atende aproximadamente 54,2 milhões de lares brasileiros e 27,9% das residências do país.

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

Eline Cristina Miranda 0501006001. Administração Financeira e Orçamentária

Eline Cristina Miranda 0501006001. Administração Financeira e Orçamentária UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BACHARELADO EM CIENCIAS CONTÁBEIS PROF: HÉBER LAVOR MOREIRA Eline Cristina Miranda 0501006001 Administração

Leia mais

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Administração Financeira e Orçamento Empresarial UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROF: HEBER LAVOR MOREIRA GISELE KARINA NASCIMENTO MESQUITA MARIA SANTANA AMARAL Flor de Lis MATERIAL

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE DEZEMBRO DE 2013 CURITIBA E R.M Este relatório, referente ao mês de Dezembro de 2013, da Pesquisa Conjuntural

Leia mais

FRANQUIA HOME OFFICE

FRANQUIA HOME OFFICE FRANQUIA HOME OFFICE SUMÁRIO QUEM SOMOS PREMIAÇÕES ONDE ESTAMOS NOSSO NEGÓCIO MULTIMARCAS MULTISERVIÇOS PERFIL DO FRANQUEADO VANTAGENS DA FRANQUIA CLUBE TURISMO DESCRITIVO DO INVESTIMENTO PROCESSO DE SELEÇÃO

Leia mais

EDITORA DA UEL. Histórico

EDITORA DA UEL. Histórico EDITORA DA UEL Histórico A Editora da Universidade Estadual de Londrina, denominada EDUEL, é um órgão de Apoio, criado em 1995. Tem como objetivo publicar material de qualidade e relevância científica,

Leia mais

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa

Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa Análise XP Fundamentos Senior Solution (SNSL3) Conhecendo a empresa A Empresa A Senior Solution está presente, há mais de 17 anos, no segmento de Tecnologia da Informação no mercado brasileiro, sendo uma

Leia mais

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Prof. Me. Dennys Eduardo Rossetto. Objetivos da Aula 1. O composto de marketing. 2. Administração do P

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

MARKETING INTERNACIONAL

MARKETING INTERNACIONAL MARKETING INTERNACIONAL Produtos Ecologicamente Corretos Introdução: Mercado Global O Mercado Global está cada dia mais atraente ás empresas como um todo. A dinâmica do comércio e as novas práticas decorrentes

Leia mais

Leitura e Literatura

Leitura e Literatura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAB Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para Educação BásicaB Leitura e Literatura Dia e Semana Nacional da Leitura

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros

Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros 2015 Financiamento e Garantia às Exportações Um guia rápido aos exportadores brasileiros Sumário Introdução... 2 O Programa PROEX... 2 PROEX Financiamento... 3 Mais Alimentos Internacional... 4 PROEX Equalização...

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PROF. Msc. JOSÉ VICENTE CAMPINAS - SP 2009 2 ANÁLISE

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO EUROPAR (CNPJ/MF nº 05.437.916/0001-27)

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO EUROPAR (CNPJ/MF nº 05.437.916/0001-27) FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO EUROPAR (CNPJ/MF nº 05.437.916/0001-27) Administrado por Relatório da Administração Exercício Encerrado em 31 de Dezembro de 2013 1. Objeto do Fundo: O Fundo de Investimento

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação O processo de desindustrialização pelo qual passa o país deve-se a inúmeros motivos, desde os mais comentados, como a sobrevalorização

Leia mais

Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S. Escola de Governo 22/09/2015

Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S. Escola de Governo 22/09/2015 Direitos Humanos II D I R E I T O S E C O N Ô M I C O S, S O C I A I S, C U L T U R A I S E A M B I E N T A I S Escola de Governo 22/09/2015 Gerações dos Direitos Humanos 1ª Dimensão Direitos Civis e Políticos

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013

Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 Colégio São Paulo Geografia Prof. Eder Rubens - 2013 CAP. 02 A Dinâmica dos espaços da Globalização. (9º ano) *Estudaremos a difusão do modo capitalista de produção, ou seja, do modo de produzir bens e

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult

Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura BNDES Procult IMPORTANTE O programa BNDES PSI reduziu as taxas de juros no apoio a bens de capital, inovação e exportação. Verifique se o seu

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Tipos de SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução 2 n As organizações modernas competem entre si para satisfazer as necessidades dos seus clientes de um modo

Leia mais

MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE SÃO PAULO MEDIDAS DE ESTÍMULO A ATIVIDADE ECONÔMICA NO ESTADO DE Fevereiro/2009 SUMÁRIO 1. Medidas já Adotadas 2. Novas Medidas 2 Medidas já adotadas Prorrogação para 31/12/09 do prazo de 60 dias fora o mês para

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Iniciar um negócio em Franchising

Iniciar um negócio em Franchising Iniciar um negócio em Franchising Franchising, o que é? Terminologia Vantagens e Desvantagens do Franchisado Vantagens e Desvantagens do Franchisador Dicas para potenciais Franchisados Serviços de apoio

Leia mais

Analfabetismo e alfabetismo funcional no Brasil

Analfabetismo e alfabetismo funcional no Brasil Analfabetismo e alfabetismo funcional no Brasil Vera Masagão Ribeiro 1 A definição sobre o que é analfabetismo vem sofrendo revisões nas últimas décadas. Em 1958, a Unesco definia como alfabetizada uma

Leia mais

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA

ECONOMIA DA CULTURA. Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec MINISTÉRIO DA CULTURA MINISTÉRIO DA CULTURA ECONOMIA DA CULTURA UM SETOR ESTRATÉGICO PARA O PAÍS Paula Porta Assessora especial do Ministro da Cultura e Coordenadora do Prodec A produção, a circulação e o consumo de bens e

Leia mais

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO

PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO PROPOSTAS PARA O COMBATE A ALTA ROTATIVIDADE DO MERCADO DE TRABALHO BRASILEIRO Considerando como movimentos desejáveis, tanto

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 53/2006 FUNDO DE MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA E DE VALORIZAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO (FUNDEB) Ary Jorge Advogado

Leia mais