O Livro da Consciência. A Construção do Cérebro Consciente

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Livro da Consciência. A Construção do Cérebro Consciente"

Transcrição

1 O Livro da Consciência A Construção do Cérebro Consciente

2

3 António Damásio O Livro da Consciência A Construção do Cérebro Consciente

4 Autor: António Damásio (c) Autor, Círculo de Leitores e Temas e Debates, 2010 Revisão: João Assis Gomes Capa: ARD Cor sobre ilustração de Julião Sarmento Pré impressão: A R D Co r Impressão:?????? 1.ª edição: Setembro de 2010 ISBN (Temas e Debates): N.º de edição (Círculo de Leitores): 7577 Depósito legal: Reservados todos os direitos. Nos termos do código do Direito de Autor, é expressamente proibida a reprodução total ou parcial desta obra por quaisquer meios, incluindo a fotocópia e o tratamento informático, sem a autorização expressa dos titulares dos direitos.

5 Para Hanna

6

7 «Minha alma é uma orquestra oculta; não sei que instrumentos tangem e rangem, cordas e harpas, timbales e tambores, dentro de mim. Só me conheço como sinfonia.» Fer n a n d o Pe s s o a, Livro do Desassossego «O que não consigo construir não consigo compreender.» Richard Feynman

8

9 Sumário Parte I começar de novo Despertar Objectivos e justificações Abordar o problema O eu como testemunha Para além de uma intuição enganadora Uma perspectiva integrada A estrutura Antevisão das ideias principais A vida e a mente consciente Da regulação da vida ao valor biológico Quando a realidade mais parece ficção Vontade natural Ficar vivo As origens da homeostase Células, organismos multicelulares e sistemas artificiais Valor biológico Valor biológico em organismos complexos... 69

10 10 O livro da consciência O êxito dos nossos antepassados remotos Desenvolver incentivos Relacionar a homeostase, o valor e a consciência Parte II O que há no cérebro capaz de criar a mente? Fazer mapas e Fazer imagens Mapas e imagens Um corte por debaixo da superfície Mapas e mentes A neurologia da mente Os começos da mente Nota sobre os colículos superiores Mais perto da criação da mente? O corpo em mente O tópico da mente Mapear o corpo Do corpo ao cérebro Representar quantidades e idealizar qualidades Sentimentos primordiais Mapear estados corporais e simular estados corporais A origem de uma ideia Um cérebro que se preocupa com o corpo Emoções e sentimentos Situar a emoção e o sentimento Definir emoção e sentimento Desencadear e executar emoções O estranho caso de William James Sentimentos de emoção

11 11 Sumário Como sentimos uma emoção? A regulação das emoções e dos sentimentos As variedades da emoção Percorrendo a escala emocional Um aparte sobre a admiração e a compaixão UmA arquitectura para a memória Algures, de certo modo A natureza dos registos de memória Primeiro as disposições, depois os mapas A memória em funcionamento Um breve aparte sobre os tipos de memória Uma possível solução para o problema Zonas de convergência divergência Algo mais sobre as zonas de convergência divergência O modelo em funcionamento O como e o onde da percepção e do recordar Parte III Estar consciente a consciência observada Definir consciência Decompor a consciência Remover o eu e manter a mente Completar uma definição preliminar Tipos de consciência Consciência humana e não humana Aquilo que a consciência não é O inconsciente freudiano Construir uma mente consciente Uma hipótese de trabalho Abordar o cérebro consciente

12 12 O livro da consciência Antevendo a mente consciente Os componentes de uma mente consciente O proto eu Mapas interoceptivos Mapas gerais do organismo Mapas dos portais sensoriais orientados para o exterior Construir o eu nuclear O eu nuclear Uma viagem pelo cérebro durante a construção da consciência O eu autobiográfico Dar consciência à memória Construir o eu autobiográfico O problema da coordenação Os coordenadores Um possível papel para os córtex posteromediais Os córtex posteromediais em acção Outras considerações sobre os córtex posteromediais Uma nota final sobre as patologias da consciência Juntar as peças À maneira de resumo A neurologia da consciência Um engarrafamento anatómico Do trabalho conjunto dos sistemas de grande escala ao trabalho dos neurónios individuais Quando sentimos a nossa percepção Qualia I Qualia II Qualia e o eu O que ainda falta fazer

13 13 Sumário Parte IV Muito depois da consciência Viver com a consciência Porque prevaleceu a consciência O eu e a questão do controlo Um aparte sobre o inconsciente Uma nota sobre o inconsciente genómico A sensação de vontade consciente Educar o inconsciente cognitivo Cérebro e justiça Natureza e cultura E surge eu na mente As consequências de um eu que reflecte Apêndice Arquitectura cerebral Tijolo e argamassa Algo mais sobre a arquitectura de grande escala A importância da localização Entre o cérebro e o mundo A propósito da equivalência mente cérebro Notas Agradecimentos Índice remissivo

14

15 Parte I Começar de novo

16

17 Capítulo 1 Despertar Quando acordei estávamos a descer. Tinha dormido o suficiente para não me aperceber dos avisos sobre a aterragem e sobre as condições atmosféricas. Tinha perdido a noção de mim próprio e do ambiente que me cercava. Tinha estado inconsciente. Na biologia humana há poucas coisas aparentemente tão triviais como este bem a que chamamos consciência, a fantástica capacidade de ter uma mente equipada com um dono, um protagonista da existência, um eu que analisa o mundo interior e exterior, um agente que parece a postos para a acção. A consciência não é um mero estado de vigília. Quando acordei, há apenas dois parágrafos, não olhei à minha volta distraidamente, apreendendo as imagens e os sons como se a minha mente desperta não pertencesse a ninguém. Pelo contrário, soube, quase de imediato, com pouca, ou nenhuma, hesitação, sem esforço, que se tratava de mim a bordo de um avião, a minha identidade volante de regresso a Los Angeles com uma longa lista de coisas a fazer antes do fim do dia, consciente de uma estranha combinação entre fadiga de voo

18 18 O livro da consciência e entusiasmo pelo que me esperava, curioso quanto à pista em que iríamos aterrar e atento às variações na potência dos motores que nos aproximavam de terra. Sem qualquer dúvida, estar vigilante era essencial a um tal estado, mas a vigília não era de todo a sua característica principal. E que característica principal era essa? O facto de os numerosos conteúdos exibidos na minha mente, independentemente da sua nitidez ou ordem, estarem ligados a mim, proprietário da minha mente, através de fios invisíveis que reuniam esses conteúdos na festa em permanente movimento a que chamamos o eu. E, igualmente importante, o facto de a ligação ser sentida. A experiência do eu ligado estava imbuída de sensação. Ter acordado levou ao regresso da minha mente temporariamente perdida, mas agora comigo presente, tanto a propriedade (a mente) como o proprietário (eu) em uníssono. O acordar permitiu me reemergir e inspeccionar o meu domínio mental, a vasta projecção de um filme mágico, em parte documentário, em parte ficção, a que também chamamos mente humana consciente. Todos dispomos de livre acesso à consciência. Ela surge com tanta facilidade e abundância nas nossas mentes que não hesitamos, nem nos sentimos apreensivos, quando permitimos que seja desligada todas as noites, quando adormecemos, e deixamos que regresse de manhã, quando o despertador toca, pelo menos trezentas e sessenta e cinco vezes por ano, sem contar com as eventuais sestas. Contudo, poucos são os constituintes do nosso ser tão espantosos, fundamentais e aparentemente misteriosos como a consciência. Sem ela, ou seja, sem uma mente dotada de subjectividade, não poderíamos saber que existimos, e muito menos quem somos e aquilo em que pensamos. Se a subjectividade não tivesse surgido, mesmo que de forma muito modesta ao início, em seres vivos muito mais simples do que nós, a memória e o raciocínio provavelmente não se teriam expandido de forma tão prodigiosa como se veio a verificar, e o caminho evolutivo para a linguagem e para a elaborada versão humana da consciência que agora detemos não teria sido aberto.

19 19 Despertar A criatividade não se teria desenvolvido. Não teria havido música, nem pintura, nem literatura. O amor nunca teria sido amor, apenas sexo. A amizade não passaria de uma mera vantagem cooperativa. A dor nunca se teria tornado sofrimento, o que pensando bem não teria sido mau, mas tratar se ia de vantagem equívoca, dado que o prazer nunca se viria a tornar em alegria. Se a subjectividade não tivesse feito a sua entrada radical, não haveria conhecimento, nem ninguém que se apercebesse disso e, consequentemente, não haveria uma história daquilo que as criaturas fizeram ao longo dos tempos, não haveria cultura de todo. Embora ainda não tenha apresentado uma definição funcional de consciência, espero não deixar qualquer dúvida quanto ao que significa não ter consciência: na ausência da consciência, a visão pessoal suspende se; não temos conhecimento da nossa existência; e não sabemos que existe mais alguma coisa. Se a consciência não se tivesse desenvolvido ao longo da evolução, expandindo se até à sua versão humana, a humanidade que agora nos é familiar, com todas as suas fragilidades e forças, também não se teria desenvolvido. É arrepiante pensar que uma simples mudança de direcção poderia representar a perda das alternativas biológicas que nos tornam verdadeiramente humanos. Claro que, nesse caso, nunca teríamos vindo a saber que nos faltava alguma coisa. Olhamos para a consciência como coisa garantida por que é tão disponível, por ser tão simples de usar, tão elegante nos seus aparecimentos e desaparecimentos diários. No entanto, todas as pessoas, cientistas incluídos, ficam perplexas ao pensar em tal fenómeno. De que é feita a consciência? Parece me que terá de ser a mente com algumas peculiaridades, visto que não podemos estar conscientes sem uma mente da qual podemos ter consciência. Mas de que é feita a mente? Virá do ar, ou do corpo? As pessoas inteligentes dizem que vem do cérebro,

20 20 O livro da consciência que se encontra no cérebro, mas a resposta não é satisfatória. Como é que o cérebro faz a mente? Especialmente misterioso é o facto de ninguém ver a mente dos outros, consciente ou não. Podemos observar lhes o corpo e o que fazem, dizem ou escrevem, e podemos opinar com algum conhecimento quanto àquilo em que estarão a pensar. No entanto, não podemos observar lhes a mente e apenas nós próprios somos capazes de observar a nossa, a partir do interior, e através de uma janela bem estreita. As propriedades da mente, já para não falar da mente consciente, apresentam se de uma forma tão díspar daquelas da matéria viva visível, que as pessoas atentas se interrogam sobre a forma como um processo a mente consciente se funde com os outros processos as células vivas que se unem em aglomerados a que chamamos tecidos. Claro que dizer que a mente consciente é misteriosa, que o é, não é o mesmo que dizer que o mistério é insolúvel. Não é o mesmo que dizer que nunca seremos capazes de entender como um organismo vivo dotado de cérebro desenvolve uma mente consciente ou declarar que a solução do problema se encontra fora do alcance do ser humano. 1 Objectivos e motivos Este livro aborda duas questões. Primeira: como é que o cérebro constrói uma mente? Segunda: como é que o cérebro torna essa mente consciente? Tenho perfeita noção de que abordar questões não é o mesmo que responder lhes e que, no que respeita à mente consciente, seria disparatado partir do princípio que é hoje possível obter uma resposta definitiva. Além disso, apercebo me de que o estudo da consciência se expandiu de tal maneira que deixou de ser possível fazer se justiça a todas as novas contribuições. Esse facto, a par das questões da terminologia e da perspectiva, fazem com que o

21 21 Despertar actual trabalho sobre a consciência se assemelhe a um passeio através de um campo minado. Todavia, é razoável analisar as questões e usar os dados presentes, por mais incompletos e provisórios que sejam, para elaborar uma conjectura testável e sonhar com o futuro. O objectivo deste livro é reflectir sobre essas conjecturas e discutir um corpo de hipóteses. O ponto central é a estrutura necessária ao cérebro humano e a forma como tem de funcionar para que surjam mentes conscientes. Todos os livros devem ser escritos por uma boa razão e a razão para este foi começar de novo. Há mais de trinta anos que estudo a mente e o cérebro humanos e já escrevi sobre a consciência em artigos científicos e em livros. 2 Todavia, a reflexão sobre descobertas relevantes em projectos de investigação, recentes e antigos, tem vindo a alterar profundamente o meu ponto de vista em duas questões particulares: a origem e a natureza dos sentimentos, e os mecanismos por trás da construção do eu. Este livro constitui uma tentativa de debater noções actuais. Em grande medida, o livro é também sobre aquilo que ainda não sabemos, mas gostaríamos muito de saber. O resto do capítulo 1 situa o problema, explica a estrutura escolhida para o abordar e antevê as principais ideias que irão surgir nos capítulos que se seguem. Alguns leitores poderão pensar que esta longa apresentação retarda a leitura, mas prometo que também fará com que o resto do livro se torne mais acessível. Abordar o problema Antes de tentarmos avançar para a questão de como o cérebro humano cria a mente consciente, importa reconhecer dois legados importantes. Um deles consiste nas anteriores tentativas de descobrir a base neural da consciência, com projectos que remontam a meados do século xx. Numa série de estudos pioneiros levados a cabo na América do Norte e em Itália, um pequeno grupo de

22 22 O livro da consciência investigadores isolou com uma notável pontaria um sector do cérebro que está hoje inequivocamente ligado à criação da consciência o tronco cerebral identificando o como promotor essencial da consciência. À luz do que sabemos hoje, não admira que o relato destes pioneiros Wilder Penfield, Herbert Jasper, Giuseppe Moruzzi e Horace Magoun estivesse incompleto, e por vezes incorrecto. Claro que nada menos do que louvor e admiração é devido aos cientistas que intuíram o alvo correcto e a ele se dirigiram com tanta precisão. Foi esse o magnífico início da empresa para a qual vários de nós desejam hoje contribuir. 3 Desse legado fazem também parte os estudos levados a cabo mais recentemente com pacientes neurológicos cuja consciência foi comprometida por lesões cerebrais focais. O trabalho de Fred Plum e Jerome Posner foi o ponto de partida. 4 Ao longo do tempo, estes estudos, que complementam os dos pioneiros da investigação sobre a consciência, deram origem a um poderoso conjunto de factos relacionados com as estruturas cerebrais que podem ou não estar ligadas ao que faz com que a mente humana se torne consciente. Podemos avançar a partir dessa base. O outro legado que deve ser reconhecido consiste numa longa tradição na formulação de conceitos relacionados com a mente e a consciência. É uma história rica, tão longa e variada como a própria história da filosofia. A partir da profusão de ideias que nos são oferecidas, elegi o trabalho de William James como base do meu pensamento, embora isso não signifique uma defesa absoluta das suas posições sobre a consciência e especialmente sobre o sentimento. 5 O título deste livro, bem como as suas páginas iniciais, não deixam dúvidas quanto ao facto de que privilegio o eu ao abordar a mente consciente. Acredito que a mente consciente surge quando o eu é acrescentado a um processo mental básico. Quando o eu não ocorre no seio da mente, essa mente não se torna consciente na verdadeira acepção da palavra, uma circunstância com que se deparam os seres humanos cujo processo de construção do eu se encontra suspenso

23 23 Despertar durante o sono sem sonhos, durante a anestesia ou durante certas doenças cerebrais. Todavia, não é assim tão simples definir o processo de identidade que considero indispensável à consciência. É por isso que William James se revela tão essencial a este preâmbulo. James escreveu com eloquência sobre a importância do eu e, no entanto, referiu também que, em muitas ocasiões, a presença do eu é tão discreta que o conteúdo da mente domina a consciência. Antes de prosseguirmos é necessário confrontar esta imprecisão e decidir quanto às suas consequências. Existirá um eu, ou não? A existir um eu, estará presente sempre que nos encontramos conscientes, ou não? As respostas são inequívocas. Existe, com efeito, um eu, mas trata se de um processo, não de uma coisa, e esse processo encontra se presente em todos os momentos em que se presume que estejamos conscientes. Podemos apreciar o processo do eu a partir de dois pontos de vista. Um é o ponto de vista de um observador que aprecia um objecto dinâmico o objecto dinâmico constituído por certas operações da nossa mente, certos traços do comportamento e uma certa história da nossa vida. O outro ponto de vista é o do eu enquanto «conhecedor», o processo que concede um centro às nossas experiências e que acaba por nos permitir reflectir sobre essas mesmas experiências. A combinação dos dois pontos de vista dá origem à noção dual do eu que é usada ao longo deste livro. Tal como veremos, as duas noções correspondem a duas fases do desenvolvimento evolutivo da identidade, com o eu enquanto conhecedor a ter origem no eu enquanto objecto. Na vida diária, cada uma destas noções corresponde a um nível diferente de funcionamento da mente consciente, tendo o eu enquanto objecto um âmbito mais simples do que o eu enquanto conhecedor. Seja qual for o ponto de vista, o processo apresenta vários campos de acção e intensidades, e as suas manifestações variam com a ocasião. O eu pode funcionar num registo mais subtil, algo como

24 24 O livro da consciência uma sensação de presença num organismo vivo, 6 ou num registo saliente que inclua a personificação e a identidade do dono dessa mente. Ora nos apercebemos, ora deixamos de nos aperceber, mas sentimo lo sempre: é a melhor maneira de descrever a situação. James pensou no eu enquanto objecto como sendo a soma de tudo o que um indivíduo poderia considerar seu «não só o corpo e os poderes psíquicos, mas também as roupas, a esposa e os filhos, os antepassados e os amigos, a reputação e as obras, as terras e os cavalos, o iate e a conta bancária». 7 Esquecendo a incorrecção política, essa descrição é algo com que concordo. No entanto, James também pensou em outra coisa com a qual ainda concordo mais: aquilo que permite que a mente tenha conhecimento da existência de tais domínios e saiba que estes pertencem ao seu proprietário mental corpo, mente, passado e presente, e tudo o resto é o facto de a percepção de qualquer desses aspectos e factos gerar emoções e sentimentos; por sua vez, os sentimentos permitem a separação entre os conteúdos que pertencem ao eu e aqueles que não lhe pertencem. Segundo a minha perspectiva, tais sentimentos servem de marcadores. São os sinais baseados na emoção que designo como marcadores somáticos. 8 Quando no fluxo mental surgem conteúdos que dizem respeito ao eu, eles levam ao aparecimento de um marcador que se junta ao fluxo mental na forma de uma imagem, justaposta à imagem que o desencadeou. Estes sentimentos estabelecem uma distinção entre o eu e o não eu. São, resumidamente, sentimentos de conhecimento. Veremos como a elaboração de uma mente consciente depende, em várias fases, da formação de tais sentimentos. Quanto à minha definição do eu material, o eu enquanto objecto, ela é a seguinte: um agrupamento dinâmico de processos neurais integrados, centrado na representação do corpo vivo, que encontra expressão num agrupamento dinâmico de processos mentais integrados. O eu enquanto sujeito, enquanto conhecedor, é uma presença mais fugidia, muito menos agregada em termos mentais ou biológicos do que o eu enquanto objecto, mais dispersa, regra geral dissol

25 25 Despertar vida no fluxo de consciência, por vezes tão exasperantemente discreta que está e não está presente. Não há dúvida de que o eu enquanto conhecedor é mais difícil de captar do que o simples eu. Claro que isso não reduz a sua importância para a consciência. O eu enquanto sujeito e conhecedor é não só uma presença real mas também um ponto de viragem na evolução biológica. Podemos imaginar que o eu enquanto sujeito e conhecedor se encontra, por assim dizer, por cima do eu enquanto objecto, como uma nova camada de processos neurais que dá origem a mais uma camada de processos mentais. Não há uma verdadeira dicotomia entre o eu enquanto objecto e o eu enquanto conhecedor. Assistimos, isso sim, a uma continuidade e a uma progressão. O eu enquanto conhecedor tem a sua raiz no eu enquanto objecto. A consciência não se resume a imagens mentais. Terá, no mínimo, a ver com uma organização de conteúdos mentais centrada no organismo que produz e motiva esses conteúdos. Porém, a consciência, no sentido vivido pelo leitor e pelo autor sempre que o desejam, é mais do que uma mente que se organiza sob a influência de um organismo vivo e activo. É, isso sim, uma mente capaz de ter noção da existência desse organismo vivo e activo. É certo que o facto de o cérebro ser capaz de criar padrões neurais que organizam as experiências vividas sob a forma de imagens é parte importante do processo de estar consciente. Orientar essas imagens na perspectiva do organismo é outra parte notável do processo. Mas isso não é o mesmo que saber de forma automática e explícita que existem imagens dentro de mim, que são minhas e, em termos correntes, accionáveis. É verdade que a simples presença de imagens organizadas que se encadeiam numa corrente produz uma mente, mas a menos que se lhe acrescente um novo processo, a mente permanece inconsciente. A essa mente inconsciente falta um eu. Para que o cérebro se torne consciente, precisa de adquirir uma nova pro

26 26 O livro da consciência priedade: a subjectividade e um traço da subjectividade que a define é o sentimento que percorre as imagens que experimentamos de forma subjectiva. Para um tratamento contemporâneo da importância da subjectividade na perspectiva da filosofia, ler John Searle. 9 Em consonância com este conceito, o passo decisivo para o aparecimento da consciência não é o fabrico de imagens e a criação básica da mente. O passo decisivo é tornar nossas essas imagens, levá las a pertencer aos seus devidos donos, os organismos singulares e absolutamente circunscritos nos quais as imagens emergem. Na perspectiva da evolução e da história da vida de um indivíduo, o conhecedor surgiu em passos ordenados o proto eu e os seus sentimentos primordiais; o eu nuclear impulsionado pelas acções e, por fim, o eu autobiográfico que incorpora dimensões sociais e espirituais. Claro que falamos de processos dinâmicos, não de algo rígido, e os seus níveis sofrem flutuações constantes simples, complexos, ou algures num ponto intermédio podendo ser ajustados prontamente de acordo com as circunstâncias. Para que a mente se torne consciente, o conhecedor, seja qual for a designação que lhe atribuamos eu, experienciador, protagonista, tem a sua origem no cérebro. Quando o cérebro consegue introduzir um conhecedor na mente, o resultado é a subjectividade. Caso o leitor se interrogue sobre a necessidade desta defesa do eu, permita me que lhe garanta que é justificável. Neste preciso momento, os neurocientistas cujo trabalho pretende esclarecer a consciência defendem abordagens diferentes quanto ao eu, desde considerar o eu um tópico indispensável para os trabalhos de pesquisa, à crença de que ainda não chegou a altura de lidar com o sujeito (literalmente!). 10 Uma vez que o trabalho associado a cada abordagem continua a produzir ideias úteis, não é, por enquanto, a necessário decidir qual a abordagem que se virá a revelar mais satisfatória. Temos, no entanto, de reconhecer que os resultados destas abordagens são diferentes. Entretanto, é importante notar que estas duas atitudes dão continuidade a uma diferença de interpretação que já separava William

27 27 Despertar James de David Hume, algo geralmente ignorado nas discussões deste problema. James pretendia garantir que as suas concepções de eu apresentavam uma base biológica firme: o seu «eu» não seria confundido com uma entidade metafísica. Isso, no entanto, não o impediu de reconhecer uma função de conhecimento para o eu, mesmo sendo essa função subtil e não exuberante. Por outro lado, David Hume pulverizou o eu ao ponto de o eliminar. As passagens que se seguem ilustram os conceitos de Hume: «Nunca sou capaz de me observar sem uma percepção e não consigo observar nada além da percepção.» E vai ainda mais longe: «Quanto ao resto da humanidade, arrisco me a afirmar que não passa de um aglomerado de percepções diferentes, que se sucedem umas às outras com uma rapidez inconcebível, e que se encontram num fluxo e movimento perpétuos.» Ao comentar a eliminação do eu por parte de Hume, William James foi levado a proferir uma repreensão memorável e defender a existência do eu, destacando nele a estranha mistura de «unidade e diversidade» e chamando a atenção para o «núcleo de uniformidade» que percorre os ingredientes do eu. 11 A base providenciada por William James foi modificada e aumentada por filósofos e neurocientistas, vindo a incluir diferentes aspectos do eu. 12 Claro que a importância do eu para a edificação da mente consciente não ficou diminuída. Duvido que a base neural da mente consciente possa ser esclarecida de forma abrangente sem que primeiro se torne compreensível o eu enquanto objecto o eu material e o eu enquanto conhecedor. Os trabalhos contemporâneos sobre filosofia da mente e psicologia alargaram o legado conceptual, enquanto que o extraordinário desenvolvimento da biologia geral, da biologia evolutiva e da neurociência ampliou o legado neural, produziu uma vasta série de técnicas para a investigação do cérebro e coligiu uma quantidade colossal de factos. Os indícios, conjecturas e hipóteses apresentados neste livro baseiam se em todos estes desenvolvimentos.

28 28 O livro da consciência O eu como testemunha Ao longo de milhões de anos, inúmeras criaturas têm tido mentes activas, mas apenas nos casos em que se desenvolveu um eu capaz de agir como testemunha dessa mente é que a sua existência foi reconhecida. Também só depois de essas mentes terem desenvolvido linguagem e sobrevivido para contar a sua história é que a existência de mentes se tornou conhecida. O eu como testemunha é o elemento adicional que revela a presença, em cada um de nós, dos acontecimentos a que chamamos mentais. É necessário compreender a forma como esse elemento adicional é criado. Não pretendo que os conceitos de testemunha e de protagonista sejam simples metáforas literárias. Espero que ajudem a ilustrar a vasta gama de papéis que o eu assume na mente. Uma mente que não seja testemunhada por um eu protagonista não deixa de ser uma mente. No entanto, uma vez que o eu é a nossa única forma natural de apreender a mente, estamos inteiramente dependentes da presença, capacidade e limites do eu. Tendo em conta esta dependência sistemática, torna se extremamente difícil imaginar de forma independente a natureza do processo mental, embora, a partir de uma perspectiva evolutiva, seja bem claro que os processos mentais simples antecedem os processos do eu. O eu permite o vislumbre da mente, mas produz uma visão enevoada. Os aspectos do eu que nos permitem formular interpretações quanto à nossa existência e quanto ao universo continuam a evoluir, com toda a certeza ao nível cultural, e provavelmente também a nível biológico. Por exemplo, as camadas superiores do eu estão ainda a ser modificadas pelas mais variadas interacções sociais e culturais, e pela acumulação de conhecimento científico sobre o funcionamento da mente e do cérebro. Um século de cinema terá, certamente, tido um grande impacto no ser humano, bem como o espectáculo das sociedades globalizadas, transmitido de forma instantânea pelos meios de comunicação electrónica. O impacto da revolução digital, por

29 29 Despertar seu lado, apenas começa a ser avaliado. Em resumo, a nossa única visão directa da mente depende de uma parte dessa mesma mente, um processo individual que temos bons motivos para crer não ser capaz de nos providenciar uma descrição abrangente e fidedigna daquilo que está a acontecer. À primeira vista, depois de reconhecer o eu como forma de acesso ao conhecimento, talvez seja paradoxal, já para não dizer ingrato, pôr em causa a sua fidedignidade. No entanto, é exactamente essa a situação. À parte a janela directa que o eu abre para os nossos prazeres e sofrimentos, a informação que nos dá tem de ser posta em causa, especialmente quando essa informação tem a ver com a própria natureza do eu. Contudo, foi também o eu que tornou possível a razão e a observação científica, e a razão e a ciência, por seu lado, têm vindo a corrigir as intuições enganadoras a que o eu, por si só, nos pode levar. Para além de uma intuição enganadora Podemos dizer que as culturas e as civilizações não teriam surgido na ausência da consciência, o que faz da consciência um desenvolvimento notável na evolução biológica. No entanto, a natureza da consciência levanta sérios problemas a quem procura esclarecer a sua biologia. A observação da consciência a partir da nossa posição actual, atentos e dotados de um eu, é responsável por uma distorção compreensível mas perturbante dos estudos sobre a mente e a consciência. Observada do alto, a mente adquire um estatuto especial, isolada do resto do organismo à qual pertence. Vista de cima, a mente não só parece ser muito complexa, o que certamente é o caso, como também parece um fenómeno de natureza diferente do dos tecidos e funções biológicas do organismo que a alberga. Na prática, quando observamos o nosso ser adoptamos dois tipos de óptica: vemos a mente com olhos dirigidos para o interior; vemos os tecidos

Autor: Rabbi Yehuda Ashlag

Autor: Rabbi Yehuda Ashlag Autor: Rabbi Yehuda Ashlag A Kabbalah ensina a correlação entre causa e efeito de nossas fontes espirituais. Estas fontes se interligam de acordo com regras perenes e absolutas objetivando gols maiores

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Será que doses elevadas de creatina "atrasam o início clínico" da doença de Huntington? Porquê a creatina?

Será que doses elevadas de creatina atrasam o início clínico da doença de Huntington? Porquê a creatina? Notícias científicas sobre a Doença de Huntington. Em linguagem simples. Escrito por cientistas. Para toda a comunidade Huntington. Será que doses elevadas de creatina "atrasam o início clínico" da doença

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

UM JEITO DE AMAR A VIDA

UM JEITO DE AMAR A VIDA UM JEITO DE AMAR A VIDA Maria do Carmo Chaves CONSCIÊNCIA DO MUNDO FICHA TÉCNICA EDIÇÃO: Vírgula (Chancela Sítio do Livro) TÍTULO: Um jeito de amar a vida AUTORA: Maria do Carmo Chaves (escreve de acordo

Leia mais

Política Anti-Suborno da ADP Questões Frequentes (FAQs)

Política Anti-Suborno da ADP Questões Frequentes (FAQs) Política Anti-Suborno da ADP Questões Frequentes (FAQs) AS COMUNICAÇÕES ENTRE ADVOGADO E CLIENTE SÃO ESTRITAMENTE CONFIDENCIAIS Este documento destina-se a abordar questões que possam surgir no decurso

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga

A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A alma da liderança Por Paulo Alvarenga A palavra liderança é uma palavra grávida, tem vários significados. Desde os primórdios dos tempos a humanidade vivenciou exemplos de grandes líderes. Verdadeiros

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de

Colaborações em ambientes online predispõem a criação de comunidades de Ficha de Leitura Tipo de documento: Artigo Título: Colaboração em Ambientes Online na Resolução de Tarefas de Aprendizagem Autor: Miranda Luísa, Morais Carlos, Dias Paulo Assunto/Sinopse/Resenha: Neste

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

@ D @ LI Fei* Sub-director da Comissão da Lei Básica da RAEM do Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional, RP da China

@ D @ LI Fei* Sub-director da Comissão da Lei Básica da RAEM do Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional, RP da China Estudar a Fundo o Sistema da Região Administrativa Especial e Promover a Grande Prática de Um País, Dois Sistemas : Discurso no Fórum de Alto Nível sobre Um País, Dois Sistemas de 6 de Dezembro de 2011

Leia mais

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL

Escola Secundária com 3º CEB de Coruche EDUCAÇÃO SEXUAL Escola Secundária com 3º CEB de Coruche 0 EDUCAÇÃO SEXUAL INTRODUÇÃO A Educação da sexualidade é uma educação moral porque o ser humano é moral. É, também, uma educação das atitudes uma vez que, com base

Leia mais

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA:

FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: FILOSOFIA BUDISTA APLICADA A EMPRESA: CRESCENDO PESSOAL E PROFISSIONALMENTE. 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Onde você estiver que haja LUZ. Ana Rique A responsabilidade por um ambiente

Leia mais

Adolescência. i dos Pais

Adolescência. i dos Pais i dos Pais Adolescência Quem sou eu? Já não sou criança, ainda não sou adulto, e definitivamente não sou apenas um filho, pareço ser outra coisa que assume um lugar social! É a questão colocada por muitos

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores

Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Arquitecturas de Software Licenciatura em Engenharia Informática e de Computadores Primeiro Teste 21 de Outubro de 2006, 9:00H 10:30H Nome: Número:

Leia mais

GUIÃO DO PROFESSOR BRINCAR CIÊNCIA. As profissões. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor

GUIÃO DO PROFESSOR BRINCAR CIÊNCIA. As profissões. Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor GUIÃO DO PROFESSOR BRINCAR CIÊNCIA Exploração de conteúdos Preparação da visita Caderno do professor As profissões Introdução Preparação da visita A Casa Inacabada é um dos espaços que faz parte da exposição

Leia mais

MEDITANDO À LUZ DO PATHWORK. Clarice Nunes

MEDITANDO À LUZ DO PATHWORK. Clarice Nunes PROGRAMA PATHWORK DE TRANSFORMAÇÃO PESSOAL PATHWORK - RIO DE JANEIRO/ESPÍRITO SANTO HELPERSHIP FORMAÇÃO HELPER Coordenadora do PPTP HELPERSHIP MARIA DA GLÓRIA RODRIGUES COSTA MEDITANDO À LUZ DO PATHWORK

Leia mais

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada.

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Toque de Mestre 16 Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Profa. Júnia Andrade Viana profajunia@gmail.com face: profajunia Autora do livro Redação para Concursos

Leia mais

PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude

PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude 1 Dossiê Gilberto C. Cury Presidente da SBPNL - Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística Responsável por trazer a PNL ao Brasil, em 1981 gilberto@pnl.com.br PNL Tecnologia, Metodologia e Atitude

Leia mais

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC

I SILE-Seminário Integrado de Letras Espanhol a Distância /UFSC A história da construção do conhecimento pessoal é a história da vida de cada um de nós, pois construímos esse conhecimento de uma maneira específica e individual. A teoria a respeito dos Mapas Conceituais

Leia mais

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram

A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram A Psicologia de Vendas: Por Que as Pessoas Compram Esquema de Palestra I. Por Que As Pessoas Compram A Abordagem da Caixa Preta A. Caixa preta os processos mentais internos que atravessamos ao tomar uma

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento

GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA. 2º Momento 4.1.8. Orientação específica de codificação: Entrevista a educadoras de infância (2º momento) (2001) GUIÃO DE ENTREVISTA ÀS EDUCADORAS DE INFÂNCIA 2º Momento I. Questões sobre a modalidade de prática pedagógica

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Em primeiro lugar gostaria de expressar o meu agradecimento

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação

Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação Normas para Evitar Conflito de Interesses no Processo de Avaliação Janeiro de 2008 1. Introdução Uma das condições para que a avaliação cumpra todos os seus objectivos e contribua para a melhoria contínua

Leia mais

filosofia contemporânea

filosofia contemporânea filosofia contemporânea filosofia contemporânea carlos joão correia 2015-2016 o 1ºSemestre Pensa que tem livre-arbítrio? Não sei, realmente não sei. E a razão pela qual não sei é que eu não sei o que significa

Leia mais

Gestão de Empresas. A Formação Estratégica da Escola de Aprendizagem como um Processo Emergente

Gestão de Empresas. A Formação Estratégica da Escola de Aprendizagem como um Processo Emergente A Formação da Escola de Aprendizagem como um Processo Sumário Introdução Formação vs. Formulação Emergência de um plano de aprendizagem ; ; ; ; de Fazer; Aprender através de Erro(s) Honda; Premissas da

Leia mais

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky Tradução: Diogo Kosaka Gostaria de compartilhar minha experiência pessoal como engenheiro

Leia mais

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2 Comol era r t i gos c i ent íc os Conteúdo Como ler artigos científicos... 2 Dicas de como ler o artigo... 4 Guia de como ler um artigo:... 5 Atividade 1... 7 Etapa 1... 7 Etapa 2... 8 Etapa 3... 8 Etapa

Leia mais

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA

WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA WORKSHOP INTRODUÇÃO À MÚSICA INTRODUÇÃO Nos dias de hoje, é quase impensável querermos uma televisão a preto e branco em deterimento de uma televisão a cores e acontece porque a partir do momento em que

Leia mais

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s.

Ora, é hoje do conhecimento geral, que há cada vez mais mulheres licenciadas, com mestrado, doutoramentos, pós-docs e MBA s. Bom dia a todos e a todas, Não é difícil apontar vantagens económicas às medidas de gestão empresarial centradas na igualdade de género. Em primeiro lugar, porque permitem atrair e reter os melhores talentos;

Leia mais

ASTRONOMIA. A coisa mais incompreensível a respeito do Universo é que ele é compreensível Albert Einstein

ASTRONOMIA. A coisa mais incompreensível a respeito do Universo é que ele é compreensível Albert Einstein ASTRONOMIA A coisa mais incompreensível a respeito do Universo é que ele é compreensível Albert Einstein ASTRONOMIA A LUZ PROVENIENTE DE ESTRELAS DISTANTES PROVA QUE O UNIVERSO É ANTIGO? Vivemos num universo

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Ministrantes: Anita Maria da Rocha Fernandes César Albenes Zeferino Maria Cristina Kumm Pontes Rafael Luiz Cancian Itajaí,

Leia mais

O QUE É PRECISO PARA SER UM GRANDE LÍDER

O QUE É PRECISO PARA SER UM GRANDE LÍDER LIDERANÇA O QUE É PRECISO PARA SER UM GRANDE LÍDER Roselinde Torres foco na pessoa 6 Por Roselinde Torres O que é preciso para ser um grande líder hoje? Muitos de nós temos a imagem de um líder como um

Leia mais

Como Eu Começo meu A3?

Como Eu Começo meu A3? Como Eu Começo meu A3? David Verble O pensamento A3 é um pensamento lento. Você está tendo problemas para começar seu A3? Quando ministro treinamentos sobre o pensamento, criação e uso do A3, este assunto

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

Roteiro VcPodMais#005

Roteiro VcPodMais#005 Roteiro VcPodMais#005 Conseguiram colocar a concentração total no momento presente, ou naquilo que estava fazendo no momento? Para quem não ouviu o programa anterior, sugiro que o faça. Hoje vamos continuar

Leia mais

O jardim de infância. Informações destinadas aos pais. na região de língua alemã do cantão de Berna. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna

O jardim de infância. Informações destinadas aos pais. na região de língua alemã do cantão de Berna. Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna O jardim de infância na região de língua alemã do cantão de Berna Informações destinadas aos pais Direcção da Instrução Pública do Cantão de Berna Ficha técnica: Edição e Copyright: Direcção da Instrução

Leia mais

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva

Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Implementação do Processo de Avaliação Inclusiva Na parte final da fase 1 do projecto Processo de Avaliação em Contextos Inclusivos foi discutido o conceito processo de avaliação inclusiva e prepararam-se

Leia mais

Gestão de Carreiras Escola Secundária de Emídio Navarro 2002/2003 Estruturas, Tratamento e Organização de Dados

Gestão de Carreiras Escola Secundária de Emídio Navarro 2002/2003 Estruturas, Tratamento e Organização de Dados Gestão de Carreiras Durante muito tempo, a gestão de carreiras não fez parte das preocupações dominantes dos gestores de pessoal. Nos últimos anos, porém, tem-se assistido a um crescendo de interesse relativamente

Leia mais

Exmo. Sr. Presidente da Comissão de Educação, Ciência e Cultura, Deputado Ribeiro e Castro,

Exmo. Sr. Presidente da Comissão de Educação, Ciência e Cultura, Deputado Ribeiro e Castro, Exmo. Sr. Presidente da Comissão de Educação, Ciência e Cultura, Deputado Ribeiro e Castro, Exmo. Sr. Relator da Petição Pública Não há Educação sem Educação Física, Deputado Paulo Cavaleiro, Exmos. Srs.

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

Grupo de estudos Anthony Robbins

Grupo de estudos Anthony Robbins Grupo de estudos Anthony Robbins Coaching e PNL caps 5-26/11/2013 Queria saber qualquer coisa e tudo sobre como podemos aumentar a qualidade de nossas vidas, e tentei aplicar a mim mesmo, além de partilhar

Leia mais

LIÇÃO 1 Deus Tem Dons para Nós

LIÇÃO 1 Deus Tem Dons para Nós LIÇÃO 1 Deus Tem Dons para Nós Esta é a primeira de duas lições que lhe darão um bom fundamento para tudo quanto estudar neste curso. Nesta primeira lição, estudará a sua importância no corpo de Cristo.

Leia mais

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores

4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores 4. Conceito de Paralisia Cerebral construído pelos Professores Como descrevemos no capitulo II, a Paralisia Cerebral é uma lesão neurológica que ocorre num período em que o cérebro ainda não completou

Leia mais

Caderno de Apresentação Franquia

Caderno de Apresentação Franquia Caderno de Apresentação Franquia A Empresa A Genial Books iniciou suas actividades em dez/95 depois de um dos sócios conhecer o "Livro Personalizado", numa viagem de férias aos Estados Unidos. Vislumbrando

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

ESTATÍSTICAS, O ABECEDÁRIO DO FUTURO

ESTATÍSTICAS, O ABECEDÁRIO DO FUTURO ESTATÍSTICAS, O ABECEDÁRIO DO FUTURO Maria João Valente Rosa Membro do Conselho Superior de Estatística; Professora Universitária da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas/ Universidade Nova de Lisboa;

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS

AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS E DE PROJECTOS PEDAGÓGICOS Prof. Domingos Fernandes/Portugal* A avaliação é uma prática social cuja presença é cada vez mais indispensável para caracterizar, compreender, divulgar

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4

Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher. LIÇÃO 1 SUA MAIOR PRIORIDADE - Colossenses 3:1-4 Estudo Bíblico Colossenses Guia do Líder Por Mark Pitcher Os quatro estudos a seguir tratam sobre a passagem de Colossenses 3:1-17, que enfatiza a importância de Jesus Cristo ter sua vida por completo.

Leia mais

Reflexão. O ambiente na sala de aula era de muita atenção e de alguma expectativa e ansiedade para começar a montar os Robots da Lego.

Reflexão. O ambiente na sala de aula era de muita atenção e de alguma expectativa e ansiedade para começar a montar os Robots da Lego. Reflexão Tarefa Proposta: Uma Viagem ao Centro da Terra. Tema abordado: Razões Trigonométricas Unidade didática: Trigonometria Estrutura e organização da aula A realização desta Ficha de Trabalho foi dividida

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

Modelo Cascata ou Clássico

Modelo Cascata ou Clássico Modelo Cascata ou Clássico INTRODUÇÃO O modelo clássico ou cascata, que também é conhecido por abordagem top-down, foi proposto por Royce em 1970. Até meados da década de 1980 foi o único modelo com aceitação

Leia mais

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV

2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2. REDUZINDO A VULNERABILIDADE AO HIV 2.1 A Avaliação de risco e possibilidades de mudança de comportamento A vulnerabilidade ao HIV depende do estilo de vida, género e das condições socioeconómicas. Isso

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste LEITURA DA ENTREVISTA 2 E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste trabalho que estou a desenvolver. Como lhe foi explicado inicialmente, esta entrevista está

Leia mais

memmolde Norte: uma contribuição para a salvaguarda da memória colectiva da indústria de moldes do Norte de Portugal

memmolde Norte: uma contribuição para a salvaguarda da memória colectiva da indústria de moldes do Norte de Portugal memmolde Norte: uma contribuição para a salvaguarda da memória colectiva da indústria de moldes do Norte de Portugal Nuno Gomes Cefamol Associação Nacional da Indústria de Moldes MEMMOLDE NORTE As rápidas

Leia mais

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Processos de Gestão ADC/DEI/FCTUC/2000/01 CAP. 2 Introdução à Gestão das Organizações 1 CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES 2.1. Conceito de Gestão Vivemos numa sociedade de organizações (dos

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS 24 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS COMBINADAS Os mercados de capitais na Europa e no mundo exigem informações financeiras significativas, confiáveis, relevantes e comparáveis sobre os emitentes de valores mobiliários.

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

Teorias de Media e Comunicação

Teorias de Media e Comunicação Teorias de Media e Comunicação (4) Teóricos Contemporâneos Rita Espanha Mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação 1º Semestre 2012/2013 terça-feira, 20 de Novembro de 2012 Página 2 Jürgen

Leia mais

Dinâmica e Animação de Grupo

Dinâmica e Animação de Grupo Dinâmica e Animação de Grupo Desenvolvimento de Competências Turma G3D Leandro Diogo da Silva Neves 4848 Índice 1. Introdução... 3 2. Planeamento de desenvolvimento individual... 4 2.1 Competências...

Leia mais

III Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 15 de Outubro de 2010, Ponta Delgada, Açores Saúde em Todas as Políticas Locais

III Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 15 de Outubro de 2010, Ponta Delgada, Açores Saúde em Todas as Políticas Locais III Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 15 de Outubro de 2010, Ponta Delgada, Açores Saúde em Todas as Políticas Locais I Sessão Plenária: Saúde em Todas as Políticas Locais Reduzir as Desigualdades

Leia mais

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5)

Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA. EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Licenciatura em: Design HISTÓRIA DA ARTE E DA TÉCNICA Assim: 9; com ref. às fontes: 12-13 EVOLUÇÃO DO DESIGN AUTOMÓVEL (BMW Séries 5) Autores: André Sequeira 1º - A1 20110039 João Almeida 1º - A1 20110309

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

AS AUDITORIAS INTERNAS

AS AUDITORIAS INTERNAS AS AUDITORIAS INTERNAS Objectivos Gerais Reconhecer o papel das auditorias internas Objectivos Específicos Reconhecer os diferentes tipos de Auditorias Identificar os intervenientes Auditor e Auditado

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 2º (Estudantes com Necessidades Educativas Especiais)

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 2º (Estudantes com Necessidades Educativas Especiais) FACULDADE DE LETRAS Universidade de Lisboa REGULAMENTO DO APOIO AO ESTUDANTE COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS DA FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PREÂMBULO A existência de estudantes

Leia mais

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos.

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos. Psicoterapia comportamental infantil Eliane Belloni 1 A psicoterapia comportamental infantil é uma modalidade de atendimento clínico que visa propiciar mudanças no comportamento da criança a partir de

Leia mais

Senhor Embaixador dos Estados Unidos da América, Exmo. Senhor Presidente do Conselho de Administração da Oeiras International School,

Senhor Embaixador dos Estados Unidos da América, Exmo. Senhor Presidente do Conselho de Administração da Oeiras International School, Senhor Embaixador dos Estados Unidos da América, Excelência, Exmo. Senhor Presidente do Conselho de Administração da Oeiras International School, Exma. Senhora Directora da Oeiras International School,

Leia mais

A Tua Frase Poderosa. Coaches Com Clientes: Carisma. Joana Areias e José Fonseca WWW.COACHESCOMCLIENTES.COM

A Tua Frase Poderosa. Coaches Com Clientes: Carisma. Joana Areias e José Fonseca WWW.COACHESCOMCLIENTES.COM A Tua Frase Poderosa Coaches Com Clientes: Carisma Joana Areias e José Fonseca WWW.COACHESCOMCLIENTES.COM Introdução Neste pequeno texto pretendo partilhar contigo onde os coaches falham ao apresentarem-se

Leia mais

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt)

Esterofoto Geoengenharia SA. Álvaro Pombo. Administrtador. (www.estereofoto.pt) Esterofoto Geoengenharia SA Álvaro Pombo Administrtador (www.estereofoto.pt) Q. Conte-nos um pouco da historia da empresa, que já tem mais de 30 anos. R. A Esterofoto é uma empresa de raiz, a base da empresa

Leia mais

Óptica Visual e. Instrumentação

Óptica Visual e. Instrumentação Óptica Visual e Instrumentação Trabalho elaborado por: Andreia Fonseca 13220 Elia Coelho 13846 Gonçalo Heleno 13007 Ensino de Física e Química Página 1 Objectivos: Este trabalho experimental tem como principais

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

Rita FigueiRas * O seu mais recente livro, publicado em 2004, intitula-se Taking Journa- lism Seriously

Rita FigueiRas * O seu mais recente livro, publicado em 2004, intitula-se Taking Journa- lism Seriously Comunicação & Cultura, n.º 4, 2007, pp. 177-183 Entrevista a Barbie Zelizer Rita Figueiras * Barbie Zelizer é uma das mais notáveis investigadoras da actualidade na área do jornalismo e cultura. É professora

Leia mais

A MAGIA DA MATEMÁTICA

A MAGIA DA MATEMÁTICA A MAGIA DA MATEMÁTICA Helena Rocha, Isabel Oitavem Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa hcr@fct.unl.pt, oitavem@fct.unl.pt Introdução Todos os professores se preocupam com as

Leia mais

Para a disciplina de Área de Projecto. Prof.ª Ana Reis

Para a disciplina de Área de Projecto. Prof.ª Ana Reis Escola Secundária da Portela Loures Ensino Secundário Curso Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias 12º Ano de Escolaridade Para a disciplina de Área de Projecto Prof.ª Ana Reis Relatório Individual

Leia mais

Tigris & Euphrates. Regras em Português

Tigris & Euphrates. Regras em Português Tigris & Euphrates Regras em Português Componentes do jogo 1 Tabuleiro 153 Peças de Civilização o 57 Vermelhas (Templos) o 36 Azuis (Quintas) o 30 Verdes (Mercados) o 30 Pretas (Colonizações) 8 Peças de

Leia mais